SlideShare uma empresa Scribd logo
Principal
corrente

Introdutores

• Naturalismo (sentimental e romântico)
• Sobrevive até meados do século XX

• António Carvalho da Silva Porto (1850-94)
• João Marques da Silva Oliveira (1853-1927)(estudaram
em França e tomaram contacto com os pintores da “Escola
de Barbizon”, com realistas e impressionistas)
Silva Porto (1850-94)

Guardando o Rebanho (1893). Óleo sobre tela
Marques Oliveira (1853-1927)

Costureiras trabalhando (1884). Óleo sobre tela
Entretanto outros pintores destacaram-se do Naturalismo e começaram a fazer a
passagem para outras correntes europeias como o Impressionismo:
José Malhoa (1855-1933)
A sua obra percorre aspetos da ruralidade do país, desde a paisagem à realidade
dos costumes e das vivências do quotidiano. Dedicou-se também ao retrato, quer
de figuras populares, quer da burguesia citadina. Exprime o que os seus olhos
veem e vai testar, nas suas marinhas e paisagens, os efeitos de luz, tal como os
Impressionistas.
Henrique Pousão (1859-1884)
Fez composições rigorosas e personalizadas onde se nota a influência naturalista
e impressionista.

Columbano Bordalo Pinheiro (1857-1929)
Foi um autodidata sobretudo retratista da pequena burguesia lisboeta e preferiu
pintar sobretudo no seu atelier, ao contrário da tendência da época.
José Malhoa - O Fado. 1910
Óleo sobre tela, 151 x 186 cm
José Malhoa - A Sesta. 1909
José Malhoa - Cócegas
José Malhoa – Clara. 1918
Óleo sobre tela. 244 cm × 134 cm
José Malhoa – Outono. 1918
Óleo sobre madeira 46 cm × 38 cm
José Malhoa – O Ateliê do Artista. (1893/4)
Óleo sobre tela. 93 cm × 127 cm
José Malhoa – As Padeiras, Mercado em Figueiró
José Malhoa – Os Bêbados. (1907)
Óleo sobre tela. 150 cm × 200 cm
José Malhoa – Corar a roupa
José Malhoa – Praia das Maçãs. 1918
Óleo sobre madeira .69 cm × 87 cm
Henrique Pousão - St. sauves.1881. Óleo sobre tela, 46 cm × 65,5 cm
Henrique Pousão – Esperando o Sucesso, 1882.
Óleo sobre tela 131,5 cm × 83,5 cm
Henrique Pousão – Cabeça de Rapaz Napolitano, 1882.
Óleo sobre madeira .44,5 cm × 33,5 cm
Henrique Pousão – Cansada, 1882.
Óleo sobre tela. 130,5 cm × 81,5 cm
Henrique Pousão – Napolitana, 1882.
Óleo sobre tela. 40,3 cm × 32 cm
Henrique Pousão – Cecília, 1882.
Óleo sobre tela. 82 cm × 57,5 cm
Henrique Pousão – Senhora Vestida de Negro, 1882.
Óleo sobre madeira. 28,5 cm × 18,5 cm
Henrique Pousão – Casas Brancas de Capri, 1882.
Óleo sobre tela. 70 cm × 140 cm
Henrique Pousão – A Casa de Persianas Azuis, ?1883.
Óleo sobre madeira. 28,5 cm × 25,6 cm
Henrique Pousão – Mulher da Água, 1883.
Óleo sobre tela. 144 cm × 133,5 cm
Columbano Bordalo Pinheiro, Um Concerto de Amadores, 1882
Columbano Bordalo Pinheiro, Antero de Quental, 1889
Columbano Bordalo Pinheiro, Teófilo Braga, 1889
Columbano Bordalo Pinheiro, Grupo do Leão, 1885. Óleo sobre tela, 200 x 380 cm
O Grupo do Leão é um retrato coletivo, realizado na altura em que se fez uma remodelação da Cervejaria Leão
de Ouro onde se costumavam reunir os pintores do Naturalismo português. As figuras dispõem-se em torno de
uma mesa, ficando, junto ao centro, Silva Porto, rodeado pelos pintores António Ramalho, João Vaz, Henrique
Pinto, Ribeiro Cristino, Cipriano Martins, José Malhoa, Moura Girão, Rodrigues Viana e o próprio Columbano.
Aparecem ainda Rafael Bordalo Pinheiro, Alberto de Oliveira, o criado Manuel Fidalgo e um desconhecido cuja
identidade tem gerado polémica, provavelmente o criado Dias. O pintor procurou dar a impressão de estar a
captar um momento real, retratando-o no momento e que Manuel Fidalgo aparecia com a comida para os
convivas e Alberto Oliveira mostrava uma das revistas francesas que habitualmente levava para as reuniões.
Principal
corrente

• Naturalismo

Principias
escultores

• Soares dos Reis
• Simões de Almeida
• Teixeira Lopes
Soares dos Reis (1847-1889)
Foi o grande renovador da escultura
portuguesa do seu tempo, mas foi
muito incompreendido pela
sociedade da época.
Estudou em Paris e em Roma e aí
iniciou a sua obra “O Desterrado”,
inspirada em versos de Alexandre
Herculano.
As suas obras têm um certo sentido
poético e uma sensibilidade mais
próxima do romantismo que do
naturalismo, já que foi capaz de
passar para o mármore de uma
forma fiel, os sentimento do ser
humano.

Estátua de Soares dos Reis da autoria de António Teixeira Lopes
em Vila Nova de Gaia.
Esta escultura de Soares dos
Reis foi a prova final na sua
estadia como Bolseiro em Roma.
Soares dos Reis - O Desterrado – 1871-75. Mármore de Carrara, 178 x 68 x 66,5
Soares dos Reis – Monumento a D. Afonso Henriques (Bronze, Guimarães)
Simões de Almeida 1880-1950
Nas suas obras misturam-se Classicismo, Naturalismo e Realismo.

Estátua de José Estevão, sd
Puberdade, sd
Teixeira Lopes (1866-1942)
Foi discípulo de Soares dos Reis e sentiu-se sempre atraído por temas religiosos,
históricos, retratos de velhos e crianças.

A Viúva, mármore,1893

Monumento a Eça de Queirós, bronze, 1903

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
Ana Barreiros
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
vermar2010
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
Carlos Vieira
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Susana Simões
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
Carlos Pinheiro
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
Carlos Vieira
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
cattonia
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Ana Barreiros
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Carla Freitas
 
A arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidroA arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidro
Carlos Pinheiro
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
Dina Baptista
 
A arte nova
A arte novaA arte nova
A arte nova
Carlos Pinheiro
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
Iga Almeida
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Ana Barreiros
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
Maria Teresa Soveral
 
Os Maias - personagens
Os Maias - personagensOs Maias - personagens
Os Maias - personagens
António Fernandes
 
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
Carlos Pinheiro
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
LuisMagina
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
Dina Baptista
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Carla Freitas
 

Mais procurados (20)

As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
 
A arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidroA arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidro
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
A arte nova
A arte novaA arte nova
A arte nova
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
Os Maias - personagens
Os Maias - personagensOs Maias - personagens
Os Maias - personagens
 
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
 

Destaque

A civilização industrial
A civilização industrialA civilização industrial
A civilização industrial
cattonia
 
A arte e a cultura em Portugal do século XIX
A arte e a cultura em Portugal do século XIXA arte e a cultura em Portugal do século XIX
A arte e a cultura em Portugal do século XIX
anabelasilvasobral
 
A relatividade e a psicanálise - o impacto
A relatividade e a psicanálise - o impactoA relatividade e a psicanálise - o impacto
A relatividade e a psicanálise - o impacto
Joana Oliveira
 
O mundo industrializado (recuperação 8ºano)
O mundo industrializado (recuperação 8ºano)O mundo industrializado (recuperação 8ºano)
O mundo industrializado (recuperação 8ºano)
Teresa Maia
 
A Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIXA Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIX
Jorge Almeida
 
A Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do FerroA Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do Ferro
Jorge Almeida
 
H2 o caso português
H2 o caso portuguêsH2 o caso português
H2 o caso português
Vítor Santos
 
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
Pelo Siro
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
Escoladocs
 
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso PortuguêsO Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
Carlos Vieira
 
9 ano 9_2_as transformações do após-guerra
9 ano 9_2_as transformações do após-guerra9 ano 9_2_as transformações do após-guerra
9 ano 9_2_as transformações do após-guerra
Vítor Santos
 

Destaque (11)

A civilização industrial
A civilização industrialA civilização industrial
A civilização industrial
 
A arte e a cultura em Portugal do século XIX
A arte e a cultura em Portugal do século XIXA arte e a cultura em Portugal do século XIX
A arte e a cultura em Portugal do século XIX
 
A relatividade e a psicanálise - o impacto
A relatividade e a psicanálise - o impactoA relatividade e a psicanálise - o impacto
A relatividade e a psicanálise - o impacto
 
O mundo industrializado (recuperação 8ºano)
O mundo industrializado (recuperação 8ºano)O mundo industrializado (recuperação 8ºano)
O mundo industrializado (recuperação 8ºano)
 
A Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIXA Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIX
 
A Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do FerroA Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do Ferro
 
H2 o caso português
H2 o caso portuguêsH2 o caso português
H2 o caso português
 
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
 
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso PortuguêsO Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
 
9 ano 9_2_as transformações do após-guerra
9 ano 9_2_as transformações do após-guerra9 ano 9_2_as transformações do após-guerra
9 ano 9_2_as transformações do após-guerra
 

Semelhante a Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX

Júlio resende11
Júlio resende11Júlio resende11
Júlio resende11
Maria Gomes
 
Júlio Resende
Júlio ResendeJúlio Resende
Júlio Resende
Maria Gomes
 
Artistas Plásticos e Músicos da República
Artistas Plásticos e Músicos da RepúblicaArtistas Plásticos e Músicos da República
Artistas Plásticos e Músicos da República
Michele Pó
 
Artistas e Músicos República 8ºC
Artistas e Músicos República 8ºCArtistas e Músicos República 8ºC
Artistas e Músicos República 8ºC
Michele Pó
 
Século xix no brasil a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arteSéculo xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil a modernização da arte
ArtesElisa
 
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - IntroduçãoHistória da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
Paula Poiet
 
Arte pop
Arte popArte pop
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Artistas viajantes
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Artistas viajantesHistória da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Artistas viajantes
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Artistas viajantes
Paula Poiet
 
Almeida júnior, josé ferraz de
Almeida júnior, josé ferraz deAlmeida júnior, josé ferraz de
Almeida júnior, josé ferraz de
deniselugli2
 
História da arte II: Realismo
História da arte II: RealismoHistória da arte II: Realismo
História da arte II: Realismo
Paula Poiet
 
HCA grupo D
HCA   grupo DHCA   grupo D
HCA grupo D
becresforte
 
Impressionismo parte i
Impressionismo   parte iImpressionismo   parte i
Impressionismo parte i
Willians Martins
 
10 hist da art arte neoclássi
10 hist da art   arte neoclássi10 hist da art   arte neoclássi
10 hist da art arte neoclássi
André Figundio
 
Centro de ensino edison lobão1
Centro de ensino edison lobão1Centro de ensino edison lobão1
Centro de ensino edison lobão1
centrodeensinoedisonlobao
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
Carlos Vieira
 
Naturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na PinturaNaturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na Pintura
Carlos Pinheiro
 
Édouard Manet
Édouard ManetÉdouard Manet
Édouard Manet
Carlos Vieira
 
2c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 2012
2c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 20122c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 2012
2c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 2012
www.historiadasartes.com
 
Semana de Arte Moderna
Semana de Arte ModernaSemana de Arte Moderna
Semana de Arte Moderna
Sandro Bottene
 
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoImpressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Carlos Pinheiro
 

Semelhante a Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX (20)

Júlio resende11
Júlio resende11Júlio resende11
Júlio resende11
 
Júlio Resende
Júlio ResendeJúlio Resende
Júlio Resende
 
Artistas Plásticos e Músicos da República
Artistas Plásticos e Músicos da RepúblicaArtistas Plásticos e Músicos da República
Artistas Plásticos e Músicos da República
 
Artistas e Músicos República 8ºC
Artistas e Músicos República 8ºCArtistas e Músicos República 8ºC
Artistas e Músicos República 8ºC
 
Século xix no brasil a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arteSéculo xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil a modernização da arte
 
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - IntroduçãoHistória da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
 
Arte pop
Arte popArte pop
Arte pop
 
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Artistas viajantes
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Artistas viajantesHistória da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Artistas viajantes
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Artistas viajantes
 
Almeida júnior, josé ferraz de
Almeida júnior, josé ferraz deAlmeida júnior, josé ferraz de
Almeida júnior, josé ferraz de
 
História da arte II: Realismo
História da arte II: RealismoHistória da arte II: Realismo
História da arte II: Realismo
 
HCA grupo D
HCA   grupo DHCA   grupo D
HCA grupo D
 
Impressionismo parte i
Impressionismo   parte iImpressionismo   parte i
Impressionismo parte i
 
10 hist da art arte neoclássi
10 hist da art   arte neoclássi10 hist da art   arte neoclássi
10 hist da art arte neoclássi
 
Centro de ensino edison lobão1
Centro de ensino edison lobão1Centro de ensino edison lobão1
Centro de ensino edison lobão1
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Naturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na PinturaNaturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na Pintura
 
Édouard Manet
Édouard ManetÉdouard Manet
Édouard Manet
 
2c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 2012
2c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 20122c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 2012
2c15 Impressionismo e Museu D'Orsay, Paris, França 2012
 
Semana de Arte Moderna
Semana de Arte ModernaSemana de Arte Moderna
Semana de Arte Moderna
 
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoImpressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
 

Mais de Carlos Pinheiro

Formação de professores em Portugal e no AELC
Formação de professores em Portugal e no AELCFormação de professores em Portugal e no AELC
Formação de professores em Portugal e no AELC
Carlos Pinheiro
 
Videoconferência - Dicas para professores
Videoconferência - Dicas para professoresVideoconferência - Dicas para professores
Videoconferência - Dicas para professores
Carlos Pinheiro
 
Recursos educativos digitais
Recursos educativos digitaisRecursos educativos digitais
Recursos educativos digitais
Carlos Pinheiro
 
Ensino online: dicas para escola e para professores
Ensino online: dicas para escola e para professoresEnsino online: dicas para escola e para professores
Ensino online: dicas para escola e para professores
Carlos Pinheiro
 
Formulários do Google - guia para professores
Formulários do Google - guia para professoresFormulários do Google - guia para professores
Formulários do Google - guia para professores
Carlos Pinheiro
 
Edpuzzle: guia para professores
Edpuzzle:  guia para professoresEdpuzzle:  guia para professores
Edpuzzle: guia para professores
Carlos Pinheiro
 
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia Digital
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia DigitalApresentação do Manual de Instruções para a Literacia Digital
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia Digital
Carlos Pinheiro
 
Tecnologias emergentes na sala de aula
Tecnologias emergentes na sala de aulaTecnologias emergentes na sala de aula
Tecnologias emergentes na sala de aula
Carlos Pinheiro
 
Leitura pública da Ilíada
Leitura pública da IlíadaLeitura pública da Ilíada
Leitura pública da Ilíada
Carlos Pinheiro
 
Desinformação e noticias falsas
Desinformação e noticias falsasDesinformação e noticias falsas
Desinformação e noticias falsas
Carlos Pinheiro
 
Apresentação da plataforma MILD
Apresentação da plataforma MILDApresentação da plataforma MILD
Apresentação da plataforma MILD
Carlos Pinheiro
 
40 maneiras de usar o telemóvel na escola
40 maneiras de usar o telemóvel na escola40 maneiras de usar o telemóvel na escola
40 maneiras de usar o telemóvel na escola
Carlos Pinheiro
 
Citações e referências bibliográficas
Citações e referências bibliográficasCitações e referências bibliográficas
Citações e referências bibliográficas
Carlos Pinheiro
 
Manual de Instruções para a Literacia Digital
Manual de Instruções para a Literacia DigitalManual de Instruções para a Literacia Digital
Manual de Instruções para a Literacia Digital
Carlos Pinheiro
 
A gamificação em sala de aula
A gamificação em sala de aulaA gamificação em sala de aula
A gamificação em sala de aula
Carlos Pinheiro
 
Van Gogh - obra completa
Van Gogh - obra completaVan Gogh - obra completa
Van Gogh - obra completa
Carlos Pinheiro
 
Jacques-Louis David
Jacques-Louis DavidJacques-Louis David
Jacques-Louis David
Carlos Pinheiro
 
Como fazer trabalhos escolares - Ensino Básico
Como fazer trabalhos escolares - Ensino BásicoComo fazer trabalhos escolares - Ensino Básico
Como fazer trabalhos escolares - Ensino Básico
Carlos Pinheiro
 
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem  A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem
Carlos Pinheiro
 
Caravaggio
CaravaggioCaravaggio
Caravaggio
Carlos Pinheiro
 

Mais de Carlos Pinheiro (20)

Formação de professores em Portugal e no AELC
Formação de professores em Portugal e no AELCFormação de professores em Portugal e no AELC
Formação de professores em Portugal e no AELC
 
Videoconferência - Dicas para professores
Videoconferência - Dicas para professoresVideoconferência - Dicas para professores
Videoconferência - Dicas para professores
 
Recursos educativos digitais
Recursos educativos digitaisRecursos educativos digitais
Recursos educativos digitais
 
Ensino online: dicas para escola e para professores
Ensino online: dicas para escola e para professoresEnsino online: dicas para escola e para professores
Ensino online: dicas para escola e para professores
 
Formulários do Google - guia para professores
Formulários do Google - guia para professoresFormulários do Google - guia para professores
Formulários do Google - guia para professores
 
Edpuzzle: guia para professores
Edpuzzle:  guia para professoresEdpuzzle:  guia para professores
Edpuzzle: guia para professores
 
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia Digital
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia DigitalApresentação do Manual de Instruções para a Literacia Digital
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia Digital
 
Tecnologias emergentes na sala de aula
Tecnologias emergentes na sala de aulaTecnologias emergentes na sala de aula
Tecnologias emergentes na sala de aula
 
Leitura pública da Ilíada
Leitura pública da IlíadaLeitura pública da Ilíada
Leitura pública da Ilíada
 
Desinformação e noticias falsas
Desinformação e noticias falsasDesinformação e noticias falsas
Desinformação e noticias falsas
 
Apresentação da plataforma MILD
Apresentação da plataforma MILDApresentação da plataforma MILD
Apresentação da plataforma MILD
 
40 maneiras de usar o telemóvel na escola
40 maneiras de usar o telemóvel na escola40 maneiras de usar o telemóvel na escola
40 maneiras de usar o telemóvel na escola
 
Citações e referências bibliográficas
Citações e referências bibliográficasCitações e referências bibliográficas
Citações e referências bibliográficas
 
Manual de Instruções para a Literacia Digital
Manual de Instruções para a Literacia DigitalManual de Instruções para a Literacia Digital
Manual de Instruções para a Literacia Digital
 
A gamificação em sala de aula
A gamificação em sala de aulaA gamificação em sala de aula
A gamificação em sala de aula
 
Van Gogh - obra completa
Van Gogh - obra completaVan Gogh - obra completa
Van Gogh - obra completa
 
Jacques-Louis David
Jacques-Louis DavidJacques-Louis David
Jacques-Louis David
 
Como fazer trabalhos escolares - Ensino Básico
Como fazer trabalhos escolares - Ensino BásicoComo fazer trabalhos escolares - Ensino Básico
Como fazer trabalhos escolares - Ensino Básico
 
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem  A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem
 
Caravaggio
CaravaggioCaravaggio
Caravaggio
 

Último

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 

Último (20)

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 

Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX

  • 1.
  • 2. Principal corrente Introdutores • Naturalismo (sentimental e romântico) • Sobrevive até meados do século XX • António Carvalho da Silva Porto (1850-94) • João Marques da Silva Oliveira (1853-1927)(estudaram em França e tomaram contacto com os pintores da “Escola de Barbizon”, com realistas e impressionistas)
  • 3. Silva Porto (1850-94) Guardando o Rebanho (1893). Óleo sobre tela
  • 4. Marques Oliveira (1853-1927) Costureiras trabalhando (1884). Óleo sobre tela
  • 5. Entretanto outros pintores destacaram-se do Naturalismo e começaram a fazer a passagem para outras correntes europeias como o Impressionismo: José Malhoa (1855-1933) A sua obra percorre aspetos da ruralidade do país, desde a paisagem à realidade dos costumes e das vivências do quotidiano. Dedicou-se também ao retrato, quer de figuras populares, quer da burguesia citadina. Exprime o que os seus olhos veem e vai testar, nas suas marinhas e paisagens, os efeitos de luz, tal como os Impressionistas. Henrique Pousão (1859-1884) Fez composições rigorosas e personalizadas onde se nota a influência naturalista e impressionista. Columbano Bordalo Pinheiro (1857-1929) Foi um autodidata sobretudo retratista da pequena burguesia lisboeta e preferiu pintar sobretudo no seu atelier, ao contrário da tendência da época.
  • 6. José Malhoa - O Fado. 1910 Óleo sobre tela, 151 x 186 cm
  • 7. José Malhoa - A Sesta. 1909
  • 8. José Malhoa - Cócegas
  • 9. José Malhoa – Clara. 1918 Óleo sobre tela. 244 cm × 134 cm
  • 10. José Malhoa – Outono. 1918 Óleo sobre madeira 46 cm × 38 cm
  • 11. José Malhoa – O Ateliê do Artista. (1893/4) Óleo sobre tela. 93 cm × 127 cm
  • 12. José Malhoa – As Padeiras, Mercado em Figueiró
  • 13. José Malhoa – Os Bêbados. (1907) Óleo sobre tela. 150 cm × 200 cm
  • 14. José Malhoa – Corar a roupa
  • 15. José Malhoa – Praia das Maçãs. 1918 Óleo sobre madeira .69 cm × 87 cm
  • 16. Henrique Pousão - St. sauves.1881. Óleo sobre tela, 46 cm × 65,5 cm
  • 17. Henrique Pousão – Esperando o Sucesso, 1882. Óleo sobre tela 131,5 cm × 83,5 cm
  • 18. Henrique Pousão – Cabeça de Rapaz Napolitano, 1882. Óleo sobre madeira .44,5 cm × 33,5 cm
  • 19. Henrique Pousão – Cansada, 1882. Óleo sobre tela. 130,5 cm × 81,5 cm
  • 20. Henrique Pousão – Napolitana, 1882. Óleo sobre tela. 40,3 cm × 32 cm
  • 21. Henrique Pousão – Cecília, 1882. Óleo sobre tela. 82 cm × 57,5 cm
  • 22. Henrique Pousão – Senhora Vestida de Negro, 1882. Óleo sobre madeira. 28,5 cm × 18,5 cm
  • 23. Henrique Pousão – Casas Brancas de Capri, 1882. Óleo sobre tela. 70 cm × 140 cm
  • 24. Henrique Pousão – A Casa de Persianas Azuis, ?1883. Óleo sobre madeira. 28,5 cm × 25,6 cm
  • 25. Henrique Pousão – Mulher da Água, 1883. Óleo sobre tela. 144 cm × 133,5 cm
  • 26. Columbano Bordalo Pinheiro, Um Concerto de Amadores, 1882
  • 27. Columbano Bordalo Pinheiro, Antero de Quental, 1889
  • 28. Columbano Bordalo Pinheiro, Teófilo Braga, 1889
  • 29. Columbano Bordalo Pinheiro, Grupo do Leão, 1885. Óleo sobre tela, 200 x 380 cm O Grupo do Leão é um retrato coletivo, realizado na altura em que se fez uma remodelação da Cervejaria Leão de Ouro onde se costumavam reunir os pintores do Naturalismo português. As figuras dispõem-se em torno de uma mesa, ficando, junto ao centro, Silva Porto, rodeado pelos pintores António Ramalho, João Vaz, Henrique Pinto, Ribeiro Cristino, Cipriano Martins, José Malhoa, Moura Girão, Rodrigues Viana e o próprio Columbano. Aparecem ainda Rafael Bordalo Pinheiro, Alberto de Oliveira, o criado Manuel Fidalgo e um desconhecido cuja identidade tem gerado polémica, provavelmente o criado Dias. O pintor procurou dar a impressão de estar a captar um momento real, retratando-o no momento e que Manuel Fidalgo aparecia com a comida para os convivas e Alberto Oliveira mostrava uma das revistas francesas que habitualmente levava para as reuniões.
  • 30. Principal corrente • Naturalismo Principias escultores • Soares dos Reis • Simões de Almeida • Teixeira Lopes
  • 31. Soares dos Reis (1847-1889) Foi o grande renovador da escultura portuguesa do seu tempo, mas foi muito incompreendido pela sociedade da época. Estudou em Paris e em Roma e aí iniciou a sua obra “O Desterrado”, inspirada em versos de Alexandre Herculano. As suas obras têm um certo sentido poético e uma sensibilidade mais próxima do romantismo que do naturalismo, já que foi capaz de passar para o mármore de uma forma fiel, os sentimento do ser humano. Estátua de Soares dos Reis da autoria de António Teixeira Lopes em Vila Nova de Gaia.
  • 32. Esta escultura de Soares dos Reis foi a prova final na sua estadia como Bolseiro em Roma. Soares dos Reis - O Desterrado – 1871-75. Mármore de Carrara, 178 x 68 x 66,5
  • 33. Soares dos Reis – Monumento a D. Afonso Henriques (Bronze, Guimarães)
  • 34. Simões de Almeida 1880-1950 Nas suas obras misturam-se Classicismo, Naturalismo e Realismo. Estátua de José Estevão, sd Puberdade, sd
  • 35. Teixeira Lopes (1866-1942) Foi discípulo de Soares dos Reis e sentiu-se sempre atraído por temas religiosos, históricos, retratos de velhos e crianças. A Viúva, mármore,1893 Monumento a Eça de Queirós, bronze, 1903