SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIDADE 2
Fernão Lopes, Crónica de D. João I
Painéis de São Vicente de Fora (c. 1470-1480), pintura a óleo atribuída a Nuno Gonçalves,
Museu Nacional de Arte Antiga.
1. Vida e obra de Fernão Lopes
• C. 1385-1459.
• Primeiro cronista oficial do reino.
• Guarda-mor da Torre do Tombo de 1418 a 1454.
• Origem: provavelmente popular ou mesteiral.
• Educação: provavelmente numa escola conventual;
autodidata; domínio do latim e do castelhano.
• Funções na corte: escrivão de livros de D. João I
e de D. Duarte; escrivão da puridade do infante
D. Fernando.
• Nomeações: guarda das escrituras do Tombo
(em 1418); cronista-mor do reino (1434-1454).
Pormenor dos Painéis de São
Vicente de Fora representando
Fernão Lopes.
• Pedido de D. Duarte: escrever a história da primeira dinastia e do reinado
de seu pai, D. João I.
• Ativo durante três reinados.
• D. Afonso V substitui Fernão Lopes por Gomes Eanes de Zurara em 1454.
D. Duarte (1433-1438). D. Afonso V (1438-1481).D. João I (1385-1433).
• O seu trabalho historiográfico terá começado com os primeiros reinados
portugueses.
• Fernão Lopes concluiu as Crónicas de D. Pedro I, de D. Fernando e de
D. João I (c. 1450).
D. João I (1385-1433).D. Pedro I (1357-1367). D. Fernando (1367-1383).
Página iluminada da Crónica de D. João I, com uma vista
de Lisboa do século XV (Arquivo Nacional da Torre do Tombo).
Mosteiros de Lorvão e Santo Tirso Cortes senhoriais e régias
Textos de diferentes proveniências:
• textos eclesiásticos latinos;
• novelas de cavalaria;
• registos genealógicos;
• lendas.
Cronicões:
notas sobre factos históricos, genealogias dos reis e da nobreza
2. Historiografia portuguesa anterior
a Fernão Lopes
Crónicas: narrativas do passado histórico português.
 Crónica da Conquista do Algarve; Crónicas Breves de Santa Cruz;
Crónica Geral de Espanha de 1344.
Livros de linhagens: narrativas do passado
histórico português.
Genealogias da nobreza
+
Lendas da tradição europeia
 Quatro livros de linhagens; o terceiro e o quarto
são organizados pelo conde D. Pedro.
Iluminura do anterrosto do Livro de Linhagens
do Conde Dom Pedro, século XVII.
Objetivos dos livros de linhagens:
 Traçar a linhagem das casas nobres;
 Identificar as famílias nobres;
 Definir o parentesco entre as famílias nobres.
Finalidades:
 Determinar direitos patrimoniais;
 Evitar casamentos consanguíneos;
 Estimular a solidariedade entre os nobres peninsulares.
D. Constança
D. Leonor
Teles
3. A crise dinástica de 1383-1385
D. João, Mestre de Avis
D. Teresa Lourenço
D. DinisD. João
D. Pedro I
D. Inês
D. Fernando
D. Beatriz
Pretendentes ao trono
português
Etapas:
• 2 de abril de 1383: Tratado de Salvaterra de Magos
(acordo do casamento entre D. Beatriz e D. João I
de Castela).
• 22 de outubro de 1383: morte de D. Fernando;
D. Leonor assume a regência; o rei de Castela
ambiciona o trono de Portugal.
• 6 de dezembro de 1383: o Mestre de Avis mata o conde
Andeiro.
• De maio a setembro de 1384: guerra com Castela 
cerco castelhano à cidade de Lisboa.
• 6 de abril de 1385: cortes de Coimbra  o Mestre de Avis
é aclamado rei de Portugal.
• 14 de agosto de 1385: Batalha de Aljubarrota.
Jean de Wavrin, A Batalha de Aljubarrota, iluminura da Crónica de Grã-Bretanha (c. 1445).
• Crónica do Condestabre de Portugal (sobre D. Nuno Álvares Pereira).
• Tratado dos Feitos de D. João, Mestre de Avis, de Christophorus
(eclesiástico ou doutor em leis).
• Crónica dos Reis de Castela, de Pero López de Ayala.
• Crónica dos Feitos de D. Fernando, de Martim Afonso de Melo.
Objetivos:
 Fundamentar a verdade histórica em documentos escritos;
 Confrontar os documentos para aferir a verdade dos factos.
4. As fontes de Fernão Lopes
• Ligação do cronista à nova dinastia.
• Investimento na construção de uma historiografia nacional.
• Legitimação da nova dinastia de Avis.
• Defesa da sua subida ao trono (pela fundamentação da versão
dos acontecimentos narrados).
• Exaltação dos feitos do fundador da dinastia.
5. A Crónica de D. João I  uma apologia
D. João I.
Cronística régia
(promovida pela casa real)
1.ª Parte da Crónica de D. João I
• Ação concentrada em cerca de dezasseis meses  vários acontecimentos
simultâneos;
• Da morte do conde Andeiro (dezembro de 1383) à aclamação do Mestre
de Avis como rei de Portugal nas cortes de Coimbra (abril de 1385).
Interregno de 1383-1385
António José de Sousa Azevedo (1830-1864),
Morte do Conde Andeiro, Museu Nacional
de Soares dos Reis (c. 1860).
2.ª Parte da Crónica de D. João I
• Decorre entre abril de 1385 e outubro de 1411.
• Narra o conflito bélico entre Portugal e Castela.
• A narração inicia-se com o final das cortes de Coimbra e termina com
a assinatura do tratado de paz.
Reinado de D. João I
Objetivo da crónica:
demonstrar a legitimidade da eleição régia determinada
pela vontade da população do reino.
Prólogo da Crónica de D. João I
• Importância da verdade.
• Distinção dos cronistas que o precederam.
«mundanall afeiçom»
«naturall inclinaçom»
Falsidade nos relatos
Exposição sobre o método do historiador:
 consulta de numerosos testemunhos escritos;
 análise das fontes, verificando quais são as mais verdadeiras
pelo confronto de manuscritos e de documentação variada.
Prólogo do manuscrito da Crónica
de D. João I da Biblioteca Nacional
de Espanha (século XVI).
Personagens
• Personagens individuais
Protagonistas:
 D. Leonor Teles (a vilã);
 D. João, Mestre de Avis (o retrato de um homem espontâneo);
 D. Nuno Álvares Pereira (o herói guerreiro e hagiográfico).
Personagens complexas:
 protagonizam cenas dramáticas;
 confrontam-se e dialogam (diálogo).
• Personagens coletivas
Movimentos de massas:
 Multidão;
 Povos do reino;
 Habitantes de vários locais;
 «Opinião pública».
A força e a vontade da coletividade:
«todos animados»;
«a cidade soube»
(Descrição e visualismo.)
Dramatismo/dinamismo
• Personagens individuais e coletivas
A força e a vontade
da coletividade:
«todos animados»;
«a cidade soube»
(Descrição e visualismo.)
Personagens complexas:
 protagonizam cenas
dramáticas;
 confrontam-se
e dialogam (diálogo).
• O povo de Lisboa e os grupos profissionais
manifestam-se contra D. Leonor Teles;
• O povo de Lisboa manifesta-se contra a influência castelhana;
• O povo de Lisboa suporta as duras condições do cerco;
• O exército português combate na Batalha dos Atoleiros
e na Batalha de Aljubarrota em defesa de Portugal.
Ameaça para o reino
Fortalecimento da noção de comunidade nacional:
Afirmação da consciência coletiva
Invasão castelhana.
Perda de independência.
Apelo ao patriotismo da «arraia-miúda».
O povo age,
mobiliza-se,
participa.
Pormenor do Castelo de São Jorge e das muralhas de Lisboa durante o cerco castelhano
de 1384, ilustração da Crónica de D. Afonso Henriques, de Duarte Galvão (1505).
O estilo de Fernão Lopes
• Vivacidade
 Capítulos organizados em sequências narrativas que evoluem
de forma gradual até ao clímax do episódio (planos cenográficos).
 Caracterização das personagens a partir das suas atitudes.
 Utilização de narração, descrição e diálogo de forma alternada.
 Utilização de verbos de ação e do gerúndio.
• Linguagem coloquial/oralizante
 Utilização do registo corrente/popular;
 Convocação frequente do narratário;
 Recurso a apóstrofes, interrogações retóricas, exclamações
e interjeições.
• Apelo visual
 Utilização de campos lexicais relacionados com os sentidos (visão,
audição).
 Recurso a enumerações, comparações, personificações e dupla
adjetivação.
Bibliografia
AMADO, Teresa (1980) – Crónica de D. João I. Lisboa: Editorial Comunicação.
CARRIÇO, Lilaz (1990) – Literatura Prática — 10.º e 11.º anos de escolaridade. Porto: Porto Editora.
CASTRO, Ivo (1991) – Curso de História da Língua Portuguesa. Lisboa: Universidade Aberta.
FERREIRA, Maria Ema Tarracha (1988) – Poesia e Prosa Medievais, 2.ª ed. Lisboa: Editora Ulisseia.
GOMES, Rita Costa (1995) – A Corte dos reis de Portugal no final da Idade Média. Lisboa: Difel.
NUNES, Patrícia et alii (2008) – Enciclopédia do Estudante, vol. 10. Carnaxide: Santillana-Constância,
pp. 56-61.
REBELO, Luís Sousa (1983) – A concepção do Poder em Fernão Lopes. Lisboa: Livros Horizonte.
SARAIVA, António José; LOPES, Óscar (1992) – História da Literatura Portuguesa, 16.ª ed. Porto:
Porto Editora.
______________________ (1988) – O Crepúsculo da Idade Média em Portugal, Parte III. Lisboa:
Gradiva.
TAVARES, Maria José (1983) – «A Nobreza no reinado de D. Fernando e a sua atuação em
1383-1385», in Revista de História Económica e Social, n.º 12, Julho-Dezembro de 1983.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
gracacruz
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Vanda Sousa
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
nando_reis
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
colegiomb
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
becastanheiradepera
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verbo
Ana Martins
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versos
domplex123
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
Dina Baptista
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
Dina Baptista
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
Ana Tapadas
 
Nevoeiro
Nevoeiro   Nevoeiro
Nevoeiro
aramalho340
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
Maria Teresa Soveral
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
Raffaella Ergün
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Raffaella Ergün
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
Cristina Martins
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento direto
quintaldasletras
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
Gijasilvelitz 2
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
gracacruz
 
O resumo de Os Maias
O resumo de Os MaiasO resumo de Os Maias
O resumo de Os Maias
António Fernandes
 

Mais procurados (20)

Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verbo
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versos
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
 
Nevoeiro
Nevoeiro   Nevoeiro
Nevoeiro
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento direto
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
 
O resumo de Os Maias
O resumo de Os MaiasO resumo de Os Maias
O resumo de Os Maias
 

Destaque

Fernão Lopes
Fernão LopesFernão Lopes
Fernão Lopes
Paula Oliveira Cruz
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
Jorge Almeida
 
Formação de palavras
Formação de palavrasFormação de palavras
Formação de palavras
Luís Sérgio
 
Fernão Lopes
Fernão LopesFernão Lopes
Fernão Lopes
Eduarda Cortina
 
A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1
helder33701
 
Processos irregulares de formação de palavras
Processos irregulares de formação de palavrasProcessos irregulares de formação de palavras
Processos irregulares de formação de palavras
Lina Claro
 
Categorias Da Narrativa
Categorias Da NarrativaCategorias Da Narrativa
Categorias Da Narrativa
Maria Fonseca
 
Resumo da disciplina de Português - 10 Ano
Resumo da disciplina de Português - 10 AnoResumo da disciplina de Português - 10 Ano
Resumo da disciplina de Português - 10 Ano
Rui Oliveira
 

Destaque (8)

Fernão Lopes
Fernão LopesFernão Lopes
Fernão Lopes
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
 
Formação de palavras
Formação de palavrasFormação de palavras
Formação de palavras
 
Fernão Lopes
Fernão LopesFernão Lopes
Fernão Lopes
 
A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1
 
Processos irregulares de formação de palavras
Processos irregulares de formação de palavrasProcessos irregulares de formação de palavras
Processos irregulares de formação de palavras
 
Categorias Da Narrativa
Categorias Da NarrativaCategorias Da Narrativa
Categorias Da Narrativa
 
Resumo da disciplina de Português - 10 Ano
Resumo da disciplina de Português - 10 AnoResumo da disciplina de Português - 10 Ano
Resumo da disciplina de Português - 10 Ano
 

Semelhante a Crónica de D. João I de Fernão Lopes

Crónica de D. Pedro I - parte de uma trilogia.pptx
Crónica de D. Pedro I - parte de uma trilogia.pptxCrónica de D. Pedro I - parte de uma trilogia.pptx
Crónica de D. Pedro I - parte de uma trilogia.pptx
AntonioCoito1
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Fernando Ribeiro
 
Ficha Informativa Fernão Lopes
Ficha Informativa Fernão LopesFicha Informativa Fernão Lopes
Ficha Informativa Fernão Lopes
Ana Pereira
 
fernao-lopes-cronica-de-d-joao-i.pdf
fernao-lopes-cronica-de-d-joao-i.pdffernao-lopes-cronica-de-d-joao-i.pdf
fernao-lopes-cronica-de-d-joao-i.pdf
CarlaMarisa6
 
Humanismo2
Humanismo2Humanismo2
Humanismo2
Dani Bertollo
 
Crónica de D. João I.pptx
Crónica de D. João I.pptxCrónica de D. João I.pptx
Crónica de D. João I.pptx
IriaVasconcelos
 
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptx
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptxAula 4 Humanismo em Portugal.pptx
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptx
JaquelineFernandes79
 
História de portugal
História  de portugal   História  de portugal
História de portugal
Ministério da Educação
 
Ppt formação de portugal e dinastias
Ppt formação de portugal e dinastiasPpt formação de portugal e dinastias
Ppt formação de portugal e dinastias
Ministry of Education (Brazil)
 
Apresentação condensada 1
Apresentação condensada 1Apresentação condensada 1
Apresentação condensada 1
Julio de Sa
 
Cronologia BiográFica LuíS De Meneses
Cronologia BiográFica    LuíS De  MenesesCronologia BiográFica    LuíS De  Meneses
Cronologia BiográFica LuíS De Meneses
Sílvia Mendonça
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Quinhentismo..ppt
Quinhentismo..pptQuinhentismo..ppt
Quinhentismo..ppt
RICKzn
 
A épica medieval portuguesa
A épica medieval portuguesaA épica medieval portuguesa
A épica medieval portuguesa
Franquilim Cerqueira
 
Escola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruzEscola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruz
BiiancaAlvees
 
Escola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruzEscola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruz
BiiancaAlvees
 
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Carolina Magalhães
 
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Carolina Magalhães
 
Escola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruzEscola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruz
BiiancaAlvees
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
luisprista
 

Semelhante a Crónica de D. João I de Fernão Lopes (20)

Crónica de D. Pedro I - parte de uma trilogia.pptx
Crónica de D. Pedro I - parte de uma trilogia.pptxCrónica de D. Pedro I - parte de uma trilogia.pptx
Crónica de D. Pedro I - parte de uma trilogia.pptx
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Ficha Informativa Fernão Lopes
Ficha Informativa Fernão LopesFicha Informativa Fernão Lopes
Ficha Informativa Fernão Lopes
 
fernao-lopes-cronica-de-d-joao-i.pdf
fernao-lopes-cronica-de-d-joao-i.pdffernao-lopes-cronica-de-d-joao-i.pdf
fernao-lopes-cronica-de-d-joao-i.pdf
 
Humanismo2
Humanismo2Humanismo2
Humanismo2
 
Crónica de D. João I.pptx
Crónica de D. João I.pptxCrónica de D. João I.pptx
Crónica de D. João I.pptx
 
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptx
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptxAula 4 Humanismo em Portugal.pptx
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptx
 
História de portugal
História  de portugal   História  de portugal
História de portugal
 
Ppt formação de portugal e dinastias
Ppt formação de portugal e dinastiasPpt formação de portugal e dinastias
Ppt formação de portugal e dinastias
 
Apresentação condensada 1
Apresentação condensada 1Apresentação condensada 1
Apresentação condensada 1
 
Cronologia BiográFica LuíS De Meneses
Cronologia BiográFica    LuíS De  MenesesCronologia BiográFica    LuíS De  Meneses
Cronologia BiográFica LuíS De Meneses
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
 
Quinhentismo..ppt
Quinhentismo..pptQuinhentismo..ppt
Quinhentismo..ppt
 
A épica medieval portuguesa
A épica medieval portuguesaA épica medieval portuguesa
A épica medieval portuguesa
 
Escola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruzEscola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruz
 
Escola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruzEscola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruz
 
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
 
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
 
Escola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruzEscola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruz
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
 

Mais de Gijasilvelitz 2

Cantigas de escárnio e maldizer - resumo
Cantigas de escárnio e maldizer - resumoCantigas de escárnio e maldizer - resumo
Cantigas de escárnio e maldizer - resumo
Gijasilvelitz 2
 
Cantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumoCantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumo
Gijasilvelitz 2
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
Gijasilvelitz 2
 
Inês quite e desforrada - Gil Vicente
Inês quite e desforrada - Gil VicenteInês quite e desforrada - Gil Vicente
Inês quite e desforrada - Gil Vicente
Gijasilvelitz 2
 
Inês malmaridada - Gil Vicente
Inês malmaridada - Gil VicenteInês malmaridada - Gil Vicente
Inês malmaridada - Gil Vicente
Gijasilvelitz 2
 
Inês fantasiosa - Gil Vicente
Inês fantasiosa - Gil VicenteInês fantasiosa - Gil Vicente
Inês fantasiosa - Gil Vicente
Gijasilvelitz 2
 
A Amada em Luís de Camões 10º ano
A Amada em Luís de Camões 10º anoA Amada em Luís de Camões 10º ano
A Amada em Luís de Camões 10º ano
Gijasilvelitz 2
 
Infertilidade Masculina
Infertilidade MasculinaInfertilidade Masculina
Infertilidade Masculina
Gijasilvelitz 2
 
Lírica Camoniana
Lírica CamonianaLírica Camoniana
Lírica Camoniana
Gijasilvelitz 2
 
Poesia Trovadoresca - Contextualização
Poesia Trovadoresca - ContextualizaçãoPoesia Trovadoresca - Contextualização
Poesia Trovadoresca - Contextualização
Gijasilvelitz 2
 
Os Lusíadas de Luís de Camões
Os Lusíadas de Luís de CamõesOs Lusíadas de Luís de Camões
Os Lusíadas de Luís de Camões
Gijasilvelitz 2
 
Auto da Feira de Gil Vicente
Auto da Feira de Gil VicenteAuto da Feira de Gil Vicente
Auto da Feira de Gil Vicente
Gijasilvelitz 2
 
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015
Gijasilvelitz 2
 
A gramática com o novo acordo ortográfico - Porto Editora
A gramática com o novo acordo ortográfico - Porto EditoraA gramática com o novo acordo ortográfico - Porto Editora
A gramática com o novo acordo ortográfico - Porto Editora
Gijasilvelitz 2
 
Agricultura Biológica
Agricultura BiológicaAgricultura Biológica
Agricultura Biológica
Gijasilvelitz 2
 
Eu nos contextos - Modelo Ecológico do Desenvolvimento
Eu nos contextos - Modelo Ecológico do DesenvolvimentoEu nos contextos - Modelo Ecológico do Desenvolvimento
Eu nos contextos - Modelo Ecológico do Desenvolvimento
Gijasilvelitz 2
 
Situação Energética Mundial
Situação Energética MundialSituação Energética Mundial
Situação Energética Mundial
Gijasilvelitz 2
 

Mais de Gijasilvelitz 2 (17)

Cantigas de escárnio e maldizer - resumo
Cantigas de escárnio e maldizer - resumoCantigas de escárnio e maldizer - resumo
Cantigas de escárnio e maldizer - resumo
 
Cantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumoCantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumo
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
 
Inês quite e desforrada - Gil Vicente
Inês quite e desforrada - Gil VicenteInês quite e desforrada - Gil Vicente
Inês quite e desforrada - Gil Vicente
 
Inês malmaridada - Gil Vicente
Inês malmaridada - Gil VicenteInês malmaridada - Gil Vicente
Inês malmaridada - Gil Vicente
 
Inês fantasiosa - Gil Vicente
Inês fantasiosa - Gil VicenteInês fantasiosa - Gil Vicente
Inês fantasiosa - Gil Vicente
 
A Amada em Luís de Camões 10º ano
A Amada em Luís de Camões 10º anoA Amada em Luís de Camões 10º ano
A Amada em Luís de Camões 10º ano
 
Infertilidade Masculina
Infertilidade MasculinaInfertilidade Masculina
Infertilidade Masculina
 
Lírica Camoniana
Lírica CamonianaLírica Camoniana
Lírica Camoniana
 
Poesia Trovadoresca - Contextualização
Poesia Trovadoresca - ContextualizaçãoPoesia Trovadoresca - Contextualização
Poesia Trovadoresca - Contextualização
 
Os Lusíadas de Luís de Camões
Os Lusíadas de Luís de CamõesOs Lusíadas de Luís de Camões
Os Lusíadas de Luís de Camões
 
Auto da Feira de Gil Vicente
Auto da Feira de Gil VicenteAuto da Feira de Gil Vicente
Auto da Feira de Gil Vicente
 
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015
 
A gramática com o novo acordo ortográfico - Porto Editora
A gramática com o novo acordo ortográfico - Porto EditoraA gramática com o novo acordo ortográfico - Porto Editora
A gramática com o novo acordo ortográfico - Porto Editora
 
Agricultura Biológica
Agricultura BiológicaAgricultura Biológica
Agricultura Biológica
 
Eu nos contextos - Modelo Ecológico do Desenvolvimento
Eu nos contextos - Modelo Ecológico do DesenvolvimentoEu nos contextos - Modelo Ecológico do Desenvolvimento
Eu nos contextos - Modelo Ecológico do Desenvolvimento
 
Situação Energética Mundial
Situação Energética MundialSituação Energética Mundial
Situação Energética Mundial
 

Último

PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 

Último (20)

PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 

Crónica de D. João I de Fernão Lopes

  • 1. UNIDADE 2 Fernão Lopes, Crónica de D. João I
  • 2. Painéis de São Vicente de Fora (c. 1470-1480), pintura a óleo atribuída a Nuno Gonçalves, Museu Nacional de Arte Antiga. 1. Vida e obra de Fernão Lopes
  • 3. • C. 1385-1459. • Primeiro cronista oficial do reino. • Guarda-mor da Torre do Tombo de 1418 a 1454. • Origem: provavelmente popular ou mesteiral. • Educação: provavelmente numa escola conventual; autodidata; domínio do latim e do castelhano. • Funções na corte: escrivão de livros de D. João I e de D. Duarte; escrivão da puridade do infante D. Fernando. • Nomeações: guarda das escrituras do Tombo (em 1418); cronista-mor do reino (1434-1454). Pormenor dos Painéis de São Vicente de Fora representando Fernão Lopes.
  • 4. • Pedido de D. Duarte: escrever a história da primeira dinastia e do reinado de seu pai, D. João I. • Ativo durante três reinados. • D. Afonso V substitui Fernão Lopes por Gomes Eanes de Zurara em 1454. D. Duarte (1433-1438). D. Afonso V (1438-1481).D. João I (1385-1433).
  • 5. • O seu trabalho historiográfico terá começado com os primeiros reinados portugueses. • Fernão Lopes concluiu as Crónicas de D. Pedro I, de D. Fernando e de D. João I (c. 1450). D. João I (1385-1433).D. Pedro I (1357-1367). D. Fernando (1367-1383).
  • 6. Página iluminada da Crónica de D. João I, com uma vista de Lisboa do século XV (Arquivo Nacional da Torre do Tombo).
  • 7. Mosteiros de Lorvão e Santo Tirso Cortes senhoriais e régias Textos de diferentes proveniências: • textos eclesiásticos latinos; • novelas de cavalaria; • registos genealógicos; • lendas. Cronicões: notas sobre factos históricos, genealogias dos reis e da nobreza 2. Historiografia portuguesa anterior a Fernão Lopes
  • 8. Crónicas: narrativas do passado histórico português.  Crónica da Conquista do Algarve; Crónicas Breves de Santa Cruz; Crónica Geral de Espanha de 1344. Livros de linhagens: narrativas do passado histórico português. Genealogias da nobreza + Lendas da tradição europeia  Quatro livros de linhagens; o terceiro e o quarto são organizados pelo conde D. Pedro. Iluminura do anterrosto do Livro de Linhagens do Conde Dom Pedro, século XVII.
  • 9. Objetivos dos livros de linhagens:  Traçar a linhagem das casas nobres;  Identificar as famílias nobres;  Definir o parentesco entre as famílias nobres. Finalidades:  Determinar direitos patrimoniais;  Evitar casamentos consanguíneos;  Estimular a solidariedade entre os nobres peninsulares.
  • 10. D. Constança D. Leonor Teles 3. A crise dinástica de 1383-1385 D. João, Mestre de Avis D. Teresa Lourenço D. DinisD. João D. Pedro I D. Inês D. Fernando D. Beatriz Pretendentes ao trono português
  • 11. Etapas: • 2 de abril de 1383: Tratado de Salvaterra de Magos (acordo do casamento entre D. Beatriz e D. João I de Castela). • 22 de outubro de 1383: morte de D. Fernando; D. Leonor assume a regência; o rei de Castela ambiciona o trono de Portugal. • 6 de dezembro de 1383: o Mestre de Avis mata o conde Andeiro. • De maio a setembro de 1384: guerra com Castela  cerco castelhano à cidade de Lisboa. • 6 de abril de 1385: cortes de Coimbra  o Mestre de Avis é aclamado rei de Portugal. • 14 de agosto de 1385: Batalha de Aljubarrota.
  • 12. Jean de Wavrin, A Batalha de Aljubarrota, iluminura da Crónica de Grã-Bretanha (c. 1445).
  • 13. • Crónica do Condestabre de Portugal (sobre D. Nuno Álvares Pereira). • Tratado dos Feitos de D. João, Mestre de Avis, de Christophorus (eclesiástico ou doutor em leis). • Crónica dos Reis de Castela, de Pero López de Ayala. • Crónica dos Feitos de D. Fernando, de Martim Afonso de Melo. Objetivos:  Fundamentar a verdade histórica em documentos escritos;  Confrontar os documentos para aferir a verdade dos factos. 4. As fontes de Fernão Lopes
  • 14. • Ligação do cronista à nova dinastia. • Investimento na construção de uma historiografia nacional. • Legitimação da nova dinastia de Avis. • Defesa da sua subida ao trono (pela fundamentação da versão dos acontecimentos narrados). • Exaltação dos feitos do fundador da dinastia. 5. A Crónica de D. João I  uma apologia D. João I. Cronística régia (promovida pela casa real)
  • 15. 1.ª Parte da Crónica de D. João I • Ação concentrada em cerca de dezasseis meses  vários acontecimentos simultâneos; • Da morte do conde Andeiro (dezembro de 1383) à aclamação do Mestre de Avis como rei de Portugal nas cortes de Coimbra (abril de 1385). Interregno de 1383-1385 António José de Sousa Azevedo (1830-1864), Morte do Conde Andeiro, Museu Nacional de Soares dos Reis (c. 1860).
  • 16. 2.ª Parte da Crónica de D. João I • Decorre entre abril de 1385 e outubro de 1411. • Narra o conflito bélico entre Portugal e Castela. • A narração inicia-se com o final das cortes de Coimbra e termina com a assinatura do tratado de paz. Reinado de D. João I Objetivo da crónica: demonstrar a legitimidade da eleição régia determinada pela vontade da população do reino.
  • 17. Prólogo da Crónica de D. João I • Importância da verdade. • Distinção dos cronistas que o precederam. «mundanall afeiçom» «naturall inclinaçom» Falsidade nos relatos Exposição sobre o método do historiador:  consulta de numerosos testemunhos escritos;  análise das fontes, verificando quais são as mais verdadeiras pelo confronto de manuscritos e de documentação variada.
  • 18. Prólogo do manuscrito da Crónica de D. João I da Biblioteca Nacional de Espanha (século XVI).
  • 19. Personagens • Personagens individuais Protagonistas:  D. Leonor Teles (a vilã);  D. João, Mestre de Avis (o retrato de um homem espontâneo);  D. Nuno Álvares Pereira (o herói guerreiro e hagiográfico). Personagens complexas:  protagonizam cenas dramáticas;  confrontam-se e dialogam (diálogo).
  • 20. • Personagens coletivas Movimentos de massas:  Multidão;  Povos do reino;  Habitantes de vários locais;  «Opinião pública». A força e a vontade da coletividade: «todos animados»; «a cidade soube» (Descrição e visualismo.)
  • 21. Dramatismo/dinamismo • Personagens individuais e coletivas A força e a vontade da coletividade: «todos animados»; «a cidade soube» (Descrição e visualismo.) Personagens complexas:  protagonizam cenas dramáticas;  confrontam-se e dialogam (diálogo).
  • 22. • O povo de Lisboa e os grupos profissionais manifestam-se contra D. Leonor Teles; • O povo de Lisboa manifesta-se contra a influência castelhana; • O povo de Lisboa suporta as duras condições do cerco; • O exército português combate na Batalha dos Atoleiros e na Batalha de Aljubarrota em defesa de Portugal. Ameaça para o reino Fortalecimento da noção de comunidade nacional: Afirmação da consciência coletiva Invasão castelhana. Perda de independência. Apelo ao patriotismo da «arraia-miúda». O povo age, mobiliza-se, participa.
  • 23. Pormenor do Castelo de São Jorge e das muralhas de Lisboa durante o cerco castelhano de 1384, ilustração da Crónica de D. Afonso Henriques, de Duarte Galvão (1505).
  • 24. O estilo de Fernão Lopes • Vivacidade  Capítulos organizados em sequências narrativas que evoluem de forma gradual até ao clímax do episódio (planos cenográficos).  Caracterização das personagens a partir das suas atitudes.  Utilização de narração, descrição e diálogo de forma alternada.  Utilização de verbos de ação e do gerúndio.
  • 25. • Linguagem coloquial/oralizante  Utilização do registo corrente/popular;  Convocação frequente do narratário;  Recurso a apóstrofes, interrogações retóricas, exclamações e interjeições. • Apelo visual  Utilização de campos lexicais relacionados com os sentidos (visão, audição).  Recurso a enumerações, comparações, personificações e dupla adjetivação.
  • 26. Bibliografia AMADO, Teresa (1980) – Crónica de D. João I. Lisboa: Editorial Comunicação. CARRIÇO, Lilaz (1990) – Literatura Prática — 10.º e 11.º anos de escolaridade. Porto: Porto Editora. CASTRO, Ivo (1991) – Curso de História da Língua Portuguesa. Lisboa: Universidade Aberta. FERREIRA, Maria Ema Tarracha (1988) – Poesia e Prosa Medievais, 2.ª ed. Lisboa: Editora Ulisseia. GOMES, Rita Costa (1995) – A Corte dos reis de Portugal no final da Idade Média. Lisboa: Difel. NUNES, Patrícia et alii (2008) – Enciclopédia do Estudante, vol. 10. Carnaxide: Santillana-Constância, pp. 56-61. REBELO, Luís Sousa (1983) – A concepção do Poder em Fernão Lopes. Lisboa: Livros Horizonte. SARAIVA, António José; LOPES, Óscar (1992) – História da Literatura Portuguesa, 16.ª ed. Porto: Porto Editora. ______________________ (1988) – O Crepúsculo da Idade Média em Portugal, Parte III. Lisboa: Gradiva. TAVARES, Maria José (1983) – «A Nobreza no reinado de D. Fernando e a sua atuação em 1383-1385», in Revista de História Económica e Social, n.º 12, Julho-Dezembro de 1983.