SlideShare uma empresa Scribd logo
MATEMÁTICA
ba
 
Definição
É toda sentença aberta, redutível e equivalente a ax + b = 0, com a  R* e b  R.
Discussão
Analisando a equação ax + b = 0, com a, b R, temos as seguintes hipóteses.
Ensino Médio 2019 1
Observação:
Sentenças abertas redutíveis ao tipo 0x = 0 são chamadas Identidades. (x + 1)² = x² + 2x + 1 é um exemplo de
identidade em R.
Equação do
1°grau
pode ser
comparada
com a balança
em equilibrio.
Introdução
Analisando as sentenças
(I) 2 . 6 - 1 = 13
(II) 2 . 7 – 1 = 13
(III) 2x – 1 = 13
podemos fazer as seguintes considerações:
a) A sentença (I) é falsa, pois
2 . 6 – 1 = 12 – 1 = 11  13
b) A sentença (II) é verdadeira, pois
2 . 7 – 1 = 14 – 1 = 13
tipo de sentença é um exemplo de sentença aberta.
c) A sentença 2x – 1 = 13 náo é verdadeira nemfalsa,
pois x, chamadovariável, pode assumir qualquer valor.Este
Toda sentença aberta na forma de igualdade é chamada equação.
d) Substituindo x por 7, a sentença aberta 2x – 1 = 13 transforma-se em 2 . 7 – 1 = 13, que é uma sentença
verdadeira. Dizemos, então, que 7 é uma raiz (ou uma solução) da equação 2x – 1 = 13.
RAIZ, CONJUNTO-VERDADE, RESOLUÇÃO
Raiz (ou solução) de uma equação é um número que transforma a sentença aberta em sentença verdadeira.
Conjunto-verdade (ou conjunto-solução) de uma equação é o conjunto de todas, e somente, as raízes.
•Resolver uma equação é determinar o seu conjunto-verdade.
•Existem processos gerais de resolução de alguns tipos de equações, particularmente as do 1º e do 2º grau, que,
a seguir, passamos a comentar.
EQUAÇÃO DO 1º GRA U
Exemplos:
São equações do 1º grau as sentenças abertas 5x – 3 = 12 e 3x

x  3
 1.
2 2
a) Para a  0, ax + b = 0  



 
(a equação admite uma única solução)
b) Para a = 0 e b  0, ax + b = 0 não tem solução, pois a sentença é sempre falsa. Neste caso, V = Ø.
c) Para a = 0 e b = 0, a equação ax + b = 0 admite todos os números reais como solução, pois a sentença
0x + 0 = 0 é sempre verdadeira. Neste caso, V = R.
Método de resolução da equação do 1° grau:
1. Eliminação das frações, se houver;
2. Eliminação dos parênteses, se houver;
3. Agrupamento dos termos semelhantes, se houver;
4. Redução dos termos semelhantes, se houver;
5. Isolamento da incógnita, em qualquer um dos membros
V
MATEMÁTICA
a 2
P 
c

 3
 
 
(produto das raízes da equação)
a

c
1 2P  x .x
a

b
(somadasraízes daequação)1 2S  x  x
1 2
Se   0 e {x ; x } é conjunto-verdade da equação ax² + bx + c = 0, com a  0 , então:
Propriedades
Equaç ão do 2° grau Definição
É toda sentença aberta, em x,
redutível e equivalente a
ax² + bx + c = 0, com a  R*, b  R e c
 R. onde:
a é o coeficiente do termo x
2
b é o coeficiente do termo x
c é chamado de termo independente
Portanto, sendo V o conjunto-verdade em R, conclui-se que:
 b b   
  0   ;
 2a

2a 
(duas raizes reais e diferentes)
 b

2a
 (raizes reais e iguais)
 
  0  V  o (a equação não tem solução em R)
Exercícios Resolvidos
2)Resolver,emRaequação
Resolução:
4x2
 12x  9  0 .
  (12)2
 4.4.9  144 144  0  x 
12  0

12

3
2.4 8 2
Logo, V 
3
2
 


SOMA E PRODUTO DAS RAÍZES DE UMA EQUAÇÃO DO 2° GRAU
1) Determinar a soma eo produto dasraízesda equação 2x2
– 7x – 30.
Resolução:
Lembrando que se
2x2
– 7x – 3  ax2
 bx  c, temos a = 2, b = –7 e c = –3. Asoma das raízes é
das raízes é
e o produto
Ensino Médio 2019
Fórmula deBhaskara
x 
 b  
, sendo   b
2
 4ac .
2a
2
2 2a
S 
 b

 (7)

7
MAIS HISTÓRIA DA
MATEMÁTICA
O hábito de dar nome de Bhaskara para a
fórmula de resolução da equação de 2º grau se
estabeleceu no Brasil por volta de 1960. Esse
costume, aparentemente só brasileiro (não se
encontra o nome de Bhaskara para essa fórmula
na literatura internacional).
UM POUCO DE HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
As equações do segundo grau são abordadas
na história da matemática desde a época dos
egípcios, babilônios, gregos, hindus e chineses.
Muitos estudiosos tentavam resolver tais equações,
e hoje sabemos que para resolvê-la fazemos o uso
da fórmula de Bhaskara. Mas não foi ele quem criou
tal fórmula. Se não foi Bhaskara quem criou a
fórmula de Bhaskara, quem foi e porque ela recebe
este nome?
  0 
MATEMÁTICA
a
" (...) e viu-a, do Ápice à Base (...)
Fezdasua,umavidaparalelaadela.
Atéque se encontraram noinfinito.
Quem és tu? - indagou ele, com ânsia radical.
Sou a raiz quadrada da soma dos quadrados dos catetos, mas pode me chamar de hipotenusa (...)"
Trechodo poemaPoesiaMatemática,de Millôr Fernandes.
AbC
ˆc (lado AB, oposto a C)
b (lado AC, oposto a Bˆ)
catetos 

ˆhipotenusa : a (lado BC,oposto ao ângulo reto A)




AB (medidac)


c

lados AC (medida b)
BC (medidaa)

C (agudo)
 ˆ





ˆângulos internos B(agudo)
BAˆ (reto ou 90º)


No triângulo retânguloABC, temos:
A trigonometria
no triângulo
Ret ângulo
A Trigonometria (trigono=triangular; metria=medida) teve origem no estudo das relações entre
as medidas dos lados e dos ângulos de um triângulo e, em particular, do triângulo retângulo
Elementos de um triângulo retângulo
Relações
ComoA+ B + C= 180º e  = 90º, temos:
B + C = 90º
Como o triângulo é retângulo, vale a relação de Pitágoras:
a2
= b2
+c2
Ensino Médio 2019 3
MATEMÁTICA
a
seno cosseno tangente
1 3 3
30º
2 2 3
45º
2 2
1
2 2
60º
3 1
3
2 2
a
sen C 
c
a
sen B 
b
a
cos C 
b
a
cos B 
c
Razões trigonométricas nos triãngulos retângulos
Dado o ABC, retângulo em Â, temos:
–Seno(sen)deumânguloéoquocienteentreocateto
oposto ao ângulo e a hipotenusa.
Assim:
–Cosseno(cos)deumânguloéoquocienteentreocateto
adjacente ao ângulo e a hipotenusa.
Assim:
–Tangente(tg)deumânguloéoquocienteentreoscatetos
oposto e adjacente aoângulo:
Assim:
Comparando as relações trigonométricas entre os
ângulos Bˆ e Cˆ , temos:
sen C = cos B
cos C = sen B
Tabela dos ângulos notáveis
tg C
1
tg B
Ensino Médio 2019
b
tg C 
c
c
tg B 
b
4
15 3 15
cos  
x

2

x
 x  10
15
Resolução:
Dados: 15 (hipotenusa) e x (cateto adjacente ao ângulo a) temos:

3
x
2
02. Calcular ovalordexnafigura, sabendoqueoco-senodoânguloaé .
30º
10 2 10
sen30 
x

1

x
 x  5
x
01. No triângulo retângulo da figura, calcular a medida x.
Resolução:
Dados: 10 (hipotenusa) e x (cateto oposto ao ângulo de 30º), temos:
10
Exercícios Resolvidos
AbC
c
B
MATEMÁTICA
Progressão
Arit m ét ic a
O lançamento de moedas pode gerar uma
sequência aritmética.
Brasil x Japão, 22/5/2005
INTRODUÇÃO
Para entendermos
esta matéria, vamos dar
uma olhada no sentido
do nome“Progressões
Aritméticas”.
”Progressão” é tudo
aquilo que progride, que
vai para frente, que
muda. Como estamos
falando de matemática,
certamente será com
números. Uma PRO-
GRESSÃO é uma su-
cessão de números um após o outro (Ex. 1, 2, 3, 5, 8, 13... - ou também, 1, 5, 23, -25, 20, 7,...). Ou seja, quando falamos
simplesmente PROGRESSÃO, estamos nos referindo a alguns números colocados um após o outro sem, necessariamente,
possuir uma lógica em suadistribuição.
E para ser uma PROGRESSÃO ARITMÉTICA (PA), o que deve acontecer?
Uma progressão aritmética é uma sucessão de números, um após o outro, que seguem um “ritmo definido”.
Veja a progressão abaixo:
(1, 3, 5, 7, 9, 11, 13, 15, 17...)
Esta progressão segue um ritmo definido, mostrado na figura abaixo:
(1, 3, 5, 7, 9, ...)
+2 +2 +2 +2
Ouseja,temosumritmoqueéodeSOMARDUASUNIDADESacadaelementoqueacrescentamos.Esteéoritmoque
estamos falando, somar sempre o mesmo número a cada elemento acrescentado.
Comoelaéumaprogressãonuméricaquesegueum“ritmodefinido”deacréscimoemrelaçãoaonúmeroanterior,elapode
ser classificadacomo umaPROGRESSÃOARITMÉTICACRESCENTE, poisnotequesempreirácrescer.
Veja outro exemplo:
(16, 13, 10, 7, 4, 1, -2, -5...)
Esta também pode ser classificada como uma PA, pois segue um ritmo definido. O qual, diferente da anterior, é de decrés-
cimo. Por ser assim, ela é chamada de PROGRESSÃO ARITMÉTICADECRESCENTE.
Obs.: Só podemos chamar de P.A. se o ritmo que a seqüência seguir for de acréscimo ou de decréscimo. Se tiver um ritmo
diferente não será uma PA.Por exemplo, a seqüência (1, 2, 4, 8, 16, ...) tem um ritmo, sempre dobrar o próximo elemento, mas
não é uma PA.:)
Vamos fazer um pequeno exercício agora:
Vamos verificar se as progressões abaixo são P.A., quando for diga se é crescente ou decrescente:
(a)(100, 101, 109, 110,119,120...) (b) (10, 20, 30, 40, 50, 60...) (c) (-15, -10, -5, 0, 5, 10...)
(d) (1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10...) (e) (10, 6, 2, -2, -6...) (f) (16, 25, 36, 43, 52, 61...)
RESPOSTAS:
(a) Não é uma PA, pois do primeiro para o segundo termo houve um acréscimo de 1 unidade, e do segundo para o terceiro
houve um acréscimo de 8 unidades. Para ser PAdevemos ter o acréscimo sempre constante.
(b) É uma PA, pois o ritmo se manteve constante do início ao fim. Sempre somando 10, ou seja, CRESCENTE.
(c) É uma PA, pois o ritmo de somar 5 manteve-se constante, ou seja, é uma PACRESCENTE.
(d) PA CRESCENTE
(e) PA DECRESCENTE
(f) NÃO É PA.
Ensino Médio 2019 5
MATEMÁTICA
an  a1  (n  1).r
01. Determinar o primeiro termo de uma progressão aritmética de razão -5 e décimo termo igual a 12.
Resolução
Utilizando a fórmula do termo geral, an  a1  (n  1).r , temos:
Resposta: a1
= 57
TERMO GERAL
P
Voltando ao exemplo.
(1, 3, 5, 7, 9, 11, 13, 15, 17...)
ComoéumaPA,segueum“ritmodefinido”(ritmoestequeéasomade2unidadesacadaelementoqueacrescenta-
mos). Este ritmo também tem um nome: se chama “RAZÃO” e é representada por “r” minúsculo. Portanto, o segundo termo
será a soma do primeiro mais a razão; o terceiro será a soma do segundo mais a razão...
Vemos no nosso exemplo que cada próximo termo da progressão é acrescido de 2 unidades, portanto r = 2.
Portanto,sequisermosacharotermodeordem“n”(termogenérico),iremossomaroa1
com(n-1)vezesarazão.Pode-
mos mostrar uma “fórmula” para calcular qualquer termo de uma P.A.:
r = -5
a10
= 12  12 = a1
+ 9 . (-5)  12 + 45 = a1  a1
= 57
a10
= a1
+ 9r
02. Calcular o vigésimo termo da progressão aritmética (5; 9; 13;...)
Resolução
Utilizando a fórmula do termo geral,
a1
= -5
r = 4
a20
= a1
+ 19 . r
an  a1  (n  1).r , temos:
03. Em uma progressão aritmética sabe-se que a4
= 12 e a9
= 27. Calcular a5
.
Resolução
Utilizando a fórmula an
= am
+ (n – m) . r, que relaciona dois termos quaisquer de uma P.A., temos:
a4
= 12
a9
= 27
a9
= a4
+ (9 - 4) . r
Ensino Médio 2019
6
O número que aparece no nome do elemento é a “ordem” dele. Ou seja, a1
é o primeiro, a2
é o segundo, etc.
Quandotemosumtermoquenãosabemossuaposição,chamamosdean,onde“n”éaposiçãoocupadapelotermoem
questão. Este é o termo geral, pois pode ser qualquer um.
...a4
= 7a1
= 1 a2
= 3 a3
= 5
Para um melhor estudo de PA’s, vamos usar a seguinte progressão:
(1, 3, 5, 7, 9, 11, 13, 15, 17...)
OprimeirotermodestaPAé1,osegundoé3,eassimpordiante.Paranãodesperdiçarlápisepapel,cadatermodeuma
A t e m s e u n o m e : o p r i m e i r o é c h a m a d o , n o r m a l m e n t e , d e a
1
, o segundo de a2
, o terceiro de a3
e assim sucessivamente.
Então, nesta PA:
Exercícios Resolvidos
 27 = 12 + 5 . r  5r = 15  r = 3
Assim sendo, jáque a5
= a4
+ r, temos a5
= 12 + 3 = 15
Resposta: a5 = 15
 a20
= 5 + 19 . 4)  a20
= 5 + 76  a20
= 81
MATEMÁTICA
(1, 3, 5, 7, 9, 11, 13, 15, 17, 19)
(1, 3, 5, 7, 9, 11, 13, 15, 17, 19)
soma=20
(1, 3, 5, 7, 9, 11, 13, 15, 17, 19)
(1, 3, 5, 7, 9, 11, 13, 15, 17, 19)
soma=20
soma=20
soma=20
soma=20
soma=20
Note,queasoma20apareceuexatamente5vezes.Aoinvésdesomartermoatermo,poderíamossomar5vezeso20,
ou seja, 5x20=100 (mesmoresultado).
Agora, pense!!! Por que que apareceu cinco vezes a soma = 20?????
Istomesmo,poistínhamos10termos,ecomopegamoselesde2em2,éóbvioqueasomairiaaparecerumnúmerode
vezes igual a metade do número de termos!
E agora, se fosse uma progressão com 100 elementos? Deveríamos proceder da mesma maneira!
Asomadoprimeirocomoúltimoiriaserepetirpor50vezes(metadede100),portanto,matematicamentefalandoteríamos:
S100
=(a1
+a100
).50
Paraconcluir.SetivéssemosquecalcularasomadoselementosdeumaPAcom“n”termos?Asomadoprimeirocomo
último iria se repetir por n/2 vezes. Ou seja, podemos escrever:
2

(a1  an ).n
nS
SOMA DOS “n” PRIMEIROS TERMOS
Emumaprova podetambémserpedidoquevocêcalculeasomadostermosdeumaPA.Podeserpedidoasomados25
primeiros termos, ou dos 200 primeiros termos.
Estas somas são simbolizadas por S25
(soma dos 25 primeiros termos), por S200
(soma dos 200 primeiros termos) ou por
Sn
(soma dos “n” primeiros termos). Vamos ver umexemplo:
Estaprogressãopossui10termos ea1
=1, a10
=19 e r=2. Sequiséssemos saber asomados 10primeiros termos desta
PA, poderíamos calcular manualmente, ou seja, 1+3+5+7+9+11+13+15+17+19=100. Mas, se fosse pedido a soma dos 145
primeiros termos?? Manualmente iria demorar muito.
Vamos ver se existe uma maneira mais prática.
Observe quanto vale a soma do primeiro com o último termo desta PA:
Agora, veja a soma do segundo com o penúltimo:
E a soma do terceiro com o antepenúltimo, do quarto com o antes do antepenúltimo ...
Ensino Médio 2019
soma=20
soma=20
7
MATEMÁTICA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Equações do 2º grau
Equações do 2º grauEquações do 2º grau
Equações do 2º grau
jhones84
 
Exercicios Resolvidos Equacao 2 Grau 0
Exercicios Resolvidos Equacao 2 Grau 0Exercicios Resolvidos Equacao 2 Grau 0
Exercicios Resolvidos Equacao 2 Grau 0
Adriana Bonato
 
2317 equacao-do-2c2ba-grau-8c2aa-ef
2317 equacao-do-2c2ba-grau-8c2aa-ef2317 equacao-do-2c2ba-grau-8c2aa-ef
2317 equacao-do-2c2ba-grau-8c2aa-ef
elainepalasio
 
Equação 2°grau
Equação 2°grauEquação 2°grau
Equação 2°grau
charleslucas
 
Equação do 2º grau
Equação do 2º grauEquação do 2º grau
Equação do 2º grau
demervalm
 
Equações do 2.º grau
Equações do 2.º grauEquações do 2.º grau
Equações do 2.º graualdaalves
 
Equação do 2º grau
Equação do 2º grauEquação do 2º grau
Equação do 2º grau
João Paulo Luna
 
Sequencias e mf 2016
Sequencias e mf 2016Sequencias e mf 2016
Sequencias e mf 2016
ProfessoraIve
 
Equação do 1º e 2º grau
Equação do 1º e 2º grauEquação do 1º e 2º grau
Equação do 1º e 2º grau
Zaqueu Oliveira
 
Resumo do 7º e 8º ano
Resumo do 7º e 8º anoResumo do 7º e 8º ano
Resumo do 7º e 8º ano
Tiiagu
 
Conjuntos numéricos
Conjuntos numéricosConjuntos numéricos
Conjuntos numéricos
Robson Nascimento
 
Equacoes do 2-_grau
Equacoes do 2-_grauEquacoes do 2-_grau
Equacoes do 2-_grau
Newton Sérgio Lima
 
Equação do primeiro e segundo grau1
Equação do primeiro e segundo grau1Equação do primeiro e segundo grau1
Equação do primeiro e segundo grau1
Alexandre Bonifácio
 
Exercícios resolvidos de problemas de equações do 2º grau
Exercícios resolvidos de problemas de equações do 2º grauExercícios resolvidos de problemas de equações do 2º grau
Exercícios resolvidos de problemas de equações do 2º grau
André Luís Nogueira
 
EquaçõEs De 2º Grau,Sistema E Problema Autor Antonio Carlos
EquaçõEs De 2º Grau,Sistema E Problema Autor Antonio CarlosEquaçõEs De 2º Grau,Sistema E Problema Autor Antonio Carlos
EquaçõEs De 2º Grau,Sistema E Problema Autor Antonio Carlos
Antonio Carneiro
 
Mat 140 questoes resolvidas vol i
Mat 140 questoes resolvidas vol iMat 140 questoes resolvidas vol i
Mat 140 questoes resolvidas vol i
trigono_metrico
 
Equação do 2° grau ii
Equação do 2° grau iiEquação do 2° grau ii
Equação do 2° grau ii
Derivaldo Oliveira
 
Equações do 2º grau completas
Equações do 2º grau completasEquações do 2º grau completas
Equações do 2º grau completas
Claudemir Favin
 
7ª SéRie MatemáTica 1º Semestre
7ª SéRie   MatemáTica   1º Semestre7ª SéRie   MatemáTica   1º Semestre
7ª SéRie MatemáTica 1º Semestre
PROFESSOR FABRÍCIO
 
EquaçãO Do 2º Grau Autor Antonio Carlos C Barroso
EquaçãO Do 2º Grau Autor Antonio Carlos C BarrosoEquaçãO Do 2º Grau Autor Antonio Carlos C Barroso
EquaçãO Do 2º Grau Autor Antonio Carlos C Barroso
Antonio Carneiro
 

Mais procurados (20)

Equações do 2º grau
Equações do 2º grauEquações do 2º grau
Equações do 2º grau
 
Exercicios Resolvidos Equacao 2 Grau 0
Exercicios Resolvidos Equacao 2 Grau 0Exercicios Resolvidos Equacao 2 Grau 0
Exercicios Resolvidos Equacao 2 Grau 0
 
2317 equacao-do-2c2ba-grau-8c2aa-ef
2317 equacao-do-2c2ba-grau-8c2aa-ef2317 equacao-do-2c2ba-grau-8c2aa-ef
2317 equacao-do-2c2ba-grau-8c2aa-ef
 
Equação 2°grau
Equação 2°grauEquação 2°grau
Equação 2°grau
 
Equação do 2º grau
Equação do 2º grauEquação do 2º grau
Equação do 2º grau
 
Equações do 2.º grau
Equações do 2.º grauEquações do 2.º grau
Equações do 2.º grau
 
Equação do 2º grau
Equação do 2º grauEquação do 2º grau
Equação do 2º grau
 
Sequencias e mf 2016
Sequencias e mf 2016Sequencias e mf 2016
Sequencias e mf 2016
 
Equação do 1º e 2º grau
Equação do 1º e 2º grauEquação do 1º e 2º grau
Equação do 1º e 2º grau
 
Resumo do 7º e 8º ano
Resumo do 7º e 8º anoResumo do 7º e 8º ano
Resumo do 7º e 8º ano
 
Conjuntos numéricos
Conjuntos numéricosConjuntos numéricos
Conjuntos numéricos
 
Equacoes do 2-_grau
Equacoes do 2-_grauEquacoes do 2-_grau
Equacoes do 2-_grau
 
Equação do primeiro e segundo grau1
Equação do primeiro e segundo grau1Equação do primeiro e segundo grau1
Equação do primeiro e segundo grau1
 
Exercícios resolvidos de problemas de equações do 2º grau
Exercícios resolvidos de problemas de equações do 2º grauExercícios resolvidos de problemas de equações do 2º grau
Exercícios resolvidos de problemas de equações do 2º grau
 
EquaçõEs De 2º Grau,Sistema E Problema Autor Antonio Carlos
EquaçõEs De 2º Grau,Sistema E Problema Autor Antonio CarlosEquaçõEs De 2º Grau,Sistema E Problema Autor Antonio Carlos
EquaçõEs De 2º Grau,Sistema E Problema Autor Antonio Carlos
 
Mat 140 questoes resolvidas vol i
Mat 140 questoes resolvidas vol iMat 140 questoes resolvidas vol i
Mat 140 questoes resolvidas vol i
 
Equação do 2° grau ii
Equação do 2° grau iiEquação do 2° grau ii
Equação do 2° grau ii
 
Equações do 2º grau completas
Equações do 2º grau completasEquações do 2º grau completas
Equações do 2º grau completas
 
7ª SéRie MatemáTica 1º Semestre
7ª SéRie   MatemáTica   1º Semestre7ª SéRie   MatemáTica   1º Semestre
7ª SéRie MatemáTica 1º Semestre
 
EquaçãO Do 2º Grau Autor Antonio Carlos C Barroso
EquaçãO Do 2º Grau Autor Antonio Carlos C BarrosoEquaçãO Do 2º Grau Autor Antonio Carlos C Barroso
EquaçãO Do 2º Grau Autor Antonio Carlos C Barroso
 

Semelhante a Matematica suple

17052014
1705201417052014
Razão e proporção1
Razão e proporção1Razão e proporção1
Razão e proporção1
Luccy Crystal
 
Prova do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADA
Prova do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADAProva do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADA
Prova do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADA
thieresaulas
 
Sequencia logica
Sequencia logicaSequencia logica
Sequencia logica
diplomatffsa
 
Dp lista matematica 1º 2013
Dp lista matematica 1º 2013Dp lista matematica 1º 2013
Dp lista matematica 1º 2013
escolamelloayres
 
Dp lista matematica 1º 2013
Dp lista matematica 1º 2013Dp lista matematica 1º 2013
Dp lista matematica 1º 2013
melloayres
 
Matemática cn 2015 2016 resolução (1)
Matemática cn 2015 2016 resolução (1)Matemática cn 2015 2016 resolução (1)
Matemática cn 2015 2016 resolução (1)
João Barros
 
Ap matematica
Ap matematicaAp matematica
Ap matematica
marcioluiz2008
 
Complexos cap1
Complexos cap1Complexos cap1
Complexos cap1
Diogo Freire
 
Slides Aula - Equações.pdf
Slides Aula - Equações.pdfSlides Aula - Equações.pdf
Slides Aula - Equações.pdf
RodrigoPereira803314
 
Cesgranrio petrobras final
Cesgranrio   petrobras finalCesgranrio   petrobras final
Cesgranrio petrobras final
Arthur Lima
 
Apostila de geometria plana exercícios resolvidos - crbrasil
Apostila de geometria plana   exercícios resolvidos - crbrasilApostila de geometria plana   exercícios resolvidos - crbrasil
Apostila de geometria plana exercícios resolvidos - crbrasil
Celso do Rozário Brasil Gonçalves
 
Resolução prova matematica naval 2008 2009
Resolução prova matematica naval 2008   2009Resolução prova matematica naval 2008   2009
Resolução prova matematica naval 2008 2009
cavip
 
Mat em geometria sol vol3 cap1_4
Mat em geometria sol vol3 cap1_4Mat em geometria sol vol3 cap1_4
Mat em geometria sol vol3 cap1_4
trigono_metrico
 
Lista de exercícios 1 - Cálculo
Lista de exercícios 1 - CálculoLista de exercícios 1 - Cálculo
Lista de exercícios 1 - Cálculo
Carlos Campani
 
Matemática pga1
Matemática pga1Matemática pga1
Matemática pga1
takahico
 
Intro teoria dos numerros cap3
Intro teoria dos numerros cap3Intro teoria dos numerros cap3
Intro teoria dos numerros cap3
Paulo Martins
 
Intro teoria dos numerros cap6
Intro teoria dos numerros cap6Intro teoria dos numerros cap6
Intro teoria dos numerros cap6
Paulo Martins
 
Mat exercicios resolvidos 007
Mat exercicios resolvidos  007Mat exercicios resolvidos  007
Mat exercicios resolvidos 007
trigono_metrico
 
Mat sequencias e progressoes 005
Mat sequencias e progressoes  005Mat sequencias e progressoes  005
Mat sequencias e progressoes 005
trigono_metrico
 

Semelhante a Matematica suple (20)

17052014
1705201417052014
17052014
 
Razão e proporção1
Razão e proporção1Razão e proporção1
Razão e proporção1
 
Prova do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADA
Prova do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADAProva do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADA
Prova do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADA
 
Sequencia logica
Sequencia logicaSequencia logica
Sequencia logica
 
Dp lista matematica 1º 2013
Dp lista matematica 1º 2013Dp lista matematica 1º 2013
Dp lista matematica 1º 2013
 
Dp lista matematica 1º 2013
Dp lista matematica 1º 2013Dp lista matematica 1º 2013
Dp lista matematica 1º 2013
 
Matemática cn 2015 2016 resolução (1)
Matemática cn 2015 2016 resolução (1)Matemática cn 2015 2016 resolução (1)
Matemática cn 2015 2016 resolução (1)
 
Ap matematica
Ap matematicaAp matematica
Ap matematica
 
Complexos cap1
Complexos cap1Complexos cap1
Complexos cap1
 
Slides Aula - Equações.pdf
Slides Aula - Equações.pdfSlides Aula - Equações.pdf
Slides Aula - Equações.pdf
 
Cesgranrio petrobras final
Cesgranrio   petrobras finalCesgranrio   petrobras final
Cesgranrio petrobras final
 
Apostila de geometria plana exercícios resolvidos - crbrasil
Apostila de geometria plana   exercícios resolvidos - crbrasilApostila de geometria plana   exercícios resolvidos - crbrasil
Apostila de geometria plana exercícios resolvidos - crbrasil
 
Resolução prova matematica naval 2008 2009
Resolução prova matematica naval 2008   2009Resolução prova matematica naval 2008   2009
Resolução prova matematica naval 2008 2009
 
Mat em geometria sol vol3 cap1_4
Mat em geometria sol vol3 cap1_4Mat em geometria sol vol3 cap1_4
Mat em geometria sol vol3 cap1_4
 
Lista de exercícios 1 - Cálculo
Lista de exercícios 1 - CálculoLista de exercícios 1 - Cálculo
Lista de exercícios 1 - Cálculo
 
Matemática pga1
Matemática pga1Matemática pga1
Matemática pga1
 
Intro teoria dos numerros cap3
Intro teoria dos numerros cap3Intro teoria dos numerros cap3
Intro teoria dos numerros cap3
 
Intro teoria dos numerros cap6
Intro teoria dos numerros cap6Intro teoria dos numerros cap6
Intro teoria dos numerros cap6
 
Mat exercicios resolvidos 007
Mat exercicios resolvidos  007Mat exercicios resolvidos  007
Mat exercicios resolvidos 007
 
Mat sequencias e progressoes 005
Mat sequencias e progressoes  005Mat sequencias e progressoes  005
Mat sequencias e progressoes 005
 

Mais de Allan Almeida de Araújo

Instalações elétricas de baixa tensão
Instalações elétricas de baixa tensãoInstalações elétricas de baixa tensão
Instalações elétricas de baixa tensão
Allan Almeida de Araújo
 
NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE
NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADENR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE
NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE
Allan Almeida de Araújo
 
NOÇÕES DE ELETROSTÁTICA
NOÇÕES DE ELETROSTÁTICANOÇÕES DE ELETROSTÁTICA
NOÇÕES DE ELETROSTÁTICA
Allan Almeida de Araújo
 
Psicologia Criminal
Psicologia CriminalPsicologia Criminal
Psicologia Criminal
Allan Almeida de Araújo
 
Fundamentos da psicologia forense
Fundamentos da psicologia forenseFundamentos da psicologia forense
Fundamentos da psicologia forense
Allan Almeida de Araújo
 
Manual logística
Manual logísticaManual logística
Manual logística
Allan Almeida de Araújo
 
Fiscal de Loja
Fiscal de LojaFiscal de Loja
Fiscal de Loja
Allan Almeida de Araújo
 
Tecnico em manutencao de notebook
Tecnico em manutencao de notebookTecnico em manutencao de notebook
Tecnico em manutencao de notebook
Allan Almeida de Araújo
 
MULTÍMETRO DIGITAL
	MULTÍMETRO DIGITAL 	MULTÍMETRO DIGITAL
MULTÍMETRO DIGITAL
Allan Almeida de Araújo
 
SISTEMA MONOFÁFICO E TRIFÁSICO
SISTEMA MONOFÁFICO E TRIFÁSICOSISTEMA MONOFÁFICO E TRIFÁSICO
SISTEMA MONOFÁFICO E TRIFÁSICO
Allan Almeida de Araújo
 
CIRCUITO MAGNÉTICO
CIRCUITO MAGNÉTICOCIRCUITO MAGNÉTICO
CIRCUITO MAGNÉTICO
Allan Almeida de Araújo
 
Direitos Fundamentais na Prestação da Segurança Pública
Direitos Fundamentais na Prestação da Segurança PúblicaDireitos Fundamentais na Prestação da Segurança Pública
Direitos Fundamentais na Prestação da Segurança Pública
Allan Almeida de Araújo
 
MANUAL DE INSTALAÇÃO KIT SOLAR
MANUAL DE INSTALAÇÃO KIT SOLARMANUAL DE INSTALAÇÃO KIT SOLAR
MANUAL DE INSTALAÇÃO KIT SOLAR
Allan Almeida de Araújo
 
Guia para Instaladores de Colectores Solares
Guia para Instaladores de Colectores SolaresGuia para Instaladores de Colectores Solares
Guia para Instaladores de Colectores Solares
Allan Almeida de Araújo
 
Uso de paineis solares térmicos
Uso de paineis solares térmicos Uso de paineis solares térmicos
Uso de paineis solares térmicos
Allan Almeida de Araújo
 
PÓSITRON LANÇA RASTREADOR COM SEGURO
PÓSITRON LANÇA RASTREADOR COM SEGUROPÓSITRON LANÇA RASTREADOR COM SEGURO
PÓSITRON LANÇA RASTREADOR COM SEGURO
Allan Almeida de Araújo
 
Tecnologia em rastreamento
Tecnologia em rastreamentoTecnologia em rastreamento
Tecnologia em rastreamento
Allan Almeida de Araújo
 
Manual rastreador
Manual rastreadorManual rastreador
Manual rastreador
Allan Almeida de Araújo
 
Motivação Pessoal
Motivação PessoalMotivação Pessoal
Motivação Pessoal
Allan Almeida de Araújo
 
Relacionamento Interpessoal
Relacionamento InterpessoalRelacionamento Interpessoal
Relacionamento Interpessoal
Allan Almeida de Araújo
 

Mais de Allan Almeida de Araújo (20)

Instalações elétricas de baixa tensão
Instalações elétricas de baixa tensãoInstalações elétricas de baixa tensão
Instalações elétricas de baixa tensão
 
NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE
NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADENR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE
NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE
 
NOÇÕES DE ELETROSTÁTICA
NOÇÕES DE ELETROSTÁTICANOÇÕES DE ELETROSTÁTICA
NOÇÕES DE ELETROSTÁTICA
 
Psicologia Criminal
Psicologia CriminalPsicologia Criminal
Psicologia Criminal
 
Fundamentos da psicologia forense
Fundamentos da psicologia forenseFundamentos da psicologia forense
Fundamentos da psicologia forense
 
Manual logística
Manual logísticaManual logística
Manual logística
 
Fiscal de Loja
Fiscal de LojaFiscal de Loja
Fiscal de Loja
 
Tecnico em manutencao de notebook
Tecnico em manutencao de notebookTecnico em manutencao de notebook
Tecnico em manutencao de notebook
 
MULTÍMETRO DIGITAL
	MULTÍMETRO DIGITAL 	MULTÍMETRO DIGITAL
MULTÍMETRO DIGITAL
 
SISTEMA MONOFÁFICO E TRIFÁSICO
SISTEMA MONOFÁFICO E TRIFÁSICOSISTEMA MONOFÁFICO E TRIFÁSICO
SISTEMA MONOFÁFICO E TRIFÁSICO
 
CIRCUITO MAGNÉTICO
CIRCUITO MAGNÉTICOCIRCUITO MAGNÉTICO
CIRCUITO MAGNÉTICO
 
Direitos Fundamentais na Prestação da Segurança Pública
Direitos Fundamentais na Prestação da Segurança PúblicaDireitos Fundamentais na Prestação da Segurança Pública
Direitos Fundamentais na Prestação da Segurança Pública
 
MANUAL DE INSTALAÇÃO KIT SOLAR
MANUAL DE INSTALAÇÃO KIT SOLARMANUAL DE INSTALAÇÃO KIT SOLAR
MANUAL DE INSTALAÇÃO KIT SOLAR
 
Guia para Instaladores de Colectores Solares
Guia para Instaladores de Colectores SolaresGuia para Instaladores de Colectores Solares
Guia para Instaladores de Colectores Solares
 
Uso de paineis solares térmicos
Uso de paineis solares térmicos Uso de paineis solares térmicos
Uso de paineis solares térmicos
 
PÓSITRON LANÇA RASTREADOR COM SEGURO
PÓSITRON LANÇA RASTREADOR COM SEGUROPÓSITRON LANÇA RASTREADOR COM SEGURO
PÓSITRON LANÇA RASTREADOR COM SEGURO
 
Tecnologia em rastreamento
Tecnologia em rastreamentoTecnologia em rastreamento
Tecnologia em rastreamento
 
Manual rastreador
Manual rastreadorManual rastreador
Manual rastreador
 
Motivação Pessoal
Motivação PessoalMotivação Pessoal
Motivação Pessoal
 
Relacionamento Interpessoal
Relacionamento InterpessoalRelacionamento Interpessoal
Relacionamento Interpessoal
 

Último

O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
maria-oliveira
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 

Último (20)

O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 

Matematica suple

  • 1. MATEMÁTICA ba   Definição É toda sentença aberta, redutível e equivalente a ax + b = 0, com a  R* e b  R. Discussão Analisando a equação ax + b = 0, com a, b R, temos as seguintes hipóteses. Ensino Médio 2019 1 Observação: Sentenças abertas redutíveis ao tipo 0x = 0 são chamadas Identidades. (x + 1)² = x² + 2x + 1 é um exemplo de identidade em R. Equação do 1°grau pode ser comparada com a balança em equilibrio. Introdução Analisando as sentenças (I) 2 . 6 - 1 = 13 (II) 2 . 7 – 1 = 13 (III) 2x – 1 = 13 podemos fazer as seguintes considerações: a) A sentença (I) é falsa, pois 2 . 6 – 1 = 12 – 1 = 11  13 b) A sentença (II) é verdadeira, pois 2 . 7 – 1 = 14 – 1 = 13 tipo de sentença é um exemplo de sentença aberta. c) A sentença 2x – 1 = 13 náo é verdadeira nemfalsa, pois x, chamadovariável, pode assumir qualquer valor.Este Toda sentença aberta na forma de igualdade é chamada equação. d) Substituindo x por 7, a sentença aberta 2x – 1 = 13 transforma-se em 2 . 7 – 1 = 13, que é uma sentença verdadeira. Dizemos, então, que 7 é uma raiz (ou uma solução) da equação 2x – 1 = 13. RAIZ, CONJUNTO-VERDADE, RESOLUÇÃO Raiz (ou solução) de uma equação é um número que transforma a sentença aberta em sentença verdadeira. Conjunto-verdade (ou conjunto-solução) de uma equação é o conjunto de todas, e somente, as raízes. •Resolver uma equação é determinar o seu conjunto-verdade. •Existem processos gerais de resolução de alguns tipos de equações, particularmente as do 1º e do 2º grau, que, a seguir, passamos a comentar. EQUAÇÃO DO 1º GRA U Exemplos: São equações do 1º grau as sentenças abertas 5x – 3 = 12 e 3x  x  3  1. 2 2 a) Para a  0, ax + b = 0        (a equação admite uma única solução) b) Para a = 0 e b  0, ax + b = 0 não tem solução, pois a sentença é sempre falsa. Neste caso, V = Ø. c) Para a = 0 e b = 0, a equação ax + b = 0 admite todos os números reais como solução, pois a sentença 0x + 0 = 0 é sempre verdadeira. Neste caso, V = R. Método de resolução da equação do 1° grau: 1. Eliminação das frações, se houver; 2. Eliminação dos parênteses, se houver; 3. Agrupamento dos termos semelhantes, se houver; 4. Redução dos termos semelhantes, se houver; 5. Isolamento da incógnita, em qualquer um dos membros V
  • 2. MATEMÁTICA a 2 P  c   3     (produto das raízes da equação) a  c 1 2P  x .x a  b (somadasraízes daequação)1 2S  x  x 1 2 Se   0 e {x ; x } é conjunto-verdade da equação ax² + bx + c = 0, com a  0 , então: Propriedades Equaç ão do 2° grau Definição É toda sentença aberta, em x, redutível e equivalente a ax² + bx + c = 0, com a  R*, b  R e c  R. onde: a é o coeficiente do termo x 2 b é o coeficiente do termo x c é chamado de termo independente Portanto, sendo V o conjunto-verdade em R, conclui-se que:  b b      0   ;  2a  2a  (duas raizes reais e diferentes)  b  2a  (raizes reais e iguais)     0  V  o (a equação não tem solução em R) Exercícios Resolvidos 2)Resolver,emRaequação Resolução: 4x2  12x  9  0 .   (12)2  4.4.9  144 144  0  x  12  0  12  3 2.4 8 2 Logo, V  3 2     SOMA E PRODUTO DAS RAÍZES DE UMA EQUAÇÃO DO 2° GRAU 1) Determinar a soma eo produto dasraízesda equação 2x2 – 7x – 30. Resolução: Lembrando que se 2x2 – 7x – 3  ax2  bx  c, temos a = 2, b = –7 e c = –3. Asoma das raízes é das raízes é e o produto Ensino Médio 2019 Fórmula deBhaskara x   b   , sendo   b 2  4ac . 2a 2 2 2a S   b   (7)  7 MAIS HISTÓRIA DA MATEMÁTICA O hábito de dar nome de Bhaskara para a fórmula de resolução da equação de 2º grau se estabeleceu no Brasil por volta de 1960. Esse costume, aparentemente só brasileiro (não se encontra o nome de Bhaskara para essa fórmula na literatura internacional). UM POUCO DE HISTÓRIA DA MATEMÁTICA As equações do segundo grau são abordadas na história da matemática desde a época dos egípcios, babilônios, gregos, hindus e chineses. Muitos estudiosos tentavam resolver tais equações, e hoje sabemos que para resolvê-la fazemos o uso da fórmula de Bhaskara. Mas não foi ele quem criou tal fórmula. Se não foi Bhaskara quem criou a fórmula de Bhaskara, quem foi e porque ela recebe este nome?   0 
  • 3. MATEMÁTICA a " (...) e viu-a, do Ápice à Base (...) Fezdasua,umavidaparalelaadela. Atéque se encontraram noinfinito. Quem és tu? - indagou ele, com ânsia radical. Sou a raiz quadrada da soma dos quadrados dos catetos, mas pode me chamar de hipotenusa (...)" Trechodo poemaPoesiaMatemática,de Millôr Fernandes. AbC ˆc (lado AB, oposto a C) b (lado AC, oposto a Bˆ) catetos   ˆhipotenusa : a (lado BC,oposto ao ângulo reto A)     AB (medidac)   c  lados AC (medida b) BC (medidaa)  C (agudo)  ˆ      ˆângulos internos B(agudo) BAˆ (reto ou 90º)   No triângulo retânguloABC, temos: A trigonometria no triângulo Ret ângulo A Trigonometria (trigono=triangular; metria=medida) teve origem no estudo das relações entre as medidas dos lados e dos ângulos de um triângulo e, em particular, do triângulo retângulo Elementos de um triângulo retângulo Relações ComoA+ B + C= 180º e  = 90º, temos: B + C = 90º Como o triângulo é retângulo, vale a relação de Pitágoras: a2 = b2 +c2 Ensino Médio 2019 3
  • 4. MATEMÁTICA a seno cosseno tangente 1 3 3 30º 2 2 3 45º 2 2 1 2 2 60º 3 1 3 2 2 a sen C  c a sen B  b a cos C  b a cos B  c Razões trigonométricas nos triãngulos retângulos Dado o ABC, retângulo em Â, temos: –Seno(sen)deumânguloéoquocienteentreocateto oposto ao ângulo e a hipotenusa. Assim: –Cosseno(cos)deumânguloéoquocienteentreocateto adjacente ao ângulo e a hipotenusa. Assim: –Tangente(tg)deumânguloéoquocienteentreoscatetos oposto e adjacente aoângulo: Assim: Comparando as relações trigonométricas entre os ângulos Bˆ e Cˆ , temos: sen C = cos B cos C = sen B Tabela dos ângulos notáveis tg C 1 tg B Ensino Médio 2019 b tg C  c c tg B  b 4 15 3 15 cos   x  2  x  x  10 15 Resolução: Dados: 15 (hipotenusa) e x (cateto adjacente ao ângulo a) temos:  3 x 2 02. Calcular ovalordexnafigura, sabendoqueoco-senodoânguloaé . 30º 10 2 10 sen30  x  1  x  x  5 x 01. No triângulo retângulo da figura, calcular a medida x. Resolução: Dados: 10 (hipotenusa) e x (cateto oposto ao ângulo de 30º), temos: 10 Exercícios Resolvidos AbC c B
  • 5. MATEMÁTICA Progressão Arit m ét ic a O lançamento de moedas pode gerar uma sequência aritmética. Brasil x Japão, 22/5/2005 INTRODUÇÃO Para entendermos esta matéria, vamos dar uma olhada no sentido do nome“Progressões Aritméticas”. ”Progressão” é tudo aquilo que progride, que vai para frente, que muda. Como estamos falando de matemática, certamente será com números. Uma PRO- GRESSÃO é uma su- cessão de números um após o outro (Ex. 1, 2, 3, 5, 8, 13... - ou também, 1, 5, 23, -25, 20, 7,...). Ou seja, quando falamos simplesmente PROGRESSÃO, estamos nos referindo a alguns números colocados um após o outro sem, necessariamente, possuir uma lógica em suadistribuição. E para ser uma PROGRESSÃO ARITMÉTICA (PA), o que deve acontecer? Uma progressão aritmética é uma sucessão de números, um após o outro, que seguem um “ritmo definido”. Veja a progressão abaixo: (1, 3, 5, 7, 9, 11, 13, 15, 17...) Esta progressão segue um ritmo definido, mostrado na figura abaixo: (1, 3, 5, 7, 9, ...) +2 +2 +2 +2 Ouseja,temosumritmoqueéodeSOMARDUASUNIDADESacadaelementoqueacrescentamos.Esteéoritmoque estamos falando, somar sempre o mesmo número a cada elemento acrescentado. Comoelaéumaprogressãonuméricaquesegueum“ritmodefinido”deacréscimoemrelaçãoaonúmeroanterior,elapode ser classificadacomo umaPROGRESSÃOARITMÉTICACRESCENTE, poisnotequesempreirácrescer. Veja outro exemplo: (16, 13, 10, 7, 4, 1, -2, -5...) Esta também pode ser classificada como uma PA, pois segue um ritmo definido. O qual, diferente da anterior, é de decrés- cimo. Por ser assim, ela é chamada de PROGRESSÃO ARITMÉTICADECRESCENTE. Obs.: Só podemos chamar de P.A. se o ritmo que a seqüência seguir for de acréscimo ou de decréscimo. Se tiver um ritmo diferente não será uma PA.Por exemplo, a seqüência (1, 2, 4, 8, 16, ...) tem um ritmo, sempre dobrar o próximo elemento, mas não é uma PA.:) Vamos fazer um pequeno exercício agora: Vamos verificar se as progressões abaixo são P.A., quando for diga se é crescente ou decrescente: (a)(100, 101, 109, 110,119,120...) (b) (10, 20, 30, 40, 50, 60...) (c) (-15, -10, -5, 0, 5, 10...) (d) (1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10...) (e) (10, 6, 2, -2, -6...) (f) (16, 25, 36, 43, 52, 61...) RESPOSTAS: (a) Não é uma PA, pois do primeiro para o segundo termo houve um acréscimo de 1 unidade, e do segundo para o terceiro houve um acréscimo de 8 unidades. Para ser PAdevemos ter o acréscimo sempre constante. (b) É uma PA, pois o ritmo se manteve constante do início ao fim. Sempre somando 10, ou seja, CRESCENTE. (c) É uma PA, pois o ritmo de somar 5 manteve-se constante, ou seja, é uma PACRESCENTE. (d) PA CRESCENTE (e) PA DECRESCENTE (f) NÃO É PA. Ensino Médio 2019 5
  • 6. MATEMÁTICA an  a1  (n  1).r 01. Determinar o primeiro termo de uma progressão aritmética de razão -5 e décimo termo igual a 12. Resolução Utilizando a fórmula do termo geral, an  a1  (n  1).r , temos: Resposta: a1 = 57 TERMO GERAL P Voltando ao exemplo. (1, 3, 5, 7, 9, 11, 13, 15, 17...) ComoéumaPA,segueum“ritmodefinido”(ritmoestequeéasomade2unidadesacadaelementoqueacrescenta- mos). Este ritmo também tem um nome: se chama “RAZÃO” e é representada por “r” minúsculo. Portanto, o segundo termo será a soma do primeiro mais a razão; o terceiro será a soma do segundo mais a razão... Vemos no nosso exemplo que cada próximo termo da progressão é acrescido de 2 unidades, portanto r = 2. Portanto,sequisermosacharotermodeordem“n”(termogenérico),iremossomaroa1 com(n-1)vezesarazão.Pode- mos mostrar uma “fórmula” para calcular qualquer termo de uma P.A.: r = -5 a10 = 12  12 = a1 + 9 . (-5)  12 + 45 = a1  a1 = 57 a10 = a1 + 9r 02. Calcular o vigésimo termo da progressão aritmética (5; 9; 13;...) Resolução Utilizando a fórmula do termo geral, a1 = -5 r = 4 a20 = a1 + 19 . r an  a1  (n  1).r , temos: 03. Em uma progressão aritmética sabe-se que a4 = 12 e a9 = 27. Calcular a5 . Resolução Utilizando a fórmula an = am + (n – m) . r, que relaciona dois termos quaisquer de uma P.A., temos: a4 = 12 a9 = 27 a9 = a4 + (9 - 4) . r Ensino Médio 2019 6 O número que aparece no nome do elemento é a “ordem” dele. Ou seja, a1 é o primeiro, a2 é o segundo, etc. Quandotemosumtermoquenãosabemossuaposição,chamamosdean,onde“n”éaposiçãoocupadapelotermoem questão. Este é o termo geral, pois pode ser qualquer um. ...a4 = 7a1 = 1 a2 = 3 a3 = 5 Para um melhor estudo de PA’s, vamos usar a seguinte progressão: (1, 3, 5, 7, 9, 11, 13, 15, 17...) OprimeirotermodestaPAé1,osegundoé3,eassimpordiante.Paranãodesperdiçarlápisepapel,cadatermodeuma A t e m s e u n o m e : o p r i m e i r o é c h a m a d o , n o r m a l m e n t e , d e a 1 , o segundo de a2 , o terceiro de a3 e assim sucessivamente. Então, nesta PA: Exercícios Resolvidos  27 = 12 + 5 . r  5r = 15  r = 3 Assim sendo, jáque a5 = a4 + r, temos a5 = 12 + 3 = 15 Resposta: a5 = 15  a20 = 5 + 19 . 4)  a20 = 5 + 76  a20 = 81
  • 7. MATEMÁTICA (1, 3, 5, 7, 9, 11, 13, 15, 17, 19) (1, 3, 5, 7, 9, 11, 13, 15, 17, 19) soma=20 (1, 3, 5, 7, 9, 11, 13, 15, 17, 19) (1, 3, 5, 7, 9, 11, 13, 15, 17, 19) soma=20 soma=20 soma=20 soma=20 soma=20 Note,queasoma20apareceuexatamente5vezes.Aoinvésdesomartermoatermo,poderíamossomar5vezeso20, ou seja, 5x20=100 (mesmoresultado). Agora, pense!!! Por que que apareceu cinco vezes a soma = 20????? Istomesmo,poistínhamos10termos,ecomopegamoselesde2em2,éóbvioqueasomairiaaparecerumnúmerode vezes igual a metade do número de termos! E agora, se fosse uma progressão com 100 elementos? Deveríamos proceder da mesma maneira! Asomadoprimeirocomoúltimoiriaserepetirpor50vezes(metadede100),portanto,matematicamentefalandoteríamos: S100 =(a1 +a100 ).50 Paraconcluir.SetivéssemosquecalcularasomadoselementosdeumaPAcom“n”termos?Asomadoprimeirocomo último iria se repetir por n/2 vezes. Ou seja, podemos escrever: 2  (a1  an ).n nS SOMA DOS “n” PRIMEIROS TERMOS Emumaprova podetambémserpedidoquevocêcalculeasomadostermosdeumaPA.Podeserpedidoasomados25 primeiros termos, ou dos 200 primeiros termos. Estas somas são simbolizadas por S25 (soma dos 25 primeiros termos), por S200 (soma dos 200 primeiros termos) ou por Sn (soma dos “n” primeiros termos). Vamos ver umexemplo: Estaprogressãopossui10termos ea1 =1, a10 =19 e r=2. Sequiséssemos saber asomados 10primeiros termos desta PA, poderíamos calcular manualmente, ou seja, 1+3+5+7+9+11+13+15+17+19=100. Mas, se fosse pedido a soma dos 145 primeiros termos?? Manualmente iria demorar muito. Vamos ver se existe uma maneira mais prática. Observe quanto vale a soma do primeiro com o último termo desta PA: Agora, veja a soma do segundo com o penúltimo: E a soma do terceiro com o antepenúltimo, do quarto com o antes do antepenúltimo ... Ensino Médio 2019 soma=20 soma=20 7