SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Gravidez na Adolescência
Gravidez na adolescência A adolescência implica um período de mudanças físicas e emocionais que é considerado, por vários autores, um momento de crise. Não podemos descrever a adolescência como uma simples adaptação às transformações corporais, mas sim como um importante período no ciclo de vida que corresponde a diferentes tomadas de posição sentidas ao nível social, familiar e também sexual
A puberdade marca o início da vida reprodutiva de rapazes e     raparigas, sendo caracterizada por      mudanças fisiológicas e psicológicas.     Uma gravidez na adolescência provoca     alterações na transformação que já vem ocorrendo de forma natural, ou seja, implica um duplo esforço de adaptação interna fisiológica e uma dupla movimentação de duas realidades que convergem num único momento: estar grávida e ser adolescente.
Porque e que e tão difícil ser mãe adolescente?  Quando se trata de uma adolescente, as mudanças emocionais e físicas são acrescidas, questões de ordem psicossocial e ainda de falta de apoio, as quais podem tornar a gravidez numa experiência traumática, num problema emocional e de saúde e promotor de exclusão social.
Quais as principais queixas de uma jovem Grávida?  Dificuldade na relação com os pais pelo surgimento da gravidez;  Dificuldade na relação consigo própria pela “necessidade” de integrar a gravidez e a expectativa da maternidade nos seus projectos e interesses de adolescente; Receio de possíveis alterações no relacionamento com o seu namorado; Dificuldade em conseguir gerir a relação com o seu grupo de amigos; Dificuldade em encontrar um espaço onde se sinta confortável para falar sobre os seus medos e dúvidas face à situação vivida.
Violência no namoro
                   O que é? Existe violência quando, numa relação amorosa, um exerce poder e controlo sobre o outro, com o objectivo de obter o que deseja.A violência nas relações amorosas surge quando:os rapazes pensam que:- têm o direito de decidir determinadas coisas pela namorada- o respeito impõe-se- ser masculino é ser agressivo e usar a forçaas raparigas acreditam que: - as crises de ciúme e o sentimento de posse do namorado significam que ele a ama- são responsáveis pelos problemas da relação - não podem recusar ter relações sexuais quando ele desejaA violência não conhece fronteiras de estratos sociais, faixas etárias, religiões, etnias, etc, e ocorre em todos os casais (hetero e homossexuais).
Porque é que uma jovem mantém uma relação de namoro violenta? Normalmente a violência não é uma constante na relação, acontece ocasionalmente, e após o episódio de violência existe a chamada fase de “lua-de-mel”. Nesta fase o agressor procura desculpabilizar-se e desobrigar, pedindo desculpa, oferecendo presentes e prometendo que a violência não voltará a acontecer.As razões pelas quais as jovens mantêm uma relação de namoro violenta são várias, entre as quais: 1. Gostar realmente do namorado, querer que a violência acabe e não o namoro, e acreditar que poderá mudá-lo.
2. A pressão do grupo:- Aquilo que as nossas amigas e amigos pensam sobre nós tem muita importância e gostamos de sentir que somos aceites.- Os namorados normalmente partilham o mesmo grupo de amigas e amigos, o que é que o grupo vai fazer se terminar o namoro? Vai escolher ficar do lado dela ou dele? E se não acreditarem nela, ao saberem os motivos que a levaram a terminar a relação? E se escolherem ficar do lado dele? Os rapazes que são violentos em privado, podem aparentar serem calmos e carinhosos publicamente.3. A vergonha  (de contar à família e amigas/os o que se está a passar).4. O medo (das represálias, perseguições, ameaças).
 É preciso muita coragem para terminar uma relação que não é violenta, torna-se ainda mais difícil quando se trata de uma relação violenta e abusiva.
Quais as consequências de uma relação violenta? A violência no namoro tem consequências graves em termos de saúde física e mental para a jovem, tais como:- Perda de apetite e emagrecimento excessivo- Dores de cabeça- Nódoas negras- Queimaduras (ácido, pontas de cigarro)- Nervosismo- Tristeza- Ansiedade- Sentimentos de culpa- Baixa auto-estima- Confusão- Depressão- Isolamento - Gravidez indesejada - Doenças sexualmente transmissíveis - Baixa dos rendimentos escolares ou abandono escolar - Suicídio
Bullying
Bullying O termo “Bullying” compreende todas as formas de atitudes agressivas, intencionais e repetidas, que ocorrem sem motivação evidente, adoptadas por um ou mais indivíduos contra outro(s), causando dor e angústia, e executadas dentro de uma relação desigual de poder. Os actos repetidos entre elementos da mesma comunidade(colegas) e o desequilibro de poder são as características essenciais, que tornam possível a intimidação da vítima.
Em princípio, pode parecer uma simples brincadeira mas não deve ser visto desta forma. A agressão moral, verbal e até corporal sofrida pelos alunos, provocando sofrimento na vítima da “brincadeira”, esta pode entrar em depressão. Bullying!!    Tem de acabar!!
Os agressores são indivíduos que têm pouca empatia. Frequentemente, pertencem a famílias desestruturadas, nas quais não há relacionamentos afectivos entre os seus membros. Os pais exercem uma supervisão fraca sobre os seus filhos, toleram e oferecem modelos errados para solucionar conflitos ou comportamentos agressivos.
 Admite-se que os que praticam o “Bullying” têm grande probalidade de se tornarem adultos com comportamentos anti-sociais e/ou violentos, podendo mesmo a tornarem-se criminosos. Os autores do “Bullying” são os alunos que só praticam “Bullying”, são os agressores. O bullying tem motivado pesquisadores, educadores de todas as áreas a estudar as causas que motivam a banalização humana e a perda colectiva de alguns valores sociais e do significado da palavra respeito no relacionamento entre colegas. Palavra inglesa para definir a forma intencional de maltratar uma outra pessoa.
Principais tipos de Bullying Físico (bater, pontapear, beliscar, ferir, empurrar, agredir)  Verbal (apelidos, gozar, insultar)  Moral (difamar, caluniar, discriminar, tiranizar)  Sexual (abusar, assediar, insinuar, violar sexualmente)  Psicológico (intimidar, ameaçar, perseguir, ignorar, aterrorizar, excluir, humilhar)  Material (roubar, destruir pertences materiais e pessoais)  Virtual (insultar, discriminar, difamar, humilhar, ofender por meio da Internet e telemóveis)
Efeitos sobre os Alvos incluem: Depressão reactiva, uma forma de depressão clínica causada por eventos exógenos; Stress de desordem pós-traumática; Torna-se também um agressor; Ansiedade; Problemas gástricos; Dores não especificadas; Perda de auto-estima; Medo de expressões e emoções; Problemas de relacionamento; Abuso de drogas e álcool; Auto-mutilação; Suicídio (também conhecido como bullycídio).
Efeitos numa Escola incluem: Níveis elevados de faltas escolares (absentismo) Alto nível de faltas indisciplinares por males menores Desrespeito pelos professores
Como agir com uma vítima de BULLYING? Saiba que ele(a) está a precisar de ajuda; Não tente ignorar a situação; Procure manter a calma; Mostre que a violência deve ser evitada; Não o agrida ,nem o intimide; Mostre que sabe o que está a acontecer converse com ele; Garanta a ele que o quer ajudar; Tente identificar algum problema actual; Com o consentimento dele tente entrar em contacto com a Escola; Procurar auxiliá-lo a encontrar meios não agressivos; Encoraje-o a pedir desculpa ao colega que agrediu; Tente descobrir alguma coisa positiva em que ele se possa sair bem para elevar a sua auto-estima.
Anorexia
O que é? Apesar de se manifestarem de uma forma antagónica a bulimia e a anorexia estão muitas vezes relacionadas. Embora existam outros tipos de anorexia.   É uma doença mais do foro psíquico que afecta actualmente cada vez maior número de jovens, especialmente e quase na totalidade raparigas. Manifesta-se por uma rejeição aos alimentos.   As anorécticas são frequentemente pessoas dependentes, actuando duma forma independente e extremamente carentes de afecto.
Alguns médicos consideram a anorexia como uma doença física consequência duma disfunção cerebral ao nível do hipo tálamo, que comanda os estímulos da fome, sede e amadurecimento sexual.   Por vezes as jovens são tratadas a nível psiquiátrico, quando atinge a anorexia mental, devido a fortes  perturbações mentais.
Consequências                                              Raparigas    Em muitos casos acabam por perder a identidade;  Há uma tendência para o suicídio;  Uma verdadeira desmotivação de vida;  São levadas a uma desnutrição grave;  A uma paragem cardíaca, devido a uma baixa de potássio no sangue.  A adolescente anoréctica envelhece prematuramente;  Os cabelos caiem; A pele seca enruga-se; As unhas ficam quebradiças; O pulso é mais lento (por vezes menos de 60 pulsações), as extremidades estão geralmente frias;  A tensão arterial baixa; Os períodos menstruais tornam-se extremamente irregulares.
                                  Rapazes  Perda de capacidade de erecção;  Perda gradual do desejo sexual;  Ingestão quase exclusiva de frutas e saladas;  Tendência para maior agressividade e isolamento social;   Hiperactividade física;  Perturbações do sono.
Depressão
O que é? A depressão é uma doença mental que se caracteriza por tristeza, perda de interesse por actividades habitualmente sentidas como agradáveis e perda de energia ou cansaço fácil.  Este problema, pode afectar pessoas de todas as idades, desde a infância à terceira idade, e se não for tratada, pode conduzir ao suicídio. A depressão pode ser episódica, recorrente ou crónica, e conduz à diminuição substancial da capacidade que o indivíduo tem em assegurar as suas responsabilidades do dia-a-dia.   A depressão é mais comum nas mulheres do que nos homens.
Quais os factores de risco? Pessoas com episódios de depressão no passado;  Pessoas com história familiar de depressão;  Pessoas que sofrem um qualquer tipo de perda significativa, (mais habitualmente a perda de alguém próximo);  Pessoas com doenças crónicas - sofrendo do coração, com hipertensão, com asma, com diabetes, com história de tromboses, com artroses e outras doenças reumáticas, SIDA, cancro e outras doenças;
Pessoas que habitam com um familiar portador de doença grave e crónica (por exemplo, pessoas que cuidam de doentes com Alzheimer);  Pessoas com tendência para ansiedade e pânico;  Pessoas com profissões geradoras de stress ou em circunstâncias de vida que causem stress; Pessoas com dependência de substâncias químicas (drogas) e álcool;  Pessoas idosas.
Sintomas mais comuns? Modificação do apetite (falta ou excesso de apetite);  Fadiga, cansaço e perda de energia;  Sentimentos de inutilidade, de falta de confiança e de auto-estima, sentimentos de culpa e sentimento de incapacidade;  Preocupação com o sentido da vida e com a morte;  Alterações do desejo sexual;  Manifestação de sintomas físicos, como dor muscular, dor abdominal, enjoo-o.
Causas Há factores que influenciam o aparecimento e a permanência de episódios depressivos. Por exemplo, condições de vida adversas, o divórcio, a perda de um ente querido, o desemprego, a incapacidade em lidar com determinadas situações ou em ultrapassar obstáculos, etc.
Algumas doenças podem provocar ou facilitar a ocorrência de episódios depressivos ou a evolução para depressão crónica. São exemplo as doenças infecciosas, a doença de Parkinson, o cancro, outras doenças mentais, doenças hormonais, a dependência de substâncias como o álcool, entre outras.
Como se pode tratar a depressão? Pode-se tratar uma depressão através do uso de medicamentos, de intervenções psicoterapêuticas, ou da conjugação de ambas.  As intervenções psicoterapêuticas são particularmente úteis nas situações ligeiras e reactivas às adversidades da vida bem como em     associação com medicamentos     nas situações  moderadas e graves.
Os medicamentos usados no tratamento das depressões são designados por antidepressivos. Estes medicamentos são a pedra basilar do tratamento das depressões moderadas e graves e das depressões crónicas, podendo ser úteis nas depressões ligeiras e não criam habituação nem alteram a personalidade da pessoa.
Se o médico lhe prescrever medicamentos antidepressivos, siga as suas indicações e nunca pare o tratamento sem lhe comunicar as razões. Estes medicamentos não têm efeito imediato: pode demorar algumas semanas, 4 a 6, até começar a sentir-se melhor. O tratamento dura no mínimo quatro a seis meses.
Catarina Cruz Nº3         9ºB

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fatores de Riscos
Fatores de RiscosFatores de Riscos
Fatores de Riscos
Net Viva
 

Mais procurados (20)

AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELOAESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
 
Personalidade limitrofe
Personalidade limitrofePersonalidade limitrofe
Personalidade limitrofe
 
Depressão na adolescência
Depressão na adolescênciaDepressão na adolescência
Depressão na adolescência
 
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
 
Bullyng
BullyngBullyng
Bullyng
 
Salvamento de suicida
Salvamento de suicidaSalvamento de suicida
Salvamento de suicida
 
Suicídio
SuicídioSuicídio
Suicídio
 
Palestra vbg liceu
Palestra vbg liceuPalestra vbg liceu
Palestra vbg liceu
 
Aula 04 Adolescentes I Bullying um problema social I EBD 2017
Aula 04  Adolescentes I Bullying um problema social I EBD 2017 Aula 04  Adolescentes I Bullying um problema social I EBD 2017
Aula 04 Adolescentes I Bullying um problema social I EBD 2017
 
Manual prevencao do suicidio para professores e educadores
Manual prevencao do suicidio para professores e educadoresManual prevencao do suicidio para professores e educadores
Manual prevencao do suicidio para professores e educadores
 
A Depressão
A DepressãoA Depressão
A Depressão
 
Violencia psicológica
Violencia psicológicaViolencia psicológica
Violencia psicológica
 
Prevenção ao Suicídio - Um Recurso para Conselheiros
Prevenção ao Suicídio - Um Recurso para ConselheirosPrevenção ao Suicídio - Um Recurso para Conselheiros
Prevenção ao Suicídio - Um Recurso para Conselheiros
 
Bullying - Nao e Coisa de Crianca
Bullying - Nao e Coisa de CriancaBullying - Nao e Coisa de Crianca
Bullying - Nao e Coisa de Crianca
 
Fatores de Riscos
Fatores de RiscosFatores de Riscos
Fatores de Riscos
 
Depressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e AdolescênciaDepressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e Adolescência
 
Palestra - Violência no Namoro
Palestra - Violência no NamoroPalestra - Violência no Namoro
Palestra - Violência no Namoro
 
Bullying marcelo
Bullying marceloBullying marcelo
Bullying marcelo
 
Apresentação1 cópia
Apresentação1   cópiaApresentação1   cópia
Apresentação1 cópia
 
Não se mate você não morre
Não se mate você não morreNão se mate você não morre
Não se mate você não morre
 

Destaque

Violência no namoro ação de sensibilização
Violência no namoro   ação de sensibilizaçãoViolência no namoro   ação de sensibilização
Violência no namoro ação de sensibilização
luiscontente
 
Violência no namoro
Violência no namoroViolência no namoro
Violência no namoro
pief2
 
Namoro Noivado Sexo Casamento
Namoro Noivado Sexo CasamentoNamoro Noivado Sexo Casamento
Namoro Noivado Sexo Casamento
prweber
 

Destaque (20)

Namoro
NamoroNamoro
Namoro
 
Namoro, muito mais que diversão.
Namoro, muito mais que diversão.Namoro, muito mais que diversão.
Namoro, muito mais que diversão.
 
Como Namorar Em Cristo
Como Namorar Em CristoComo Namorar Em Cristo
Como Namorar Em Cristo
 
Namoro cristão
Namoro cristãoNamoro cristão
Namoro cristão
 
O que é Namoro para o Cristão
O que é Namoro para o CristãoO que é Namoro para o Cristão
O que é Namoro para o Cristão
 
Alterações fisiológicas da gravidez curso de pré-natal - jean mendes
Alterações fisiológicas da gravidez   curso de pré-natal - jean mendesAlterações fisiológicas da gravidez   curso de pré-natal - jean mendes
Alterações fisiológicas da gravidez curso de pré-natal - jean mendes
 
Violência no namoro ação de sensibilização
Violência no namoro   ação de sensibilizaçãoViolência no namoro   ação de sensibilização
Violência no namoro ação de sensibilização
 
Namoro Cristão. Uma bênção de Deus. PALESTRA
Namoro Cristão. Uma bênção de Deus. PALESTRANamoro Cristão. Uma bênção de Deus. PALESTRA
Namoro Cristão. Uma bênção de Deus. PALESTRA
 
Namoro cristao
Namoro cristaoNamoro cristao
Namoro cristao
 
Violência no namoro
Violência no namoroViolência no namoro
Violência no namoro
 
E Por Falar em Namoro... Como Está Seu Relacionamento com Deus?
E Por Falar em Namoro... Como Está Seu Relacionamento com Deus?E Por Falar em Namoro... Como Está Seu Relacionamento com Deus?
E Por Falar em Namoro... Como Está Seu Relacionamento com Deus?
 
Amizade e Namoro
Amizade e NamoroAmizade e Namoro
Amizade e Namoro
 
Violência no namoro
Violência no namoroViolência no namoro
Violência no namoro
 
Pr. Paulo Rabello - Estabelecendo Limites no Namoro
Pr. Paulo Rabello - Estabelecendo Limites no NamoroPr. Paulo Rabello - Estabelecendo Limites no Namoro
Pr. Paulo Rabello - Estabelecendo Limites no Namoro
 
Amizade e namoro
Amizade e namoroAmizade e namoro
Amizade e namoro
 
Propósito no namoro.
Propósito no namoro.Propósito no namoro.
Propósito no namoro.
 
Namoro consequências
Namoro   consequênciasNamoro   consequências
Namoro consequências
 
O Namoro Cristão
O Namoro CristãoO Namoro Cristão
O Namoro Cristão
 
Namoro Noivado Sexo Casamento
Namoro Noivado Sexo CasamentoNamoro Noivado Sexo Casamento
Namoro Noivado Sexo Casamento
 
Namoro na adolescencia
Namoro na adolescenciaNamoro na adolescencia
Namoro na adolescencia
 

Semelhante a Catarina cruz -_power_point_brutal

Género e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas EscolasGénero e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas Escolas
Michele Pó
 
Bullying psicológico
Bullying   psicológicoBullying   psicológico
Bullying psicológico
Isabel Cabral
 

Semelhante a Catarina cruz -_power_point_brutal (20)

Abuse
AbuseAbuse
Abuse
 
AUTOMUTILAÇÃO.pptx
AUTOMUTILAÇÃO.pptxAUTOMUTILAÇÃO.pptx
AUTOMUTILAÇÃO.pptx
 
Textos sobre bullying
Textos sobre bullyingTextos sobre bullying
Textos sobre bullying
 
Violência Doméstica
Violência DomésticaViolência Doméstica
Violência Doméstica
 
RELACIONAMENTOS ABUSIVOS
RELACIONAMENTOS ABUSIVOSRELACIONAMENTOS ABUSIVOS
RELACIONAMENTOS ABUSIVOS
 
Género e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas EscolasGénero e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas Escolas
 
Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)
Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)
Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)
 
Violência em meio escolar
Violência em meio escolarViolência em meio escolar
Violência em meio escolar
 
Abordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdfAbordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdf
 
Bordeline Bipolares E Outros
Bordeline Bipolares E OutrosBordeline Bipolares E Outros
Bordeline Bipolares E Outros
 
Bordeline Bipolares E Outros
Bordeline Bipolares E OutrosBordeline Bipolares E Outros
Bordeline Bipolares E Outros
 
2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química
2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química
2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química
 
Perturbações psicológicas na adolescência
Perturbações psicológicas na adolescênciaPerturbações psicológicas na adolescência
Perturbações psicológicas na adolescência
 
Estudo para cura
Estudo para curaEstudo para cura
Estudo para cura
 
Estudo para cura
Estudo para curaEstudo para cura
Estudo para cura
 
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-laViolência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
 
O bullying conhecer para combater
O bullying conhecer para combaterO bullying conhecer para combater
O bullying conhecer para combater
 
Bullying psicológico
Bullying   psicológicoBullying   psicológico
Bullying psicológico
 
O que é bullying
O que é bullyingO que é bullying
O que é bullying
 
O que é bullying
O que é bullyingO que é bullying
O que é bullying
 

Catarina cruz -_power_point_brutal

  • 2. Gravidez na adolescência A adolescência implica um período de mudanças físicas e emocionais que é considerado, por vários autores, um momento de crise. Não podemos descrever a adolescência como uma simples adaptação às transformações corporais, mas sim como um importante período no ciclo de vida que corresponde a diferentes tomadas de posição sentidas ao nível social, familiar e também sexual
  • 3. A puberdade marca o início da vida reprodutiva de rapazes e raparigas, sendo caracterizada por mudanças fisiológicas e psicológicas. Uma gravidez na adolescência provoca alterações na transformação que já vem ocorrendo de forma natural, ou seja, implica um duplo esforço de adaptação interna fisiológica e uma dupla movimentação de duas realidades que convergem num único momento: estar grávida e ser adolescente.
  • 4. Porque e que e tão difícil ser mãe adolescente? Quando se trata de uma adolescente, as mudanças emocionais e físicas são acrescidas, questões de ordem psicossocial e ainda de falta de apoio, as quais podem tornar a gravidez numa experiência traumática, num problema emocional e de saúde e promotor de exclusão social.
  • 5. Quais as principais queixas de uma jovem Grávida? Dificuldade na relação com os pais pelo surgimento da gravidez; Dificuldade na relação consigo própria pela “necessidade” de integrar a gravidez e a expectativa da maternidade nos seus projectos e interesses de adolescente; Receio de possíveis alterações no relacionamento com o seu namorado; Dificuldade em conseguir gerir a relação com o seu grupo de amigos; Dificuldade em encontrar um espaço onde se sinta confortável para falar sobre os seus medos e dúvidas face à situação vivida.
  • 7. O que é? Existe violência quando, numa relação amorosa, um exerce poder e controlo sobre o outro, com o objectivo de obter o que deseja.A violência nas relações amorosas surge quando:os rapazes pensam que:- têm o direito de decidir determinadas coisas pela namorada- o respeito impõe-se- ser masculino é ser agressivo e usar a forçaas raparigas acreditam que: - as crises de ciúme e o sentimento de posse do namorado significam que ele a ama- são responsáveis pelos problemas da relação - não podem recusar ter relações sexuais quando ele desejaA violência não conhece fronteiras de estratos sociais, faixas etárias, religiões, etnias, etc, e ocorre em todos os casais (hetero e homossexuais).
  • 8. Porque é que uma jovem mantém uma relação de namoro violenta? Normalmente a violência não é uma constante na relação, acontece ocasionalmente, e após o episódio de violência existe a chamada fase de “lua-de-mel”. Nesta fase o agressor procura desculpabilizar-se e desobrigar, pedindo desculpa, oferecendo presentes e prometendo que a violência não voltará a acontecer.As razões pelas quais as jovens mantêm uma relação de namoro violenta são várias, entre as quais: 1. Gostar realmente do namorado, querer que a violência acabe e não o namoro, e acreditar que poderá mudá-lo.
  • 9. 2. A pressão do grupo:- Aquilo que as nossas amigas e amigos pensam sobre nós tem muita importância e gostamos de sentir que somos aceites.- Os namorados normalmente partilham o mesmo grupo de amigas e amigos, o que é que o grupo vai fazer se terminar o namoro? Vai escolher ficar do lado dela ou dele? E se não acreditarem nela, ao saberem os motivos que a levaram a terminar a relação? E se escolherem ficar do lado dele? Os rapazes que são violentos em privado, podem aparentar serem calmos e carinhosos publicamente.3. A vergonha (de contar à família e amigas/os o que se está a passar).4. O medo (das represálias, perseguições, ameaças).
  • 10. É preciso muita coragem para terminar uma relação que não é violenta, torna-se ainda mais difícil quando se trata de uma relação violenta e abusiva.
  • 11. Quais as consequências de uma relação violenta? A violência no namoro tem consequências graves em termos de saúde física e mental para a jovem, tais como:- Perda de apetite e emagrecimento excessivo- Dores de cabeça- Nódoas negras- Queimaduras (ácido, pontas de cigarro)- Nervosismo- Tristeza- Ansiedade- Sentimentos de culpa- Baixa auto-estima- Confusão- Depressão- Isolamento - Gravidez indesejada - Doenças sexualmente transmissíveis - Baixa dos rendimentos escolares ou abandono escolar - Suicídio
  • 13. Bullying O termo “Bullying” compreende todas as formas de atitudes agressivas, intencionais e repetidas, que ocorrem sem motivação evidente, adoptadas por um ou mais indivíduos contra outro(s), causando dor e angústia, e executadas dentro de uma relação desigual de poder. Os actos repetidos entre elementos da mesma comunidade(colegas) e o desequilibro de poder são as características essenciais, que tornam possível a intimidação da vítima.
  • 14. Em princípio, pode parecer uma simples brincadeira mas não deve ser visto desta forma. A agressão moral, verbal e até corporal sofrida pelos alunos, provocando sofrimento na vítima da “brincadeira”, esta pode entrar em depressão. Bullying!! Tem de acabar!!
  • 15. Os agressores são indivíduos que têm pouca empatia. Frequentemente, pertencem a famílias desestruturadas, nas quais não há relacionamentos afectivos entre os seus membros. Os pais exercem uma supervisão fraca sobre os seus filhos, toleram e oferecem modelos errados para solucionar conflitos ou comportamentos agressivos.
  • 16. Admite-se que os que praticam o “Bullying” têm grande probalidade de se tornarem adultos com comportamentos anti-sociais e/ou violentos, podendo mesmo a tornarem-se criminosos. Os autores do “Bullying” são os alunos que só praticam “Bullying”, são os agressores. O bullying tem motivado pesquisadores, educadores de todas as áreas a estudar as causas que motivam a banalização humana e a perda colectiva de alguns valores sociais e do significado da palavra respeito no relacionamento entre colegas. Palavra inglesa para definir a forma intencional de maltratar uma outra pessoa.
  • 17. Principais tipos de Bullying Físico (bater, pontapear, beliscar, ferir, empurrar, agredir) Verbal (apelidos, gozar, insultar) Moral (difamar, caluniar, discriminar, tiranizar) Sexual (abusar, assediar, insinuar, violar sexualmente) Psicológico (intimidar, ameaçar, perseguir, ignorar, aterrorizar, excluir, humilhar) Material (roubar, destruir pertences materiais e pessoais) Virtual (insultar, discriminar, difamar, humilhar, ofender por meio da Internet e telemóveis)
  • 18. Efeitos sobre os Alvos incluem: Depressão reactiva, uma forma de depressão clínica causada por eventos exógenos; Stress de desordem pós-traumática; Torna-se também um agressor; Ansiedade; Problemas gástricos; Dores não especificadas; Perda de auto-estima; Medo de expressões e emoções; Problemas de relacionamento; Abuso de drogas e álcool; Auto-mutilação; Suicídio (também conhecido como bullycídio).
  • 19. Efeitos numa Escola incluem: Níveis elevados de faltas escolares (absentismo) Alto nível de faltas indisciplinares por males menores Desrespeito pelos professores
  • 20. Como agir com uma vítima de BULLYING? Saiba que ele(a) está a precisar de ajuda; Não tente ignorar a situação; Procure manter a calma; Mostre que a violência deve ser evitada; Não o agrida ,nem o intimide; Mostre que sabe o que está a acontecer converse com ele; Garanta a ele que o quer ajudar; Tente identificar algum problema actual; Com o consentimento dele tente entrar em contacto com a Escola; Procurar auxiliá-lo a encontrar meios não agressivos; Encoraje-o a pedir desculpa ao colega que agrediu; Tente descobrir alguma coisa positiva em que ele se possa sair bem para elevar a sua auto-estima.
  • 22. O que é? Apesar de se manifestarem de uma forma antagónica a bulimia e a anorexia estão muitas vezes relacionadas. Embora existam outros tipos de anorexia.   É uma doença mais do foro psíquico que afecta actualmente cada vez maior número de jovens, especialmente e quase na totalidade raparigas. Manifesta-se por uma rejeição aos alimentos.   As anorécticas são frequentemente pessoas dependentes, actuando duma forma independente e extremamente carentes de afecto.
  • 23. Alguns médicos consideram a anorexia como uma doença física consequência duma disfunção cerebral ao nível do hipo tálamo, que comanda os estímulos da fome, sede e amadurecimento sexual.   Por vezes as jovens são tratadas a nível psiquiátrico, quando atinge a anorexia mental, devido a fortes perturbações mentais.
  • 24. Consequências Raparigas   Em muitos casos acabam por perder a identidade; Há uma tendência para o suicídio; Uma verdadeira desmotivação de vida; São levadas a uma desnutrição grave; A uma paragem cardíaca, devido a uma baixa de potássio no sangue. A adolescente anoréctica envelhece prematuramente; Os cabelos caiem; A pele seca enruga-se; As unhas ficam quebradiças; O pulso é mais lento (por vezes menos de 60 pulsações), as extremidades estão geralmente frias; A tensão arterial baixa; Os períodos menstruais tornam-se extremamente irregulares.
  • 25. Rapazes Perda de capacidade de erecção; Perda gradual do desejo sexual; Ingestão quase exclusiva de frutas e saladas; Tendência para maior agressividade e isolamento social; Hiperactividade física;  Perturbações do sono.
  • 27. O que é? A depressão é uma doença mental que se caracteriza por tristeza, perda de interesse por actividades habitualmente sentidas como agradáveis e perda de energia ou cansaço fácil.  Este problema, pode afectar pessoas de todas as idades, desde a infância à terceira idade, e se não for tratada, pode conduzir ao suicídio. A depressão pode ser episódica, recorrente ou crónica, e conduz à diminuição substancial da capacidade que o indivíduo tem em assegurar as suas responsabilidades do dia-a-dia.  A depressão é mais comum nas mulheres do que nos homens.
  • 28. Quais os factores de risco? Pessoas com episódios de depressão no passado; Pessoas com história familiar de depressão; Pessoas que sofrem um qualquer tipo de perda significativa, (mais habitualmente a perda de alguém próximo); Pessoas com doenças crónicas - sofrendo do coração, com hipertensão, com asma, com diabetes, com história de tromboses, com artroses e outras doenças reumáticas, SIDA, cancro e outras doenças;
  • 29. Pessoas que habitam com um familiar portador de doença grave e crónica (por exemplo, pessoas que cuidam de doentes com Alzheimer); Pessoas com tendência para ansiedade e pânico; Pessoas com profissões geradoras de stress ou em circunstâncias de vida que causem stress; Pessoas com dependência de substâncias químicas (drogas) e álcool; Pessoas idosas.
  • 30. Sintomas mais comuns? Modificação do apetite (falta ou excesso de apetite);  Fadiga, cansaço e perda de energia; Sentimentos de inutilidade, de falta de confiança e de auto-estima, sentimentos de culpa e sentimento de incapacidade;  Preocupação com o sentido da vida e com a morte;  Alterações do desejo sexual;  Manifestação de sintomas físicos, como dor muscular, dor abdominal, enjoo-o.
  • 31. Causas Há factores que influenciam o aparecimento e a permanência de episódios depressivos. Por exemplo, condições de vida adversas, o divórcio, a perda de um ente querido, o desemprego, a incapacidade em lidar com determinadas situações ou em ultrapassar obstáculos, etc.
  • 32. Algumas doenças podem provocar ou facilitar a ocorrência de episódios depressivos ou a evolução para depressão crónica. São exemplo as doenças infecciosas, a doença de Parkinson, o cancro, outras doenças mentais, doenças hormonais, a dependência de substâncias como o álcool, entre outras.
  • 33. Como se pode tratar a depressão? Pode-se tratar uma depressão através do uso de medicamentos, de intervenções psicoterapêuticas, ou da conjugação de ambas. As intervenções psicoterapêuticas são particularmente úteis nas situações ligeiras e reactivas às adversidades da vida bem como em associação com medicamentos nas situações moderadas e graves.
  • 34. Os medicamentos usados no tratamento das depressões são designados por antidepressivos. Estes medicamentos são a pedra basilar do tratamento das depressões moderadas e graves e das depressões crónicas, podendo ser úteis nas depressões ligeiras e não criam habituação nem alteram a personalidade da pessoa.
  • 35. Se o médico lhe prescrever medicamentos antidepressivos, siga as suas indicações e nunca pare o tratamento sem lhe comunicar as razões. Estes medicamentos não têm efeito imediato: pode demorar algumas semanas, 4 a 6, até começar a sentir-se melhor. O tratamento dura no mínimo quatro a seis meses.