SlideShare uma empresa Scribd logo
Ecologia Bucal Renato Varges
CONCEITOS IMPORTANTES é um microrganismo capaz de causar doença. Inficere  (impregnar) - é a implantação e colonização do hospedeiro por um agente (do latim  dolentia , padecimento) é o estado resultante da perda da homeostasia de um organismo vivo.  capacidade do agente invasor de causar doença com suas manifestações clínicas nos hospedeiros suscetíveis. capacidade patogênica de um microrganismo, medida pela mortalidade que ele produz e/ou por seu poder de invadir tecidos do hospedeiro. PATÓGENO?  INFECÇÃO?  DOENÇA? PATOGENICIDADE?  VIRULÊNCIA?
CONCEITOS IMPORTANTES A patogenicidade pode ser expressa pela relação Patogenicidade = Nº microrganismos infectantes X Virulência Resistência do hospedeiro Fórmula de Theobald Smith  (1859 – 1934)  X Alergia
O caráter de patogenicidade bacteriana é conferido por duas ordens de fatores de virulência CONCEITOS IMPORTANTES Fatores de colonização Fatores de lesão
Fatores de colonização Adesinas Os receptores para as adesinas fimbriais e não-fimbriais são carboidratos de glicoproteínas e glicolipídeos, presentes nas células epiteliais.  Moléculas diferenciadas presentes na extremidade distal das  fímbrias , dedicadas a ligação específica com um receptor celular
Fatores de colonização Adesinas
Fatores de colonização
Fatores de colonização Processada a adesão, é necessário que a bactéria encontre no tecido infectado condições ecológicas ideais para seu desenvolvimento. Quando estas condições são favoráveis, há uma intensa multiplicação bacteriana que resulta na colonização tecidual. Somente após a colonização tecidual, as bactérias podem, eventualmente, invadir os tecidos e determinar lesão ao hospedeiro.
2. Invasinas Fatores de colonização Ambiente extracelular  –  stress  físico (pH, fluxo de líquidos e muco), exfoliação celular, deposição de complemento,  anticorpos e ação de macrófagos e células citotóxicas Moléculas que promovem a invasão das células do hospedeiro.  É um processo ativo, induzido pela própria bactéria! As invasinas desencadeiam ou ativam sinais que levam a célula do hospedeiro a internalizar a bactéria, usando para isto a maquinaria do seu cito-equeleto, principalmente a actina e as proteínas a ele associadas.
A invasina interage com integrinas, que indiretamente modulam  o metabolismo celular para induzir o rearranjo da actina no sítio de aderência.  A. Ligação a receptores da célula-alvo
Proteinas efetoras são translocadas e modulam o metabolismo celular, o que resulta em mobilização local da membrana (ruffling) e internalização bacteriana B. Translocação de proteínas bacterianas e remodelagem da membrana para internalização do microrganismo
Fatores de colonização 3. Evasinas Termo usado para incluir todas as substâncias ou estruturas bacterianas que tornam a bactéria capaz de evadir-se da fagocitose, complemento e anticorpos. EVASINA FUNÇÃO SigA protease Degradação de IgA Cápsulas, antígeno K Impedimento da fagocitose. Redução da ativação do complemento LPS (cadeias longas) Impedimento do contato do complexo de ataque à membrana (MAC) com a membrana celular Peptidase C5a Interferência com a função sinalizadora do complemento Toxina (leucocidina) Inviabilização de fagócitos Variação antigênica Evasão da resposta em anticorpos.
São múltiplos os fatores de virulência que provocam lesão no organismo  Fatores de lesão Exotoxinas Ex. Toxina botulínica, toxina tetânica, Toxina diftérica Endotoxinas LPS das Gram-negativas Enzimas hidrolíticas Ex. Hialuronidase, Proteases Catabólitos do metabolismo bacteriano Ex. Àc. Orgânicos, Ác. Lático – desmineralização dental
Microbiota Bucal Compreende os microrganismos que colonizam as diversas regiões da boca de indivíduos sadios. Varia quantitativa e qualitativamente de acordo com a região e as características do hospedeiro.
Tipos de Microbiota RESIDENTE OU PERMANENTE São microrganismos que colonizam determinada superfície por longos períodos. Uma vez eliminada, reconstitui-se rapidamente. Indígena (>1%)  x  Suplementar  (<1%)
TRANSITÓRIA OU TRANSIENTE São microrganismos ocasionais, que colonizam o hospedeiro por um curto espaço de tempo, sem causar infecção. Com o tempo será substituída pela microbiota RESIDENTE. Só se instalam se ocorrer severo desequilíbrio na microbiota residente local. Ex.  Pseudomonas  em placa dental de imunocomprometidos Tipos de Microbiota
Infecções causadas por microorganismos aos quais o organismo é, normalmente, imunocompetente. Infecções Oportunistas Gengivite
Microbiota Bucal NÓS JÁ NASCEMOS COLONIZADOS POR BACTÉRIAS???
Microbiota Bucal QUANDO SE INICIA A FORMAÇÃO DA MICROBIOTA ???
Microbiota Bucal NOSSA MICROBIOTA É IGUAL EM TODAS AS REGIÕES DO CORPO???
Microbiota Bucal A MICROBIOTA É IGUAL EM TODAS AS REGIÕES DA BOCA???
Microbiota Bucal Analisada como um todo, a microbiota bucal é a mais complexa de todo  organismo. Mais de 30 gêneros, mais de 500 espécies diferentes
Evolução da Microbiota Bucal Vida intrauterina – Boca isenta de microrganismos Parto – 1ºs microrganismos transitórios  ( Streptococcus, Lactobacillus, Candida albicans,  Coliformes)
Evolução da Microbiota Bucal Horas após o parto – Transmissão bacteriana vertical ou pelo contato com as pessoas mais próximas Boca é apenas uma mucosa lisa, bastante arejada. Streptococcus salivarius, Streptococcus oralis, S. mitis 1º ano de vida 70% dos microrganismos que colonizam a boca são  Streptococcus  spp.  Staphylococcus  spp.,  Veillonella  spp. e  Neisseria  spp.
Evolução da Microbiota Bucal -  Superfície dental  – Adesão bacteriana ( Streptococcus oralis, S. gordonii) Actinomyces –  Colonizadores iniciais da superfície do esmalte – PLACA DENTAL Streptococcus mutans –  Colonizadores secundários da superfície dental – CÁRIE -  Sulco gengival  – Baixíssimo teor de Oxigênio – favorecimento de anaeróbias Complexidade da microbiota se inicia com a erupção dos dentes.
Evolução da Microbiota Bucal Puberdade  –  Alterações hormonais Aumento numérico de bactérias periodontopatogênicas  Porphyromonas gingivalis  e  Prevotella intermedia Adulto dentado – Proporções máximas da microbiota 1 mL de saliva: 100 milhões (10 8 ) de bactérias - Placa dental: 10 bilhões (10 9 ) de bactérias por grama.
Evolução da Microbiota Bucal A perda total ou parcial dos dentes faz desaparecer as bactérias com tropismo por dentes e periodonto, voltando o predomínio de aeróbias e facultativas que apresentam afinidade pelas mucosas.
Evolução da Microbiota Bucal Em pacientes com dentadura existe predominância de bactérias anaeróbias e aquelas que se aderem a superfícies duras. Em próteses implanto-suportadas haverá recolonização de espécies adaptadas ao periodonto.
Estabelecimento da Microbiota Bucal O estabelecimento de uma espécie num determinado nicho bucal depende de diversos fatores, desde a nutrição bacteriana até sua capacidade de aderência àquele local. - Aderência direta à superfície – receptores específicos para adesinas - Polissacarídeos Extracelulares Complexos (PEC) – Aglutinação entre bactérias - Aderência interbacteriana (coagregação)   - Confere volume à microbiota Coagregação Homotípica Coagregação Heterotípicas
 
Influências do hospedeiro sobre a Microbiota Bucal Endógenos (Saliva, fluido gengival, presença ou não de dentes, saúde dos dentes e periodonto e descamação epitelial) Exógenos (Dieta do hospedeiro, higiene bucal e antibioticoterapia) Fatores sistêmicos
Influências do hospedeiro sobre a Microbiota Bucal Saliva É a maior responsável pela regulação da microbiota gengival Nutrientes, Umidade, pH, Temperatura Atividade antimicrobiana, Fluxo salivar, etc Anticorpos (IgA) e Lisozima
Influências do hospedeiro sobre a Microbiota Bucal Dieta do hospedeiro Tudo que comemos e bebemos deixa resquícios na boca A dieta influencia qualitativa e quantitativamente a microbiota Streptococcus mutans  dependem de uma dieta rica em sacarídeos para o desenvolvimento de placas cariogênicas. Alimentos pegajosos tem maior potencial cariogênico Carboidratos  Fermentação ácida  Desmineralização
Influências do hospedeiro sobre a Microbiota Bucal Higiene bucal Uso constante de escova, fio dental, remoção de tártaro e correção ortodôntica É a melhor forma de mantermos a microbiota em níveis fisiológicos
Benefícios da Microbiota Bucal para o hospedeiro Defesa biológica da boca Competição com patógenos Contribuição para nutrição do hospedeiro Enzimas bacterianas auxiliam no processo digestivo Ativação do sistema imune

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Patogênese da Cárie
Patogênese da CáriePatogênese da Cárie
Patogênese da Cárie
Raphael Machado
 
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
Camilla Bringel
 
Seminario micro geral_biofilmes
Seminario micro geral_biofilmesSeminario micro geral_biofilmes
Seminario micro geral_biofilmes
MICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)
Jonathan Cardoso Gomes Rodrigues
 
Proteção contra cárie e doença periodontal
Proteção contra cárie e doença periodontalProteção contra cárie e doença periodontal
Proteção contra cárie e doença periodontal
Priscila Freitas
 
Revisão anatômica dental
Revisão anatômica dentalRevisão anatômica dental
Revisão anatômica dental
profguilhermeterra
 
Cariologia
CariologiaCariologia
LESÕES FUNDAMENTAIS
LESÕES FUNDAMENTAISLESÕES FUNDAMENTAIS
LESÕES FUNDAMENTAIS
GabrielaSoares07
 
Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentística
profguilhermeterra
 
doença periodontal
doença periodontaldoença periodontal
doença periodontal
Priscila Freitas
 
Introdução ao Atendimento Odontologico de Pacientes Especiais
Introdução ao Atendimento Odontologico de Pacientes EspeciaisIntrodução ao Atendimento Odontologico de Pacientes Especiais
Introdução ao Atendimento Odontologico de Pacientes Especiais
Flavio Salomao-Miranda
 
1 parte profilaxia antimicrobiana na odontologia
1 parte   profilaxia antimicrobiana na odontologia1 parte   profilaxia antimicrobiana na odontologia
1 parte profilaxia antimicrobiana na odontologia
Lucas Almeida Sá
 
Microbiota Natural do corpo humano - Microbiologia Clínica
Microbiota Natural do corpo humano - Microbiologia ClínicaMicrobiota Natural do corpo humano - Microbiologia Clínica
Microbiota Natural do corpo humano - Microbiologia Clínica
Karen Zanferrari
 
Anatomia do periodonto
Anatomia do periodontoAnatomia do periodonto
Anatomia do periodonto
andressaElopes
 
Biofilme
BiofilmeBiofilme
Periodontia em Odontologia
Periodontia em OdontologiaPeriodontia em Odontologia
Periodontia em Odontologia
Elisabete Arruda
 
Sistemas Adesivos
Sistemas Adesivos Sistemas Adesivos
Sistemas Adesivos
DidaticaMPCO
 
Cárie Dentária
Cárie Dentária Cárie Dentária
Cárie Dentária
Gabriella Lourenço
 
Prevenção de doenças periodontais
Prevenção de doenças periodontaisPrevenção de doenças periodontais
Prevenção de doenças periodontais
Cms Nunes
 
Microbiologia
MicrobiologiaMicrobiologia
Microbiologia
Claudio Ribeiro
 

Mais procurados (20)

Patogênese da Cárie
Patogênese da CáriePatogênese da Cárie
Patogênese da Cárie
 
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
 
Seminario micro geral_biofilmes
Seminario micro geral_biofilmesSeminario micro geral_biofilmes
Seminario micro geral_biofilmes
 
Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)
 
Proteção contra cárie e doença periodontal
Proteção contra cárie e doença periodontalProteção contra cárie e doença periodontal
Proteção contra cárie e doença periodontal
 
Revisão anatômica dental
Revisão anatômica dentalRevisão anatômica dental
Revisão anatômica dental
 
Cariologia
CariologiaCariologia
Cariologia
 
LESÕES FUNDAMENTAIS
LESÕES FUNDAMENTAISLESÕES FUNDAMENTAIS
LESÕES FUNDAMENTAIS
 
Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentística
 
doença periodontal
doença periodontaldoença periodontal
doença periodontal
 
Introdução ao Atendimento Odontologico de Pacientes Especiais
Introdução ao Atendimento Odontologico de Pacientes EspeciaisIntrodução ao Atendimento Odontologico de Pacientes Especiais
Introdução ao Atendimento Odontologico de Pacientes Especiais
 
1 parte profilaxia antimicrobiana na odontologia
1 parte   profilaxia antimicrobiana na odontologia1 parte   profilaxia antimicrobiana na odontologia
1 parte profilaxia antimicrobiana na odontologia
 
Microbiota Natural do corpo humano - Microbiologia Clínica
Microbiota Natural do corpo humano - Microbiologia ClínicaMicrobiota Natural do corpo humano - Microbiologia Clínica
Microbiota Natural do corpo humano - Microbiologia Clínica
 
Anatomia do periodonto
Anatomia do periodontoAnatomia do periodonto
Anatomia do periodonto
 
Biofilme
BiofilmeBiofilme
Biofilme
 
Periodontia em Odontologia
Periodontia em OdontologiaPeriodontia em Odontologia
Periodontia em Odontologia
 
Sistemas Adesivos
Sistemas Adesivos Sistemas Adesivos
Sistemas Adesivos
 
Cárie Dentária
Cárie Dentária Cárie Dentária
Cárie Dentária
 
Prevenção de doenças periodontais
Prevenção de doenças periodontaisPrevenção de doenças periodontais
Prevenção de doenças periodontais
 
Microbiologia
MicrobiologiaMicrobiologia
Microbiologia
 

Destaque

Microbiota normal
Microbiota normal Microbiota normal
Microbiota normal
Jessica Oyie
 
Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da bocaRepercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
Renato Varges - UFF
 
Microbiota Normal
Microbiota NormalMicrobiota Normal
Microbiota Normal
Nutricionista
 
Pre modernismo.lobato.augusto&aranha
Pre modernismo.lobato.augusto&aranhaPre modernismo.lobato.augusto&aranha
Pre modernismo.lobato.augusto&aranha
sandrahelenalmeida
 
Aas
AasAas
Aula 8 microbiota normal
Aula 8   microbiota normalAula 8   microbiota normal
Aula 8 microbiota normal
casagrande0606
 
Microbiota Oral - UAP filial Tacna
Microbiota Oral - UAP filial TacnaMicrobiota Oral - UAP filial Tacna
Microbiota Oral - UAP filial Tacna
Anna PoorTugal
 
Biofilme dentário
Biofilme dentárioBiofilme dentário
Biofilme dentário
Ana Kleia Dos Santos
 
BIOFILMES
BIOFILMESBIOFILMES
Aas
AasAas
Estatistica anual 2010
Estatistica anual 2010Estatistica anual 2010
Estatistica anual 2010
ameliamandane
 
Controle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato VargesControle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato Varges
Renato Varges - UFF
 
Microbiota oral
Microbiota oralMicrobiota oral
Microbiota oral
Clara Inès Iriarte Godoy
 
Seminário imuno
Seminário imunoSeminário imuno
Seminário imuno
Myllena Alves
 
Aula Saúde Coletiva III - Profa Ana Carla
Aula Saúde Coletiva III - Profa Ana CarlaAula Saúde Coletiva III - Profa Ana Carla
Aula Saúde Coletiva III - Profa Ana Carla
HERALDICA CORRETORA E ADM DE SEGUROS
 
Clase 2. determinantes ecológicos orales
Clase 2.  determinantes ecológicos oralesClase 2.  determinantes ecológicos orales
Clase 2. determinantes ecológicos orales
Natalia GF
 
Aspirina (Anti-inflamatório Não Esteroide)
Aspirina  (Anti-inflamatório Não Esteroide)Aspirina  (Anti-inflamatório Não Esteroide)
Aspirina (Anti-inflamatório Não Esteroide)
Sergio Sun
 
Técnicas de estudo - Renato Varges
Técnicas de estudo - Renato VargesTécnicas de estudo - Renato Varges
Técnicas de estudo - Renato Varges
Renato Varges - UFF
 
O mesmo deus shiley carvalhaes
O mesmo deus   shiley  carvalhaesO mesmo deus   shiley  carvalhaes
O mesmo deus shiley carvalhaes
Alexandre Vagner
 

Destaque (20)

Microbiota normal
Microbiota normal Microbiota normal
Microbiota normal
 
Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da bocaRepercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
 
Microbiota Normal
Microbiota NormalMicrobiota Normal
Microbiota Normal
 
Pre modernismo.lobato.augusto&aranha
Pre modernismo.lobato.augusto&aranhaPre modernismo.lobato.augusto&aranha
Pre modernismo.lobato.augusto&aranha
 
Aas
AasAas
Aas
 
Microbiologia oral
Microbiologia oralMicrobiologia oral
Microbiologia oral
 
Aula 8 microbiota normal
Aula 8   microbiota normalAula 8   microbiota normal
Aula 8 microbiota normal
 
Microbiota Oral - UAP filial Tacna
Microbiota Oral - UAP filial TacnaMicrobiota Oral - UAP filial Tacna
Microbiota Oral - UAP filial Tacna
 
Biofilme dentário
Biofilme dentárioBiofilme dentário
Biofilme dentário
 
BIOFILMES
BIOFILMESBIOFILMES
BIOFILMES
 
Aas
AasAas
Aas
 
Estatistica anual 2010
Estatistica anual 2010Estatistica anual 2010
Estatistica anual 2010
 
Controle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato VargesControle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato Varges
 
Microbiota oral
Microbiota oralMicrobiota oral
Microbiota oral
 
Seminário imuno
Seminário imunoSeminário imuno
Seminário imuno
 
Aula Saúde Coletiva III - Profa Ana Carla
Aula Saúde Coletiva III - Profa Ana CarlaAula Saúde Coletiva III - Profa Ana Carla
Aula Saúde Coletiva III - Profa Ana Carla
 
Clase 2. determinantes ecológicos orales
Clase 2.  determinantes ecológicos oralesClase 2.  determinantes ecológicos orales
Clase 2. determinantes ecológicos orales
 
Aspirina (Anti-inflamatório Não Esteroide)
Aspirina  (Anti-inflamatório Não Esteroide)Aspirina  (Anti-inflamatório Não Esteroide)
Aspirina (Anti-inflamatório Não Esteroide)
 
Técnicas de estudo - Renato Varges
Técnicas de estudo - Renato VargesTécnicas de estudo - Renato Varges
Técnicas de estudo - Renato Varges
 
O mesmo deus shiley carvalhaes
O mesmo deus   shiley  carvalhaesO mesmo deus   shiley  carvalhaes
O mesmo deus shiley carvalhaes
 

Semelhante a Microbiota normal odonto

Aula 1-ecologia-e-biofilmes-
Aula 1-ecologia-e-biofilmes-Aula 1-ecologia-e-biofilmes-
Aula 1-ecologia-e-biofilmes-
Barbara Caroline Spindola
 
Aula 05 bacterias
Aula   05  bacteriasAula   05  bacterias
Aula 05 bacterias
Gildo Crispim
 
Microbiologia Geral - Microbiota Normal
Microbiologia Geral - Microbiota NormalMicrobiologia Geral - Microbiota Normal
Microbiologia Geral - Microbiota Normal
MICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
ECOLOGIA2010-I AULA PRESENCIAL-polos.ppt
ECOLOGIA2010-I AULA PRESENCIAL-polos.pptECOLOGIA2010-I AULA PRESENCIAL-polos.ppt
ECOLOGIA2010-I AULA PRESENCIAL-polos.ppt
FilipeAmorim34
 
Virulencia amanda guimaraes
Virulencia amanda guimaraesVirulencia amanda guimaraes
Virulencia amanda guimaraes
AMANDAGUIMARAES13
 
Controle e crescimento Microbiano, sua importanacia
Controle e crescimento Microbiano, sua importanaciaControle e crescimento Microbiano, sua importanacia
Controle e crescimento Microbiano, sua importanacia
RosenildoCorrea2
 
Aula 2 - M
Aula 2 - MAula 2 - M
Artigo abmba v9_n1_2021_02
Artigo abmba v9_n1_2021_02Artigo abmba v9_n1_2021_02
Artigo abmba v9_n1_2021_02
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
Bantim27
 
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdfAPOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
ProfFelipeSoaresQumi
 
Slide microbiologia2 2
Slide microbiologia2  2Slide microbiologia2  2
Slide microbiologia2 2
Inês Santos
 
Slide microbiologia2 2
Slide microbiologia2  2Slide microbiologia2  2
Slide microbiologia2 2
Inês Santos
 
Micróbios e Vacinas
Micróbios e VacinasMicróbios e Vacinas
Micróbios e Vacinas
EasyWorkBlog
 
10 Microbiologia - MICROBIOTA NORMAL.ppt
10 Microbiologia - MICROBIOTA NORMAL.ppt10 Microbiologia - MICROBIOTA NORMAL.ppt
10 Microbiologia - MICROBIOTA NORMAL.ppt
Marco Aurelio
 
789 3004-2-pb
789 3004-2-pb789 3004-2-pb
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
clinicansl
 
Aula de bacterias pdf104201112530
Aula de bacterias pdf104201112530Aula de bacterias pdf104201112530
Aula de bacterias pdf104201112530
Jerson Dos Santos
 
Biofilmes_2018_Noturno.pdf
Biofilmes_2018_Noturno.pdfBiofilmes_2018_Noturno.pdf
Biofilmes_2018_Noturno.pdf
larissa413953
 
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixesAula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Adimar Cardoso Junior
 

Semelhante a Microbiota normal odonto (20)

Aula 1-ecologia-e-biofilmes-
Aula 1-ecologia-e-biofilmes-Aula 1-ecologia-e-biofilmes-
Aula 1-ecologia-e-biofilmes-
 
Aula 05 bacterias
Aula   05  bacteriasAula   05  bacterias
Aula 05 bacterias
 
Microbiologia Geral - Microbiota Normal
Microbiologia Geral - Microbiota NormalMicrobiologia Geral - Microbiota Normal
Microbiologia Geral - Microbiota Normal
 
ECOLOGIA2010-I AULA PRESENCIAL-polos.ppt
ECOLOGIA2010-I AULA PRESENCIAL-polos.pptECOLOGIA2010-I AULA PRESENCIAL-polos.ppt
ECOLOGIA2010-I AULA PRESENCIAL-polos.ppt
 
Virulencia amanda guimaraes
Virulencia amanda guimaraesVirulencia amanda guimaraes
Virulencia amanda guimaraes
 
Controle e crescimento Microbiano, sua importanacia
Controle e crescimento Microbiano, sua importanaciaControle e crescimento Microbiano, sua importanacia
Controle e crescimento Microbiano, sua importanacia
 
Aula 2 - M
Aula 2 - MAula 2 - M
Aula 2 - M
 
Artigo abmba v9_n1_2021_02
Artigo abmba v9_n1_2021_02Artigo abmba v9_n1_2021_02
Artigo abmba v9_n1_2021_02
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdfAPOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
 
Slide microbiologia2 2
Slide microbiologia2  2Slide microbiologia2  2
Slide microbiologia2 2
 
Slide microbiologia2 2
Slide microbiologia2  2Slide microbiologia2  2
Slide microbiologia2 2
 
Micróbios e Vacinas
Micróbios e VacinasMicróbios e Vacinas
Micróbios e Vacinas
 
10 Microbiologia - MICROBIOTA NORMAL.ppt
10 Microbiologia - MICROBIOTA NORMAL.ppt10 Microbiologia - MICROBIOTA NORMAL.ppt
10 Microbiologia - MICROBIOTA NORMAL.ppt
 
789 3004-2-pb
789 3004-2-pb789 3004-2-pb
789 3004-2-pb
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Aula de bacterias pdf104201112530
Aula de bacterias pdf104201112530Aula de bacterias pdf104201112530
Aula de bacterias pdf104201112530
 
Biofilmes_2018_Noturno.pdf
Biofilmes_2018_Noturno.pdfBiofilmes_2018_Noturno.pdf
Biofilmes_2018_Noturno.pdf
 
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixesAula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
 

Último

Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 

Último (20)

Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 

Microbiota normal odonto

  • 2. CONCEITOS IMPORTANTES é um microrganismo capaz de causar doença. Inficere (impregnar) - é a implantação e colonização do hospedeiro por um agente (do latim dolentia , padecimento) é o estado resultante da perda da homeostasia de um organismo vivo. capacidade do agente invasor de causar doença com suas manifestações clínicas nos hospedeiros suscetíveis. capacidade patogênica de um microrganismo, medida pela mortalidade que ele produz e/ou por seu poder de invadir tecidos do hospedeiro. PATÓGENO? INFECÇÃO? DOENÇA? PATOGENICIDADE? VIRULÊNCIA?
  • 3. CONCEITOS IMPORTANTES A patogenicidade pode ser expressa pela relação Patogenicidade = Nº microrganismos infectantes X Virulência Resistência do hospedeiro Fórmula de Theobald Smith (1859 – 1934) X Alergia
  • 4. O caráter de patogenicidade bacteriana é conferido por duas ordens de fatores de virulência CONCEITOS IMPORTANTES Fatores de colonização Fatores de lesão
  • 5. Fatores de colonização Adesinas Os receptores para as adesinas fimbriais e não-fimbriais são carboidratos de glicoproteínas e glicolipídeos, presentes nas células epiteliais. Moléculas diferenciadas presentes na extremidade distal das fímbrias , dedicadas a ligação específica com um receptor celular
  • 8. Fatores de colonização Processada a adesão, é necessário que a bactéria encontre no tecido infectado condições ecológicas ideais para seu desenvolvimento. Quando estas condições são favoráveis, há uma intensa multiplicação bacteriana que resulta na colonização tecidual. Somente após a colonização tecidual, as bactérias podem, eventualmente, invadir os tecidos e determinar lesão ao hospedeiro.
  • 9. 2. Invasinas Fatores de colonização Ambiente extracelular – stress físico (pH, fluxo de líquidos e muco), exfoliação celular, deposição de complemento, anticorpos e ação de macrófagos e células citotóxicas Moléculas que promovem a invasão das células do hospedeiro. É um processo ativo, induzido pela própria bactéria! As invasinas desencadeiam ou ativam sinais que levam a célula do hospedeiro a internalizar a bactéria, usando para isto a maquinaria do seu cito-equeleto, principalmente a actina e as proteínas a ele associadas.
  • 10. A invasina interage com integrinas, que indiretamente modulam o metabolismo celular para induzir o rearranjo da actina no sítio de aderência. A. Ligação a receptores da célula-alvo
  • 11. Proteinas efetoras são translocadas e modulam o metabolismo celular, o que resulta em mobilização local da membrana (ruffling) e internalização bacteriana B. Translocação de proteínas bacterianas e remodelagem da membrana para internalização do microrganismo
  • 12. Fatores de colonização 3. Evasinas Termo usado para incluir todas as substâncias ou estruturas bacterianas que tornam a bactéria capaz de evadir-se da fagocitose, complemento e anticorpos. EVASINA FUNÇÃO SigA protease Degradação de IgA Cápsulas, antígeno K Impedimento da fagocitose. Redução da ativação do complemento LPS (cadeias longas) Impedimento do contato do complexo de ataque à membrana (MAC) com a membrana celular Peptidase C5a Interferência com a função sinalizadora do complemento Toxina (leucocidina) Inviabilização de fagócitos Variação antigênica Evasão da resposta em anticorpos.
  • 13. São múltiplos os fatores de virulência que provocam lesão no organismo Fatores de lesão Exotoxinas Ex. Toxina botulínica, toxina tetânica, Toxina diftérica Endotoxinas LPS das Gram-negativas Enzimas hidrolíticas Ex. Hialuronidase, Proteases Catabólitos do metabolismo bacteriano Ex. Àc. Orgânicos, Ác. Lático – desmineralização dental
  • 14. Microbiota Bucal Compreende os microrganismos que colonizam as diversas regiões da boca de indivíduos sadios. Varia quantitativa e qualitativamente de acordo com a região e as características do hospedeiro.
  • 15. Tipos de Microbiota RESIDENTE OU PERMANENTE São microrganismos que colonizam determinada superfície por longos períodos. Uma vez eliminada, reconstitui-se rapidamente. Indígena (>1%) x Suplementar (<1%)
  • 16. TRANSITÓRIA OU TRANSIENTE São microrganismos ocasionais, que colonizam o hospedeiro por um curto espaço de tempo, sem causar infecção. Com o tempo será substituída pela microbiota RESIDENTE. Só se instalam se ocorrer severo desequilíbrio na microbiota residente local. Ex. Pseudomonas em placa dental de imunocomprometidos Tipos de Microbiota
  • 17. Infecções causadas por microorganismos aos quais o organismo é, normalmente, imunocompetente. Infecções Oportunistas Gengivite
  • 18. Microbiota Bucal NÓS JÁ NASCEMOS COLONIZADOS POR BACTÉRIAS???
  • 19. Microbiota Bucal QUANDO SE INICIA A FORMAÇÃO DA MICROBIOTA ???
  • 20. Microbiota Bucal NOSSA MICROBIOTA É IGUAL EM TODAS AS REGIÕES DO CORPO???
  • 21. Microbiota Bucal A MICROBIOTA É IGUAL EM TODAS AS REGIÕES DA BOCA???
  • 22. Microbiota Bucal Analisada como um todo, a microbiota bucal é a mais complexa de todo organismo. Mais de 30 gêneros, mais de 500 espécies diferentes
  • 23. Evolução da Microbiota Bucal Vida intrauterina – Boca isenta de microrganismos Parto – 1ºs microrganismos transitórios ( Streptococcus, Lactobacillus, Candida albicans, Coliformes)
  • 24. Evolução da Microbiota Bucal Horas após o parto – Transmissão bacteriana vertical ou pelo contato com as pessoas mais próximas Boca é apenas uma mucosa lisa, bastante arejada. Streptococcus salivarius, Streptococcus oralis, S. mitis 1º ano de vida 70% dos microrganismos que colonizam a boca são Streptococcus spp. Staphylococcus spp., Veillonella spp. e Neisseria spp.
  • 25. Evolução da Microbiota Bucal - Superfície dental – Adesão bacteriana ( Streptococcus oralis, S. gordonii) Actinomyces – Colonizadores iniciais da superfície do esmalte – PLACA DENTAL Streptococcus mutans – Colonizadores secundários da superfície dental – CÁRIE - Sulco gengival – Baixíssimo teor de Oxigênio – favorecimento de anaeróbias Complexidade da microbiota se inicia com a erupção dos dentes.
  • 26. Evolução da Microbiota Bucal Puberdade – Alterações hormonais Aumento numérico de bactérias periodontopatogênicas Porphyromonas gingivalis e Prevotella intermedia Adulto dentado – Proporções máximas da microbiota 1 mL de saliva: 100 milhões (10 8 ) de bactérias - Placa dental: 10 bilhões (10 9 ) de bactérias por grama.
  • 27. Evolução da Microbiota Bucal A perda total ou parcial dos dentes faz desaparecer as bactérias com tropismo por dentes e periodonto, voltando o predomínio de aeróbias e facultativas que apresentam afinidade pelas mucosas.
  • 28. Evolução da Microbiota Bucal Em pacientes com dentadura existe predominância de bactérias anaeróbias e aquelas que se aderem a superfícies duras. Em próteses implanto-suportadas haverá recolonização de espécies adaptadas ao periodonto.
  • 29. Estabelecimento da Microbiota Bucal O estabelecimento de uma espécie num determinado nicho bucal depende de diversos fatores, desde a nutrição bacteriana até sua capacidade de aderência àquele local. - Aderência direta à superfície – receptores específicos para adesinas - Polissacarídeos Extracelulares Complexos (PEC) – Aglutinação entre bactérias - Aderência interbacteriana (coagregação) - Confere volume à microbiota Coagregação Homotípica Coagregação Heterotípicas
  • 30.  
  • 31. Influências do hospedeiro sobre a Microbiota Bucal Endógenos (Saliva, fluido gengival, presença ou não de dentes, saúde dos dentes e periodonto e descamação epitelial) Exógenos (Dieta do hospedeiro, higiene bucal e antibioticoterapia) Fatores sistêmicos
  • 32. Influências do hospedeiro sobre a Microbiota Bucal Saliva É a maior responsável pela regulação da microbiota gengival Nutrientes, Umidade, pH, Temperatura Atividade antimicrobiana, Fluxo salivar, etc Anticorpos (IgA) e Lisozima
  • 33. Influências do hospedeiro sobre a Microbiota Bucal Dieta do hospedeiro Tudo que comemos e bebemos deixa resquícios na boca A dieta influencia qualitativa e quantitativamente a microbiota Streptococcus mutans dependem de uma dieta rica em sacarídeos para o desenvolvimento de placas cariogênicas. Alimentos pegajosos tem maior potencial cariogênico Carboidratos Fermentação ácida Desmineralização
  • 34. Influências do hospedeiro sobre a Microbiota Bucal Higiene bucal Uso constante de escova, fio dental, remoção de tártaro e correção ortodôntica É a melhor forma de mantermos a microbiota em níveis fisiológicos
  • 35. Benefícios da Microbiota Bucal para o hospedeiro Defesa biológica da boca Competição com patógenos Contribuição para nutrição do hospedeiro Enzimas bacterianas auxiliam no processo digestivo Ativação do sistema imune