SlideShare uma empresa Scribd logo
11:31   1
11:31   2
 A nossa apresentação é somente um resumo sobre
        natação.
       Nosso objetivo é apenas mostrar os benefícios, da
        natação, como exercício físico.
       As modalidades de nado são complexas, ficando
        restritas a quem utiliza a natação como prática
        esportiva.
       Portanto, não há a necessidade de nos limitarmos a
        datas, medalhas e/ou medalhistas olímpicos.
       Assim, a história e os tipos ficam em segundo plano.



11:31                                                          3
O que é natação?
    Natação é a capacidade do homem e de
 outros animais de se deslocarem através de movimentos
 efetuados no meio líquido, geralmente sem
 ajuda artificial. A natação é uma atividade que pode ser
 simultaneamente útil e recreativa. As suas principais
 utilizações são:
  Recreativas
  Balneares
  Pesca
  Exercício
  e desporto.

11:31                                                       4
Como surgiu a natação?
    A natação é conhecida desde a pré-história, o registo mais
 antigo sobre a natação remonta às pinturas rupestres de cerca
 de 7.000 anos atrás. As referências escritas remontam a 2000
 a. C. Algumas das primeiras referências estão incluídas em
 obras históricas como a Epopeia de Gilgamesh, a Ilíada,
 a Odisseia, a Bíblia (Ezequiel 47:5, Atos 27:42, Isaías
 25:11), Beowulf, e outras sagas.
    A arte de nadar estava incluída na educação dos egípcios.
 Na Grécia e na antiga Roma, a natação fazia parte do
 treinamento militar e o simples fato de saber nadar
 proporcionava status social.

11:31                                                            5
Na antiguidade, saber nadar era
        mais uma arma de que o homem
        dispunha para sobreviver. Os povos
        antigos (assírios, egípcios, fenícios,
        ameríndios etc.) eram exímios
        nadadores. Muitos dos estilos de
        nado desenvolvidos a partir das
        primeiras competições esportivas
        realizadas no século XIX basearam-
        se no estilo de natação dos
        indígenas da América e da
        Austrália.


11:31                                        6
A natação passou a ser disputada desde a primeira
 olimpíada em Atenas no ano de 1896. Nas olimpíadas
 modernas, é o segundo esporte mais importante ficando
 atrás somente do atletismo. O Brasil fez sua estreia no
 esporte em 1920 nos jogos olímpicos de Antuérpia.




11:31                                                      7
Dos primeiros estilos até os dias de
        hoje somente na primeira metade do
        século XIX, foi que começou a
        progredir como desporto, realizando-
        se as primeiras provas em Londres, em
        1837, onde existiam seis piscinas
        competitivas no mundo. Várias
        competições foram organizadas nos
        subsequentes e em 1844 alguns
        nadadores norte-americanos atuaram
        em Londres, vencendo todas as
        provas.


11:31                                             8
Natação inumana
    Diversos animais possuem a habilidade de natação
 por instinto, como também é o caso do homem.
 Nos mamíferos, esta natação por instinto tem o nome de
 "Natação Padrão". Este tipo de natação define-se por ser
 executada com a cabeça fora de água, batimentos
 dianteiros dos braços (patas anteriores) com um ângulo
 próximo dos 90 graus e pernas (patas posteriores) em
 leve flexão (realizando um movimento parecido com o
 pedalar). Este modo de nadar é vulgarmente conhecido
 por “nadar à cão”.

11:31                                                   9
Tipos de nado
    A natação se divide em cinco estilos: costas, peito,
 borboleta, livre, medley. Exemplos dos dois últimos:
    Livre: onde os competidores podem optar por
 qualquer nado. Nessa modalidade, no entanto, qualquer
 parte do nadador deve tocar a parede da piscina em cada
 volta e também na finalização. A saída do atleta é feita
 fora da água. Geralmente optam pelo nado crawl que é o
 mais rápido.
    Medley: mistura os quatro estilos anteriores. A
 sequência dos estilos para esta prova são: borboleta,
 costas, peito e crawl.
11:31                                                   10
Tipos de nado
     Crawl – é o nado mais
 rápido, por isso é o estilo
 adotado nas provas de nado
 livre. Neste estilo, o atleta bate
 as pernas embaixo da água,
 enquanto      os     braços    são
 “girados” alternadamente para
 dentro e fora da água. A virada é
 feita no estilo cambalhota, em
 que o atleta submerge todo o
 corpo e pode tocar na borda da
 piscina com qualquer parte do
 corpo, mas na verdade, utiliza
 os pés para impulsioná-lo de
 volta.

11:31                                 11
Tipos de nado
     Costas – a largada é feita de
 dentro da água, com os atletas
 segurando-se nos blocos de
 partida. A técnica do nado
 costas é muito parecida com a
 do nado crawl, porém em
 posições contrárias. A virada é
 feita da mesma maneira do
 nado crawl, pois os nadadores
 podem, antes de chegar na
 borda, virar o corpo de frente,
 mergulhar, fazer a cambalhota,
 mas devem estar de volta à
 posição do nado costas antes
 que os pés deixem a parede.

11:31                                12
Nado Costas




11:31                 13
Tipos de nado
 Peito – A saída do atleta é
 feita fora da água. Os ombros
 devem        ser     mantidos
 paralelos com a superfície
 normal da água e os braços
 simultâneos no mesmo plano
 horizontal, sem que seja feito
 qualquer           movimento
 alternado. Na chegada da
 prova, o nadador precisa
 tocar a marca com as duas
 mãos juntas.

11:31                             14
Tipos de nado - Peito
    É o mais lento dentre os nados. Após o salto inicial da largada é
 permitido um movimento chamado Filipina – um movimento
 completo dos braços seguido de uma batida de pernas embaixo da
 água – antes do corpo submergir e iniciar o nado peito
 propriamente dito. No nado peito, os braços fazem 3 movimentos
 laterais diferentes, nesta ordem: puxada lateral, partindo do centro
 para fora do corpo; puxada para baixo; e, por último, a puxada para
 dentro, que não gera propulsão e tem como objetivo diminuir o
 arrasto para dar início a uma nova braçada. O movimento das
 pernas é simultâneo e em forma de chute para trás; acontece
 quando os braços estão estendidos. Diferentemente dos outros
 nados em que a “pernada” é responsável por 5 a 10% da força de
 propulsão, no estilo peito, ela é responsável por 70% da força
 propulsiva. Na virada do nado peito, o nadador deve tocar as duas
 mãos simultaneamente na parede da piscina, virar-se e apoiar os
 dois pés para propulsionar-se.
11:31                                                               15
Nado Peito




11:31                16
Tipos de nado
    Mariposa ou Borboleta -
 A saída do atleta é feita fora
 da água, mantendo os dois
 pés na mesma distância da
 parte dianteira. O corpo deve
 ser mantido sobre o peito
 exceto na virada, mas os
 ombros precisam estar em
 linha com a superfície da
 água.

11:31                             17
Tipos de nado - Borboleta
    Após a largada, o nadador
 utiliza-se do nado golfinho –
 ondulação do corpo – por até 15
 metros, onde deve submergir e
 iniciar o nado com os dois
 braços “girando” ao mesmo
 tempo      num     movimento
 completo e combinado com a
 ondulação do restante do
 corpo. A virada é feita da
 mesma maneira que no nado
 peito.

11:31                              18
Nado Borboleta




11:31                    19
Natação no Brasil
   A natação surgiu no Brasil, como prática desportiva,
 em 1898, quando foi disputado o primeiro campeonato
 brasileiro, por iniciativa do Clube de Natação e Regatas,
 no Rio de Janeiro.
   A partir de 1913, o campeonato brasileiro passou a ser
 promovido pela Federação Brasileira das Sociedades do
 Remo, na enseada de Botafogo.
   O esporte passou a ser controlado, em 1914, pela
 Confederação Brasileira de Desportos, responsável a
 partir de então pela organização das competições em
 âmbito nacional.

11:31                                                    20
Natação no Brasil
    A primeira piscina de competição foi inaugurada em 1919, no
 Fluminense Futebol Clube do Rio de Janeiro. Em 1923, os paulistas
 também ganharam sua piscina: a da Associação Atlética de São
 Paulo.
    Somente a partir de 1935 as mulheres entraram oficialmente nas
 competições. Destacaram-se inicialmente Maria Lenk, vencedora
 de todas as provas realizadas nesse ano e Piedade Coutinho
 (vencedora do campeonato de 1941). Em 1929, ao regularizar-se a
 disputa do Sul-Americano, o Brasil passou a dominar regularmente
 essa competição. Obteve também bons resultados na Copa Latina,
 criada em 1970.
    Atualmente, o grande nome da natação brasileira é o nadador
 Thiago Pereira que conquistou seis medalhas de ouro em uma só
 edição dos jogos Pan-Americanos.


11:31                                                            21
A natação e seus benefícios
    São inúmeros os benefícios
trazidos pela natação,tanto
físicos como correção da
postura e melhora do tônus
muscular,quanto psicológicos
e emocionais,como melhora
da qualidade do sono e do
relacionamento social.




11:31                            22
A natação e seus benefícios
Por movimentar praticamente todos
os músculos e articulações do corpo,
a prática da natação é considerada
um dos melhores exercícios físicos
existentes      trazendo     ótimos
benefícios para o organismo,
ajudando a melhorar a coordenação
motora, além de ser recomendada
para pessoas com problemas
respiratórios, como por exemplo a
asma , também é a única atividade
física indicada para menores de 3
anos.


11:31                                  23
A natação para crianças asmáticas ou com bronquite,
 quando bem orientadas, é importante para a melhora da
 doença.
    A Natação também é uma boa opção de atividade física
 para gestantes, sendo que água facilita a atividade física
 porque reduz a dificuldade do peso extra adquirido na
 gravidez. A natação durante a gravidez melhora a circulação,
 a força e a resistência muscular, melhora a qualidade do sono
 e aumenta o gasto calórico, evitando o ganho excessivo de
 peso.
    Para os idosos, essa atividade física é uma forma de
 integrar o idoso à sociedade e também uma maneira de tratá-
 lo de doenças como as articulares, pulmonares, cardíacas ou
 musculares. Esse esporte é bom para todas as idades, porque
 descansa o corpo e a mente e relaxa das tensões do nosso dia-
 a-dia.


11:31                                                        24
Veja alguns benefícios deste
esporte:
  • A natação contribui no desenvolvimento físico, ou seja,
  fortalece grande grupo muscular.

  • Melhora a coordenação dos movimentos e aumentar a
  resistência cardiorrespiratória.

  • Contribui no desenvolvimento psicológico e social.

  • Combate o estresse e a obesidade.

  • Auxilia no tratamento de bronquite e asma.
11:31                                                     25
11:31   26
Tendo em vista que a
 natação     não     apresenta
 impacto, é muito bom para
 pessoas    que    estão     se
 recuperando de lesões de
 membros            inferiores.
 Cuidados com problemas
 lombares e de ombros devem
 ser tomados. Não praticar
 sem orientação de bons
 profissionais. Uma hora de
 natação, em ritmo moderado,
 queima      aproximadamente
 460 calorias.

11:31                             27
11:31   28
 Para mais informações consulte um
                   especialista na área.

         E lembre-se: Somente pratique exercício
         físico sob a orientação de um profissional
                          capacitado.



11:31                                                 29

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Natação
NataçãoNatação
Natação
Alanna Alexandre
 
Badminton na escola
Badminton na escolaBadminton na escola
Badminton na escola
evandrolhp
 
Natação ppt ed.fisica
Natação ppt ed.fisicaNatação ppt ed.fisica
Natação ppt ed.fisica
Miguel Monteiro
 
Ginástica de aparelhos
Ginástica de aparelhosGinástica de aparelhos
Ginástica de aparelhos
Rui Lemos
 
Atletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e RegrasAtletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e Regras
Prof. Saulo Bezerra
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Jorge Fernandes
 
Natação.pptx
Natação.pptxNatação.pptx
Natação.pptx
carla198797
 
Natacao.paula romão.sílvinapais
Natacao.paula romão.sílvinapaisNatacao.paula romão.sílvinapais
Natacao.paula romão.sílvinapais
Maria João Vasconcelos
 
Atividade física-e-saúde-slides-3
Atividade física-e-saúde-slides-3Atividade física-e-saúde-slides-3
Atividade física-e-saúde-slides-3
Isabel Teixeira
 
Ginástica Acrobática
Ginástica AcrobáticaGinástica Acrobática
Ginástica Acrobática
Luh Fernandes
 
8º arremesso de peso
8º arremesso de peso8º arremesso de peso
8º arremesso de peso
Prof. Dr. Tadeu Cardoso de Almeida
 
Atletismo na escola
Atletismo na escolaAtletismo na escola
Atletismo na escola
evandrolhp
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Patrícia Morais
 
Salto em distância
Salto em distânciaSalto em distância
Salto em distância
Aldrin Eldrin
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Canoagem
CanoagemCanoagem
Canoagem
fabianfradinho
 
Ginastica rítmica
Ginastica rítmicaGinastica rítmica
Ginastica rítmica
Morais Neto
 
Nado Crawl
Nado CrawlNado Crawl
Nado Crawl
Jaminho Palla
 
Ginasticaacrobatica
GinasticaacrobaticaGinasticaacrobatica
Ginasticaacrobatica
Nayara de Queiroz
 

Mais procurados (20)

Natação
NataçãoNatação
Natação
 
Badminton na escola
Badminton na escolaBadminton na escola
Badminton na escola
 
Natação ppt ed.fisica
Natação ppt ed.fisicaNatação ppt ed.fisica
Natação ppt ed.fisica
 
Ginástica de aparelhos
Ginástica de aparelhosGinástica de aparelhos
Ginástica de aparelhos
 
Atletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e RegrasAtletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e Regras
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Natação.pptx
Natação.pptxNatação.pptx
Natação.pptx
 
Natacao.paula romão.sílvinapais
Natacao.paula romão.sílvinapaisNatacao.paula romão.sílvinapais
Natacao.paula romão.sílvinapais
 
Atividade física-e-saúde-slides-3
Atividade física-e-saúde-slides-3Atividade física-e-saúde-slides-3
Atividade física-e-saúde-slides-3
 
Ginástica Acrobática
Ginástica AcrobáticaGinástica Acrobática
Ginástica Acrobática
 
8º arremesso de peso
8º arremesso de peso8º arremesso de peso
8º arremesso de peso
 
Atletismo na escola
Atletismo na escolaAtletismo na escola
Atletismo na escola
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Salto em distância
Salto em distânciaSalto em distância
Salto em distância
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
 
Canoagem
CanoagemCanoagem
Canoagem
 
Ginastica rítmica
Ginastica rítmicaGinastica rítmica
Ginastica rítmica
 
Nado Crawl
Nado CrawlNado Crawl
Nado Crawl
 
Ginasticaacrobatica
GinasticaacrobaticaGinasticaacrobatica
Ginasticaacrobatica
 

Semelhante a Natação

Natação
NataçãoNatação
Natação
Elika Silva
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
franciscaf
 
Natação PPT
Natação PPTNatação PPT
Natação PPT
AL
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
Alex Faria
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
Vitor Peixoto
 
Trabalho de Ed. Física Mayara9B
Trabalho de Ed. Física Mayara9BTrabalho de Ed. Física Mayara9B
Trabalho de Ed. Física Mayara9B
Anelise Beatriz Gamba
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
EULAIA VIDAL
 
os nadadores no brasil
os nadadores no brasilos nadadores no brasil
os nadadores no brasil
Alisson pereira
 
Natação
NataçãoNatação
A natação
A nataçãoA natação
A natação
Ana Ferreira
 
Aula 1 - A natação
Aula 1 - A nataçãoAula 1 - A natação
Aula 1 - A natação
caser_silva
 
Regras da natação
Regras da nataçãoRegras da natação
Regras da natação
lucaszika
 
Apostila métodos e práticas da natação
Apostila métodos e práticas da nataçãoApostila métodos e práticas da natação
Apostila métodos e práticas da natação
Fernanda Sena Neri
 
Nado Borboleta / Golfinho
Nado Borboleta / GolfinhoNado Borboleta / Golfinho
Nado Borboleta / Golfinho
Jaqueline de Paulo
 
Pdf online caio e rafael 6°ano a[1]
Pdf online caio e rafael 6°ano a[1]Pdf online caio e rafael 6°ano a[1]
Pdf online caio e rafael 6°ano a[1]
Rafikinha
 
Desportos aquáticos
Desportos aquáticosDesportos aquáticos
Desportos aquáticos
chave1999
 
Desportos aquáticos
Desportos aquáticosDesportos aquáticos
Desportos aquáticos
chave1999
 
Desportos aquáticos
Desportos aquáticosDesportos aquáticos
Desportos aquáticos
chave1999
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
Netosaimon Silva
 
A dimensão cultural da actividade física na actualidade
A dimensão cultural da actividade física na actualidadeA dimensão cultural da actividade física na actualidade
A dimensão cultural da actividade física na actualidade
Nome Sobrenome
 

Semelhante a Natação (20)

Natação
NataçãoNatação
Natação
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
 
Natação PPT
Natação PPTNatação PPT
Natação PPT
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
 
Trabalho de Ed. Física Mayara9B
Trabalho de Ed. Física Mayara9BTrabalho de Ed. Física Mayara9B
Trabalho de Ed. Física Mayara9B
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
 
os nadadores no brasil
os nadadores no brasilos nadadores no brasil
os nadadores no brasil
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
 
A natação
A nataçãoA natação
A natação
 
Aula 1 - A natação
Aula 1 - A nataçãoAula 1 - A natação
Aula 1 - A natação
 
Regras da natação
Regras da nataçãoRegras da natação
Regras da natação
 
Apostila métodos e práticas da natação
Apostila métodos e práticas da nataçãoApostila métodos e práticas da natação
Apostila métodos e práticas da natação
 
Nado Borboleta / Golfinho
Nado Borboleta / GolfinhoNado Borboleta / Golfinho
Nado Borboleta / Golfinho
 
Pdf online caio e rafael 6°ano a[1]
Pdf online caio e rafael 6°ano a[1]Pdf online caio e rafael 6°ano a[1]
Pdf online caio e rafael 6°ano a[1]
 
Desportos aquáticos
Desportos aquáticosDesportos aquáticos
Desportos aquáticos
 
Desportos aquáticos
Desportos aquáticosDesportos aquáticos
Desportos aquáticos
 
Desportos aquáticos
Desportos aquáticosDesportos aquáticos
Desportos aquáticos
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
 
A dimensão cultural da actividade física na actualidade
A dimensão cultural da actividade física na actualidadeA dimensão cultural da actividade física na actualidade
A dimensão cultural da actividade física na actualidade
 

Mais de PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência

Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousaGrecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidianoLivreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidianoSlides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidianoPlano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Pinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendasPinturas de debret e rugendas
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidianoLivreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Relevo e Biomas piauienses
Relevo e Biomas piauiensesRelevo e Biomas piauienses
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquicaOs movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - HidrografiaO espaço natural brasileiro - Hidrografia
O modernismo em portugal
O modernismo em portugalO modernismo em portugal
Engenharia civil
Engenharia civilEngenharia civil
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A região nordeste
A região nordesteA região nordeste
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
O espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - ClimaO espaço natural brasileiro - Clima

Mais de PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (20)

Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousaGrecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
 
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidianoLivreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
 
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidianoSlides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
 
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidianoPlano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
 
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
 
Pinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendasPinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendas
 
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidianoLivreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
 
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
 
Relevo e Biomas piauienses
Relevo e Biomas piauiensesRelevo e Biomas piauienses
Relevo e Biomas piauienses
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
 
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquicaOs movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
 
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - HidrografiaO espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
 
O modernismo em portugal
O modernismo em portugalO modernismo em portugal
O modernismo em portugal
 
Engenharia civil
Engenharia civilEngenharia civil
Engenharia civil
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Brasil - Primeira república
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
A região nordeste
A região nordesteA região nordeste
A região nordeste
 
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
 
O espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - ClimaO espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - Clima
 

Último

Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
maria-oliveira
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 

Último (20)

Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 

Natação

  • 1. 11:31 1
  • 2. 11:31 2
  • 3.  A nossa apresentação é somente um resumo sobre natação.  Nosso objetivo é apenas mostrar os benefícios, da natação, como exercício físico.  As modalidades de nado são complexas, ficando restritas a quem utiliza a natação como prática esportiva.  Portanto, não há a necessidade de nos limitarmos a datas, medalhas e/ou medalhistas olímpicos.  Assim, a história e os tipos ficam em segundo plano. 11:31 3
  • 4. O que é natação? Natação é a capacidade do homem e de outros animais de se deslocarem através de movimentos efetuados no meio líquido, geralmente sem ajuda artificial. A natação é uma atividade que pode ser simultaneamente útil e recreativa. As suas principais utilizações são:  Recreativas  Balneares  Pesca  Exercício  e desporto. 11:31 4
  • 5. Como surgiu a natação? A natação é conhecida desde a pré-história, o registo mais antigo sobre a natação remonta às pinturas rupestres de cerca de 7.000 anos atrás. As referências escritas remontam a 2000 a. C. Algumas das primeiras referências estão incluídas em obras históricas como a Epopeia de Gilgamesh, a Ilíada, a Odisseia, a Bíblia (Ezequiel 47:5, Atos 27:42, Isaías 25:11), Beowulf, e outras sagas. A arte de nadar estava incluída na educação dos egípcios. Na Grécia e na antiga Roma, a natação fazia parte do treinamento militar e o simples fato de saber nadar proporcionava status social. 11:31 5
  • 6. Na antiguidade, saber nadar era mais uma arma de que o homem dispunha para sobreviver. Os povos antigos (assírios, egípcios, fenícios, ameríndios etc.) eram exímios nadadores. Muitos dos estilos de nado desenvolvidos a partir das primeiras competições esportivas realizadas no século XIX basearam- se no estilo de natação dos indígenas da América e da Austrália. 11:31 6
  • 7. A natação passou a ser disputada desde a primeira olimpíada em Atenas no ano de 1896. Nas olimpíadas modernas, é o segundo esporte mais importante ficando atrás somente do atletismo. O Brasil fez sua estreia no esporte em 1920 nos jogos olímpicos de Antuérpia. 11:31 7
  • 8. Dos primeiros estilos até os dias de hoje somente na primeira metade do século XIX, foi que começou a progredir como desporto, realizando- se as primeiras provas em Londres, em 1837, onde existiam seis piscinas competitivas no mundo. Várias competições foram organizadas nos subsequentes e em 1844 alguns nadadores norte-americanos atuaram em Londres, vencendo todas as provas. 11:31 8
  • 9. Natação inumana Diversos animais possuem a habilidade de natação por instinto, como também é o caso do homem. Nos mamíferos, esta natação por instinto tem o nome de "Natação Padrão". Este tipo de natação define-se por ser executada com a cabeça fora de água, batimentos dianteiros dos braços (patas anteriores) com um ângulo próximo dos 90 graus e pernas (patas posteriores) em leve flexão (realizando um movimento parecido com o pedalar). Este modo de nadar é vulgarmente conhecido por “nadar à cão”. 11:31 9
  • 10. Tipos de nado A natação se divide em cinco estilos: costas, peito, borboleta, livre, medley. Exemplos dos dois últimos: Livre: onde os competidores podem optar por qualquer nado. Nessa modalidade, no entanto, qualquer parte do nadador deve tocar a parede da piscina em cada volta e também na finalização. A saída do atleta é feita fora da água. Geralmente optam pelo nado crawl que é o mais rápido. Medley: mistura os quatro estilos anteriores. A sequência dos estilos para esta prova são: borboleta, costas, peito e crawl. 11:31 10
  • 11. Tipos de nado Crawl – é o nado mais rápido, por isso é o estilo adotado nas provas de nado livre. Neste estilo, o atleta bate as pernas embaixo da água, enquanto os braços são “girados” alternadamente para dentro e fora da água. A virada é feita no estilo cambalhota, em que o atleta submerge todo o corpo e pode tocar na borda da piscina com qualquer parte do corpo, mas na verdade, utiliza os pés para impulsioná-lo de volta. 11:31 11
  • 12. Tipos de nado Costas – a largada é feita de dentro da água, com os atletas segurando-se nos blocos de partida. A técnica do nado costas é muito parecida com a do nado crawl, porém em posições contrárias. A virada é feita da mesma maneira do nado crawl, pois os nadadores podem, antes de chegar na borda, virar o corpo de frente, mergulhar, fazer a cambalhota, mas devem estar de volta à posição do nado costas antes que os pés deixem a parede. 11:31 12
  • 14. Tipos de nado Peito – A saída do atleta é feita fora da água. Os ombros devem ser mantidos paralelos com a superfície normal da água e os braços simultâneos no mesmo plano horizontal, sem que seja feito qualquer movimento alternado. Na chegada da prova, o nadador precisa tocar a marca com as duas mãos juntas. 11:31 14
  • 15. Tipos de nado - Peito É o mais lento dentre os nados. Após o salto inicial da largada é permitido um movimento chamado Filipina – um movimento completo dos braços seguido de uma batida de pernas embaixo da água – antes do corpo submergir e iniciar o nado peito propriamente dito. No nado peito, os braços fazem 3 movimentos laterais diferentes, nesta ordem: puxada lateral, partindo do centro para fora do corpo; puxada para baixo; e, por último, a puxada para dentro, que não gera propulsão e tem como objetivo diminuir o arrasto para dar início a uma nova braçada. O movimento das pernas é simultâneo e em forma de chute para trás; acontece quando os braços estão estendidos. Diferentemente dos outros nados em que a “pernada” é responsável por 5 a 10% da força de propulsão, no estilo peito, ela é responsável por 70% da força propulsiva. Na virada do nado peito, o nadador deve tocar as duas mãos simultaneamente na parede da piscina, virar-se e apoiar os dois pés para propulsionar-se. 11:31 15
  • 17. Tipos de nado Mariposa ou Borboleta - A saída do atleta é feita fora da água, mantendo os dois pés na mesma distância da parte dianteira. O corpo deve ser mantido sobre o peito exceto na virada, mas os ombros precisam estar em linha com a superfície da água. 11:31 17
  • 18. Tipos de nado - Borboleta Após a largada, o nadador utiliza-se do nado golfinho – ondulação do corpo – por até 15 metros, onde deve submergir e iniciar o nado com os dois braços “girando” ao mesmo tempo num movimento completo e combinado com a ondulação do restante do corpo. A virada é feita da mesma maneira que no nado peito. 11:31 18
  • 20. Natação no Brasil A natação surgiu no Brasil, como prática desportiva, em 1898, quando foi disputado o primeiro campeonato brasileiro, por iniciativa do Clube de Natação e Regatas, no Rio de Janeiro. A partir de 1913, o campeonato brasileiro passou a ser promovido pela Federação Brasileira das Sociedades do Remo, na enseada de Botafogo. O esporte passou a ser controlado, em 1914, pela Confederação Brasileira de Desportos, responsável a partir de então pela organização das competições em âmbito nacional. 11:31 20
  • 21. Natação no Brasil A primeira piscina de competição foi inaugurada em 1919, no Fluminense Futebol Clube do Rio de Janeiro. Em 1923, os paulistas também ganharam sua piscina: a da Associação Atlética de São Paulo. Somente a partir de 1935 as mulheres entraram oficialmente nas competições. Destacaram-se inicialmente Maria Lenk, vencedora de todas as provas realizadas nesse ano e Piedade Coutinho (vencedora do campeonato de 1941). Em 1929, ao regularizar-se a disputa do Sul-Americano, o Brasil passou a dominar regularmente essa competição. Obteve também bons resultados na Copa Latina, criada em 1970. Atualmente, o grande nome da natação brasileira é o nadador Thiago Pereira que conquistou seis medalhas de ouro em uma só edição dos jogos Pan-Americanos. 11:31 21
  • 22. A natação e seus benefícios São inúmeros os benefícios trazidos pela natação,tanto físicos como correção da postura e melhora do tônus muscular,quanto psicológicos e emocionais,como melhora da qualidade do sono e do relacionamento social. 11:31 22
  • 23. A natação e seus benefícios Por movimentar praticamente todos os músculos e articulações do corpo, a prática da natação é considerada um dos melhores exercícios físicos existentes trazendo ótimos benefícios para o organismo, ajudando a melhorar a coordenação motora, além de ser recomendada para pessoas com problemas respiratórios, como por exemplo a asma , também é a única atividade física indicada para menores de 3 anos. 11:31 23
  • 24. A natação para crianças asmáticas ou com bronquite, quando bem orientadas, é importante para a melhora da doença. A Natação também é uma boa opção de atividade física para gestantes, sendo que água facilita a atividade física porque reduz a dificuldade do peso extra adquirido na gravidez. A natação durante a gravidez melhora a circulação, a força e a resistência muscular, melhora a qualidade do sono e aumenta o gasto calórico, evitando o ganho excessivo de peso. Para os idosos, essa atividade física é uma forma de integrar o idoso à sociedade e também uma maneira de tratá- lo de doenças como as articulares, pulmonares, cardíacas ou musculares. Esse esporte é bom para todas as idades, porque descansa o corpo e a mente e relaxa das tensões do nosso dia- a-dia. 11:31 24
  • 25. Veja alguns benefícios deste esporte: • A natação contribui no desenvolvimento físico, ou seja, fortalece grande grupo muscular. • Melhora a coordenação dos movimentos e aumentar a resistência cardiorrespiratória. • Contribui no desenvolvimento psicológico e social. • Combate o estresse e a obesidade. • Auxilia no tratamento de bronquite e asma. 11:31 25
  • 26. 11:31 26
  • 27. Tendo em vista que a natação não apresenta impacto, é muito bom para pessoas que estão se recuperando de lesões de membros inferiores. Cuidados com problemas lombares e de ombros devem ser tomados. Não praticar sem orientação de bons profissionais. Uma hora de natação, em ritmo moderado, queima aproximadamente 460 calorias. 11:31 27
  • 28. 11:31 28
  • 29.  Para mais informações consulte um especialista na área.  E lembre-se: Somente pratique exercício físico sob a orientação de um profissional capacitado. 11:31 29