SlideShare uma empresa Scribd logo
A pontuação
Redação 3º Ano
• A pontuação marca na escrita as diferenças de
entonação, contribuindo para tornar mais
preciso o sentido que se quer dar ao texto
A VÍRGULA ENTRE OS TERMOS DA
ORAÇÃO
• EMPREGA-SE A VÍRGULA:
• para separar termos que exercem a mesma função
sintática _ sujeito composto, complementos,
adjuntos_, quando não vêm unidos por e, ou e nem.
• Deu- me livros, revistas de arte, discos antigos e CDs.
Objeto direto
• Para isolar o aposto:
• O resto, as louças, os cristais, os talheres, irá
nas caixas menores.
• Para isolar o vocativo:
• Você ouviu, Maria, que notícia estranha?
• Para isolar o adjunto adverbial, quando ele é
extenso ou quando se quer destacá-lo:
• À noite, faço um curso de inglês intensivo.
• Para isolar o nome de um lugar anteposto à
data:
• Recife, 20 de dezembro de 2012.
• Para isolar expressões explicativas como isto
é, por exemplo, ou melhor, a saber, ou seja,
etc.
• Entregaram-me a encomenda, isto é, os
móveis e as cadeiras, com um mês de atraso.
Etc
• Considerando que etc. é abreviatura da
expressão latina et coetera, que significa “ e
outras coisas”, o emprego da vírgula antes
dele seria dispensável. Entretanto o acordo
ortográfico em vigor no Brasil exige que
empreguemos etc. precedido de vírgula.
• Ex: Trouxe nesta pasta as fotografias, as cartas,
os documentos, etc.
A VÍRGULA ENTRE AS ORAÇÕES
COORDENADAS
• Emprega-se a vírgula para separar:
• As orações coordenadas assindéticas:
Foi à porta, espiou, correu para dentro
assustada.
• As orações coordenadas sindéticas, com
exceção das introduzidas por conjunção e:
• Talvez seja engano meu, mas acho-a mais
serena.
Observação
• As orações coordenadas sindéticas unidas pela
conjunção e podem vir separadas por vírgulas,
quando:
• têm sujeitos diferentes: “ A criatura desviou-
se, e ao cabo de um minuto, as linhas
moveram-se (...)
• A conjunção é repetida várias vezes: Queria
ver , e abaixava os olhos, e tapava –os com as
mãos, e sentia-se fechar em si mesma.
Subordinadas substantivas
• Somente as orações subordinadas
substantivas apositivas devem ser separadas
por vírgula (ou dois-pontos) da oração
principal; as demais substantivas, não.
• Ele só pensava numa coisa, que não cederia.
Subordinadas adjetivas
• Somente as orações subordinadas adjetivas
explicativas devem ser separadas por vírgula
da oração principal; as restritivas, não.
• Nem ele, que é o melhor da turma, quis
participar do torneio de xadrez.
Subordinadas adverbiais
• As orações subordinadas adverbiais são separadas por vírgula:
• Opcionalmente, se vierem após a oração principal:
Oração principal Or. Subor. adverbial temporal
Ouvia histórias macabras deste lugar, quando eu era menino
vírgula obrigatória
Obrigatoriamente, se vierem antepostas ou intercaladas à oração
principal.
Or. Subord. Adv.
condicional
Oração principal
Se tudo der certo, voltarei hoje mesmo
Vírgula obrigatória
Oração principal Or. Principal
Or. Subord. Adverbial conformativa
Esses fatos, conforme informamos no jornal do meio-dia, são falsos.
Vírgula obrigatória vírgula obrigatória
Obrigatoriamente, quando forem reduzidas de
gerúndio, particípio e infinitivo:
Or. Subord. Adverbial
Condicional reduzida
de gerúndio Oração Principal
Agindo impensadamente, jamais conseguirá o apoio de seus pais.
Vírgula obrigatória
PONTO E VÍRGULA
• Emprega-se o ponto e vírgula:
antes das orações sindéticas adversativas e
conclusivas, quando apresentarem a conjunção
deslocada:
• Você já recebeu dois convites; deve, portanto,
comparecer à cerimônia.
• Os alunos pretendiam montar um pequeno
laboratório de ciências; o dinheiro arrecadado,
entretanto, não foi suficiente.
• Observe que, nesse caso, a conjunção vem
entre vírgulas.
• Para separar orações, desde que a segunda
contenha zeugma:
• Vocês anseiam pela violência; nós, pela paz.
Para separar os itens dos enunciados enumerativos:
• As águas das chuvas provocam sérios problemas à
rede de esgotos. Evite problemas, procedendo da
seguinte forma:
• a) não ligue ralos de fundo de quintais às redes de
esgoto;
• b) tampe as caixas de inspeção e limpe-as a cada seis
meses;
• c) não jogue nos vasos sanitários fraldas
descartáveis, absorventes higiênicos, plásticos,
estopas, panos e produtos similares.
PONTO
• Emprega-se no final de frases declarativas.
• Os livros foram danificados pelas traças.
PONTO DE INTERROGAÇÃO
• Emprega-se no final de frases interrogativas
diretas:
• E eu? O que devo fazer?
PONTO DE EXCLAMAÇÃO
• Emprega-se no final de frases exclamativas,
com a finalidade de indicar estados
emocionais, como espanto, surpresa, dor,
alegria, súplica, etc.
• Saia daqui já!
DOIS PONTOS
• É usado para introduzir palavras, expressões,
orações ou citações que servem para
enumerar ou esclarecer o que se afirmou
anteriormente:
• “Lembrei-me do nome e do tipo: era João
Francisco Gregório, caboclo robusto,
desconfiado...” ( Graciliano Ramos)
ASPAS
• São usadas no início e no final de citações , para destacar
palavras estrangeiras, neologismos, gírias; para marcar uma
ironia; para indicar mudança de um interlocutor nos diálogos,
quando o termo não é muito preciso para o contexto, como se
pode observar abaixo:
• _ Me ajuda a dar um nome pra minha lagartixa de estimação?
• _ Que tal “ Sem Graça”?
PARÊNTESES
• São empregados para separar palavras ou
frases explicativas e nas indicações
bibliográficas:
• “ Depois do jantar ( mal servido) Seu
Dagoberto saiu do Grande Hotel e Pensão do
Sol ( Familiar)palitando os dentes caninos.”
( Alcântara Machado)
TRAVESSÃO
• É utilizado:
• para indicar a mudança de interlocutor nos
diálogos:
_Quer saber de uma coisa? O melhor é nós terminarmos.
_ Terminarmos?
Ele sentiu um frio
_ Não combinamos mais mesmo.
( Luiz Vilela)
• Para isolar a fala da personagem da fala do
narrador:
• _ Que deseja agora? _ gritou- lhe afinal, a voz
transtornada._ Já não lhe disse que não tenho
nada a ver com suas histórias?
• ( Fernando Sabino)
• Para destacar ou isolar palavras ou
expressões, no interior das frases:
• Grande futuro? Talvez naturalista, literato,
arqueólogo, banqueiro, político ou até bispo_
bispo que fosse_ , uma vez que fosse um
cargo...
• ( Machado de Assis)
RETICÊNCIAS
• Indicam a interrupção da frase, feita com a
finalidade de sugerir:
• Dúvida, hesitação, surpresa:
• Não quero ir à casa dela porque... porque não
quero vê-la tão cedo.
• Qualquer dia desses embarco... pra China.
• Prolongamento da frase:
• Naquele jardim havia de tudo: dálias, rosas,
crisântemos, violetas...
• Interrupção de pensamento ou sugestão para
que o leitor complete o raciocínio:
• Depois de tantos anos, finalmente nos
reencontramos e...
• Destaque a uma palavra ou expressão
• De todas as minhas experiências, nada
equivaleu a... ser pai!
• Supressão de trecho em textos:
• “ a democratização dos estudos trouxe para as
escolas de ensino médio alunos que outrora
ingressavam diretamente na vida ativa. (...) No
ensino médio, os estabelecimentos escolares
recebem alunos muito heterogêneos no que
tange à relação com o saber.”
• ( Phillipe Perrenoud)

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a A pontuação

pontuacao.ppt
pontuacao.pptpontuacao.ppt
pontuacao.ppt
Guilhermino1
 
Revisao gramatical 2
Revisao gramatical 2Revisao gramatical 2
Revisao gramatical 2
Milena Nicolas
 
5_ Aula de pontuacao.ppt
5_ Aula de pontuacao.ppt5_ Aula de pontuacao.ppt
5_ Aula de pontuacao.ppt
tatianesouza923757
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
Renata Castro
 
regras de pontuação
regras de pontuaçãoregras de pontuação
regras de pontuação
carvalho31
 
Pontuacao
PontuacaoPontuacao
Pontuacao
Flávio Ferreira
 
Uso da vírgula
Uso da vírgulaUso da vírgula
Uso da vírgula
Vinicius Selbach
 
Pontuajdjdjdjdsjsjssdjjssjsjdjdjddsjcao.pdf
Pontuajdjdjdjdsjsjssdjjssjsjdjdjddsjcao.pdfPontuajdjdjdjdsjsjssdjjssjsjdjdjddsjcao.pdf
Pontuajdjdjdjdsjsjssdjjssjsjdjdjddsjcao.pdf
Mauro Brasil
 
Aula iii.ugs.tce.2010
Aula iii.ugs.tce.2010Aula iii.ugs.tce.2010
Aula iii.ugs.tce.2010
LeYa
 
O adjetivo e sua construção de sentidos no texto^.pptx
O adjetivo e sua construção de sentidos no texto^.pptxO adjetivo e sua construção de sentidos no texto^.pptx
O adjetivo e sua construção de sentidos no texto^.pptx
rosasoares110
 
AULA DE PONTUAÇÃO NA LÍNGUA PORTUGUESA.pdf
AULA DE PONTUAÇÃO NA LÍNGUA PORTUGUESA.pdfAULA DE PONTUAÇÃO NA LÍNGUA PORTUGUESA.pdf
AULA DE PONTUAÇÃO NA LÍNGUA PORTUGUESA.pdf
JessicaLinhares6
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
Péricles Penuel
 
pontuacao.ppt
pontuacao.pptpontuacao.ppt
pontuacao.ppt
MarluceBrum1
 
Pontuacao (1)2
Pontuacao (1)2Pontuacao (1)2
Pontuacao (1)2
Marcos Moraes
 
sinais de pontuacao -adaptado.ppt
sinais de pontuacao -adaptado.pptsinais de pontuacao -adaptado.ppt
sinais de pontuacao -adaptado.ppt
MaicolBarbosa1
 
Pontuação Gráfica
Pontuação GráficaPontuação Gráfica
Pontuação Gráfica
linguonautas
 
Viagem ao centro da terra interpretação - sujeito - classificação do sujeit...
Viagem ao centro da terra   interpretação - sujeito - classificação do sujeit...Viagem ao centro da terra   interpretação - sujeito - classificação do sujeit...
Viagem ao centro da terra interpretação - sujeito - classificação do sujeit...
dpport
 
Sinais Pontuação Língua Portuguesa
Sinais Pontuação Língua PortuguesaSinais Pontuação Língua Portuguesa
Sinais Pontuação Língua Portuguesa
Jomari
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Rhoger Thiago
 
Pontuacao7
Pontuacao7Pontuacao7
Pontuacao7
Damisa
 

Semelhante a A pontuação (20)

pontuacao.ppt
pontuacao.pptpontuacao.ppt
pontuacao.ppt
 
Revisao gramatical 2
Revisao gramatical 2Revisao gramatical 2
Revisao gramatical 2
 
5_ Aula de pontuacao.ppt
5_ Aula de pontuacao.ppt5_ Aula de pontuacao.ppt
5_ Aula de pontuacao.ppt
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
 
regras de pontuação
regras de pontuaçãoregras de pontuação
regras de pontuação
 
Pontuacao
PontuacaoPontuacao
Pontuacao
 
Uso da vírgula
Uso da vírgulaUso da vírgula
Uso da vírgula
 
Pontuajdjdjdjdsjsjssdjjssjsjdjdjddsjcao.pdf
Pontuajdjdjdjdsjsjssdjjssjsjdjdjddsjcao.pdfPontuajdjdjdjdsjsjssdjjssjsjdjdjddsjcao.pdf
Pontuajdjdjdjdsjsjssdjjssjsjdjdjddsjcao.pdf
 
Aula iii.ugs.tce.2010
Aula iii.ugs.tce.2010Aula iii.ugs.tce.2010
Aula iii.ugs.tce.2010
 
O adjetivo e sua construção de sentidos no texto^.pptx
O adjetivo e sua construção de sentidos no texto^.pptxO adjetivo e sua construção de sentidos no texto^.pptx
O adjetivo e sua construção de sentidos no texto^.pptx
 
AULA DE PONTUAÇÃO NA LÍNGUA PORTUGUESA.pdf
AULA DE PONTUAÇÃO NA LÍNGUA PORTUGUESA.pdfAULA DE PONTUAÇÃO NA LÍNGUA PORTUGUESA.pdf
AULA DE PONTUAÇÃO NA LÍNGUA PORTUGUESA.pdf
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
 
pontuacao.ppt
pontuacao.pptpontuacao.ppt
pontuacao.ppt
 
Pontuacao (1)2
Pontuacao (1)2Pontuacao (1)2
Pontuacao (1)2
 
sinais de pontuacao -adaptado.ppt
sinais de pontuacao -adaptado.pptsinais de pontuacao -adaptado.ppt
sinais de pontuacao -adaptado.ppt
 
Pontuação Gráfica
Pontuação GráficaPontuação Gráfica
Pontuação Gráfica
 
Viagem ao centro da terra interpretação - sujeito - classificação do sujeit...
Viagem ao centro da terra   interpretação - sujeito - classificação do sujeit...Viagem ao centro da terra   interpretação - sujeito - classificação do sujeit...
Viagem ao centro da terra interpretação - sujeito - classificação do sujeit...
 
Sinais Pontuação Língua Portuguesa
Sinais Pontuação Língua PortuguesaSinais Pontuação Língua Portuguesa
Sinais Pontuação Língua Portuguesa
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Pontuacao7
Pontuacao7Pontuacao7
Pontuacao7
 

Mais de Milena Silva

Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Milena Silva
 
Ortografia
OrtografiaOrtografia
Ortografia
Milena Silva
 
O Substantivo
 O Substantivo O Substantivo
O Substantivo
Milena Silva
 
A linguagem do romantismo
A linguagem do romantismoA linguagem do romantismo
A linguagem do romantismo
Milena Silva
 
Introdução à Anatomia
Introdução à AnatomiaIntrodução à Anatomia
Introdução à Anatomia
Milena Silva
 
Sistema esquelético e articulações
Sistema esquelético e articulaçõesSistema esquelético e articulações
Sistema esquelético e articulações
Milena Silva
 
Prescrição do exercício
Prescrição do exercícioPrescrição do exercício
Prescrição do exercício
Milena Silva
 
Capacidades físicas
Capacidades físicasCapacidades físicas
Capacidades físicas
Milena Silva
 
Medidas e avaliação fisica
Medidas e avaliação fisicaMedidas e avaliação fisica
Medidas e avaliação fisica
Milena Silva
 
Cronica
CronicaCronica
Cronica
Milena Silva
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
Milena Silva
 

Mais de Milena Silva (11)

Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Ortografia
OrtografiaOrtografia
Ortografia
 
O Substantivo
 O Substantivo O Substantivo
O Substantivo
 
A linguagem do romantismo
A linguagem do romantismoA linguagem do romantismo
A linguagem do romantismo
 
Introdução à Anatomia
Introdução à AnatomiaIntrodução à Anatomia
Introdução à Anatomia
 
Sistema esquelético e articulações
Sistema esquelético e articulaçõesSistema esquelético e articulações
Sistema esquelético e articulações
 
Prescrição do exercício
Prescrição do exercícioPrescrição do exercício
Prescrição do exercício
 
Capacidades físicas
Capacidades físicasCapacidades físicas
Capacidades físicas
 
Medidas e avaliação fisica
Medidas e avaliação fisicaMedidas e avaliação fisica
Medidas e avaliação fisica
 
Cronica
CronicaCronica
Cronica
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
 

Último

MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 

Último (20)

MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 

A pontuação

  • 2. • A pontuação marca na escrita as diferenças de entonação, contribuindo para tornar mais preciso o sentido que se quer dar ao texto
  • 3. A VÍRGULA ENTRE OS TERMOS DA ORAÇÃO • EMPREGA-SE A VÍRGULA: • para separar termos que exercem a mesma função sintática _ sujeito composto, complementos, adjuntos_, quando não vêm unidos por e, ou e nem. • Deu- me livros, revistas de arte, discos antigos e CDs. Objeto direto
  • 4. • Para isolar o aposto: • O resto, as louças, os cristais, os talheres, irá nas caixas menores. • Para isolar o vocativo: • Você ouviu, Maria, que notícia estranha?
  • 5. • Para isolar o adjunto adverbial, quando ele é extenso ou quando se quer destacá-lo: • À noite, faço um curso de inglês intensivo. • Para isolar o nome de um lugar anteposto à data: • Recife, 20 de dezembro de 2012.
  • 6. • Para isolar expressões explicativas como isto é, por exemplo, ou melhor, a saber, ou seja, etc. • Entregaram-me a encomenda, isto é, os móveis e as cadeiras, com um mês de atraso.
  • 7. Etc • Considerando que etc. é abreviatura da expressão latina et coetera, que significa “ e outras coisas”, o emprego da vírgula antes dele seria dispensável. Entretanto o acordo ortográfico em vigor no Brasil exige que empreguemos etc. precedido de vírgula. • Ex: Trouxe nesta pasta as fotografias, as cartas, os documentos, etc.
  • 8. A VÍRGULA ENTRE AS ORAÇÕES COORDENADAS • Emprega-se a vírgula para separar: • As orações coordenadas assindéticas: Foi à porta, espiou, correu para dentro assustada.
  • 9. • As orações coordenadas sindéticas, com exceção das introduzidas por conjunção e: • Talvez seja engano meu, mas acho-a mais serena.
  • 10. Observação • As orações coordenadas sindéticas unidas pela conjunção e podem vir separadas por vírgulas, quando: • têm sujeitos diferentes: “ A criatura desviou- se, e ao cabo de um minuto, as linhas moveram-se (...) • A conjunção é repetida várias vezes: Queria ver , e abaixava os olhos, e tapava –os com as mãos, e sentia-se fechar em si mesma.
  • 11. Subordinadas substantivas • Somente as orações subordinadas substantivas apositivas devem ser separadas por vírgula (ou dois-pontos) da oração principal; as demais substantivas, não. • Ele só pensava numa coisa, que não cederia.
  • 12. Subordinadas adjetivas • Somente as orações subordinadas adjetivas explicativas devem ser separadas por vírgula da oração principal; as restritivas, não. • Nem ele, que é o melhor da turma, quis participar do torneio de xadrez.
  • 13. Subordinadas adverbiais • As orações subordinadas adverbiais são separadas por vírgula: • Opcionalmente, se vierem após a oração principal: Oração principal Or. Subor. adverbial temporal Ouvia histórias macabras deste lugar, quando eu era menino vírgula obrigatória
  • 14. Obrigatoriamente, se vierem antepostas ou intercaladas à oração principal. Or. Subord. Adv. condicional Oração principal Se tudo der certo, voltarei hoje mesmo Vírgula obrigatória Oração principal Or. Principal Or. Subord. Adverbial conformativa Esses fatos, conforme informamos no jornal do meio-dia, são falsos. Vírgula obrigatória vírgula obrigatória
  • 15. Obrigatoriamente, quando forem reduzidas de gerúndio, particípio e infinitivo: Or. Subord. Adverbial Condicional reduzida de gerúndio Oração Principal Agindo impensadamente, jamais conseguirá o apoio de seus pais. Vírgula obrigatória
  • 16. PONTO E VÍRGULA • Emprega-se o ponto e vírgula: antes das orações sindéticas adversativas e conclusivas, quando apresentarem a conjunção deslocada: • Você já recebeu dois convites; deve, portanto, comparecer à cerimônia.
  • 17. • Os alunos pretendiam montar um pequeno laboratório de ciências; o dinheiro arrecadado, entretanto, não foi suficiente. • Observe que, nesse caso, a conjunção vem entre vírgulas.
  • 18. • Para separar orações, desde que a segunda contenha zeugma: • Vocês anseiam pela violência; nós, pela paz.
  • 19. Para separar os itens dos enunciados enumerativos: • As águas das chuvas provocam sérios problemas à rede de esgotos. Evite problemas, procedendo da seguinte forma: • a) não ligue ralos de fundo de quintais às redes de esgoto; • b) tampe as caixas de inspeção e limpe-as a cada seis meses; • c) não jogue nos vasos sanitários fraldas descartáveis, absorventes higiênicos, plásticos, estopas, panos e produtos similares.
  • 20. PONTO • Emprega-se no final de frases declarativas. • Os livros foram danificados pelas traças.
  • 21. PONTO DE INTERROGAÇÃO • Emprega-se no final de frases interrogativas diretas: • E eu? O que devo fazer?
  • 22. PONTO DE EXCLAMAÇÃO • Emprega-se no final de frases exclamativas, com a finalidade de indicar estados emocionais, como espanto, surpresa, dor, alegria, súplica, etc. • Saia daqui já!
  • 23. DOIS PONTOS • É usado para introduzir palavras, expressões, orações ou citações que servem para enumerar ou esclarecer o que se afirmou anteriormente: • “Lembrei-me do nome e do tipo: era João Francisco Gregório, caboclo robusto, desconfiado...” ( Graciliano Ramos)
  • 24. ASPAS • São usadas no início e no final de citações , para destacar palavras estrangeiras, neologismos, gírias; para marcar uma ironia; para indicar mudança de um interlocutor nos diálogos, quando o termo não é muito preciso para o contexto, como se pode observar abaixo: • _ Me ajuda a dar um nome pra minha lagartixa de estimação? • _ Que tal “ Sem Graça”?
  • 25. PARÊNTESES • São empregados para separar palavras ou frases explicativas e nas indicações bibliográficas: • “ Depois do jantar ( mal servido) Seu Dagoberto saiu do Grande Hotel e Pensão do Sol ( Familiar)palitando os dentes caninos.” ( Alcântara Machado)
  • 26. TRAVESSÃO • É utilizado: • para indicar a mudança de interlocutor nos diálogos: _Quer saber de uma coisa? O melhor é nós terminarmos. _ Terminarmos? Ele sentiu um frio _ Não combinamos mais mesmo. ( Luiz Vilela)
  • 27. • Para isolar a fala da personagem da fala do narrador: • _ Que deseja agora? _ gritou- lhe afinal, a voz transtornada._ Já não lhe disse que não tenho nada a ver com suas histórias? • ( Fernando Sabino)
  • 28. • Para destacar ou isolar palavras ou expressões, no interior das frases: • Grande futuro? Talvez naturalista, literato, arqueólogo, banqueiro, político ou até bispo_ bispo que fosse_ , uma vez que fosse um cargo... • ( Machado de Assis)
  • 29. RETICÊNCIAS • Indicam a interrupção da frase, feita com a finalidade de sugerir: • Dúvida, hesitação, surpresa: • Não quero ir à casa dela porque... porque não quero vê-la tão cedo. • Qualquer dia desses embarco... pra China.
  • 30. • Prolongamento da frase: • Naquele jardim havia de tudo: dálias, rosas, crisântemos, violetas...
  • 31. • Interrupção de pensamento ou sugestão para que o leitor complete o raciocínio: • Depois de tantos anos, finalmente nos reencontramos e...
  • 32. • Destaque a uma palavra ou expressão • De todas as minhas experiências, nada equivaleu a... ser pai!
  • 33. • Supressão de trecho em textos: • “ a democratização dos estudos trouxe para as escolas de ensino médio alunos que outrora ingressavam diretamente na vida ativa. (...) No ensino médio, os estabelecimentos escolares recebem alunos muito heterogêneos no que tange à relação com o saber.” • ( Phillipe Perrenoud)