SlideShare uma empresa Scribd logo
PARA FUTEBOL E FUTSAL:
TODO O MATERIAL É ENVIADO POR E-MAIL.
O que é o teste físico "Yoyo"?
Depois de ter saído a notícia de que Olegário Benquerença tinha chumbado
na Prova do YOYO, muitas pessoas que não estão ligadas ao mundo da
arbitragem ou do desporto ficaram sem perceber qual tinha sido
exactamente o teste em que o árbitro internacional português tinha
chumbado.
Em baixo fazemos um breve resumo das características desta prova física.
O Yoyo Test é uma importante ferramenta que determina o nível da
capacidade individual. A avaliação de atletas/árbitros dos desportos
colectivos que exigem esforços intermitentes mostra-nos que quanto mais
alto é o nível da competição melhores serão os resultados e o desempenho
neste teste. É largamente utilizado por preparadores físicos de clubes
profissionais e de categorias de base e é ainda uma das provas físicas dos
árbitros dos quadros da UEFA. Foi inventado pelo fisiologista dinamarquês
Jens Bangsbo. O Yoyo Teste de Recuperação Intermitente tem um ritmo
progressivo aumentado à medida de sinais sonoros. O protocolo é descrito e
gravado num CD de teste ou arquivo mp3. Duas marcas são colocadas a uma
distância de 20m entre elas e uma área de descanso medindo 5m é colocada
no lado inicial. O atleta/árbitro deve deslocar-se de uma marca à outra numa
velocidade que é determinada pelo ritmo do áudio. A velocidade é
regularmente aumentada a cada estágio. O indivíduo deverá alcançar a marca
antes do sinal sonoro. O teste deverá ocorrer até o atleta sentir-se incapacitado
(fadiga) ou se o mesmo não alcançar duas marcas seguidas. O objectivo do
teste é de que o avaliado realize o maior número possível de deslocamentos
dentro do estímulo sonoro.
O resultado é determinado pela distância percorrida pelo atleta durante o teste
e, posteriormente, transformado num cálculo de Consumo de Oxigénio (VO2).
Existem duas versões deste teste. O nível 1 é para iniciantes e inicia a uma
velocidade de 8 KM/h. Já o nível 2 é para indivíduos treinados, a velocidade
inicial deste nível é de 11,5 Km/h.
As fórmulas utilizadas para estimar o VO2 máx (ml/min/kg) a partir do Yo-yo
IR1 e IR2 são as seguintes:
Yo-Yo teste IR1: VO2max (ml / min / kg) = distância IR1 (m) x 0,0084 + 36,4
Yo-Yo IR2 teste: VO2max (ml / min / kg) = IR2 distância (m) x 0,0136 + 45,3
YOYO TEST, TESTE CRIADO PELA FAMOSO FISIOLOGISTA
JENS BANGSBO
Jens Bangsbo TRABALHA no Juventus FC
O desempenho no jogo de futebol é bastante influenciado pelo
metabolismo aeróbio. Diversos estudos encontraram uma forte
correlação do volume máximo do oxigênio com a distância
percorrida durante o jogo. Atletas com melhor preparo aeróbio
conseguem uma recuperação mais rápida dos esforços de alta
intensidade, possibilitando realizar uma atividade mais intensa
no decorrer da partida.
Existem vários testes para avaliar a resistência aeróbia, tanto de
laboratório como testes de campo. Geralmente os testes de
laboratório utilizam testes progressivos em esteiras e bicicletas
ergométricas e os testes de campo se utilizam do corridas
contínuas (como o teste de Cooper – 12 minutos). Apesar de
serem muito utilizados estes protocolos não reproduzem o
padrão de atividade realizado durante o jogo nos esportes
coletivos, como o futebol, que diminui bastante a especificidade
no teste. Para resolver este problema alguns pesquisadores
começaram a desenvolver testes mais específicos com o padrão
de atividade realizado no jogo. E o formato que encontraram
para a execução do teste foi o de ida e volta (yoyo). Neste tipo de
protocolo além de correr os atletas têm que realizar o
movimento de mudança de direção. Foram desenvolvidos
vários testes neste formato, como o Leger, Soccer test, Beat
test e o Yoyo test. Más o protocolo do Yoyo test é o mais
utilizado no futebol mundial. O Yoyo test foi desenvolvido por
um famoso fisiologista dinamarquês Jens Bangsbo. Ele criou
três tipos de protocolo, com dois níveis de dificuldade em cada
tipo. Todos os protocolos são realizados em uma distância de 20
metros. Os atletas executam um esforço de intensidade
progressiva e o resultado do teste é a distância total percorrida.
A intensidade é controlada através de um som emitido por uma
fita cassete. A diferença entre os protocolos é tempo para
recuperação e o aumento da velocidade. No teste contínuo não
tem recuperação entre as corridas, porém a velocidade de
corrida é mais baixa. No teste intermitente é realizado um
intervalo de 5 segundos entre cada ida e volta (40 metros),
porém o teste é realizado com uma velocidade maior. Já no teste
“recovery” a recuperação entres os tiros é de 10 segundos e a
velocidade de corrida é bem alta. Abaixo o video enviado pelo
Fisiologista Carlos Vinicius Herdy, onde foram avaliações atetas
de futebol sub20 e sub17.
Protocolos de Avaliação Física e Predição do Consumo
Máximo de Oxigênio
Publicado em julho 21, 2011por g5esportes
Iremos apresentar alguns protocolos utilizados para avaliação física e predição
do consumo máximo de oxigênio, mais conhecido como VO2 máximo. Serão
apresentados protocolos variados, que podem ser utilizados de diversas
maneiras, sendo que nosso trabalho é feito em grande parte com base nesses
protocolos, como testes na pista de atletismo, na esteira, em cicloergômetros, e
testes de fácil aplicação em grandes populações, como os testes de banco.
Falaremos inicialmente o que é o VO2 máximo, e qual a sua aplicação para a
área da Educação Física, tanto para a saúde, quanto para o auto rendimento. O
consumo máximo de oxigênio vem sendo muito estudado e utilizado
atualmente. Quando realizamos atividades de média e longa duração,
necessitamos de uma grande capacidade de captar, transportar e utilizar o
oxigênio, e com o aumento da intensidade de exercício, por exemplo, aumenta
proporcionalmente o consumo de oxigênio pelo organismo, chegando até um
valor máximo, que seria o limite de consumo de oxigênio pelo organismo,
ou VO2 máximo. Uma equação, demonstrada por Fick, exemplifica o
significado do VO2, na qual este é determinado pelo produto do débito cardíaco
(FC x VE), pela diferença arteriovenosa de oxigênio. Em poucas palavras, seria a
capacidade máxima do coração bombear sangue para o corpo, distribuindo o
oxigênio para o organismo. O VO2 pode ser apresentado em valores relativos
(ml/kg/min) e absolutos (l/min). Este demonstra o valor máximo em litros, que
o coração bombeia de oxigênio, através do sangue, para o organismo em 1
minuto. Aquele demonstra valores relativos à massa corporal de cada indivíduo,
e é um melhor indicador da performance física.
Gostou? Curta a G5
Existe ainda uma relação linear defendida por alguns pesquisadores entre a FC e
o VO2 máximo, sendo o consumo máximo de oxigênio considerado como 100%,
em igualdade com a FC máxima, e seguindo uma relação como demonstra a
tabela 1.
Tabela 1 – Relação entre FC e VO2 máximo.
Fonte: Cooperativa do Fitness
O VO2 máximo é considerado hoje um pré requisito para o bom desempenho
em corredores de longas distâncias, ciclistas, e atletas que realizam atividades
de endurance de uma forma geral. Este indicador tem uma determinação 50%
genética, e pode ser melhorado com o treinamento. Estudos demonstram que
em treinamento intenso, de auto rendimento, o indivíduo atinge seu limite
máximo de VO2 com 18 meses de treinamento.
O VO2 máximo vem sendo muito utilizado também para prescrição de
exercícios para a população em geral, principalmente em programas de corrida
e caminhada. O consumo máximo de oxigênio pode ser obtido de forma direta
ou indireta. A forma direta é através de testes físicos, utilizando aparelhos
analisadores de gases, no qual o indivíduo utiliza uma máscara, e todo o ar que
expira é controlado por um programa (filtro, analisador, computador). O
método direto é mais utilizado para atletas de auto rendimento, pois tem um
custo de aparelhagem muito alto.
Publicidade G5: Quer melhorar seu desempenho? Perder peso? Fazer
novas amizades? Vem treinar com a gente! Clique aqui e veja nossos
horários e locais de treino!
A forma indireta pode ser feita de diversas maneiras. Existem testes de esteira,
cicloergômetros, de banco, de quadra, de pista, etc. A maioria destes testes
indica o valor do VO2 máximo através de fórmulas, criadas com base na
comparação entre os testes propostos, e os valores obtidos no teste direto. Para
os cálculos do VO2 nossa equipe utiliza a fórmula do American College of Sports
Medicine (ACSM, 2006), que tem o componente vertical e o componente
horizontal (VO2 = CH + CV). O componente horizontal é determinado para
velocidades entre 50 e 100 metros por minuto, CH = (vel x 0,1) + 3,5. E o
componente vertical para a mesma velocidade é igual a, CV = % incl x vel x 1,8.
Para velocidade acima de 133 metros por minuto CH = (vel x 0,2) + 3,5, e CV =
% incl x vel x 0,9. Para preencher a lacuna existente, utilizamos a primeira
fórmula para valores até 119 m/min, e a segunda para valores acima de 120
m/min.
**Você quer fortalecer os músculos, ganhar mais flexibilidade, força,
equilíbrio corporal e, de quebra, aumentar o seu condicionamento
físico, então que tal experimentar o Kettlebell? Perca peso e queime
muitas calorias em 30 min de treino intenso**
Protocolos de esteira:
Veja abaixo algumas tabelas referentes aos protocolos de esteira.
Protocolos de pista:
COOPER, 1977 (teste de 12 minutos): Deverá ser realizado numa pista de
atletismo, ou em local plano, que seja possível ter o controle exato da distância
percorrida (parques, pistas reduzidas). O indivíduo deverá percorrer em 12
minutos a maior distância possível, que será anotada em metros, por exemplo:
D = 2900 metros. Depois de realizado o teste, será utilizada a seguinte fórmula*
para estimar o valor do VO2 máximo:
VO2 máximo (ml/kg/min) = (D – 504,9) / 44,73
*Podem ser encontradas algumas variações para esta fórmula como (D – 504) /
44 ou (D – 504,1) / 44,9
Para o exemplo acima, teríamos o VO2 máximo= (2900 – 504,9) / 44,73 = 53,5
ml/kg/min
BALKE – Teste de Pista.
Corrida em pista de atletismo de 400m, com 15 minutos de duração,
procurando percorrer a maior distância possível em uma cadência constante.
VO2 máx.= (vel x 0,2) + 3,5
Como exemplo, se um indivíduo percorreu 3525 metros, equivale a 235 m/min.
Aplicando na fórmula: VO2 máx.= (235 x 0,2) + 3,5 = 50,5 ml/kg/min.
Protocolos espaços reduzidos:
Teste de Cooper 12 Min – Adaptado para quadra (Osieck, 2002)
O espaço utilizado deve ser um retângulo e medir 10m x 20m, e pode ser
delimitado por cones. A cada volta são percorridos 60 metros. A fórmula deve
ter a seguinte correção e depois aplicada na fórmula de Cooper:
Homens -> DCR = 409,87 + 0,93862 (D) D = número de voltas x 60
Mulheres -> DCR = 160,28 + 1,0035 (D) DCR = distância corrigida em metros.
VO2 máx. = (DCR – 504,1/ 44,9)
Como exemplo, um homem que em 12 minutos deu 40 voltas na quadra, terá o
VO2 expresso da seguinte maneira: DCR = 409,87 + (0,93862 x 40 x 60) =
2662,56
VO2 máx. = (2662,56 – 504,1/ 44,9) = 48,07 ml/kg/min.
Protocolos para Cicloergômetros:
Para estes protocolos é necessária uma bicicleta ergométrica que possua
indicadores de resistência de frenagem e número de rotações por minuto, e
indicação da potência utilizada em Watts, sendo a unidade mais aceita para a
medida, que é equivalente a 6,12 kg/min.
ASTRAND – Submáximo
Este teste tem duração mínima de 6 minutos a 60 rpm, e a média utilizada na
FC será entre o 5° e 6° minuto, e deverá estar entre 120 e 170 bpm.
A carga para homens deve ser 100 e 150 W, e para mulheres, 50 e 100 W. A
fórmula para o cálculo do VO2 deve ser aplicada como segue abaixo:
Homens = (165 – 61 / FC – 61) x VO2 CARGA
Mulheres = (198 – 72 / FC – 72) x VO2 CARGA
VO2 Carga (l/min) = (0,014 x carga em W) + 0,129
Como exemplo podemos fazer uma simulação com um indivíduo de 62 anos,
que pese 68 kg, utilizando a potência de 100 W. Sua FC média nos minutos 5 e 6
foi de 156 bpm.
VO2 carga = 0,014 x 100 + 0,129 -> 1,53 l/min
H= (195 – 61 / 156 – 61) x 1,53 = (134 / 95) x 1,53 -> 2,16 L/Min
Aplicando o fator de correção como demonstra a tabela:
2,16 x 0,65 = 1,4 l/min
Para obter o valor relativo a massa corporal, encontramos o valor em mililitros e
em seguida dividimos pelo peso.
1,4 x 1000 = 1400 / 68 Kg -> 20,59 ml/kg/min.
BALKE – Cicloergômetro
Para este protocolo devemos utilizar a seguinte fórmula: VO2 máx. (ml/kg/min)
= [(Potência em Watts x 12,2) + 300] / Peso. E seguir o que manda a tabela
abaixo:
A potência em W será considerada a última carga de trabalho completo.
Utilizaremos o mesmo indivíduo para realizar um exemplo, e que chegou a 175
W.
VO2 máx. = [100 x 12,2) + 300 / 68
VO2 máx. = 22,35 ml/kg/min.
Protocolos de banco:
NAGLE (ARAÚJO, 1984):
Se inicia o teste com o banco a 12 cm de altura, para homens, e 8 cm para
mulheres. Durante o teste, o banco deve ser aumentado 4 cm a cada 2 minutos,
até que se tenha 52 cm de altura. O ritmo deve ser de 30 passadas/min. Em
pacientes muito debilitados pode-se iniciar de 4 cm e ir aumentando a cada 2
min, considerando como carga final a última completada pelo testado. A altura é
expressa em cm. Não é um teste de tão simples aplicação, pois é necessário um
banco que tenha o controle exato do aumento e seja de fácil manuseio. Como
exemplo, um indivíduo que permaneceu no teste até 44 cm. A fórmula para
chegar ao VO2 é a seguinte:
VO² máx= (0,875 x altura do banco) + 7,00 = 45,5 ml/kg/min.
QUEEN’S COLLEGE, (MCARDLE ET. AL.,1981):
Teste criado para ser utilizado em grandes populações de maneira rápida, fácil e
barato. Quando desenvolvido, foi realizado na arquibancada da Universidade,
que media 40,6 cm. É necessário um metrônomo, que dará a cadência para
subida e descida do banco. O indivíduo deve a cada “beep” realizar uma pisada,
subindo com um pé de cada vez, e descendo da mesma maneira. O teste deve ser
realizado por 3 minutos. Para os homens a velocidade deve ser de 96 bpm (24
subidas e descidas completas), e para mulheres 88 bpm (22 subidas e descidas
completas). Logo após o término dos 3 minutos, deve ser anotada a FC do
indivíduo e aplicada nas fórmulas abaixo:
HOMENS = 111,33 – (0,42 x FC)
MULHERES = 65,81 – (0,1847 x FC)
Durante a aula, realizamos este teste e o resultado obtido para a FC foi igual a
134.
111,33 – (0,42 x 134) -> VO2 = 55 kg/ml/min
Teste de 1 Milha:
Proposto por Kline et al (1987), este teste permite estimar o VO2 (ml/Kg/min)
de indivíduos com menor condição física ou que apresentam limitações quanto
à realização de esforços físicos mais intensos. Consiste em procurar caminhar,
em ritmo individual, uma distância de 1600 metros, controlando a freqüência
cardíaca ao final do teste, assim como o tempo despendido para realizar o
percurso.
VO2 máx = 132,853 – (0,0769 x PT/0,454) – IDADE (0,3877) – TEMPO
(3,2649) – FC (0,1565)
HOMENS: adicionar 6,315
PT=peso total
FC=frequência cardíaca
Classificação do VO2 máximo.
Considerando que a capacidade de absorção de O2 está diretamente relacionada
a capacidade de resistência, Hollmann e Hettinger (1983), afirmam que até os
12 anos a capacidade de absorção de O2 aumenta paralelamente nos homens e
mulheres. A partir dessa idade até os 18 anos o aumento é maior nos homens. A
mulher atinge seu limite máximo em torno de 15-17 anos e entre os homens aos
23-24 anos.
Demonstramos a seguir as tabelas de classificação do VO2 de acordo com cada
faixa etária:
Finalizando
Exercício físico não é brincadeira, procure sempre o auxílio de profissionais de
Educação Física, que com um acompanhamento adequado poderão montar
treinamentos, dosar as intensidades, conhecendo os limites de cada aluno,
tornando-se fácil mostrar os resultados alcançados, a evolução da condição
física e consequente melhoria da saúde.
Deve-se tomar cuidado ao reconhecer o tipo de público que está sendo avaliado.
Alguns testes não devem ser feitos com atletas de alto nível, outros são mais
recomendados para idosos ou pessoas sedentárias, e é necessário ainda utilizar-
se sempre do mesmo protocolo para realizar avaliações e re-avaliações com um
mesmo sujeito.
Autor: Prof. Gustavo Nogas
Equipe G5 Esportes
*Trabalho apresentado na disciplina Medidas e Avaliações, Prof. Dr. Raul
Osiecki, curso de Bacharelado em Educação Física da UFPR.
REFERÊNCIAS
American College of Sports Medicine. http://www.acsm.org/
Action Academia. Avaliação: VO2 máximo – definições. Disponível
em:http://www.actionacademia.com.br/index.php?link=11 Acesso em:
26/11/2009, as 14:22.
Cooperativa do Fitness. Protocolos Para Testes De Avaliação Da
Capacidade Cardiorespiratória. Disponível
em: http://www.cdof.com.br/protocolos.htm Acesso em: 26/11/2009, as 14:04.
Fernandes, J. F. A Prática da Avaliação Física. RJ: Shape. 1999.
Heyward, V. H.; Stolarczyl, L. M. Avaliação da composição corporal. SP:
Manole, 2000.
Monteiro, A. B.; Fernandes. J. F. Análise da composição corporal: uma
revisão de métodos. Revista brasileira de cineantropometria e
desenvolvimento humano, 2002.
Postado: Luciano Sousa
Email:lucianofisiol@gmail.com
facebook:lucianosousa lucianosousa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Medidas e avaliação
Medidas e avaliaçãoMedidas e avaliação
Medidas e avaliação
washington carlos vieira
 
Avaliação das capacidades fisicas
Avaliação das capacidades fisicasAvaliação das capacidades fisicas
Avaliação das capacidades fisicas
washington carlos vieira
 
Diretrizes acsm - Para prescrição de exercícios
Diretrizes acsm - Para prescrição de exercíciosDiretrizes acsm - Para prescrição de exercícios
Diretrizes acsm - Para prescrição de exercícios
marcelosilveirazero1
 
Capacidades físicas
Capacidades físicasCapacidades físicas
Capacidades físicas
Joana Lima
 
Treinamento de Força
Treinamento de ForçaTreinamento de Força
Treinamento de Força
Fernando Farias
 
Treinamento desportivo 2004
Treinamento desportivo   2004Treinamento desportivo   2004
Treinamento desportivo 2004
washington carlos vieira
 
Atletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e RegrasAtletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e Regras
Prof. Saulo Bezerra
 
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento FisicoAula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Felipe P Carpes - Universidade Federal do Pampa
 
Slides avaliação física
Slides avaliação físicaSlides avaliação física
Slides avaliação física
Ana Lucia Costa
 
Avaliação indireta do vo2 max
Avaliação indireta do vo2 maxAvaliação indireta do vo2 max
Avaliação indireta do vo2 max
Claudio Pereira
 
Treinamento funcional
Treinamento funcionalTreinamento funcional
Treinamento funcional
Luiz Guilherme Baliego
 
Ginástica - Educação Física
Ginástica - Educação FísicaGinástica - Educação Física
Ginástica - Educação Física
Profissional de Educação Física
 
Introdução ao estudo do esporte
Introdução ao estudo do esporteIntrodução ao estudo do esporte
Introdução ao estudo do esporte
Rafael Laurindo
 
Educaçaõ Física
Educaçaõ FísicaEducaçaõ Física
Educaçaõ Física
Oberlania Alves
 
Avaliação Neuromuscular
Avaliação NeuromuscularAvaliação Neuromuscular
Avaliação Neuromuscular
Amarildo César
 
Benefícios relacionados à atividade física
Benefícios relacionados à atividade físicaBenefícios relacionados à atividade física
Benefícios relacionados à atividade física
Romero Vitor
 
Desenvolvimento de força e potencia
Desenvolvimento de força e potenciaDesenvolvimento de força e potencia
Desenvolvimento de força e potencia
washington carlos vieira
 
Avaliação vo2
Avaliação vo2Avaliação vo2
Avaliação vo2
washington carlos vieira
 
Jogos pre desportivos na escola
Jogos pre desportivos na escolaJogos pre desportivos na escola
Jogos pre desportivos na escola
evandrolhp
 
Slides ginástica
Slides ginásticaSlides ginástica
Slides ginástica
Ana Lucia Costa
 

Mais procurados (20)

Medidas e avaliação
Medidas e avaliaçãoMedidas e avaliação
Medidas e avaliação
 
Avaliação das capacidades fisicas
Avaliação das capacidades fisicasAvaliação das capacidades fisicas
Avaliação das capacidades fisicas
 
Diretrizes acsm - Para prescrição de exercícios
Diretrizes acsm - Para prescrição de exercíciosDiretrizes acsm - Para prescrição de exercícios
Diretrizes acsm - Para prescrição de exercícios
 
Capacidades físicas
Capacidades físicasCapacidades físicas
Capacidades físicas
 
Treinamento de Força
Treinamento de ForçaTreinamento de Força
Treinamento de Força
 
Treinamento desportivo 2004
Treinamento desportivo   2004Treinamento desportivo   2004
Treinamento desportivo 2004
 
Atletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e RegrasAtletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e Regras
 
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento FisicoAula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
 
Slides avaliação física
Slides avaliação físicaSlides avaliação física
Slides avaliação física
 
Avaliação indireta do vo2 max
Avaliação indireta do vo2 maxAvaliação indireta do vo2 max
Avaliação indireta do vo2 max
 
Treinamento funcional
Treinamento funcionalTreinamento funcional
Treinamento funcional
 
Ginástica - Educação Física
Ginástica - Educação FísicaGinástica - Educação Física
Ginástica - Educação Física
 
Introdução ao estudo do esporte
Introdução ao estudo do esporteIntrodução ao estudo do esporte
Introdução ao estudo do esporte
 
Educaçaõ Física
Educaçaõ FísicaEducaçaõ Física
Educaçaõ Física
 
Avaliação Neuromuscular
Avaliação NeuromuscularAvaliação Neuromuscular
Avaliação Neuromuscular
 
Benefícios relacionados à atividade física
Benefícios relacionados à atividade físicaBenefícios relacionados à atividade física
Benefícios relacionados à atividade física
 
Desenvolvimento de força e potencia
Desenvolvimento de força e potenciaDesenvolvimento de força e potencia
Desenvolvimento de força e potencia
 
Avaliação vo2
Avaliação vo2Avaliação vo2
Avaliação vo2
 
Jogos pre desportivos na escola
Jogos pre desportivos na escolaJogos pre desportivos na escola
Jogos pre desportivos na escola
 
Slides ginástica
Slides ginásticaSlides ginástica
Slides ginástica
 

Destaque

Personal trainer
Personal trainerPersonal trainer
Personal trainer
washington carlos vieira
 
Parte I - Avaliacao
Parte I - Avaliacao Parte I - Avaliacao
Parte I - Avaliacao
esaber edu
 
Aula 10
Aula 10Aula 10
Plano de Marketing aplicado ao Personal Trainer - Prof. Paulo Amaral
Plano de Marketing aplicado ao Personal Trainer - Prof. Paulo AmaralPlano de Marketing aplicado ao Personal Trainer - Prof. Paulo Amaral
Plano de Marketing aplicado ao Personal Trainer - Prof. Paulo Amaral
Paulo Costa Amaral
 
Aula 11 capacidade cardiorrespiratória
Aula 11 capacidade cardiorrespiratóriaAula 11 capacidade cardiorrespiratória
Aula 11 capacidade cardiorrespiratória
Prof William Alves Lima
 
Avaliação da resistência lática
Avaliação da resistência láticaAvaliação da resistência lática
Avaliação da resistência lática
Paulo Pinheiro
 
Desenvolvimento da força
Desenvolvimento da forçaDesenvolvimento da força
Desenvolvimento da força
Reniton Oliveira Santos
 
Metodos de treinamento neuromuscular
Metodos de treinamento neuromuscularMetodos de treinamento neuromuscular
Metodos de treinamento neuromuscular
washington carlos vieira
 
As inteligências múltiplas
As inteligências múltiplasAs inteligências múltiplas
As inteligências múltiplas
Miguel Loureiro
 
Avaliação neuromotora
Avaliação  neuromotoraAvaliação  neuromotora
Avaliação neuromotora
Sandra Cristina Ramos
 
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamentoAdaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Fernando Farias
 
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Evelyn Feitosa
 
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de forçaAdaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Aline Villa Nova Bacurau
 
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer
 
Métodos de avaliação física
Métodos de avaliação físicaMétodos de avaliação física
Métodos de avaliação física
Joao P. Dubas
 
O treino sem baliza
O treino sem balizaO treino sem baliza
O treino sem baliza
José Marques
 
Programa Social "Comunidade Power"
Programa Social "Comunidade Power"Programa Social "Comunidade Power"
Programa Social "Comunidade Power"
Marilia Coutinho
 
Musculacao.periodização
Musculacao.periodizaçãoMusculacao.periodização
Musculacao.periodização
EquipePrecision
 
Prescrição de atividade física
Prescrição de atividade físicaPrescrição de atividade física
Prescrição de atividade física
washington carlos vieira
 
Avaliação física
Avaliação físicaAvaliação física
Avaliação física
Washington Vieira
 

Destaque (20)

Personal trainer
Personal trainerPersonal trainer
Personal trainer
 
Parte I - Avaliacao
Parte I - Avaliacao Parte I - Avaliacao
Parte I - Avaliacao
 
Aula 10
Aula 10Aula 10
Aula 10
 
Plano de Marketing aplicado ao Personal Trainer - Prof. Paulo Amaral
Plano de Marketing aplicado ao Personal Trainer - Prof. Paulo AmaralPlano de Marketing aplicado ao Personal Trainer - Prof. Paulo Amaral
Plano de Marketing aplicado ao Personal Trainer - Prof. Paulo Amaral
 
Aula 11 capacidade cardiorrespiratória
Aula 11 capacidade cardiorrespiratóriaAula 11 capacidade cardiorrespiratória
Aula 11 capacidade cardiorrespiratória
 
Avaliação da resistência lática
Avaliação da resistência láticaAvaliação da resistência lática
Avaliação da resistência lática
 
Desenvolvimento da força
Desenvolvimento da forçaDesenvolvimento da força
Desenvolvimento da força
 
Metodos de treinamento neuromuscular
Metodos de treinamento neuromuscularMetodos de treinamento neuromuscular
Metodos de treinamento neuromuscular
 
As inteligências múltiplas
As inteligências múltiplasAs inteligências múltiplas
As inteligências múltiplas
 
Avaliação neuromotora
Avaliação  neuromotoraAvaliação  neuromotora
Avaliação neuromotora
 
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamentoAdaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
 
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
 
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de forçaAdaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
 
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
 
Métodos de avaliação física
Métodos de avaliação físicaMétodos de avaliação física
Métodos de avaliação física
 
O treino sem baliza
O treino sem balizaO treino sem baliza
O treino sem baliza
 
Programa Social "Comunidade Power"
Programa Social "Comunidade Power"Programa Social "Comunidade Power"
Programa Social "Comunidade Power"
 
Musculacao.periodização
Musculacao.periodizaçãoMusculacao.periodização
Musculacao.periodização
 
Prescrição de atividade física
Prescrição de atividade físicaPrescrição de atividade física
Prescrição de atividade física
 
Avaliação física
Avaliação físicaAvaliação física
Avaliação física
 

Semelhante a PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FÍSICA: YO YO TESTE (VO2 MAX) APLICADOS NO FUTEBOL E FUTSAL.

Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Gilmar Roberto Batista
 
Col influencia anaerobica
Col influencia anaerobicaCol influencia anaerobica
Col influencia anaerobica
Biker Minas
 
Col influencia anaerobica
Col influencia anaerobicaCol influencia anaerobica
Col influencia anaerobica
Biker Minas
 
Dissertação jonas-de-almeida-neves
Dissertação jonas-de-almeida-nevesDissertação jonas-de-almeida-neves
Dissertação jonas-de-almeida-neves
Justiniano Alves
 
Relação entre vo2 máximo e desempenho físico
Relação entre vo2 máximo e desempenho físicoRelação entre vo2 máximo e desempenho físico
Relação entre vo2 máximo e desempenho físico
jorge luiz dos santos de souza
 
COMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdf
COMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdfCOMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdf
COMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdf
LEONESSANTOS
 
Perspectiva da Odontologia do Esporte no Mundo
Perspectiva da Odontologia do Esporte no MundoPerspectiva da Odontologia do Esporte no Mundo
Perspectiva da Odontologia do Esporte no Mundo
CETAO
 
Fatores limitantes de desempenho
Fatores limitantes de desempenhoFatores limitantes de desempenho
Fatores limitantes de desempenho
ptrkojima
 
Dmensionando o treinamento aeróbico.
Dmensionando o treinamento aeróbico.Dmensionando o treinamento aeróbico.
Dmensionando o treinamento aeróbico.
Álvaro Barbosa de Paula
 
Artigo conceitos fundamentais em fisio do exercicio
Artigo conceitos fundamentais  em fisio do exercicioArtigo conceitos fundamentais  em fisio do exercicio
Artigo conceitos fundamentais em fisio do exercicio
Cintia Melo
 
Dimensão funcional da af ligada à saúde prof daniela
Dimensão funcional da af ligada à saúde   prof danielaDimensão funcional da af ligada à saúde   prof daniela
Dimensão funcional da af ligada à saúde prof daniela
jorge luiz dos santos de souza
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Alexandro Santana
 
Crioterapia e lactato
Crioterapia e lactatoCrioterapia e lactato
Crioterapia e lactato
Fernando Farias
 
Potencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judo
Potencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judoPotencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judo
Potencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judo
Keith Sato Urbinati Urbinati
 

Semelhante a PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FÍSICA: YO YO TESTE (VO2 MAX) APLICADOS NO FUTEBOL E FUTSAL. (14)

Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
 
Col influencia anaerobica
Col influencia anaerobicaCol influencia anaerobica
Col influencia anaerobica
 
Col influencia anaerobica
Col influencia anaerobicaCol influencia anaerobica
Col influencia anaerobica
 
Dissertação jonas-de-almeida-neves
Dissertação jonas-de-almeida-nevesDissertação jonas-de-almeida-neves
Dissertação jonas-de-almeida-neves
 
Relação entre vo2 máximo e desempenho físico
Relação entre vo2 máximo e desempenho físicoRelação entre vo2 máximo e desempenho físico
Relação entre vo2 máximo e desempenho físico
 
COMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdf
COMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdfCOMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdf
COMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdf
 
Perspectiva da Odontologia do Esporte no Mundo
Perspectiva da Odontologia do Esporte no MundoPerspectiva da Odontologia do Esporte no Mundo
Perspectiva da Odontologia do Esporte no Mundo
 
Fatores limitantes de desempenho
Fatores limitantes de desempenhoFatores limitantes de desempenho
Fatores limitantes de desempenho
 
Dmensionando o treinamento aeróbico.
Dmensionando o treinamento aeróbico.Dmensionando o treinamento aeróbico.
Dmensionando o treinamento aeróbico.
 
Artigo conceitos fundamentais em fisio do exercicio
Artigo conceitos fundamentais  em fisio do exercicioArtigo conceitos fundamentais  em fisio do exercicio
Artigo conceitos fundamentais em fisio do exercicio
 
Dimensão funcional da af ligada à saúde prof daniela
Dimensão funcional da af ligada à saúde   prof danielaDimensão funcional da af ligada à saúde   prof daniela
Dimensão funcional da af ligada à saúde prof daniela
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Crioterapia e lactato
Crioterapia e lactatoCrioterapia e lactato
Crioterapia e lactato
 
Potencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judo
Potencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judoPotencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judo
Potencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judo
 

Mais de LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA

Luciano sousa Prep.Fisico/Fisiologista
Luciano sousa Prep.Fisico/FisiologistaLuciano sousa Prep.Fisico/Fisiologista
Luciano sousa Prep.Fisico/Fisiologista
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
Luciano sousa curriculo
Luciano sousa curriculo  Luciano sousa curriculo
Luciano sousa curriculo
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
A Comparação do VO2Max. e Antropometria no Futebol.Revista Cientifica de Ciên...
A Comparação do VO2Max. e Antropometria no Futebol.Revista Cientifica de Ciên...A Comparação do VO2Max. e Antropometria no Futebol.Revista Cientifica de Ciên...
A Comparação do VO2Max. e Antropometria no Futebol.Revista Cientifica de Ciên...
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
CAMPO REDUZIDO NO FUTEBOL
CAMPO REDUZIDO NO FUTEBOLCAMPO REDUZIDO NO FUTEBOL
CAMPO REDUZIDO NO FUTEBOL
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
AVALIAÇÃO DO QUADRIL
AVALIAÇÃO DO QUADRILAVALIAÇÃO DO QUADRIL
AVALIAÇÃO DO QUADRIL
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
Papel das ações musculares excêntricas nos ganhos de força e de massa muscular
Papel das ações musculares excêntricas nos ganhos de força e de massa muscularPapel das ações musculares excêntricas nos ganhos de força e de massa muscular
Papel das ações musculares excêntricas nos ganhos de força e de massa muscular
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
ANATOMIA E FISIOLOGIA DA TERMOGRAFIA
ANATOMIA E FISIOLOGIA DA TERMOGRAFIAANATOMIA E FISIOLOGIA DA TERMOGRAFIA
ANATOMIA E FISIOLOGIA DA TERMOGRAFIA
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
FISIOLOGIA DO ESFORÇO
FISIOLOGIA DO ESFORÇOFISIOLOGIA DO ESFORÇO
FISIOLOGIA DO ESFORÇO
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
Queimados f c 2015
Queimados f c 2015Queimados f c 2015
Queimados f c 2015
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
Física e futebol: ciência aplicada nos dribles, chutes e defesas
Física e futebol: ciência aplicada nos dribles, chutes e defesasFísica e futebol: ciência aplicada nos dribles, chutes e defesas
Física e futebol: ciência aplicada nos dribles, chutes e defesas
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
Física e Futebol: A Ciencia aplicada nos dribles, chutes e defesaalileu lucia...
Física e Futebol: A Ciencia aplicada nos dribles, chutes e defesaalileu lucia...Física e Futebol: A Ciencia aplicada nos dribles, chutes e defesaalileu lucia...
Física e Futebol: A Ciencia aplicada nos dribles, chutes e defesaalileu lucia...
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
Actas bioquimica vol1_bases_energeticas
Actas bioquimica vol1_bases_energeticasActas bioquimica vol1_bases_energeticas
Actas bioquimica vol1_bases_energeticas
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
FADIGA MUSCULAR
FADIGA MUSCULARFADIGA MUSCULAR
luciano sousa fisiologista
luciano sousa fisiologistaluciano sousa fisiologista
luciano sousa fisiologista
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
Cbf salarios atrasados
Cbf salarios atrasadosCbf salarios atrasados
Cbf salarios atrasados
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
Salarios atrasados
Salarios atrasadosSalarios atrasados
Salarios atrasados
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
Whey protein: luciano sousa
Whey protein: luciano sousaWhey protein: luciano sousa
Whey protein: luciano sousa
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
80
8080

Mais de LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA (19)

Luciano sousa Prep.Fisico/Fisiologista
Luciano sousa Prep.Fisico/FisiologistaLuciano sousa Prep.Fisico/Fisiologista
Luciano sousa Prep.Fisico/Fisiologista
 
Luciano sousa curriculo
Luciano sousa curriculo  Luciano sousa curriculo
Luciano sousa curriculo
 
A Comparação do VO2Max. e Antropometria no Futebol.Revista Cientifica de Ciên...
A Comparação do VO2Max. e Antropometria no Futebol.Revista Cientifica de Ciên...A Comparação do VO2Max. e Antropometria no Futebol.Revista Cientifica de Ciên...
A Comparação do VO2Max. e Antropometria no Futebol.Revista Cientifica de Ciên...
 
CAMPO REDUZIDO NO FUTEBOL
CAMPO REDUZIDO NO FUTEBOLCAMPO REDUZIDO NO FUTEBOL
CAMPO REDUZIDO NO FUTEBOL
 
AVALIAÇÃO DO QUADRIL
AVALIAÇÃO DO QUADRILAVALIAÇÃO DO QUADRIL
AVALIAÇÃO DO QUADRIL
 
Papel das ações musculares excêntricas nos ganhos de força e de massa muscular
Papel das ações musculares excêntricas nos ganhos de força e de massa muscularPapel das ações musculares excêntricas nos ganhos de força e de massa muscular
Papel das ações musculares excêntricas nos ganhos de força e de massa muscular
 
ANATOMIA E FISIOLOGIA DA TERMOGRAFIA
ANATOMIA E FISIOLOGIA DA TERMOGRAFIAANATOMIA E FISIOLOGIA DA TERMOGRAFIA
ANATOMIA E FISIOLOGIA DA TERMOGRAFIA
 
FISIOLOGIA DO ESFORÇO
FISIOLOGIA DO ESFORÇOFISIOLOGIA DO ESFORÇO
FISIOLOGIA DO ESFORÇO
 
Queimados f c 2015
Queimados f c 2015Queimados f c 2015
Queimados f c 2015
 
Física e futebol: ciência aplicada nos dribles, chutes e defesas
Física e futebol: ciência aplicada nos dribles, chutes e defesasFísica e futebol: ciência aplicada nos dribles, chutes e defesas
Física e futebol: ciência aplicada nos dribles, chutes e defesas
 
Física e Futebol: A Ciencia aplicada nos dribles, chutes e defesaalileu lucia...
Física e Futebol: A Ciencia aplicada nos dribles, chutes e defesaalileu lucia...Física e Futebol: A Ciencia aplicada nos dribles, chutes e defesaalileu lucia...
Física e Futebol: A Ciencia aplicada nos dribles, chutes e defesaalileu lucia...
 
Actas bioquimica vol1_bases_energeticas
Actas bioquimica vol1_bases_energeticasActas bioquimica vol1_bases_energeticas
Actas bioquimica vol1_bases_energeticas
 
FADIGA MUSCULAR
FADIGA MUSCULARFADIGA MUSCULAR
FADIGA MUSCULAR
 
luciano sousa fisiologista
luciano sousa fisiologistaluciano sousa fisiologista
luciano sousa fisiologista
 
Cbf salarios atrasados
Cbf salarios atrasadosCbf salarios atrasados
Cbf salarios atrasados
 
Salarios atrasados
Salarios atrasadosSalarios atrasados
Salarios atrasados
 
Luciano sousa fisiologista
Luciano sousa fisiologistaLuciano sousa fisiologista
Luciano sousa fisiologista
 
Whey protein: luciano sousa
Whey protein: luciano sousaWhey protein: luciano sousa
Whey protein: luciano sousa
 
80
8080
80
 

PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FÍSICA: YO YO TESTE (VO2 MAX) APLICADOS NO FUTEBOL E FUTSAL.

  • 1. PARA FUTEBOL E FUTSAL: TODO O MATERIAL É ENVIADO POR E-MAIL. O que é o teste físico "Yoyo"? Depois de ter saído a notícia de que Olegário Benquerença tinha chumbado na Prova do YOYO, muitas pessoas que não estão ligadas ao mundo da arbitragem ou do desporto ficaram sem perceber qual tinha sido exactamente o teste em que o árbitro internacional português tinha chumbado. Em baixo fazemos um breve resumo das características desta prova física. O Yoyo Test é uma importante ferramenta que determina o nível da capacidade individual. A avaliação de atletas/árbitros dos desportos colectivos que exigem esforços intermitentes mostra-nos que quanto mais alto é o nível da competição melhores serão os resultados e o desempenho neste teste. É largamente utilizado por preparadores físicos de clubes profissionais e de categorias de base e é ainda uma das provas físicas dos árbitros dos quadros da UEFA. Foi inventado pelo fisiologista dinamarquês Jens Bangsbo. O Yoyo Teste de Recuperação Intermitente tem um ritmo progressivo aumentado à medida de sinais sonoros. O protocolo é descrito e gravado num CD de teste ou arquivo mp3. Duas marcas são colocadas a uma distância de 20m entre elas e uma área de descanso medindo 5m é colocada no lado inicial. O atleta/árbitro deve deslocar-se de uma marca à outra numa velocidade que é determinada pelo ritmo do áudio. A velocidade é regularmente aumentada a cada estágio. O indivíduo deverá alcançar a marca antes do sinal sonoro. O teste deverá ocorrer até o atleta sentir-se incapacitado (fadiga) ou se o mesmo não alcançar duas marcas seguidas. O objectivo do teste é de que o avaliado realize o maior número possível de deslocamentos dentro do estímulo sonoro. O resultado é determinado pela distância percorrida pelo atleta durante o teste e, posteriormente, transformado num cálculo de Consumo de Oxigénio (VO2). Existem duas versões deste teste. O nível 1 é para iniciantes e inicia a uma velocidade de 8 KM/h. Já o nível 2 é para indivíduos treinados, a velocidade inicial deste nível é de 11,5 Km/h. As fórmulas utilizadas para estimar o VO2 máx (ml/min/kg) a partir do Yo-yo IR1 e IR2 são as seguintes: Yo-Yo teste IR1: VO2max (ml / min / kg) = distância IR1 (m) x 0,0084 + 36,4 Yo-Yo IR2 teste: VO2max (ml / min / kg) = IR2 distância (m) x 0,0136 + 45,3
  • 2. YOYO TEST, TESTE CRIADO PELA FAMOSO FISIOLOGISTA JENS BANGSBO Jens Bangsbo TRABALHA no Juventus FC O desempenho no jogo de futebol é bastante influenciado pelo metabolismo aeróbio. Diversos estudos encontraram uma forte correlação do volume máximo do oxigênio com a distância percorrida durante o jogo. Atletas com melhor preparo aeróbio conseguem uma recuperação mais rápida dos esforços de alta intensidade, possibilitando realizar uma atividade mais intensa no decorrer da partida. Existem vários testes para avaliar a resistência aeróbia, tanto de laboratório como testes de campo. Geralmente os testes de laboratório utilizam testes progressivos em esteiras e bicicletas ergométricas e os testes de campo se utilizam do corridas contínuas (como o teste de Cooper – 12 minutos). Apesar de serem muito utilizados estes protocolos não reproduzem o padrão de atividade realizado durante o jogo nos esportes coletivos, como o futebol, que diminui bastante a especificidade no teste. Para resolver este problema alguns pesquisadores começaram a desenvolver testes mais específicos com o padrão de atividade realizado no jogo. E o formato que encontraram para a execução do teste foi o de ida e volta (yoyo). Neste tipo de
  • 3. protocolo além de correr os atletas têm que realizar o movimento de mudança de direção. Foram desenvolvidos vários testes neste formato, como o Leger, Soccer test, Beat test e o Yoyo test. Más o protocolo do Yoyo test é o mais utilizado no futebol mundial. O Yoyo test foi desenvolvido por um famoso fisiologista dinamarquês Jens Bangsbo. Ele criou três tipos de protocolo, com dois níveis de dificuldade em cada tipo. Todos os protocolos são realizados em uma distância de 20 metros. Os atletas executam um esforço de intensidade progressiva e o resultado do teste é a distância total percorrida. A intensidade é controlada através de um som emitido por uma fita cassete. A diferença entre os protocolos é tempo para recuperação e o aumento da velocidade. No teste contínuo não tem recuperação entre as corridas, porém a velocidade de corrida é mais baixa. No teste intermitente é realizado um intervalo de 5 segundos entre cada ida e volta (40 metros), porém o teste é realizado com uma velocidade maior. Já no teste “recovery” a recuperação entres os tiros é de 10 segundos e a velocidade de corrida é bem alta. Abaixo o video enviado pelo Fisiologista Carlos Vinicius Herdy, onde foram avaliações atetas de futebol sub20 e sub17. Protocolos de Avaliação Física e Predição do Consumo Máximo de Oxigênio Publicado em julho 21, 2011por g5esportes Iremos apresentar alguns protocolos utilizados para avaliação física e predição do consumo máximo de oxigênio, mais conhecido como VO2 máximo. Serão apresentados protocolos variados, que podem ser utilizados de diversas maneiras, sendo que nosso trabalho é feito em grande parte com base nesses protocolos, como testes na pista de atletismo, na esteira, em cicloergômetros, e testes de fácil aplicação em grandes populações, como os testes de banco. Falaremos inicialmente o que é o VO2 máximo, e qual a sua aplicação para a
  • 4. área da Educação Física, tanto para a saúde, quanto para o auto rendimento. O consumo máximo de oxigênio vem sendo muito estudado e utilizado atualmente. Quando realizamos atividades de média e longa duração, necessitamos de uma grande capacidade de captar, transportar e utilizar o oxigênio, e com o aumento da intensidade de exercício, por exemplo, aumenta proporcionalmente o consumo de oxigênio pelo organismo, chegando até um valor máximo, que seria o limite de consumo de oxigênio pelo organismo, ou VO2 máximo. Uma equação, demonstrada por Fick, exemplifica o significado do VO2, na qual este é determinado pelo produto do débito cardíaco (FC x VE), pela diferença arteriovenosa de oxigênio. Em poucas palavras, seria a capacidade máxima do coração bombear sangue para o corpo, distribuindo o oxigênio para o organismo. O VO2 pode ser apresentado em valores relativos (ml/kg/min) e absolutos (l/min). Este demonstra o valor máximo em litros, que o coração bombeia de oxigênio, através do sangue, para o organismo em 1 minuto. Aquele demonstra valores relativos à massa corporal de cada indivíduo, e é um melhor indicador da performance física. Gostou? Curta a G5 Existe ainda uma relação linear defendida por alguns pesquisadores entre a FC e o VO2 máximo, sendo o consumo máximo de oxigênio considerado como 100%, em igualdade com a FC máxima, e seguindo uma relação como demonstra a tabela 1. Tabela 1 – Relação entre FC e VO2 máximo. Fonte: Cooperativa do Fitness O VO2 máximo é considerado hoje um pré requisito para o bom desempenho em corredores de longas distâncias, ciclistas, e atletas que realizam atividades de endurance de uma forma geral. Este indicador tem uma determinação 50% genética, e pode ser melhorado com o treinamento. Estudos demonstram que em treinamento intenso, de auto rendimento, o indivíduo atinge seu limite máximo de VO2 com 18 meses de treinamento.
  • 5. O VO2 máximo vem sendo muito utilizado também para prescrição de exercícios para a população em geral, principalmente em programas de corrida e caminhada. O consumo máximo de oxigênio pode ser obtido de forma direta ou indireta. A forma direta é através de testes físicos, utilizando aparelhos analisadores de gases, no qual o indivíduo utiliza uma máscara, e todo o ar que expira é controlado por um programa (filtro, analisador, computador). O método direto é mais utilizado para atletas de auto rendimento, pois tem um custo de aparelhagem muito alto. Publicidade G5: Quer melhorar seu desempenho? Perder peso? Fazer novas amizades? Vem treinar com a gente! Clique aqui e veja nossos horários e locais de treino! A forma indireta pode ser feita de diversas maneiras. Existem testes de esteira, cicloergômetros, de banco, de quadra, de pista, etc. A maioria destes testes indica o valor do VO2 máximo através de fórmulas, criadas com base na comparação entre os testes propostos, e os valores obtidos no teste direto. Para os cálculos do VO2 nossa equipe utiliza a fórmula do American College of Sports Medicine (ACSM, 2006), que tem o componente vertical e o componente horizontal (VO2 = CH + CV). O componente horizontal é determinado para velocidades entre 50 e 100 metros por minuto, CH = (vel x 0,1) + 3,5. E o componente vertical para a mesma velocidade é igual a, CV = % incl x vel x 1,8. Para velocidade acima de 133 metros por minuto CH = (vel x 0,2) + 3,5, e CV = % incl x vel x 0,9. Para preencher a lacuna existente, utilizamos a primeira fórmula para valores até 119 m/min, e a segunda para valores acima de 120 m/min. **Você quer fortalecer os músculos, ganhar mais flexibilidade, força, equilíbrio corporal e, de quebra, aumentar o seu condicionamento físico, então que tal experimentar o Kettlebell? Perca peso e queime muitas calorias em 30 min de treino intenso** Protocolos de esteira: Veja abaixo algumas tabelas referentes aos protocolos de esteira.
  • 6. Protocolos de pista: COOPER, 1977 (teste de 12 minutos): Deverá ser realizado numa pista de atletismo, ou em local plano, que seja possível ter o controle exato da distância percorrida (parques, pistas reduzidas). O indivíduo deverá percorrer em 12
  • 7. minutos a maior distância possível, que será anotada em metros, por exemplo: D = 2900 metros. Depois de realizado o teste, será utilizada a seguinte fórmula* para estimar o valor do VO2 máximo: VO2 máximo (ml/kg/min) = (D – 504,9) / 44,73 *Podem ser encontradas algumas variações para esta fórmula como (D – 504) / 44 ou (D – 504,1) / 44,9 Para o exemplo acima, teríamos o VO2 máximo= (2900 – 504,9) / 44,73 = 53,5 ml/kg/min BALKE – Teste de Pista. Corrida em pista de atletismo de 400m, com 15 minutos de duração, procurando percorrer a maior distância possível em uma cadência constante. VO2 máx.= (vel x 0,2) + 3,5 Como exemplo, se um indivíduo percorreu 3525 metros, equivale a 235 m/min. Aplicando na fórmula: VO2 máx.= (235 x 0,2) + 3,5 = 50,5 ml/kg/min. Protocolos espaços reduzidos: Teste de Cooper 12 Min – Adaptado para quadra (Osieck, 2002) O espaço utilizado deve ser um retângulo e medir 10m x 20m, e pode ser delimitado por cones. A cada volta são percorridos 60 metros. A fórmula deve ter a seguinte correção e depois aplicada na fórmula de Cooper: Homens -> DCR = 409,87 + 0,93862 (D) D = número de voltas x 60 Mulheres -> DCR = 160,28 + 1,0035 (D) DCR = distância corrigida em metros. VO2 máx. = (DCR – 504,1/ 44,9) Como exemplo, um homem que em 12 minutos deu 40 voltas na quadra, terá o VO2 expresso da seguinte maneira: DCR = 409,87 + (0,93862 x 40 x 60) = 2662,56 VO2 máx. = (2662,56 – 504,1/ 44,9) = 48,07 ml/kg/min. Protocolos para Cicloergômetros: Para estes protocolos é necessária uma bicicleta ergométrica que possua indicadores de resistência de frenagem e número de rotações por minuto, e indicação da potência utilizada em Watts, sendo a unidade mais aceita para a medida, que é equivalente a 6,12 kg/min. ASTRAND – Submáximo Este teste tem duração mínima de 6 minutos a 60 rpm, e a média utilizada na FC será entre o 5° e 6° minuto, e deverá estar entre 120 e 170 bpm. A carga para homens deve ser 100 e 150 W, e para mulheres, 50 e 100 W. A fórmula para o cálculo do VO2 deve ser aplicada como segue abaixo: Homens = (165 – 61 / FC – 61) x VO2 CARGA
  • 8. Mulheres = (198 – 72 / FC – 72) x VO2 CARGA VO2 Carga (l/min) = (0,014 x carga em W) + 0,129 Como exemplo podemos fazer uma simulação com um indivíduo de 62 anos, que pese 68 kg, utilizando a potência de 100 W. Sua FC média nos minutos 5 e 6 foi de 156 bpm. VO2 carga = 0,014 x 100 + 0,129 -> 1,53 l/min H= (195 – 61 / 156 – 61) x 1,53 = (134 / 95) x 1,53 -> 2,16 L/Min Aplicando o fator de correção como demonstra a tabela: 2,16 x 0,65 = 1,4 l/min Para obter o valor relativo a massa corporal, encontramos o valor em mililitros e em seguida dividimos pelo peso. 1,4 x 1000 = 1400 / 68 Kg -> 20,59 ml/kg/min. BALKE – Cicloergômetro Para este protocolo devemos utilizar a seguinte fórmula: VO2 máx. (ml/kg/min) = [(Potência em Watts x 12,2) + 300] / Peso. E seguir o que manda a tabela abaixo: A potência em W será considerada a última carga de trabalho completo. Utilizaremos o mesmo indivíduo para realizar um exemplo, e que chegou a 175 W. VO2 máx. = [100 x 12,2) + 300 / 68 VO2 máx. = 22,35 ml/kg/min. Protocolos de banco: NAGLE (ARAÚJO, 1984): Se inicia o teste com o banco a 12 cm de altura, para homens, e 8 cm para
  • 9. mulheres. Durante o teste, o banco deve ser aumentado 4 cm a cada 2 minutos, até que se tenha 52 cm de altura. O ritmo deve ser de 30 passadas/min. Em pacientes muito debilitados pode-se iniciar de 4 cm e ir aumentando a cada 2 min, considerando como carga final a última completada pelo testado. A altura é expressa em cm. Não é um teste de tão simples aplicação, pois é necessário um banco que tenha o controle exato do aumento e seja de fácil manuseio. Como exemplo, um indivíduo que permaneceu no teste até 44 cm. A fórmula para chegar ao VO2 é a seguinte: VO² máx= (0,875 x altura do banco) + 7,00 = 45,5 ml/kg/min. QUEEN’S COLLEGE, (MCARDLE ET. AL.,1981): Teste criado para ser utilizado em grandes populações de maneira rápida, fácil e barato. Quando desenvolvido, foi realizado na arquibancada da Universidade, que media 40,6 cm. É necessário um metrônomo, que dará a cadência para subida e descida do banco. O indivíduo deve a cada “beep” realizar uma pisada, subindo com um pé de cada vez, e descendo da mesma maneira. O teste deve ser realizado por 3 minutos. Para os homens a velocidade deve ser de 96 bpm (24 subidas e descidas completas), e para mulheres 88 bpm (22 subidas e descidas completas). Logo após o término dos 3 minutos, deve ser anotada a FC do indivíduo e aplicada nas fórmulas abaixo: HOMENS = 111,33 – (0,42 x FC) MULHERES = 65,81 – (0,1847 x FC) Durante a aula, realizamos este teste e o resultado obtido para a FC foi igual a 134. 111,33 – (0,42 x 134) -> VO2 = 55 kg/ml/min Teste de 1 Milha: Proposto por Kline et al (1987), este teste permite estimar o VO2 (ml/Kg/min) de indivíduos com menor condição física ou que apresentam limitações quanto à realização de esforços físicos mais intensos. Consiste em procurar caminhar, em ritmo individual, uma distância de 1600 metros, controlando a freqüência cardíaca ao final do teste, assim como o tempo despendido para realizar o percurso. VO2 máx = 132,853 – (0,0769 x PT/0,454) – IDADE (0,3877) – TEMPO (3,2649) – FC (0,1565) HOMENS: adicionar 6,315 PT=peso total FC=frequência cardíaca
  • 10. Classificação do VO2 máximo. Considerando que a capacidade de absorção de O2 está diretamente relacionada a capacidade de resistência, Hollmann e Hettinger (1983), afirmam que até os 12 anos a capacidade de absorção de O2 aumenta paralelamente nos homens e mulheres. A partir dessa idade até os 18 anos o aumento é maior nos homens. A mulher atinge seu limite máximo em torno de 15-17 anos e entre os homens aos 23-24 anos. Demonstramos a seguir as tabelas de classificação do VO2 de acordo com cada faixa etária: Finalizando Exercício físico não é brincadeira, procure sempre o auxílio de profissionais de Educação Física, que com um acompanhamento adequado poderão montar treinamentos, dosar as intensidades, conhecendo os limites de cada aluno, tornando-se fácil mostrar os resultados alcançados, a evolução da condição física e consequente melhoria da saúde. Deve-se tomar cuidado ao reconhecer o tipo de público que está sendo avaliado. Alguns testes não devem ser feitos com atletas de alto nível, outros são mais recomendados para idosos ou pessoas sedentárias, e é necessário ainda utilizar- se sempre do mesmo protocolo para realizar avaliações e re-avaliações com um mesmo sujeito. Autor: Prof. Gustavo Nogas Equipe G5 Esportes *Trabalho apresentado na disciplina Medidas e Avaliações, Prof. Dr. Raul Osiecki, curso de Bacharelado em Educação Física da UFPR. REFERÊNCIAS American College of Sports Medicine. http://www.acsm.org/
  • 11. Action Academia. Avaliação: VO2 máximo – definições. Disponível em:http://www.actionacademia.com.br/index.php?link=11 Acesso em: 26/11/2009, as 14:22. Cooperativa do Fitness. Protocolos Para Testes De Avaliação Da Capacidade Cardiorespiratória. Disponível em: http://www.cdof.com.br/protocolos.htm Acesso em: 26/11/2009, as 14:04. Fernandes, J. F. A Prática da Avaliação Física. RJ: Shape. 1999. Heyward, V. H.; Stolarczyl, L. M. Avaliação da composição corporal. SP: Manole, 2000. Monteiro, A. B.; Fernandes. J. F. Análise da composição corporal: uma revisão de métodos. Revista brasileira de cineantropometria e desenvolvimento humano, 2002. Postado: Luciano Sousa Email:lucianofisiol@gmail.com facebook:lucianosousa lucianosousa