SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
1




                 TEXTO DE APRECIAÇÃO CRÍTICA




OBJECTIVOS

    1.  apreender as principais características de um texto de
      apreciação crítica;
    2. analisar um texto de apreciação crítica;
    3. identificar estratégias argumentativas;


      Texto que expõe uma opinião fundamentada – favorável ou
desfavorável – a propósito de um determinado objecto. Por exemplo,
faz-se a crítica de um livro, de um filme, de um jogo, de uma peça de
teatro, de um anúncio, de um desfile de moda, de um quadro, de um
jornal, de um programa. É uma modalidade de texto expositivo-
argumentativo.

      Os pontos que se enumeram a seguir apresentam, em síntese,
os aspectos mais importantes a ter em conta num texto de
apreciação crítica, em particular o título, que deve ser sugestivo.
2


Apresentação Uma crítica integra sempre uma breve apresentação do objecto de
             apreciação.
             A opinião pessoal deve ser formulada de modo claro e impressivo e
Opinião      justificada com argumentos objectivos, decorrente da análise do
             objecto criticado, considerando-o nas suas várias componentes. Por
             exemplo, se se tratar de um filme, deve atender-se ao enredo, às
             personagens, à qualidade de representação, da imagem, da
             realização…, seleccionando, porém, de entre os aspectos observados,
             aqueles que sejam significativos e pertinentes para a defesa da opinião
             expressa.

                                  Deve ser breve e de modo a suscitar o interesse do
                                  leitor, colocando, por exemplo, questões
                  Introdução      pertinentes, sem lhes responder.
Estruturação
                               Entre dois e quatro parágrafos, apresentando e
               Desenvolvimento desenvolvendo a opinião pessoal e respectivos
                               argumentos, sempre apoiados em referências e
                               citações precisas.

                                  Deve ser breve, clara, sintetizando, de forma
                                  expressiva e original, os argumentos mais
                   Conclusão      importantes; deve ser articulada com a introdução,
                                  respondendo, por exemplo, às questões nela
                                  colocadas; deve expressar a consciência de se
                                  tratar de uma opinião, logo, uma de entre as várias
                                  abordagens possíveis.

               Deve ser valorativa ou depreciativa conforme se queira exprimir
Linguagem      agrado ou desagrado; deve ser diversificada, evitando fórmulas gastas
               e lugares-comuns, sem deixar de ser também clara e rigorosa. Deve
               adoptar-se um tom de acordo com as intenções da crítica (por
               exemplo, irónico, sério, contundente, entusiasta…) consentâneas com
               o objectivo visado – valorizar ou desvalorizar – visando atingir a
               eficácia persuasiva, isto é, influenciar o leitor.

               Deve prestar-se particular atenção: à coerência do que é afirmado e
    Revisões   argumentado; à coesão, nomeadamente a nível da organização textual
               e da adequação dos conectores utilizados; às eventuais necessidades
               de reforço da expressividade; à pontuação, ortografia e apresentação
               gráfica.
3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoCatarina Castro
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"MiguelavRodrigues
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. iameliapadrao
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousaAnaGomes40
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaLurdes Augusto
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralHelena Coutinho
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoAlexandra Canané
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesPaula Oliveira Cruz
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesAntónio Fernandes
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106nanasimao
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textualgracacruz
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaFernanda Monteiro
 
Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"Rita Costa
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V12º A Golegã
 
A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa balolas
 
Memorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. IIIMemorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. III12º A Golegã
 

Mais procurados (20)

Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - Sermão
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
Capítulo i
Capítulo iCapítulo i
Capítulo i
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
 
Os Maias - análise
Os Maias - análiseOs Maias - análise
Os Maias - análise
 
Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa
 
Memorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. IIIMemorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. III
 

Destaque

Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 
Análise de Imagem
Análise de ImagemAnálise de Imagem
Análise de Imagemmarianarits
 
Texto expositivo explicativo
Texto expositivo explicativoTexto expositivo explicativo
Texto expositivo explicativoFabianAlcivar
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivoFJDOliveira
 
Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 
Como analisar uma imagem
Como analisar uma imagemComo analisar uma imagem
Como analisar uma imagemBibliotecaAroes
 
Textos expositivos
Textos expositivosTextos expositivos
Textos expositivosCarla Souto
 
Redação- texto expositivo
Redação- texto expositivoRedação- texto expositivo
Redação- texto expositivoJaicinha
 
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro SínteseFrei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro SínteseJulianaOmendes
 

Destaque (14)

Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Análise de Imagem
Análise de ImagemAnálise de Imagem
Análise de Imagem
 
TEXTO EXPOSITIVO
TEXTO EXPOSITIVOTEXTO EXPOSITIVO
TEXTO EXPOSITIVO
 
Texto expositivo explicativo
Texto expositivo explicativoTexto expositivo explicativo
Texto expositivo explicativo
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
 
Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação Crítica
 
Como analisar uma imagem
Como analisar uma imagemComo analisar uma imagem
Como analisar uma imagem
 
Textos expositivos
Textos expositivosTextos expositivos
Textos expositivos
 
Redação- texto expositivo
Redação- texto expositivoRedação- texto expositivo
Redação- texto expositivo
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro SínteseFrei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
 

Semelhante a Análise Crítica: Estrutura e Elementos Chave

Semelhante a Análise Crítica: Estrutura e Elementos Chave (20)

Texto Argumentativo
Texto ArgumentativoTexto Argumentativo
Texto Argumentativo
 
Genero resenha
Genero resenhaGenero resenha
Genero resenha
 
Resenha.
Resenha.Resenha.
Resenha.
 
Aula 5 - Resenha.ppt
Aula 5 - Resenha.pptAula 5 - Resenha.ppt
Aula 5 - Resenha.ppt
 
Editorial
EditorialEditorial
Editorial
 
Normas resenha esma
Normas resenha esmaNormas resenha esma
Normas resenha esma
 
Artigo de opinião.
Artigo de opinião.Artigo de opinião.
Artigo de opinião.
 
Artigo de opinião.
Artigo de opinião.Artigo de opinião.
Artigo de opinião.
 
Apresentação (1).pptx
Apresentação (1).pptxApresentação (1).pptx
Apresentação (1).pptx
 
Artigo de opinião
Artigo de opiniãoArtigo de opinião
Artigo de opinião
 
Sequencia didática artigo de opinião
Sequencia didática   artigo de opiniãoSequencia didática   artigo de opinião
Sequencia didática artigo de opinião
 
como fazer resenha.pdf
como fazer resenha.pdfcomo fazer resenha.pdf
como fazer resenha.pdf
 
Como se faz uma recensão crítica
Como se faz uma recensão críticaComo se faz uma recensão crítica
Como se faz uma recensão crítica
 
Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]
 
Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]
 
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos  Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
 
Resenha como fazer
Resenha como fazerResenha como fazer
Resenha como fazer
 
Dissertaçao
DissertaçaoDissertaçao
Dissertaçao
 
Como fazer resenha
Como fazer  resenhaComo fazer  resenha
Como fazer resenha
 
O que é argumentar
O que é argumentarO que é argumentar
O que é argumentar
 

Mais de Vanda Sousa

Leitura de Imagens/Texto Icónico
Leitura de Imagens/Texto IcónicoLeitura de Imagens/Texto Icónico
Leitura de Imagens/Texto IcónicoVanda Sousa
 
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX)  3º PeríodoTeste Conto de Autor (séc XX)  3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º PeríodoVanda Sousa
 
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX)  3º PeríodoTeste Conto de Autor (séc XX)  3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º PeríodoVanda Sousa
 
Sugestões de Leitura de Contos
Sugestões de Leitura de ContosSugestões de Leitura de Contos
Sugestões de Leitura de ContosVanda Sousa
 
Guião da Apresentação do Conto Oral Reflectido 2º Período
Guião da Apresentação do Conto                  Oral Reflectido  2º PeríodoGuião da Apresentação do Conto                  Oral Reflectido  2º Período
Guião da Apresentação do Conto Oral Reflectido 2º PeríodoVanda Sousa
 
Categorias da Narrativa
Categorias da NarrativaCategorias da Narrativa
Categorias da NarrativaVanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaGuia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaVanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaGuia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaVanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaGuia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaVanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaGuia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaVanda Sousa
 
Teste nº 2 /Março/Textos dos Media
Teste nº 2 /Março/Textos dos MediaTeste nº 2 /Março/Textos dos Media
Teste nº 2 /Março/Textos dos MediaVanda Sousa
 
Teste nº 2 /Março/Textos dos Media
Teste nº 2 /Março/Textos dos MediaTeste nº 2 /Março/Textos dos Media
Teste nº 2 /Março/Textos dos MediaVanda Sousa
 
Resumo e Síntese
Resumo e SínteseResumo e Síntese
Resumo e SínteseVanda Sousa
 
Resumo e Síntese
Resumo e SínteseResumo e Síntese
Resumo e SínteseVanda Sousa
 
Resumo e Síntese
Resumo e SínteseResumo e Síntese
Resumo e SínteseVanda Sousa
 
Avaliação do Oral Reflectido
Avaliação do Oral ReflectidoAvaliação do Oral Reflectido
Avaliação do Oral ReflectidoVanda Sousa
 
Avaliação do Oral Reflectido
Avaliação do Oral ReflectidoAvaliação do Oral Reflectido
Avaliação do Oral ReflectidoVanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011  Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011 Vanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011Vanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011Vanda Sousa
 

Mais de Vanda Sousa (20)

Leitura de Imagens/Texto Icónico
Leitura de Imagens/Texto IcónicoLeitura de Imagens/Texto Icónico
Leitura de Imagens/Texto Icónico
 
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX)  3º PeríodoTeste Conto de Autor (séc XX)  3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período
 
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX)  3º PeríodoTeste Conto de Autor (séc XX)  3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período
 
Sugestões de Leitura de Contos
Sugestões de Leitura de ContosSugestões de Leitura de Contos
Sugestões de Leitura de Contos
 
Guião da Apresentação do Conto Oral Reflectido 2º Período
Guião da Apresentação do Conto                  Oral Reflectido  2º PeríodoGuião da Apresentação do Conto                  Oral Reflectido  2º Período
Guião da Apresentação do Conto Oral Reflectido 2º Período
 
Categorias da Narrativa
Categorias da NarrativaCategorias da Narrativa
Categorias da Narrativa
 
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaGuia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
 
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaGuia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
 
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaGuia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
 
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaGuia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
 
Teste nº 2 /Março/Textos dos Media
Teste nº 2 /Março/Textos dos MediaTeste nº 2 /Março/Textos dos Media
Teste nº 2 /Março/Textos dos Media
 
Teste nº 2 /Março/Textos dos Media
Teste nº 2 /Março/Textos dos MediaTeste nº 2 /Março/Textos dos Media
Teste nº 2 /Março/Textos dos Media
 
Resumo e Síntese
Resumo e SínteseResumo e Síntese
Resumo e Síntese
 
Resumo e Síntese
Resumo e SínteseResumo e Síntese
Resumo e Síntese
 
Resumo e Síntese
Resumo e SínteseResumo e Síntese
Resumo e Síntese
 
Avaliação do Oral Reflectido
Avaliação do Oral ReflectidoAvaliação do Oral Reflectido
Avaliação do Oral Reflectido
 
Avaliação do Oral Reflectido
Avaliação do Oral ReflectidoAvaliação do Oral Reflectido
Avaliação do Oral Reflectido
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011  Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
 

Último

A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 

Último (20)

A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 

Análise Crítica: Estrutura e Elementos Chave

  • 1. 1 TEXTO DE APRECIAÇÃO CRÍTICA OBJECTIVOS 1. apreender as principais características de um texto de apreciação crítica; 2. analisar um texto de apreciação crítica; 3. identificar estratégias argumentativas; Texto que expõe uma opinião fundamentada – favorável ou desfavorável – a propósito de um determinado objecto. Por exemplo, faz-se a crítica de um livro, de um filme, de um jogo, de uma peça de teatro, de um anúncio, de um desfile de moda, de um quadro, de um jornal, de um programa. É uma modalidade de texto expositivo- argumentativo. Os pontos que se enumeram a seguir apresentam, em síntese, os aspectos mais importantes a ter em conta num texto de apreciação crítica, em particular o título, que deve ser sugestivo.
  • 2. 2 Apresentação Uma crítica integra sempre uma breve apresentação do objecto de apreciação. A opinião pessoal deve ser formulada de modo claro e impressivo e Opinião justificada com argumentos objectivos, decorrente da análise do objecto criticado, considerando-o nas suas várias componentes. Por exemplo, se se tratar de um filme, deve atender-se ao enredo, às personagens, à qualidade de representação, da imagem, da realização…, seleccionando, porém, de entre os aspectos observados, aqueles que sejam significativos e pertinentes para a defesa da opinião expressa. Deve ser breve e de modo a suscitar o interesse do leitor, colocando, por exemplo, questões Introdução pertinentes, sem lhes responder. Estruturação Entre dois e quatro parágrafos, apresentando e Desenvolvimento desenvolvendo a opinião pessoal e respectivos argumentos, sempre apoiados em referências e citações precisas. Deve ser breve, clara, sintetizando, de forma expressiva e original, os argumentos mais Conclusão importantes; deve ser articulada com a introdução, respondendo, por exemplo, às questões nela colocadas; deve expressar a consciência de se tratar de uma opinião, logo, uma de entre as várias abordagens possíveis. Deve ser valorativa ou depreciativa conforme se queira exprimir Linguagem agrado ou desagrado; deve ser diversificada, evitando fórmulas gastas e lugares-comuns, sem deixar de ser também clara e rigorosa. Deve adoptar-se um tom de acordo com as intenções da crítica (por exemplo, irónico, sério, contundente, entusiasta…) consentâneas com o objectivo visado – valorizar ou desvalorizar – visando atingir a eficácia persuasiva, isto é, influenciar o leitor. Deve prestar-se particular atenção: à coerência do que é afirmado e Revisões argumentado; à coesão, nomeadamente a nível da organização textual e da adequação dos conectores utilizados; às eventuais necessidades de reforço da expressividade; à pontuação, ortografia e apresentação gráfica.
  • 3. 3