SlideShare uma empresa Scribd logo
JOÃO VITOR AGUIAR SANTANA BASTOS
MANEJO DE PRAGAS NO FEIJOEIRO
2
• Introdução;
• Amostragem;
• Controle biológico;
• Principais pragas;
• Danos a cultura;
• Manejo;
• Condições de aplicação;
• Adjuvantes.
SUMÁRIO
3
• Visa manter o organismo abaixo do ND
(nível de dano), que antecede o nível de
dano econômico;
• Sistema convencional: sem
diagnose;
• Sistema de controle: amostragem
previa.
MANEJO DE PRAGAS
Fonte: Universidade Federal de Viçosa, 2015.
4
• Identificar os danos, as pragas
e seus inimigos naturais;
• Kit de amostragem do feijoeiro.
AMOSTRAGEM
Fonte: Embrapa, 2001.
5
• Emergência até o estágio de 3-4 folhas trifolioladas.
AMOSTRAGEM
Fonte: Embrapa, 2001.
6
• Após o estágio de 3-4 folhas
trifolioladas.
AMOSTRAGEM
Fonte: Embrapa, 2001.
Fonte: Maissoja, 2022.
7
CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS
Fonte: João Vitor, 2022.
• No controle biológico, as
pragas e outros
transmissores de doenças
são combatidos com a
introdução de seus inimigos
naturais;
• Fungos, vírus, bactérias ou
parasitoides.
8
PRINCIAPAIS PRAGAS DO FEIJOEIRO
Fonte: João Vitor, 2022.
9
• Adultos são mariposas de
coloração pardo-escura;
• Lagartas são de coloração
cinza-escura;
• Ciclo de vida: 42 dias;
• Emergência das plântulas
até o início do florescimento.
Lagarta-rosca (Agrotis ipsilon)
Fonte: Unesp, 2022.
Fonte: Embrapa, 2015.
10
• Maior dano: germinação das
plantas;
• Consomem sementes no sulco de
plantio;
• O ataque dessa praga danifica o
sistema condutor de água e
nutrientes da planta;
• Resulta: sintomas de murcha e
secamento de folhas, com
posterior morte.
DANOS
Fonte: Unesp, 2022.
11
• Químico;
• Valor: 226 reais o litro.
MANEJO
12
• Fêmea cinza-escura, macho pardo-amarelada;
• Ciclo de vida: 42 a 48;
• Período crítico vai da emergência até V4/R5;
• Favorecidas por anos secos e de estiagem;
• Casulos revestidos pelo solo.
Casulo Perfurações Larva Mariposa
Lagarta-elasmo (Elasmopalpus lignosellus)
Fonte: Embrapa, 2015.
13
• Danos
relacionados a
perfuração do
caule;
• Resulta:
amarelecimento,
murcha e morte.
DANOS
Fonte: Unesp, 2022.
14
MANEJO
• Químico;
• Valor: 664 reais o litro.
15
• Coloração verde, tanto
adulta quanto ninfa;
• Ninfas, não possuem asas e se
locomovem lateralmente;
• Ciclo de vida: 24 dias;
• Se adepta bem em regiões
quente e secas;
• Período crítico: até a floração.
Cigarrinha-verde (Empoasca kraemeri)
Fonte: Unesp, 2022.
Fonte: Unesp .2022
16
• Ninfas e adultos alimentam-se
do floema da planta;
• Ação toxicogênica (podem
bloquear o floema);
• Curvatura da borda e
amarelecimento das folhas;
• Feijão de segunda época mais
suscetível.
DANOS
Fonte: Embrapa, 2015.
17
• Químicos;
• Valor: 927 reais o litro.
MANEJO
18
• Biológico;
• Anagrus flaveolus(parasitoides de ovos);
• Eriopis connexa (predador).
MANEJO
Fonte: Ecoregistro, 2012.
Fonte: Aeagro, 2021.
19
• Adultos possuem dois pares de
asas brancas;
• Ciclo de vida: 25 a 50 dias;
• Todo desenvolvimento da
cultura;
• Adultos localizam-se na face
abaxial da folha.
Mosca branca (Bemisia tabaci)
Fonte: Unesp, 2022.
20
• Dano direto: sugam a seiva;
• Dano indireto: transmissão do vírus
do mosaico dourado do feijoeiro
(VMDF);
• Prejuízos à cultura podem atingir 100
%;
• Os danos são mais significativos
quando mais jovem.
.
DANOS
Fonte: Unesp, 2022.
21
• Variedade Resistente: IPR Eldorado.
MANEJO
Fonte: Unesp, 2022.
22
• Biológico: Geocoris spp;
MANEJO
• Orius insidiosus.
Fonte: Embrapa, 2010.
Fonte: Embrapa, 2010.
23
• Químico;
• Valor: 244 reais o litro.
MANEJO
24
• Adultos: são besouros pequenos,
com até 6 mm de comprimento;
• As larvas são branco-leitosas, com
a cabeça e o último segmento
abdominal escuros;
• Ciclo de vida: 24 a 40 dias;
• Causam desfolha durante todo o
ciclo da cultura.
Vaquinha (Diabrotica speciosa)
Fonte: Unesp, 2022.
Fonte: Unesp, 2022.
25
• Destruição de área foliar e ataque às
raízes;
• Danos mais significativos ocorrem no
estágio de plântula;
• As larvas alimentam-se das raízes, de
nódulos e de sementes em germinação;
• Altas populações podem alimentar-se
também de flores e vagens.
DANOS
Fonte: Embrapa, 2015.
26
• Químico;
• Valor: 258 reais o kg.
MANEJO
27
• Os adultos possuem coloração
preta com regiões amareladas;
• Larvas possuem coloração
branco hialina;
• Ciclo de vida: em média 40 dias;
• Muito favorecido por baixas
temperaturas;
• Emergência até florescimento.
Mosca-minadora (Liriomyza huidobrensis)
Fonte: Unesp, 2022.
28
• As larvas alimentam-se dos
tecidos entre as epidermes,
fazendo galerias (minas);
• Destruição do parênquima
foliar, resultando em redução
da capacidade fotossintética
e, consequentemente, queda
na produtividade.
DANOS
Fonte: Unesp .2022
Fonte: Unesp, 2022.
29
• Biológico;
• Opius sp;
• Parasitoide.
MANEJO
Fonte: stevenanz, 2022.
30
• Químico;
• Valor: 162 reais o litro.
MANEJO
31
• Coloração amarelo-clara e
dourada;
• Ciclo de vida: 25 dias;
• Condições favoráveis:
temperaturas elevadas e baixa
umidade;
• Período critico: até a floração.
Tripes (Thrips palmi)
Fonte: Unesp, 2022.
32
• São decorrentes da alimentação
das ninfas e adultos nas folhas e
flores;
• Tecidos mortos necrosam, ficam
bronzeados ou ressecam e
tornam-se quebradiços;
• Provocam estrias esbranquiçadas
nas folhas;
• Dobramento de bordos.
DANOS
Fonte: Unesp, 2022.
33
• Químico;
• Valor : 226 reais o litro.
MANEJO
34
• Percevejo mais abundante no
feijoeiro;
• Coloração marrom- clara;
• As ninfas são semelhantes a formigas
e já causam danos aos grãos;
• Início de formação de vagens.
Percevejo-manchador-dos-grãos (Neomegalotomus simplex)
Fonte: Embrapa, 2015.
35
• Coloração que pode variar
de cinza a marrom;
• Ciclo de vida: 26 dias;
• 11 mm de comprimento e
dois espinhos laterais no
protórax.
Percevejo-marrom (Euschistus heros)
Fonte: Embrapa, 2015.
36
• Alimentam-se diretamente dos
grãos desde o início de formação
de vagens;
• Os grãos atacados ficam
menores, enrugados, chochos e
mais escuros;
• Afetam a qualidade das
sementes, reduzindo o poder
germinativo e transmitindo a
mancha de levedura.
DANOS
Fonte: Embrapa, 2015.
37
• Químico;
• Valor: 445 reais o litro.
MANEJO
38
• Mariposa de coloração
marrom-acinzentada;
• Lagarta apresenta coloração
verde-clara;
• Ciclo de vida: 47 dias;
• Comum no Centro Oeste;
• Favorecida por estiagem.
Falsa-medideira (Pseudoplusia includens)
Fonte: Embrapa, 2015.
Fonte: Elevagro, 2022.
39
• Alimentam-se das folhas,
não destroem as suas
nervuras;
• Podem consumir de 80 cm2
a 200 cm2 de folhas
durante a fase larval.
DANOS
Fonte: Unesp, 2022.
40
• Químico;
• Valor: 424 reais o litro.
MANEJO
41
• Temperatura abaixo de 30 graus;
• Velocidade ideal de 2 a 8 km/h;
• Umidade acima de 50%;
• pH entre 5 a 6;
• Não aplicar na presença de orvalho;
• Tamanho da gota: condições
climáticas.
TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO
Fonte: João Vitor, 2022.
42
• São utilizados com a finalidade de aumentar a eficácia, facilitar a
aplicação e diminuir os riscos de perda dos defensivos agrícolas;
• Estabilização do pH da calda;
• Evitar a formação de espuma;
• Diminuir a tensão superficial da calda;
• Ajudar na aderência e espalhamento da gota na folha.
Adjuvantes
Entre em contato conosco:
geagraufg.wordpress.com
geagracontato@gmail.com
GEAGRA UFG
@geagraufg
UNINDO CONHECIMENTO EM PROL DA AGRICULTURA!
MANEJO DE PRAGAS NO FEIJOEIRO
joaobastos@discente.ufg.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
Geagra UFG
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
AgriculturaSustentavel
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
Geagra UFG
 
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Geagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
CETEP, FTC, FASA..
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
Geagra UFG
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
Geagra UFG
 
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
Geagra UFG
 
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresReguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Geagra UFG
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Geagra UFG
 
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Geagra UFG
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Manejo de pragas no algodoeiro
Manejo de pragas no algodoeiroManejo de pragas no algodoeiro
Manejo de pragas no algodoeiro
Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
Geagra UFG
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
GETA - UFG
 
Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
 
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
 
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
 
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresReguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
 
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
 
Manejo de pragas no algodoeiro
Manejo de pragas no algodoeiroManejo de pragas no algodoeiro
Manejo de pragas no algodoeiro
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.
 

Semelhante a Manejo de pragas no feijoeiro

Manejo de pragas no sorgo e milheto
Manejo de pragas no sorgo e milhetoManejo de pragas no sorgo e milheto
Manejo de pragas no sorgo e milheto
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
Geagra UFG
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Sávio Sardinha
 
Pragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do AlgodaoPragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do Algodao
Marcos Ferreira
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Killer Max
 
Controle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na JardinagemControle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na Jardinagem
Leandro A. Machado de Moura
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Geagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
Geagra UFG
 
Frutas De Caroço (1)
Frutas De Caroço (1)Frutas De Caroço (1)
Frutas De Caroço (1)
Agricultura Sao Paulo
 
Plantas daninhas no feijão
Plantas daninhas no feijãoPlantas daninhas no feijão
Plantas daninhas no feijão
Paulo Rogerio Guimaraes
 
PRAGAS DA ERVA-MATE
PRAGAS DA ERVA-MATEPRAGAS DA ERVA-MATE
PRAGAS DA ERVA-MATE
Diego Cardoso
 
Manejo de Cigarrinha-do-milho
Manejo de Cigarrinha-do-milhoManejo de Cigarrinha-do-milho
Manejo de Cigarrinha-do-milho
Geagra UFG
 
Insetos-Pragas
 Insetos-Pragas Insetos-Pragas
Insetos-Pragas
Gabriel Araujo
 
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptxPRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
JosFranciscoNogueira3
 
MIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃOMIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃO
Geagra UFG
 
Produção de olerícolas e futíferas
Produção de olerícolas e futíferasProdução de olerícolas e futíferas
Produção de olerícolas e futíferas
Centro Educacional Êxito
 
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para florestaPopula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
Universidade Federal Rural da Amazônia - UFRA
 
Pragas da cana
Pragas da canaPragas da cana
Pragas da cana
Agricultura Sao Paulo
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
Geovani Santana
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Adrielly Freitas da Silva
 

Semelhante a Manejo de pragas no feijoeiro (20)

Manejo de pragas no sorgo e milheto
Manejo de pragas no sorgo e milhetoManejo de pragas no sorgo e milheto
Manejo de pragas no sorgo e milheto
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
 
Pragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do AlgodaoPragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do Algodao
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do Feijoeiro
 
Controle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na JardinagemControle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na Jardinagem
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
 
Frutas De Caroço (1)
Frutas De Caroço (1)Frutas De Caroço (1)
Frutas De Caroço (1)
 
Plantas daninhas no feijão
Plantas daninhas no feijãoPlantas daninhas no feijão
Plantas daninhas no feijão
 
PRAGAS DA ERVA-MATE
PRAGAS DA ERVA-MATEPRAGAS DA ERVA-MATE
PRAGAS DA ERVA-MATE
 
Manejo de Cigarrinha-do-milho
Manejo de Cigarrinha-do-milhoManejo de Cigarrinha-do-milho
Manejo de Cigarrinha-do-milho
 
Insetos-Pragas
 Insetos-Pragas Insetos-Pragas
Insetos-Pragas
 
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptxPRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
 
MIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃOMIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃO
 
Produção de olerícolas e futíferas
Produção de olerícolas e futíferasProdução de olerícolas e futíferas
Produção de olerícolas e futíferas
 
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para florestaPopula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
 
Pragas da cana
Pragas da canaPragas da cana
Pragas da cana
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
 

Mais de Geagra UFG

Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
Geagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
Geagra UFG
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
Geagra UFG
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Geagra UFG
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
Geagra UFG
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
Geagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
Geagra UFG
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
Geagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
 

Manejo de pragas no feijoeiro

  • 1. JOÃO VITOR AGUIAR SANTANA BASTOS MANEJO DE PRAGAS NO FEIJOEIRO
  • 2. 2 • Introdução; • Amostragem; • Controle biológico; • Principais pragas; • Danos a cultura; • Manejo; • Condições de aplicação; • Adjuvantes. SUMÁRIO
  • 3. 3 • Visa manter o organismo abaixo do ND (nível de dano), que antecede o nível de dano econômico; • Sistema convencional: sem diagnose; • Sistema de controle: amostragem previa. MANEJO DE PRAGAS Fonte: Universidade Federal de Viçosa, 2015.
  • 4. 4 • Identificar os danos, as pragas e seus inimigos naturais; • Kit de amostragem do feijoeiro. AMOSTRAGEM Fonte: Embrapa, 2001.
  • 5. 5 • Emergência até o estágio de 3-4 folhas trifolioladas. AMOSTRAGEM Fonte: Embrapa, 2001.
  • 6. 6 • Após o estágio de 3-4 folhas trifolioladas. AMOSTRAGEM Fonte: Embrapa, 2001. Fonte: Maissoja, 2022.
  • 7. 7 CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS Fonte: João Vitor, 2022. • No controle biológico, as pragas e outros transmissores de doenças são combatidos com a introdução de seus inimigos naturais; • Fungos, vírus, bactérias ou parasitoides.
  • 8. 8 PRINCIAPAIS PRAGAS DO FEIJOEIRO Fonte: João Vitor, 2022.
  • 9. 9 • Adultos são mariposas de coloração pardo-escura; • Lagartas são de coloração cinza-escura; • Ciclo de vida: 42 dias; • Emergência das plântulas até o início do florescimento. Lagarta-rosca (Agrotis ipsilon) Fonte: Unesp, 2022. Fonte: Embrapa, 2015.
  • 10. 10 • Maior dano: germinação das plantas; • Consomem sementes no sulco de plantio; • O ataque dessa praga danifica o sistema condutor de água e nutrientes da planta; • Resulta: sintomas de murcha e secamento de folhas, com posterior morte. DANOS Fonte: Unesp, 2022.
  • 11. 11 • Químico; • Valor: 226 reais o litro. MANEJO
  • 12. 12 • Fêmea cinza-escura, macho pardo-amarelada; • Ciclo de vida: 42 a 48; • Período crítico vai da emergência até V4/R5; • Favorecidas por anos secos e de estiagem; • Casulos revestidos pelo solo. Casulo Perfurações Larva Mariposa Lagarta-elasmo (Elasmopalpus lignosellus) Fonte: Embrapa, 2015.
  • 13. 13 • Danos relacionados a perfuração do caule; • Resulta: amarelecimento, murcha e morte. DANOS Fonte: Unesp, 2022.
  • 15. 15 • Coloração verde, tanto adulta quanto ninfa; • Ninfas, não possuem asas e se locomovem lateralmente; • Ciclo de vida: 24 dias; • Se adepta bem em regiões quente e secas; • Período crítico: até a floração. Cigarrinha-verde (Empoasca kraemeri) Fonte: Unesp, 2022. Fonte: Unesp .2022
  • 16. 16 • Ninfas e adultos alimentam-se do floema da planta; • Ação toxicogênica (podem bloquear o floema); • Curvatura da borda e amarelecimento das folhas; • Feijão de segunda época mais suscetível. DANOS Fonte: Embrapa, 2015.
  • 17. 17 • Químicos; • Valor: 927 reais o litro. MANEJO
  • 18. 18 • Biológico; • Anagrus flaveolus(parasitoides de ovos); • Eriopis connexa (predador). MANEJO Fonte: Ecoregistro, 2012. Fonte: Aeagro, 2021.
  • 19. 19 • Adultos possuem dois pares de asas brancas; • Ciclo de vida: 25 a 50 dias; • Todo desenvolvimento da cultura; • Adultos localizam-se na face abaxial da folha. Mosca branca (Bemisia tabaci) Fonte: Unesp, 2022.
  • 20. 20 • Dano direto: sugam a seiva; • Dano indireto: transmissão do vírus do mosaico dourado do feijoeiro (VMDF); • Prejuízos à cultura podem atingir 100 %; • Os danos são mais significativos quando mais jovem. . DANOS Fonte: Unesp, 2022.
  • 21. 21 • Variedade Resistente: IPR Eldorado. MANEJO Fonte: Unesp, 2022.
  • 22. 22 • Biológico: Geocoris spp; MANEJO • Orius insidiosus. Fonte: Embrapa, 2010. Fonte: Embrapa, 2010.
  • 23. 23 • Químico; • Valor: 244 reais o litro. MANEJO
  • 24. 24 • Adultos: são besouros pequenos, com até 6 mm de comprimento; • As larvas são branco-leitosas, com a cabeça e o último segmento abdominal escuros; • Ciclo de vida: 24 a 40 dias; • Causam desfolha durante todo o ciclo da cultura. Vaquinha (Diabrotica speciosa) Fonte: Unesp, 2022. Fonte: Unesp, 2022.
  • 25. 25 • Destruição de área foliar e ataque às raízes; • Danos mais significativos ocorrem no estágio de plântula; • As larvas alimentam-se das raízes, de nódulos e de sementes em germinação; • Altas populações podem alimentar-se também de flores e vagens. DANOS Fonte: Embrapa, 2015.
  • 26. 26 • Químico; • Valor: 258 reais o kg. MANEJO
  • 27. 27 • Os adultos possuem coloração preta com regiões amareladas; • Larvas possuem coloração branco hialina; • Ciclo de vida: em média 40 dias; • Muito favorecido por baixas temperaturas; • Emergência até florescimento. Mosca-minadora (Liriomyza huidobrensis) Fonte: Unesp, 2022.
  • 28. 28 • As larvas alimentam-se dos tecidos entre as epidermes, fazendo galerias (minas); • Destruição do parênquima foliar, resultando em redução da capacidade fotossintética e, consequentemente, queda na produtividade. DANOS Fonte: Unesp .2022 Fonte: Unesp, 2022.
  • 29. 29 • Biológico; • Opius sp; • Parasitoide. MANEJO Fonte: stevenanz, 2022.
  • 30. 30 • Químico; • Valor: 162 reais o litro. MANEJO
  • 31. 31 • Coloração amarelo-clara e dourada; • Ciclo de vida: 25 dias; • Condições favoráveis: temperaturas elevadas e baixa umidade; • Período critico: até a floração. Tripes (Thrips palmi) Fonte: Unesp, 2022.
  • 32. 32 • São decorrentes da alimentação das ninfas e adultos nas folhas e flores; • Tecidos mortos necrosam, ficam bronzeados ou ressecam e tornam-se quebradiços; • Provocam estrias esbranquiçadas nas folhas; • Dobramento de bordos. DANOS Fonte: Unesp, 2022.
  • 33. 33 • Químico; • Valor : 226 reais o litro. MANEJO
  • 34. 34 • Percevejo mais abundante no feijoeiro; • Coloração marrom- clara; • As ninfas são semelhantes a formigas e já causam danos aos grãos; • Início de formação de vagens. Percevejo-manchador-dos-grãos (Neomegalotomus simplex) Fonte: Embrapa, 2015.
  • 35. 35 • Coloração que pode variar de cinza a marrom; • Ciclo de vida: 26 dias; • 11 mm de comprimento e dois espinhos laterais no protórax. Percevejo-marrom (Euschistus heros) Fonte: Embrapa, 2015.
  • 36. 36 • Alimentam-se diretamente dos grãos desde o início de formação de vagens; • Os grãos atacados ficam menores, enrugados, chochos e mais escuros; • Afetam a qualidade das sementes, reduzindo o poder germinativo e transmitindo a mancha de levedura. DANOS Fonte: Embrapa, 2015.
  • 37. 37 • Químico; • Valor: 445 reais o litro. MANEJO
  • 38. 38 • Mariposa de coloração marrom-acinzentada; • Lagarta apresenta coloração verde-clara; • Ciclo de vida: 47 dias; • Comum no Centro Oeste; • Favorecida por estiagem. Falsa-medideira (Pseudoplusia includens) Fonte: Embrapa, 2015. Fonte: Elevagro, 2022.
  • 39. 39 • Alimentam-se das folhas, não destroem as suas nervuras; • Podem consumir de 80 cm2 a 200 cm2 de folhas durante a fase larval. DANOS Fonte: Unesp, 2022.
  • 40. 40 • Químico; • Valor: 424 reais o litro. MANEJO
  • 41. 41 • Temperatura abaixo de 30 graus; • Velocidade ideal de 2 a 8 km/h; • Umidade acima de 50%; • pH entre 5 a 6; • Não aplicar na presença de orvalho; • Tamanho da gota: condições climáticas. TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO Fonte: João Vitor, 2022.
  • 42. 42 • São utilizados com a finalidade de aumentar a eficácia, facilitar a aplicação e diminuir os riscos de perda dos defensivos agrícolas; • Estabilização do pH da calda; • Evitar a formação de espuma; • Diminuir a tensão superficial da calda; • Ajudar na aderência e espalhamento da gota na folha. Adjuvantes
  • 43. Entre em contato conosco: geagraufg.wordpress.com geagracontato@gmail.com GEAGRA UFG @geagraufg UNINDO CONHECIMENTO EM PROL DA AGRICULTURA! MANEJO DE PRAGAS NO FEIJOEIRO joaobastos@discente.ufg.br