SlideShare uma empresa Scribd logo
TEXTOS DE TRADIÇÃO ORAL
Era uma vez…
Integram-se obras cuja divulgação se faz
por via da transmissão oral, por vezes
durante séculos, de geração para
geração, de comunidade para
comunidade, de indivíduo para indivíduo.
GÉNEROS PERTENCENTES À LITERATURA ORAL E
TRADICIONAL
• Os contos
• As lendas
• Os mitos
• As fábulas
• Parábolas
• Os romances
tradicionais
• As lengalengas
• Os trava-línguas
• As quadras populares
• As cantigas infantis
• Os provérbios
• As adivinhas
• As anedotas
O CONTO POPULAR
 Também conhecido como conto tradicional, é
um texto narrativo, geralmente curto.
 É criado e enriquecido pela imaginação
popular e procura entreter ou educar o
ouvinte.
 A sua origem perdeu-se no tempo. Ninguém
é dono e senhor dos contos populares. Por
isso, cada povo e cada geração contam-nos à
sua maneira, às vezes corrigindo e
acrescentando um ou outro pormenor no
enredo. Daí o provérbio: “Quem conta um
conto acrescenta um ponto”.
A LENDA
Narrativa na qual se
misturam realidade e ficção.
A finalidade da história
narrada é apresentar uma
explicação sobre um facto
real (por exemplo o nome
de uma localidade).
Rainha Santa Isabel
O MITO
• Um mito é uma narrativa de caráter simbólico,
relacionada a uma dada cultura. O mito
procura explicar a realidade, os fenómenos
naturais, as origens do Mundo e do Homem
por meio de deuses, semideuses e heróis.
• Os acontecimentos históricos podem
transformar-se em mitos, se adquirem uma
determinada carga simbólica para uma dada
cultura.
• Na maioria das vezes, o termo refere-se
especificamente aos relatos das civilizações
antigas que, organizados, constituem uma
mitologia - por exemplo, a mitologia grega e a
mitologia romana.
A FÁBULA
 Narrativa em prosa ou em verso.
 As personagens são geralmente
animais com características
humanas, que mantêm um diálogo.
 No final, retira-se uma lição de moral
que resume a história.
 Os temas vão desde a vitória da
fraqueza sobre a força, da bondade
sobre a astúcia ou a derrota dos
presunçosos.
A PARÁBOLA
História curta que ensina
a verdade ou dá uma lição
de moral.
Muitas vezes, contém um
fundo religioso, por
exemplo, ensinamentos
cristãos.
«Parábola dos sete vimes»
Era uma vez um pai que tinha sete filhos. Quando estava para morrer chamou-os todos sete e disse-lhes assim:
– Filhos, já sei que não posso durar muito: mas antes de morrer, quero que cada um de vós me vá buscar um vime seco, e mo traga aqui.
– Eu também? – perguntou o mais pequeno que só tinha quatro anos. O mais velho tinha vinte e cinco, e era um rapaz muito reforçado e o mais
valente da freguesia.
– Tu também – respondeu o pai ao mais pequeno.
Saíram os sete filhos; daí a pouco tornaram a voltar, trazendo cada um o seu vime seco.
O pai pegou no vime que trouxe o filho mais velho, e entregou-o ao mais novinho, dizendo-lhe:
– Parte esse vime.
O pequeno partiu o vime, e não lhe custou nada a partir.
Depois o pai entregou o outro ao mesmo filho mais novo, e disse-lhe:
– Agora parte também esse.
O pequeno partiu-o; e partiu, um a um, todos os outros, que o pai lhe foi entregando, e não lhe custou nada parti-los todos. Partindo o último, o pai
disse outra vez aos filhos:
– Agora ide por outro vime e trazei-mo.
Os filhos tornaram a sair, e daí a pouco estavam outra vez ao pé do pai, cada um com o seu vime.
– Agora dai-mos cá – disse o pai.
E dos vimes todos fez um feixe, atando-os com um vincelho. E voltando-se para o filho mais velho, disse-lhe assim:
– Toma este feixe! Parte-o!
O filho empregou quanta força tinha, mas não foi capaz de partir o feixe.
– Não podes? – perguntou ele ao filho.
– Não, meu pai, não posso.
– E algum de vós é capaz de o partir? Experimentai.
Não foi nenhum capaz de o partir, nem dois juntos, nem três, nem todos juntos.
O pai disse-lhes então:
– Meus filhos, o mais pequenino de vós partiu sem lhe custar nada todos os vimes, enquanto os partiu um por um; e o mais velho de vós não pôde
parti-los todos juntos; nem vós, todos juntos, fostes capazes de partir o feixe. Pois bem, lembrai-vos disto e do que vos vou dizer: enquanto vós
estiverdes unidos, como irmãos que sois, ninguém zombará de vós, nem vos fará mal, ou vencerá. Mas logo que vos separeis, ou reine entre vós
a desunião, facilmente sereis vencidos.
Acabou de dizer isto e morreu – e os filhos foram muito felizes, porque viveram sempre em boa irmandade ajudando-se sempre uns aos outros; e
como não houve forças que os desunissem, também nunca houve forças que os vencessem.
COELHO, Trindade, Os Meus Amores, Biblioteca Ulisseia de Autores Portugueses
ROMANCEIROS
• Coleção de romances, isto é, de antigas
narrativas de factos reais, imaginários ou lendas,
em prosa ou em verso, ou de poemas em versos
curtos e simples, baseados em assunto capaz
de comover, próprios para serem cantados.
• Em Portugal, o primeiro romanceiro remonta à
primeira geração romântica, devendo-se a sua
organização a Almeida Garrett (1843).
O PROVÉRBIO
Frase da sabedoria
popular que nos dá
conselhos, ensinamentos
ou sugestões.
Não é diretamente
percebido, parecendo um
«código» cujo sentido é
preciso decifrar.
A LENGALENGA
 Texto oral de origem popular.
 Forma de divertimento que, por
vezes, tem uma intenção crítica ou
transmite uma moral.
 Tem repetições de palavras e frases
para criar um ritmo
musical e cantante,
facilitando a sua memorização.
 Uma lengalenga é para ser dita… e
memorizada.
TRAVA-LÍNGUAS
 Simples passatempo
com palavras cuja
pronúncia se torna
difícil.
 Forma de divertimento
que serve como
exercício de «destrava-
línguas», ou seja, para
pronunciar letras/ sons
corretamente.
A ADIVINHA
 Frase ou pergunta
enigmática e, em
geral, com graça.
 Tem o objetivo de
levar alguém a
encontrar a
solução ou
resposta
adequada.
A ANEDOTA
• Uma piada ou anedota é uma breve
história, de final engraçado e às
vezes surpreendente, cujo objetivo é
provocar risos ou gargalhadas em
quem a ouve ou lê. É um recurso
humorístico utilizado na comédia e
também na vida quotidiana.
EXERCÍCIO
1. Da tradição oral fazem parte os provérbios, para além das
adivinhas, das quadras populares e dos contos tradicionais.
Verdadeira.
Falsa.
2. Os textos da tradição oral são transmitidos através da escrita.
Verdadeira.
Falsa.
3. Adivinhas, contos populares e provérbios têm sempre um autor que
é identificado.
Verdadeira.
Falsa.
X
4. Uma das funções destes textos é o entretenimento, durante o
convívio entre pessoas de diferentes gerações.
Verdadeira.
Falsa.
X
X
X
5. Trata-se de um repertório muito significativo para um povo, já que
encerra e perpetua um conjunto de ensinamentos morais.
Verdadeira.
Falsa.
6. As crianças e os jovens só começam a contactar com este tipo de
textos quando já sabem ler e escrever.
Verdadeira.
Falsa.
7. A transmissão destes textos dá origem à produção de variantes, pois
cada emissor, tendo sido já um receptor, altera o discurso que ouviu,
acrescentando ou omitindo pormenores.
Verdadeira.
Falsa.
X
X
X

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Maria Eduarda-Os Maias
Maria Eduarda-Os MaiasMaria Eduarda-Os Maias
Maria Eduarda-Os Maias
nanasimao
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereira
nanasimao
 
Nomes coletivos.doc
Nomes coletivos.docNomes coletivos.doc
Nomes coletivos.doc
Elza Melo
 
Na mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de QuentalNa mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de Quental
Patrícia Faria
 
Os nomes comuns, próprios e colectivos
Os nomes comuns, próprios e colectivosOs nomes comuns, próprios e colectivos
Os nomes comuns, próprios e colectivos
becevadeira
 
Palavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentesPalavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentes
Susana Sobrenome
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
Josete Perdigao
 
Exercícios sobre classes de palavras
Exercícios sobre classes de palavrasExercícios sobre classes de palavras
Exercícios sobre classes de palavras
ma.no.el.ne.ves
 
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de CamposAnálise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Escola Secundária de Santa Maria da Feira
 
Ficha dos determinantes e pronomes possessivos
Ficha dos determinantes e pronomes possessivosFicha dos determinantes e pronomes possessivos
Ficha dos determinantes e pronomes possessivos
Célia Gonçalves
 
Narrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasNarrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os Maias
Dina Baptista
 
Pronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbalPronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbal
gracacruz
 
Trabalho sobre (Aquela triste e leda madrugada de Luís de camões ( análise ))
Trabalho sobre (Aquela triste e leda madrugada de Luís de camões ( análise ))Trabalho sobre (Aquela triste e leda madrugada de Luís de camões ( análise ))
Trabalho sobre (Aquela triste e leda madrugada de Luís de camões ( análise ))
HizqeelMajoka
 
Aquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseAquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e Análise
Bruno Jardim
 
Os maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intrigaOs maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intriga
Mariana Silva
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
Iga Almeida
 
Recursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercíciosRecursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercícios
Fernanda Monteiro
 
Autores portugueses literatura infantil
Autores portugueses literatura infantilAutores portugueses literatura infantil
Autores portugueses literatura infantil
Rui Alves
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Samuel Neves
 
Nomes Comuns Coletivos
Nomes Comuns ColetivosNomes Comuns Coletivos
Nomes Comuns Coletivos
vera martins
 

Mais procurados (20)

Maria Eduarda-Os Maias
Maria Eduarda-Os MaiasMaria Eduarda-Os Maias
Maria Eduarda-Os Maias
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereira
 
Nomes coletivos.doc
Nomes coletivos.docNomes coletivos.doc
Nomes coletivos.doc
 
Na mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de QuentalNa mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de Quental
 
Os nomes comuns, próprios e colectivos
Os nomes comuns, próprios e colectivosOs nomes comuns, próprios e colectivos
Os nomes comuns, próprios e colectivos
 
Palavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentesPalavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentes
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Exercícios sobre classes de palavras
Exercícios sobre classes de palavrasExercícios sobre classes de palavras
Exercícios sobre classes de palavras
 
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de CamposAnálise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
 
Ficha dos determinantes e pronomes possessivos
Ficha dos determinantes e pronomes possessivosFicha dos determinantes e pronomes possessivos
Ficha dos determinantes e pronomes possessivos
 
Narrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasNarrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os Maias
 
Pronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbalPronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbal
 
Trabalho sobre (Aquela triste e leda madrugada de Luís de camões ( análise ))
Trabalho sobre (Aquela triste e leda madrugada de Luís de camões ( análise ))Trabalho sobre (Aquela triste e leda madrugada de Luís de camões ( análise ))
Trabalho sobre (Aquela triste e leda madrugada de Luís de camões ( análise ))
 
Aquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseAquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e Análise
 
Os maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intrigaOs maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intriga
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
 
Recursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercíciosRecursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercícios
 
Autores portugueses literatura infantil
Autores portugueses literatura infantilAutores portugueses literatura infantil
Autores portugueses literatura infantil
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 
Nomes Comuns Coletivos
Nomes Comuns ColetivosNomes Comuns Coletivos
Nomes Comuns Coletivos
 

Destaque

Conto popular aa
Conto popular aaConto popular aa
Conto popular aa
armindaalmeida
 
Tradição oral portuguesa
Tradição oral portuguesaTradição oral portuguesa
Tradição oral portuguesa
Vanda Pereira Bregieiro
 
Textos De TradiçãO Oral
Textos De TradiçãO OralTextos De TradiçãO Oral
Textos De TradiçãO Oral
Ana Lúcia Freilão Água
 
A carta
A cartaA carta
A carta
7aeb23dalousa
 
A Carta: PowerPoint
A Carta: PowerPointA Carta: PowerPoint
A Carta: PowerPoint
A. Simoes
 
Ppt tradição-oral
Ppt tradição-oralPpt tradição-oral
Ppt tradição-oral
Cristina Fontes
 
2.literatura oral e_tradicional_tipologia
2.literatura oral e_tradicional_tipologia2.literatura oral e_tradicional_tipologia
2.literatura oral e_tradicional_tipologia
Helena Coutinho
 
LP: A Carta
LP: A CartaLP: A Carta
LP: A Carta
7F
 
Literaturaoraletradicionaltipologia
LiteraturaoraletradicionaltipologiaLiteraturaoraletradicionaltipologia
Literaturaoraletradicionaltipologia
armindaalmeida
 
conto tradicional-popular
 conto tradicional-popular conto tradicional-popular
conto tradicional-popular
sesal
 
Redação: Fábula, Parábola e Apólogo
Redação: Fábula, Parábola e ApólogoRedação: Fábula, Parábola e Apólogo
Redação: Fábula, Parábola e Apólogo
7 de Setembro
 
A estrutura da carta
A estrutura da cartaA estrutura da carta
A estrutura da carta
gifamiliar
 

Destaque (12)

Conto popular aa
Conto popular aaConto popular aa
Conto popular aa
 
Tradição oral portuguesa
Tradição oral portuguesaTradição oral portuguesa
Tradição oral portuguesa
 
Textos De TradiçãO Oral
Textos De TradiçãO OralTextos De TradiçãO Oral
Textos De TradiçãO Oral
 
A carta
A cartaA carta
A carta
 
A Carta: PowerPoint
A Carta: PowerPointA Carta: PowerPoint
A Carta: PowerPoint
 
Ppt tradição-oral
Ppt tradição-oralPpt tradição-oral
Ppt tradição-oral
 
2.literatura oral e_tradicional_tipologia
2.literatura oral e_tradicional_tipologia2.literatura oral e_tradicional_tipologia
2.literatura oral e_tradicional_tipologia
 
LP: A Carta
LP: A CartaLP: A Carta
LP: A Carta
 
Literaturaoraletradicionaltipologia
LiteraturaoraletradicionaltipologiaLiteraturaoraletradicionaltipologia
Literaturaoraletradicionaltipologia
 
conto tradicional-popular
 conto tradicional-popular conto tradicional-popular
conto tradicional-popular
 
Redação: Fábula, Parábola e Apólogo
Redação: Fábula, Parábola e ApólogoRedação: Fábula, Parábola e Apólogo
Redação: Fábula, Parábola e Apólogo
 
A estrutura da carta
A estrutura da cartaA estrutura da carta
A estrutura da carta
 

Semelhante a Literatura tradicional

OFICINA LEITURA E ESCRITA
OFICINA LEITURA E ESCRITAOFICINA LEITURA E ESCRITA
OFICINA LEITURA E ESCRITA
Jakeline Bittencourt
 
Parabola sete vimes
Parabola sete vimesParabola sete vimes
Parabola sete vimes
soniacfc
 
Rezar o Pai-Nosso em família
Rezar o Pai-Nosso em famíliaRezar o Pai-Nosso em família
Rezar o Pai-Nosso em família
Fraternitas Movimento
 
Literatura oral e tradicional (Textos)
Literatura oral e tradicional (Textos)Literatura oral e tradicional (Textos)
Literatura oral e tradicional (Textos)
helena frança
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
AdrianaCunha84
 
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
kissh4
 
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
Hilda Lucki
 
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
Luis Alberto Bassoli
 
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
Karina Cordovil
 
Museu da Familia
Museu da FamiliaMuseu da Familia
Museu da Familia
EAPFREITAS
 
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
Luiz Carlos Dias
 
Museu da Familia
Museu da FamiliaMuseu da Familia
Museu da Familia
izabelfonseca
 
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
Gabriela da Silva
 
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
DenizecomZ
 
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
Naigella R,
 
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
amanda carneiro
 
Bem vindo ao museu da
Bem vindo ao museu daBem vindo ao museu da
Bem vindo ao museu da
Mensagens Virtuais
 
Bem vindo ao museu da
Bem vindo ao museu daBem vindo ao museu da
Bem vindo ao museu da
Mensagens Virtuais
 
Museu da familia[1]
Museu da familia[1]Museu da familia[1]
Museu da familia[1]
get1maio
 

Semelhante a Literatura tradicional (20)

OFICINA LEITURA E ESCRITA
OFICINA LEITURA E ESCRITAOFICINA LEITURA E ESCRITA
OFICINA LEITURA E ESCRITA
 
Parabola sete vimes
Parabola sete vimesParabola sete vimes
Parabola sete vimes
 
Rezar o Pai-Nosso em família
Rezar o Pai-Nosso em famíliaRezar o Pai-Nosso em família
Rezar o Pai-Nosso em família
 
Literatura oral e tradicional (Textos)
Literatura oral e tradicional (Textos)Literatura oral e tradicional (Textos)
Literatura oral e tradicional (Textos)
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
 
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
 
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
 
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
 
Museu da Familia
Museu da FamiliaMuseu da Familia
Museu da Familia
 
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
 
Museu da Familia
Museu da FamiliaMuseu da Familia
Museu da Familia
 
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
 
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
 
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
 
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
 
Museu da familia
Museu da familiaMuseu da familia
Museu da familia
 
Bem vindo ao museu da
Bem vindo ao museu daBem vindo ao museu da
Bem vindo ao museu da
 
Bem vindo ao museu da
Bem vindo ao museu daBem vindo ao museu da
Bem vindo ao museu da
 
Museu da familia[1]
Museu da familia[1]Museu da familia[1]
Museu da familia[1]
 

Mais de Fernanda Monteiro

Artigo cientfico e técnico
Artigo cientfico e técnicoArtigo cientfico e técnico
Artigo cientfico e técnico
Fernanda Monteiro
 
Texto Argumentativo
Texto Argumentativo Texto Argumentativo
Texto Argumentativo
Fernanda Monteiro
 
Matriz teste1 8 G
Matriz teste1 8 GMatriz teste1 8 G
Matriz teste1 8 G
Fernanda Monteiro
 
Matriz teste1 8 F
Matriz teste1 8 FMatriz teste1 8 F
Matriz teste1 8 F
Fernanda Monteiro
 
Artigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoArtigo científico e técnico
Artigo científico e técnico
Fernanda Monteiro
 
A publicidade
A publicidadeA publicidade
A publicidade
Fernanda Monteiro
 
Crítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónicaCrítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónica
Fernanda Monteiro
 
Síntese literatura tradicional
Síntese literatura tradicionalSíntese literatura tradicional
Síntese literatura tradicional
Fernanda Monteiro
 
Relações semânticas entre palavras
Relações semânticas entre palavrasRelações semânticas entre palavras
Relações semânticas entre palavras
Fernanda Monteiro
 
Coordenação frásica - quadro síntese
Coordenação frásica - quadro sínteseCoordenação frásica - quadro síntese
Coordenação frásica - quadro síntese
Fernanda Monteiro
 
A reportagem
A reportagemA reportagem
A reportagem
Fernanda Monteiro
 
A entrevista
A entrevistaA entrevista
A entrevista
Fernanda Monteiro
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
Fernanda Monteiro
 
Coordenação e subordinação
Coordenação e subordinaçãoCoordenação e subordinação
Coordenação e subordinação
Fernanda Monteiro
 
Classificação de orações
Classificação de oraçõesClassificação de orações
Classificação de orações
Fernanda Monteiro
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
Fernanda Monteiro
 

Mais de Fernanda Monteiro (16)

Artigo cientfico e técnico
Artigo cientfico e técnicoArtigo cientfico e técnico
Artigo cientfico e técnico
 
Texto Argumentativo
Texto Argumentativo Texto Argumentativo
Texto Argumentativo
 
Matriz teste1 8 G
Matriz teste1 8 GMatriz teste1 8 G
Matriz teste1 8 G
 
Matriz teste1 8 F
Matriz teste1 8 FMatriz teste1 8 F
Matriz teste1 8 F
 
Artigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoArtigo científico e técnico
Artigo científico e técnico
 
A publicidade
A publicidadeA publicidade
A publicidade
 
Crítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónicaCrítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónica
 
Síntese literatura tradicional
Síntese literatura tradicionalSíntese literatura tradicional
Síntese literatura tradicional
 
Relações semânticas entre palavras
Relações semânticas entre palavrasRelações semânticas entre palavras
Relações semânticas entre palavras
 
Coordenação frásica - quadro síntese
Coordenação frásica - quadro sínteseCoordenação frásica - quadro síntese
Coordenação frásica - quadro síntese
 
A reportagem
A reportagemA reportagem
A reportagem
 
A entrevista
A entrevistaA entrevista
A entrevista
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
 
Coordenação e subordinação
Coordenação e subordinaçãoCoordenação e subordinação
Coordenação e subordinação
 
Classificação de orações
Classificação de oraçõesClassificação de orações
Classificação de orações
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
 

Último

Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 

Último (20)

Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 

Literatura tradicional

  • 1. TEXTOS DE TRADIÇÃO ORAL Era uma vez…
  • 2. Integram-se obras cuja divulgação se faz por via da transmissão oral, por vezes durante séculos, de geração para geração, de comunidade para comunidade, de indivíduo para indivíduo.
  • 3. GÉNEROS PERTENCENTES À LITERATURA ORAL E TRADICIONAL • Os contos • As lendas • Os mitos • As fábulas • Parábolas • Os romances tradicionais • As lengalengas • Os trava-línguas • As quadras populares • As cantigas infantis • Os provérbios • As adivinhas • As anedotas
  • 4. O CONTO POPULAR  Também conhecido como conto tradicional, é um texto narrativo, geralmente curto.  É criado e enriquecido pela imaginação popular e procura entreter ou educar o ouvinte.  A sua origem perdeu-se no tempo. Ninguém é dono e senhor dos contos populares. Por isso, cada povo e cada geração contam-nos à sua maneira, às vezes corrigindo e acrescentando um ou outro pormenor no enredo. Daí o provérbio: “Quem conta um conto acrescenta um ponto”.
  • 5. A LENDA Narrativa na qual se misturam realidade e ficção. A finalidade da história narrada é apresentar uma explicação sobre um facto real (por exemplo o nome de uma localidade). Rainha Santa Isabel
  • 6. O MITO • Um mito é uma narrativa de caráter simbólico, relacionada a uma dada cultura. O mito procura explicar a realidade, os fenómenos naturais, as origens do Mundo e do Homem por meio de deuses, semideuses e heróis. • Os acontecimentos históricos podem transformar-se em mitos, se adquirem uma determinada carga simbólica para uma dada cultura. • Na maioria das vezes, o termo refere-se especificamente aos relatos das civilizações antigas que, organizados, constituem uma mitologia - por exemplo, a mitologia grega e a mitologia romana.
  • 7. A FÁBULA  Narrativa em prosa ou em verso.  As personagens são geralmente animais com características humanas, que mantêm um diálogo.  No final, retira-se uma lição de moral que resume a história.  Os temas vão desde a vitória da fraqueza sobre a força, da bondade sobre a astúcia ou a derrota dos presunçosos.
  • 8. A PARÁBOLA História curta que ensina a verdade ou dá uma lição de moral. Muitas vezes, contém um fundo religioso, por exemplo, ensinamentos cristãos. «Parábola dos sete vimes»
  • 9. Era uma vez um pai que tinha sete filhos. Quando estava para morrer chamou-os todos sete e disse-lhes assim: – Filhos, já sei que não posso durar muito: mas antes de morrer, quero que cada um de vós me vá buscar um vime seco, e mo traga aqui. – Eu também? – perguntou o mais pequeno que só tinha quatro anos. O mais velho tinha vinte e cinco, e era um rapaz muito reforçado e o mais valente da freguesia. – Tu também – respondeu o pai ao mais pequeno. Saíram os sete filhos; daí a pouco tornaram a voltar, trazendo cada um o seu vime seco. O pai pegou no vime que trouxe o filho mais velho, e entregou-o ao mais novinho, dizendo-lhe: – Parte esse vime. O pequeno partiu o vime, e não lhe custou nada a partir. Depois o pai entregou o outro ao mesmo filho mais novo, e disse-lhe: – Agora parte também esse. O pequeno partiu-o; e partiu, um a um, todos os outros, que o pai lhe foi entregando, e não lhe custou nada parti-los todos. Partindo o último, o pai disse outra vez aos filhos: – Agora ide por outro vime e trazei-mo. Os filhos tornaram a sair, e daí a pouco estavam outra vez ao pé do pai, cada um com o seu vime. – Agora dai-mos cá – disse o pai. E dos vimes todos fez um feixe, atando-os com um vincelho. E voltando-se para o filho mais velho, disse-lhe assim: – Toma este feixe! Parte-o! O filho empregou quanta força tinha, mas não foi capaz de partir o feixe. – Não podes? – perguntou ele ao filho. – Não, meu pai, não posso. – E algum de vós é capaz de o partir? Experimentai. Não foi nenhum capaz de o partir, nem dois juntos, nem três, nem todos juntos. O pai disse-lhes então: – Meus filhos, o mais pequenino de vós partiu sem lhe custar nada todos os vimes, enquanto os partiu um por um; e o mais velho de vós não pôde parti-los todos juntos; nem vós, todos juntos, fostes capazes de partir o feixe. Pois bem, lembrai-vos disto e do que vos vou dizer: enquanto vós estiverdes unidos, como irmãos que sois, ninguém zombará de vós, nem vos fará mal, ou vencerá. Mas logo que vos separeis, ou reine entre vós a desunião, facilmente sereis vencidos. Acabou de dizer isto e morreu – e os filhos foram muito felizes, porque viveram sempre em boa irmandade ajudando-se sempre uns aos outros; e como não houve forças que os desunissem, também nunca houve forças que os vencessem. COELHO, Trindade, Os Meus Amores, Biblioteca Ulisseia de Autores Portugueses
  • 10. ROMANCEIROS • Coleção de romances, isto é, de antigas narrativas de factos reais, imaginários ou lendas, em prosa ou em verso, ou de poemas em versos curtos e simples, baseados em assunto capaz de comover, próprios para serem cantados. • Em Portugal, o primeiro romanceiro remonta à primeira geração romântica, devendo-se a sua organização a Almeida Garrett (1843).
  • 11. O PROVÉRBIO Frase da sabedoria popular que nos dá conselhos, ensinamentos ou sugestões. Não é diretamente percebido, parecendo um «código» cujo sentido é preciso decifrar.
  • 12. A LENGALENGA  Texto oral de origem popular.  Forma de divertimento que, por vezes, tem uma intenção crítica ou transmite uma moral.  Tem repetições de palavras e frases para criar um ritmo musical e cantante, facilitando a sua memorização.  Uma lengalenga é para ser dita… e memorizada.
  • 13. TRAVA-LÍNGUAS  Simples passatempo com palavras cuja pronúncia se torna difícil.  Forma de divertimento que serve como exercício de «destrava- línguas», ou seja, para pronunciar letras/ sons corretamente.
  • 14. A ADIVINHA  Frase ou pergunta enigmática e, em geral, com graça.  Tem o objetivo de levar alguém a encontrar a solução ou resposta adequada.
  • 15. A ANEDOTA • Uma piada ou anedota é uma breve história, de final engraçado e às vezes surpreendente, cujo objetivo é provocar risos ou gargalhadas em quem a ouve ou lê. É um recurso humorístico utilizado na comédia e também na vida quotidiana.
  • 17. 1. Da tradição oral fazem parte os provérbios, para além das adivinhas, das quadras populares e dos contos tradicionais. Verdadeira. Falsa. 2. Os textos da tradição oral são transmitidos através da escrita. Verdadeira. Falsa. 3. Adivinhas, contos populares e provérbios têm sempre um autor que é identificado. Verdadeira. Falsa. X 4. Uma das funções destes textos é o entretenimento, durante o convívio entre pessoas de diferentes gerações. Verdadeira. Falsa. X X X
  • 18. 5. Trata-se de um repertório muito significativo para um povo, já que encerra e perpetua um conjunto de ensinamentos morais. Verdadeira. Falsa. 6. As crianças e os jovens só começam a contactar com este tipo de textos quando já sabem ler e escrever. Verdadeira. Falsa. 7. A transmissão destes textos dá origem à produção de variantes, pois cada emissor, tendo sido já um receptor, altera o discurso que ouviu, acrescentando ou omitindo pormenores. Verdadeira. Falsa. X X X