SlideShare uma empresa Scribd logo
Autora:
Vania Patalano
Vamos começar?
Se você disser que sim, precisará ser um técnico em enfermagem, pois a esmeralda é a
pedra que representa essa profissão.
O verde simboliza a tranquilidade, a cura e a saúde que deverão estar sempre presentes
nos objetivos desses profissionais.
Já que estamos falando de símbolos... que tal estudarmos um pouco sobre linguagem
verbal e não verbal?
Quando lidamos com pacientes, precisamos estar atentos a todas as formas de
comunicação.
Os pacientes nos enviam mensagens não necessariamente por meio das palavras. Às
vezes, um olhar, um movimento corporal, um semblante podem nos dizer muito mais
sobre como o paciente está se sentindo do que imaginamos.
Portanto, o sucesso de um bom
desempenho depende muito da
qualidade de nossa comunicação.
Fique por dentro
Para se comunicar, o homem inventou gestos, símbolos, palavras, sinais, cores, formas etc. e
deu a eles um significado. Todas essas invenções são o que chamamos de signo linguístico.
Se escolhermos as palavras, estaremos utilizando a linguagem verbal.
Se escolhermos outros signos, estaremos utilizando a linguagem não verbal.
Veja alguns exemplos:
Linguagem não verbal Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal
Para entender a importância da comunicação na carreira
de um profissional da saúde, seja ele médico, enfermeiro
ou técnico em enfermagem, leia sobre O PAPEL DA
COMUNICAÇÃO NA HUMANIZAÇÃO DA ATENÇÃO À
SAÚDE, de autoria de Maria Júlia Paes da Silva em:
http://www.ciape.org.br/matdidatico/en
fermagem/anadias/papel.pdf
Navegando...
Na relação técnico-paciente, o segundo deve ser o foco das
atenções, pois é ele quem está em uma situação frágil,
independentemente do grau da enfermidade.
Procurar entender cada paciente na sua complexidade exigirá,
portanto, um comportamento observador, cauteloso e
humanizado por parte do técnico em enfermagem.
Por isso, a ficha de evolução do paciente será um dos
principais instrumentos que lhe ajudarão a conhecer e tratar
bem do seu cliente hospitalar.
É fundamental preenchê-la na sua integralidade, com clareza
e objetividade, utilizando a norma culta de nossa língua.
Lembre-se de que a ficha é do paciente e que outros
profissionais precisarão acessá-la também.
VOCÊ NUNCA PAROU PARA PENSAR QUE O REGISTRO CORRETO DA FICHA É UMA
SEGURANÇA PARA O PACIENTE E PARA VOCÊ?
SE NÃO...COMECE A PENSAR NISSO DESDE JÁ.
Importância do preenchimento adequado e metódico. O
prontuário é essencialmente do paciente, não do médico. É
fundamental que todos os profissionais que lidam com o
enfermo façam ali suas anotações. É imprescindível a
formação do hábito cultural de escrever metodicamente no
prontuário. Isso estimula os profissionais assistentes a
conhecer mais o paciente e sua doença. Pressa,
negligência, desconhecimento sobre como preencher e
outras circunstâncias concorrem para a má utilização do
prontuário.
http://www.crmdf.org.br/sistemas/biblioteca/files/7
.pdf
Vamos comparar dois textos de uma folha de
prescrição?
Veja em qual deles a informação está mais
precisa e fácil de ser compreendida.
Mas, antes, acesse o manual do Hospital
Sírio-Libanês para ler sobre várias “dicas”
sobre preenchimento de prontuários e fichas
de evolução dos pacientes.
Aprenda com quem tem muita prática e
experiência profissional.
http://www.hospitalsiriolibanes.org.br/Docu
ments/e-mail/manual-preenchimento-
prontuario-2012.pdf
19/7/2013 - Paciente idosa, sudoreica, dispneica. Apresenta-se
hipotensa. HV em curso em veia periférica. Apresentou piora do quadro
clínico, sendo instalado TOT. Instalada SNG (em sifonagem). Passada
SVD.
Assinatura e carimbo
Texto I
19/7/2013 – 17h. Paciente de 60 anos encaminhada para a sala de emergência da
clínica médica com sudorese fria, cianose de extremidade e ausência de resposta aos
estímulos táteis. Apresenta desconforto respiratório importante, hipotensão (90 x 55
mmHg), perfusão periférica insuficiente, mantém cateter venoso periférico na face
interna do antebraço direito recebendo soroterapia e medicação, fluindo bem. Às
17h15min foi instalada expansão com soro fisiológico. Por piora do estado geral, às
17h30min iniciou-se a entubação traqueal pelo plantonista Dr. Marcelo Mazzo. Às
17h45min foi entubada com sucesso com cânula orotraqueal n. 7,5 com cuff e mantido
em ventilação mecânica. Às 18h foi passada Sonda nasogástrica n. 14 em narina
esquerda e mantida aberta com débito verde-escuro. Às 18h45, foi passada Sonda
Vesical de Demora n. 16 por solicitação e prescrição do Dr. Marcelo, procedimento
realizado pela enfermeira, sem intercorrência; apresenta 150 ml de débito amarelo-
escuro.
Assinatura e carimbo.
Texto II
Viu só? Não foi muito difícil identificar em qual texto o estado de saúde do
paciente foi explicitado com clareza.
O segundo texto possui uma linguagem objetiva, fornece dados numéricos
precisos (data, hora, idade, tamanhos, dimensões, unidades de medida
etc.), descreve os procedimentos adotados de acordo com as necessidades
do paciente, não usa termos vagos, genéricos, abreviaturas
desnecessárias, expressões complexas ou excessivas; cita o nome dos
responsáveis e não contém erros ortográficos ou gramaticais. Mesmo um
profissional que não fosse da área de saúde conseguiria entender, de
maneira geral, a gravidade das condições de saúde desse paciente fictício.
Você sabia que o Hospital Albert Einstein possui cursos on line gratuitos
destinados a todos os profissionais de saúde? Faça uma visita a
http://www.einstein.br/Ensino/cursos-abertos/Paginas/cursos-
abertos.aspx e escolha um tema de sua preferência.
Agora é sua vez!
Observe as duas campanhas publicitárias abaixo que têm como tema a luta pela
erradicação da poliomielite no Brasil.
Em seguida compare-as, apontando as diferenças e as semelhanças entre elas na
divulgação das campanhas de vacinação.
Na charge a seguir, o artista se utiliza da linguagem verbal e não verbal para fazer
uma crítica político-social.
A que ou a quem sua crítica se direciona?
Que elementos da charge dão o traço irônico da mensagem?
Qual foi a reação dos estudantes ao ouvirem a fala do professor?
Gabarito
Confira suas respostas.
Análise das fotos.
Na primeira foto, a criança está saudável e ansiosa para a chegada do dia da
vacinação. Com a língua de fora, ela expressa a vontade de receber as gotinhas
da vacina. Trata-se de uma campanha que deseja passar a mensagem de que
vacinas são medicamentos normais e que ninguém deve temê-las.
Na segunda foto, a criança já foi vitimada pela doença, ou seja, ela não havia
recebido a vacina anteriormente. É uma imagem triste que mostra o sofrimento da
criança que ficou diferente das outras, que não pode brincar, fica limitada e
excluída socialmente. Trata-se de uma mensagem de advertência para os
responsáveis de crianças que não podem ser negligentes com a vacinação.
Charge
A charge faz uma crítica às péssimas condições de atendimento do sistema
público de saúde brasileiro.
O tom de ironia está na frase no topo da charge, no nome da nova disciplina e na
fala do professor.
Os estudantes arregalaram os olhos e ficaram assustados com a introdução da
nova disciplina.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
ivanaferraz
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Luziane Costa
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
Jardiel7
 
Humanização na saude
Humanização na saudeHumanização na saude
Humanização na saude
Juliermeson Morais
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de EnfermagemTeorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
Enf.Savana das G.
 
Registros de Enfermagem
Registros de EnfermagemRegistros de Enfermagem
Registros de Enfermagem
Andréa Dantas
 
Humanizar o atendimento na saúde
Humanizar o atendimento na saúdeHumanizar o atendimento na saúde
Humanizar o atendimento na saúde
WM Treinamentos Cursos e Palestras Ltda
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
Faculdade União das Américas
 
Palestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no AtendimentoPalestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no Atendimento
Fabiano Ladislau
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
Aliny Lima
 
Comunicação na Saúde
Comunicação na Saúde Comunicação na Saúde
Comunicação na Saúde
ÊXITO Marketing
 
Paciente em fase terminal
Paciente em fase terminalPaciente em fase terminal
Paciente em fase terminal
Rodrigo Abreu
 
O trabalho em equipe na saúde
O trabalho em equipe na saúdeO trabalho em equipe na saúde
O trabalho em equipe na saúde
Luís Fernando Tófoli
 
O Cuidar
O CuidarO Cuidar
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
Maria Gabriela Gomes Cavalcante
 
Aula técnica de higiene das mãos
Aula  técnica de higiene das mãosAula  técnica de higiene das mãos
Aula técnica de higiene das mãos
Áurea Fabrícia Amâncio Quirino
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
joselene beatriz
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Aula 03 eticaepostura
Aula 03    eticaeposturaAula 03    eticaepostura
Aula 03 eticaepostura
Sabrina Felgueiras
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3
9999894014
 

Mais procurados (20)

Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Humanização na saude
Humanização na saudeHumanização na saude
Humanização na saude
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de EnfermagemTeorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Registros de Enfermagem
Registros de EnfermagemRegistros de Enfermagem
Registros de Enfermagem
 
Humanizar o atendimento na saúde
Humanizar o atendimento na saúdeHumanizar o atendimento na saúde
Humanizar o atendimento na saúde
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
 
Palestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no AtendimentoPalestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no Atendimento
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
 
Comunicação na Saúde
Comunicação na Saúde Comunicação na Saúde
Comunicação na Saúde
 
Paciente em fase terminal
Paciente em fase terminalPaciente em fase terminal
Paciente em fase terminal
 
O trabalho em equipe na saúde
O trabalho em equipe na saúdeO trabalho em equipe na saúde
O trabalho em equipe na saúde
 
O Cuidar
O CuidarO Cuidar
O Cuidar
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
Aula técnica de higiene das mãos
Aula  técnica de higiene das mãosAula  técnica de higiene das mãos
Aula técnica de higiene das mãos
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Aula 03 eticaepostura
Aula 03    eticaeposturaAula 03    eticaepostura
Aula 03 eticaepostura
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3
 

Destaque

Comunicação Verbal e Não Verbal
Comunicação Verbal e Não VerbalComunicação Verbal e Não Verbal
Comunicação Verbal e Não Verbal
Andreza Oliveira
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
Andreia Jaqueline Bach
 
Linguagem verbal e não verbal, sincrética com imagens e mensagens subliminares
Linguagem verbal e não verbal, sincrética com imagens e mensagens subliminaresLinguagem verbal e não verbal, sincrética com imagens e mensagens subliminares
Linguagem verbal e não verbal, sincrética com imagens e mensagens subliminares
Joyce de Oliveira
 
Tipos de linguagem (verbal e não verbal)
Tipos de  linguagem (verbal e não verbal)Tipos de  linguagem (verbal e não verbal)
Tipos de linguagem (verbal e não verbal)
IFMS - Instituto Federal de Mato Grosso do Sul
 
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
Angélica Manenti
 
Linguagem verbal e não-verbal
Linguagem verbal e não-verbalLinguagem verbal e não-verbal
Linguagem verbal e não-verbal
Tânia Regina
 
Linguagem verbal e não verbal aula 03
Linguagem verbal e não verbal   aula 03Linguagem verbal e não verbal   aula 03
Linguagem verbal e não verbal aula 03
Jorge Martins
 
Linguagem nao verbal
Linguagem nao verbalLinguagem nao verbal
Linguagem nao verbal
elimaciel
 
Comunicação não verbal
Comunicação não verbalComunicação não verbal
Comunicação não verbal
Selma Oliveira
 
Tic verbal e não verbal
Tic verbal e não verbalTic verbal e não verbal
Tic verbal e não verbal
anabendertenutes
 
Tipos de linguagem
Tipos de linguagemTipos de linguagem
Tipos de linguagem
Glaucivaldo Coelho
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
jayarruda
 
Linguagem Verbal e Não Verbal
Linguagem Verbal e Não VerbalLinguagem Verbal e Não Verbal
Linguagem Verbal e Não Verbal
kalledonian
 
Aula4 linguagem verbal e não verbal prof andre luiz
Aula4  linguagem verbal e não verbal prof andre luizAula4  linguagem verbal e não verbal prof andre luiz
Aula4 linguagem verbal e não verbal prof andre luiz
André Figundio
 
Comunicação em saúde
Comunicação em saúdeComunicação em saúde
Tipos de linguagem e funções de linguagem
Tipos de linguagem e funções de linguagemTipos de linguagem e funções de linguagem
Tipos de linguagem e funções de linguagem
Lucia Helena Pereira
 
Linguagem
LinguagemLinguagem
Linguagem
Carina Aguiar
 
Linguagem e Comunicação
Linguagem e ComunicaçãoLinguagem e Comunicação
Linguagem e Comunicação
7 de Setembro
 
LÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEMLÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEM
Fatima Andreia Tamanini
 
Comunicação não verbal
Comunicação não verbalComunicação não verbal
Comunicação não verbal
SMS - Petrópolis
 

Destaque (20)

Comunicação Verbal e Não Verbal
Comunicação Verbal e Não VerbalComunicação Verbal e Não Verbal
Comunicação Verbal e Não Verbal
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
 
Linguagem verbal e não verbal, sincrética com imagens e mensagens subliminares
Linguagem verbal e não verbal, sincrética com imagens e mensagens subliminaresLinguagem verbal e não verbal, sincrética com imagens e mensagens subliminares
Linguagem verbal e não verbal, sincrética com imagens e mensagens subliminares
 
Tipos de linguagem (verbal e não verbal)
Tipos de  linguagem (verbal e não verbal)Tipos de  linguagem (verbal e não verbal)
Tipos de linguagem (verbal e não verbal)
 
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
 
Linguagem verbal e não-verbal
Linguagem verbal e não-verbalLinguagem verbal e não-verbal
Linguagem verbal e não-verbal
 
Linguagem verbal e não verbal aula 03
Linguagem verbal e não verbal   aula 03Linguagem verbal e não verbal   aula 03
Linguagem verbal e não verbal aula 03
 
Linguagem nao verbal
Linguagem nao verbalLinguagem nao verbal
Linguagem nao verbal
 
Comunicação não verbal
Comunicação não verbalComunicação não verbal
Comunicação não verbal
 
Tic verbal e não verbal
Tic verbal e não verbalTic verbal e não verbal
Tic verbal e não verbal
 
Tipos de linguagem
Tipos de linguagemTipos de linguagem
Tipos de linguagem
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
 
Linguagem Verbal e Não Verbal
Linguagem Verbal e Não VerbalLinguagem Verbal e Não Verbal
Linguagem Verbal e Não Verbal
 
Aula4 linguagem verbal e não verbal prof andre luiz
Aula4  linguagem verbal e não verbal prof andre luizAula4  linguagem verbal e não verbal prof andre luiz
Aula4 linguagem verbal e não verbal prof andre luiz
 
Comunicação em saúde
Comunicação em saúdeComunicação em saúde
Comunicação em saúde
 
Tipos de linguagem e funções de linguagem
Tipos de linguagem e funções de linguagemTipos de linguagem e funções de linguagem
Tipos de linguagem e funções de linguagem
 
Linguagem
LinguagemLinguagem
Linguagem
 
Linguagem e Comunicação
Linguagem e ComunicaçãoLinguagem e Comunicação
Linguagem e Comunicação
 
LÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEMLÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEM
 
Comunicação não verbal
Comunicação não verbalComunicação não verbal
Comunicação não verbal
 

Semelhante a linguagem verbal e não verbal

Manejo de dor e comportamento
Manejo de dor e comportamentoManejo de dor e comportamento
Manejo de dor e comportamento
NatliaFreitas42
 
Comunicação com o paciente. Caderno de apoio.
Comunicação com o paciente. Caderno de apoio. Comunicação com o paciente. Caderno de apoio.
Comunicação com o paciente. Caderno de apoio.
Ceapat de Imserso
 
O paciente difícil
O paciente difícilO paciente difícil
O paciente difícil
Marcelo Benedet Tournier
 
MINI EBOOK GUIANDO A COMUNICAÇÃO DE NOTÍCIAS DIFÍCÉIS BASEADA NO PROTOCOLO SP...
MINI EBOOK GUIANDO A COMUNICAÇÃO DE NOTÍCIAS DIFÍCÉIS BASEADA NO PROTOCOLO SP...MINI EBOOK GUIANDO A COMUNICAÇÃO DE NOTÍCIAS DIFÍCÉIS BASEADA NO PROTOCOLO SP...
MINI EBOOK GUIANDO A COMUNICAÇÃO DE NOTÍCIAS DIFÍCÉIS BASEADA NO PROTOCOLO SP...
ssuser978969
 
Apresentação odontopediatria (2)
Apresentação   odontopediatria (2)Apresentação   odontopediatria (2)
Apresentação odontopediatria (2)
Jhonny Marques
 
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Ivanilson Gomes
 
Artigo emergencias
Artigo emergenciasArtigo emergencias
Artigo emergencias
Eliene Meira
 
A IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE
A IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTEA IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE
A IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE
Rubens De Fraga Junior
 
Habilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notíciasHabilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notícias
Luís Fernando Tófoli
 
UFCD - 6559 - Cuidados de Saúde na Comunicação.ppt
 UFCD - 6559 - Cuidados de Saúde na Comunicação.ppt UFCD - 6559 - Cuidados de Saúde na Comunicação.ppt
UFCD - 6559 - Cuidados de Saúde na Comunicação.ppt
Nome Sobrenome
 
Apresentação de caso Leishmaniose
Apresentação de caso  LeishmanioseApresentação de caso  Leishmaniose
Apresentação de caso Leishmaniose
Kborobia
 
Aula PAR reumato
Aula PAR reumatoAula PAR reumato
Aula PAR reumato
Reumatoguia
 
Psicologo hospitalar
Psicologo hospitalarPsicologo hospitalar
Psicologo hospitalar
Psicologia_2015
 
Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...
Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...
Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...
Jessica Mendes
 
Relação médico paciente
Relação médico pacienteRelação médico paciente
Relação médico paciente
TCC_FARMACIA_FEF
 
Relação médico paciente
Relação médico pacienteRelação médico paciente
Relação médico paciente
Giovanni Oliveira
 
Comunicação de má notícias - Como sistematizar?
Comunicação de má notícias - Como sistematizar?Comunicação de má notícias - Como sistematizar?
Comunicação de má notícias - Como sistematizar?
Daniel Valente
 
Comunicacao no atendimento a pacientes
Comunicacao no atendimento a pacientesComunicacao no atendimento a pacientes
Comunicacao no atendimento a pacientes
DESENVOLVA CONSULTORIA
 
Comunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidado
Comunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidadoComunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidado
Comunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidado
Gabriela Montargil
 
Ensinando a nao fazer nada
Ensinando a nao fazer nadaEnsinando a nao fazer nada
Ensinando a nao fazer nada
Elisa Brietzke
 

Semelhante a linguagem verbal e não verbal (20)

Manejo de dor e comportamento
Manejo de dor e comportamentoManejo de dor e comportamento
Manejo de dor e comportamento
 
Comunicação com o paciente. Caderno de apoio.
Comunicação com o paciente. Caderno de apoio. Comunicação com o paciente. Caderno de apoio.
Comunicação com o paciente. Caderno de apoio.
 
O paciente difícil
O paciente difícilO paciente difícil
O paciente difícil
 
MINI EBOOK GUIANDO A COMUNICAÇÃO DE NOTÍCIAS DIFÍCÉIS BASEADA NO PROTOCOLO SP...
MINI EBOOK GUIANDO A COMUNICAÇÃO DE NOTÍCIAS DIFÍCÉIS BASEADA NO PROTOCOLO SP...MINI EBOOK GUIANDO A COMUNICAÇÃO DE NOTÍCIAS DIFÍCÉIS BASEADA NO PROTOCOLO SP...
MINI EBOOK GUIANDO A COMUNICAÇÃO DE NOTÍCIAS DIFÍCÉIS BASEADA NO PROTOCOLO SP...
 
Apresentação odontopediatria (2)
Apresentação   odontopediatria (2)Apresentação   odontopediatria (2)
Apresentação odontopediatria (2)
 
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
 
Artigo emergencias
Artigo emergenciasArtigo emergencias
Artigo emergencias
 
A IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE
A IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTEA IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE
A IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE
 
Habilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notíciasHabilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notícias
 
UFCD - 6559 - Cuidados de Saúde na Comunicação.ppt
 UFCD - 6559 - Cuidados de Saúde na Comunicação.ppt UFCD - 6559 - Cuidados de Saúde na Comunicação.ppt
UFCD - 6559 - Cuidados de Saúde na Comunicação.ppt
 
Apresentação de caso Leishmaniose
Apresentação de caso  LeishmanioseApresentação de caso  Leishmaniose
Apresentação de caso Leishmaniose
 
Aula PAR reumato
Aula PAR reumatoAula PAR reumato
Aula PAR reumato
 
Psicologo hospitalar
Psicologo hospitalarPsicologo hospitalar
Psicologo hospitalar
 
Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...
Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...
Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...
 
Relação médico paciente
Relação médico pacienteRelação médico paciente
Relação médico paciente
 
Relação médico paciente
Relação médico pacienteRelação médico paciente
Relação médico paciente
 
Comunicação de má notícias - Como sistematizar?
Comunicação de má notícias - Como sistematizar?Comunicação de má notícias - Como sistematizar?
Comunicação de má notícias - Como sistematizar?
 
Comunicacao no atendimento a pacientes
Comunicacao no atendimento a pacientesComunicacao no atendimento a pacientes
Comunicacao no atendimento a pacientes
 
Comunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidado
Comunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidadoComunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidado
Comunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidado
 
Ensinando a nao fazer nada
Ensinando a nao fazer nadaEnsinando a nao fazer nada
Ensinando a nao fazer nada
 

Mais de Equipe_FAETEC

Notação Científica (Telecomunicações)
Notação Científica (Telecomunicações)Notação Científica (Telecomunicações)
Notação Científica (Telecomunicações)
Equipe_FAETEC
 
O Emprego da Crase (Turismo)
O Emprego da Crase (Turismo)O Emprego da Crase (Turismo)
O Emprego da Crase (Turismo)
Equipe_FAETEC
 
Trigonometria no Triângulo Retângulo (Eletrotécnica)
Trigonometria no Triângulo Retângulo (Eletrotécnica)Trigonometria no Triângulo Retângulo (Eletrotécnica)
Trigonometria no Triângulo Retângulo (Eletrotécnica)
Equipe_FAETEC
 
Trigonometria no Triângulo Retângulo (Telecomunicações)
Trigonometria no Triângulo Retângulo (Telecomunicações)Trigonometria no Triângulo Retângulo (Telecomunicações)
Trigonometria no Triângulo Retângulo (Telecomunicações)
Equipe_FAETEC
 
O Gênero Textual Currículo
O Gênero Textual CurrículoO Gênero Textual Currículo
O Gênero Textual Currículo
Equipe_FAETEC
 
As Vozes Verbais
As Vozes VerbaisAs Vozes Verbais
As Vozes Verbais
Equipe_FAETEC
 
Plural de los sustantivos y adjetivos
Plural de los sustantivos y adjetivosPlural de los sustantivos y adjetivos
Plural de los sustantivos y adjetivos
Equipe_FAETEC
 
Função Polinomial do 1º Grau
Função Polinomial do 1º GrauFunção Polinomial do 1º Grau
Função Polinomial do 1º Grau
Equipe_FAETEC
 
Linguagem Verbal e Não Verbal
Linguagem Verbal e Não VerbalLinguagem Verbal e Não Verbal
Linguagem Verbal e Não Verbal
Equipe_FAETEC
 
Função Polinomial
Função PolinomialFunção Polinomial
Função Polinomial
Equipe_FAETEC
 
Noções de Funções
Noções de FunçõesNoções de Funções
Noções de Funções
Equipe_FAETEC
 
Regência Verbal
Regência Verbal Regência Verbal
Regência Verbal
Equipe_FAETEC
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
Equipe_FAETEC
 
Regência Verbal
Regência VerbalRegência Verbal
Regência Verbal
Equipe_FAETEC
 
Unidades de medidas e suas transformações
Unidades de medidas e suas transformaçõesUnidades de medidas e suas transformações
Unidades de medidas e suas transformações
Equipe_FAETEC
 
Proporcao
ProporcaoProporcao
Proporcao
Equipe_FAETEC
 
Operacoes numeros decimais
Operacoes numeros decimaisOperacoes numeros decimais
Operacoes numeros decimais
Equipe_FAETEC
 
virgula. pptx
virgula. pptxvirgula. pptx
virgula. pptx
Equipe_FAETEC
 
Notacao Cientifica
Notacao CientificaNotacao Cientifica
Notacao Cientifica
Equipe_FAETEC
 
Periodo simples e_composto
Periodo simples e_compostoPeriodo simples e_composto
Periodo simples e_composto
Equipe_FAETEC
 

Mais de Equipe_FAETEC (20)

Notação Científica (Telecomunicações)
Notação Científica (Telecomunicações)Notação Científica (Telecomunicações)
Notação Científica (Telecomunicações)
 
O Emprego da Crase (Turismo)
O Emprego da Crase (Turismo)O Emprego da Crase (Turismo)
O Emprego da Crase (Turismo)
 
Trigonometria no Triângulo Retângulo (Eletrotécnica)
Trigonometria no Triângulo Retângulo (Eletrotécnica)Trigonometria no Triângulo Retângulo (Eletrotécnica)
Trigonometria no Triângulo Retângulo (Eletrotécnica)
 
Trigonometria no Triângulo Retângulo (Telecomunicações)
Trigonometria no Triângulo Retângulo (Telecomunicações)Trigonometria no Triângulo Retângulo (Telecomunicações)
Trigonometria no Triângulo Retângulo (Telecomunicações)
 
O Gênero Textual Currículo
O Gênero Textual CurrículoO Gênero Textual Currículo
O Gênero Textual Currículo
 
As Vozes Verbais
As Vozes VerbaisAs Vozes Verbais
As Vozes Verbais
 
Plural de los sustantivos y adjetivos
Plural de los sustantivos y adjetivosPlural de los sustantivos y adjetivos
Plural de los sustantivos y adjetivos
 
Função Polinomial do 1º Grau
Função Polinomial do 1º GrauFunção Polinomial do 1º Grau
Função Polinomial do 1º Grau
 
Linguagem Verbal e Não Verbal
Linguagem Verbal e Não VerbalLinguagem Verbal e Não Verbal
Linguagem Verbal e Não Verbal
 
Função Polinomial
Função PolinomialFunção Polinomial
Função Polinomial
 
Noções de Funções
Noções de FunçõesNoções de Funções
Noções de Funções
 
Regência Verbal
Regência Verbal Regência Verbal
Regência Verbal
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
 
Regência Verbal
Regência VerbalRegência Verbal
Regência Verbal
 
Unidades de medidas e suas transformações
Unidades de medidas e suas transformaçõesUnidades de medidas e suas transformações
Unidades de medidas e suas transformações
 
Proporcao
ProporcaoProporcao
Proporcao
 
Operacoes numeros decimais
Operacoes numeros decimaisOperacoes numeros decimais
Operacoes numeros decimais
 
virgula. pptx
virgula. pptxvirgula. pptx
virgula. pptx
 
Notacao Cientifica
Notacao CientificaNotacao Cientifica
Notacao Cientifica
 
Periodo simples e_composto
Periodo simples e_compostoPeriodo simples e_composto
Periodo simples e_composto
 

Último

SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 

Último (20)

SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 

linguagem verbal e não verbal

  • 2. Vamos começar? Se você disser que sim, precisará ser um técnico em enfermagem, pois a esmeralda é a pedra que representa essa profissão. O verde simboliza a tranquilidade, a cura e a saúde que deverão estar sempre presentes nos objetivos desses profissionais. Já que estamos falando de símbolos... que tal estudarmos um pouco sobre linguagem verbal e não verbal?
  • 3. Quando lidamos com pacientes, precisamos estar atentos a todas as formas de comunicação. Os pacientes nos enviam mensagens não necessariamente por meio das palavras. Às vezes, um olhar, um movimento corporal, um semblante podem nos dizer muito mais sobre como o paciente está se sentindo do que imaginamos.
  • 4. Portanto, o sucesso de um bom desempenho depende muito da qualidade de nossa comunicação.
  • 5. Fique por dentro Para se comunicar, o homem inventou gestos, símbolos, palavras, sinais, cores, formas etc. e deu a eles um significado. Todas essas invenções são o que chamamos de signo linguístico. Se escolhermos as palavras, estaremos utilizando a linguagem verbal. Se escolhermos outros signos, estaremos utilizando a linguagem não verbal. Veja alguns exemplos: Linguagem não verbal Linguagem verbal e não verbal Linguagem verbal
  • 6. Para entender a importância da comunicação na carreira de um profissional da saúde, seja ele médico, enfermeiro ou técnico em enfermagem, leia sobre O PAPEL DA COMUNICAÇÃO NA HUMANIZAÇÃO DA ATENÇÃO À SAÚDE, de autoria de Maria Júlia Paes da Silva em: http://www.ciape.org.br/matdidatico/en fermagem/anadias/papel.pdf
  • 7. Navegando... Na relação técnico-paciente, o segundo deve ser o foco das atenções, pois é ele quem está em uma situação frágil, independentemente do grau da enfermidade. Procurar entender cada paciente na sua complexidade exigirá, portanto, um comportamento observador, cauteloso e humanizado por parte do técnico em enfermagem. Por isso, a ficha de evolução do paciente será um dos principais instrumentos que lhe ajudarão a conhecer e tratar bem do seu cliente hospitalar. É fundamental preenchê-la na sua integralidade, com clareza e objetividade, utilizando a norma culta de nossa língua. Lembre-se de que a ficha é do paciente e que outros profissionais precisarão acessá-la também. VOCÊ NUNCA PAROU PARA PENSAR QUE O REGISTRO CORRETO DA FICHA É UMA SEGURANÇA PARA O PACIENTE E PARA VOCÊ? SE NÃO...COMECE A PENSAR NISSO DESDE JÁ.
  • 8. Importância do preenchimento adequado e metódico. O prontuário é essencialmente do paciente, não do médico. É fundamental que todos os profissionais que lidam com o enfermo façam ali suas anotações. É imprescindível a formação do hábito cultural de escrever metodicamente no prontuário. Isso estimula os profissionais assistentes a conhecer mais o paciente e sua doença. Pressa, negligência, desconhecimento sobre como preencher e outras circunstâncias concorrem para a má utilização do prontuário. http://www.crmdf.org.br/sistemas/biblioteca/files/7 .pdf
  • 9. Vamos comparar dois textos de uma folha de prescrição? Veja em qual deles a informação está mais precisa e fácil de ser compreendida. Mas, antes, acesse o manual do Hospital Sírio-Libanês para ler sobre várias “dicas” sobre preenchimento de prontuários e fichas de evolução dos pacientes. Aprenda com quem tem muita prática e experiência profissional. http://www.hospitalsiriolibanes.org.br/Docu ments/e-mail/manual-preenchimento- prontuario-2012.pdf
  • 10. 19/7/2013 - Paciente idosa, sudoreica, dispneica. Apresenta-se hipotensa. HV em curso em veia periférica. Apresentou piora do quadro clínico, sendo instalado TOT. Instalada SNG (em sifonagem). Passada SVD. Assinatura e carimbo Texto I
  • 11. 19/7/2013 – 17h. Paciente de 60 anos encaminhada para a sala de emergência da clínica médica com sudorese fria, cianose de extremidade e ausência de resposta aos estímulos táteis. Apresenta desconforto respiratório importante, hipotensão (90 x 55 mmHg), perfusão periférica insuficiente, mantém cateter venoso periférico na face interna do antebraço direito recebendo soroterapia e medicação, fluindo bem. Às 17h15min foi instalada expansão com soro fisiológico. Por piora do estado geral, às 17h30min iniciou-se a entubação traqueal pelo plantonista Dr. Marcelo Mazzo. Às 17h45min foi entubada com sucesso com cânula orotraqueal n. 7,5 com cuff e mantido em ventilação mecânica. Às 18h foi passada Sonda nasogástrica n. 14 em narina esquerda e mantida aberta com débito verde-escuro. Às 18h45, foi passada Sonda Vesical de Demora n. 16 por solicitação e prescrição do Dr. Marcelo, procedimento realizado pela enfermeira, sem intercorrência; apresenta 150 ml de débito amarelo- escuro. Assinatura e carimbo. Texto II
  • 12. Viu só? Não foi muito difícil identificar em qual texto o estado de saúde do paciente foi explicitado com clareza. O segundo texto possui uma linguagem objetiva, fornece dados numéricos precisos (data, hora, idade, tamanhos, dimensões, unidades de medida etc.), descreve os procedimentos adotados de acordo com as necessidades do paciente, não usa termos vagos, genéricos, abreviaturas desnecessárias, expressões complexas ou excessivas; cita o nome dos responsáveis e não contém erros ortográficos ou gramaticais. Mesmo um profissional que não fosse da área de saúde conseguiria entender, de maneira geral, a gravidade das condições de saúde desse paciente fictício. Você sabia que o Hospital Albert Einstein possui cursos on line gratuitos destinados a todos os profissionais de saúde? Faça uma visita a http://www.einstein.br/Ensino/cursos-abertos/Paginas/cursos- abertos.aspx e escolha um tema de sua preferência.
  • 13. Agora é sua vez! Observe as duas campanhas publicitárias abaixo que têm como tema a luta pela erradicação da poliomielite no Brasil. Em seguida compare-as, apontando as diferenças e as semelhanças entre elas na divulgação das campanhas de vacinação.
  • 14. Na charge a seguir, o artista se utiliza da linguagem verbal e não verbal para fazer uma crítica político-social. A que ou a quem sua crítica se direciona? Que elementos da charge dão o traço irônico da mensagem? Qual foi a reação dos estudantes ao ouvirem a fala do professor?
  • 15. Gabarito Confira suas respostas. Análise das fotos. Na primeira foto, a criança está saudável e ansiosa para a chegada do dia da vacinação. Com a língua de fora, ela expressa a vontade de receber as gotinhas da vacina. Trata-se de uma campanha que deseja passar a mensagem de que vacinas são medicamentos normais e que ninguém deve temê-las. Na segunda foto, a criança já foi vitimada pela doença, ou seja, ela não havia recebido a vacina anteriormente. É uma imagem triste que mostra o sofrimento da criança que ficou diferente das outras, que não pode brincar, fica limitada e excluída socialmente. Trata-se de uma mensagem de advertência para os responsáveis de crianças que não podem ser negligentes com a vacinação.
  • 16. Charge A charge faz uma crítica às péssimas condições de atendimento do sistema público de saúde brasileiro. O tom de ironia está na frase no topo da charge, no nome da nova disciplina e na fala do professor. Os estudantes arregalaram os olhos e ficaram assustados com a introdução da nova disciplina.