SlideShare uma empresa Scribd logo
História - 9º ano
Apogeu e declínio da influência europeia
9.2
As transformações do pós-guerra
http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
2
1 – Conhecer as transformações geopolíticas decorrentes da 1.ª
Grande Guerra.
1. Enunciar as principais decisões dos tratados de paz (com
destaque para o Tratado de Versalhes).
2. Identificar as principais alterações no mapa político europeu do
após guerra.
3. Referir os grandes objetivos da criação da Sociedade das Nações
(SDN).
3
2 – Conhecer e compreender as transformações económicas do
após guerra.
1. Caracterizar a situação económica e social europeia no após
guerra.
2. Explicar o fim da hegemonia europeia e o reforço da afirmação
dos EUA como principal potência económica mundial.
3. Caracterizar a economia dos anos 20, destacando o seu carácter
modernizador, instável e especulativo.
4. Referir outros fatores de tensão económica na década de 20,
nomeadamente a rivalidade entre novos e velhos países
industriais, o pagamento de dívidas e indemnizações de guerra e a
adoção de políticas protecionistas.
4
3 – Conhecer e compreender a Revolução Soviética.
1. Caracterizar sucintamente a Rússia czarista ao nível político,
económico e social.
2. Relacionar a entrada da Rússia na 1.ª Grande Guerra com o
agravar das tensões sociais e políticas.
3. Caracterizar a “Revolução de Fevereiro”, salientando o caráter
demoliberal das medidas tomadas pelo governo provisório.
4. Relacionar a decisão de permanência da Rússia na 1.ª Grande
Guerra com o eclodir da “Revolução de Outubro”.
O expansionismo europeu 5
5. Caracterizar a “Revolução de Outubro”, as principais medidas
tomadas (fim do envolvimento na guerra, participação dos
operários na gestão das fábricas e divisão das grandes propriedades
rurais pelas famílias camponesas).
6. Descrever as principais etapas de implantação do regime
comunista entre 1917 e 1924 (Guerra civil e Comunismo de Guerra,
NEP, formação da URSS).
7. Avaliar o impacto da Revolução Bolchevique na Europa Ocidental
e no Mundo em geral.
6
4 – Conhecer e compreender as transformações socioculturais das
primeiras décadas do século XX.
1. Caracterizar a sociedade europeia nas duas primeiras décadas
do século XX, salientando o peso crescente das classes médias e a
melhoria das condições de vida do operariado, apesar da
manutenção de grandes desequilíbrios sociais.
2. Relacionar os efeitos da guerra com a alteração de
mentalidades e costumes nos “loucos anos 20”.
3. Avaliar os efeitos da guerra ao nível da emancipação feminina,
problematizando temáticas atuais relativas à igualdade de género.
O expansionismo europeu 7
4. Caracterizar sucintamente a cultura de massas, salientando a sua
relação com a melhoria das condições de vida nas décadas de 20 e
30 do século XX.
5. Distinguir as principais correntes estéticas que marcaram a
evolução nas artes.
6. Indicar alguns dos principais vultos e obras de referência do
modernismo português.
O expansionismo europeu 8
https://www.youtube.com/watch?v=ElBt6scahxU&list=PLrVbe-
vPkX7vX-A6TV4t5wZLJDiubZhj-
A História do século XX (1914-1939)
9
A Primeira Guerra Mundial terminou em 11 de novembro de 1918;
A Conferência de Paz iniciou-se em janeiro de 1919;
São assinados vários acordos, entre eles o Tratado de Versalhes;
Surge uma nova geografia política e uma nova ordem
internacional;
Os diversos tratados assinados provocaram uma profunda
transformação do mapa político da Europa e do Médio Oriente.
O expansionismo europeu 10
1914
O expansionismo europeu 11
1925
12
1914
1925
13
O Império Russo desapareceu e foi substituído para URSS (União
das Repúblicas Socialistas Soviéticas;
O Império Alemão, que tinha perdido a guerra perdeu várias
regiões e territórios (Alsácia e Lorena, territórios para a Polónia,
Checoslováquia, Bélgica, Dinamarca;
O Império Austro-Húngaro morreu e em seu lugar nasceu a Áustria,
Hungria e Checoslováquia;
14
Multiplicam-se os estados-nação que surgiram do desmembramento
dos impérios (Finlândia, Estónia, Letónia, Lituánia, Polónia, Hungria);
Outros estados são formados por várias nacionalidades
(Checoslováquia (República Checa e Eslováquia), Jugoslávia (Sérvia,
Croácia, Macedónia, Eslovénia, Bósnia-Herzegovina, Montenegro e
Kosovo) );
O expansionismo europeu 15
O que é um estado-nação?
Um estado é uma entidade política e geopolítica;
Uma nação é uma unidade étnica e cultural;
Estado-nação implica em uma situação onde os dois são
coincidentes.
Wikipédia (adaptado)
16
Os estados vencidos (Áustria e Turquia) sofreram perdas territoriais
muito fortes;
A Alemanha perdeu 1/7 do seu território, a Prússia Oriental ficou
separada (corredor de Dantzig);
Ficou sem 1/10 da sua população;
Tratado de Versalhes:
O expansionismo europeu 17
Perdeu as suas colónias e marinha de guerra, as minas de carvão do
Sarre foram entregues, por um período de 15 anos, à França;
Foi condenada a pagar pesadas indeminizações aos vencedores;
Parte do seu território foi desmilitarizado;
O exército foi reduzido a 100 mil homens;
18
A Sociedade das Nações e a nova ordem internacional
19
O Presidente norte-americano, Thomas Woodrow Wilson, propõe,
em 1919, a criação de uma liga de nações, a Sociedade das Nações
(SDN);
Os seus principais objetivos consistiam em promover a cooperação
e a paz entre as nações, subordinadas ao Direito Internacional;
O expansionismo europeu 20
Uma agressão a um dos membros obrigava os outros a intervirem;
Assegurar a independência e integridade territorial dos estados;
A sua sede estabeleceu-se na cidade suíça de Genebra;
A SDN constituiu uma razão de esperança para os povos;
21
No entanto logo de início surgiram vários problemas na constituição
da SDN;
Na SDN falta uma pedra?
EUA
22
A difícil recuperação económica da Europa e a dependência em
relação aos Estados Unidos
A Primeira Guerra Mundial teve consequências muito diferenciadas
sobre os diversos países.
O expansionismo europeu 23
Pela análise destes dados quais os países mais afetados e os mais
beneficiados?
24
25
Uma das consequências do conflito mundial foi o declínio dos países
europeus e a elevação dos Estados Unidos à categoria de maior
potência mundial;
Perdas europeias:
Demográficas: perdas humanas durante a guerra, diminuição da
mão de obra, envelhecimento da população, excedente da
população feminina;
Materiais: a Europa, sobretudo a Central em ruínas (cidades,
fábricas, quintas e vias de comunicação destruídas);
26
Perdas europeias:
Económicas:
Racionamento dos bens essenciais;
Inflação galopante (os estados emitiram moeda, provocando a sua
desvalorização);
Perda de poder de compra da classe média;
O expansionismo europeu 27
Os países europeus recorreram a empréstimos estrangeiros, como
não os podiam pagar recorriam a mais empréstimos,
desequilibrando a balança de pagamento dos estados, agrava-se o
défice dos países;
A partir de meados da década de 20 existe alguma recuperação
económica, dando origem aos “Loucos Anos Vinte”, que no entanto
seriam de curta duração;
28
A indústria americana aproveitou o declínio da indústria europeia
e desenvolveu modos de produção mais eficientes:
Estes novos métodos foram introduzidos por Henry Ford e por isso
ficaram conhecidos como “fordismo”;
Baseava-se no “taylorismo” (divisão do trabalho em tarefas
simples, rápidas e repetitivas);
https://www.youtube.com/watch?v=DfGs2Y5WJ14
O expansionismo europeu 29
A produção em série levou à estandardização (produtos iguais);
Estes métodos de trabalho levaram à produção em massa;
O preço dos produtos baixou e o consumo subiu;
30
Difunde-se a venda a crédito e a prestações;
Desenvolve-se a publicidade;
Surgem os monopólios (o controlo, por parte de uma empresa, da
produção de um determinado produto);
31
A Europa, até 1925, mergulhou numa grave crise económica;
Para recuperarem da crise, os países europeus, adotaram
medidas protecionistas (aumento das taxas alfandegárias);
A concorrência entre países aumentou as rivalidades
económicas;
32
A frágil prosperidade da década de 20
A indústria americana, nos finais da década de 20, diminuiu as suas
exportações para a Europa, os stocks começaram a acumular-se;
Existia na sociedade americana uma febre de investimento bolsista
e milhões de americanos compravam ações a um preço superior ao
seu real valor;
33
A Rússia no início do século XX
Monarquia absoluta (Czar Nicolau II);
Sociedade feudal e hierarquizada;
A maior parte das terras pertenciam ao clero e à nobreza;
Economia atrasada baseada na agricultura;
Pouca indústria;
Pouco comércio;
Poucas e más vias de comunicação;
34
Os camponeses (85% da população) reivindicavam terras que
estavam na posse da aristocracia;
O proletariado exigia melhores salários e condições de trabalho;
A burguesia e, mesmo, parte da aristocracia pretendiam a
modernização do país e uma maior abertura política;
Várias organizações políticas opunham-se ao absolutismo:
Partido Operário Social-Democrata (bolcheviques e mencheviques);
Surgiram os sovietes controlados pelos bolcheviques;
35
Após a revolução de 1905 a frágil tentativa do czar de liberalizar o
regime falhou completamente;
A participação da Rússia na I Guerra Mundial, as derrotas militares
e a falta de alimentos agravaram a situação;
Em fevereiro de 1917, dá-se uma revolução e o Czar abdicou;
Foi constituído um governo provisório liderado pelos mencheviques
que mantém a Rússia na guerra;
Os bolcheviques opõem-se ao governo;
36
Em outubro, 25, os bolcheviques, liderados por Lenine, organizam
uma revolução que leva ao poder o Partido Bolchevique;
Medidas tomadas pelo governo bolchevique:
Paz com a Alemanha (tratado de Brest-Litovsk);
Nacionalização da propriedade privada;
Criação da Tcheka (polícia política);
37
O governo bolchevique baseava as suas ideias no marxismo-
leninismo;
Procurou implementar a ditadura do proletariado (retirar todo o
poder à burguesia e criar as bases para construir uma sociedade
comunista);
38
Emerge uma guerra civil (1918-1920):
Exército Branco (reúne todos os opositores do regime e são
apoiados pelos EUA, Reino Unido, França);
Contra
Exército Vermelho (bolchevique);
O expansionismo europeu 39
Inicia-se a fase conhecida por Comunismo de Guerra (1918-
1921):
Proibição de todos os partidos (exceto o bolchevique que mudou
o nome para Partido Comunista);
Instauração da censura;
Perseguição de todos os opositores políticos;
40
A guerra civil arruinou a Rússia;
Para restaurar a economia, Lenine, lançou a Nova Política
Económica (NEP) (1921-1927):
O estado controlava as indústrias mais importantes e os
transportes;
Era permitida a iniciativa privada para a pequena indústria (menos
de 20 trabalhadores) e produção agrícola;
O expansionismo europeu 41
Fomentou-se a entrada de capitais estrangeiros;
Restaurou-se (em parte) a liberdade de comércio;
Esta política levou ao aumento da produção e à melhoria das
condições de vida das populações;
42
Em 1922 foi criada a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas;
Uma federação de estados;
A Revolução Bolchevique teve um grande impacto mundial, em
muitos países do mundo surgem partidos comunistas;
A burguesia fica assustada pois teme a tomada do poder por parte
dos comunistas;
Módulo 7, História A 43
No século XX surgem grandes
cidades com milhões de habitantes,
nos países mais industrializados a
população urbana ultrapassou a rural;
Esta massificação da urbanização vai
contribuir decisivamente para
grandes transformações na cultura e
vida da civilização oriental;
Transformações sociais nas primeiras décadas do século XX
Módulo 7, História A 44
Nas grandes metrópoles os indivíduos tornam-se anónimos no
meio da multidão;
A cultura tende para a estandardização e massificação;
Nos tempos livres a população dirige-se para os cafés, os cinemas,
os estádios, salões de baile, etc.;
A proliferação da classe média levou ao desenvolvimento de uma
nova cultura do ócio, a cidade fomenta esta cultura fornecendo
alternativas diversificadas;
45
A Primeira Guerra Mundial contribuiu para uma mudança na
condição feminina;
O desenvolvimentos dos transportes públicos e do automóvel
tornam as deslocações mais fáceis;
O desporto entra nos hábitos do quotidiano;
A vida acelera;
46
O trabalho desumaniza-se;
A racionalização do trabalho tende a transformar o Homem num
escravo da atividade profissional e dos valores materiais que esta
pode proporcionar;
47
Nos Anos Vinte surge a cultura do lazer;
As populações urbanas procuram viver de forma frenética e
ruidosa;
Módulo 7, História A 48
Surge um novo conceito de família:
O casamento como um contrato é substituído pelo casamento por
amor;
A institucionalização do divórcio torna o casamento mais instável;
Divulgam-se as práticas anticoncecionais, o número de filhos por
casal diminui;
Módulo 7, História A 49
A crise dos valores tradicionais
Os habitantes das cidades perderam as suas raízes rurais;
Submetem-se a novos ritmos de trabalho;
O mundo urbano não favorece o enraizamento das populações, o
emprego é precário e os transportes favorecem as deslocações;
Desaparecem as solidariedades tradicionais do mundo rural;
A vida urbana é condicionada pelo individualismo e pelo
anonimato;
50
A Primeira Guerra Mundial terminou com a época de otimismo e
de crença no desenvolvimento científico interrupto e colocou em
causa os valores morais e culturais herdados do século XIX;
O conflito mundial tenha causado a morte a 10 milhões de pessoas
e ao desencadear de uma grave crise económica;
Surge um sentimento de pessimismo e de descrença no futuro;
51
A evolução da condição feminina
As primeira reivindicações femininas surgiram em meados do século
XIX, consistiam na luta pelo direito à propriedade, à tutela dos filhos
em caso de viuvez, ao acesso à educação;
No inicio do século XX surgem as primeiras reivindicações
sufragistas;
O expansionismo europeu 52
Surgem movimentos que lutam pelo direito a votar das mulheres;
Destacou-se, em Inglaterra, o papel desempenhado por Emmeline
Pankhurst;
Lutam também pelo acesso a cargos públicos e a igualdade no
trabalho e na família;
53
O movimento sufragista inglês organizou várias formas de protesto;
Em Portugal, em 1909, surgiu a Liga Republicana das Mulheres
Portuguesas e em 1911, a Associação de Propaganda Feminina;
Carolina Beatriz Ângelo, em 1911, e aproveitando uma omissão da
lei foi a primeira mulher a votar em Portugal;
A legislação foi imediatamente corrigida;
Módulo 7, História A 54
Apesar das reivindicações feministas, e apenas com algumas
exceções, até à primeira Guerra Mundial a mulheres continuaram
arredadas do sufrágio;
A guerra alterou esta situação, com os homens na frente de batalha,
muitas mulheres acederam a empregos;
55
As mulheres demonstraram que podiam substituir os homens nas
mais variadas profissões;
Por outro lado passaram a auferir um salário, o que lhe dá a
independência económica;
56
Nos anos a seguir à guerra, as mulheres vão ganhando o direito de
participação na vida política pelo menos em grande parte dos
países ocidentais;
Frequentam festas, vivem e viajam sozinhas, usam o cabelo curto
“à garçonne”;
A luta pela completa igualdade foi longa e difícil e ainda hoje não
está completa;
57
1.4.3 As vanguardas: ruturas com os cânones das artes e da
literatura
O desenvolvimento das novas ideias filosóficas e científicas teve um
efeito na cultura e no início do século XX desenvolve-se uma
estética nova;
Este movimento cultural e artístico ficou conhecido pelo nome de
Modernismo;
O significado do termo
Expressionismo em arte aplicou-
se à arte na qual a forma não
nasce diretamente da realidade
observada, mas de reações
emocionais e subjetivas à
realidade;
Munch, O grito 58
Surge uma estética nova;
59
Matisse, Harmonia Vermelha, 1908
Expressionismo
60
Primeira revolução artística do século
XX;
Afirmam a autonomia da cor;
Entendem a pintura como instinto,
como veículo de expressão das suas
emoções;
Exaltam as cores fortes;
Dérain, Retrato de
Matisse, 1905
61
O Expressionismo pretende transmitir ao espectador emoções
estéticas profundas;
Através da exaltação das cores que delimitam e definem as
formas planificadas;
Onde a ilusão da terceira dimensão se perde;
Vlaminck, Port Marley
62
Braque, Parque
de Cárrierres
O cubismo foi um dos movimentos mais importantes da arte do
século XX;
Os seus criadores foram: Pablo Picasso (1881-1973), em Horta del
Hebro; Georges Braque, em L’Éstaque (1882-1963)
Módulo 7, História A 63
O motivo (objeto, pessoa, paisagem) não é representado de um
único ponto de vista, mas sob vários pontos de vista na mesma
representação (perspetivas múltiplas), introduzindo a dimensão
tempo às outras três;
64
Inspiração na Teoria da
Relatividade de Einstein;
65
Picasso e Braque iniciaram uma das maiores revoluções da Arte:
Abrindo caminho à arte abstrata e outros movimentos
artísticos;
66
Picasso, Les Demoiselles d’Avignon, 1906/07
Módulo 7, História A 67
O abstracionismo nasceu em
1910 a partir de uma
experiência de Kandinsky;
Arte abstrata: toda a arte
que não contém nenhuma
relação com a realidade,
quer essa realidade tenha
sido ou não o ponto de
partida do artista;
Módulo 7, História A 68
Kandinsky, Composição VII,
óleo, e estudos para o quadro
69
Kandinsky, Com o arco
negro
“A cor é o meio de exercer uma influência directa na alma. A cor
é a tecla. O olhar o martelo. A alma é o piano de muitas cordas.
O som musical tem acesso directo à alma, e aí encontra de
imediato uma ressonância, porque o Homem tem música em si
mesmo, que pode negar que isso também pode ser válido para a
pintura”.
Kandinsky
70
Kandinsky,
Improvisação V
“A cor assim como afecta os animais, também afecta, com igual
força e vigor, as reacções humanas”
Kandinsky
71
Malevitch,
Composição
Suprematista
Abstracionismo Geométrico
72
Mondrian, Vermelho,
Amarelo e Azul
As formas e as linhas estabelecem múltiplas relações espaciais que
assentam no equilíbrio, harmonia e serenidade do ângulo recto;
O ângulo recto e a harmonia estiveram presentes em todas as
actividades artísticas;
73
Mondrian, Vermelho,
Amarelo e Azul
A vertical e a horizontal são a expressão de duas forças opostas;
A cor deve ser plana e primária;
A arte não deve ter qualquer relação com o aspeto natural das
coisas;
74
Futurismo
Balla, Menina a correr numa varanda
75
Carrá, Manifestação
Intervencionista, 1914,
colagens
76
Boccioni, Estados de
Espírito I, Os Adeuses,
1911
O Futurismo nasceu em Itália, mas oficialmente apareceu em 1909,
com a publicação do Manifesto Futurista, de Filippo Tommaso
Marinetti (poeta), no jornal Le Fígaro, de Paris;
Primeiro surge na literatura e estende-se às artes plásticas,
arquitetura, música e cinema;
77
Carro de corrida do início do século XX,
Vitória de Samotrácia
No Manifesto afirma-se: “Um automóvel de corrida com o seu
adorno de grossos tubos semelhantes a serpentes de hálito explosivo
(…) é mais belo que a Vitória de Samotrácia”;
78
Balla, Dinamismo de um cão conduzido pela trela
79
Boccioni, Formas Únicas em
Continuidade no Espaço,
1913, Bronze
80
81
A nova arquitetura: Escola de Chicago e Bauhaus
Na Europa e nos EUA surgiram duas escola de arquitetura que
desenvolveram o modernismo:
Formas geométricas;
Superfícies planas e retilíneas;
Pouca decoração;
É uma arquitetura funcional;
82
A Escola de Chicago desenhou os primeiros arranha-céus;
83
O arquiteto americano, Frank Lloyd Wright criou um novo tipo de
edifícos em que os espaços interiores harmonizavam-se com a
paisagem, a arquitetura funcional orgânica;
84
Na Alemanha a escola de artes, Bauhaus, desenha edifícios e
objetos de design de carácter utilitário;
85
Os caminhos da literatura
Tal como nas artes plásticas a literatura sofreu uma verdadeira
revolução e também aqui as tradições e valores foram postos em
causa;
Surgiram novos tipos de escrita;
Foi abandonado a descrição realista e ordenada da realidade;
Muitas obras literárias procuraram retratar a vida psicológica e
interior das personagens;
As obras literárias são dominadas pelo pessimismo, o desencanto
e a angústia;
86
Principais obras e artistas:
Ulisses, James Joyce;
Montanha Mágica, Thomas Mann;
Adeus às Armas, Ernest Hemingway
87
O Modernismo em Portugal
Nos inícios do século XX em Portugal a criação artística e literária
estava dominada pelo naturalismo e evidenciava uma forte
resistência à mudança e à inovação;
A burguesia (compradora da cultura) tinha gostos pouco evoluídos
condicionando toda a produção cultural portuguesa;
Após a implantação da República surgiram alguns grupos de
intelectuais portugueses que pretendiam romper com o marasmo
da situação;
O primeiro modernismo – a revista Orpheu (1911-1918)
Publicação da revista Orpheu (1915), fundada por Mário de Sá-
Carneiro (1890-1916) e Fernando Pessoa (1888-1935) ao quais se
juntaram Almada Negreiros (1893-1970) e Santa-Rita (1889-1918);
Foram os principais responsáveis pela introdução do Modernismo
em Portugal;
Só foram publicados dois números;
88
89
Apesar da sua curta duração
esta revista desempenhou um
papel importante;
Promoveu novas formas
literárias e artística e
contestou o naturalismo;
Apesar de terminada a revista,
o movimento cultural
manteve-se vivo;
90
O segundo modernismo – a revista Presença (anos 20 e 30)
A revista Presença surgiu, em
Coimbra, em março de 1927 e foi
publicada até 1940;
Foi fundada por José Régio,
Branquinho da Fonseca e João
Gaspar Simões;
Seguiram a linha de pensamento
fundado pela revista Orpheu e
lutaram contra o academismo
literário, por uma crítica livre.
91
Nesta revista participaram nomes como Aquilino Ribeiro, Miguel
Torga e Ferreira de Castro entre outros;
A Presença defendeu a criação de uma literatura mais viva, livre,
oposta ao academismo e jornalismo rotineiro, primando pela crítica,
pela predominância do individual sobre o coletivo, do psicológico
sobre o social, da intuição sobre a razão. (wikipédia)
Eduardo Viana
Viana, O Homem das
louças, 1919 92
Amadeo de Souza-Cardoso
É uma pintura que é uma
reflexão plástica entre o Cubismo
e o Abstracionismo;
È uma mistura do Cubismo,
Futurismo, Expressionismo,
Abstracionismo torna difícil a
classificação das suas obras;
Souza-Cardoso, Casa de Manhufe
93
Souza-Cardoso, Cozinha de Manhufe, 1913
Participou em exposições em Paris, Berlim e Nova Iorque;
94
Souza-Cardoso, Coty
95
Santa-Rita Pintor, A cabeça
Guilherme de Santa-Rita (Santa-
Rita Pintor);
É difícil analisar a sua obra pois,
antes de morrer, mandou-a
destruir, havendo poucas
exceções, como a Cabeça;
96
Fotografia de Santa-
Rita Pintor e a revista
Portugal Futurista
Foi um agitador de ideias, um inovador no campo estético e o
organizador da revista Portugal Futurista, em 1917;
97
Almada Negreiros
Foi pintor, poeta, cenógrafo, bailarino, caricaturista, dinamizador
das revistas Orpheu e Portugal Futurista;
A sua pintura balança entre a Arte Nova e a Abstração a
Modernidade Futurista e as raízes portuguesas;
Almada Negreiros,
Autorretrato,
Autorretrato num grupo
98
Teve uma ação preponderante no movimento futurista em Portugal;
“Ultimatum futurista às gerações portuguesas do século XX”,
“Manifesto Anti Dantas”;
Almada Negreiros, Nu feminino, 1926
99
Muitos artistas emigraram, caso de Vieira da Silva, outros foram
lutando contra a ditadura;
Os movimentos de vanguarda desenvolvem-se com grandes
dificuldades e desconhecidos para a maioria da população;
Nem sempre foram compreendidos pelo público;
Foram oposição à ditadura, e procuraram desenvolver a vida
cultural portuguesa;
100
Bibliografia:
Apresentação construída com base nos livros:
Oliveira, Ana Rodrigues e outros, O fio da História, Texto Editora
Neto, Helena e outros, História 9, Editora Santillana, 2014
Diniz, Maria Emília, Tavares, Adérito, Caldeira, Arlindo M., História 9,
Raiz Editora, 2012
101

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Milagre japones
Milagre japonesMilagre japones
Milagre japones
Carlos Vieira
 
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
Joana Filipa Rodrigues
 
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
Vítor Santos
 
12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização
Ilda Bicacro
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30
Vítor Santos
 
A Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUAA Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUA
João Lima
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
home
 
2º vaga de descolonização
2º vaga de descolonização2º vaga de descolonização
2º vaga de descolonização
Carlos Vieira
 
Estado novo portugal
Estado novo portugalEstado novo portugal
Estado novo portugal
Teresa Maia
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
home
 
9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria
Vítor Santos
 
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
Vítor Santos
 
Portugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardasPortugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardas
home
 
Teste modulo 7
Teste modulo 7Teste modulo 7
Teste modulo 7
Sérgio Machado
 
I Guerra Mundial
I Guerra MundialI Guerra Mundial
I Guerra Mundial
Teresa Maia
 
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºanoModulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
CludiaBelluschiCosta
 
As opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IAAs opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IA
Carlos Vieira
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
Margarida Moreira
 
A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
Becre Celorico de Basto
 

Mais procurados (20)

Milagre japones
Milagre japonesMilagre japones
Milagre japones
 
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
 
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
 
12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30
 
A Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUAA Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUA
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
 
2º vaga de descolonização
2º vaga de descolonização2º vaga de descolonização
2º vaga de descolonização
 
Estado novo portugal
Estado novo portugalEstado novo portugal
Estado novo portugal
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
 
9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria
 
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
 
Portugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardasPortugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardas
 
Teste modulo 7
Teste modulo 7Teste modulo 7
Teste modulo 7
 
I Guerra Mundial
I Guerra MundialI Guerra Mundial
I Guerra Mundial
 
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºanoModulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
 
As opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IAAs opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IA
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
 
A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
 

Destaque

9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
Vítor Santos
 
Revolução soviética
Revolução soviéticaRevolução soviética
Revolução soviética
Teresa Maia
 
Exercícios 9º ano
Exercícios 9º anoExercícios 9º ano
Exercícios 9º ano
ricardorodrigues23091988
 
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 3010 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
Vítor Santos
 
41 as transformações económicas do pós-guerra
41   as transformações económicas do pós-guerra41   as transformações económicas do pós-guerra
41 as transformações económicas do pós-guerra
Carla Freitas
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
Vítor Santos
 
11 a guerra_fria
11 a guerra_fria11 a guerra_fria
11 a guerra_fria
Vítor Santos
 
Sistema Digestivo
Sistema DigestivoSistema Digestivo
Sistema Digestivo
pedropereiraeu
 
Anos 20 Estados Unidos
Anos 20 Estados UnidosAnos 20 Estados Unidos
Anos 20 Estados Unidos
Sílvia Mendonça
 
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTransformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Teresa Maia
 
RevoluçãO SoviéTica
RevoluçãO SoviéTicaRevoluçãO SoviéTica
RevoluçãO SoviéTica
Patrícia Costa
 
Ficha de trabalho da 2ª Guerra Mundial
Ficha de trabalho da 2ª Guerra Mundial Ficha de trabalho da 2ª Guerra Mundial
Ficha de trabalho da 2ª Guerra Mundial
marcelinaregente
 
9 ano 1manual-isa
9 ano 1manual-isa9 ano 1manual-isa
9 ano 1manual-isa
a Gonçalves
 
Da RúSsia Dos Czares à RúSsia Dos Sovietes
Da RúSsia Dos Czares à RúSsia Dos SovietesDa RúSsia Dos Czares à RúSsia Dos Sovietes
Da RúSsia Dos Czares à RúSsia Dos Sovietes
Sílvia Mendonça
 
Ensinar e aprender a gostar de história na era digital
Ensinar e aprender a gostar de história na era digitalEnsinar e aprender a gostar de história na era digital
Ensinar e aprender a gostar de história na era digital
Sónia Cruz
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
Priscila Azeredo
 
O Modernismo na pintura e na literatura
O Modernismo na pintura e na literaturaO Modernismo na pintura e na literatura
O Modernismo na pintura e na literatura
Dina Baptista
 
A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
historiando
 
O papel da mulher na sociedade
O papel da mulher na sociedadeO papel da mulher na sociedade
O papel da mulher na sociedade
silvanapappi
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
Carlos Vieira
 

Destaque (20)

9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
 
Revolução soviética
Revolução soviéticaRevolução soviética
Revolução soviética
 
Exercícios 9º ano
Exercícios 9º anoExercícios 9º ano
Exercícios 9º ano
 
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 3010 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
 
41 as transformações económicas do pós-guerra
41   as transformações económicas do pós-guerra41   as transformações económicas do pós-guerra
41 as transformações económicas do pós-guerra
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
 
11 a guerra_fria
11 a guerra_fria11 a guerra_fria
11 a guerra_fria
 
Sistema Digestivo
Sistema DigestivoSistema Digestivo
Sistema Digestivo
 
Anos 20 Estados Unidos
Anos 20 Estados UnidosAnos 20 Estados Unidos
Anos 20 Estados Unidos
 
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTransformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
 
RevoluçãO SoviéTica
RevoluçãO SoviéTicaRevoluçãO SoviéTica
RevoluçãO SoviéTica
 
Ficha de trabalho da 2ª Guerra Mundial
Ficha de trabalho da 2ª Guerra Mundial Ficha de trabalho da 2ª Guerra Mundial
Ficha de trabalho da 2ª Guerra Mundial
 
9 ano 1manual-isa
9 ano 1manual-isa9 ano 1manual-isa
9 ano 1manual-isa
 
Da RúSsia Dos Czares à RúSsia Dos Sovietes
Da RúSsia Dos Czares à RúSsia Dos SovietesDa RúSsia Dos Czares à RúSsia Dos Sovietes
Da RúSsia Dos Czares à RúSsia Dos Sovietes
 
Ensinar e aprender a gostar de história na era digital
Ensinar e aprender a gostar de história na era digitalEnsinar e aprender a gostar de história na era digital
Ensinar e aprender a gostar de história na era digital
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
 
O Modernismo na pintura e na literatura
O Modernismo na pintura e na literaturaO Modernismo na pintura e na literatura
O Modernismo na pintura e na literatura
 
A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
 
O papel da mulher na sociedade
O papel da mulher na sociedadeO papel da mulher na sociedade
O papel da mulher na sociedade
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 

Semelhante a 9 ano 9_2_as transformações do após-guerra

Século xx
Século xxSéculo xx
Século xx
Ana Vilardouro
 
Acordos de paz
Acordos de pazAcordos de paz
Acordos de paz
Catarina Costa
 
Europa Ocidental na Guerra Fria
Europa Ocidental na Guerra FriaEuropa Ocidental na Guerra Fria
Europa Ocidental na Guerra Fria
ProfessoresColeguium
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
Vítor Santos
 
Historia9ano 2
Historia9ano 2Historia9ano 2
Historia9ano 2
Elisa Dias
 
Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra Fria
Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra FriaDo mundo multipolar para o bipolar da Guerra Fria
Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra Fria
Charles Santos
 
Resumo de História B
Resumo de História BResumo de História B
Resumo de História B
André Torres
 
Intervenção Baptista Alves sobre II GG
Intervenção Baptista Alves sobre II GGIntervenção Baptista Alves sobre II GG
Intervenção Baptista Alves sobre II GG
halm145
 
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exameResumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
Maria Rebelo
 
A Grande Guerra - O fim da Primeira Guerra Mundial e o Tratado de Versalhes.pptx
A Grande Guerra - O fim da Primeira Guerra Mundial e o Tratado de Versalhes.pptxA Grande Guerra - O fim da Primeira Guerra Mundial e o Tratado de Versalhes.pptx
A Grande Guerra - O fim da Primeira Guerra Mundial e o Tratado de Versalhes.pptx
rwnatafreire
 
Resumos história (2º teste)
Resumos história (2º teste)Resumos história (2º teste)
Resumos história (2º teste)
Ana Beatriz Neiva
 
Revisão bimestral de prova de geografia 2º ano
Revisão bimestral de prova de geografia 2º anoRevisão bimestral de prova de geografia 2º ano
Revisão bimestral de prova de geografia 2º ano
eunamahcado
 
82095 transformacoes do_apos_guerra
82095 transformacoes do_apos_guerra82095 transformacoes do_apos_guerra
82095 transformacoes do_apos_guerra
ceufaias
 
Aula 4 Novo
Aula 4 NovoAula 4 Novo
Aula 4 Novo
josepedrosilva
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
Vítor Santos
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Lucas Pires
 
Guerra fria completo
Guerra fria completoGuerra fria completo
Guerra fria completo
Jose Luiz de Oliveira
 
História 9º ano - A Europa e o Mundo no limiar do século XX
História 9º ano - A Europa e o Mundo no limiar do século XXHistória 9º ano - A Europa e o Mundo no limiar do século XX
História 9º ano - A Europa e o Mundo no limiar do século XX
Leandro Leitão
 
História rafael - guerra fria - cursinho intensivo e sábado
História   rafael  - guerra fria - cursinho intensivo e sábadoHistória   rafael  - guerra fria - cursinho intensivo e sábado
História rafael - guerra fria - cursinho intensivo e sábado
Rafael Noronha
 
ATIVIDADES GUERRA FRIA E ORDEM BIPOLAR.docx
ATIVIDADES GUERRA FRIA E ORDEM BIPOLAR.docxATIVIDADES GUERRA FRIA E ORDEM BIPOLAR.docx
ATIVIDADES GUERRA FRIA E ORDEM BIPOLAR.docx
Fabi294142
 

Semelhante a 9 ano 9_2_as transformações do após-guerra (20)

Século xx
Século xxSéculo xx
Século xx
 
Acordos de paz
Acordos de pazAcordos de paz
Acordos de paz
 
Europa Ocidental na Guerra Fria
Europa Ocidental na Guerra FriaEuropa Ocidental na Guerra Fria
Europa Ocidental na Guerra Fria
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
Historia9ano 2
Historia9ano 2Historia9ano 2
Historia9ano 2
 
Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra Fria
Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra FriaDo mundo multipolar para o bipolar da Guerra Fria
Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra Fria
 
Resumo de História B
Resumo de História BResumo de História B
Resumo de História B
 
Intervenção Baptista Alves sobre II GG
Intervenção Baptista Alves sobre II GGIntervenção Baptista Alves sobre II GG
Intervenção Baptista Alves sobre II GG
 
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exameResumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
 
A Grande Guerra - O fim da Primeira Guerra Mundial e o Tratado de Versalhes.pptx
A Grande Guerra - O fim da Primeira Guerra Mundial e o Tratado de Versalhes.pptxA Grande Guerra - O fim da Primeira Guerra Mundial e o Tratado de Versalhes.pptx
A Grande Guerra - O fim da Primeira Guerra Mundial e o Tratado de Versalhes.pptx
 
Resumos história (2º teste)
Resumos história (2º teste)Resumos história (2º teste)
Resumos história (2º teste)
 
Revisão bimestral de prova de geografia 2º ano
Revisão bimestral de prova de geografia 2º anoRevisão bimestral de prova de geografia 2º ano
Revisão bimestral de prova de geografia 2º ano
 
82095 transformacoes do_apos_guerra
82095 transformacoes do_apos_guerra82095 transformacoes do_apos_guerra
82095 transformacoes do_apos_guerra
 
Aula 4 Novo
Aula 4 NovoAula 4 Novo
Aula 4 Novo
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Guerra fria completo
Guerra fria completoGuerra fria completo
Guerra fria completo
 
História 9º ano - A Europa e o Mundo no limiar do século XX
História 9º ano - A Europa e o Mundo no limiar do século XXHistória 9º ano - A Europa e o Mundo no limiar do século XX
História 9º ano - A Europa e o Mundo no limiar do século XX
 
História rafael - guerra fria - cursinho intensivo e sábado
História   rafael  - guerra fria - cursinho intensivo e sábadoHistória   rafael  - guerra fria - cursinho intensivo e sábado
História rafael - guerra fria - cursinho intensivo e sábado
 
ATIVIDADES GUERRA FRIA E ORDEM BIPOLAR.docx
ATIVIDADES GUERRA FRIA E ORDEM BIPOLAR.docxATIVIDADES GUERRA FRIA E ORDEM BIPOLAR.docx
ATIVIDADES GUERRA FRIA E ORDEM BIPOLAR.docx
 

Mais de Vítor Santos

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
Vítor Santos
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
Vítor Santos
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
Vítor Santos
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
Vítor Santos
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
Vítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
Vítor Santos
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
Vítor Santos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
Vítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
Vítor Santos
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
Vítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
Vítor Santos
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
Vítor Santos
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
Vítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
Vítor Santos
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
Vítor Santos
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
Vítor Santos
 
06 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_606 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_6
Vítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
 
06 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_606 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_6
 

Último

Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 

9 ano 9_2_as transformações do após-guerra

  • 1. História - 9º ano Apogeu e declínio da influência europeia 9.2 As transformações do pós-guerra http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
  • 2. 2 1 – Conhecer as transformações geopolíticas decorrentes da 1.ª Grande Guerra. 1. Enunciar as principais decisões dos tratados de paz (com destaque para o Tratado de Versalhes). 2. Identificar as principais alterações no mapa político europeu do após guerra. 3. Referir os grandes objetivos da criação da Sociedade das Nações (SDN).
  • 3. 3 2 – Conhecer e compreender as transformações económicas do após guerra. 1. Caracterizar a situação económica e social europeia no após guerra. 2. Explicar o fim da hegemonia europeia e o reforço da afirmação dos EUA como principal potência económica mundial. 3. Caracterizar a economia dos anos 20, destacando o seu carácter modernizador, instável e especulativo. 4. Referir outros fatores de tensão económica na década de 20, nomeadamente a rivalidade entre novos e velhos países industriais, o pagamento de dívidas e indemnizações de guerra e a adoção de políticas protecionistas.
  • 4. 4 3 – Conhecer e compreender a Revolução Soviética. 1. Caracterizar sucintamente a Rússia czarista ao nível político, económico e social. 2. Relacionar a entrada da Rússia na 1.ª Grande Guerra com o agravar das tensões sociais e políticas. 3. Caracterizar a “Revolução de Fevereiro”, salientando o caráter demoliberal das medidas tomadas pelo governo provisório. 4. Relacionar a decisão de permanência da Rússia na 1.ª Grande Guerra com o eclodir da “Revolução de Outubro”.
  • 5. O expansionismo europeu 5 5. Caracterizar a “Revolução de Outubro”, as principais medidas tomadas (fim do envolvimento na guerra, participação dos operários na gestão das fábricas e divisão das grandes propriedades rurais pelas famílias camponesas). 6. Descrever as principais etapas de implantação do regime comunista entre 1917 e 1924 (Guerra civil e Comunismo de Guerra, NEP, formação da URSS). 7. Avaliar o impacto da Revolução Bolchevique na Europa Ocidental e no Mundo em geral.
  • 6. 6 4 – Conhecer e compreender as transformações socioculturais das primeiras décadas do século XX. 1. Caracterizar a sociedade europeia nas duas primeiras décadas do século XX, salientando o peso crescente das classes médias e a melhoria das condições de vida do operariado, apesar da manutenção de grandes desequilíbrios sociais. 2. Relacionar os efeitos da guerra com a alteração de mentalidades e costumes nos “loucos anos 20”. 3. Avaliar os efeitos da guerra ao nível da emancipação feminina, problematizando temáticas atuais relativas à igualdade de género.
  • 7. O expansionismo europeu 7 4. Caracterizar sucintamente a cultura de massas, salientando a sua relação com a melhoria das condições de vida nas décadas de 20 e 30 do século XX. 5. Distinguir as principais correntes estéticas que marcaram a evolução nas artes. 6. Indicar alguns dos principais vultos e obras de referência do modernismo português.
  • 8. O expansionismo europeu 8 https://www.youtube.com/watch?v=ElBt6scahxU&list=PLrVbe- vPkX7vX-A6TV4t5wZLJDiubZhj- A História do século XX (1914-1939)
  • 9. 9 A Primeira Guerra Mundial terminou em 11 de novembro de 1918; A Conferência de Paz iniciou-se em janeiro de 1919; São assinados vários acordos, entre eles o Tratado de Versalhes; Surge uma nova geografia política e uma nova ordem internacional; Os diversos tratados assinados provocaram uma profunda transformação do mapa político da Europa e do Médio Oriente.
  • 13. 13 O Império Russo desapareceu e foi substituído para URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas; O Império Alemão, que tinha perdido a guerra perdeu várias regiões e territórios (Alsácia e Lorena, territórios para a Polónia, Checoslováquia, Bélgica, Dinamarca; O Império Austro-Húngaro morreu e em seu lugar nasceu a Áustria, Hungria e Checoslováquia;
  • 14. 14 Multiplicam-se os estados-nação que surgiram do desmembramento dos impérios (Finlândia, Estónia, Letónia, Lituánia, Polónia, Hungria); Outros estados são formados por várias nacionalidades (Checoslováquia (República Checa e Eslováquia), Jugoslávia (Sérvia, Croácia, Macedónia, Eslovénia, Bósnia-Herzegovina, Montenegro e Kosovo) );
  • 15. O expansionismo europeu 15 O que é um estado-nação? Um estado é uma entidade política e geopolítica; Uma nação é uma unidade étnica e cultural; Estado-nação implica em uma situação onde os dois são coincidentes. Wikipédia (adaptado)
  • 16. 16 Os estados vencidos (Áustria e Turquia) sofreram perdas territoriais muito fortes; A Alemanha perdeu 1/7 do seu território, a Prússia Oriental ficou separada (corredor de Dantzig); Ficou sem 1/10 da sua população; Tratado de Versalhes:
  • 17. O expansionismo europeu 17 Perdeu as suas colónias e marinha de guerra, as minas de carvão do Sarre foram entregues, por um período de 15 anos, à França; Foi condenada a pagar pesadas indeminizações aos vencedores; Parte do seu território foi desmilitarizado; O exército foi reduzido a 100 mil homens;
  • 18. 18 A Sociedade das Nações e a nova ordem internacional
  • 19. 19 O Presidente norte-americano, Thomas Woodrow Wilson, propõe, em 1919, a criação de uma liga de nações, a Sociedade das Nações (SDN); Os seus principais objetivos consistiam em promover a cooperação e a paz entre as nações, subordinadas ao Direito Internacional;
  • 20. O expansionismo europeu 20 Uma agressão a um dos membros obrigava os outros a intervirem; Assegurar a independência e integridade territorial dos estados; A sua sede estabeleceu-se na cidade suíça de Genebra; A SDN constituiu uma razão de esperança para os povos;
  • 21. 21 No entanto logo de início surgiram vários problemas na constituição da SDN; Na SDN falta uma pedra? EUA
  • 22. 22 A difícil recuperação económica da Europa e a dependência em relação aos Estados Unidos A Primeira Guerra Mundial teve consequências muito diferenciadas sobre os diversos países.
  • 23. O expansionismo europeu 23 Pela análise destes dados quais os países mais afetados e os mais beneficiados?
  • 24. 24
  • 25. 25 Uma das consequências do conflito mundial foi o declínio dos países europeus e a elevação dos Estados Unidos à categoria de maior potência mundial; Perdas europeias: Demográficas: perdas humanas durante a guerra, diminuição da mão de obra, envelhecimento da população, excedente da população feminina; Materiais: a Europa, sobretudo a Central em ruínas (cidades, fábricas, quintas e vias de comunicação destruídas);
  • 26. 26 Perdas europeias: Económicas: Racionamento dos bens essenciais; Inflação galopante (os estados emitiram moeda, provocando a sua desvalorização); Perda de poder de compra da classe média;
  • 27. O expansionismo europeu 27 Os países europeus recorreram a empréstimos estrangeiros, como não os podiam pagar recorriam a mais empréstimos, desequilibrando a balança de pagamento dos estados, agrava-se o défice dos países; A partir de meados da década de 20 existe alguma recuperação económica, dando origem aos “Loucos Anos Vinte”, que no entanto seriam de curta duração;
  • 28. 28 A indústria americana aproveitou o declínio da indústria europeia e desenvolveu modos de produção mais eficientes: Estes novos métodos foram introduzidos por Henry Ford e por isso ficaram conhecidos como “fordismo”; Baseava-se no “taylorismo” (divisão do trabalho em tarefas simples, rápidas e repetitivas); https://www.youtube.com/watch?v=DfGs2Y5WJ14
  • 29. O expansionismo europeu 29 A produção em série levou à estandardização (produtos iguais); Estes métodos de trabalho levaram à produção em massa; O preço dos produtos baixou e o consumo subiu;
  • 30. 30 Difunde-se a venda a crédito e a prestações; Desenvolve-se a publicidade; Surgem os monopólios (o controlo, por parte de uma empresa, da produção de um determinado produto);
  • 31. 31 A Europa, até 1925, mergulhou numa grave crise económica; Para recuperarem da crise, os países europeus, adotaram medidas protecionistas (aumento das taxas alfandegárias); A concorrência entre países aumentou as rivalidades económicas;
  • 32. 32 A frágil prosperidade da década de 20 A indústria americana, nos finais da década de 20, diminuiu as suas exportações para a Europa, os stocks começaram a acumular-se; Existia na sociedade americana uma febre de investimento bolsista e milhões de americanos compravam ações a um preço superior ao seu real valor;
  • 33. 33 A Rússia no início do século XX Monarquia absoluta (Czar Nicolau II); Sociedade feudal e hierarquizada; A maior parte das terras pertenciam ao clero e à nobreza; Economia atrasada baseada na agricultura; Pouca indústria; Pouco comércio; Poucas e más vias de comunicação;
  • 34. 34 Os camponeses (85% da população) reivindicavam terras que estavam na posse da aristocracia; O proletariado exigia melhores salários e condições de trabalho; A burguesia e, mesmo, parte da aristocracia pretendiam a modernização do país e uma maior abertura política; Várias organizações políticas opunham-se ao absolutismo: Partido Operário Social-Democrata (bolcheviques e mencheviques); Surgiram os sovietes controlados pelos bolcheviques;
  • 35. 35 Após a revolução de 1905 a frágil tentativa do czar de liberalizar o regime falhou completamente; A participação da Rússia na I Guerra Mundial, as derrotas militares e a falta de alimentos agravaram a situação; Em fevereiro de 1917, dá-se uma revolução e o Czar abdicou; Foi constituído um governo provisório liderado pelos mencheviques que mantém a Rússia na guerra; Os bolcheviques opõem-se ao governo;
  • 36. 36 Em outubro, 25, os bolcheviques, liderados por Lenine, organizam uma revolução que leva ao poder o Partido Bolchevique; Medidas tomadas pelo governo bolchevique: Paz com a Alemanha (tratado de Brest-Litovsk); Nacionalização da propriedade privada; Criação da Tcheka (polícia política);
  • 37. 37 O governo bolchevique baseava as suas ideias no marxismo- leninismo; Procurou implementar a ditadura do proletariado (retirar todo o poder à burguesia e criar as bases para construir uma sociedade comunista);
  • 38. 38 Emerge uma guerra civil (1918-1920): Exército Branco (reúne todos os opositores do regime e são apoiados pelos EUA, Reino Unido, França); Contra Exército Vermelho (bolchevique);
  • 39. O expansionismo europeu 39 Inicia-se a fase conhecida por Comunismo de Guerra (1918- 1921): Proibição de todos os partidos (exceto o bolchevique que mudou o nome para Partido Comunista); Instauração da censura; Perseguição de todos os opositores políticos;
  • 40. 40 A guerra civil arruinou a Rússia; Para restaurar a economia, Lenine, lançou a Nova Política Económica (NEP) (1921-1927): O estado controlava as indústrias mais importantes e os transportes; Era permitida a iniciativa privada para a pequena indústria (menos de 20 trabalhadores) e produção agrícola;
  • 41. O expansionismo europeu 41 Fomentou-se a entrada de capitais estrangeiros; Restaurou-se (em parte) a liberdade de comércio; Esta política levou ao aumento da produção e à melhoria das condições de vida das populações;
  • 42. 42 Em 1922 foi criada a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas; Uma federação de estados; A Revolução Bolchevique teve um grande impacto mundial, em muitos países do mundo surgem partidos comunistas; A burguesia fica assustada pois teme a tomada do poder por parte dos comunistas;
  • 43. Módulo 7, História A 43 No século XX surgem grandes cidades com milhões de habitantes, nos países mais industrializados a população urbana ultrapassou a rural; Esta massificação da urbanização vai contribuir decisivamente para grandes transformações na cultura e vida da civilização oriental; Transformações sociais nas primeiras décadas do século XX
  • 44. Módulo 7, História A 44 Nas grandes metrópoles os indivíduos tornam-se anónimos no meio da multidão; A cultura tende para a estandardização e massificação; Nos tempos livres a população dirige-se para os cafés, os cinemas, os estádios, salões de baile, etc.; A proliferação da classe média levou ao desenvolvimento de uma nova cultura do ócio, a cidade fomenta esta cultura fornecendo alternativas diversificadas;
  • 45. 45 A Primeira Guerra Mundial contribuiu para uma mudança na condição feminina; O desenvolvimentos dos transportes públicos e do automóvel tornam as deslocações mais fáceis; O desporto entra nos hábitos do quotidiano; A vida acelera;
  • 46. 46 O trabalho desumaniza-se; A racionalização do trabalho tende a transformar o Homem num escravo da atividade profissional e dos valores materiais que esta pode proporcionar;
  • 47. 47 Nos Anos Vinte surge a cultura do lazer; As populações urbanas procuram viver de forma frenética e ruidosa;
  • 48. Módulo 7, História A 48 Surge um novo conceito de família: O casamento como um contrato é substituído pelo casamento por amor; A institucionalização do divórcio torna o casamento mais instável; Divulgam-se as práticas anticoncecionais, o número de filhos por casal diminui;
  • 49. Módulo 7, História A 49 A crise dos valores tradicionais Os habitantes das cidades perderam as suas raízes rurais; Submetem-se a novos ritmos de trabalho; O mundo urbano não favorece o enraizamento das populações, o emprego é precário e os transportes favorecem as deslocações; Desaparecem as solidariedades tradicionais do mundo rural; A vida urbana é condicionada pelo individualismo e pelo anonimato;
  • 50. 50 A Primeira Guerra Mundial terminou com a época de otimismo e de crença no desenvolvimento científico interrupto e colocou em causa os valores morais e culturais herdados do século XIX; O conflito mundial tenha causado a morte a 10 milhões de pessoas e ao desencadear de uma grave crise económica; Surge um sentimento de pessimismo e de descrença no futuro;
  • 51. 51 A evolução da condição feminina As primeira reivindicações femininas surgiram em meados do século XIX, consistiam na luta pelo direito à propriedade, à tutela dos filhos em caso de viuvez, ao acesso à educação; No inicio do século XX surgem as primeiras reivindicações sufragistas;
  • 52. O expansionismo europeu 52 Surgem movimentos que lutam pelo direito a votar das mulheres; Destacou-se, em Inglaterra, o papel desempenhado por Emmeline Pankhurst; Lutam também pelo acesso a cargos públicos e a igualdade no trabalho e na família;
  • 53. 53 O movimento sufragista inglês organizou várias formas de protesto; Em Portugal, em 1909, surgiu a Liga Republicana das Mulheres Portuguesas e em 1911, a Associação de Propaganda Feminina; Carolina Beatriz Ângelo, em 1911, e aproveitando uma omissão da lei foi a primeira mulher a votar em Portugal; A legislação foi imediatamente corrigida;
  • 54. Módulo 7, História A 54 Apesar das reivindicações feministas, e apenas com algumas exceções, até à primeira Guerra Mundial a mulheres continuaram arredadas do sufrágio; A guerra alterou esta situação, com os homens na frente de batalha, muitas mulheres acederam a empregos;
  • 55. 55 As mulheres demonstraram que podiam substituir os homens nas mais variadas profissões; Por outro lado passaram a auferir um salário, o que lhe dá a independência económica;
  • 56. 56 Nos anos a seguir à guerra, as mulheres vão ganhando o direito de participação na vida política pelo menos em grande parte dos países ocidentais; Frequentam festas, vivem e viajam sozinhas, usam o cabelo curto “à garçonne”; A luta pela completa igualdade foi longa e difícil e ainda hoje não está completa;
  • 57. 57 1.4.3 As vanguardas: ruturas com os cânones das artes e da literatura O desenvolvimento das novas ideias filosóficas e científicas teve um efeito na cultura e no início do século XX desenvolve-se uma estética nova; Este movimento cultural e artístico ficou conhecido pelo nome de Modernismo;
  • 58. O significado do termo Expressionismo em arte aplicou- se à arte na qual a forma não nasce diretamente da realidade observada, mas de reações emocionais e subjetivas à realidade; Munch, O grito 58
  • 60. Matisse, Harmonia Vermelha, 1908 Expressionismo 60
  • 61. Primeira revolução artística do século XX; Afirmam a autonomia da cor; Entendem a pintura como instinto, como veículo de expressão das suas emoções; Exaltam as cores fortes; Dérain, Retrato de Matisse, 1905 61
  • 62. O Expressionismo pretende transmitir ao espectador emoções estéticas profundas; Através da exaltação das cores que delimitam e definem as formas planificadas; Onde a ilusão da terceira dimensão se perde; Vlaminck, Port Marley 62
  • 63. Braque, Parque de Cárrierres O cubismo foi um dos movimentos mais importantes da arte do século XX; Os seus criadores foram: Pablo Picasso (1881-1973), em Horta del Hebro; Georges Braque, em L’Éstaque (1882-1963) Módulo 7, História A 63
  • 64. O motivo (objeto, pessoa, paisagem) não é representado de um único ponto de vista, mas sob vários pontos de vista na mesma representação (perspetivas múltiplas), introduzindo a dimensão tempo às outras três; 64
  • 65. Inspiração na Teoria da Relatividade de Einstein; 65
  • 66. Picasso e Braque iniciaram uma das maiores revoluções da Arte: Abrindo caminho à arte abstrata e outros movimentos artísticos; 66
  • 67. Picasso, Les Demoiselles d’Avignon, 1906/07 Módulo 7, História A 67
  • 68. O abstracionismo nasceu em 1910 a partir de uma experiência de Kandinsky; Arte abstrata: toda a arte que não contém nenhuma relação com a realidade, quer essa realidade tenha sido ou não o ponto de partida do artista; Módulo 7, História A 68
  • 69. Kandinsky, Composição VII, óleo, e estudos para o quadro 69
  • 70. Kandinsky, Com o arco negro “A cor é o meio de exercer uma influência directa na alma. A cor é a tecla. O olhar o martelo. A alma é o piano de muitas cordas. O som musical tem acesso directo à alma, e aí encontra de imediato uma ressonância, porque o Homem tem música em si mesmo, que pode negar que isso também pode ser válido para a pintura”. Kandinsky 70
  • 71. Kandinsky, Improvisação V “A cor assim como afecta os animais, também afecta, com igual força e vigor, as reacções humanas” Kandinsky 71
  • 73. Mondrian, Vermelho, Amarelo e Azul As formas e as linhas estabelecem múltiplas relações espaciais que assentam no equilíbrio, harmonia e serenidade do ângulo recto; O ângulo recto e a harmonia estiveram presentes em todas as actividades artísticas; 73
  • 74. Mondrian, Vermelho, Amarelo e Azul A vertical e a horizontal são a expressão de duas forças opostas; A cor deve ser plana e primária; A arte não deve ter qualquer relação com o aspeto natural das coisas; 74
  • 75. Futurismo Balla, Menina a correr numa varanda 75
  • 77. Boccioni, Estados de Espírito I, Os Adeuses, 1911 O Futurismo nasceu em Itália, mas oficialmente apareceu em 1909, com a publicação do Manifesto Futurista, de Filippo Tommaso Marinetti (poeta), no jornal Le Fígaro, de Paris; Primeiro surge na literatura e estende-se às artes plásticas, arquitetura, música e cinema; 77
  • 78. Carro de corrida do início do século XX, Vitória de Samotrácia No Manifesto afirma-se: “Um automóvel de corrida com o seu adorno de grossos tubos semelhantes a serpentes de hálito explosivo (…) é mais belo que a Vitória de Samotrácia”; 78
  • 79. Balla, Dinamismo de um cão conduzido pela trela 79
  • 80. Boccioni, Formas Únicas em Continuidade no Espaço, 1913, Bronze 80
  • 81. 81 A nova arquitetura: Escola de Chicago e Bauhaus Na Europa e nos EUA surgiram duas escola de arquitetura que desenvolveram o modernismo: Formas geométricas; Superfícies planas e retilíneas; Pouca decoração; É uma arquitetura funcional;
  • 82. 82 A Escola de Chicago desenhou os primeiros arranha-céus;
  • 83. 83 O arquiteto americano, Frank Lloyd Wright criou um novo tipo de edifícos em que os espaços interiores harmonizavam-se com a paisagem, a arquitetura funcional orgânica;
  • 84. 84 Na Alemanha a escola de artes, Bauhaus, desenha edifícios e objetos de design de carácter utilitário;
  • 85. 85 Os caminhos da literatura Tal como nas artes plásticas a literatura sofreu uma verdadeira revolução e também aqui as tradições e valores foram postos em causa; Surgiram novos tipos de escrita; Foi abandonado a descrição realista e ordenada da realidade; Muitas obras literárias procuraram retratar a vida psicológica e interior das personagens; As obras literárias são dominadas pelo pessimismo, o desencanto e a angústia;
  • 86. 86 Principais obras e artistas: Ulisses, James Joyce; Montanha Mágica, Thomas Mann; Adeus às Armas, Ernest Hemingway
  • 87. 87 O Modernismo em Portugal Nos inícios do século XX em Portugal a criação artística e literária estava dominada pelo naturalismo e evidenciava uma forte resistência à mudança e à inovação; A burguesia (compradora da cultura) tinha gostos pouco evoluídos condicionando toda a produção cultural portuguesa; Após a implantação da República surgiram alguns grupos de intelectuais portugueses que pretendiam romper com o marasmo da situação;
  • 88. O primeiro modernismo – a revista Orpheu (1911-1918) Publicação da revista Orpheu (1915), fundada por Mário de Sá- Carneiro (1890-1916) e Fernando Pessoa (1888-1935) ao quais se juntaram Almada Negreiros (1893-1970) e Santa-Rita (1889-1918); Foram os principais responsáveis pela introdução do Modernismo em Portugal; Só foram publicados dois números; 88
  • 89. 89 Apesar da sua curta duração esta revista desempenhou um papel importante; Promoveu novas formas literárias e artística e contestou o naturalismo; Apesar de terminada a revista, o movimento cultural manteve-se vivo;
  • 90. 90 O segundo modernismo – a revista Presença (anos 20 e 30) A revista Presença surgiu, em Coimbra, em março de 1927 e foi publicada até 1940; Foi fundada por José Régio, Branquinho da Fonseca e João Gaspar Simões; Seguiram a linha de pensamento fundado pela revista Orpheu e lutaram contra o academismo literário, por uma crítica livre.
  • 91. 91 Nesta revista participaram nomes como Aquilino Ribeiro, Miguel Torga e Ferreira de Castro entre outros; A Presença defendeu a criação de uma literatura mais viva, livre, oposta ao academismo e jornalismo rotineiro, primando pela crítica, pela predominância do individual sobre o coletivo, do psicológico sobre o social, da intuição sobre a razão. (wikipédia)
  • 92. Eduardo Viana Viana, O Homem das louças, 1919 92
  • 93. Amadeo de Souza-Cardoso É uma pintura que é uma reflexão plástica entre o Cubismo e o Abstracionismo; È uma mistura do Cubismo, Futurismo, Expressionismo, Abstracionismo torna difícil a classificação das suas obras; Souza-Cardoso, Casa de Manhufe 93
  • 94. Souza-Cardoso, Cozinha de Manhufe, 1913 Participou em exposições em Paris, Berlim e Nova Iorque; 94
  • 96. Santa-Rita Pintor, A cabeça Guilherme de Santa-Rita (Santa- Rita Pintor); É difícil analisar a sua obra pois, antes de morrer, mandou-a destruir, havendo poucas exceções, como a Cabeça; 96
  • 97. Fotografia de Santa- Rita Pintor e a revista Portugal Futurista Foi um agitador de ideias, um inovador no campo estético e o organizador da revista Portugal Futurista, em 1917; 97
  • 98. Almada Negreiros Foi pintor, poeta, cenógrafo, bailarino, caricaturista, dinamizador das revistas Orpheu e Portugal Futurista; A sua pintura balança entre a Arte Nova e a Abstração a Modernidade Futurista e as raízes portuguesas; Almada Negreiros, Autorretrato, Autorretrato num grupo 98
  • 99. Teve uma ação preponderante no movimento futurista em Portugal; “Ultimatum futurista às gerações portuguesas do século XX”, “Manifesto Anti Dantas”; Almada Negreiros, Nu feminino, 1926 99
  • 100. Muitos artistas emigraram, caso de Vieira da Silva, outros foram lutando contra a ditadura; Os movimentos de vanguarda desenvolvem-se com grandes dificuldades e desconhecidos para a maioria da população; Nem sempre foram compreendidos pelo público; Foram oposição à ditadura, e procuraram desenvolver a vida cultural portuguesa; 100
  • 101. Bibliografia: Apresentação construída com base nos livros: Oliveira, Ana Rodrigues e outros, O fio da História, Texto Editora Neto, Helena e outros, História 9, Editora Santillana, 2014 Diniz, Maria Emília, Tavares, Adérito, Caldeira, Arlindo M., História 9, Raiz Editora, 2012 101