SlideShare uma empresa Scribd logo
Unindo conhecimento em prol
Soja: Adubação de
Cobertura e Foliar
Arthur Braga Aranha
 Mobilidade dos nutrientes no solo;
 FBN vs fertilizantes nitrogenados;
 K em cobertura;
 K em cobertura, condições para essa prática;
 Adubação foliar;
 Disponibilidade dos micronutrientes no solo;
 Absorção e fontes;
 Quelatos;
 Posicionamento.
Sumário
2
Macronutrientes no solo
3
Nutriente Mobilidade Como é Suprido
Nitrogênio (N) Móvel
Fósforo (P) Imóvel
Potássio (K) Móvel
Cálcio (Ca) Pouco Móvel
Magnésio (Mg) Pouco Móvel
Enxofre (S) Móvel
Macronutrientes no solo
4
Nutriente Mobilidade Como é Suprido
Nitrogênio (N) Móvel
Fósforo (P) Imóvel Adubação no plantio
Potássio (K) Móvel
Cálcio (Ca) Pouco Móvel
Magnésio (Mg) Pouco Móvel
Enxofre (S) Móvel
Macronutrientes no solo
5
Nutriente Mobilidade Como é Suprido
Nitrogênio (N) Móvel
Fósforo (P) Imóvel Adubação no plantio
Potássio (K) Móvel
Cálcio (Ca) Pouco Móvel Calagem
Magnésio (Mg) Pouco Móvel Calagem
Enxofre (S) Móvel Ex: Gessagem
Macronutrientes no solo
6
Nutriente Mobilidade Como é Suprido
Nitrogênio (N) Móvel
Fósforo (P) Imóvel Adubação no plantio
Potássio (K) Móvel
Cálcio (Ca) Pouco Móvel Calagem
Magnésio (Mg) Pouco Móvel Calagem
Enxofre (S) Móvel Ex: Gessagem
Seguindo o raciocínio de mobilidade dos nutrientes do solo.
Quais nutrientes deveriam ser fornecidos em cobertura?
Macronutrientes no solo
7
Nutriente Mobilidade Como é Suprido
Nitrogênio (N) Móvel Inoculação
Fósforo (P) Imóvel Adubação no plantio
Potássio (K) Móvel Cobertura
Cálcio (Ca) Pouco Móvel Calagem
Magnésio (Mg) Pouco Móvel Calagem
Enxofre (S) Móvel Ex: Gessagem
Macronutrientes no solo
8
Nutriente Mobilidade Como é Suprido
Nitrogênio (N) Móvel Inoculação
Fósforo (P) Imóvel Adubação no plantio
Potássio (K) Móvel Cobertura
Cálcio (Ca) Pouco Móvel Calagem
Magnésio (Mg) Pouco Móvel Calagem
Enxofre (S) Móvel Ex: Gessagem
Por quê só o potássio?
 Até 95% mais baratos;
 Custo médio ureia: 500 R$/ha;
 Custo médio inoculante: 8 à 15 R$/ha.
(Antunes 2019, Embrapa Trigo)
Fixação biológica de nitrogênio
9
N em cobertura, interfere em algo?
10
Fonte: Nogueira, 2010.
Adubação nitrogenada é eficaz ou não?
11
Fonte: Nogueira, 2010.
Adubação nitrogenada é eficaz ou não?
12
Fonte: Nogueira, 2010.
 2º Nutriente mais absorvido pelas plantas;
 Reserva natural em solos do cerrado muito baixas;
 Tendência à lixiviação, por causa da combinação de seus sais
de alta solubilidade e os solos de baixa CTC;
 Salinização das sementes que foram recém plantadas.
Introdução à adubação de K
13
 Cloreto de potássio KCl (60 a 62% de K2O e 48% de Cl);
 Sulfato de potássio K2SO4 (50 a 53% de K2O e 17% de S);
 Nitrato de potássio KNO3 (44 a 46% de K2O e 13 a 14% de N);
 Sulfato de potássio e magnésio K2SO4.2MgSO4 (22% de K2O, 22%
 Sulfato de potássio e magnésio K2SO4.2MgSO4 (22% de K2O, 22% de S
e 12 a 18% de Mg).
Principal Fonte de K usadas no Brasil
14
 OBS: O KCl, representa aproximadamente 95% do
mercado nacional. (Granjeiro & Cecílio Filho, 2006).
 A adubação de potássio deve ser sempre utilizada em cobertura?
Adubação de K em cobertura
15
 Teor de argila < 40%;
 CTC < 4cmol/ dm³;
 Dose superior à 50 𝑘𝑔. ℎ𝑎−1.
Características do solo e da dose
16
OBS: Essa dosagem varia de acordo com a literatura e
com o método utilizado pelo profissional da área.
O livro Cerrado, por exemplo fala em 40 𝒌𝒈. 𝒉𝒂−𝟏
.
 Após a adubação corretiva; deve-se aplicar 20 kg de K2O/ ha
pra cada tonelada de soja que deseja-se produzir;
 Sendo 1/3 em semeadura e 2/3 no prazo de 30 à 40 dias após o
plantio;
Cálculo
17
Exemplo: Como calcular a dose e época de aplicação de K2O
em cobertura visando uma produção de 5 toneladas de grãos/ha
para um solo que se encaixa nas características já designadas.
Produtividade desejada: 5 t;
Cálculo
18
Dose:
20 kg de K2O/ha para cada tonelada que deseja-se produzir;
Sendo assim; 20 kg de K2O x 5 toneladas desejadas = 100 kg de
K2O;
Distribuição da dose: 1/3 em semeadura e 2/3 em
cobertura;
Ou seja: 33,33kg em semeadura e 66,66kg em cobertura.
Um produtor deseja alcançar em sua lavoura uma produtividade
de 80 sc/ha. Qual a dose de K2O deve-se aplicar? OBS: sc =
sacas = 60kgs.
Exercício
19
80 𝑠𝑎𝑐𝑎𝑠 =
𝐾𝑔 𝑝𝑟𝑜𝑑𝑢𝑧𝑖𝑑𝑎𝑠
60 𝐾𝑔
4800 = 𝐾𝑔 𝑝𝑟𝑜𝑑𝑢𝑧𝑖𝑑𝑎𝑠
4800 𝑘𝑔 = 4,8 𝑡
1 𝑡 𝑑𝑒 𝑔𝑟ã𝑜𝑠 ____ 20 𝑘𝑔 𝑑𝑒𝐾2𝑂
4,8 𝑡 𝑋 𝑘𝑔𝑠 𝑑𝑒 𝐾2𝑂
𝑋 = 96 𝑘𝑔𝑠 𝑑𝑒 𝐾2𝑂
Sendo aplicado 32 kgs em
Plantio e 64 kgs em cobertura.
 Complementar e/ou suplementar as necessidades nutricionais;
 Com o cultivo continuado de áreas agrícolas, tornou-se
frequente o aparecimento de deficiências minerais, sendo
necessário corrigi-las por pulverizações.
O por quê de fazer adubação foliar
20
Fatores que afetam a disponibilidade dos micronutrientes no solo
21
Fonte: Valter Casarin, 2020.
PH do solo e a indisponibilidade dos micronutrientes
22
Fonte: Mocellin, 2004.
Lei do mínimo
23
“ Qualquer deficiência pode limitar o crescimento e levar outros
nutrientes à não serem utilizados ou subutilizados pelas plantas.”
Justus von Liebig (1987)
Fonte: Mocellin, 2004.
 Tem o objetivo de fornecer principalmente micronutrientes,
para evitar fatores de limitações nutricionais que provém do
fornecimento via solo.
Objetivo da adubação foliar
24
Adubação foliar vs via solo
25
Vantagens Desvantagens
Alto índice de aproveitamento dos
nutrientes.
Custo elevado não combinada com
outras atividades (Ex. Pulverização de
fungicidas, inseticidas e herbicidas)
Doses menores. Pouco residual
Rápidas respostas e absorção. Incompatibilidade com outros produtos.
Velocidade de absorção
26
Fonte: Mocellin, 2004.
Vias de absorção
27
Fonte: Agrolink, ano não identificado.
 Transporte passivo
 Transporte ativo
 Solúveis (Cloretos, Nitratos e Sulfatos);
Fontes de aplicação
28
Cloretos: Mais absorvíveis;
Nitratos: Absorção intermediária;
Sulfatos: Absorção mais lenta.
• Insolúveis (Óxidos, Carbonatos, e Fosfatos).
Ponto de deliquescência
29
Fonte: Thomas Eichert, ano não identificado.
Ponto de deliquescência
30
Fonte: Thomas Eichert, ano não identificado.
Absorção e translocação
31
Fonte: Malavolta, ano não identificado.
 O que são quelatos?
Quelatos
32
Fonte: Mocellin, 2004
 Impedir reações de incompatibilidade e formações de
compostos não desejados;
 Facilitar a absorção;
 Boa translocação no interior da planta.
Importância dos quelatos
33
 Filosofia de aplicação;
Posicionamentos
34
 Filosofia de correção;
 Filosofia de restituição ou substitutiva.
 Filosofia de segurança;
Filosofia de correção
35
Deficiência de N Deficiência de P Deficiência de K Deficiência de Mg
Deficiência de Ca Deficiência de S Deficiência de B
Fonte: Yara Brasil.
Filosofia de correção
36
Deficiência de Cu Deficiência de Fe Deficiência de Mn Deficiência de Mo
Deficiência de Zn
Fonte: Yara Brasil.
Filosofia de restituição ou substitutiva
37
Fonte: Abreu, 2017.
Filosofia de restituição ou substitutiva
38
Fonte: Abreu, 2017.
 AGROADVANCE. I Curso Agroadvance - Nutrição foliar
para alta performance. 1. ed. [S. l.], 14/10/2020. Disponível
em:
https://www.youtube.com/watch?v=pKUWwoeqqng&feature=
youtu.be&utm_source=leadlovers&utm_medium=email&utm
_campaign=&utm_content=Acesso%20Primeiro%20dia%20-
%20Curso%20Foliar%20para%20Alta%20Performance&ab_c
hannel=Agroadvance. Acesso em: 14 out. 2020.
Referências
39
 ANTUNES, Joseani. Inoculação reduz custos com fertilizantes
na soja. Passo Fundo, RS: Embrapa Trigo, 23 set. 2019. Disponível
em: https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-
/noticia/46716731/inoculacao-reduz-custos-com-fertilizantes-na-
soja#:~:text=Segundo%20o%20pesquisador%2C%20o%20inocula
nte,em%20compara%C3%A7%C3%A3o%20ao%20fertilizante%2
0nitrogenado.&text=%E2%80%9CA%20bact%C3%A9ria%20faz
%20o%20trabalho,substitui%20quase%20toda%20a%20ureia.
Acesso em: 20 out. 2020
Referências
40
 COSTA, Rodolfo. Cálculo de adubação para soja: As
principais recomendações para nitrogênio, fósforo e potássio
que vão aumentar sua produtividade.. [S. l.]: Blog.aegro, 18
dez. 2019. Disponível em: https://blog.aegro.com.br/calculo-
de-adubacao-para-soja/. Acesso em: 15 out. 2020.
 FLORES, Rilner. Nutrição e adubação: De grandes culturas
na região do cerrado. 1. ed. atual. Goiânia, GO: Gráfica UFG,
2019. 607 p. ISBN 978-85-495-0258.
Referências
41
 MOCELLIN, Ricardo. Princípio da Adubação Foliar:
Coletânea de dados e revisão bibliográfica. Canoas, RS: [s.
n.], 2004. 82 p.
 NOGUEIRA, Phelipe et al. CLOROFILA FOLIAR E
NODULAÇÃO EM SOJAADUBADA COM NITROGÊNIO
EM COBERTURA. GLOBAL SCIENCE AND
TECHNOLOGY (ISSN 1984 - 3801) , Jataí, GO, v. 3, ed. 2,
p. 117-124, 2010.
Referências
42
 SOLLOAGRO - ESALQ/USP. Adubação foliar Conceitos e
Aplicações. [S. l.]: Solloagro, 31 mar. 2020. Disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=igUNwWolTdQ&ab_chan
nel=SolloAgro-ESALQ%2FUSP. Acesso em: 5 out. 2020
 SOUSA, Djalma (ed.). Cerrado: Correção de solo e
adubação. 2. ed. atual. Brasília, DF: Embrapa informação
tecnológica, 2004. 416 p. ISBN 85-7075-230-4.
Referências
43
Unindo conhecimento em prol
Arthur Braga Aranha
arthuraranha.agro@gmail.com
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios
Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios
Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios
Geagra UFG
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
Geagra UFG
 
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIOMANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
Geagra UFG
 
Nutrição vegetal
Nutrição vegetalNutrição vegetal
Nutrição vegetal
grasiela abreu
 
Aplicações Foliares - Nutrição e Fitormônios
Aplicações Foliares - Nutrição e FitormôniosAplicações Foliares - Nutrição e Fitormônios
Aplicações Foliares - Nutrição e Fitormônios
Geagra UFG
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Slides micronutrientes das plantas: Cobre
Slides micronutrientes das plantas: CobreSlides micronutrientes das plantas: Cobre
Slides micronutrientes das plantas: Cobre
Guilherme Lucio Martins
 
Aula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineralAula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineral
Bruno Rodrigues
 
Nutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiroNutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiro
Geagra UFG
 
Calagem e gessagem
Calagem e gessagemCalagem e gessagem
Calagem e gessagem
Pedro Lacerda
 
Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja
Geagra UFG
 
Aula 9 fertilidade dos solos
Aula 9   fertilidade dos solosAula 9   fertilidade dos solos
Aula 9 fertilidade dos solos
Jadson Belem de Moura
 
Nutrição mineral de plantas mg
Nutrição mineral de plantas   mgNutrição mineral de plantas   mg
Nutrição mineral de plantas mg
Lindomar Souza Machado
 
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Geagra UFG
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJA
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJAFIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJA
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Geagra UFG
 
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptxMECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
Geagra UFG
 
Fertilidade do Solo
Fertilidade do SoloFertilidade do Solo
Fertilidade do Solo
Gustavo Avila
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios
Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios
Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
 
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIOMANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
 
Nutrição vegetal
Nutrição vegetalNutrição vegetal
Nutrição vegetal
 
Aplicações Foliares - Nutrição e Fitormônios
Aplicações Foliares - Nutrição e FitormôniosAplicações Foliares - Nutrição e Fitormônios
Aplicações Foliares - Nutrição e Fitormônios
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
 
Slides micronutrientes das plantas: Cobre
Slides micronutrientes das plantas: CobreSlides micronutrientes das plantas: Cobre
Slides micronutrientes das plantas: Cobre
 
Aula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineralAula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineral
 
Nutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiroNutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiro
 
Calagem e gessagem
Calagem e gessagemCalagem e gessagem
Calagem e gessagem
 
Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja
 
Aula 9 fertilidade dos solos
Aula 9   fertilidade dos solosAula 9   fertilidade dos solos
Aula 9 fertilidade dos solos
 
Nutrição mineral de plantas mg
Nutrição mineral de plantas   mgNutrição mineral de plantas   mg
Nutrição mineral de plantas mg
 
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJA
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJAFIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJA
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJA
 
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
 
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptxMECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
 
Fertilidade do Solo
Fertilidade do SoloFertilidade do Solo
Fertilidade do Solo
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
 

Semelhante a Adubação de Cobertura e Foliar

Adubação Potassica Soja
Adubação Potassica SojaAdubação Potassica Soja
Adubação Potassica Soja
Gustavo Avila
 
Plantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassolPlantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassol
Geagra UFG
 
K
KK
Adubação Nitrogenada Soja
Adubação Nitrogenada SojaAdubação Nitrogenada Soja
Adubação Nitrogenada Soja
Gustavo Avila
 
Fertilidade do solo potássio
Fertilidade do solo   potássioFertilidade do solo   potássio
Fertilidade do solo potássio
Lindomar Souza Machado
 
USO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROS
USO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROSUSO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROS
USO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROS
Leandro Araujo
 
Apresentação - GETA.pptx
Apresentação - GETA.pptxApresentação - GETA.pptx
Apresentação - GETA.pptx
GETA - UFG
 
fertilizantesFertilizantes
fertilizantesFertilizantesfertilizantesFertilizantes
fertilizantesFertilizantes
prefeitura municipal de logradouro
 
Batata doce 13207 72975-1-pb
Batata doce 13207 72975-1-pbBatata doce 13207 72975-1-pb
Batata doce 13207 72975-1-pb
Nuno Lemos
 
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptxPalestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
zLucas4
 
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptxPalestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
DeniseGonalo
 
Fertilização do morangueiro
Fertilização do morangueiroFertilização do morangueiro
Fertilização do morangueiro
Agricultura Sao Paulo
 
Fertilizantes de liberação lenta
Fertilizantes de liberação lentaFertilizantes de liberação lenta
Fertilizantes de liberação lenta
Daniel Staciarini Corrêa
 
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-20137ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
Fattore
 
Fertilização do morangueiro - Polo Regional Leste Paulista - Sede Monte Alegr...
Fertilização do morangueiro - Polo Regional Leste Paulista - Sede Monte Alegr...Fertilização do morangueiro - Polo Regional Leste Paulista - Sede Monte Alegr...
Fertilização do morangueiro - Polo Regional Leste Paulista - Sede Monte Alegr...
Agricultura Sao Paulo
 
Fertilizantes agroindustria e sustentabilidade.pdf
Fertilizantes agroindustria e sustentabilidade.pdfFertilizantes agroindustria e sustentabilidade.pdf
Fertilizantes agroindustria e sustentabilidade.pdf
FernandoBalena1
 
Pesquisa procafé resumo (4)
Pesquisa procafé resumo (4)Pesquisa procafé resumo (4)
Pesquisa procafé resumo (4)
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Adubação de fosfato nas plantas
Adubação de fosfato nas plantas Adubação de fosfato nas plantas
Adubação de fosfato nas plantas
Rogerio de Souza Souza
 
Uso sustentável de fertilizantes na cafeicultura palestra valter casarin feni...
Uso sustentável de fertilizantes na cafeicultura palestra valter casarin feni...Uso sustentável de fertilizantes na cafeicultura palestra valter casarin feni...
Uso sustentável de fertilizantes na cafeicultura palestra valter casarin feni...
Revista Cafeicultura
 
Sistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoSistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio Direto
Geagra UFG
 

Semelhante a Adubação de Cobertura e Foliar (20)

Adubação Potassica Soja
Adubação Potassica SojaAdubação Potassica Soja
Adubação Potassica Soja
 
Plantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassolPlantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassol
 
K
KK
K
 
Adubação Nitrogenada Soja
Adubação Nitrogenada SojaAdubação Nitrogenada Soja
Adubação Nitrogenada Soja
 
Fertilidade do solo potássio
Fertilidade do solo   potássioFertilidade do solo   potássio
Fertilidade do solo potássio
 
USO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROS
USO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROSUSO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROS
USO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROS
 
Apresentação - GETA.pptx
Apresentação - GETA.pptxApresentação - GETA.pptx
Apresentação - GETA.pptx
 
fertilizantesFertilizantes
fertilizantesFertilizantesfertilizantesFertilizantes
fertilizantesFertilizantes
 
Batata doce 13207 72975-1-pb
Batata doce 13207 72975-1-pbBatata doce 13207 72975-1-pb
Batata doce 13207 72975-1-pb
 
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptxPalestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
 
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptxPalestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
 
Fertilização do morangueiro
Fertilização do morangueiroFertilização do morangueiro
Fertilização do morangueiro
 
Fertilizantes de liberação lenta
Fertilizantes de liberação lentaFertilizantes de liberação lenta
Fertilizantes de liberação lenta
 
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-20137ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
 
Fertilização do morangueiro - Polo Regional Leste Paulista - Sede Monte Alegr...
Fertilização do morangueiro - Polo Regional Leste Paulista - Sede Monte Alegr...Fertilização do morangueiro - Polo Regional Leste Paulista - Sede Monte Alegr...
Fertilização do morangueiro - Polo Regional Leste Paulista - Sede Monte Alegr...
 
Fertilizantes agroindustria e sustentabilidade.pdf
Fertilizantes agroindustria e sustentabilidade.pdfFertilizantes agroindustria e sustentabilidade.pdf
Fertilizantes agroindustria e sustentabilidade.pdf
 
Pesquisa procafé resumo (4)
Pesquisa procafé resumo (4)Pesquisa procafé resumo (4)
Pesquisa procafé resumo (4)
 
Adubação de fosfato nas plantas
Adubação de fosfato nas plantas Adubação de fosfato nas plantas
Adubação de fosfato nas plantas
 
Uso sustentável de fertilizantes na cafeicultura palestra valter casarin feni...
Uso sustentável de fertilizantes na cafeicultura palestra valter casarin feni...Uso sustentável de fertilizantes na cafeicultura palestra valter casarin feni...
Uso sustentável de fertilizantes na cafeicultura palestra valter casarin feni...
 
Sistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoSistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio Direto
 

Mais de Geagra UFG

Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Geagra UFG
 
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison TeixeiraMecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptxMecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Geagra UFG
 
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptxAPRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
Geagra UFG
 
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
Geagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
Geagra UFG
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
Geagra UFG
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Geagra UFG
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
Geagra UFG
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
Geagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
Geagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
 
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison TeixeiraMecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptxMecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
 
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptxAPRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
 
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 

Adubação de Cobertura e Foliar

  • 1. Unindo conhecimento em prol Soja: Adubação de Cobertura e Foliar Arthur Braga Aranha
  • 2.  Mobilidade dos nutrientes no solo;  FBN vs fertilizantes nitrogenados;  K em cobertura;  K em cobertura, condições para essa prática;  Adubação foliar;  Disponibilidade dos micronutrientes no solo;  Absorção e fontes;  Quelatos;  Posicionamento. Sumário 2
  • 3. Macronutrientes no solo 3 Nutriente Mobilidade Como é Suprido Nitrogênio (N) Móvel Fósforo (P) Imóvel Potássio (K) Móvel Cálcio (Ca) Pouco Móvel Magnésio (Mg) Pouco Móvel Enxofre (S) Móvel
  • 4. Macronutrientes no solo 4 Nutriente Mobilidade Como é Suprido Nitrogênio (N) Móvel Fósforo (P) Imóvel Adubação no plantio Potássio (K) Móvel Cálcio (Ca) Pouco Móvel Magnésio (Mg) Pouco Móvel Enxofre (S) Móvel
  • 5. Macronutrientes no solo 5 Nutriente Mobilidade Como é Suprido Nitrogênio (N) Móvel Fósforo (P) Imóvel Adubação no plantio Potássio (K) Móvel Cálcio (Ca) Pouco Móvel Calagem Magnésio (Mg) Pouco Móvel Calagem Enxofre (S) Móvel Ex: Gessagem
  • 6. Macronutrientes no solo 6 Nutriente Mobilidade Como é Suprido Nitrogênio (N) Móvel Fósforo (P) Imóvel Adubação no plantio Potássio (K) Móvel Cálcio (Ca) Pouco Móvel Calagem Magnésio (Mg) Pouco Móvel Calagem Enxofre (S) Móvel Ex: Gessagem Seguindo o raciocínio de mobilidade dos nutrientes do solo. Quais nutrientes deveriam ser fornecidos em cobertura?
  • 7. Macronutrientes no solo 7 Nutriente Mobilidade Como é Suprido Nitrogênio (N) Móvel Inoculação Fósforo (P) Imóvel Adubação no plantio Potássio (K) Móvel Cobertura Cálcio (Ca) Pouco Móvel Calagem Magnésio (Mg) Pouco Móvel Calagem Enxofre (S) Móvel Ex: Gessagem
  • 8. Macronutrientes no solo 8 Nutriente Mobilidade Como é Suprido Nitrogênio (N) Móvel Inoculação Fósforo (P) Imóvel Adubação no plantio Potássio (K) Móvel Cobertura Cálcio (Ca) Pouco Móvel Calagem Magnésio (Mg) Pouco Móvel Calagem Enxofre (S) Móvel Ex: Gessagem Por quê só o potássio?
  • 9.  Até 95% mais baratos;  Custo médio ureia: 500 R$/ha;  Custo médio inoculante: 8 à 15 R$/ha. (Antunes 2019, Embrapa Trigo) Fixação biológica de nitrogênio 9
  • 10. N em cobertura, interfere em algo? 10 Fonte: Nogueira, 2010.
  • 11. Adubação nitrogenada é eficaz ou não? 11 Fonte: Nogueira, 2010.
  • 12. Adubação nitrogenada é eficaz ou não? 12 Fonte: Nogueira, 2010.
  • 13.  2º Nutriente mais absorvido pelas plantas;  Reserva natural em solos do cerrado muito baixas;  Tendência à lixiviação, por causa da combinação de seus sais de alta solubilidade e os solos de baixa CTC;  Salinização das sementes que foram recém plantadas. Introdução à adubação de K 13
  • 14.  Cloreto de potássio KCl (60 a 62% de K2O e 48% de Cl);  Sulfato de potássio K2SO4 (50 a 53% de K2O e 17% de S);  Nitrato de potássio KNO3 (44 a 46% de K2O e 13 a 14% de N);  Sulfato de potássio e magnésio K2SO4.2MgSO4 (22% de K2O, 22%  Sulfato de potássio e magnésio K2SO4.2MgSO4 (22% de K2O, 22% de S e 12 a 18% de Mg). Principal Fonte de K usadas no Brasil 14  OBS: O KCl, representa aproximadamente 95% do mercado nacional. (Granjeiro & Cecílio Filho, 2006).
  • 15.  A adubação de potássio deve ser sempre utilizada em cobertura? Adubação de K em cobertura 15
  • 16.  Teor de argila < 40%;  CTC < 4cmol/ dm³;  Dose superior à 50 𝑘𝑔. ℎ𝑎−1. Características do solo e da dose 16 OBS: Essa dosagem varia de acordo com a literatura e com o método utilizado pelo profissional da área. O livro Cerrado, por exemplo fala em 40 𝒌𝒈. 𝒉𝒂−𝟏 .
  • 17.  Após a adubação corretiva; deve-se aplicar 20 kg de K2O/ ha pra cada tonelada de soja que deseja-se produzir;  Sendo 1/3 em semeadura e 2/3 no prazo de 30 à 40 dias após o plantio; Cálculo 17 Exemplo: Como calcular a dose e época de aplicação de K2O em cobertura visando uma produção de 5 toneladas de grãos/ha para um solo que se encaixa nas características já designadas.
  • 18. Produtividade desejada: 5 t; Cálculo 18 Dose: 20 kg de K2O/ha para cada tonelada que deseja-se produzir; Sendo assim; 20 kg de K2O x 5 toneladas desejadas = 100 kg de K2O; Distribuição da dose: 1/3 em semeadura e 2/3 em cobertura; Ou seja: 33,33kg em semeadura e 66,66kg em cobertura.
  • 19. Um produtor deseja alcançar em sua lavoura uma produtividade de 80 sc/ha. Qual a dose de K2O deve-se aplicar? OBS: sc = sacas = 60kgs. Exercício 19 80 𝑠𝑎𝑐𝑎𝑠 = 𝐾𝑔 𝑝𝑟𝑜𝑑𝑢𝑧𝑖𝑑𝑎𝑠 60 𝐾𝑔 4800 = 𝐾𝑔 𝑝𝑟𝑜𝑑𝑢𝑧𝑖𝑑𝑎𝑠 4800 𝑘𝑔 = 4,8 𝑡 1 𝑡 𝑑𝑒 𝑔𝑟ã𝑜𝑠 ____ 20 𝑘𝑔 𝑑𝑒𝐾2𝑂 4,8 𝑡 𝑋 𝑘𝑔𝑠 𝑑𝑒 𝐾2𝑂 𝑋 = 96 𝑘𝑔𝑠 𝑑𝑒 𝐾2𝑂 Sendo aplicado 32 kgs em Plantio e 64 kgs em cobertura.
  • 20.  Complementar e/ou suplementar as necessidades nutricionais;  Com o cultivo continuado de áreas agrícolas, tornou-se frequente o aparecimento de deficiências minerais, sendo necessário corrigi-las por pulverizações. O por quê de fazer adubação foliar 20
  • 21. Fatores que afetam a disponibilidade dos micronutrientes no solo 21 Fonte: Valter Casarin, 2020.
  • 22. PH do solo e a indisponibilidade dos micronutrientes 22 Fonte: Mocellin, 2004.
  • 23. Lei do mínimo 23 “ Qualquer deficiência pode limitar o crescimento e levar outros nutrientes à não serem utilizados ou subutilizados pelas plantas.” Justus von Liebig (1987) Fonte: Mocellin, 2004.
  • 24.  Tem o objetivo de fornecer principalmente micronutrientes, para evitar fatores de limitações nutricionais que provém do fornecimento via solo. Objetivo da adubação foliar 24
  • 25. Adubação foliar vs via solo 25 Vantagens Desvantagens Alto índice de aproveitamento dos nutrientes. Custo elevado não combinada com outras atividades (Ex. Pulverização de fungicidas, inseticidas e herbicidas) Doses menores. Pouco residual Rápidas respostas e absorção. Incompatibilidade com outros produtos.
  • 27. Vias de absorção 27 Fonte: Agrolink, ano não identificado.  Transporte passivo  Transporte ativo
  • 28.  Solúveis (Cloretos, Nitratos e Sulfatos); Fontes de aplicação 28 Cloretos: Mais absorvíveis; Nitratos: Absorção intermediária; Sulfatos: Absorção mais lenta. • Insolúveis (Óxidos, Carbonatos, e Fosfatos).
  • 29. Ponto de deliquescência 29 Fonte: Thomas Eichert, ano não identificado.
  • 30. Ponto de deliquescência 30 Fonte: Thomas Eichert, ano não identificado.
  • 31. Absorção e translocação 31 Fonte: Malavolta, ano não identificado.
  • 32.  O que são quelatos? Quelatos 32 Fonte: Mocellin, 2004
  • 33.  Impedir reações de incompatibilidade e formações de compostos não desejados;  Facilitar a absorção;  Boa translocação no interior da planta. Importância dos quelatos 33
  • 34.  Filosofia de aplicação; Posicionamentos 34  Filosofia de correção;  Filosofia de restituição ou substitutiva.  Filosofia de segurança;
  • 35. Filosofia de correção 35 Deficiência de N Deficiência de P Deficiência de K Deficiência de Mg Deficiência de Ca Deficiência de S Deficiência de B Fonte: Yara Brasil.
  • 36. Filosofia de correção 36 Deficiência de Cu Deficiência de Fe Deficiência de Mn Deficiência de Mo Deficiência de Zn Fonte: Yara Brasil.
  • 37. Filosofia de restituição ou substitutiva 37 Fonte: Abreu, 2017.
  • 38. Filosofia de restituição ou substitutiva 38 Fonte: Abreu, 2017.
  • 39.  AGROADVANCE. I Curso Agroadvance - Nutrição foliar para alta performance. 1. ed. [S. l.], 14/10/2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=pKUWwoeqqng&feature= youtu.be&utm_source=leadlovers&utm_medium=email&utm _campaign=&utm_content=Acesso%20Primeiro%20dia%20- %20Curso%20Foliar%20para%20Alta%20Performance&ab_c hannel=Agroadvance. Acesso em: 14 out. 2020. Referências 39
  • 40.  ANTUNES, Joseani. Inoculação reduz custos com fertilizantes na soja. Passo Fundo, RS: Embrapa Trigo, 23 set. 2019. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/- /noticia/46716731/inoculacao-reduz-custos-com-fertilizantes-na- soja#:~:text=Segundo%20o%20pesquisador%2C%20o%20inocula nte,em%20compara%C3%A7%C3%A3o%20ao%20fertilizante%2 0nitrogenado.&text=%E2%80%9CA%20bact%C3%A9ria%20faz %20o%20trabalho,substitui%20quase%20toda%20a%20ureia. Acesso em: 20 out. 2020 Referências 40
  • 41.  COSTA, Rodolfo. Cálculo de adubação para soja: As principais recomendações para nitrogênio, fósforo e potássio que vão aumentar sua produtividade.. [S. l.]: Blog.aegro, 18 dez. 2019. Disponível em: https://blog.aegro.com.br/calculo- de-adubacao-para-soja/. Acesso em: 15 out. 2020.  FLORES, Rilner. Nutrição e adubação: De grandes culturas na região do cerrado. 1. ed. atual. Goiânia, GO: Gráfica UFG, 2019. 607 p. ISBN 978-85-495-0258. Referências 41
  • 42.  MOCELLIN, Ricardo. Princípio da Adubação Foliar: Coletânea de dados e revisão bibliográfica. Canoas, RS: [s. n.], 2004. 82 p.  NOGUEIRA, Phelipe et al. CLOROFILA FOLIAR E NODULAÇÃO EM SOJAADUBADA COM NITROGÊNIO EM COBERTURA. GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN 1984 - 3801) , Jataí, GO, v. 3, ed. 2, p. 117-124, 2010. Referências 42
  • 43.  SOLLOAGRO - ESALQ/USP. Adubação foliar Conceitos e Aplicações. [S. l.]: Solloagro, 31 mar. 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=igUNwWolTdQ&ab_chan nel=SolloAgro-ESALQ%2FUSP. Acesso em: 5 out. 2020  SOUSA, Djalma (ed.). Cerrado: Correção de solo e adubação. 2. ed. atual. Brasília, DF: Embrapa informação tecnológica, 2004. 416 p. ISBN 85-7075-230-4. Referências 43
  • 44. Unindo conhecimento em prol Arthur Braga Aranha arthuraranha.agro@gmail.com Obrigado!