SlideShare uma empresa Scribd logo
BIOSSEGURANÇA
Ir. Veridiana Maria Fardo
BI

U
EG
S
OS

R

NÇ
A

A
O significado da palavra biossegurança, pode ser
entendido por seus componentes:
Bio (do grego bios) significa vida;
Segurança se refere à qualidade de ser ou estar
seguro, protegido, livre de riscos ou de perigo.

Portanto, biossegurança refere-se à vida protegida,
preservada, livre de danos, perigo ou risco.
• A biossegurança é um processo funcional e
operacional de fundamental importância em
serviços de saúde, não só por abordar medidas de
Controle de Infecções para proteção da equipe de
assistência e usuários em saúde, mas por ter um
papel fundamental na promoção da consciência
sanitária, na comunidade onde atua, da importância
da preservação do meio ambiente na manipulação
e no descarte de resíduos químicos, tóxicos e
infectantes e da redução geral de riscos à saúde e
acidentes ocupacionais.
ALGUMAS DEFINIÇÕES...
•Aerossóis: Gotas de líquidos dispersas no ar;
•Anti-Séptico: Agente químico ou físico utilizado para
desinfecção de tecido vivo, capaz de destruir ou inibir o
crescimento de micro-organismos na área aplicada;
•Desinfecção: Destruição ou inibição do crescimento de
microorganismos patógenos não esporulados ou em
estado vegetativo, de superfícies;
•Descontaminação: destruição ou remoção(total ou
parcial) de microorganismos dos artigos e superfícies;
Esterilização: processo de destruição de todos os
microorganismos, incluindo os esporos;
Limpeza: processo de remoção de sujidade;
Sanitização: processo destinado à redução da matéria das
bactérias patogênicas presentes;
Substâncias Infectantes: são apresentações que contem
microorganismos viáveis (tais como: bactérias, vírus, parasitas,
fungos ou microorganismos recombinantes, híbrido ou mutante)
sabidamente capazes de provocar doença ao homem ou
animais
Riscos Biológicos: São riscos aos trabalhadores causados por
agentes biológicos potencialmente patogênicos ou por partes
destes.
Riscos Químicos: são os riscos de produtos químicos
perigosos a que os trabalhadores estão expostos durante a
jornada de trabalho.
Riscos Ergonômicos: São aqueles que podem causar
estresse, esforços físicos intensos e tarefas extenuantes e
repetitivas.
Aspectos Ambientais: Elementos ou produtos ou serviços de
uma organização que pode interagir com o meio Ambiente;
Impacto Ambiental: Qualquer modificação do meio ambiente,
adversa ou benéfica, que resulte, no todo ou em parte, dos
aspectos ambientais da organização;
OS GERMES E A ORIGEM
DAS INFECÇÕES
Os germes são seres vivos infinitamente pequenos, não sendo
possível vê-los a olho nú. Para serem visualizados, precisamos
da ajuda de um microscópio. Por isso são chamados de
microrganismos ou micróbios = micro (pequeno) bio (vida).
Estes micróbios são classificados em:
- protozoários
- fungos
- vírus
- bactérias
Como exemplo de doenças causadas por protozoários temos a
Giardíase, doença intestinal que causa diarréia, a Doença de
Chagas causada pelo trypanossoma ou a Toxoplasmose,
doença transmitida pelo gato ou carne mal cozida de porco e
carneiro contaminados.
Das doenças causadas por fungos, temos as micoses de pele e
a Candidíase oral (sapinho) ou vaginal.
Exemplos de doenças causadas por vírus temos a Gripe,
Hepatites e a AIDS.
Como doenças bacterianas, os furúnculos, as amigdalites, as
cistites, as diarréias e as pneumonias causadas por estes
germes são alguns exemplos.
Assim, fica ilustrado que os microrganismos, também
chamados de agentes infecciosos, podem causar infecção.
Infecção é uma doença caracterizada pela presença de
agentes infecciosos que provocam danos em determinados
órgãos ou tecidos do nosso organismo causando febre, dor,
eritema
(vermelhidão),
edema
(inchaço),
alterações
sangüíneas (aumento do numero de leucócitos) e secreção
purulenta do local afetado, muitas vezes.
O nosso contato com microrganismos não significa
obrigatoriamente que desenvolveremos doenças, muito pelo
contrário, o homem, os animais e as plantas não apenas
convivem com os germes, mas dependem direta ou
indiretamente deles.
Todas as áreas da Terra, que reúnem condições de vida, são
habitadas por microrganismos e nós sempre convivemos com
eles; inclusive em nosso corpo, onde eles auxiliam na proteção
de nossa pele e mucosas contra a invasão de outros germes
mais nocivos.
O homem (hospedeiro) e os germes (parasitas) convivem em
pleno equilíbrio. Somente a quebra desta relação harmoniosa
poderá causar a doença.
A doença infecciosa é uma manifestação clínica de um
desequilíbrio no sistema parasito-hospedeiro-ambiente, causado
pelo aumento da patogenicidade do parasita em relação aos
mecanismos de defesa antiinfecciosa do hospedeiro, ou seja,
quebra-se a relação harmoniosa entre as defesas do nosso corpo
e o número e virulência dos germes, propiciando a invasão deles
nos órgãos do corpo.
Alguns microrganismos possuem virulência elevada podendo
causar infecção no primeiro contato, independente das nossas
defesas. Outros, usualmente encontrados na nossa microbiota
normal, não são tão virulentos, mas podem infectar o nosso
organismo se diminuímos a nossa capacidade de defesa.
A capacidade de defesa antiinfecciosa é multifatorial, pois é
influenciada pela nossa idade (bebês e idosos), estado
nutricional, doenças e cirurgias, stress, uso de corticóides,
quimioterapia, radioterapia, doenças imunossupressoras (HIV,
leucemia), fatores climáticos e precárias condições
de higiene e habitação.
O contato com os microrganismos começa com o nascimento,
durante a passagem pelo canal vaginal do parto, onde a criança
se contamina com os germes da mucosa vaginal e então se
coloniza mantendo-se por toda a sua existência, até a
decomposição total do organismo após a sua morte.
AS
I
ÉR
CT
A
B
Bactérias
As bactérias são microorganismos que podem sobreviver no
corpo humano, no ar, na água, no solo, mas não necessitam de
células vivas para a sua sobrevivência. As bactérias podem
multiplicar-se (dividir-se) muito rapidamente. Os antibióticos
podem, no entanto, matar essas bactérias, sendo assim
capazes de salvar vidas.
As bactérias causam doenças como:
-Pneumonia;
-Meningite;
-Infecções das feridas;
-Faringites e otites;
-Entre outras...
Algumas espécies de bactérias, quando submetidas a condições ambientais
desfavoráveis, como escassez de nutrientes ou de água, são capazes de
formar estruturas denominadas esporos, por um processo denominado
esporulação.
Um esporo resulta de desidratação da célula bacteriana e da formação de
uma parede grossa e resistente em todo o citoplasma desidratado. Dessa
forma, o esporo consegue suspender completamente a sua atividade
metabólica, sobrevivendo a situações adversas como calor intenso e falta de
água.
Uma das formas de eliminar definitivamente os esporos é a autoclavagem,
técnica pela qual materiais como roupas, alguns alimentos, instrumentos
hospitalares e laboratoriais são tratados com vapor de água em elevadas
temperaturas (acima de 120°C) durante um período de, no mínimo, 20
minutos, num aparelho denominado autoclave.
S
U
ÍR
V
S
U
ÍR
V
VÍRUS
Os vírus são muito menores que as bactérias e precisam de
células humanas vivas para sobreviverem (como um parasita).
Para se multiplicarem precisam penetrar numa célula viva.
Como? Ao “forçar” a célula a fazer uma cópia do vírus.
Posteriormente, a célula do hospedeiro é destruída e o vírus
começa a espalhar-se dentro do corpo humano. Os antibióticos
não são ativos contra os vírus.
Os vírus causam doenças como:
- Bronquite aguda;
- Gripe;
- A maioria das faringites e otites;
- Sarampo, Rubéola;
- Hepatite viral, SIDA, entre outras...
FUN
S

GO
Os fungos fazem parte do reino Fungi, que conta com
organismos encontrados em ambientes terrestres. Entre os
principais exemplos de fungos temos as leveduras, o mofo, os
bolores e os cogumelos.
Os fungos são organismos heterótrofos, que não produzem o
próprio alimento, e que dependem da ingestão de matéria
orgânica para sobreviver. Eles também são eucarióticos, pois
apresentam um só núcleo celular.
Com relação à reprodução, os fungos podem ser assexuados,
quando se reproduzem por brotamento, fragmentação ou
produção de esporos; e sexuados, com a reprodução entre
indivíduos de sexos distintos.
Os fungos são estruturas simples que podem ser encontradas
com características nocivas à saúde humana e também com
características de alimento e medicação para o homem.
P

OZ
ROT

IOS
OÁR
Os protozoários são seres unicelulares, mas, diferentemente
das bactérias, eles tem carioteca (cariomembrana, são
eucariontes). São complexos, com sistema reprodutor,
digestivo, de locomoção, produção de energia, etc), por isso,
por muitos anos, foram considerados “animais unicelulares”.
Eles ainda podem viver em colônias, sozinhos ou parasitando.
Podem ser encontrados em água doce, salgada, em terras
úmidas ou ainda dentro de outros seres. Seu modo de vida é
livre, mas alguns protozoários são parasitas, e podem causar
doenças ao homem.
Os flagelados são de vida livre e muitos deles são parasitas de
humanos, como:
Trichomonas vaginalis – fica alojado no aparelho reprodutor
humano, geralmente nas mulheres, na vagina. Provoca muita
coceira, ardência e corrimento, a Tricomoníase.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Sheilla Sandes
 
2. biossegurança
2. biossegurança2. biossegurança
2. biossegurança
Fredson Serejo
 
NR-32
NR-32NR-32
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
Gabriela Montargil
 
Gerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduosGerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduos
Julia Martins Ulhoa
 
Biossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúdeBiossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúde
Wheverton Teixeira
 
Acidentes por Material Biológico
Acidentes por Material BiológicoAcidentes por Material Biológico
Acidentes por Material Biológico
Professor Robson
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Patrícia Tuneli
 
Resíduos hospitalares
Resíduos hospitalaresResíduos hospitalares
Resíduos hospitalares
william vilhena
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
Rafaela Carvalho
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
fnanda
 
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticosAula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
SMS - Petrópolis
 
Higiene e profilaxia
Higiene e profilaxiaHigiene e profilaxia
Higiene e profilaxia
Soraya Lima
 
Princípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdfPrincípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdf
Rherysonn Pantoja
 
Higienização das mãos
Higienização das mãosHigienização das mãos
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
sergio oliveira
 
Aula 1 biossegurança e mais fundamentos
Aula 1   biossegurança e mais fundamentosAula 1   biossegurança e mais fundamentos
Aula 1 biossegurança e mais fundamentos
Marlon Vaughan
 
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
Gessyca Antonia
 
Higiene e profilaxia ii
Higiene e profilaxia iiHigiene e profilaxia ii
Higiene e profilaxia ii
Adriana Silva
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Centro Universitário Ages
 

Mais procurados (20)

Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
2. biossegurança
2. biossegurança2. biossegurança
2. biossegurança
 
NR-32
NR-32NR-32
NR-32
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
 
Gerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduosGerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduos
 
Biossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúdeBiossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúde
 
Acidentes por Material Biológico
Acidentes por Material BiológicoAcidentes por Material Biológico
Acidentes por Material Biológico
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Resíduos hospitalares
Resíduos hospitalaresResíduos hospitalares
Resíduos hospitalares
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
 
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticosAula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
 
Higiene e profilaxia
Higiene e profilaxiaHigiene e profilaxia
Higiene e profilaxia
 
Princípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdfPrincípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdf
 
Higienização das mãos
Higienização das mãosHigienização das mãos
Higienização das mãos
 
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
 
Aula 1 biossegurança e mais fundamentos
Aula 1   biossegurança e mais fundamentosAula 1   biossegurança e mais fundamentos
Aula 1 biossegurança e mais fundamentos
 
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
 
Higiene e profilaxia ii
Higiene e profilaxia iiHigiene e profilaxia ii
Higiene e profilaxia ii
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 

Destaque

Biossegurança parte 1
Biossegurança parte 1Biossegurança parte 1
Biossegurança parte 1
clinicansl
 
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Riscos biológicos
Riscos biológicosRiscos biológicos
Riscos biológicos
Filipa Andrade
 
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
74jc16
 
Biossegurana
BiosseguranaBiossegurana
Biossegurana
Claudio Cruz Santos
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
TVJur.com
 
Caso clínico aula dst corrimento (1)
Caso clínico aula dst corrimento (1)Caso clínico aula dst corrimento (1)
Caso clínico aula dst corrimento (1)
Inaiara Bragante
 
Ergonomia aula 1
Ergonomia   aula 1Ergonomia   aula 1
Ergonomia aula 1
Mari Ramondini
 
Biossegurança 3
Biossegurança 3Biossegurança 3
Biossegurança 3
drjeffersontst
 
Palestra os três pilares para uma vida saudável Senac sorocaba
Palestra os três pilares para uma vida saudável   Senac sorocabaPalestra os três pilares para uma vida saudável   Senac sorocaba
Palestra os três pilares para uma vida saudável Senac sorocaba
Leandro Sales
 
Antibiograma aula
Antibiograma aulaAntibiograma aula
Antibiograma aula
Ana Claudia Rodrigues
 
16057022 1242681113ergonomia
16057022 1242681113ergonomia16057022 1242681113ergonomia
16057022 1242681113ergonomia
Pelo Siro
 
Antibiograma
AntibiogramaAntibiograma
Antibiograma
MarjuCruz
 
Ergonomia nr-17
Ergonomia  nr-17Ergonomia  nr-17
Ergonomia nr-17
Andreia Cezar Pedreira
 
Integração de Ergonomia
Integração de Ergonomia Integração de Ergonomia
Integração de Ergonomia
EMS Indústria Farmacêutica
 
NR 17
NR 17NR 17
Nr – 17
Nr – 17Nr – 17
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Nr FláVio
Nr   FláVioNr   FláVio
Nr FláVio
guest45ed874
 
Resumo capitulo 13
Resumo capitulo 13Resumo capitulo 13
Resumo capitulo 13
Maria Dorvalina
 

Destaque (20)

Biossegurança parte 1
Biossegurança parte 1Biossegurança parte 1
Biossegurança parte 1
 
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
 
Riscos biológicos
Riscos biológicosRiscos biológicos
Riscos biológicos
 
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
 
Biossegurana
BiosseguranaBiossegurana
Biossegurana
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Caso clínico aula dst corrimento (1)
Caso clínico aula dst corrimento (1)Caso clínico aula dst corrimento (1)
Caso clínico aula dst corrimento (1)
 
Ergonomia aula 1
Ergonomia   aula 1Ergonomia   aula 1
Ergonomia aula 1
 
Biossegurança 3
Biossegurança 3Biossegurança 3
Biossegurança 3
 
Palestra os três pilares para uma vida saudável Senac sorocaba
Palestra os três pilares para uma vida saudável   Senac sorocabaPalestra os três pilares para uma vida saudável   Senac sorocaba
Palestra os três pilares para uma vida saudável Senac sorocaba
 
Antibiograma aula
Antibiograma aulaAntibiograma aula
Antibiograma aula
 
16057022 1242681113ergonomia
16057022 1242681113ergonomia16057022 1242681113ergonomia
16057022 1242681113ergonomia
 
Antibiograma
AntibiogramaAntibiograma
Antibiograma
 
Ergonomia nr-17
Ergonomia  nr-17Ergonomia  nr-17
Ergonomia nr-17
 
Integração de Ergonomia
Integração de Ergonomia Integração de Ergonomia
Integração de Ergonomia
 
NR 17
NR 17NR 17
NR 17
 
Nr – 17
Nr – 17Nr – 17
Nr – 17
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
 
Nr FláVio
Nr   FláVioNr   FláVio
Nr FláVio
 
Resumo capitulo 13
Resumo capitulo 13Resumo capitulo 13
Resumo capitulo 13
 

Semelhante a Biossegurança

Microrganismos
MicrorganismosMicrorganismos
Microrganismos
Joana Sousa
 
Sara, miriam e vivi (2)
Sara, miriam e vivi (2)Sara, miriam e vivi (2)
Sara, miriam e vivi (2)
Carla Gomes
 
O-que-sao-virus-bacterias-e-fungos@.pptx
O-que-sao-virus-bacterias-e-fungos@.pptxO-que-sao-virus-bacterias-e-fungos@.pptx
O-que-sao-virus-bacterias-e-fungos@.pptx
juniorjardim281
 
Microbiologia UNOPAR.pptx
Microbiologia UNOPAR.pptxMicrobiologia UNOPAR.pptx
Microbiologia UNOPAR.pptx
enfermeiraelainnechr
 
Micróbios e Vacinas
Micróbios e VacinasMicróbios e Vacinas
Micróbios e Vacinas
EasyWorkBlog
 
Microrganismos Oscar Couto_6º CF.pptx
Microrganismos Oscar Couto_6º CF.pptxMicrorganismos Oscar Couto_6º CF.pptx
Microrganismos Oscar Couto_6º CF.pptx
Maria Céu Santos
 
Os microorganismos (1)
Os microorganismos (1)Os microorganismos (1)
Os microorganismos (1)
Carla Gomes
 
Os microrganismos grelha
Os microrganismos grelhaOs microrganismos grelha
Os microrganismos grelha
Carla Gomes
 
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptxMicrorganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
Maria Céu Santos
 
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptxMicrorganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
Maria Céu Santos
 
Parasitologia.pptx
Parasitologia.pptxParasitologia.pptx
Parasitologia.pptx
IsadoraPereira32
 
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissãoParasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
IsadoraPereira32
 
Os microorganismos
Os microorganismosOs microorganismos
Os microorganismos
SESI 422 - Americana
 
Aula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdf
Aula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdfAula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdf
Aula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdf
yannesantos5
 
Microbiologia.pptx
Microbiologia.pptxMicrobiologia.pptx
Microbiologia.pptx
AndreyBenvindorosald
 
Apostila anvisa01
Apostila anvisa01Apostila anvisa01
Apostila anvisa01
Fabio Rodrigues Rodrigues
 
Apostila anvisa01
Apostila anvisa01Apostila anvisa01
Apostila anvisa01
MARCIO ALVES SILVA
 
Apostila anvisa01
Apostila anvisa01Apostila anvisa01
Apostila anvisa01
UFRPE
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
ProfDeboraCursinho
 
BIOSSEGURANÇA AULA 1.pptx
BIOSSEGURANÇA AULA 1.pptxBIOSSEGURANÇA AULA 1.pptx
BIOSSEGURANÇA AULA 1.pptx
FabricioCarvalho60
 

Semelhante a Biossegurança (20)

Microrganismos
MicrorganismosMicrorganismos
Microrganismos
 
Sara, miriam e vivi (2)
Sara, miriam e vivi (2)Sara, miriam e vivi (2)
Sara, miriam e vivi (2)
 
O-que-sao-virus-bacterias-e-fungos@.pptx
O-que-sao-virus-bacterias-e-fungos@.pptxO-que-sao-virus-bacterias-e-fungos@.pptx
O-que-sao-virus-bacterias-e-fungos@.pptx
 
Microbiologia UNOPAR.pptx
Microbiologia UNOPAR.pptxMicrobiologia UNOPAR.pptx
Microbiologia UNOPAR.pptx
 
Micróbios e Vacinas
Micróbios e VacinasMicróbios e Vacinas
Micróbios e Vacinas
 
Microrganismos Oscar Couto_6º CF.pptx
Microrganismos Oscar Couto_6º CF.pptxMicrorganismos Oscar Couto_6º CF.pptx
Microrganismos Oscar Couto_6º CF.pptx
 
Os microorganismos (1)
Os microorganismos (1)Os microorganismos (1)
Os microorganismos (1)
 
Os microrganismos grelha
Os microrganismos grelhaOs microrganismos grelha
Os microrganismos grelha
 
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptxMicrorganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
 
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptxMicrorganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
 
Parasitologia.pptx
Parasitologia.pptxParasitologia.pptx
Parasitologia.pptx
 
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissãoParasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
 
Os microorganismos
Os microorganismosOs microorganismos
Os microorganismos
 
Aula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdf
Aula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdfAula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdf
Aula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdf
 
Microbiologia.pptx
Microbiologia.pptxMicrobiologia.pptx
Microbiologia.pptx
 
Apostila anvisa01
Apostila anvisa01Apostila anvisa01
Apostila anvisa01
 
Apostila anvisa01
Apostila anvisa01Apostila anvisa01
Apostila anvisa01
 
Apostila anvisa01
Apostila anvisa01Apostila anvisa01
Apostila anvisa01
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
BIOSSEGURANÇA AULA 1.pptx
BIOSSEGURANÇA AULA 1.pptxBIOSSEGURANÇA AULA 1.pptx
BIOSSEGURANÇA AULA 1.pptx
 

Mais de clinicansl

Tabagismo 1
Tabagismo 1Tabagismo 1
Tabagismo 1
clinicansl
 
Doenças respiratorias
Doenças respiratoriasDoenças respiratorias
Doenças respiratorias
clinicansl
 
035 o nosso poder vem de dentro
035 o nosso poder vem de dentro035 o nosso poder vem de dentro
035 o nosso poder vem de dentro
clinicansl
 
Licao dos-gansospps
Licao dos-gansosppsLicao dos-gansospps
Licao dos-gansospps
clinicansl
 
O segredo (resumido)
O segredo (resumido)O segredo (resumido)
O segredo (resumido)
clinicansl
 
Sábios porcos espinhos
Sábios porcos espinhosSábios porcos espinhos
Sábios porcos espinhos
clinicansl
 
Tudo depende de_mim_chaplin_1_
Tudo depende de_mim_chaplin_1_Tudo depende de_mim_chaplin_1_
Tudo depende de_mim_chaplin_1_
clinicansl
 
Como minimizar o risco de ataque cardíaco
Como minimizar o  risco de ataque cardíacoComo minimizar o  risco de ataque cardíaco
Como minimizar o risco de ataque cardíaco
clinicansl
 
Equoterapia parte 1 1
Equoterapia parte 1 1Equoterapia parte 1 1
Equoterapia parte 1 1
clinicansl
 
Equoterapia parte 3
Equoterapia   parte 3Equoterapia   parte 3
Equoterapia parte 3
clinicansl
 
Equoterapia parte 2
Equoterapia   parte 2Equoterapia   parte 2
Equoterapia parte 2
clinicansl
 
Palestra has e dm
Palestra has e dmPalestra has e dm
Palestra has e dm
clinicansl
 
Fisioterapia
FisioterapiaFisioterapia
Fisioterapia
clinicansl
 
Modificações sistêmicas da gestação
Modificações sistêmicas da gestaçãoModificações sistêmicas da gestação
Modificações sistêmicas da gestação
clinicansl
 
Incontinência urinária fisioterapia
Incontinência urinária fisioterapiaIncontinência urinária fisioterapia
Incontinência urinária fisioterapia
clinicansl
 
Primerios socorros
Primerios socorrosPrimerios socorros
Primerios socorros
clinicansl
 
Vida o maior de todos os presentes
Vida   o maior de todos os presentesVida   o maior de todos os presentes
Vida o maior de todos os presentes
clinicansl
 
Entendendoodiabetes
EntendendoodiabetesEntendendoodiabetes
Entendendoodiabetes
clinicansl
 
Celebrar a vida
Celebrar a vidaCelebrar a vida
Celebrar a vida
clinicansl
 
Bebes 1
Bebes 1 Bebes 1
Bebes 1
clinicansl
 

Mais de clinicansl (20)

Tabagismo 1
Tabagismo 1Tabagismo 1
Tabagismo 1
 
Doenças respiratorias
Doenças respiratoriasDoenças respiratorias
Doenças respiratorias
 
035 o nosso poder vem de dentro
035 o nosso poder vem de dentro035 o nosso poder vem de dentro
035 o nosso poder vem de dentro
 
Licao dos-gansospps
Licao dos-gansosppsLicao dos-gansospps
Licao dos-gansospps
 
O segredo (resumido)
O segredo (resumido)O segredo (resumido)
O segredo (resumido)
 
Sábios porcos espinhos
Sábios porcos espinhosSábios porcos espinhos
Sábios porcos espinhos
 
Tudo depende de_mim_chaplin_1_
Tudo depende de_mim_chaplin_1_Tudo depende de_mim_chaplin_1_
Tudo depende de_mim_chaplin_1_
 
Como minimizar o risco de ataque cardíaco
Como minimizar o  risco de ataque cardíacoComo minimizar o  risco de ataque cardíaco
Como minimizar o risco de ataque cardíaco
 
Equoterapia parte 1 1
Equoterapia parte 1 1Equoterapia parte 1 1
Equoterapia parte 1 1
 
Equoterapia parte 3
Equoterapia   parte 3Equoterapia   parte 3
Equoterapia parte 3
 
Equoterapia parte 2
Equoterapia   parte 2Equoterapia   parte 2
Equoterapia parte 2
 
Palestra has e dm
Palestra has e dmPalestra has e dm
Palestra has e dm
 
Fisioterapia
FisioterapiaFisioterapia
Fisioterapia
 
Modificações sistêmicas da gestação
Modificações sistêmicas da gestaçãoModificações sistêmicas da gestação
Modificações sistêmicas da gestação
 
Incontinência urinária fisioterapia
Incontinência urinária fisioterapiaIncontinência urinária fisioterapia
Incontinência urinária fisioterapia
 
Primerios socorros
Primerios socorrosPrimerios socorros
Primerios socorros
 
Vida o maior de todos os presentes
Vida   o maior de todos os presentesVida   o maior de todos os presentes
Vida o maior de todos os presentes
 
Entendendoodiabetes
EntendendoodiabetesEntendendoodiabetes
Entendendoodiabetes
 
Celebrar a vida
Celebrar a vidaCelebrar a vida
Celebrar a vida
 
Bebes 1
Bebes 1 Bebes 1
Bebes 1
 

Último

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 

Último (20)

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 

Biossegurança

  • 3. O significado da palavra biossegurança, pode ser entendido por seus componentes: Bio (do grego bios) significa vida; Segurança se refere à qualidade de ser ou estar seguro, protegido, livre de riscos ou de perigo. Portanto, biossegurança refere-se à vida protegida, preservada, livre de danos, perigo ou risco.
  • 4. • A biossegurança é um processo funcional e operacional de fundamental importância em serviços de saúde, não só por abordar medidas de Controle de Infecções para proteção da equipe de assistência e usuários em saúde, mas por ter um papel fundamental na promoção da consciência sanitária, na comunidade onde atua, da importância da preservação do meio ambiente na manipulação e no descarte de resíduos químicos, tóxicos e infectantes e da redução geral de riscos à saúde e acidentes ocupacionais.
  • 5. ALGUMAS DEFINIÇÕES... •Aerossóis: Gotas de líquidos dispersas no ar; •Anti-Séptico: Agente químico ou físico utilizado para desinfecção de tecido vivo, capaz de destruir ou inibir o crescimento de micro-organismos na área aplicada; •Desinfecção: Destruição ou inibição do crescimento de microorganismos patógenos não esporulados ou em estado vegetativo, de superfícies; •Descontaminação: destruição ou remoção(total ou parcial) de microorganismos dos artigos e superfícies;
  • 6. Esterilização: processo de destruição de todos os microorganismos, incluindo os esporos; Limpeza: processo de remoção de sujidade; Sanitização: processo destinado à redução da matéria das bactérias patogênicas presentes; Substâncias Infectantes: são apresentações que contem microorganismos viáveis (tais como: bactérias, vírus, parasitas, fungos ou microorganismos recombinantes, híbrido ou mutante) sabidamente capazes de provocar doença ao homem ou animais
  • 7. Riscos Biológicos: São riscos aos trabalhadores causados por agentes biológicos potencialmente patogênicos ou por partes destes. Riscos Químicos: são os riscos de produtos químicos perigosos a que os trabalhadores estão expostos durante a jornada de trabalho. Riscos Ergonômicos: São aqueles que podem causar estresse, esforços físicos intensos e tarefas extenuantes e repetitivas. Aspectos Ambientais: Elementos ou produtos ou serviços de uma organização que pode interagir com o meio Ambiente; Impacto Ambiental: Qualquer modificação do meio ambiente, adversa ou benéfica, que resulte, no todo ou em parte, dos aspectos ambientais da organização;
  • 8. OS GERMES E A ORIGEM DAS INFECÇÕES
  • 9. Os germes são seres vivos infinitamente pequenos, não sendo possível vê-los a olho nú. Para serem visualizados, precisamos da ajuda de um microscópio. Por isso são chamados de microrganismos ou micróbios = micro (pequeno) bio (vida). Estes micróbios são classificados em: - protozoários - fungos - vírus - bactérias
  • 10. Como exemplo de doenças causadas por protozoários temos a Giardíase, doença intestinal que causa diarréia, a Doença de Chagas causada pelo trypanossoma ou a Toxoplasmose, doença transmitida pelo gato ou carne mal cozida de porco e carneiro contaminados. Das doenças causadas por fungos, temos as micoses de pele e a Candidíase oral (sapinho) ou vaginal. Exemplos de doenças causadas por vírus temos a Gripe, Hepatites e a AIDS. Como doenças bacterianas, os furúnculos, as amigdalites, as cistites, as diarréias e as pneumonias causadas por estes germes são alguns exemplos.
  • 11. Assim, fica ilustrado que os microrganismos, também chamados de agentes infecciosos, podem causar infecção. Infecção é uma doença caracterizada pela presença de agentes infecciosos que provocam danos em determinados órgãos ou tecidos do nosso organismo causando febre, dor, eritema (vermelhidão), edema (inchaço), alterações sangüíneas (aumento do numero de leucócitos) e secreção purulenta do local afetado, muitas vezes.
  • 12. O nosso contato com microrganismos não significa obrigatoriamente que desenvolveremos doenças, muito pelo contrário, o homem, os animais e as plantas não apenas convivem com os germes, mas dependem direta ou indiretamente deles. Todas as áreas da Terra, que reúnem condições de vida, são habitadas por microrganismos e nós sempre convivemos com eles; inclusive em nosso corpo, onde eles auxiliam na proteção de nossa pele e mucosas contra a invasão de outros germes mais nocivos. O homem (hospedeiro) e os germes (parasitas) convivem em pleno equilíbrio. Somente a quebra desta relação harmoniosa poderá causar a doença.
  • 13. A doença infecciosa é uma manifestação clínica de um desequilíbrio no sistema parasito-hospedeiro-ambiente, causado pelo aumento da patogenicidade do parasita em relação aos mecanismos de defesa antiinfecciosa do hospedeiro, ou seja, quebra-se a relação harmoniosa entre as defesas do nosso corpo e o número e virulência dos germes, propiciando a invasão deles nos órgãos do corpo. Alguns microrganismos possuem virulência elevada podendo causar infecção no primeiro contato, independente das nossas defesas. Outros, usualmente encontrados na nossa microbiota normal, não são tão virulentos, mas podem infectar o nosso organismo se diminuímos a nossa capacidade de defesa.
  • 14. A capacidade de defesa antiinfecciosa é multifatorial, pois é influenciada pela nossa idade (bebês e idosos), estado nutricional, doenças e cirurgias, stress, uso de corticóides, quimioterapia, radioterapia, doenças imunossupressoras (HIV, leucemia), fatores climáticos e precárias condições de higiene e habitação. O contato com os microrganismos começa com o nascimento, durante a passagem pelo canal vaginal do parto, onde a criança se contamina com os germes da mucosa vaginal e então se coloniza mantendo-se por toda a sua existência, até a decomposição total do organismo após a sua morte.
  • 16. Bactérias As bactérias são microorganismos que podem sobreviver no corpo humano, no ar, na água, no solo, mas não necessitam de células vivas para a sua sobrevivência. As bactérias podem multiplicar-se (dividir-se) muito rapidamente. Os antibióticos podem, no entanto, matar essas bactérias, sendo assim capazes de salvar vidas. As bactérias causam doenças como: -Pneumonia; -Meningite; -Infecções das feridas; -Faringites e otites; -Entre outras...
  • 17. Algumas espécies de bactérias, quando submetidas a condições ambientais desfavoráveis, como escassez de nutrientes ou de água, são capazes de formar estruturas denominadas esporos, por um processo denominado esporulação. Um esporo resulta de desidratação da célula bacteriana e da formação de uma parede grossa e resistente em todo o citoplasma desidratado. Dessa forma, o esporo consegue suspender completamente a sua atividade metabólica, sobrevivendo a situações adversas como calor intenso e falta de água. Uma das formas de eliminar definitivamente os esporos é a autoclavagem, técnica pela qual materiais como roupas, alguns alimentos, instrumentos hospitalares e laboratoriais são tratados com vapor de água em elevadas temperaturas (acima de 120°C) durante um período de, no mínimo, 20 minutos, num aparelho denominado autoclave.
  • 19. VÍRUS Os vírus são muito menores que as bactérias e precisam de células humanas vivas para sobreviverem (como um parasita). Para se multiplicarem precisam penetrar numa célula viva. Como? Ao “forçar” a célula a fazer uma cópia do vírus. Posteriormente, a célula do hospedeiro é destruída e o vírus começa a espalhar-se dentro do corpo humano. Os antibióticos não são ativos contra os vírus. Os vírus causam doenças como: - Bronquite aguda; - Gripe; - A maioria das faringites e otites; - Sarampo, Rubéola; - Hepatite viral, SIDA, entre outras...
  • 21. Os fungos fazem parte do reino Fungi, que conta com organismos encontrados em ambientes terrestres. Entre os principais exemplos de fungos temos as leveduras, o mofo, os bolores e os cogumelos. Os fungos são organismos heterótrofos, que não produzem o próprio alimento, e que dependem da ingestão de matéria orgânica para sobreviver. Eles também são eucarióticos, pois apresentam um só núcleo celular. Com relação à reprodução, os fungos podem ser assexuados, quando se reproduzem por brotamento, fragmentação ou produção de esporos; e sexuados, com a reprodução entre indivíduos de sexos distintos. Os fungos são estruturas simples que podem ser encontradas com características nocivas à saúde humana e também com características de alimento e medicação para o homem.
  • 23. Os protozoários são seres unicelulares, mas, diferentemente das bactérias, eles tem carioteca (cariomembrana, são eucariontes). São complexos, com sistema reprodutor, digestivo, de locomoção, produção de energia, etc), por isso, por muitos anos, foram considerados “animais unicelulares”. Eles ainda podem viver em colônias, sozinhos ou parasitando. Podem ser encontrados em água doce, salgada, em terras úmidas ou ainda dentro de outros seres. Seu modo de vida é livre, mas alguns protozoários são parasitas, e podem causar doenças ao homem. Os flagelados são de vida livre e muitos deles são parasitas de humanos, como: Trichomonas vaginalis – fica alojado no aparelho reprodutor humano, geralmente nas mulheres, na vagina. Provoca muita coceira, ardência e corrimento, a Tricomoníase.