SlideShare uma empresa Scribd logo
PRAGAS DAS PLANTAS
CULTIVADAS
CITRICULTURA
ALUNOS:
JOSÉ FRANCISCO NOGUEIRA Fº
TALES VINÍCIUS BRISOLA
PROFESSOR:
DR. VITOR BARRILE TOMAZELLA
PSILÍDEO
Diaphorina citri é o inseto vetor da bactéria
Candidatus liberibacter spp., que causa o
greening (huanglongbing/HLB).
• Pior doença da citricultura na atualidade;
• Mede de 2 a 3 milímetros e vive em plantas da
família Rutaceae, principalmente em murtas e
em todas as variedades de citros;
• Originário do continente asiático;
• Em 2004 foi quando o inseto passou a ser
considerado uma grande ameaça para a
citricultura no Brasil.
IDENTIFICAÇÃO
MONITORAMENTO
• O psilídeo está presente o ano todo no pomar,
atingindo pico populacional entre a primavera e
o verão principais fluxos vegetativos em anos
chuvosos;
• Também pode ocorrer alta população durante o
outono e o inverno;
• Tem freqüência maior na borda dos pomares,
primeiro local que encontra ao migrar de uma
propriedade para outra;
• Sua incidência diminui no interior dos talhões e
aumenta perto dos carreadores.
MONITORAMENTO
USO DE ARMADILHAS ADESIVAS
AMARELAS PARA MONITORAR A
ENTRADA E MOVIMENTAÇÃO DO
INSETO NO POMAR.
• Armadilhas instaladas a cada 100-250 metros, sempre
posicionadas no terço superior das plantas, nas
extremidades dos ramos e voltadas para fora na
bordadura;
• Contagem do número de psilídeos capturados, deve
ocorrer semanalmente e a troca deve ser realizada a
cada duas semanas.
• Monitoramento deve ser feito semanalmente por meio
de vistoria visual de 1% das plantas das bordas dos
talhões e da propriedade, partindo sempre da
bordadura para o centro;
• Inspecionar de três a cinco ramos novos por planta,
observando a presença de ovos, ninfas e adultos.
MANEJO
• As aplicações de defensivos, a partir do
monitoramento;
• Entre o final do inverno e primavera, que
caracterizam as épocas de surtos vegetativos;
• É necessário escolher produtos que façam parte
da ProteCitrus (Produtos para Proteção da
Citricultura), que contém os defensivos em
conformidade com a legislação internacional.
PULVERIZAÇÃO TERRESTRE
PULVERIZAÇÃO AÉREA
ANTES DO PLANTIO
• Aplicação de inseticida sistêmico de um a cinco
dias antes da saída da muda do viveiro.
POMAR DE 0 A 3 ANOS E REPLANTAS
• Aplicação de inseticida sistêmico (drench e/ou
tronco) + inseticida foliar (pulverização).
POMAR ACIMA DE 3 ANOS
• Realizar pulverização em intervalo de 7 a 14 dias,
principalmente em talhões localizados na borda da
propriedade;
• De copa para intervalos de até 7 dias.
CONTROLE QUÍMICO
CONTROLE QUÍMICO
INSETICIDA FOLIAR
• Realizar pulverização em intervalo de 7 a 14 dias,
principalmente em talhões localizados na borda da
propriedade e de copa para intervalos de até 7 dias.
INSETICIDA SISTÊMICO (DRENCH E TRONCO)
• Aplicar de 3 a 4 vezes/ano, principalmente no início dos
fluxos vegetativos (maior população do psilídeo e
plantas mais suscetíveis à inoculação da bactéria).
ATENÇÃO
• Respeitar período de carência dos produtos e não
pulverizar neônicos durante o período da florada.
MOSCA DAS FRUTAS
FAMÍLIA TERPHRITIDAE
• Mosca Sul-Americana (Anastrepha fraterculus);
• Mosca do mediterrâneo (Ceratitis capitata).
FAMÍLIA LONCHAEIDAE
• Mosca da Mandioca (Neosilba spp).
• As duas primeiras são nativas do Brasil e a
ultima identificada em 1901;
• Redução de 30 a 50% onde a ataque da
praga;
• Pomares próximos a cafezais são mais
suscetíveis ao ataque da mosca do
mediterrâneo;
• Estado de São Paulo temos ataques da
Ceratitis capitata, e da Anastrepha
fraterculus.
A MOSCA SUL AMERICANA
Tem coloração predominantemente amarelada e mede cerca de
6,5 mm de comprimento. Nas asas há três faixas, em S e V
invertido, que facilita seu reconhecimento. É a espécie que atinge
o maior número de frutíferas do Brasil em 68 espécies.
Anastrepha fraterculus
A MOSCA DO MEDITERRÂNEO
Tem o tórax negro com manchas esbranquiçadas e escutelo
dilatado com estreita faixa amarela na base, e contém pontos
negros na metade das asas. No Brasil desenvolve-se em 58
espécies de hospedeiros.
Ceratitis capitata
A MOSCA DA MANDIOCA
Mede cerca 4 mm de comprimentos possuem asas
transparentes e tem coloração brilhantes. Ainda há poucos
estudos sobre infestações desta espécie nos pomares de
laranja.
Neosilba spp
SINTOMAS
• Durante a ovipozição a penetração de bactérias que
inicia o processo de podridão do fruto;
• No local é formada uma mancha de coloração
marrom e a área lesionada fica mole;
• As larvas consomem a polpa da fruta que cai e pode
ser um indicador do ataque da praga;
• A mosca pode atacar os frutos verdes que, nesse
caso, atingem metade do tamanho.
CICLO DE VIDA
• Metamorfose completa, ovo, larva, pulpa, e adulto;
• As fêmeas inserem seu ovipositor no interior dos frutos;
• Depositam de 1 a 5 ovos por postura sendo Anastrepha
fraterculus, enquanto em Ceratitis capitata é em massa;
• Período de oviposição de 65 a 80 dias no caso de Anastrepha
fraterculus, e nos Citros geralmente ocorre no inicio da
maturação se estendendo até depois da colheita;
• Na fase adulta a coloração predominante é o amarelo-
alaranjado, com faixas no abdômen e comprimento aproximado
em 7mm;
• As larvas apresentam coloração amarelo- esbranquiçadas sem a
presença de pernas;
• Período de larvas podem variar de 7 á 14 dias, passando por 3
fases, medindo de 7 á 9mm, após esse período abandonam o
fruto;
• Fase pupal duram de 9 á 15 dias.
DESENVOLVIMENTO DA ESPÉCIE
PREJUIZOS
• As larvas são resultante dos maiores prejuízos;
• Destroem a polpa que resulta em alterações
fisiológicas;
• As fêmeas ao ovipositar ,causa uma porta de
entrada para de patógenos;
• Resultam em apodrecimento ,inviabilizando o
comercio in natura.
QUEDA DE FRUTOS
MONITORAMENTO
• Armadilhas Mcphail, composta por atrativos;
• Uso de 2 a 4 armadilhas por hectare;
• Posicionar dentro das copas da plantas ¾.
Armadilhas Mcphail
CONTROLE
• Recomenda–se a coleta e ensacamento de frutos
caídos, que devem ser enterrados em seguida a,
pelo menos, 30 cm de profundidade;
• Pode-se ainda utilizar iscas tóxicas por meio da
adição de inseticidas nas armadilhas de
monitoramento;
• Nas áreas em que houver detecção de grande
quantidade de moscas, deve-se realizar aplicação
de inseticida associado com proteína hidrolisada
(5%) ou melaço (10%), com jato dirigido ao terço
superior da copa das plantas.
Globo Rural
Doença que atinge pomar de laranja preocupa produtores do
Brasil e dos Estados Unidos - 27/01/2019
DÚVIDAS?
• Huanglongbing/HLB: Doença do ramo ama- relo;
• Greening: Esverdeamento;
• Rutaceae: Plantas angiospérmicas (plantas com flor -
divisão Magnoliophyta);
• Drench: Aplicação de produtos de forma dosada em
um jato dirigido;
• In natura: são aqueles vendidos como foram obtidos
direto da natureza;
• Armadilhas Mcphail: Recipiente em forma de “pera”
ou de cúpula.
THE END

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro
Geagra UFG
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
AgriculturaSustentavel
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Manejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiroManejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiro
Geagra UFG
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
André Fontana Weber
 
Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012
Governo do Estado do Paraná
 
Plantas de cobertura
Plantas de coberturaPlantas de cobertura
Plantas de cobertura
Geagra UFG
 
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Geagra UFG
 
Producao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutasProducao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutas
gustavo_ruffeil
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula.
CETEP, FTC, FASA..
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Adrielly Freitas da Silva
 
Ecologia de insetos 2010 01
Ecologia de insetos 2010 01Ecologia de insetos 2010 01
Ecologia de insetos 2010 01
Guilherme Acosta
 
Palestra potencial da cultura do morango
Palestra   potencial da cultura do morangoPalestra   potencial da cultura do morango
Palestra potencial da cultura do morango
CETEP, FTC, FASA..
 
Fungicidas no Algodão
Fungicidas no AlgodãoFungicidas no Algodão
Fungicidas no Algodão
Geagra UFG
 
Citrus de mesa
Citrus de mesaCitrus de mesa
Citrus de mesa
Caroline Esperança
 
PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL
PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASILPODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL
PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL
fruticultura
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
Lafaiete Sousa
 
Aula 02 cultura do maracujá.
Aula 02  cultura do maracujá.Aula 02  cultura do maracujá.
Aula 02 cultura do maracujá.
CETEP, FTC, FASA..
 
Propagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferasPropagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferas
paisagista
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
 
Manejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiroManejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiro
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
 
Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012
 
Plantas de cobertura
Plantas de coberturaPlantas de cobertura
Plantas de cobertura
 
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
 
Producao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutasProducao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutas
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula.
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
 
Ecologia de insetos 2010 01
Ecologia de insetos 2010 01Ecologia de insetos 2010 01
Ecologia de insetos 2010 01
 
Palestra potencial da cultura do morango
Palestra   potencial da cultura do morangoPalestra   potencial da cultura do morango
Palestra potencial da cultura do morango
 
Fungicidas no Algodão
Fungicidas no AlgodãoFungicidas no Algodão
Fungicidas no Algodão
 
Citrus de mesa
Citrus de mesaCitrus de mesa
Citrus de mesa
 
PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL
PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASILPODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL
PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
 
Aula 02 cultura do maracujá.
Aula 02  cultura do maracujá.Aula 02  cultura do maracujá.
Aula 02 cultura do maracujá.
 
Propagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferasPropagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferas
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
 

Semelhante a PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx

Trabalho de agroecologia ppx.pptx
Trabalho de agroecologia ppx.pptxTrabalho de agroecologia ppx.pptx
Trabalho de agroecologia ppx.pptx
deniseterceiroano
 
Bicudo no Algodoeiro
Bicudo no AlgodoeiroBicudo no Algodoeiro
Bicudo no Algodoeiro
Geagra UFG
 
Cultura do amendoim (Arachis hypogaea).pptx
Cultura do amendoim (Arachis hypogaea).pptxCultura do amendoim (Arachis hypogaea).pptx
Cultura do amendoim (Arachis hypogaea).pptx
ValderlandiaOliveira1
 
Ciperaceas.pptx
Ciperaceas.pptxCiperaceas.pptx
Ciperaceas.pptx
GilsonRibeiroNachtig
 
HERBÁRIO Ramularia areola – Mancha-de-Ramulária Verticillium dahliae – Murc...
HERBÁRIO  Ramularia areola – Mancha-de-Ramulária  Verticillium dahliae – Murc...HERBÁRIO  Ramularia areola – Mancha-de-Ramulária  Verticillium dahliae – Murc...
HERBÁRIO Ramularia areola – Mancha-de-Ramulária Verticillium dahliae – Murc...
Ítalo Arrais
 
Mosca de abobora
Mosca de aboboraMosca de abobora
Mosca de abobora
Carls Tavares
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Killer Max
 
Araucária angustifolia
Araucária angustifoliaAraucária angustifolia
Araucária angustifolia
Alyne Regina Ruggiero
 
Cultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeiraCultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeira
Josimar Oliveira
 
Pronto
ProntoPronto
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Insetos-Pragas
 Insetos-Pragas Insetos-Pragas
Insetos-Pragas
Gabriel Araujo
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
Geraldo Henrique
 
Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia
Hemilly Rayanne
 
Pragas e doencas
Pragas e doencasPragas e doencas
Pragas e doencas
UEM
 
Conhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
Conhecimentos Gerais da Cultura do AmendoimConhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
Conhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
Wilgner Landemberger
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Sávio Sardinha
 
Pr+ütica filo nematoda
Pr+ütica filo nematodaPr+ütica filo nematoda
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
Geagra UFG
 
PRAGAS DA ERVA-MATE
PRAGAS DA ERVA-MATEPRAGAS DA ERVA-MATE
PRAGAS DA ERVA-MATE
Diego Cardoso
 

Semelhante a PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx (20)

Trabalho de agroecologia ppx.pptx
Trabalho de agroecologia ppx.pptxTrabalho de agroecologia ppx.pptx
Trabalho de agroecologia ppx.pptx
 
Bicudo no Algodoeiro
Bicudo no AlgodoeiroBicudo no Algodoeiro
Bicudo no Algodoeiro
 
Cultura do amendoim (Arachis hypogaea).pptx
Cultura do amendoim (Arachis hypogaea).pptxCultura do amendoim (Arachis hypogaea).pptx
Cultura do amendoim (Arachis hypogaea).pptx
 
Ciperaceas.pptx
Ciperaceas.pptxCiperaceas.pptx
Ciperaceas.pptx
 
HERBÁRIO Ramularia areola – Mancha-de-Ramulária Verticillium dahliae – Murc...
HERBÁRIO  Ramularia areola – Mancha-de-Ramulária  Verticillium dahliae – Murc...HERBÁRIO  Ramularia areola – Mancha-de-Ramulária  Verticillium dahliae – Murc...
HERBÁRIO Ramularia areola – Mancha-de-Ramulária Verticillium dahliae – Murc...
 
Mosca de abobora
Mosca de aboboraMosca de abobora
Mosca de abobora
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do Feijoeiro
 
Araucária angustifolia
Araucária angustifoliaAraucária angustifolia
Araucária angustifolia
 
Cultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeiraCultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeira
 
Pronto
ProntoPronto
Pronto
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da Soja
 
Insetos-Pragas
 Insetos-Pragas Insetos-Pragas
Insetos-Pragas
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
 
Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia
 
Pragas e doencas
Pragas e doencasPragas e doencas
Pragas e doencas
 
Conhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
Conhecimentos Gerais da Cultura do AmendoimConhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
Conhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
 
Pr+ütica filo nematoda
Pr+ütica filo nematodaPr+ütica filo nematoda
Pr+ütica filo nematoda
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
 
PRAGAS DA ERVA-MATE
PRAGAS DA ERVA-MATEPRAGAS DA ERVA-MATE
PRAGAS DA ERVA-MATE
 

Mais de JosFranciscoNogueira3

SEMINÁRIO Milho e Trigo – FAESB FINAL.pptx
SEMINÁRIO Milho e Trigo – FAESB FINAL.pptxSEMINÁRIO Milho e Trigo – FAESB FINAL.pptx
SEMINÁRIO Milho e Trigo – FAESB FINAL.pptx
JosFranciscoNogueira3
 
PESQUISA COM PERDAS PÓS-COLHEITA - JOSÉ e TALES.pptx
PESQUISA COM PERDAS PÓS-COLHEITA - JOSÉ e TALES.pptxPESQUISA COM PERDAS PÓS-COLHEITA - JOSÉ e TALES.pptx
PESQUISA COM PERDAS PÓS-COLHEITA - JOSÉ e TALES.pptx
JosFranciscoNogueira3
 
FITORREMEDIAÇÃO_DE_SOLOS - ISABELA,JOSÉ, MARCO, MARCOS e TALES.pptx
FITORREMEDIAÇÃO_DE_SOLOS - ISABELA,JOSÉ, MARCO, MARCOS e TALES.pptxFITORREMEDIAÇÃO_DE_SOLOS - ISABELA,JOSÉ, MARCO, MARCOS e TALES.pptx
FITORREMEDIAÇÃO_DE_SOLOS - ISABELA,JOSÉ, MARCO, MARCOS e TALES.pptx
JosFranciscoNogueira3
 
PÓS COLHEITA DE FRUTAS NO BRASIL - CITROS - JOSÉ e TALES.pptx
PÓS COLHEITA DE FRUTAS NO BRASIL - CITROS - JOSÉ e TALES.pptxPÓS COLHEITA DE FRUTAS NO BRASIL - CITROS - JOSÉ e TALES.pptx
PÓS COLHEITA DE FRUTAS NO BRASIL - CITROS - JOSÉ e TALES.pptx
JosFranciscoNogueira3
 
DOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptx
DOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptxDOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptx
DOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptx
JosFranciscoNogueira3
 
ENTOMOLOGIA APLICADA - TENDÊNCIAS, DESAFIOS E OPORTUNIDADES EM AGRICULTURA D...
ENTOMOLOGIA APLICADA - TENDÊNCIAS, DESAFIOS E OPORTUNIDADES EM AGRICULTURA D...ENTOMOLOGIA APLICADA - TENDÊNCIAS, DESAFIOS E OPORTUNIDADES EM AGRICULTURA D...
ENTOMOLOGIA APLICADA - TENDÊNCIAS, DESAFIOS E OPORTUNIDADES EM AGRICULTURA D...
JosFranciscoNogueira3
 
TRABALHO DE BIOQUÍMICA - ANA, JOSÉ, MARCO, MARCOS E TALES.pptx
TRABALHO DE BIOQUÍMICA - ANA, JOSÉ, MARCO, MARCOS E TALES.pptxTRABALHO DE BIOQUÍMICA - ANA, JOSÉ, MARCO, MARCOS E TALES.pptx
TRABALHO DE BIOQUÍMICA - ANA, JOSÉ, MARCO, MARCOS E TALES.pptx
JosFranciscoNogueira3
 
APRESENTAÇÃO - JOSÉ FRANCISCO NOGUEIRA FILHO.ppt
APRESENTAÇÃO - JOSÉ FRANCISCO NOGUEIRA FILHO.pptAPRESENTAÇÃO - JOSÉ FRANCISCO NOGUEIRA FILHO.ppt
APRESENTAÇÃO - JOSÉ FRANCISCO NOGUEIRA FILHO.ppt
JosFranciscoNogueira3
 

Mais de JosFranciscoNogueira3 (8)

SEMINÁRIO Milho e Trigo – FAESB FINAL.pptx
SEMINÁRIO Milho e Trigo – FAESB FINAL.pptxSEMINÁRIO Milho e Trigo – FAESB FINAL.pptx
SEMINÁRIO Milho e Trigo – FAESB FINAL.pptx
 
PESQUISA COM PERDAS PÓS-COLHEITA - JOSÉ e TALES.pptx
PESQUISA COM PERDAS PÓS-COLHEITA - JOSÉ e TALES.pptxPESQUISA COM PERDAS PÓS-COLHEITA - JOSÉ e TALES.pptx
PESQUISA COM PERDAS PÓS-COLHEITA - JOSÉ e TALES.pptx
 
FITORREMEDIAÇÃO_DE_SOLOS - ISABELA,JOSÉ, MARCO, MARCOS e TALES.pptx
FITORREMEDIAÇÃO_DE_SOLOS - ISABELA,JOSÉ, MARCO, MARCOS e TALES.pptxFITORREMEDIAÇÃO_DE_SOLOS - ISABELA,JOSÉ, MARCO, MARCOS e TALES.pptx
FITORREMEDIAÇÃO_DE_SOLOS - ISABELA,JOSÉ, MARCO, MARCOS e TALES.pptx
 
PÓS COLHEITA DE FRUTAS NO BRASIL - CITROS - JOSÉ e TALES.pptx
PÓS COLHEITA DE FRUTAS NO BRASIL - CITROS - JOSÉ e TALES.pptxPÓS COLHEITA DE FRUTAS NO BRASIL - CITROS - JOSÉ e TALES.pptx
PÓS COLHEITA DE FRUTAS NO BRASIL - CITROS - JOSÉ e TALES.pptx
 
DOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptx
DOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptxDOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptx
DOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptx
 
ENTOMOLOGIA APLICADA - TENDÊNCIAS, DESAFIOS E OPORTUNIDADES EM AGRICULTURA D...
ENTOMOLOGIA APLICADA - TENDÊNCIAS, DESAFIOS E OPORTUNIDADES EM AGRICULTURA D...ENTOMOLOGIA APLICADA - TENDÊNCIAS, DESAFIOS E OPORTUNIDADES EM AGRICULTURA D...
ENTOMOLOGIA APLICADA - TENDÊNCIAS, DESAFIOS E OPORTUNIDADES EM AGRICULTURA D...
 
TRABALHO DE BIOQUÍMICA - ANA, JOSÉ, MARCO, MARCOS E TALES.pptx
TRABALHO DE BIOQUÍMICA - ANA, JOSÉ, MARCO, MARCOS E TALES.pptxTRABALHO DE BIOQUÍMICA - ANA, JOSÉ, MARCO, MARCOS E TALES.pptx
TRABALHO DE BIOQUÍMICA - ANA, JOSÉ, MARCO, MARCOS E TALES.pptx
 
APRESENTAÇÃO - JOSÉ FRANCISCO NOGUEIRA FILHO.ppt
APRESENTAÇÃO - JOSÉ FRANCISCO NOGUEIRA FILHO.pptAPRESENTAÇÃO - JOSÉ FRANCISCO NOGUEIRA FILHO.ppt
APRESENTAÇÃO - JOSÉ FRANCISCO NOGUEIRA FILHO.ppt
 

Último

Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
carlos silva Rotersan
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
marcosmpereira
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
Vilson Stollmeier
 

Último (7)

Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
 

PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx

  • 1. PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS CITRICULTURA ALUNOS: JOSÉ FRANCISCO NOGUEIRA Fº TALES VINÍCIUS BRISOLA PROFESSOR: DR. VITOR BARRILE TOMAZELLA
  • 2. PSILÍDEO Diaphorina citri é o inseto vetor da bactéria Candidatus liberibacter spp., que causa o greening (huanglongbing/HLB).
  • 3. • Pior doença da citricultura na atualidade; • Mede de 2 a 3 milímetros e vive em plantas da família Rutaceae, principalmente em murtas e em todas as variedades de citros; • Originário do continente asiático; • Em 2004 foi quando o inseto passou a ser considerado uma grande ameaça para a citricultura no Brasil.
  • 5. MONITORAMENTO • O psilídeo está presente o ano todo no pomar, atingindo pico populacional entre a primavera e o verão principais fluxos vegetativos em anos chuvosos; • Também pode ocorrer alta população durante o outono e o inverno; • Tem freqüência maior na borda dos pomares, primeiro local que encontra ao migrar de uma propriedade para outra; • Sua incidência diminui no interior dos talhões e aumenta perto dos carreadores.
  • 6. MONITORAMENTO USO DE ARMADILHAS ADESIVAS AMARELAS PARA MONITORAR A ENTRADA E MOVIMENTAÇÃO DO INSETO NO POMAR.
  • 7. • Armadilhas instaladas a cada 100-250 metros, sempre posicionadas no terço superior das plantas, nas extremidades dos ramos e voltadas para fora na bordadura; • Contagem do número de psilídeos capturados, deve ocorrer semanalmente e a troca deve ser realizada a cada duas semanas. • Monitoramento deve ser feito semanalmente por meio de vistoria visual de 1% das plantas das bordas dos talhões e da propriedade, partindo sempre da bordadura para o centro; • Inspecionar de três a cinco ramos novos por planta, observando a presença de ovos, ninfas e adultos.
  • 8.
  • 9. MANEJO • As aplicações de defensivos, a partir do monitoramento; • Entre o final do inverno e primavera, que caracterizam as épocas de surtos vegetativos; • É necessário escolher produtos que façam parte da ProteCitrus (Produtos para Proteção da Citricultura), que contém os defensivos em conformidade com a legislação internacional.
  • 12. ANTES DO PLANTIO • Aplicação de inseticida sistêmico de um a cinco dias antes da saída da muda do viveiro. POMAR DE 0 A 3 ANOS E REPLANTAS • Aplicação de inseticida sistêmico (drench e/ou tronco) + inseticida foliar (pulverização). POMAR ACIMA DE 3 ANOS • Realizar pulverização em intervalo de 7 a 14 dias, principalmente em talhões localizados na borda da propriedade; • De copa para intervalos de até 7 dias. CONTROLE QUÍMICO
  • 13.
  • 14. CONTROLE QUÍMICO INSETICIDA FOLIAR • Realizar pulverização em intervalo de 7 a 14 dias, principalmente em talhões localizados na borda da propriedade e de copa para intervalos de até 7 dias. INSETICIDA SISTÊMICO (DRENCH E TRONCO) • Aplicar de 3 a 4 vezes/ano, principalmente no início dos fluxos vegetativos (maior população do psilídeo e plantas mais suscetíveis à inoculação da bactéria). ATENÇÃO • Respeitar período de carência dos produtos e não pulverizar neônicos durante o período da florada.
  • 15. MOSCA DAS FRUTAS FAMÍLIA TERPHRITIDAE • Mosca Sul-Americana (Anastrepha fraterculus); • Mosca do mediterrâneo (Ceratitis capitata). FAMÍLIA LONCHAEIDAE • Mosca da Mandioca (Neosilba spp).
  • 16. • As duas primeiras são nativas do Brasil e a ultima identificada em 1901; • Redução de 30 a 50% onde a ataque da praga; • Pomares próximos a cafezais são mais suscetíveis ao ataque da mosca do mediterrâneo; • Estado de São Paulo temos ataques da Ceratitis capitata, e da Anastrepha fraterculus.
  • 17. A MOSCA SUL AMERICANA Tem coloração predominantemente amarelada e mede cerca de 6,5 mm de comprimento. Nas asas há três faixas, em S e V invertido, que facilita seu reconhecimento. É a espécie que atinge o maior número de frutíferas do Brasil em 68 espécies. Anastrepha fraterculus
  • 18. A MOSCA DO MEDITERRÂNEO Tem o tórax negro com manchas esbranquiçadas e escutelo dilatado com estreita faixa amarela na base, e contém pontos negros na metade das asas. No Brasil desenvolve-se em 58 espécies de hospedeiros. Ceratitis capitata
  • 19. A MOSCA DA MANDIOCA Mede cerca 4 mm de comprimentos possuem asas transparentes e tem coloração brilhantes. Ainda há poucos estudos sobre infestações desta espécie nos pomares de laranja. Neosilba spp
  • 20. SINTOMAS • Durante a ovipozição a penetração de bactérias que inicia o processo de podridão do fruto; • No local é formada uma mancha de coloração marrom e a área lesionada fica mole; • As larvas consomem a polpa da fruta que cai e pode ser um indicador do ataque da praga; • A mosca pode atacar os frutos verdes que, nesse caso, atingem metade do tamanho.
  • 21.
  • 22. CICLO DE VIDA • Metamorfose completa, ovo, larva, pulpa, e adulto; • As fêmeas inserem seu ovipositor no interior dos frutos; • Depositam de 1 a 5 ovos por postura sendo Anastrepha fraterculus, enquanto em Ceratitis capitata é em massa; • Período de oviposição de 65 a 80 dias no caso de Anastrepha fraterculus, e nos Citros geralmente ocorre no inicio da maturação se estendendo até depois da colheita; • Na fase adulta a coloração predominante é o amarelo- alaranjado, com faixas no abdômen e comprimento aproximado em 7mm; • As larvas apresentam coloração amarelo- esbranquiçadas sem a presença de pernas; • Período de larvas podem variar de 7 á 14 dias, passando por 3 fases, medindo de 7 á 9mm, após esse período abandonam o fruto; • Fase pupal duram de 9 á 15 dias.
  • 24. PREJUIZOS • As larvas são resultante dos maiores prejuízos; • Destroem a polpa que resulta em alterações fisiológicas; • As fêmeas ao ovipositar ,causa uma porta de entrada para de patógenos; • Resultam em apodrecimento ,inviabilizando o comercio in natura.
  • 26. MONITORAMENTO • Armadilhas Mcphail, composta por atrativos; • Uso de 2 a 4 armadilhas por hectare; • Posicionar dentro das copas da plantas ¾.
  • 28. CONTROLE • Recomenda–se a coleta e ensacamento de frutos caídos, que devem ser enterrados em seguida a, pelo menos, 30 cm de profundidade; • Pode-se ainda utilizar iscas tóxicas por meio da adição de inseticidas nas armadilhas de monitoramento; • Nas áreas em que houver detecção de grande quantidade de moscas, deve-se realizar aplicação de inseticida associado com proteína hidrolisada (5%) ou melaço (10%), com jato dirigido ao terço superior da copa das plantas.
  • 29.
  • 30. Globo Rural Doença que atinge pomar de laranja preocupa produtores do Brasil e dos Estados Unidos - 27/01/2019
  • 32. • Huanglongbing/HLB: Doença do ramo ama- relo; • Greening: Esverdeamento; • Rutaceae: Plantas angiospérmicas (plantas com flor - divisão Magnoliophyta); • Drench: Aplicação de produtos de forma dosada em um jato dirigido; • In natura: são aqueles vendidos como foram obtidos direto da natureza; • Armadilhas Mcphail: Recipiente em forma de “pera” ou de cúpula.