SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTÉTICAESTÉTICA
Vênus no espelho – Diego Velasquez
Podemos dizer que a estética é o campo daPodemos dizer que a estética é o campo da
filosofia que discute os conceitos de beleza juntofilosofia que discute os conceitos de beleza junto
do gosto das pessoas.do gosto das pessoas.
O que é estética?O que é estética?
Narciso - Caravaggio
Já vimos que a estética é o ramo da filosofia que estuda racionalmenteJá vimos que a estética é o ramo da filosofia que estuda racionalmente
o belo.o belo.
Mas afinal o que é o belo?Mas afinal o que é o belo?
Beleza é algo objetivo?Beleza é algo objetivo?
Muda de acordo com o tempo?Muda de acordo com o tempo?
Muda de acordo com o lugar?Muda de acordo com o lugar?
Muda de pessoa para pessoa?Muda de pessoa para pessoa?
A essas e outras questões que muitos filósofos se dedicaram aA essas e outras questões que muitos filósofos se dedicaram a
responder ao longo da história.responder ao longo da história.
Sobre a estética: o beloSobre a estética: o belo
Para Platão, o belo está ligado a uma essênciaPara Platão, o belo está ligado a uma essência
universal.universal.
O belo não depende de quem observa, pois estáO belo não depende de quem observa, pois está
contido no próprio objeto.contido no próprio objeto.
Esse é o ideal das Academias de Arte.Esse é o ideal das Academias de Arte.
Elas tentam fixar regras para a produçãoElas tentam fixar regras para a produção
artística a partir de uma determinadaartística a partir de uma determinada
concepção de belo.concepção de belo.
O belo para Platão (Séc. V a.c.)O belo para Platão (Séc. V a.c.)
Juramento dos Horácios – Jacques-Louis David
Entre os padrões de beleza da arte criados na Grécia
Antiga há mais de 20 séculos estão:
Simetria:
Ordem:
Proporção:
Para Hegel a arte, o gosto e a noção do quePara Hegel a arte, o gosto e a noção do que
é belo muda de acordo com o tempo .é belo muda de acordo com o tempo .
Portanto, a produção de uma obra ou aPortanto, a produção de uma obra ou a
definição de algo como belo depende maisdefinição de algo como belo depende mais
da cultura de uma determinada época.da cultura de uma determinada época.
O que é considerado feio em certo períodoO que é considerado feio em certo período
pode ser belo em outro.pode ser belo em outro.
O belo para Georg Hegel (Séc. XIX)O belo para Georg Hegel (Séc. XIX)
Vênus de
Willendorf
A obra é única e pode ser entendida por meio daA obra é única e pode ser entendida por meio da
experiência estética.experiência estética.
Quais sensações te traz?Quais sensações te traz?
Prazer? Conforto? Asco? Nojo?Prazer? Conforto? Asco? Nojo?
Cada coisa tem uma forma singular de beleza.Cada coisa tem uma forma singular de beleza.
..
O belo na arte HOJEO belo na arte HOJE
18/03/14
A discussão sobre o que é o feio seA discussão sobre o que é o feio se
coloca junto com a discussão do quecoloca junto com a discussão do que
seja o belo.seja o belo.
O feio pode aparecer em uma obra deO feio pode aparecer em uma obra de
arte de duas maneiras:arte de duas maneiras:
Mas... e o feio?Mas... e o feio?
Em uma primeira, pode surgir como forma (estilo artístico feio):
Série Carne, do artista
Dimitri Tsykalov
Eliza Bennett costura a
própria pele para produzir
suas obras.
A segunda, quando a arte representa algo desagradável aos nossos olhos:
Obras de Damien Hirst
Atualmente? A resposta éAtualmente? A resposta é NÃONÃO..
Os padrões clássicos de beleza ainda influenciam muito naOs padrões clássicos de beleza ainda influenciam muito na
hora de determinar o que é belo na produção artística.hora de determinar o que é belo na produção artística.
Mas atualmente, as obras de arte são mais avaliadas deMas atualmente, as obras de arte são mais avaliadas de
acordo com a sua originalidade e capacidade de mexer com aacordo com a sua originalidade e capacidade de mexer com a
sensibilidade do público.sensibilidade do público.
Dessa maneira, uma obra somente será feia se o artista nãoDessa maneira, uma obra somente será feia se o artista não
atingir os objetivos a que se propôs ao criá-la.atingir os objetivos a que se propôs ao criá-la.
Isso significa que uma obra de arteIsso significa que uma obra de arte
pode ser feia?pode ser feia?
Mesmo que o gosto seja um conceito referente ao sujeito,Mesmo que o gosto seja um conceito referente ao sujeito,
ele se constitui a partir da experiência estética.ele se constitui a partir da experiência estética.
A estética junto da arte se tornam setores de grandeA estética junto da arte se tornam setores de grande
importância para nossas vidas, pois estão presentes emimportância para nossas vidas, pois estão presentes em
nossos julgamentos.nossos julgamentos.
Em especial, o nosso tempo requer uma educação eEm especial, o nosso tempo requer uma educação e
consequente valorização das artes, em detrimento de umconsequente valorização das artes, em detrimento de um
mundo dominado pela técnica e pela ciência.mundo dominado pela técnica e pela ciência.
Para finalizar...Para finalizar...
27

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Historia da beleza 02
Historia da beleza 02Historia da beleza 02
Historia da beleza 02
Andréia de Alcantara
 
História da Arte
História da ArteHistória da Arte
História da Arte
Jaiza Nobre
 
A estética do belo
A estética do beloA estética do belo
A estética do belo
Adriana Martins Christianini
 
Estética 4
Estética 4Estética 4
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
Sandro Bottene
 
Estética
Estética Estética
Estética
geehrodrigues
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
Isabela Garcia
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
annaartes
 
Introdução à Estética - 1
Introdução à Estética  - 1Introdução à Estética  - 1
Introdução à Estética - 1
Marcos Ramon
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!
Mary Lopes
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
Daniella Cincoetti
 
A arte na Pré-História
A arte na Pré-HistóriaA arte na Pré-História
A arte na Pré-História
Edenilson Morais
 
Arte grega texto para atividade
Arte grega texto para atividadeArte grega texto para atividade
Arte grega texto para atividade
Casiris Crescencio
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
VIVIAN TROMBINI
 
Feio ou bonito
Feio ou bonitoFeio ou bonito
Feio ou bonito
Italo Colares
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Grafite
GrafiteGrafite
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
Junior Onildo
 
O que é arte ?
O que é arte ?O que é arte ?
O que é arte ?
Gabriel Andrade
 

Mais procurados (20)

Historia da beleza 02
Historia da beleza 02Historia da beleza 02
Historia da beleza 02
 
História da Arte
História da ArteHistória da Arte
História da Arte
 
A estética do belo
A estética do beloA estética do belo
A estética do belo
 
Estética 4
Estética 4Estética 4
Estética 4
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
 
Estética
Estética Estética
Estética
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Introdução à Estética - 1
Introdução à Estética  - 1Introdução à Estética  - 1
Introdução à Estética - 1
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
 
A arte na Pré-História
A arte na Pré-HistóriaA arte na Pré-História
A arte na Pré-História
 
Arte grega texto para atividade
Arte grega texto para atividadeArte grega texto para atividade
Arte grega texto para atividade
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Feio ou bonito
Feio ou bonitoFeio ou bonito
Feio ou bonito
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Grafite
GrafiteGrafite
Grafite
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
O que é arte ?
O que é arte ?O que é arte ?
O que é arte ?
 

Semelhante a Estética - Estudo do Belo

esteticaarte-140522223049-phpapp02.pdf
esteticaarte-140522223049-phpapp02.pdfesteticaarte-140522223049-phpapp02.pdf
esteticaarte-140522223049-phpapp02.pdf
JoaoLucasDeCastroBra
 
Filosofia da Arte: Arte e estética
Filosofia da Arte: Arte e estéticaFilosofia da Arte: Arte e estética
Filosofia da Arte: Arte e estética
Raphael Lanzillotte
 
Arte e Estética na Filosofia.docx
Arte e Estética na Filosofia.docxArte e Estética na Filosofia.docx
Arte e Estética na Filosofia.docx
Clodoaldo Rodrigues Farias
 
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Julia Martins
 
Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)
Luis Silva
 
Estética.
Estética.Estética.
Estética.
Damisa
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
Edirlene Fraga
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
Edirlene Fraga
 
Entendendo a arte
Entendendo a arteEntendendo a arte
Entendendo a arte
Aurimar Bianchi Júnior
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
Helena Serrão
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
gєαทє ℓiмα
 
Estetica e Filosofia da Arte - Parte II
Estetica e Filosofia da Arte - Parte IIEstetica e Filosofia da Arte - Parte II
Estetica e Filosofia da Arte - Parte II
jocilaine moreira
 
esttica
estticaesttica
Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
Apostila do 2º ano   3º e 4º biApostila do 2º ano   3º e 4º bi
Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
Duzg
 
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
fernandobueno774792
 
O problema da definição da arte.pptx xdd
O problema da definição da arte.pptx xddO problema da definição da arte.pptx xdd
O problema da definição da arte.pptx xdd
BeatrizAfonso22
 
Arte (Academia ENEM).pptx
Arte (Academia ENEM).pptxArte (Academia ENEM).pptx
Arte (Academia ENEM).pptx
CludioMrcioCunhaSous
 
Apresentação Estética
Apresentação EstéticaApresentação Estética
Apresentação Estética
Auriene
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Helena Serrão
 
A arte
A arteA arte

Semelhante a Estética - Estudo do Belo (20)

esteticaarte-140522223049-phpapp02.pdf
esteticaarte-140522223049-phpapp02.pdfesteticaarte-140522223049-phpapp02.pdf
esteticaarte-140522223049-phpapp02.pdf
 
Filosofia da Arte: Arte e estética
Filosofia da Arte: Arte e estéticaFilosofia da Arte: Arte e estética
Filosofia da Arte: Arte e estética
 
Arte e Estética na Filosofia.docx
Arte e Estética na Filosofia.docxArte e Estética na Filosofia.docx
Arte e Estética na Filosofia.docx
 
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
 
Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)
 
Estética.
Estética.Estética.
Estética.
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
Entendendo a arte
Entendendo a arteEntendendo a arte
Entendendo a arte
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
Estetica e Filosofia da Arte - Parte II
Estetica e Filosofia da Arte - Parte IIEstetica e Filosofia da Arte - Parte II
Estetica e Filosofia da Arte - Parte II
 
esttica
estticaesttica
esttica
 
Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
Apostila do 2º ano   3º e 4º biApostila do 2º ano   3º e 4º bi
Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
 
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
 
O problema da definição da arte.pptx xdd
O problema da definição da arte.pptx xddO problema da definição da arte.pptx xdd
O problema da definição da arte.pptx xdd
 
Arte (Academia ENEM).pptx
Arte (Academia ENEM).pptxArte (Academia ENEM).pptx
Arte (Academia ENEM).pptx
 
Apresentação Estética
Apresentação EstéticaApresentação Estética
Apresentação Estética
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
A arte
A arteA arte
A arte
 

Mais de Silmara Nogueira

Concretismo e Neoconcretismo
Concretismo e NeoconcretismoConcretismo e Neoconcretismo
Concretismo e Neoconcretismo
Silmara Nogueira
 
Pop Arte
Pop ArtePop Arte
Op Arte
Op ArteOp Arte
Arte Pós-Guerra
Arte Pós-GuerraArte Pós-Guerra
Arte Pós-Guerra
Silmara Nogueira
 
Os Celtas, Povos Bárbaros e Antigos Povos do Mar Egeu
Os Celtas, Povos Bárbaros e Antigos Povos do Mar EgeuOs Celtas, Povos Bárbaros e Antigos Povos do Mar Egeu
Os Celtas, Povos Bárbaros e Antigos Povos do Mar Egeu
Silmara Nogueira
 
Fenícios, Hebreus e Persas
Fenícios, Hebreus e PersasFenícios, Hebreus e Persas
Fenícios, Hebreus e Persas
Silmara Nogueira
 
Arte na mesopotamia e Egito
Arte na mesopotamia e EgitoArte na mesopotamia e Egito
Arte na mesopotamia e Egito
Silmara Nogueira
 
Teoria das Cores
Teoria das CoresTeoria das Cores
Teoria das Cores
Silmara Nogueira
 
Arte Rupestre
Arte RupestreArte Rupestre
Arte Rupestre
Silmara Nogueira
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
Silmara Nogueira
 
Fauvismo ou Fovismo
Fauvismo ou FovismoFauvismo ou Fovismo
Fauvismo ou Fovismo
Silmara Nogueira
 
Cubismo
CubismoCubismo
Realismo e Art Nouveau
Realismo e Art NouveauRealismo e Art Nouveau
Realismo e Art Nouveau
Silmara Nogueira
 
Impressionismo e Pós Impressionismo
Impressionismo e Pós ImpressionismoImpressionismo e Pós Impressionismo
Impressionismo e Pós Impressionismo
Silmara Nogueira
 
Folclore
FolcloreFolclore
Arte Efêmera: Land Art e Arte Povera
Arte Efêmera: Land Art e Arte PoveraArte Efêmera: Land Art e Arte Povera
Arte Efêmera: Land Art e Arte Povera
Silmara Nogueira
 
Arqueologia Indígena Brasileira
Arqueologia Indígena BrasileiraArqueologia Indígena Brasileira
Arqueologia Indígena Brasileira
Silmara Nogueira
 
Animação
AnimaçãoAnimação
Animação
Silmara Nogueira
 
Semana de 22
Semana de 22Semana de 22
Semana de 22
Silmara Nogueira
 
Barroco
BarrocoBarroco

Mais de Silmara Nogueira (20)

Concretismo e Neoconcretismo
Concretismo e NeoconcretismoConcretismo e Neoconcretismo
Concretismo e Neoconcretismo
 
Pop Arte
Pop ArtePop Arte
Pop Arte
 
Op Arte
Op ArteOp Arte
Op Arte
 
Arte Pós-Guerra
Arte Pós-GuerraArte Pós-Guerra
Arte Pós-Guerra
 
Os Celtas, Povos Bárbaros e Antigos Povos do Mar Egeu
Os Celtas, Povos Bárbaros e Antigos Povos do Mar EgeuOs Celtas, Povos Bárbaros e Antigos Povos do Mar Egeu
Os Celtas, Povos Bárbaros e Antigos Povos do Mar Egeu
 
Fenícios, Hebreus e Persas
Fenícios, Hebreus e PersasFenícios, Hebreus e Persas
Fenícios, Hebreus e Persas
 
Arte na mesopotamia e Egito
Arte na mesopotamia e EgitoArte na mesopotamia e Egito
Arte na mesopotamia e Egito
 
Teoria das Cores
Teoria das CoresTeoria das Cores
Teoria das Cores
 
Arte Rupestre
Arte RupestreArte Rupestre
Arte Rupestre
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
 
Fauvismo ou Fovismo
Fauvismo ou FovismoFauvismo ou Fovismo
Fauvismo ou Fovismo
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Realismo e Art Nouveau
Realismo e Art NouveauRealismo e Art Nouveau
Realismo e Art Nouveau
 
Impressionismo e Pós Impressionismo
Impressionismo e Pós ImpressionismoImpressionismo e Pós Impressionismo
Impressionismo e Pós Impressionismo
 
Folclore
FolcloreFolclore
Folclore
 
Arte Efêmera: Land Art e Arte Povera
Arte Efêmera: Land Art e Arte PoveraArte Efêmera: Land Art e Arte Povera
Arte Efêmera: Land Art e Arte Povera
 
Arqueologia Indígena Brasileira
Arqueologia Indígena BrasileiraArqueologia Indígena Brasileira
Arqueologia Indígena Brasileira
 
Animação
AnimaçãoAnimação
Animação
 
Semana de 22
Semana de 22Semana de 22
Semana de 22
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 

Último

497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 

Último (20)

497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 

Estética - Estudo do Belo

  • 2. Podemos dizer que a estética é o campo daPodemos dizer que a estética é o campo da filosofia que discute os conceitos de beleza juntofilosofia que discute os conceitos de beleza junto do gosto das pessoas.do gosto das pessoas. O que é estética?O que é estética? Narciso - Caravaggio
  • 3. Já vimos que a estética é o ramo da filosofia que estuda racionalmenteJá vimos que a estética é o ramo da filosofia que estuda racionalmente o belo.o belo. Mas afinal o que é o belo?Mas afinal o que é o belo? Beleza é algo objetivo?Beleza é algo objetivo? Muda de acordo com o tempo?Muda de acordo com o tempo? Muda de acordo com o lugar?Muda de acordo com o lugar? Muda de pessoa para pessoa?Muda de pessoa para pessoa? A essas e outras questões que muitos filósofos se dedicaram aA essas e outras questões que muitos filósofos se dedicaram a responder ao longo da história.responder ao longo da história. Sobre a estética: o beloSobre a estética: o belo
  • 4. Para Platão, o belo está ligado a uma essênciaPara Platão, o belo está ligado a uma essência universal.universal. O belo não depende de quem observa, pois estáO belo não depende de quem observa, pois está contido no próprio objeto.contido no próprio objeto. Esse é o ideal das Academias de Arte.Esse é o ideal das Academias de Arte. Elas tentam fixar regras para a produçãoElas tentam fixar regras para a produção artística a partir de uma determinadaartística a partir de uma determinada concepção de belo.concepção de belo. O belo para Platão (Séc. V a.c.)O belo para Platão (Séc. V a.c.)
  • 5. Juramento dos Horácios – Jacques-Louis David
  • 6. Entre os padrões de beleza da arte criados na Grécia Antiga há mais de 20 séculos estão: Simetria:
  • 8.
  • 10.
  • 11. Para Hegel a arte, o gosto e a noção do quePara Hegel a arte, o gosto e a noção do que é belo muda de acordo com o tempo .é belo muda de acordo com o tempo . Portanto, a produção de uma obra ou aPortanto, a produção de uma obra ou a definição de algo como belo depende maisdefinição de algo como belo depende mais da cultura de uma determinada época.da cultura de uma determinada época. O que é considerado feio em certo períodoO que é considerado feio em certo período pode ser belo em outro.pode ser belo em outro. O belo para Georg Hegel (Séc. XIX)O belo para Georg Hegel (Séc. XIX)
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19. A obra é única e pode ser entendida por meio daA obra é única e pode ser entendida por meio da experiência estética.experiência estética. Quais sensações te traz?Quais sensações te traz? Prazer? Conforto? Asco? Nojo?Prazer? Conforto? Asco? Nojo? Cada coisa tem uma forma singular de beleza.Cada coisa tem uma forma singular de beleza. .. O belo na arte HOJEO belo na arte HOJE
  • 21. A discussão sobre o que é o feio seA discussão sobre o que é o feio se coloca junto com a discussão do quecoloca junto com a discussão do que seja o belo.seja o belo. O feio pode aparecer em uma obra deO feio pode aparecer em uma obra de arte de duas maneiras:arte de duas maneiras: Mas... e o feio?Mas... e o feio?
  • 22. Em uma primeira, pode surgir como forma (estilo artístico feio): Série Carne, do artista Dimitri Tsykalov
  • 23. Eliza Bennett costura a própria pele para produzir suas obras.
  • 24. A segunda, quando a arte representa algo desagradável aos nossos olhos: Obras de Damien Hirst
  • 25. Atualmente? A resposta éAtualmente? A resposta é NÃONÃO.. Os padrões clássicos de beleza ainda influenciam muito naOs padrões clássicos de beleza ainda influenciam muito na hora de determinar o que é belo na produção artística.hora de determinar o que é belo na produção artística. Mas atualmente, as obras de arte são mais avaliadas deMas atualmente, as obras de arte são mais avaliadas de acordo com a sua originalidade e capacidade de mexer com aacordo com a sua originalidade e capacidade de mexer com a sensibilidade do público.sensibilidade do público. Dessa maneira, uma obra somente será feia se o artista nãoDessa maneira, uma obra somente será feia se o artista não atingir os objetivos a que se propôs ao criá-la.atingir os objetivos a que se propôs ao criá-la. Isso significa que uma obra de arteIsso significa que uma obra de arte pode ser feia?pode ser feia?
  • 26. Mesmo que o gosto seja um conceito referente ao sujeito,Mesmo que o gosto seja um conceito referente ao sujeito, ele se constitui a partir da experiência estética.ele se constitui a partir da experiência estética. A estética junto da arte se tornam setores de grandeA estética junto da arte se tornam setores de grande importância para nossas vidas, pois estão presentes emimportância para nossas vidas, pois estão presentes em nossos julgamentos.nossos julgamentos. Em especial, o nosso tempo requer uma educação eEm especial, o nosso tempo requer uma educação e consequente valorização das artes, em detrimento de umconsequente valorização das artes, em detrimento de um mundo dominado pela técnica e pela ciência.mundo dominado pela técnica e pela ciência. Para finalizar...Para finalizar...
  • 27. 27