SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Secundária Sebastião e SilvaCurso Profissional de Técnico de TurismoÁrea de Integração“A Formação da sensibilidade cultural e a transfiguração da experiência: A Estética”11º0
IntroduçãoNeste trabalho, o meu grupo vai falar e explicar sobre vários pontos: O primeiro tem a ver com o que é uma experiência estética, isto é, uma experiencia estética é um encontro que não consiste em compreender ou integrar a beleza que nos proporciona a natureza ou a arte.De seguida, o segundo que vamos falar é sobre as manifestações estéticas que são universais e intemporais. O terceiro é em relação ao período significativo da estética ocidental, quer dizer, que as questões relativas ao belo, à arte e à sensibilidade tiveram origem no mundo grego com os pensamentos de Platão e Aristóteles.
Continuação O penúltimo ponto, é onde vamos falar e até explicar as novas tecnologias de informação e comunicação, arte contemporânea e o discurso artístico contemporâneo.Para terminar, no último ponto, o que vamos falar tem a ver com a arte e quando falamos sobre arte podemos assim dizer que quando apreciamos uma obra de arte podemos gostar ou não gostar dela e até podemos achá-la bela ou feia.
Experiência Estética
Valores estéticos - RelatividadeRegras, valores, normasVariam:  No tempo
No espaçoAssim: Quando exprimimos  o nosso gosto revela-se a nossa cultura de origem.
Há obras de arte que não são belas, ou pelo menos assim alguém o entende. Ex.: A maioria dos idosos não aprecia rock.Manifestações Estéticas: Intemporalidade e Diversidade
 Uma obra de arte resulta de um processo de criação complexo e difícil de descrever, mesmo pelos próprios artistas.
 Para além da criatividade, o artista também tem de realizar um trabalho prático, ou seja, a produção da obra.Arte
 As obras de arte têm perdurado até aos nossos dias, daí que o que sabemos de muitas civilizações, resultam das informações recolhidas das obras de arte que deixaram: livros, monumentos, pinturas murais, etc.
A riqueza de informação que essas obras contêm deve-se, muitas vezes, ao seu carácter intemporal. Quer isto dizer que muitas dessas obras nos mostram os aspectos essenciais da vida do homem. Pois, é o artista que transforma com a sua criatividade e sua capacidade, o seu trabalho numa obra de arte.  Outro dos condicionalismos ao trabalho de criação é, nalguns casos, a influência que o poder político pode exercer, principalmente quando o artista assume uma posição de intervenção e de crítica.
 Quanto a diversidade no espaço, basta compararmos duas representações do mesmo, por dois pintores, da mesma época. Arte – O que é?O que é uma obra de arte?A arte é um objecto artístico que resulta de um processo de criação em que se o artista transforma a realidade, criando algo de novo, que pode ser apreciado por outros. Neste sentido, um objecto artístico expressa, em simultâneo, uma relação entre o criador e a sua obra e uma relação entre o público e a obra, ou seja, também se estabelece uma relação entre o espectador e o artista.
Devido à grande dificuldade em definir uma obra de arte, tem havido, ao longo da história, várias tentativas de definir o que é a arte. De entre essas concepções poderemos destacar as seguintes:  A arte como imitação.
 A arte como expressão.
 A arte como forma significante.
 A teoria institucional da arte. Todas estas concepções de obra de arte têm sido criticadas, mantendo-se em aberto uma definição para o conceito de arte; dai que muitos autores considerem que o conceito de arte é indefinível.
Arte ModernaArte ContemporâneaPeríodos significativos da estética ocidentalO RomantismoArte MedievalArte Antiga/GregaArte Renascentista
Arte GregaPara os filósofos de Grécia antiga, em particular Platão e Aristóteles, o conceito de belo era sinónimo de verdadeiro, bom e justo.A arte, apesar de ser uma imitação da realidade, o inteligível recebe como que uma nova vida através da individualidade criadora do artista.
Arte MedievalA estética medieval foi uma estética cristã, embora muitas das ideias que estão na base desta estética procederam de outras culturas, e depois adaptadas à doutrina religiosa.
Arte RenascentistaA beleza é “entendida como uma imitação da natureza segundo regras cientificamente estabelecidas” e, simultaneamente, «como contemplação de um grau de perfeição sobrenatural, não perceptível pela vista».
O Romantismo e a ArteO romantismo como manifestação artística tem origem nas grandes transformações económicas, sociais e politicas que se operaram no século XVIII: a Revolução Francesa e a Revolução Industrial.
O Romantismo representou, uma reacção aos padrões artísticos clássicos, substituindo: A realidade exterior pela realidade interior
 O universalismo e o racionalismo
 A obediência à regra rígida
 A realidade Apesar da prosa já existir antes, com o Romantismo ganhou importância, inaugurando-se um novo género literário: o romance.
Arte ContemporâneaO Modernismo:Ao nível dos movimentos artísticos, nos finais do século XIX e princípios do século XX, inicia-se um período que se costuma designar por modernidade ou modernismo.A idade de moderno está associada à experimentação de novas ideias sobre os materiais, sobre a natureza, sobre as funções da arte, entre outras.Nos anos anteriores à 1ª Guerra Mundial (1914-18), o impressionismo surgiu, entre outras correntes, como o fauvismo, o cubismo, o expressionismo, etc.
Os movimentos da força desempenharam um papel muito importante na criação/vulgarização das novas correntes artísticas, pois defendiam uma atitude de constante busca do novo, procurando constantemente criar novos estilos artísticos. A produção em massa também vai contribuindo para que tudo o que seja produzido passe por um esterilização simplificadora das formas, tornando-as conceptuais, atractivas e práticas.Desta maneira, o eleitor/espectador é interpelado a participação na obra de arte. Por exemplo, é o que acontece nos espectáculos colectivos, nos happenings, nas instalações, nos poemas desmontáveis, etcDesta forma, a interactividade é intencional, ou seja, é uma parte «criada» pelo artista, pois existe uma expectativa prévia do mesmo (intencionalidade do artista em atingir um objectivo), que, por sua vez, vai implicar a adaptação da obra para tal disposição.
Adopção de uma posição nómada com respeito às linguagens do passado, sem respeitar nenhuma filiação determinada”.
Deste intercâmbio cultural resulta uma mistura de gostos e de costumes que podem ser apreciados nas grandes mostras internacionais de arte.A arte e o desenvolvimento tecnológico
As inovações tecnológicas deste período permitiram também o registo sonoro e, posteriormente, visual. Assim, a presença dos indivíduos deixou de ser necessária para ouvir ou assistir a qualquer tipo de espectáculo.Além disso, este suportes físicos podiam ser copiados e reproduzidos, ou seja, o suporte material permitia a permanência dessas obras no tempo e a sua projecção no futuro e, ainda, ser representada em outros lugares.A arquitectura e a do cinema. A arquitectura, porque se pode contemplar um edifício como um turista, mas também se pode utilizar o edifício de uma forma quotidiana, divertida e colectiva.No caso do cinema, este consegue juntar duas funções que visavam a divorciar-se: o divertimento e a crítica. «o público das salas escuras é um examinador que se distrai».
Este autor considera que as técnicas de reprodução visam a produção em série e a homogeneização, fazendo a obra de arte perder a sua originalidade.Assim, esta indústria cultural determina o próprio consumo, condicionando os indivíduos, no seu conjunto, às condições que representam os seus interesses - «a indústria cultural impede a formação de indivíduos autónomos, independentes, capazes de julgar e de decidir conscientemente» (Adorno).
As novas tecnologias de informação e comunicação
Estas transformações apontam para o aparecimento de uma nova forma de organização comunicacional, a qual já não é unidireccional.Por exemplo, ao nível da música, os novos meios digitais têm aproximado os indivíduos do processo de produção de música, pois com um computador podem controlar-se todas as fases que envolvem esse processo: da produção dos sons à sua composição, da divulgação da música à sua comercialização.
(consultar o site: http://www.computerarts.co.uk/)Por exemplo, a arte em vídeo, pouco veiculada pela televisão comercial, tem sido divulgada em galerias e museus (consultar o site: www.billviola.com).Neste caso, os artistas colocam as suas obras na internet, passando estas a estar acessíveis em qualquer ponto do globo (consultar o site http//www.tate.org.uk/watercouleurpark/
Arte Contemporâneae ModernaPerene ou efémero?
Os objectos artísticos, as obras de arte têm pendurado no tempo. Com efeito, como refere Humberto Eco, são elas, as obras de arte, que nos contam (livros) ou que nos dão exemplos dos modos vida, dos valores dominantes, entre outras coisas, de uma determinada época.Como vimos, foram as inovações tecnológicas que permitiram o registo sonoro de um concerto e o registo visual de um espectáculoPor outro lado, numa sociedade em que tudo está mercantilizado, algumas artes efémeras encontram-se completamente à margem do mercado, pois é impossível valorizá-las e vendê-las.
Entre essas artes efémeras podem destacar-se: a StreetArt e a bodyartA arte das ruas engloba primordialmente o graffiti, o qual não é, na maior parte das vezes, nenhuma forma de vandalismo sobre o património público ou privado, mas sim uma forma de quem pega na lata de tinta expressar a sua criatividade.Por outro lado, a bodyart é uma manifestação das artes visuais onde o corpo do artista é utilizado como suporte ou meio de expressão
Discurso Artístico Contemporâneo
Essas referências são: O multiculturalismo;
O desenvolvimento científico e tecnológico;
A estetização do real;
A anti-arte e a arte comprometida.MulticulturalismoO desenvolvimento dos meios de transporte de comunicação permite uma rápida circulação dos fluxos de pessoas e de informação a nível mundial.Este intercâmbio cultural e este monoculturalismo têm contribuído para que as sociedades contemporâneas se tornem mais abertas ao mundo e a diferentes perspectivas.
Ciência e a ArteA arte e a ciência situam-se em campos completamente distintos.A proximidade entre os dois campos é bem maior do que se imagina. Isto dá azo a que artistas e cientistas tenham, muitas vezes, a mesma percepção do mundo.Exemplo: Nas pinturas.Com isto, o artista utiliza as descobertas científicas como fonte de inspiração, mas também as reflecte no decurso do processo, de onde vai resultar a sua obra.
A Estetização do RealA estetização do real corresponde, para alguns autores, à transformação da vida quotidiana em obra de arte. A estetização da realidade processa-se em várias dimensões, sendo-nos divulgadas imagens do ambiente urbano, de produtos, de tecnologias, de objectos artísticos, etc.Os movimentos anti-arte consideram que o que até aqui se chamava de arte não importa o que vale é a expressão pura e simples – e tudo é expressão.Ao afirmarem que o que importa é a performance, estão a atacar a arte enquanto profissão, a separação do artista e do público, do criador e do espectador ou da vida e da arte.
Exemplo: os graffiti surgem associados aos jovens norte-americanos habitante dos guetos.
Necessidade de formação da sensibilidade estéticaA palavra estética remete-nos para a percepção do sensível, do criativo, etc.Ora, por natureza, somos seres estéticos, isto é, sensíveis. Tudo o que vemos e percebemos é naturalmente sensível. Neste sentido o estético não é supérfluo, pois, o nosso ser, é também aquilo que percebe e sente.
Tema de grupo : Arte MedievalA arte europeia foi marcada por uma forte influência da Igreja Católica.Pinturas, esculturas, livros, construções e outras manifestações artísticas eram influenciados e supervisionadas pelo clero católico. Dentro da Arte Medieval temos:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório final pap leandro
Relatório final pap   leandroRelatório final pap   leandro
Relatório final pap leandro
Leandro Pacheco
 
Política econ. pombalina
Política econ. pombalinaPolítica econ. pombalina
Política econ. pombalina
EconomicSintese
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ana Barreiros
 
Area de integracao modulo 6
Area de integracao   modulo 6Area de integracao   modulo 6
Area de integracao modulo 6
Alfredo Garcia
 
Arte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xixArte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xix
Ana Barreiros
 
A comunicação e a construção do indivíduo
A comunicação e a construção do indivíduoA comunicação e a construção do indivíduo
A comunicação e a construção do indivíduo
Nuno Cunha
 
A Sociedade Oitocentista
A Sociedade OitocentistaA Sociedade Oitocentista
A Sociedade Oitocentista
luisant
 
Trabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no OcidenteTrabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Jorge Barbosa
 
O que é a arte (1)
O que é a arte (1)O que é a arte (1)
O que é a arte (1)
Vasco L
 
opinião pública
opinião públicaopinião pública
opinião pública
kyzinha
 
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
Carlos Pinheiro
 
Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)
Idalina Leite
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualização
Carla Freitas
 
Portefolio Área De Integração - Módulo 1
Portefolio Área De Integração - Módulo 1Portefolio Área De Integração - Módulo 1
Portefolio Área De Integração - Módulo 1
Patricia Martins
 
A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90
BarbaraSilveira9
 
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIXPintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Carlos Pinheiro
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
cattonia
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
Inês Filipa
 
A Sociedade no Século XIX
A Sociedade no Século XIXA Sociedade no Século XIX
A Sociedade no Século XIX
José Ferreira
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
Rui Neto
 

Mais procurados (20)

Relatório final pap leandro
Relatório final pap   leandroRelatório final pap   leandro
Relatório final pap leandro
 
Política econ. pombalina
Política econ. pombalinaPolítica econ. pombalina
Política econ. pombalina
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
 
Area de integracao modulo 6
Area de integracao   modulo 6Area de integracao   modulo 6
Area de integracao modulo 6
 
Arte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xixArte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xix
 
A comunicação e a construção do indivíduo
A comunicação e a construção do indivíduoA comunicação e a construção do indivíduo
A comunicação e a construção do indivíduo
 
A Sociedade Oitocentista
A Sociedade OitocentistaA Sociedade Oitocentista
A Sociedade Oitocentista
 
Trabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no OcidenteTrabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
 
O que é a arte (1)
O que é a arte (1)O que é a arte (1)
O que é a arte (1)
 
opinião pública
opinião públicaopinião pública
opinião pública
 
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
 
Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualização
 
Portefolio Área De Integração - Módulo 1
Portefolio Área De Integração - Módulo 1Portefolio Área De Integração - Módulo 1
Portefolio Área De Integração - Módulo 1
 
A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90
 
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIXPintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
 
A Sociedade no Século XIX
A Sociedade no Século XIXA Sociedade no Século XIX
A Sociedade no Século XIX
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
 

Destaque

Estética
EstéticaEstética
Estética
António Daniel
 
Estética conceito de arte e obra de arte
Estética conceito de arte e obra de arteEstética conceito de arte e obra de arte
Estética conceito de arte e obra de arte
Julia Martins
 
Estética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do BeloEstética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do Belo
Silmara Nogueira
 
Estética slide
Estética slideEstética slide
Estética slide
Solange Ferreira de Paula
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
Edirlene Fraga
 
Area de integraçao modulo 4
Area de integraçao modulo 4Area de integraçao modulo 4
Area de integraçao modulo 4
Rubenterencio
 
Cap 15 Filosofia Estética
Cap 15  Filosofia EstéticaCap 15  Filosofia Estética
Cap 15 Filosofia Estética
José Ferreira Júnior
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Helena Serrão
 
4. conceitos arte medieval
4. conceitos arte medieval4. conceitos arte medieval
4. conceitos arte medieval
histoartetatiana
 
A atitude estética
A atitude estéticaA atitude estética
A atitude estética
Jorge Barbosa
 
Estetica unidade e diversidade do belo
Estetica   unidade e diversidade do beloEstetica   unidade e diversidade do belo
Estetica unidade e diversidade do belo
Kelly de Castro
 
O diálogo com a obra de arte na escola
O diálogo com a obra de arte na escolaO diálogo com a obra de arte na escola
O diálogo com a obra de arte na escola
João Lima
 
Sequência didática conto pausa
Sequência didática   conto pausaSequência didática   conto pausa
Sequência didática conto pausa
luizakak
 
Homem natureza; trabalho e emprego; o empreendedorismo
Homem natureza; trabalho e emprego; o empreendedorismoHomem natureza; trabalho e emprego; o empreendedorismo
Homem natureza; trabalho e emprego; o empreendedorismo
cecilia ogando
 
Educação estética TPIE
Educação estética TPIEEducação estética TPIE
Educação estética TPIE
Elsa Cristina
 
ATITUDE ESTÉTICA
ATITUDE ESTÉTICA ATITUDE ESTÉTICA
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Julia Martins
 
Meios físicos de registo das mensagens evolução
Meios físicos de registo das mensagens   evoluçãoMeios físicos de registo das mensagens   evolução
Meios físicos de registo das mensagens evolução
Nina Ritchinhaa
 
Tic 4
Tic 4Tic 4
Elisabete Jacinto abril 2015 na Biblioteca Escolar José Silvestre Ribeiro, Id...
Elisabete Jacinto abril 2015 na Biblioteca Escolar José Silvestre Ribeiro, Id...Elisabete Jacinto abril 2015 na Biblioteca Escolar José Silvestre Ribeiro, Id...
Elisabete Jacinto abril 2015 na Biblioteca Escolar José Silvestre Ribeiro, Id...
Dores Pinto
 

Destaque (20)

Estética
EstéticaEstética
Estética
 
Estética conceito de arte e obra de arte
Estética conceito de arte e obra de arteEstética conceito de arte e obra de arte
Estética conceito de arte e obra de arte
 
Estética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do BeloEstética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do Belo
 
Estética slide
Estética slideEstética slide
Estética slide
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
Area de integraçao modulo 4
Area de integraçao modulo 4Area de integraçao modulo 4
Area de integraçao modulo 4
 
Cap 15 Filosofia Estética
Cap 15  Filosofia EstéticaCap 15  Filosofia Estética
Cap 15 Filosofia Estética
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
4. conceitos arte medieval
4. conceitos arte medieval4. conceitos arte medieval
4. conceitos arte medieval
 
A atitude estética
A atitude estéticaA atitude estética
A atitude estética
 
Estetica unidade e diversidade do belo
Estetica   unidade e diversidade do beloEstetica   unidade e diversidade do belo
Estetica unidade e diversidade do belo
 
O diálogo com a obra de arte na escola
O diálogo com a obra de arte na escolaO diálogo com a obra de arte na escola
O diálogo com a obra de arte na escola
 
Sequência didática conto pausa
Sequência didática   conto pausaSequência didática   conto pausa
Sequência didática conto pausa
 
Homem natureza; trabalho e emprego; o empreendedorismo
Homem natureza; trabalho e emprego; o empreendedorismoHomem natureza; trabalho e emprego; o empreendedorismo
Homem natureza; trabalho e emprego; o empreendedorismo
 
Educação estética TPIE
Educação estética TPIEEducação estética TPIE
Educação estética TPIE
 
ATITUDE ESTÉTICA
ATITUDE ESTÉTICA ATITUDE ESTÉTICA
ATITUDE ESTÉTICA
 
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
 
Meios físicos de registo das mensagens evolução
Meios físicos de registo das mensagens   evoluçãoMeios físicos de registo das mensagens   evolução
Meios físicos de registo das mensagens evolução
 
Tic 4
Tic 4Tic 4
Tic 4
 
Elisabete Jacinto abril 2015 na Biblioteca Escolar José Silvestre Ribeiro, Id...
Elisabete Jacinto abril 2015 na Biblioteca Escolar José Silvestre Ribeiro, Id...Elisabete Jacinto abril 2015 na Biblioteca Escolar José Silvestre Ribeiro, Id...
Elisabete Jacinto abril 2015 na Biblioteca Escolar José Silvestre Ribeiro, Id...
 

Semelhante a AINT - Trabalho

Apostila de-arte-eja
Apostila de-arte-ejaApostila de-arte-eja
Apostila de-arte-eja
F Figueiredo Habyby
 
Apostila de Arte - EJA.pdf
Apostila de Arte - EJA.pdfApostila de Arte - EJA.pdf
Apostila de Arte - EJA.pdf
GustavoPaz34
 
HISTÓRIA SOCIALO DA ARTE papel social .pdf
HISTÓRIA SOCIALO DA ARTE papel social .pdfHISTÓRIA SOCIALO DA ARTE papel social .pdf
HISTÓRIA SOCIALO DA ARTE papel social .pdf
Universidade Dederal do Oeste do Pará
 
Conceito de arte
Conceito de arteConceito de arte
Conceito de arte
kardovsky
 
O Conceito De Arte Ao Longo Dos Tempos
O Conceito De Arte Ao Longo Dos TemposO Conceito De Arte Ao Longo Dos Tempos
O Conceito De Arte Ao Longo Dos Tempos
RaposoEFA
 
Evolução conceito arte
Evolução conceito arteEvolução conceito arte
Evolução conceito arte
Gi Loureiro
 
Estética - FILOSOFIA
Estética - FILOSOFIAEstética - FILOSOFIA
Estética - FILOSOFIA
Tainá Oliveira
 
Arte e mercado
Arte e mercadoArte e mercado
Arte e mercado
Filipe Prado
 
Quando a tecnologia vira arte?
Quando a tecnologia vira arte?Quando a tecnologia vira arte?
Quando a tecnologia vira arte?
Aline Corso
 
V dfilo cap4p_arte
V dfilo cap4p_arteV dfilo cap4p_arte
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
Rafael Lucas da Silva
 
O que é arte
O que é arteO que é arte
O que é arte
Sueleide Santos
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Ana Barreiros
 
Definindo arte
Definindo arteDefinindo arte
Definindo arte
LucileideBarros2
 
Arte (Academia ENEM).pptx
Arte (Academia ENEM).pptxArte (Academia ENEM).pptx
Arte (Academia ENEM).pptx
CludioMrcioCunhaSous
 
O que é arte. Definição de arte. História da arte.
O que é arte. Definição de arte. História da arte.O que é arte. Definição de arte. História da arte.
O que é arte. Definição de arte. História da arte.
denisecompasso2
 
Fund. filosóficos e sociológicos da arte nota 10,0
Fund. filosóficos e sociológicos da arte   nota 10,0Fund. filosóficos e sociológicos da arte   nota 10,0
Fund. filosóficos e sociológicos da arte nota 10,0
HENRIQUE GOMES DE LIMA
 
A arte contemporânea
A arte contemporâneaA arte contemporânea
A arte contemporânea
Antônio Carlos Jr. Carlos
 
Convergência das mídias
Convergência das mídiasConvergência das mídias
Convergência das mídias
sergioborgato
 
Arte (2)
Arte (2)Arte (2)

Semelhante a AINT - Trabalho (20)

Apostila de-arte-eja
Apostila de-arte-ejaApostila de-arte-eja
Apostila de-arte-eja
 
Apostila de Arte - EJA.pdf
Apostila de Arte - EJA.pdfApostila de Arte - EJA.pdf
Apostila de Arte - EJA.pdf
 
HISTÓRIA SOCIALO DA ARTE papel social .pdf
HISTÓRIA SOCIALO DA ARTE papel social .pdfHISTÓRIA SOCIALO DA ARTE papel social .pdf
HISTÓRIA SOCIALO DA ARTE papel social .pdf
 
Conceito de arte
Conceito de arteConceito de arte
Conceito de arte
 
O Conceito De Arte Ao Longo Dos Tempos
O Conceito De Arte Ao Longo Dos TemposO Conceito De Arte Ao Longo Dos Tempos
O Conceito De Arte Ao Longo Dos Tempos
 
Evolução conceito arte
Evolução conceito arteEvolução conceito arte
Evolução conceito arte
 
Estética - FILOSOFIA
Estética - FILOSOFIAEstética - FILOSOFIA
Estética - FILOSOFIA
 
Arte e mercado
Arte e mercadoArte e mercado
Arte e mercado
 
Quando a tecnologia vira arte?
Quando a tecnologia vira arte?Quando a tecnologia vira arte?
Quando a tecnologia vira arte?
 
V dfilo cap4p_arte
V dfilo cap4p_arteV dfilo cap4p_arte
V dfilo cap4p_arte
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
O que é arte
O que é arteO que é arte
O que é arte
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Definindo arte
Definindo arteDefinindo arte
Definindo arte
 
Arte (Academia ENEM).pptx
Arte (Academia ENEM).pptxArte (Academia ENEM).pptx
Arte (Academia ENEM).pptx
 
O que é arte. Definição de arte. História da arte.
O que é arte. Definição de arte. História da arte.O que é arte. Definição de arte. História da arte.
O que é arte. Definição de arte. História da arte.
 
Fund. filosóficos e sociológicos da arte nota 10,0
Fund. filosóficos e sociológicos da arte   nota 10,0Fund. filosóficos e sociológicos da arte   nota 10,0
Fund. filosóficos e sociológicos da arte nota 10,0
 
A arte contemporânea
A arte contemporâneaA arte contemporânea
A arte contemporânea
 
Convergência das mídias
Convergência das mídiasConvergência das mídias
Convergência das mídias
 
Arte (2)
Arte (2)Arte (2)
Arte (2)
 

Mais de Daniela Ramalho

Relatório de Estágio no Hotel Penha Longa
Relatório de Estágio no Hotel Penha LongaRelatório de Estágio no Hotel Penha Longa
Relatório de Estágio no Hotel Penha Longa
Daniela Ramalho
 
Módulo 9 -Marketing do Turismo
Módulo 9 -Marketing do TurismoMódulo 9 -Marketing do Turismo
Módulo 9 -Marketing do Turismo
Daniela Ramalho
 
Módulo 8
Módulo 8Módulo 8
Módulo 8
Daniela Ramalho
 
História- Sés Catedrais - Estilo Românico
História- Sés Catedrais - Estilo RomânicoHistória- Sés Catedrais - Estilo Românico
História- Sés Catedrais - Estilo Românico
Daniela Ramalho
 
Módulo 7 IAT
Módulo 7 IATMódulo 7 IAT
Módulo 7 IAT
Daniela Ramalho
 
Sumários
SumáriosSumários
Sumários
Daniela Ramalho
 
Dia do Turismo-Workshop
Dia do Turismo-WorkshopDia do Turismo-Workshop
Dia do Turismo-Workshop
Daniela Ramalho
 
Relatório do Dia do Turismo
Relatório do Dia do TurismoRelatório do Dia do Turismo
Relatório do Dia do Turismo
Daniela Ramalho
 
TCAT - República Dominicana
TCAT - República DominicanaTCAT - República Dominicana
TCAT - República Dominicana
Daniela Ramalho
 
Departamento Comercial OTET
Departamento Comercial OTET Departamento Comercial OTET
Departamento Comercial OTET
Daniela Ramalho
 
La Ciudad de Barcelona
La Ciudad de BarcelonaLa Ciudad de Barcelona
La Ciudad de Barcelona
Daniela Ramalho
 
Marketing Pessoal Networking
Marketing Pessoal NetworkingMarketing Pessoal Networking
Marketing Pessoal Networking
Daniela Ramalho
 
Atitudes
AtitudesAtitudes
Atitudes
Daniela Ramalho
 
Módulo 6
Módulo 6Módulo 6
Módulo 6
Daniela Ramalho
 
Trabalho tcat crise impresarial[1]
Trabalho tcat crise impresarial[1]Trabalho tcat crise impresarial[1]
Trabalho tcat crise impresarial[1]
Daniela Ramalho
 

Mais de Daniela Ramalho (15)

Relatório de Estágio no Hotel Penha Longa
Relatório de Estágio no Hotel Penha LongaRelatório de Estágio no Hotel Penha Longa
Relatório de Estágio no Hotel Penha Longa
 
Módulo 9 -Marketing do Turismo
Módulo 9 -Marketing do TurismoMódulo 9 -Marketing do Turismo
Módulo 9 -Marketing do Turismo
 
Módulo 8
Módulo 8Módulo 8
Módulo 8
 
História- Sés Catedrais - Estilo Românico
História- Sés Catedrais - Estilo RomânicoHistória- Sés Catedrais - Estilo Românico
História- Sés Catedrais - Estilo Românico
 
Módulo 7 IAT
Módulo 7 IATMódulo 7 IAT
Módulo 7 IAT
 
Sumários
SumáriosSumários
Sumários
 
Dia do Turismo-Workshop
Dia do Turismo-WorkshopDia do Turismo-Workshop
Dia do Turismo-Workshop
 
Relatório do Dia do Turismo
Relatório do Dia do TurismoRelatório do Dia do Turismo
Relatório do Dia do Turismo
 
TCAT - República Dominicana
TCAT - República DominicanaTCAT - República Dominicana
TCAT - República Dominicana
 
Departamento Comercial OTET
Departamento Comercial OTET Departamento Comercial OTET
Departamento Comercial OTET
 
La Ciudad de Barcelona
La Ciudad de BarcelonaLa Ciudad de Barcelona
La Ciudad de Barcelona
 
Marketing Pessoal Networking
Marketing Pessoal NetworkingMarketing Pessoal Networking
Marketing Pessoal Networking
 
Atitudes
AtitudesAtitudes
Atitudes
 
Módulo 6
Módulo 6Módulo 6
Módulo 6
 
Trabalho tcat crise impresarial[1]
Trabalho tcat crise impresarial[1]Trabalho tcat crise impresarial[1]
Trabalho tcat crise impresarial[1]
 

Último

Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 

AINT - Trabalho

  • 1. Escola Secundária Sebastião e SilvaCurso Profissional de Técnico de TurismoÁrea de Integração“A Formação da sensibilidade cultural e a transfiguração da experiência: A Estética”11º0
  • 2. IntroduçãoNeste trabalho, o meu grupo vai falar e explicar sobre vários pontos: O primeiro tem a ver com o que é uma experiência estética, isto é, uma experiencia estética é um encontro que não consiste em compreender ou integrar a beleza que nos proporciona a natureza ou a arte.De seguida, o segundo que vamos falar é sobre as manifestações estéticas que são universais e intemporais. O terceiro é em relação ao período significativo da estética ocidental, quer dizer, que as questões relativas ao belo, à arte e à sensibilidade tiveram origem no mundo grego com os pensamentos de Platão e Aristóteles.
  • 3. Continuação O penúltimo ponto, é onde vamos falar e até explicar as novas tecnologias de informação e comunicação, arte contemporânea e o discurso artístico contemporâneo.Para terminar, no último ponto, o que vamos falar tem a ver com a arte e quando falamos sobre arte podemos assim dizer que quando apreciamos uma obra de arte podemos gostar ou não gostar dela e até podemos achá-la bela ou feia.
  • 5. Valores estéticos - RelatividadeRegras, valores, normasVariam: No tempo
  • 6. No espaçoAssim: Quando exprimimos o nosso gosto revela-se a nossa cultura de origem.
  • 7. Há obras de arte que não são belas, ou pelo menos assim alguém o entende. Ex.: A maioria dos idosos não aprecia rock.Manifestações Estéticas: Intemporalidade e Diversidade
  • 8. Uma obra de arte resulta de um processo de criação complexo e difícil de descrever, mesmo pelos próprios artistas.
  • 9. Para além da criatividade, o artista também tem de realizar um trabalho prático, ou seja, a produção da obra.Arte
  • 10. As obras de arte têm perdurado até aos nossos dias, daí que o que sabemos de muitas civilizações, resultam das informações recolhidas das obras de arte que deixaram: livros, monumentos, pinturas murais, etc.
  • 11. A riqueza de informação que essas obras contêm deve-se, muitas vezes, ao seu carácter intemporal. Quer isto dizer que muitas dessas obras nos mostram os aspectos essenciais da vida do homem. Pois, é o artista que transforma com a sua criatividade e sua capacidade, o seu trabalho numa obra de arte.  Outro dos condicionalismos ao trabalho de criação é, nalguns casos, a influência que o poder político pode exercer, principalmente quando o artista assume uma posição de intervenção e de crítica.
  • 12. Quanto a diversidade no espaço, basta compararmos duas representações do mesmo, por dois pintores, da mesma época. Arte – O que é?O que é uma obra de arte?A arte é um objecto artístico que resulta de um processo de criação em que se o artista transforma a realidade, criando algo de novo, que pode ser apreciado por outros. Neste sentido, um objecto artístico expressa, em simultâneo, uma relação entre o criador e a sua obra e uma relação entre o público e a obra, ou seja, também se estabelece uma relação entre o espectador e o artista.
  • 13. Devido à grande dificuldade em definir uma obra de arte, tem havido, ao longo da história, várias tentativas de definir o que é a arte. De entre essas concepções poderemos destacar as seguintes: A arte como imitação.
  • 14. A arte como expressão.
  • 15. A arte como forma significante.
  • 16. A teoria institucional da arte. Todas estas concepções de obra de arte têm sido criticadas, mantendo-se em aberto uma definição para o conceito de arte; dai que muitos autores considerem que o conceito de arte é indefinível.
  • 17. Arte ModernaArte ContemporâneaPeríodos significativos da estética ocidentalO RomantismoArte MedievalArte Antiga/GregaArte Renascentista
  • 18. Arte GregaPara os filósofos de Grécia antiga, em particular Platão e Aristóteles, o conceito de belo era sinónimo de verdadeiro, bom e justo.A arte, apesar de ser uma imitação da realidade, o inteligível recebe como que uma nova vida através da individualidade criadora do artista.
  • 19. Arte MedievalA estética medieval foi uma estética cristã, embora muitas das ideias que estão na base desta estética procederam de outras culturas, e depois adaptadas à doutrina religiosa.
  • 20. Arte RenascentistaA beleza é “entendida como uma imitação da natureza segundo regras cientificamente estabelecidas” e, simultaneamente, «como contemplação de um grau de perfeição sobrenatural, não perceptível pela vista».
  • 21. O Romantismo e a ArteO romantismo como manifestação artística tem origem nas grandes transformações económicas, sociais e politicas que se operaram no século XVIII: a Revolução Francesa e a Revolução Industrial.
  • 22. O Romantismo representou, uma reacção aos padrões artísticos clássicos, substituindo: A realidade exterior pela realidade interior
  • 23. O universalismo e o racionalismo
  • 24. A obediência à regra rígida
  • 25. A realidade Apesar da prosa já existir antes, com o Romantismo ganhou importância, inaugurando-se um novo género literário: o romance.
  • 26. Arte ContemporâneaO Modernismo:Ao nível dos movimentos artísticos, nos finais do século XIX e princípios do século XX, inicia-se um período que se costuma designar por modernidade ou modernismo.A idade de moderno está associada à experimentação de novas ideias sobre os materiais, sobre a natureza, sobre as funções da arte, entre outras.Nos anos anteriores à 1ª Guerra Mundial (1914-18), o impressionismo surgiu, entre outras correntes, como o fauvismo, o cubismo, o expressionismo, etc.
  • 27. Os movimentos da força desempenharam um papel muito importante na criação/vulgarização das novas correntes artísticas, pois defendiam uma atitude de constante busca do novo, procurando constantemente criar novos estilos artísticos. A produção em massa também vai contribuindo para que tudo o que seja produzido passe por um esterilização simplificadora das formas, tornando-as conceptuais, atractivas e práticas.Desta maneira, o eleitor/espectador é interpelado a participação na obra de arte. Por exemplo, é o que acontece nos espectáculos colectivos, nos happenings, nas instalações, nos poemas desmontáveis, etcDesta forma, a interactividade é intencional, ou seja, é uma parte «criada» pelo artista, pois existe uma expectativa prévia do mesmo (intencionalidade do artista em atingir um objectivo), que, por sua vez, vai implicar a adaptação da obra para tal disposição.
  • 28. Adopção de uma posição nómada com respeito às linguagens do passado, sem respeitar nenhuma filiação determinada”.
  • 29. Deste intercâmbio cultural resulta uma mistura de gostos e de costumes que podem ser apreciados nas grandes mostras internacionais de arte.A arte e o desenvolvimento tecnológico
  • 30. As inovações tecnológicas deste período permitiram também o registo sonoro e, posteriormente, visual. Assim, a presença dos indivíduos deixou de ser necessária para ouvir ou assistir a qualquer tipo de espectáculo.Além disso, este suportes físicos podiam ser copiados e reproduzidos, ou seja, o suporte material permitia a permanência dessas obras no tempo e a sua projecção no futuro e, ainda, ser representada em outros lugares.A arquitectura e a do cinema. A arquitectura, porque se pode contemplar um edifício como um turista, mas também se pode utilizar o edifício de uma forma quotidiana, divertida e colectiva.No caso do cinema, este consegue juntar duas funções que visavam a divorciar-se: o divertimento e a crítica. «o público das salas escuras é um examinador que se distrai».
  • 31. Este autor considera que as técnicas de reprodução visam a produção em série e a homogeneização, fazendo a obra de arte perder a sua originalidade.Assim, esta indústria cultural determina o próprio consumo, condicionando os indivíduos, no seu conjunto, às condições que representam os seus interesses - «a indústria cultural impede a formação de indivíduos autónomos, independentes, capazes de julgar e de decidir conscientemente» (Adorno).
  • 32. As novas tecnologias de informação e comunicação
  • 33. Estas transformações apontam para o aparecimento de uma nova forma de organização comunicacional, a qual já não é unidireccional.Por exemplo, ao nível da música, os novos meios digitais têm aproximado os indivíduos do processo de produção de música, pois com um computador podem controlar-se todas as fases que envolvem esse processo: da produção dos sons à sua composição, da divulgação da música à sua comercialização.
  • 34. (consultar o site: http://www.computerarts.co.uk/)Por exemplo, a arte em vídeo, pouco veiculada pela televisão comercial, tem sido divulgada em galerias e museus (consultar o site: www.billviola.com).Neste caso, os artistas colocam as suas obras na internet, passando estas a estar acessíveis em qualquer ponto do globo (consultar o site http//www.tate.org.uk/watercouleurpark/
  • 36. Os objectos artísticos, as obras de arte têm pendurado no tempo. Com efeito, como refere Humberto Eco, são elas, as obras de arte, que nos contam (livros) ou que nos dão exemplos dos modos vida, dos valores dominantes, entre outras coisas, de uma determinada época.Como vimos, foram as inovações tecnológicas que permitiram o registo sonoro de um concerto e o registo visual de um espectáculoPor outro lado, numa sociedade em que tudo está mercantilizado, algumas artes efémeras encontram-se completamente à margem do mercado, pois é impossível valorizá-las e vendê-las.
  • 37. Entre essas artes efémeras podem destacar-se: a StreetArt e a bodyartA arte das ruas engloba primordialmente o graffiti, o qual não é, na maior parte das vezes, nenhuma forma de vandalismo sobre o património público ou privado, mas sim uma forma de quem pega na lata de tinta expressar a sua criatividade.Por outro lado, a bodyart é uma manifestação das artes visuais onde o corpo do artista é utilizado como suporte ou meio de expressão
  • 39. Essas referências são: O multiculturalismo;
  • 42. A anti-arte e a arte comprometida.MulticulturalismoO desenvolvimento dos meios de transporte de comunicação permite uma rápida circulação dos fluxos de pessoas e de informação a nível mundial.Este intercâmbio cultural e este monoculturalismo têm contribuído para que as sociedades contemporâneas se tornem mais abertas ao mundo e a diferentes perspectivas.
  • 43. Ciência e a ArteA arte e a ciência situam-se em campos completamente distintos.A proximidade entre os dois campos é bem maior do que se imagina. Isto dá azo a que artistas e cientistas tenham, muitas vezes, a mesma percepção do mundo.Exemplo: Nas pinturas.Com isto, o artista utiliza as descobertas científicas como fonte de inspiração, mas também as reflecte no decurso do processo, de onde vai resultar a sua obra.
  • 44. A Estetização do RealA estetização do real corresponde, para alguns autores, à transformação da vida quotidiana em obra de arte. A estetização da realidade processa-se em várias dimensões, sendo-nos divulgadas imagens do ambiente urbano, de produtos, de tecnologias, de objectos artísticos, etc.Os movimentos anti-arte consideram que o que até aqui se chamava de arte não importa o que vale é a expressão pura e simples – e tudo é expressão.Ao afirmarem que o que importa é a performance, estão a atacar a arte enquanto profissão, a separação do artista e do público, do criador e do espectador ou da vida e da arte.
  • 45. Exemplo: os graffiti surgem associados aos jovens norte-americanos habitante dos guetos.
  • 46. Necessidade de formação da sensibilidade estéticaA palavra estética remete-nos para a percepção do sensível, do criativo, etc.Ora, por natureza, somos seres estéticos, isto é, sensíveis. Tudo o que vemos e percebemos é naturalmente sensível. Neste sentido o estético não é supérfluo, pois, o nosso ser, é também aquilo que percebe e sente.
  • 47. Tema de grupo : Arte MedievalA arte europeia foi marcada por uma forte influência da Igreja Católica.Pinturas, esculturas, livros, construções e outras manifestações artísticas eram influenciados e supervisionadas pelo clero católico. Dentro da Arte Medieval temos:
  • 48. Estilo Românico (Arte Românica)Num primeiro momento, no tempo da Alta Idade Média, denominou-se a expressão artística daquela época de estilo românico, durante a Baixa Idade Média, chamado de estilo gótico. A arte românica foi a arte cristã do Ocidente europeu desenvolvida entre os séculos XI e XII. A construção da época foi fundamentalmente religiosa, pois somente a Igreja cristã e as ordens religiosas possuíam fundos suficientes ou pelo menos a organização capaz para receber e financiar o seguimento de capelas, de igrejas e de mosteiros. Era uma estética da pedra bruta, de paredes expostas quase sem reboco, com um diminuto número de janelas e interiores geralmente sombrios.
  • 49. ArquitecturaA planta de uma igreja de estilo românico é a mesma da basílica cristã primitiva, dominada pelo horizontalismo; Características plásticas: sobriedade, resistência, repetição de elementos ,interior pesado e escuro. Utilizava-se tanto as linhas gregas, losangos, pontas de diamante, como esculturas de animais e monstros assustadores.
  • 50. Estilo Gótico (Arte Gótica)O estilo gótico predominou na Europa no período da Baixa Idade Média (final do século XIII ao XV). As construções (igrejas, mosteiros, castelos e catedrais) seguiram, no geral, algumas características em comum. O gótico, igualmente como o romântico, caracterizou-se predominantemente por ser um estilo grandioso de construções religiosasA multiplicação delas por toda a Europa Ocidental deveu-se ao prestígio universal da Igreja Católica e da religião cristã, e resultou da competição entre as cidades lentamente enriquecidas pela Revolução Comercial, transformação económica que deu seus primeiros passos ao redor dos séculos XI e XIIO gótico, originalmente, foi um estilo marcadamente francês. Do território da França atravessou o Reno penetrando na Alemanha onde, por igual, encontraremos belos exemplos dele.A Divisão da arte gótica: expressa-se, sobretudo, na arquitectura, a qual determina as demais artes; sendo que a pintura e a escultura são apenas complementos decorativos.
  • 51. A divisão do estilo gótico dá-se em quatro períodos: I Período: século XII chamado período de transição ou gótico primitivo. II Período: século XIII chamado gótico lanceolado. III Período: século XIV chama-se gótico irradiante. IV Período: século XV chama-se gótico flamejante ou "flamboyant". Pintura gótica: A pintura da Europa Medieval sofreu influência directa da pintura bizantina, sendo integralmente religiosa.Havia uma enorme gama de artistas, todos anónimos, especializados em vitrais e retábulos assim como na pintura de murais. Todos estavam subordinados à orientação dos mestres – construtores
  • 52. Lentamente, no período que alguns chamam de pré-renascimento, entre os século XIII e XV, os artistas libertam-se das corporações de ofício, passando a atender encomendas particulares, então alguns nomes tornaram-se conhecidos como os mais famosos pintores do gótico tardio .Cada um deles tratou logo de formar a sua própria oficina ,atraindo para trabalhar com eles uma leva de jovens aprendizes, muitos, por sua vez, tornando-se mais tarde mestres -artistas. Durante muito tempo, particularmente na época do Iluminismo, identificou-se o gótico como um estilo que lembrava uma época histórica dominada pelo fanatismo religioso e pela superstição, cenário tão bem retratado por Victor Hugo .Com o passar dos tempos, especialmente em época mais recente, houve uma revalorização do gótico.
  • 53. Estilo Manuelino ( Arte Manuelina )O Estilo manuelino, por vezes também chamado de gótico português tardio ou flamejante, é um estilo arquitectónico, escultórico e de arte móvel que se desenvolveu no reinado de D. Manuel I e prosseguiu após a sua morte, ainda que já existisse desde o reinado de D. João II. O Estilo desenvolveu-se numa época propícia da economia portuguesa e deixou marcas em todo o território nacional.
  • 54. A Arquitectura manuelinaEsta tendência artística era conhecida, na época, como a variante portuguesa da arquitectura ao modo hispânico que, por sua vez, estava incluída na corrente arquitectónica "ao moderno" - expressão utilizada para o gótico tardio. Apesar de ser essencialmente ornamental, o Manuelino caracteriza-se também pela aplicação de determinadas fórmulas técnicas da altura, como as abóbadas com nervuras polinervadas a partir de mísulas. Na componente civil destacam-se os palácios, como o Paço de D. Manuel, em Évora, e solares rurais, como o Solar de Sempre Noiva, em Arraiolos, todos de planta rectangular. E na tipologia militar é referência maior o baluarte do Restelo, a Torre de Belém.
  • 55. Escultura manuelinaAparecem também no gótico final da Europa Central, usando-se o termo "astwerk" para descrever a sua utilização - são, portanto, um elemento característico do tardo -gótico e remetem para a estética franciscana, de cariz marcadamente naturalista e austera. 1.Alcachofras2.Folhas de loureiro3.Romãs4.Folhas de hera;5.Pinhas 6.Caracóis ou conchas de nautilus (simbolizando, talvez, a lentidão dos trabalhos);7.Animais vários;8.Putti
  • 56. Trabalho realizado por : Rita Aires nº 2Cristiana Feio nº 7Daniela Ramalho nº 8Maria Viegas nº 10"Não há, na arte, nem passado nem futuro. A arte que não estiver no presente jamais será arte.”Pablo Picasso