SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Baixar para ler offline
Percevejo marrom
(Euschistus heros) na cultura
da soja (Glycine max (L.))
Percevejo marrom (Euschistus heros) na
cultura da soja (Glycine max (L.))
ACADEMICOS:
Confresa
2015
Adrielly Freitas da Silva Ferreira;
Arthur Paixão Correia.
DISCIPLINA: Entomologia Agrícola
DOCENTE: Ubiranei de Freitas Marinho
SOJA(Glycine max (L.)) CENTRO DE
ORIGEM
Continente Asiático (China Antiga);
 Base alimentar do povo chinês há mais de
5.000 anos;
 A soja surgiu domesticada, durante o século
XI A.C., na China;
Fonte: www.fundacaobunge.org.br/acervocmb/especial/soja/
SOJA(Glycine max (L.)) CENTRO DE
ORIGEM
 A soja foi introduzida no Brasil por Gustavo D’Utra, na
Bahia em 1882;
 Em São Paulo, foi cultivada pela primeira vez por
Daffert, em 1892, no Instituto Agronômico de
Campinas;
 Década de 60:
• Importância secundária;
 Últimos 50 anos possui um crescimento extraordinário.
SOJA(Glycine max (L.)) E SUA
IMPORTÂNCIA ECONÔMICA
Principal oleaginosa produzida e consumida
mundialmente;
 O agronegócio brasileiro é responsável por
24% do Produto Interno Bruto (PIB);
SOJA(Glycine max (L.)) E SUA
IMPORTÂNCIA ECONÔMICA
Os três maiores produtores de soja no Brasil são
os Estados do Mato Grosso (18,7 milhões Mg),
Paraná (14 milhões Mg) e Rio Grande do Sul
(10,2 milhões Mg) (CONAB, 2010);
Segundo maior produtor de soja e seus
derivados.
FAMÍLIA PENTATOMIDAE
Percevejos Fitófagos que atacam as culturas
agrícolas;
Popular: fede-fede ou percevejo fedorento;
760 gêneros e 4.100 espécies catalogadas,
incluindo os percevejos Dichelops melacanthus,
Euschistus heros e Piezodorus guildinii (GRAZIA et
al., 1999);
FAMÍLIA PENTATOMIDAE
Percevejo marrom (E. heros), o percevejo verde (Nezara
viridula) e o percevejo verde pequeno (Piezodorus
guildinii) (CORRÊA-FERREIRA e PANIZZI, 1999; HOFFMANN-
CAMPO et al., 2000; FUNDAÇÃO MT, 2002; EMBRAPA,
2003).
Fonte: (EMBRAPA 2004)
FAMÍLIA PENTATOMIDAE
Terrestres;
Alimentam - se de raiz, frutos em
desenvolvimento, sementes e até flores, porém, a
maioria desses insetos alimenta-se diretamente
da seiva dos vasos condutores da planta (GRAZIA
et al., 1999.
FAMÍLIA PENTATOMIDAE
 Hemípteros;
 Sugadores (formato de rostro articulado);
 Antenas setáceas;
 Asas anteriores conhecidas como hemiélitros: Parte
basal coreácea e uma apical membranosa;
 Liberam cheiro repelente;
FAMÍLIA PENTATOMIDAE
 Metamorfose incompleta;
 Olhos compostos;
 Tempo de vida: 50 a 120 dias;
Fases:
• Ovo, ninfa (composta de cinco estádios (íntares)) e
fase adulta;
Fecundidade de 120 a 170 ovos/ fêmea;
FAMÍLIA PENTATOMIDAE
 Fêmeas Maiores;
 Machos com uma placa única e nas fêmeas com duas
placas laterais.
Fonte: percevejos. Com.br
PERCEVEJO MARROM (Euschistus
heros)
 Segundo Grazia et al. (1999) são classificados taxonomicamente
da seguinte forma:
Filo: Arthropoda
Superclasse: Hexapoda
Classe: Insecta
Ordem: Hemiptera
Subordem: Heteroptera
Infraordem: Pentatomomorpha
Superfamília: Pentatomoidea
Família: Pentatomidae
Subfamília: Pentatominae
Gênero: Euschistus Dichelops
Espécie: Euschistus heros
PERCEVEJO MARROM (Euschistus
heros)
Espécie mais abundante em lavouras de soja;
Ovoposição de 1 a 25 ovos;
Ovos são postos em fileiras duplas;
Incubação: 7 dias;
Coloração amarela;
Fonte:bayercontralagartas.com.br
/portal/pragas/percevejos/
PERCEVEJO MARROM (Euschistus
heros)
Ovos Adultos 38,6 dias
Vivem de 46 a 52 dias (COSTA et al., 1998) ou de
116 a 300 dias Corrêa-Ferreira e Panizzi (1999);
PERCEVEJO MARROM (Euschistus
heros)
Reprodução:
• 24° C;
• 287, 2 ovos/ fêmea;
 Adultos:
• Marrom;
• 11 mm de comprimento;
• Meia lua branca no dorso.
3° Instar
4° Instar
5° Instar
FASES DE DESENVOLVIMENTO DO
PERCEVEJO
Fonte: (EMBRAPA 2004)
DANOS GERAIS
Afeta no rendimento e qualidade das sementes;
Abortamento das vargens;
Os grãos:
Menores, enrugados, chochos e com a cor mais
escura que o normal;
Altera o teor de proteína e de óleo.
Fonte: (EMBRAPA 2004)
Fonte: www.revistaagropecuaria.com.br
Amostragem
“Pano de batida”;
Os percevejos são contados e o resultado
anotado em ficha;
Uma vez por semana( a partir das fase R3 até a
R7).
Fonte: www.revistaagropecuaria.com.br
Métodos de Controle de Percevejos
Controle Químico;
Controle Biológico(Trissolcus Basalis);
Controle Físico.
Conclusões Finais
O conhecimento sobre pragas é de suma
importância para a Agricultura, pois é através do
conhecimentos sobre elas que o agricultor e o
técnico responsável pode realizar os devidos controles
e assim garanti que a seja superior.
Desta forma, há sempre a necessidade de ter sempre
em mente que o manejo eficiente requer atenção e
monitoramento constante das populações dos
percevejos.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB. Acompanhamento da safra
brasileira: grãos, oitavo levantamento. Brasília: CONAB, 2011. 46p.
 GRAZIA, J.; FORTES, N. D. F. ; CAMPOS, L. A. . Superfamilia Pentatomoidea. In:
BRANDÃO, C.R.F.; CANCELLO, E.M. Invertebrados Terrestres: biodiversidade do
Estado de São Paulo. Síntese do conhecimento ao final do século XXI. São Paulo:
FAPESP, 1999, p. 101-112.
 CORRÊA-FERREIRA, B.S.; PANIZZI, A.R. Percevejos da soja e seu manejo. Londrina:
Embrapa Soja, 1999. 45p. (Circular Técnica Nº 24).
 HOFFMANN-CAMPO, C. B.; et al. Pragas da soja no Brasil e seu manejo integrado.
Londrina: Embrapa Soja, 2000. 70p. (Circular Técnica Nº 30).
OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro Geagra UFG
 
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresReguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresGeagra UFG
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesGeraldo Henrique
 
Mecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidasMecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidasGeagra UFG
 
Morfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiroMorfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiroMatheus Majela
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoGeagra UFG
 
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementesUnidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementesBruno Rodrigues
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoGeagra UFG
 
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozGeagra UFG
 
Melhoramento genético e produção de semente para a cultura do Milho
Melhoramento genético e produção de semente para a cultura do MilhoMelhoramento genético e produção de semente para a cultura do Milho
Melhoramento genético e produção de semente para a cultura do MilhoGeagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na sojaGeagra UFG
 
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozManejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozGeagra UFG
 
Manual pragas agroceres
Manual pragas agroceres Manual pragas agroceres
Manual pragas agroceres Stéfane Faria
 
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGrupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGeagra UFG
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasAgriculturaSustentavel
 
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHO
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHOBIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHO
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHOGeagra UFG
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozGeagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro
 
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresReguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementes
 
Mecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidasMecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidas
 
Morfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiroMorfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiro
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementesUnidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
 
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do Arroz
 
Melhoramento genético e produção de semente para a cultura do Milho
Melhoramento genético e produção de semente para a cultura do MilhoMelhoramento genético e produção de semente para a cultura do Milho
Melhoramento genético e produção de semente para a cultura do Milho
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozManejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
 
Manual pragas agroceres
Manual pragas agroceres Manual pragas agroceres
Manual pragas agroceres
 
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGrupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
Cana de açúcar!
Cana de açúcar!Cana de açúcar!
Cana de açúcar!
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da Soja
 
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHO
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHOBIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHO
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHO
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do Arroz
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
 

Destaque

Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da sojaAdrielly Freitas da Silva
 
Mip soja percevejo marrom
Mip soja   percevejo marromMip soja   percevejo marrom
Mip soja percevejo marromEdiney Dias
 
Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...
Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...
Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...IRAC-BR
 
Portfólio: Espinosinas, Neonicotinóides e Piretróides
Portfólio: Espinosinas, Neonicotinóides e PiretróidesPortfólio: Espinosinas, Neonicotinóides e Piretróides
Portfólio: Espinosinas, Neonicotinóides e PiretróidesGeagra UFG
 
Agricultura de precisão para monitoramento de pragas
Agricultura de precisão para monitoramento de pragasAgricultura de precisão para monitoramento de pragas
Agricultura de precisão para monitoramento de pragasstrideragro
 
III WSF, Campinas – Adeney de Freitas Bueno - Manejo do complexo de lagartas ...
III WSF, Campinas – Adeney de Freitas Bueno - Manejo do complexo de lagartas ...III WSF, Campinas – Adeney de Freitas Bueno - Manejo do complexo de lagartas ...
III WSF, Campinas – Adeney de Freitas Bueno - Manejo do complexo de lagartas ...Oxya Agro e Biociências
 
Aula defensivos agricolas
Aula defensivos agricolasAula defensivos agricolas
Aula defensivos agricolasAdriana Madeira
 
III WSF, Campinas – Mario Eidi Sato - Monitoramento e prevenção da resistênci...
III WSF, Campinas – Mario Eidi Sato - Monitoramento e prevenção da resistênci...III WSF, Campinas – Mario Eidi Sato - Monitoramento e prevenção da resistênci...
III WSF, Campinas – Mario Eidi Sato - Monitoramento e prevenção da resistênci...Oxya Agro e Biociências
 
Monoriamento
MonoriamentoMonoriamento
Monoriamentounesp
 
Manejo de Milho: Tratamento de sementes e plantio
Manejo de Milho: Tratamento de sementes e plantioManejo de Milho: Tratamento de sementes e plantio
Manejo de Milho: Tratamento de sementes e plantioAM Placas Ltda. Placas
 
Ferrugem do soja
Ferrugem do soja Ferrugem do soja
Ferrugem do soja André Sá
 
Soja - OGM
Soja - OGMSoja - OGM
Soja - OGMBiomap
 
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do BrasilCultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do BrasilIRAC-BR
 
Soja - Pragas (Insetos soja)
Soja - Pragas   (Insetos soja)Soja - Pragas   (Insetos soja)
Soja - Pragas (Insetos soja)André Sá
 
Aplicações Foliares - Nutrição e Fitormônios
Aplicações Foliares - Nutrição e FitormôniosAplicações Foliares - Nutrição e Fitormônios
Aplicações Foliares - Nutrição e FitormôniosGeagra UFG
 

Destaque (20)

Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
 
Mip soja percevejo marrom
Mip soja   percevejo marromMip soja   percevejo marrom
Mip soja percevejo marrom
 
Manual Pragas
Manual PragasManual Pragas
Manual Pragas
 
Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...
Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...
Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...
 
Portfólio: Espinosinas, Neonicotinóides e Piretróides
Portfólio: Espinosinas, Neonicotinóides e PiretróidesPortfólio: Espinosinas, Neonicotinóides e Piretróides
Portfólio: Espinosinas, Neonicotinóides e Piretróides
 
Agricultura de precisão para monitoramento de pragas
Agricultura de precisão para monitoramento de pragasAgricultura de precisão para monitoramento de pragas
Agricultura de precisão para monitoramento de pragas
 
III WSF, Campinas – Adeney de Freitas Bueno - Manejo do complexo de lagartas ...
III WSF, Campinas – Adeney de Freitas Bueno - Manejo do complexo de lagartas ...III WSF, Campinas – Adeney de Freitas Bueno - Manejo do complexo de lagartas ...
III WSF, Campinas – Adeney de Freitas Bueno - Manejo do complexo de lagartas ...
 
Pragas da Soja
Pragas da SojaPragas da Soja
Pragas da Soja
 
Aula defensivos agricolas
Aula defensivos agricolasAula defensivos agricolas
Aula defensivos agricolas
 
Mip soja
Mip sojaMip soja
Mip soja
 
III WSF, Campinas – Mario Eidi Sato - Monitoramento e prevenção da resistênci...
III WSF, Campinas – Mario Eidi Sato - Monitoramento e prevenção da resistênci...III WSF, Campinas – Mario Eidi Sato - Monitoramento e prevenção da resistênci...
III WSF, Campinas – Mario Eidi Sato - Monitoramento e prevenção da resistênci...
 
Authority
Authority Authority
Authority
 
Monoriamento
MonoriamentoMonoriamento
Monoriamento
 
Manejo de Milho: Tratamento de sementes e plantio
Manejo de Milho: Tratamento de sementes e plantioManejo de Milho: Tratamento de sementes e plantio
Manejo de Milho: Tratamento de sementes e plantio
 
Ferrugem do soja
Ferrugem do soja Ferrugem do soja
Ferrugem do soja
 
Soja - OGM
Soja - OGMSoja - OGM
Soja - OGM
 
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do BrasilCultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
 
Soja - Pragas (Insetos soja)
Soja - Pragas   (Insetos soja)Soja - Pragas   (Insetos soja)
Soja - Pragas (Insetos soja)
 
Receita plantas cartilha_web
Receita plantas cartilha_webReceita plantas cartilha_web
Receita plantas cartilha_web
 
Aplicações Foliares - Nutrição e Fitormônios
Aplicações Foliares - Nutrição e FitormôniosAplicações Foliares - Nutrição e Fitormônios
Aplicações Foliares - Nutrição e Fitormônios
 

Semelhante a Percevejo marrom na soja

Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaGeagra UFG
 
09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf
09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf
09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdfThiagoMenezes85
 
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agriculturaUnidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agriculturaBruno Rodrigues
 
Reino vegetal aprofundamento
Reino vegetal aprofundamentoReino vegetal aprofundamento
Reino vegetal aprofundamentoletyap
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasGeagra UFG
 
Denise Araújo Alves - Abelhas Sem Ferrão
Denise Araújo Alves - Abelhas Sem FerrãoDenise Araújo Alves - Abelhas Sem Ferrão
Denise Araújo Alves - Abelhas Sem FerrãoApiculturaeAgricultura
 
Bicudo no Algodoeiro
Bicudo no AlgodoeiroBicudo no Algodoeiro
Bicudo no AlgodoeiroGeagra UFG
 

Semelhante a Percevejo marrom na soja (20)

Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
 
Aula de Manejo de Recursos Fitogenéticos Parte 2
Aula de Manejo de Recursos Fitogenéticos Parte 2Aula de Manejo de Recursos Fitogenéticos Parte 2
Aula de Manejo de Recursos Fitogenéticos Parte 2
 
Pragas da cana
Pragas da canaPragas da cana
Pragas da cana
 
Jornapis 3
Jornapis 3Jornapis 3
Jornapis 3
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
 
Appis mellifera
Appis melliferaAppis mellifera
Appis mellifera
 
aula1-plantasmedicinais.pdf
aula1-plantasmedicinais.pdfaula1-plantasmedicinais.pdf
aula1-plantasmedicinais.pdf
 
09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf
09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf
09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf
 
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agriculturaUnidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
 
Moluscos de interesse agrícola
Moluscos de interesse agrícolaMoluscos de interesse agrícola
Moluscos de interesse agrícola
 
Aula soja
Aula sojaAula soja
Aula soja
 
Reino vegetal aprofundamento
Reino vegetal aprofundamentoReino vegetal aprofundamento
Reino vegetal aprofundamento
 
Importancia Sementes
Importancia SementesImportancia Sementes
Importancia Sementes
 
Ranicultura
RaniculturaRanicultura
Ranicultura
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
 
Denise Araújo Alves - Abelhas Sem Ferrão
Denise Araújo Alves - Abelhas Sem FerrãoDenise Araújo Alves - Abelhas Sem Ferrão
Denise Araújo Alves - Abelhas Sem Ferrão
 
Bicudo no Algodoeiro
Bicudo no AlgodoeiroBicudo no Algodoeiro
Bicudo no Algodoeiro
 
Importância dos recursos fitogenéticos.pptx
Importância dos recursos fitogenéticos.pptxImportância dos recursos fitogenéticos.pptx
Importância dos recursos fitogenéticos.pptx
 
Classificação do reino plantae
Classificação do reino plantaeClassificação do reino plantae
Classificação do reino plantae
 

Último

Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 

Último (20)

Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 

Percevejo marrom na soja

  • 1. Percevejo marrom (Euschistus heros) na cultura da soja (Glycine max (L.))
  • 2. Percevejo marrom (Euschistus heros) na cultura da soja (Glycine max (L.)) ACADEMICOS: Confresa 2015 Adrielly Freitas da Silva Ferreira; Arthur Paixão Correia. DISCIPLINA: Entomologia Agrícola DOCENTE: Ubiranei de Freitas Marinho
  • 3. SOJA(Glycine max (L.)) CENTRO DE ORIGEM Continente Asiático (China Antiga);  Base alimentar do povo chinês há mais de 5.000 anos;  A soja surgiu domesticada, durante o século XI A.C., na China;
  • 5. SOJA(Glycine max (L.)) CENTRO DE ORIGEM  A soja foi introduzida no Brasil por Gustavo D’Utra, na Bahia em 1882;  Em São Paulo, foi cultivada pela primeira vez por Daffert, em 1892, no Instituto Agronômico de Campinas;  Década de 60: • Importância secundária;  Últimos 50 anos possui um crescimento extraordinário.
  • 6. SOJA(Glycine max (L.)) E SUA IMPORTÂNCIA ECONÔMICA Principal oleaginosa produzida e consumida mundialmente;  O agronegócio brasileiro é responsável por 24% do Produto Interno Bruto (PIB);
  • 7. SOJA(Glycine max (L.)) E SUA IMPORTÂNCIA ECONÔMICA Os três maiores produtores de soja no Brasil são os Estados do Mato Grosso (18,7 milhões Mg), Paraná (14 milhões Mg) e Rio Grande do Sul (10,2 milhões Mg) (CONAB, 2010); Segundo maior produtor de soja e seus derivados.
  • 8. FAMÍLIA PENTATOMIDAE Percevejos Fitófagos que atacam as culturas agrícolas; Popular: fede-fede ou percevejo fedorento; 760 gêneros e 4.100 espécies catalogadas, incluindo os percevejos Dichelops melacanthus, Euschistus heros e Piezodorus guildinii (GRAZIA et al., 1999);
  • 9. FAMÍLIA PENTATOMIDAE Percevejo marrom (E. heros), o percevejo verde (Nezara viridula) e o percevejo verde pequeno (Piezodorus guildinii) (CORRÊA-FERREIRA e PANIZZI, 1999; HOFFMANN- CAMPO et al., 2000; FUNDAÇÃO MT, 2002; EMBRAPA, 2003). Fonte: (EMBRAPA 2004)
  • 10. FAMÍLIA PENTATOMIDAE Terrestres; Alimentam - se de raiz, frutos em desenvolvimento, sementes e até flores, porém, a maioria desses insetos alimenta-se diretamente da seiva dos vasos condutores da planta (GRAZIA et al., 1999.
  • 11. FAMÍLIA PENTATOMIDAE  Hemípteros;  Sugadores (formato de rostro articulado);  Antenas setáceas;  Asas anteriores conhecidas como hemiélitros: Parte basal coreácea e uma apical membranosa;  Liberam cheiro repelente;
  • 12. FAMÍLIA PENTATOMIDAE  Metamorfose incompleta;  Olhos compostos;  Tempo de vida: 50 a 120 dias; Fases: • Ovo, ninfa (composta de cinco estádios (íntares)) e fase adulta; Fecundidade de 120 a 170 ovos/ fêmea;
  • 13. FAMÍLIA PENTATOMIDAE  Fêmeas Maiores;  Machos com uma placa única e nas fêmeas com duas placas laterais. Fonte: percevejos. Com.br
  • 14.
  • 15. PERCEVEJO MARROM (Euschistus heros)  Segundo Grazia et al. (1999) são classificados taxonomicamente da seguinte forma: Filo: Arthropoda Superclasse: Hexapoda Classe: Insecta Ordem: Hemiptera Subordem: Heteroptera Infraordem: Pentatomomorpha Superfamília: Pentatomoidea Família: Pentatomidae Subfamília: Pentatominae Gênero: Euschistus Dichelops Espécie: Euschistus heros
  • 16. PERCEVEJO MARROM (Euschistus heros) Espécie mais abundante em lavouras de soja; Ovoposição de 1 a 25 ovos; Ovos são postos em fileiras duplas; Incubação: 7 dias; Coloração amarela; Fonte:bayercontralagartas.com.br /portal/pragas/percevejos/
  • 17. PERCEVEJO MARROM (Euschistus heros) Ovos Adultos 38,6 dias Vivem de 46 a 52 dias (COSTA et al., 1998) ou de 116 a 300 dias Corrêa-Ferreira e Panizzi (1999);
  • 18. PERCEVEJO MARROM (Euschistus heros) Reprodução: • 24° C; • 287, 2 ovos/ fêmea;  Adultos: • Marrom; • 11 mm de comprimento; • Meia lua branca no dorso.
  • 20. FASES DE DESENVOLVIMENTO DO PERCEVEJO Fonte: (EMBRAPA 2004)
  • 21. DANOS GERAIS Afeta no rendimento e qualidade das sementes; Abortamento das vargens; Os grãos: Menores, enrugados, chochos e com a cor mais escura que o normal; Altera o teor de proteína e de óleo.
  • 24. Amostragem “Pano de batida”; Os percevejos são contados e o resultado anotado em ficha; Uma vez por semana( a partir das fase R3 até a R7). Fonte: www.revistaagropecuaria.com.br
  • 25. Métodos de Controle de Percevejos Controle Químico; Controle Biológico(Trissolcus Basalis); Controle Físico.
  • 26. Conclusões Finais O conhecimento sobre pragas é de suma importância para a Agricultura, pois é através do conhecimentos sobre elas que o agricultor e o técnico responsável pode realizar os devidos controles e assim garanti que a seja superior. Desta forma, há sempre a necessidade de ter sempre em mente que o manejo eficiente requer atenção e monitoramento constante das populações dos percevejos.
  • 27. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB. Acompanhamento da safra brasileira: grãos, oitavo levantamento. Brasília: CONAB, 2011. 46p.  GRAZIA, J.; FORTES, N. D. F. ; CAMPOS, L. A. . Superfamilia Pentatomoidea. In: BRANDÃO, C.R.F.; CANCELLO, E.M. Invertebrados Terrestres: biodiversidade do Estado de São Paulo. Síntese do conhecimento ao final do século XXI. São Paulo: FAPESP, 1999, p. 101-112.  CORRÊA-FERREIRA, B.S.; PANIZZI, A.R. Percevejos da soja e seu manejo. Londrina: Embrapa Soja, 1999. 45p. (Circular Técnica Nº 24).  HOFFMANN-CAMPO, C. B.; et al. Pragas da soja no Brasil e seu manejo integrado. Londrina: Embrapa Soja, 2000. 70p. (Circular Técnica Nº 30).