SlideShare uma empresa Scribd logo
Relevo e Hipsometria

     A análise do relevo de qualquer área tem como base a sua formação geológica e o seu
clima.
     O contorno oeste do Piauí é formado pelo vale do rio Parnaíba; já o leste e o sul da Bacia
Sedimentar do Maranhão-Piauí formam um arco de planaltos (chamados de serras e chapa-
das), resultantes do soerguimento dessa bacia por movimentos tectônicos [VER MAPA 01].
Neste arco de fronteiras estão as maiores altitudes do território piauiense, que variam de 600
a 800 metros de altitudes. Na sequencia de norte para sul, encontram se a Cuesta da Ibiapa-
ba/Serra Grande, que formam limite com o Ceará; a Serra do Bom Jesus do Gurgueia (seccio-
nada em várias Serras locais, como a da Capivara, das Confusões, dos Gerais e Vermelha) e a
Chapada das Mangabeiras, que forma limites estaduais com a Bahia, Tocantins e Maranhão.
     Destaque-se que em vários pontos dessa bacia sedimentar encontram-se curiosas e belas
formas de relevo, elaboradas a partir do desgaste das rochas areníticas expostas à erosão das
chuvas e dos ventos, chamadas de feições ruiniformes.

        Compartimentos regionais de relevo e formas locais

Observe a classificação estrutural de Iracilde Maria de M. Fé Lima (1983 e 1987) [VER MAPA
01]. Em linhas gerais, os grandes conjuntos de formas e os tipos de formas locais que ocorrem
nos compartimentos regionais do relevo piauiense são a seguir identificados:
    I.      Depressões Periféricas à Bacia Sedimentar do Maranhão-Piauí
    II.     Chapadões do Alto-Médio Parnaíba
    III.    Planalto Oriental da Bacia Sedimentar do Maranhão-Piauí
    IV.     Baixos Planaltos do Médio-Baixo Parnaíba
    V.      Tabuleiros Litorâneos
    VI.     Planície Costeira

    I – DEPRESSÕES PERIFÉRICAS À BACIA SEDIMENTAR DO MARANHÃO-PIAUÍ

     Este compartimento é representado por uma faixa de áreas do Sudeste e parte do Sul do
Piauí, elaborado em estrutura cristalina pré-Cambriana. Esta faixa corresponde a uma porção
das depressões que se estendem pelo interior da região Nordeste brasileira, denominada de
depressões intermontanas e genericamente conhecidas por “sertões nordestinos”. Também
faz parte deste compartimento uma pequena porção da área do extremo nordeste do estado
(próxima ao mar), como continuação dessas depressões cristalinas que se estendem pela área
cearense, no limite norte do planalto ou serra da Ibiapaba.
     Topograficamente, essa área piauiense corresponde a uma faixa deprimida que se limita
de um lado pelo bordo da bacia sedimentar do Maranhão-Piauí e do outro por um conjunto de
serras cristalinas, nos limites com os estados da Bahia e Pernambuco, sendo as de maior ex-
pressão a Serra da Tabatinga e a Serra Dois Irmãos, que formam os divisores topográficos das
bacias hidrográficas do Rio Parnaíba e do São Francisco, neste trecho.
     Desta forma, adota-se neste trabalho a classificação de Iracilde Lima, que tem por base os
indicadores da geologia, de relevo e de hidrografia, em níveis sub-regional e local, para deno-
minar este compartimento de “Depressões Periféricas à Bacia Sedimentar do Maranhão-
Piauí”, ao invés de “depressões periféricas do médio São Francisco”, uma vez que esta depres-
são pertence à bacia hidrográfica do Parnaíba e não à bacia hidrográfica do São Francisco. Esta
última classificação é adotada em estudos que utilizam a bacia hidrográfica do rio São Francis-
co como referência regional, como é o caso do Projeto Radam (1973).
     É importante observar, ainda, que no contato com Pernambuco e Ceará, entre a Serra
Grande e a dos Dois Irmãos, penetra sobre o Cristalino piauiense uma pequena porção da
Chapada do Araripe, formada por sedimentos da Era Mesozóica, cujo topo na área piauiense é
de aproximadamente 600 metros.

    II – CHAPADÕES DO ALTO-MÉDIO PARNAÍBA

     Este compartimento corresponde ao conjunto de extensos Planaltos tabulares, conheci-
dos como chapadões do Sul do Piauí. Inicia-se no bordo da bacia sedimentar do Maranhão-
Piauí, no contato com as Depressões Periféricas à Bacia Sedimentar do Maranhão-Piauí, indo
até o vale do rio Paranaíba (no sentido leste-oeste). No sentido sul-norte, localiza-se desde a
Chapada das Mangabeiras, que chega a 800 m de altitude, até os planaltos mais baixos, nas
proximidades da barragem de Boa Esperança, com cerca de 300 m de altitude.
     Topograficamente, esses planaltos correspondem às superfícies tabulares de estrutura
horizontal, de topos planos e levemente inclinados, decrescendo gradativamente de sul para
norte. O nível de base local desse compartimento (que corresponde ao fundo dos vales) situa-
se em cerca de 200 m de altitude.
     Esses planaltos são isolados uns dos outros pelos vales dos grandes rios, que se apresen-
tam com fundos chatos e encostas predominantemente retilíneas verticais. Essas vertentes ou
encostas são mantidas pelas rochas resistentes à erosão, mescladas com camadas rochosas
menos resistentes, formando patamares estruturais voltadas para o fundo dos vales.
     O limite sudeste deste compartimento é formado pelo planalto conhecido por Serra do
Bom Jesus do Gurgueia, cujas escarpas se encontram voltadas para a depressão periférica,
intensamente dissecada pela erosão diferencial. Essa grande serra encontra-se seccionada,
formando vários planaltos de menores dimensões, como a Serra da Capivara, do Congo, das
Confusões, das Guaribas e a Vermelha. Essas serras formam os divisores topográficos dos altos
cursos dos rios Gurgueia, Itaueiras e Piauí, pois aí nascem afluentes desses grandes rios que
drenam todo o compartimento [como pode ser visto nos mapas 01 e 02]. Em algumas dessas
serras forma-se, ainda, estreito e profundos vales (chamados de boqueirões ou “canyons”) e
também grutas areníticas, que formam nas linhas de falhas e fraturas.

    III – PLANALTO ORIENTAL DA BACIA SEDIMENTAR DO MARANHÃO-PIAUÍ

     Este compartimento corresponde ao bordo leste da bacia sedimentar do Maranhão-Piauí,
sendo sua porção Norte conhecida com Serra da Ibiapaba e sua porção sul como Serra Grande.
Estas duas grandes serras compõem, assim, um mesmo conjunto estrutural, que foi seccionada
pelo rio Poti, formando um vale canyon (ou boqueirão). Este é formado pelo encaixamento
desse rio, que nasce no Ceará em estrutura cristalina e entra na bacia sedimentar, indo desa-
guar no rio Parnaíba, na cidade de Teresina, Capital do Piauí. Topograficamente, esse conjunto
reflete o soerguimento do bordo leste da bacia sedimentar e o mergulho de suas formações
geológicas para o interior dessa bacia, a oeste, formando um planalto tipo “cuesta”. Este pla-
nalto apresenta suas maiores altitudes no estado vizinho do Ceará, para onde tem voltado o
seu front (escarpa abrupta), e alcança a altitude de 900 m. Assim, apresenta-se com suaves
declividades para o lado piauiense (que corresponde ao seu reverso), com altitudes decres-
cendo para oeste, sendo desdobrado ou compartimentado por vales estruturais chamados
depressões ortoclinais, como a que ocorre em Pedro II e Domingo Mourão, nas serras dos Ma-
tões e da Cangalha. Também é cortado por vales fluviais, formando planaltos de menores di-
mensões dentro dessa grande cuesta regional.
Os planaltos de menores dimensões são considerados formas de relevo locais e corres-
pondem ao desdobramento da grande cuesta em vários planaltos, divisores topográficos de
alguns afluentes dos rios Piranji, Longá, Poti e Canindé.

     IV – BAIXOS PLANALTOS DO MÉDIO-BAIXO PARANAÍBA

     Este compartimento corresponde ao conjunto dos baixos planaltos dissecados, que for-
mam divisores topográficos dos rios Longá, do baixo curso do rio Poti, do médio e baixo cursos
do rio Canindé, com altitudes máximas variando entre 200 e 300 metros.
     As formas locais são resultantes da dissecação sob climas atuais ou sob paleoclimas,
quando a drenagem foi isolando pequenos planaltos rebaixados. As formas modeladas se a-
presentam em formas tipo “mesa” (encostas retilíneas e topos horizontais) que ocorrem ora
agrupadas, ora de forma isoladas. Nas áreas mais úmidas, esses baixos planaltos apresentam-
se com encostas levemente convexas e topos mais abaulados, formando baixos planaltos e
colinas.

     V – TABULEIROS PRÉ-LITORÂNEOS

      Este compartimento corresponde a uma área de topografia plana, caimento para o norte,
denominada de tabuleiros pré-litorâneos. Representa uma faixa de 30-50 km de largura, ela-
borado em rochas da Formação Barreiras, entre a bacia sedimentar do Maranhão-Piauí e o
litoral piauiense. As cotas mais elevadas dessa área encontram-se no seu limite sul, com altitu-
des um pouco abaixo de 100 m, formando o divisor topográfico que limita a bacia hidrográfica
do rio Parnaíba com as pequenas bacias dos rios litorâneos.

     VI – PLANÍCIE COSTEIRA

     Conforme se observa no MAPA 01 e na figura ao lado, a Planície
Costeira piauiense corresponde à faixa litorânea, que se inicia na baía
das Canárias, indo até a baía formada na foz conjunta dos rios Ubatuba
(piauiense) e Timonha cearense. Apresenta largura que varia de me-
nos de 1 km no trecho entre o seu limite leste até o rio Camurupim,
passando a alargar-se para 5 a 7 km em direção à Ilha Grande de Santa
Isabel.                                                                    1 Planície Costeira
     Os campos de dunas se formam a partir das praias, compondo-se         2 Tabuleiros Pré-litorâneos
de dunas móveis, dunas fixas e paleodunas, que se distribuem na pla-
nície litorânea, entre os sedimentos Terciários do Grupo Barreiras e o Oceano Atlântico.
     As principais formas locais que ocorrem nessa faixa são as praias, as ilhas do Delta do rio
Parnaíba e a ilha da Mota, os campos de dunas, as baías e as planícies flúvio-marinhas [VER
MAPA 03]. As praias são predominantemente arenosas e sofrem influência das marés, sendo
as mais frequentadas: Cajueiro da Praia, Barra Grande, Macapá, Coqueiro, Atalaia e Pedra do
Sal. As maiores baías são a das Canárias, Amarração e Ubatuba/Timonha, que se formam na
foz dos rios que têm sentido sul-norte e sofrem maior influência das marés. As ilhas que se
localizam entre os canais do rio Parnaíba, formam o delta na foz desse rio, onde se alternam
mangues e dunas.
MAPA 03




     As planícies flúvio-marinhas correspondem aos traços dos rios que sofrem influência das
marés altas, quando inundam os leitos dos rios, fazendo-os transbordarem e alargarem os seus
leitos, inundando frequentemente os seus terraços fluviais. Em maior expressão, esse fenô-
meno ocorre nos rios Igaraçu, Cardoso, Camurupim e alguns afluentes.
Vegetação e Fauna

      A vegetação resulta da inter-relação entre o clima, as rochas, o relevo e os solos de um
determinado espaço. E bioma é um conjunto de diferentes ecossistemas, que possuem certo
nível de homogeneidade. São as comunidades biológicas, ou seja, as populações de organis-
mos da fauna e da flora interagindo entre si e interagindo também com o ambien-
te físico chamado biótopo.
      No espaço piauiense encontram-se partes de três dos grandes biomas brasileiros: costei-
ro, cerrado e caatinga. Estes ocorrem intercalados pelas áreas de transição ou ecótonos: o
cerrado-caatinga e o cerrado-amazônia. As formações vegetais que compõem estes biomas e
ecótonos estão identificados no MAPA 04.

    1. Bioma costeiro

       É composto pelas formações vegetais litorâneas ou costeiras que acompanham toda a
costa brasileira, formando conjuntos florísticos bastante diversificados, pois a vegetação é
diferente e litoral rochoso, arenoso ou de mangue.
       Na faixa litorânea ocorre a vegetação de mangues nas áreas do delta do Parnaíba e tam-
bém nas áreas das planícies flúvio-marinhas dos rios Portinho, Camurupim e Ubatuba, princi-
palmente. Dentre as espécies destes ecossistemas encontram-se o Mangue vermelho, sapatei-
ro ou verdadeiro. Apresenta grandes raízes aéreas que ficam expostas durante a maré baixa.
Outras espécies vegetais arbóreas e arbustivas que ocorrem nesta área são o Mangue-preto
ou siriúba ou canoé; Mangue-manso, rajadinho ou branco; Mangue-botão ou de bolota; Anin-
ga; Sambaíba-de-mangue; Algodão-de-mangue; dentre outras.
       A Carnaúba ocorre no interior das ilhas do delta e também nos vales dos rios, entre o
mangue e a caatinga litorânea, em grande concentração. Destaque-se a presença de Salgados
ou Apicuns, que são manchas que se apresentam destituídas de vegetação arbustiva e arbó-
rea, ora como um ambiente de transição entre o mangue e as áreas arenosas de praias e du-
nas, ora entremeando os manguezais.
       No litoral as algas marinhas também são encontradas com certa abundância, desde os ti-
pos que podem ser utilizadas para fins farmacêuticos, de alimentação e de adubação. Dentre
os animais mais abundantes das áreas do delta e planícies flúvio-marinhas, estão os crustá-
ceos. Entre as aves estão maçarico, guará, lavandeiras etc. Entre os mamíferos destacam-se o
macaco-prego e o peixe-boi-marinho. Ocorre também nas águas do delta e proximidades uma
grande quantidade de peixes, como bagre, voador, agulha, pargo, arraia, camurupim, cioba,
pescada etc.
       Nas praias, principalmente onde afloram recife de arenito e conchas durante as marés
baixas, encontram-se pequenos animais como a estrela-do-mar, búzios e tatuís. Na faixa pós-
praia e campos de dunas encontra-se a vegetação pioneira como a salsa-da-praia e o pinheiro-
da-praia. Nas dunas e areias já fixadas, mais distante da praia, encontram-se o bredo-da-praia,
tiririca e vassorinha-de-botão. Dentre as espécies arbóreo-arbustivas estão murici, cajuí, co-
queiro da praia, caatingueira etc. A fauna dessas áreas de solos arenosos corresponde princi-
palmente aos répteis, aves e mamíferos. Alguns exemplos são a cobra jibóia, garça azul, sabiá-
da-praia, raposa, preá, etc.
2. Bioma cerrado

      Constituído por formações vegetais que apresentam, geralmente, três estratos: herbáceo,
arbustivo e arbóreo. Conforme variações ambientais regionais e locais, formam-se diversos
ecossistemas, com subtipos ora arbóreo, ora arbustivo e herbáceo. Assim, sob o ponto de vista
fisionômico, são classificados como cerradão, cerrado típico, campo cerrado, campo sujo de
cerrado e campo limpo de cerrado. São características marcantes do cerrado os seus troncos
tortuosos, ramos retorcidos, cascas espessas e folhas grossas. Estas resultam da adaptação às
condições de solo que, mesmo dispondo de umidade suficiente, apresentam teores elevados
de acidez pela presença do alumínio e ferro, o que dificulta o desenvolvimento das plantas e
lhes dá essa fisionomia.
      Destaque-se que em muitos vales ocorre a formação de brejos, que são locais onde aflo-
ram os olhos d’água que geralmente formam nascentes de riachos que vão alimentar grandes
rios. Nesses locais de solos úmidos destaca-se o buriti que, muitas vezes, acompanha o leito
dos rios, como indicador de que o lençol freático se encontra próximo à superfície do solo. O
fruto desta palmeira é muito utilizado para a fabricação de doces e sucos, além do óleo que
tem uso medicinal.
      Dentre as espécies mais frequentes no cerrado piauiense encontram-se faveira, fava-
danta, jatobá, pau-de-terra, sambaíba ou lixeira, piqui, amargoso, cachamorra, pau-pombo,
chapada, barba-timão etc. Os animais encontrados neste bioma com maior frequência são:
veado-campeiro, ema, lobo-guará, perdiz, raposa, macacos, tatu-canastra, cobras, araras, pa-
pagaios, periquitos, gaviões, carcará, capivara, paca, ratos, e muitos outros.

    3. Bioma caatinga

     É considerada o único bioma exclusivamente brasileiro. Considerando os aspectos fisio-
nômicos, a caatinga apresenta-se em subtipos, conforme as variações nas condições locais de
umidade de clima e dos solos. Assim, forma ecossistemas classificados como: caatinga arbusti-
va aberta, abustivo-arbórea e caatinga densa. Em alguns locais mais úmidos como serras e
chapadas, por exemplo, desenvolve-se a fisionomia arbórea ou de floresta. Aí ocorrem espé-
cies que podem alcançar grande altura, como angico, aroeira e braúna. Nas áreas mais secas,
ocorre a caatinga arbustiva aberta, com a presença do marmeleiro, jurema-preta, unha-de-
gato e favela. Destaque-se que é frequente a ocorrência de carnaubeira, em algumas áreas
mais úmidas dos vales, onde formam manchas significativas, embora não seja exclusiva da
caatinga, pois no Piauí ela ocorre também nos biomas costeiro e cerrado.
     A característica mais marcante da caatinga é xerofismo ou xeromorfismo das espécies ve-
getais. Ele traduz a adaptação da vegetação às condições climáticas sob regime de baixos índi-
ces pluviométricos e elevadas temperaturas do ar e do solo. Assim, muitas espécies vegetais
perdem as folhas no período seco (caducifólias), como forma de se protegerem contra a perda
de água e se manterem vivas durante o período seco, quando adquirem aspecto seco, como se
estivessem mortas.
     Outras espécies da caatinga também desenvolveram mecanismos diferentes de adapta-
ção às condições secas do ambiente semi-árido, como o juazeiro, que produz cerosidade que
forma uma película nas suas folhas, e os cactos e bromélias que, no seu processo de evolu-
ção/adaptação, substituíram as folhas por espinhos.
     A fauna do bioma caatinga é representada por animais como: sapo-cururu, asa-branca,
andorinha, acauã, canário-da-terra, galo-campina, currupião, rolinha, beija-flor, bicudo, chico-
preto, azulão, cancan, cotia, gambá, preá, veado-caatingueiro, onça pintada, onça vermelha ou
parda, seriema, tatu-peba, tatu-bola, macaco-prego, tamanduá-manbira, tamanduá-bandeira,
etc.

    4. Áreas de transição
As Áreas de Transição ou ecótonos, que ocorrem no espaço piauiense correspondem às
áreas de passagem do bioma Cerrado para o da Amazônia, e as áreas entre o Bioma Cerrado e
o Bioma Caatinga. Também existem enclaves de cerrados na caatinga e de caatinga no cerra-
do, por influência de fatores locais.
     Observando o MAPA 04, percebe-se que a área de transição cerrado-amazônia localiza-se
na região noroeste do estado, formando a floresta mista sub-caducifólia, acompanhando o
vale do rio Parnaíba, a partir da foz do rio Canindé até os Tabuleiros Pré-litorâneos. Ocorre
também uma faixa de menor extensão deste tipo de vegetal no vale do rio Gurgueia. Nesta
formação florestal predominam as espécies arbóreas, apresentando espécies que se mantêm
verdes durante todo o ano e outras que perdem as folhas durante o período seco. Dentre elas
destacam-se: cedro, bacuri, sapucaia, angico-branco, candeias, ingá, cajá, ipês (pau-d’arco) etc.
Nesta área, assim como em vários trechos do cerrado que acompanham o rio Parnaíba, encon-
tram-se os babaçuais, ora de forma mais densa, ora entremeados com as demais espécies que
ocorrem nas áreas de relevo mais baixo, em toda a extensão desse vale.
     Em direção ao centro-norte, observa-se a ocorrência de outras manchas de tipos vegetais,
destacando-se o ecossistema denominado Complexo de Campo Maior (no médio curso do rio
Longá), caracterizado pela predominância de área de campos inundáveis, onde se entremeiam
carnaubais e outras palmeiras, principalmente o tucum, bem como algumas espécies de cerra-
do e da faixa de transição que abrange maior área, de centro-nordeste ao sul do Piauí. Fre-
quentemente, se alternam manchas de cerrado com outras de caatinga, ou áreas em que as
espécies destes dois biomas se misturam, formando uma faixa de transição com fisionomia
vegetal própria e variada, ora se aproximando do cerrado, ora da caatinga.
     A fauna dessas áreas de transição é composta por várias espécies, notadamente dos bio-
mas do cerrado e da caatinga, se adaptando a outros habitats, principalmente na busca de
água e alimentos nos períodos secos.
     A Mata de Cocais corresponde a uma área de transição entre os domínios da Amazônia e
a Caatinga.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nordeste.
Nordeste.Nordeste.
Nordeste.
Camila Brito
 
Geografia do Brasil - Região Nordeste
Geografia do Brasil - Região Nordeste Geografia do Brasil - Região Nordeste
Geografia do Brasil - Região Nordeste
Vania Leão
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
REGIÃO SUDESTE
REGIÃO SUDESTEREGIÃO SUDESTE
REGIÃO SUDESTE
Michelle Mariana
 
Região centro oeste
Região centro oesteRegião centro oeste
Região centro oeste
Prof. Francesco Torres
 
Slides História do Paraná
Slides História do Paraná Slides História do Paraná
Slides História do Paraná
Arnaldo Szlachta
 
Nordeste
NordesteNordeste
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANALAPRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
Ceber Alves
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
Oberlania Alves
 
Região sul slide
Região sul  slideRegião sul  slide
Região sul slide
Ana Selma Sena Santos
 
Regioes brasil
Regioes brasilRegioes brasil
Regioes brasil
Prof.Paulo/geografia
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
Prof. Francesco Torres
 
Biomas: Pantanal
Biomas: PantanalBiomas: Pantanal
Biomas: Pantanal
Guimattosrp
 
Aula Resumida da história de Roraima
Aula Resumida da  história de RoraimaAula Resumida da  história de Roraima
Aula Resumida da história de Roraima
Durval Neto
 
Região Norte
Região NorteRegião Norte
Região Norte
Matheus Felipe Schmitt
 
Região Centro Oeste
Região Centro OesteRegião Centro Oeste
Região Centro Oeste
André Moraes
 
Nordeste: Geografia Física e Humana
Nordeste: Geografia Física e HumanaNordeste: Geografia Física e Humana
Nordeste: Geografia Física e Humana
Luiz Felipe
 
Região Norte
Região NorteRegião Norte
Região Norte
esmigolpop
 
Nordeste Brasileiro
Nordeste BrasileiroNordeste Brasileiro
Nordeste Brasileiro
Adriana Maria Crespo
 
Hidrografia do maranhão
Hidrografia do maranhãoHidrografia do maranhão
Hidrografia do maranhão
Washington sucupira
 

Mais procurados (20)

Nordeste.
Nordeste.Nordeste.
Nordeste.
 
Geografia do Brasil - Região Nordeste
Geografia do Brasil - Região Nordeste Geografia do Brasil - Região Nordeste
Geografia do Brasil - Região Nordeste
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
REGIÃO SUDESTE
REGIÃO SUDESTEREGIÃO SUDESTE
REGIÃO SUDESTE
 
Região centro oeste
Região centro oesteRegião centro oeste
Região centro oeste
 
Slides História do Paraná
Slides História do Paraná Slides História do Paraná
Slides História do Paraná
 
Nordeste
NordesteNordeste
Nordeste
 
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANALAPRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
 
Região sul slide
Região sul  slideRegião sul  slide
Região sul slide
 
Regioes brasil
Regioes brasilRegioes brasil
Regioes brasil
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
 
Biomas: Pantanal
Biomas: PantanalBiomas: Pantanal
Biomas: Pantanal
 
Aula Resumida da história de Roraima
Aula Resumida da  história de RoraimaAula Resumida da  história de Roraima
Aula Resumida da história de Roraima
 
Região Norte
Região NorteRegião Norte
Região Norte
 
Região Centro Oeste
Região Centro OesteRegião Centro Oeste
Região Centro Oeste
 
Nordeste: Geografia Física e Humana
Nordeste: Geografia Física e HumanaNordeste: Geografia Física e Humana
Nordeste: Geografia Física e Humana
 
Região Norte
Região NorteRegião Norte
Região Norte
 
Nordeste Brasileiro
Nordeste BrasileiroNordeste Brasileiro
Nordeste Brasileiro
 
Hidrografia do maranhão
Hidrografia do maranhãoHidrografia do maranhão
Hidrografia do maranhão
 

Destaque

Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Leandro A. Machado de Moura
 
Zee Na AmazöNia Legal
Zee Na AmazöNia LegalZee Na AmazöNia Legal
Zee Na AmazöNia Legal
Myris Silva
 
A santa missa parte por parte
A santa missa parte por parteA santa missa parte por parte
A santa missa parte por parte
Francisco Rodrigues
 
CONCEITOS: PESQUISA BIBLIOGRAFICA E PESQUISA DE CAMPO
CONCEITOS: PESQUISA BIBLIOGRAFICA E PESQUISA DE CAMPOCONCEITOS: PESQUISA BIBLIOGRAFICA E PESQUISA DE CAMPO
CONCEITOS: PESQUISA BIBLIOGRAFICA E PESQUISA DE CAMPO
erinaldoamorim
 
Apresentação power point sobre biomas
Apresentação power point sobre biomasApresentação power point sobre biomas
Apresentação power point sobre biomas
norivalfp
 
Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...
Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...
Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...
Klicia Mendonca
 
Super agosto 2012
Super agosto 2012Super agosto 2012
Super agosto 2012
Cristiano Silva
 
DESIGN THINKING LAB - Aracaju
DESIGN THINKING LAB - AracajuDESIGN THINKING LAB - Aracaju
DESIGN THINKING LAB - Aracaju
André Diniz de Moraes
 
Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012
Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012
Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012
Secretaria Planejamento SC
 
Politicasparaasartes completo web-2
Politicasparaasartes completo web-2Politicasparaasartes completo web-2
Politicasparaasartes completo web-2
Pedro da Silva
 
Arquivologia
ArquivologiaArquivologia
Bahia final
Bahia finalBahia final
Bahia final
hbilinha
 
O teoria de vitória sobre comunismo
O teoria de vitória sobre comunismoO teoria de vitória sobre comunismo
O teoria de vitória sobre comunismo
Hideumi Sekiguchi
 
Estudo sobre a cidade de João Pessoa
Estudo sobre a cidade de João PessoaEstudo sobre a cidade de João Pessoa
Estudo sobre a cidade de João Pessoa
Midia Sync
 
Rede de Computadores - Conceito
Rede de Computadores - ConceitoRede de Computadores - Conceito
Rede de Computadores - Conceito
Giulliana Marialva
 
Livro Ecologia de Campo 2010
Livro Ecologia de Campo 2010Livro Ecologia de Campo 2010
Livro Ecologia de Campo 2010
Limnos Ufsc
 
Ciˆncias humanas e suas tecnologias parte i
Ciˆncias humanas e suas tecnologias   parte iCiˆncias humanas e suas tecnologias   parte i
Ciˆncias humanas e suas tecnologias parte i
jullyvi
 
Relatório de Acompanhamento do Comércio Exterior da Bahia - Novembro 2011
Relatório de Acompanhamento do Comércio Exterior da Bahia - Novembro 2011Relatório de Acompanhamento do Comércio Exterior da Bahia - Novembro 2011
Relatório de Acompanhamento do Comércio Exterior da Bahia - Novembro 2011
Sistema FIEB
 
Apresentação Davos do Brasil
Apresentação Davos do BrasilApresentação Davos do Brasil
Apresentação Davos do Brasil
fabricandoweb
 
Maceió das Alagoas
Maceió das AlagoasMaceió das Alagoas
Maceió das Alagoas
Amadeu Wolff
 

Destaque (20)

Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Zee Na AmazöNia Legal
Zee Na AmazöNia LegalZee Na AmazöNia Legal
Zee Na AmazöNia Legal
 
A santa missa parte por parte
A santa missa parte por parteA santa missa parte por parte
A santa missa parte por parte
 
CONCEITOS: PESQUISA BIBLIOGRAFICA E PESQUISA DE CAMPO
CONCEITOS: PESQUISA BIBLIOGRAFICA E PESQUISA DE CAMPOCONCEITOS: PESQUISA BIBLIOGRAFICA E PESQUISA DE CAMPO
CONCEITOS: PESQUISA BIBLIOGRAFICA E PESQUISA DE CAMPO
 
Apresentação power point sobre biomas
Apresentação power point sobre biomasApresentação power point sobre biomas
Apresentação power point sobre biomas
 
Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...
Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...
Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...
 
Super agosto 2012
Super agosto 2012Super agosto 2012
Super agosto 2012
 
DESIGN THINKING LAB - Aracaju
DESIGN THINKING LAB - AracajuDESIGN THINKING LAB - Aracaju
DESIGN THINKING LAB - Aracaju
 
Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012
Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012
Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012
 
Politicasparaasartes completo web-2
Politicasparaasartes completo web-2Politicasparaasartes completo web-2
Politicasparaasartes completo web-2
 
Arquivologia
ArquivologiaArquivologia
Arquivologia
 
Bahia final
Bahia finalBahia final
Bahia final
 
O teoria de vitória sobre comunismo
O teoria de vitória sobre comunismoO teoria de vitória sobre comunismo
O teoria de vitória sobre comunismo
 
Estudo sobre a cidade de João Pessoa
Estudo sobre a cidade de João PessoaEstudo sobre a cidade de João Pessoa
Estudo sobre a cidade de João Pessoa
 
Rede de Computadores - Conceito
Rede de Computadores - ConceitoRede de Computadores - Conceito
Rede de Computadores - Conceito
 
Livro Ecologia de Campo 2010
Livro Ecologia de Campo 2010Livro Ecologia de Campo 2010
Livro Ecologia de Campo 2010
 
Ciˆncias humanas e suas tecnologias parte i
Ciˆncias humanas e suas tecnologias   parte iCiˆncias humanas e suas tecnologias   parte i
Ciˆncias humanas e suas tecnologias parte i
 
Relatório de Acompanhamento do Comércio Exterior da Bahia - Novembro 2011
Relatório de Acompanhamento do Comércio Exterior da Bahia - Novembro 2011Relatório de Acompanhamento do Comércio Exterior da Bahia - Novembro 2011
Relatório de Acompanhamento do Comércio Exterior da Bahia - Novembro 2011
 
Apresentação Davos do Brasil
Apresentação Davos do BrasilApresentação Davos do Brasil
Apresentação Davos do Brasil
 
Maceió das Alagoas
Maceió das AlagoasMaceió das Alagoas
Maceió das Alagoas
 

Semelhante a Relevo e Biomas piauienses

Depressões interplanálticas semiáridas do nordeste
Depressões interplanálticas semiáridas do nordesteDepressões interplanálticas semiáridas do nordeste
Depressões interplanálticas semiáridas do nordeste
Flávio Pontes Paris
 
Dominio Mares e Morros
Dominio Mares e Morros Dominio Mares e Morros
Dominio Mares e Morros
Laguat
 
Andrade, a. m. s. b., __
Andrade, a. m. s. b.,   __Andrade, a. m. s. b.,   __
Andrade, a. m. s. b., __
Giliander Allan da Silva
 
Andrade, a. m. s. b., __
Andrade, a. m. s. b.,   __Andrade, a. m. s. b.,   __
Andrade, a. m. s. b., __
Giliander Allan da Silva
 
Geografia do Brasil - Região Sudeste/ Relevo, vegetação, hidrografia.
Geografia do Brasil - Região Sudeste/ Relevo, vegetação, hidrografia.Geografia do Brasil - Região Sudeste/ Relevo, vegetação, hidrografia.
Geografia do Brasil - Região Sudeste/ Relevo, vegetação, hidrografia.
Girleno Oliveira
 
Os grandes compartimentos do relevo brasileiro
Os grandes compartimentos do relevo brasileiroOs grandes compartimentos do relevo brasileiro
Os grandes compartimentos do relevo brasileiro
jrcruzoficial
 
Macrounidades do relevo brasileiro.pptx
Macrounidades do relevo brasileiro.pptxMacrounidades do relevo brasileiro.pptx
Macrounidades do relevo brasileiro.pptx
RobsonCSilva1
 
Geografia da Bahia
Geografia da BahiaGeografia da Bahia
Geografia da Bahia
CADUCOC1
 
Geografia do Brasil: Aula Geografia do Paraná.
Geografia do Brasil: Aula Geografia do Paraná.Geografia do Brasil: Aula Geografia do Paraná.
Geografia do Brasil: Aula Geografia do Paraná.
Tom Lima
 
Relevo brasileiro
 Relevo brasileiro Relevo brasileiro
Relevo brasileiro
Conceição Fontolan
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
rafaelescola412
 
áGuas continentais do brasil
áGuas continentais do brasiláGuas continentais do brasil
áGuas continentais do brasil
Wander Junior
 
Relevo continental e submarino
Relevo continental e submarinoRelevo continental e submarino
Relevo continental e submarino
profleofonseca
 
Relevo Brasileiro 2
Relevo Brasileiro 2Relevo Brasileiro 2
Relevo Brasileiro 2
Paulo Sindeaux
 
Relevo2
Relevo2Relevo2
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
karolpoa
 
Geografia do Brasil
Geografia do BrasilGeografia do Brasil
Geografia do Brasil
Jediael Gonçalves
 
Regiao do pantanal_caderno_geoambiental
Regiao do pantanal_caderno_geoambientalRegiao do pantanal_caderno_geoambiental
Regiao do pantanal_caderno_geoambiental
Wanly Pereira Arantes
 
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 20132 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
Priscila Martins
 
Geografia do Paraná.
Geografia do Paraná.Geografia do Paraná.
Geografia do Paraná.
Tom Lima
 

Semelhante a Relevo e Biomas piauienses (20)

Depressões interplanálticas semiáridas do nordeste
Depressões interplanálticas semiáridas do nordesteDepressões interplanálticas semiáridas do nordeste
Depressões interplanálticas semiáridas do nordeste
 
Dominio Mares e Morros
Dominio Mares e Morros Dominio Mares e Morros
Dominio Mares e Morros
 
Andrade, a. m. s. b., __
Andrade, a. m. s. b.,   __Andrade, a. m. s. b.,   __
Andrade, a. m. s. b., __
 
Andrade, a. m. s. b., __
Andrade, a. m. s. b.,   __Andrade, a. m. s. b.,   __
Andrade, a. m. s. b., __
 
Geografia do Brasil - Região Sudeste/ Relevo, vegetação, hidrografia.
Geografia do Brasil - Região Sudeste/ Relevo, vegetação, hidrografia.Geografia do Brasil - Região Sudeste/ Relevo, vegetação, hidrografia.
Geografia do Brasil - Região Sudeste/ Relevo, vegetação, hidrografia.
 
Os grandes compartimentos do relevo brasileiro
Os grandes compartimentos do relevo brasileiroOs grandes compartimentos do relevo brasileiro
Os grandes compartimentos do relevo brasileiro
 
Macrounidades do relevo brasileiro.pptx
Macrounidades do relevo brasileiro.pptxMacrounidades do relevo brasileiro.pptx
Macrounidades do relevo brasileiro.pptx
 
Geografia da Bahia
Geografia da BahiaGeografia da Bahia
Geografia da Bahia
 
Geografia do Brasil: Aula Geografia do Paraná.
Geografia do Brasil: Aula Geografia do Paraná.Geografia do Brasil: Aula Geografia do Paraná.
Geografia do Brasil: Aula Geografia do Paraná.
 
Relevo brasileiro
 Relevo brasileiro Relevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
 
áGuas continentais do brasil
áGuas continentais do brasiláGuas continentais do brasil
áGuas continentais do brasil
 
Relevo continental e submarino
Relevo continental e submarinoRelevo continental e submarino
Relevo continental e submarino
 
Relevo Brasileiro 2
Relevo Brasileiro 2Relevo Brasileiro 2
Relevo Brasileiro 2
 
Relevo2
Relevo2Relevo2
Relevo2
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Geografia do Brasil
Geografia do BrasilGeografia do Brasil
Geografia do Brasil
 
Regiao do pantanal_caderno_geoambiental
Regiao do pantanal_caderno_geoambientalRegiao do pantanal_caderno_geoambiental
Regiao do pantanal_caderno_geoambiental
 
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 20132 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
 
Geografia do Paraná.
Geografia do Paraná.Geografia do Paraná.
Geografia do Paraná.
 

Mais de PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência

Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousaGrecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidianoLivreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidianoSlides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidianoPlano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Pinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendasPinturas de debret e rugendas
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidianoLivreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquicaOs movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - HidrografiaO espaço natural brasileiro - Hidrografia
O modernismo em portugal
O modernismo em portugalO modernismo em portugal
Engenharia civil
Engenharia civilEngenharia civil
Natação
NataçãoNatação
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A região nordeste
A região nordesteA região nordeste
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
O espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - ClimaO espaço natural brasileiro - Clima

Mais de PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (20)

Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousaGrecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
 
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidianoLivreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
 
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidianoSlides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
 
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidianoPlano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
 
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
 
Pinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendasPinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendas
 
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidianoLivreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
 
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
 
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquicaOs movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
 
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - HidrografiaO espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
 
O modernismo em portugal
O modernismo em portugalO modernismo em portugal
O modernismo em portugal
 
Engenharia civil
Engenharia civilEngenharia civil
Engenharia civil
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Brasil - Primeira república
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
A região nordeste
A região nordesteA região nordeste
A região nordeste
 
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
 
O espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - ClimaO espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - Clima
 

Último

Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 

Último (20)

Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 

Relevo e Biomas piauienses

  • 1.
  • 2. Relevo e Hipsometria A análise do relevo de qualquer área tem como base a sua formação geológica e o seu clima. O contorno oeste do Piauí é formado pelo vale do rio Parnaíba; já o leste e o sul da Bacia Sedimentar do Maranhão-Piauí formam um arco de planaltos (chamados de serras e chapa- das), resultantes do soerguimento dessa bacia por movimentos tectônicos [VER MAPA 01]. Neste arco de fronteiras estão as maiores altitudes do território piauiense, que variam de 600 a 800 metros de altitudes. Na sequencia de norte para sul, encontram se a Cuesta da Ibiapa- ba/Serra Grande, que formam limite com o Ceará; a Serra do Bom Jesus do Gurgueia (seccio- nada em várias Serras locais, como a da Capivara, das Confusões, dos Gerais e Vermelha) e a Chapada das Mangabeiras, que forma limites estaduais com a Bahia, Tocantins e Maranhão. Destaque-se que em vários pontos dessa bacia sedimentar encontram-se curiosas e belas formas de relevo, elaboradas a partir do desgaste das rochas areníticas expostas à erosão das chuvas e dos ventos, chamadas de feições ruiniformes.  Compartimentos regionais de relevo e formas locais Observe a classificação estrutural de Iracilde Maria de M. Fé Lima (1983 e 1987) [VER MAPA 01]. Em linhas gerais, os grandes conjuntos de formas e os tipos de formas locais que ocorrem nos compartimentos regionais do relevo piauiense são a seguir identificados: I. Depressões Periféricas à Bacia Sedimentar do Maranhão-Piauí II. Chapadões do Alto-Médio Parnaíba III. Planalto Oriental da Bacia Sedimentar do Maranhão-Piauí IV. Baixos Planaltos do Médio-Baixo Parnaíba V. Tabuleiros Litorâneos VI. Planície Costeira I – DEPRESSÕES PERIFÉRICAS À BACIA SEDIMENTAR DO MARANHÃO-PIAUÍ Este compartimento é representado por uma faixa de áreas do Sudeste e parte do Sul do Piauí, elaborado em estrutura cristalina pré-Cambriana. Esta faixa corresponde a uma porção das depressões que se estendem pelo interior da região Nordeste brasileira, denominada de depressões intermontanas e genericamente conhecidas por “sertões nordestinos”. Também faz parte deste compartimento uma pequena porção da área do extremo nordeste do estado (próxima ao mar), como continuação dessas depressões cristalinas que se estendem pela área cearense, no limite norte do planalto ou serra da Ibiapaba. Topograficamente, essa área piauiense corresponde a uma faixa deprimida que se limita de um lado pelo bordo da bacia sedimentar do Maranhão-Piauí e do outro por um conjunto de serras cristalinas, nos limites com os estados da Bahia e Pernambuco, sendo as de maior ex- pressão a Serra da Tabatinga e a Serra Dois Irmãos, que formam os divisores topográficos das bacias hidrográficas do Rio Parnaíba e do São Francisco, neste trecho. Desta forma, adota-se neste trabalho a classificação de Iracilde Lima, que tem por base os indicadores da geologia, de relevo e de hidrografia, em níveis sub-regional e local, para deno- minar este compartimento de “Depressões Periféricas à Bacia Sedimentar do Maranhão- Piauí”, ao invés de “depressões periféricas do médio São Francisco”, uma vez que esta depres- são pertence à bacia hidrográfica do Parnaíba e não à bacia hidrográfica do São Francisco. Esta última classificação é adotada em estudos que utilizam a bacia hidrográfica do rio São Francis- co como referência regional, como é o caso do Projeto Radam (1973). É importante observar, ainda, que no contato com Pernambuco e Ceará, entre a Serra Grande e a dos Dois Irmãos, penetra sobre o Cristalino piauiense uma pequena porção da Chapada do Araripe, formada por sedimentos da Era Mesozóica, cujo topo na área piauiense é
  • 3.
  • 4. de aproximadamente 600 metros. II – CHAPADÕES DO ALTO-MÉDIO PARNAÍBA Este compartimento corresponde ao conjunto de extensos Planaltos tabulares, conheci- dos como chapadões do Sul do Piauí. Inicia-se no bordo da bacia sedimentar do Maranhão- Piauí, no contato com as Depressões Periféricas à Bacia Sedimentar do Maranhão-Piauí, indo até o vale do rio Paranaíba (no sentido leste-oeste). No sentido sul-norte, localiza-se desde a Chapada das Mangabeiras, que chega a 800 m de altitude, até os planaltos mais baixos, nas proximidades da barragem de Boa Esperança, com cerca de 300 m de altitude. Topograficamente, esses planaltos correspondem às superfícies tabulares de estrutura horizontal, de topos planos e levemente inclinados, decrescendo gradativamente de sul para norte. O nível de base local desse compartimento (que corresponde ao fundo dos vales) situa- se em cerca de 200 m de altitude. Esses planaltos são isolados uns dos outros pelos vales dos grandes rios, que se apresen- tam com fundos chatos e encostas predominantemente retilíneas verticais. Essas vertentes ou encostas são mantidas pelas rochas resistentes à erosão, mescladas com camadas rochosas menos resistentes, formando patamares estruturais voltadas para o fundo dos vales. O limite sudeste deste compartimento é formado pelo planalto conhecido por Serra do Bom Jesus do Gurgueia, cujas escarpas se encontram voltadas para a depressão periférica, intensamente dissecada pela erosão diferencial. Essa grande serra encontra-se seccionada, formando vários planaltos de menores dimensões, como a Serra da Capivara, do Congo, das Confusões, das Guaribas e a Vermelha. Essas serras formam os divisores topográficos dos altos cursos dos rios Gurgueia, Itaueiras e Piauí, pois aí nascem afluentes desses grandes rios que drenam todo o compartimento [como pode ser visto nos mapas 01 e 02]. Em algumas dessas serras forma-se, ainda, estreito e profundos vales (chamados de boqueirões ou “canyons”) e também grutas areníticas, que formam nas linhas de falhas e fraturas. III – PLANALTO ORIENTAL DA BACIA SEDIMENTAR DO MARANHÃO-PIAUÍ Este compartimento corresponde ao bordo leste da bacia sedimentar do Maranhão-Piauí, sendo sua porção Norte conhecida com Serra da Ibiapaba e sua porção sul como Serra Grande. Estas duas grandes serras compõem, assim, um mesmo conjunto estrutural, que foi seccionada pelo rio Poti, formando um vale canyon (ou boqueirão). Este é formado pelo encaixamento desse rio, que nasce no Ceará em estrutura cristalina e entra na bacia sedimentar, indo desa- guar no rio Parnaíba, na cidade de Teresina, Capital do Piauí. Topograficamente, esse conjunto reflete o soerguimento do bordo leste da bacia sedimentar e o mergulho de suas formações geológicas para o interior dessa bacia, a oeste, formando um planalto tipo “cuesta”. Este pla- nalto apresenta suas maiores altitudes no estado vizinho do Ceará, para onde tem voltado o seu front (escarpa abrupta), e alcança a altitude de 900 m. Assim, apresenta-se com suaves declividades para o lado piauiense (que corresponde ao seu reverso), com altitudes decres- cendo para oeste, sendo desdobrado ou compartimentado por vales estruturais chamados depressões ortoclinais, como a que ocorre em Pedro II e Domingo Mourão, nas serras dos Ma- tões e da Cangalha. Também é cortado por vales fluviais, formando planaltos de menores di- mensões dentro dessa grande cuesta regional.
  • 5.
  • 6. Os planaltos de menores dimensões são considerados formas de relevo locais e corres- pondem ao desdobramento da grande cuesta em vários planaltos, divisores topográficos de alguns afluentes dos rios Piranji, Longá, Poti e Canindé. IV – BAIXOS PLANALTOS DO MÉDIO-BAIXO PARANAÍBA Este compartimento corresponde ao conjunto dos baixos planaltos dissecados, que for- mam divisores topográficos dos rios Longá, do baixo curso do rio Poti, do médio e baixo cursos do rio Canindé, com altitudes máximas variando entre 200 e 300 metros. As formas locais são resultantes da dissecação sob climas atuais ou sob paleoclimas, quando a drenagem foi isolando pequenos planaltos rebaixados. As formas modeladas se a- presentam em formas tipo “mesa” (encostas retilíneas e topos horizontais) que ocorrem ora agrupadas, ora de forma isoladas. Nas áreas mais úmidas, esses baixos planaltos apresentam- se com encostas levemente convexas e topos mais abaulados, formando baixos planaltos e colinas. V – TABULEIROS PRÉ-LITORÂNEOS Este compartimento corresponde a uma área de topografia plana, caimento para o norte, denominada de tabuleiros pré-litorâneos. Representa uma faixa de 30-50 km de largura, ela- borado em rochas da Formação Barreiras, entre a bacia sedimentar do Maranhão-Piauí e o litoral piauiense. As cotas mais elevadas dessa área encontram-se no seu limite sul, com altitu- des um pouco abaixo de 100 m, formando o divisor topográfico que limita a bacia hidrográfica do rio Parnaíba com as pequenas bacias dos rios litorâneos. VI – PLANÍCIE COSTEIRA Conforme se observa no MAPA 01 e na figura ao lado, a Planície Costeira piauiense corresponde à faixa litorânea, que se inicia na baía das Canárias, indo até a baía formada na foz conjunta dos rios Ubatuba (piauiense) e Timonha cearense. Apresenta largura que varia de me- nos de 1 km no trecho entre o seu limite leste até o rio Camurupim, passando a alargar-se para 5 a 7 km em direção à Ilha Grande de Santa Isabel. 1 Planície Costeira Os campos de dunas se formam a partir das praias, compondo-se 2 Tabuleiros Pré-litorâneos de dunas móveis, dunas fixas e paleodunas, que se distribuem na pla- nície litorânea, entre os sedimentos Terciários do Grupo Barreiras e o Oceano Atlântico. As principais formas locais que ocorrem nessa faixa são as praias, as ilhas do Delta do rio Parnaíba e a ilha da Mota, os campos de dunas, as baías e as planícies flúvio-marinhas [VER MAPA 03]. As praias são predominantemente arenosas e sofrem influência das marés, sendo as mais frequentadas: Cajueiro da Praia, Barra Grande, Macapá, Coqueiro, Atalaia e Pedra do Sal. As maiores baías são a das Canárias, Amarração e Ubatuba/Timonha, que se formam na foz dos rios que têm sentido sul-norte e sofrem maior influência das marés. As ilhas que se localizam entre os canais do rio Parnaíba, formam o delta na foz desse rio, onde se alternam mangues e dunas.
  • 7. MAPA 03 As planícies flúvio-marinhas correspondem aos traços dos rios que sofrem influência das marés altas, quando inundam os leitos dos rios, fazendo-os transbordarem e alargarem os seus leitos, inundando frequentemente os seus terraços fluviais. Em maior expressão, esse fenô- meno ocorre nos rios Igaraçu, Cardoso, Camurupim e alguns afluentes.
  • 8. Vegetação e Fauna A vegetação resulta da inter-relação entre o clima, as rochas, o relevo e os solos de um determinado espaço. E bioma é um conjunto de diferentes ecossistemas, que possuem certo nível de homogeneidade. São as comunidades biológicas, ou seja, as populações de organis- mos da fauna e da flora interagindo entre si e interagindo também com o ambien- te físico chamado biótopo. No espaço piauiense encontram-se partes de três dos grandes biomas brasileiros: costei- ro, cerrado e caatinga. Estes ocorrem intercalados pelas áreas de transição ou ecótonos: o cerrado-caatinga e o cerrado-amazônia. As formações vegetais que compõem estes biomas e ecótonos estão identificados no MAPA 04. 1. Bioma costeiro É composto pelas formações vegetais litorâneas ou costeiras que acompanham toda a costa brasileira, formando conjuntos florísticos bastante diversificados, pois a vegetação é diferente e litoral rochoso, arenoso ou de mangue. Na faixa litorânea ocorre a vegetação de mangues nas áreas do delta do Parnaíba e tam- bém nas áreas das planícies flúvio-marinhas dos rios Portinho, Camurupim e Ubatuba, princi- palmente. Dentre as espécies destes ecossistemas encontram-se o Mangue vermelho, sapatei- ro ou verdadeiro. Apresenta grandes raízes aéreas que ficam expostas durante a maré baixa. Outras espécies vegetais arbóreas e arbustivas que ocorrem nesta área são o Mangue-preto ou siriúba ou canoé; Mangue-manso, rajadinho ou branco; Mangue-botão ou de bolota; Anin- ga; Sambaíba-de-mangue; Algodão-de-mangue; dentre outras. A Carnaúba ocorre no interior das ilhas do delta e também nos vales dos rios, entre o mangue e a caatinga litorânea, em grande concentração. Destaque-se a presença de Salgados ou Apicuns, que são manchas que se apresentam destituídas de vegetação arbustiva e arbó- rea, ora como um ambiente de transição entre o mangue e as áreas arenosas de praias e du- nas, ora entremeando os manguezais. No litoral as algas marinhas também são encontradas com certa abundância, desde os ti- pos que podem ser utilizadas para fins farmacêuticos, de alimentação e de adubação. Dentre os animais mais abundantes das áreas do delta e planícies flúvio-marinhas, estão os crustá- ceos. Entre as aves estão maçarico, guará, lavandeiras etc. Entre os mamíferos destacam-se o macaco-prego e o peixe-boi-marinho. Ocorre também nas águas do delta e proximidades uma grande quantidade de peixes, como bagre, voador, agulha, pargo, arraia, camurupim, cioba, pescada etc. Nas praias, principalmente onde afloram recife de arenito e conchas durante as marés baixas, encontram-se pequenos animais como a estrela-do-mar, búzios e tatuís. Na faixa pós- praia e campos de dunas encontra-se a vegetação pioneira como a salsa-da-praia e o pinheiro- da-praia. Nas dunas e areias já fixadas, mais distante da praia, encontram-se o bredo-da-praia, tiririca e vassorinha-de-botão. Dentre as espécies arbóreo-arbustivas estão murici, cajuí, co- queiro da praia, caatingueira etc. A fauna dessas áreas de solos arenosos corresponde princi- palmente aos répteis, aves e mamíferos. Alguns exemplos são a cobra jibóia, garça azul, sabiá- da-praia, raposa, preá, etc.
  • 9.
  • 10. 2. Bioma cerrado Constituído por formações vegetais que apresentam, geralmente, três estratos: herbáceo, arbustivo e arbóreo. Conforme variações ambientais regionais e locais, formam-se diversos ecossistemas, com subtipos ora arbóreo, ora arbustivo e herbáceo. Assim, sob o ponto de vista fisionômico, são classificados como cerradão, cerrado típico, campo cerrado, campo sujo de cerrado e campo limpo de cerrado. São características marcantes do cerrado os seus troncos tortuosos, ramos retorcidos, cascas espessas e folhas grossas. Estas resultam da adaptação às condições de solo que, mesmo dispondo de umidade suficiente, apresentam teores elevados de acidez pela presença do alumínio e ferro, o que dificulta o desenvolvimento das plantas e lhes dá essa fisionomia. Destaque-se que em muitos vales ocorre a formação de brejos, que são locais onde aflo- ram os olhos d’água que geralmente formam nascentes de riachos que vão alimentar grandes rios. Nesses locais de solos úmidos destaca-se o buriti que, muitas vezes, acompanha o leito dos rios, como indicador de que o lençol freático se encontra próximo à superfície do solo. O fruto desta palmeira é muito utilizado para a fabricação de doces e sucos, além do óleo que tem uso medicinal. Dentre as espécies mais frequentes no cerrado piauiense encontram-se faveira, fava- danta, jatobá, pau-de-terra, sambaíba ou lixeira, piqui, amargoso, cachamorra, pau-pombo, chapada, barba-timão etc. Os animais encontrados neste bioma com maior frequência são: veado-campeiro, ema, lobo-guará, perdiz, raposa, macacos, tatu-canastra, cobras, araras, pa- pagaios, periquitos, gaviões, carcará, capivara, paca, ratos, e muitos outros. 3. Bioma caatinga É considerada o único bioma exclusivamente brasileiro. Considerando os aspectos fisio- nômicos, a caatinga apresenta-se em subtipos, conforme as variações nas condições locais de umidade de clima e dos solos. Assim, forma ecossistemas classificados como: caatinga arbusti- va aberta, abustivo-arbórea e caatinga densa. Em alguns locais mais úmidos como serras e chapadas, por exemplo, desenvolve-se a fisionomia arbórea ou de floresta. Aí ocorrem espé- cies que podem alcançar grande altura, como angico, aroeira e braúna. Nas áreas mais secas, ocorre a caatinga arbustiva aberta, com a presença do marmeleiro, jurema-preta, unha-de- gato e favela. Destaque-se que é frequente a ocorrência de carnaubeira, em algumas áreas mais úmidas dos vales, onde formam manchas significativas, embora não seja exclusiva da caatinga, pois no Piauí ela ocorre também nos biomas costeiro e cerrado. A característica mais marcante da caatinga é xerofismo ou xeromorfismo das espécies ve- getais. Ele traduz a adaptação da vegetação às condições climáticas sob regime de baixos índi- ces pluviométricos e elevadas temperaturas do ar e do solo. Assim, muitas espécies vegetais perdem as folhas no período seco (caducifólias), como forma de se protegerem contra a perda de água e se manterem vivas durante o período seco, quando adquirem aspecto seco, como se estivessem mortas. Outras espécies da caatinga também desenvolveram mecanismos diferentes de adapta- ção às condições secas do ambiente semi-árido, como o juazeiro, que produz cerosidade que forma uma película nas suas folhas, e os cactos e bromélias que, no seu processo de evolu- ção/adaptação, substituíram as folhas por espinhos. A fauna do bioma caatinga é representada por animais como: sapo-cururu, asa-branca, andorinha, acauã, canário-da-terra, galo-campina, currupião, rolinha, beija-flor, bicudo, chico- preto, azulão, cancan, cotia, gambá, preá, veado-caatingueiro, onça pintada, onça vermelha ou parda, seriema, tatu-peba, tatu-bola, macaco-prego, tamanduá-manbira, tamanduá-bandeira, etc. 4. Áreas de transição
  • 11. As Áreas de Transição ou ecótonos, que ocorrem no espaço piauiense correspondem às áreas de passagem do bioma Cerrado para o da Amazônia, e as áreas entre o Bioma Cerrado e o Bioma Caatinga. Também existem enclaves de cerrados na caatinga e de caatinga no cerra- do, por influência de fatores locais. Observando o MAPA 04, percebe-se que a área de transição cerrado-amazônia localiza-se na região noroeste do estado, formando a floresta mista sub-caducifólia, acompanhando o vale do rio Parnaíba, a partir da foz do rio Canindé até os Tabuleiros Pré-litorâneos. Ocorre também uma faixa de menor extensão deste tipo de vegetal no vale do rio Gurgueia. Nesta formação florestal predominam as espécies arbóreas, apresentando espécies que se mantêm verdes durante todo o ano e outras que perdem as folhas durante o período seco. Dentre elas destacam-se: cedro, bacuri, sapucaia, angico-branco, candeias, ingá, cajá, ipês (pau-d’arco) etc. Nesta área, assim como em vários trechos do cerrado que acompanham o rio Parnaíba, encon- tram-se os babaçuais, ora de forma mais densa, ora entremeados com as demais espécies que ocorrem nas áreas de relevo mais baixo, em toda a extensão desse vale. Em direção ao centro-norte, observa-se a ocorrência de outras manchas de tipos vegetais, destacando-se o ecossistema denominado Complexo de Campo Maior (no médio curso do rio Longá), caracterizado pela predominância de área de campos inundáveis, onde se entremeiam carnaubais e outras palmeiras, principalmente o tucum, bem como algumas espécies de cerra- do e da faixa de transição que abrange maior área, de centro-nordeste ao sul do Piauí. Fre- quentemente, se alternam manchas de cerrado com outras de caatinga, ou áreas em que as espécies destes dois biomas se misturam, formando uma faixa de transição com fisionomia vegetal própria e variada, ora se aproximando do cerrado, ora da caatinga. A fauna dessas áreas de transição é composta por várias espécies, notadamente dos bio- mas do cerrado e da caatinga, se adaptando a outros habitats, principalmente na busca de água e alimentos nos períodos secos. A Mata de Cocais corresponde a uma área de transição entre os domínios da Amazônia e a Caatinga.