SlideShare uma empresa Scribd logo
UEPMP




11:25           1
O Nordeste atual

    “No imaginário popular, o sertão nordestino é o lugar
 da seca, da terra inóspita e da miséria. Datam do final do
 século XIX os relatos do escritor Euclides da Cunha,
 autor de Os Sertões, sobre a aridez e a pobreza dos
 [recantos] do Nordeste”



             STEFANO, Fabiane. O sertão agora é assim. Exame, 9 jul. 2009.
        Disponível em: <http://portalexame.com.br>. Acesso em: 3 set. 2009.


11:25                                                                         2
11:25   3
11:25   4
11:25   5
O que você pode supor sobre a Região
 Nordeste baseando-se nos dados e nas imagens
 apresentadas?




11:25                                       6
1. Caracterização física das sub-
              regiões do Nordeste
  A Região Nordeste é formada por nove estados:
 Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba,
 Pernambuco (incluindo o Distrito Estadual de Fernando
 de Noronha), Alagoas, Sergipe e Bahia.
  Área: 1.544.257 km² (18,25% do total do país)
  População em 2007: 52.305.000 hab (27,55% da
 população do país).




11:25                                                    7
11:25   8
Marcado por diferentes características físicas, o
 Nordeste é comumente dividido em quatro sub-regiões:
 Meio-Norte, Sertão, Agreste e Zona da mata.




11:25                                               9
11:25   10
Zona da mata
  Se estende do Rio Grande do Norte ao Sul da Bahia.
  Situa-se   em relevo de Planícies e Tabuleiros
   Litorâneos, uma faixa que chega a atingir 200 km de
   largura.
  Em clima tropical úmido, desenvolvia-se a Mata
   Atlântica, hoje quase que totalmente devastada por
   séculos de ocupação.
  É nessa área que aparece o massapé, um dos solos mais
   férteis do Brasil – rico em matéria orgânica e oriundo
   da decomposição do calcário.

11:25                                                   11
Agreste
   Também se estende do Rio Grande do Norte até o Sul
 da Bahia. É uma faixa de terra situada entre o litoral mais
 úmido (Zona da Mata) e o Sertão semiárido,
 correspondendo, em parte, ao espaço ocupado pelo
 Planalto da Borborema.




11:25                                                      12
Sertão
  Abrange o Ceará e parte dos estados do Rio Grande do
 Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, e Bahia.
  Estende-se pelos Planaltos e Chapadas da Bacia do
 Parnaíba e pela Depressão Sertaneja do São Francisco.
  O clima é semiárido (chuvas escassas); há solos
 pedregosos, vegetação de caatinga e rios temporários.
  Processos de intensa degradação fazem avançar o
 processo de desertificação (Gilbués–PI; Seridó–RN;
 Irauçuba –CE; Cabrobó –PE).



11:25                                                 13
11:25   14
Meio-Norte
  Abrange o Maranhão e o Piauí.
  No relevo, encontram-se Planície litorânea, Planaltos
 e Chapadas da Bacia do Parnaíba e Depressão do
 Tocantins.
  O clima tropical predomina, mas também aparece o
 clima equatorial úmido a oeste do Maranhão e o
 semiárido, a leste do Piauí.
  A Floresta Equatorial a oeste é substituída pela Mata
 dos Cocais ao norte; a leste, predomina a caatinga e ao
 sul o cerrado. No litoral aparecem os mangues.

11:25                                                  15
Regiões Geoeconômicas
   Para formular estratégias de desenvolvimento
 regional, a divisão geoeconômica é a mais utilizada, pois
 considera, além dos aspectos geográficos, a situação
 ecoambiental e antropocultural do Nordeste, dividindo-
 o em nove regiões geoeconômicas: Litoral-Mata, Pré-
 Amazônia, Parnaíba, Sertão Setentrional, Agreste
 Oriental, São Francisco, Agreste Meridional e Cerrado.




11:25                                                    16
11:25   17
Comparando os mapas abaixo, apresente duas diferenças dessa
proposta em relação à divisão em sub-regiões.




 11:25                                                        18
2. Ocupação territorial
    Durante os séculos XVI e XVII, a produção de cana-
 de-açúcar para exportação desenvolveu-se em áreas
 litorâneas do PE e BA, baseada no:
  Latifúndio monocultor e no
  Sistema escravocrata.




11:25                                                19
Entre as atividades complementares estavam:
  Cultivos de subsistência e a
  Pecuária (inicialmente na Zona da Mata, foi
 empurrada para o Sertão de Pernambuco e para o vale do
 rio São Francisco, promovendo a ocupação efetiva dos
 estados do PI, CE e MA).




11:25                                                 20
A economia nordestina entra em
                   declínio
    Nos séculos XVIII e XIX, a descoberta de minerais
 preciosos no interior do país e a transferência da capital
 de Salvador para o Rio de Janeiro (1763), entre outros
 fatores, acentuaram o declínio da produção de açúcar e
 aumentaram os problemas econômicos e sociais da
 região, como o:
  Coronelismo e a
  Irregularidade das chuvas.



11:25                                                     21
11:25   22
3. O Nordeste atual: economia e
               recursos naturais
    Nas últimas décadas do séc. XX houve um maior
 dinamismo na economia nordestina, principalmente no
 setor industrial, agrário e de serviços.
    Com a criação da SUDENE, o setor secundário e
 industrial recebeu a maior parte dos investimentos.
 Como consequência, houve a montagem de importantes
 e modernos centros industriais. Porém, de forma
 concentrada (BA, PE e CE – principalmente nas capitais)
 com destaque para as indústrias de transformação e de
 confecções.

11:25                                                  23
Com a política de desconcentração industrial, a partir
 da década de 1990, os governos estaduais têm investido
 em infraestrutura e oferecido vantagens, como
 incentivos fiscais para atrair indústrias. Entretanto, a
 implantação de uma indústria, em geral bastante
 automatizada, abre poucos postos de trabalho, quase
 sempre mais qualificados, além de contribuir com
 impostos reduzidos. Assim, apenas algumas empresas
 transnacionais ou de capital nacional acabam sendo as
 mais beneficiadas.



11:25                                                    24
Quanto ao setor agrícola, destacam-se duas
 importantes monoculturas cultivadas na Zona da Mata: a
 cana-de-açúcar,    especialmente      em    Alagoas     e
 Pernambuco, e o cacau, no Sul da Bahia.
    No Meio-Norte, além da agricultura tradicional (cana,
 soja, mandioca, arroz) e do extrativismo vegetal (babaçu,
 carnaúba), tem crescido as plantações de soja no sul dos
 estados do MA e PI – cultivo que se estende até o sertão,
 chegando ao oeste da Bahia.




11:25                                                    25
11:25   26
11:25   27
No Sertão, subsiste a agricultura tradicional, cultivada
nos vales mais úmidos e nas encostas e pés de serras.
Milho, arroz, feijão, mandioca, algodão e cana-de-açúcar
são as principais culturas.
  Figura: Plantação de arroz em várzea, em Tufilândia
(MA, 2008)




11:25                                                    28
A fruticultura irrigada no NE adquire cada vez mais
 importância não apenas no mercado interno, mas
 também para a exportação. É desenvolvida no:
  Vale do São Francisco: uvas e mangas
  Vale do Açu no RN: melão e manga
  Sertão do Ceará: acerola, melão, além de flores.
    A maior região produtora de melão no país localiza-se
 no polo Açu/Mossoró, no RN, e o polo Petrolina/Juazeiro
 firmou-se como grande exportador de manga, banana,
 coco, uva, goiaba, melão e pinha.




11:25                                                   29
11:25   30
Fatores que oferecem vantagens à fruticultura do NE:
  Mão de obra barata e disponível
  Preços atrativos das terras e
  Localização do NE em relação à Europa e aos EUA
   (reduzindo o tempo e o custo de transporte)

    O desenvolvimento de tecnologias (criação de
 variedades de frutas, produção integrada, produção de
 mudas sadias, entre outras) e o aperfeiçoamento de
 técnicas de irrigação foram essenciais para o crescimento
 da atividade, que garante empregos no campo e na
 cidade, reduzindo o êxodo rural.
11:25                                                      31
Na pecuária predomina a criação de animais de
 pequeno porte como asininos (jumentos, mulas e
 burros), caprinos (cabras), ovinos (ovelhas) e suínos
 (porcos). A criação de bovinos (bois), tradicionalmente
 desenvolvida no Sertão de forma extensiva, vem
 crescendo também em áreas do Agreste próximas ao
 Sertão, com solos de baixa fertilidade e pouca umidade, e
 em áreas do Maranhão. A pecuária leiteira, na
 modalidade extensiva e voltada para o abastecimento da
 Zona da Mata, é praticada no Agreste.




11:25                                                    32
No agreste ainda se desenvolve a policultura comercial
 para o abastecimento da Zona da Mata, em médias e
 pequenas propriedades. É praticada em solos férteis com
 boas condições de umidade, na fronteira com a Zona da
 Mata.
   O turismo é outra atividade econômica de grande
 importância, desenvolvido a partir das potencialidades
 naturais e dos atrativos culturais.




11:25                                                   33
11:25   34
O NE conta com diversos parques nacionais, entre
 eles o da Serra da Capivara (PI), com grande
 concentração de sítios arqueológicos e pinturas
 rupestres, o Parque Nacional Marinho de Fernando de
 Noronha (distrito estadual de PE), e o Parque Nacional
 da Chapada Diamantina (BA).
    Entre os eventos culturais destacam-se:
  Carnaval: Salvador, Olinda e Recife.
  Festas juninas: Caruaru e Campina Grande.
  Patrimônios Culturais da Humanidade: Olinda (PE),
 São Luís (MA), Salvador (BA) e São Raimundo Nonato
 no Parque Nacional da Capivara (PI).
  Danças, comidas típicas e artesanato da região.

11:25                                                 35
1. Casario na Ladeira
da Misericórdia, em
Olinda (PE).
2. Rua Humberto de
Campos, em São Luís
(MA).
3. Largo do
Pelourinho, em
Salvador (BA).
4. Pinturas rupestres
no sítio arqueológico
da Pedra Furada, em
São Raimundo Nonato
(PI).


11:25                   36
Em relação aos recursos naturais, destacam-se na
 região o petróleo e o gás natural, extraídos no CE, SE, RN
 e BA.
    O Rio Grande do Norte ainda se sobressai como o
 maior produtor de sal marinho do país.




11:25                                                     37
11:25   38
11:25   39
4. Indicadores sociais, população e
             urbanização
  A Região Nordeste ainda responde pelos índices de
 qualidade de vida mais baixos do país.
  Problemas sociais como elevadas taxas de mortalidade
 infantil e de analfabetismo, baixos salários, grande
 concentração de renda e das terras também alcançam
 números que superam os de outras regiões.




11:25                                                 40
De povoamento antigo, a Zona da Mata continua
 sendo     a    sub-região     mais    importante     do
 Nordeste, concentrando seis capitais e a maior parte da
 população. Salvador e Recife são as principais
 cidades, destacando-se ainda como áreas industriais.




11:25                                                  41
A população do Meio-Norte é relativamente pouco
 numerosa, e o Agreste apresenta densidade demográfica
 inferior à da Zona da Mata.
     O Sertão, apesar de ser a maior sub-região do NE,
 apresenta baixa densidade demográfica, com regiões
 mais povoadas no vale do São Francisco e no litoral do
 Ceará. Em épocas de seca, entretanto, boa parte da
 população migra para outras regiões e muitos não
 retornam.




11:25                                                 42
No Sertão, a única reserva de água em épocas de seca
 são os 80 mil açudes (aproximadamente), vitais para o
 abastecimento e para a sobrevivência da população
 sertaneja, utilizados na criação de peixes e na irrigação
 de culturas. Embora construídos com recursos públicos,
 muitos desses açudes localizam-se em grandes
 propriedades particulares e acabam sendo usados na
 irrigação de culturas de exportação. Dessa forma, a
 maior parte da população continua sem acesso à água.
 Além disso, condições precárias de vida, mesmo em
 regiões não atingidas pelas secas, também motivam as
 migrações.


11:25                                                    43
Quanto à hierarquia das cidades, as três metrópoles
 do Nordeste (Salvador, Recife e Fortaleza) localizam-se
 no litoral.
     As outras capitais dos estados do NE (São Luís,
 Maceió, Natal, Teresina, João Pessoa e Aracajú) são
 centros regionais, como Ilhéus-Itabuna, no Litoral-Mata
 Baiano, Feira de Santana, no Agreste Baiano, Petrolina-
 Juazeiro, no São Francisco Pernambucano e Baiano.




11:25                                                  44
11:25   45
Dos centros urbanos de primeira ordem destacam-
 se:
       Campina Grande, no Agreste Paraibano,
       Crato-Juazeiro do Norte no Sertão Cearense,
       Vitória da Conquista no Agreste Baiano,
       Caruaru no Agreste Pernambucano,
       Mossoró no Litoral Potiguar,
       Imperatriz na Pré-Amazônia.



11:25                                                 46
Observe as principais cidades das regiões geoeconômicas
do Nordeste.




11:25                                                47
Comparando os mapas abaixo, quais são as regiões
geoeconômicas nordestinas de maior dinamismo? E quais
seus polos urbanos correspondentes?




11:25                                              48
A região Nordeste do Brasil apresenta 1.554.257 km2,
 essa área do território brasileiro apresenta grandes
 diferenças em aspectos como clima, vegetação,
 economia, entre outros. Nesse contexto, a região é
 dividida em quatro, processo conhecido como as sub-
 regiões do Nordeste. Essa divisão é composta por:

 A) Meio-Norte, Sertão, Zona da Mata, Agreste.
 B) Caatinga, Zona da Mata, Agreste, Sertão.
 C) Meio-Norte, Litorânea, Zona da Mata, Agreste.
 D) Amazônica, Sertão, Agreste, Litorânea.
 E) Litorânea, Meio-Norte, Sertão, Caatinga


11:25                                                   49
A região Nordeste do Brasil apresenta 1.554.257 km2,
 essa área do território brasileiro apresenta grandes
 diferenças em aspectos como clima, vegetação,
 economia, entre outros. Nesse contexto, a região é
 dividida em quatro, processo conhecido como as sub-
 regiões do Nordeste. Essa divisão é composta por:

 XA) Meio-Norte, Sertão, Zona da Mata, Agreste.
 B) Caatinga, Zona da Mata, Agreste, Sertão.
 C) Meio-Norte, Litorânea, Zona da Mata, Agreste.
 D) Amazônica, Sertão, Agreste, Litorânea.
 E) Litorânea, Meio-Norte, Sertão, Caatinga.


11:25                                                   50
Identifique no mapa as sub-regiões do Nordeste.




                                     a) Verde:_____________
                                     b) Vermelho:_____________
                                     c) Roxo:_____________
                                     d) Amarelo:_____________




11:25                                                            51
Identifique no mapa as sub-regiões do Nordeste.




                                     a) Verde: Meio-Norte
                                     b) Vermelho: Sertão
                                     c) Roxo: Agreste
                                     d) Amarelo: Zona da Mata




11:25                                                           52
Curiosidade
        No dia 8 de outubro é comemorado o Dia do
                        Nordestino.




11:25                                               53

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
Prof. Francesco Torres
 
7º ano unidade 5 - Região Norte
7º ano   unidade 5 - Região Norte7º ano   unidade 5 - Região Norte
7º ano unidade 5 - Região Norte
Christie Freitas
 
Vegetação Brasileira
Vegetação BrasileiraVegetação Brasileira
Vegetação Brasileira
Cleber Reis
 
A região-nordeste-do-brasil
A região-nordeste-do-brasilA região-nordeste-do-brasil
A região-nordeste-do-brasil
Hélio Fernandes de Lima
 
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
Christie Freitas
 
Região centro oeste
Região centro oesteRegião centro oeste
Região centro oeste
John Joseph
 
Região nordeste zona da mata e agreste
Região nordeste   zona da mata e agresteRegião nordeste   zona da mata e agreste
Região nordeste zona da mata e agreste
flaviocosac
 
Região centro oeste
Região centro oesteRegião centro oeste
Região centro oeste
Prof. Francesco Torres
 
Região Sul
Região SulRegião Sul
Região Sul
Silmara Vedoveli
 
Região Nordeste.
Região Nordeste.Região Nordeste.
Região Nordeste.
Camila Brito
 
Região nordeste 7º ano
Região nordeste  7º anoRegião nordeste  7º ano
Região nordeste 7º ano
alessandra bassani
 
Região sul
Região sulRegião sul
Região sul
flaviocosac
 
Região sul do Brasil
Região sul do BrasilRegião sul do Brasil
Região sul do Brasil
Nome Sobrenome
 
Ártico
ÁrticoÁrtico
Ártico
Kívia Neres
 
7° ano região sudeste e sul
7° ano   região sudeste e sul7° ano   região sudeste e sul
7° ano região sudeste e sul
Tiago Marinho
 
Formação do território brasileiro!
Formação do território brasileiro!Formação do território brasileiro!
Formação do território brasileiro!
Marcelo Caetano
 
Geografia do Brasil - Região Nordeste
Geografia do Brasil - Região Nordeste Geografia do Brasil - Região Nordeste
Geografia do Brasil - Região Nordeste
Vania Leão
 
Vegetação do brasil
Vegetação do brasilVegetação do brasil
Vegetação do brasil
João José Ferreira Tojal
 
Região nordeste slide
Região nordeste slideRegião nordeste slide
Região nordeste slide
Ana Selma Sena Santos
 
Região Nordeste Zona da Mata
Região Nordeste   Zona da MataRegião Nordeste   Zona da Mata
Região Nordeste Zona da Mata
Márcia Dutra
 

Mais procurados (20)

Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
 
7º ano unidade 5 - Região Norte
7º ano   unidade 5 - Região Norte7º ano   unidade 5 - Região Norte
7º ano unidade 5 - Região Norte
 
Vegetação Brasileira
Vegetação BrasileiraVegetação Brasileira
Vegetação Brasileira
 
A região-nordeste-do-brasil
A região-nordeste-do-brasilA região-nordeste-do-brasil
A região-nordeste-do-brasil
 
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
 
Região centro oeste
Região centro oesteRegião centro oeste
Região centro oeste
 
Região nordeste zona da mata e agreste
Região nordeste   zona da mata e agresteRegião nordeste   zona da mata e agreste
Região nordeste zona da mata e agreste
 
Região centro oeste
Região centro oesteRegião centro oeste
Região centro oeste
 
Região Sul
Região SulRegião Sul
Região Sul
 
Região Nordeste.
Região Nordeste.Região Nordeste.
Região Nordeste.
 
Região nordeste 7º ano
Região nordeste  7º anoRegião nordeste  7º ano
Região nordeste 7º ano
 
Região sul
Região sulRegião sul
Região sul
 
Região sul do Brasil
Região sul do BrasilRegião sul do Brasil
Região sul do Brasil
 
Ártico
ÁrticoÁrtico
Ártico
 
7° ano região sudeste e sul
7° ano   região sudeste e sul7° ano   região sudeste e sul
7° ano região sudeste e sul
 
Formação do território brasileiro!
Formação do território brasileiro!Formação do território brasileiro!
Formação do território brasileiro!
 
Geografia do Brasil - Região Nordeste
Geografia do Brasil - Região Nordeste Geografia do Brasil - Região Nordeste
Geografia do Brasil - Região Nordeste
 
Vegetação do brasil
Vegetação do brasilVegetação do brasil
Vegetação do brasil
 
Região nordeste slide
Região nordeste slideRegião nordeste slide
Região nordeste slide
 
Região Nordeste Zona da Mata
Região Nordeste   Zona da MataRegião Nordeste   Zona da Mata
Região Nordeste Zona da Mata
 

Semelhante a A região nordeste

Região nordeste
Região nordesteRegião nordeste
Região nordeste
Osiel gomes de oliveira
 
Região nordeste
Região nordesteRegião nordeste
Região nordeste
LuisAlfra
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
Oberlania Alves
 
As subregiões do nordeste brasileiro
As subregiões do nordeste brasileiroAs subregiões do nordeste brasileiro
As subregiões do nordeste brasileiro
CASSIA FERNANDES
 
Nordeste
NordesteNordeste
Nordeste
Simone Morais
 
Modulo 15 - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo NordesteModulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15 - O Complexo Nordeste
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Complexos econômicos
Complexos econômicosComplexos econômicos
Complexos econômicos
joao paulo
 
Complexos Econômicos
Complexos EconômicosComplexos Econômicos
Complexos Econômicos
joao paulo
 
ApresentaçãO Hg 7
ApresentaçãO Hg 7ApresentaçãO Hg 7
ApresentaçãO Hg 7
veroleal
 
Geografia
GeografiaGeografia
Cap. 9 - O nordeste
Cap. 9 - O nordesteCap. 9 - O nordeste
Cap. 9 - O nordeste
Acácio Netto
 
Nordeste
NordesteNordeste
Nordeste
Camila Brito
 
Nordeste brasil
Nordeste brasilNordeste brasil
Nordeste brasil
Glayberson Pereira
 
As grandes regiões brasileiras
As grandes regiões brasileirasAs grandes regiões brasileiras
As grandes regiões brasileiras
André Luiz Marques
 
Regiões Geoeconômicas
Regiões GeoeconômicasRegiões Geoeconômicas
Regiões Geoeconômicas
Pré Master
 
Regiões brasileiras
Regiões brasileirasRegiões brasileiras
Regiões brasileiras
Nalva Nalvinha
 
Geo28
Geo28Geo28
Regionalização do brasil
Regionalização do brasilRegionalização do brasil
Regionalização do brasil
Rosemildo Lima
 
Geo h e_7o_cap11_nordeste
Geo h e_7o_cap11_nordesteGeo h e_7o_cap11_nordeste
Geo h e_7o_cap11_nordeste
TI Medianeira
 
O complexo regional do nordeste
O complexo regional do nordesteO complexo regional do nordeste
O complexo regional do nordeste
Rosemildo Lima
 

Semelhante a A região nordeste (20)

Região nordeste
Região nordesteRegião nordeste
Região nordeste
 
Região nordeste
Região nordesteRegião nordeste
Região nordeste
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
 
As subregiões do nordeste brasileiro
As subregiões do nordeste brasileiroAs subregiões do nordeste brasileiro
As subregiões do nordeste brasileiro
 
Nordeste
NordesteNordeste
Nordeste
 
Modulo 15 - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo NordesteModulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15 - O Complexo Nordeste
 
Complexos econômicos
Complexos econômicosComplexos econômicos
Complexos econômicos
 
Complexos Econômicos
Complexos EconômicosComplexos Econômicos
Complexos Econômicos
 
ApresentaçãO Hg 7
ApresentaçãO Hg 7ApresentaçãO Hg 7
ApresentaçãO Hg 7
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Cap. 9 - O nordeste
Cap. 9 - O nordesteCap. 9 - O nordeste
Cap. 9 - O nordeste
 
Nordeste
NordesteNordeste
Nordeste
 
Nordeste brasil
Nordeste brasilNordeste brasil
Nordeste brasil
 
As grandes regiões brasileiras
As grandes regiões brasileirasAs grandes regiões brasileiras
As grandes regiões brasileiras
 
Regiões Geoeconômicas
Regiões GeoeconômicasRegiões Geoeconômicas
Regiões Geoeconômicas
 
Regiões brasileiras
Regiões brasileirasRegiões brasileiras
Regiões brasileiras
 
Geo28
Geo28Geo28
Geo28
 
Regionalização do brasil
Regionalização do brasilRegionalização do brasil
Regionalização do brasil
 
Geo h e_7o_cap11_nordeste
Geo h e_7o_cap11_nordesteGeo h e_7o_cap11_nordeste
Geo h e_7o_cap11_nordeste
 
O complexo regional do nordeste
O complexo regional do nordesteO complexo regional do nordeste
O complexo regional do nordeste
 

Mais de PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência

Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousaGrecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidianoLivreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidianoSlides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidianoPlano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Pinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendasPinturas de debret e rugendas
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidianoLivreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Relevo e Biomas piauienses
Relevo e Biomas piauiensesRelevo e Biomas piauienses
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquicaOs movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - HidrografiaO espaço natural brasileiro - Hidrografia
O modernismo em portugal
O modernismo em portugalO modernismo em portugal
Engenharia civil
Engenharia civilEngenharia civil
Natação
NataçãoNatação
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
O espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - ClimaO espaço natural brasileiro - Clima

Mais de PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (20)

Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousaGrecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
 
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidianoLivreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
 
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidianoSlides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
 
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidianoPlano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
 
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
 
Pinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendasPinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendas
 
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidianoLivreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
 
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
 
Relevo e Biomas piauienses
Relevo e Biomas piauiensesRelevo e Biomas piauienses
Relevo e Biomas piauienses
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
 
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquicaOs movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
 
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - HidrografiaO espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
 
O modernismo em portugal
O modernismo em portugalO modernismo em portugal
O modernismo em portugal
 
Engenharia civil
Engenharia civilEngenharia civil
Engenharia civil
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Brasil - Primeira república
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
 
O espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - ClimaO espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - Clima
 

Último

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 

A região nordeste

  • 2. O Nordeste atual “No imaginário popular, o sertão nordestino é o lugar da seca, da terra inóspita e da miséria. Datam do final do século XIX os relatos do escritor Euclides da Cunha, autor de Os Sertões, sobre a aridez e a pobreza dos [recantos] do Nordeste” STEFANO, Fabiane. O sertão agora é assim. Exame, 9 jul. 2009. Disponível em: <http://portalexame.com.br>. Acesso em: 3 set. 2009. 11:25 2
  • 3. 11:25 3
  • 4. 11:25 4
  • 5. 11:25 5
  • 6. O que você pode supor sobre a Região Nordeste baseando-se nos dados e nas imagens apresentadas? 11:25 6
  • 7. 1. Caracterização física das sub- regiões do Nordeste  A Região Nordeste é formada por nove estados: Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco (incluindo o Distrito Estadual de Fernando de Noronha), Alagoas, Sergipe e Bahia.  Área: 1.544.257 km² (18,25% do total do país)  População em 2007: 52.305.000 hab (27,55% da população do país). 11:25 7
  • 8. 11:25 8
  • 9. Marcado por diferentes características físicas, o Nordeste é comumente dividido em quatro sub-regiões: Meio-Norte, Sertão, Agreste e Zona da mata. 11:25 9
  • 10. 11:25 10
  • 11. Zona da mata  Se estende do Rio Grande do Norte ao Sul da Bahia.  Situa-se em relevo de Planícies e Tabuleiros Litorâneos, uma faixa que chega a atingir 200 km de largura.  Em clima tropical úmido, desenvolvia-se a Mata Atlântica, hoje quase que totalmente devastada por séculos de ocupação.  É nessa área que aparece o massapé, um dos solos mais férteis do Brasil – rico em matéria orgânica e oriundo da decomposição do calcário. 11:25 11
  • 12. Agreste Também se estende do Rio Grande do Norte até o Sul da Bahia. É uma faixa de terra situada entre o litoral mais úmido (Zona da Mata) e o Sertão semiárido, correspondendo, em parte, ao espaço ocupado pelo Planalto da Borborema. 11:25 12
  • 13. Sertão  Abrange o Ceará e parte dos estados do Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, e Bahia.  Estende-se pelos Planaltos e Chapadas da Bacia do Parnaíba e pela Depressão Sertaneja do São Francisco.  O clima é semiárido (chuvas escassas); há solos pedregosos, vegetação de caatinga e rios temporários.  Processos de intensa degradação fazem avançar o processo de desertificação (Gilbués–PI; Seridó–RN; Irauçuba –CE; Cabrobó –PE). 11:25 13
  • 14. 11:25 14
  • 15. Meio-Norte  Abrange o Maranhão e o Piauí.  No relevo, encontram-se Planície litorânea, Planaltos e Chapadas da Bacia do Parnaíba e Depressão do Tocantins.  O clima tropical predomina, mas também aparece o clima equatorial úmido a oeste do Maranhão e o semiárido, a leste do Piauí.  A Floresta Equatorial a oeste é substituída pela Mata dos Cocais ao norte; a leste, predomina a caatinga e ao sul o cerrado. No litoral aparecem os mangues. 11:25 15
  • 16. Regiões Geoeconômicas Para formular estratégias de desenvolvimento regional, a divisão geoeconômica é a mais utilizada, pois considera, além dos aspectos geográficos, a situação ecoambiental e antropocultural do Nordeste, dividindo- o em nove regiões geoeconômicas: Litoral-Mata, Pré- Amazônia, Parnaíba, Sertão Setentrional, Agreste Oriental, São Francisco, Agreste Meridional e Cerrado. 11:25 16
  • 17. 11:25 17
  • 18. Comparando os mapas abaixo, apresente duas diferenças dessa proposta em relação à divisão em sub-regiões. 11:25 18
  • 19. 2. Ocupação territorial Durante os séculos XVI e XVII, a produção de cana- de-açúcar para exportação desenvolveu-se em áreas litorâneas do PE e BA, baseada no:  Latifúndio monocultor e no  Sistema escravocrata. 11:25 19
  • 20. Entre as atividades complementares estavam:  Cultivos de subsistência e a  Pecuária (inicialmente na Zona da Mata, foi empurrada para o Sertão de Pernambuco e para o vale do rio São Francisco, promovendo a ocupação efetiva dos estados do PI, CE e MA). 11:25 20
  • 21. A economia nordestina entra em declínio Nos séculos XVIII e XIX, a descoberta de minerais preciosos no interior do país e a transferência da capital de Salvador para o Rio de Janeiro (1763), entre outros fatores, acentuaram o declínio da produção de açúcar e aumentaram os problemas econômicos e sociais da região, como o:  Coronelismo e a  Irregularidade das chuvas. 11:25 21
  • 22. 11:25 22
  • 23. 3. O Nordeste atual: economia e recursos naturais Nas últimas décadas do séc. XX houve um maior dinamismo na economia nordestina, principalmente no setor industrial, agrário e de serviços. Com a criação da SUDENE, o setor secundário e industrial recebeu a maior parte dos investimentos. Como consequência, houve a montagem de importantes e modernos centros industriais. Porém, de forma concentrada (BA, PE e CE – principalmente nas capitais) com destaque para as indústrias de transformação e de confecções. 11:25 23
  • 24. Com a política de desconcentração industrial, a partir da década de 1990, os governos estaduais têm investido em infraestrutura e oferecido vantagens, como incentivos fiscais para atrair indústrias. Entretanto, a implantação de uma indústria, em geral bastante automatizada, abre poucos postos de trabalho, quase sempre mais qualificados, além de contribuir com impostos reduzidos. Assim, apenas algumas empresas transnacionais ou de capital nacional acabam sendo as mais beneficiadas. 11:25 24
  • 25. Quanto ao setor agrícola, destacam-se duas importantes monoculturas cultivadas na Zona da Mata: a cana-de-açúcar, especialmente em Alagoas e Pernambuco, e o cacau, no Sul da Bahia. No Meio-Norte, além da agricultura tradicional (cana, soja, mandioca, arroz) e do extrativismo vegetal (babaçu, carnaúba), tem crescido as plantações de soja no sul dos estados do MA e PI – cultivo que se estende até o sertão, chegando ao oeste da Bahia. 11:25 25
  • 26. 11:25 26
  • 27. 11:25 27
  • 28. No Sertão, subsiste a agricultura tradicional, cultivada nos vales mais úmidos e nas encostas e pés de serras. Milho, arroz, feijão, mandioca, algodão e cana-de-açúcar são as principais culturas. Figura: Plantação de arroz em várzea, em Tufilândia (MA, 2008) 11:25 28
  • 29. A fruticultura irrigada no NE adquire cada vez mais importância não apenas no mercado interno, mas também para a exportação. É desenvolvida no:  Vale do São Francisco: uvas e mangas  Vale do Açu no RN: melão e manga  Sertão do Ceará: acerola, melão, além de flores. A maior região produtora de melão no país localiza-se no polo Açu/Mossoró, no RN, e o polo Petrolina/Juazeiro firmou-se como grande exportador de manga, banana, coco, uva, goiaba, melão e pinha. 11:25 29
  • 30. 11:25 30
  • 31. Fatores que oferecem vantagens à fruticultura do NE:  Mão de obra barata e disponível  Preços atrativos das terras e  Localização do NE em relação à Europa e aos EUA (reduzindo o tempo e o custo de transporte) O desenvolvimento de tecnologias (criação de variedades de frutas, produção integrada, produção de mudas sadias, entre outras) e o aperfeiçoamento de técnicas de irrigação foram essenciais para o crescimento da atividade, que garante empregos no campo e na cidade, reduzindo o êxodo rural. 11:25 31
  • 32. Na pecuária predomina a criação de animais de pequeno porte como asininos (jumentos, mulas e burros), caprinos (cabras), ovinos (ovelhas) e suínos (porcos). A criação de bovinos (bois), tradicionalmente desenvolvida no Sertão de forma extensiva, vem crescendo também em áreas do Agreste próximas ao Sertão, com solos de baixa fertilidade e pouca umidade, e em áreas do Maranhão. A pecuária leiteira, na modalidade extensiva e voltada para o abastecimento da Zona da Mata, é praticada no Agreste. 11:25 32
  • 33. No agreste ainda se desenvolve a policultura comercial para o abastecimento da Zona da Mata, em médias e pequenas propriedades. É praticada em solos férteis com boas condições de umidade, na fronteira com a Zona da Mata. O turismo é outra atividade econômica de grande importância, desenvolvido a partir das potencialidades naturais e dos atrativos culturais. 11:25 33
  • 34. 11:25 34
  • 35. O NE conta com diversos parques nacionais, entre eles o da Serra da Capivara (PI), com grande concentração de sítios arqueológicos e pinturas rupestres, o Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha (distrito estadual de PE), e o Parque Nacional da Chapada Diamantina (BA). Entre os eventos culturais destacam-se:  Carnaval: Salvador, Olinda e Recife.  Festas juninas: Caruaru e Campina Grande.  Patrimônios Culturais da Humanidade: Olinda (PE), São Luís (MA), Salvador (BA) e São Raimundo Nonato no Parque Nacional da Capivara (PI).  Danças, comidas típicas e artesanato da região. 11:25 35
  • 36. 1. Casario na Ladeira da Misericórdia, em Olinda (PE). 2. Rua Humberto de Campos, em São Luís (MA). 3. Largo do Pelourinho, em Salvador (BA). 4. Pinturas rupestres no sítio arqueológico da Pedra Furada, em São Raimundo Nonato (PI). 11:25 36
  • 37. Em relação aos recursos naturais, destacam-se na região o petróleo e o gás natural, extraídos no CE, SE, RN e BA. O Rio Grande do Norte ainda se sobressai como o maior produtor de sal marinho do país. 11:25 37
  • 38. 11:25 38
  • 39. 11:25 39
  • 40. 4. Indicadores sociais, população e urbanização  A Região Nordeste ainda responde pelos índices de qualidade de vida mais baixos do país.  Problemas sociais como elevadas taxas de mortalidade infantil e de analfabetismo, baixos salários, grande concentração de renda e das terras também alcançam números que superam os de outras regiões. 11:25 40
  • 41. De povoamento antigo, a Zona da Mata continua sendo a sub-região mais importante do Nordeste, concentrando seis capitais e a maior parte da população. Salvador e Recife são as principais cidades, destacando-se ainda como áreas industriais. 11:25 41
  • 42. A população do Meio-Norte é relativamente pouco numerosa, e o Agreste apresenta densidade demográfica inferior à da Zona da Mata. O Sertão, apesar de ser a maior sub-região do NE, apresenta baixa densidade demográfica, com regiões mais povoadas no vale do São Francisco e no litoral do Ceará. Em épocas de seca, entretanto, boa parte da população migra para outras regiões e muitos não retornam. 11:25 42
  • 43. No Sertão, a única reserva de água em épocas de seca são os 80 mil açudes (aproximadamente), vitais para o abastecimento e para a sobrevivência da população sertaneja, utilizados na criação de peixes e na irrigação de culturas. Embora construídos com recursos públicos, muitos desses açudes localizam-se em grandes propriedades particulares e acabam sendo usados na irrigação de culturas de exportação. Dessa forma, a maior parte da população continua sem acesso à água. Além disso, condições precárias de vida, mesmo em regiões não atingidas pelas secas, também motivam as migrações. 11:25 43
  • 44. Quanto à hierarquia das cidades, as três metrópoles do Nordeste (Salvador, Recife e Fortaleza) localizam-se no litoral. As outras capitais dos estados do NE (São Luís, Maceió, Natal, Teresina, João Pessoa e Aracajú) são centros regionais, como Ilhéus-Itabuna, no Litoral-Mata Baiano, Feira de Santana, no Agreste Baiano, Petrolina- Juazeiro, no São Francisco Pernambucano e Baiano. 11:25 44
  • 45. 11:25 45
  • 46. Dos centros urbanos de primeira ordem destacam- se:  Campina Grande, no Agreste Paraibano,  Crato-Juazeiro do Norte no Sertão Cearense,  Vitória da Conquista no Agreste Baiano,  Caruaru no Agreste Pernambucano,  Mossoró no Litoral Potiguar,  Imperatriz na Pré-Amazônia. 11:25 46
  • 47. Observe as principais cidades das regiões geoeconômicas do Nordeste. 11:25 47
  • 48. Comparando os mapas abaixo, quais são as regiões geoeconômicas nordestinas de maior dinamismo? E quais seus polos urbanos correspondentes? 11:25 48
  • 49. A região Nordeste do Brasil apresenta 1.554.257 km2, essa área do território brasileiro apresenta grandes diferenças em aspectos como clima, vegetação, economia, entre outros. Nesse contexto, a região é dividida em quatro, processo conhecido como as sub- regiões do Nordeste. Essa divisão é composta por: A) Meio-Norte, Sertão, Zona da Mata, Agreste. B) Caatinga, Zona da Mata, Agreste, Sertão. C) Meio-Norte, Litorânea, Zona da Mata, Agreste. D) Amazônica, Sertão, Agreste, Litorânea. E) Litorânea, Meio-Norte, Sertão, Caatinga 11:25 49
  • 50. A região Nordeste do Brasil apresenta 1.554.257 km2, essa área do território brasileiro apresenta grandes diferenças em aspectos como clima, vegetação, economia, entre outros. Nesse contexto, a região é dividida em quatro, processo conhecido como as sub- regiões do Nordeste. Essa divisão é composta por: XA) Meio-Norte, Sertão, Zona da Mata, Agreste. B) Caatinga, Zona da Mata, Agreste, Sertão. C) Meio-Norte, Litorânea, Zona da Mata, Agreste. D) Amazônica, Sertão, Agreste, Litorânea. E) Litorânea, Meio-Norte, Sertão, Caatinga. 11:25 50
  • 51. Identifique no mapa as sub-regiões do Nordeste. a) Verde:_____________ b) Vermelho:_____________ c) Roxo:_____________ d) Amarelo:_____________ 11:25 51
  • 52. Identifique no mapa as sub-regiões do Nordeste. a) Verde: Meio-Norte b) Vermelho: Sertão c) Roxo: Agreste d) Amarelo: Zona da Mata 11:25 52
  • 53. Curiosidade No dia 8 de outubro é comemorado o Dia do Nordestino. 11:25 53