SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Secundária com 2º e 3º Ciclos Professor Reynaldo dos Santos


                         RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO - 2010/2011


     Nome do docente: Filipe Manuel Ribeiro Pires

     Grupo Disciplinar: 230 – Matemática e Ciências da Natureza


    1. Autodiagnóstico

No dia 1 de Fevereiro de 2011, fui colocado nesta escola por oferta de escola, sendo-me atribuído um
horário de 22 horas, as quais se repartiram entre a leccionação de Matemática, Ciências da Natureza, Área
de Projecto e Estudo Acompanhado à turma do 5ºE, e as disciplinas de Ciências da Natureza, Formação
Cívica e Estudo Acompanhado à turma do 6ºD, bem com o cargo de Director da mesma.
Durante o tempo que estive a leccionar nesta escola, assegurei sempre o cumprimento do serviço lectivo
que me foi distribuído.
Na prestação de apoio à aprendizagem dos alunos, incluindo aqueles com dificuldades de
aprendizagem, o meu compromisso com a profissão e os alunos abrangeu as seguintes estratégias de
acção:

      Garantir que o conhecimento profissional seja constantemente actualizado e aperfeiçoado;

      Divulgar a informação relevante relacionada com as minhas competências e qualificações;

      Envolver-me com acções que promoveram a democracia e os direitos humanos através da
        educação;

      Salvaguardar e promover os interesses e o bem-estar de todos os alunos, protegendo-os de
        intimidações e de abusos físicos e psicológicos;

      Atender aos problemas que afectam o bem-estar dos estudantes, tratando-os com cuidado,
        dedicação e discrição;

      Reconhecer a individualidade e as necessidades específicas de cada aluno, estimulando-os para que
        possam desenvolver plenamente as suas potencialidades.

No contexto da minha relação com a comunidade e participação e dinamização de projectos e/ou
actividades constantes do PAA e dos PCT, bem como de outros projectos e actividades extra-curriculares, o
meu compromisso com os colegas, o director e os pais dos alunos inseriu-se nas seguintes estratégias de
acção:
     Promover um relacionamento amigável com todos os colegas, respeitando a situação profissional e
        as suas opiniões, aconselhando-os e apoiando-os nas suas dúvidas e expectativas;
     Manter a confidencialidade sobre informações relacionadas com os colegas, obtidas no decurso da
        prática profissional, não descurando as que foram requeridas por lei ou dever profissional;
     Realizar todos os esforços possíveis no sentido de envolver activamente os pais na educação dos
        filhos, auxiliando no processo de ensino e aprendizagem.


Ano Lectivo 2010/2011                                                                     Página 1
Escola Secundária com 2º e 3º Ciclos Professor Reynaldo dos Santos


       Implementação de estratégias diversificadas e pedagogias diferenciadas, adequadas às
        características das turmas, e dispensando particular atenção aos alunos com dificuldades de
        aprendizagem;
     Diversificação dos instrumentos, dos recursos e das modalidades de avaliação, perspectivando o
        processo de avaliação como elemento regulador e promotor da qualidade do ensino e da
        aprendizagem;
     Colaboração estreita com os Conselho de turma – ou outras iniciativas – na definição e
        concretização de medidas de recuperação, de acompanhamento ou de desenvolvimento de todos
        os alunos.
Cumpri integralmente as funções que me foram atribuídas com empenho e rigor, dando cumprimento aos
objectivos constantes no Projecto Educativo, no Plano Anual de Actividades e nos Projectos Curriculares de
Turma, tendo em vista o sucesso educativo dos alunos e o combate ao abandono escolar, por isso entendo
que os objectivos foram plenamente alcançados.



        2. Descrição da actividade profissional
Enquanto professor de Matemática e Ciências da Natureza, bem como na qualidade de Director de Turma,
foi minha preocupação fazer tudo que estivesse ao meu alcance para minorar as dificuldades que alguns
alunos apresentavam, pois só assim considero que a nossa profissão tem sentido e valor. O nosso trabalho
deve ter sempre como objectivo último o sucesso do aluno.
Tive como referência quer os Critérios Gerais de Avaliação do Agrupamento, quer os Critérios de Avaliação
definidos pelo meu Departamento. Para isso, procedi à avaliação diagnóstica, formativa e sumativa em
todas as turmas. Fiz a auto e a hetero-avaliação dos alunos. No primeiro caso, foram elaboradas fichas para
os respectivos períodos onde os alunos registaram as suas dificuldades para que houvesse feedback por
parte do professor na procura de soluções para o problema. Em cada trabalho realizado pelos alunos,
procurava valorizar-se a forma correcta como foi elaborado e alertar outros para as incorrecções
cometidas, sendo uma forma de reforçar os pontos positivos e minimizar, através da correcção, os pontos
negativos.
Para promover a autoconfiança dos alunos relativamente às suas capacidades, tentando minimizar o mito
que caracteriza, em especial, a disciplina – Matemática, proporcionei a realização de experiências de
aprendizagem construtivas e significativas, que fossem próximas dos interesses dos alunos e, portanto,
estimuladoras. Privilegiei os métodos assentes na autoconstrução do conhecimento e proporcionei uma
aprendizagem metacognitiva.
Promovi momentos específicos de recuperação para alunos com maiores dificuldades, quer dentro da sala
de aula, quer fora da sala de aula e dinamizei, por auto recriação, fora das componentes atribuídas, um
tempo semanal destinado à matemática para acompanhar os alunos na clarificação de dúvidas, na
concretização e aplicação de conhecimentos aprendidos e no desenvolvimento de situações de
aprendizagem complementares e de desenvolvimento.
Os meus objectivos foram sempre os de procurar que a aula se tornasse agradável, motivadora,
integradora na recuperação de todos os alunos, evitando que algum ficasse para trás ou desistisse, visando
portanto desenvolver as suas competências necessárias na turma.



Ano Lectivo 2010/2011                                                                       Página 2
Escola Secundária com 2º e 3º Ciclos Professor Reynaldo dos Santos



     3. Contributo individual para os objectivos e metas do Agrupamento
Segui criteriosamente as orientações do Departamento, do Grupo Disciplinar e dos Conselhos de Turma na
organização das actividades lectivas e na elaboração das planificações.
As planificações podem ser consultadas no dossier do grupo disciplinar de Matemática e Ciências
Experimentais.
Sempre que necessário, ajustei os planos ao ensino individualizado para os alunos com mais dificuldades.
Os meus objectivos na preparação e organização das actividades lectivas tiveram em conta:
      apoio aos alunos, considerando as dificuldades de aprendizagem detectadas;
      colaboração com os conselhos de turma na definição e implementação de estratégias de
         adequação curricular para alunos com dificuldades de aprendizagem permanentes;
      realização de actividades que, colectivamente, foram definidas no âmbito de planos elaborados em
         conselho de turma;
      o uso de metodologias e estratégias diversificadas tais como:
      ensino cooperativo, reforçando os trabalhos de grupo para que os que tinham mais dificuldades
         se sentissem à vontade;
      reforço positivo, valorizando o seu desempenho;
      ensino tutorial, com apoio individualizado sempre que possível.
 Como recursos, utilizei: o Manual das disciplinas de Ciências da Natureza e de Matemática, o computador,
 a internet e apresentações multimédia, concebidos para o efeito, o projector, cartazes e imagens. Estes
 recursos permitiram o desenvolvimento equilibrado das competências específicas das disciplinas de por
 mim leccionadas, segundo as suas grandes finalidades. Também utilizei na sala de aula, os seguintes
 instrumentos: fichas de diagnóstico, ficha individual do aluno, fichas de trabalho, fichas informativas,
 trabalhos escritos, trabalhos práticos, fichas de auto-avaliação e grelhas de registo da participação dos
 alunos.
As actividades planeadas foram plenamente cumpridas assim como os objectivos de aprendizagem
definidos para as turmas.
Nos conteúdos abordados procurou-se a interacção com o meio de forma que as suas vivências fossem
valorizadas, conseguindo-se assim uma melhor compreensão na aplicação do trabalho e estudo que
faziam. Também foram concebidos alguns materiais multimédia no âmbito das matérias a abordar e
ajustados aos objectivos a alcançar, que muito contribuíram para o sucesso dos alunos.
A recolha de informações sobre as necessidades e as características dos alunos e das turmas, o diagnóstico
da turma onde foram detectadas algumas dificuldades para um melhor acompanhamento, foram um bom
suporte para a concretização das actividades e cumprimento dos objectivos. No entanto surgiram algumas
dificuldades que foram ultrapassadas, nomeadamente alguns alunos que não traziam os materiais de
trabalho específicos da disciplina, tendo sido os pais chamados à atenção pela respectiva falha do seu
educando e, mesmo assim, continuaram a denotar alguma negligência, ficando deste modo
comprometidas as condições mínimas requeridas a um bom desempenho. Outros alunos, por
apresentarem comportamentos menos adequados em sala de aula, iam prejudicando a sua assimilação de
conhecimentos, sendo constantemente chamados à atenção para este facto. Por fim, um grupo reduzido
de alunos apresentava um nível mínimo de pré-requisitos, tendo sido objecto de um acompanhamento
individualizado aquando da realização de algumas tarefas requeridas pelo processo de ensino e
aprendizagem.

Ano Lectivo 2010/2011                                                                      Página 3
Escola Secundária com 2º e 3º Ciclos Professor Reynaldo dos Santos

Entendo que foi estabelecida uma relação pedagógica com os alunos, baseada no princípio de aprender a
aprender, na reciprocidade de responsabilidades, a fim de que gostassem de estar na escola.
Não tive qualquer problema disciplinar e sempre tratei os alunos com equidade, por isso considero que a
minha relação pedagógica com todos foi óptima. Conheço-os pelo nome, converso com eles dentro e fora
da sala de aula, mostro disponibilidade para os ajudar a resolver problemas e procurei sempre envolvê-los
nas actividades da aula e nas actividades da escola. No âmbito das regras de disciplina, dei a conhecê-las,
no início das minhas funções, e reforcei durante as aulas com frequência a necessidade de as respeitar.
Utilizei uma abordagem preventiva para evitar que surjam ou que se agudizem problemas disciplinares.
O apoio prestado aos alunos foi muito positivo, tendo em conta que todos os recursos e instrumentos
utilizados permitiram a diversificação de estratégias que visavam o sucesso. Também prestei um apoio
mais individualizado sempre que necessário. A nível da relação escola/família, tentei envolver os
Encarregados de Educação, informando-os ou solicitando o seu apoio através da caderneta escolar, sempre
que as atitudes dos alunos o justificavam. Também considero que cumpri os meus deveres profissionais e
realizei todas as tarefas que me foram distribuídas tanto pelo Conselho de Departamento como pelos
Conselhos de Turma. Durante as horas da componente não lectiva, sempre me disponibilizei para dar apoio
aos alunos nos projectos no âmbito da disciplina, assim como nos projectos relacionados com as
actividades da escola.
     3.1. DIMENSÃO: Vertente profissional, social e ética:
Neste domínio trabalhei no sentido de manter a actualização relativa ao conhecimento dos conteúdos e do
currículo, durante as aulas de formação cívica e na qualidade de director de turma, apliquei o guião de
género e cidadania, abordando o tema: “género e consumo de tabaco” (evidência1 – ver anexo1). Durante
as mesmas, foi também trabalhado o tema: “Educação Sexual” (evidência 2 – ver anexo 2). Trabalhei no
sentido de promover um ambiente de trabalho favorável, simultaneamente, aos domínios do saber ser e
do saber fazer, valorizando o respeito, a entreajuda, a cooperação, a convivência e a solidariedade;
estabeleci uma relação de respeito com todos os elementos da comunidade, participando de forma
empenhada na vida do Agrupamento.
    3.2. DIMENSÃO: Desenvolvimento do ensino e da aprendizagem:
No acto de planificar deve considera-se uma multiplicidade de acções cuja articulação equilibrada, no
âmbito das diversas perspectivas educacionais, contribuem favoravelmente para o processo de ensino,
assim, durante o tempo em que leccionei nesta escola, elaborei fichas de avaliação sumativa (evidência 3 –
ver anexo 3) para as turmas que estava a leccionar, bem como grelhas de registos de avaliação (evidência
4 – ver anexo 4). Elaborei, com o par pedagógico, as planificações da área curricular não disciplinar de
Estudo Acompanhado.
Produzi materiais de trabalho e recursos diversos tais como powerpoint´s e materiais manipuláveis; recorri
a diversas actividades práticas e experimentais; utilizei sempre que oportuno a escola virtual para motivar
os alunos ou sintetizar os conteúdos; elaborei adequações curriculares individuais para alunos que
usufruem do Decreto-lei nº3/2008 de 7 de Janeiro e criei, constantemente, uma relação pedagógica com
os alunos assente no respeito pelas características específicas de cada turma em geral e de cada aluno em
particular, articulando metodologias, desenvolvendo estratégias significativas e adequadas para uma
motivação necessária à aquisição de novos conhecimentos, exercitando a interligação dos conteúdos e a
sua aplicação quotidiana. Tentei, sempre que possível, estabelecer uma relação humana, afectiva e
pedagogicamente dinâmica, criadora de hábitos de estudo e de métodos de trabalho, incentivadora da
capacidade de pensamento crítico e criativo, da troca de ideias e de experiências que fossem capazes de


Ano Lectivo 2010/2011                                                                       Página 4
Escola Secundária com 2º e 3º Ciclos Professor Reynaldo dos Santos

enriquecer os alunos, fundamentalmente, como pessoas intervenientes na sociedade envolvente,
transmissoras de saberes e valores essenciais.
     3.3DIMENSÃO: Participação na escola e relação com a comunidade:
No âmbito desta dimensão e de acordo com os objectivos dos PEA e PAA e os Padrões do Desempenho
(PD), destaco algumas actividades que ajudei a desenvolver e que acredito terem contribuído para a
melhoria do funcionamento da escola, em particular da comunidade educativa.
     Participei no projecto “Esta semana acontece”, promovendo as actividades: Matemática em acção
        (evidência 5 – ver anexo 5), laboratório de Ciências da Natureza (evidência 6 – ver anexo 6) e
        venda de plantas na escola (evidência 7 – ver anexo 7), valorizando respectivamente a participação
        da comunidade educativa nas actividades do Agrupamento.
     Participei com os alunos do 6ºD numa visita de estudo, realizada no âmbito da disciplina de
        História e Geografia de Portugal, ao Museu da Electricidade e ao Palácio de Queluz (evidência 8 –
        acta da 4ª reunião do conselho de turma do 6ºD).
     3.4DIMENSÃO: Desenvolvimento e formação ao longo da vida:
Relativamente a esta dimensão, tenho alguns conhecimentos na óptica do utilizador ao nível das
Tecnologias da Informação e Comunicação (evidência 9), o que me permite usar as TIC em sala de aula.
     4. Análise pessoal da actividade lectiva e não lectiva

Apesar de reconhecer a existência de factores extrínsecos à escola na evolução da aprendizagem dos
alunos, acredito, veemente, que a qualidade de ensino e da aprendizagem está fortemente ligada ao
desempenho dos professores. Por conseguinte, desenvolvi a minha actividade profissional acreditando que
os padrões de desempenho docente constituem, pois, um elemento de referência que permite orientar a
prática docente num quadro de crescente complexidade e permanente mutação social, em que as escolas
e os profissionais de ensino são confrontados com a necessidade de responderem às exigências colocadas
por essas transformações e gerirem com qualidade as respostas necessárias. Estive sempre consciente de
que a articulação dos padrões deveria ser adequada, justamente, às características da escola e da
comunidade e, na verdade, ao estipulado pelo projecto educativo e, por isso, trabalhei com o objectivo
fulcral de conseguir a desejada articulação.
Dinamizei projectos com o Departamento que promoveram a participação dos professores, alunos e
Encarregados de Educação, nomeadamente no projecto “Esta semana acontece”, promovendo as
actividades: Matemática em acção, laboratório de Ciências da Natureza e venda de plantas na escola,
valorizando respectivamente a participação da comunidade educativa nas actividades do Agrupamento.
      Participei com os alunos do 6ºD numa visita de estudo, realizada no âmbito da disciplina de
        História e Geografia de Portugal, ao Museu da Electricidade e ao Palácio de Queluz.
      Participei nos projectos aos quais estava integrado e sempre que possível colaborei nos projectos
        do Departamento da Matemática e Ciências Experimentais.
      Contribuí, na medida das minhas possibilidades, nos eventos anuais que constam no Plano Anual
        de Actividades e na sua divulgação.
     5. Formação realizada
Não realizei nenhuma acção de formação contínua ao longo do tempo em que estive em funções nesta
escola, uma vez que fui colocado tardiamente e também não as houve.



Ano Lectivo 2010/2011                                                                      Página 5
Escola Secundária com 2º e 3º Ciclos Professor Reynaldo dos Santos


    6. Necessidades de formação
Considerando que as TIC são uma ferramenta cada vez mais importante ao serviço das aprendizagens
escolares, identifico algumas necessidades para formação:
     Ferramentas Informáticas – Excel
     Concepção de Materiais Pedagógicos
     As TIC na área da Matemática e Ciências Experimentais.




                         Vila Franca de Xira, 27 de Junho de 2011.




          O Avaliado                                          O Avaliador/Relator
Filipe Manuel Ribeiro Pires



Ano Lectivo 2010/2011                                                               Página 6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Rel auto avaliacao-2013_henrique_santos
Rel auto avaliacao-2013_henrique_santosRel auto avaliacao-2013_henrique_santos
Rel auto avaliacao-2013_henrique_santos
SalaAmarela Enxara Do Bispo
 
Auto avaliação
Auto avaliaçãoAuto avaliação
Auto avaliação
Ana Monteiro
 
Relatório de Reflexão Crítica - Vera Oliveira
Relatório de Reflexão Crítica - Vera OliveiraRelatório de Reflexão Crítica - Vera Oliveira
Relatório de Reflexão Crítica - Vera Oliveira
Vera Oliveira
 
Relatorio de Auto-avaliação 2017
Relatorio de Auto-avaliação 2017Relatorio de Auto-avaliação 2017
Relatorio de Auto-avaliação 2017
Henrique Santos
 
acta_286
acta_286acta_286
Teste de avaliação. ou aferição a2 .formação claudia
Teste de avaliação.  ou aferição a2 .formação claudiaTeste de avaliação.  ou aferição a2 .formação claudia
Teste de avaliação. ou aferição a2 .formação claudia
paulaoliveiraoliveir2
 
Planificação ana paula silva
Planificação ana paula silvaPlanificação ana paula silva
Planificação ana paula silva
paulasilva80
 
Relatorio Sintese PCG 1º Período
Relatorio Sintese PCG 1º PeríodoRelatorio Sintese PCG 1º Período
Relatorio Sintese PCG 1º Período
SalaAmarelaJIGradil
 
Relatorio de auto-avaliacao_2015-2016
Relatorio de auto-avaliacao_2015-2016Relatorio de auto-avaliacao_2015-2016
Relatorio de auto-avaliacao_2015-2016
Henrique Santos
 
Dossiê do Professor (2).pdf
Dossiê do Professor (2).pdfDossiê do Professor (2).pdf
Dossiê do Professor (2).pdf
CristinaCarvalho717285
 
Ficha de-trabalho-saga
Ficha de-trabalho-sagaFicha de-trabalho-saga
Ficha de-trabalho-saga
sandramarques8
 
Grelha avaliação apresentações orais
Grelha avaliação apresentações oraisGrelha avaliação apresentações orais
Grelha avaliação apresentações orais
Diogo Tavares
 
Planificação 22 de abril a 16 maio 2013-2014
Planificação 22 de abril a 16 maio   2013-2014Planificação 22 de abril a 16 maio   2013-2014
Planificação 22 de abril a 16 maio 2013-2014
mvaznunes
 
2º ata reunião encarregados de educação
2º ata   reunião  encarregados de educação2º ata   reunião  encarregados de educação
2º ata reunião encarregados de educação
Maria José Pires Fernandes
 
Relatório Síntese 3º período
Relatório Síntese 3º períodoRelatório Síntese 3º período
Relatório Síntese 3º período
SalaAmarelaJIGradil
 
Dossiê do Professor.pdf
Dossiê do Professor.pdfDossiê do Professor.pdf
Dossiê do Professor.pdf
CristinaCarvalho717285
 
Classes e subclasses das palavras - 5º , 6º e 7º ano
Classes e subclasses das palavras - 5º , 6º e 7º anoClasses e subclasses das palavras - 5º , 6º e 7º ano
Classes e subclasses das palavras - 5º , 6º e 7º ano
carol slides
 
JI Pedrosas - Planificação: Alimentação
JI Pedrosas - Planificação: AlimentaçãoJI Pedrosas - Planificação: Alimentação
JI Pedrosas - Planificação: Alimentação
mvaznunes
 
Os nomes comuns, próprios e colectivos
Os nomes comuns, próprios e colectivosOs nomes comuns, próprios e colectivos
Os nomes comuns, próprios e colectivos
becevadeira
 
Cavaleiro da dinamarca
Cavaleiro da dinamarca Cavaleiro da dinamarca
Cavaleiro da dinamarca
belabarata
 

Mais procurados (20)

Rel auto avaliacao-2013_henrique_santos
Rel auto avaliacao-2013_henrique_santosRel auto avaliacao-2013_henrique_santos
Rel auto avaliacao-2013_henrique_santos
 
Auto avaliação
Auto avaliaçãoAuto avaliação
Auto avaliação
 
Relatório de Reflexão Crítica - Vera Oliveira
Relatório de Reflexão Crítica - Vera OliveiraRelatório de Reflexão Crítica - Vera Oliveira
Relatório de Reflexão Crítica - Vera Oliveira
 
Relatorio de Auto-avaliação 2017
Relatorio de Auto-avaliação 2017Relatorio de Auto-avaliação 2017
Relatorio de Auto-avaliação 2017
 
acta_286
acta_286acta_286
acta_286
 
Teste de avaliação. ou aferição a2 .formação claudia
Teste de avaliação.  ou aferição a2 .formação claudiaTeste de avaliação.  ou aferição a2 .formação claudia
Teste de avaliação. ou aferição a2 .formação claudia
 
Planificação ana paula silva
Planificação ana paula silvaPlanificação ana paula silva
Planificação ana paula silva
 
Relatorio Sintese PCG 1º Período
Relatorio Sintese PCG 1º PeríodoRelatorio Sintese PCG 1º Período
Relatorio Sintese PCG 1º Período
 
Relatorio de auto-avaliacao_2015-2016
Relatorio de auto-avaliacao_2015-2016Relatorio de auto-avaliacao_2015-2016
Relatorio de auto-avaliacao_2015-2016
 
Dossiê do Professor (2).pdf
Dossiê do Professor (2).pdfDossiê do Professor (2).pdf
Dossiê do Professor (2).pdf
 
Ficha de-trabalho-saga
Ficha de-trabalho-sagaFicha de-trabalho-saga
Ficha de-trabalho-saga
 
Grelha avaliação apresentações orais
Grelha avaliação apresentações oraisGrelha avaliação apresentações orais
Grelha avaliação apresentações orais
 
Planificação 22 de abril a 16 maio 2013-2014
Planificação 22 de abril a 16 maio   2013-2014Planificação 22 de abril a 16 maio   2013-2014
Planificação 22 de abril a 16 maio 2013-2014
 
2º ata reunião encarregados de educação
2º ata   reunião  encarregados de educação2º ata   reunião  encarregados de educação
2º ata reunião encarregados de educação
 
Relatório Síntese 3º período
Relatório Síntese 3º períodoRelatório Síntese 3º período
Relatório Síntese 3º período
 
Dossiê do Professor.pdf
Dossiê do Professor.pdfDossiê do Professor.pdf
Dossiê do Professor.pdf
 
Classes e subclasses das palavras - 5º , 6º e 7º ano
Classes e subclasses das palavras - 5º , 6º e 7º anoClasses e subclasses das palavras - 5º , 6º e 7º ano
Classes e subclasses das palavras - 5º , 6º e 7º ano
 
JI Pedrosas - Planificação: Alimentação
JI Pedrosas - Planificação: AlimentaçãoJI Pedrosas - Planificação: Alimentação
JI Pedrosas - Planificação: Alimentação
 
Os nomes comuns, próprios e colectivos
Os nomes comuns, próprios e colectivosOs nomes comuns, próprios e colectivos
Os nomes comuns, próprios e colectivos
 
Cavaleiro da dinamarca
Cavaleiro da dinamarca Cavaleiro da dinamarca
Cavaleiro da dinamarca
 

Semelhante a Relatorio auto avaliacao_filipe pires

Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao PedagogicaAvaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Agostinho NSilva
 
TutorPDFonline
TutorPDFonlineTutorPDFonline
Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01
Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01
Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01
Eveline Sol
 
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docxPrograma-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
MaxLuisEspinosa
 
Plano-de-Ensino-Adaptado. Para alunos com Medidas de Apoio s
Plano-de-Ensino-Adaptado. Para alunos com Medidas de Apoio sPlano-de-Ensino-Adaptado. Para alunos com Medidas de Apoio s
Plano-de-Ensino-Adaptado. Para alunos com Medidas de Apoio s
MariaElizabethChaves
 
plano-de-ensino-adaptado.doc
plano-de-ensino-adaptado.docplano-de-ensino-adaptado.doc
plano-de-ensino-adaptado.doc
MARLENE791457
 
Proposta Pedagogica 2013
Proposta Pedagogica 2013Proposta Pedagogica 2013
Proposta Pedagogica 2013
eemarquesdesaovicente
 
autoavaliação Ivete 2014
autoavaliação Ivete 2014autoavaliação Ivete 2014
autoavaliação Ivete 2014
Ivete Pereira
 
Luciane
LucianeLuciane
Plano Individual 2º ciclo Registo do Professor 21-22.doc
Plano Individual  2º ciclo Registo do Professor 21-22.docPlano Individual  2º ciclo Registo do Professor 21-22.doc
Plano Individual 2º ciclo Registo do Professor 21-22.doc
Sónia Gouveia
 
Caderno plano e diário de classe arte
Caderno plano e diário de classe   arteCaderno plano e diário de classe   arte
Caderno plano e diário de classe arte
Sme Otacílio Costa
 
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docxPrograma GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Glauber Eduardo Aragon Pereira
 
Slides sala de recursos 2012
Slides   sala de recursos 2012Slides   sala de recursos 2012
Slides sala de recursos 2012
margaretreis
 
4º ano
4º ano4º ano
Trabalho 2 maio
Trabalho 2  maioTrabalho 2  maio
Trabalho 2 maio
Tania Neto
 
Av des123ciclos 10-11
Av des123ciclos 10-11Av des123ciclos 10-11
Av des123ciclos 10-11
Ana Matias
 
Orientações matemática para planejamento escolar de Matemática
Orientações matemática para planejamento escolar de MatemáticaOrientações matemática para planejamento escolar de Matemática
Orientações matemática para planejamento escolar de Matemática
SEDUC-TO
 
Adaptações curriculares
Adaptações curricularesAdaptações curriculares
Adaptações curriculares
Elisete Nunes
 
CARTILHA TUTORIA.pdf
CARTILHA TUTORIA.pdfCARTILHA TUTORIA.pdf
CARTILHA TUTORIA.pdf
GiselleMoreira13
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
jeffcezanne
 

Semelhante a Relatorio auto avaliacao_filipe pires (20)

Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao PedagogicaAvaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
 
TutorPDFonline
TutorPDFonlineTutorPDFonline
TutorPDFonline
 
Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01
Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01
Plano de-ac3a7c3a3o-modelo-01
 
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docxPrograma-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
 
Plano-de-Ensino-Adaptado. Para alunos com Medidas de Apoio s
Plano-de-Ensino-Adaptado. Para alunos com Medidas de Apoio sPlano-de-Ensino-Adaptado. Para alunos com Medidas de Apoio s
Plano-de-Ensino-Adaptado. Para alunos com Medidas de Apoio s
 
plano-de-ensino-adaptado.doc
plano-de-ensino-adaptado.docplano-de-ensino-adaptado.doc
plano-de-ensino-adaptado.doc
 
Proposta Pedagogica 2013
Proposta Pedagogica 2013Proposta Pedagogica 2013
Proposta Pedagogica 2013
 
autoavaliação Ivete 2014
autoavaliação Ivete 2014autoavaliação Ivete 2014
autoavaliação Ivete 2014
 
Luciane
LucianeLuciane
Luciane
 
Plano Individual 2º ciclo Registo do Professor 21-22.doc
Plano Individual  2º ciclo Registo do Professor 21-22.docPlano Individual  2º ciclo Registo do Professor 21-22.doc
Plano Individual 2º ciclo Registo do Professor 21-22.doc
 
Caderno plano e diário de classe arte
Caderno plano e diário de classe   arteCaderno plano e diário de classe   arte
Caderno plano e diário de classe arte
 
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docxPrograma GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
 
Slides sala de recursos 2012
Slides   sala de recursos 2012Slides   sala de recursos 2012
Slides sala de recursos 2012
 
4º ano
4º ano4º ano
4º ano
 
Trabalho 2 maio
Trabalho 2  maioTrabalho 2  maio
Trabalho 2 maio
 
Av des123ciclos 10-11
Av des123ciclos 10-11Av des123ciclos 10-11
Av des123ciclos 10-11
 
Orientações matemática para planejamento escolar de Matemática
Orientações matemática para planejamento escolar de MatemáticaOrientações matemática para planejamento escolar de Matemática
Orientações matemática para planejamento escolar de Matemática
 
Adaptações curriculares
Adaptações curricularesAdaptações curriculares
Adaptações curriculares
 
CARTILHA TUTORIA.pdf
CARTILHA TUTORIA.pdfCARTILHA TUTORIA.pdf
CARTILHA TUTORIA.pdf
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
 

Último

FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
JohnnyLima16
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 

Último (20)

FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 

Relatorio auto avaliacao_filipe pires

  • 1. Escola Secundária com 2º e 3º Ciclos Professor Reynaldo dos Santos RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO - 2010/2011 Nome do docente: Filipe Manuel Ribeiro Pires Grupo Disciplinar: 230 – Matemática e Ciências da Natureza 1. Autodiagnóstico No dia 1 de Fevereiro de 2011, fui colocado nesta escola por oferta de escola, sendo-me atribuído um horário de 22 horas, as quais se repartiram entre a leccionação de Matemática, Ciências da Natureza, Área de Projecto e Estudo Acompanhado à turma do 5ºE, e as disciplinas de Ciências da Natureza, Formação Cívica e Estudo Acompanhado à turma do 6ºD, bem com o cargo de Director da mesma. Durante o tempo que estive a leccionar nesta escola, assegurei sempre o cumprimento do serviço lectivo que me foi distribuído. Na prestação de apoio à aprendizagem dos alunos, incluindo aqueles com dificuldades de aprendizagem, o meu compromisso com a profissão e os alunos abrangeu as seguintes estratégias de acção:  Garantir que o conhecimento profissional seja constantemente actualizado e aperfeiçoado;  Divulgar a informação relevante relacionada com as minhas competências e qualificações;  Envolver-me com acções que promoveram a democracia e os direitos humanos através da educação;  Salvaguardar e promover os interesses e o bem-estar de todos os alunos, protegendo-os de intimidações e de abusos físicos e psicológicos;  Atender aos problemas que afectam o bem-estar dos estudantes, tratando-os com cuidado, dedicação e discrição;  Reconhecer a individualidade e as necessidades específicas de cada aluno, estimulando-os para que possam desenvolver plenamente as suas potencialidades. No contexto da minha relação com a comunidade e participação e dinamização de projectos e/ou actividades constantes do PAA e dos PCT, bem como de outros projectos e actividades extra-curriculares, o meu compromisso com os colegas, o director e os pais dos alunos inseriu-se nas seguintes estratégias de acção:  Promover um relacionamento amigável com todos os colegas, respeitando a situação profissional e as suas opiniões, aconselhando-os e apoiando-os nas suas dúvidas e expectativas;  Manter a confidencialidade sobre informações relacionadas com os colegas, obtidas no decurso da prática profissional, não descurando as que foram requeridas por lei ou dever profissional;  Realizar todos os esforços possíveis no sentido de envolver activamente os pais na educação dos filhos, auxiliando no processo de ensino e aprendizagem. Ano Lectivo 2010/2011 Página 1
  • 2. Escola Secundária com 2º e 3º Ciclos Professor Reynaldo dos Santos  Implementação de estratégias diversificadas e pedagogias diferenciadas, adequadas às características das turmas, e dispensando particular atenção aos alunos com dificuldades de aprendizagem;  Diversificação dos instrumentos, dos recursos e das modalidades de avaliação, perspectivando o processo de avaliação como elemento regulador e promotor da qualidade do ensino e da aprendizagem;  Colaboração estreita com os Conselho de turma – ou outras iniciativas – na definição e concretização de medidas de recuperação, de acompanhamento ou de desenvolvimento de todos os alunos. Cumpri integralmente as funções que me foram atribuídas com empenho e rigor, dando cumprimento aos objectivos constantes no Projecto Educativo, no Plano Anual de Actividades e nos Projectos Curriculares de Turma, tendo em vista o sucesso educativo dos alunos e o combate ao abandono escolar, por isso entendo que os objectivos foram plenamente alcançados. 2. Descrição da actividade profissional Enquanto professor de Matemática e Ciências da Natureza, bem como na qualidade de Director de Turma, foi minha preocupação fazer tudo que estivesse ao meu alcance para minorar as dificuldades que alguns alunos apresentavam, pois só assim considero que a nossa profissão tem sentido e valor. O nosso trabalho deve ter sempre como objectivo último o sucesso do aluno. Tive como referência quer os Critérios Gerais de Avaliação do Agrupamento, quer os Critérios de Avaliação definidos pelo meu Departamento. Para isso, procedi à avaliação diagnóstica, formativa e sumativa em todas as turmas. Fiz a auto e a hetero-avaliação dos alunos. No primeiro caso, foram elaboradas fichas para os respectivos períodos onde os alunos registaram as suas dificuldades para que houvesse feedback por parte do professor na procura de soluções para o problema. Em cada trabalho realizado pelos alunos, procurava valorizar-se a forma correcta como foi elaborado e alertar outros para as incorrecções cometidas, sendo uma forma de reforçar os pontos positivos e minimizar, através da correcção, os pontos negativos. Para promover a autoconfiança dos alunos relativamente às suas capacidades, tentando minimizar o mito que caracteriza, em especial, a disciplina – Matemática, proporcionei a realização de experiências de aprendizagem construtivas e significativas, que fossem próximas dos interesses dos alunos e, portanto, estimuladoras. Privilegiei os métodos assentes na autoconstrução do conhecimento e proporcionei uma aprendizagem metacognitiva. Promovi momentos específicos de recuperação para alunos com maiores dificuldades, quer dentro da sala de aula, quer fora da sala de aula e dinamizei, por auto recriação, fora das componentes atribuídas, um tempo semanal destinado à matemática para acompanhar os alunos na clarificação de dúvidas, na concretização e aplicação de conhecimentos aprendidos e no desenvolvimento de situações de aprendizagem complementares e de desenvolvimento. Os meus objectivos foram sempre os de procurar que a aula se tornasse agradável, motivadora, integradora na recuperação de todos os alunos, evitando que algum ficasse para trás ou desistisse, visando portanto desenvolver as suas competências necessárias na turma. Ano Lectivo 2010/2011 Página 2
  • 3. Escola Secundária com 2º e 3º Ciclos Professor Reynaldo dos Santos 3. Contributo individual para os objectivos e metas do Agrupamento Segui criteriosamente as orientações do Departamento, do Grupo Disciplinar e dos Conselhos de Turma na organização das actividades lectivas e na elaboração das planificações. As planificações podem ser consultadas no dossier do grupo disciplinar de Matemática e Ciências Experimentais. Sempre que necessário, ajustei os planos ao ensino individualizado para os alunos com mais dificuldades. Os meus objectivos na preparação e organização das actividades lectivas tiveram em conta:  apoio aos alunos, considerando as dificuldades de aprendizagem detectadas;  colaboração com os conselhos de turma na definição e implementação de estratégias de adequação curricular para alunos com dificuldades de aprendizagem permanentes;  realização de actividades que, colectivamente, foram definidas no âmbito de planos elaborados em conselho de turma;  o uso de metodologias e estratégias diversificadas tais como:  ensino cooperativo, reforçando os trabalhos de grupo para que os que tinham mais dificuldades se sentissem à vontade;  reforço positivo, valorizando o seu desempenho;  ensino tutorial, com apoio individualizado sempre que possível. Como recursos, utilizei: o Manual das disciplinas de Ciências da Natureza e de Matemática, o computador, a internet e apresentações multimédia, concebidos para o efeito, o projector, cartazes e imagens. Estes recursos permitiram o desenvolvimento equilibrado das competências específicas das disciplinas de por mim leccionadas, segundo as suas grandes finalidades. Também utilizei na sala de aula, os seguintes instrumentos: fichas de diagnóstico, ficha individual do aluno, fichas de trabalho, fichas informativas, trabalhos escritos, trabalhos práticos, fichas de auto-avaliação e grelhas de registo da participação dos alunos. As actividades planeadas foram plenamente cumpridas assim como os objectivos de aprendizagem definidos para as turmas. Nos conteúdos abordados procurou-se a interacção com o meio de forma que as suas vivências fossem valorizadas, conseguindo-se assim uma melhor compreensão na aplicação do trabalho e estudo que faziam. Também foram concebidos alguns materiais multimédia no âmbito das matérias a abordar e ajustados aos objectivos a alcançar, que muito contribuíram para o sucesso dos alunos. A recolha de informações sobre as necessidades e as características dos alunos e das turmas, o diagnóstico da turma onde foram detectadas algumas dificuldades para um melhor acompanhamento, foram um bom suporte para a concretização das actividades e cumprimento dos objectivos. No entanto surgiram algumas dificuldades que foram ultrapassadas, nomeadamente alguns alunos que não traziam os materiais de trabalho específicos da disciplina, tendo sido os pais chamados à atenção pela respectiva falha do seu educando e, mesmo assim, continuaram a denotar alguma negligência, ficando deste modo comprometidas as condições mínimas requeridas a um bom desempenho. Outros alunos, por apresentarem comportamentos menos adequados em sala de aula, iam prejudicando a sua assimilação de conhecimentos, sendo constantemente chamados à atenção para este facto. Por fim, um grupo reduzido de alunos apresentava um nível mínimo de pré-requisitos, tendo sido objecto de um acompanhamento individualizado aquando da realização de algumas tarefas requeridas pelo processo de ensino e aprendizagem. Ano Lectivo 2010/2011 Página 3
  • 4. Escola Secundária com 2º e 3º Ciclos Professor Reynaldo dos Santos Entendo que foi estabelecida uma relação pedagógica com os alunos, baseada no princípio de aprender a aprender, na reciprocidade de responsabilidades, a fim de que gostassem de estar na escola. Não tive qualquer problema disciplinar e sempre tratei os alunos com equidade, por isso considero que a minha relação pedagógica com todos foi óptima. Conheço-os pelo nome, converso com eles dentro e fora da sala de aula, mostro disponibilidade para os ajudar a resolver problemas e procurei sempre envolvê-los nas actividades da aula e nas actividades da escola. No âmbito das regras de disciplina, dei a conhecê-las, no início das minhas funções, e reforcei durante as aulas com frequência a necessidade de as respeitar. Utilizei uma abordagem preventiva para evitar que surjam ou que se agudizem problemas disciplinares. O apoio prestado aos alunos foi muito positivo, tendo em conta que todos os recursos e instrumentos utilizados permitiram a diversificação de estratégias que visavam o sucesso. Também prestei um apoio mais individualizado sempre que necessário. A nível da relação escola/família, tentei envolver os Encarregados de Educação, informando-os ou solicitando o seu apoio através da caderneta escolar, sempre que as atitudes dos alunos o justificavam. Também considero que cumpri os meus deveres profissionais e realizei todas as tarefas que me foram distribuídas tanto pelo Conselho de Departamento como pelos Conselhos de Turma. Durante as horas da componente não lectiva, sempre me disponibilizei para dar apoio aos alunos nos projectos no âmbito da disciplina, assim como nos projectos relacionados com as actividades da escola. 3.1. DIMENSÃO: Vertente profissional, social e ética: Neste domínio trabalhei no sentido de manter a actualização relativa ao conhecimento dos conteúdos e do currículo, durante as aulas de formação cívica e na qualidade de director de turma, apliquei o guião de género e cidadania, abordando o tema: “género e consumo de tabaco” (evidência1 – ver anexo1). Durante as mesmas, foi também trabalhado o tema: “Educação Sexual” (evidência 2 – ver anexo 2). Trabalhei no sentido de promover um ambiente de trabalho favorável, simultaneamente, aos domínios do saber ser e do saber fazer, valorizando o respeito, a entreajuda, a cooperação, a convivência e a solidariedade; estabeleci uma relação de respeito com todos os elementos da comunidade, participando de forma empenhada na vida do Agrupamento. 3.2. DIMENSÃO: Desenvolvimento do ensino e da aprendizagem: No acto de planificar deve considera-se uma multiplicidade de acções cuja articulação equilibrada, no âmbito das diversas perspectivas educacionais, contribuem favoravelmente para o processo de ensino, assim, durante o tempo em que leccionei nesta escola, elaborei fichas de avaliação sumativa (evidência 3 – ver anexo 3) para as turmas que estava a leccionar, bem como grelhas de registos de avaliação (evidência 4 – ver anexo 4). Elaborei, com o par pedagógico, as planificações da área curricular não disciplinar de Estudo Acompanhado. Produzi materiais de trabalho e recursos diversos tais como powerpoint´s e materiais manipuláveis; recorri a diversas actividades práticas e experimentais; utilizei sempre que oportuno a escola virtual para motivar os alunos ou sintetizar os conteúdos; elaborei adequações curriculares individuais para alunos que usufruem do Decreto-lei nº3/2008 de 7 de Janeiro e criei, constantemente, uma relação pedagógica com os alunos assente no respeito pelas características específicas de cada turma em geral e de cada aluno em particular, articulando metodologias, desenvolvendo estratégias significativas e adequadas para uma motivação necessária à aquisição de novos conhecimentos, exercitando a interligação dos conteúdos e a sua aplicação quotidiana. Tentei, sempre que possível, estabelecer uma relação humana, afectiva e pedagogicamente dinâmica, criadora de hábitos de estudo e de métodos de trabalho, incentivadora da capacidade de pensamento crítico e criativo, da troca de ideias e de experiências que fossem capazes de Ano Lectivo 2010/2011 Página 4
  • 5. Escola Secundária com 2º e 3º Ciclos Professor Reynaldo dos Santos enriquecer os alunos, fundamentalmente, como pessoas intervenientes na sociedade envolvente, transmissoras de saberes e valores essenciais. 3.3DIMENSÃO: Participação na escola e relação com a comunidade: No âmbito desta dimensão e de acordo com os objectivos dos PEA e PAA e os Padrões do Desempenho (PD), destaco algumas actividades que ajudei a desenvolver e que acredito terem contribuído para a melhoria do funcionamento da escola, em particular da comunidade educativa.  Participei no projecto “Esta semana acontece”, promovendo as actividades: Matemática em acção (evidência 5 – ver anexo 5), laboratório de Ciências da Natureza (evidência 6 – ver anexo 6) e venda de plantas na escola (evidência 7 – ver anexo 7), valorizando respectivamente a participação da comunidade educativa nas actividades do Agrupamento.  Participei com os alunos do 6ºD numa visita de estudo, realizada no âmbito da disciplina de História e Geografia de Portugal, ao Museu da Electricidade e ao Palácio de Queluz (evidência 8 – acta da 4ª reunião do conselho de turma do 6ºD). 3.4DIMENSÃO: Desenvolvimento e formação ao longo da vida: Relativamente a esta dimensão, tenho alguns conhecimentos na óptica do utilizador ao nível das Tecnologias da Informação e Comunicação (evidência 9), o que me permite usar as TIC em sala de aula. 4. Análise pessoal da actividade lectiva e não lectiva Apesar de reconhecer a existência de factores extrínsecos à escola na evolução da aprendizagem dos alunos, acredito, veemente, que a qualidade de ensino e da aprendizagem está fortemente ligada ao desempenho dos professores. Por conseguinte, desenvolvi a minha actividade profissional acreditando que os padrões de desempenho docente constituem, pois, um elemento de referência que permite orientar a prática docente num quadro de crescente complexidade e permanente mutação social, em que as escolas e os profissionais de ensino são confrontados com a necessidade de responderem às exigências colocadas por essas transformações e gerirem com qualidade as respostas necessárias. Estive sempre consciente de que a articulação dos padrões deveria ser adequada, justamente, às características da escola e da comunidade e, na verdade, ao estipulado pelo projecto educativo e, por isso, trabalhei com o objectivo fulcral de conseguir a desejada articulação. Dinamizei projectos com o Departamento que promoveram a participação dos professores, alunos e Encarregados de Educação, nomeadamente no projecto “Esta semana acontece”, promovendo as actividades: Matemática em acção, laboratório de Ciências da Natureza e venda de plantas na escola, valorizando respectivamente a participação da comunidade educativa nas actividades do Agrupamento.  Participei com os alunos do 6ºD numa visita de estudo, realizada no âmbito da disciplina de História e Geografia de Portugal, ao Museu da Electricidade e ao Palácio de Queluz.  Participei nos projectos aos quais estava integrado e sempre que possível colaborei nos projectos do Departamento da Matemática e Ciências Experimentais.  Contribuí, na medida das minhas possibilidades, nos eventos anuais que constam no Plano Anual de Actividades e na sua divulgação. 5. Formação realizada Não realizei nenhuma acção de formação contínua ao longo do tempo em que estive em funções nesta escola, uma vez que fui colocado tardiamente e também não as houve. Ano Lectivo 2010/2011 Página 5
  • 6. Escola Secundária com 2º e 3º Ciclos Professor Reynaldo dos Santos 6. Necessidades de formação Considerando que as TIC são uma ferramenta cada vez mais importante ao serviço das aprendizagens escolares, identifico algumas necessidades para formação:  Ferramentas Informáticas – Excel  Concepção de Materiais Pedagógicos  As TIC na área da Matemática e Ciências Experimentais. Vila Franca de Xira, 27 de Junho de 2011. O Avaliado O Avaliador/Relator Filipe Manuel Ribeiro Pires Ano Lectivo 2010/2011 Página 6