SlideShare uma empresa Scribd logo
ARTIGO DE APRECIAÇÃO
CRÍTICA
Definição
Texto informativo e interpretativo, marcado
por uma elevada carga de subjetividade.
O autor, além de apresentar uma
determinada realidade, normalmente
artística ou cultural, formula um juízo
crítico sobre a mesma, tendo por objetivo a
sua valoração.
• Uma crítica integra sempre uma breve
apresentação do objeto de apreciaçãoApresentação
• Opinião pessoal formulada de modo
claro e impressivo
• justificada com argumentos objetivos
Opinião
• Introdução
• Desenvolvimento
• Conclusão
Estruturação
• Valorativa ou depreciativa
• Diversificada; clara e rigorosa
• Eficácia persuasiva (influenciar o leitor)
Linguagem
• Coerência do que é afirmado
• Coesão da organização textual
• Pontuação, ortografia, apresentação gráfica
Revisões
Uso de linguagem
valorativa – elogiosa ou
depreciativa (adjetivação
rica, rigorosa e
expressiva);
Predomínio de uma
linguagem clara e,
geralmente, sem
ambiguidades, apesar de
ser muito utilizada a
insinuação.
Características
do registo
linguístico
ESTRUTURA DO ARTIGO DE
APRECIAÇÃO(PROPOSTA):
Título sugestivo;
Texto:
- introdução (apresentação do facto, ideia ou
objeto que suscita a crítica);
- corpo do texto (informações sobre o objeto
visado e apreciações pessoais – juízos de valor
favoráveis ou desfavoráveis– com argumentos
objetivos e sólidos e fundamentação das
opiniões formuladas);
- Conclusão (síntese das ideias principais)
APRECIAÇÃO CRÍTICA SOBRE UM
FILME
1º Reflexão sobre a temática do filme e registo de algumas
palavras-chave valorativas.
2º Estabelecimento de um plano esquemático, respeitando a
estrutura da tipologia:
- introdução: apresentação do filme e registo de opinião de
forma genérica;
- desenvolvimento: tópicos de informação essencial sobre a
obra em apreço; indicação das razões de destaque do filme
em apreço e exemplificação com excertos, citações.
- conclusão: síntese geral da opinião e recomendações.
4º Revisão do texto e realização das correções e substituições
necessárias.
3º Construção cuidadosa do texto, utilizando as palavras-chave
definidas, o plano estabelecido e articulando o discurso, com
recurso a mecanismos de coesão e coerência adequados.
APRECIAÇÃO CRÍTICA DE UM LIVRO
1º Assinala o tipo de livro que gostas mais de ler: poesia,
biografias, ficção científica, romances, policiais…
2º Indica a razão da tua preferência por esse tipo de livros:
3º Dos livros que já leste, dentro do género que preferes, escolhe
aquele que consideras o mais marcante. Regista o título e o
nome do autor.
4º Aponta as razões que te levam agostar do livro:
- identificação com o protagonista ou outra personagem do
livro;
- a história aborda problemáticas sociais que me
interessam: conflito de gerações, relações afetivas…- gosto
pelo autor, de quem se conhece outras obras…
5º Estabelecimento de um plano esquemático, respeitando a
estrutura da tipologia:
- introdução: apresentação do livro e indicação do motivo
pelo qual se vai falar do livro ou do autor;
- desenvolvimento: dados de informação essencial sobre a
obra em apreço; indicação das razões de destaque do livro em
apreço e exemplificação com excertos, citações do livro… sem
perder de vista as palavras-chave;
- conclusão: síntese geral da opinião e recomendações.
6º Construção cuidadosa do texto, utilizando as palavras-chave
definidas, o plano estabelecido e articulando o discurso, com
recurso a mecanismos de coesão e coerência adequados.
7º Revisão do texto e realização das correções e substituições
necessárias.
1º parágrafo (introdução):
- Li/vi recentemente um livro/filme de…que me
marcou fortemente…
- Por sugestão de um amigo, li/vi há poucos dias o
livro/filme… que…
- Acabou de ser publicado/de estrear o último…
2º parágrafo (desenvolvimento):
- Ao longo de …
- O espetador/leitor vai assistir/ler…
- No meu ponto de vista/na minha opinião/quanto
a mim/parece-me que/considero que/diria que/de
acordo com a minha perspetiva/creio que/penso
que
3º parágrafo (desenvolvimento):
Apreciei bastante (não apreciei) este
romance/livro/filme sobretudo por três razões. Em
primeiro lugar, porque… Em segundo lugar, pelo
facto de… Finalmente devido a…
4º parágrafo (conclusão):
Nunca me interessei por livros/filmes que…
Sempre gostei sobretudo dos livros/filmes
que…
Recomendo/não recomendo…
Um ótimo livro/filme para…
OS MERCENÁRIOS 2
Roberto Guerra
O cinema cria mitos e, de vez em quando,
costuma alimentar-se deles. Os anos 80 e 90
serviram para solidificar no imaginário popular
grandes nomes do género de ação. Atores duros
como Sylvester Stallone, Bruce Willis e Arnold
Schwarzenegger foram elevados à condição de
astros das telas em filmes nos quais destilavam
testosterona e distribuíam “porrada” e tiros em
vilões especialmente moldados para concentrar
toda a rejeição do público.
Impossível não criar identificação com esses
caras. Quem, ainda criança, ou mesmo adulto, não
sonhou em ser um Rambo, um Rock Balboa, um
John Mclane ou ser inexpugnável como o ciborgue
assassino de O Exterminador? Toda uma geração
de homens, desses de verdade, meio fora de
moda nos dias de hoje é bem verdade. Quantas
vezes numa sala de cinema vimos as nossas
namoradas com cara de tédio enquanto nos
divertíamos vendo essa cambada quebrar alguns
pescoços. "Calma, amor, assim que o filme acabar
eu volto a ser um tipo romântico".
A ideia de ver todos esse machões – e mais alguns
durões da nova geração - reunidos num filme parecia
irresistível. E era. Em 2010, Sly usou a sua influência e
conseguiu reunir parte do grupo. Os fãs de um bom
filme de ação não viam a hora de ver reunidos num
mesmo filme ele, Schwarzenegger, Willis e mais outras
feras como Dolph Lundgren, Mickey Rouke, Jet Li e
Jason Statham. O público fez a sua parte e foi ao
cinema, mas a produção dececionou. Sim, foi “fixe” vê-
los juntos, mas faltava um bom filme.
Não demorou para que as queixas
abundassem: a direção de Stallone não agarra o
filme, Bruce Willis e Schwarzenegger não entram
em ação, as sequências de ação são pobres, o vilão
não mete medo e por aí em diante... A boa notícia
para os fãs é que eles foram ouvidos e todos os
problemas do primeiro filme não se repetem em Os
Mercenários 2, este sim um filme digno da reunião
da elite da pancadaria.
Stallone teve a humildade de passar a direção do
filme para Simon West (de A Filha do General e Con Air
– A Rota da Fuga), o que melhorou imenso as cenas de
ação. Tudo se inicia com uma movimentada cena de
abertura, que mostra o resgate de um bilionário chinês
sequestrado por um grupo de rebeldes no Nepal. Tiros,
explosões e muitos cadáveres ficam pelo caminho do
grupo numa sequência bem feita com direito a
combate no solo e na água.
Desta vez Schwarzenegger e Willis não ficam
apenas a conversar: partem para a ação junto do
grupo de mercenários. Jean-Claude Van Damme,
que havia sido convidado para o primeiro filme e
recusou, desta vez dá o ar da graça como um vilão
à altura do filme. Um vilão tão compenetrado no
seu papel que se chama Vilain. E essa é apenas
uma das muitas brincadeiras do filme, que acerta
em não se levar a sério.
O espetador vai assistir a uma típica fita de
ação, mas vai rir muito com os diversos momentos
bem-humorados que pontuam a produção. Há
muitas referências aos filmes de sucesso
protagonizados pelos atores no passado. O filme
também brinca bastante com a idade dos atores e
o fato de não estarem mais em forma. Os
espetadores mais novos talvez percam algumas
referências, mas quem tem mais de 30 certamente
vai deleitar-se com esses momentos. Por sinal, ri
mais com este filme do que com muitas comédias
a que assisti ultimamente.
Nenhum momento, no entanto, é mais divertido
que a entrada em cena do, hoje ícone do “macho”,
Chuck Norris. A estrela de filmes como Comando Delta,
Braddock e Invasão dos USA, o homem que já dizimou
centenas de inimigos com uma expressão mais fria que
a do Exterminador, entra em cena no meio do filme ao
som do tema clássico de Ennio Morriconne para o filme
Três Homens em Conflito, faz um típico estrago digno da
lenda e tem um diálogo impagável com Stallone.
Não me vou ficar pelo enredo do filme. Acreditem,
isso é o que menos importa em Os Mercenários 2.
Ainda assim, há uma história coesa por trás dos
acontecimentos que faz com que o filme não pareça
apenas um amontoado de cenas de ação sem nenhum
propósito. Tudo está devidamente justificado na trama.
Se não fosse fã destes tipos, se fosse dar uma
opinião meramente técnica, classificaria o filme com
três estrelas. Mas antes de crítico, sou espetador, fã de
cinema. Ainda me empolgo com um filme como nos
velhos tempos. Vou dar uma de macho e presentear Os
Mercenários 2 com quatro estrelas. E quem quiser
reclamar, que o faça com Chuck Norris.
O artigo de apreciação crítica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
Paula Oliveira Cruz
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
Cristina Martins
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
ameliapadrao
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
nando_reis
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
Gijasilvelitz 2
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
Helena Coutinho
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
Helena Coutinho
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
Paula Angelo
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Dina Baptista
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
Aparecida Mallagoli
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
Dina Baptista
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
António Fernandes
 
Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
Paula Oliveira Cruz
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Alexandra Canané
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
Isabel Martins
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
nanasimao
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
Sara Afonso
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
Joana Filipa Rodrigues
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
Dina Baptista
 

Mais procurados (20)

Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
 
Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 

Destaque

Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação Crítica
Vanda Sousa
 
Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação Crítica
Vanda Sousa
 
Guia Pratico do Cuidador - Ministério da Saúde
Guia Pratico do Cuidador - Ministério da SaúdeGuia Pratico do Cuidador - Ministério da Saúde
Guia Pratico do Cuidador - Ministério da Saúde
Cuidar de Idosos
 
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente   resumo por ato e cenaUm auto de gil vicente   resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
Helena Coutinho
 
Como fazer uma bibliografia
Como fazer uma bibliografiaComo fazer uma bibliografia
Como fazer uma bibliografia
becastanheiradepera
 
Como fazer comentario ou apreciaçao critica
Como fazer comentario ou apreciaçao criticaComo fazer comentario ou apreciaçao critica
Como fazer comentario ou apreciaçao critica
Liliana Rui Vieira Conde
 
A lua de joana joana gonçalves
A lua de joana   joana gonçalvesA lua de joana   joana gonçalves
A lua de joana joana gonçalves
fantas45
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
claudiapinto7a
 
Texto expositivo explicativo
Texto expositivo explicativoTexto expositivo explicativo
Texto expositivo explicativo
FabianAlcivar
 
TEXTO EXPOSITIVO
TEXTO EXPOSITIVOTEXTO EXPOSITIVO
TEXTO EXPOSITIVO
YAMILET NUÑEZ
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
FJDOliveira
 
O rapaz do pijama às riscas ricardo
O rapaz do pijama às riscas   ricardoO rapaz do pijama às riscas   ricardo
O rapaz do pijama às riscas ricardo
fantas45
 
Uma leitura de "O rapaz do pijama às riscas"
Uma leitura de "O rapaz do pijama às riscas"Uma leitura de "O rapaz do pijama às riscas"
Uma leitura de "O rapaz do pijama às riscas"
becreluisdeloureiro
 
Autobiografia de sónia baptista
Autobiografia de sónia baptistaAutobiografia de sónia baptista
Autobiografia de sónia baptista
Sonia Batista
 
Análise de Imagem
Análise de ImagemAnálise de Imagem
Análise de Imagem
marianarits
 
Como analisar uma imagem
Como analisar uma imagemComo analisar uma imagem
Como analisar uma imagem
BibliotecaAroes
 
Textos expositivos
Textos expositivosTextos expositivos
Textos expositivos
Carla Souto
 
Redação- texto expositivo
Redação- texto expositivoRedação- texto expositivo
Redação- texto expositivo
Jaicinha
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
Láyla Vieira
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa Heterónimos
ESVieira do Minho
 

Destaque (20)

Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação Crítica
 
Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação Crítica
 
Guia Pratico do Cuidador - Ministério da Saúde
Guia Pratico do Cuidador - Ministério da SaúdeGuia Pratico do Cuidador - Ministério da Saúde
Guia Pratico do Cuidador - Ministério da Saúde
 
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente   resumo por ato e cenaUm auto de gil vicente   resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
 
Como fazer uma bibliografia
Como fazer uma bibliografiaComo fazer uma bibliografia
Como fazer uma bibliografia
 
Como fazer comentario ou apreciaçao critica
Como fazer comentario ou apreciaçao criticaComo fazer comentario ou apreciaçao critica
Como fazer comentario ou apreciaçao critica
 
A lua de joana joana gonçalves
A lua de joana   joana gonçalvesA lua de joana   joana gonçalves
A lua de joana joana gonçalves
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
 
Texto expositivo explicativo
Texto expositivo explicativoTexto expositivo explicativo
Texto expositivo explicativo
 
TEXTO EXPOSITIVO
TEXTO EXPOSITIVOTEXTO EXPOSITIVO
TEXTO EXPOSITIVO
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
 
O rapaz do pijama às riscas ricardo
O rapaz do pijama às riscas   ricardoO rapaz do pijama às riscas   ricardo
O rapaz do pijama às riscas ricardo
 
Uma leitura de "O rapaz do pijama às riscas"
Uma leitura de "O rapaz do pijama às riscas"Uma leitura de "O rapaz do pijama às riscas"
Uma leitura de "O rapaz do pijama às riscas"
 
Autobiografia de sónia baptista
Autobiografia de sónia baptistaAutobiografia de sónia baptista
Autobiografia de sónia baptista
 
Análise de Imagem
Análise de ImagemAnálise de Imagem
Análise de Imagem
 
Como analisar uma imagem
Como analisar uma imagemComo analisar uma imagem
Como analisar uma imagem
 
Textos expositivos
Textos expositivosTextos expositivos
Textos expositivos
 
Redação- texto expositivo
Redação- texto expositivoRedação- texto expositivo
Redação- texto expositivo
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa Heterónimos
 

Semelhante a O artigo de apreciação crítica

Resenha
ResenhaResenha
Resumo, Resenha e Resenha Crítica
Resumo, Resenha e Resenha CríticaResumo, Resenha e Resenha Crítica
Resumo, Resenha e Resenha Crítica
Marco Mendes
 
9o-LP-Atividade-1-Genero-Resenha-critica-ou-opinativa-Posicionamento-critico.pdf
9o-LP-Atividade-1-Genero-Resenha-critica-ou-opinativa-Posicionamento-critico.pdf9o-LP-Atividade-1-Genero-Resenha-critica-ou-opinativa-Posicionamento-critico.pdf
9o-LP-Atividade-1-Genero-Resenha-critica-ou-opinativa-Posicionamento-critico.pdf
COLEGIO ESTADUAL HERCULANO FARIA
 
Resenha
ResenhaResenha
O solista
O solistaO solista
Palestra Star Trek Anipolitan 2016
Palestra Star Trek  Anipolitan 2016Palestra Star Trek  Anipolitan 2016
Palestra Star Trek Anipolitan 2016
Roberto Camara Jr.
 
Cinema critica e resenha
Cinema   critica e resenhaCinema   critica e resenha
Cinema critica e resenha
Daiane Pettine
 
Roteiro pedro pazelli slide apresentação
Roteiro pedro pazelli slide apresentaçãoRoteiro pedro pazelli slide apresentação
Roteiro pedro pazelli slide apresentação
Isvaldo Souza
 
Proposta de aula resenha.docx
Proposta de aula resenha.docxProposta de aula resenha.docx
Proposta de aula resenha.docx
Virginia Fortes
 
Redação publicitária - criando roteiros vendedores e criativos para TV e w…
Redação publicitária - criando roteiros vendedores e criativos para TV e w…Redação publicitária - criando roteiros vendedores e criativos para TV e w…
Redação publicitária - criando roteiros vendedores e criativos para TV e w…
VOZ Comunica
 
Texto argumentativo Opiniões pessoais, resenha..ppt
Texto argumentativo Opiniões pessoais, resenha..pptTexto argumentativo Opiniões pessoais, resenha..ppt
Texto argumentativo Opiniões pessoais, resenha..ppt
PauloCampos849561
 
6. Forma e narrativa
6. Forma e narrativa6. Forma e narrativa
6. Forma e narrativa
Cristiano Canguçu
 
Gênero Resenha.pptx
Gênero Resenha.pptxGênero Resenha.pptx
Gênero Resenha.pptx
GustavoPaz34
 
Gênero Resenha.ppt
Gênero Resenha.pptGênero Resenha.ppt
Gênero Resenha.ppt
Gustavo Paz
 
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) NarrativaAnimação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
profealbattaiola
 
Diz102
Diz102Diz102
Diz102
Diz102Diz102
Apreciação crítica_exemplo.pdf
Apreciação crítica_exemplo.pdfApreciação crítica_exemplo.pdf
Apreciação crítica_exemplo.pdf
manuelaborges
 
Aula criação de personagem
Aula   criação de personagemAula   criação de personagem
Redação geral final
Redação geral finalRedação geral final
Redação geral final
Josi Motta
 

Semelhante a O artigo de apreciação crítica (20)

Resenha
ResenhaResenha
Resenha
 
Resumo, Resenha e Resenha Crítica
Resumo, Resenha e Resenha CríticaResumo, Resenha e Resenha Crítica
Resumo, Resenha e Resenha Crítica
 
9o-LP-Atividade-1-Genero-Resenha-critica-ou-opinativa-Posicionamento-critico.pdf
9o-LP-Atividade-1-Genero-Resenha-critica-ou-opinativa-Posicionamento-critico.pdf9o-LP-Atividade-1-Genero-Resenha-critica-ou-opinativa-Posicionamento-critico.pdf
9o-LP-Atividade-1-Genero-Resenha-critica-ou-opinativa-Posicionamento-critico.pdf
 
Resenha
ResenhaResenha
Resenha
 
O solista
O solistaO solista
O solista
 
Palestra Star Trek Anipolitan 2016
Palestra Star Trek  Anipolitan 2016Palestra Star Trek  Anipolitan 2016
Palestra Star Trek Anipolitan 2016
 
Cinema critica e resenha
Cinema   critica e resenhaCinema   critica e resenha
Cinema critica e resenha
 
Roteiro pedro pazelli slide apresentação
Roteiro pedro pazelli slide apresentaçãoRoteiro pedro pazelli slide apresentação
Roteiro pedro pazelli slide apresentação
 
Proposta de aula resenha.docx
Proposta de aula resenha.docxProposta de aula resenha.docx
Proposta de aula resenha.docx
 
Redação publicitária - criando roteiros vendedores e criativos para TV e w…
Redação publicitária - criando roteiros vendedores e criativos para TV e w…Redação publicitária - criando roteiros vendedores e criativos para TV e w…
Redação publicitária - criando roteiros vendedores e criativos para TV e w…
 
Texto argumentativo Opiniões pessoais, resenha..ppt
Texto argumentativo Opiniões pessoais, resenha..pptTexto argumentativo Opiniões pessoais, resenha..ppt
Texto argumentativo Opiniões pessoais, resenha..ppt
 
6. Forma e narrativa
6. Forma e narrativa6. Forma e narrativa
6. Forma e narrativa
 
Gênero Resenha.pptx
Gênero Resenha.pptxGênero Resenha.pptx
Gênero Resenha.pptx
 
Gênero Resenha.ppt
Gênero Resenha.pptGênero Resenha.ppt
Gênero Resenha.ppt
 
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) NarrativaAnimação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
 
Diz102
Diz102Diz102
Diz102
 
Diz102
Diz102Diz102
Diz102
 
Apreciação crítica_exemplo.pdf
Apreciação crítica_exemplo.pdfApreciação crítica_exemplo.pdf
Apreciação crítica_exemplo.pdf
 
Aula criação de personagem
Aula   criação de personagemAula   criação de personagem
Aula criação de personagem
 
Redação geral final
Redação geral finalRedação geral final
Redação geral final
 

Mais de Fernanda Monteiro

Recursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercíciosRecursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercícios
Fernanda Monteiro
 
Artigo cientfico e técnico
Artigo cientfico e técnicoArtigo cientfico e técnico
Artigo cientfico e técnico
Fernanda Monteiro
 
Texto Argumentativo
Texto Argumentativo Texto Argumentativo
Texto Argumentativo
Fernanda Monteiro
 
Matriz teste1 8 G
Matriz teste1 8 GMatriz teste1 8 G
Matriz teste1 8 G
Fernanda Monteiro
 
Matriz teste1 8 F
Matriz teste1 8 FMatriz teste1 8 F
Matriz teste1 8 F
Fernanda Monteiro
 
Artigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoArtigo científico e técnico
Artigo científico e técnico
Fernanda Monteiro
 
A publicidade
A publicidadeA publicidade
A publicidade
Fernanda Monteiro
 
Crítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónicaCrítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónica
Fernanda Monteiro
 
Síntese literatura tradicional
Síntese literatura tradicionalSíntese literatura tradicional
Síntese literatura tradicional
Fernanda Monteiro
 
Relações semânticas entre palavras
Relações semânticas entre palavrasRelações semânticas entre palavras
Relações semânticas entre palavras
Fernanda Monteiro
 
Coordenação frásica - quadro síntese
Coordenação frásica - quadro sínteseCoordenação frásica - quadro síntese
Coordenação frásica - quadro síntese
Fernanda Monteiro
 
A reportagem
A reportagemA reportagem
A reportagem
Fernanda Monteiro
 
A entrevista
A entrevistaA entrevista
A entrevista
Fernanda Monteiro
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
Fernanda Monteiro
 
Coordenação e subordinação
Coordenação e subordinaçãoCoordenação e subordinação
Coordenação e subordinação
Fernanda Monteiro
 
Classificação de orações
Classificação de oraçõesClassificação de orações
Classificação de orações
Fernanda Monteiro
 
Literatura tradicional
Literatura tradicionalLiteratura tradicional
Literatura tradicional
Fernanda Monteiro
 

Mais de Fernanda Monteiro (17)

Recursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercíciosRecursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercícios
 
Artigo cientfico e técnico
Artigo cientfico e técnicoArtigo cientfico e técnico
Artigo cientfico e técnico
 
Texto Argumentativo
Texto Argumentativo Texto Argumentativo
Texto Argumentativo
 
Matriz teste1 8 G
Matriz teste1 8 GMatriz teste1 8 G
Matriz teste1 8 G
 
Matriz teste1 8 F
Matriz teste1 8 FMatriz teste1 8 F
Matriz teste1 8 F
 
Artigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoArtigo científico e técnico
Artigo científico e técnico
 
A publicidade
A publicidadeA publicidade
A publicidade
 
Crítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónicaCrítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónica
 
Síntese literatura tradicional
Síntese literatura tradicionalSíntese literatura tradicional
Síntese literatura tradicional
 
Relações semânticas entre palavras
Relações semânticas entre palavrasRelações semânticas entre palavras
Relações semânticas entre palavras
 
Coordenação frásica - quadro síntese
Coordenação frásica - quadro sínteseCoordenação frásica - quadro síntese
Coordenação frásica - quadro síntese
 
A reportagem
A reportagemA reportagem
A reportagem
 
A entrevista
A entrevistaA entrevista
A entrevista
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
 
Coordenação e subordinação
Coordenação e subordinaçãoCoordenação e subordinação
Coordenação e subordinação
 
Classificação de orações
Classificação de oraçõesClassificação de orações
Classificação de orações
 
Literatura tradicional
Literatura tradicionalLiteratura tradicional
Literatura tradicional
 

Último

Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 

Último (20)

Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 

O artigo de apreciação crítica

  • 2. Definição Texto informativo e interpretativo, marcado por uma elevada carga de subjetividade. O autor, além de apresentar uma determinada realidade, normalmente artística ou cultural, formula um juízo crítico sobre a mesma, tendo por objetivo a sua valoração.
  • 3. • Uma crítica integra sempre uma breve apresentação do objeto de apreciaçãoApresentação • Opinião pessoal formulada de modo claro e impressivo • justificada com argumentos objetivos Opinião • Introdução • Desenvolvimento • Conclusão Estruturação • Valorativa ou depreciativa • Diversificada; clara e rigorosa • Eficácia persuasiva (influenciar o leitor) Linguagem • Coerência do que é afirmado • Coesão da organização textual • Pontuação, ortografia, apresentação gráfica Revisões
  • 4. Uso de linguagem valorativa – elogiosa ou depreciativa (adjetivação rica, rigorosa e expressiva); Predomínio de uma linguagem clara e, geralmente, sem ambiguidades, apesar de ser muito utilizada a insinuação. Características do registo linguístico
  • 5. ESTRUTURA DO ARTIGO DE APRECIAÇÃO(PROPOSTA): Título sugestivo; Texto: - introdução (apresentação do facto, ideia ou objeto que suscita a crítica); - corpo do texto (informações sobre o objeto visado e apreciações pessoais – juízos de valor favoráveis ou desfavoráveis– com argumentos objetivos e sólidos e fundamentação das opiniões formuladas); - Conclusão (síntese das ideias principais)
  • 6. APRECIAÇÃO CRÍTICA SOBRE UM FILME 1º Reflexão sobre a temática do filme e registo de algumas palavras-chave valorativas. 2º Estabelecimento de um plano esquemático, respeitando a estrutura da tipologia: - introdução: apresentação do filme e registo de opinião de forma genérica; - desenvolvimento: tópicos de informação essencial sobre a obra em apreço; indicação das razões de destaque do filme em apreço e exemplificação com excertos, citações. - conclusão: síntese geral da opinião e recomendações.
  • 7. 4º Revisão do texto e realização das correções e substituições necessárias. 3º Construção cuidadosa do texto, utilizando as palavras-chave definidas, o plano estabelecido e articulando o discurso, com recurso a mecanismos de coesão e coerência adequados.
  • 8. APRECIAÇÃO CRÍTICA DE UM LIVRO 1º Assinala o tipo de livro que gostas mais de ler: poesia, biografias, ficção científica, romances, policiais… 2º Indica a razão da tua preferência por esse tipo de livros: 3º Dos livros que já leste, dentro do género que preferes, escolhe aquele que consideras o mais marcante. Regista o título e o nome do autor. 4º Aponta as razões que te levam agostar do livro: - identificação com o protagonista ou outra personagem do livro; - a história aborda problemáticas sociais que me interessam: conflito de gerações, relações afetivas…- gosto pelo autor, de quem se conhece outras obras…
  • 9. 5º Estabelecimento de um plano esquemático, respeitando a estrutura da tipologia: - introdução: apresentação do livro e indicação do motivo pelo qual se vai falar do livro ou do autor; - desenvolvimento: dados de informação essencial sobre a obra em apreço; indicação das razões de destaque do livro em apreço e exemplificação com excertos, citações do livro… sem perder de vista as palavras-chave; - conclusão: síntese geral da opinião e recomendações. 6º Construção cuidadosa do texto, utilizando as palavras-chave definidas, o plano estabelecido e articulando o discurso, com recurso a mecanismos de coesão e coerência adequados. 7º Revisão do texto e realização das correções e substituições necessárias.
  • 10. 1º parágrafo (introdução): - Li/vi recentemente um livro/filme de…que me marcou fortemente… - Por sugestão de um amigo, li/vi há poucos dias o livro/filme… que… - Acabou de ser publicado/de estrear o último…
  • 11. 2º parágrafo (desenvolvimento): - Ao longo de … - O espetador/leitor vai assistir/ler… - No meu ponto de vista/na minha opinião/quanto a mim/parece-me que/considero que/diria que/de acordo com a minha perspetiva/creio que/penso que
  • 12. 3º parágrafo (desenvolvimento): Apreciei bastante (não apreciei) este romance/livro/filme sobretudo por três razões. Em primeiro lugar, porque… Em segundo lugar, pelo facto de… Finalmente devido a…
  • 13. 4º parágrafo (conclusão): Nunca me interessei por livros/filmes que… Sempre gostei sobretudo dos livros/filmes que… Recomendo/não recomendo… Um ótimo livro/filme para…
  • 14.
  • 16. Roberto Guerra O cinema cria mitos e, de vez em quando, costuma alimentar-se deles. Os anos 80 e 90 serviram para solidificar no imaginário popular grandes nomes do género de ação. Atores duros como Sylvester Stallone, Bruce Willis e Arnold Schwarzenegger foram elevados à condição de astros das telas em filmes nos quais destilavam testosterona e distribuíam “porrada” e tiros em vilões especialmente moldados para concentrar toda a rejeição do público.
  • 17. Impossível não criar identificação com esses caras. Quem, ainda criança, ou mesmo adulto, não sonhou em ser um Rambo, um Rock Balboa, um John Mclane ou ser inexpugnável como o ciborgue assassino de O Exterminador? Toda uma geração de homens, desses de verdade, meio fora de moda nos dias de hoje é bem verdade. Quantas vezes numa sala de cinema vimos as nossas namoradas com cara de tédio enquanto nos divertíamos vendo essa cambada quebrar alguns pescoços. "Calma, amor, assim que o filme acabar eu volto a ser um tipo romântico".
  • 18. A ideia de ver todos esse machões – e mais alguns durões da nova geração - reunidos num filme parecia irresistível. E era. Em 2010, Sly usou a sua influência e conseguiu reunir parte do grupo. Os fãs de um bom filme de ação não viam a hora de ver reunidos num mesmo filme ele, Schwarzenegger, Willis e mais outras feras como Dolph Lundgren, Mickey Rouke, Jet Li e Jason Statham. O público fez a sua parte e foi ao cinema, mas a produção dececionou. Sim, foi “fixe” vê- los juntos, mas faltava um bom filme.
  • 19. Não demorou para que as queixas abundassem: a direção de Stallone não agarra o filme, Bruce Willis e Schwarzenegger não entram em ação, as sequências de ação são pobres, o vilão não mete medo e por aí em diante... A boa notícia para os fãs é que eles foram ouvidos e todos os problemas do primeiro filme não se repetem em Os Mercenários 2, este sim um filme digno da reunião da elite da pancadaria.
  • 20. Stallone teve a humildade de passar a direção do filme para Simon West (de A Filha do General e Con Air – A Rota da Fuga), o que melhorou imenso as cenas de ação. Tudo se inicia com uma movimentada cena de abertura, que mostra o resgate de um bilionário chinês sequestrado por um grupo de rebeldes no Nepal. Tiros, explosões e muitos cadáveres ficam pelo caminho do grupo numa sequência bem feita com direito a combate no solo e na água.
  • 21. Desta vez Schwarzenegger e Willis não ficam apenas a conversar: partem para a ação junto do grupo de mercenários. Jean-Claude Van Damme, que havia sido convidado para o primeiro filme e recusou, desta vez dá o ar da graça como um vilão à altura do filme. Um vilão tão compenetrado no seu papel que se chama Vilain. E essa é apenas uma das muitas brincadeiras do filme, que acerta em não se levar a sério.
  • 22. O espetador vai assistir a uma típica fita de ação, mas vai rir muito com os diversos momentos bem-humorados que pontuam a produção. Há muitas referências aos filmes de sucesso protagonizados pelos atores no passado. O filme também brinca bastante com a idade dos atores e o fato de não estarem mais em forma. Os espetadores mais novos talvez percam algumas referências, mas quem tem mais de 30 certamente vai deleitar-se com esses momentos. Por sinal, ri mais com este filme do que com muitas comédias a que assisti ultimamente.
  • 23. Nenhum momento, no entanto, é mais divertido que a entrada em cena do, hoje ícone do “macho”, Chuck Norris. A estrela de filmes como Comando Delta, Braddock e Invasão dos USA, o homem que já dizimou centenas de inimigos com uma expressão mais fria que a do Exterminador, entra em cena no meio do filme ao som do tema clássico de Ennio Morriconne para o filme Três Homens em Conflito, faz um típico estrago digno da lenda e tem um diálogo impagável com Stallone.
  • 24. Não me vou ficar pelo enredo do filme. Acreditem, isso é o que menos importa em Os Mercenários 2. Ainda assim, há uma história coesa por trás dos acontecimentos que faz com que o filme não pareça apenas um amontoado de cenas de ação sem nenhum propósito. Tudo está devidamente justificado na trama. Se não fosse fã destes tipos, se fosse dar uma opinião meramente técnica, classificaria o filme com três estrelas. Mas antes de crítico, sou espetador, fã de cinema. Ainda me empolgo com um filme como nos velhos tempos. Vou dar uma de macho e presentear Os Mercenários 2 com quatro estrelas. E quem quiser reclamar, que o faça com Chuck Norris.