SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Alimentação infantil: pré-
escolar e escolares

                       Janaína Oliveira de Araújo
       Mestrado em Bioquímica (cursando/aluna especial) –
                                                  UFRN
                  Especialista em Nutrição Clínica – FARN
                            Graduada em Nutrição – UNP
                                         Setembro/2012.
                       Email: janaina.nutri1@gmail.com
Alimentação



   É     importante     para     crescimento     e
    desenvolvimento da criança;
   É fator de prevenção de doenças na fase
    adulta;
   Excesso ou carência de nutrientes reflete um
    período constante de inadequação no
    consumo      alimentar    (micronutrientes/fome
    oculta);
   Hábitos alimentares na vida adulta tem
Comportamento X Hábito
alimentar
Comportamento Alimentar
 “Formas de convívio com o alimento. Processo que
  constitui um conjunto de ações realizadas com o
  alimento, tem início no momento da seleção,
  disponibilidade, aquisição, preparo, utensílios,
  horário das refeições, encerrando o processo com
  o alimento sendo ingerido.”
                                         Philippi, 1999
Hábito Alimentar
 “Preferências alimentares que fazem parte da
  cultura de um povo. São estabelecidas na infância
  e tornam-se comuns no decorrer da vida.”
Família
 “Família é o grupo de pessoas que convivem
unidas por laços de compromissos ou não e
podem ter responsabilidades mútuas.”

   A família é responsável por criar, cuidar,
    educar, proteger e garantir o desenvolvimento
    de suas crianças.

                (Artigo 227 da Constituição Federal e Art. 157 do
                          Estatuto da Criança e do Adolescente)
Família
   É a base para construção de hábito alimentar;
   É importante que a família tenha momentos de
    encontro (hora da refeição);
   Os projetos de vida, os sonhos, os medos
    também devem ser compartilhados por todos;
Determinantes do
comportamento alimentar
   O comportamento alimentar ocupa papel
    central na prevenção e no tratamento de
    doenças;
   Família tem papel determinante na formação
    dos hábitos alimentares saudáveis;
   A família, os fatores sociais e os ambientais
    podem influenciar no padrão alimentar das
    crianças;
   Modificar hábito alimentar na fase adulta, em
    geral, tem alta taxa de insucesso;
Aceitação e preferência
    alimentar
   O sabor do alimento influencia na escolha e na
    quantidade de consumo alimentar;
                             Dev Phychobiol.2006; 48(5): 380-8.
   As preferências alimentares mudam em
    consequência de experiências e aprendizado;
                              Obes Rev. 2007; 8 ( Suppl 1):73-5
   O gosto dos alimentos podem estar associados a
    situações boas ou ruins – “ Efeito Familiaridade”
   Os pais são o exemplo a seus filhos;
   Pais que comem rápido ou ignoram sinais de
    saciedade oferecem um pobre exemplo a seus
    filhos;
                             Appetite.2004; 2004; 42(3): 255-63
Aceitação e preferência
alimentar
   As crianças tendem a preferir os alimentos
    que estão rotineiramente expostas;
                          Nutr. Rev. 1992; 50(9);249-55
 As crianças estão atentas aos alimentos
  que gostam e àqueles que recusam,
  exercendo poder sobre seus pais durante
  as refeições;
 Um estudo com pré-escolares mostrou que
  a ingestão de frutas e verduras é mais
  elevada quando os alimentos estão
  disponíveis em locais acessíveis e em
  porções prontas para consumo;
Influência dos pais na
Alimentação
   A família é o aspecto de maior influência
    ambiental para a criança;
   Meta-      análise    demonstrou     correlação
    significativa entre as preferências dos pais e
    de suas crianças;
                               J Nutr Educ. 1993; 25( 2): 102-7
   Estudo de coorte que avaliou as escolhas
    alimentares de crianças mostrou: Crianças que
    fizeram escolhas alimentares saudáveis em
    1983 mantiveram suas escolhas em 1989, e o
    inverso também ocorreu, mostrando que os
    hábitos alimentares persistem;
                        AM j Public Health. 1994; 84(7); 1121-6
Influência dos pais na
alimentação
   Estudo de revisão mostrou algumas evidências
    que levam a crer que a falta de controle dos
    pais pode levar ao excessivo ganho de peso, e
    sugerem que a imposição de certo estilo
    alimentar pode interferir no crescimento e no
    desenvolvimento da criança.

                    Acta Paediatric Suppl. 2007; 96( 454); 5-11.
Alimentação em família
   As refeições em família representam
    importante evento na promoção de uma
    alimentação saudável;
   Alimentos servidos e as refeições oferecidas,
    são determinados pela família;
   Pais que realizam as refeições com os filhos,
    criam uma atmosfera positiva;
   Os pais são modelos para o comportamento
    alimentar e as crianças tendem a melhorar a
    qualidade da alimentação;

                       J Am Diet Assoc. 1990; 90(11); 1582-4
Períodos etários
 Recém-nascido – 0 a 28 dias.
 Lactentes – 29 dias a 1 ano e 11
  meses.
 Pré-escolar – 2 a 6 anos.
 Escolar – 7 a 9 anos.
 Adolescentes – 10 a 19 anos.
Pré-escolar: 02 a 06 anos.
 Pais, avós, babás, cuidadores
 Alimentos nutritivos
 Rotinas e horários para refeições
 Ambiente agradável
 Crianças: participação na escolha
Objetivos
 Garantir o crescimento e
  desenvolvimento adequados
 Encorajar a formação de hábitos
  alimentares saudáveis
 Prevenir a desnutrição
 Prevenir doenças crônicas do adulto
 Promover a saúde
Hábitos saudáveis
 Atividade física
 Brincadeiras
 Educação física
 Ambiente social
 Limitar televisão e vídeo-game e
  computador
 Exposição a novos alimentos
 Estimular consumo de carne
 Doces
 Alimentos versus engasgos
 Oferecer pequenas porções- repetição
  por solicitação
Nutrição da criança

    Risco nutricional



                                 Atendimento nutricional
                                      em Pediatria




Risco nutricional: é qualquer alteração que pode prejudicar
o crescimento e o desenvolvimento.
Nível de assistência
Risco Nutricional
 Alteração de apetite
 Presença de náuseas e vômitos
 Presença de diarréia
 Alteração de peso e/ou estatura
 Erros alimentares
 Uso de medicamentos que interfiram no
  apetite
 Doenças: aumento do catabolismo,
  necessidade de dietoterapia,
 Infecções.
Orientações Gerais para a
alimentação de Pré-Escolar
Alimentação do escolar: 7 a 9
anos
 Maior independência
 Liberdade na escolha alimentar
 Papel da escola
 Novos laços sociais
 Influências: amigos e televisão
 Aumento das habilidades de memória
  e lógica
 A criança aprende a ler, escrever,
  fazer contas
 Conceitos básicos de educação
  nutricional
 Ênfase no sabor vs benefícios à
  saúde –
 Deixar preparar sozinho algumas das
  refeições
Merenda escolar:
 Refeição salgada vs lanche
 Horário
 Aceitação pela criança
Cantina:
 Alimentos oferecidos
 Educação nutricional
 Dinheiro para criança
Suplementação
 Necessidade?
Indicação:
 Anorexia ou com apetite inadequado
  ou que seguem dietas da moda
 Doença crônica
 Vegetarianismo
 Déficit de crescimento
Obrigada pela atenção.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila avaliação nutricional
Apostila  avaliação nutricionalApostila  avaliação nutricional
Apostila avaliação nutricionalBruna Bellini
 
Alimentação e qualidade de vida
Alimentação e qualidade de vidaAlimentação e qualidade de vida
Alimentação e qualidade de vidaEdvaldo S. Júnior
 
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentar
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentarNutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentar
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentarErly Batista Neto
 
Alimentação saudável e equilibrada
Alimentação saudável e equilibradaAlimentação saudável e equilibrada
Alimentação saudável e equilibradaCatalin Danu
 
Alimentação saudável
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudávelTalita Matos
 
Alimentação saudável.pptx_
 Alimentação saudável.pptx_ Alimentação saudável.pptx_
Alimentação saudável.pptx_Risoleta Montez
 
Nutrição- Período gestacional e lactação.
Nutrição- Período gestacional e lactação.Nutrição- Período gestacional e lactação.
Nutrição- Período gestacional e lactação.Jaque Schons
 
Palestra sobre alimentacao_saudavel
Palestra sobre alimentacao_saudavelPalestra sobre alimentacao_saudavel
Palestra sobre alimentacao_saudavelEdson Watanabe
 
Alimentação na gravidez cs norton_matos_16-04-2015
Alimentação na gravidez cs norton_matos_16-04-2015Alimentação na gravidez cs norton_matos_16-04-2015
Alimentação na gravidez cs norton_matos_16-04-2015abcarvalhas
 
Alimentação da gestante
Alimentação da gestanteAlimentação da gestante
Alimentação da gestanteLourdes Piedade
 
Slides nutrição
Slides nutriçãoSlides nutrição
Slides nutriçãomelodilva
 
Introdução a Nutrição
Introdução a NutriçãoIntrodução a Nutrição
Introdução a NutriçãoPaulo Matias
 
Alimentação na 1ª infância
Alimentação na 1ª infânciaAlimentação na 1ª infância
Alimentação na 1ª infânciabecresforte
 
Hábitos Alimentares Para Uma Vida Saudável
Hábitos Alimentares Para Uma Vida SaudávelHábitos Alimentares Para Uma Vida Saudável
Hábitos Alimentares Para Uma Vida SaudávelAlimentação Saudável
 

Mais procurados (20)

Alimentação saudável
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudável
 
Apostila avaliação nutricional
Apostila  avaliação nutricionalApostila  avaliação nutricional
Apostila avaliação nutricional
 
Alimentação e qualidade de vida
Alimentação e qualidade de vidaAlimentação e qualidade de vida
Alimentação e qualidade de vida
 
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentar
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentarNutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentar
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentar
 
Nutrição do idoso
Nutrição do idosoNutrição do idoso
Nutrição do idoso
 
Alimentação saudável e equilibrada
Alimentação saudável e equilibradaAlimentação saudável e equilibrada
Alimentação saudável e equilibrada
 
Alimentação saudável
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudável
 
Palestra Nutricao
Palestra NutricaoPalestra Nutricao
Palestra Nutricao
 
Alimentação saudável.pptx_
 Alimentação saudável.pptx_ Alimentação saudável.pptx_
Alimentação saudável.pptx_
 
Alimentação na gestação
Alimentação na gestaçãoAlimentação na gestação
Alimentação na gestação
 
Nutrição- Período gestacional e lactação.
Nutrição- Período gestacional e lactação.Nutrição- Período gestacional e lactação.
Nutrição- Período gestacional e lactação.
 
Palestra sobre alimentacao_saudavel
Palestra sobre alimentacao_saudavelPalestra sobre alimentacao_saudavel
Palestra sobre alimentacao_saudavel
 
Alimentação na gravidez cs norton_matos_16-04-2015
Alimentação na gravidez cs norton_matos_16-04-2015Alimentação na gravidez cs norton_matos_16-04-2015
Alimentação na gravidez cs norton_matos_16-04-2015
 
NUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSONUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSO
 
Alimentação saudável slides
Alimentação saudável slidesAlimentação saudável slides
Alimentação saudável slides
 
Alimentação da gestante
Alimentação da gestanteAlimentação da gestante
Alimentação da gestante
 
Slides nutrição
Slides nutriçãoSlides nutrição
Slides nutrição
 
Introdução a Nutrição
Introdução a NutriçãoIntrodução a Nutrição
Introdução a Nutrição
 
Alimentação na 1ª infância
Alimentação na 1ª infânciaAlimentação na 1ª infância
Alimentação na 1ª infância
 
Hábitos Alimentares Para Uma Vida Saudável
Hábitos Alimentares Para Uma Vida SaudávelHábitos Alimentares Para Uma Vida Saudável
Hábitos Alimentares Para Uma Vida Saudável
 

Semelhante a Alimentação infantil

A importancia-do-lanche-na-alimentacao-da-crianca
A importancia-do-lanche-na-alimentacao-da-criancaA importancia-do-lanche-na-alimentacao-da-crianca
A importancia-do-lanche-na-alimentacao-da-criancaGleyce Yara Kleison Sales
 
Resumo FENERC 2012 - Creche Coração de Jesus
Resumo FENERC 2012 - Creche Coração de JesusResumo FENERC 2012 - Creche Coração de Jesus
Resumo FENERC 2012 - Creche Coração de Jesusforumdealimetacao
 
nutricao da criaçna.ppt
nutricao da criaçna.pptnutricao da criaçna.ppt
nutricao da criaçna.pptANA FONSECA
 
1606917552-dia-6-palestra-alimentacao-e-o-desenvolvimento-infantil-apresentac...
1606917552-dia-6-palestra-alimentacao-e-o-desenvolvimento-infantil-apresentac...1606917552-dia-6-palestra-alimentacao-e-o-desenvolvimento-infantil-apresentac...
1606917552-dia-6-palestra-alimentacao-e-o-desenvolvimento-infantil-apresentac...DanielleJeffersonDia
 
O professor como mediador nas escolhas saudáveis
O professor como mediador nas escolhas saudáveisO professor como mediador nas escolhas saudáveis
O professor como mediador nas escolhas saudáveisVerônica López
 
Alimentacao-Saudavel-na-Escola.pptx
Alimentacao-Saudavel-na-Escola.pptxAlimentacao-Saudavel-na-Escola.pptx
Alimentacao-Saudavel-na-Escola.pptxmdemiguel
 
A criança que não quer comer
A criança que não quer comerA criança que não quer comer
A criança que não quer comergisa_legal
 
Receitasecarcapiossaudaveis 100310162900-phpapp02 (1)
Receitasecarcapiossaudaveis 100310162900-phpapp02 (1)Receitasecarcapiossaudaveis 100310162900-phpapp02 (1)
Receitasecarcapiossaudaveis 100310162900-phpapp02 (1)Bibliotecaunipacs
 
Cardápios Saudáveis
Cardápios SaudáveisCardápios Saudáveis
Cardápios SaudáveisCreche Segura
 
HáBitos Alimentares De CriançAs Menores De 1 Ano Amamentadas E NãO Amamentadas
HáBitos Alimentares De CriançAs Menores De 1 Ano Amamentadas E NãO AmamentadasHáBitos Alimentares De CriançAs Menores De 1 Ano Amamentadas E NãO Amamentadas
HáBitos Alimentares De CriançAs Menores De 1 Ano Amamentadas E NãO AmamentadasBiblioteca Virtual
 
Ferramentas de educação nutricional para adultos e crianças
Ferramentas de educação nutricional para adultos e criançasFerramentas de educação nutricional para adultos e crianças
Ferramentas de educação nutricional para adultos e criançasPriscila Moreira
 
Alimentação complementar no 1o ano dv
Alimentação complementar no 1o ano dvAlimentação complementar no 1o ano dv
Alimentação complementar no 1o ano dvgisa_legal
 
Problemas de abordagem difícil: “não come” e “não dorme”
Problemas de abordagem difícil: “não come” e “não dorme”Problemas de abordagem difícil: “não come” e “não dorme”
Problemas de abordagem difícil: “não come” e “não dorme”Dr. Benevenuto
 
Resumo FENERC 2012 - Santo André
Resumo FENERC 2012 - Santo AndréResumo FENERC 2012 - Santo André
Resumo FENERC 2012 - Santo Andréforumdealimetacao
 

Semelhante a Alimentação infantil (20)

A importancia-do-lanche-na-alimentacao-da-crianca
A importancia-do-lanche-na-alimentacao-da-criancaA importancia-do-lanche-na-alimentacao-da-crianca
A importancia-do-lanche-na-alimentacao-da-crianca
 
AULA1E2_20220221174625.pdf
AULA1E2_20220221174625.pdfAULA1E2_20220221174625.pdf
AULA1E2_20220221174625.pdf
 
Resumo FENERC 2012 - Creche Coração de Jesus
Resumo FENERC 2012 - Creche Coração de JesusResumo FENERC 2012 - Creche Coração de Jesus
Resumo FENERC 2012 - Creche Coração de Jesus
 
Visa educação e nutrição - peso saudável
Visa   educação e nutrição - peso saudávelVisa   educação e nutrição - peso saudável
Visa educação e nutrição - peso saudável
 
nutricao da criaçna.ppt
nutricao da criaçna.pptnutricao da criaçna.ppt
nutricao da criaçna.ppt
 
Aula 03 hábitos alimentares
Aula 03   hábitos alimentaresAula 03   hábitos alimentares
Aula 03 hábitos alimentares
 
Apresentação profuncionario
Apresentação profuncionarioApresentação profuncionario
Apresentação profuncionario
 
Super heróis
Super heróisSuper heróis
Super heróis
 
1606917552-dia-6-palestra-alimentacao-e-o-desenvolvimento-infantil-apresentac...
1606917552-dia-6-palestra-alimentacao-e-o-desenvolvimento-infantil-apresentac...1606917552-dia-6-palestra-alimentacao-e-o-desenvolvimento-infantil-apresentac...
1606917552-dia-6-palestra-alimentacao-e-o-desenvolvimento-infantil-apresentac...
 
O professor como mediador nas escolhas saudáveis
O professor como mediador nas escolhas saudáveisO professor como mediador nas escolhas saudáveis
O professor como mediador nas escolhas saudáveis
 
Alimentacao-Saudavel-na-Escola.pptx
Alimentacao-Saudavel-na-Escola.pptxAlimentacao-Saudavel-na-Escola.pptx
Alimentacao-Saudavel-na-Escola.pptx
 
A criança que não quer comer
A criança que não quer comerA criança que não quer comer
A criança que não quer comer
 
Receitasecarcapiossaudaveis 100310162900-phpapp02 (1)
Receitasecarcapiossaudaveis 100310162900-phpapp02 (1)Receitasecarcapiossaudaveis 100310162900-phpapp02 (1)
Receitasecarcapiossaudaveis 100310162900-phpapp02 (1)
 
Cardápios Saudáveis
Cardápios SaudáveisCardápios Saudáveis
Cardápios Saudáveis
 
HáBitos Alimentares De CriançAs Menores De 1 Ano Amamentadas E NãO Amamentadas
HáBitos Alimentares De CriançAs Menores De 1 Ano Amamentadas E NãO AmamentadasHáBitos Alimentares De CriançAs Menores De 1 Ano Amamentadas E NãO Amamentadas
HáBitos Alimentares De CriançAs Menores De 1 Ano Amamentadas E NãO Amamentadas
 
Ferramentas de educação nutricional para adultos e crianças
Ferramentas de educação nutricional para adultos e criançasFerramentas de educação nutricional para adultos e crianças
Ferramentas de educação nutricional para adultos e crianças
 
Alimentação complementar no 1o ano dv
Alimentação complementar no 1o ano dvAlimentação complementar no 1o ano dv
Alimentação complementar no 1o ano dv
 
Problemas de abordagem difícil: “não come” e “não dorme”
Problemas de abordagem difícil: “não come” e “não dorme”Problemas de abordagem difícil: “não come” e “não dorme”
Problemas de abordagem difícil: “não come” e “não dorme”
 
Resumo FENERC 2012 - Santo André
Resumo FENERC 2012 - Santo AndréResumo FENERC 2012 - Santo André
Resumo FENERC 2012 - Santo André
 
Alimentação nos Primeiros Anos de Vida e Prevenção da Obesidade
Alimentação nos Primeiros Anos de Vida e Prevenção da ObesidadeAlimentação nos Primeiros Anos de Vida e Prevenção da Obesidade
Alimentação nos Primeiros Anos de Vida e Prevenção da Obesidade
 

Último

Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoWilliamdaCostaMoreir
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 

Último (6)

Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 

Alimentação infantil

  • 1. Alimentação infantil: pré- escolar e escolares Janaína Oliveira de Araújo Mestrado em Bioquímica (cursando/aluna especial) – UFRN Especialista em Nutrição Clínica – FARN Graduada em Nutrição – UNP Setembro/2012. Email: janaina.nutri1@gmail.com
  • 2. Alimentação  É importante para crescimento e desenvolvimento da criança;  É fator de prevenção de doenças na fase adulta;  Excesso ou carência de nutrientes reflete um período constante de inadequação no consumo alimentar (micronutrientes/fome oculta);  Hábitos alimentares na vida adulta tem
  • 3. Comportamento X Hábito alimentar Comportamento Alimentar  “Formas de convívio com o alimento. Processo que constitui um conjunto de ações realizadas com o alimento, tem início no momento da seleção, disponibilidade, aquisição, preparo, utensílios, horário das refeições, encerrando o processo com o alimento sendo ingerido.” Philippi, 1999 Hábito Alimentar  “Preferências alimentares que fazem parte da cultura de um povo. São estabelecidas na infância e tornam-se comuns no decorrer da vida.”
  • 4. Família  “Família é o grupo de pessoas que convivem unidas por laços de compromissos ou não e podem ter responsabilidades mútuas.”  A família é responsável por criar, cuidar, educar, proteger e garantir o desenvolvimento de suas crianças. (Artigo 227 da Constituição Federal e Art. 157 do Estatuto da Criança e do Adolescente)
  • 5. Família  É a base para construção de hábito alimentar;  É importante que a família tenha momentos de encontro (hora da refeição);  Os projetos de vida, os sonhos, os medos também devem ser compartilhados por todos;
  • 6. Determinantes do comportamento alimentar  O comportamento alimentar ocupa papel central na prevenção e no tratamento de doenças;  Família tem papel determinante na formação dos hábitos alimentares saudáveis;  A família, os fatores sociais e os ambientais podem influenciar no padrão alimentar das crianças;  Modificar hábito alimentar na fase adulta, em geral, tem alta taxa de insucesso;
  • 7. Aceitação e preferência alimentar  O sabor do alimento influencia na escolha e na quantidade de consumo alimentar; Dev Phychobiol.2006; 48(5): 380-8.  As preferências alimentares mudam em consequência de experiências e aprendizado; Obes Rev. 2007; 8 ( Suppl 1):73-5  O gosto dos alimentos podem estar associados a situações boas ou ruins – “ Efeito Familiaridade”  Os pais são o exemplo a seus filhos;  Pais que comem rápido ou ignoram sinais de saciedade oferecem um pobre exemplo a seus filhos; Appetite.2004; 2004; 42(3): 255-63
  • 8. Aceitação e preferência alimentar  As crianças tendem a preferir os alimentos que estão rotineiramente expostas; Nutr. Rev. 1992; 50(9);249-55  As crianças estão atentas aos alimentos que gostam e àqueles que recusam, exercendo poder sobre seus pais durante as refeições;  Um estudo com pré-escolares mostrou que a ingestão de frutas e verduras é mais elevada quando os alimentos estão disponíveis em locais acessíveis e em porções prontas para consumo;
  • 9. Influência dos pais na Alimentação  A família é o aspecto de maior influência ambiental para a criança;  Meta- análise demonstrou correlação significativa entre as preferências dos pais e de suas crianças; J Nutr Educ. 1993; 25( 2): 102-7  Estudo de coorte que avaliou as escolhas alimentares de crianças mostrou: Crianças que fizeram escolhas alimentares saudáveis em 1983 mantiveram suas escolhas em 1989, e o inverso também ocorreu, mostrando que os hábitos alimentares persistem; AM j Public Health. 1994; 84(7); 1121-6
  • 10. Influência dos pais na alimentação  Estudo de revisão mostrou algumas evidências que levam a crer que a falta de controle dos pais pode levar ao excessivo ganho de peso, e sugerem que a imposição de certo estilo alimentar pode interferir no crescimento e no desenvolvimento da criança. Acta Paediatric Suppl. 2007; 96( 454); 5-11.
  • 11. Alimentação em família  As refeições em família representam importante evento na promoção de uma alimentação saudável;  Alimentos servidos e as refeições oferecidas, são determinados pela família;  Pais que realizam as refeições com os filhos, criam uma atmosfera positiva;  Os pais são modelos para o comportamento alimentar e as crianças tendem a melhorar a qualidade da alimentação; J Am Diet Assoc. 1990; 90(11); 1582-4
  • 12. Períodos etários  Recém-nascido – 0 a 28 dias.  Lactentes – 29 dias a 1 ano e 11 meses.  Pré-escolar – 2 a 6 anos.  Escolar – 7 a 9 anos.  Adolescentes – 10 a 19 anos.
  • 13. Pré-escolar: 02 a 06 anos.  Pais, avós, babás, cuidadores  Alimentos nutritivos  Rotinas e horários para refeições  Ambiente agradável  Crianças: participação na escolha
  • 14. Objetivos  Garantir o crescimento e desenvolvimento adequados  Encorajar a formação de hábitos alimentares saudáveis  Prevenir a desnutrição  Prevenir doenças crônicas do adulto  Promover a saúde
  • 15. Hábitos saudáveis  Atividade física  Brincadeiras  Educação física  Ambiente social  Limitar televisão e vídeo-game e computador
  • 16.  Exposição a novos alimentos  Estimular consumo de carne  Doces  Alimentos versus engasgos  Oferecer pequenas porções- repetição por solicitação
  • 17. Nutrição da criança Risco nutricional Atendimento nutricional em Pediatria Risco nutricional: é qualquer alteração que pode prejudicar o crescimento e o desenvolvimento.
  • 18. Nível de assistência Risco Nutricional  Alteração de apetite  Presença de náuseas e vômitos  Presença de diarréia  Alteração de peso e/ou estatura  Erros alimentares  Uso de medicamentos que interfiram no apetite  Doenças: aumento do catabolismo, necessidade de dietoterapia,  Infecções.
  • 19. Orientações Gerais para a alimentação de Pré-Escolar
  • 20.
  • 21. Alimentação do escolar: 7 a 9 anos  Maior independência  Liberdade na escolha alimentar  Papel da escola  Novos laços sociais  Influências: amigos e televisão  Aumento das habilidades de memória e lógica  A criança aprende a ler, escrever, fazer contas
  • 22.  Conceitos básicos de educação nutricional  Ênfase no sabor vs benefícios à saúde –  Deixar preparar sozinho algumas das refeições Merenda escolar:  Refeição salgada vs lanche  Horário  Aceitação pela criança
  • 23. Cantina:  Alimentos oferecidos  Educação nutricional  Dinheiro para criança
  • 24. Suplementação  Necessidade? Indicação:  Anorexia ou com apetite inadequado ou que seguem dietas da moda  Doença crônica  Vegetarianismo  Déficit de crescimento