SlideShare uma empresa Scribd logo
CEP
EDUCAÇÃO FÍSICA
Medidas e Avaliação em Educação
Física
2º Ano
Profª- Milena Silva
PRINCIPAL DIFERENÇA ENTRE MEDIDA E
AVALIAÇÃO
Medida: Abrange um aspecto quantitativo.
Avaliação: Abrange um aspecto qualitativo.
Objetivos da avaliação física:
• Avaliar o estado do indivíduo ao iniciar a programação;
• Detectar deficiências, permitindo uma orientação no
sentido de superá-la;
• Auxiliar o indivíduo na escolha de uma atividade física que,
além de motivá-lo, possa desenvolver suas aptidões;
• Impedir que a atividade seja um fator de agressão;
• Acompanhar o progresso do indivíduo;
• Selecionar elementos de alto nível para integrar equipes de
competição; Desenvolver pesquisa em Educação Física;
• Acompanhar o processo de crescimento e desenvolvimento
dos nossos alunos.
Quando fazer uma avaliação física?
• Início de um programa de atividade física;
• No decorrer de um período de
treinamento;
• Ao final de um ciclo de treinamento;
• Quando for necessário reformular um
treinamento.
Etapas da avaliação física
• Anamnese
• Avaliação dos parâmetros fisiológicos
• Verificação da composição corporal
• Avaliação antropométrica
Onde fazer a avaliação física
• Laboratório
• Campo
• Academia
• Escola
Requisitos para realização da
Avaliação Física
Estar trajando roupa de ginástica:
· Short / bermuda
· Top / camiseta
· Tênis e meia
O aluno não pode ter ingerido bebida alcoólica;
O aluno não pode ter praticado atividade física
intensa no dia da avaliação física;
O aluno não pode estar em jejum prolongado;
Caso venha por indicação médica / fisioterápica,
trazer o relatório ou atestado.
Anamnese
• Diagnósticos clínicos;
• Exames físicos e clínicos anteriores;
• Histórico de sintomas;
• Enfermidades recentes;
• Problemas ortopédicos;
• Uso de medicamentos
• Alergias
• Outros hábitos (atividade física, profissão, dieta,
consumo de álcool, fumo...)
• Histórico Familiar.
Parâmetros fisiológicos
• Idade do avaliado
• Ciclo Menstrual (Só para mulheres)
• Pressão em Repouso
• Índice de massa corpórea (IMC)
• Relação Cintura Quadril (RCQ)
• Frequência cardíaca de treinamento
• Batimentos por Minuto (BPM)
• Frequência cardíaca de repouso
• Percentagem de trabalho inferior e superior
Par-Q (prontidão para a atividade
física)
• (Physical Activity Readiness Questionnaire).
• Tem sido recomendado para a entrada em
programas de exercício de intensidade branda
e moderada, para pessoas entre 15 a 69 anos
QUESTIONÁRIO Par-Q
Foi desenvolvido pela Sociedade Canadense de
Fisiologia do Exercício (revisado em 1994). O
questionário consta de 7 perguntas de respostas
simples e diretas, se o aluno responder sim a
uma (01) ou mais questões, ele deve ser
encaminhado a uma avaliação médica antes de
iniciar qualquer atividade física.
IMC- Índice de massa corporal
O IMC representa a relação da massa corporal para
a altura ao quadrado.
O IMC é um bom indicador, mas não totalmente
correlacionado com a gordura corporal. As suas
limitações são:
• não distingue massa gordurosa de massa magra;
• não reflete, necessariamente, a distribuição da
gordura corporal.
• não indica necessariamente o mesmo grau de
gordura em populações diversas, particularmente
por causa das diferentes proporções corporais..
Medidas e avaliação fisica
Relação cintura quadril- RCQ
• A relação cintura quadril (RCQ) é o cálculo que
se faz para verificar o risco que um indivíduo
possui de sofrer de doenças cardíacas, pois
quanto maior a concentração da gordura
abdominal (próxima ao coração), maior o risco
para o desenvolvimento de doenças do
cardiovasculares.
Como calcular a relação Cintura
Quadril
• Passar uma fita métrica à volta da cintura,
na parte mais estreita;
• Passar uma fita métrica à volta do quadril,
na parte mais larga;
• Depois divida o número que obteve da
cintura, pelo do quadril.
Medidas e avaliação fisica
• Os resultados da relação cintura quadril devem
ser:
• Até 0.8 para mulheres e
• Até 0.9 para homens.
• Resultados iguais ou superiores a 0,8 para
mulheres e 0,9 para homens, indica alto risco
para doenças cardiovasculares. Quanto maior o
valor, maior o risco.
Medidas e avaliação fisica
Análise postural
• 1) Visão anterior:
a) Ombros assimétricos, escolioses
b) Joelhos varo e valgo,
c) Assimetria e desvio de quadril
d) Pés adutos e abdutos
e) Pés cavos e planos
Ombros assimétricos e escoliose
b) Joelhos valgo e varo
Pés cavos e planos
Pés adutos e abdutos
Pés adutos Pés abdutos
• 2) Visão lateral:
a) Hiperlordose lombar
b) Cifose
c) Geno flexo
d) Geno valgo
Hiperlordose lombar
Hipercifose e hiperlordose
Geno flexo
Geno recurvato
• 3) VISÃO POSTERIOR
a)Pé varo
b)Pé valgo
c) Desnível das escapulas
Pés valgo e varo
Desnível das escápulas
DADOS ANTROPOMÉTRICOS
• Peso
• Estatura ( altura)
• Circunferências corporais
• Dobras cutâneas
Balança antropométrica
Medidas e avaliação fisica
Outras medidas
Frequência cardíaca
• ou ritmo cardíaco é o
número de batimentos
cardíacos por unidade de
tempo, geralmente
expresso em batimentos
por minuto (bpm). Pode ser
aferida manualmente ou
com o frequencímetro.
Pressão arterial
• refere-se à pressão exercida
pelo sangue contra a parede
das artérias. Pode ser
aferida com o
esfigmomanômetro.
Frequencímetro
Esfigmomanômetro aneróide

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e AgilidadeMedidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
marcelosilveirazero1
 
Treinamento de força
Treinamento de força Treinamento de força
Treinamento de força
Lucio Flavio Personal
 
Aula introdução ed. fisica
Aula introdução ed. fisicaAula introdução ed. fisica
Aula introdução ed. fisica
Rafael Borges
 
Slides prescrição de exercícios
Slides prescrição de exercíciosSlides prescrição de exercícios
Slides prescrição de exercícios
Ana Lucia Costa
 
Avaliacao de força
Avaliacao  de forçaAvaliacao  de força
Avaliacao de força
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação CorporalCineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Herbert Santana
 
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento FisicoAula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Felipe P Carpes - Universidade Federal do Pampa
 
Capacidades físicas
Capacidades físicasCapacidades físicas
Capacidades físicas
Joana Lima
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Doping no Esporte
Doping no EsporteDoping no Esporte
Doping no Esporte
aluisiobraga
 
Atividade física e saúde
Atividade física e saúdeAtividade física e saúde
Atividade física e saúde
Fatima Costa
 
Ginástica - Educação Física
Ginástica - Educação FísicaGinástica - Educação Física
Ginástica - Educação Física
Profissional de Educação Física
 
Treinamento de Força
Treinamento de ForçaTreinamento de Força
Treinamento de Força
Fernando Farias
 
Métodos ginásticos
Métodos ginásticosMétodos ginásticos
Métodos ginásticos
Pedro Alan Tapia Ramos
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
seminariodeficiencia
 
Avaliação - Parte II
Avaliação - Parte IIAvaliação - Parte II
Avaliação - Parte II
esaber edu
 
Atletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e RegrasAtletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e Regras
Prof. Saulo Bezerra
 
Dobras cutâneas
Dobras cutâneasDobras cutâneas
Dobras cutâneas
marcelosilveirazero1
 
Capacidades FíSicas
Capacidades FíSicasCapacidades FíSicas
Capacidades FíSicas
Edson Nascimento dos Santos
 
Apresentação sobre pilates
Apresentação sobre pilatesApresentação sobre pilates
Apresentação sobre pilates
macaualmeida
 

Mais procurados (20)

Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e AgilidadeMedidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
 
Treinamento de força
Treinamento de força Treinamento de força
Treinamento de força
 
Aula introdução ed. fisica
Aula introdução ed. fisicaAula introdução ed. fisica
Aula introdução ed. fisica
 
Slides prescrição de exercícios
Slides prescrição de exercíciosSlides prescrição de exercícios
Slides prescrição de exercícios
 
Avaliacao de força
Avaliacao  de forçaAvaliacao  de força
Avaliacao de força
 
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação CorporalCineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
 
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento FisicoAula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
 
Capacidades físicas
Capacidades físicasCapacidades físicas
Capacidades físicas
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Doping no Esporte
Doping no EsporteDoping no Esporte
Doping no Esporte
 
Atividade física e saúde
Atividade física e saúdeAtividade física e saúde
Atividade física e saúde
 
Ginástica - Educação Física
Ginástica - Educação FísicaGinástica - Educação Física
Ginástica - Educação Física
 
Treinamento de Força
Treinamento de ForçaTreinamento de Força
Treinamento de Força
 
Métodos ginásticos
Métodos ginásticosMétodos ginásticos
Métodos ginásticos
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Avaliação - Parte II
Avaliação - Parte IIAvaliação - Parte II
Avaliação - Parte II
 
Atletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e RegrasAtletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e Regras
 
Dobras cutâneas
Dobras cutâneasDobras cutâneas
Dobras cutâneas
 
Capacidades FíSicas
Capacidades FíSicasCapacidades FíSicas
Capacidades FíSicas
 
Apresentação sobre pilates
Apresentação sobre pilatesApresentação sobre pilates
Apresentação sobre pilates
 

Destaque

Apresentação desvios posturais
Apresentação desvios posturaisApresentação desvios posturais
Apresentação desvios posturais
Fernando Valentim
 
Avaliação morfológica
Avaliação morfológicaAvaliação morfológica
Avaliação morfológica
washington carlos vieira
 
Cineantropometria - (ProfºAmarildoCésar)
Cineantropometria - (ProfºAmarildoCésar)Cineantropometria - (ProfºAmarildoCésar)
Cineantropometria - (ProfºAmarildoCésar)
Amarildo César
 
Aula 11 capacidade cardiorrespiratória
Aula 11 capacidade cardiorrespiratóriaAula 11 capacidade cardiorrespiratória
Aula 11 capacidade cardiorrespiratória
Prof William Alves Lima
 
Avaliação indireta do vo2 max
Avaliação indireta do vo2 maxAvaliação indireta do vo2 max
Avaliação indireta do vo2 max
Claudio Pereira
 
Avaliação vo2
Avaliação vo2Avaliação vo2
Avaliação vo2
washington carlos vieira
 
Aula 7 Testes De Esforco
Aula 7   Testes De EsforcoAula 7   Testes De Esforco

Destaque (7)

Apresentação desvios posturais
Apresentação desvios posturaisApresentação desvios posturais
Apresentação desvios posturais
 
Avaliação morfológica
Avaliação morfológicaAvaliação morfológica
Avaliação morfológica
 
Cineantropometria - (ProfºAmarildoCésar)
Cineantropometria - (ProfºAmarildoCésar)Cineantropometria - (ProfºAmarildoCésar)
Cineantropometria - (ProfºAmarildoCésar)
 
Aula 11 capacidade cardiorrespiratória
Aula 11 capacidade cardiorrespiratóriaAula 11 capacidade cardiorrespiratória
Aula 11 capacidade cardiorrespiratória
 
Avaliação indireta do vo2 max
Avaliação indireta do vo2 maxAvaliação indireta do vo2 max
Avaliação indireta do vo2 max
 
Avaliação vo2
Avaliação vo2Avaliação vo2
Avaliação vo2
 
Aula 7 Testes De Esforco
Aula 7   Testes De EsforcoAula 7   Testes De Esforco
Aula 7 Testes De Esforco
 

Semelhante a Medidas e avaliação fisica

A importância de fazer uma avaliação física antes de iniciar os exercícios
A importância de fazer uma avaliação física antes de iniciar os exercíciosA importância de fazer uma avaliação física antes de iniciar os exercícios
A importância de fazer uma avaliação física antes de iniciar os exercícios
Natalia Aquino
 
Musculação
MusculaçãoMusculação
Musculação
Salviane Alves Chaves
 
Pesquisa turma 10 m imc, rqc e p.a
Pesquisa turma 10 m imc, rqc e p.aPesquisa turma 10 m imc, rqc e p.a
Pesquisa turma 10 m imc, rqc e p.a
cejacriciuma
 
Projecto fitnessgram 2011-2012
Projecto fitnessgram 2011-2012Projecto fitnessgram 2011-2012
Projecto fitnessgram 2011-2012
Escola Secundária José Régio
 
Art03 sugestão avaliação
Art03  sugestão avaliaçãoArt03  sugestão avaliação
Art03 sugestão avaliação
drpl82
 
Treinamento personalizado e composição corporal
Treinamento personalizado e composição corporalTreinamento personalizado e composição corporal
Treinamento personalizado e composição corporal
washington carlos vieira
 
Aula 1 Medidas e Avaliações (UNICAMPS) .pdf
Aula 1 Medidas e Avaliações (UNICAMPS) .pdfAula 1 Medidas e Avaliações (UNICAMPS) .pdf
Aula 1 Medidas e Avaliações (UNICAMPS) .pdf
AlaneSthefany1
 
aptidao morfologica
aptidao morfologicaaptidao morfologica
aptidao morfologica
themis dovera
 
Prescriodeatividadefsica 100605151024-phpapp02
Prescriodeatividadefsica 100605151024-phpapp02Prescriodeatividadefsica 100605151024-phpapp02
Prescriodeatividadefsica 100605151024-phpapp02
Eric Belchote
 
Avaliação do estado nutricional
Avaliação do estado nutricionalAvaliação do estado nutricional
Avaliação do estado nutricional
e.ferreira
 
Avaliação do estado nutricional
Avaliação do estado nutricionalAvaliação do estado nutricional
Avaliação do estado nutricional
e.ferreira
 
Avaliação Do Estado Nutricional.pptx
Avaliação Do Estado Nutricional.pptxAvaliação Do Estado Nutricional.pptx
Avaliação Do Estado Nutricional.pptx
Kellenscopel1
 
Relatório tcc lourdes_valdete_normalizado
Relatório tcc lourdes_valdete_normalizadoRelatório tcc lourdes_valdete_normalizado
Relatório tcc lourdes_valdete_normalizado
Lourdes Piedade
 
palestra_jose.ppt
palestra_jose.pptpalestra_jose.ppt
palestra_jose.ppt
MIQUEIASSUARESMACIEL
 
Força para vencer
Força para vencerForça para vencer
Força para vencer
Paulo Sena
 
calculo do imc.pdf
calculo do imc.pdfcalculo do imc.pdf
calculo do imc.pdf
ElieteCarvalhoPinto1
 
Nutrição no idoso internado
Nutrição no idoso internadoNutrição no idoso internado
Nutrição no idoso internado
uhgeri
 

Semelhante a Medidas e avaliação fisica (17)

A importância de fazer uma avaliação física antes de iniciar os exercícios
A importância de fazer uma avaliação física antes de iniciar os exercíciosA importância de fazer uma avaliação física antes de iniciar os exercícios
A importância de fazer uma avaliação física antes de iniciar os exercícios
 
Musculação
MusculaçãoMusculação
Musculação
 
Pesquisa turma 10 m imc, rqc e p.a
Pesquisa turma 10 m imc, rqc e p.aPesquisa turma 10 m imc, rqc e p.a
Pesquisa turma 10 m imc, rqc e p.a
 
Projecto fitnessgram 2011-2012
Projecto fitnessgram 2011-2012Projecto fitnessgram 2011-2012
Projecto fitnessgram 2011-2012
 
Art03 sugestão avaliação
Art03  sugestão avaliaçãoArt03  sugestão avaliação
Art03 sugestão avaliação
 
Treinamento personalizado e composição corporal
Treinamento personalizado e composição corporalTreinamento personalizado e composição corporal
Treinamento personalizado e composição corporal
 
Aula 1 Medidas e Avaliações (UNICAMPS) .pdf
Aula 1 Medidas e Avaliações (UNICAMPS) .pdfAula 1 Medidas e Avaliações (UNICAMPS) .pdf
Aula 1 Medidas e Avaliações (UNICAMPS) .pdf
 
aptidao morfologica
aptidao morfologicaaptidao morfologica
aptidao morfologica
 
Prescriodeatividadefsica 100605151024-phpapp02
Prescriodeatividadefsica 100605151024-phpapp02Prescriodeatividadefsica 100605151024-phpapp02
Prescriodeatividadefsica 100605151024-phpapp02
 
Avaliação do estado nutricional
Avaliação do estado nutricionalAvaliação do estado nutricional
Avaliação do estado nutricional
 
Avaliação do estado nutricional
Avaliação do estado nutricionalAvaliação do estado nutricional
Avaliação do estado nutricional
 
Avaliação Do Estado Nutricional.pptx
Avaliação Do Estado Nutricional.pptxAvaliação Do Estado Nutricional.pptx
Avaliação Do Estado Nutricional.pptx
 
Relatório tcc lourdes_valdete_normalizado
Relatório tcc lourdes_valdete_normalizadoRelatório tcc lourdes_valdete_normalizado
Relatório tcc lourdes_valdete_normalizado
 
palestra_jose.ppt
palestra_jose.pptpalestra_jose.ppt
palestra_jose.ppt
 
Força para vencer
Força para vencerForça para vencer
Força para vencer
 
calculo do imc.pdf
calculo do imc.pdfcalculo do imc.pdf
calculo do imc.pdf
 
Nutrição no idoso internado
Nutrição no idoso internadoNutrição no idoso internado
Nutrição no idoso internado
 

Mais de Milena Silva

Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Milena Silva
 
A pontuação
A pontuaçãoA pontuação
A pontuação
Milena Silva
 
Ortografia
OrtografiaOrtografia
Ortografia
Milena Silva
 
O Substantivo
 O Substantivo O Substantivo
O Substantivo
Milena Silva
 
A linguagem do romantismo
A linguagem do romantismoA linguagem do romantismo
A linguagem do romantismo
Milena Silva
 
Introdução à Anatomia
Introdução à AnatomiaIntrodução à Anatomia
Introdução à Anatomia
Milena Silva
 
Sistema esquelético e articulações
Sistema esquelético e articulaçõesSistema esquelético e articulações
Sistema esquelético e articulações
Milena Silva
 
Prescrição do exercício
Prescrição do exercícioPrescrição do exercício
Prescrição do exercício
Milena Silva
 
Capacidades físicas
Capacidades físicasCapacidades físicas
Capacidades físicas
Milena Silva
 
Cronica
CronicaCronica
Cronica
Milena Silva
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
Milena Silva
 

Mais de Milena Silva (11)

Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
A pontuação
A pontuaçãoA pontuação
A pontuação
 
Ortografia
OrtografiaOrtografia
Ortografia
 
O Substantivo
 O Substantivo O Substantivo
O Substantivo
 
A linguagem do romantismo
A linguagem do romantismoA linguagem do romantismo
A linguagem do romantismo
 
Introdução à Anatomia
Introdução à AnatomiaIntrodução à Anatomia
Introdução à Anatomia
 
Sistema esquelético e articulações
Sistema esquelético e articulaçõesSistema esquelético e articulações
Sistema esquelético e articulações
 
Prescrição do exercício
Prescrição do exercícioPrescrição do exercício
Prescrição do exercício
 
Capacidades físicas
Capacidades físicasCapacidades físicas
Capacidades físicas
 
Cronica
CronicaCronica
Cronica
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
 

Último

Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 

Medidas e avaliação fisica

  • 1. CEP EDUCAÇÃO FÍSICA Medidas e Avaliação em Educação Física 2º Ano Profª- Milena Silva
  • 2. PRINCIPAL DIFERENÇA ENTRE MEDIDA E AVALIAÇÃO Medida: Abrange um aspecto quantitativo. Avaliação: Abrange um aspecto qualitativo.
  • 3. Objetivos da avaliação física: • Avaliar o estado do indivíduo ao iniciar a programação; • Detectar deficiências, permitindo uma orientação no sentido de superá-la; • Auxiliar o indivíduo na escolha de uma atividade física que, além de motivá-lo, possa desenvolver suas aptidões; • Impedir que a atividade seja um fator de agressão; • Acompanhar o progresso do indivíduo; • Selecionar elementos de alto nível para integrar equipes de competição; Desenvolver pesquisa em Educação Física; • Acompanhar o processo de crescimento e desenvolvimento dos nossos alunos.
  • 4. Quando fazer uma avaliação física? • Início de um programa de atividade física; • No decorrer de um período de treinamento; • Ao final de um ciclo de treinamento; • Quando for necessário reformular um treinamento.
  • 5. Etapas da avaliação física • Anamnese • Avaliação dos parâmetros fisiológicos • Verificação da composição corporal • Avaliação antropométrica
  • 6. Onde fazer a avaliação física • Laboratório • Campo • Academia • Escola
  • 7. Requisitos para realização da Avaliação Física Estar trajando roupa de ginástica: · Short / bermuda · Top / camiseta · Tênis e meia O aluno não pode ter ingerido bebida alcoólica; O aluno não pode ter praticado atividade física intensa no dia da avaliação física; O aluno não pode estar em jejum prolongado; Caso venha por indicação médica / fisioterápica, trazer o relatório ou atestado.
  • 8. Anamnese • Diagnósticos clínicos; • Exames físicos e clínicos anteriores; • Histórico de sintomas; • Enfermidades recentes; • Problemas ortopédicos; • Uso de medicamentos • Alergias • Outros hábitos (atividade física, profissão, dieta, consumo de álcool, fumo...) • Histórico Familiar.
  • 9. Parâmetros fisiológicos • Idade do avaliado • Ciclo Menstrual (Só para mulheres) • Pressão em Repouso • Índice de massa corpórea (IMC) • Relação Cintura Quadril (RCQ) • Frequência cardíaca de treinamento • Batimentos por Minuto (BPM) • Frequência cardíaca de repouso • Percentagem de trabalho inferior e superior
  • 10. Par-Q (prontidão para a atividade física) • (Physical Activity Readiness Questionnaire). • Tem sido recomendado para a entrada em programas de exercício de intensidade branda e moderada, para pessoas entre 15 a 69 anos
  • 11. QUESTIONÁRIO Par-Q Foi desenvolvido pela Sociedade Canadense de Fisiologia do Exercício (revisado em 1994). O questionário consta de 7 perguntas de respostas simples e diretas, se o aluno responder sim a uma (01) ou mais questões, ele deve ser encaminhado a uma avaliação médica antes de iniciar qualquer atividade física.
  • 12. IMC- Índice de massa corporal O IMC representa a relação da massa corporal para a altura ao quadrado. O IMC é um bom indicador, mas não totalmente correlacionado com a gordura corporal. As suas limitações são: • não distingue massa gordurosa de massa magra; • não reflete, necessariamente, a distribuição da gordura corporal. • não indica necessariamente o mesmo grau de gordura em populações diversas, particularmente por causa das diferentes proporções corporais..
  • 14. Relação cintura quadril- RCQ • A relação cintura quadril (RCQ) é o cálculo que se faz para verificar o risco que um indivíduo possui de sofrer de doenças cardíacas, pois quanto maior a concentração da gordura abdominal (próxima ao coração), maior o risco para o desenvolvimento de doenças do cardiovasculares.
  • 15. Como calcular a relação Cintura Quadril • Passar uma fita métrica à volta da cintura, na parte mais estreita; • Passar uma fita métrica à volta do quadril, na parte mais larga; • Depois divida o número que obteve da cintura, pelo do quadril.
  • 17. • Os resultados da relação cintura quadril devem ser: • Até 0.8 para mulheres e • Até 0.9 para homens. • Resultados iguais ou superiores a 0,8 para mulheres e 0,9 para homens, indica alto risco para doenças cardiovasculares. Quanto maior o valor, maior o risco.
  • 19. Análise postural • 1) Visão anterior: a) Ombros assimétricos, escolioses b) Joelhos varo e valgo, c) Assimetria e desvio de quadril d) Pés adutos e abdutos e) Pés cavos e planos
  • 22. Pés cavos e planos
  • 23. Pés adutos e abdutos Pés adutos Pés abdutos
  • 24. • 2) Visão lateral: a) Hiperlordose lombar b) Cifose c) Geno flexo d) Geno valgo
  • 29. • 3) VISÃO POSTERIOR a)Pé varo b)Pé valgo c) Desnível das escapulas
  • 30. Pés valgo e varo
  • 32. DADOS ANTROPOMÉTRICOS • Peso • Estatura ( altura) • Circunferências corporais • Dobras cutâneas
  • 35. Outras medidas Frequência cardíaca • ou ritmo cardíaco é o número de batimentos cardíacos por unidade de tempo, geralmente expresso em batimentos por minuto (bpm). Pode ser aferida manualmente ou com o frequencímetro. Pressão arterial • refere-se à pressão exercida pelo sangue contra a parede das artérias. Pode ser aferida com o esfigmomanômetro.