SlideShare uma empresa Scribd logo
ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA
Annalethycia Pereira Jacintho de Siqueira
Gustavo Perota
Jefferson Araujo
Lanna Miranda
Prof. MS. Lia Grego
Atividade física adaptada
Definição
A Atividade física adaptada designa um programa
individualizado de aptidão física e motora, habilidades
e padrões motores fundamentais e habilidades de
esportes aquáticos e dança, além de jogos e esportes
individuais e coletivos; um programa elaborado para
suprir as necessidades especiais dos indivíduos.
A educação física adaptada é uma parte da educação
física, cujos objetivos são o estudo e a intervenção
profissional no universo das pessoas que apresentam
diferentes e peculiares condições para a prática das
atividades físicas.
História
Embora seja recente a abertura das instituições
educacionais preparadas para atender essas pessoas
com necessidades especiais, já havia relatos de
tratamentos com a utilização da atividade física ou do
exercício como tratamento médico e terapia. Existem
indícios que o exercício terapêutico surge na china por
volta de 3000 a.C.
 A historia do desporto para portadores de
necessidades especiais começou na Inglaterra. A
pedido do governo britânico criou-se um centro
destinado a tratar homens e mulheres do exercito,
feridos na segunda guerra mundial.
 No século XX recebe uma atenção significativa no
sentido de esforços para servir esta população por
meio da Educação Física, apesar de terem iniciado
nos Estados Unidos durante o séc. XIX
 Em 1948 os medicos começaram a adotar,
definitivamente, a pratica do esporte como parte essencial
da reabilitação médica e social do pacientes
 No Brasil o curso histórico da área da atividade física
adaptada e esportes para deficientes é difícil ser
determinado com fidedignidade por causa de atividades
isoladas de profissionais e instituições que raramente são
registradas em publicações. Os movimentos de formação
profissional, assim como a produção científica, tiveram
um caminho um pouco inverso daquele observado na
América do norte.
História
 No Brasil, em 1958 foram
fundados o Clube de
Paraplégico em São Paulo e o
Clube dos Otimismo no Rio de
Janeiro. Os programas eram
denominados ginástica médica e
tinham a finalidade de prevenir
doenças, utilizado tanto para
exercício corretivos como de
prevenção.
Conceito
 A atividade física adaptada não deve categorizar os
seres humanos como deficientes ou não deficientes.
Ao contrario, a atividade física adaptada deve avaliar e
analisar as diferenças individuais associadas aos
problemas no domínio psicomotor e evitar que essas
diferenças definam negativamente a identidade de
aluno, atleta, enfim, pessoa. Tais diferenças são apenas
uma parcela de um todo complexo que é o ser humano.
Assim, a atividade física adaptada deve proporcionar
serviços adequados às necessidades e potencialidades
desses indivíduos.
Objetivo
 A atividade física adaptada não deve categorizar os seres
humanos como deficientes ou não deficientes. Ao
contrario, a atividade física adaptada deve avaliar e analisar
as diferenças individuais associadas aos problemas no
domínio psicomotor e evitar que essas diferenças definam
negativamente a identidade de aluno, atleta, enfim, pessoa.
Tais diferenças são apenas uma parcela de um todo
complexo que é o ser humano. Assim, a atividade física
adaptada deve proporcionar serviços adequados às
necessidades e potencialidades desses indivíduos.
 Um dos principais objetivos da Atividade Física Adaptada é
a integração do portador de necessidades especiais na
sociedade e no ambiente.
 A Educação Física se caracteriza por suas funções
biológicas, cinestésicas e integradoras, assistindo ao
ser humano pelas suas necessidades biopsicossociais.
A função integradora tem como aspecto promover a
interação social com essas pessoas.
 Para que esta integração aconteça de forma satisfatória
é necessário o alcance de algumas metas:
 Estimulo ao desenvolvimento;
 Desenvolvimento psicossocial e intelectual;
 Melhoria das condições organo-funcionais;
 Possibilitar condições de desenvolver seu potencial criativo
e espontâneo;
 Melhoria e desenvolvimento de autoestima,
autovalorização e autoimagem;
 Motivação e socialização;
 Possibilitar relacionamento intrapessoal e interpessoal;
 Proporcionar bem estar físico, mental, social e emocional;
 Atender as necessidades de movimento, de auto expressão
e lazer.
TIPOS DE NECESSIDADES
ESPECIAIS
Deficiência Visual
Deficiência Auditiva
Deficiência Mental
Lesão Medular
Amputações
Obesidade
Gravidez
Cardiopatas
Idosos
Diabéticos
Transplantados
Distúrbios neurológicos
Distúrbios posturais
Distúrbios Respiratórios
Paraolimpíadas
Os Jogos Paraolímpicos
consistem em um evento
desportivo, que é constituído
por competições entre atletas
de alto nível portadores de
algum tipo de deficiência,
sejam elas sensoriais ou
físicas.
História
Historicamente, acredita-se que a
origem de competições esportivas
entre pessoas portadoras de
deficiências tenha ocorrido na
década de 40 nos Estados Unidos e
na Inglaterra, devido ao grande
número de homens que lutaram na
Segunda Guerra Mundial e
perderam algum membro ou
sofreram algum tipo de trauma
grave.
Essas competições tinham como objetivo principal reabilitar
os ex-combatentes, além de estimulá-los fisicamente e
emocionalmente.
História
Foi apenas em 1960 que
ocorreu a primeira edição
dos Jogos Paraolímpicos,
na cidade italiana de
Roma. Esse evento chegou
a reunir 400 atletas, de 23
países diferentes. Foram
disputados as seguintes
modalidades: esgrima,
basquete, atletismo, tênis
de mesa e arco-e-flecha.
PARAOLIMPÍADAS NA ATUALIDADE
Desde então, o esporte
adaptado vem ganhando
a profissionalização
deixando de ser um
esporte amador e de
reabilitação para atingir o
alto nível. O número de
atletas que esses jogos
vêm agregando aumentou
significativamente: os
Jogos de Londres, em
2012, contemplaram 191
países e mais de 10.500
atletas participantes.
Atletas e Modalidades
Ao iniciar a sua condição
de atleta profissional, o
interessado deve passar por
uma avaliação condicional que
o classificará em alguma das
categorias estipuladas pelo
Movimento Paraolímpico
Internacional. São elas:
amputados, paralisados
cerebrais, deficientes visuais,
lesionados na medula espinhal,
deficientes mentais e outros.
Os atletas com deficiência física são classificados em
cada modalidade esportiva através do sistema de
classificação funcional. Este sistema visa classificar os
atletas com diferentes deficiências físicas em um
mesmo perfil funcional para a competição.
Os atletas com deficiência visual, já passam por uma
classificação médica, baseada em sua capacidade
visual.
Ex:Esgrima: Esporte restrito apenas às pessoas com
dificuldade de locomoção;
Halterofilismo: Mulheres e homens amputados,
paralisados cerebrais e lesionados de medula espinhal
competem nessa modalidade;
Ao todo foram disputadas 29 modalidades de 26 esportes:
Atletismo
Badminton
Basquetebol
Boxe
Canoagem
Ciclismo
Esgrima
Futebol
Ginástica artística, rítmica
Trampolim
Handebol
Halterofilismo
Hipismo
Hóquei na grama
Judô
Luta (livre e greco-romana)
Natação
Nado Sincronizado
Saltos Ornamentais
Pólo Aquático
Pentatlo Moderno
Remo
Taekwondo
Tiro
Tiro com arco
Tênis
Tênis de Mesa
Triatlo
Vela
Voleibol
Vôlei de Praia
Considerações Finais
A maior glória das olimpíadas dos deficientes não está
somente na conquista de medalhas e na própria
competição, está sobretudo no exemplo que esses
atletas passam para centenas de milhares que vivem
estigmatizados por suas deficiências físicas e mentais e
sem perspectivas em suas casas.
Saber que há pessoas que apesar das dificuldades de
toda ordem foram à luta e venceram no esporte, pode
irradiar otimismo, levantar a auto-estima e reorientar
as perspectivas em muita gente.
Atividade física adaptada
Atividade física adaptada

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Jogos paralimpicos
Jogos paralimpicosJogos paralimpicos
Jogos paralimpicos
Professora Fabiana Castro
 
Aula01:
Aula01:Aula01:
Esporte e saúde
Esporte e saúdeEsporte e saúde
Esporte e saúde
Suelene Gomes Silva
 
Diferença de atividade física para Exercício físico!
Diferença de atividade física para Exercício físico!Diferença de atividade física para Exercício físico!
Diferença de atividade física para Exercício físico!
Joemille Leal
 
Futsal teórica
Futsal   teóricaFutsal   teórica
Futsal teórica
NetKids
 
Aula introdução ed. fisica
Aula introdução ed. fisicaAula introdução ed. fisica
Aula introdução ed. fisica
Rafael Borges
 
Benefícios relacionados à atividade física
Benefícios relacionados à atividade físicaBenefícios relacionados à atividade física
Benefícios relacionados à atividade física
Romero Vitor
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
seminariodeficiencia
 
Condicionamento físico
Condicionamento físicoCondicionamento físico
Condicionamento físico
NatanaelMoreiraAmori
 
Jogos pre desportivos na escola
Jogos pre desportivos na escolaJogos pre desportivos na escola
Jogos pre desportivos na escola
evandrolhp
 
Introdução ao estudo do esporte
Introdução ao estudo do esporteIntrodução ao estudo do esporte
Introdução ao estudo do esporte
Rafael Laurindo
 
História da Educação Física no Brasil
História da Educação Física no BrasilHistória da Educação Física no Brasil
História da Educação Física no Brasil
waldeck
 
Ginastica historia
Ginastica historiaGinastica historia
Ginástica geral
Ginástica geralGinástica geral
Ginástica geral
Kauanna Amaral
 
Jogos e brincadeiras
Jogos e brincadeirasJogos e brincadeiras
Jogos e brincadeiras
Gutemberg Vieira
 
Vôlei sentado
Vôlei sentadoVôlei sentado
Vôlei sentado
Victor Said
 
Educ Física_ Esporte Paraolímpico.pdf
Educ Física_ Esporte Paraolímpico.pdfEduc Física_ Esporte Paraolímpico.pdf
Educ Física_ Esporte Paraolímpico.pdf
JasmimFlor
 
Apresentação Educação Física - primeiro dia de aula
Apresentação   Educação Física - primeiro dia de aulaApresentação   Educação Física - primeiro dia de aula
Apresentação Educação Física - primeiro dia de aula
Gilson Silva
 
Educação Física Escolar: Desafios e Perspectivas
Educação Física Escolar: Desafios e PerspectivasEducação Física Escolar: Desafios e Perspectivas
Educação Física Escolar: Desafios e Perspectivas
Alliance Fitness
 
Historia da Educação Física
Historia da Educação FísicaHistoria da Educação Física
Historia da Educação Física
Prof. Saulo Bezerra
 

Mais procurados (20)

Jogos paralimpicos
Jogos paralimpicosJogos paralimpicos
Jogos paralimpicos
 
Aula01:
Aula01:Aula01:
Aula01:
 
Esporte e saúde
Esporte e saúdeEsporte e saúde
Esporte e saúde
 
Diferença de atividade física para Exercício físico!
Diferença de atividade física para Exercício físico!Diferença de atividade física para Exercício físico!
Diferença de atividade física para Exercício físico!
 
Futsal teórica
Futsal   teóricaFutsal   teórica
Futsal teórica
 
Aula introdução ed. fisica
Aula introdução ed. fisicaAula introdução ed. fisica
Aula introdução ed. fisica
 
Benefícios relacionados à atividade física
Benefícios relacionados à atividade físicaBenefícios relacionados à atividade física
Benefícios relacionados à atividade física
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Condicionamento físico
Condicionamento físicoCondicionamento físico
Condicionamento físico
 
Jogos pre desportivos na escola
Jogos pre desportivos na escolaJogos pre desportivos na escola
Jogos pre desportivos na escola
 
Introdução ao estudo do esporte
Introdução ao estudo do esporteIntrodução ao estudo do esporte
Introdução ao estudo do esporte
 
História da Educação Física no Brasil
História da Educação Física no BrasilHistória da Educação Física no Brasil
História da Educação Física no Brasil
 
Ginastica historia
Ginastica historiaGinastica historia
Ginastica historia
 
Ginástica geral
Ginástica geralGinástica geral
Ginástica geral
 
Jogos e brincadeiras
Jogos e brincadeirasJogos e brincadeiras
Jogos e brincadeiras
 
Vôlei sentado
Vôlei sentadoVôlei sentado
Vôlei sentado
 
Educ Física_ Esporte Paraolímpico.pdf
Educ Física_ Esporte Paraolímpico.pdfEduc Física_ Esporte Paraolímpico.pdf
Educ Física_ Esporte Paraolímpico.pdf
 
Apresentação Educação Física - primeiro dia de aula
Apresentação   Educação Física - primeiro dia de aulaApresentação   Educação Física - primeiro dia de aula
Apresentação Educação Física - primeiro dia de aula
 
Educação Física Escolar: Desafios e Perspectivas
Educação Física Escolar: Desafios e PerspectivasEducação Física Escolar: Desafios e Perspectivas
Educação Física Escolar: Desafios e Perspectivas
 
Historia da Educação Física
Historia da Educação FísicaHistoria da Educação Física
Historia da Educação Física
 

Semelhante a Atividade física adaptada

A Educação Física e os portadores de deficiência
A Educação Física e os portadores de deficiênciaA Educação Física e os portadores de deficiência
A Educação Física e os portadores de deficiência
Katia Leite
 
aula 2 História da Educação Física Brasil e amazonas.pptx
aula 2 História da Educação Física Brasil e amazonas.pptxaula 2 História da Educação Física Brasil e amazonas.pptx
aula 2 História da Educação Física Brasil e amazonas.pptx
TavaresJana
 
ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA COMO FORMA DE INCLUSÃO SOCIAL PARA PORTADORES DE SÍ...
ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA COMO FORMA DE INCLUSÃO SOCIAL PARA PORTADORES DE SÍ...ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA COMO FORMA DE INCLUSÃO SOCIAL PARA PORTADORES DE SÍ...
ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA COMO FORMA DE INCLUSÃO SOCIAL PARA PORTADORES DE SÍ...
ManuellaXimenes1
 
Plano+de+estudos+2011(1)
Plano+de+estudos+2011(1)Plano+de+estudos+2011(1)
Plano+de+estudos+2011(1)
Vanessa Rodrigues Andrade
 
Aula 2 dionisio - conceitos
Aula 2   dionisio - conceitosAula 2   dionisio - conceitos
Aula 2 dionisio - conceitos
Nayara de Queiroz
 
Aula 2 dionisio - conceitos
Aula 2   dionisio - conceitosAula 2   dionisio - conceitos
Aula 2 dionisio - conceitos
Ed_Fis_2015
 
Revista Colégio OPET - Número 8
Revista Colégio OPET - Número 8Revista Colégio OPET - Número 8
Revista Colégio OPET - Número 8
Patricia Hoça
 
O Esporte e a Educação Especial
O Esporte e a Educação EspecialO Esporte e a Educação Especial
O Esporte e a Educação Especial
Kellison Lima
 
Programa do modulo de atividade fisica adaptada 2011
Programa do modulo de atividade fisica adaptada 2011Programa do modulo de atividade fisica adaptada 2011
Programa do modulo de atividade fisica adaptada 2011
monitoriadociro
 
OEB - Olimpíadas Especiais Brasil - Relatório anual 2015-2016
OEB - Olimpíadas Especiais Brasil -  Relatório anual 2015-2016OEB - Olimpíadas Especiais Brasil -  Relatório anual 2015-2016
OEB - Olimpíadas Especiais Brasil - Relatório anual 2015-2016
George Millard
 
SLIDES CURSO PAS UEM 1 ETAPA - PDF.pdf
SLIDES CURSO PAS UEM 1 ETAPA - PDF.pdfSLIDES CURSO PAS UEM 1 ETAPA - PDF.pdf
SLIDES CURSO PAS UEM 1 ETAPA - PDF.pdf
AndriaRafaelaMoraes
 
Aptidão física e saúde
Aptidão física e saúdeAptidão física e saúde
Aptidão física e saúde
JMPG .
 
Educação Física 6º ao 9º ano
Educação Física 6º ao 9º anoEducação Física 6º ao 9º ano
Educação Física 6º ao 9º ano
Rogerio Melo
 
Trabalho(1)
Trabalho(1)Trabalho(1)
Trabalho(1)
ginasticapne
 
Trabalho(1)
Trabalho(1)Trabalho(1)
Trabalho(1)
ginasticapne
 
Trabalho(1)
Trabalho(1)Trabalho(1)
Trabalho(1)
ginasticapne
 
APRESENTAÇÃO DOS SLIDES FINAL.pptx
APRESENTAÇÃO DOS SLIDES FINAL.pptxAPRESENTAÇÃO DOS SLIDES FINAL.pptx
APRESENTAÇÃO DOS SLIDES FINAL.pptx
ManuellaXimenes1
 
Desporto na sociedade
Desporto na sociedadeDesporto na sociedade
Desporto na sociedade
GrupoVerde12B
 
Políticas públicas de esporte e lazer na cidade de Uruaçu.
Políticas públicas de esporte e lazer na cidade de Uruaçu.Políticas públicas de esporte e lazer na cidade de Uruaçu.
Políticas públicas de esporte e lazer na cidade de Uruaçu.
Mirelle Ferreira
 
PNE
PNEPNE

Semelhante a Atividade física adaptada (20)

A Educação Física e os portadores de deficiência
A Educação Física e os portadores de deficiênciaA Educação Física e os portadores de deficiência
A Educação Física e os portadores de deficiência
 
aula 2 História da Educação Física Brasil e amazonas.pptx
aula 2 História da Educação Física Brasil e amazonas.pptxaula 2 História da Educação Física Brasil e amazonas.pptx
aula 2 História da Educação Física Brasil e amazonas.pptx
 
ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA COMO FORMA DE INCLUSÃO SOCIAL PARA PORTADORES DE SÍ...
ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA COMO FORMA DE INCLUSÃO SOCIAL PARA PORTADORES DE SÍ...ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA COMO FORMA DE INCLUSÃO SOCIAL PARA PORTADORES DE SÍ...
ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA COMO FORMA DE INCLUSÃO SOCIAL PARA PORTADORES DE SÍ...
 
Plano+de+estudos+2011(1)
Plano+de+estudos+2011(1)Plano+de+estudos+2011(1)
Plano+de+estudos+2011(1)
 
Aula 2 dionisio - conceitos
Aula 2   dionisio - conceitosAula 2   dionisio - conceitos
Aula 2 dionisio - conceitos
 
Aula 2 dionisio - conceitos
Aula 2   dionisio - conceitosAula 2   dionisio - conceitos
Aula 2 dionisio - conceitos
 
Revista Colégio OPET - Número 8
Revista Colégio OPET - Número 8Revista Colégio OPET - Número 8
Revista Colégio OPET - Número 8
 
O Esporte e a Educação Especial
O Esporte e a Educação EspecialO Esporte e a Educação Especial
O Esporte e a Educação Especial
 
Programa do modulo de atividade fisica adaptada 2011
Programa do modulo de atividade fisica adaptada 2011Programa do modulo de atividade fisica adaptada 2011
Programa do modulo de atividade fisica adaptada 2011
 
OEB - Olimpíadas Especiais Brasil - Relatório anual 2015-2016
OEB - Olimpíadas Especiais Brasil -  Relatório anual 2015-2016OEB - Olimpíadas Especiais Brasil -  Relatório anual 2015-2016
OEB - Olimpíadas Especiais Brasil - Relatório anual 2015-2016
 
SLIDES CURSO PAS UEM 1 ETAPA - PDF.pdf
SLIDES CURSO PAS UEM 1 ETAPA - PDF.pdfSLIDES CURSO PAS UEM 1 ETAPA - PDF.pdf
SLIDES CURSO PAS UEM 1 ETAPA - PDF.pdf
 
Aptidão física e saúde
Aptidão física e saúdeAptidão física e saúde
Aptidão física e saúde
 
Educação Física 6º ao 9º ano
Educação Física 6º ao 9º anoEducação Física 6º ao 9º ano
Educação Física 6º ao 9º ano
 
Trabalho(1)
Trabalho(1)Trabalho(1)
Trabalho(1)
 
Trabalho(1)
Trabalho(1)Trabalho(1)
Trabalho(1)
 
Trabalho(1)
Trabalho(1)Trabalho(1)
Trabalho(1)
 
APRESENTAÇÃO DOS SLIDES FINAL.pptx
APRESENTAÇÃO DOS SLIDES FINAL.pptxAPRESENTAÇÃO DOS SLIDES FINAL.pptx
APRESENTAÇÃO DOS SLIDES FINAL.pptx
 
Desporto na sociedade
Desporto na sociedadeDesporto na sociedade
Desporto na sociedade
 
Políticas públicas de esporte e lazer na cidade de Uruaçu.
Políticas públicas de esporte e lazer na cidade de Uruaçu.Políticas públicas de esporte e lazer na cidade de Uruaçu.
Políticas públicas de esporte e lazer na cidade de Uruaçu.
 
PNE
PNEPNE
PNE
 

Último

9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
dantemalca
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
GleenseCartonilho
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 

Último (9)

9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 

Atividade física adaptada

  • 1. ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA Annalethycia Pereira Jacintho de Siqueira Gustavo Perota Jefferson Araujo Lanna Miranda Prof. MS. Lia Grego
  • 3. Definição A Atividade física adaptada designa um programa individualizado de aptidão física e motora, habilidades e padrões motores fundamentais e habilidades de esportes aquáticos e dança, além de jogos e esportes individuais e coletivos; um programa elaborado para suprir as necessidades especiais dos indivíduos. A educação física adaptada é uma parte da educação física, cujos objetivos são o estudo e a intervenção profissional no universo das pessoas que apresentam diferentes e peculiares condições para a prática das atividades físicas.
  • 4. História Embora seja recente a abertura das instituições educacionais preparadas para atender essas pessoas com necessidades especiais, já havia relatos de tratamentos com a utilização da atividade física ou do exercício como tratamento médico e terapia. Existem indícios que o exercício terapêutico surge na china por volta de 3000 a.C.
  • 5.  A historia do desporto para portadores de necessidades especiais começou na Inglaterra. A pedido do governo britânico criou-se um centro destinado a tratar homens e mulheres do exercito, feridos na segunda guerra mundial.  No século XX recebe uma atenção significativa no sentido de esforços para servir esta população por meio da Educação Física, apesar de terem iniciado nos Estados Unidos durante o séc. XIX
  • 6.  Em 1948 os medicos começaram a adotar, definitivamente, a pratica do esporte como parte essencial da reabilitação médica e social do pacientes  No Brasil o curso histórico da área da atividade física adaptada e esportes para deficientes é difícil ser determinado com fidedignidade por causa de atividades isoladas de profissionais e instituições que raramente são registradas em publicações. Os movimentos de formação profissional, assim como a produção científica, tiveram um caminho um pouco inverso daquele observado na América do norte.
  • 7. História  No Brasil, em 1958 foram fundados o Clube de Paraplégico em São Paulo e o Clube dos Otimismo no Rio de Janeiro. Os programas eram denominados ginástica médica e tinham a finalidade de prevenir doenças, utilizado tanto para exercício corretivos como de prevenção.
  • 8. Conceito  A atividade física adaptada não deve categorizar os seres humanos como deficientes ou não deficientes. Ao contrario, a atividade física adaptada deve avaliar e analisar as diferenças individuais associadas aos problemas no domínio psicomotor e evitar que essas diferenças definam negativamente a identidade de aluno, atleta, enfim, pessoa. Tais diferenças são apenas uma parcela de um todo complexo que é o ser humano. Assim, a atividade física adaptada deve proporcionar serviços adequados às necessidades e potencialidades desses indivíduos.
  • 9. Objetivo  A atividade física adaptada não deve categorizar os seres humanos como deficientes ou não deficientes. Ao contrario, a atividade física adaptada deve avaliar e analisar as diferenças individuais associadas aos problemas no domínio psicomotor e evitar que essas diferenças definam negativamente a identidade de aluno, atleta, enfim, pessoa. Tais diferenças são apenas uma parcela de um todo complexo que é o ser humano. Assim, a atividade física adaptada deve proporcionar serviços adequados às necessidades e potencialidades desses indivíduos.  Um dos principais objetivos da Atividade Física Adaptada é a integração do portador de necessidades especiais na sociedade e no ambiente.
  • 10.  A Educação Física se caracteriza por suas funções biológicas, cinestésicas e integradoras, assistindo ao ser humano pelas suas necessidades biopsicossociais. A função integradora tem como aspecto promover a interação social com essas pessoas.  Para que esta integração aconteça de forma satisfatória é necessário o alcance de algumas metas:
  • 11.  Estimulo ao desenvolvimento;  Desenvolvimento psicossocial e intelectual;  Melhoria das condições organo-funcionais;  Possibilitar condições de desenvolver seu potencial criativo e espontâneo;  Melhoria e desenvolvimento de autoestima, autovalorização e autoimagem;  Motivação e socialização;  Possibilitar relacionamento intrapessoal e interpessoal;  Proporcionar bem estar físico, mental, social e emocional;  Atender as necessidades de movimento, de auto expressão e lazer.
  • 12. TIPOS DE NECESSIDADES ESPECIAIS Deficiência Visual Deficiência Auditiva Deficiência Mental Lesão Medular Amputações Obesidade Gravidez Cardiopatas Idosos Diabéticos Transplantados Distúrbios neurológicos Distúrbios posturais Distúrbios Respiratórios
  • 13. Paraolimpíadas Os Jogos Paraolímpicos consistem em um evento desportivo, que é constituído por competições entre atletas de alto nível portadores de algum tipo de deficiência, sejam elas sensoriais ou físicas.
  • 14. História Historicamente, acredita-se que a origem de competições esportivas entre pessoas portadoras de deficiências tenha ocorrido na década de 40 nos Estados Unidos e na Inglaterra, devido ao grande número de homens que lutaram na Segunda Guerra Mundial e perderam algum membro ou sofreram algum tipo de trauma grave. Essas competições tinham como objetivo principal reabilitar os ex-combatentes, além de estimulá-los fisicamente e emocionalmente.
  • 15. História Foi apenas em 1960 que ocorreu a primeira edição dos Jogos Paraolímpicos, na cidade italiana de Roma. Esse evento chegou a reunir 400 atletas, de 23 países diferentes. Foram disputados as seguintes modalidades: esgrima, basquete, atletismo, tênis de mesa e arco-e-flecha.
  • 17. Desde então, o esporte adaptado vem ganhando a profissionalização deixando de ser um esporte amador e de reabilitação para atingir o alto nível. O número de atletas que esses jogos vêm agregando aumentou significativamente: os Jogos de Londres, em 2012, contemplaram 191 países e mais de 10.500 atletas participantes.
  • 18. Atletas e Modalidades Ao iniciar a sua condição de atleta profissional, o interessado deve passar por uma avaliação condicional que o classificará em alguma das categorias estipuladas pelo Movimento Paraolímpico Internacional. São elas: amputados, paralisados cerebrais, deficientes visuais, lesionados na medula espinhal, deficientes mentais e outros.
  • 19. Os atletas com deficiência física são classificados em cada modalidade esportiva através do sistema de classificação funcional. Este sistema visa classificar os atletas com diferentes deficiências físicas em um mesmo perfil funcional para a competição. Os atletas com deficiência visual, já passam por uma classificação médica, baseada em sua capacidade visual. Ex:Esgrima: Esporte restrito apenas às pessoas com dificuldade de locomoção; Halterofilismo: Mulheres e homens amputados, paralisados cerebrais e lesionados de medula espinhal competem nessa modalidade;
  • 20. Ao todo foram disputadas 29 modalidades de 26 esportes: Atletismo Badminton Basquetebol Boxe Canoagem Ciclismo Esgrima Futebol Ginástica artística, rítmica Trampolim Handebol Halterofilismo Hipismo Hóquei na grama Judô Luta (livre e greco-romana) Natação Nado Sincronizado Saltos Ornamentais Pólo Aquático Pentatlo Moderno Remo Taekwondo Tiro Tiro com arco Tênis Tênis de Mesa Triatlo Vela Voleibol Vôlei de Praia
  • 21. Considerações Finais A maior glória das olimpíadas dos deficientes não está somente na conquista de medalhas e na própria competição, está sobretudo no exemplo que esses atletas passam para centenas de milhares que vivem estigmatizados por suas deficiências físicas e mentais e sem perspectivas em suas casas. Saber que há pessoas que apesar das dificuldades de toda ordem foram à luta e venceram no esporte, pode irradiar otimismo, levantar a auto-estima e reorientar as perspectivas em muita gente.