SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
X SEMANA DE ENFERMAGEM DA FASE.
72ª SEMANA BRASILEIRA DE EMFERMAGEM.
CUIDADOS DE ENFERMAGEM, ÉTICA E INOVAÇÃO.
ALUNO(A): Adriana Rodrigues do Carmo
PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A): Ana Alice Guimarães
A ENFERMAGEM E A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NÃO-VERBAL
FRENTE AOS SEUS PACIENTES
INTRODUÇÃO
A comunicação é o instrumento de maior importância na troca de mensagens entre a
equipe de enfermagem e os pacientes. A comunicação na enfermagem pode ser entendida
através da linguagem verbal e não-verbal. A linguagem verbal fundamenta-se por palavras
através da fala e escrita, portanto, a linguagem pode ser verbalizada. A linguagem não-verbal é
aquela que se utiliza das expressões faciais, corporais, gestos, toque, ela é carregada de
sentidos e significados, e por isso, nem sempre compreendida. Quando um desses tipos de
linguagem está comprometido por qualquer tipo de patologia, seja ela física ou psicológica, deve-
se atentar para o tipo de linguagem que favoreça essa comunicação. Uma doença que
compromete a linguagem verbal-oral é a alexitimia.
Essa incapacidade de verbalizar qualquer que seja os sentimentos de um paciente
dificulta uma assistência integral, tornando-se essencial a observação da linguagem não-verbal.
Segundo SILVA (1996), um aspecto importante da comunicação não-verbal é que ela não
pode ser interpretada fora do âmbito em que ocorreu, pois o significado da mensagem pode
variar ao longo da história, das culturas e do momento, sendo ambígua várias vezes.
Mediante tal premissa é importante que a comunicação não-verbal seja inserida na
prática assistencial e que o enfermeiro possa atender seus pacientes nesse contexto
biopsicossociocultural.
QUESTÃO NORTEADORA
De que forma a(o) enfermeira(o) realiza a comunicação não verbal com pacientes internados?
JUSTIFICATIVA
De acordo com a vivência de um dos autores com pessoas com grande dificuldade
de verbalizar sentimentos tornou-se necessário o estudo sobre o tema, e a partir desse
ponto outras perguntas foram-lhe surgindo a respeito do seu trato com pacientes em seus
estágios. De uma forma mais ampla a comunicação não-verbal deve ser evidenciada na
pratica assistencial, pois muitos pacientes internados não conseguem se comunicar
verbalmente, o qual pode interferir diretamente no cuidado e bem estado paciente
internado.
OBJETIVOS
 Objetivos gerais
Identificar as dificuldades que os enfermeiros enfrentam na comunicação não-
verbal com pacientes internados.
 Objetivos específicos
1. Verificar a importância da comunicação não verbal sob a ótica da enfermagem.
2. Identificar qual o conhecimento dos enfermeiros quanto a pratica da comunicação não
verbal na assistência.
3. Apresentar os tipos comunicação que os enfermeiros praticam em sua assistência.
MÉTODOS
A metodologia utilizada será a análise qualitativa A coleta de dados será feita no
(local a ser definido pelo orientador) no período entre agosto e setembro de 2011, após
assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido e autorização pelo comitê de ética
em pesquisa. O instrumento de coleta de dados será uma entrevista semi-estruturada,
(amostra definida pelo orientador) para posterior análise e a análise será realizada através
do método de analise de conteúdo.
DIFUSÃO DO CONHECIMENTO GERADO
Publicar em revista, periódicos e/ou jornais, como artigo científico.
CRONOGRAMA DA PESQUISA
REFERÊNCIAS
 ARAÚJO MMT, SILVA MJT, PUGGINA ACG. A comunicação não-verbal como fator
iatrogênico. Revista Escola de Enfermagem da USP, 2007.
 CARNEIRO B.V., YOSHIDA E.M.P. Alexitimia: Uma Revisão do Conceito. Pontifícia
Universidade Católica de Campinas. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Jan-Mar 2009, Vol. 25
n. 1, pp. 103-108
 OLIVEIRA P.S., NÓBREGA M.M.L.M., SILVA A.T.M.C., FERREIRA FILHA M.O.
Comunicação terapêutica em enfermagem revelada nos depoimentos de pacientes
internados em Centro de Terapia Intensiva. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2005;7(1):54-63.
 SILVA, M. J. P. da. Aspectos gerais da construção de um programa sobre
comunicação não verbal para enfermeiros. Revista latino-americana de enfermagem,
Ribeirão Preto, v. 4, n° especial, p. 25-37, abril 1996.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Tiago da Silva
 

Mais procurados (20)

Infecção cruzada
Infecção cruzadaInfecção cruzada
Infecção cruzada
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 
Biossegurança pdf
Biossegurança pdfBiossegurança pdf
Biossegurança pdf
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 
Educação e saúde
Educação e saúde Educação e saúde
Educação e saúde
 
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
 
Higiene e profilaxia
Higiene e profilaxiaHigiene e profilaxia
Higiene e profilaxia
 
linguagem verbal e não verbal
linguagem verbal e não verballinguagem verbal e não verbal
linguagem verbal e não verbal
 
Aula 4 biossegurança ii
Aula 4   biossegurança iiAula 4   biossegurança ii
Aula 4 biossegurança ii
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
 
Apresentacao técnico em enfermagem
Apresentacao técnico em enfermagemApresentacao técnico em enfermagem
Apresentacao técnico em enfermagem
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 

Destaque

Comunicação Verbal e Não Verbal
Comunicação Verbal e Não VerbalComunicação Verbal e Não Verbal
Comunicação Verbal e Não Verbal
Andreza Oliveira
 
Comunicação não verbal
Comunicação não verbalComunicação não verbal
Comunicação não verbal
Paula Fernandes
 
Comunicação não verbal
Comunicação não verbalComunicação não verbal
Comunicação não verbal
Selma Oliveira
 
Relacionamento profissional de saúde e paciente
Relacionamento profissional de saúde e pacienteRelacionamento profissional de saúde e paciente
Relacionamento profissional de saúde e paciente
viviansantos2012
 
As tecnologias de Informação e Comunicação na Saúde
As tecnologias de Informação e Comunicação na SaúdeAs tecnologias de Informação e Comunicação na Saúde
As tecnologias de Informação e Comunicação na Saúde
missmiracema
 

Destaque (20)

Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
 
Comunicação Verbal e Não Verbal
Comunicação Verbal e Não VerbalComunicação Verbal e Não Verbal
Comunicação Verbal e Não Verbal
 
Comunicação não verbal
Comunicação não verbalComunicação não verbal
Comunicação não verbal
 
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticosAula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
 
Comunicação não verbal
Comunicação não verbalComunicação não verbal
Comunicação não verbal
 
Comunicação terapêutica em saúde mental
Comunicação terapêutica em saúde mentalComunicação terapêutica em saúde mental
Comunicação terapêutica em saúde mental
 
UFCD - 6559 - COMUNICAÇÃO NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM SAÚDE
UFCD - 6559 - COMUNICAÇÃO NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM SAÚDEUFCD - 6559 - COMUNICAÇÃO NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM SAÚDE
UFCD - 6559 - COMUNICAÇÃO NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM SAÚDE
 
Comunicação não verbal
Comunicação não verbalComunicação não verbal
Comunicação não verbal
 
Linguagem verbal e não verbal, sincrética com imagens e mensagens subliminares
Linguagem verbal e não verbal, sincrética com imagens e mensagens subliminaresLinguagem verbal e não verbal, sincrética com imagens e mensagens subliminares
Linguagem verbal e não verbal, sincrética com imagens e mensagens subliminares
 
Comunicação não verbal
Comunicação não verbalComunicação não verbal
Comunicação não verbal
 
Comunicacao nao verbal
Comunicacao nao verbalComunicacao nao verbal
Comunicacao nao verbal
 
Gerenciamento da Comunicação
Gerenciamento da ComunicaçãoGerenciamento da Comunicação
Gerenciamento da Comunicação
 
Comunicação na relação terapêutica
Comunicação na relação terapêutica   Comunicação na relação terapêutica
Comunicação na relação terapêutica
 
fundamentos da comunicação
fundamentos da comunicaçãofundamentos da comunicação
fundamentos da comunicação
 
Relacionamento profissional de saúde e paciente
Relacionamento profissional de saúde e pacienteRelacionamento profissional de saúde e paciente
Relacionamento profissional de saúde e paciente
 
As tecnologias de Informação e Comunicação na Saúde
As tecnologias de Informação e Comunicação na SaúdeAs tecnologias de Informação e Comunicação na Saúde
As tecnologias de Informação e Comunicação na Saúde
 
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para DengueAula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
 
Apresentação cc
Apresentação ccApresentação cc
Apresentação cc
 
Comunicação com o paciente
Comunicação com o pacienteComunicação com o paciente
Comunicação com o paciente
 
Técnica da Escuta Ativa
Técnica da Escuta AtivaTécnica da Escuta Ativa
Técnica da Escuta Ativa
 

Semelhante a Comunicação não verbal

Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...
Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...
Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...
Jessica Mendes
 
A importancia de demostrar paciência e sensibilidade na técnica adequada de m...
A importancia de demostrar paciência e sensibilidade na técnica adequada de m...A importancia de demostrar paciência e sensibilidade na técnica adequada de m...
A importancia de demostrar paciência e sensibilidade na técnica adequada de m...
Marta Lopes
 
Descricao entrevista inicial paciente com diagnostico de esquizofrenia na ana...
Descricao entrevista inicial paciente com diagnostico de esquizofrenia na ana...Descricao entrevista inicial paciente com diagnostico de esquizofrenia na ana...
Descricao entrevista inicial paciente com diagnostico de esquizofrenia na ana...
Evelyn de Cássia Pereira Costa Santiago
 
A Importância Da Relação Médico Versao Explicita
A Importância Da Relação Médico Versao ExplicitaA Importância Da Relação Médico Versao Explicita
A Importância Da Relação Médico Versao Explicita
Josiane M F Tonelotto
 
O cuidador de enfermagem e o cuidar em uma unidade de terapia intensiva
O cuidador de enfermagem e o cuidar em uma unidade de terapia intensivaO cuidador de enfermagem e o cuidar em uma unidade de terapia intensiva
O cuidador de enfermagem e o cuidar em uma unidade de terapia intensiva
Universidade Estadual de Maringá
 

Semelhante a Comunicação não verbal (20)

Comunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidado
Comunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidadoComunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidado
Comunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidado
 
Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...
Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...
Educação em Saúde Baseado nas necessidades da clientela atendida pelo Program...
 
Psicologo hospitalar
Psicologo hospitalarPsicologo hospitalar
Psicologo hospitalar
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
 
Capacitação dos profissionais de saúde. Literacia em saúde e competências de ...
Capacitação dos profissionais de saúde. Literacia em saúde e competências de ...Capacitação dos profissionais de saúde. Literacia em saúde e competências de ...
Capacitação dos profissionais de saúde. Literacia em saúde e competências de ...
 
Comunicação 03
Comunicação 03Comunicação 03
Comunicação 03
 
LITERACIA EM SAUDE - TECNICA ACP PARA MELHORAR A LITERACIA DO CIDADAO
LITERACIA EM SAUDE - TECNICA ACP PARA MELHORAR A LITERACIA DO CIDADAOLITERACIA EM SAUDE - TECNICA ACP PARA MELHORAR A LITERACIA DO CIDADAO
LITERACIA EM SAUDE - TECNICA ACP PARA MELHORAR A LITERACIA DO CIDADAO
 
A importancia de demostrar paciência e sensibilidade na técnica adequada de m...
A importancia de demostrar paciência e sensibilidade na técnica adequada de m...A importancia de demostrar paciência e sensibilidade na técnica adequada de m...
A importancia de demostrar paciência e sensibilidade na técnica adequada de m...
 
Descricao entrevista inicial paciente com diagnostico de esquizofrenia na ana...
Descricao entrevista inicial paciente com diagnostico de esquizofrenia na ana...Descricao entrevista inicial paciente com diagnostico de esquizofrenia na ana...
Descricao entrevista inicial paciente com diagnostico de esquizofrenia na ana...
 
Plano de aula alfa
Plano de aula alfaPlano de aula alfa
Plano de aula alfa
 
Apresentação def.
Apresentação def.Apresentação def.
Apresentação def.
 
SIGNWRITING SYMPOSIUM PRESENTATION 16: Contribution of Assistive Communicatio...
SIGNWRITING SYMPOSIUM PRESENTATION 16: Contribution of Assistive Communicatio...SIGNWRITING SYMPOSIUM PRESENTATION 16: Contribution of Assistive Communicatio...
SIGNWRITING SYMPOSIUM PRESENTATION 16: Contribution of Assistive Communicatio...
 
Linguagem Verbal e Não Verbal
Linguagem Verbal e Não VerbalLinguagem Verbal e Não Verbal
Linguagem Verbal e Não Verbal
 
B1103031217
B1103031217B1103031217
B1103031217
 
escuta.pdf
escuta.pdfescuta.pdf
escuta.pdf
 
Anais Fórum Saúde Mental Infantojuveni
Anais  Fórum Saúde Mental InfantojuveniAnais  Fórum Saúde Mental Infantojuveni
Anais Fórum Saúde Mental Infantojuveni
 
O significado de qualidade de vida para cuidadores de enfermagem de uma unida...
O significado de qualidade de vida para cuidadores de enfermagem de uma unida...O significado de qualidade de vida para cuidadores de enfermagem de uma unida...
O significado de qualidade de vida para cuidadores de enfermagem de uma unida...
 
A Importância Da Relação Médico Versao Explicita
A Importância Da Relação Médico Versao ExplicitaA Importância Da Relação Médico Versao Explicita
A Importância Da Relação Médico Versao Explicita
 
Admin,+10-O+ENFRENTAMENTO+EMOCIONAL.pdf
Admin,+10-O+ENFRENTAMENTO+EMOCIONAL.pdfAdmin,+10-O+ENFRENTAMENTO+EMOCIONAL.pdf
Admin,+10-O+ENFRENTAMENTO+EMOCIONAL.pdf
 
O cuidador de enfermagem e o cuidar em uma unidade de terapia intensiva
O cuidador de enfermagem e o cuidar em uma unidade de terapia intensivaO cuidador de enfermagem e o cuidar em uma unidade de terapia intensiva
O cuidador de enfermagem e o cuidar em uma unidade de terapia intensiva
 

Mais de SMS - Petrópolis (9)

Sexualidade e Adolescência
Sexualidade e AdolescênciaSexualidade e Adolescência
Sexualidade e Adolescência
 
Tratamento de feridas - Aula 03
Tratamento de feridas - Aula 03Tratamento de feridas - Aula 03
Tratamento de feridas - Aula 03
 
Tratamento de feridas - Aula 02
Tratamento de feridas -  Aula 02Tratamento de feridas -  Aula 02
Tratamento de feridas - Aula 02
 
Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01
 
Estudo de Caso: Escabiose
Estudo de Caso: EscabioseEstudo de Caso: Escabiose
Estudo de Caso: Escabiose
 
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - AdrianaAula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
 
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
 
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adrianaAula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
 
Acidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosAcidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentos
 

Último

Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
DanieldaSade
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
DanieldaSade
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (10)

Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 

Comunicação não verbal

  • 1. X SEMANA DE ENFERMAGEM DA FASE. 72ª SEMANA BRASILEIRA DE EMFERMAGEM. CUIDADOS DE ENFERMAGEM, ÉTICA E INOVAÇÃO. ALUNO(A): Adriana Rodrigues do Carmo PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A): Ana Alice Guimarães
  • 2. A ENFERMAGEM E A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NÃO-VERBAL FRENTE AOS SEUS PACIENTES
  • 3. INTRODUÇÃO A comunicação é o instrumento de maior importância na troca de mensagens entre a equipe de enfermagem e os pacientes. A comunicação na enfermagem pode ser entendida através da linguagem verbal e não-verbal. A linguagem verbal fundamenta-se por palavras através da fala e escrita, portanto, a linguagem pode ser verbalizada. A linguagem não-verbal é aquela que se utiliza das expressões faciais, corporais, gestos, toque, ela é carregada de sentidos e significados, e por isso, nem sempre compreendida. Quando um desses tipos de linguagem está comprometido por qualquer tipo de patologia, seja ela física ou psicológica, deve- se atentar para o tipo de linguagem que favoreça essa comunicação. Uma doença que compromete a linguagem verbal-oral é a alexitimia. Essa incapacidade de verbalizar qualquer que seja os sentimentos de um paciente dificulta uma assistência integral, tornando-se essencial a observação da linguagem não-verbal. Segundo SILVA (1996), um aspecto importante da comunicação não-verbal é que ela não pode ser interpretada fora do âmbito em que ocorreu, pois o significado da mensagem pode variar ao longo da história, das culturas e do momento, sendo ambígua várias vezes. Mediante tal premissa é importante que a comunicação não-verbal seja inserida na prática assistencial e que o enfermeiro possa atender seus pacientes nesse contexto biopsicossociocultural.
  • 4. QUESTÃO NORTEADORA De que forma a(o) enfermeira(o) realiza a comunicação não verbal com pacientes internados?
  • 5. JUSTIFICATIVA De acordo com a vivência de um dos autores com pessoas com grande dificuldade de verbalizar sentimentos tornou-se necessário o estudo sobre o tema, e a partir desse ponto outras perguntas foram-lhe surgindo a respeito do seu trato com pacientes em seus estágios. De uma forma mais ampla a comunicação não-verbal deve ser evidenciada na pratica assistencial, pois muitos pacientes internados não conseguem se comunicar verbalmente, o qual pode interferir diretamente no cuidado e bem estado paciente internado.
  • 6. OBJETIVOS  Objetivos gerais Identificar as dificuldades que os enfermeiros enfrentam na comunicação não- verbal com pacientes internados.  Objetivos específicos 1. Verificar a importância da comunicação não verbal sob a ótica da enfermagem. 2. Identificar qual o conhecimento dos enfermeiros quanto a pratica da comunicação não verbal na assistência. 3. Apresentar os tipos comunicação que os enfermeiros praticam em sua assistência.
  • 7. MÉTODOS A metodologia utilizada será a análise qualitativa A coleta de dados será feita no (local a ser definido pelo orientador) no período entre agosto e setembro de 2011, após assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido e autorização pelo comitê de ética em pesquisa. O instrumento de coleta de dados será uma entrevista semi-estruturada, (amostra definida pelo orientador) para posterior análise e a análise será realizada através do método de analise de conteúdo.
  • 8. DIFUSÃO DO CONHECIMENTO GERADO Publicar em revista, periódicos e/ou jornais, como artigo científico.
  • 10. REFERÊNCIAS  ARAÚJO MMT, SILVA MJT, PUGGINA ACG. A comunicação não-verbal como fator iatrogênico. Revista Escola de Enfermagem da USP, 2007.  CARNEIRO B.V., YOSHIDA E.M.P. Alexitimia: Uma Revisão do Conceito. Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Jan-Mar 2009, Vol. 25 n. 1, pp. 103-108  OLIVEIRA P.S., NÓBREGA M.M.L.M., SILVA A.T.M.C., FERREIRA FILHA M.O. Comunicação terapêutica em enfermagem revelada nos depoimentos de pacientes internados em Centro de Terapia Intensiva. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2005;7(1):54-63.  SILVA, M. J. P. da. Aspectos gerais da construção de um programa sobre comunicação não verbal para enfermeiros. Revista latino-americana de enfermagem, Ribeirão Preto, v. 4, n° especial, p. 25-37, abril 1996.