SlideShare uma empresa Scribd logo
Fátima Andréia Tamanini-Adames
(Doutoranda em Letras)
2012
1

 A CIÊNCIA LINGUÍSTICA
2
SAUSSURE

 LINGUAGEM
 FACULDADE DADA PELA NATUREZA (NÃO É A LGM Q É NATURAL, MAS A
FACULDADE DE CONSTITUIR UMA LÍNGUA), HETEROGÊNEA E MULTIFACETADA,
COM ASPECTOS FÍSICOS (ONDAS SONORAS), FISIOLÓGICOS (ORGÃOS VOCAIS) E
PSÍQUICOS (IDÉIA), NÃO SE DEIXA CLASSIFICAR – UNIDADE IMPOSSÍVEL DE
DESCOBRIR – E PERTENCE AO SOCIAL E INDIVIDUAL
 LÍNGUA + FALA
 PROD. SOCIAL PROD. INDIVIDUAL
 (SIST. ESTABELECIDO/PROD. DO PASSADO - (EM EVOLUÇÃO/ATUALIZADA
 PROD. DE CONVENÇAO ESTABELECIDA - FAZ EVOLUIR A LÍNGUA)
 ENTRE MEMBROS DE UM GRUPO)
 ADQUIRIDA – EXTERIOR AO INDIV. MANIF. EXTERNA DA LÍNGUA
 INSTRUMENTO E PRODUTO DA LÍNGUA
 PSICOLÓGICA PSICOFÍSICA
 PARTE ESSENCIAL (DEFINIDA) PARTE ACESSÓRIA (+/- ACIDENTAL)
 PROD. REGISTRADO PASSIVAMENTE ATO DE VONTADE
 HOMOGÊNEA (SIST. DE SIGNOS)
 NATUREZA CONCRETA (SIGNOS: REALIDADES
 COM SEDE NO CÉREBRO E TANGÍVEIS NA ESCRITA)
 CLASSIFICÁVEL
 UNIDADE POR SI SÓ -> OBJ. DA LINGUÍSTICA - 1º LUGAR NOS FATOS DA LGM
3
SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral. 23ª Ed. São Paulo: Cultrix, 2001.

 LÍNGUA: LINGUAGEM - FALA
 Sistema de signos distintos correspondentes a ideias distintas -> unidade da linguagem.
 Não exercemos a fala (instrumento e produto da língua) sem o instrumento criado pela
sociedade para exercitá-la: a língua (instrumento e produto da fala).
 Língua: 1 + 1 + 1... = padrão coletivo (apesar dos dialetos, a língua é comum)
 Fala: 1‟ + 1‟ +... = soma de casos particulares (combinações individuais)
 Tesouro depositado pela prática da fala em indivíduos da mesma comunidade.
 Sistema de valores, conjunto organizado de signos definidos por sua diferença em rel. a
outros signos e pela rel. com o conjunto.
 O SIGNO (unidade linguística) ESCAPA À VONTADE INDIVIDUAL OU SOCIAL
(Semiologia: ciência dos signos).
 Só seria atingida na totalidade se pudéssemos abarcar todas as imagens verbais
armazenadas em todos os indivíduos -> Sistema gramatical que existe virtualmente nos
cérebros de um conj. de indivíduos, não completo em nenhum, só completo na massa.
 Parte psíquica do circuito da fala-> conceito/sgdo + imag. acústica/sgte = signo.
 Sistema de valores puros que nada determina fora do estado (sincronia/linguística
estática) momentâneo de seus termos (q importa ao falante).
 A língua depende: da ação do tempo (1 tempo não a modifica); dos falantes (1 indivíduo
não a modifica) -> uma evolução na língua é precedida por uma multidão de fatos
similares na fala no decorrer de um tempo.
 O sistema da língua é imutável em si mesmo -> metáfora do sist. solar: se um planeta
mudar de peso, surgirá outro sistema – as alterações não são no sistema, mas num de seus
elementos. 4

 Antes da língua o pensamento é uma massa amorfa indistinta que, associada à massa
fônica, formata-a de modo particular: NADA É DISTINTO ANTES DA LÍNGUA.
 massa amorfa do pensamento formatada -> conceito/sgdo
 massa amorfa fônica formatada -> imag. acústica/sgte
 =
 Signo (forma) <-> LÍNGUA
 PAPEL DA LÍNGUA
 Servir de intermediária entre pensamento e som (signo de uma ideia).
 A língua é um sistema em que todos os termos são solidários, e o valor de um termo
resulta da presença simultânea de outros termos (identidade e diferença): o valor de um
termo pode mudar só porque mudou o de outro.
 O que permite o funcionamento da língua é o sistema de valores construído a partir das
rels. sintagmáticas (por relacionarmos com seu caráter linear) e das rels. associativas (por
associação mental) entre as uns. linguísticas (signos, q podem ser percebidos no nível
fonológico, morfológico e sintático).
5

 NÃO EXISTE UMA E UMA SÓ DEFINIÇÃO DE
LÍNGUA!
6
TEORIAS LINGUÍSTICAS
MAIS IMPORTANTES
 (CASTILHO, <http://www.museulinguaportuguesa.org.br/colunas_interna.php?id_coluna=14>)
 Do ponto de vista mental, a língua é uma
propriedade dos seres humanos, inscrita no seu
código genético, que lhes permite adquiri-la, e nela
pensar e se comunicar.
 Séc. XIX: Humboldt;
 séc. XX: Chomsky (estudos sobre aquisição da
linguagem, gramática gerativa, gramática
cognitivista, Linguística cognitivista).
7
Teoria 1: “a língua é uma
atividade mental”

 TEORIA GERATIVISTA (INTERNALISTA):
 GERAÇÃO DE SEQUÊNCIAS BEM FORMADAS DA LÍNGUA
 RELAÇÃO LINGUAGEM/MENTE (MENTALISMO) -> Há um componente na mente
humana dedicado à linguagem (já se descobriu um gene) que interage com outros
sistemas mentais.
 TEORIA DOS PRINCÍPIOS E PARÂMETROS (PROGRAMA MINIMALISTA):
 As línguas operam com propriedades mínimas distintivas -> traços.
 A LÍNGUA tem traços que montam itens lexicais (palavras) que serão usados por
“operações computacionais” fixas para constituir “representações semânticas”
uniformes.
 FACULDADE DA LINGUAGEM
 (órgão da linguagem - como existem outros órgãos no organismo humano)
 ESTÁGIO INICIAL (ei) ESTÁGIO FINAL (PÓS EXPERIÊNCIA)
 Se encaixa em sistemas que devem poder “ler” as expressões da língua e usá-las para
instruir o pensamento e a ação.
 Propriedade da espécie humana – evolução biológica.
8
CHOMSKY, N. Linguagem e mente. Brasília: Editora UnB, 1998.

 LÍNGUA
 Resultado da ação recíproca do “ei” e da experiência (analisáveis).
 Podemos estudar até a comunicação das abelhas - diferente de Benveniste (*).
 (*) Segundo Benveniste, embora seja bem preciso o sistema de comunicação das abelhas -
ou de qualquer outro animal - ele não constitui uma linguagem, no sentido em que o
termo é empregado quando se trata de linguagem humana. Na linguagem das abelhas há
a percepção de signos que são compreensíveis para as outras abelhas da colmeia. Assim,
podemos observar que essa comunicação é entendida pelas outras abelhas de forma única
para aquele grupo. Então podemos dizer que a comunicação das abelhas não é uma
linguagem, mas sim um código de sinais no qual esse sistema de transmissão da
comunicação está inscrito dentro de uma comunidade e todos seus integrantes irão
compreendê-lo da mesma forma.
 Há 1 só língua (estr. profunda), com diferença nas margens (estr. de superf. – as
minoritárias diferenças importam muito mais que a maioria em comum – gerada por
profundas transformações).
 COMPETÊNCIA
 Conhecimento mental/interno que o falante tem de sua língua -> igual para todos.
 DESEMPENHO
 Uso concreto da língua -> varia conforme as condições socioculturais.
 LINGUAGEM
 Não é um sistema social de comunicação, mas um meio de expressão do pensamento!9
 (CASTILHO, <http://www.museulinguaportuguesa.org.br/colunas_interna.php?id_coluna=14>)
 Do ponto de vista gramatical, a língua é um sistema
abstrato, é uma estrutura suficientemente complexa
para recolher todas as variáveis.
 Estudos saussurianos - inclui pontos de vista sobre
as unidades linguísticas e sobre os níveis
hierárquicos que compõem a estrutura linguística.
10
Teoria 2:
“a língua é uma estrutura”

 SISTEMA: Organização e adequação das partes numa estrutura que explica seus
elementos.
 ESTRUTURALISTAS: Procuram na rel. dos fonemas entre si o modelo da “estrutura”
geral dos “sistemas” linguísticos – filiam-se a Saussure: “A sociedade tb. é uma estrutura
com identidades e diferenças que permitem um jogo”(BENVENISTE, 1999).
 LÍNGUA
 COMO REPERTÓRIO COMO ATIVIDADE (1) MANIFESTADA
 DE SIGNOS NAS INSTÂNCIAS DE DISCURSO/
 ENUNCIADOS (atos cada vez únicos pelos quais
 o locutor atualiza a língua em palavra, enunciando):
 não se concebe língua sem pessoa - eu/tu –ele (2)
 CARACTERIZADAS POR ÍNDICES
 PRÓPRIOS (REFERENTES)
 SIST. SEMIÓTICO SIST. SEMÂNTICO
 (CUJA UN. É O SIGNO - DE DUPLA FACE)
 COMO FORMA COMO ENUNCIADO
 (= Saussure) DISCURSO
 (1) Na análise dos pronomes pessoais, Benveniste reconhece a natureza da subjetividade,
percebendo a necessidade de distinguir a língua como repertório de signos e a língua
como „atividade‟ manifestada nas instâncias de discurso.
 (2) Não pessoa.
11
BENVENISTE, E. Problemas de linguística geral I. 4ª Ed. Campinas: Pontes, 1995.

 LÍNGUAGEM
 SISTEMA DE SIGNOS ASSUMIDA POR UM “EU”
 (= língua de Saussure) (= fala de Saussure)
 (cada locutor assume por sua
 conta a linguagem inteira)
 NÍVEL PRAGMÁTICO (tipo de linguagem
 que contem o enunciado que contem “eu”)
 COMO SISTEMA EM USO
 INDIVIDUAL
 DIALÓGICA (EU (*)/TU)
 DISCURSO
 (produto da linguagem colocada em uso por um locutor)
 Eu não existo fora da linguagem – a linguagem define o indivíduo quando ele se enuncia
como locutor pela construção linguística particular de que se serve -> DISCURSO:
linguagem em uso.
 Quando alguém se apropria da linguagem, ela vira INSTÂNCIAS DE
DISCURSO/ENUNCIADOS com referências internas cuja chave é o “eu”.
 (*) Única pessoa que pode se manifestar.
12

 LÍNGUAGEM DISCURSO
 NÃO É INSTRUMENTO DA COMUNICAÇÃO! CARÁTER PRAGMÁTICO
 (diferente de Jakobson) LÍNGUA ASSUMIDA POR
 UM HOMEM QUE FALA
 ESTÁ NA NATUREZA DO HOMEM LINGUAGEM POSTA EM AÇÃO
 (QUE NÃO A FABRICOU) E ENTRE INTERLOCUTORES
 INSTRUMENTO DA LINGUAGEM
 PROVOCA COMPORTAMENTO ÚNICA FORMA DE
 NO INTERLOCUTOR COMUNICAÇÃO LINGUÍSTICA
 PAPEL DE TRANSMISSÃO (ATÉ POR MEIOS
 NÃO LINGUÍSTICOS – gestos...)
 NATUREZA NÃO MATERIAL
 FUNCIONAMENTO SIMBÓLICO
 ORGANIZAÇÃO ARTICULADA
 COM CONTEÚDO
 PROPRIEDADE ASSOCIADA AO HOMEM (NÃO O ATINGIMOS FORA DELA) –
 MANEIRA PELA QUAL O HOMEM SE CONSTITUI COMO SUJEITO
 FUNDAMENTA A SUBJETIVIDADE (CUJO FUNDAMENTO
 ESTÁ NO EXERC. DA LÍNGUA)
 CONDIÇÃO FUNDAMENTAL: POLARIDADE DAS PESSOAS
 (CADA LOCUTOR SE APRES. COMO SUJEITO NA LINGUAGEM, REMETENDO A ELE
MESMO COMO “EU” NO SEU DISCURSO (“EU” PROPÕE OUTRA PES. QUE,
 EMBORA EXTERIOR A MIM, TORNA-SE MEU ECO) –
 A REALIDADE DO “EU” REMETE À REALIDADE DO DISCURSO
 CONSEQUÊNCIA PRAGMÁTICA DA LINGUAGEM: COMUNICAÇÃO 13

 LÍNGUA
 domínio do sentido
 2 MODALIDADES/NÍVEIS DE SENTIDO
 SEMIÓTICO SEMÂNTICO
 (= Saussure)
 FECHADO ABERTO
 LÍNGUA LÍNGUA E CULTURA
 (deriva de sistema de valores –
 branco: paz ou luto)
 O papel da língua é o de representar, tomar o lugar de outra coisa, tornando-se
substitutivo.
 O fundamento da Linguística é o simbólico da língua como poder de significação –
todo mecanismo de cultura é simbólico.
 Propõe 2 TIPOS DE ANÁLISE
 INTRALINGUÍSTICA TRANSLINGUÍSTICA
 SEMIÓTICA SEMÂNTICA
 (introduz língua como)
 SIGNIFICAR COMUNICAR
 UN. SIGNO DISCURSO
 PROPR. INTERNA DA LÍNGUA LÍNGUA EM AÇÃO14
BENVENISTE, E. Problemas de linguística geral II. Campinas: Pontes, 1999.

 ENUNCIAÇÃO:
 Colocar a língua em funcionamento por um ato individual de utilização.
 Ato de produção do enunciado (e não o texto do enunciado).
 Antes da enunciação, a língua é só uma possibilidade; depois dela, a língua é efetuada
numa instância do discurso, introduzindo um locutor.
 A ENUNCIAÇÃO constitui um CENTRO DE REFERÊNCIA INTERNO.
 Na língua, há signos plenos e signos vazios que só existem pela enunciação e na rel.
aqui/agora do locutor/enunciador.
 O locutor usa a língua como instrumento para influenciar o alocutário.
15
 (CASTILHO, <http://www.museulinguaportuguesa.org.br/colunas_interna.php?id_coluna=14>)
 Do ponto de vista social, a língua é um feixe de variantes, visto que ela
resulta do conjunto das variações.
 A Gramática deixa de ser uma disciplina científica autônoma, buscando
pontos de contato com a Psicologia, a Sociologia, a Antropologia, a
Semiologia, a Ciência Política, a História e a Filosofia.
 A gramática da língua assim concebida é um conjunto de regras em que se
procura correlacionar as classes, as relações e as funções com as situações
sociais concretas em que elas foram geradas. Para situar a língua em seu
contexto social, essa GRAMÁTICA FUNCIONALISTA ultrapassa o
limite da sentença, e avança na análise dos textos extensos.
 Halliday propõe uma mudança de enfoque mediante a concentração da
atenção nos usuários e nos usos da língua, mediante uma valorização do
emissor, do receptor e da variação linguística no quadro da reflexão
gramatical.
16
Teoria 3: “a língua é uma
atividade social”

 LINGUÍSTICA -> LINGUAGEM EM TODOS OS SEUS ASPECTOS
 NO ATO E EM EVOLUÇÃO / NASCENTE E EM DISSOLUÇÃO (INCLUI A FALA -
fonologia - AFASIAS)
 LINGUAGEM -> DUPLO CARÁTER:
 FUNÇÃO DISTINTIVA (FONEMAS) + FUNÇÃO SIGNIFICATIVA (MORFEMAS)
 FALA: Seleção (P) de palavras (morfemas, fonemas...) a serem combinadas (S) em frases:
enunciado.
 Quem fala não é livre (é apenas um usuário de palavras), mas seleciona dentro de um
repertorio lexical limitado (comum entre EMISSOR e DESTINATÁRIO):
 o ATO DE FALA exige um CÓDIGO COMUM - o código impõe limitações de
combinações.
 Diferentes artes são comparáveis (pode-se converter um livro num filme, balé...) e
pertencem não só à linguagem, mas a toda semiótica (Semiótica: ciência dos signos) -
traços pansemióticos: compartilhados por vários sistemas de signos, entre eles a
linguagem.
 O que varia nas línguas são os aspectos gramaticais, mas o significado pode ser expresso
identicamente - se uma língua tiver menos aspectos gramaticais, não significa que seja
mais obscura.
 A diferença entre as línguas está no que deve ou não ser expresso pelo falante, e não no
que se possa ou não exprimir - mas, existem aspectos da informação – gramaticais –
obrigatórios em todas as línguas.
 17
JAKOBSON, R. Linguística e comunicação. 20ª Ed. São Paulo: Cultrix, 2005.

 LINGUAGEM
 ESTRUTURA BIPOLAR
 POLO METAFÓRICO POLO METONÍMICO
 SIMILARIDADE CONTIGUIDADE
 (usamos mais um ou outro polo, conforme o “estilo”)
 2 MODOS DE ARRANJO DO SIGNO QUE A LINGUAGEM UTILIZA
 SELEÇÃO COMBINAÇÃO
 SUBSTITUIÇÃO CONTEXTURA
 CONCATENAÇÃO (no tempo)
 CONCORRÊNCIA (Saussure não viu -
 crença no caráter linear da linguagem)
 ASSOC. AO CÓDIGO ASSOC. AO CÓDIGO E À MSG./CONTEXTO
 rel. interna - in absentia rel. externa - in praesentia
 Poesia Prosa
 Romantismo, Simbolismo, Surrealismo Realismo, Cubismo

18

 A linguagem é um instrumento que serve para transmitir informações – não se pode
descrever suas partes sem descrever suas funções – e deve ser estudada em toda
variedade de suas funções (FUNCIONALISMO).
 PROCESSO LINGUÍSTICO: Ato de comunicação verbal que requer 6 fatores e determina
as 6 FUNÇÕES DA LINGUAGEM:
 emotiva: determinada pelo emissor, que visa exprimir a sua atitude perante aquilo de
que está a falar, uma emoção em relação ao assunto que está a tratar (ex.: "Estou
encantada com esta visita.");
 conativa: em mensagens centradas no destinatário, tentando influenciá-lo ou levá-lo a
agir (ex.: "Fale um pouco mais alto, por favor.");
 referencial: na generalidade das mensagens e é determinada pelo contexto: o emissor tem
a intenção de informar, de referir, de descrever uma situação um estado de coisas, um
acontecimento,. etc. (ex.: "Ontem, em Coimbra, a temperatura atingiu os 32 graus.");
 poética: determinada pela mensagem, valorizada por um recurso expressivo (ex.: "Ó mar
salgado, quanto do teu sal são lágrimas de Portugal!");
 metalinguística: quando há a preocupação em esclarecer aspectos do código, quando o
emissor e o receptor sentem necessidade de clarificar se estão a referir-se ao mesmo, se
não há ambiguidades, etc. (ex.: "Quando disse chá, queria referir-me àquela bebida
aromática feita das folhas do chá e não a esta água de limão.")
 fática: quando se pretende estabelecer ou manter o contato com o interlocutor, ver se ele
está a prestar atenção ou verificar se o canal funciona (ex.: "Estás a ouvir-me?... Sim,
claro.").
19

 O estudo das FUNÇÕES DA LINGUAGEM tem sido feito por vários linguistas, além de
Jakobson (anos 50), como Karl Buhler, John Lyons e M. A. K. Halliday
(<http://www.ciberduvidas.pt/pergunta.php?id=8220>).
 BUHLER APRESENTA TRÊS FUNÇÕES DA LINGUAGEM:
 representativa: a língua é um sistema de representação de tudo aquilo que constitui para
o homem o pensável, tem a função de elaboração do pensamento; através da língua o
homem veicula o mundo exterior e interior;
 expressiva: ao utilizar a língua, o sujeito falante manifesta uma atitude, uma posição, um
ponto de vista (de natureza intelectual, psicológica, moral ou afetiva) em relação àquilo
de que fala;
 apelativa: o emissor visa uma reação por parte do receptor da mensagem.
 LYONS DEFINE TRÊS FUNÇÕES:
 descritiva: idêntica à referencial de Jakobson;
 expressiva: idêntica à emotiva de Jakobson;
 social: de comunicação e integração na comunidade a que se pertence.
 HALLIDAY CONSIDERA TRÊS (META)FUNÇÕES (*):
 ideacional: a linguagem serve para organizar a experiência e a interpretação do real, com
a referência a tudo o que pretendemos (intervenientes, situações, espaço, tempo, etc.);
 interpessoal: a linguagem serve para estabelecer relações entre as pessoas;
 textual: a capacidade do falante em criar e reconhecer unidades textuais.
 (*) FAIRCLOUGH: significados textuais acionais, identitários e representacionais
20


 FILOSOFIA DA LINGUAGEM
21
BAKHTIN

 As esferas de atividade humana estão relacionadas com o uso da língua, que se efetua na
forma de enunciados (unidades reais de comunicação), concretos e únicos (individuais)
que emanam dos integrantes de uma dada esfera.
 A língua penetra na vida através de enunciados concretos que a realizam e a vida penetra
na língua através dos enunciados concretos .
 Apenas no enunciado a língua se encarna individualmente.
 Os estilos da língua pertencem por natureza ao gênero do discurso (forma prescritiva do
enunciado).
 A língua requer o locutor e o objeto de seu discurso.
 NATUREZA DA LÍNGUA
 Ter compreensão responsiva ativa
 (comunicação verbal– o diálogo é a forma clássica).
22
BAKHTIN, M. M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. M. Estética da
Criação Verbal. 2ª Ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997, p. 277-326.

 Para ele o único objeto real e material de que dispomos para entender o fenômeno da
linguagem humana é o exercício da fala em sociedade.
 [...] Para ele, a língua — que Saussure considera o objeto da linguística — não passa de um
modelo abstrato, construído pelo teórico a partir da linguagem viva a real. Coerentemente
Saussure afirmava que “não é o objeto que precede o ponto de vista, mas é o ponto de vista que cria
o objeto”. No caso da linguística é exatamente o que ocorre: o seu objeto é criado a partir do ponto
de vista de que a linguagem humana não pode ser objeto de conhecimento científico, assim como o
exercício da fala.
 [...] Mas, muito mais do que isto, para Bakhtin, já que se trata de linguagem e não de língua, a
unidade básica não pode ser o signo, mas o enunciado. Um enunciado não é um signo pela
simples razão de que para existir ele exige a presença de um enunciador (quem fala, quem escreve)
e de um receptor (quem ouve, quem lê). O signo faz parte de uma construção teórica que dispensa
os sujeitos reais do discurso.
 [...] TODA LINGUAGEM SÓ EXISTE NUM COMPLEXÍSSIMO SISTEMA DE
DIÁLOGOS, QUE NUNCA SE INTERROMPE.
 [...] Portanto, por trás de cada texto está o sistema da linguagem. A esse sistema
correspondem no texto tudo o que Ž é repetido e reproduzido e tudo que pode ser repetido e
reproduzido, tudo o que pode ser dado fora de tal texto (o dado).
 [...] Vemos assim que aquilo que diz respeito à língua é o que é repetível, o que é recorrente, o
que é reprodutível. O que, enfim, não tem identidade própria. Os fonemas (ou as letras na
linguagem escrita), os significantes, a sintaxe, enfim, os signos e sus regras de combinação, na
linguagem de Saussure. As mesmas palavras podem participar de enunciados diferentes, as
mesmas figuras de retórica, uma mesma construção sintática. Tudo isto fica no domínio da língua,
do aparato técnico da linguagem. (RIBEIRO, <
http://revistabrasil.org/revista/artigos/crise.htm>)
23

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
Orlando Vsilva Estudio
 
Linguistica slides
Linguistica slidesLinguistica slides
Linguistica slides
facope
 
Concepões de língua, linguagem, norma e fala
Concepões de língua, linguagem, norma e falaConcepões de língua, linguagem, norma e fala
Concepões de língua, linguagem, norma e fala
Hélio Xavier Pereira Júnior
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
Cláudia Heloísa
 
Sintaxe
SintaxeSintaxe
O funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguisticoO funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguistico
Francione Brito
 
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguísticaIntrodução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
Maria Glalcy Fequetia Dalcim
 
Lingüística aplicada
Lingüística aplicadaLingüística aplicada
Lingüística aplicada
ADRIANA BECKER
 
Linguística i saussure
Linguística i  saussureLinguística i  saussure
Linguística i saussure
Guida Gava
 
Sobre Análise Linguística.ppt
Sobre Análise Linguística.pptSobre Análise Linguística.ppt
Sobre Análise Linguística.ppt
AmandaBatista95
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
Lygia Souza
 
Parte 1 linguística geral apresentação 2012
Parte 1   linguística geral  apresentação 2012Parte 1   linguística geral  apresentação 2012
Parte 1 linguística geral apresentação 2012
Mariana Correia
 
Linguagem, lingua, fala, discurso adm
Linguagem, lingua, fala, discurso admLinguagem, lingua, fala, discurso adm
Linguagem, lingua, fala, discurso adm
elizabeth gil
 
Concepções de linguagem, língua, gramática e
Concepções de linguagem, língua, gramática eConcepções de linguagem, língua, gramática e
Concepções de linguagem, língua, gramática e
Thiago Soares
 
BNCC - LINGUAGENS
BNCC - LINGUAGENSBNCC - LINGUAGENS
BNCC - LINGUAGENS
Sandra Lourenco
 
Textualidade e a construção dos sentidos
Textualidade e a construção dos sentidosTextualidade e a construção dos sentidos
Textualidade e a construção dos sentidos
Universidade de Santiago de Compostela
 
Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguística
Karen Olivan
 
Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1
Maninho Walker
 
Polissemia e ambiguidade
Polissemia e ambiguidadePolissemia e ambiguidade
Polissemia e ambiguidade
Lilian Hodgson
 
Linguagem comunicação e interação
Linguagem comunicação e interaçãoLinguagem comunicação e interação
Linguagem comunicação e interação
Margarete Nogueira
 

Mais procurados (20)

Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
 
Linguistica slides
Linguistica slidesLinguistica slides
Linguistica slides
 
Concepões de língua, linguagem, norma e fala
Concepões de língua, linguagem, norma e falaConcepões de língua, linguagem, norma e fala
Concepões de língua, linguagem, norma e fala
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Sintaxe
SintaxeSintaxe
Sintaxe
 
O funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguisticoO funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguistico
 
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguísticaIntrodução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
 
Lingüística aplicada
Lingüística aplicadaLingüística aplicada
Lingüística aplicada
 
Linguística i saussure
Linguística i  saussureLinguística i  saussure
Linguística i saussure
 
Sobre Análise Linguística.ppt
Sobre Análise Linguística.pptSobre Análise Linguística.ppt
Sobre Análise Linguística.ppt
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
 
Parte 1 linguística geral apresentação 2012
Parte 1   linguística geral  apresentação 2012Parte 1   linguística geral  apresentação 2012
Parte 1 linguística geral apresentação 2012
 
Linguagem, lingua, fala, discurso adm
Linguagem, lingua, fala, discurso admLinguagem, lingua, fala, discurso adm
Linguagem, lingua, fala, discurso adm
 
Concepções de linguagem, língua, gramática e
Concepções de linguagem, língua, gramática eConcepções de linguagem, língua, gramática e
Concepções de linguagem, língua, gramática e
 
BNCC - LINGUAGENS
BNCC - LINGUAGENSBNCC - LINGUAGENS
BNCC - LINGUAGENS
 
Textualidade e a construção dos sentidos
Textualidade e a construção dos sentidosTextualidade e a construção dos sentidos
Textualidade e a construção dos sentidos
 
Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguística
 
Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1
 
Polissemia e ambiguidade
Polissemia e ambiguidadePolissemia e ambiguidade
Polissemia e ambiguidade
 
Linguagem comunicação e interação
Linguagem comunicação e interaçãoLinguagem comunicação e interação
Linguagem comunicação e interação
 

Destaque

Comunicação e linguagem
Comunicação e linguagemComunicação e linguagem
Comunicação e linguagem
Paula Fialho Silva
 
Análise das Funções Administrativas - Técnico em RH
Análise das Funções Administrativas - Técnico em RHAnálise das Funções Administrativas - Técnico em RH
Análise das Funções Administrativas - Técnico em RH
Antonio Pinto Pereira
 
Gestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanosGestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanos
Rafael Pozzobon
 
Linguagem
LinguagemLinguagem
Linguagem
Carina Aguiar
 
Linguagem e Comunicação
Linguagem e ComunicaçãoLinguagem e Comunicação
Linguagem e Comunicação
7 de Setembro
 
Gestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanosGestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanos
Nicole Fernandes
 
Barreiras ao processo de comunicação
Barreiras ao processo de comunicaçãoBarreiras ao processo de comunicação
Barreiras ao processo de comunicação
Leonor Alves
 
Barreiras a comunicação
Barreiras a comunicaçãoBarreiras a comunicação
Barreiras a comunicação
Martinha Vilaça
 

Destaque (8)

Comunicação e linguagem
Comunicação e linguagemComunicação e linguagem
Comunicação e linguagem
 
Análise das Funções Administrativas - Técnico em RH
Análise das Funções Administrativas - Técnico em RHAnálise das Funções Administrativas - Técnico em RH
Análise das Funções Administrativas - Técnico em RH
 
Gestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanosGestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanos
 
Linguagem
LinguagemLinguagem
Linguagem
 
Linguagem e Comunicação
Linguagem e ComunicaçãoLinguagem e Comunicação
Linguagem e Comunicação
 
Gestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanosGestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanos
 
Barreiras ao processo de comunicação
Barreiras ao processo de comunicaçãoBarreiras ao processo de comunicação
Barreiras ao processo de comunicação
 
Barreiras a comunicação
Barreiras a comunicaçãoBarreiras a comunicação
Barreiras a comunicação
 

Semelhante a LÍNGUA & LINGUAGEM

Parte 2 linguística geral saussure - apresentação
Parte 2   linguística geral saussure - apresentaçãoParte 2   linguística geral saussure - apresentação
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação
Mariana Correia
 
Semântica
SemânticaSemântica
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti cslEsquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Eveline Sol
 
Slide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptx
Slide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptxSlide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptx
Slide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptx
Paola Barbosa Dias
 
Lingua e fala
Lingua e falaLingua e fala
Lingua e fala
Jamille Rabelo
 
Capitulo 1
Capitulo 1Capitulo 1
Capitulo 1
BrunaLuque
 
Linguagem E Sociedade
Linguagem E SociedadeLinguagem E Sociedade
Linguagem E Sociedade
FernandoFernochio
 
04.PALESTRA_I_SIC_URCA________UNILAB.ppt
04.PALESTRA_I_SIC_URCA________UNILAB.ppt04.PALESTRA_I_SIC_URCA________UNILAB.ppt
04.PALESTRA_I_SIC_URCA________UNILAB.ppt
DiinhaCavalcanteDiin
 
Sociolinguística
SociolinguísticaSociolinguística
Sociolinguística
Maria Glalcy Fequetia Dalcim
 
Curso de lingüística geral saussure
Curso de lingüística geral   saussureCurso de lingüística geral   saussure
Curso de lingüística geral saussure
LeYa
 
SEMIOLOGIA | Saussure; Guiraud
SEMIOLOGIA | Saussure; GuiraudSEMIOLOGIA | Saussure; Guiraud
SEMIOLOGIA | Saussure; Guiraud
ervinha_daninha
 
Reflecon LP1
Reflecon LP1Reflecon LP1
Reflecon LP1
Danone
 
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 01
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 01FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 01
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 01
Jordano Santos Cerqueira
 
Estudos da linguagem livro
Estudos da linguagem livroEstudos da linguagem livro
Estudos da linguagem livro
Rdo Isídio Sousa Isídio
 
Língua: prática social e suas variações
Língua: prática social e suas variaçõesLíngua: prática social e suas variações
Língua: prática social e suas variações
Tauane Danelli
 
Slides sociolinguistica
Slides sociolinguisticaSlides sociolinguistica
Slides sociolinguistica
Tamires Caroline Arend
 
UMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEM
UMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEMUMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEM
UMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEM
Fatima Andreia Tamanini
 
Resumão linguagem
Resumão linguagemResumão linguagem
Resumão linguagem
Cristiano Braga Jardim
 
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012
Mariana Correia
 
Linguística como ciência
Linguística como ciênciaLinguística como ciência
Linguística como ciência
Adventus Net
 

Semelhante a LÍNGUA & LINGUAGEM (20)

Parte 2 linguística geral saussure - apresentação
Parte 2   linguística geral saussure - apresentaçãoParte 2   linguística geral saussure - apresentação
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti cslEsquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
 
Slide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptx
Slide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptxSlide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptx
Slide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptx
 
Lingua e fala
Lingua e falaLingua e fala
Lingua e fala
 
Capitulo 1
Capitulo 1Capitulo 1
Capitulo 1
 
Linguagem E Sociedade
Linguagem E SociedadeLinguagem E Sociedade
Linguagem E Sociedade
 
04.PALESTRA_I_SIC_URCA________UNILAB.ppt
04.PALESTRA_I_SIC_URCA________UNILAB.ppt04.PALESTRA_I_SIC_URCA________UNILAB.ppt
04.PALESTRA_I_SIC_URCA________UNILAB.ppt
 
Sociolinguística
SociolinguísticaSociolinguística
Sociolinguística
 
Curso de lingüística geral saussure
Curso de lingüística geral   saussureCurso de lingüística geral   saussure
Curso de lingüística geral saussure
 
SEMIOLOGIA | Saussure; Guiraud
SEMIOLOGIA | Saussure; GuiraudSEMIOLOGIA | Saussure; Guiraud
SEMIOLOGIA | Saussure; Guiraud
 
Reflecon LP1
Reflecon LP1Reflecon LP1
Reflecon LP1
 
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 01
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 01FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 01
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 01
 
Estudos da linguagem livro
Estudos da linguagem livroEstudos da linguagem livro
Estudos da linguagem livro
 
Língua: prática social e suas variações
Língua: prática social e suas variaçõesLíngua: prática social e suas variações
Língua: prática social e suas variações
 
Slides sociolinguistica
Slides sociolinguisticaSlides sociolinguistica
Slides sociolinguistica
 
UMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEM
UMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEMUMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEM
UMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEM
 
Resumão linguagem
Resumão linguagemResumão linguagem
Resumão linguagem
 
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012
 
Linguística como ciência
Linguística como ciênciaLinguística como ciência
Linguística como ciência
 

Último

FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 

Último (20)

FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 

LÍNGUA & LINGUAGEM

  • 2.   A CIÊNCIA LINGUÍSTICA 2 SAUSSURE
  • 3.   LINGUAGEM  FACULDADE DADA PELA NATUREZA (NÃO É A LGM Q É NATURAL, MAS A FACULDADE DE CONSTITUIR UMA LÍNGUA), HETEROGÊNEA E MULTIFACETADA, COM ASPECTOS FÍSICOS (ONDAS SONORAS), FISIOLÓGICOS (ORGÃOS VOCAIS) E PSÍQUICOS (IDÉIA), NÃO SE DEIXA CLASSIFICAR – UNIDADE IMPOSSÍVEL DE DESCOBRIR – E PERTENCE AO SOCIAL E INDIVIDUAL  LÍNGUA + FALA  PROD. SOCIAL PROD. INDIVIDUAL  (SIST. ESTABELECIDO/PROD. DO PASSADO - (EM EVOLUÇÃO/ATUALIZADA  PROD. DE CONVENÇAO ESTABELECIDA - FAZ EVOLUIR A LÍNGUA)  ENTRE MEMBROS DE UM GRUPO)  ADQUIRIDA – EXTERIOR AO INDIV. MANIF. EXTERNA DA LÍNGUA  INSTRUMENTO E PRODUTO DA LÍNGUA  PSICOLÓGICA PSICOFÍSICA  PARTE ESSENCIAL (DEFINIDA) PARTE ACESSÓRIA (+/- ACIDENTAL)  PROD. REGISTRADO PASSIVAMENTE ATO DE VONTADE  HOMOGÊNEA (SIST. DE SIGNOS)  NATUREZA CONCRETA (SIGNOS: REALIDADES  COM SEDE NO CÉREBRO E TANGÍVEIS NA ESCRITA)  CLASSIFICÁVEL  UNIDADE POR SI SÓ -> OBJ. DA LINGUÍSTICA - 1º LUGAR NOS FATOS DA LGM 3 SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral. 23ª Ed. São Paulo: Cultrix, 2001.
  • 4.   LÍNGUA: LINGUAGEM - FALA  Sistema de signos distintos correspondentes a ideias distintas -> unidade da linguagem.  Não exercemos a fala (instrumento e produto da língua) sem o instrumento criado pela sociedade para exercitá-la: a língua (instrumento e produto da fala).  Língua: 1 + 1 + 1... = padrão coletivo (apesar dos dialetos, a língua é comum)  Fala: 1‟ + 1‟ +... = soma de casos particulares (combinações individuais)  Tesouro depositado pela prática da fala em indivíduos da mesma comunidade.  Sistema de valores, conjunto organizado de signos definidos por sua diferença em rel. a outros signos e pela rel. com o conjunto.  O SIGNO (unidade linguística) ESCAPA À VONTADE INDIVIDUAL OU SOCIAL (Semiologia: ciência dos signos).  Só seria atingida na totalidade se pudéssemos abarcar todas as imagens verbais armazenadas em todos os indivíduos -> Sistema gramatical que existe virtualmente nos cérebros de um conj. de indivíduos, não completo em nenhum, só completo na massa.  Parte psíquica do circuito da fala-> conceito/sgdo + imag. acústica/sgte = signo.  Sistema de valores puros que nada determina fora do estado (sincronia/linguística estática) momentâneo de seus termos (q importa ao falante).  A língua depende: da ação do tempo (1 tempo não a modifica); dos falantes (1 indivíduo não a modifica) -> uma evolução na língua é precedida por uma multidão de fatos similares na fala no decorrer de um tempo.  O sistema da língua é imutável em si mesmo -> metáfora do sist. solar: se um planeta mudar de peso, surgirá outro sistema – as alterações não são no sistema, mas num de seus elementos. 4
  • 5.   Antes da língua o pensamento é uma massa amorfa indistinta que, associada à massa fônica, formata-a de modo particular: NADA É DISTINTO ANTES DA LÍNGUA.  massa amorfa do pensamento formatada -> conceito/sgdo  massa amorfa fônica formatada -> imag. acústica/sgte  =  Signo (forma) <-> LÍNGUA  PAPEL DA LÍNGUA  Servir de intermediária entre pensamento e som (signo de uma ideia).  A língua é um sistema em que todos os termos são solidários, e o valor de um termo resulta da presença simultânea de outros termos (identidade e diferença): o valor de um termo pode mudar só porque mudou o de outro.  O que permite o funcionamento da língua é o sistema de valores construído a partir das rels. sintagmáticas (por relacionarmos com seu caráter linear) e das rels. associativas (por associação mental) entre as uns. linguísticas (signos, q podem ser percebidos no nível fonológico, morfológico e sintático). 5
  • 6.   NÃO EXISTE UMA E UMA SÓ DEFINIÇÃO DE LÍNGUA! 6 TEORIAS LINGUÍSTICAS MAIS IMPORTANTES
  • 7.  (CASTILHO, <http://www.museulinguaportuguesa.org.br/colunas_interna.php?id_coluna=14>)  Do ponto de vista mental, a língua é uma propriedade dos seres humanos, inscrita no seu código genético, que lhes permite adquiri-la, e nela pensar e se comunicar.  Séc. XIX: Humboldt;  séc. XX: Chomsky (estudos sobre aquisição da linguagem, gramática gerativa, gramática cognitivista, Linguística cognitivista). 7 Teoria 1: “a língua é uma atividade mental”
  • 8.   TEORIA GERATIVISTA (INTERNALISTA):  GERAÇÃO DE SEQUÊNCIAS BEM FORMADAS DA LÍNGUA  RELAÇÃO LINGUAGEM/MENTE (MENTALISMO) -> Há um componente na mente humana dedicado à linguagem (já se descobriu um gene) que interage com outros sistemas mentais.  TEORIA DOS PRINCÍPIOS E PARÂMETROS (PROGRAMA MINIMALISTA):  As línguas operam com propriedades mínimas distintivas -> traços.  A LÍNGUA tem traços que montam itens lexicais (palavras) que serão usados por “operações computacionais” fixas para constituir “representações semânticas” uniformes.  FACULDADE DA LINGUAGEM  (órgão da linguagem - como existem outros órgãos no organismo humano)  ESTÁGIO INICIAL (ei) ESTÁGIO FINAL (PÓS EXPERIÊNCIA)  Se encaixa em sistemas que devem poder “ler” as expressões da língua e usá-las para instruir o pensamento e a ação.  Propriedade da espécie humana – evolução biológica. 8 CHOMSKY, N. Linguagem e mente. Brasília: Editora UnB, 1998.
  • 9.   LÍNGUA  Resultado da ação recíproca do “ei” e da experiência (analisáveis).  Podemos estudar até a comunicação das abelhas - diferente de Benveniste (*).  (*) Segundo Benveniste, embora seja bem preciso o sistema de comunicação das abelhas - ou de qualquer outro animal - ele não constitui uma linguagem, no sentido em que o termo é empregado quando se trata de linguagem humana. Na linguagem das abelhas há a percepção de signos que são compreensíveis para as outras abelhas da colmeia. Assim, podemos observar que essa comunicação é entendida pelas outras abelhas de forma única para aquele grupo. Então podemos dizer que a comunicação das abelhas não é uma linguagem, mas sim um código de sinais no qual esse sistema de transmissão da comunicação está inscrito dentro de uma comunidade e todos seus integrantes irão compreendê-lo da mesma forma.  Há 1 só língua (estr. profunda), com diferença nas margens (estr. de superf. – as minoritárias diferenças importam muito mais que a maioria em comum – gerada por profundas transformações).  COMPETÊNCIA  Conhecimento mental/interno que o falante tem de sua língua -> igual para todos.  DESEMPENHO  Uso concreto da língua -> varia conforme as condições socioculturais.  LINGUAGEM  Não é um sistema social de comunicação, mas um meio de expressão do pensamento!9
  • 10.  (CASTILHO, <http://www.museulinguaportuguesa.org.br/colunas_interna.php?id_coluna=14>)  Do ponto de vista gramatical, a língua é um sistema abstrato, é uma estrutura suficientemente complexa para recolher todas as variáveis.  Estudos saussurianos - inclui pontos de vista sobre as unidades linguísticas e sobre os níveis hierárquicos que compõem a estrutura linguística. 10 Teoria 2: “a língua é uma estrutura”
  • 11.   SISTEMA: Organização e adequação das partes numa estrutura que explica seus elementos.  ESTRUTURALISTAS: Procuram na rel. dos fonemas entre si o modelo da “estrutura” geral dos “sistemas” linguísticos – filiam-se a Saussure: “A sociedade tb. é uma estrutura com identidades e diferenças que permitem um jogo”(BENVENISTE, 1999).  LÍNGUA  COMO REPERTÓRIO COMO ATIVIDADE (1) MANIFESTADA  DE SIGNOS NAS INSTÂNCIAS DE DISCURSO/  ENUNCIADOS (atos cada vez únicos pelos quais  o locutor atualiza a língua em palavra, enunciando):  não se concebe língua sem pessoa - eu/tu –ele (2)  CARACTERIZADAS POR ÍNDICES  PRÓPRIOS (REFERENTES)  SIST. SEMIÓTICO SIST. SEMÂNTICO  (CUJA UN. É O SIGNO - DE DUPLA FACE)  COMO FORMA COMO ENUNCIADO  (= Saussure) DISCURSO  (1) Na análise dos pronomes pessoais, Benveniste reconhece a natureza da subjetividade, percebendo a necessidade de distinguir a língua como repertório de signos e a língua como „atividade‟ manifestada nas instâncias de discurso.  (2) Não pessoa. 11 BENVENISTE, E. Problemas de linguística geral I. 4ª Ed. Campinas: Pontes, 1995.
  • 12.   LÍNGUAGEM  SISTEMA DE SIGNOS ASSUMIDA POR UM “EU”  (= língua de Saussure) (= fala de Saussure)  (cada locutor assume por sua  conta a linguagem inteira)  NÍVEL PRAGMÁTICO (tipo de linguagem  que contem o enunciado que contem “eu”)  COMO SISTEMA EM USO  INDIVIDUAL  DIALÓGICA (EU (*)/TU)  DISCURSO  (produto da linguagem colocada em uso por um locutor)  Eu não existo fora da linguagem – a linguagem define o indivíduo quando ele se enuncia como locutor pela construção linguística particular de que se serve -> DISCURSO: linguagem em uso.  Quando alguém se apropria da linguagem, ela vira INSTÂNCIAS DE DISCURSO/ENUNCIADOS com referências internas cuja chave é o “eu”.  (*) Única pessoa que pode se manifestar. 12
  • 13.   LÍNGUAGEM DISCURSO  NÃO É INSTRUMENTO DA COMUNICAÇÃO! CARÁTER PRAGMÁTICO  (diferente de Jakobson) LÍNGUA ASSUMIDA POR  UM HOMEM QUE FALA  ESTÁ NA NATUREZA DO HOMEM LINGUAGEM POSTA EM AÇÃO  (QUE NÃO A FABRICOU) E ENTRE INTERLOCUTORES  INSTRUMENTO DA LINGUAGEM  PROVOCA COMPORTAMENTO ÚNICA FORMA DE  NO INTERLOCUTOR COMUNICAÇÃO LINGUÍSTICA  PAPEL DE TRANSMISSÃO (ATÉ POR MEIOS  NÃO LINGUÍSTICOS – gestos...)  NATUREZA NÃO MATERIAL  FUNCIONAMENTO SIMBÓLICO  ORGANIZAÇÃO ARTICULADA  COM CONTEÚDO  PROPRIEDADE ASSOCIADA AO HOMEM (NÃO O ATINGIMOS FORA DELA) –  MANEIRA PELA QUAL O HOMEM SE CONSTITUI COMO SUJEITO  FUNDAMENTA A SUBJETIVIDADE (CUJO FUNDAMENTO  ESTÁ NO EXERC. DA LÍNGUA)  CONDIÇÃO FUNDAMENTAL: POLARIDADE DAS PESSOAS  (CADA LOCUTOR SE APRES. COMO SUJEITO NA LINGUAGEM, REMETENDO A ELE MESMO COMO “EU” NO SEU DISCURSO (“EU” PROPÕE OUTRA PES. QUE,  EMBORA EXTERIOR A MIM, TORNA-SE MEU ECO) –  A REALIDADE DO “EU” REMETE À REALIDADE DO DISCURSO  CONSEQUÊNCIA PRAGMÁTICA DA LINGUAGEM: COMUNICAÇÃO 13
  • 14.   LÍNGUA  domínio do sentido  2 MODALIDADES/NÍVEIS DE SENTIDO  SEMIÓTICO SEMÂNTICO  (= Saussure)  FECHADO ABERTO  LÍNGUA LÍNGUA E CULTURA  (deriva de sistema de valores –  branco: paz ou luto)  O papel da língua é o de representar, tomar o lugar de outra coisa, tornando-se substitutivo.  O fundamento da Linguística é o simbólico da língua como poder de significação – todo mecanismo de cultura é simbólico.  Propõe 2 TIPOS DE ANÁLISE  INTRALINGUÍSTICA TRANSLINGUÍSTICA  SEMIÓTICA SEMÂNTICA  (introduz língua como)  SIGNIFICAR COMUNICAR  UN. SIGNO DISCURSO  PROPR. INTERNA DA LÍNGUA LÍNGUA EM AÇÃO14 BENVENISTE, E. Problemas de linguística geral II. Campinas: Pontes, 1999.
  • 15.   ENUNCIAÇÃO:  Colocar a língua em funcionamento por um ato individual de utilização.  Ato de produção do enunciado (e não o texto do enunciado).  Antes da enunciação, a língua é só uma possibilidade; depois dela, a língua é efetuada numa instância do discurso, introduzindo um locutor.  A ENUNCIAÇÃO constitui um CENTRO DE REFERÊNCIA INTERNO.  Na língua, há signos plenos e signos vazios que só existem pela enunciação e na rel. aqui/agora do locutor/enunciador.  O locutor usa a língua como instrumento para influenciar o alocutário. 15
  • 16.  (CASTILHO, <http://www.museulinguaportuguesa.org.br/colunas_interna.php?id_coluna=14>)  Do ponto de vista social, a língua é um feixe de variantes, visto que ela resulta do conjunto das variações.  A Gramática deixa de ser uma disciplina científica autônoma, buscando pontos de contato com a Psicologia, a Sociologia, a Antropologia, a Semiologia, a Ciência Política, a História e a Filosofia.  A gramática da língua assim concebida é um conjunto de regras em que se procura correlacionar as classes, as relações e as funções com as situações sociais concretas em que elas foram geradas. Para situar a língua em seu contexto social, essa GRAMÁTICA FUNCIONALISTA ultrapassa o limite da sentença, e avança na análise dos textos extensos.  Halliday propõe uma mudança de enfoque mediante a concentração da atenção nos usuários e nos usos da língua, mediante uma valorização do emissor, do receptor e da variação linguística no quadro da reflexão gramatical. 16 Teoria 3: “a língua é uma atividade social”
  • 17.   LINGUÍSTICA -> LINGUAGEM EM TODOS OS SEUS ASPECTOS  NO ATO E EM EVOLUÇÃO / NASCENTE E EM DISSOLUÇÃO (INCLUI A FALA - fonologia - AFASIAS)  LINGUAGEM -> DUPLO CARÁTER:  FUNÇÃO DISTINTIVA (FONEMAS) + FUNÇÃO SIGNIFICATIVA (MORFEMAS)  FALA: Seleção (P) de palavras (morfemas, fonemas...) a serem combinadas (S) em frases: enunciado.  Quem fala não é livre (é apenas um usuário de palavras), mas seleciona dentro de um repertorio lexical limitado (comum entre EMISSOR e DESTINATÁRIO):  o ATO DE FALA exige um CÓDIGO COMUM - o código impõe limitações de combinações.  Diferentes artes são comparáveis (pode-se converter um livro num filme, balé...) e pertencem não só à linguagem, mas a toda semiótica (Semiótica: ciência dos signos) - traços pansemióticos: compartilhados por vários sistemas de signos, entre eles a linguagem.  O que varia nas línguas são os aspectos gramaticais, mas o significado pode ser expresso identicamente - se uma língua tiver menos aspectos gramaticais, não significa que seja mais obscura.  A diferença entre as línguas está no que deve ou não ser expresso pelo falante, e não no que se possa ou não exprimir - mas, existem aspectos da informação – gramaticais – obrigatórios em todas as línguas.  17 JAKOBSON, R. Linguística e comunicação. 20ª Ed. São Paulo: Cultrix, 2005.
  • 18.   LINGUAGEM  ESTRUTURA BIPOLAR  POLO METAFÓRICO POLO METONÍMICO  SIMILARIDADE CONTIGUIDADE  (usamos mais um ou outro polo, conforme o “estilo”)  2 MODOS DE ARRANJO DO SIGNO QUE A LINGUAGEM UTILIZA  SELEÇÃO COMBINAÇÃO  SUBSTITUIÇÃO CONTEXTURA  CONCATENAÇÃO (no tempo)  CONCORRÊNCIA (Saussure não viu -  crença no caráter linear da linguagem)  ASSOC. AO CÓDIGO ASSOC. AO CÓDIGO E À MSG./CONTEXTO  rel. interna - in absentia rel. externa - in praesentia  Poesia Prosa  Romantismo, Simbolismo, Surrealismo Realismo, Cubismo  18
  • 19.   A linguagem é um instrumento que serve para transmitir informações – não se pode descrever suas partes sem descrever suas funções – e deve ser estudada em toda variedade de suas funções (FUNCIONALISMO).  PROCESSO LINGUÍSTICO: Ato de comunicação verbal que requer 6 fatores e determina as 6 FUNÇÕES DA LINGUAGEM:  emotiva: determinada pelo emissor, que visa exprimir a sua atitude perante aquilo de que está a falar, uma emoção em relação ao assunto que está a tratar (ex.: "Estou encantada com esta visita.");  conativa: em mensagens centradas no destinatário, tentando influenciá-lo ou levá-lo a agir (ex.: "Fale um pouco mais alto, por favor.");  referencial: na generalidade das mensagens e é determinada pelo contexto: o emissor tem a intenção de informar, de referir, de descrever uma situação um estado de coisas, um acontecimento,. etc. (ex.: "Ontem, em Coimbra, a temperatura atingiu os 32 graus.");  poética: determinada pela mensagem, valorizada por um recurso expressivo (ex.: "Ó mar salgado, quanto do teu sal são lágrimas de Portugal!");  metalinguística: quando há a preocupação em esclarecer aspectos do código, quando o emissor e o receptor sentem necessidade de clarificar se estão a referir-se ao mesmo, se não há ambiguidades, etc. (ex.: "Quando disse chá, queria referir-me àquela bebida aromática feita das folhas do chá e não a esta água de limão.")  fática: quando se pretende estabelecer ou manter o contato com o interlocutor, ver se ele está a prestar atenção ou verificar se o canal funciona (ex.: "Estás a ouvir-me?... Sim, claro."). 19
  • 20.   O estudo das FUNÇÕES DA LINGUAGEM tem sido feito por vários linguistas, além de Jakobson (anos 50), como Karl Buhler, John Lyons e M. A. K. Halliday (<http://www.ciberduvidas.pt/pergunta.php?id=8220>).  BUHLER APRESENTA TRÊS FUNÇÕES DA LINGUAGEM:  representativa: a língua é um sistema de representação de tudo aquilo que constitui para o homem o pensável, tem a função de elaboração do pensamento; através da língua o homem veicula o mundo exterior e interior;  expressiva: ao utilizar a língua, o sujeito falante manifesta uma atitude, uma posição, um ponto de vista (de natureza intelectual, psicológica, moral ou afetiva) em relação àquilo de que fala;  apelativa: o emissor visa uma reação por parte do receptor da mensagem.  LYONS DEFINE TRÊS FUNÇÕES:  descritiva: idêntica à referencial de Jakobson;  expressiva: idêntica à emotiva de Jakobson;  social: de comunicação e integração na comunidade a que se pertence.  HALLIDAY CONSIDERA TRÊS (META)FUNÇÕES (*):  ideacional: a linguagem serve para organizar a experiência e a interpretação do real, com a referência a tudo o que pretendemos (intervenientes, situações, espaço, tempo, etc.);  interpessoal: a linguagem serve para estabelecer relações entre as pessoas;  textual: a capacidade do falante em criar e reconhecer unidades textuais.  (*) FAIRCLOUGH: significados textuais acionais, identitários e representacionais 20
  • 21.    FILOSOFIA DA LINGUAGEM 21 BAKHTIN
  • 22.   As esferas de atividade humana estão relacionadas com o uso da língua, que se efetua na forma de enunciados (unidades reais de comunicação), concretos e únicos (individuais) que emanam dos integrantes de uma dada esfera.  A língua penetra na vida através de enunciados concretos que a realizam e a vida penetra na língua através dos enunciados concretos .  Apenas no enunciado a língua se encarna individualmente.  Os estilos da língua pertencem por natureza ao gênero do discurso (forma prescritiva do enunciado).  A língua requer o locutor e o objeto de seu discurso.  NATUREZA DA LÍNGUA  Ter compreensão responsiva ativa  (comunicação verbal– o diálogo é a forma clássica). 22 BAKHTIN, M. M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. M. Estética da Criação Verbal. 2ª Ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997, p. 277-326.
  • 23.   Para ele o único objeto real e material de que dispomos para entender o fenômeno da linguagem humana é o exercício da fala em sociedade.  [...] Para ele, a língua — que Saussure considera o objeto da linguística — não passa de um modelo abstrato, construído pelo teórico a partir da linguagem viva a real. Coerentemente Saussure afirmava que “não é o objeto que precede o ponto de vista, mas é o ponto de vista que cria o objeto”. No caso da linguística é exatamente o que ocorre: o seu objeto é criado a partir do ponto de vista de que a linguagem humana não pode ser objeto de conhecimento científico, assim como o exercício da fala.  [...] Mas, muito mais do que isto, para Bakhtin, já que se trata de linguagem e não de língua, a unidade básica não pode ser o signo, mas o enunciado. Um enunciado não é um signo pela simples razão de que para existir ele exige a presença de um enunciador (quem fala, quem escreve) e de um receptor (quem ouve, quem lê). O signo faz parte de uma construção teórica que dispensa os sujeitos reais do discurso.  [...] TODA LINGUAGEM SÓ EXISTE NUM COMPLEXÍSSIMO SISTEMA DE DIÁLOGOS, QUE NUNCA SE INTERROMPE.  [...] Portanto, por trás de cada texto está o sistema da linguagem. A esse sistema correspondem no texto tudo o que Ž é repetido e reproduzido e tudo que pode ser repetido e reproduzido, tudo o que pode ser dado fora de tal texto (o dado).  [...] Vemos assim que aquilo que diz respeito à língua é o que é repetível, o que é recorrente, o que é reprodutível. O que, enfim, não tem identidade própria. Os fonemas (ou as letras na linguagem escrita), os significantes, a sintaxe, enfim, os signos e sus regras de combinação, na linguagem de Saussure. As mesmas palavras podem participar de enunciados diferentes, as mesmas figuras de retórica, uma mesma construção sintática. Tudo isto fica no domínio da língua, do aparato técnico da linguagem. (RIBEIRO, < http://revistabrasil.org/revista/artigos/crise.htm>) 23