SlideShare uma empresa Scribd logo
Placa dentária e/ou biofilme dentário bacterianos Aula 6 10/11/2009 Placa dentária
Programa Biota da cavidade bucal; biofilmes; desenvolvimento da placa. Agentes antiplaca: Antibióticos, oxigenadores, halógenos, fluoretos, sanguinarina, bis-biguanidas. Microbiota da placa dental e sua relação com doenças sistêmicas. 10/11/2009 Placa dentária
Biota da cavidade bucal 10/11/2009 Bactéria Fissuras Dentes proximais Fendas gengivais Streptococcus 8 – 86 <1 – 70 2 – 73 Actinomyces 0 – 46  4.81 10.63 Anaeróbicas Gram-positivas 0 – 21 0 – 6 0 – 37 Neisseria 0 0 – 44 0 – 2 Veillonella 0 – 44 0 – 59 0 – 5 Anaeróbicas Gram-negativas 0 0 – 66 8 – 20
Biota da cavidade bucal e placa “ A placa bacteriana consiste numa deposição bacteriana não-mineralizada, que se forma sobre os dentes inadequadamente limpos, podendo ainda ser descrita como uma massa bacteriana ou microbiana associada aos dentes” (Teles e Falcão, 2006) A placa pode ser entendia como um  biofilme . 10/11/2009
Biofilmes Um biofilme é um agregado de microorganismos no qual as células aderem umas às outras e/ou a uma superfície. 10/11/2009 Placa dentária
Mecanismos de formação de biofilmes As células de um biofilme aderem a uma matriz extracelular auto-produzida de substância polimérica (EPS). O EPS é uma mixórdia polimérica de DNA, proteínas e polissacarídeos. A microbiota forma um biofilme em resposta a diversos fatores, incluindo o reconhecimento celular de sítios de adesão específicos e não-específicos em uma superfície, pistas nutricionais, ou exposição a concentrações sub-inibitórias de antibióticos. Quando uma célula muda para o “modo biofilme” de crescimento, muda seu fenótipo, regulando diferencialmente uma grande quantidade de genes. 10/11/2009
Mecanismos de formação dos biofilmes A formação do biofilme inicia-se com a adesão de microorganismos livres a uma superfície por forças de van der Waals. Se esses primeiros colonizadores não forem separados da superfície imediatamente, eles ancoram-se de forma mais permanente usando estruturas de adesão celular, como pilos. Os primeiros colonizadores facilitam a adesão de novas células, provendo sítios de adesão específicos e iniciando a construção da matriz que irá sustentar o biofilme. Durante a colonização, as células comunicam-se por autoindução (“detecção de quórum”), um mecanismo de controle de expressão gênica dependente da densidade celular; a principal classe de moléculas de sinalização são as  lactonas n-acil homoserinas . A fase final da formação de biofilmes é conhecida como desenvolvimento, e permite que as células que os compõem tornem-se resistentes a antibióticos. Biofilmes não podem ser destruídos por desinfetantes, antibióticos ou por fagócitos do sistema imune .
Biofilme dentário bacteriano A microbiota da placa é uma fonte de diversos produtos nocivos, prejudiciais aos dentes (p. ex., ácidos orgânicos) e ao periodonto (p. ex., amônia, sulfeto de hidrogênio, metilmercaptano, aminas tóxicas, rpoteases, hialuronidases, condrotina sulfatase e  β -glucuronidase). As bactérias da placa induzem mediadores da inflamação (prostaglandinas, citocinas, metaloproteinases) e liberam endotoxinas e antígenos bacterianos. Diversas células mortas são encontradas na superfície da placa, podendo se descolar e proteger a microbiota interna dos agentes antimicrobianos. Essas células também podem ativar os receptores imunológicos do hospedeiro, levando a reações imunológicas e inflamatórias crônicas. 10/11/2009
Placa específica e placa inespecífica Apenas certos microorganismos da microbiota total causam doenças. Streptococcus mutans  e  Streptococcus sobrinus  estão relacionados à cárie dentária. Porphyromonas gingivalis, Prevotella intermedia, Prevotella intermedia, Bacteroides forsythus, Eikenella corrodens, Fusobacterium nucleatum, Actinobacillus actinomycetemcomitans, Peptostreptococcus micros, Campylobacter rectus  e espiroquetas estão relacionadas à doença periodontal. Os microorganismos periodontopatogênicos localizam-se nas camadas mais internas e em regiões próximas ao sulco gengival, por causa da menor tensão de oxigênio nesses locais. Os microorganismos cariogênicos localizam-se em regiões mais superficiais, supragengivalmente. 10/11/2009
Periodontite O termo “periodontite” refere-se a uma série de doenças inflamatórias associadas ao tecido que cerca e apóia os dentes. Envolve a perda progressiva do osso alveolar à volta do dente, levando à perda dos dentes. Pode ser causada pelos mediadores da inflamação liberados pela placa. 10/11/2009
Agentes antiplaca “ O comportamento biológico de determinado evento passível de controle ou cura baseado em evidências científicas está longe de ser alcançado no controle da placa ou biofilme” (Teles e Falcão, 2006). Não existem evidências de relação linear entre quantidade de placa e gravidade das doenças bucais, por 3 motivos: Os escores de placa não levam em consideração os componentes periodontopatogênicos e cariogênicos específicos da placa. Os índices utilizados para avaliar a higiene bucal baseiam-se na extensão da superfície ou na espessura da placa. Os índices de placa não consideram a porção subgengival. 10/11/2009
Agentes antiplaca Kornman propôs a classificação dos agentes antiplaca em dois grupos: claramente eficazes e possivelmente eficazes. Os agentes que preenchem o critério de “claramente eficazes” são as bis-biguanidas (p. ex., clorexidina). Agentes presentes em diversos colutórios, como óleos essenciais e fenóis, compostos de amônio quaternário, cloreto de zinco com sanguinarina ou triclosan, ou cloreto estanhoso, são “possivelmente eficazes”. Além de ser “claramente eficaz”, um agente antiplaca também deve apresentar  segurança ,  especificidade, substantividade , e  ausência de resistência induzida à droga. 10/11/2009
Glucuronato de clorexidina Agente bactericida que elimina micróbios gram-positivos e gram-negativos. Efeito bacteriostático a alguns micróbios gram-negativos. Inibe a síntese da parede celular. 10/11/2009
Terapia antimicrobiana da placa Os inibidores da síntese da parede celular e inibidores da síntese protéica (penicilina, tetraciclinas e eritromicina) parecem ser os antimicrobianos mais eficazes no controle da placa. A penicilina e a eritromicina podem resultar em resistência antimicrobiana tópica ou sistêmica. As tetraciclinas, teoricamente, podem ser eficazes se aplicadas em sistemas controlados de administração de forma a mantê-la ativa por um período prolongado na profundidade da bolsa. Vancomicina (inibidor da síntese da parede celular) e canamicina (inibidor da síntese protéica) produziram resultados não-concludentes sobre formação de placa, cárie e gengivite. 10/11/2009
Um bacteriófago é um vírus que infecta bactérias; são compostos de um cápside protéico que contém material genético (ssRNA, dsRNA, ssDNA ou dsDNA). A maior parte da pesquisa sobre o uso terapêutico de bacteriófagos foi feita na antiga URSS, e ainda é inacessível no Ocidente devido à barreira lingüística. 10/11/2009
Terapia com bacteriófagos 10/11/2009
Vantagens e desvantagens no uso de bacteriófagos Bacteriófagos são mais bem-sucedidos do que antibióticos em infecções associadas a biofilmes cobertos por uma camada de polissacarídeos, onde os antibióticos tem pouca penetração. A alta especificidade dos bacteriófagos pode ser uma barreira para o seu uso no tratamento da placa, devido à grande quantidade de organismos cariogênicos e periodontopatogênicos. 10/11/2009
Cariogênese A cárie dental é definida como a destruição localizada dos tecidos locais, causada pela ação das bactérias. Associada à desmineralização dos tecidos dentais (esmalte, dentina ou cimento), causada por ácidos produzidos pela fermentação bacteriana dos carboidratos da dieta. 2 etapas: Início/estabelecimento de lesões de cárie ( S. mutans ). Progressão de lesões de cárie estabelecidas ( Lactobacillus  e  Candida albicans ). 10/11/2009
Teoria acidogênica da cárie Os microorganismos acidogênicos decompõem açúcares em ácidos, que iniciam a dissolução do esmalte dentário. Ca 10 (PO 4 ) 6  – (OH) 2     3Ca 3 (PO 4 ) 2 3Ca 3 (PO 4 ) 2    6CaHPO 4 Após a dissolução do esmalte, microorganismos proteolíticos se instalam na lesão inicial e atacam a matriz protéica do esmalte, resultando em aminoácidos, hidroxiácidos, cetoácidos, ácido acético e ácido sulfúrico. Proteases    R – CH – NH 2  – COOH R – H – NH2 – COOH    ácidos 10/11/2009
Teoria proteolítica Ataque inicial pelas enzimas proteolíticas elaboradas pelos microorganismos que penetram nas lamelas e fendas do esmalte, seguida de produção de ácidos que descalcificam o esmalte. Proteases    R – CH – NH 2  – COOH R – H – NH2 – COOH    ácidos Ca 10 (PO 4 ) 6  – (OH) 2     3Ca 3 (PO 4 ) 2 3Ca 3 (PO 4 ) 2    6CaHPO 4 10/11/2009
10/11/2009
Ainda que a placa esteja ligada à cariogênese, o uso de clorexidina na prevenção das cáries é controverso. A clorexidina produz um efeito pequeno em  S. mutans , o que provavelmente reflete uma recolonização da superfície porque a biodisponibilidade oral da clorexidina, a partir de colutórios, é baixa. O uso prolongado de clorexidina em concentrações maiores do que 0,12% pode causar manchas na dentição e em restaurações, e alterar o paladar – o que limita o uso em concentrações que seriam mais efetivas. A clorexidina é neutralizada por aditivos comuns de pastas de dente, como o sódio lauril sulfato e o sódio monofluorofosfato. 10/11/2009
Flúor odontológico O flúor (F 2 ) liga-se a cristais de hidroxiapatita no esmalte dentário; reduz a solubilidade do esmalte por ação dinâmica no meio líquido. O flúor, aplicado topicamente, também inibe as reações enzimáticas da glicólise e do transporte da glicose nas células, podendo gerar um efeito antimicrobiano. A quantidade de Ca 2 F formada sobre o esmalte é função direta da concentração de flúor e inversa ao pH local. 10/11/2009
Relação da microbiota da placa dental com doenças sistêmicas Endocardite infecciosa:  Infecção bacteriana das válvulas cardíacas que pode ser congênita ou resultar de uso de prótese valvular ou do tecido cardíaco circunvizinho. Pode ser causada por uma grande quantidade de microorganismos, dos quais se destacam  Streptococcus viridans,   Staphylococcus aureus  e  Actinobacillus actinomycetemcomitans . 10/11/2009
Profilaxia de transtornos cardíacos na prática da dentístrica 10/11/2009 Categoria de alto risco Categoria de risco moderado Risco desprezível Válvulas cardíacas prostéticas Histórico de endocardite bacterial Doença cardíaca cianótica congênita Fístulas pulmonares cirurgicamente construídas A maioria das má-formações cardíacas congênitas. Disfunções valvulares adquiridas Cardiomiopatia hipertrófica Prolapso da válvula mitral com regurgitação e/ou engrossamente das válvulas Defeito septal atrial isolado Reparo cirúrgico do defeito septal atrial, defeito septal ventricular ou duto arterioso por mais de seis meses. Cirurgia de implante de tecido em artéria coronária. Sopro. Febre reumática sem disfunção valvular Marcapassos cardíacos Defibriladores implantados.
Procedimentos recomendados de profilaxia Regime-padrão para pacientes em risco: Pacientes não-alérgicos: amoxicilina 3.0 g oralmente, uma hora antes do procedimento e então 1.5 g seis horas após a dose inicial. Pacientes alérgicos à penicilina / ampicilina / amoxicilina: Etilsuccinato de eritromicina 800 mg ou estearato de eritromicina 1.0 g oralmente, 2 horas antes do procedimento e ½ da dose 6 horas após a administração oral; clindamicina 300 mg oralmente, 1 hora antes do procedimento e 150 mg 6 horas após o procedimento. Regime alternativo Para pacientes que não podem tomar medicação v. o., não-alérgicos: ampicilina 2.0 g i. v. ou i. m. 30 minutos antes do procedimento, 1.0 g i. v. 6 horas após a dose inicial. Para pacientes que não podem tomar medicação v. o., alérgicos: Clindamicina 300 mg i. v. 30 minutos antes do procedimento, e 150 mg i. v. 6 horas após o procedimento. Regime para pacientes de alto risco Pacientes não-alérgicos: Ampicilina 2.0 g i. v. ou i.m. MAIS gentamicina 1.5 mg/kg i. v. ou i. m., 30 minutos antes do procedimento, seguido de 1.5 g de amoxicilina, oralmente, 6 horas após o procedimento. Pacientes alérgicos: Vancomicina 1.0 g i. v. administrada durante uma hora, iniciando-se uma hora antes do procedimento. 01/09/2009 Introdução ao sistema cardiovascular

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cerâmicas Odontológicas
Cerâmicas OdontológicasCerâmicas Odontológicas
Cerâmicas Odontológicas
Marcos Paulo Hutchison
 
doença periodontal
doença periodontaldoença periodontal
doença periodontal
Priscila Freitas
 
Anatomia do periodonto
Anatomia do periodontoAnatomia do periodonto
Anatomia do periodonto
andressaElopes
 
Periodontia
PeriodontiaPeriodontia
Periodontia
Oyara Mello
 
Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.
Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.
Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.
Cristhiane Amaral
 
Traumatismo dental em Odontopediatria
Traumatismo dental em OdontopediatriaTraumatismo dental em Odontopediatria
Traumatismo dental em Odontopediatria
Flavio Salomao-Miranda
 
Desvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Desvendando o Tratamento Restaurador AtraumáticoDesvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Desvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Flavio Salomao-Miranda
 
Resumo ppr
Resumo pprResumo ppr
Resumo ppr
Felipe Silva
 
Considerações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese TotalConsiderações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese Total
Italo Gabriel
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
profguilhermeterra
 
Endodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes DeciduosEndodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes Deciduos
Flavio Salomao-Miranda
 
Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentística
profguilhermeterra
 
Seminario micro geral_biofilmes
Seminario micro geral_biofilmesSeminario micro geral_biofilmes
Seminario micro geral_biofilmes
MICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
Posicionamento e oclusão dental
Posicionamento e oclusão dentalPosicionamento e oclusão dental
Posicionamento e oclusão dental
Thiara Cerqueira
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulpar
profguilhermeterra
 
Controle mecanico de placa bacteriana
Controle mecanico de placa bacterianaControle mecanico de placa bacteriana
Controle mecanico de placa bacteriana
Helane Davi
 
Microbiota bucal 2014
Microbiota bucal 2014Microbiota bucal 2014
Microbiota bucal 2014
Dr.João Calais.:
 
Exames complementares
Exames complementaresExames complementares
Exames complementares
Ramon Mendes
 
Coroas Provisórias
Coroas ProvisóriasCoroas Provisórias
Coroas Provisórias
Leidy Any
 
Cirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em OdontopediatriaCirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em Odontopediatria
Flavio Salomao-Miranda
 

Mais procurados (20)

Cerâmicas Odontológicas
Cerâmicas OdontológicasCerâmicas Odontológicas
Cerâmicas Odontológicas
 
doença periodontal
doença periodontaldoença periodontal
doença periodontal
 
Anatomia do periodonto
Anatomia do periodontoAnatomia do periodonto
Anatomia do periodonto
 
Periodontia
PeriodontiaPeriodontia
Periodontia
 
Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.
Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.
Exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento em odontopediatria.
 
Traumatismo dental em Odontopediatria
Traumatismo dental em OdontopediatriaTraumatismo dental em Odontopediatria
Traumatismo dental em Odontopediatria
 
Desvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Desvendando o Tratamento Restaurador AtraumáticoDesvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Desvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
 
Resumo ppr
Resumo pprResumo ppr
Resumo ppr
 
Considerações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese TotalConsiderações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese Total
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
 
Endodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes DeciduosEndodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes Deciduos
 
Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentística
 
Seminario micro geral_biofilmes
Seminario micro geral_biofilmesSeminario micro geral_biofilmes
Seminario micro geral_biofilmes
 
Posicionamento e oclusão dental
Posicionamento e oclusão dentalPosicionamento e oclusão dental
Posicionamento e oclusão dental
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulpar
 
Controle mecanico de placa bacteriana
Controle mecanico de placa bacterianaControle mecanico de placa bacteriana
Controle mecanico de placa bacteriana
 
Microbiota bucal 2014
Microbiota bucal 2014Microbiota bucal 2014
Microbiota bucal 2014
 
Exames complementares
Exames complementaresExames complementares
Exames complementares
 
Coroas Provisórias
Coroas ProvisóriasCoroas Provisórias
Coroas Provisórias
 
Cirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em OdontopediatriaCirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em Odontopediatria
 

Semelhante a aula 6 - CF2

Cárie dentaria.ppt
Cárie dentaria.pptCárie dentaria.ppt
Cárie dentaria.ppt
Basilio4
 
Periodontite - Fatores Etiológicos, Sintomas e Tratamento - Concurso Odontologia
Periodontite - Fatores Etiológicos, Sintomas e Tratamento - Concurso OdontologiaPeriodontite - Fatores Etiológicos, Sintomas e Tratamento - Concurso Odontologia
Periodontite - Fatores Etiológicos, Sintomas e Tratamento - Concurso Odontologia
André Milioli Martins
 
ODONTO - DOENÇA PERIODONTAL EM CÃES –.pdf
ODONTO - DOENÇA PERIODONTAL EM CÃES –.pdfODONTO - DOENÇA PERIODONTAL EM CÃES –.pdf
ODONTO - DOENÇA PERIODONTAL EM CÃES –.pdf
JoyceMarlonYuri
 
controledebiofilme2blog-130811105057-phpapp02.pdf
controledebiofilme2blog-130811105057-phpapp02.pdfcontroledebiofilme2blog-130811105057-phpapp02.pdf
controledebiofilme2blog-130811105057-phpapp02.pdf
JessikaFreireMidlejL
 
Biofilmes_2018_Noturno.pdf
Biofilmes_2018_Noturno.pdfBiofilmes_2018_Noturno.pdf
Biofilmes_2018_Noturno.pdf
larissa413953
 
Uso de antimicrobianos ... 2ª rev 22-03-07
Uso de antimicrobianos ... 2ª rev  22-03-07Uso de antimicrobianos ... 2ª rev  22-03-07
Uso de antimicrobianos ... 2ª rev 22-03-07
Heitor Silva
 
41 49-biofilmes - eficácia de agentes antimicrobianos em biofilmes para o con...
41 49-biofilmes - eficácia de agentes antimicrobianos em biofilmes para o con...41 49-biofilmes - eficácia de agentes antimicrobianos em biofilmes para o con...
41 49-biofilmes - eficácia de agentes antimicrobianos em biofilmes para o con...
oligomax2009
 
Placa_Bacteriana_ou_Biofilme_Dental.pptx
Placa_Bacteriana_ou_Biofilme_Dental.pptxPlaca_Bacteriana_ou_Biofilme_Dental.pptx
Placa_Bacteriana_ou_Biofilme_Dental.pptx
leticiazaine1304
 
Aula 1-ecologia-e-biofilmes-
Aula 1-ecologia-e-biofilmes-Aula 1-ecologia-e-biofilmes-
Aula 1-ecologia-e-biofilmes-
Barbara Caroline Spindola
 
Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da bocaRepercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
Renato Varges - UFF
 
Propagação das Infecções Dentárias
Propagação das Infecções DentáriasPropagação das Infecções Dentárias
Propagação das Infecções Dentárias
Raphael Machado
 
87 318-1-pb
87 318-1-pb87 318-1-pb
87 318-1-pb
Caroline Augusta
 
Biofilme
BiofilmeBiofilme
Biofilme
BiofilmeBiofilme
Apresentação SLIDES DE - Staphylococcus.pptx
Apresentação SLIDES DE - Staphylococcus.pptxApresentação SLIDES DE - Staphylococcus.pptx
Apresentação SLIDES DE - Staphylococcus.pptx
IngridEvelyn4
 
Odontologia cariologia
Odontologia   cariologiaOdontologia   cariologia
Odontologia cariologia
Carol Sampaio
 
Estrutura dos dentes
Estrutura dos dentesEstrutura dos dentes
Estrutura dos dentes
Josianne Oliveira
 
Patogênese da Cárie
Patogênese da CáriePatogênese da Cárie
Patogênese da Cárie
Raphael Machado
 
Resposta do Complexo Dentino-Pulpar a Agentes Agressores - Concurso Odontolog...
Resposta do Complexo Dentino-Pulpar a Agentes Agressores - Concurso Odontolog...Resposta do Complexo Dentino-Pulpar a Agentes Agressores - Concurso Odontolog...
Resposta do Complexo Dentino-Pulpar a Agentes Agressores - Concurso Odontolog...
Odontologia Com André
 
cÁRIE E INFILTRANTE RESINOSO.pdf
cÁRIE E INFILTRANTE RESINOSO.pdfcÁRIE E INFILTRANTE RESINOSO.pdf
cÁRIE E INFILTRANTE RESINOSO.pdf
KeilaOliveiraInacio1
 

Semelhante a aula 6 - CF2 (20)

Cárie dentaria.ppt
Cárie dentaria.pptCárie dentaria.ppt
Cárie dentaria.ppt
 
Periodontite - Fatores Etiológicos, Sintomas e Tratamento - Concurso Odontologia
Periodontite - Fatores Etiológicos, Sintomas e Tratamento - Concurso OdontologiaPeriodontite - Fatores Etiológicos, Sintomas e Tratamento - Concurso Odontologia
Periodontite - Fatores Etiológicos, Sintomas e Tratamento - Concurso Odontologia
 
ODONTO - DOENÇA PERIODONTAL EM CÃES –.pdf
ODONTO - DOENÇA PERIODONTAL EM CÃES –.pdfODONTO - DOENÇA PERIODONTAL EM CÃES –.pdf
ODONTO - DOENÇA PERIODONTAL EM CÃES –.pdf
 
controledebiofilme2blog-130811105057-phpapp02.pdf
controledebiofilme2blog-130811105057-phpapp02.pdfcontroledebiofilme2blog-130811105057-phpapp02.pdf
controledebiofilme2blog-130811105057-phpapp02.pdf
 
Biofilmes_2018_Noturno.pdf
Biofilmes_2018_Noturno.pdfBiofilmes_2018_Noturno.pdf
Biofilmes_2018_Noturno.pdf
 
Uso de antimicrobianos ... 2ª rev 22-03-07
Uso de antimicrobianos ... 2ª rev  22-03-07Uso de antimicrobianos ... 2ª rev  22-03-07
Uso de antimicrobianos ... 2ª rev 22-03-07
 
41 49-biofilmes - eficácia de agentes antimicrobianos em biofilmes para o con...
41 49-biofilmes - eficácia de agentes antimicrobianos em biofilmes para o con...41 49-biofilmes - eficácia de agentes antimicrobianos em biofilmes para o con...
41 49-biofilmes - eficácia de agentes antimicrobianos em biofilmes para o con...
 
Placa_Bacteriana_ou_Biofilme_Dental.pptx
Placa_Bacteriana_ou_Biofilme_Dental.pptxPlaca_Bacteriana_ou_Biofilme_Dental.pptx
Placa_Bacteriana_ou_Biofilme_Dental.pptx
 
Aula 1-ecologia-e-biofilmes-
Aula 1-ecologia-e-biofilmes-Aula 1-ecologia-e-biofilmes-
Aula 1-ecologia-e-biofilmes-
 
Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da bocaRepercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
Repercussões sistêmicas das doenças infecciosas da boca
 
Propagação das Infecções Dentárias
Propagação das Infecções DentáriasPropagação das Infecções Dentárias
Propagação das Infecções Dentárias
 
87 318-1-pb
87 318-1-pb87 318-1-pb
87 318-1-pb
 
Biofilme
BiofilmeBiofilme
Biofilme
 
Biofilme
BiofilmeBiofilme
Biofilme
 
Apresentação SLIDES DE - Staphylococcus.pptx
Apresentação SLIDES DE - Staphylococcus.pptxApresentação SLIDES DE - Staphylococcus.pptx
Apresentação SLIDES DE - Staphylococcus.pptx
 
Odontologia cariologia
Odontologia   cariologiaOdontologia   cariologia
Odontologia cariologia
 
Estrutura dos dentes
Estrutura dos dentesEstrutura dos dentes
Estrutura dos dentes
 
Patogênese da Cárie
Patogênese da CáriePatogênese da Cárie
Patogênese da Cárie
 
Resposta do Complexo Dentino-Pulpar a Agentes Agressores - Concurso Odontolog...
Resposta do Complexo Dentino-Pulpar a Agentes Agressores - Concurso Odontolog...Resposta do Complexo Dentino-Pulpar a Agentes Agressores - Concurso Odontolog...
Resposta do Complexo Dentino-Pulpar a Agentes Agressores - Concurso Odontolog...
 
cÁRIE E INFILTRANTE RESINOSO.pdf
cÁRIE E INFILTRANTE RESINOSO.pdfcÁRIE E INFILTRANTE RESINOSO.pdf
cÁRIE E INFILTRANTE RESINOSO.pdf
 

Mais de Caio Maximino

Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraPapel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Caio Maximino
 
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoEfectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Caio Maximino
 
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasImpacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Caio Maximino
 
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosEl pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
Caio Maximino
 
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Caio Maximino
 
A cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoA cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquico
Caio Maximino
 
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneHuman physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Caio Maximino
 
Vertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeVertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under change
Caio Maximino
 
The nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachThe nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approach
Caio Maximino
 
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeO monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
Caio Maximino
 
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaPor um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Caio Maximino
 
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Caio Maximino
 
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensinoMétodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Caio Maximino
 
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaAula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Caio Maximino
 
Inferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisInferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentais
Caio Maximino
 
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoAprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Caio Maximino
 
A importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalA importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mental
Caio Maximino
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimento
Caio Maximino
 
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapiaEvidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Caio Maximino
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
Caio Maximino
 

Mais de Caio Maximino (20)

Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraPapel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
 
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoEfectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
 
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasImpacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
 
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosEl pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
 
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
 
A cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoA cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquico
 
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneHuman physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
 
Vertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeVertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under change
 
The nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachThe nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approach
 
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeO monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
 
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaPor um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
 
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
 
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensinoMétodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
 
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaAula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
 
Inferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisInferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentais
 
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoAprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
 
A importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalA importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mental
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimento
 
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapiaEvidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 

Último

Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptxSegurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Divina Vitorino
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdfEletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
barbosajucy47
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 

Último (7)

Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptxSegurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdfEletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 

aula 6 - CF2

  • 1. Placa dentária e/ou biofilme dentário bacterianos Aula 6 10/11/2009 Placa dentária
  • 2. Programa Biota da cavidade bucal; biofilmes; desenvolvimento da placa. Agentes antiplaca: Antibióticos, oxigenadores, halógenos, fluoretos, sanguinarina, bis-biguanidas. Microbiota da placa dental e sua relação com doenças sistêmicas. 10/11/2009 Placa dentária
  • 3. Biota da cavidade bucal 10/11/2009 Bactéria Fissuras Dentes proximais Fendas gengivais Streptococcus 8 – 86 <1 – 70 2 – 73 Actinomyces 0 – 46 4.81 10.63 Anaeróbicas Gram-positivas 0 – 21 0 – 6 0 – 37 Neisseria 0 0 – 44 0 – 2 Veillonella 0 – 44 0 – 59 0 – 5 Anaeróbicas Gram-negativas 0 0 – 66 8 – 20
  • 4. Biota da cavidade bucal e placa “ A placa bacteriana consiste numa deposição bacteriana não-mineralizada, que se forma sobre os dentes inadequadamente limpos, podendo ainda ser descrita como uma massa bacteriana ou microbiana associada aos dentes” (Teles e Falcão, 2006) A placa pode ser entendia como um biofilme . 10/11/2009
  • 5. Biofilmes Um biofilme é um agregado de microorganismos no qual as células aderem umas às outras e/ou a uma superfície. 10/11/2009 Placa dentária
  • 6. Mecanismos de formação de biofilmes As células de um biofilme aderem a uma matriz extracelular auto-produzida de substância polimérica (EPS). O EPS é uma mixórdia polimérica de DNA, proteínas e polissacarídeos. A microbiota forma um biofilme em resposta a diversos fatores, incluindo o reconhecimento celular de sítios de adesão específicos e não-específicos em uma superfície, pistas nutricionais, ou exposição a concentrações sub-inibitórias de antibióticos. Quando uma célula muda para o “modo biofilme” de crescimento, muda seu fenótipo, regulando diferencialmente uma grande quantidade de genes. 10/11/2009
  • 7. Mecanismos de formação dos biofilmes A formação do biofilme inicia-se com a adesão de microorganismos livres a uma superfície por forças de van der Waals. Se esses primeiros colonizadores não forem separados da superfície imediatamente, eles ancoram-se de forma mais permanente usando estruturas de adesão celular, como pilos. Os primeiros colonizadores facilitam a adesão de novas células, provendo sítios de adesão específicos e iniciando a construção da matriz que irá sustentar o biofilme. Durante a colonização, as células comunicam-se por autoindução (“detecção de quórum”), um mecanismo de controle de expressão gênica dependente da densidade celular; a principal classe de moléculas de sinalização são as lactonas n-acil homoserinas . A fase final da formação de biofilmes é conhecida como desenvolvimento, e permite que as células que os compõem tornem-se resistentes a antibióticos. Biofilmes não podem ser destruídos por desinfetantes, antibióticos ou por fagócitos do sistema imune .
  • 8. Biofilme dentário bacteriano A microbiota da placa é uma fonte de diversos produtos nocivos, prejudiciais aos dentes (p. ex., ácidos orgânicos) e ao periodonto (p. ex., amônia, sulfeto de hidrogênio, metilmercaptano, aminas tóxicas, rpoteases, hialuronidases, condrotina sulfatase e β -glucuronidase). As bactérias da placa induzem mediadores da inflamação (prostaglandinas, citocinas, metaloproteinases) e liberam endotoxinas e antígenos bacterianos. Diversas células mortas são encontradas na superfície da placa, podendo se descolar e proteger a microbiota interna dos agentes antimicrobianos. Essas células também podem ativar os receptores imunológicos do hospedeiro, levando a reações imunológicas e inflamatórias crônicas. 10/11/2009
  • 9. Placa específica e placa inespecífica Apenas certos microorganismos da microbiota total causam doenças. Streptococcus mutans e Streptococcus sobrinus estão relacionados à cárie dentária. Porphyromonas gingivalis, Prevotella intermedia, Prevotella intermedia, Bacteroides forsythus, Eikenella corrodens, Fusobacterium nucleatum, Actinobacillus actinomycetemcomitans, Peptostreptococcus micros, Campylobacter rectus e espiroquetas estão relacionadas à doença periodontal. Os microorganismos periodontopatogênicos localizam-se nas camadas mais internas e em regiões próximas ao sulco gengival, por causa da menor tensão de oxigênio nesses locais. Os microorganismos cariogênicos localizam-se em regiões mais superficiais, supragengivalmente. 10/11/2009
  • 10. Periodontite O termo “periodontite” refere-se a uma série de doenças inflamatórias associadas ao tecido que cerca e apóia os dentes. Envolve a perda progressiva do osso alveolar à volta do dente, levando à perda dos dentes. Pode ser causada pelos mediadores da inflamação liberados pela placa. 10/11/2009
  • 11. Agentes antiplaca “ O comportamento biológico de determinado evento passível de controle ou cura baseado em evidências científicas está longe de ser alcançado no controle da placa ou biofilme” (Teles e Falcão, 2006). Não existem evidências de relação linear entre quantidade de placa e gravidade das doenças bucais, por 3 motivos: Os escores de placa não levam em consideração os componentes periodontopatogênicos e cariogênicos específicos da placa. Os índices utilizados para avaliar a higiene bucal baseiam-se na extensão da superfície ou na espessura da placa. Os índices de placa não consideram a porção subgengival. 10/11/2009
  • 12. Agentes antiplaca Kornman propôs a classificação dos agentes antiplaca em dois grupos: claramente eficazes e possivelmente eficazes. Os agentes que preenchem o critério de “claramente eficazes” são as bis-biguanidas (p. ex., clorexidina). Agentes presentes em diversos colutórios, como óleos essenciais e fenóis, compostos de amônio quaternário, cloreto de zinco com sanguinarina ou triclosan, ou cloreto estanhoso, são “possivelmente eficazes”. Além de ser “claramente eficaz”, um agente antiplaca também deve apresentar segurança , especificidade, substantividade , e ausência de resistência induzida à droga. 10/11/2009
  • 13. Glucuronato de clorexidina Agente bactericida que elimina micróbios gram-positivos e gram-negativos. Efeito bacteriostático a alguns micróbios gram-negativos. Inibe a síntese da parede celular. 10/11/2009
  • 14. Terapia antimicrobiana da placa Os inibidores da síntese da parede celular e inibidores da síntese protéica (penicilina, tetraciclinas e eritromicina) parecem ser os antimicrobianos mais eficazes no controle da placa. A penicilina e a eritromicina podem resultar em resistência antimicrobiana tópica ou sistêmica. As tetraciclinas, teoricamente, podem ser eficazes se aplicadas em sistemas controlados de administração de forma a mantê-la ativa por um período prolongado na profundidade da bolsa. Vancomicina (inibidor da síntese da parede celular) e canamicina (inibidor da síntese protéica) produziram resultados não-concludentes sobre formação de placa, cárie e gengivite. 10/11/2009
  • 15. Um bacteriófago é um vírus que infecta bactérias; são compostos de um cápside protéico que contém material genético (ssRNA, dsRNA, ssDNA ou dsDNA). A maior parte da pesquisa sobre o uso terapêutico de bacteriófagos foi feita na antiga URSS, e ainda é inacessível no Ocidente devido à barreira lingüística. 10/11/2009
  • 17. Vantagens e desvantagens no uso de bacteriófagos Bacteriófagos são mais bem-sucedidos do que antibióticos em infecções associadas a biofilmes cobertos por uma camada de polissacarídeos, onde os antibióticos tem pouca penetração. A alta especificidade dos bacteriófagos pode ser uma barreira para o seu uso no tratamento da placa, devido à grande quantidade de organismos cariogênicos e periodontopatogênicos. 10/11/2009
  • 18. Cariogênese A cárie dental é definida como a destruição localizada dos tecidos locais, causada pela ação das bactérias. Associada à desmineralização dos tecidos dentais (esmalte, dentina ou cimento), causada por ácidos produzidos pela fermentação bacteriana dos carboidratos da dieta. 2 etapas: Início/estabelecimento de lesões de cárie ( S. mutans ). Progressão de lesões de cárie estabelecidas ( Lactobacillus e Candida albicans ). 10/11/2009
  • 19. Teoria acidogênica da cárie Os microorganismos acidogênicos decompõem açúcares em ácidos, que iniciam a dissolução do esmalte dentário. Ca 10 (PO 4 ) 6 – (OH) 2  3Ca 3 (PO 4 ) 2 3Ca 3 (PO 4 ) 2  6CaHPO 4 Após a dissolução do esmalte, microorganismos proteolíticos se instalam na lesão inicial e atacam a matriz protéica do esmalte, resultando em aminoácidos, hidroxiácidos, cetoácidos, ácido acético e ácido sulfúrico. Proteases  R – CH – NH 2 – COOH R – H – NH2 – COOH  ácidos 10/11/2009
  • 20. Teoria proteolítica Ataque inicial pelas enzimas proteolíticas elaboradas pelos microorganismos que penetram nas lamelas e fendas do esmalte, seguida de produção de ácidos que descalcificam o esmalte. Proteases  R – CH – NH 2 – COOH R – H – NH2 – COOH  ácidos Ca 10 (PO 4 ) 6 – (OH) 2  3Ca 3 (PO 4 ) 2 3Ca 3 (PO 4 ) 2  6CaHPO 4 10/11/2009
  • 22. Ainda que a placa esteja ligada à cariogênese, o uso de clorexidina na prevenção das cáries é controverso. A clorexidina produz um efeito pequeno em S. mutans , o que provavelmente reflete uma recolonização da superfície porque a biodisponibilidade oral da clorexidina, a partir de colutórios, é baixa. O uso prolongado de clorexidina em concentrações maiores do que 0,12% pode causar manchas na dentição e em restaurações, e alterar o paladar – o que limita o uso em concentrações que seriam mais efetivas. A clorexidina é neutralizada por aditivos comuns de pastas de dente, como o sódio lauril sulfato e o sódio monofluorofosfato. 10/11/2009
  • 23. Flúor odontológico O flúor (F 2 ) liga-se a cristais de hidroxiapatita no esmalte dentário; reduz a solubilidade do esmalte por ação dinâmica no meio líquido. O flúor, aplicado topicamente, também inibe as reações enzimáticas da glicólise e do transporte da glicose nas células, podendo gerar um efeito antimicrobiano. A quantidade de Ca 2 F formada sobre o esmalte é função direta da concentração de flúor e inversa ao pH local. 10/11/2009
  • 24. Relação da microbiota da placa dental com doenças sistêmicas Endocardite infecciosa: Infecção bacteriana das válvulas cardíacas que pode ser congênita ou resultar de uso de prótese valvular ou do tecido cardíaco circunvizinho. Pode ser causada por uma grande quantidade de microorganismos, dos quais se destacam Streptococcus viridans, Staphylococcus aureus e Actinobacillus actinomycetemcomitans . 10/11/2009
  • 25. Profilaxia de transtornos cardíacos na prática da dentístrica 10/11/2009 Categoria de alto risco Categoria de risco moderado Risco desprezível Válvulas cardíacas prostéticas Histórico de endocardite bacterial Doença cardíaca cianótica congênita Fístulas pulmonares cirurgicamente construídas A maioria das má-formações cardíacas congênitas. Disfunções valvulares adquiridas Cardiomiopatia hipertrófica Prolapso da válvula mitral com regurgitação e/ou engrossamente das válvulas Defeito septal atrial isolado Reparo cirúrgico do defeito septal atrial, defeito septal ventricular ou duto arterioso por mais de seis meses. Cirurgia de implante de tecido em artéria coronária. Sopro. Febre reumática sem disfunção valvular Marcapassos cardíacos Defibriladores implantados.
  • 26. Procedimentos recomendados de profilaxia Regime-padrão para pacientes em risco: Pacientes não-alérgicos: amoxicilina 3.0 g oralmente, uma hora antes do procedimento e então 1.5 g seis horas após a dose inicial. Pacientes alérgicos à penicilina / ampicilina / amoxicilina: Etilsuccinato de eritromicina 800 mg ou estearato de eritromicina 1.0 g oralmente, 2 horas antes do procedimento e ½ da dose 6 horas após a administração oral; clindamicina 300 mg oralmente, 1 hora antes do procedimento e 150 mg 6 horas após o procedimento. Regime alternativo Para pacientes que não podem tomar medicação v. o., não-alérgicos: ampicilina 2.0 g i. v. ou i. m. 30 minutos antes do procedimento, 1.0 g i. v. 6 horas após a dose inicial. Para pacientes que não podem tomar medicação v. o., alérgicos: Clindamicina 300 mg i. v. 30 minutos antes do procedimento, e 150 mg i. v. 6 horas após o procedimento. Regime para pacientes de alto risco Pacientes não-alérgicos: Ampicilina 2.0 g i. v. ou i.m. MAIS gentamicina 1.5 mg/kg i. v. ou i. m., 30 minutos antes do procedimento, seguido de 1.5 g de amoxicilina, oralmente, 6 horas após o procedimento. Pacientes alérgicos: Vancomicina 1.0 g i. v. administrada durante uma hora, iniciando-se uma hora antes do procedimento. 01/09/2009 Introdução ao sistema cardiovascular