SlideShare uma empresa Scribd logo
Artistas Plásticos e Músicos da RepúblicaTrabalho realizado por :                              -Afonso Ângelo , nº1 8ºC                               -Joana Mateus , nº12  8ºC                              -João Martins , nº 14 8ºC                              -Mariana Silva , nº 18 8ºCProfessora/Disciplina  :       - MichelePó /T.I.C.
Introdução      Todo o tipo de artistas (sejam músicos, pintores, etc.) marcaram a nossa história, influenciaram o nosso dia-a-dia e fizeram com que quiséssemos saber mais sobre alguns deles de alguma maneira. Ouvimos falar em artistas estrangeiros, mundialmente conhecidos, e sempre soubemos mais sobre eles do que sobre os artistas portugueses. Nós quisemos alargar os nossos conhecimentos e pesquisar sobre alguns artista que marcaram a história de Portugal.
Introdução      Escolhemos este tema sobre os artistas plásticos e os músicos na república pois achámos interessante saber mais coisas acerca dos artistas e músicos portugueses, nomeadamente : onde estudaram? Que viagens profissionais fizeram? Com quem se formaram? Quando, onde e que temas tiveram as suas exposições? Quem lhes deu apoio e financiou os estudos?, etc.
EDUARDO VIANANasceu em Lisboa em 1881.  Frequentou a Escola de Belas-Artes entre 1896 e 1905, e insatisfeito com o ensino académico português, partiu para Paris, onde residiu entre 1905 e 1915.   Em Paris frequentou as academias Studio e Julien e foi discípulo de J.P. Laurens. O seu regresso a Portugal, em plena guerra, coincidiu com a estadia de Amadeo de Souza Cardosoe do casal Delaunay. Esta proximidade foi fundamental para alimentar o convívio com pessoas com experiências cubistas e simultaníssimas. casal Delaunay
Realizou a sua 1ª exposição individual no Porto em 1920Entre 1930 e 1940 viveu em Bruxelas.        A partir de 1935 esteve presente nos salões de Arte Moderna do SNI ( Secretariado Nacional de Informação).     Perfeccionista, corrigia e repintava vezes sem conta um mesmo quadro, pelo que quando morreu deixou obras inacabadas.
Participou na 1ª Exposição Livre em 1911 no salão Bobore, naquela que foi considerada a primeira grande  exposição anti-académica em PortugalOBRAS:           Eduardo Viana realiza, em 1916, a pintura K4 Quadrado Azul. Neste trabalho surge evidentemente o compromisso com as linguagens de vanguarda, utilizadas em situação de um códigoformal (que não o seu).           Em trabalhos como A Revolta das Bonecas (1916), há uma Influencia existente do casal Delaunay.           Pinturas como O Homem das Louças (1919), inscrevem os círculos e a geometrização do vestuário e do espaço envolvente proprio do 1º Cubismo, num conjunto de concessões à representação, principalmente o rosto.
JOÃO CUTILEIRO       João Pires Cutileiro é um escultor português, nascido em Lisboa em 1937.       Ao começar a utilizar máquinas eléctricas para executar o trabalho, dedica-se ao mármore e surgem as figuras, as paisagens, as caixas e as árvores. Em 1961 faz cinco exposições em Lisboa e uma no Porto.        Em 1970 instala-se em Lagos e é lá que executa a sua obra mais polémica, D. Sebastião , erigida nessa mesma cidade.
Conquistou uma menção honrosa no Prémio Soquil no ano de 1971, e cinco anos mais tarde as suas esculturas e mosaicos foram expostos em Wuppertal na Alemanha, seguindo-se exposições em Évora (em 1979, 80 e 81) e, em 1980 a sua obra volta à Alemanha, mas a Dortmund.         Nesse mesmo ano expos em Washington D.C. e na sociedade Nacional de Belas Artes.No ano seguinte participou no Simpósio na Escultura em Pedra, na cidade de Évora e numa exposição na Jones Gallery em New York.
      João Cutileiro muda-se para Évora em 1985, onde está exposta, na sua casa, uma grande parte do seu leque de obras.        As Meninas de Cutileiro são, provavelmente, o tema mais famoso de Cutileiro e valeram-lhe (e valem) a mais distinta glória e dinheiro, mas também desprezo da parte de alguns.
MAS O QUE SÃO AFINAL AS MENINAS   DE CUTILEIRO?  E PORQUE É QUE SÃO TÃO APRECIADAS E AO MESMO TEMPO CRITICADAS??  As Meninas De Cutileiro é o nome que dão às esculturas que João Pires Cutileiro faz de mulheres nuas, em várias posições sexuais e a realçar os pelos púbicos. São tão faladas assim pois há quem aprecie este tipo de esculturas e outros que apenas se ofendem com elas.
   Em 1988, Cutileiro  realiza exposições em Almansil, Macau e Lisboa.    No ano seguinte faz novas exposições novamente em Almansil e Lisboa.     Em 1990 elaborou uma exposição que se apresenta como a retrospectiva da sua arte em Lisboa, na Fundação Calouste Gulbenkian.
   Nos anos de 1992 e 1993, realiza mais exposições em Bruxelas, Luxemburgo, Évora, Guimarães, Lagos, Almansil e Lisboa.  Embora de grande prestígio e muito cobiçadas, poucas foram as suas peças edificadas publicamente após o D. Sebastião.
MARIA KEIL        Maria Pires Keil é uma pintora portuguesa . Nasceu em Silves no ano de 1914.        Formada em Pintura pela Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, foi aluna de Samora Barros e de Veloso Salgado.        Maria Keil executa: Pintura, Desenho, Ilustração, Decoração de interiores, Design gráfico e de mobiliário, Cerâmica, Cenografia e figurino. Autora também de cartões para tapeçaria. Fundamentalmente sobressai com as composições em azulejo.
         Maria Keil presenciou a montagem e decoração da Exposição Internacional de Paris em 1937.          Esta experiência orientou-a no percurso modernista e optou por experimentar então a publicidade, trabalhando para o Estúdio Técnico de Publicidade (em 1936). Desenhou para os anúncios da “ A Pompador” nos anos 40.          Em 1940 participou na Exposição do Mundo Português com uma pintura mural, tendo ganho em 1941 o Prémio Revelação Amadeo de Souza Cardoso pelo quadro “Auto-retrato”.
Elaborou desenhos para colectâneas integrados na colecção: “As mais belas poesias da língua portuguesa”. Multifacetada Maria Keil escreveu                       e ilustrou livros para crianças e                       adultos. Ilustrou variadas revistas,                       nomeadamente a Panorama, SearaNova, Eva, Vértice e Ver e Crer.   Nas décadas de 50 e 60 do séc. XX, o Metropolitano de Lisboa em construção, convida a artista a desenvolver um intenso e árduo trabalho como criadora de painéis de azulejos para a decoração das 19 estações.
Elaborou desenhos para colectâneas integrados na colecção: “As mais belas poesias da língua portuguesa”. Multifacetada Maria Keil escreveu                       e ilustrou livros para crianças e                       adultos. Ilustrou variadas revistas,                       nomeadamente a Panorama, SearaNova, Eva, Vértice e Ver e Crer.   Nas décadas de 50 e 60 do séc. XX, o Metropolitano de Lisboa em construção, convida a artista a desenvolver um intenso e árduo trabalho como criadora de painéis de azulejos para a decoração das 19 estações.
José Viana da Mota       José Viana da Mota nasceu em S. Tomé, em  1868            Foi a personalidade mais multifacetada da vida artística portuguesa nos primeiros 50 anos deste século. Virtuoso, pedagogo, compositor, ensaísta e filósofo - foi exemplo a seguir como modelo de trabalho e tenacidade.           Serviu-se da sua extraordinária vocação para encontrar, através do domínio absoluto no piano, o equilíbrio da forma e do conteúdo num padrão de superioridade mental e de dignidade artística e intelectual.      Dotado para a música ( particularmente para o piano), cedo suscita aplausos e admiração. D. Fernando e a sua esposa ao ouvirem o compositor tocar decidem patrocinar os seus estudos. Terminado o curso do Conservatório de Lisboa parte para Berlim (1882) onde, custeado pelos reis mecenas, continua durante três anos os estudos de piano e composição.
       Franz Liszt          Em 1885 o seu desejo de trabalhar com o maior mestre do piano leva-o a Weimar onde é acolhido com agrado por Liszt. As lições são interrompidas no ano seguinte devido à morte inesperada do  pianista e compositor.          Regressa a Berlim fixa-se em Frankfurt, onde procura aprofundar a sua formação com Hans Von Bulow, que o considera um dos mais brilhantes discípulos de Franz Liszt. 1917 é o ano do seu regresso definitivo                             a Portugal, onde inicia uma nova e                               não menos profícua fase da                               sua actividade artística.Hans Von Bulow
    Director do Conservatório Nacional de Lisboa, de 1918 a 1938, o prestígio do seu nome, a profundidade da sua cultura e o brilhantismo da sua inteligência deram àquela instituição uma fecunda vitalidade.Devemos ainda a Viana da Mota a primeira apresentação, entre nós, da audição integral das trinta e duas Sonatas para piano e dos trios com violino e violoncelo de Beethoven, quando, em 1927, se comemorou o primeiro Centenário da morte do grande compositor.
       A vida de Mestre Viana da Mota, foi uma ascensão permanente para a glória e para a beleza, sendo ele um exemplo de comportamento intelectual e artístico. Intérprete inexcedível de Bach, Beethoven e Liszt deixou à posterioridade um nome glorioso que deverá ter sido como lição a todos quantos servem a causa da Arte e, particularmente, a da Música que ele tanto amou .    de completar os 80 anos.José Viana da Mota faleceu em 1948 , pouco depois de completar os 80 anos.
ConclusãoApós este trabalho ficámos a saber que:-Eduardo Viana, nascido em 1881, frequentou a Escola de Belas Artes e entre 1905 e 1915 residiu em Paris.       Três das obras mais conhecidas do célebre pintor são : K4 Quadrado Azul (1916); A Revolta das Bonecas (1916) ; O Homem das Louças (1919).-João Cutileiro é um famoso escultor português. Nasceu em 1937. Provavelmente, a sua obra mais conhecida é D.Sebastião, exposta aos olhos de todos em Lagos.  -Maria Keil é uma pintora portuguesa, nascida em 1914. Executa: Pintura, Desenho, Ilustração, Decoração de interiores, Design gráfico e de mobiliário, Cerâmica, Cenografia e figurino. O seu quadro mais conhecido é provavelmente “Auto Retrato” .-José Viana da Mota nasceu em 1868. D. Fernando patrocinou os seus estudos. José Viana da Mota formou-se primeiro com Franz Liszt e depois com Hans Von Bulow.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arquitetura moderna e grupo santa helena
Arquitetura moderna e grupo santa helenaArquitetura moderna e grupo santa helena
Arquitetura moderna e grupo santa helena
Fabiana Alexandre
 
Século XIX no brasil (II)
Século XIX no brasil (II)Século XIX no brasil (II)
Século XIX no brasil (II)
Fabiana Alexandre
 
Centro de ensino edison lobão1
Centro de ensino edison lobão1Centro de ensino edison lobão1
Centro de ensino edison lobão1
centrodeensinoedisonlobao
 
Artes (6)
Artes (6)Artes (6)
Visconti, eliseu d'angelo
Visconti, eliseu d'angeloVisconti, eliseu d'angelo
Visconti, eliseu d'angelo
deniselugli2
 
Centro de ensino sâmela
Centro de ensino   sâmelaCentro de ensino   sâmela
Centro de ensino sâmela
centrodeensinoedisonlobao
 
Artistas plásticos brasileiros
Artistas plásticos brasileirosArtistas plásticos brasileiros
Artistas plásticos brasileiros
Ana Beatriz Cargnin
 
Artes (2) weverton
Artes (2) wevertonArtes (2) weverton
Artes (2) weverton
centrodeensinoedisonlobao
 
Bruno Giorgi - Artes
Bruno Giorgi - Artes Bruno Giorgi - Artes
Bruno Giorgi - Artes
Rayra Santos
 
Centro de ensino edison lobão bruno
Centro de ensino edison lobão brunoCentro de ensino edison lobão bruno
Centro de ensino edison lobão bruno
centrodeensinoedisonlobao
 
Gjdjdtdtujdtyuj
GjdjdtdtujdtyujGjdjdtdtujdtyuj
Gjdjdtdtujdtyuj
Natti Pinheiro
 
Obras dos pintores artes
Obras dos pintores  artesObras dos pintores  artes
Obras dos pintores artes
Leide Centurion
 
José de guimarães inglês
José de guimarães inglêsJosé de guimarães inglês
José de guimarães inglês
amilcaralbuquerque
 
Pereira da silva, oscar
Pereira da silva, oscarPereira da silva, oscar
Pereira da silva, oscar
deniselugli2
 
Biografia de alfredo volpi todas as turmas
Biografia de alfredo volpi todas as turmasBiografia de alfredo volpi todas as turmas
Biografia de alfredo volpi todas as turmas
ESCOLAIRMAEDITH
 
Semana de 22
Semana de 22Semana de 22
Semana de 22
Carlos Elson Cunha
 
Modernismo brasileiro2
Modernismo brasileiro2Modernismo brasileiro2
Modernismo brasileiro2
CEF16
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Alfredo Volpi E Sua Vida
Alfredo Volpi E Sua VidaAlfredo Volpi E Sua Vida
Alfredo Volpi E Sua Vida
guest39ef5c0
 
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
CLEBER LUIS DAMACENO
 

Mais procurados (20)

Arquitetura moderna e grupo santa helena
Arquitetura moderna e grupo santa helenaArquitetura moderna e grupo santa helena
Arquitetura moderna e grupo santa helena
 
Século XIX no brasil (II)
Século XIX no brasil (II)Século XIX no brasil (II)
Século XIX no brasil (II)
 
Centro de ensino edison lobão1
Centro de ensino edison lobão1Centro de ensino edison lobão1
Centro de ensino edison lobão1
 
Artes (6)
Artes (6)Artes (6)
Artes (6)
 
Visconti, eliseu d'angelo
Visconti, eliseu d'angeloVisconti, eliseu d'angelo
Visconti, eliseu d'angelo
 
Centro de ensino sâmela
Centro de ensino   sâmelaCentro de ensino   sâmela
Centro de ensino sâmela
 
Artistas plásticos brasileiros
Artistas plásticos brasileirosArtistas plásticos brasileiros
Artistas plásticos brasileiros
 
Artes (2) weverton
Artes (2) wevertonArtes (2) weverton
Artes (2) weverton
 
Bruno Giorgi - Artes
Bruno Giorgi - Artes Bruno Giorgi - Artes
Bruno Giorgi - Artes
 
Centro de ensino edison lobão bruno
Centro de ensino edison lobão brunoCentro de ensino edison lobão bruno
Centro de ensino edison lobão bruno
 
Gjdjdtdtujdtyuj
GjdjdtdtujdtyujGjdjdtdtujdtyuj
Gjdjdtdtujdtyuj
 
Obras dos pintores artes
Obras dos pintores  artesObras dos pintores  artes
Obras dos pintores artes
 
José de guimarães inglês
José de guimarães inglêsJosé de guimarães inglês
José de guimarães inglês
 
Pereira da silva, oscar
Pereira da silva, oscarPereira da silva, oscar
Pereira da silva, oscar
 
Biografia de alfredo volpi todas as turmas
Biografia de alfredo volpi todas as turmasBiografia de alfredo volpi todas as turmas
Biografia de alfredo volpi todas as turmas
 
Semana de 22
Semana de 22Semana de 22
Semana de 22
 
Modernismo brasileiro2
Modernismo brasileiro2Modernismo brasileiro2
Modernismo brasileiro2
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
 
Alfredo Volpi E Sua Vida
Alfredo Volpi E Sua VidaAlfredo Volpi E Sua Vida
Alfredo Volpi E Sua Vida
 
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 

Semelhante a Artistas e Músicos República 8ºC

ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJAARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
DafianaCarlos
 
Vicente do rego monteiro
Vicente do rego monteiroVicente do rego monteiro
Vicente do rego monteiro
deniselugli2
 
Modernismo Modernismo
Modernismo   ModernismoModernismo   Modernismo
Modernismo Modernismo
Caroline Canales
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
infoeducp2
 
Século xix no brasil a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arteSéculo xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil a modernização da arte
ArtesElisa
 
HCA grupo D
HCA   grupo DHCA   grupo D
HCA grupo D
becresforte
 
Costa, waldemar da
Costa, waldemar daCosta, waldemar da
Costa, waldemar da
deniselugli2
 
Silêncios
SilênciosSilêncios
Silêncios
Daniel Roque
 
13,14,15,16 art noveau,simb,nabis,fauves 2020
13,14,15,16 art noveau,simb,nabis,fauves 202013,14,15,16 art noveau,simb,nabis,fauves 2020
13,14,15,16 art noveau,simb,nabis,fauves 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Apresentação Silêncios
Apresentação SilênciosApresentação Silêncios
Apresentação Silêncios
resespress
 
Aula 3 ef - artes
Aula 3   ef - artesAula 3   ef - artes
Aula 3 ef - artes
Walney M.F
 
Albuquerque, lucilio de
Albuquerque, lucilio deAlbuquerque, lucilio de
Albuquerque, lucilio de
deniselugli2
 
História da Arte: O ambiente modernista
História da Arte: O ambiente modernistaHistória da Arte: O ambiente modernista
História da Arte: O ambiente modernista
Raphael Lanzillotte
 
Seelinger, helios aristides
Seelinger, helios aristidesSeelinger, helios aristides
Seelinger, helios aristides
deniselugli2
 
Modernismo 8ºano
Modernismo 8ºanoModernismo 8ºano
Modernismo 8ºano
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
Cristiane Seibt
 
Representação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticasRepresentação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticas
CEF16
 
Modernismo2019
Modernismo2019Modernismo2019
Modernismo2019
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arte moderna principais artistas
Arte moderna   principais artistasArte moderna   principais artistas
Arte moderna principais artistas
Fátima Soares
 
Aula 2
Aula 2 Aula 2

Semelhante a Artistas e Músicos República 8ºC (20)

ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJAARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
 
Vicente do rego monteiro
Vicente do rego monteiroVicente do rego monteiro
Vicente do rego monteiro
 
Modernismo Modernismo
Modernismo   ModernismoModernismo   Modernismo
Modernismo Modernismo
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Século xix no brasil a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arteSéculo xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil a modernização da arte
 
HCA grupo D
HCA   grupo DHCA   grupo D
HCA grupo D
 
Costa, waldemar da
Costa, waldemar daCosta, waldemar da
Costa, waldemar da
 
Silêncios
SilênciosSilêncios
Silêncios
 
13,14,15,16 art noveau,simb,nabis,fauves 2020
13,14,15,16 art noveau,simb,nabis,fauves 202013,14,15,16 art noveau,simb,nabis,fauves 2020
13,14,15,16 art noveau,simb,nabis,fauves 2020
 
Apresentação Silêncios
Apresentação SilênciosApresentação Silêncios
Apresentação Silêncios
 
Aula 3 ef - artes
Aula 3   ef - artesAula 3   ef - artes
Aula 3 ef - artes
 
Albuquerque, lucilio de
Albuquerque, lucilio deAlbuquerque, lucilio de
Albuquerque, lucilio de
 
História da Arte: O ambiente modernista
História da Arte: O ambiente modernistaHistória da Arte: O ambiente modernista
História da Arte: O ambiente modernista
 
Seelinger, helios aristides
Seelinger, helios aristidesSeelinger, helios aristides
Seelinger, helios aristides
 
Modernismo 8ºano
Modernismo 8ºanoModernismo 8ºano
Modernismo 8ºano
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
 
Representação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticasRepresentação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticas
 
Modernismo2019
Modernismo2019Modernismo2019
Modernismo2019
 
Arte moderna principais artistas
Arte moderna   principais artistasArte moderna   principais artistas
Arte moderna principais artistas
 
Aula 2
Aula 2 Aula 2
Aula 2
 

Mais de Michele Pó

Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica SilvestreSapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Michele Pó
 
Kaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia PiresKaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia Pires
Michele Pó
 
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro SequeiraVaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Michele Pó
 
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do RioSaúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
Michele Pó
 
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria AfonsoOs gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Michele Pó
 
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena CaeiroNadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Michele Pó
 
Salakya Tantra por Joana Nascimento
Salakya Tantra por   Joana NascimentoSalakya Tantra por   Joana Nascimento
Salakya Tantra por Joana Nascimento
Michele Pó
 
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca RebelaBhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Michele Pó
 
Medicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa FalcãoMedicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa Falcão
Michele Pó
 
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela MassochinRasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Michele Pó
 
Toxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio LampreiaToxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Michele Pó
 
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana CarvalhoOléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Michele Pó
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta LongaPrincípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Michele Pó
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Michele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum lPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Michele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Michele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos CominhosPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Michele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do CardamomoPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Michele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Michele Pó
 
Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptistaKayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
Michele Pó
 

Mais de Michele Pó (20)

Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica SilvestreSapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
 
Kaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia PiresKaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia Pires
 
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro SequeiraVaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
 
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do RioSaúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
 
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria AfonsoOs gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
 
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena CaeiroNadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
 
Salakya Tantra por Joana Nascimento
Salakya Tantra por   Joana NascimentoSalakya Tantra por   Joana Nascimento
Salakya Tantra por Joana Nascimento
 
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca RebelaBhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
 
Medicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa FalcãoMedicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa Falcão
 
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela MassochinRasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
 
Toxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio LampreiaToxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
 
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana CarvalhoOléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta LongaPrincípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum lPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos CominhosPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do CardamomoPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
 
Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptistaKayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
 

Último

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 

Artistas e Músicos República 8ºC

  • 1. Artistas Plásticos e Músicos da RepúblicaTrabalho realizado por : -Afonso Ângelo , nº1 8ºC -Joana Mateus , nº12 8ºC -João Martins , nº 14 8ºC -Mariana Silva , nº 18 8ºCProfessora/Disciplina : - MichelePó /T.I.C.
  • 2. Introdução Todo o tipo de artistas (sejam músicos, pintores, etc.) marcaram a nossa história, influenciaram o nosso dia-a-dia e fizeram com que quiséssemos saber mais sobre alguns deles de alguma maneira. Ouvimos falar em artistas estrangeiros, mundialmente conhecidos, e sempre soubemos mais sobre eles do que sobre os artistas portugueses. Nós quisemos alargar os nossos conhecimentos e pesquisar sobre alguns artista que marcaram a história de Portugal.
  • 3. Introdução Escolhemos este tema sobre os artistas plásticos e os músicos na república pois achámos interessante saber mais coisas acerca dos artistas e músicos portugueses, nomeadamente : onde estudaram? Que viagens profissionais fizeram? Com quem se formaram? Quando, onde e que temas tiveram as suas exposições? Quem lhes deu apoio e financiou os estudos?, etc.
  • 4. EDUARDO VIANANasceu em Lisboa em 1881. Frequentou a Escola de Belas-Artes entre 1896 e 1905, e insatisfeito com o ensino académico português, partiu para Paris, onde residiu entre 1905 e 1915. Em Paris frequentou as academias Studio e Julien e foi discípulo de J.P. Laurens. O seu regresso a Portugal, em plena guerra, coincidiu com a estadia de Amadeo de Souza Cardosoe do casal Delaunay. Esta proximidade foi fundamental para alimentar o convívio com pessoas com experiências cubistas e simultaníssimas. casal Delaunay
  • 5. Realizou a sua 1ª exposição individual no Porto em 1920Entre 1930 e 1940 viveu em Bruxelas. A partir de 1935 esteve presente nos salões de Arte Moderna do SNI ( Secretariado Nacional de Informação). Perfeccionista, corrigia e repintava vezes sem conta um mesmo quadro, pelo que quando morreu deixou obras inacabadas.
  • 6. Participou na 1ª Exposição Livre em 1911 no salão Bobore, naquela que foi considerada a primeira grande exposição anti-académica em PortugalOBRAS: Eduardo Viana realiza, em 1916, a pintura K4 Quadrado Azul. Neste trabalho surge evidentemente o compromisso com as linguagens de vanguarda, utilizadas em situação de um códigoformal (que não o seu). Em trabalhos como A Revolta das Bonecas (1916), há uma Influencia existente do casal Delaunay. Pinturas como O Homem das Louças (1919), inscrevem os círculos e a geometrização do vestuário e do espaço envolvente proprio do 1º Cubismo, num conjunto de concessões à representação, principalmente o rosto.
  • 7. JOÃO CUTILEIRO João Pires Cutileiro é um escultor português, nascido em Lisboa em 1937. Ao começar a utilizar máquinas eléctricas para executar o trabalho, dedica-se ao mármore e surgem as figuras, as paisagens, as caixas e as árvores. Em 1961 faz cinco exposições em Lisboa e uma no Porto. Em 1970 instala-se em Lagos e é lá que executa a sua obra mais polémica, D. Sebastião , erigida nessa mesma cidade.
  • 8. Conquistou uma menção honrosa no Prémio Soquil no ano de 1971, e cinco anos mais tarde as suas esculturas e mosaicos foram expostos em Wuppertal na Alemanha, seguindo-se exposições em Évora (em 1979, 80 e 81) e, em 1980 a sua obra volta à Alemanha, mas a Dortmund. Nesse mesmo ano expos em Washington D.C. e na sociedade Nacional de Belas Artes.No ano seguinte participou no Simpósio na Escultura em Pedra, na cidade de Évora e numa exposição na Jones Gallery em New York.
  • 9. João Cutileiro muda-se para Évora em 1985, onde está exposta, na sua casa, uma grande parte do seu leque de obras. As Meninas de Cutileiro são, provavelmente, o tema mais famoso de Cutileiro e valeram-lhe (e valem) a mais distinta glória e dinheiro, mas também desprezo da parte de alguns.
  • 10. MAS O QUE SÃO AFINAL AS MENINAS DE CUTILEIRO? E PORQUE É QUE SÃO TÃO APRECIADAS E AO MESMO TEMPO CRITICADAS?? As Meninas De Cutileiro é o nome que dão às esculturas que João Pires Cutileiro faz de mulheres nuas, em várias posições sexuais e a realçar os pelos púbicos. São tão faladas assim pois há quem aprecie este tipo de esculturas e outros que apenas se ofendem com elas.
  • 11. Em 1988, Cutileiro realiza exposições em Almansil, Macau e Lisboa. No ano seguinte faz novas exposições novamente em Almansil e Lisboa. Em 1990 elaborou uma exposição que se apresenta como a retrospectiva da sua arte em Lisboa, na Fundação Calouste Gulbenkian.
  • 12. Nos anos de 1992 e 1993, realiza mais exposições em Bruxelas, Luxemburgo, Évora, Guimarães, Lagos, Almansil e Lisboa. Embora de grande prestígio e muito cobiçadas, poucas foram as suas peças edificadas publicamente após o D. Sebastião.
  • 13. MARIA KEIL Maria Pires Keil é uma pintora portuguesa . Nasceu em Silves no ano de 1914. Formada em Pintura pela Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, foi aluna de Samora Barros e de Veloso Salgado. Maria Keil executa: Pintura, Desenho, Ilustração, Decoração de interiores, Design gráfico e de mobiliário, Cerâmica, Cenografia e figurino. Autora também de cartões para tapeçaria. Fundamentalmente sobressai com as composições em azulejo.
  • 14. Maria Keil presenciou a montagem e decoração da Exposição Internacional de Paris em 1937. Esta experiência orientou-a no percurso modernista e optou por experimentar então a publicidade, trabalhando para o Estúdio Técnico de Publicidade (em 1936). Desenhou para os anúncios da “ A Pompador” nos anos 40. Em 1940 participou na Exposição do Mundo Português com uma pintura mural, tendo ganho em 1941 o Prémio Revelação Amadeo de Souza Cardoso pelo quadro “Auto-retrato”.
  • 15. Elaborou desenhos para colectâneas integrados na colecção: “As mais belas poesias da língua portuguesa”. Multifacetada Maria Keil escreveu e ilustrou livros para crianças e adultos. Ilustrou variadas revistas, nomeadamente a Panorama, SearaNova, Eva, Vértice e Ver e Crer. Nas décadas de 50 e 60 do séc. XX, o Metropolitano de Lisboa em construção, convida a artista a desenvolver um intenso e árduo trabalho como criadora de painéis de azulejos para a decoração das 19 estações.
  • 16. Elaborou desenhos para colectâneas integrados na colecção: “As mais belas poesias da língua portuguesa”. Multifacetada Maria Keil escreveu e ilustrou livros para crianças e adultos. Ilustrou variadas revistas, nomeadamente a Panorama, SearaNova, Eva, Vértice e Ver e Crer. Nas décadas de 50 e 60 do séc. XX, o Metropolitano de Lisboa em construção, convida a artista a desenvolver um intenso e árduo trabalho como criadora de painéis de azulejos para a decoração das 19 estações.
  • 17. José Viana da Mota  José Viana da Mota nasceu em S. Tomé, em 1868 Foi a personalidade mais multifacetada da vida artística portuguesa nos primeiros 50 anos deste século. Virtuoso, pedagogo, compositor, ensaísta e filósofo - foi exemplo a seguir como modelo de trabalho e tenacidade. Serviu-se da sua extraordinária vocação para encontrar, através do domínio absoluto no piano, o equilíbrio da forma e do conteúdo num padrão de superioridade mental e de dignidade artística e intelectual.  Dotado para a música ( particularmente para o piano), cedo suscita aplausos e admiração. D. Fernando e a sua esposa ao ouvirem o compositor tocar decidem patrocinar os seus estudos. Terminado o curso do Conservatório de Lisboa parte para Berlim (1882) onde, custeado pelos reis mecenas, continua durante três anos os estudos de piano e composição.
  • 18. Franz Liszt Em 1885 o seu desejo de trabalhar com o maior mestre do piano leva-o a Weimar onde é acolhido com agrado por Liszt. As lições são interrompidas no ano seguinte devido à morte inesperada do pianista e compositor. Regressa a Berlim fixa-se em Frankfurt, onde procura aprofundar a sua formação com Hans Von Bulow, que o considera um dos mais brilhantes discípulos de Franz Liszt. 1917 é o ano do seu regresso definitivo a Portugal, onde inicia uma nova e não menos profícua fase da sua actividade artística.Hans Von Bulow
  • 19. Director do Conservatório Nacional de Lisboa, de 1918 a 1938, o prestígio do seu nome, a profundidade da sua cultura e o brilhantismo da sua inteligência deram àquela instituição uma fecunda vitalidade.Devemos ainda a Viana da Mota a primeira apresentação, entre nós, da audição integral das trinta e duas Sonatas para piano e dos trios com violino e violoncelo de Beethoven, quando, em 1927, se comemorou o primeiro Centenário da morte do grande compositor.
  • 20. A vida de Mestre Viana da Mota, foi uma ascensão permanente para a glória e para a beleza, sendo ele um exemplo de comportamento intelectual e artístico. Intérprete inexcedível de Bach, Beethoven e Liszt deixou à posterioridade um nome glorioso que deverá ter sido como lição a todos quantos servem a causa da Arte e, particularmente, a da Música que ele tanto amou . de completar os 80 anos.José Viana da Mota faleceu em 1948 , pouco depois de completar os 80 anos.
  • 21. ConclusãoApós este trabalho ficámos a saber que:-Eduardo Viana, nascido em 1881, frequentou a Escola de Belas Artes e entre 1905 e 1915 residiu em Paris. Três das obras mais conhecidas do célebre pintor são : K4 Quadrado Azul (1916); A Revolta das Bonecas (1916) ; O Homem das Louças (1919).-João Cutileiro é um famoso escultor português. Nasceu em 1937. Provavelmente, a sua obra mais conhecida é D.Sebastião, exposta aos olhos de todos em Lagos. -Maria Keil é uma pintora portuguesa, nascida em 1914. Executa: Pintura, Desenho, Ilustração, Decoração de interiores, Design gráfico e de mobiliário, Cerâmica, Cenografia e figurino. O seu quadro mais conhecido é provavelmente “Auto Retrato” .-José Viana da Mota nasceu em 1868. D. Fernando patrocinou os seus estudos. José Viana da Mota formou-se primeiro com Franz Liszt e depois com Hans Von Bulow.