SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 93
Plano Diretor de São Paulo
eixo da estruturação da transformação urbana
31.05.2017
GUSTAVO PARTEZANI ARQ MSc CAU DGNB
eixo de estruturação da transformação
urbana
PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO
a cidade oferece oportunidades...
EMPREGO E RENDAHABITAÇÃO
COMÉRCIO E SERVIÇOS LAZER E
ENTRETERIMENTO
... oportunidades que geram necessidade de
deslocamentos nas cidades
mas o que se desloca nas cidades?
e como se deslocam?
Elaboração: SMDU, 2014
Fonte: ITDP
+
PRIORITÁRIO
-
PRIORITÁRIO
PEDESTRES
CICLISTAS
TRANSPORTE PÚBLICO
TRANSPORTE DE CARGA
AUTOMÓVEIS E
MOTOCICLETAS
1º
2º
3º
4º
5º
estes deslocamentos diários são feitos de
forma eficiente?
Elaboração: SMDU, 2014
Elaboração: SMDU, 2014
Elaboração: SMDU, 2014
Fonte: OESP, 2014
quanto cada pessoa consome de espaço
público para este deslocamento?
5 KM/H 15 KM/H 50 KM/H
*40-60 passageiros
50 KM/H
*com 1 ocupante
90KM/H
*com 1 ocupante
1.8 m2 4.6 m2
1.8 m2
140 m2
Valor, em metros quadrados, necessários quando
parado por pessoa
Valor, em metros quadrados, necessários a uma
velocidade específica por pessoa
0.5
1.8 m2
7 m2
14 m2 465 m2
14 m2
Fonte: Victoria Transport Policy institute
465 m2
14 m2
14 m2
14 m2
270m2
140 m2
70 KM/H 90 KM/H50 KM/H
14 m2
14 m2
14 m2
140 m2 140 m2 140 m2
325m2
270 m²
70 KM/H 90 KM/H50 KM/H
Carros se deslocando em alta
velocidade (90 km/h) ocupam
mais espaço que o necessário,
prejudicando a eficiência do
sistema viário
Ao reduzir a velocidade máxima
para 50 km/h, os veículos circulam
de forma mais compacta
Renato Cerqueira/FuturaPress/Estadão Conteúdo
então qual modal de deslocamento
devemos adotar?
uma cidade que privilegia o transporte individual consome mais espaço público
ESPAÇO OCUPADO POR 60 PESSOAS
CONSIDERANDO QUE EM SÃO PAULO O
AUTOMÓVEL SE DESLOCA EM MÉDIA A
14,1 Km/h, OCUPANDO 40 m2 ...
... E QUE A FROTA DO MUNICÍPIO
DE SÃO PAULO É DE CERCA DE
5,6 MILHÕES DE AUTOMÓVEIS ...
... O TOTAL DE AUTOMÓVEIS EM
DESLOCAMENTO OCUPARIA 224km2
DO ESPAÇO URBANO DE SÃO PAULO ...
... O QUE CORRESPONDE A 15% DA
ÁREA DO MUNICÍPIO.
14 m²
40 m²
14,1 KM/H
Elaboração: SPURBANISMO, 2014
13h30
AUTOMÓVEL
ESTACIONADO EM CASA
DESLOCAMENTO
TRABALHO - CASA
AUTOMÓVEL
ESTACIONADO NO TRABALHO
9h00
0h45
24h
0h45
DESLOCAMENTO
CASA - TRABALHO
o automóvel ao longo de um dia de trabalho permanece 87,5% do tempo
estacionado
Elaboração: SPURBANISMO, 2014
objetivo
ORIENTAR O CRESCIMENTO DA
CIDADE NAS PROXIMIDADES DO
TRANSPORTE PÚBLICO
integração entre a agenda do desenvolvimento urbano e da mobilidade
03 sugestões de ações
1 – REVISAR O PLANO DIRETOR COM APLICAÇÃO DO DOTS;
2 – IMPLANTAR POLITICAS PÚBLICAS DE TRANSPORTE
COLETIVO;
3 – RESGATAR O ESPAÇO PÚBLICO DA CIDADE.
PLANO DIRETOR
ESTRATÉGICO
Lei 16.050/2014
ZONEAMENTO
LEI 16.402/2016
PROJETO DE
INTERVENÇÃO URBANA
Estudos específicos para
OUC, AIU e DOT
Desenvolver uma visão
para a cidade e criar um
conjunto de ferramentas
para alcançá-la
Regular o uso do solo
dos empreendimentos
e das propriedades
privadas
Reunir estudos técnicos
para a transformação de
áreas subutilizadas e de
grande possibilidade de
transformação
Definindo instrumentos
da política urbana,
Macroáreas, diretrizes, e
ações prioritárias
definindo zonas e
parâmetros para o
uso e ocupação
do solo
definindo intervenções
locais e estratégicas, a
partir do PDE
marco regulatório para transformação terrritorial
Elaboração: SMDU, 2014
eixo de estruturação da transformação urbana
Corredor de ônibus
Veículos Leves sobre Pneus (VLP) em vias
não elevadas
= Eixo da via = Acesso às estações
Trem
Metrô
Monotrilho
Veículos Leves sobre Trilhos (VLT)
Veículos Leves sobre Pneus (VLP) em vias elevadas
definição das áreas de influência
Elaboração: SMDU, 2014
DESENVOLVIMENTO ORIENTADO AO TRANSPORTE
SUSTENTÁVEL
estimula uma ocupação compacta e com uso misto do solo, com
distâncias curtas a pé e proximidade à estações de transporte de
alta capacidade. Implica em um cenário de rua mais vibrante, formas
construídas que levam em consideração os pedestres,
características de uso do solo que tornam mais convenientes e
seguros caminhar, usar bicicleta ou transporte público.
ITDP, in www.itdpbrasil.org.br
linha de transporte existente ou a implantar
definição do eixo
criação do eixo de estruturação da transformação urbana
definição do eixo
150 m
150 m
150 m
150 m
desenvolvimento do eixo de estruturação da transformação urbana
definição do eixo
Elaboração: SMDU, 2014
Elaboração: SMDU, 2014
Elaboração: SMDU, 2014
Elaboração: SMDU, 2014
eixos da estruturação da transformação urbana
incentivos e instrumentos de regulação urbana
COTA MÁXIMA DE
TERRENO POR
UNIDADE
HABITACIONAL
INCENTIVOS
PARA USO
MISTO
FRUIÇÃO
PÚBLICA
AMPLIAÇÃO DO
COEFICIENTE DE
APROVEITAMENTO (CA)
FACHADA ATIVA + PROIBIÇÃO
DE MURO CONTÍNUO*
DESINCENTIVOS
PARA GARAGENS
LARGURA MÍNIMA
DE CALÇADA
TAMANHO MÍNIMO
DE TESTADA
Curitiba
Plano Diretor e parâmetros de desenvolvimento urbano
Belo Horizonte
Operação Urbana Consorciada Antonio Carlos – Pedro I
PROJETO INTEGRADOR
ARTICULA PLANOS E POLÍTICAS SETORIAIS
AGREGA DIVERSAS METAS
 articula planos e políticas setoriais
 valoriza a confiabilidade no
sistema de transporte
 conecta áreas periféricas as
centralidades
PROJETO ESTRUTURADOR
 estrutura a cidade
 recupera parte dos investimentos
através da captação da “mais
valia” gerada pelos investimentos
públicos
 reverte o padrão de mobilidade
urbana da cidade
PROJETO QUALIFICADOR
 reverte a imagem negativa sobre o
modal ônibus, melhorando
tecnologia veicular, pontualidade,
confiabilidade, conforto, oferta e
sistemas de informação e operação.
 agrega espaços públicos e
infraestrutura urbana qualificada ao
eixo
tipos de projeto
CORREDOR EXPRESSO
ARTICULA PLANOS E POLÍTICAS SETORIAIS
AGREGA DIVERSAS METAS
 Vias com 4 ou mais faixas por
sentido
 Distância entre travessias maior
que 500m
 Predominância de deslocamentos
de longas distâncias (fluxos
metropolitanos)
 Sistema fundiário de grandes lotes
CORREDOR QUALIFICADOR
 Presente nas áreas urbanas já
consolidadas ou a serem
qualificadas
 Implantado em tecidos urbanos
com boa infraestrutura e padrões
de ocupação diversificados
CORREDOR URBANIZADOR
 Presente em áreas periféricas que
necessitam de investimentos
públicos em infraestrutura
 Implantado em tecidos com
infraestrutura precária e
fragilidades sociais e ambientais
tipos de corredores de ônibus
Elaboração: SMDU, 2014
Elaboração: SMDU, 2014
Elaboração: SMDU, 2014
Elaboração: SMDU, 2014
Macroárea de
Recuperação
Urbana e
Ambiental
Macroárea de
Qualificação da
Urbanização
Consolidada
Macroárea de
Estruturação
Metropolitana
Macroárea de
Redução da
Vulnerabilidade
Urbana
desenvolvimento do eixo de estruturação urbana + macroáreas do PDE
aplicação do eixo
aproveitamento do solo nos eixos de estruturação urbana
aplicação do eixo
CA Máx. 2
CA Máx. 2 CA Máx. 2 CA Máx. 2CA Máx. 1
CA Máx. 2,5
CA Máx. 4 CA Máx. 4
CA Básico: 1
(para a cidade inteira)
Macroárea de
Recuperação
Urbana e
Ambiental
Macroárea de
Qualificação da
Urbanização
Consolidada
Macroárea de
Estruturação
Metropolitana
Macroárea de
Redução da
Vulnerabilidade
Urbana
novo eixo a ser implantado
aplicação do eixo
ativação dos parâmetros e instrumentos associados
aplicação do eixo
Elaboração: SMDU, 2014
promover novas centralidades no encontro dos eixos
Hidrografia
Favelas
relação com áreas de habitação precária e em áreas de risco
Hidrografia
Favelas Urbanizadas
Habitação de Interesse Social
reassentar famílias em situação vulnerável
Hidrografia
Favelas Urbanizadas
Habitação de Interesse Social
Reservatórios de Contenção
Parque Linear
Ciclovias
Equipamento Público
configurar eixo de estruturação local
Equipamentos Sociais
Existentes
Espaços Livres Públicos
Existentes
em equipamentos sociais desarticulados
Equipamentos Sociais
Existentes
Espaços Livres Públicos
Existentes
Eixos de Estruturação
Local
articular os equipamentos e espaços com a rede de transporte
Equipamentos Sociais
Existentes
Espaços Livres Públicos
Existentes
Eixos de Estruturação
Local
Novos Equipamentos
Sociais
implantar novos equipamentos sociais em rede
desenvolver a cidade em torno do transporte público
instrumentos urbanísticos: coeficiente de aproveitamento
Elaboração: SMDU, 2014
instrumentos urbanísticos: outorga onerosa do direito de construir
Elaboração: SMDU, 2014
instrumentos urbanísticos: outorga onerosa do direito de construir
Elaboração: SMDU, 2014
Habitação
de Interesse Social
Equipamentos
Sociais
Unidades de
Conservação
Ambiental
Espaços Públicos Planos
de Bairro
Áreas
Verdes
Transporte Público,
Ciclovias e Calçadas
Patrimônio
Cultural
Cenário pós PDE 2014
Média de acréscimo de área bruta
vertical residencial e comercial prevista:
3,7 milhões m²/ano
Cenário pós PDE 2014
Expectativa de arrecadação líquida com
OODC:
R$ 480 milhões/ano
= 3x a média arrecadada até hoje
= 40% de acréscimo em relação ao ano
de maior arrecadação
instrumentos urbanísticos: outorga onerosa do direito de construir
Elaboração: SMDU, 2014
parâmetros qualificadores: incentivo ao uso misto
Elaboração: SMDU, 2014
Elaboração: SMDU, 2014
parâmetros qualificadores: fruição pública
Elaboração: SMDU, 2014
parâmetros qualificadores: cota parte
Elaboração: SMDU, 2014
parâmetros qualificadores: cota parte
Elaboração: SMDU, 2014
parâmetros qualificadores: vagas de garagem
dimensão urbana
 Reestruturar o território a partir dos eixos de mobilidade, com maior intensidade
 Aproximar moradia, empregos, transporte e serviços públicos
mobilidade
 Diminuir os tempos de deslocamento
 Aumentar uso do transporte coletivo e do não motorizado
dimensão ambiental
 Diminuir as emissões de poluentes
dimensão socioeconômica
 Descentralização das atividades econômicas
 Desenvolvimento de territórios vulneráveis
benefícios
CARACTERIZAÇÃO DA
SITUAÇÃO ATUAL
ANÁLISE CRÍTICA
+
DIAGNÓSTICO CENÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO
DIRETRIZES
URBANÍSTICAS
ADENSAMENTO
POPULACIONAL+
PROGRAMA DE
INTERVENÇÕES
PARÂMETROS
URBANÍSTICOS+
PROJETO URBANISTICO
INSTRUMENTO
INCENTIVOS
PARA ADESÃO+
VIABILIDADE ECONOMICA
GESTÃO PÚBLICA GRUPO GESTOR
+
ESTRATÉGIAS DE GOVERNANÇA
Sistema viário
Mobilidade
Parques Drenagem
Equipamentos
Habitação
Permanência de
usos da LPUOS
Parâmetros
específicos e
qualificadores
Parâmetros
ambientais
Financiamento pela venda de potencial
adicional de construção
Fundo vinculado ao programa de intervenções
Incentivos econômicos e regulatórios vinculados
ao tempo de implantação
Incentivos a ocupação de áreas degradadas
Gestão para implantação coordenada do
programa de intervenções
Gestão sobre a liberação do tempo e do valor
do direito de construir
Vincular intervenções de qualificação aos
projetos estruturantes
Processos participativos e controle social
IMPLANTAÇÃO
estruturação de projetos DOTS
PROJETO DE INTERVENÇÃO
DIRETRIZES, MANUTENÇÃO E
LICENCIAMENTO
1. Melhoramentos públicos
2. Espaços públicos
3. Drenagem
4. Produção de equipamentos e HIS
* Aprovados por lei especifica
1
POLITICAS SETORIAIS INSTRUMENTO URBANÍSTICO
IMPLANTAÇÃO DO PROJETODETERMNAÇÃO DE PROCESSOS FINANCIAMENTO
EXECUÇÃO DAS INTERVENÇÕES GESTÃO E DETALHAMENTO
1. Detalhamento dos projetos
2. Gestão do financiamento
3. Articular as empresas executoras
4. Secretariar o conselho gestor
* Aprovados por lei especifica
1. Elaborar programas setoriais
2. Monitorar a pós-ocupação
3. Coordenar o faseamento
4. Licenciar os projetos específicos
ORGÃO DE PLANEJAMENTO E
GESTÃO
ÓRGÃO DE IMPLANTAÇÃOSECRETARIAS MUNICIPAIS
32
governança sobre projetos DOTS
Avenida Santo Amaro Requalificação através do DOTS
estratégias para mobilidade
estratégias para mobilidade
estratégias para desenvolvimento
ANTES DEPOIS
aproveitamento de terras residuais
instrumento urbanístico: transferência do direito de construir
instrumento urbanístico: doação com transferência
obrigado Gustavo Partezani MSC CAU DGNB
estrategiasurbanas.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mobilidade e Acessibilidade Urbana
Mobilidade e Acessibilidade UrbanaMobilidade e Acessibilidade Urbana
Mobilidade e Acessibilidade Urbana
Milton R. Almeida
 

Mais procurados (20)

Mobilidade urbana pdf
 Mobilidade urbana pdf Mobilidade urbana pdf
Mobilidade urbana pdf
 
Experiências e Inovações Implantadas e seus Impactos na Sociedade
Experiências e Inovações Implantadas e seus Impactos na SociedadeExperiências e Inovações Implantadas e seus Impactos na Sociedade
Experiências e Inovações Implantadas e seus Impactos na Sociedade
 
Anteprojeto da mobilidade urbana
Anteprojeto da mobilidade urbanaAnteprojeto da mobilidade urbana
Anteprojeto da mobilidade urbana
 
Viral mobilidade urbana
Viral mobilidade urbana Viral mobilidade urbana
Viral mobilidade urbana
 
Apresentação mobilidade urbana e o planejamento das cidades vitória - 2011 ...
Apresentação mobilidade urbana e o planejamento das cidades   vitória - 2011 ...Apresentação mobilidade urbana e o planejamento das cidades   vitória - 2011 ...
Apresentação mobilidade urbana e o planejamento das cidades vitória - 2011 ...
 
PolíTica Nacional De Mobilidade Urbana
PolíTica Nacional De Mobilidade UrbanaPolíTica Nacional De Mobilidade Urbana
PolíTica Nacional De Mobilidade Urbana
 
Mobilidade Urbana e Informação Pública - intersecções e desafios
Mobilidade Urbana e Informação Pública - intersecções e desafiosMobilidade Urbana e Informação Pública - intersecções e desafios
Mobilidade Urbana e Informação Pública - intersecções e desafios
 
Lições sobre Mobilidade - O que é Mobilidade Urbana?
Lições sobre Mobilidade - O que é Mobilidade Urbana?Lições sobre Mobilidade - O que é Mobilidade Urbana?
Lições sobre Mobilidade - O que é Mobilidade Urbana?
 
Mobilidade Urbana
Mobilidade UrbanaMobilidade Urbana
Mobilidade Urbana
 
A bicicleta e a mobilidade urbana
A bicicleta e a mobilidade urbanaA bicicleta e a mobilidade urbana
A bicicleta e a mobilidade urbana
 
Banco Mundial e Mobilidade Urbana
Banco Mundial e Mobilidade UrbanaBanco Mundial e Mobilidade Urbana
Banco Mundial e Mobilidade Urbana
 
DIÁLOGO SOBRE MOBILIDADE OU EXPERIÊNCIAS E INOVAÇÕES IMPLANTADAS E SEUS IMPAC...
DIÁLOGO SOBRE MOBILIDADE OU EXPERIÊNCIAS E INOVAÇÕES IMPLANTADAS E SEUS IMPAC...DIÁLOGO SOBRE MOBILIDADE OU EXPERIÊNCIAS E INOVAÇÕES IMPLANTADAS E SEUS IMPAC...
DIÁLOGO SOBRE MOBILIDADE OU EXPERIÊNCIAS E INOVAÇÕES IMPLANTADAS E SEUS IMPAC...
 
Miriam Belchior apresenta dados sobre mobilidade urbana
Miriam Belchior apresenta dados sobre mobilidade urbanaMiriam Belchior apresenta dados sobre mobilidade urbana
Miriam Belchior apresenta dados sobre mobilidade urbana
 
Mobilidade  Urbana Sustentável - Unipalmares
Mobilidade  Urbana Sustentável - UnipalmaresMobilidade  Urbana Sustentável - Unipalmares
Mobilidade  Urbana Sustentável - Unipalmares
 
Educacao para transito e mobilidade urbana 2011
Educacao para transito e mobilidade urbana 2011Educacao para transito e mobilidade urbana 2011
Educacao para transito e mobilidade urbana 2011
 
Mobilidade e Acessibilidade Urbana
Mobilidade e Acessibilidade UrbanaMobilidade e Acessibilidade Urbana
Mobilidade e Acessibilidade Urbana
 
Apresentação da Ministra Miriam Belchior sobre Mobilidade Urbana (23042014)
Apresentação da Ministra Miriam Belchior sobre Mobilidade Urbana (23042014)Apresentação da Ministra Miriam Belchior sobre Mobilidade Urbana (23042014)
Apresentação da Ministra Miriam Belchior sobre Mobilidade Urbana (23042014)
 
Lições sobre Mobilidade Urbana – O que é Mobilidade Urbana Sustentável?
Lições sobre Mobilidade Urbana – O que é Mobilidade Urbana Sustentável?Lições sobre Mobilidade Urbana – O que é Mobilidade Urbana Sustentável?
Lições sobre Mobilidade Urbana – O que é Mobilidade Urbana Sustentável?
 
Expo Empreendedor 2019 - Palestra de Benedito Moreira
Expo Empreendedor 2019 - Palestra de Benedito MoreiraExpo Empreendedor 2019 - Palestra de Benedito Moreira
Expo Empreendedor 2019 - Palestra de Benedito Moreira
 
Mobilidade, cidade, metrópole e custeio
Mobilidade, cidade, metrópole e custeioMobilidade, cidade, metrópole e custeio
Mobilidade, cidade, metrópole e custeio
 

Semelhante a Planejamento urbano e as referências para o futuro da mobilidade sustentável

Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Elias Galvan
 

Semelhante a Planejamento urbano e as referências para o futuro da mobilidade sustentável (20)

Emdec/plano viario 24/1/18
Emdec/plano viario 24/1/18Emdec/plano viario 24/1/18
Emdec/plano viario 24/1/18
 
Trabalho paulinho
Trabalho paulinhoTrabalho paulinho
Trabalho paulinho
 
PlanMob Alvorada - Apresentação do Plano de Trabalho
PlanMob Alvorada - Apresentação do Plano de TrabalhoPlanMob Alvorada - Apresentação do Plano de Trabalho
PlanMob Alvorada - Apresentação do Plano de Trabalho
 
Oficina #2 Bike Anjo - Apresentação TC Urbes - Você sabe o que é um plano cic...
Oficina #2 Bike Anjo - Apresentação TC Urbes - Você sabe o que é um plano cic...Oficina #2 Bike Anjo - Apresentação TC Urbes - Você sabe o que é um plano cic...
Oficina #2 Bike Anjo - Apresentação TC Urbes - Você sabe o que é um plano cic...
 
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
Estudo para a Aplicação de Práticas Sustentáveis na Mobilidade Urbana do Muni...
 
Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: Seminário - apresentação arq. Tiago H...
Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: Seminário - apresentação arq. Tiago H...Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: Seminário - apresentação arq. Tiago H...
Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: Seminário - apresentação arq. Tiago H...
 
20150929 processo de elaboração do plano de mobilidade urbana - min cidades
20150929   processo de elaboração do plano de mobilidade urbana - min cidades20150929   processo de elaboração do plano de mobilidade urbana - min cidades
20150929 processo de elaboração do plano de mobilidade urbana - min cidades
 
Apresentação_Observatório
Apresentação_ObservatórioApresentação_Observatório
Apresentação_Observatório
 
Plano de mobilidade urbana
Plano de  mobilidade urbanaPlano de  mobilidade urbana
Plano de mobilidade urbana
 
12. Imtt Isabel Seabra V2
12. Imtt Isabel Seabra V212. Imtt Isabel Seabra V2
12. Imtt Isabel Seabra V2
 
Eixo mobilidade urbana_pcs
Eixo mobilidade urbana_pcsEixo mobilidade urbana_pcs
Eixo mobilidade urbana_pcs
 
Curitiba Valias Urbanas _ Gisele_Medeiros.pdf
Curitiba Valias Urbanas _ Gisele_Medeiros.pdfCuritiba Valias Urbanas _ Gisele_Medeiros.pdf
Curitiba Valias Urbanas _ Gisele_Medeiros.pdf
 
Importância do Plano Municipal de Mobilidade e Transportes - 2004
Importância do Plano Municipal de Mobilidade e Transportes  -  2004Importância do Plano Municipal de Mobilidade e Transportes  -  2004
Importância do Plano Municipal de Mobilidade e Transportes - 2004
 
Directrices de la Política Nacional de Movilidad Urbana - José Carlos Xavier
Directrices de la Política Nacional de Movilidad Urbana - José Carlos XavierDirectrices de la Política Nacional de Movilidad Urbana - José Carlos Xavier
Directrices de la Política Nacional de Movilidad Urbana - José Carlos Xavier
 
Sistema Integrado de Transporte Metropolitano, 3° Rodadas de Inovação
Sistema Integrado de Transporte Metropolitano, 3° Rodadas de InovaçãoSistema Integrado de Transporte Metropolitano, 3° Rodadas de Inovação
Sistema Integrado de Transporte Metropolitano, 3° Rodadas de Inovação
 
Plano de mobilidade urbana - passo a passo - novo prazo - lei 12.587
Plano de mobilidade urbana - passo a passo - novo prazo - lei 12.587Plano de mobilidade urbana - passo a passo - novo prazo - lei 12.587
Plano de mobilidade urbana - passo a passo - novo prazo - lei 12.587
 
Planmob.conf.trânsito.petrópolis.31.08.2013
Planmob.conf.trânsito.petrópolis.31.08.2013Planmob.conf.trânsito.petrópolis.31.08.2013
Planmob.conf.trânsito.petrópolis.31.08.2013
 
A mobilidade urbana no planejamento da cidade
A mobilidade urbana no planejamento da cidadeA mobilidade urbana no planejamento da cidade
A mobilidade urbana no planejamento da cidade
 
Presentación IBAM Movilidad Urbana
Presentación IBAM Movilidad UrbanaPresentación IBAM Movilidad Urbana
Presentación IBAM Movilidad Urbana
 
Sistemas de Transportes e Gestão Urbana
Sistemas de Transportes e Gestão UrbanaSistemas de Transportes e Gestão Urbana
Sistemas de Transportes e Gestão Urbana
 

Mais de Universidade Corporativa do Transporte

Mais de Universidade Corporativa do Transporte (20)

Os desafios para área de Saúde e Segurança do Trabalho no eSocial
Os desafios para área de Saúde e Segurança do Trabalho no eSocial Os desafios para área de Saúde e Segurança do Trabalho no eSocial
Os desafios para área de Saúde e Segurança do Trabalho no eSocial
 
Reforma Trabalhista: principais mudanças e necessidades de prevenção
Reforma Trabalhista: principais mudanças e necessidades de prevençãoReforma Trabalhista: principais mudanças e necessidades de prevenção
Reforma Trabalhista: principais mudanças e necessidades de prevenção
 
Programa de Direção por Simulador
Programa de Direção por Simulador Programa de Direção por Simulador
Programa de Direção por Simulador
 
eSocial: quais os impactos para os negócios?
eSocial: quais os impactos para os negócios?eSocial: quais os impactos para os negócios?
eSocial: quais os impactos para os negócios?
 
eSocial: sua empresa está preparada?
eSocial: sua empresa está preparada?eSocial: sua empresa está preparada?
eSocial: sua empresa está preparada?
 
4 anos do Programa de Direção por Simulador
4 anos do Programa de Direção por Simulador 4 anos do Programa de Direção por Simulador
4 anos do Programa de Direção por Simulador
 
Planejamento, execução e avalição da ação educacional
Planejamento, execução e avalição da ação educacional Planejamento, execução e avalição da ação educacional
Planejamento, execução e avalição da ação educacional
 
Soluções e tendências tecnológicas para a eficiência dos negócios em Mobilida...
Soluções e tendências tecnológicas para a eficiência dos negócios em Mobilida...Soluções e tendências tecnológicas para a eficiência dos negócios em Mobilida...
Soluções e tendências tecnológicas para a eficiência dos negócios em Mobilida...
 
Ferramentas para a Gestão de Empresas Transportadoras de Passageiros - BGM Ro...
Ferramentas para a Gestão de Empresas Transportadoras de Passageiros - BGM Ro...Ferramentas para a Gestão de Empresas Transportadoras de Passageiros - BGM Ro...
Ferramentas para a Gestão de Empresas Transportadoras de Passageiros - BGM Ro...
 
Visão Tecnológica RioCardTI
Visão Tecnológica RioCardTI Visão Tecnológica RioCardTI
Visão Tecnológica RioCardTI
 
Soluções Tecnológicas para Usuários do Transporte Público - Prodata
Soluções Tecnológicas para Usuários do Transporte Público - ProdataSoluções Tecnológicas para Usuários do Transporte Público - Prodata
Soluções Tecnológicas para Usuários do Transporte Público - Prodata
 
Tendências do Sistemas de Bilhetagens Eletrônica e Controles Antifraude - Emp...
Tendências do Sistemas de Bilhetagens Eletrônica e Controles Antifraude - Emp...Tendências do Sistemas de Bilhetagens Eletrônica e Controles Antifraude - Emp...
Tendências do Sistemas de Bilhetagens Eletrônica e Controles Antifraude - Emp...
 
Apresentação Unindo Experiências Multiplicando Resultados - Safe Conecta
Apresentação Unindo Experiências Multiplicando Resultados - Safe ConectaApresentação Unindo Experiências Multiplicando Resultados - Safe Conecta
Apresentação Unindo Experiências Multiplicando Resultados - Safe Conecta
 
Ciclo de Palestras UCT Imposto de Renda 2017
Ciclo de Palestras UCT Imposto de Renda 2017Ciclo de Palestras UCT Imposto de Renda 2017
Ciclo de Palestras UCT Imposto de Renda 2017
 
Tributação, cenários, tendências e oportunidades para 2017
Tributação, cenários, tendências e oportunidades para 2017Tributação, cenários, tendências e oportunidades para 2017
Tributação, cenários, tendências e oportunidades para 2017
 
Implantando um Centro de Serviços Compartilhados (CSC): do conceito à geração...
Implantando um Centro de Serviços Compartilhados (CSC): do conceito à geração...Implantando um Centro de Serviços Compartilhados (CSC): do conceito à geração...
Implantando um Centro de Serviços Compartilhados (CSC): do conceito à geração...
 
Estratégias para não perder a direção em tempos de crise
Estratégias para não perder a direção em tempos de criseEstratégias para não perder a direção em tempos de crise
Estratégias para não perder a direção em tempos de crise
 
Apresentação Palestra Jovem Aprendiz
Apresentação Palestra Jovem AprendizApresentação Palestra Jovem Aprendiz
Apresentação Palestra Jovem Aprendiz
 
Número da UCT em 2015
Número da UCT em 2015Número da UCT em 2015
Número da UCT em 2015
 
UCT na revista Indo e Vindo - Edição 27
UCT na revista Indo e Vindo - Edição 27UCT na revista Indo e Vindo - Edição 27
UCT na revista Indo e Vindo - Edição 27
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 

Planejamento urbano e as referências para o futuro da mobilidade sustentável

  • 1. Plano Diretor de São Paulo eixo da estruturação da transformação urbana 31.05.2017 GUSTAVO PARTEZANI ARQ MSc CAU DGNB
  • 2. eixo de estruturação da transformação urbana PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO
  • 3. a cidade oferece oportunidades...
  • 4. EMPREGO E RENDAHABITAÇÃO COMÉRCIO E SERVIÇOS LAZER E ENTRETERIMENTO
  • 5. ... oportunidades que geram necessidade de deslocamentos nas cidades
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. mas o que se desloca nas cidades?
  • 10.
  • 11.
  • 12. e como se deslocam?
  • 15. estes deslocamentos diários são feitos de forma eficiente?
  • 20. quanto cada pessoa consome de espaço público para este deslocamento?
  • 21. 5 KM/H 15 KM/H 50 KM/H *40-60 passageiros 50 KM/H *com 1 ocupante 90KM/H *com 1 ocupante 1.8 m2 4.6 m2 1.8 m2 140 m2 Valor, em metros quadrados, necessários quando parado por pessoa Valor, em metros quadrados, necessários a uma velocidade específica por pessoa 0.5 1.8 m2 7 m2 14 m2 465 m2 14 m2 Fonte: Victoria Transport Policy institute
  • 22. 465 m2 14 m2 14 m2 14 m2 270m2 140 m2 70 KM/H 90 KM/H50 KM/H
  • 23. 14 m2 14 m2 14 m2 140 m2 140 m2 140 m2 325m2 270 m² 70 KM/H 90 KM/H50 KM/H
  • 24.
  • 25. Carros se deslocando em alta velocidade (90 km/h) ocupam mais espaço que o necessário, prejudicando a eficiência do sistema viário Ao reduzir a velocidade máxima para 50 km/h, os veículos circulam de forma mais compacta
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31. então qual modal de deslocamento devemos adotar?
  • 32. uma cidade que privilegia o transporte individual consome mais espaço público ESPAÇO OCUPADO POR 60 PESSOAS
  • 33. CONSIDERANDO QUE EM SÃO PAULO O AUTOMÓVEL SE DESLOCA EM MÉDIA A 14,1 Km/h, OCUPANDO 40 m2 ... ... E QUE A FROTA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO É DE CERCA DE 5,6 MILHÕES DE AUTOMÓVEIS ... ... O TOTAL DE AUTOMÓVEIS EM DESLOCAMENTO OCUPARIA 224km2 DO ESPAÇO URBANO DE SÃO PAULO ... ... O QUE CORRESPONDE A 15% DA ÁREA DO MUNICÍPIO. 14 m² 40 m² 14,1 KM/H Elaboração: SPURBANISMO, 2014
  • 34. 13h30 AUTOMÓVEL ESTACIONADO EM CASA DESLOCAMENTO TRABALHO - CASA AUTOMÓVEL ESTACIONADO NO TRABALHO 9h00 0h45 24h 0h45 DESLOCAMENTO CASA - TRABALHO o automóvel ao longo de um dia de trabalho permanece 87,5% do tempo estacionado Elaboração: SPURBANISMO, 2014
  • 35. objetivo ORIENTAR O CRESCIMENTO DA CIDADE NAS PROXIMIDADES DO TRANSPORTE PÚBLICO integração entre a agenda do desenvolvimento urbano e da mobilidade
  • 36. 03 sugestões de ações 1 – REVISAR O PLANO DIRETOR COM APLICAÇÃO DO DOTS; 2 – IMPLANTAR POLITICAS PÚBLICAS DE TRANSPORTE COLETIVO; 3 – RESGATAR O ESPAÇO PÚBLICO DA CIDADE.
  • 37. PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO Lei 16.050/2014 ZONEAMENTO LEI 16.402/2016 PROJETO DE INTERVENÇÃO URBANA Estudos específicos para OUC, AIU e DOT Desenvolver uma visão para a cidade e criar um conjunto de ferramentas para alcançá-la Regular o uso do solo dos empreendimentos e das propriedades privadas Reunir estudos técnicos para a transformação de áreas subutilizadas e de grande possibilidade de transformação Definindo instrumentos da política urbana, Macroáreas, diretrizes, e ações prioritárias definindo zonas e parâmetros para o uso e ocupação do solo definindo intervenções locais e estratégicas, a partir do PDE marco regulatório para transformação terrritorial
  • 38. Elaboração: SMDU, 2014 eixo de estruturação da transformação urbana
  • 39. Corredor de ônibus Veículos Leves sobre Pneus (VLP) em vias não elevadas = Eixo da via = Acesso às estações Trem Metrô Monotrilho Veículos Leves sobre Trilhos (VLT) Veículos Leves sobre Pneus (VLP) em vias elevadas definição das áreas de influência Elaboração: SMDU, 2014
  • 40. DESENVOLVIMENTO ORIENTADO AO TRANSPORTE SUSTENTÁVEL estimula uma ocupação compacta e com uso misto do solo, com distâncias curtas a pé e proximidade à estações de transporte de alta capacidade. Implica em um cenário de rua mais vibrante, formas construídas que levam em consideração os pedestres, características de uso do solo que tornam mais convenientes e seguros caminhar, usar bicicleta ou transporte público. ITDP, in www.itdpbrasil.org.br
  • 41. linha de transporte existente ou a implantar definição do eixo
  • 42. criação do eixo de estruturação da transformação urbana definição do eixo 150 m 150 m 150 m 150 m
  • 43. desenvolvimento do eixo de estruturação da transformação urbana definição do eixo
  • 48. eixos da estruturação da transformação urbana incentivos e instrumentos de regulação urbana COTA MÁXIMA DE TERRENO POR UNIDADE HABITACIONAL INCENTIVOS PARA USO MISTO FRUIÇÃO PÚBLICA AMPLIAÇÃO DO COEFICIENTE DE APROVEITAMENTO (CA) FACHADA ATIVA + PROIBIÇÃO DE MURO CONTÍNUO* DESINCENTIVOS PARA GARAGENS LARGURA MÍNIMA DE CALÇADA TAMANHO MÍNIMO DE TESTADA
  • 49. Curitiba Plano Diretor e parâmetros de desenvolvimento urbano
  • 50. Belo Horizonte Operação Urbana Consorciada Antonio Carlos – Pedro I
  • 51. PROJETO INTEGRADOR ARTICULA PLANOS E POLÍTICAS SETORIAIS AGREGA DIVERSAS METAS  articula planos e políticas setoriais  valoriza a confiabilidade no sistema de transporte  conecta áreas periféricas as centralidades PROJETO ESTRUTURADOR  estrutura a cidade  recupera parte dos investimentos através da captação da “mais valia” gerada pelos investimentos públicos  reverte o padrão de mobilidade urbana da cidade PROJETO QUALIFICADOR  reverte a imagem negativa sobre o modal ônibus, melhorando tecnologia veicular, pontualidade, confiabilidade, conforto, oferta e sistemas de informação e operação.  agrega espaços públicos e infraestrutura urbana qualificada ao eixo tipos de projeto
  • 52. CORREDOR EXPRESSO ARTICULA PLANOS E POLÍTICAS SETORIAIS AGREGA DIVERSAS METAS  Vias com 4 ou mais faixas por sentido  Distância entre travessias maior que 500m  Predominância de deslocamentos de longas distâncias (fluxos metropolitanos)  Sistema fundiário de grandes lotes CORREDOR QUALIFICADOR  Presente nas áreas urbanas já consolidadas ou a serem qualificadas  Implantado em tecidos urbanos com boa infraestrutura e padrões de ocupação diversificados CORREDOR URBANIZADOR  Presente em áreas periféricas que necessitam de investimentos públicos em infraestrutura  Implantado em tecidos com infraestrutura precária e fragilidades sociais e ambientais tipos de corredores de ônibus
  • 57. Macroárea de Recuperação Urbana e Ambiental Macroárea de Qualificação da Urbanização Consolidada Macroárea de Estruturação Metropolitana Macroárea de Redução da Vulnerabilidade Urbana desenvolvimento do eixo de estruturação urbana + macroáreas do PDE aplicação do eixo
  • 58. aproveitamento do solo nos eixos de estruturação urbana aplicação do eixo CA Máx. 2 CA Máx. 2 CA Máx. 2 CA Máx. 2CA Máx. 1 CA Máx. 2,5 CA Máx. 4 CA Máx. 4 CA Básico: 1 (para a cidade inteira) Macroárea de Recuperação Urbana e Ambiental Macroárea de Qualificação da Urbanização Consolidada Macroárea de Estruturação Metropolitana Macroárea de Redução da Vulnerabilidade Urbana
  • 59. novo eixo a ser implantado aplicação do eixo
  • 60. ativação dos parâmetros e instrumentos associados aplicação do eixo
  • 62. promover novas centralidades no encontro dos eixos
  • 63. Hidrografia Favelas relação com áreas de habitação precária e em áreas de risco
  • 64. Hidrografia Favelas Urbanizadas Habitação de Interesse Social reassentar famílias em situação vulnerável
  • 65. Hidrografia Favelas Urbanizadas Habitação de Interesse Social Reservatórios de Contenção Parque Linear Ciclovias Equipamento Público configurar eixo de estruturação local
  • 66. Equipamentos Sociais Existentes Espaços Livres Públicos Existentes em equipamentos sociais desarticulados
  • 67. Equipamentos Sociais Existentes Espaços Livres Públicos Existentes Eixos de Estruturação Local articular os equipamentos e espaços com a rede de transporte
  • 68. Equipamentos Sociais Existentes Espaços Livres Públicos Existentes Eixos de Estruturação Local Novos Equipamentos Sociais implantar novos equipamentos sociais em rede
  • 69. desenvolver a cidade em torno do transporte público
  • 70. instrumentos urbanísticos: coeficiente de aproveitamento Elaboração: SMDU, 2014
  • 71. instrumentos urbanísticos: outorga onerosa do direito de construir Elaboração: SMDU, 2014
  • 72. instrumentos urbanísticos: outorga onerosa do direito de construir Elaboração: SMDU, 2014
  • 73. Habitação de Interesse Social Equipamentos Sociais Unidades de Conservação Ambiental Espaços Públicos Planos de Bairro Áreas Verdes Transporte Público, Ciclovias e Calçadas Patrimônio Cultural Cenário pós PDE 2014 Média de acréscimo de área bruta vertical residencial e comercial prevista: 3,7 milhões m²/ano Cenário pós PDE 2014 Expectativa de arrecadação líquida com OODC: R$ 480 milhões/ano = 3x a média arrecadada até hoje = 40% de acréscimo em relação ao ano de maior arrecadação instrumentos urbanísticos: outorga onerosa do direito de construir Elaboração: SMDU, 2014
  • 74. parâmetros qualificadores: incentivo ao uso misto Elaboração: SMDU, 2014
  • 75. Elaboração: SMDU, 2014 parâmetros qualificadores: fruição pública
  • 76. Elaboração: SMDU, 2014 parâmetros qualificadores: cota parte
  • 77. Elaboração: SMDU, 2014 parâmetros qualificadores: cota parte
  • 78. Elaboração: SMDU, 2014 parâmetros qualificadores: vagas de garagem
  • 79. dimensão urbana  Reestruturar o território a partir dos eixos de mobilidade, com maior intensidade  Aproximar moradia, empregos, transporte e serviços públicos mobilidade  Diminuir os tempos de deslocamento  Aumentar uso do transporte coletivo e do não motorizado dimensão ambiental  Diminuir as emissões de poluentes dimensão socioeconômica  Descentralização das atividades econômicas  Desenvolvimento de territórios vulneráveis benefícios
  • 80. CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO ATUAL ANÁLISE CRÍTICA + DIAGNÓSTICO CENÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DIRETRIZES URBANÍSTICAS ADENSAMENTO POPULACIONAL+ PROGRAMA DE INTERVENÇÕES PARÂMETROS URBANÍSTICOS+ PROJETO URBANISTICO INSTRUMENTO INCENTIVOS PARA ADESÃO+ VIABILIDADE ECONOMICA GESTÃO PÚBLICA GRUPO GESTOR + ESTRATÉGIAS DE GOVERNANÇA Sistema viário Mobilidade Parques Drenagem Equipamentos Habitação Permanência de usos da LPUOS Parâmetros específicos e qualificadores Parâmetros ambientais Financiamento pela venda de potencial adicional de construção Fundo vinculado ao programa de intervenções Incentivos econômicos e regulatórios vinculados ao tempo de implantação Incentivos a ocupação de áreas degradadas Gestão para implantação coordenada do programa de intervenções Gestão sobre a liberação do tempo e do valor do direito de construir Vincular intervenções de qualificação aos projetos estruturantes Processos participativos e controle social IMPLANTAÇÃO estruturação de projetos DOTS
  • 81. PROJETO DE INTERVENÇÃO DIRETRIZES, MANUTENÇÃO E LICENCIAMENTO 1. Melhoramentos públicos 2. Espaços públicos 3. Drenagem 4. Produção de equipamentos e HIS * Aprovados por lei especifica 1 POLITICAS SETORIAIS INSTRUMENTO URBANÍSTICO IMPLANTAÇÃO DO PROJETODETERMNAÇÃO DE PROCESSOS FINANCIAMENTO EXECUÇÃO DAS INTERVENÇÕES GESTÃO E DETALHAMENTO 1. Detalhamento dos projetos 2. Gestão do financiamento 3. Articular as empresas executoras 4. Secretariar o conselho gestor * Aprovados por lei especifica 1. Elaborar programas setoriais 2. Monitorar a pós-ocupação 3. Coordenar o faseamento 4. Licenciar os projetos específicos ORGÃO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO ÓRGÃO DE IMPLANTAÇÃOSECRETARIAS MUNICIPAIS 32 governança sobre projetos DOTS
  • 82. Avenida Santo Amaro Requalificação através do DOTS
  • 83.
  • 88.
  • 89.
  • 91. instrumento urbanístico: transferência do direito de construir
  • 93. obrigado Gustavo Partezani MSC CAU DGNB estrategiasurbanas.com.br