SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Camilla Bringel Rêgo
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
“ O crescimento da caixa craniana em detrimento dos
maxilares e uma dieta cada vez menos exigente do sistema
estomatognático são causas da não erupção dos dentes. “
“ Geralmente, a impactação é o resultado de uma obstrução
mecânica, que impede a formação e a migração de um dente
ao seu estado normal ou posição fisiológica na arcada dental. “
 Prevenção de doença periodontal
 Prevenção de cárie
 Prevenção de pericoronarite
 Prevenção de reabsorção radicular
 Dentes impactados sob prótese dentária
 Prevenção de cistos e tumores odontogênicos
 Facilitação do tratamento ortodôntico
 Processos patológicos associado ao elemento.
 Tratamento de dores em origem aparente
INDICAÇÕES
(PETERSON, 1998)
CONTRA-INDICAÇÕES
 Má condição sistêmica do paciente
 Proximidade com acidentes anatômicos
importantes
 Pacientes idosos
 Pacientes muito jovens
 Processos infecciosos agudos
(PETERSON, 1998)
EXAMES RAGIOGRÁFICOS
TUMOGRAFIA COMPUTADORIZADAPANORÂMICAPERIAPICAL
LIMITAÇÃO
INTIMIDADE COM O N. ALVEOLAR
INFERIOR
Classificação dos dentes inclusos
 Natureza do tecido de recobrimento
- Avalia o tecido que recobre o elemento dental
 Classificação de Winter
- Avalia o posicionamento do terceiro molar em relação ao longo
eixo fisiológico do segundo molar inferior.
 Classificação de Pell & Gregory
- Avalia posicionamento do elemento no sentido ocluso-apical e
entre a distal do segundo molar e o ramo mandibular.
 Classificação segundo o tipo de inclusão
- As inclusões podem ser ósseas, sub-mucosos e semi-inclusões.
Existem basicamente quatro classificações:
(PETERSON,1998)
Natureza do tecido de recobrimento
Intra-ósseo
Quando o dente perfura a
cortical óssea, permanece
incluso e coberto com mucosa
Totalmente circundado por
tecido ósseo
SubmucosoSemi-incluso
 Comunicação com a
cavidade bucal
 Não atinge a erupção
completa
(PETERSON, 1998)
Classificação de Winter
Avalia o posicionamento do terceiro molar em relação
ao longo eixo fisiológico do segundo molar inferior.
IMPACTADO VERTICALMESIOANGULAR
O molar incluso está paralelo
ao longo eixo do segundo molar.
De forma geral, são essas
inclusões as mais fáceis de
serem executadas.
Quando o terceiro
molar está voltado
para a mesial
DISTOANGULAR
O dente está voltado para a
distal em relação ao eixo do
segundo molar
Inclusão mais complicada de
ser resolvida
O dente está totalmente
“deitado”, com a face
oclusal voltada para o
segundo molar
HORIZONTAL
O dente está totalmente
deitado, com a face oclusal
voltada para vestibular ou
lingual.
HORIZONTAL
VESTIBULAR ou LINGUALINVERTIDO
O dente incluso está de
“cabeça para baixo”
(PETERSON, 1998)
Classificação de Pell & Gregory
Posicionamento do elemento em
relação ao ramo mandibular.
CLASSE I
A coroa, em seu diâmetro mesio
distal, está completamente à frente da
borda anterior do ramo ascendente.
CLASSE II
Quando o dente estiver
parcialmente dentro do ramo.
CLASSE III
Quando o dente estiver localizado
completamente dentro do ramo
ascendente da mandíbula.
Posicionamento do elemento em
relação profundidade relativa do
3º mol. incluso no osso
POSIÇÃO A
Acima do plano oclusal ou na
mesma linha do segundo molar.
POSIÇÃO B
A posição mais alta do dente
incluso encontra-se abaixo do plano
oclusal e acima da linha cervical do
2 mol.
POSIÇÃO C
A posição mais alta do dente incluso
encontra-se abaixo da linha cervical
do segundo molar.
(PETERSON, 1998)
Sistemas de classificação de dentes
inclusos Superiores
 Natureza do tecido de recobrimento
 Quanto à angulação
 Posição A, B e C de Pell & Gregory
QUANTO À ANGULAÇÃO MESIO-DISTAL
VERTICAL MESIOANGULARDISTOANGULAR
QUANTO À ANGULAÇÃO VESTIBULO-PALATINO
 Vestibular
 Palatino
QUANTO À POSIÇÃO Pell & Gregory
POSIÇÃO A
Plano oclusal do 3º Molar no
mesmo nível que o do 2º Molar
POSIÇÃO B
Plano oclusal do 3º Molar entre o
plano oclusal e a cervical do 2º
Molar
POSIÇÃO C
Plano oclusal do 3º Molar abaixo
do plano oclusal e a cervical do
2º Molar
(PETERSON,1998)
Dificuldade de remoção de outros
dentes inclusos
 Caninos superiores
 Caninos inferiores
 PM sup. e inferiores
 Mesiodens
Na avaliação pré-operatória destes elementos, a
medida mais importante é determinar a posição do
dente no sentido vestibulopalatino.
(PETERSON, 1998)
Fatores que complicam a
técnica operatória
 Curvatura anormal das raízes
 Hipercementose
 Proximidade com o canal mandibular ou
seio maxilar
 Grande densidade óssea (idosos)
 Espaço folicular coberto de osso
 Anquilose
 Músculo orbicular pequeno
 Abertura de boca limitada
 Língua grande e incontrolável
Procedimento cirúrgico
1- Retalho adequado
2- Remoção do tecido ósseo de revestimento
3- Odontosecção
4- Remoção do dente de seu alvéolo.
5- Toalete da cavidade e síntese.
ETAPAS BÁSICAS
(PETERSON,1998)
Retalho adequado
 Dimensão apropriada
 Suprimento sanguíneo
INCISÃO EM INVELOPE
- Para evitar danos na região lingual
Injúria ao nervo
- Hemorragia
O prolongamento distal da incisão
deve ser vestibularizada
RETALHO EM ENVELOPE
INDICAÇÕES
Dentes inclusos
localizados próximos
à região cervical dos
dentes adjacentes
erupcionados.
CONTRA-INDICAÇÕES
 Dentes distantes da região
cervical dos dentes
adjacentes erupcionados
 Paciente de prótese fixa
CANINO INCLUSO
Retalho em envelope com incisão relaxante
(Incisão de Newman)
 Todos os dentes inclusos
deuma forma geral
 Possibilidade de ampliação
 Bom acesso e visualização
Incisão para terceiro molar superior
Apoio mesial do extrator
SEM RELAXANTECOM RELAXANTE
OSTEOCTOMAIS 3ºs MOLARES SUPERIORES
 Remover com
cinzel, descoladores, fresa esférica nº
4, 5 ou 6, 702
 Remover o osso até a linha equatória
do elemento
REMOVER Faces vestibular e mesial
OSTEOCTOMAIS 3ºs MOLARES INFERIORES
 Remover com fresa esférica nº 4, 5 ou
6, 702
 Remover o osso até a linha equatorial
do elemento
REMOVER Faces oclusal, vestibular e distal
EVITAR Face lingual
PLANEJAMENTO DA ODONTOSECÇÃO
 O dente retido pode e deve ser cortado
em detrimento do osso do paciente.
 O dente sairá seguindo o seu longo eixo.
 Se estiver angulado, deve ser cortado.
 Realizada com alta rotação e fresas cirúrgicas
laminadas esféricas (Nº 4, 5 ou 6)
 Brocas tronco cônicas (702 ou 703) em peça reta
CORTE O
DENTE, PRESERVE O
PACIENTE
 Raramente são seccionados
 Cuidado com o uso de extratores
 Evitar o deslocamneto do dente para
dentro de seio maxilar
ODONTOSECÇÃO
DENTES SUPERIORES
PLANEJAMENTO DA ODONTOSECÇÃO
INCLUSÃO VERTICAL
Seccionar e remover a
metade distal e depois o resto
do dente.
O acesso à volta do 2M é mais
difícil e requer uma remoção
maior de osso .
INCLUSÃO MESIOANGULAR
Seccionar e remover primeiro a
porção distal ou mesial e depois
o resto do dente
A odontossecção cria espaço entre o
terceiro molar e o ramo ascendente
INCLUSÃO DISTOANGULAR
 Raízes divergentes devem ser
seccionadas
 Requer grande osteoctomia
na porção distal
INCLUSÃO HORIZONTAL
1° Separação COROA-RAIZ
2 ° Remover a coroa e depois as
raízes
Se as raízes são divergentes separar
e remover individualmente.
DENTES INFERIORES
Retirada do dente de seu alvéolo
A aplicação de forças excessivas pode
resultar na fratura do dente, de uma
grande porção da cortical vestibular, do
2M ou até mesmo da mandíbula
ODONTOSECÇÃO
Toalete da cavidade
 Remover restos dentários através de irrigação
 Remover remanescentes do saco pericoronário
 Utilizar a lima para regularizar espículas ósseas
 Suturar
 Compressão com gaze
Tracionamento de Caninos
Superiores Inclusos
 Pode estar anquilosado REMOÇÃO
 Exposição do elemento
 Aplicação de dispositivo no elemento
 Amarria na aparatologia fixa
PÓS-OPERATÓRIO
 Instruções ao paciente
 Medicação
 Curativos e observações
 Remoção de suturas após 7º ou 8º dia
 Alta para o paciente
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013Guilherme Terra
 
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringelProteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringelCamilla Bringel
 
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Guilherme Terra
 
Classificação das más oclusões
Classificação das más oclusõesClassificação das más oclusões
Classificação das más oclusõesedmarchristovam
 
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]André Milioli Martins
 
Tratamento alveolites, pericoronarites e hemorragias
Tratamento alveolites, pericoronarites e hemorragiasTratamento alveolites, pericoronarites e hemorragias
Tratamento alveolites, pericoronarites e hemorragiasAdriana Mércia
 
Coroas Provisórias
Coroas ProvisóriasCoroas Provisórias
Coroas ProvisóriasLeidy Any
 
Anestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologiaAnestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologiaLucas Almeida Sá
 
Grampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfGrampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfThiago Dant
 
Preparo e restauracao classe v
Preparo e restauracao classe vPreparo e restauracao classe v
Preparo e restauracao classe vLucas Almeida Sá
 
Moldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcionalMoldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcionalMarlus Pedrosa
 
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Guilherme Terra
 
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusalPrincípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusalprofguilhermeterra
 

Mais procurados (20)

Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013
 
Exodontia simples
Exodontia simplesExodontia simples
Exodontia simples
 
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringelProteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
 
Tecnica radiografica
Tecnica radiograficaTecnica radiografica
Tecnica radiografica
 
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
 
Apostila de ppr
Apostila de pprApostila de ppr
Apostila de ppr
 
Classificação das más oclusões
Classificação das más oclusõesClassificação das más oclusões
Classificação das más oclusões
 
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
 
Tratamento alveolites, pericoronarites e hemorragias
Tratamento alveolites, pericoronarites e hemorragiasTratamento alveolites, pericoronarites e hemorragias
Tratamento alveolites, pericoronarites e hemorragias
 
Coroas Provisórias
Coroas ProvisóriasCoroas Provisórias
Coroas Provisórias
 
Anestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologiaAnestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologia
 
Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)
 
Grampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfGrampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdf
 
Preparo e restauracao classe v
Preparo e restauracao classe vPreparo e restauracao classe v
Preparo e restauracao classe v
 
Endodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes DeciduosEndodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes Deciduos
 
Restauração classe iii em rc
Restauração classe iii em rcRestauração classe iii em rc
Restauração classe iii em rc
 
Preparo biomecânico
Preparo biomecânico  Preparo biomecânico
Preparo biomecânico
 
Moldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcionalMoldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcional
 
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
 
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusalPrincípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
 

Semelhante a DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS

Etiologia das maloclusões
Etiologia das maloclusõesEtiologia das maloclusões
Etiologia das maloclusõesedmarchristovam
 
Aula2, Elementos constituintes das ppr´s.pptx
Aula2, Elementos constituintes das ppr´s.pptxAula2, Elementos constituintes das ppr´s.pptx
Aula2, Elementos constituintes das ppr´s.pptxileansouza113
 
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusãoInterrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusãoRayssa Mendonça
 
Trauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarTrauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarGuilherme Terra
 
Introdução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicasIntrodução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicasAna Araujo
 
Orientacoes cirurgia ortognatica blog
Orientacoes cirurgia ortognatica blogOrientacoes cirurgia ortognatica blog
Orientacoes cirurgia ortognatica blogRodrigo Calado
 
Maloclusão de Classe 2
Maloclusão de Classe 2Maloclusão de Classe 2
Maloclusão de Classe 2deusvivo
 
Anatomia dentaria e periodontal 2.pdf
Anatomia dentaria e periodontal 2.pdfAnatomia dentaria e periodontal 2.pdf
Anatomia dentaria e periodontal 2.pdfLaisaBrunaRibeiro
 
Apostila de Oclusão 2020.pdf
Apostila de Oclusão 2020.pdfApostila de Oclusão 2020.pdf
Apostila de Oclusão 2020.pdfWesley261896
 
Abordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamente
Abordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamenteAbordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamente
Abordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamenteDidaticaMPCO
 
Apostila de protese parcial fixa
Apostila de protese parcial fixaApostila de protese parcial fixa
Apostila de protese parcial fixaVivianecv
 
Apostila+De+Ortodontia
Apostila+De+OrtodontiaApostila+De+Ortodontia
Apostila+De+Ortodontiaguest7364820
 

Semelhante a DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS (20)

Estudo dos dentes inclusos
Estudo dos dentes inclusosEstudo dos dentes inclusos
Estudo dos dentes inclusos
 
Estudo dos dentes inclusos
Estudo dos dentes inclusosEstudo dos dentes inclusos
Estudo dos dentes inclusos
 
Dentes inclusos
Dentes inclusosDentes inclusos
Dentes inclusos
 
Etiologia das maloclusões
Etiologia das maloclusõesEtiologia das maloclusões
Etiologia das maloclusões
 
RESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICARESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICA
 
Aula2, Elementos constituintes das ppr´s.pptx
Aula2, Elementos constituintes das ppr´s.pptxAula2, Elementos constituintes das ppr´s.pptx
Aula2, Elementos constituintes das ppr´s.pptx
 
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusãoInterrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
 
Trauma dental
Trauma dentalTrauma dental
Trauma dental
 
Trauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarTrauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolar
 
Introdução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicasIntrodução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicas
 
Aula de disjuncao
Aula de disjuncaoAula de disjuncao
Aula de disjuncao
 
Orientacoes cirurgia ortognatica blog
Orientacoes cirurgia ortognatica blogOrientacoes cirurgia ortognatica blog
Orientacoes cirurgia ortognatica blog
 
Cisto dentígero
Cisto dentígeroCisto dentígero
Cisto dentígero
 
Maloclusão de Classe 2
Maloclusão de Classe 2Maloclusão de Classe 2
Maloclusão de Classe 2
 
Apresentação.pptx
Apresentação.pptxApresentação.pptx
Apresentação.pptx
 
Anatomia dentaria e periodontal 2.pdf
Anatomia dentaria e periodontal 2.pdfAnatomia dentaria e periodontal 2.pdf
Anatomia dentaria e periodontal 2.pdf
 
Apostila de Oclusão 2020.pdf
Apostila de Oclusão 2020.pdfApostila de Oclusão 2020.pdf
Apostila de Oclusão 2020.pdf
 
Abordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamente
Abordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamenteAbordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamente
Abordagens conservadoras para reabilitação de dentes tratados endodonticamente
 
Apostila de protese parcial fixa
Apostila de protese parcial fixaApostila de protese parcial fixa
Apostila de protese parcial fixa
 
Apostila+De+Ortodontia
Apostila+De+OrtodontiaApostila+De+Ortodontia
Apostila+De+Ortodontia
 

Mais de Camilla Bringel

Mais de Camilla Bringel (13)

c
cc
c
 
ODONTOLOGIA
ODONTOLOGIAODONTOLOGIA
ODONTOLOGIA
 
6398.pdf
6398.pdf6398.pdf
6398.pdf
 
3.pdf
3.pdf3.pdf
3.pdf
 
ODONTOLOGIA
ODONTOLOGIAODONTOLOGIA
ODONTOLOGIA
 
ODONTOLOGIA
ODONTOLOGIAODONTOLOGIA
ODONTOLOGIA
 
Pinos anatômicos
Pinos anatômicos Pinos anatômicos
Pinos anatômicos
 
Biomateriais em implantodontia
Biomateriais em implantodontiaBiomateriais em implantodontia
Biomateriais em implantodontia
 
Biomateriais em Implantodontia
Biomateriais em ImplantodontiaBiomateriais em Implantodontia
Biomateriais em Implantodontia
 
Clareamento Dental Interno
Clareamento Dental InternoClareamento Dental Interno
Clareamento Dental Interno
 
Etiologia, sinais e sintomas das DTM's
Etiologia, sinais e sintomas das DTM'sEtiologia, sinais e sintomas das DTM's
Etiologia, sinais e sintomas das DTM's
 
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICAPARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
 
óXido de zinco e eugenol para moldagem camilla bringel
óXido de zinco e eugenol para moldagem  camilla bringelóXido de zinco e eugenol para moldagem  camilla bringel
óXido de zinco e eugenol para moldagem camilla bringel
 

Último

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 

Último (20)

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 

DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS

  • 2. DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS “ O crescimento da caixa craniana em detrimento dos maxilares e uma dieta cada vez menos exigente do sistema estomatognático são causas da não erupção dos dentes. “ “ Geralmente, a impactação é o resultado de uma obstrução mecânica, que impede a formação e a migração de um dente ao seu estado normal ou posição fisiológica na arcada dental. “
  • 3.  Prevenção de doença periodontal  Prevenção de cárie  Prevenção de pericoronarite  Prevenção de reabsorção radicular  Dentes impactados sob prótese dentária  Prevenção de cistos e tumores odontogênicos  Facilitação do tratamento ortodôntico  Processos patológicos associado ao elemento.  Tratamento de dores em origem aparente INDICAÇÕES (PETERSON, 1998)
  • 4. CONTRA-INDICAÇÕES  Má condição sistêmica do paciente  Proximidade com acidentes anatômicos importantes  Pacientes idosos  Pacientes muito jovens  Processos infecciosos agudos (PETERSON, 1998)
  • 6. Classificação dos dentes inclusos  Natureza do tecido de recobrimento - Avalia o tecido que recobre o elemento dental  Classificação de Winter - Avalia o posicionamento do terceiro molar em relação ao longo eixo fisiológico do segundo molar inferior.  Classificação de Pell & Gregory - Avalia posicionamento do elemento no sentido ocluso-apical e entre a distal do segundo molar e o ramo mandibular.  Classificação segundo o tipo de inclusão - As inclusões podem ser ósseas, sub-mucosos e semi-inclusões. Existem basicamente quatro classificações: (PETERSON,1998)
  • 7. Natureza do tecido de recobrimento Intra-ósseo Quando o dente perfura a cortical óssea, permanece incluso e coberto com mucosa Totalmente circundado por tecido ósseo SubmucosoSemi-incluso  Comunicação com a cavidade bucal  Não atinge a erupção completa (PETERSON, 1998)
  • 8. Classificação de Winter Avalia o posicionamento do terceiro molar em relação ao longo eixo fisiológico do segundo molar inferior. IMPACTADO VERTICALMESIOANGULAR O molar incluso está paralelo ao longo eixo do segundo molar. De forma geral, são essas inclusões as mais fáceis de serem executadas. Quando o terceiro molar está voltado para a mesial DISTOANGULAR O dente está voltado para a distal em relação ao eixo do segundo molar Inclusão mais complicada de ser resolvida O dente está totalmente “deitado”, com a face oclusal voltada para o segundo molar HORIZONTAL O dente está totalmente deitado, com a face oclusal voltada para vestibular ou lingual. HORIZONTAL VESTIBULAR ou LINGUALINVERTIDO O dente incluso está de “cabeça para baixo” (PETERSON, 1998)
  • 9. Classificação de Pell & Gregory Posicionamento do elemento em relação ao ramo mandibular. CLASSE I A coroa, em seu diâmetro mesio distal, está completamente à frente da borda anterior do ramo ascendente. CLASSE II Quando o dente estiver parcialmente dentro do ramo. CLASSE III Quando o dente estiver localizado completamente dentro do ramo ascendente da mandíbula. Posicionamento do elemento em relação profundidade relativa do 3º mol. incluso no osso POSIÇÃO A Acima do plano oclusal ou na mesma linha do segundo molar. POSIÇÃO B A posição mais alta do dente incluso encontra-se abaixo do plano oclusal e acima da linha cervical do 2 mol. POSIÇÃO C A posição mais alta do dente incluso encontra-se abaixo da linha cervical do segundo molar. (PETERSON, 1998)
  • 10. Sistemas de classificação de dentes inclusos Superiores  Natureza do tecido de recobrimento  Quanto à angulação  Posição A, B e C de Pell & Gregory QUANTO À ANGULAÇÃO MESIO-DISTAL VERTICAL MESIOANGULARDISTOANGULAR QUANTO À ANGULAÇÃO VESTIBULO-PALATINO  Vestibular  Palatino QUANTO À POSIÇÃO Pell & Gregory POSIÇÃO A Plano oclusal do 3º Molar no mesmo nível que o do 2º Molar POSIÇÃO B Plano oclusal do 3º Molar entre o plano oclusal e a cervical do 2º Molar POSIÇÃO C Plano oclusal do 3º Molar abaixo do plano oclusal e a cervical do 2º Molar (PETERSON,1998)
  • 11. Dificuldade de remoção de outros dentes inclusos  Caninos superiores  Caninos inferiores  PM sup. e inferiores  Mesiodens Na avaliação pré-operatória destes elementos, a medida mais importante é determinar a posição do dente no sentido vestibulopalatino. (PETERSON, 1998)
  • 12. Fatores que complicam a técnica operatória  Curvatura anormal das raízes  Hipercementose  Proximidade com o canal mandibular ou seio maxilar  Grande densidade óssea (idosos)  Espaço folicular coberto de osso  Anquilose  Músculo orbicular pequeno  Abertura de boca limitada  Língua grande e incontrolável
  • 13. Procedimento cirúrgico 1- Retalho adequado 2- Remoção do tecido ósseo de revestimento 3- Odontosecção 4- Remoção do dente de seu alvéolo. 5- Toalete da cavidade e síntese. ETAPAS BÁSICAS (PETERSON,1998)
  • 14. Retalho adequado  Dimensão apropriada  Suprimento sanguíneo INCISÃO EM INVELOPE - Para evitar danos na região lingual Injúria ao nervo - Hemorragia O prolongamento distal da incisão deve ser vestibularizada
  • 15. RETALHO EM ENVELOPE INDICAÇÕES Dentes inclusos localizados próximos à região cervical dos dentes adjacentes erupcionados. CONTRA-INDICAÇÕES  Dentes distantes da região cervical dos dentes adjacentes erupcionados  Paciente de prótese fixa CANINO INCLUSO
  • 16. Retalho em envelope com incisão relaxante (Incisão de Newman)  Todos os dentes inclusos deuma forma geral  Possibilidade de ampliação  Bom acesso e visualização
  • 17. Incisão para terceiro molar superior Apoio mesial do extrator SEM RELAXANTECOM RELAXANTE
  • 18. OSTEOCTOMAIS 3ºs MOLARES SUPERIORES  Remover com cinzel, descoladores, fresa esférica nº 4, 5 ou 6, 702  Remover o osso até a linha equatória do elemento REMOVER Faces vestibular e mesial
  • 19. OSTEOCTOMAIS 3ºs MOLARES INFERIORES  Remover com fresa esférica nº 4, 5 ou 6, 702  Remover o osso até a linha equatorial do elemento REMOVER Faces oclusal, vestibular e distal EVITAR Face lingual
  • 20. PLANEJAMENTO DA ODONTOSECÇÃO  O dente retido pode e deve ser cortado em detrimento do osso do paciente.  O dente sairá seguindo o seu longo eixo.  Se estiver angulado, deve ser cortado.  Realizada com alta rotação e fresas cirúrgicas laminadas esféricas (Nº 4, 5 ou 6)  Brocas tronco cônicas (702 ou 703) em peça reta CORTE O DENTE, PRESERVE O PACIENTE
  • 21.  Raramente são seccionados  Cuidado com o uso de extratores  Evitar o deslocamneto do dente para dentro de seio maxilar ODONTOSECÇÃO DENTES SUPERIORES
  • 22. PLANEJAMENTO DA ODONTOSECÇÃO INCLUSÃO VERTICAL Seccionar e remover a metade distal e depois o resto do dente. O acesso à volta do 2M é mais difícil e requer uma remoção maior de osso . INCLUSÃO MESIOANGULAR Seccionar e remover primeiro a porção distal ou mesial e depois o resto do dente A odontossecção cria espaço entre o terceiro molar e o ramo ascendente INCLUSÃO DISTOANGULAR  Raízes divergentes devem ser seccionadas  Requer grande osteoctomia na porção distal INCLUSÃO HORIZONTAL 1° Separação COROA-RAIZ 2 ° Remover a coroa e depois as raízes Se as raízes são divergentes separar e remover individualmente. DENTES INFERIORES
  • 23. Retirada do dente de seu alvéolo A aplicação de forças excessivas pode resultar na fratura do dente, de uma grande porção da cortical vestibular, do 2M ou até mesmo da mandíbula ODONTOSECÇÃO
  • 24. Toalete da cavidade  Remover restos dentários através de irrigação  Remover remanescentes do saco pericoronário  Utilizar a lima para regularizar espículas ósseas  Suturar  Compressão com gaze
  • 25. Tracionamento de Caninos Superiores Inclusos  Pode estar anquilosado REMOÇÃO  Exposição do elemento  Aplicação de dispositivo no elemento  Amarria na aparatologia fixa
  • 26. PÓS-OPERATÓRIO  Instruções ao paciente  Medicação  Curativos e observações  Remoção de suturas após 7º ou 8º dia  Alta para o paciente