SlideShare uma empresa Scribd logo
A Revolução Francesa (1789-1799)




11:29                                      1
11:29   2
Retrato do industrial
         Richard Arkwright,
                 1790.




11:29                           3
11:29   4
11:29   5
11:29   6
11:29   7
A França no século XVIII




11:29                              8
A sociedade francesa do final do século XVIII apresentava
 contrastes extremos entre riqueza e miséria, poder e
 subordinação.
  Você vê alguma semelhança dessa sociedade com a dos
  dias atuais?

11:29                                                        9
11:29   10
11:29   11
11:29   12
11:29   13
outros, passaram para o domínio inglês). O auxílio financeiro aos
  colonos durante a guerra de independência das 13 colônias acelerou
  as dificuldades do governo Bourbon, endividando o país.
  Esse quadro, somado aos altos custos para a manutenção da corte,
  obrigava o estado a aumentar sucessivamente os impostos
  nacionais, ativando o descontentamento do terceiro estado.


11:29                                                              14
A divisão da sociedade
        francesa, anterior à
        Revolução de 1789, fica
        evidente nesta gravura
        da época. Possuindo
        somente obrigações, a
        quase totalidade da
        população francesa era
        esmagada pelas elites
        privilegiadas.
         Identifique cada uma
          das personagens da
          ilustração e argumente
          como você chegou a tal
          identificação.

11:29                          15
11:29   16
11:29   17
O início da Revolução




11:29                           18
11:29   19
A composição dos estados gerais refletia a estrutura de
   privilégios e desigualdades da França em 1789.
   Observe com atenção essa gravura que mostra a assembleia
   dos estados gerais.
    Que lugar ocupa o rei?
    Em sua opinião como essa distribuição espacial (dos
     deputados representantes das três ordens e do rei) revela a
     distribuição do poder na sociedade do Antigo Regime?
11:29                                                              20
Vocabulário
  Cortesão: membro da aristocracia, que vivia na Corte
   junto ao rei.
  Jogo de péla: espécie de jogo de tênis em quadra
   coberta.
  Assembleia Nacional Constituinte: reunião de
   deputados com o objetivo de redigir uma constituição.
   Seus membros são os deputados constituintes.
  Milícia: grupo sujeito a organização e disciplina
   militares.

11:29                                                      21
11:29   22
11:29   23
A fase da Assembleia Nacional
                 (1789- 1792)
    A tomada de Bastilha teve grande repercussão dentro
 e fora da França. De um lado, confirmou o fim da
 autoridade absoluta de Luís XVI, garantindo o poder
 revolucionário e, de outro, atraiu o apoio generalizado
 dos franceses.
    No campo, vários castelos, casas senhoriais e abadias
 foram saqueadas e incendiadas por populares, dando
 origem ao que ficou conhecido como Grande Medo.
 Motins, invasões, execuções e reações de milícias para
 estabelecer a ordem irradiavam o pânico e o colapso das
 normas tradicionais.

11:29                                                   24
Nesta reprodução de uma
        gravura      da      época,
        pertencente    ao    Museu
        Carnavalet, Paris (França),
        você pode ver como foi
        representada a agitação no
        campo,    o   ataque    aos
        domínios senhoriais que foi
        denominado de Grande
        Medo.




11:29                             25
Em paris, a Assembleia Nacional aprovava o fim dos
 privilégios feudais e, em seguida, a Declaração dos
 Direitos do Homem e do Cidadão, documento que
 regulamentava os direitos humanos e a cidadania,
 estabelecendo o direito à igualdade de todos os franceses
 perante a lei, o direito à liberdade e a defesa da
 propriedade.




11:29                                                    26
Reprodução de gravura
        celebrando a Declaração
        dos Direitos do Homem
        e do Cidadão, de 26 de
        agosto de 1789.




11:29                         27
11:29   28
11:29   29
11:29   30
11:29   31
11:29   32
11:29   33
Aos usuários juntaram-se os prussianos e, comandados pelo duque
 Brunswick, marcharam sobre a França, em direção a Paris. Na capital
 francesa, a Assembleia decretou a “pátria em perigo” (julho de




11:29                                                              34
11:29   35
11:29   36
A Convenção Nacional (1792-1795)




11:29                          37
11:29   38
11:29   39
11:29   40
11:29   41
11:29   42
11:29   43
11:29   44
11:29   45
Vocabulário
  Equinócio: dias do ano em que dia e noite têm a
   mesma duração (21 de março e 23 de setembro).
  Voto universal: estendia-se a todos os homens, em
   considerar sua renda (como ocorria com o voto
   censitário).




11:29                                              46
11:29   47
11:29   48
11:29   49
11:29   50
O Diretório (1795-1799)




11:29                             51
A imagem à esquerda representa a cena do golpe do
 Termidor,     quando      os    girondinos     tomaram     o
 poder, prendendo Robespierre. A segunda representa as
 condições miseráveis de vida a que estavam expostos os
 populares, em 1795.
 A partir do dia 9 do Termidor, os girondinos estabeleceram o
 governo do Diretório que representou a volta da alta
 burguesia ao poder político francês.
11:29                                                       52
11:29   53
11:29   54
11:29   55
11:29   56
Da Revolução Francesa à Revolução
            Haitiana
   Durante o processo revolucionário francês uma das
 mais ricas colônias francesas, o Haiti, foi cenário de
 outra revolução que culminou na independência de São
 Domingos (hoje, República do Haiti).




11:29                                                 57
11:29   58
11:29   59
11:29   60
Retratos dos principais líderes da revolução da Revolução
Haitiana: Jean-Jacques Dessalines (1758-1806), à esquerda, e
Toussaint Louverture (1743-1803), a direita.

11:29                                                      61
Em 1806, após o assassinato de Dessalines, o Haiti
 adotou o regime republicano. Apenas em 1825, a França
 reconheceu a independência do país.
    A violência dos confrontos durante o processo de
 independência haitiano resultou no incêndio dos
 canaviais e na destruição da economia colonial. A
 disputas que se seguiram pelo controle do país causaram
 inúmeras morte e abalaram ainda mais suas estruturas
 produtivas.




11:29                                                  62
11:29   63
11:29   64
Observação:
 Para alguns historiadores o período em que
 Napoleão alcançou o poder não faz parte da
 Revolução Francesa, mas põe fim a esse processo
 revolucionário.




11:29                                          65
Fim
11:29         66

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolução francesa (P.1)
Revolução francesa (P.1)Revolução francesa (P.1)
Revolução francesa (P.1)
João Victor Lanna de Freitas
 
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
Adauto Ferreira
 
Revolução Francesa (1789)
Revolução Francesa (1789)Revolução Francesa (1789)
Revolução Francesa (1789)
E.E. Prof. João Magiano Pinto
 
2013 Revolução Francesa
2013 Revolução Francesa2013 Revolução Francesa
2013 Revolução Francesa
MARIANO C7S
 
Slide trabalho historia - Revolução Francesa e Era Napoleonica
Slide trabalho historia - Revolução Francesa e Era NapoleonicaSlide trabalho historia - Revolução Francesa e Era Napoleonica
Slide trabalho historia - Revolução Francesa e Era Napoleonica
ivonete moresco
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Janaina Flavia Santos Azevedo
 
Revolução francesa no cotidiano
Revolução francesa no cotidianoRevolução francesa no cotidiano
Revolução francesa no cotidiano
ProfessoresColeguium
 
Napoleão Bonaparte
Napoleão BonaparteNapoleão Bonaparte
Napoleão Bonaparte
Edenilson Morais
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
MARIANO C7S
 
Revolucoes
RevolucoesRevolucoes
Revolucoes
Norma Almeida
 
A Revolução Francesa
A Revolução FrancesaA Revolução Francesa
A Revolução Francesa
Professor Marcelo
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
isameucci
 
Revolução Francesa - Completo
Revolução Francesa - CompletoRevolução Francesa - Completo
Revolução Francesa - Completo
Aline Oliveira
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberais
Lucas Nunes de Souza
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
eiprofessor
 
Napoleão Bonaparte
Napoleão BonaparteNapoleão Bonaparte
Napoleão Bonaparte
CRIATIVO
 
A Tomada da Bastilha
A Tomada da BastilhaA Tomada da Bastilha
A Tomada da Bastilha
Mirelle Ferreira
 
Aula revoluçao francesa 2 em
Aula revoluçao francesa 2 emAula revoluçao francesa 2 em
Aula revoluçao francesa 2 em
Adriana Gomes Messias
 
Revoluçao francesa
Revoluçao francesaRevoluçao francesa
Revoluçao francesa
Adriana Gomes Messias
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Lucas Nunes de Souza
 

Mais procurados (20)

Revolução francesa (P.1)
Revolução francesa (P.1)Revolução francesa (P.1)
Revolução francesa (P.1)
 
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
 
Revolução Francesa (1789)
Revolução Francesa (1789)Revolução Francesa (1789)
Revolução Francesa (1789)
 
2013 Revolução Francesa
2013 Revolução Francesa2013 Revolução Francesa
2013 Revolução Francesa
 
Slide trabalho historia - Revolução Francesa e Era Napoleonica
Slide trabalho historia - Revolução Francesa e Era NapoleonicaSlide trabalho historia - Revolução Francesa e Era Napoleonica
Slide trabalho historia - Revolução Francesa e Era Napoleonica
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução francesa no cotidiano
Revolução francesa no cotidianoRevolução francesa no cotidiano
Revolução francesa no cotidiano
 
Napoleão Bonaparte
Napoleão BonaparteNapoleão Bonaparte
Napoleão Bonaparte
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolucoes
RevolucoesRevolucoes
Revolucoes
 
A Revolução Francesa
A Revolução FrancesaA Revolução Francesa
A Revolução Francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução Francesa - Completo
Revolução Francesa - CompletoRevolução Francesa - Completo
Revolução Francesa - Completo
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberais
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
Napoleão Bonaparte
Napoleão BonaparteNapoleão Bonaparte
Napoleão Bonaparte
 
A Tomada da Bastilha
A Tomada da BastilhaA Tomada da Bastilha
A Tomada da Bastilha
 
Aula revoluçao francesa 2 em
Aula revoluçao francesa 2 emAula revoluçao francesa 2 em
Aula revoluçao francesa 2 em
 
Revoluçao francesa
Revoluçao francesaRevoluçao francesa
Revoluçao francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 

Semelhante a A revolução francesa

Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
GabrielaLimaPereira
 
Revolução Francesa e Período Napoleônico
Revolução Francesa e Período NapoleônicoRevolução Francesa e Período Napoleônico
Revolução Francesa e Período Napoleônico
Valéria Shoujofan
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
GabrielaLimaPereira
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
GabrielaLimaPereira
 
As fases da revolução
As fases da revoluçãoAs fases da revolução
As fases da revolução
Carla Teixeira
 
Revolução francesa
Revolução francesa Revolução francesa
Revolução francesa
alunoitv
 
Revolução Francesa
Revolução Francesa Revolução Francesa
Revolução Francesa
secretaria estadual de educação
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Bruno da Silva
 
A grande revolução francesa
A grande revolução francesaA grande revolução francesa
A grande revolução francesa
Fernando Alcoforado
 
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônicoAmanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
AmandaKikuti
 
Aula Revolução Francesa 2
Aula Revolução Francesa   2Aula Revolução Francesa   2
Aula Revolução Francesa 2
seixasmarianas
 
Revolução francesa (aula)
Revolução francesa  (aula)Revolução francesa  (aula)
Revolução francesa (aula)
OAB (Brazilian Order of Advocates)
 
2˚ano rev francesa blog
2˚ano rev francesa blog2˚ano rev francesa blog
2˚ano rev francesa blog
Kerol Brombal
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
edna2
 
Revol 130802122944-phpapp02 (1)
Revol 130802122944-phpapp02 (1)Revol 130802122944-phpapp02 (1)
Revol 130802122944-phpapp02 (1)
MarlenePrado7
 
Revolução francesa e era napoleônica.pptx
Revolução francesa e era napoleônica.pptxRevolução francesa e era napoleônica.pptx
Revolução francesa e era napoleônica.pptx
GabrielBrando57
 
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaRevolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Isabel Aguiar
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Diego Silva
 
8º ano rev. burguesas insa rafa
8º ano   rev. burguesas insa rafa8º ano   rev. burguesas insa rafa
8º ano rev. burguesas insa rafa
Rafael Noronha
 
8º ano rev. burguesas ist rafa
8º ano   rev. burguesas ist rafa8º ano   rev. burguesas ist rafa
8º ano rev. burguesas ist rafa
Rafael Noronha
 

Semelhante a A revolução francesa (20)

Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução Francesa e Período Napoleônico
Revolução Francesa e Período NapoleônicoRevolução Francesa e Período Napoleônico
Revolução Francesa e Período Napoleônico
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
As fases da revolução
As fases da revoluçãoAs fases da revolução
As fases da revolução
 
Revolução francesa
Revolução francesa Revolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução Francesa
Revolução Francesa Revolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
A grande revolução francesa
A grande revolução francesaA grande revolução francesa
A grande revolução francesa
 
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônicoAmanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
 
Aula Revolução Francesa 2
Aula Revolução Francesa   2Aula Revolução Francesa   2
Aula Revolução Francesa 2
 
Revolução francesa (aula)
Revolução francesa  (aula)Revolução francesa  (aula)
Revolução francesa (aula)
 
2˚ano rev francesa blog
2˚ano rev francesa blog2˚ano rev francesa blog
2˚ano rev francesa blog
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revol 130802122944-phpapp02 (1)
Revol 130802122944-phpapp02 (1)Revol 130802122944-phpapp02 (1)
Revol 130802122944-phpapp02 (1)
 
Revolução francesa e era napoleônica.pptx
Revolução francesa e era napoleônica.pptxRevolução francesa e era napoleônica.pptx
Revolução francesa e era napoleônica.pptx
 
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaRevolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era Napoleonica
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
8º ano rev. burguesas insa rafa
8º ano   rev. burguesas insa rafa8º ano   rev. burguesas insa rafa
8º ano rev. burguesas insa rafa
 
8º ano rev. burguesas ist rafa
8º ano   rev. burguesas ist rafa8º ano   rev. burguesas ist rafa
8º ano rev. burguesas ist rafa
 

Mais de PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência

Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousaGrecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidianoLivreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidianoSlides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidianoPlano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Pinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendasPinturas de debret e rugendas
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidianoLivreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Relevo e Biomas piauienses
Relevo e Biomas piauiensesRelevo e Biomas piauienses
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquicaOs movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - HidrografiaO espaço natural brasileiro - Hidrografia
O modernismo em portugal
O modernismo em portugalO modernismo em portugal
Engenharia civil
Engenharia civilEngenharia civil
Natação
NataçãoNatação
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
A região nordeste
A região nordesteA região nordeste
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
O espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - ClimaO espaço natural brasileiro - Clima

Mais de PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (20)

Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousaGrecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
 
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidianoLivreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
 
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidianoSlides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
 
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidianoPlano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
 
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
 
Pinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendasPinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendas
 
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidianoLivreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
 
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
 
Relevo e Biomas piauienses
Relevo e Biomas piauiensesRelevo e Biomas piauienses
Relevo e Biomas piauienses
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
 
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquicaOs movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
 
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - HidrografiaO espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
 
O modernismo em portugal
O modernismo em portugalO modernismo em portugal
O modernismo em portugal
 
Engenharia civil
Engenharia civilEngenharia civil
Engenharia civil
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Brasil - Primeira república
 
A região nordeste
A região nordesteA região nordeste
A região nordeste
 
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
 
O espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - ClimaO espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - Clima
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 

A revolução francesa

  • 1. A Revolução Francesa (1789-1799) 11:29 1
  • 2. 11:29 2
  • 3. Retrato do industrial Richard Arkwright, 1790. 11:29 3
  • 4. 11:29 4
  • 5. 11:29 5
  • 6. 11:29 6
  • 7. 11:29 7
  • 8. A França no século XVIII 11:29 8
  • 9. A sociedade francesa do final do século XVIII apresentava contrastes extremos entre riqueza e miséria, poder e subordinação.  Você vê alguma semelhança dessa sociedade com a dos dias atuais? 11:29 9
  • 10. 11:29 10
  • 11. 11:29 11
  • 12. 11:29 12
  • 13. 11:29 13
  • 14. outros, passaram para o domínio inglês). O auxílio financeiro aos colonos durante a guerra de independência das 13 colônias acelerou as dificuldades do governo Bourbon, endividando o país. Esse quadro, somado aos altos custos para a manutenção da corte, obrigava o estado a aumentar sucessivamente os impostos nacionais, ativando o descontentamento do terceiro estado. 11:29 14
  • 15. A divisão da sociedade francesa, anterior à Revolução de 1789, fica evidente nesta gravura da época. Possuindo somente obrigações, a quase totalidade da população francesa era esmagada pelas elites privilegiadas.  Identifique cada uma das personagens da ilustração e argumente como você chegou a tal identificação. 11:29 15
  • 16. 11:29 16
  • 17. 11:29 17
  • 18. O início da Revolução 11:29 18
  • 19. 11:29 19
  • 20. A composição dos estados gerais refletia a estrutura de privilégios e desigualdades da França em 1789. Observe com atenção essa gravura que mostra a assembleia dos estados gerais.  Que lugar ocupa o rei?  Em sua opinião como essa distribuição espacial (dos deputados representantes das três ordens e do rei) revela a distribuição do poder na sociedade do Antigo Regime? 11:29 20
  • 21. Vocabulário  Cortesão: membro da aristocracia, que vivia na Corte junto ao rei.  Jogo de péla: espécie de jogo de tênis em quadra coberta.  Assembleia Nacional Constituinte: reunião de deputados com o objetivo de redigir uma constituição. Seus membros são os deputados constituintes.  Milícia: grupo sujeito a organização e disciplina militares. 11:29 21
  • 22. 11:29 22
  • 23. 11:29 23
  • 24. A fase da Assembleia Nacional (1789- 1792) A tomada de Bastilha teve grande repercussão dentro e fora da França. De um lado, confirmou o fim da autoridade absoluta de Luís XVI, garantindo o poder revolucionário e, de outro, atraiu o apoio generalizado dos franceses. No campo, vários castelos, casas senhoriais e abadias foram saqueadas e incendiadas por populares, dando origem ao que ficou conhecido como Grande Medo. Motins, invasões, execuções e reações de milícias para estabelecer a ordem irradiavam o pânico e o colapso das normas tradicionais. 11:29 24
  • 25. Nesta reprodução de uma gravura da época, pertencente ao Museu Carnavalet, Paris (França), você pode ver como foi representada a agitação no campo, o ataque aos domínios senhoriais que foi denominado de Grande Medo. 11:29 25
  • 26. Em paris, a Assembleia Nacional aprovava o fim dos privilégios feudais e, em seguida, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, documento que regulamentava os direitos humanos e a cidadania, estabelecendo o direito à igualdade de todos os franceses perante a lei, o direito à liberdade e a defesa da propriedade. 11:29 26
  • 27. Reprodução de gravura celebrando a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, de 26 de agosto de 1789. 11:29 27
  • 28. 11:29 28
  • 29. 11:29 29
  • 30. 11:29 30
  • 31. 11:29 31
  • 32. 11:29 32
  • 33. 11:29 33
  • 34. Aos usuários juntaram-se os prussianos e, comandados pelo duque Brunswick, marcharam sobre a França, em direção a Paris. Na capital francesa, a Assembleia decretou a “pátria em perigo” (julho de 11:29 34
  • 35. 11:29 35
  • 36. 11:29 36
  • 37. A Convenção Nacional (1792-1795) 11:29 37
  • 38. 11:29 38
  • 39. 11:29 39
  • 40. 11:29 40
  • 41. 11:29 41
  • 42. 11:29 42
  • 43. 11:29 43
  • 44. 11:29 44
  • 45. 11:29 45
  • 46. Vocabulário  Equinócio: dias do ano em que dia e noite têm a mesma duração (21 de março e 23 de setembro).  Voto universal: estendia-se a todos os homens, em considerar sua renda (como ocorria com o voto censitário). 11:29 46
  • 47. 11:29 47
  • 48. 11:29 48
  • 49. 11:29 49
  • 50. 11:29 50
  • 52. A imagem à esquerda representa a cena do golpe do Termidor, quando os girondinos tomaram o poder, prendendo Robespierre. A segunda representa as condições miseráveis de vida a que estavam expostos os populares, em 1795. A partir do dia 9 do Termidor, os girondinos estabeleceram o governo do Diretório que representou a volta da alta burguesia ao poder político francês. 11:29 52
  • 53. 11:29 53
  • 54. 11:29 54
  • 55. 11:29 55
  • 56. 11:29 56
  • 57. Da Revolução Francesa à Revolução Haitiana Durante o processo revolucionário francês uma das mais ricas colônias francesas, o Haiti, foi cenário de outra revolução que culminou na independência de São Domingos (hoje, República do Haiti). 11:29 57
  • 58. 11:29 58
  • 59. 11:29 59
  • 60. 11:29 60
  • 61. Retratos dos principais líderes da revolução da Revolução Haitiana: Jean-Jacques Dessalines (1758-1806), à esquerda, e Toussaint Louverture (1743-1803), a direita. 11:29 61
  • 62. Em 1806, após o assassinato de Dessalines, o Haiti adotou o regime republicano. Apenas em 1825, a França reconheceu a independência do país. A violência dos confrontos durante o processo de independência haitiano resultou no incêndio dos canaviais e na destruição da economia colonial. A disputas que se seguiram pelo controle do país causaram inúmeras morte e abalaram ainda mais suas estruturas produtivas. 11:29 62
  • 63. 11:29 63
  • 64. 11:29 64
  • 65. Observação: Para alguns historiadores o período em que Napoleão alcançou o poder não faz parte da Revolução Francesa, mas põe fim a esse processo revolucionário. 11:29 65
  • 66. Fim 11:29 66