SlideShare uma empresa Scribd logo
História Social do Romantismo: a
poesia
Unidade 1
Professora:
Milena Silva
Jovem nu sentado à beira do mar
(1855), do pintor romântico
Jean- Hippolyte Flandrin.
Você se considera uma pessoa
romântica?
 O romantismo foi um amplo movimento que
surgiu no século XIX e representou
artisticamente os anseios da burguesia que
havia acabado de chegar ao poder na
França.
 O quadro “A jangada de Medusa” (1819), de
Theodore Géricault retrata uma tragédia no
mar, difere de outras obras de outros
pintores do romantismo, sobretudo aqueles
da fase inicial do movimento, que incluem em
suas telas valores relacionados à Revolução
Francesa, como heroísmo, glória e triunfo.
Características do Romantismo:
 Natureza mais real
 Predomínio da emoção
 Nacionalismo
 Subjetivismo
 Gosto por ambientes noturnos
 Atração pela morte
 Sentido trágico da existência
 Indianismo
Canção do exílio
Gonçalves Dias (1843)
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves que aqui gorjeiam,
Gorjeiam como lá.
Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.
Em cismar sozinho à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar_ sozinho à noite_
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Não permita Deus que eu
morra
Sem que eu volte para lá;
Sem que eu desfrute os
primores
Que não encontro por cá;
Sem qu’inda aviste as
palmeiras.
Onde canta o Sabiá.
Questões
 A linguagem empregada nos textos do
Barroco e do Arcadismo ainda guardava forte
influência do português literário lusitano: o
vocabulário era culto, a sintaxe apresentava
inversões e não se empregavam palavras de
origem tupi ou africana. Observe a linguagem
da “ Canção do Exílio” e responda:
 A) A linguagem do poema escrito há mais de
170 anos, se mostra acessível ou inacessível
ao leitor de hoje?
 B) Faça uma pequena pesquisa no dicionário:
entre as palavras terra, palmeiras, sabiá,
gorjeiam, qual delas tem origem indígena?
 O poema apresenta um jeito de falar
brasileiro e uma forte musicalidade,
associada ao emprego de recursos como
rimas e ritmo.
 A) quais palavras rimam entre si?
 Todo o poema se articula em torno da oposição entre
dois espaços: a pátria (o Brasil) e o exílio (Portugal)?
A) que palavras do texto evidenciam essa antítese?
B) ao descrever o Brasil, o eu lírico destaca que espécie
de elementos: culturais, naturais ou sociais? Justifique sua
resposta com elementos do texto.
C) que sentimento a distância da pátria provoca no eu –
lírico?
 A natureza, nos textos árcades, não
apresentava vida; com um papel secundário,
servia apenas como pano de fundo para o
idílio amoroso. Além disso, a presença de
alguns elementos da paisagem nacional
(principalmente mineira) era indício de
nativismo, e não de nacionalismo.
 A) no poema romântico de Gonçalves Dias, a
natureza brasileira também assume um papel
secundário?
 B) qual a diferença entre sentimento nativista
e sentimento nacionalista?
 C) no poema de Gonçalves Dias, a natureza
brasileira é expressão de sentimento nativista
ou de sentimento nacionalista?
 É comum, nos textos românticos, o eu-lírico
ou a personagem apresentar um estado de
alma melancólico, triste, reflexivo, voltado
para seu mundo interior. Identifique no texto
ao menos uma situação em que isso ocorre.
 Como o eu lírico do poema vê a pátria e a
natureza brasileira: de modo pessoal ou
impessoal? Objetivo ou subjetivo? Racional
ou sentimental? Realista ou idealizado?
ROMANTISMO
 Predomínio da emoção;
 Subjetivismo;
 Nacionalismo;
 Maior liberdade formal;
 Vocabulário e sintaxe
mais brasileiros;
 Gosto pelas redondilhas;
 Valorização da cultura
popular;
ARCADISMO
 Predomínio da razão;
 Objetivismo;
 Universalismo; nativismo;
 Maior contenção formal;
 Vocabulário e sintaxe
com influência lusitana;
 Gosto pelo decassílabo e
pelo soneto;
 Imitação da cultura
clássica greco- latina;
ROMANTISMO
 Natureza mais real,
que interage com o
eu-lírico;
 Sentimentalismo ;
estados de alma
tristes e
melancólicos.
ARCADISMO
 Natureza como
plano de fundo para
os índios amorosos;
 Busca de equilíbrio,
racionalismo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
NAPNE
 
Prova Artes 1 ano médio
Prova Artes 1 ano médioProva Artes 1 ano médio
Prova Artes 1 ano médio
Geo Honório
 
Humor e ironia
Humor e ironiaHumor e ironia
Humor e ironia
Rosângela Ferreira Luz
 
O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geração
Antonio Minharro
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
Fernando Henning
 
Prova de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 anoProva de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 ano
Bárbara Fonseca
 
Introdução a Literatura
Introdução a LiteraturaIntrodução a Literatura
Introdução a Literatura
Glauco Duarte
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Josie Ubiali
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
Luiz Lisboa
 
Aula arcadismo
Aula arcadismoAula arcadismo
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
Equipemundi2014
 
Realismo 2 ano
Realismo 2 anoRealismo 2 ano
Realismo 2 ano
Marilene dos Santos
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
Karen Olivan
 
Quinhentismo-Lista-de-Exercicios-Literatura-ENEM (1).pdf
Quinhentismo-Lista-de-Exercicios-Literatura-ENEM (1).pdfQuinhentismo-Lista-de-Exercicios-Literatura-ENEM (1).pdf
Quinhentismo-Lista-de-Exercicios-Literatura-ENEM (1).pdf
CyntiaJorge
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
CrisBiagio
 
0571 13 folha redao enem critrios-2014
0571 13 folha redao enem  critrios-20140571 13 folha redao enem  critrios-2014
0571 13 folha redao enem critrios-2014
Mirceya Lima
 
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdfFICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
Natália Moura
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Colégio Santa Luzia
 

Mais procurados (20)

Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
 
Prova Artes 1 ano médio
Prova Artes 1 ano médioProva Artes 1 ano médio
Prova Artes 1 ano médio
 
Humor e ironia
Humor e ironiaHumor e ironia
Humor e ironia
 
O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geração
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
 
Prova de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 anoProva de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 ano
 
Introdução a Literatura
Introdução a LiteraturaIntrodução a Literatura
Introdução a Literatura
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Romantismo - aula
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Aula arcadismo
Aula arcadismoAula arcadismo
Aula arcadismo
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Realismo 2 ano
Realismo 2 anoRealismo 2 ano
Realismo 2 ano
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
 
Quinhentismo-Lista-de-Exercicios-Literatura-ENEM (1).pdf
Quinhentismo-Lista-de-Exercicios-Literatura-ENEM (1).pdfQuinhentismo-Lista-de-Exercicios-Literatura-ENEM (1).pdf
Quinhentismo-Lista-de-Exercicios-Literatura-ENEM (1).pdf
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
0571 13 folha redao enem critrios-2014
0571 13 folha redao enem  critrios-20140571 13 folha redao enem  critrios-2014
0571 13 folha redao enem critrios-2014
 
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdfFICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 

Destaque

Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - Exercícios
NAPNE
 
Cronica
CronicaCronica
Cronica
Milena Silva
 
Medidas e avaliação fisica
Medidas e avaliação fisicaMedidas e avaliação fisica
Medidas e avaliação fisica
Milena Silva
 
Introdução à Anatomia
Introdução à AnatomiaIntrodução à Anatomia
Introdução à Anatomia
Milena Silva
 
Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
CrisBiagio
 
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
mix1981
 
O Substantivo
 O Substantivo O Substantivo
O Substantivo
Milena Silva
 
A Crónica
A CrónicaA Crónica
A Crónica
António Granado
 
Iluminismo (1) duda 22 mp
Iluminismo (1) duda 22 mpIluminismo (1) duda 22 mp
Iluminismo (1) duda 22 mp
alemisturini
 
Literatura romantismo
Literatura romantismoLiteratura romantismo
Literatura romantismo
Mara Medeiros
 
Romantismo 1
Romantismo 1Romantismo 1
Romantismo 1
nixsonmachado
 
Deus é Amor
Deus é AmorDeus é Amor
Deus é Amor
Rogério Nunes
 
Genética DNA & RNA
Genética DNA & RNAGenética DNA & RNA
Genética DNA & RNA
Júlio César
 
Slides
Slides Slides
Ed fisica escolar
Ed fisica escolarEd fisica escolar
Ed fisica escolar
Educação Fisica
 
Apostila ed.fisica ensino_medio
Apostila ed.fisica ensino_medioApostila ed.fisica ensino_medio
Apostila ed.fisica ensino_medio
Paulo Crstian
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
Milena Silva
 
A adolescência nos dias atuais
A adolescência nos dias atuaisA adolescência nos dias atuais
A adolescência nos dias atuais
Eufrasio Pinto Madeira
 
Como fazer cartaz
Como fazer cartazComo fazer cartaz
Como fazer cartaz
Sandra Alves
 
Slide Escrevendo Crônica
Slide Escrevendo CrônicaSlide Escrevendo Crônica
Slide Escrevendo Crônica
Jomari
 

Destaque (20)

Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - Exercícios
 
Cronica
CronicaCronica
Cronica
 
Medidas e avaliação fisica
Medidas e avaliação fisicaMedidas e avaliação fisica
Medidas e avaliação fisica
 
Introdução à Anatomia
Introdução à AnatomiaIntrodução à Anatomia
Introdução à Anatomia
 
Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
 
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
 
O Substantivo
 O Substantivo O Substantivo
O Substantivo
 
A Crónica
A CrónicaA Crónica
A Crónica
 
Iluminismo (1) duda 22 mp
Iluminismo (1) duda 22 mpIluminismo (1) duda 22 mp
Iluminismo (1) duda 22 mp
 
Literatura romantismo
Literatura romantismoLiteratura romantismo
Literatura romantismo
 
Romantismo 1
Romantismo 1Romantismo 1
Romantismo 1
 
Deus é Amor
Deus é AmorDeus é Amor
Deus é Amor
 
Genética DNA & RNA
Genética DNA & RNAGenética DNA & RNA
Genética DNA & RNA
 
Slides
Slides Slides
Slides
 
Ed fisica escolar
Ed fisica escolarEd fisica escolar
Ed fisica escolar
 
Apostila ed.fisica ensino_medio
Apostila ed.fisica ensino_medioApostila ed.fisica ensino_medio
Apostila ed.fisica ensino_medio
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
 
A adolescência nos dias atuais
A adolescência nos dias atuaisA adolescência nos dias atuais
A adolescência nos dias atuais
 
Como fazer cartaz
Como fazer cartazComo fazer cartaz
Como fazer cartaz
 
Slide Escrevendo Crônica
Slide Escrevendo CrônicaSlide Escrevendo Crônica
Slide Escrevendo Crônica
 

Semelhante a A linguagem do romantismo

GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)
GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)
GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)
Danillo Rodrigues
 
O romantismo - poesia
O romantismo -  poesiaO romantismo -  poesia
O romantismo - poesia
Tiago Lott
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
manuudias
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 
Romantismo no brasil primórdios
Romantismo no brasil   primórdiosRomantismo no brasil   primórdios
Romantismo no brasil primórdios
VIVIAN TROMBINI
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
Thalita Dias
 
ROMANTISMO NO BRASIL
ROMANTISMO NO BRASILROMANTISMO NO BRASIL
ROMANTISMO NO BRASIL
Junior Moura
 
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo
Exrcícios de t rovadorismo e humanismoExrcícios de t rovadorismo e humanismo
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo
Raquel Dos Santos
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
Marcos Souza
 
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo IIExrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Raquel Dos Santos
 
Modernismo 2a. geração
Modernismo   2a. geraçãoModernismo   2a. geração
Modernismo 2a. geração
Vilmar Vilaça
 
O Romantismo
O RomantismoO Romantismo
O Romantismo
Ronaldo Mesquita
 
Linguagem e temas da poesia romântica. (1).ppt
Linguagem e temas da poesia romântica. (1).pptLinguagem e temas da poesia romântica. (1).ppt
Linguagem e temas da poesia romântica. (1).ppt
Maria Elizangela Souza e Silva
 
Romantismo 2014
Romantismo 2014Romantismo 2014
Romantismo 2014
CrisBiagio
 
Literatura Profª Hildalene
Literatura   Profª Hildalene Literatura   Profª Hildalene
Literatura Profª Hildalene
Pré-Enem Seduc
 
Literatura Profª Hildalene
Literatura   Profª Hildalene Literatura   Profª Hildalene
Literatura Profª Hildalene
Pré-Enem Seduc
 
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdfAutores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
MarianaSantosdaSilva8
 
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Panorama da literatura ii   a partir do romantismoPanorama da literatura ii   a partir do romantismo
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Dilmara Faria
 
romantismonobrasil-1gerao-110216091849-phpapp02 (5).pdf
romantismonobrasil-1gerao-110216091849-phpapp02 (5).pdfromantismonobrasil-1gerao-110216091849-phpapp02 (5).pdf
romantismonobrasil-1gerao-110216091849-phpapp02 (5).pdf
iagosouza61
 
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 

Semelhante a A linguagem do romantismo (20)

GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)
GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)
GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)
 
O romantismo - poesia
O romantismo -  poesiaO romantismo -  poesia
O romantismo - poesia
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
Romantismo no brasil primórdios
Romantismo no brasil   primórdiosRomantismo no brasil   primórdios
Romantismo no brasil primórdios
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
 
ROMANTISMO NO BRASIL
ROMANTISMO NO BRASILROMANTISMO NO BRASIL
ROMANTISMO NO BRASIL
 
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo
Exrcícios de t rovadorismo e humanismoExrcícios de t rovadorismo e humanismo
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo IIExrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo II
 
Modernismo 2a. geração
Modernismo   2a. geraçãoModernismo   2a. geração
Modernismo 2a. geração
 
O Romantismo
O RomantismoO Romantismo
O Romantismo
 
Linguagem e temas da poesia romântica. (1).ppt
Linguagem e temas da poesia romântica. (1).pptLinguagem e temas da poesia romântica. (1).ppt
Linguagem e temas da poesia romântica. (1).ppt
 
Romantismo 2014
Romantismo 2014Romantismo 2014
Romantismo 2014
 
Literatura Profª Hildalene
Literatura   Profª Hildalene Literatura   Profª Hildalene
Literatura Profª Hildalene
 
Literatura Profª Hildalene
Literatura   Profª Hildalene Literatura   Profª Hildalene
Literatura Profª Hildalene
 
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdfAutores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
 
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Panorama da literatura ii   a partir do romantismoPanorama da literatura ii   a partir do romantismo
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
 
romantismonobrasil-1gerao-110216091849-phpapp02 (5).pdf
romantismonobrasil-1gerao-110216091849-phpapp02 (5).pdfromantismonobrasil-1gerao-110216091849-phpapp02 (5).pdf
romantismonobrasil-1gerao-110216091849-phpapp02 (5).pdf
 
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
 

Mais de Milena Silva

Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Milena Silva
 
A pontuação
A pontuaçãoA pontuação
A pontuação
Milena Silva
 
Ortografia
OrtografiaOrtografia
Ortografia
Milena Silva
 
Sistema esquelético e articulações
Sistema esquelético e articulaçõesSistema esquelético e articulações
Sistema esquelético e articulações
Milena Silva
 
Prescrição do exercício
Prescrição do exercícioPrescrição do exercício
Prescrição do exercício
Milena Silva
 
Capacidades físicas
Capacidades físicasCapacidades físicas
Capacidades físicas
Milena Silva
 

Mais de Milena Silva (6)

Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
A pontuação
A pontuaçãoA pontuação
A pontuação
 
Ortografia
OrtografiaOrtografia
Ortografia
 
Sistema esquelético e articulações
Sistema esquelético e articulaçõesSistema esquelético e articulações
Sistema esquelético e articulações
 
Prescrição do exercício
Prescrição do exercícioPrescrição do exercício
Prescrição do exercício
 
Capacidades físicas
Capacidades físicasCapacidades físicas
Capacidades físicas
 

Último

Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
FredPaixaoeSilva
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
MarcoAurlioResende
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
ALEXANDRODECASTRODOS
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 

Último (20)

Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
 

A linguagem do romantismo

  • 1. História Social do Romantismo: a poesia Unidade 1 Professora: Milena Silva
  • 2. Jovem nu sentado à beira do mar (1855), do pintor romântico Jean- Hippolyte Flandrin.
  • 3. Você se considera uma pessoa romântica?  O romantismo foi um amplo movimento que surgiu no século XIX e representou artisticamente os anseios da burguesia que havia acabado de chegar ao poder na França.
  • 4.  O quadro “A jangada de Medusa” (1819), de Theodore Géricault retrata uma tragédia no mar, difere de outras obras de outros pintores do romantismo, sobretudo aqueles da fase inicial do movimento, que incluem em suas telas valores relacionados à Revolução Francesa, como heroísmo, glória e triunfo.
  • 5.
  • 6. Características do Romantismo:  Natureza mais real  Predomínio da emoção  Nacionalismo  Subjetivismo  Gosto por ambientes noturnos  Atração pela morte  Sentido trágico da existência  Indianismo
  • 7. Canção do exílio Gonçalves Dias (1843) Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves que aqui gorjeiam, Gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar sozinho à noite, Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar_ sozinho à noite_ Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá.
  • 8. Não permita Deus que eu morra Sem que eu volte para lá; Sem que eu desfrute os primores Que não encontro por cá; Sem qu’inda aviste as palmeiras. Onde canta o Sabiá.
  • 9. Questões  A linguagem empregada nos textos do Barroco e do Arcadismo ainda guardava forte influência do português literário lusitano: o vocabulário era culto, a sintaxe apresentava inversões e não se empregavam palavras de origem tupi ou africana. Observe a linguagem da “ Canção do Exílio” e responda:
  • 10.  A) A linguagem do poema escrito há mais de 170 anos, se mostra acessível ou inacessível ao leitor de hoje?  B) Faça uma pequena pesquisa no dicionário: entre as palavras terra, palmeiras, sabiá, gorjeiam, qual delas tem origem indígena?
  • 11.  O poema apresenta um jeito de falar brasileiro e uma forte musicalidade, associada ao emprego de recursos como rimas e ritmo.  A) quais palavras rimam entre si?
  • 12.  Todo o poema se articula em torno da oposição entre dois espaços: a pátria (o Brasil) e o exílio (Portugal)? A) que palavras do texto evidenciam essa antítese? B) ao descrever o Brasil, o eu lírico destaca que espécie de elementos: culturais, naturais ou sociais? Justifique sua resposta com elementos do texto. C) que sentimento a distância da pátria provoca no eu – lírico?
  • 13.  A natureza, nos textos árcades, não apresentava vida; com um papel secundário, servia apenas como pano de fundo para o idílio amoroso. Além disso, a presença de alguns elementos da paisagem nacional (principalmente mineira) era indício de nativismo, e não de nacionalismo.
  • 14.  A) no poema romântico de Gonçalves Dias, a natureza brasileira também assume um papel secundário?  B) qual a diferença entre sentimento nativista e sentimento nacionalista?  C) no poema de Gonçalves Dias, a natureza brasileira é expressão de sentimento nativista ou de sentimento nacionalista?
  • 15.  É comum, nos textos românticos, o eu-lírico ou a personagem apresentar um estado de alma melancólico, triste, reflexivo, voltado para seu mundo interior. Identifique no texto ao menos uma situação em que isso ocorre.
  • 16.  Como o eu lírico do poema vê a pátria e a natureza brasileira: de modo pessoal ou impessoal? Objetivo ou subjetivo? Racional ou sentimental? Realista ou idealizado?
  • 17. ROMANTISMO  Predomínio da emoção;  Subjetivismo;  Nacionalismo;  Maior liberdade formal;  Vocabulário e sintaxe mais brasileiros;  Gosto pelas redondilhas;  Valorização da cultura popular; ARCADISMO  Predomínio da razão;  Objetivismo;  Universalismo; nativismo;  Maior contenção formal;  Vocabulário e sintaxe com influência lusitana;  Gosto pelo decassílabo e pelo soneto;  Imitação da cultura clássica greco- latina;
  • 18. ROMANTISMO  Natureza mais real, que interage com o eu-lírico;  Sentimentalismo ; estados de alma tristes e melancólicos. ARCADISMO  Natureza como plano de fundo para os índios amorosos;  Busca de equilíbrio, racionalismo.