SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
Baixar para ler offline
Luciana França Cescon
Psicóloga (UNIP 2009) – CRP 06/98.202
Prefeitura de Santos – Saúde Mental - desde 2012
Especialista em Saúde Pública (ATUALIZE 2014)
Mestra Profissional em Ensino em Ciências da Saúde (UNIFESP 2015)
Membro da ABEPS – Assoc. Bras. de Estudos e Prevenção do Suicídio
Colaboradora do Instituto VITA ALERE de Prevenção e Posvenção do Suicídio
Falando sobre prevenção do suicídio
“Os momentos de angústia disparam
movimento ...”
- Nota do Diário de Campo
(2012) Serviço de Saúde Mental
Entre outros casos, pessoas que traziam a ideação suicida ou
uma tentativa de suicídio.
Procedimento padrão para todos os casos:
entrevista de triagem e agendamento de consulta com psiquiatra
para a data mais próxima disponível na agenda.
PS ZN + Clínica Escola de Psicologia
Pesquisa “Cuidado, Frágil: aproximações e
distanciamentos de trabalhadores de um CAPS na atenção
ao suicídio” - PROTOCOLO
Suicídio (OMS): “ato deliberado, intencional, de
causar morte a si mesmo [...]”.
Ideação suicida, que pode evoluir para um plano
suicida ...
... e culminar em um ato suicida, que pode ser fatal
(suicídio) ou não (tentativa de suicídio).
OMS (2000): a cada 40 segundos um suicídio no mundo.
Para cada suicídio, em média 20 tentativas.
O suicídio acontece em todas as
faixas etárias e encontra-se, em muitos
países, entre as três principais causas
de morte entre indivíduos de 15 a 44
anos, sendo a segunda principal causa
de morte entre indivíduos de 10 a 24
anos.
Os índices de casos de suicídio
têm aumentado em jovens e idosos.
Tabu
Brasil: 67a. posição na classificação
mundial.
Em números: entre os dez países com
mais suicídios.
Estimativa: cerca de 25 suicídios por
dia no Brasil (CVV, 2013).
Números subestimados: alguns
suicídios são registrados como acidentes ou
morte com causa indeterminada.
Sobreviventes: Para cada suicídio, de
cinco a dez pessoas (familiares, amigos) são
afetadas social, emocional e
economicamente.
Todos estes números falam da relevância da prevenção do
suicídio como uma importante questão de Saúde Pública...
“Efeito Titanic”
Quando 2 parecem + do que 1500
Daniel
É possível prevenir?
OMS: 90% dos casos
de suicídio poderiam
ser evitados se
houvesse uma rede
adequada de
atendimento.
(CVV, 2013).
2006 - Estratégia Nacional para Prevenção do
Suicídio (Brasil).
Portaria no. 1876: objetivo de reduzir taxas de
suicídios, tentativas de suicídio e os danos
associados com comportamentos suicidas, como o
impacto traumático do suicídio na família, nas
comunidades e na sociedade em geral.
“Não somos responsáveis pela vida e pela morte uns
dos outros, a vida e a morte de cada homem é dele
próprio. Somos, porém, responsáveis por nossos
envolvimentos”.
HILLMAN, 2011 - “Suicídio e alma” p. 94
O SUICÍDIO ESTÁ VINCULADO A ALGUMA DOENÇA
MENTAL?
O suicídio resulta de uma crise de duração maior ou menor,
que varia de pessoa para pessoa. Não está necessariamente
ligado a uma doença mental, mas sim a um momento crítico
que pode ser superado. As pessoas correm menos risco de
se matar quando aceitam ajuda (CVV, 2013).
A ideação suicida e a tentativa de suicídio também
podem emergir em histórias de vida que vão além de
classificações nosológicas e são relatadas como
resultado de tristeza e desesperança, questões
complexas que não podem ser reduzidas apenas a
oferta de medicação, mas que muitas vezes precisam
ser olhadas de forma interdisciplinar.
Sofrimentos a partir de situações concretas, como
bullying, homofobia, violência física, psicológica
e/ou sexual, perdas afetivas e econômicas ...
Para compreender o significado do ato para cada pessoa, é
necessário dispor-se a ouvir e acolher.
“Eu tive uma experiência [...] que marcou assim, a certeza do
desejo do suicídio. Não era uma pessoa psicótica [...] e foi
um desespero social, de não ter mais emprego, de não ter
mais como levar comida pra casa, e essa pessoa tentou
suicídio esfaqueando o abdômen, e foi pra UTI e assim que
ele recobrou a consciência, ele com as próprias mãos
arrebentou os pontos ... Pra „retentar‟ o suicídio. [...] [Era] um
homem, um pai de família com desemprego há muito tempo.
É, tem muito a ver eu acho com [...] o homem como
provedor, esse papel que ele tem na sociedade, de prover a
família, [...] ele não deve se achar mais ninguém, e tenta ser
ninguém dessa forma brusca. [...] Depois ele seguiu no NAPS
e o pessoal da Assistência Social conseguiu lá uma
colocação pra ele e aí ele foi saindo desse quadro pela
questão social, não era uma questão psiquiátrica em si, né.
Acabou sendo.” (Técnica Entrevistada)
Eliane Brum (2013), no texto “O doping dos pobres:
“As pessoas estão sendo viciadas em ansiolíticos
nos postos de saúde, afirma uma psicóloga. „São
levadas a acreditar que o remédio pode acabar com a
sua dor, uma dor que tem causas muito concretas.
[...] Uma mulher tinha dois empregos, um de dia,
outro de noite. O que ganhava não dava para pagar
as contas. Os ônibus que pegava para chegar até
esses empregos eram lotados. Ela vivia num barraco.
Aí procurou o posto de saúde e lhe trataram com
antidepressivos. Não adiantou. Deram-lhe outro
medicamento. Nada. Um dia, sem nenhuma
esperança ou recurso, ela tentou suicídio‟, conta. A
questão é que não há promoção de saúde, porque
isso implicaria se preocupar com projeto de vida,
com perspectiva de vida, com melhoria das
condições de vida. O que há é medicalização da
vida‟. ”
4 D:
Depressão, desesperança, desamparo e desespero.
"Uma jovem que tentou o suicídio após ter perdido o namorado deverá merecer
tanto respeito da nossa parte quanto a pessoa idosa que perde o companheiro de
muitos anos. Não é possível medir, com uma medida única, o sofrimento alheio;
não se pode julgar, nem tirar conclusões.
Respeitar é não usar a minha medida para sentir o sofrimento do outro,
mas usar a dele próprio. “
- Manual do Voluntário do CVV
Imagem de Felipo Rolim
Mito: Quem fala sobre suicídio nunca comete suicídio.
Realidade: Os pacientes que cometeram suicídio em
geral deram avisos ou sinais de sua intenção.
Qualquer ameaça deve ser levada a sério.
Mito: Falar sobre suicídio com um paciente pode
provocar um comportamento suicida.
Realidade: Falar sobre suicídio em geral reduz a
ansiedade ligada a esse tema, o que pode fazer que o
paciente se sinta compreendido e aliviado.
Mito: A ideia comum de que a ameaça de suicídio é
feita apenas para manipular as pessoas ou chamar a
atenção.
Realidade: Entende-
se que uma ameaça
de suicídio sempre
deve ser levada a
sério. Chegar a esse
tipo de recurso indica
que a pessoa está
sofrendo e necessita
de ajuda.
Três características da maioria das pessoas sob risco de
suicídio:
1. Ambivalência: Quase sempre querem ao mesmo tempo
alcançar a morte, mas também viver.
2. Impulsividade: o suicídio pode ser também um
ato impulsivo, desencadeado por eventos negativos do dia-a-
dia.
3. Rigidez/constrição: Tudo ou nada. “O único caminho é a
morte”; “Não há mais nada o que fazer” ...
WERLANG, B.G.; BOTEGA, N. J. Comportamento suicida. Porto Alegre: Artmed Editora, 2004.
Fatores habitualmente encontrados em pessoas
com risco de comportamentos suicidas
(Bertolote - “O suicídio e sua prevenção”)
Fatores predisponentes
-Tentativa (s) prévia (s) de suicídio
-Transtornos psiquiátricos (principalmente depressão,
alcoolismo, esquizofrenia e certos transtornos de
personalidade)
-Doenças físicas (terminais, dolorosas, debilitantes,
incapacitantes, desaprovadas socialmente - como a AIDS)
-História familiar de suicídio, alcoolismo ou outros
transtornos psiquiátricos
-Estado civil divorciado, viúvo ou solteiro
-Isolamento social
-Desempregado ou aposentado
-Luto ou abuso sexual na infância
-Alta recente de internação psiquiátrica
Fatores ambientais
- Fácil acesso a métodos de
suicídio
Estressores recentes
- Separação conjugal
- Luto
- Conflitos familiares
- Mudança de situação
empregatícia ou financeira
- Rejeição por parte de pessoa
significativa
- Vergonha e temor de ser
considerado culpado
- Raiva ou desejo de vingança
É importante estar atento às frases de alerta como:
“Eu preferia estar morto”
“Eu não posso fazer nada”
“Eu não aguento mais”
“Eu sou um perdedor e um peso pros outros”
“Os outros vão ser mais felizes sem mim”.
Por trás delas podem estar sentimentos de pessoas
que podem estar pensando em suicídio.
Marquetti e Milek (2014) fizeram um estudo no qual observaram que
a ideação suicida traz mudanças nas atividades cotidianas dos
indivíduos e que estes sinais podem ser observados.
1) Mudanças nas atividades sociais e/ou relações afetivas, como
conflitos familiares, afastamento dos filhos, ressentimento com
familiares, isolamento social e outros.
2) Mudanças nas atividades laborais e escolares, como demissão
do trabalho, abandono dos estudos, perda financeira.
3) Mudanças nas atividades da rotina diária, como
abandono do cuidado da casa, abandono do cuidado dos
filhos.
4) Mudanças nas atividades eletivas e/ou de lazer, como
abandono de atividade religiosa/ que implica em sair de casa.
5) Mudanças nos cuidados pessoais, como diminuição
da alimentação e dos cuidados pessoais de higiene e
estética.
6) Mudanças nas atividades corporais no cotidiano, como
inatividade, insônia, dores no corpo, emagrecimento, choro
fácil e sem motivo aparente.
7) Mudanças nos sentimentos e pensamentos do cotidiano, como
sensação de abandono, sensação de solidão, decepção com as
pessoas, nervoso, depressão, tristeza, raiva, revolta, angústia
repentina e intensa, pensamentos sobre problemas, pensamentos
sobre a morte e pensamentos sobre como terminar com sua vida.
8) Outros sinais, como bilhetes em papel e mensagens no
computador no dia da tentativa de suicídio.
Esses sinais são importantes quando pensamos na rede de
atenção básica e nas equipes dos serviços, porém para ter acesso
a eles, é fundamental oferecer uma escuta qualificada ao usuário e
se possível, também estabelecer um vínculo com um familiar ou
pessoa próxima.
(Percurso suicida: observação e análise de alterações no cotidiano do
indivíduo com tentativas de suicídio, de
Fernanda Cristina Marquetti e Glenda Milek)
Voltando à pesquisa ...
Análise de todos os prontuários
que chegaram ao serviço de
maio/2012 a dezembro/2013.
2012 – 304 casos novos
50 com tentativa de suicídio ou
ideação suicida
2013 – 524 casos novos
65 com tentativa de suicídio ou
ideação suicida
Total do período: 115 casos
47 com tentativa de suicídio
O acompanhamento especializado às pessoas que
já tentaram suicídio pode ser considerado como um
exemplo de ação preventiva essencial, pois segundo
Botega et al (2006, citado por SOARES et al, 2011) de 15
a 25% das pessoas que tentam suicídio fazem uma nova
tentativa no ano seguinte, 10% conseguem consumar o
ato em algum momento do período de 10 anos,
compreendido entre a tentativa anterior e o suicídio.
A tentativa de suicídio anterior é o maior fator de
risco para o suicídio consumado.
= Importância da notificação de tentativa de
suicídio.
Alguns recortes da pesquisa ...
Mulher, 44 anos: duas tentativas de suicídio
(remédios e cloro com soda cáustica). Tratamento
psiquiátrico anterior. Retorno com psicólogo no dia
seguinte e consulta psiquiátrica em 08 dias.
Acompanhamento psicológico.
Mulher, 39 anos: pensamentos suicidas, choro e
humor instável. Tratamento psiquiátrico anterior.
Consulta psiquiátrica em 90 dias – passou por dois
atendimentos médicos e abandonou o tratamento.
Homem, 34 anos: tentativa de suicídio anterior.
Família em outra cidade. Consulta psiquiátrica em 42
dias – não compareceu.
Homem, 33 anos: tentativa de suicídio recente
(enforcamento e medicamentos). Veio após alta
hospitalar. Consulta psiquiátrica para 116 dias – não
compareceu.
Entrevistas individuais com os técnicos ...
Rodas de conversa ...
IDEIAS SOBRE SUICÍDIO ...
“Vejo muito sofrimento, seja o suicídio em si ou na tentativa, né?”
“Pra mim é uma fuga mesmo, a pessoa não consegue encontrar o que
fazer naquela situação e prefere fugir dela”.
“Acho que é uma doença psíquica, né? [...] a desesperança, acho que
em si já tem alguma coisa de doença associada, né? Porque a pessoa não
ver uma luz no fim do túnel acho que já é uma coisa doentia, né?”
“Excetuando o fator da patologia, eu acho que a solidão.”
“São muitos fatores [...] talvez alguns casos um impulso do desespero,
outros casos uma falta de sentido na vida [...] De repente, até a
drogadição é um meio de suicídio. [...]”
“E eu acho que bate assim pra gente, assim: „Putz, aí, você não fez nada‟,
[...] „Aí, tava dizendo que tava sofrendo de alguma maneira e vocês não
fizeram nada‟. [...] Não sei, me vem essa sensação mesmo de impotência
[...]”
“Acaba muita gente tendo pouca escuta, pelo número de pacientes sobre o
número de funcionários que é indigno. Tanto pros funcionários quanto pro
paciente.”
“E infelizmente, embora seja o CAPS, o psicossocial, é médico-centrado,
o norte que nós temos é esse, e até quando você tenta oferecer alguma
coisa diferente, às vezes já está culturalmente tão né, disseminado essa
coisa do médico-centrado que às vezes a pessoa não aceita a escuta ...
„Eu só quero o remédio‟ ...”
“E quantas pessoas a gente não atendeu no ambulatório que vem com a
queixa do suicídio, do desejo da morte, e a gente não dá o que a gente
tem de mais rico, que é a escuta pra essas pessoas, a gente soca eles na
agenda do médico, que toca remédio e ... isso frustra a gente, nos deixa
desanimados, tal, e você não colhe nada do seu trabalho, né? É isso.”
 Demanda desafiadora
Protocolo x Discussão de Casos
 RH ... Capacitação/Sensibilização
Espaço de Educação Permanente
Proposta de fazer algumas modificações no serviço:
Aprofundar a triagem para compreender melhor cada
caso.
A primeira sugestão é que durante a triagem o técnico
esteja atento a frases de alerta que o usuário apresente, tais
como: “Eu preferia estar morto”; “Eu não agüento mais” ...
Quando o usuário apresenta ideação suicida:
Investigar há quanto tempo. Houve alguma situação recente
que pode estar relacionada a isso?
- Relato de tentativa de suicídio: Quando? De que
forma?
Nos casos em que o técnico acredite que há um
risco de suicídio: conversar com a pessoa atendida
sobre uma referência (familiar, amigo, cônjuge), que
poderá ser a ponte de cuidado e acompanhamento.
Agendar no mínimo um retorno para a próxima
semana (com o próprio técnico ou solicitar apoio de
um colega) para acompanhar o caso.
Encaminhar para um grupo de apoio dentro do
próprio serviço (Terapia Comunitária, que já existe, ou
o Grupo de Escuta) posteriormente – assim que o
usuário apresentar melhora.
Sinalizar, de alguma forma, que aquele caso exige
maior atenção – no livro de registro de prontuários e na
capa do prontuário, por exemplo. Para que qualquer
profissional (inclusive a recepcionista) possa identificar se
não houver retorno do usuário – a recepcionista poderá
avisar um dos técnicos, para uma busca ativa.
Passagem de plantão: Discussão de casos que os
trabalhadores consideravam mais importantes, para
compartilhar e trocar ideias com a equipe.
Uma vez por semana: Educação Permanente com
textos trazidos pelos membros da equipe, não só sobre
essa temática.
OMS (2000): Manual de prevenção do suicídio
para profissionais da Atenção Primária
Equipe tem um longo e próximo contato com a
comunidade, bem aceita pela população local.
É frequentemente o primeiro recurso de atenção à
saúde.
O seu conhecimento da comunidade permite-lhe
reunir o apoio dos familiares, amigos e organizações.
Esse profissional está em posição de oferecer
cuidado continuado.
É também a porta de entrada aos serviços de saúde
para os que deles necessitarem.
= Atendimento compartilhado
Entrevistas individuais com as técnicas : recorte
metodológico – profissionais que faziam a
entrevista de triagem e definiam as condutas.
Mas considero importante destacar:
- O papel da equipe de Enfermagem
- Os bolos da Eliana
- “Escrevivendo”, Terapia Comunitária ...
- O papel dos demais profissionais: assistente
social (depoimento da entrevistada), terapeuta
ocupacional (Marquetti), recepcionista,
acompanhante terapêutico, equipe de
Enfermagem, psiquiatra (acessível, atento às
informações, atualizando o prontuário) ...
- Atenção Básica, Escola ...
- Oferecer algo além da internação no momento
da crise ...
- Cursos de Graduação, especialmente da Saúde
Rede ...
Como
fazer
funcionar
como
deveria?
“Hiperdia”
Como perguntar?
“Você se sente triste?”
“Você sente que a vida não vale mais a pena ser vivida?”
Quando encaminhar para Atenção Especializada?
• Doença psiquiátrica;
• Uma história de tentativa de suicídio anterior;
• Uma história familiar de suicídio, alcoolismo ou doença mental;
• Doença física;
• Nenhum apoio social.
O que fazer
Ouvir, mostrar empatia, e ficar calmo;
Leve a situação a sério e verifique o grau de risco;
Explore as outras saídas, além do suicídio;
Identifique outros formas de dar apoio emocional;
Tome atitudes, conte a outros, consiga ajuda (OMS, 2000)
O que não fazer
• Ignorar a situação;
• Ficar chocado ou envergonhado e em
pânico;
• Falar que tudo vai ficar bem;
• Desafiar a pessoa a continuar em frente;
• Fazer o problema parecer trivial;
• Dar falsas garantias;
• Jurar segredo;
• Deixar a pessoa sozinha.
“Compromisso, sensibilidade, conhecimento,
preocupação com outro ser humano e a
crença de que a vida é um aprendizado que
vale a pena - são os principais recursos que
os profissionais de saúde primária têm;
apoiados nisso eles podem ajudar a prevenir
o suicídio.” (OMS, 2000)
Posvenção – A importância de cuidar de quem ficou
“Suicídio não é um ato solitário.
A pessoa amada pensa que está matando apenas a si mesma,
mas ela também mata uma parte de nós.”
(BOLTON, 1997, p. 202).
“O suicídio é uma morte como nenhuma outra, e
aqueles que são deixados para lutar com isso devem
enfrentar uma dor sem igual. Eles são deixados como
choque e o infindável „e se‟. São deixados com a raiva e
a culpa e, vez por outra, com um terrível sentimento de
alívio. São deixados para uma infinidade de perguntas
dos outros, respondidas ou não, sobre o Motivo; são
deixados ao silêncio dos outros, que estão
horrorizados, embaraçados, e incapazes de formular um
bilhete de pêsames, dar um abraço, fazer um
comentário; e são deixados com os outros pensando –
e eles também – que poderia ter sido feito mais”
(JAMISON: “Quando a noite cai” p. 264).
“Como vou conseguir perceber o
sofrimento do outro se eu não
percebo o sofrimento do meu
colega?”
O suicídio (como situação limite e
mobilizadora) permitiu olhar o
serviço de uma forma que revelou
angústias e sofrimentos não
apenas para lidar com essa
demanda ...
Capacitar = complexidade
RESPONSABILIDADE
Pensamos que a prevenção ao suicídio exige uma grande
habilidade, horas de conversa, medicamentos e um
tratamento a longo prazo ...
Muitas vezes, coisas simples como oferecer escuta, dizer
uma palavra de conforto e até mesmo uma música são
primeiros passos que fazem diferença.
"Tudo passa? Nada passa!
É isso que ninguém tem coragem de nos dizer. A dor da perda, a dor
de fracassar, a dor de não corresponder a uma expectativa, a dor de
uma saudade, a dor de não saber como agir, de estar perdida, instável,
de ter dúvidas na hora de fazer uma escolha, todas estas dores, que
parecem pequenas para quem está de fora, nos acompanharão até o
fim dos nossos dias. Elas não passam. Elas ficam. Elas aninham-se
dentro da gente, o que não deve servir de motivo para pularmos de
uma ponte.
Mario Quintana escreveu
que nós somos o que
temos e o que sofremos.
Sem dor, sem vida interior.
Não passam as dores,
também não passam as
alegrias. Tudo o que nos
feliz ou infeliz serve para
montar o quebra-cabeça da
nossa vida, um quebra-
cabeça de cem mil peças...
... Aquela noite que você não conseguiu parar de chorar, aquele
dia que você ficou caminhando sem saber para onde ir, aquele
beijo cinematográfico que você recebeu, aquela visita surpresa que
ela lhe fez, o parto do seu filho, a bronca do seu pai, a demissão
injusta, o acidente que lhe deixou cicatrizes, tudo isso vai, aos
pouquinhos, formando quem você é. Não há nenhuma peça que
não se encaixe. Todas são aproveitáveis.
Como são muitas, você
pode esquecer de
algumas, e a isso
chamamos de „passou‟.
Não passou. Está lá
dentro, meio perdida, mas
quando você menos
esperar, ela será
necessária para você
completar o jogo e se
enxergar por inteiro."
- Martha Medeiros em
"Nada passa"
“Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas,
mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra
alma humana.” - Jung
Blog Cuidado, frágil: falando sobre suicídio
http://falandosobresuicidio.blogspot.com.br
Email: lucianacescon@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Suicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenirSuicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenirAbel Sidney Souza
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdfSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdfGabriellaDias35
 
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro AmareloComo o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro AmareloNatália Ribeiro
 
Cartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidioCartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidioKelly Pereira
 
AULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam Gorender
AULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam GorenderAULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam Gorender
AULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam GorenderMiriam Gorender
 
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxMariaClaraFernandes25
 
Apresentação sobre o suicídio
Apresentação   sobre o suicídioApresentação   sobre o suicídio
Apresentação sobre o suicídioTássia Oliveira
 
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevençãoSuicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevençãoWashington Costa
 
SAÚDE MENTAL NO TRABALHO.ppt
SAÚDE MENTAL NO TRABALHO.pptSAÚDE MENTAL NO TRABALHO.ppt
SAÚDE MENTAL NO TRABALHO.pptMarcos Welber
 
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELOAESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELODaniel de Melo
 
Suicídiocompatibilidade
SuicídiocompatibilidadeSuicídiocompatibilidade
SuicídiocompatibilidadeRenata Semann
 

Mais procurados (20)

Suicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenirSuicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenir
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdfSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
 
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro AmareloComo o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
 
Cartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidioCartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidio
 
Não se mate você não morre
Não se mate você não morreNão se mate você não morre
Não se mate você não morre
 
Apresentação soi
Apresentação   soiApresentação   soi
Apresentação soi
 
AULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam Gorender
AULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam GorenderAULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam Gorender
AULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam Gorender
 
Palestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro AmareloPalestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro Amarelo
 
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 
Apresentação sobre o suicídio
Apresentação   sobre o suicídioApresentação   sobre o suicídio
Apresentação sobre o suicídio
 
Mitos e verdades - setembro amarelo
Mitos e verdades  -  setembro amareloMitos e verdades  -  setembro amarelo
Mitos e verdades - setembro amarelo
 
Apresentação Curso de Enfermagem
Apresentação Curso de EnfermagemApresentação Curso de Enfermagem
Apresentação Curso de Enfermagem
 
Setembro Amarelo.pptx
Setembro Amarelo.pptxSetembro Amarelo.pptx
Setembro Amarelo.pptx
 
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevençãoSuicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
 
SAÚDE MENTAL NO TRABALHO.ppt
SAÚDE MENTAL NO TRABALHO.pptSAÚDE MENTAL NO TRABALHO.ppt
SAÚDE MENTAL NO TRABALHO.ppt
 
Automutilação.
Automutilação.Automutilação.
Automutilação.
 
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELOAESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
 
Suicídio
SuicídioSuicídio
Suicídio
 
Suicídiocompatibilidade
SuicídiocompatibilidadeSuicídiocompatibilidade
Suicídiocompatibilidade
 
Suicídio: Atenção na Prevenção
Suicídio: Atenção na Prevenção   Suicídio: Atenção na Prevenção
Suicídio: Atenção na Prevenção
 

Destaque

Soundtrack of my Life, Parr, Joseph
Soundtrack of my Life, Parr, JosephSoundtrack of my Life, Parr, Joseph
Soundtrack of my Life, Parr, JosephJ4os4E5ph
 
Public Health in Scotland - Harry Burns
Public Health in Scotland - Harry BurnsPublic Health in Scotland - Harry Burns
Public Health in Scotland - Harry BurnsNHSScotlandEvent
 
Eksiskah karakter bangsa_(indonesia)_-lukas_sugiarto-_2
Eksiskah karakter bangsa_(indonesia)_-lukas_sugiarto-_2Eksiskah karakter bangsa_(indonesia)_-lukas_sugiarto-_2
Eksiskah karakter bangsa_(indonesia)_-lukas_sugiarto-_2Firda Aurora Sweet
 
Chapter 30 seiu demands economic reforms - SEIU demande des réformes économ...
Chapter 30   seiu demands economic reforms - SEIU demande des réformes économ...Chapter 30   seiu demands economic reforms - SEIU demande des réformes économ...
Chapter 30 seiu demands economic reforms - SEIU demande des réformes économ...SEIU
 
Linden Real Estate Market Report - July 2014
Linden Real Estate Market Report - July 2014Linden Real Estate Market Report - July 2014
Linden Real Estate Market Report - July 2014Jean Zuhl
 
Cell structure function
Cell structure functionCell structure function
Cell structure functionjugafoce
 
Sinopse dir civil parte geral
Sinopse dir civil parte geralSinopse dir civil parte geral
Sinopse dir civil parte geralTereza Cristina
 
мовний табір
мовний табірмовний табір
мовний табірAnna Dudich
 
федерация за всеобщий мир UPF 12.12.12. Международное волонтерство – новые в...
федерация за всеобщий мир UPF 12.12.12.  Международное волонтерство – новые в...федерация за всеобщий мир UPF 12.12.12.  Международное волонтерство – новые в...
федерация за всеобщий мир UPF 12.12.12. Международное волонтерство – новые в...Dmitry Samko
 

Destaque (20)

Soundtrack of my Life, Parr, Joseph
Soundtrack of my Life, Parr, JosephSoundtrack of my Life, Parr, Joseph
Soundtrack of my Life, Parr, Joseph
 
We Guardians March 2015
We Guardians  March 2015We Guardians  March 2015
We Guardians March 2015
 
Services & Service Industries
Services  & Service IndustriesServices  & Service Industries
Services & Service Industries
 
7.3 notes
7.3 notes7.3 notes
7.3 notes
 
Cartas de Vincent a Theo
Cartas de  Vincent a TheoCartas de  Vincent a Theo
Cartas de Vincent a Theo
 
La amistad
La amistadLa amistad
La amistad
 
Public Health in Scotland - Harry Burns
Public Health in Scotland - Harry BurnsPublic Health in Scotland - Harry Burns
Public Health in Scotland - Harry Burns
 
If mp
If mpIf mp
If mp
 
Eksiskah karakter bangsa_(indonesia)_-lukas_sugiarto-_2
Eksiskah karakter bangsa_(indonesia)_-lukas_sugiarto-_2Eksiskah karakter bangsa_(indonesia)_-lukas_sugiarto-_2
Eksiskah karakter bangsa_(indonesia)_-lukas_sugiarto-_2
 
6.6 notes
6.6 notes6.6 notes
6.6 notes
 
6.1 notes
6.1 notes6.1 notes
6.1 notes
 
Chapter 30 seiu demands economic reforms - SEIU demande des réformes économ...
Chapter 30   seiu demands economic reforms - SEIU demande des réformes économ...Chapter 30   seiu demands economic reforms - SEIU demande des réformes économ...
Chapter 30 seiu demands economic reforms - SEIU demande des réformes économ...
 
Linden Real Estate Market Report - July 2014
Linden Real Estate Market Report - July 2014Linden Real Estate Market Report - July 2014
Linden Real Estate Market Report - July 2014
 
Cell structure function
Cell structure functionCell structure function
Cell structure function
 
6.7 notes
6.7 notes6.7 notes
6.7 notes
 
2.6 notes
2.6 notes2.6 notes
2.6 notes
 
Sinopse dir civil parte geral
Sinopse dir civil parte geralSinopse dir civil parte geral
Sinopse dir civil parte geral
 
мовний табір
мовний табірмовний табір
мовний табір
 
федерация за всеобщий мир UPF 12.12.12. Международное волонтерство – новые в...
федерация за всеобщий мир UPF 12.12.12.  Международное волонтерство – новые в...федерация за всеобщий мир UPF 12.12.12.  Международное волонтерство – новые в...
федерация за всеобщий мир UPF 12.12.12. Международное волонтерство – новые в...
 
Gramm
GrammGramm
Gramm
 

Semelhante a Prevenção do suicídio e fatores de risco

2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxcrismiglioranza
 
SETEMBRO AMARELO SUICIDIO.pdf
SETEMBRO AMARELO SUICIDIO.pdfSETEMBRO AMARELO SUICIDIO.pdf
SETEMBRO AMARELO SUICIDIO.pdfBruno Barbosa
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdfSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdfEzziosouza
 
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxLourdesGomes14
 
Slides suicício (2)
Slides suicício (2)Slides suicício (2)
Slides suicício (2)Catiane HENZ
 
Apresentação de TCC sobre Suicídio: compreender, identificar e prevenir.
Apresentação de TCC sobre Suicídio: compreender, identificar e prevenir.Apresentação de TCC sobre Suicídio: compreender, identificar e prevenir.
Apresentação de TCC sobre Suicídio: compreender, identificar e prevenir.Leonardo Leal Luchetta
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxTelma Lima
 
Guia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdf
Guia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdfGuia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdf
Guia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdfTelma Lima
 
PNAISARI PREVENÇAO AO SUICIDIO 13.07- CAROL.pdf
PNAISARI PREVENÇAO AO SUICIDIO 13.07- CAROL.pdfPNAISARI PREVENÇAO AO SUICIDIO 13.07- CAROL.pdf
PNAISARI PREVENÇAO AO SUICIDIO 13.07- CAROL.pdfacondoricassocial
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalAlinebrauna Brauna
 
AUTOMUTILAÇÃO.pptx
AUTOMUTILAÇÃO.pptxAUTOMUTILAÇÃO.pptx
AUTOMUTILAÇÃO.pptxjosefaveloso1
 
Abordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdfAbordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdfJooPauloBTom
 
Prevenção Suicidio.pptx
Prevenção Suicidio.pptxPrevenção Suicidio.pptx
Prevenção Suicidio.pptxIradvyGonalves
 
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e PrevinirTema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e PrevinirDoroteia Múrcia Souza
 
Risco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rochaRisco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rochaInaiara Bragante
 

Semelhante a Prevenção do suicídio e fatores de risco (20)

2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 
SETEMBRO AMARELO SUICIDIO.pdf
SETEMBRO AMARELO SUICIDIO.pdfSETEMBRO AMARELO SUICIDIO.pdf
SETEMBRO AMARELO SUICIDIO.pdf
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdfSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
 
setembro amarelo meire.pptx
setembro amarelo meire.pptxsetembro amarelo meire.pptx
setembro amarelo meire.pptx
 
SUICÍDIO.pptx
SUICÍDIO.pptxSUICÍDIO.pptx
SUICÍDIO.pptx
 
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 
Slides suicício (2)
Slides suicício (2)Slides suicício (2)
Slides suicício (2)
 
2011 suicidio
2011 suicidio2011 suicidio
2011 suicidio
 
Apresentação de TCC sobre Suicídio: compreender, identificar e prevenir.
Apresentação de TCC sobre Suicídio: compreender, identificar e prevenir.Apresentação de TCC sobre Suicídio: compreender, identificar e prevenir.
Apresentação de TCC sobre Suicídio: compreender, identificar e prevenir.
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 
Guia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdf
Guia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdfGuia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdf
Guia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdf
 
PNAISARI PREVENÇAO AO SUICIDIO 13.07- CAROL.pdf
PNAISARI PREVENÇAO AO SUICIDIO 13.07- CAROL.pdfPNAISARI PREVENÇAO AO SUICIDIO 13.07- CAROL.pdf
PNAISARI PREVENÇAO AO SUICIDIO 13.07- CAROL.pdf
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
 
AUTOMUTILAÇÃO.pptx
AUTOMUTILAÇÃO.pptxAUTOMUTILAÇÃO.pptx
AUTOMUTILAÇÃO.pptx
 
Crise e Suicídio
Crise e SuicídioCrise e Suicídio
Crise e Suicídio
 
Abordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdfAbordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdf
 
Prevenção Suicidio.pptx
Prevenção Suicidio.pptxPrevenção Suicidio.pptx
Prevenção Suicidio.pptx
 
Apresentação cuidado, frágil pdf
Apresentação cuidado, frágil pdfApresentação cuidado, frágil pdf
Apresentação cuidado, frágil pdf
 
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e PrevinirTema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
 
Risco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rochaRisco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rocha
 

Prevenção do suicídio e fatores de risco

  • 1. Luciana França Cescon Psicóloga (UNIP 2009) – CRP 06/98.202 Prefeitura de Santos – Saúde Mental - desde 2012 Especialista em Saúde Pública (ATUALIZE 2014) Mestra Profissional em Ensino em Ciências da Saúde (UNIFESP 2015) Membro da ABEPS – Assoc. Bras. de Estudos e Prevenção do Suicídio Colaboradora do Instituto VITA ALERE de Prevenção e Posvenção do Suicídio Falando sobre prevenção do suicídio
  • 2. “Os momentos de angústia disparam movimento ...” - Nota do Diário de Campo
  • 3. (2012) Serviço de Saúde Mental Entre outros casos, pessoas que traziam a ideação suicida ou uma tentativa de suicídio. Procedimento padrão para todos os casos: entrevista de triagem e agendamento de consulta com psiquiatra para a data mais próxima disponível na agenda. PS ZN + Clínica Escola de Psicologia Pesquisa “Cuidado, Frágil: aproximações e distanciamentos de trabalhadores de um CAPS na atenção ao suicídio” - PROTOCOLO
  • 4. Suicídio (OMS): “ato deliberado, intencional, de causar morte a si mesmo [...]”. Ideação suicida, que pode evoluir para um plano suicida ... ... e culminar em um ato suicida, que pode ser fatal (suicídio) ou não (tentativa de suicídio). OMS (2000): a cada 40 segundos um suicídio no mundo. Para cada suicídio, em média 20 tentativas.
  • 5. O suicídio acontece em todas as faixas etárias e encontra-se, em muitos países, entre as três principais causas de morte entre indivíduos de 15 a 44 anos, sendo a segunda principal causa de morte entre indivíduos de 10 a 24 anos. Os índices de casos de suicídio têm aumentado em jovens e idosos. Tabu
  • 6. Brasil: 67a. posição na classificação mundial. Em números: entre os dez países com mais suicídios. Estimativa: cerca de 25 suicídios por dia no Brasil (CVV, 2013). Números subestimados: alguns suicídios são registrados como acidentes ou morte com causa indeterminada. Sobreviventes: Para cada suicídio, de cinco a dez pessoas (familiares, amigos) são afetadas social, emocional e economicamente.
  • 7. Todos estes números falam da relevância da prevenção do suicídio como uma importante questão de Saúde Pública...
  • 8. “Efeito Titanic” Quando 2 parecem + do que 1500 Daniel
  • 9. É possível prevenir? OMS: 90% dos casos de suicídio poderiam ser evitados se houvesse uma rede adequada de atendimento. (CVV, 2013).
  • 10. 2006 - Estratégia Nacional para Prevenção do Suicídio (Brasil). Portaria no. 1876: objetivo de reduzir taxas de suicídios, tentativas de suicídio e os danos associados com comportamentos suicidas, como o impacto traumático do suicídio na família, nas comunidades e na sociedade em geral.
  • 11. “Não somos responsáveis pela vida e pela morte uns dos outros, a vida e a morte de cada homem é dele próprio. Somos, porém, responsáveis por nossos envolvimentos”. HILLMAN, 2011 - “Suicídio e alma” p. 94
  • 12. O SUICÍDIO ESTÁ VINCULADO A ALGUMA DOENÇA MENTAL? O suicídio resulta de uma crise de duração maior ou menor, que varia de pessoa para pessoa. Não está necessariamente ligado a uma doença mental, mas sim a um momento crítico que pode ser superado. As pessoas correm menos risco de se matar quando aceitam ajuda (CVV, 2013). A ideação suicida e a tentativa de suicídio também podem emergir em histórias de vida que vão além de classificações nosológicas e são relatadas como resultado de tristeza e desesperança, questões complexas que não podem ser reduzidas apenas a oferta de medicação, mas que muitas vezes precisam ser olhadas de forma interdisciplinar. Sofrimentos a partir de situações concretas, como bullying, homofobia, violência física, psicológica e/ou sexual, perdas afetivas e econômicas ...
  • 13. Para compreender o significado do ato para cada pessoa, é necessário dispor-se a ouvir e acolher. “Eu tive uma experiência [...] que marcou assim, a certeza do desejo do suicídio. Não era uma pessoa psicótica [...] e foi um desespero social, de não ter mais emprego, de não ter mais como levar comida pra casa, e essa pessoa tentou suicídio esfaqueando o abdômen, e foi pra UTI e assim que ele recobrou a consciência, ele com as próprias mãos arrebentou os pontos ... Pra „retentar‟ o suicídio. [...] [Era] um homem, um pai de família com desemprego há muito tempo. É, tem muito a ver eu acho com [...] o homem como provedor, esse papel que ele tem na sociedade, de prover a família, [...] ele não deve se achar mais ninguém, e tenta ser ninguém dessa forma brusca. [...] Depois ele seguiu no NAPS e o pessoal da Assistência Social conseguiu lá uma colocação pra ele e aí ele foi saindo desse quadro pela questão social, não era uma questão psiquiátrica em si, né. Acabou sendo.” (Técnica Entrevistada)
  • 14. Eliane Brum (2013), no texto “O doping dos pobres: “As pessoas estão sendo viciadas em ansiolíticos nos postos de saúde, afirma uma psicóloga. „São levadas a acreditar que o remédio pode acabar com a sua dor, uma dor que tem causas muito concretas. [...] Uma mulher tinha dois empregos, um de dia, outro de noite. O que ganhava não dava para pagar as contas. Os ônibus que pegava para chegar até esses empregos eram lotados. Ela vivia num barraco. Aí procurou o posto de saúde e lhe trataram com antidepressivos. Não adiantou. Deram-lhe outro medicamento. Nada. Um dia, sem nenhuma esperança ou recurso, ela tentou suicídio‟, conta. A questão é que não há promoção de saúde, porque isso implicaria se preocupar com projeto de vida, com perspectiva de vida, com melhoria das condições de vida. O que há é medicalização da vida‟. ”
  • 15. 4 D: Depressão, desesperança, desamparo e desespero.
  • 16. "Uma jovem que tentou o suicídio após ter perdido o namorado deverá merecer tanto respeito da nossa parte quanto a pessoa idosa que perde o companheiro de muitos anos. Não é possível medir, com uma medida única, o sofrimento alheio; não se pode julgar, nem tirar conclusões. Respeitar é não usar a minha medida para sentir o sofrimento do outro, mas usar a dele próprio. “ - Manual do Voluntário do CVV Imagem de Felipo Rolim
  • 17.
  • 18. Mito: Quem fala sobre suicídio nunca comete suicídio. Realidade: Os pacientes que cometeram suicídio em geral deram avisos ou sinais de sua intenção. Qualquer ameaça deve ser levada a sério.
  • 19. Mito: Falar sobre suicídio com um paciente pode provocar um comportamento suicida. Realidade: Falar sobre suicídio em geral reduz a ansiedade ligada a esse tema, o que pode fazer que o paciente se sinta compreendido e aliviado.
  • 20. Mito: A ideia comum de que a ameaça de suicídio é feita apenas para manipular as pessoas ou chamar a atenção. Realidade: Entende- se que uma ameaça de suicídio sempre deve ser levada a sério. Chegar a esse tipo de recurso indica que a pessoa está sofrendo e necessita de ajuda.
  • 21. Três características da maioria das pessoas sob risco de suicídio: 1. Ambivalência: Quase sempre querem ao mesmo tempo alcançar a morte, mas também viver. 2. Impulsividade: o suicídio pode ser também um ato impulsivo, desencadeado por eventos negativos do dia-a- dia. 3. Rigidez/constrição: Tudo ou nada. “O único caminho é a morte”; “Não há mais nada o que fazer” ... WERLANG, B.G.; BOTEGA, N. J. Comportamento suicida. Porto Alegre: Artmed Editora, 2004.
  • 22. Fatores habitualmente encontrados em pessoas com risco de comportamentos suicidas (Bertolote - “O suicídio e sua prevenção”) Fatores predisponentes -Tentativa (s) prévia (s) de suicídio -Transtornos psiquiátricos (principalmente depressão, alcoolismo, esquizofrenia e certos transtornos de personalidade) -Doenças físicas (terminais, dolorosas, debilitantes, incapacitantes, desaprovadas socialmente - como a AIDS) -História familiar de suicídio, alcoolismo ou outros transtornos psiquiátricos -Estado civil divorciado, viúvo ou solteiro -Isolamento social -Desempregado ou aposentado -Luto ou abuso sexual na infância -Alta recente de internação psiquiátrica
  • 23. Fatores ambientais - Fácil acesso a métodos de suicídio Estressores recentes - Separação conjugal - Luto - Conflitos familiares - Mudança de situação empregatícia ou financeira - Rejeição por parte de pessoa significativa - Vergonha e temor de ser considerado culpado - Raiva ou desejo de vingança
  • 24. É importante estar atento às frases de alerta como: “Eu preferia estar morto” “Eu não posso fazer nada” “Eu não aguento mais” “Eu sou um perdedor e um peso pros outros” “Os outros vão ser mais felizes sem mim”. Por trás delas podem estar sentimentos de pessoas que podem estar pensando em suicídio.
  • 25. Marquetti e Milek (2014) fizeram um estudo no qual observaram que a ideação suicida traz mudanças nas atividades cotidianas dos indivíduos e que estes sinais podem ser observados. 1) Mudanças nas atividades sociais e/ou relações afetivas, como conflitos familiares, afastamento dos filhos, ressentimento com familiares, isolamento social e outros. 2) Mudanças nas atividades laborais e escolares, como demissão do trabalho, abandono dos estudos, perda financeira.
  • 26. 3) Mudanças nas atividades da rotina diária, como abandono do cuidado da casa, abandono do cuidado dos filhos. 4) Mudanças nas atividades eletivas e/ou de lazer, como abandono de atividade religiosa/ que implica em sair de casa. 5) Mudanças nos cuidados pessoais, como diminuição da alimentação e dos cuidados pessoais de higiene e estética. 6) Mudanças nas atividades corporais no cotidiano, como inatividade, insônia, dores no corpo, emagrecimento, choro fácil e sem motivo aparente.
  • 27. 7) Mudanças nos sentimentos e pensamentos do cotidiano, como sensação de abandono, sensação de solidão, decepção com as pessoas, nervoso, depressão, tristeza, raiva, revolta, angústia repentina e intensa, pensamentos sobre problemas, pensamentos sobre a morte e pensamentos sobre como terminar com sua vida. 8) Outros sinais, como bilhetes em papel e mensagens no computador no dia da tentativa de suicídio. Esses sinais são importantes quando pensamos na rede de atenção básica e nas equipes dos serviços, porém para ter acesso a eles, é fundamental oferecer uma escuta qualificada ao usuário e se possível, também estabelecer um vínculo com um familiar ou pessoa próxima. (Percurso suicida: observação e análise de alterações no cotidiano do indivíduo com tentativas de suicídio, de Fernanda Cristina Marquetti e Glenda Milek)
  • 28. Voltando à pesquisa ... Análise de todos os prontuários que chegaram ao serviço de maio/2012 a dezembro/2013. 2012 – 304 casos novos 50 com tentativa de suicídio ou ideação suicida 2013 – 524 casos novos 65 com tentativa de suicídio ou ideação suicida Total do período: 115 casos 47 com tentativa de suicídio
  • 29. O acompanhamento especializado às pessoas que já tentaram suicídio pode ser considerado como um exemplo de ação preventiva essencial, pois segundo Botega et al (2006, citado por SOARES et al, 2011) de 15 a 25% das pessoas que tentam suicídio fazem uma nova tentativa no ano seguinte, 10% conseguem consumar o ato em algum momento do período de 10 anos, compreendido entre a tentativa anterior e o suicídio. A tentativa de suicídio anterior é o maior fator de risco para o suicídio consumado. = Importância da notificação de tentativa de suicídio.
  • 30. Alguns recortes da pesquisa ... Mulher, 44 anos: duas tentativas de suicídio (remédios e cloro com soda cáustica). Tratamento psiquiátrico anterior. Retorno com psicólogo no dia seguinte e consulta psiquiátrica em 08 dias. Acompanhamento psicológico. Mulher, 39 anos: pensamentos suicidas, choro e humor instável. Tratamento psiquiátrico anterior. Consulta psiquiátrica em 90 dias – passou por dois atendimentos médicos e abandonou o tratamento. Homem, 34 anos: tentativa de suicídio anterior. Família em outra cidade. Consulta psiquiátrica em 42 dias – não compareceu. Homem, 33 anos: tentativa de suicídio recente (enforcamento e medicamentos). Veio após alta hospitalar. Consulta psiquiátrica para 116 dias – não compareceu.
  • 31. Entrevistas individuais com os técnicos ... Rodas de conversa ...
  • 32. IDEIAS SOBRE SUICÍDIO ... “Vejo muito sofrimento, seja o suicídio em si ou na tentativa, né?” “Pra mim é uma fuga mesmo, a pessoa não consegue encontrar o que fazer naquela situação e prefere fugir dela”. “Acho que é uma doença psíquica, né? [...] a desesperança, acho que em si já tem alguma coisa de doença associada, né? Porque a pessoa não ver uma luz no fim do túnel acho que já é uma coisa doentia, né?” “Excetuando o fator da patologia, eu acho que a solidão.” “São muitos fatores [...] talvez alguns casos um impulso do desespero, outros casos uma falta de sentido na vida [...] De repente, até a drogadição é um meio de suicídio. [...]”
  • 33. “E eu acho que bate assim pra gente, assim: „Putz, aí, você não fez nada‟, [...] „Aí, tava dizendo que tava sofrendo de alguma maneira e vocês não fizeram nada‟. [...] Não sei, me vem essa sensação mesmo de impotência [...]” “Acaba muita gente tendo pouca escuta, pelo número de pacientes sobre o número de funcionários que é indigno. Tanto pros funcionários quanto pro paciente.” “E infelizmente, embora seja o CAPS, o psicossocial, é médico-centrado, o norte que nós temos é esse, e até quando você tenta oferecer alguma coisa diferente, às vezes já está culturalmente tão né, disseminado essa coisa do médico-centrado que às vezes a pessoa não aceita a escuta ... „Eu só quero o remédio‟ ...” “E quantas pessoas a gente não atendeu no ambulatório que vem com a queixa do suicídio, do desejo da morte, e a gente não dá o que a gente tem de mais rico, que é a escuta pra essas pessoas, a gente soca eles na agenda do médico, que toca remédio e ... isso frustra a gente, nos deixa desanimados, tal, e você não colhe nada do seu trabalho, né? É isso.”
  • 34.  Demanda desafiadora Protocolo x Discussão de Casos  RH ... Capacitação/Sensibilização Espaço de Educação Permanente
  • 35. Proposta de fazer algumas modificações no serviço: Aprofundar a triagem para compreender melhor cada caso. A primeira sugestão é que durante a triagem o técnico esteja atento a frases de alerta que o usuário apresente, tais como: “Eu preferia estar morto”; “Eu não agüento mais” ... Quando o usuário apresenta ideação suicida: Investigar há quanto tempo. Houve alguma situação recente que pode estar relacionada a isso? - Relato de tentativa de suicídio: Quando? De que forma?
  • 36. Nos casos em que o técnico acredite que há um risco de suicídio: conversar com a pessoa atendida sobre uma referência (familiar, amigo, cônjuge), que poderá ser a ponte de cuidado e acompanhamento. Agendar no mínimo um retorno para a próxima semana (com o próprio técnico ou solicitar apoio de um colega) para acompanhar o caso. Encaminhar para um grupo de apoio dentro do próprio serviço (Terapia Comunitária, que já existe, ou o Grupo de Escuta) posteriormente – assim que o usuário apresentar melhora.
  • 37. Sinalizar, de alguma forma, que aquele caso exige maior atenção – no livro de registro de prontuários e na capa do prontuário, por exemplo. Para que qualquer profissional (inclusive a recepcionista) possa identificar se não houver retorno do usuário – a recepcionista poderá avisar um dos técnicos, para uma busca ativa. Passagem de plantão: Discussão de casos que os trabalhadores consideravam mais importantes, para compartilhar e trocar ideias com a equipe. Uma vez por semana: Educação Permanente com textos trazidos pelos membros da equipe, não só sobre essa temática.
  • 38. OMS (2000): Manual de prevenção do suicídio para profissionais da Atenção Primária Equipe tem um longo e próximo contato com a comunidade, bem aceita pela população local. É frequentemente o primeiro recurso de atenção à saúde. O seu conhecimento da comunidade permite-lhe reunir o apoio dos familiares, amigos e organizações. Esse profissional está em posição de oferecer cuidado continuado. É também a porta de entrada aos serviços de saúde para os que deles necessitarem. = Atendimento compartilhado
  • 39. Entrevistas individuais com as técnicas : recorte metodológico – profissionais que faziam a entrevista de triagem e definiam as condutas. Mas considero importante destacar: - O papel da equipe de Enfermagem - Os bolos da Eliana - “Escrevivendo”, Terapia Comunitária ... - O papel dos demais profissionais: assistente social (depoimento da entrevistada), terapeuta ocupacional (Marquetti), recepcionista, acompanhante terapêutico, equipe de Enfermagem, psiquiatra (acessível, atento às informações, atualizando o prontuário) ... - Atenção Básica, Escola ... - Oferecer algo além da internação no momento da crise ... - Cursos de Graduação, especialmente da Saúde
  • 41. Como perguntar? “Você se sente triste?” “Você sente que a vida não vale mais a pena ser vivida?” Quando encaminhar para Atenção Especializada? • Doença psiquiátrica; • Uma história de tentativa de suicídio anterior; • Uma história familiar de suicídio, alcoolismo ou doença mental; • Doença física; • Nenhum apoio social. O que fazer Ouvir, mostrar empatia, e ficar calmo; Leve a situação a sério e verifique o grau de risco; Explore as outras saídas, além do suicídio; Identifique outros formas de dar apoio emocional; Tome atitudes, conte a outros, consiga ajuda (OMS, 2000)
  • 42. O que não fazer • Ignorar a situação; • Ficar chocado ou envergonhado e em pânico; • Falar que tudo vai ficar bem; • Desafiar a pessoa a continuar em frente; • Fazer o problema parecer trivial; • Dar falsas garantias; • Jurar segredo; • Deixar a pessoa sozinha. “Compromisso, sensibilidade, conhecimento, preocupação com outro ser humano e a crença de que a vida é um aprendizado que vale a pena - são os principais recursos que os profissionais de saúde primária têm; apoiados nisso eles podem ajudar a prevenir o suicídio.” (OMS, 2000)
  • 43. Posvenção – A importância de cuidar de quem ficou “Suicídio não é um ato solitário. A pessoa amada pensa que está matando apenas a si mesma, mas ela também mata uma parte de nós.” (BOLTON, 1997, p. 202). “O suicídio é uma morte como nenhuma outra, e aqueles que são deixados para lutar com isso devem enfrentar uma dor sem igual. Eles são deixados como choque e o infindável „e se‟. São deixados com a raiva e a culpa e, vez por outra, com um terrível sentimento de alívio. São deixados para uma infinidade de perguntas dos outros, respondidas ou não, sobre o Motivo; são deixados ao silêncio dos outros, que estão horrorizados, embaraçados, e incapazes de formular um bilhete de pêsames, dar um abraço, fazer um comentário; e são deixados com os outros pensando – e eles também – que poderia ter sido feito mais” (JAMISON: “Quando a noite cai” p. 264).
  • 44. “Como vou conseguir perceber o sofrimento do outro se eu não percebo o sofrimento do meu colega?” O suicídio (como situação limite e mobilizadora) permitiu olhar o serviço de uma forma que revelou angústias e sofrimentos não apenas para lidar com essa demanda ... Capacitar = complexidade
  • 46. Pensamos que a prevenção ao suicídio exige uma grande habilidade, horas de conversa, medicamentos e um tratamento a longo prazo ... Muitas vezes, coisas simples como oferecer escuta, dizer uma palavra de conforto e até mesmo uma música são primeiros passos que fazem diferença.
  • 47. "Tudo passa? Nada passa! É isso que ninguém tem coragem de nos dizer. A dor da perda, a dor de fracassar, a dor de não corresponder a uma expectativa, a dor de uma saudade, a dor de não saber como agir, de estar perdida, instável, de ter dúvidas na hora de fazer uma escolha, todas estas dores, que parecem pequenas para quem está de fora, nos acompanharão até o fim dos nossos dias. Elas não passam. Elas ficam. Elas aninham-se dentro da gente, o que não deve servir de motivo para pularmos de uma ponte. Mario Quintana escreveu que nós somos o que temos e o que sofremos. Sem dor, sem vida interior. Não passam as dores, também não passam as alegrias. Tudo o que nos feliz ou infeliz serve para montar o quebra-cabeça da nossa vida, um quebra- cabeça de cem mil peças...
  • 48. ... Aquela noite que você não conseguiu parar de chorar, aquele dia que você ficou caminhando sem saber para onde ir, aquele beijo cinematográfico que você recebeu, aquela visita surpresa que ela lhe fez, o parto do seu filho, a bronca do seu pai, a demissão injusta, o acidente que lhe deixou cicatrizes, tudo isso vai, aos pouquinhos, formando quem você é. Não há nenhuma peça que não se encaixe. Todas são aproveitáveis. Como são muitas, você pode esquecer de algumas, e a isso chamamos de „passou‟. Não passou. Está lá dentro, meio perdida, mas quando você menos esperar, ela será necessária para você completar o jogo e se enxergar por inteiro." - Martha Medeiros em "Nada passa"
  • 49. “Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana.” - Jung Blog Cuidado, frágil: falando sobre suicídio http://falandosobresuicidio.blogspot.com.br Email: lucianacescon@yahoo.com.br