SlideShare uma empresa Scribd logo
VIGILÂNCIA EM
SAÚDE
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
■A vigilância em saúde está relacionada
aos modos de viver e adoecer
presentes em cada local e época e às
ações e práticas desenvolvidas para
prevenir a ocorrência e propagação das
doenças.
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
■O conceito de vigilância em saúde inclui
a vigilância e o controle das doenças
transmissíveis, das doenças e agravos
não transmissíveis, da situação de saúde,
da saúde ambiental, da saúde do
trabalhador e da vigilância sanitária.
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
Vigilância Epidemiológica
■ é definida pela Lei no 8.080/90; como um conjunto de
ações que possibilita os conhecimentos necessários
para a detecção e prevenção de quaisquer mudanças
nos fatores que determinam e condicionam a saúde
dos indivíduos e da coletividade, com o propósito de
recomendar e adotar as medidas de prevenção e
controle das doenças e agravos.
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
■ A vigilância epidemiológica tem como funções
coletar e processar dados sobre a ocorrência de
agravos e doenças, oferecer recomendações sobre
medidas de controle, promover ações de controle
apontadas, avaliar o impacto das medidas adotadas
e divulgar informações pertinentes.
■ Possui como objetivo fornecer continuamente
informações atualizadas, bem como orientação
técnica aos trabalhadores de saúde que em seu
cotidiano necessitam tomar decisões e planejar
ações no combate de doenças e agravos.
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
Vigilância Sanitária
■ propõe e executa ações capazes de eliminar,
minimizar, ou evitar riscos à saúde, por meio de
intervenções nos problemas identificados
relacionados ao meio ambiente e à produção e
circulação de produtos e serviços de interesse da
saúde, abrangendo:
■ I- Controle de bens de consumo que possam, direta
ou indiretamente, interferir na situação de saúde,
compreendendo as etapas e os processos, da
produção ao consumo.
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
Vigilância Sanitária
■ II- Serviços prestados relacionados à saúde.
A vigilância sanitária exerce papel fundamental junto a
outras políticas para possibilitar a proteção e
promover a saúde. Por meio do monitoramento e da
fiscalização, regula a produção e comercialização de
produtos que podem causar danos à saúde da
população.
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
■ Dentre os objetivos prioritários das ações da
Vigilância em Saúde, temos:
• Identificar, detectar, monitorar e controlar fatores
determinantes e condicionantes da saúde individual e
coletiva, além dos riscos e dos agravos à saúde.
• Analisar, de forma permanente, a situação da saúde
da população, articulando um conjunto de ações que
garantam a integralidade da atenção, o que inclui a
abordagem tanto individual como coletiva dos
problemas de saúde.
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
Vigilância da Situação de Saúde
■ desenvolve ações de monitoramento constante da
saúde em todo o território nacional, em regiões e
municípios.
■ Por meio de estudos e análises, tais ações revelam
os principais indicadores de saúde, fornecendo
informações importantes e privilegiando questões
que tenham relevância para um planejamento de
saúde mais amplo.
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
Vigilância em Saúde Ambiental
■ objetiva conhecer, detectar ou prevenir qualquer
variação nos fatores determinantes e condicionantes
do ambiente que possam influenciar na saúde
humana; propor e fazer uso de medidas preventivas e
de controle dos fatores de risco relacionados às
doenças e outros agravos à saúde, priorizando
monitorar a qualidade da água para consumo
humano, do ar e do solo; controlar desastres de
origem natural, as substâncias químicas, os
acidentes com produtos perigosos, fatores físicos e
ambientes de trabalho que possam degradar o
ambiente.
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
Vigilância em Saúde doTrabalhador
■ caracteriza-se por reunir atividades que se destinam a
identificar a presença de riscos nas condições de
trabalho e propor intervenções com a finalidade de
proteger e promover a saúde, auxiliando na
recuperação e reabilitação da saúde dos
trabalhadores.
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
Áreas de abrangência
■ Vigilância Epidemiológica: a abrangência do conceito e
de sua aplicabilidade contempla variados problemas de
saúde pública, que extrapolam as doenças transmissíveis,
ou seja, as doenças infecciosas (que historicamente foram
o alvo de sua atuação).
■ Assim, engloba as malformações congênitas,
envenenamentos na infância, leucemia, abortos,
acidentes, doenças profissionais, comportamentos como
fatores de risco, riscos ambientais, bem como grupos
populacionais expostos a riscos diferenciados de adoecer
e morrer, por meio de, por exemplo, programas de "saúde
materno-infantil", "saúde do trabalhador", "saúde do
idoso", dentre outros.
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
Áreas de abrangência
■ Vigilância Sanitária: engloba ações que visam à
eliminação, prevenção e diminuição de riscos
sanitários relacionados ao meio ambiente, aos
produtos, às condições de trabalho, às fronteiras e
aos serviços de saúde e de transporte e circulação de
pessoas e cargas.
■ A Vigilância Sanitária atua em estabelecimento
público e privado, indistintamente, na defesa da
população, exercendo a fiscalização e autuando
multas e até interdição em casos de não
cumprimento das recomendações efetuadas.
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
• Produtos: alimentos, medicamentos, cosméticos,
produtos de limpeza, sangue e derivados e equipamentos
para a saúde.
• Serviços de saúde: unidades de assistência ambulatorial,
clínicas, hospitais, ações de assistência domiciliar, práticas
de interesse à saúde, serviços de diagnóstico e, em
particular, os de radiações ionizantes, hemoterapia e
hemodiálise.
• Meio ambiente: água, resíduos sólidos, edificações e
ambiente de trabalho.
• Saúde do Trabalhador: ações e práticas que envolvem
intervenções sobre fatores de risco presentes nos
ambientes e processos de trabalho.
• Aeroportos e fronteiras: controle específico de portos,
aeroportos e fronteiras, considerando veículos, cargas e
pessoas. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
■ A atuação da Vigilância Sanitária pode ocorrer em
locais que produzem, comercializam, armazenam e
distribuem produtos, tais como:
■ - Produtos alimentícios - em bares, restaurantes,
mercados, frutarias, açougues, peixarias, frigoríficos.
■ - Produzem medicamentos, produtos de higiene e
limpeza - drogarias, perfumarias, farmácias,
empresas que embalam e transportam estes
produtos.
■ - Prestam serviços de saúde - hospitais, clínicas,
laboratórios, casas de repouso, consultórios.
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
■ - No meio ambiente - controlando a qualidade da
água, do ar e do solo, o saneamento básico,
calamidades públicas, o transporte de produtos
perigosos. Monitora os ambientes que causam danos
à saúde, entre outros.
■ - Nos ambientes de trabalho - indústrias, comércio,
escritórios, empresas de transporte, entre outras.
■ - Na pós-venda - investigando situações que
envolvem reações adversas a medicamentos,
intoxicação por produtos químicos, entre outros.
■ - Em locais públicos - como shoppings, cinemas,
clubes, postos de gasolina, salões de beleza, portos,
aeroportos, áreas de fronteira, entre outros.
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
■ Com a implementação do Sistema Único de Saúde
(SUS) e a reorientação do modelo assistencial por
meio da atenção básica, a Vigilância em Saúde
tornou-se responsável por todas as ações de
vigilância, prevenção e controle de agravos, dando
prioridade às ações de promoção à saúde, devendo
realizar o monitoramento epidemiológico das
doenças transmissíveis e não transmissíveis, das
atividades programadas em saúde além do
monitoramento da saúde ambiental e do
trabalhador, com elaboração e análise de perfis de
adoecimento da população e proposição de medidas
de controle no território.
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO
■ BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância à Saúde. Diretrizes
nacionais da vigilância em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. Disponível
em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pacto_ saude_volume13.pdf>.
Acesso em: 5 março 2017.
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
Explique de que forma a vigilância em saúde do trabalhador
pode proteger e promover a saúde dos trabalhadores.
Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
profsempre
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
Proqualis
 

Mais procurados (20)

EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Slides sus
 
Saúde pública no Brasil
Saúde pública no BrasilSaúde pública no Brasil
Saúde pública no Brasil
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 
A construção do sus
A construção do susA construção do sus
A construção do sus
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
 
Aula 3 indicadores de saúde
Aula 3   indicadores de saúdeAula 3   indicadores de saúde
Aula 3 indicadores de saúde
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 

Semelhante a Vigilancia em saude

Higiene apresentação
Higiene apresentaçãoHigiene apresentação
Higiene apresentação
CEWK2010
 
Riscosbiologicosagentesbiologicos2013 130407194509-phpapp02
Riscosbiologicosagentesbiologicos2013 130407194509-phpapp02Riscosbiologicosagentesbiologicos2013 130407194509-phpapp02
Riscosbiologicosagentesbiologicos2013 130407194509-phpapp02
Jordane Xisto
 
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptxAULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
AlefySantos2
 
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptxAULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
AlefyLima1
 
Riscos biologicos agentes_biologicos_2013
Riscos biologicos agentes_biologicos_2013Riscos biologicos agentes_biologicos_2013
Riscos biologicos agentes_biologicos_2013
pamcolbano
 

Semelhante a Vigilancia em saude (20)

VIGILANCIA EM SAÚDE.pdf
VIGILANCIA EM SAÚDE.pdfVIGILANCIA EM SAÚDE.pdf
VIGILANCIA EM SAÚDE.pdf
 
vigilancimsaude-170504202344.pptx
vigilancimsaude-170504202344.pptxvigilancimsaude-170504202344.pptx
vigilancimsaude-170504202344.pptx
 
Aula de Vigilância Sanitária de Medicamentos.pdf
Aula de Vigilância Sanitária de Medicamentos.pdfAula de Vigilância Sanitária de Medicamentos.pdf
Aula de Vigilância Sanitária de Medicamentos.pdf
 
Vigilância sanitária .pdf
Vigilância sanitária .pdfVigilância sanitária .pdf
Vigilância sanitária .pdf
 
SUS - lei 8080 [objetivos e atribuições]
SUS - lei 8080 [objetivos e atribuições]SUS - lei 8080 [objetivos e atribuições]
SUS - lei 8080 [objetivos e atribuições]
 
Higiene apresentação
Higiene apresentaçãoHigiene apresentação
Higiene apresentação
 
vigilância em saúde ambiental
vigilância em saúde ambiental vigilância em saúde ambiental
vigilância em saúde ambiental
 
TRABALHO DE VIGILANCIA E TUDO MAIS pra você.pdf
TRABALHO DE VIGILANCIA E TUDO MAIS pra você.pdfTRABALHO DE VIGILANCIA E TUDO MAIS pra você.pdf
TRABALHO DE VIGILANCIA E TUDO MAIS pra você.pdf
 
Riscosbiologicosagentesbiologicos2013 130407194509-phpapp02
Riscosbiologicosagentesbiologicos2013 130407194509-phpapp02Riscosbiologicosagentesbiologicos2013 130407194509-phpapp02
Riscosbiologicosagentesbiologicos2013 130407194509-phpapp02
 
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptxAULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
 
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptxAULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
 
Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765
Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765
Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765
 
BIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptxBIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptx
 
manual_sinvas.pdf
manual_sinvas.pdfmanual_sinvas.pdf
manual_sinvas.pdf
 
Biossegurança - aula pós.pptx
Biossegurança - aula pós.pptxBiossegurança - aula pós.pptx
Biossegurança - aula pós.pptx
 
Vigilancia ambiental
Vigilancia ambientalVigilancia ambiental
Vigilancia ambiental
 
Biosseguranca_ambiente_cirurgico.pptx
Biosseguranca_ambiente_cirurgico.pptxBiosseguranca_ambiente_cirurgico.pptx
Biosseguranca_ambiente_cirurgico.pptx
 
Riscos biologicos agentes_biologicos_2013
Riscos biologicos agentes_biologicos_2013Riscos biologicos agentes_biologicos_2013
Riscos biologicos agentes_biologicos_2013
 
Biosseg.saúde abiental e ocup enfermagem
Biosseg.saúde abiental e ocup enfermagemBiosseg.saúde abiental e ocup enfermagem
Biosseg.saúde abiental e ocup enfermagem
 
aula01-higieneocupacional-191015195832.ppt
aula01-higieneocupacional-191015195832.pptaula01-higieneocupacional-191015195832.ppt
aula01-higieneocupacional-191015195832.ppt
 

Último

Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdfRelação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
AdivaldoSantosRibeir
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
wilkaccb
 

Último (10)

Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdfAnticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
 
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdfRelação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
 
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdfManual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 

Vigilancia em saude

  • 1. VIGILÂNCIA EM SAÚDE Prof. Esp. Lorrane Brasileiro Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 2. ■A vigilância em saúde está relacionada aos modos de viver e adoecer presentes em cada local e época e às ações e práticas desenvolvidas para prevenir a ocorrência e propagação das doenças. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 3. ■O conceito de vigilância em saúde inclui a vigilância e o controle das doenças transmissíveis, das doenças e agravos não transmissíveis, da situação de saúde, da saúde ambiental, da saúde do trabalhador e da vigilância sanitária. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 4. Vigilância Epidemiológica ■ é definida pela Lei no 8.080/90; como um conjunto de ações que possibilita os conhecimentos necessários para a detecção e prevenção de quaisquer mudanças nos fatores que determinam e condicionam a saúde dos indivíduos e da coletividade, com o propósito de recomendar e adotar as medidas de prevenção e controle das doenças e agravos. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 5. ■ A vigilância epidemiológica tem como funções coletar e processar dados sobre a ocorrência de agravos e doenças, oferecer recomendações sobre medidas de controle, promover ações de controle apontadas, avaliar o impacto das medidas adotadas e divulgar informações pertinentes. ■ Possui como objetivo fornecer continuamente informações atualizadas, bem como orientação técnica aos trabalhadores de saúde que em seu cotidiano necessitam tomar decisões e planejar ações no combate de doenças e agravos. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 6. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 7. Vigilância Sanitária ■ propõe e executa ações capazes de eliminar, minimizar, ou evitar riscos à saúde, por meio de intervenções nos problemas identificados relacionados ao meio ambiente e à produção e circulação de produtos e serviços de interesse da saúde, abrangendo: ■ I- Controle de bens de consumo que possam, direta ou indiretamente, interferir na situação de saúde, compreendendo as etapas e os processos, da produção ao consumo. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 8. Vigilância Sanitária ■ II- Serviços prestados relacionados à saúde. A vigilância sanitária exerce papel fundamental junto a outras políticas para possibilitar a proteção e promover a saúde. Por meio do monitoramento e da fiscalização, regula a produção e comercialização de produtos que podem causar danos à saúde da população. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 9. ■ Dentre os objetivos prioritários das ações da Vigilância em Saúde, temos: • Identificar, detectar, monitorar e controlar fatores determinantes e condicionantes da saúde individual e coletiva, além dos riscos e dos agravos à saúde. • Analisar, de forma permanente, a situação da saúde da população, articulando um conjunto de ações que garantam a integralidade da atenção, o que inclui a abordagem tanto individual como coletiva dos problemas de saúde. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 10. Vigilância da Situação de Saúde ■ desenvolve ações de monitoramento constante da saúde em todo o território nacional, em regiões e municípios. ■ Por meio de estudos e análises, tais ações revelam os principais indicadores de saúde, fornecendo informações importantes e privilegiando questões que tenham relevância para um planejamento de saúde mais amplo. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 11. Vigilância em Saúde Ambiental ■ objetiva conhecer, detectar ou prevenir qualquer variação nos fatores determinantes e condicionantes do ambiente que possam influenciar na saúde humana; propor e fazer uso de medidas preventivas e de controle dos fatores de risco relacionados às doenças e outros agravos à saúde, priorizando monitorar a qualidade da água para consumo humano, do ar e do solo; controlar desastres de origem natural, as substâncias químicas, os acidentes com produtos perigosos, fatores físicos e ambientes de trabalho que possam degradar o ambiente. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 12. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 13. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 14. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 15. Vigilância em Saúde doTrabalhador ■ caracteriza-se por reunir atividades que se destinam a identificar a presença de riscos nas condições de trabalho e propor intervenções com a finalidade de proteger e promover a saúde, auxiliando na recuperação e reabilitação da saúde dos trabalhadores. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 16. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 17. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 18. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 19. Áreas de abrangência ■ Vigilância Epidemiológica: a abrangência do conceito e de sua aplicabilidade contempla variados problemas de saúde pública, que extrapolam as doenças transmissíveis, ou seja, as doenças infecciosas (que historicamente foram o alvo de sua atuação). ■ Assim, engloba as malformações congênitas, envenenamentos na infância, leucemia, abortos, acidentes, doenças profissionais, comportamentos como fatores de risco, riscos ambientais, bem como grupos populacionais expostos a riscos diferenciados de adoecer e morrer, por meio de, por exemplo, programas de "saúde materno-infantil", "saúde do trabalhador", "saúde do idoso", dentre outros. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 20. Áreas de abrangência ■ Vigilância Sanitária: engloba ações que visam à eliminação, prevenção e diminuição de riscos sanitários relacionados ao meio ambiente, aos produtos, às condições de trabalho, às fronteiras e aos serviços de saúde e de transporte e circulação de pessoas e cargas. ■ A Vigilância Sanitária atua em estabelecimento público e privado, indistintamente, na defesa da população, exercendo a fiscalização e autuando multas e até interdição em casos de não cumprimento das recomendações efetuadas. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 21. • Produtos: alimentos, medicamentos, cosméticos, produtos de limpeza, sangue e derivados e equipamentos para a saúde. • Serviços de saúde: unidades de assistência ambulatorial, clínicas, hospitais, ações de assistência domiciliar, práticas de interesse à saúde, serviços de diagnóstico e, em particular, os de radiações ionizantes, hemoterapia e hemodiálise. • Meio ambiente: água, resíduos sólidos, edificações e ambiente de trabalho. • Saúde do Trabalhador: ações e práticas que envolvem intervenções sobre fatores de risco presentes nos ambientes e processos de trabalho. • Aeroportos e fronteiras: controle específico de portos, aeroportos e fronteiras, considerando veículos, cargas e pessoas. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 22. ■ A atuação da Vigilância Sanitária pode ocorrer em locais que produzem, comercializam, armazenam e distribuem produtos, tais como: ■ - Produtos alimentícios - em bares, restaurantes, mercados, frutarias, açougues, peixarias, frigoríficos. ■ - Produzem medicamentos, produtos de higiene e limpeza - drogarias, perfumarias, farmácias, empresas que embalam e transportam estes produtos. ■ - Prestam serviços de saúde - hospitais, clínicas, laboratórios, casas de repouso, consultórios. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 23. ■ - No meio ambiente - controlando a qualidade da água, do ar e do solo, o saneamento básico, calamidades públicas, o transporte de produtos perigosos. Monitora os ambientes que causam danos à saúde, entre outros. ■ - Nos ambientes de trabalho - indústrias, comércio, escritórios, empresas de transporte, entre outras. ■ - Na pós-venda - investigando situações que envolvem reações adversas a medicamentos, intoxicação por produtos químicos, entre outros. ■ - Em locais públicos - como shoppings, cinemas, clubes, postos de gasolina, salões de beleza, portos, aeroportos, áreas de fronteira, entre outros. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 24. ■ Com a implementação do Sistema Único de Saúde (SUS) e a reorientação do modelo assistencial por meio da atenção básica, a Vigilância em Saúde tornou-se responsável por todas as ações de vigilância, prevenção e controle de agravos, dando prioridade às ações de promoção à saúde, devendo realizar o monitoramento epidemiológico das doenças transmissíveis e não transmissíveis, das atividades programadas em saúde além do monitoramento da saúde ambiental e do trabalhador, com elaboração e análise de perfis de adoecimento da população e proposição de medidas de controle no território. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 25. REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO ■ BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância à Saúde. Diretrizes nacionais da vigilância em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pacto_ saude_volume13.pdf>. Acesso em: 5 março 2017. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva
  • 26. Explique de que forma a vigilância em saúde do trabalhador pode proteger e promover a saúde dos trabalhadores. Prof. Esp. Lorrane Brasileiro / Prog. Estr. Saude Coletiva