SlideShare uma empresa Scribd logo
GUIA DA
ENERGIA SOLAR
7
fornos solares
ÍNDICE
7-1
constituição e tipologias 7-2
materiais 7-3
orientação do forno 7-4
concentração da radiação e
armazenamento de calor
7-5
avaliação de desempenho 7-6
experiência 1 7-7
experiência 2 7-8
experiência 3 7-9
para saber mais... 7-11
GUIA DA
ENERGIA SOLAR
7
fornos solares
constituição e tipologias
7-2
Os fornos solares são utilizados na conversão térmica da radiação solar para
cozinhar alimentos ou para produzir água destilada.
Normalmente, num forno solar a superfície absorsora é um recipiente que contém
os alimentos, sendo o forno constituído pelos seguintes elementos:
A temperatura atingida no interior do recipiente (absorsor) vai depender da
quantidade de radiação solar que entra no forno, bem como do nível de protecção
térmica de que dispõe.
GUIA DA
ENERGIA SOLAR
7
fornos solares
materiais
7-3
Os materiais utilizados na construção de fornos solares devem ser resistentes à
humidade, dado que durante a cocção dos alimentos é libertado vapor de água, bem
como às temperaturas que se possam atingir no seu interior. Num forno temos,
essencialmente, quatro tipos de materiais:
• estruturais – garantem a estabilidade dimensional do conjunto (cartão,
madeira, plástico, cimento, etc.)
• isolamento – minimiza as perdas térmicas do conjunto (lã de vidro, esferovite,
papel de jornal, etc.)
• transparentes – permitem a criação do efeito de estufa no interior da caixa
(vidro, plástico para alta temperatura, etc.)
• reflectores – minimizam as perdas térmicas no interior do forno e podem
concentrar a radiação solar no interior (folha de alumínio, etc.)
GUIA DA
ENERGIA SOLAR
7
fornos solares
orientação do forno
7-4
A orientação da cobertura na perpendicular à radiação solar maximiza a quantidade
de radiação solar que entra na caixa. Contudo, há que considerar que as perdas
térmicas do forno são proporcionais à sua superfície exterior.
O forno solar exposto ao Sol deve apresentar a maior largura ao sentido Este-Oeste,
de modo a poder captar radiação solar durante um maior período de tempo.
GUIA DA
ENERGIA SOLAR
7
fornos solares
concentração da radiação e armazenamento de calor
7-5
É comum a utilização de reflectores simples ou múltiplos que permitem a concentração
de radiação solar no interior da caixa:
O armazenamento de calor no forno pode ser realizado através da utilização de
uma massa térmica no interior da caixa isolada. A existência desta massa térmica
implica um pré-aquecimento do forno antes da utilização.
GUIA DA
ENERGIA SOLAR
7
fornos solares
avaliação de desempenho
7-6
O desempenho do forno solar pode ser calculado, de forma simples, através da
comparação entre a radiação solar disponível num período de tempo e o aumento de
temperatura de um volume de água no interior do recipiente de cocção.
O rendimento do forno é, deste modo, dado pela relação:
Ig * Acol * dt
η =
m * Cp * (Tf – Ti)
em que:
m representa a massa de água, em [kg]
Cp representa o calor específico a pressão constante da água, igual a 4185
[J/(kg.ºC)]
Tf representa a temperatura final da água, em [ºC]
Ti representa a temperatura inicial da água, em [ºC]
Ig representa a radiação global no plano horizontal, em [W/m2
], que para um dia com
céu limpo, cerca das 12 h, apresenta valores entre os 800 e os 1000 W/m2
Acol representa a área do vidro, em [m2
]
e a potência do forno pela relação:
dt
P =
m * Cp * (Tf – Ti)
GUIA DA
ENERGIA SOLAR
7
fornos solares
experiência 1
7-7
Experiência 1: com esta experiência simples pretende-se demonstrar o efeito da
concentração da radiação solar na cocção de alimentos.
Material necessário: 1 caixa de cartão comprida
folha de alumínio
cartolina
espeto
1 – desenhar uma parábola nos lados mais longos da
caixa (distância focal de 10 a 20 cm) e cortar a caixa
(é importante que o corte siga o desenho rigoroso das
parábolas).
2 – preencher o topo da caixa com uma cartolina,
seguindo o contorno das parábolas recortadas em
ambos os lados da caixa.
5 – colar dois suportes em cartão para posicionar
o espeto no foco da parábola.
3 – colar a folha de alumínio sobre toda a superfície
da cartolina com o lado reflector para fora. É
importante que a folha de alumínio fique lisa.
4 – com uma folha de papel no centro da curvatura,
encontrar o foco onde é concentrada a radiação e
registar a sua posição.
6 – cozinhar uma salsicha.
GUIA DA
ENERGIA SOLAR
7
fornos solares
experiência 2
7-8
Experiência 2: com esta experiência simples pretende-se demonstrar o efeito de
estufa provocado por uma cobertura de plástico, bem como o efeito da concentração
na cocção de alimentos.
Material necessário: 1 cartolina (1 m x 1,33 m)
papel de alumínio1 recipiente metálico escuro
1 saco de plástico transparente
1 – cortar a cartolina de acordo com
o esquema.
4 – colocar os alimentos dentro do
recipiente e colocar o recipiente
dentro do saco plástico, que deve
ficar fechado.
5 – colocar o saco de plástico no centro da
base do forno e colocar o forno ao Sol.
2 – colar a folha de alumínio sobre a
cartolina, com a face reflectora para
fora.
3 – montar o forno de acordo com a
figura, com o lado reflector no interior.
GUIA DA
ENERGIA SOLAR
7
fornos solares
experiência 3
7-9
Experiência 3: com esta experiência pretende-se demonstrar o efeito do isolamento
térmico, da cobertura do forno e da utilização de reflector para concentração da
radiação.
Material necessário: 1 caixa de cartão com tampa (modelo CTT ou equivalente)
1 forma grande de alumínio
Bocados de espuma isolante (ou esferovite ou folhas papel)
1 forma pequena de alumínio
1 rolo de folha de alumínio (tipo alimentar)
1 Rolo de fita adesiva
1 rolo de película aderente transparente (tipo alimentar)
1 termómetro
2 palitos gigantes (ou pauzinho de espetada)
1 par óculos de sol
1 tesoura (ou x-acto)
1 par de luvas
1 lata tinta negra mate (não tóxica)
1 bússola
GUIA DA
ENERGIA SOLAR
7
fornos solares
experiência 3
1 – pintar com tinta negra mate o interior da forma grande de alumínio (placa
absorsora) e o exterior da forma pequena de alumínio (panela) e deixar secar.
2 – revestir o interior da caixa de cartão com uma camada (fina) de material isolante
e cobrir com a película de alumínio (face brilhante) sem amachucar. Utilizar fita
adesiva.
3 – colocar a forma grande de alumínio no fundo da caixa.
4 – colocar o alimento no
interior da forma pequena,
cobrir com película
transparente e colocar (colar
se for preciso) em cima da
forma grande. Cobrir em
seguida a caixa aberta com a
película transparente.
5 – revestir o interior da tampa
da caixa com a película de
alumínio (usar fita adesiva) e
colocar lateralmente os
pauzinhos de espetada para
inclinar a tampa (reflector) para
reflectir o Sol para dentro do
forno.
6 – orientar o forno solar para o Sol e regular a tampa para conseguir a melhor
concentração de energia (reparar num foco de luz) para o interior.
7 – prever o que vai acontecer à temperatura do interior do forno solar à medida que
o tempo passa.
8 – registar a temperatura inicial do ar ambiente e do interior da panela.
9 – medir e registar as temperaturas do ar ambiente e do interior da “panela” em cada
5 minutos até terem decorrido 30 minutos (Esta operação terá de ser rápida).
10 – elaborar um gráfico salientando o diferencial de temperatura entre o interior e o
exterior do forno solar. Tirar conclusões.
7-10
GUIA DA
ENERGIA SOLAR
7
fornos solares
para saber mais...
7-11
http://solarcooking.org/books.htm (várias publicações
disponíveis)
http://solarcookers.org/
http://www.spes.pt
http://www.energyquest.ca.gov/projects/index.html#solar
http://www.sunco.pt

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Fornos solares

Forno solar
Forno solarForno solar
Forno solar
Roberto Oliveira
 
Energia solar
Energia solarEnergia solar
Energia solar
HlioMachado1
 
Forno solar-construcao
Forno solar-construcaoForno solar-construcao
Forno solar-construcao
guest0c864b
 
2012 02 16_grupo delta
2012 02 16_grupo delta2012 02 16_grupo delta
2012 02 16_grupo delta
duartejanuario
 
Aula 8_Solar_FV Termico.ppt
Aula 8_Solar_FV Termico.pptAula 8_Solar_FV Termico.ppt
Aula 8_Solar_FV Termico.ppt
imairodallacosta
 
Equipe Primavera
Equipe PrimaveraEquipe Primavera
Equipe Primavera
CEPMBB
 
Aula 8_Solar_FV Termico.ppt
Aula 8_Solar_FV Termico.pptAula 8_Solar_FV Termico.ppt
Aula 8_Solar_FV Termico.ppt
AlexBarros86
 
Fornos solares (1)
Fornos solares (1)Fornos solares (1)
Fornos solares (1)
joajjoaj
 
Vento - 10º C
Vento - 10º CVento - 10º C
Vento - 10º C
Física Química A
 
10ºano - painel fotovoltaico e coletor solar
10ºano - painel fotovoltaico e coletor solar10ºano - painel fotovoltaico e coletor solar
10ºano - painel fotovoltaico e coletor solar
adelinoqueiroz
 
Reabilitação Energética Edifícios Residenciais
Reabilitação Energética Edifícios ResidenciaisReabilitação Energética Edifícios Residenciais
Reabilitação Energética Edifícios Residenciais
EdenCidade
 
Prática 02
Prática 02Prática 02
Prática 02
Samira Elaine
 
Atividades de física para o enem 2013 prof waldir montenegro 2000
Atividades de física para o enem 2013 prof waldir montenegro 2000Atividades de física para o enem 2013 prof waldir montenegro 2000
Atividades de física para o enem 2013 prof waldir montenegro 2000
Waldir Montenegro
 
Vidalonga
VidalongaVidalonga
Vidalonga
Alquimit9
 
A reciclagem de embalagens longa vida é o processo pelo qual são reintegrados...
A reciclagem de embalagens longa vida é o processo pelo qual são reintegrados...A reciclagem de embalagens longa vida é o processo pelo qual são reintegrados...
A reciclagem de embalagens longa vida é o processo pelo qual são reintegrados...
sr adil
 
Alternativas sustentáveis trabalho (1)
Alternativas sustentáveis  trabalho (1)Alternativas sustentáveis  trabalho (1)
Alternativas sustentáveis trabalho (1)
noobstyle
 
Conversão térmica da energia solar
Conversão térmica da energia solarConversão térmica da energia solar
Conversão térmica da energia solar
acarneirinho
 
Guia didático de energia solar 03 conversão térmica da energia solar
Guia didático de energia solar 03 conversão térmica da energia solarGuia didático de energia solar 03 conversão térmica da energia solar
Guia didático de energia solar 03 conversão térmica da energia solar
fpv_transilvania
 
Conversão térmica da energia solar
Conversão térmica da energia solarConversão térmica da energia solar
Conversão térmica da energia solar
acarneirinho
 
90045867 experimento-energia-de-amendoim
90045867 experimento-energia-de-amendoim90045867 experimento-energia-de-amendoim
90045867 experimento-energia-de-amendoim
Edson Emidio
 

Semelhante a Fornos solares (20)

Forno solar
Forno solarForno solar
Forno solar
 
Energia solar
Energia solarEnergia solar
Energia solar
 
Forno solar-construcao
Forno solar-construcaoForno solar-construcao
Forno solar-construcao
 
2012 02 16_grupo delta
2012 02 16_grupo delta2012 02 16_grupo delta
2012 02 16_grupo delta
 
Aula 8_Solar_FV Termico.ppt
Aula 8_Solar_FV Termico.pptAula 8_Solar_FV Termico.ppt
Aula 8_Solar_FV Termico.ppt
 
Equipe Primavera
Equipe PrimaveraEquipe Primavera
Equipe Primavera
 
Aula 8_Solar_FV Termico.ppt
Aula 8_Solar_FV Termico.pptAula 8_Solar_FV Termico.ppt
Aula 8_Solar_FV Termico.ppt
 
Fornos solares (1)
Fornos solares (1)Fornos solares (1)
Fornos solares (1)
 
Vento - 10º C
Vento - 10º CVento - 10º C
Vento - 10º C
 
10ºano - painel fotovoltaico e coletor solar
10ºano - painel fotovoltaico e coletor solar10ºano - painel fotovoltaico e coletor solar
10ºano - painel fotovoltaico e coletor solar
 
Reabilitação Energética Edifícios Residenciais
Reabilitação Energética Edifícios ResidenciaisReabilitação Energética Edifícios Residenciais
Reabilitação Energética Edifícios Residenciais
 
Prática 02
Prática 02Prática 02
Prática 02
 
Atividades de física para o enem 2013 prof waldir montenegro 2000
Atividades de física para o enem 2013 prof waldir montenegro 2000Atividades de física para o enem 2013 prof waldir montenegro 2000
Atividades de física para o enem 2013 prof waldir montenegro 2000
 
Vidalonga
VidalongaVidalonga
Vidalonga
 
A reciclagem de embalagens longa vida é o processo pelo qual são reintegrados...
A reciclagem de embalagens longa vida é o processo pelo qual são reintegrados...A reciclagem de embalagens longa vida é o processo pelo qual são reintegrados...
A reciclagem de embalagens longa vida é o processo pelo qual são reintegrados...
 
Alternativas sustentáveis trabalho (1)
Alternativas sustentáveis  trabalho (1)Alternativas sustentáveis  trabalho (1)
Alternativas sustentáveis trabalho (1)
 
Conversão térmica da energia solar
Conversão térmica da energia solarConversão térmica da energia solar
Conversão térmica da energia solar
 
Guia didático de energia solar 03 conversão térmica da energia solar
Guia didático de energia solar 03 conversão térmica da energia solarGuia didático de energia solar 03 conversão térmica da energia solar
Guia didático de energia solar 03 conversão térmica da energia solar
 
Conversão térmica da energia solar
Conversão térmica da energia solarConversão térmica da energia solar
Conversão térmica da energia solar
 
90045867 experimento-energia-de-amendoim
90045867 experimento-energia-de-amendoim90045867 experimento-energia-de-amendoim
90045867 experimento-energia-de-amendoim
 

Mais de acarneirinho

Diario_bordo_anonimo_22_23.pdf
Diario_bordo_anonimo_22_23.pdfDiario_bordo_anonimo_22_23.pdf
Diario_bordo_anonimo_22_23.pdf
acarneirinho
 
Sala de Aula invertida
Sala de Aula invertidaSala de Aula invertida
Sala de Aula invertida
acarneirinho
 
Visita de estudo ao CCV Lousal
Visita de estudo ao CCV LousalVisita de estudo ao CCV Lousal
Visita de estudo ao CCV Lousal
acarneirinho
 
Teens' consumerism during the pandemic.pptx
Teens' consumerism during the pandemic.pptxTeens' consumerism during the pandemic.pptx
Teens' consumerism during the pandemic.pptx
acarneirinho
 
Níveis de Intensidade Sonora - Trabalho de pesquisa experimental.pptx
Níveis de Intensidade Sonora - Trabalho de pesquisa experimental.pptxNíveis de Intensidade Sonora - Trabalho de pesquisa experimental.pptx
Níveis de Intensidade Sonora - Trabalho de pesquisa experimental.pptx
acarneirinho
 
Energia nuclear.pptx
Energia nuclear.pptxEnergia nuclear.pptx
Energia nuclear.pptx
acarneirinho
 
Planeamento visual de atividade pedagógica
Planeamento visual de atividade pedagógicaPlaneamento visual de atividade pedagógica
Planeamento visual de atividade pedagógica
acarneirinho
 
Planejamento da ação didática ana carneirinho
Planejamento da ação didática ana carneirinhoPlanejamento da ação didática ana carneirinho
Planejamento da ação didática ana carneirinho
acarneirinho
 
Delinear a avaliação pedagógica jogos digitais ferramenta educativa_a_ce_l_ua...
Delinear a avaliação pedagógica jogos digitais ferramenta educativa_a_ce_l_ua...Delinear a avaliação pedagógica jogos digitais ferramenta educativa_a_ce_l_ua...
Delinear a avaliação pedagógica jogos digitais ferramenta educativa_a_ce_l_ua...
acarneirinho
 
Guia Pedagógico- Hibridização dos módulos de Física da disciplina de FQ dos c...
Guia Pedagógico- Hibridização dos módulos de Física da disciplina de FQ dos c...Guia Pedagógico- Hibridização dos módulos de Física da disciplina de FQ dos c...
Guia Pedagógico- Hibridização dos módulos de Física da disciplina de FQ dos c...
acarneirinho
 
04 1 2_lei_termodinamica
04 1 2_lei_termodinamica04 1 2_lei_termodinamica
04 1 2_lei_termodinamica
acarneirinho
 
Tecnologias Digitais e o potencial para construção de ecossistemas pedagógico...
Tecnologias Digitais e o potencial para construção de ecossistemas pedagógico...Tecnologias Digitais e o potencial para construção de ecossistemas pedagógico...
Tecnologias Digitais e o potencial para construção de ecossistemas pedagógico...
acarneirinho
 
A partilha de um projeto escolar numa página de Facebook. Breve reflexão
A partilha de um projeto escolar numa página de Facebook. Breve reflexãoA partilha de um projeto escolar numa página de Facebook. Breve reflexão
A partilha de um projeto escolar numa página de Facebook. Breve reflexão
acarneirinho
 
Geometria molecular e polaridade das moléculas
Geometria molecular e polaridade das moléculasGeometria molecular e polaridade das moléculas
Geometria molecular e polaridade das moléculas
acarneirinho
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
acarneirinho
 
Química do Ambiente
Química do AmbienteQuímica do Ambiente
Química do Ambiente
acarneirinho
 
CanSat2018 - Poster da equipa HorizonTeam
CanSat2018 - Poster da equipa HorizonTeamCanSat2018 - Poster da equipa HorizonTeam
CanSat2018 - Poster da equipa HorizonTeam
acarneirinho
 
Fornos solares
Fornos solaresFornos solares
Fornos solares
acarneirinho
 
Paper on-classification-and-classifiers
Paper on-classification-and-classifiersPaper on-classification-and-classifiers
Paper on-classification-and-classifiers
acarneirinho
 
Programação de arduinos com S4A (exercícios com entradas e saídas digitais)
Programação de arduinos com S4A (exercícios com entradas e saídas digitais)Programação de arduinos com S4A (exercícios com entradas e saídas digitais)
Programação de arduinos com S4A (exercícios com entradas e saídas digitais)
acarneirinho
 

Mais de acarneirinho (20)

Diario_bordo_anonimo_22_23.pdf
Diario_bordo_anonimo_22_23.pdfDiario_bordo_anonimo_22_23.pdf
Diario_bordo_anonimo_22_23.pdf
 
Sala de Aula invertida
Sala de Aula invertidaSala de Aula invertida
Sala de Aula invertida
 
Visita de estudo ao CCV Lousal
Visita de estudo ao CCV LousalVisita de estudo ao CCV Lousal
Visita de estudo ao CCV Lousal
 
Teens' consumerism during the pandemic.pptx
Teens' consumerism during the pandemic.pptxTeens' consumerism during the pandemic.pptx
Teens' consumerism during the pandemic.pptx
 
Níveis de Intensidade Sonora - Trabalho de pesquisa experimental.pptx
Níveis de Intensidade Sonora - Trabalho de pesquisa experimental.pptxNíveis de Intensidade Sonora - Trabalho de pesquisa experimental.pptx
Níveis de Intensidade Sonora - Trabalho de pesquisa experimental.pptx
 
Energia nuclear.pptx
Energia nuclear.pptxEnergia nuclear.pptx
Energia nuclear.pptx
 
Planeamento visual de atividade pedagógica
Planeamento visual de atividade pedagógicaPlaneamento visual de atividade pedagógica
Planeamento visual de atividade pedagógica
 
Planejamento da ação didática ana carneirinho
Planejamento da ação didática ana carneirinhoPlanejamento da ação didática ana carneirinho
Planejamento da ação didática ana carneirinho
 
Delinear a avaliação pedagógica jogos digitais ferramenta educativa_a_ce_l_ua...
Delinear a avaliação pedagógica jogos digitais ferramenta educativa_a_ce_l_ua...Delinear a avaliação pedagógica jogos digitais ferramenta educativa_a_ce_l_ua...
Delinear a avaliação pedagógica jogos digitais ferramenta educativa_a_ce_l_ua...
 
Guia Pedagógico- Hibridização dos módulos de Física da disciplina de FQ dos c...
Guia Pedagógico- Hibridização dos módulos de Física da disciplina de FQ dos c...Guia Pedagógico- Hibridização dos módulos de Física da disciplina de FQ dos c...
Guia Pedagógico- Hibridização dos módulos de Física da disciplina de FQ dos c...
 
04 1 2_lei_termodinamica
04 1 2_lei_termodinamica04 1 2_lei_termodinamica
04 1 2_lei_termodinamica
 
Tecnologias Digitais e o potencial para construção de ecossistemas pedagógico...
Tecnologias Digitais e o potencial para construção de ecossistemas pedagógico...Tecnologias Digitais e o potencial para construção de ecossistemas pedagógico...
Tecnologias Digitais e o potencial para construção de ecossistemas pedagógico...
 
A partilha de um projeto escolar numa página de Facebook. Breve reflexão
A partilha de um projeto escolar numa página de Facebook. Breve reflexãoA partilha de um projeto escolar numa página de Facebook. Breve reflexão
A partilha de um projeto escolar numa página de Facebook. Breve reflexão
 
Geometria molecular e polaridade das moléculas
Geometria molecular e polaridade das moléculasGeometria molecular e polaridade das moléculas
Geometria molecular e polaridade das moléculas
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
 
Química do Ambiente
Química do AmbienteQuímica do Ambiente
Química do Ambiente
 
CanSat2018 - Poster da equipa HorizonTeam
CanSat2018 - Poster da equipa HorizonTeamCanSat2018 - Poster da equipa HorizonTeam
CanSat2018 - Poster da equipa HorizonTeam
 
Fornos solares
Fornos solaresFornos solares
Fornos solares
 
Paper on-classification-and-classifiers
Paper on-classification-and-classifiersPaper on-classification-and-classifiers
Paper on-classification-and-classifiers
 
Programação de arduinos com S4A (exercícios com entradas e saídas digitais)
Programação de arduinos com S4A (exercícios com entradas e saídas digitais)Programação de arduinos com S4A (exercícios com entradas e saídas digitais)
Programação de arduinos com S4A (exercícios com entradas e saídas digitais)
 

Último

Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 

Último (20)

Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 

Fornos solares

  • 1. GUIA DA ENERGIA SOLAR 7 fornos solares ÍNDICE 7-1 constituição e tipologias 7-2 materiais 7-3 orientação do forno 7-4 concentração da radiação e armazenamento de calor 7-5 avaliação de desempenho 7-6 experiência 1 7-7 experiência 2 7-8 experiência 3 7-9 para saber mais... 7-11
  • 2. GUIA DA ENERGIA SOLAR 7 fornos solares constituição e tipologias 7-2 Os fornos solares são utilizados na conversão térmica da radiação solar para cozinhar alimentos ou para produzir água destilada. Normalmente, num forno solar a superfície absorsora é um recipiente que contém os alimentos, sendo o forno constituído pelos seguintes elementos: A temperatura atingida no interior do recipiente (absorsor) vai depender da quantidade de radiação solar que entra no forno, bem como do nível de protecção térmica de que dispõe.
  • 3. GUIA DA ENERGIA SOLAR 7 fornos solares materiais 7-3 Os materiais utilizados na construção de fornos solares devem ser resistentes à humidade, dado que durante a cocção dos alimentos é libertado vapor de água, bem como às temperaturas que se possam atingir no seu interior. Num forno temos, essencialmente, quatro tipos de materiais: • estruturais – garantem a estabilidade dimensional do conjunto (cartão, madeira, plástico, cimento, etc.) • isolamento – minimiza as perdas térmicas do conjunto (lã de vidro, esferovite, papel de jornal, etc.) • transparentes – permitem a criação do efeito de estufa no interior da caixa (vidro, plástico para alta temperatura, etc.) • reflectores – minimizam as perdas térmicas no interior do forno e podem concentrar a radiação solar no interior (folha de alumínio, etc.)
  • 4. GUIA DA ENERGIA SOLAR 7 fornos solares orientação do forno 7-4 A orientação da cobertura na perpendicular à radiação solar maximiza a quantidade de radiação solar que entra na caixa. Contudo, há que considerar que as perdas térmicas do forno são proporcionais à sua superfície exterior. O forno solar exposto ao Sol deve apresentar a maior largura ao sentido Este-Oeste, de modo a poder captar radiação solar durante um maior período de tempo.
  • 5. GUIA DA ENERGIA SOLAR 7 fornos solares concentração da radiação e armazenamento de calor 7-5 É comum a utilização de reflectores simples ou múltiplos que permitem a concentração de radiação solar no interior da caixa: O armazenamento de calor no forno pode ser realizado através da utilização de uma massa térmica no interior da caixa isolada. A existência desta massa térmica implica um pré-aquecimento do forno antes da utilização.
  • 6. GUIA DA ENERGIA SOLAR 7 fornos solares avaliação de desempenho 7-6 O desempenho do forno solar pode ser calculado, de forma simples, através da comparação entre a radiação solar disponível num período de tempo e o aumento de temperatura de um volume de água no interior do recipiente de cocção. O rendimento do forno é, deste modo, dado pela relação: Ig * Acol * dt η = m * Cp * (Tf – Ti) em que: m representa a massa de água, em [kg] Cp representa o calor específico a pressão constante da água, igual a 4185 [J/(kg.ºC)] Tf representa a temperatura final da água, em [ºC] Ti representa a temperatura inicial da água, em [ºC] Ig representa a radiação global no plano horizontal, em [W/m2 ], que para um dia com céu limpo, cerca das 12 h, apresenta valores entre os 800 e os 1000 W/m2 Acol representa a área do vidro, em [m2 ] e a potência do forno pela relação: dt P = m * Cp * (Tf – Ti)
  • 7. GUIA DA ENERGIA SOLAR 7 fornos solares experiência 1 7-7 Experiência 1: com esta experiência simples pretende-se demonstrar o efeito da concentração da radiação solar na cocção de alimentos. Material necessário: 1 caixa de cartão comprida folha de alumínio cartolina espeto 1 – desenhar uma parábola nos lados mais longos da caixa (distância focal de 10 a 20 cm) e cortar a caixa (é importante que o corte siga o desenho rigoroso das parábolas). 2 – preencher o topo da caixa com uma cartolina, seguindo o contorno das parábolas recortadas em ambos os lados da caixa. 5 – colar dois suportes em cartão para posicionar o espeto no foco da parábola. 3 – colar a folha de alumínio sobre toda a superfície da cartolina com o lado reflector para fora. É importante que a folha de alumínio fique lisa. 4 – com uma folha de papel no centro da curvatura, encontrar o foco onde é concentrada a radiação e registar a sua posição. 6 – cozinhar uma salsicha.
  • 8. GUIA DA ENERGIA SOLAR 7 fornos solares experiência 2 7-8 Experiência 2: com esta experiência simples pretende-se demonstrar o efeito de estufa provocado por uma cobertura de plástico, bem como o efeito da concentração na cocção de alimentos. Material necessário: 1 cartolina (1 m x 1,33 m) papel de alumínio1 recipiente metálico escuro 1 saco de plástico transparente 1 – cortar a cartolina de acordo com o esquema. 4 – colocar os alimentos dentro do recipiente e colocar o recipiente dentro do saco plástico, que deve ficar fechado. 5 – colocar o saco de plástico no centro da base do forno e colocar o forno ao Sol. 2 – colar a folha de alumínio sobre a cartolina, com a face reflectora para fora. 3 – montar o forno de acordo com a figura, com o lado reflector no interior.
  • 9. GUIA DA ENERGIA SOLAR 7 fornos solares experiência 3 7-9 Experiência 3: com esta experiência pretende-se demonstrar o efeito do isolamento térmico, da cobertura do forno e da utilização de reflector para concentração da radiação. Material necessário: 1 caixa de cartão com tampa (modelo CTT ou equivalente) 1 forma grande de alumínio Bocados de espuma isolante (ou esferovite ou folhas papel) 1 forma pequena de alumínio 1 rolo de folha de alumínio (tipo alimentar) 1 Rolo de fita adesiva 1 rolo de película aderente transparente (tipo alimentar) 1 termómetro 2 palitos gigantes (ou pauzinho de espetada) 1 par óculos de sol 1 tesoura (ou x-acto) 1 par de luvas 1 lata tinta negra mate (não tóxica) 1 bússola
  • 10. GUIA DA ENERGIA SOLAR 7 fornos solares experiência 3 1 – pintar com tinta negra mate o interior da forma grande de alumínio (placa absorsora) e o exterior da forma pequena de alumínio (panela) e deixar secar. 2 – revestir o interior da caixa de cartão com uma camada (fina) de material isolante e cobrir com a película de alumínio (face brilhante) sem amachucar. Utilizar fita adesiva. 3 – colocar a forma grande de alumínio no fundo da caixa. 4 – colocar o alimento no interior da forma pequena, cobrir com película transparente e colocar (colar se for preciso) em cima da forma grande. Cobrir em seguida a caixa aberta com a película transparente. 5 – revestir o interior da tampa da caixa com a película de alumínio (usar fita adesiva) e colocar lateralmente os pauzinhos de espetada para inclinar a tampa (reflector) para reflectir o Sol para dentro do forno. 6 – orientar o forno solar para o Sol e regular a tampa para conseguir a melhor concentração de energia (reparar num foco de luz) para o interior. 7 – prever o que vai acontecer à temperatura do interior do forno solar à medida que o tempo passa. 8 – registar a temperatura inicial do ar ambiente e do interior da panela. 9 – medir e registar as temperaturas do ar ambiente e do interior da “panela” em cada 5 minutos até terem decorrido 30 minutos (Esta operação terá de ser rápida). 10 – elaborar um gráfico salientando o diferencial de temperatura entre o interior e o exterior do forno solar. Tirar conclusões. 7-10
  • 11. GUIA DA ENERGIA SOLAR 7 fornos solares para saber mais... 7-11 http://solarcooking.org/books.htm (várias publicações disponíveis) http://solarcookers.org/ http://www.spes.pt http://www.energyquest.ca.gov/projects/index.html#solar http://www.sunco.pt