SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
Planejamento
Familiar
Caroline Reis Gonçalves
Ginecologista e Obstetra
Hospital Sofia Feldman
Centro Materno Infantil Contagem
• Não possuo conflito de interesse
Gravidez não planejada: 45%
Gravidez não planejada - adolescentes: 66%
Uma longa
história...
Era uma vez, há 100 anos…
1916
Enfermeira Margaret Sanger abre a primeira clínica de
planejamento familiar.
1950
Com seus 80 anos, Sanger contribuiu com a pesquisa
necessária para criar a primeira pílula humana para controle de
concepção.
Ela levantou $150,000 para o projeto.
Dhont, Marc History of oral contraception. The European Journal of Contraception & Reproductive Health Care. 2010 S12 , 1362-5187.
1950’s
Testes em
1500 mulheres
em Porto Rico
(Rock e Pincus)
1960
FDA aprovou o
primeiro
contraceptivo
oral - Enovid.
Dhont, Marc History of oral contraception. The European Journal of Contraception & Reproductive Health Care. 2010 S12 , 1362-5187.
1962 1.2 milhão de mulheres
americanas estavam
usando a pílula
1965 6.5 milhões.
1972 A corte suprema liberou
a pílula para todas as
mulheres independente
do estado civil
Dhont, Marc History of oral contraception. The European Journal of
Contraception & Reproductive Health Care. 2010 S12 , 1362-5187.
Um novo significado...
Prazer
erótico
Reprodução
- EFEITOS COLATERAIS
- PROCESSOS JUDICIAIS
- DESENVOLVIMENTO DE OUTROS MÉTODOS
- DÉCADA DE 1980 – AIDS - HIV
REPRODUÇÃO
PRAZER
Planejamento familiar
Motivo
frequente
de
consultas
Avaliação
individual
Preceitos
religiosos,
condições
financeiras
Ginecologistas e Generalistas
são os maiores responsáveis
pela orientação anti-
concepcional e pré-
concepcional
Importância da assistência primária para
planejamento familiar
Goossens J. Preconception-related needs of reproductive-aged women. Midwifery. 2016 Feb;33:64-72. doi: 10.1016/j.midw.2015.10.012. Epub 2015 Oct 24.
Importância do planejamento familiar
Gravidez
indesejada
Aborto
clandestino
United Nations. Estimates of contraceptive prevalence by method among married or in-union women aged 15 to 49
(percentage), New York, 2015.
Método Europa ocidental Brasil Estados Unidos
Contraceptivo oral 37,5% 24,1% 16%
DIU 11,7% 1,9% 5,1%
Esterilização
5,9%(L)
2,8%(V)
28,4% (L)
5% (V)
21,8%(L)
10,8%(V)
Condom 7,4% 11,9% 11,6%
Injeção 0,8% 3,9% 0%
Implante 0,2% 0,1% 1%
Natural/outros 4% 3,8% 8,8%
Métodos contraceptivos no Brasil e no mundo
Escolher o melhor método
Elegível
Permita
Adesão
Eficaz
1- Sem restrição de uso
2- Vantagens geralmente superam os riscos
3- Riscos superam os benefícios
4- Risco inaceitável
USMEC
Aplicativos
Planejamento
familiar
World Health Organization Department of Reproductive
Health and Research (WHO/RHR) and Johns Hopkins
Bloomberg School of Public Health/Center for
Communication Programs (CCP), Knowledge for Health
Project. Family Planning: A Global Handbook for Providers
(2018 update). Baltimore and Geneva: CCP and WHO,
2018.
Métodos de barreira
Índice de Pearl ruim
Proteção adjacente contra
DSTs
Capuz cervical
Diafragma
Condom masculino e feminino
Condom masculino
Mais utilizado dos métodos de barreira
na sociedade brasileira e internacional
Índice de falha de até 30%
Mais efetivo se associado à
espermicida – nonoxinol 9
Métodos comportamentais
Não oferecerem proteção contra DSTs,
exigem controle e disciplina elevados, sem
resultados efetivos garantidos
Desaconselhados
isoladamente
Coito interrompido e
abstinência sexual periódica
Contraceptivos
combinados
Anticoncepção hormonal
Componente progestínico Componente estrogênico
 Inibe o pico de LH
(ovulação)
 Dificulta nidação do ovo
ao endométrio
 Alterações no muco
cervical
 Diminuição de motilidade
tubária
 Inibe a secreção de LH
 Aumenta a concentração
de receptores de
progesterona
Contraceptivos combinados E + P
Pílula Injetável
mensal
Anel vaginal Adesivo
Anel vaginal
Contracepção hormonal combinada oral
Contra-indicações principais:
Tabagistas com mais de 35 anos
Idade superior a 50 anos
Dislipidemia
Hipertensão moderada e grave
Tromboembolismo
Hepatopatia
Enxaqueca com aura
História pessoal ou familiar de ca de mama
Contraceptivos com Progesterona
Pílula -
Desogestrel
Injetável
trimestral
Implanon Mirena
LARC (Long
acting reversible
contraception)
Contracepção cirúrgica
28,4% (L)5% (V)
Regras da esterilização cirúrgica
aconselhamento de 60
dias
• o qual deverá ser informado
sobre o procedimento e
suas implicações e sobre os
métodos reversíveis
capacidade civil plena
+ consentimento dos
cônjuges
+25 anos de idade ou
dois ou mais filhos
vivos
Proibida LT 42 dias
após o parto.
Caetano, A.J. Esterilização cirúrgica feminina no Brasil, 2000 a 2006: aderência à lei de planejamento familiar e demanda frustrada. R. bras. Est. Pop., Rio de Janeiro, v. 31, n.2, p. 309-331, jul./dez. 2014
Laqueaduras pós-parto:
• Indicação médica **
• Cesarianas sucessivas
LEI Nº 9.263, DE 12 DE JANEIRO DE 1996
Essure
DIU
Inertes, com cobre e levonogestrel
Cobre t380/200 – 0,2/100 mulheres/ ano
DIP – primeiros vintes dias (WHS)
DIU de cobre
Barreiras profissionais
• Não sabem inserir
• Cultura da pílula
• Desatualização
• não insere em adolescente
• não insere em nulípara
• Insere apenas se está menstruada
• Insere apenas se tiver ultrassom ou Papanicolau
• Não orienta no pré-natal acerca do DIU pós parto e pós aborto
Hoffman et al. Reproductive Health 2016. Clinicians knowledge and practices regarding Family
planning and intrauterine devices in China. Khazakstan, Laos and Mexico.
Anticoncepção de emergência
Possibilidades
Método de Yuzpe (200 mcg de etinilestradiol
+ 1,0 de levonogestrel) – eficácia de 57%
Progestogênio isolado (0,75 levonogestrel)
até 72h pós-coito 85% de eficácia
T de cobre ou IUS Lev 7 dias após relação
Só existe escolha
com informação!
carolinereisg@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Planejamento Familiar - Saude da Mulher (Caroline Gomes - Enfermagem 2014.1)
Planejamento Familiar - Saude da Mulher (Caroline Gomes - Enfermagem 2014.1)Planejamento Familiar - Saude da Mulher (Caroline Gomes - Enfermagem 2014.1)
Planejamento Familiar - Saude da Mulher (Caroline Gomes - Enfermagem 2014.1)Caroline Gomes
 
AULA - Política e indicador em saúde da mulher
AULA - Política e indicador em saúde da mulherAULA - Política e indicador em saúde da mulher
AULA - Política e indicador em saúde da mulherangelalessadeandrade
 
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no BrasilPolíticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no BrasilMarciane Missio
 
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da MulherApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da MulherTania Fonseca
 
Apresentação curso planejamento fliar
Apresentação curso planejamento fliarApresentação curso planejamento fliar
Apresentação curso planejamento fliartvf
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestaçãoAlinebrauna Brauna
 
Menopausa e Climatério
Menopausa e Climatério Menopausa e Climatério
Menopausa e Climatério Laís Lucas
 
Assistência materno infantil
Assistência materno infantilAssistência materno infantil
Assistência materno infantilAndrea Pereira
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER Karen Lira
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Sanny Pereira
 

Mais procurados (20)

AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
 
Planejamento Familiar - Saude da Mulher (Caroline Gomes - Enfermagem 2014.1)
Planejamento Familiar - Saude da Mulher (Caroline Gomes - Enfermagem 2014.1)Planejamento Familiar - Saude da Mulher (Caroline Gomes - Enfermagem 2014.1)
Planejamento Familiar - Saude da Mulher (Caroline Gomes - Enfermagem 2014.1)
 
Parto Humanizado
Parto HumanizadoParto Humanizado
Parto Humanizado
 
AULA - Política e indicador em saúde da mulher
AULA - Política e indicador em saúde da mulherAULA - Política e indicador em saúde da mulher
AULA - Política e indicador em saúde da mulher
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no BrasilPolíticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
 
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da MulherApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
 
Planejamento familiar
Planejamento familiarPlanejamento familiar
Planejamento familiar
 
Paism slider
Paism sliderPaism slider
Paism slider
 
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
 
Apresentação curso planejamento fliar
Apresentação curso planejamento fliarApresentação curso planejamento fliar
Apresentação curso planejamento fliar
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
 
Menopausa e Climatério
Menopausa e Climatério Menopausa e Climatério
Menopausa e Climatério
 
Assistência materno infantil
Assistência materno infantilAssistência materno infantil
Assistência materno infantil
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiar
 
Planejamento familiar
Planejamento familiarPlanejamento familiar
Planejamento familiar
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
 

Semelhante a Planejamento Familiar - Uma reflexão sobre os métodos

Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...
Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...
Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...Caroline Reis Gonçalves
 
Programa de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento Familiar
Programa de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento FamiliarPrograma de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento Familiar
Programa de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento FamiliarProfessor Robson
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarUnis
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarUnis
 
4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdf4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdfLivia Santana
 
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de Saúde
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de SaúdeCNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de Saúde
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de SaúdeEvertonMonteiro19
 
Saúde da mulher, musicalização e prevenção quaternária
Saúde da mulher, musicalização e prevenção quaternária Saúde da mulher, musicalização e prevenção quaternária
Saúde da mulher, musicalização e prevenção quaternária AlessandraVanessa13
 
2 vacina como_ferramenta_preventiva
2 vacina como_ferramenta_preventiva2 vacina como_ferramenta_preventiva
2 vacina como_ferramenta_preventivaJnq Braga
 
Aula 6 câncer de mama associado à gestação
Aula 6   câncer de mama associado à gestaçãoAula 6   câncer de mama associado à gestação
Aula 6 câncer de mama associado à gestaçãoGuilherme Novita Garcia
 
Aula 6 - câncer de mama associado à gestação
Aula 6 - câncer de mama associado à gestaçãoAula 6 - câncer de mama associado à gestação
Aula 6 - câncer de mama associado à gestaçãoGuilherme Novita Garcia
 
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo riscoAssistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo riscoyasminroriz3
 
Novos Protocolos Poor Responders FIV [Renato Tomioka, MD]
Novos Protocolos Poor Responders FIV [Renato Tomioka, MD]Novos Protocolos Poor Responders FIV [Renato Tomioka, MD]
Novos Protocolos Poor Responders FIV [Renato Tomioka, MD]Renato Tomioka, MD
 
Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...
Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...
Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...Eno Filho
 
Aspectos gerais da infertilidade masculina
Aspectos gerais da infertilidade masculinaAspectos gerais da infertilidade masculina
Aspectos gerais da infertilidade masculinaConrado Alvarenga
 

Semelhante a Planejamento Familiar - Uma reflexão sobre os métodos (20)

Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...
Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...
Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...
 
Investindo no Planejamento Familiar
Investindo no Planejamento FamiliarInvestindo no Planejamento Familiar
Investindo no Planejamento Familiar
 
Programa de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento Familiar
Programa de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento FamiliarPrograma de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento Familiar
Programa de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento Familiar
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento Familiar
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento Familiar
 
4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdf4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdf
 
Risco Reprodutivo e Contracepção
Risco Reprodutivo e ContracepçãoRisco Reprodutivo e Contracepção
Risco Reprodutivo e Contracepção
 
Critérios para esterelização
Critérios para esterelizaçãoCritérios para esterelização
Critérios para esterelização
 
Método dos 2 Dias [palestra]
Método dos 2 Dias [palestra]Método dos 2 Dias [palestra]
Método dos 2 Dias [palestra]
 
PESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASILPESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASIL
 
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de Saúde
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de SaúdeCNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de Saúde
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de Saúde
 
Saúde da mulher, musicalização e prevenção quaternária
Saúde da mulher, musicalização e prevenção quaternária Saúde da mulher, musicalização e prevenção quaternária
Saúde da mulher, musicalização e prevenção quaternária
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro períodoCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
 
2 vacina como_ferramenta_preventiva
2 vacina como_ferramenta_preventiva2 vacina como_ferramenta_preventiva
2 vacina como_ferramenta_preventiva
 
Aula 6 câncer de mama associado à gestação
Aula 6   câncer de mama associado à gestaçãoAula 6   câncer de mama associado à gestação
Aula 6 câncer de mama associado à gestação
 
Aula 6 - câncer de mama associado à gestação
Aula 6 - câncer de mama associado à gestaçãoAula 6 - câncer de mama associado à gestação
Aula 6 - câncer de mama associado à gestação
 
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo riscoAssistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
 
Novos Protocolos Poor Responders FIV [Renato Tomioka, MD]
Novos Protocolos Poor Responders FIV [Renato Tomioka, MD]Novos Protocolos Poor Responders FIV [Renato Tomioka, MD]
Novos Protocolos Poor Responders FIV [Renato Tomioka, MD]
 
Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...
Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...
Prevenção do câncer de colo uterino e mama e prevenção dos excessos de preven...
 
Aspectos gerais da infertilidade masculina
Aspectos gerais da infertilidade masculinaAspectos gerais da infertilidade masculina
Aspectos gerais da infertilidade masculina
 

Mais de Caroline Reis Gonçalves

Aula 1 - GINECOLOGIA - Anatomia do trato genital feminino, fisiologia do cicl...
Aula 1 - GINECOLOGIA - Anatomia do trato genital feminino, fisiologia do cicl...Aula 1 - GINECOLOGIA - Anatomia do trato genital feminino, fisiologia do cicl...
Aula 1 - GINECOLOGIA - Anatomia do trato genital feminino, fisiologia do cicl...Caroline Reis Gonçalves
 
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...Caroline Reis Gonçalves
 
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...Caroline Reis Gonçalves
 
Analgesia em Obstetrícia - Métodos farmacológicos e não farmacológicos
Analgesia em Obstetrícia - Métodos farmacológicos e não farmacológicosAnalgesia em Obstetrícia - Métodos farmacológicos e não farmacológicos
Analgesia em Obstetrícia - Métodos farmacológicos e não farmacológicosCaroline Reis Gonçalves
 
Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e VácuoParto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e VácuoCaroline Reis Gonçalves
 
Câncer de Colo Uterino - do HPV às vacinas de tratamento
Câncer de Colo Uterino - do HPV às vacinas de tratamentoCâncer de Colo Uterino - do HPV às vacinas de tratamento
Câncer de Colo Uterino - do HPV às vacinas de tratamentoCaroline Reis Gonçalves
 
Primeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricasPrimeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricasCaroline Reis Gonçalves
 
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...Caroline Reis Gonçalves
 
Terceiro consenso internacional de definições sobre sepse e choque séptico - ...
Terceiro consenso internacional de definições sobre sepse e choque séptico - ...Terceiro consenso internacional de definições sobre sepse e choque séptico - ...
Terceiro consenso internacional de definições sobre sepse e choque séptico - ...Caroline Reis Gonçalves
 
Fisiopatologia do Câncer de Ovários - Apresentação de artigo - New insights i...
Fisiopatologia do Câncer de Ovários - Apresentação de artigo - New insights i...Fisiopatologia do Câncer de Ovários - Apresentação de artigo - New insights i...
Fisiopatologia do Câncer de Ovários - Apresentação de artigo - New insights i...Caroline Reis Gonçalves
 
Adenomiose / Adenomyosis: A Clinical Review of a Challenging Gynecologic Cond...
Adenomiose / Adenomyosis:A Clinical Review of a Challenging Gynecologic Cond...Adenomiose / Adenomyosis:A Clinical Review of a Challenging Gynecologic Cond...
Adenomiose / Adenomyosis: A Clinical Review of a Challenging Gynecologic Cond...Caroline Reis Gonçalves
 
Protocolo de Manejo das Hemorragias Puerperais - Maternidade Odete Valadares
Protocolo de Manejo das Hemorragias Puerperais - Maternidade Odete ValadaresProtocolo de Manejo das Hemorragias Puerperais - Maternidade Odete Valadares
Protocolo de Manejo das Hemorragias Puerperais - Maternidade Odete ValadaresCaroline Reis Gonçalves
 

Mais de Caroline Reis Gonçalves (20)

Aula 1 - GINECOLOGIA - Anatomia do trato genital feminino, fisiologia do cicl...
Aula 1 - GINECOLOGIA - Anatomia do trato genital feminino, fisiologia do cicl...Aula 1 - GINECOLOGIA - Anatomia do trato genital feminino, fisiologia do cicl...
Aula 1 - GINECOLOGIA - Anatomia do trato genital feminino, fisiologia do cicl...
 
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
 
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
 
Pré natal 2018 - Para Gestantes -
Pré natal 2018 - Para Gestantes - Pré natal 2018 - Para Gestantes -
Pré natal 2018 - Para Gestantes -
 
Sexualidade - um panorama
Sexualidade - um panoramaSexualidade - um panorama
Sexualidade - um panorama
 
Analgesia em Obstetrícia - Métodos farmacológicos e não farmacológicos
Analgesia em Obstetrícia - Métodos farmacológicos e não farmacológicosAnalgesia em Obstetrícia - Métodos farmacológicos e não farmacológicos
Analgesia em Obstetrícia - Métodos farmacológicos e não farmacológicos
 
Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e VácuoParto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
 
Apresentações Anômalas
Apresentações AnômalasApresentações Anômalas
Apresentações Anômalas
 
Câncer de Colo Uterino - do HPV às vacinas de tratamento
Câncer de Colo Uterino - do HPV às vacinas de tratamentoCâncer de Colo Uterino - do HPV às vacinas de tratamento
Câncer de Colo Uterino - do HPV às vacinas de tratamento
 
Sangramento no final da gestação
Sangramento no final da gestaçãoSangramento no final da gestação
Sangramento no final da gestação
 
Cesariana e Parto vaginal
Cesariana e Parto vaginalCesariana e Parto vaginal
Cesariana e Parto vaginal
 
Primeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricasPrimeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricas
 
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
 
Terceiro consenso internacional de definições sobre sepse e choque séptico - ...
Terceiro consenso internacional de definições sobre sepse e choque séptico - ...Terceiro consenso internacional de definições sobre sepse e choque séptico - ...
Terceiro consenso internacional de definições sobre sepse e choque séptico - ...
 
Mapa Astral Obstétrico
Mapa Astral ObstétricoMapa Astral Obstétrico
Mapa Astral Obstétrico
 
Fisiopatologia do Câncer de Ovários - Apresentação de artigo - New insights i...
Fisiopatologia do Câncer de Ovários - Apresentação de artigo - New insights i...Fisiopatologia do Câncer de Ovários - Apresentação de artigo - New insights i...
Fisiopatologia do Câncer de Ovários - Apresentação de artigo - New insights i...
 
Adenomiose / Adenomyosis: A Clinical Review of a Challenging Gynecologic Cond...
Adenomiose / Adenomyosis:A Clinical Review of a Challenging Gynecologic Cond...Adenomiose / Adenomyosis:A Clinical Review of a Challenging Gynecologic Cond...
Adenomiose / Adenomyosis: A Clinical Review of a Challenging Gynecologic Cond...
 
Videolaparoscopia na endometriose
Videolaparoscopia na endometrioseVideolaparoscopia na endometriose
Videolaparoscopia na endometriose
 
Investigação de massas anexiais
Investigação de massas anexiaisInvestigação de massas anexiais
Investigação de massas anexiais
 
Protocolo de Manejo das Hemorragias Puerperais - Maternidade Odete Valadares
Protocolo de Manejo das Hemorragias Puerperais - Maternidade Odete ValadaresProtocolo de Manejo das Hemorragias Puerperais - Maternidade Odete Valadares
Protocolo de Manejo das Hemorragias Puerperais - Maternidade Odete Valadares
 

Planejamento Familiar - Uma reflexão sobre os métodos

  • 1. Planejamento Familiar Caroline Reis Gonçalves Ginecologista e Obstetra Hospital Sofia Feldman Centro Materno Infantil Contagem
  • 2. • Não possuo conflito de interesse
  • 3. Gravidez não planejada: 45% Gravidez não planejada - adolescentes: 66%
  • 4. Uma longa história... Era uma vez, há 100 anos…
  • 5. 1916 Enfermeira Margaret Sanger abre a primeira clínica de planejamento familiar. 1950 Com seus 80 anos, Sanger contribuiu com a pesquisa necessária para criar a primeira pílula humana para controle de concepção. Ela levantou $150,000 para o projeto. Dhont, Marc History of oral contraception. The European Journal of Contraception & Reproductive Health Care. 2010 S12 , 1362-5187.
  • 6. 1950’s Testes em 1500 mulheres em Porto Rico (Rock e Pincus) 1960 FDA aprovou o primeiro contraceptivo oral - Enovid. Dhont, Marc History of oral contraception. The European Journal of Contraception & Reproductive Health Care. 2010 S12 , 1362-5187.
  • 7. 1962 1.2 milhão de mulheres americanas estavam usando a pílula 1965 6.5 milhões. 1972 A corte suprema liberou a pílula para todas as mulheres independente do estado civil Dhont, Marc History of oral contraception. The European Journal of Contraception & Reproductive Health Care. 2010 S12 , 1362-5187.
  • 8. Um novo significado... Prazer erótico Reprodução - EFEITOS COLATERAIS - PROCESSOS JUDICIAIS - DESENVOLVIMENTO DE OUTROS MÉTODOS - DÉCADA DE 1980 – AIDS - HIV
  • 10.
  • 12. Ginecologistas e Generalistas são os maiores responsáveis pela orientação anti- concepcional e pré- concepcional Importância da assistência primária para planejamento familiar Goossens J. Preconception-related needs of reproductive-aged women. Midwifery. 2016 Feb;33:64-72. doi: 10.1016/j.midw.2015.10.012. Epub 2015 Oct 24.
  • 13. Importância do planejamento familiar Gravidez indesejada Aborto clandestino
  • 14. United Nations. Estimates of contraceptive prevalence by method among married or in-union women aged 15 to 49 (percentage), New York, 2015. Método Europa ocidental Brasil Estados Unidos Contraceptivo oral 37,5% 24,1% 16% DIU 11,7% 1,9% 5,1% Esterilização 5,9%(L) 2,8%(V) 28,4% (L) 5% (V) 21,8%(L) 10,8%(V) Condom 7,4% 11,9% 11,6% Injeção 0,8% 3,9% 0% Implante 0,2% 0,1% 1% Natural/outros 4% 3,8% 8,8% Métodos contraceptivos no Brasil e no mundo
  • 15. Escolher o melhor método Elegível Permita Adesão Eficaz
  • 16. 1- Sem restrição de uso 2- Vantagens geralmente superam os riscos 3- Riscos superam os benefícios 4- Risco inaceitável USMEC
  • 18. Planejamento familiar World Health Organization Department of Reproductive Health and Research (WHO/RHR) and Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health/Center for Communication Programs (CCP), Knowledge for Health Project. Family Planning: A Global Handbook for Providers (2018 update). Baltimore and Geneva: CCP and WHO, 2018.
  • 19.
  • 20. Métodos de barreira Índice de Pearl ruim Proteção adjacente contra DSTs Capuz cervical Diafragma Condom masculino e feminino
  • 21. Condom masculino Mais utilizado dos métodos de barreira na sociedade brasileira e internacional Índice de falha de até 30% Mais efetivo se associado à espermicida – nonoxinol 9
  • 22. Métodos comportamentais Não oferecerem proteção contra DSTs, exigem controle e disciplina elevados, sem resultados efetivos garantidos Desaconselhados isoladamente Coito interrompido e abstinência sexual periódica
  • 24. Anticoncepção hormonal Componente progestínico Componente estrogênico  Inibe o pico de LH (ovulação)  Dificulta nidação do ovo ao endométrio  Alterações no muco cervical  Diminuição de motilidade tubária  Inibe a secreção de LH  Aumenta a concentração de receptores de progesterona
  • 25. Contraceptivos combinados E + P Pílula Injetável mensal Anel vaginal Adesivo
  • 27. Contracepção hormonal combinada oral Contra-indicações principais: Tabagistas com mais de 35 anos Idade superior a 50 anos Dislipidemia Hipertensão moderada e grave Tromboembolismo Hepatopatia Enxaqueca com aura História pessoal ou familiar de ca de mama
  • 28. Contraceptivos com Progesterona Pílula - Desogestrel Injetável trimestral Implanon Mirena
  • 31. Regras da esterilização cirúrgica aconselhamento de 60 dias • o qual deverá ser informado sobre o procedimento e suas implicações e sobre os métodos reversíveis capacidade civil plena + consentimento dos cônjuges +25 anos de idade ou dois ou mais filhos vivos Proibida LT 42 dias após o parto. Caetano, A.J. Esterilização cirúrgica feminina no Brasil, 2000 a 2006: aderência à lei de planejamento familiar e demanda frustrada. R. bras. Est. Pop., Rio de Janeiro, v. 31, n.2, p. 309-331, jul./dez. 2014 Laqueaduras pós-parto: • Indicação médica ** • Cesarianas sucessivas LEI Nº 9.263, DE 12 DE JANEIRO DE 1996
  • 33.
  • 34. DIU Inertes, com cobre e levonogestrel Cobre t380/200 – 0,2/100 mulheres/ ano DIP – primeiros vintes dias (WHS)
  • 36. Barreiras profissionais • Não sabem inserir • Cultura da pílula • Desatualização • não insere em adolescente • não insere em nulípara • Insere apenas se está menstruada • Insere apenas se tiver ultrassom ou Papanicolau • Não orienta no pré-natal acerca do DIU pós parto e pós aborto Hoffman et al. Reproductive Health 2016. Clinicians knowledge and practices regarding Family planning and intrauterine devices in China. Khazakstan, Laos and Mexico.
  • 37. Anticoncepção de emergência Possibilidades Método de Yuzpe (200 mcg de etinilestradiol + 1,0 de levonogestrel) – eficácia de 57% Progestogênio isolado (0,75 levonogestrel) até 72h pós-coito 85% de eficácia T de cobre ou IUS Lev 7 dias após relação
  • 38.
  • 39. Só existe escolha com informação! carolinereisg@gmail.com

Notas do Editor

  1. Foto de 1920
  2. Nove de maio de 1960 – liberação do fda Os testes tinham sido conduzidos na década de 50 por John Rock , um ginecologista e o biólogo Gregory Pincus em 1500 mulheres em Porto Rico, que não possuía leis para controle de natalidade, as mulheres tinham em média 5 filhos cada uma. 3 dessas mulheres morreram, não foi feita autópsia . A dose do enovid é cerca de https://www.washingtonpost.com/news/retropolis/wp/2017/05/09/guinea-pigs-or-pioneers-how-puerto-rican-women-were-used-to-test-the-birth-control-pill/?noredirect=on&utm_term=.30de2a6f7699
  3. A pílula permitiu às mulheres que dissociassem o prazer e a reprodução, que antes se encontravam fortemente atrelados. É claro que essa revolução já vinha acontecendo desde os anos 20, mas a pílula ajudou essa forma de pensamento a se propagar. Eu poderia falar sobre o que se seguiu a esse marco, como os efeitos colaterais devido aàs doses altíssimas de estrogênio, e o surgimento de outros métodos, mas vamos voltar à sexualidade
  4. Proibida lt 42 dias após o parto para coibir desnecesarianas condição expressa relatório escrito de testemunho, assinado por dois médicos (art. 10, II da Lei do Planejamento Familiar).             Deve esta mulher ser informada do risco da cirurgia, efeitos colaterais, dificuldades de sua reversão e opções de contracepção reversíveis existentes, além de documento escrito e firmado, registrando a expressa manifestação de vontade de quem deseja submeter-se à esterilização (art. 10, II, §1º da Lei do Planejamento Familiar). Não sendo considerada a manifestação de vontade se expressa durante a ocorrência de alterações na capacidade de discernimento por influência do álcool, drogas, estado emocional alterado ou incapacidade mental temporária ou permanente (art. 10, §3º da Lei do Planejamento Familiar).             Referida Lei, apesar de proibir expressamente a esterilização durante os períodos de parto ou aborto, a aceita nos casos de comprovada necessidade como, por exemplo, por cesarianas sucessivas anteriores (art. 10, II, §2º da Lei do Planejamento Familiar).             O artigo 10, § 5º, determina o consentimento expresso de ambos os cônjuges para que seja realizada a esterilização voluntária em pessoas casadas. Tal obrigatoriedade é baseada nos princípios do matrimônio, que responsabiliza ambos os cônjuges na decisão acerca do planejamento familiar (art. 226, §7º da CF e art. 1565, §2º do CC), uma vez que assumem mutuamente, pelo casamento, a condição de consortes, companheiros, responsáveis pelos encargos da família (art. 1565, caput do CC) e devem exercer conjuntamente a direção da sociedade conjugal (art. 1567 do CC).
  5. No site americano de divulgação do produto, há o seguinte alerta: "Algumas pacientes que implantaram o sistema Essure para controle permanente de natalidade têm experimentado e/ou relatado eventos adversos, incluindo perfuração do útero e/ou trompas de falópio, inserções na cavidade abdominal ou pélvica, dor persistente e suspeita de alergia ou reações de hipersensibilidade. Se o dispositivo precisar ser removido por conta de tais eventos adversos, um procedimento cirúrgico será necessário".
  6. Hoffman et al. Reproductive Health 2016. Clinicians knowledge and practices regarding Family planning and intrauterine devices in China. Khazakstan, Laos and Mexico.