SlideShare uma empresa Scribd logo
Programa de Alimentação do
Trabalhador - PAT
Nutricionista Débora Razera Peluffo
Perfil nutricional brasileiro
Nas últimas décadas observou-se uma mudança no
perfil epidemiológico da população brasileira:
 diminuição da mortalidade por doenças
infecciosas;
 aumento de óbitos causados por doenças
cardiovasculares, neoplasias e causas externas ;
 crescimento das doenças crônicas não
transmissíveis (hipertensão, diabetes, excesso de
peso).
Obesidade
Organização Mundial da Saúde (OMS):
• Em 2005 o mundo teria 1,6 bilhões
de pessoas acima de 15 anos de
idade com excesso de peso (IMC ≥
25kg/m²) e 400 milhões de obesos
(IMC ≥ 30 kg/m²).

• A projeção para 2015 é ainda mais
pessimista: 2,3 bilhões de pessoas
com excesso de peso e 700 milhões
de obesos. Indicando um aumento
de 75% nos casos de obesidade em
10 anos.
Doenças decorrentes da
Obesidade

Enfermidades do coração, câncer,
diabetes, acidente vascular cerebral e
doenças pulmonares crônicas matam
cerca de 36 milhões de pessoas por
ano, em grande parte influenciados
pelo fumo, a má alimentação, o
consumo de álcool, a obesidade e a
falta de exercício.

A OMS estima um aumento de 17% na
taxa de mortalidade nos próximos 10
anos.
OMS, 2011
E agora???
Prevenção e
controle

“O controle dessas doenças só pode ser alcançado por meio de
esforços concentrados na prevenção e controle dos fatores de
risco associados, e na melhoria das condições e qualidade de
vida.”
Nascimento & Mendes, 2002
Ambiente de trabalho

Modificações de comportamento
precursor de doenças

Função
ocupacional

Dieta

Atividade
física

Tabagismo
Estratégia Global da OMS para alimentação saudável,
atividade física e saúde
OBJETIVO:
Estimular hábitos saudáveis de alimentação e atividade física
para a prevenção de doenças crônicas.
RECOMENDAÇÕES:
•
•
•
•
•
•
•

Manter o peso normal;
Aumentar o consumo de frutas, vegetais, oleaginosas e grãos;
Praticar exercício físico diário de intensidade moderada;
Trocar gordura animal saturada por gorduras vegetais poliinsaturadas;
Diminuir a quantidade de alimentos gordurosos, salgados e doces;
Não fumar;
Controlar o consumo de bebidas alcoólicas.
Estratégia
Global da
OMS
para
alimentação saudável, atividade física e
saúde
• Considera as empresas que fornecem alimentação coletiva
como protagonistas importantes na promoção de uma
alimentação saudável.
O que é o PAT?
Criado pela Lei nº 6.321 de 14 de abril de 1976 (regulamentada
em 1991), o Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) é
um programa de complementação alimentar no qual o
governo,
empresa
e
trabalhadores
partilham
responsabilidades.
O acesso à alimentação é viabilizado por refeições servidas
no local de trabalho ou pelo fornecimento de tíquetes e cestas
básicas.
Princípio
O atendimento ao trabalhador de baixa renda, melhorando suas
condições nutricionais gerando, consequentemente, saúde, bem
estar e maior produtividade!!
Objetivo
A melhoria da situação nutricional dos trabalhadores,
prioritariamente os de baixa renda, visando promover a sua
saúde e prevenir as doenças relacionadas ao trabalho.
Vantagens do PAT para as empresas
• Aumento na produtividade;
• Maior integração entre trabalhadores e a empresa;

• Redução dos atrasos e faltas (absenteísmo);
• Redução da rotatividade;
• Redução do número de doenças e acidentes de trabalho;
• Isenção de encargos sociais sobre o valor da alimentação
fornecida;
• Incentivo fiscal (dedução de até 4% no imposto de renda
devido).
Parâmetros Nutricionais do PAT
Em 28 DE AGOSTO DE 2006, portaria que altera os parâmetros
nutricionais do PAT:
• § 1º Entende-se por alimentação saudável, o direito humano a
um padrão alimentar adequado às necessidades biológicas e
sociais dos indivíduos, respeitando os princípios da variedade,
da moderação e do equilíbrio, dando-se ênfase aos alimentos
regionais e respeito ao seu significado socioeconômico e
cultural, no contexto da Segurança Alimentar e Nutricional.
Parâmetros - PAT
• § 3º Os parâmetros nutricionais para a alimentação do
trabalhador estabelecidos nesta Portaria:
Nutrientes e valores diários:
•
•
•
•
•
•
•

VALOR ENERGÉTICO TOTAL: 2.000 kilocalorias
CARBOIDRATO: 55 - 75%
PROTEÍNA: 10 - 15%
GORDURA TOTAL: 15 - 30%
GORDURA SATURADA: < 10%
Recomendações não previstas
FIBRA: > 25 g
anteriormente
SODIO: ≤ 2.400mg (6g sal)
Portaria - PAT
I - refeições principais (almoço, jantar e ceia) deverão conter de
600 a 800 kilocalorias, admitindo-se um acréscimo de 20% (400
cal) do VET 2000 calorias/dia.
Deverão corresponder a faixa de 30 - 40% do VET diário.

II - as refeições menores (desjejum e lanche) deverão conter de
300 a 400 kilocalorias, admitindo-se um acréscimo de 20%
(quatrocentas calorias) do VET de 2000 calorias/dia.
Deverão corresponder a faixa de 15 - 20 % do VET diário;
IV - o percentual proteico - calórico (NdPCal) das refeições deverá
ser de no mínimo 6% e no máximo 10 %.
E a saúde do trabalhador??
Portaria - PAT
• § 4º Os estabelecimentos vinculados ao PAT deverão
promover EDUCAÇÃO NUTRICIONAL, inclusive mediante a
disponibilização, em local visível ao público, de sugestão de
cardápio saudável aos trabalhadores, em conformidade com o
§ 3° deste artigo.
Portaria - PAT
• § 10º Os cardápios deverão oferecer, pelo menos, uma porção
de frutas e uma porção de legumes ou verduras, nas refeições
principais (almoço, jantar e ceia) e pelo menos uma porção de
frutas nas refeições menores (desjejum e lanche).

Ajustada à recomendação
do Guia Alimentar para a
População Brasileira
Importante:
• O ambiente de trabalho é reconhecido como um local
estratégico de promoção da saúde e alimentação saudável.
• A Organização Mundial da Saúde considera que o local de
trabalho deve dar a oportunidade e estimular os
trabalhadores a fazerem escolhas saudáveis.
Qual o objetivo do PAT?

Programa de
educação alimentar
(processo
permanente)

Resgate de
mudanças desejáveis
e aspectos positivos
do atual padrão do
consumo alimentar

Melhoria do Estado
Nutricional do
trabalhador
De que forma?
• Redução da quantidade de gorduras;
• Redução da quantidade de açúcar;
• Redução da quantidade de sal dos alimentos, elaborando
opções inovadoras e saudáveis nos cardápios;
• Promover o consumo de frutas, legumes e verduras;
• Promover o consumo adequado de proteínas de origem
animal.
Outras considerações para a melhoria do
Estado Nutricional
• Estímulo a realização de exercício físico regular;
• Diagnóstico de saúde/doença e planejamento de intervenção
local;
• Interação das áreas médicas das empresas com a nutricionista
responsável pelo PAT;
• Realização de exames laboratoriais complementares para melhor
avaliação de saúde dos colaboradores.
Dificuldades
• Conhecimento do PAT, pelos gestores, como potencial promotor
de saúde;
• Tempo disponibilizado pela empresa para ações de educação
nutricional junto aos colaboradores;
• Meios de comunicação adequados para chamar a atenção dos
colaboradores;
• Adesão e entendimento dos colaboradores;
• Inspeção do governo sobre o andamento do PAT;
• Contexto socioeconômico e cultural do trabalhador;
• Restaurantes tipo Fast food;
• O prazer imediato do comer.
Concluindo
O PAT é chave para as políticas de alimentação e nutrição
voltadas para a população adulta brasileira, podendo contribuir
efetivamente na transformação do atual panorama de aumento
da prevalência de doenças crônicas não transmissíveis e da
obesidade no País.
Bandoni DH et al, 2006
“Se pudermos dar a cada indivíduo a
quantidade exata de nutrientes e de
exercício, que não seja insuficiente nem
excessiva, teremos encontrado o caminho
mais seguro para a saúde”.
Hipócrates (c.460-377 a.C)

Muito obrigada!
derpnutri@gmail.com
Referências
•

Chu C, Breucker G, Harris N, Stitzel A, Xingfa G, Gu X, et al. Health promoting workplaces – international settings development.
Health Promot Int. 2000;15:155-67.

•

WHO global strategy on diet, physical activity and health, 2004. Food Nutr Bull. 2004;25:292-302.

•

Prata PR. A transição epidemiológica no Brasil. Cad de Saúde Pública 1992; 8:168-75.

•

Patarra NL. Mudanças na dinâmica demográfica. In: Monteiro CA, organizador. Velhos e novos males da saúde no Brasil. São Paulo:
Editora Hucitec/Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde, Universidade de São Paulo; 2000. p. 61-78.

•

Monteiro CA, Mondini L, Sousa ALM, Popkin BM. Da desnutrição para a obesidade: a transição nutricional no Brasil. In: Monteiro CA,
organizador. Velhos e novos males da saúde no Brasil. São Paulo: Editora Hucitec/Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e
Saúde, Universidade de São Paulo; 2000. p. 247-55.

•

World Health Organization. Global Strategy on diet, physical activity and health. Food Nutr Bull. 2004; 25(3):292-302.

•

Savio KEO et al. Avaliação do almoço servido a participantes do PAT. Rev Saúde Pública 2005, 39 (2): 148-55.

•

D.H. Bandoni & P.C. Jaime. A qualidade das refeições de empresas cadastradas no PAT na cidade de São Paulo. Rev. Nutr., Campinas,
21(2):177-184, mar./abr., 2008.

•

Stolte D et al. Sentidos da alimentação e da saúde: contribuições para a análise do PAT. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro,
22(9):1915-1924, set, 2006.

•

Nascimento LC, Mendes IJM. Perfil de saúde dos trabalhadores de um Centro de Saúde-Escola. Rev Latinoam nfermagem 2002; 10
Suppl 4:502-8.

•

PAT - PORTARIA INTERMINISTERIAL nº. 66, de 25 de agosto de 2006. Publicada no D.O.U de 28 de agosto de 2006.

•

Bandoni DH et al. PAT: representações sociais de gestores locais. Rev Saúde Pública 2006;40(5):837-42.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manual de Nutrição para Idosos
Manual de Nutrição para IdososManual de Nutrição para Idosos
Manual de Nutrição para Idosos
Isabela Fernandez
 
Livro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdfLivro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdf
Marcela Cardoso
 
Palestra sobre alimentacao_saudavel
Palestra sobre alimentacao_saudavelPalestra sobre alimentacao_saudavel
Palestra sobre alimentacao_saudavel
Edson Watanabe
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
Cíntia Costa
 
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes  ciclos da vidaNutrientes nos diferentes  ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Marcelo Silva
 
NUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSONUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSO
Rubens Junior
 
Tipos de dietas
Tipos de dietasTipos de dietas
Tipos de dietas
Rosa Vinteesete
 
Slides sobre alimentação
Slides sobre alimentaçãoSlides sobre alimentação
Slides sobre alimentação
thayscler
 
Slides obesidade
Slides obesidadeSlides obesidade
Slides obesidade
Ana Lucia Costa
 
Palestra educação nutricional
Palestra educação nutricionalPalestra educação nutricional
Palestra educação nutricional
Eeb Martinho De Haro
 
Nutrição no Ensino da Enfermagem
Nutrição no Ensino da EnfermagemNutrição no Ensino da Enfermagem
Nutrição no Ensino da Enfermagem
Abilio Cardoso Teixeira
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
Caio Maximino
 
Alimentação da gestante
Alimentação da gestanteAlimentação da gestante
Alimentação da gestante
Lourdes Piedade
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestanteNutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
KetlenBatista
 
Nutrição normal e dietética: introdução a dietoterapia
Nutrição normal e dietética: introdução a dietoterapiaNutrição normal e dietética: introdução a dietoterapia
Nutrição normal e dietética: introdução a dietoterapia
KetlenBatista
 
Tema nutrição aplicadaenferm
Tema   nutrição aplicadaenfermTema   nutrição aplicadaenferm
Tema nutrição aplicadaenferm
Escola de enfermagem Nova Esperança
 
Necessidades Nutricionais no Idoso
Necessidades Nutricionais no IdosoNecessidades Nutricionais no Idoso
Necessidades Nutricionais no Idoso
Amanda Thomé
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
Roberta Araujo
 
DRIs
DRIsDRIs
Nutrição do idoso
Nutrição do idosoNutrição do idoso
Nutrição do idoso
Karina Pereira
 

Mais procurados (20)

Manual de Nutrição para Idosos
Manual de Nutrição para IdososManual de Nutrição para Idosos
Manual de Nutrição para Idosos
 
Livro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdfLivro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdf
 
Palestra sobre alimentacao_saudavel
Palestra sobre alimentacao_saudavelPalestra sobre alimentacao_saudavel
Palestra sobre alimentacao_saudavel
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
 
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes  ciclos da vidaNutrientes nos diferentes  ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
 
NUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSONUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSO
 
Tipos de dietas
Tipos de dietasTipos de dietas
Tipos de dietas
 
Slides sobre alimentação
Slides sobre alimentaçãoSlides sobre alimentação
Slides sobre alimentação
 
Slides obesidade
Slides obesidadeSlides obesidade
Slides obesidade
 
Palestra educação nutricional
Palestra educação nutricionalPalestra educação nutricional
Palestra educação nutricional
 
Nutrição no Ensino da Enfermagem
Nutrição no Ensino da EnfermagemNutrição no Ensino da Enfermagem
Nutrição no Ensino da Enfermagem
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 
Alimentação da gestante
Alimentação da gestanteAlimentação da gestante
Alimentação da gestante
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestanteNutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
 
Nutrição normal e dietética: introdução a dietoterapia
Nutrição normal e dietética: introdução a dietoterapiaNutrição normal e dietética: introdução a dietoterapia
Nutrição normal e dietética: introdução a dietoterapia
 
Tema nutrição aplicadaenferm
Tema   nutrição aplicadaenfermTema   nutrição aplicadaenferm
Tema nutrição aplicadaenferm
 
Necessidades Nutricionais no Idoso
Necessidades Nutricionais no IdosoNecessidades Nutricionais no Idoso
Necessidades Nutricionais no Idoso
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 
DRIs
DRIsDRIs
DRIs
 
Nutrição do idoso
Nutrição do idosoNutrição do idoso
Nutrição do idoso
 

Destaque

Cardápio1
Cardápio1Cardápio1
Cardápio1
Debora Carpin
 
Ampliação do programa de Alimentação do Trabalhador PAT
Ampliação do programa de Alimentação do Trabalhador PATAmpliação do programa de Alimentação do Trabalhador PAT
Ampliação do programa de Alimentação do Trabalhador PAT
Biblioteca FEAUSP
 
Convite 6ª mostra ateliês 2015 (1)
Convite 6ª mostra ateliês 2015 (1)Convite 6ª mostra ateliês 2015 (1)
Convite 6ª mostra ateliês 2015 (1)
Debora Carpin
 
Factores Q Afectam Crescimento Micro
Factores Q Afectam Crescimento MicroFactores Q Afectam Crescimento Micro
Factores Q Afectam Crescimento Micro
llillianna
 
Gestores de uan
Gestores de uanGestores de uan
Atuação do nutricionista em unidades de alimentação e nutrição
Atuação do nutricionista em unidades de alimentação e nutriçãoAtuação do nutricionista em unidades de alimentação e nutrição
Atuação do nutricionista em unidades de alimentação e nutrição
Helen Magalhães Messias
 
Palestra Nutricao
Palestra NutricaoPalestra Nutricao
Palestra Nutricao
Walquiria Dutra
 
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimentoAula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Alvaro Galdos
 
Apostila cardapio dri pnae pat
Apostila cardapio dri pnae patApostila cardapio dri pnae pat
Apostila cardapio dri pnae pat
Eric Liberato
 
Controle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilizaçãoControle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilização
Gildo Crispim
 
Palestra Alimentação Saudável -2009
Palestra Alimentação Saudável -2009Palestra Alimentação Saudável -2009
Palestra Alimentação Saudável -2009
guest764b902
 
Aula de Preparação de Cardápios.
Aula de Preparação de  Cardápios.Aula de Preparação de  Cardápios.
Aula de Preparação de Cardápios.
Roberta Braga
 

Destaque (12)

Cardápio1
Cardápio1Cardápio1
Cardápio1
 
Ampliação do programa de Alimentação do Trabalhador PAT
Ampliação do programa de Alimentação do Trabalhador PATAmpliação do programa de Alimentação do Trabalhador PAT
Ampliação do programa de Alimentação do Trabalhador PAT
 
Convite 6ª mostra ateliês 2015 (1)
Convite 6ª mostra ateliês 2015 (1)Convite 6ª mostra ateliês 2015 (1)
Convite 6ª mostra ateliês 2015 (1)
 
Factores Q Afectam Crescimento Micro
Factores Q Afectam Crescimento MicroFactores Q Afectam Crescimento Micro
Factores Q Afectam Crescimento Micro
 
Gestores de uan
Gestores de uanGestores de uan
Gestores de uan
 
Atuação do nutricionista em unidades de alimentação e nutrição
Atuação do nutricionista em unidades de alimentação e nutriçãoAtuação do nutricionista em unidades de alimentação e nutrição
Atuação do nutricionista em unidades de alimentação e nutrição
 
Palestra Nutricao
Palestra NutricaoPalestra Nutricao
Palestra Nutricao
 
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimentoAula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
 
Apostila cardapio dri pnae pat
Apostila cardapio dri pnae patApostila cardapio dri pnae pat
Apostila cardapio dri pnae pat
 
Controle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilizaçãoControle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilização
 
Palestra Alimentação Saudável -2009
Palestra Alimentação Saudável -2009Palestra Alimentação Saudável -2009
Palestra Alimentação Saudável -2009
 
Aula de Preparação de Cardápios.
Aula de Preparação de  Cardápios.Aula de Preparação de  Cardápios.
Aula de Preparação de Cardápios.
 

Semelhante a Palestra sexta basica pat_ educacao_ nutricional

31 07 2012_18_35_56_palestra_sexta basica_pat_ educacao_ nutricional
31 07 2012_18_35_56_palestra_sexta basica_pat_ educacao_ nutricional31 07 2012_18_35_56_palestra_sexta basica_pat_ educacao_ nutricional
31 07 2012_18_35_56_palestra_sexta basica_pat_ educacao_ nutricional
Carollyne Santos
 
GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA Promovendo a Alimentação Saudável
GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA Promovendo a Alimentação SaudávelGUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA Promovendo a Alimentação Saudável
GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA Promovendo a Alimentação Saudável
Lidiane Martins
 
Pesquisa reeducação alimentar
Pesquisa reeducação alimentarPesquisa reeducação alimentar
Pesquisa reeducação alimentar
Adriane Anzoategui Cordeiro
 
Guia alimentar populacao_brasileira_2008
Guia alimentar populacao_brasileira_2008Guia alimentar populacao_brasileira_2008
Guia alimentar populacao_brasileira_2008
Cleusa Wichoski
 
Rotulagem Nutricional Obrigatória
Rotulagem Nutricional ObrigatóriaRotulagem Nutricional Obrigatória
Rotulagem Nutricional Obrigatória
Rossita Figueira
 
Manual Rotulagem para Consumidores
Manual Rotulagem para ConsumidoresManual Rotulagem para Consumidores
Manual Rotulagem para Consumidores
Grazi Grazi
 
revista brasileira de obesidade
revista brasileira de obesidaderevista brasileira de obesidade
revista brasileira de obesidade
fdesalles
 
Estrategia intersetorial de prevenção e controle da obesidade reunião rede ...
Estrategia intersetorial de prevenção e controle da obesidade   reunião rede ...Estrategia intersetorial de prevenção e controle da obesidade   reunião rede ...
Estrategia intersetorial de prevenção e controle da obesidade reunião rede ...
Gláucia Castro
 
Manual rotulagem
Manual rotulagemManual rotulagem
Manual rotulagem
llemoss
 
Alimentos pnam (1)
Alimentos pnam (1)Alimentos pnam (1)
Alimentos pnam (1)
Sander Santiago
 
Documento base para guias de boas práticas nutricionais
Documento base para guias de boas práticas nutricionaisDocumento base para guias de boas práticas nutricionais
Documento base para guias de boas práticas nutricionais
visacamacan
 
2 documentobaseparaguiasdeboaspraticasnutricionais2
2 documentobaseparaguiasdeboaspraticasnutricionais22 documentobaseparaguiasdeboaspraticasnutricionais2
2 documentobaseparaguiasdeboaspraticasnutricionais2
Lidiane Martins
 
aula_promocao_FORUMSP.ppt
aula_promocao_FORUMSP.pptaula_promocao_FORUMSP.ppt
aula_promocao_FORUMSP.ppt
Lu Galdino
 
Inovale - Saúde
Inovale - SaúdeInovale - Saúde
Inovale - Saúde
Creative Pack
 
Hinode Fibra E Saude
Hinode  Fibra E  SaudeHinode  Fibra E  Saude
Hinode Fibra E Saude
Mambre
 
Alimentos pnam
Alimentos pnamAlimentos pnam
Alimentos pnam
nairlgomes
 
MANUAL DE CONTAGEM DE CARBOIDRATOS PARA PESSOAS COM DIABETES
MANUAL DE CONTAGEM DE CARBOIDRATOS PARA PESSOAS COM DIABETESMANUAL DE CONTAGEM DE CARBOIDRATOS PARA PESSOAS COM DIABETES
MANUAL DE CONTAGEM DE CARBOIDRATOS PARA PESSOAS COM DIABETES
Creche Segura
 
Colegio catarinense 2010_w2003
Colegio catarinense 2010_w2003Colegio catarinense 2010_w2003
Colegio catarinense 2010_w2003
louisacarla
 
Saúde e bem-estar
Saúde e bem-estarSaúde e bem-estar
Saúde e bem-estar
louisacarla
 
Manual de Nutrição para Pessoas com Diabetes
Manual de Nutrição para Pessoas com DiabetesManual de Nutrição para Pessoas com Diabetes
Manual de Nutrição para Pessoas com Diabetes
Sérgio Amaral
 

Semelhante a Palestra sexta basica pat_ educacao_ nutricional (20)

31 07 2012_18_35_56_palestra_sexta basica_pat_ educacao_ nutricional
31 07 2012_18_35_56_palestra_sexta basica_pat_ educacao_ nutricional31 07 2012_18_35_56_palestra_sexta basica_pat_ educacao_ nutricional
31 07 2012_18_35_56_palestra_sexta basica_pat_ educacao_ nutricional
 
GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA Promovendo a Alimentação Saudável
GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA Promovendo a Alimentação SaudávelGUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA Promovendo a Alimentação Saudável
GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA Promovendo a Alimentação Saudável
 
Pesquisa reeducação alimentar
Pesquisa reeducação alimentarPesquisa reeducação alimentar
Pesquisa reeducação alimentar
 
Guia alimentar populacao_brasileira_2008
Guia alimentar populacao_brasileira_2008Guia alimentar populacao_brasileira_2008
Guia alimentar populacao_brasileira_2008
 
Rotulagem Nutricional Obrigatória
Rotulagem Nutricional ObrigatóriaRotulagem Nutricional Obrigatória
Rotulagem Nutricional Obrigatória
 
Manual Rotulagem para Consumidores
Manual Rotulagem para ConsumidoresManual Rotulagem para Consumidores
Manual Rotulagem para Consumidores
 
revista brasileira de obesidade
revista brasileira de obesidaderevista brasileira de obesidade
revista brasileira de obesidade
 
Estrategia intersetorial de prevenção e controle da obesidade reunião rede ...
Estrategia intersetorial de prevenção e controle da obesidade   reunião rede ...Estrategia intersetorial de prevenção e controle da obesidade   reunião rede ...
Estrategia intersetorial de prevenção e controle da obesidade reunião rede ...
 
Manual rotulagem
Manual rotulagemManual rotulagem
Manual rotulagem
 
Alimentos pnam (1)
Alimentos pnam (1)Alimentos pnam (1)
Alimentos pnam (1)
 
Documento base para guias de boas práticas nutricionais
Documento base para guias de boas práticas nutricionaisDocumento base para guias de boas práticas nutricionais
Documento base para guias de boas práticas nutricionais
 
2 documentobaseparaguiasdeboaspraticasnutricionais2
2 documentobaseparaguiasdeboaspraticasnutricionais22 documentobaseparaguiasdeboaspraticasnutricionais2
2 documentobaseparaguiasdeboaspraticasnutricionais2
 
aula_promocao_FORUMSP.ppt
aula_promocao_FORUMSP.pptaula_promocao_FORUMSP.ppt
aula_promocao_FORUMSP.ppt
 
Inovale - Saúde
Inovale - SaúdeInovale - Saúde
Inovale - Saúde
 
Hinode Fibra E Saude
Hinode  Fibra E  SaudeHinode  Fibra E  Saude
Hinode Fibra E Saude
 
Alimentos pnam
Alimentos pnamAlimentos pnam
Alimentos pnam
 
MANUAL DE CONTAGEM DE CARBOIDRATOS PARA PESSOAS COM DIABETES
MANUAL DE CONTAGEM DE CARBOIDRATOS PARA PESSOAS COM DIABETESMANUAL DE CONTAGEM DE CARBOIDRATOS PARA PESSOAS COM DIABETES
MANUAL DE CONTAGEM DE CARBOIDRATOS PARA PESSOAS COM DIABETES
 
Colegio catarinense 2010_w2003
Colegio catarinense 2010_w2003Colegio catarinense 2010_w2003
Colegio catarinense 2010_w2003
 
Saúde e bem-estar
Saúde e bem-estarSaúde e bem-estar
Saúde e bem-estar
 
Manual de Nutrição para Pessoas com Diabetes
Manual de Nutrição para Pessoas com DiabetesManual de Nutrição para Pessoas com Diabetes
Manual de Nutrição para Pessoas com Diabetes
 

Último

Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 

Último (20)

Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 

Palestra sexta basica pat_ educacao_ nutricional

  • 1. Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT Nutricionista Débora Razera Peluffo
  • 2. Perfil nutricional brasileiro Nas últimas décadas observou-se uma mudança no perfil epidemiológico da população brasileira:  diminuição da mortalidade por doenças infecciosas;  aumento de óbitos causados por doenças cardiovasculares, neoplasias e causas externas ;  crescimento das doenças crônicas não transmissíveis (hipertensão, diabetes, excesso de peso).
  • 3. Obesidade Organização Mundial da Saúde (OMS): • Em 2005 o mundo teria 1,6 bilhões de pessoas acima de 15 anos de idade com excesso de peso (IMC ≥ 25kg/m²) e 400 milhões de obesos (IMC ≥ 30 kg/m²). • A projeção para 2015 é ainda mais pessimista: 2,3 bilhões de pessoas com excesso de peso e 700 milhões de obesos. Indicando um aumento de 75% nos casos de obesidade em 10 anos.
  • 4. Doenças decorrentes da Obesidade Enfermidades do coração, câncer, diabetes, acidente vascular cerebral e doenças pulmonares crônicas matam cerca de 36 milhões de pessoas por ano, em grande parte influenciados pelo fumo, a má alimentação, o consumo de álcool, a obesidade e a falta de exercício. A OMS estima um aumento de 17% na taxa de mortalidade nos próximos 10 anos. OMS, 2011
  • 6. Prevenção e controle “O controle dessas doenças só pode ser alcançado por meio de esforços concentrados na prevenção e controle dos fatores de risco associados, e na melhoria das condições e qualidade de vida.” Nascimento & Mendes, 2002
  • 7. Ambiente de trabalho Modificações de comportamento precursor de doenças Função ocupacional Dieta Atividade física Tabagismo
  • 8. Estratégia Global da OMS para alimentação saudável, atividade física e saúde OBJETIVO: Estimular hábitos saudáveis de alimentação e atividade física para a prevenção de doenças crônicas. RECOMENDAÇÕES: • • • • • • • Manter o peso normal; Aumentar o consumo de frutas, vegetais, oleaginosas e grãos; Praticar exercício físico diário de intensidade moderada; Trocar gordura animal saturada por gorduras vegetais poliinsaturadas; Diminuir a quantidade de alimentos gordurosos, salgados e doces; Não fumar; Controlar o consumo de bebidas alcoólicas.
  • 9. Estratégia Global da OMS para alimentação saudável, atividade física e saúde • Considera as empresas que fornecem alimentação coletiva como protagonistas importantes na promoção de uma alimentação saudável.
  • 10. O que é o PAT? Criado pela Lei nº 6.321 de 14 de abril de 1976 (regulamentada em 1991), o Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) é um programa de complementação alimentar no qual o governo, empresa e trabalhadores partilham responsabilidades. O acesso à alimentação é viabilizado por refeições servidas no local de trabalho ou pelo fornecimento de tíquetes e cestas básicas.
  • 11. Princípio O atendimento ao trabalhador de baixa renda, melhorando suas condições nutricionais gerando, consequentemente, saúde, bem estar e maior produtividade!!
  • 12. Objetivo A melhoria da situação nutricional dos trabalhadores, prioritariamente os de baixa renda, visando promover a sua saúde e prevenir as doenças relacionadas ao trabalho.
  • 13. Vantagens do PAT para as empresas • Aumento na produtividade; • Maior integração entre trabalhadores e a empresa; • Redução dos atrasos e faltas (absenteísmo); • Redução da rotatividade; • Redução do número de doenças e acidentes de trabalho; • Isenção de encargos sociais sobre o valor da alimentação fornecida; • Incentivo fiscal (dedução de até 4% no imposto de renda devido).
  • 14. Parâmetros Nutricionais do PAT Em 28 DE AGOSTO DE 2006, portaria que altera os parâmetros nutricionais do PAT: • § 1º Entende-se por alimentação saudável, o direito humano a um padrão alimentar adequado às necessidades biológicas e sociais dos indivíduos, respeitando os princípios da variedade, da moderação e do equilíbrio, dando-se ênfase aos alimentos regionais e respeito ao seu significado socioeconômico e cultural, no contexto da Segurança Alimentar e Nutricional.
  • 15. Parâmetros - PAT • § 3º Os parâmetros nutricionais para a alimentação do trabalhador estabelecidos nesta Portaria: Nutrientes e valores diários: • • • • • • • VALOR ENERGÉTICO TOTAL: 2.000 kilocalorias CARBOIDRATO: 55 - 75% PROTEÍNA: 10 - 15% GORDURA TOTAL: 15 - 30% GORDURA SATURADA: < 10% Recomendações não previstas FIBRA: > 25 g anteriormente SODIO: ≤ 2.400mg (6g sal)
  • 16. Portaria - PAT I - refeições principais (almoço, jantar e ceia) deverão conter de 600 a 800 kilocalorias, admitindo-se um acréscimo de 20% (400 cal) do VET 2000 calorias/dia. Deverão corresponder a faixa de 30 - 40% do VET diário. II - as refeições menores (desjejum e lanche) deverão conter de 300 a 400 kilocalorias, admitindo-se um acréscimo de 20% (quatrocentas calorias) do VET de 2000 calorias/dia. Deverão corresponder a faixa de 15 - 20 % do VET diário; IV - o percentual proteico - calórico (NdPCal) das refeições deverá ser de no mínimo 6% e no máximo 10 %.
  • 17. E a saúde do trabalhador??
  • 18. Portaria - PAT • § 4º Os estabelecimentos vinculados ao PAT deverão promover EDUCAÇÃO NUTRICIONAL, inclusive mediante a disponibilização, em local visível ao público, de sugestão de cardápio saudável aos trabalhadores, em conformidade com o § 3° deste artigo.
  • 19. Portaria - PAT • § 10º Os cardápios deverão oferecer, pelo menos, uma porção de frutas e uma porção de legumes ou verduras, nas refeições principais (almoço, jantar e ceia) e pelo menos uma porção de frutas nas refeições menores (desjejum e lanche). Ajustada à recomendação do Guia Alimentar para a População Brasileira
  • 20. Importante: • O ambiente de trabalho é reconhecido como um local estratégico de promoção da saúde e alimentação saudável. • A Organização Mundial da Saúde considera que o local de trabalho deve dar a oportunidade e estimular os trabalhadores a fazerem escolhas saudáveis.
  • 21. Qual o objetivo do PAT? Programa de educação alimentar (processo permanente) Resgate de mudanças desejáveis e aspectos positivos do atual padrão do consumo alimentar Melhoria do Estado Nutricional do trabalhador
  • 22. De que forma? • Redução da quantidade de gorduras; • Redução da quantidade de açúcar; • Redução da quantidade de sal dos alimentos, elaborando opções inovadoras e saudáveis nos cardápios; • Promover o consumo de frutas, legumes e verduras; • Promover o consumo adequado de proteínas de origem animal.
  • 23. Outras considerações para a melhoria do Estado Nutricional • Estímulo a realização de exercício físico regular; • Diagnóstico de saúde/doença e planejamento de intervenção local; • Interação das áreas médicas das empresas com a nutricionista responsável pelo PAT; • Realização de exames laboratoriais complementares para melhor avaliação de saúde dos colaboradores.
  • 24. Dificuldades • Conhecimento do PAT, pelos gestores, como potencial promotor de saúde; • Tempo disponibilizado pela empresa para ações de educação nutricional junto aos colaboradores; • Meios de comunicação adequados para chamar a atenção dos colaboradores; • Adesão e entendimento dos colaboradores; • Inspeção do governo sobre o andamento do PAT; • Contexto socioeconômico e cultural do trabalhador; • Restaurantes tipo Fast food; • O prazer imediato do comer.
  • 25. Concluindo O PAT é chave para as políticas de alimentação e nutrição voltadas para a população adulta brasileira, podendo contribuir efetivamente na transformação do atual panorama de aumento da prevalência de doenças crônicas não transmissíveis e da obesidade no País. Bandoni DH et al, 2006
  • 26. “Se pudermos dar a cada indivíduo a quantidade exata de nutrientes e de exercício, que não seja insuficiente nem excessiva, teremos encontrado o caminho mais seguro para a saúde”. Hipócrates (c.460-377 a.C) Muito obrigada! derpnutri@gmail.com
  • 27. Referências • Chu C, Breucker G, Harris N, Stitzel A, Xingfa G, Gu X, et al. Health promoting workplaces – international settings development. Health Promot Int. 2000;15:155-67. • WHO global strategy on diet, physical activity and health, 2004. Food Nutr Bull. 2004;25:292-302. • Prata PR. A transição epidemiológica no Brasil. Cad de Saúde Pública 1992; 8:168-75. • Patarra NL. Mudanças na dinâmica demográfica. In: Monteiro CA, organizador. Velhos e novos males da saúde no Brasil. São Paulo: Editora Hucitec/Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde, Universidade de São Paulo; 2000. p. 61-78. • Monteiro CA, Mondini L, Sousa ALM, Popkin BM. Da desnutrição para a obesidade: a transição nutricional no Brasil. In: Monteiro CA, organizador. Velhos e novos males da saúde no Brasil. São Paulo: Editora Hucitec/Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde, Universidade de São Paulo; 2000. p. 247-55. • World Health Organization. Global Strategy on diet, physical activity and health. Food Nutr Bull. 2004; 25(3):292-302. • Savio KEO et al. Avaliação do almoço servido a participantes do PAT. Rev Saúde Pública 2005, 39 (2): 148-55. • D.H. Bandoni & P.C. Jaime. A qualidade das refeições de empresas cadastradas no PAT na cidade de São Paulo. Rev. Nutr., Campinas, 21(2):177-184, mar./abr., 2008. • Stolte D et al. Sentidos da alimentação e da saúde: contribuições para a análise do PAT. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 22(9):1915-1924, set, 2006. • Nascimento LC, Mendes IJM. Perfil de saúde dos trabalhadores de um Centro de Saúde-Escola. Rev Latinoam nfermagem 2002; 10 Suppl 4:502-8. • PAT - PORTARIA INTERMINISTERIAL nº. 66, de 25 de agosto de 2006. Publicada no D.O.U de 28 de agosto de 2006. • Bandoni DH et al. PAT: representações sociais de gestores locais. Rev Saúde Pública 2006;40(5):837-42.