SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
CELM


Linguagem, discurso e texto


Professora Corina de Sá Leitão
           Amorim




 Natal, 29 de janeiro de 2010
A LINGUAGEM

     Você já deve ter percebido que a linguagem está presente em
todas as atividades do nosso dia a dia. Desde a conversa mais banal
com alguém da família ou um simples “bom dia” para o vizinho até a
retirada de um extrato bancário ou o preenchimento de uma ficha de
inscrição para algum concurso, entre tantas outras coisas, é
praticamente impossível não se fazer uso da linguagem. Mesmo nos
momentos em que nos encontramos a sós, com nossos próprios
pensamentos, aí também está ela, dando forma e organização às idéias
que ocupam nossa mente.
     É, portanto, graças à linguagem que atribuímos sentido às nossas
experiências individuais e coletivas no mundo. É também por meio
dela que temos acesso à produção cultural humana do presente e do
passado e através da qual nos tornamos efetivamente participantes da
vida social. Mas... o que é linguagem?
Concepções de língua(gem)‫‏‬



Foco no autor     Foco no texto       Foco na relação
                                     autor-texto-leitor



Representação    Estrutura/código    Lugar/forma de
do pensamento   Conjunto de signos   Interação social
A linguagem se apresenta perceptualmente através de
diferentes modalidades de expressão, as quais, na maioria das
vezes, ocorrem conjuntamente. São elas
                     fala
• verbal
                     escrita

                     gestual
                     imagética
• não verbal         tátil
                     acústica
                     pictórica
                     simbólica etc.
    Você consegue identificar as modalidades de linguagem
expressas a seguir?
Emissor – Receptor – Mensagem – Canal – Referente - Código
Sentido denotativo e conotativo

  A palavra tem valor referencial ou denotativo
  quando é tomada no seu sentido usual ou literal, isto
  é, naquele que lhe atribuem os dicionários; seu
  sentido é objetivo, explícito, constante. Ela designa
  ou denota determinado objeto, referindo-se à
  realidade palpável.




Denotação é a significação objetiva da palavra; é a palavra em
"estado de dicionário"
Além do sentido referencial, literal, cada palavra remete a inúmeros
outros sentidos, virtuais, conotativos, que são apenas sugeridos,
evocando outras idéias associadas, de ordem abstrata, subjetiva.




Conotação é a significação subjetiva da palavra; ocorre quando
a palavra evoca outras realidades por associações que ela
provoca.
O DISCURSO


    Nas interações comunicativas que realizamos na/pela
linguagem, em diversas atividades e situações do cotidiano
social, construímos e trocamos sentido(s). Ou seja, agimos
discursivamente em eventos enunciativos situados, com vistas à
consecução de determinado(s) objetivo(s).
    Isso nos leva então a conceber o discurso como a produção e
o intercâmbio de efeitos de sentido, num dado contexto de
interação social, orientados para uma certa finalidade.
Propriedades do discurso

• Estabelece-se no interior de uma esfera de atividade social
(familiar, comercial, escolar, jurídica, publicitária, jornalística,
profissional etc.).
• É constitutivamente interativo e dialógico, no sentido de ser
coparticipativo e vinculado a outro(s) discurso(s).
• Envolve sujeitos investidos de papéis e posições sociais
(médico/paciente, pai/filho, marido/mulher, patrão/empregado,
vendedor/cliente etc.).
• É historica e socioculturalmente instituído e situado (ocorre
num dado contexto imediato e num entorno situacional mais
amplo).
• É regulado por normas de conduta social.
• Possui um viés orientado para a consecução de um objetivo.
Observe as amostras a seguir e esclareça os seguintes
aspectos quanto ao discurso:
1) em que esfera de atividade social foi produzido,
respectivamente?
2) a que outro(s) discurso(s) cada um se vincula?
3) quais os respectivos sujeitos sociais envolvidos?
4) qual o objetivo pretendido em cada um?
Sendo o discurso uma atividade de produção enunciativa
sócio-historicamente situada, seu estabelecimento se dá por
meio de um gênero discursivo. Este se materializa
objetivamente através de um instrumento textual, expresso
numa ou mais modalidade de linguagem e veiculado por um
dado suporte midiático.
    Por ser o texto o objeto mediante o qual o discurso se
realiza, seu estudo se torna importante dentro das questões em
torno da relação discurso-linguagem. Vejamos as diferentes
noções desse conceito, conforme as distintas visões sobre a
linguagem já apresentadas.
Concepções de texto




Foco no autor          Foco no Texto      Foco na interação
                                          autor-texto-leitor

Produto lógico        Produto da
da representação      codificação de       Processo de
do pensamento         um emissor a ser     construção de
do autor.             decodificado pelo    sentido entre
                      leitor/ouvinte.      interlocutores.
Propriedades do texto


•   Materializa uma dada produção discursiva.
•   Legitima-se num contexto enunciativo situado.
•   Possui uma autoria.
•   Constitui um “mapa” para a construção e troca de sentido(s).
•   Compõe uma unidade de sentido coerentemente articulada.
•   Apresenta um layout formal.
•   Realiza-se por uma ou mais modalidade de linguagem.
•   Veicula-se por um suporte midiático.
•   Demonstra (inter)relação com outro(s) texto(s).
•   Possui mobilidade espaço-temporal.
Observe o texto que segue e levante hipótese(s) quanto

1) ao contexto enunciativo;
2) ao provável autor;
3) ao(s) sentido(s) possível(is);
4) ao suporte midiático de veiculação;
5) à relação com outro(s) texto(s).
http://www.cvi.org.br/img/cartum-informacao.jpg
Concepções de leitura



Foco no autor              Foco no texto         Foco na interação
                                                 autor-texto-leitor
Atividade de
captação das ideias       Atividade que exige
                                                 Atividade de
do autor, sem levar       do leitor o
                                                 produção de
em conta as               reconhecimento do
                                                 sentido(s)
experiências e os         sentido das palavras
                                                 possível(eis) pelo
conhecimentos do          e demais estruturas
                                                 ouvinte/leitor.
leitor.                   do texto.
Concepções de sentido



Foco no autor          Foco no texto          Foco na interação
                                              autor-texto-leitor
O sentido é de       O sentido é de
responsabilidade     responsabilidade do       O(s) sentido(s)
do autor,            autor, bastando ao        é(são)
bastando ao          leitor reconhecer o       construído(s) na
leitor captar as     sentido das palavras e    interação texto e
intenções do         demais estruturas do      leitor.
autor.               texto.
Concepção de sujeito



 Foco no autor           Foco no texto     Foco na interação
                                           autor-texto-leitor

O sujeito é           O sujeito é
individual, dono      determinado,         O sujeito é um
de suas vontades      “assujeitado” pelo   agente social, que
e de suas ações.      sistema.             tem conhecimentos
                                           e ações, mas
                                           também se submete
                                           a regras sociais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
marlospg
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
pnaicdertsis
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
jayarruda
 
O funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguisticoO funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguistico
Francione Brito
 

Mais procurados (20)

Leitura e produção
Leitura e produçãoLeitura e produção
Leitura e produção
 
SEMANA 04 - LÍNGUA PORTUGUESA – 2ª SÉRIE – GÊNEROS DISCURSIVOS E DIGITAIS
SEMANA 04 - LÍNGUA PORTUGUESA – 2ª SÉRIE – GÊNEROS DISCURSIVOS E DIGITAISSEMANA 04 - LÍNGUA PORTUGUESA – 2ª SÉRIE – GÊNEROS DISCURSIVOS E DIGITAIS
SEMANA 04 - LÍNGUA PORTUGUESA – 2ª SÉRIE – GÊNEROS DISCURSIVOS E DIGITAIS
 
Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
 
Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2
 
Análise de (do) discurso
Análise de (do) discursoAnálise de (do) discurso
Análise de (do) discurso
 
Esquema Bakhtin
Esquema BakhtinEsquema Bakhtin
Esquema Bakhtin
 
Linguística textual
Linguística textualLinguística textual
Linguística textual
 
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
AULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTOAULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTO
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Funcionalismo
FuncionalismoFuncionalismo
Funcionalismo
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
GÊNEROS DISCURSIVOS
GÊNEROS DISCURSIVOSGÊNEROS DISCURSIVOS
GÊNEROS DISCURSIVOS
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
 
Sociolinguística
SociolinguísticaSociolinguística
Sociolinguística
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
 
O funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguisticoO funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguistico
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo
 
Teorias do uso da língua - Pragmática
Teorias do uso da língua - PragmáticaTeorias do uso da língua - Pragmática
Teorias do uso da língua - Pragmática
 

Destaque

Texto, discurso, intertextualidade e interdiscursividade
Texto, discurso, intertextualidade e interdiscursividadeTexto, discurso, intertextualidade e interdiscursividade
Texto, discurso, intertextualidade e interdiscursividade
A vida
 
Intertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividadeIntertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividade
Francione Brito
 
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
Angélica Manenti
 
Discurso direto e indireto
Discurso direto e indiretoDiscurso direto e indireto
Discurso direto e indireto
professoraIsabel
 
Linguagem e Comunicação
Linguagem e ComunicaçãoLinguagem e Comunicação
Linguagem e Comunicação
7 de Setembro
 
Texto, vozes e sentido
Texto, vozes e sentidoTexto, vozes e sentido
Texto, vozes e sentido
Eva Rocha
 

Destaque (20)

Texto e discurso as vozes presentes no texto
Texto e discurso   as vozes presentes no textoTexto e discurso   as vozes presentes no texto
Texto e discurso as vozes presentes no texto
 
Texto e discurso
Texto e discursoTexto e discurso
Texto e discurso
 
Discurso citado
Discurso citadoDiscurso citado
Discurso citado
 
Linguagem, lingua, fala, discurso adm
Linguagem, lingua, fala, discurso admLinguagem, lingua, fala, discurso adm
Linguagem, lingua, fala, discurso adm
 
Texto, discurso, intertextualidade e interdiscursividade
Texto, discurso, intertextualidade e interdiscursividadeTexto, discurso, intertextualidade e interdiscursividade
Texto, discurso, intertextualidade e interdiscursividade
 
Interdiscursividade e intertextualidade
Interdiscursividade e intertextualidadeInterdiscursividade e intertextualidade
Interdiscursividade e intertextualidade
 
O texto as propriedades de um texto
O texto   as propriedades de um textoO texto   as propriedades de um texto
O texto as propriedades de um texto
 
Intertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividadeIntertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividade
 
Concepções de linguagem
Concepções de linguagemConcepções de linguagem
Concepções de linguagem
 
Texto E Textualidade
Texto E TextualidadeTexto E Textualidade
Texto E Textualidade
 
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas. Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
 
Teoria textual - contexto, discurso e ideologia
Teoria textual - contexto, discurso e ideologiaTeoria textual - contexto, discurso e ideologia
Teoria textual - contexto, discurso e ideologia
 
Dialogismo e Intertextualidade
Dialogismo e IntertextualidadeDialogismo e Intertextualidade
Dialogismo e Intertextualidade
 
Slide elaborado a construção do texto
Slide elaborado   a construção do textoSlide elaborado   a construção do texto
Slide elaborado a construção do texto
 
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
 
Discurso direto e indireto
Discurso direto e indiretoDiscurso direto e indireto
Discurso direto e indireto
 
Linguagem e Comunicação
Linguagem e ComunicaçãoLinguagem e Comunicação
Linguagem e Comunicação
 
Linguagem verbal e não verbal, sincrética com imagens e mensagens subliminares
Linguagem verbal e não verbal, sincrética com imagens e mensagens subliminaresLinguagem verbal e não verbal, sincrética com imagens e mensagens subliminares
Linguagem verbal e não verbal, sincrética com imagens e mensagens subliminares
 
Teoria Textual - contexto ideologia e discurso
Teoria Textual - contexto ideologia e discursoTeoria Textual - contexto ideologia e discurso
Teoria Textual - contexto ideologia e discurso
 
Texto, vozes e sentido
Texto, vozes e sentidoTexto, vozes e sentido
Texto, vozes e sentido
 

Semelhante a Linguagem, Discurso E Texto

Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Ana Camila
 
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveiraInterpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveira
Elzimar Oliveira
 
Trabalho portugues parte maria
Trabalho portugues   parte mariaTrabalho portugues   parte maria
Trabalho portugues parte maria
Maria Oliveira
 
O que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoO que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandão
Rose Moraes
 
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasO banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
Atitude Digital
 
A construção dos sentidos - Denotação e Conotação.ppt
A construção dos sentidos - Denotação e Conotação.pptA construção dos sentidos - Denotação e Conotação.ppt
A construção dos sentidos - Denotação e Conotação.ppt
Caroline Assis
 
concepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensinoconcepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensino
Nadia Biavati
 

Semelhante a Linguagem, Discurso E Texto (20)

Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
 
ESCRITA E INTERAÇÃO
ESCRITA E INTERAÇÃOESCRITA E INTERAÇÃO
ESCRITA E INTERAÇÃO
 
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS PARA CONCURSO
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS PARA CONCURSOCOMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS PARA CONCURSO
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS PARA CONCURSO
 
Cultura escrita e sociedade letrada
Cultura escrita e sociedade letradaCultura escrita e sociedade letrada
Cultura escrita e sociedade letrada
 
Novos letramentos e planejamento de cursos de línguas
Novos letramentos e planejamento de cursos de línguasNovos letramentos e planejamento de cursos de línguas
Novos letramentos e planejamento de cursos de línguas
 
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveiraInterpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveira
 
Trabalho portugues parte maria
Trabalho portugues   parte mariaTrabalho portugues   parte maria
Trabalho portugues parte maria
 
O que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoO que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandão
 
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasO banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
 
Aula 01 - CONCEPCÕES DE LÍNGUA, SUJEITO, TEXTO E SENTDO.pptx
Aula 01 - CONCEPCÕES DE LÍNGUA, SUJEITO, TEXTO E SENTDO.pptxAula 01 - CONCEPCÕES DE LÍNGUA, SUJEITO, TEXTO E SENTDO.pptx
Aula 01 - CONCEPCÕES DE LÍNGUA, SUJEITO, TEXTO E SENTDO.pptx
 
Leitura
LeituraLeitura
Leitura
 
Resumo
Resumo Resumo
Resumo
 
Resumo estudo
Resumo estudoResumo estudo
Resumo estudo
 
Caderno
CadernoCaderno
Caderno
 
Comunicação Aplicada B1
Comunicação Aplicada B1Comunicação Aplicada B1
Comunicação Aplicada B1
 
A construção dos sentidos - Denotação e Conotação.ppt
A construção dos sentidos - Denotação e Conotação.pptA construção dos sentidos - Denotação e Conotação.ppt
A construção dos sentidos - Denotação e Conotação.ppt
 
Estudos da linguagem
Estudos da linguagemEstudos da linguagem
Estudos da linguagem
 
Planejamento do texto
Planejamento do textoPlanejamento do texto
Planejamento do texto
 
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdfAula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
 
concepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensinoconcepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensino
 

Mais de Pré Master

Capitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismoCapitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismo
Pré Master
 
A cultura clássica
A cultura clássicaA cultura clássica
A cultura clássica
Pré Master
 
Espaço urbano brasileiro
Espaço urbano brasileiroEspaço urbano brasileiro
Espaço urbano brasileiro
Pré Master
 
Invasão Holandesa
Invasão HolandesaInvasão Holandesa
Invasão Holandesa
Pré Master
 
Formação Dos Estados Teocráticos
Formação Dos Estados TeocráticosFormação Dos Estados Teocráticos
Formação Dos Estados Teocráticos
Pré Master
 
Espaço Geográfico - 3º Ano
Espaço Geográfico - 3º AnoEspaço Geográfico - 3º Ano
Espaço Geográfico - 3º Ano
Pré Master
 
Regiões Geoeconômicas
Regiões GeoeconômicasRegiões Geoeconômicas
Regiões Geoeconômicas
Pré Master
 
Espaço E Representações Cartográficas - 3º Ano
Espaço E Representações Cartográficas - 3º AnoEspaço E Representações Cartográficas - 3º Ano
Espaço E Representações Cartográficas - 3º Ano
Pré Master
 

Mais de Pré Master (12)

Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Capitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismoCapitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismo
 
A cultura clássica
A cultura clássicaA cultura clássica
A cultura clássica
 
Espaço urbano brasileiro
Espaço urbano brasileiroEspaço urbano brasileiro
Espaço urbano brasileiro
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
A Corte
A CorteA Corte
A Corte
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Invasão Holandesa
Invasão HolandesaInvasão Holandesa
Invasão Holandesa
 
Formação Dos Estados Teocráticos
Formação Dos Estados TeocráticosFormação Dos Estados Teocráticos
Formação Dos Estados Teocráticos
 
Espaço Geográfico - 3º Ano
Espaço Geográfico - 3º AnoEspaço Geográfico - 3º Ano
Espaço Geográfico - 3º Ano
 
Regiões Geoeconômicas
Regiões GeoeconômicasRegiões Geoeconômicas
Regiões Geoeconômicas
 
Espaço E Representações Cartográficas - 3º Ano
Espaço E Representações Cartográficas - 3º AnoEspaço E Representações Cartográficas - 3º Ano
Espaço E Representações Cartográficas - 3º Ano
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 

Linguagem, Discurso E Texto

  • 1. CELM Linguagem, discurso e texto Professora Corina de Sá Leitão Amorim Natal, 29 de janeiro de 2010
  • 2. A LINGUAGEM Você já deve ter percebido que a linguagem está presente em todas as atividades do nosso dia a dia. Desde a conversa mais banal com alguém da família ou um simples “bom dia” para o vizinho até a retirada de um extrato bancário ou o preenchimento de uma ficha de inscrição para algum concurso, entre tantas outras coisas, é praticamente impossível não se fazer uso da linguagem. Mesmo nos momentos em que nos encontramos a sós, com nossos próprios pensamentos, aí também está ela, dando forma e organização às idéias que ocupam nossa mente. É, portanto, graças à linguagem que atribuímos sentido às nossas experiências individuais e coletivas no mundo. É também por meio dela que temos acesso à produção cultural humana do presente e do passado e através da qual nos tornamos efetivamente participantes da vida social. Mas... o que é linguagem?
  • 3. Concepções de língua(gem)‫‏‬ Foco no autor Foco no texto Foco na relação autor-texto-leitor Representação Estrutura/código Lugar/forma de do pensamento Conjunto de signos Interação social
  • 4.
  • 5.
  • 6. A linguagem se apresenta perceptualmente através de diferentes modalidades de expressão, as quais, na maioria das vezes, ocorrem conjuntamente. São elas fala • verbal escrita gestual imagética • não verbal tátil acústica pictórica simbólica etc. Você consegue identificar as modalidades de linguagem expressas a seguir?
  • 7.
  • 8. Emissor – Receptor – Mensagem – Canal – Referente - Código
  • 9. Sentido denotativo e conotativo A palavra tem valor referencial ou denotativo quando é tomada no seu sentido usual ou literal, isto é, naquele que lhe atribuem os dicionários; seu sentido é objetivo, explícito, constante. Ela designa ou denota determinado objeto, referindo-se à realidade palpável. Denotação é a significação objetiva da palavra; é a palavra em "estado de dicionário"
  • 10. Além do sentido referencial, literal, cada palavra remete a inúmeros outros sentidos, virtuais, conotativos, que são apenas sugeridos, evocando outras idéias associadas, de ordem abstrata, subjetiva. Conotação é a significação subjetiva da palavra; ocorre quando a palavra evoca outras realidades por associações que ela provoca.
  • 11.
  • 12. O DISCURSO Nas interações comunicativas que realizamos na/pela linguagem, em diversas atividades e situações do cotidiano social, construímos e trocamos sentido(s). Ou seja, agimos discursivamente em eventos enunciativos situados, com vistas à consecução de determinado(s) objetivo(s). Isso nos leva então a conceber o discurso como a produção e o intercâmbio de efeitos de sentido, num dado contexto de interação social, orientados para uma certa finalidade.
  • 13. Propriedades do discurso • Estabelece-se no interior de uma esfera de atividade social (familiar, comercial, escolar, jurídica, publicitária, jornalística, profissional etc.). • É constitutivamente interativo e dialógico, no sentido de ser coparticipativo e vinculado a outro(s) discurso(s). • Envolve sujeitos investidos de papéis e posições sociais (médico/paciente, pai/filho, marido/mulher, patrão/empregado, vendedor/cliente etc.). • É historica e socioculturalmente instituído e situado (ocorre num dado contexto imediato e num entorno situacional mais amplo). • É regulado por normas de conduta social. • Possui um viés orientado para a consecução de um objetivo.
  • 14. Observe as amostras a seguir e esclareça os seguintes aspectos quanto ao discurso: 1) em que esfera de atividade social foi produzido, respectivamente? 2) a que outro(s) discurso(s) cada um se vincula? 3) quais os respectivos sujeitos sociais envolvidos? 4) qual o objetivo pretendido em cada um?
  • 15.
  • 16. Sendo o discurso uma atividade de produção enunciativa sócio-historicamente situada, seu estabelecimento se dá por meio de um gênero discursivo. Este se materializa objetivamente através de um instrumento textual, expresso numa ou mais modalidade de linguagem e veiculado por um dado suporte midiático. Por ser o texto o objeto mediante o qual o discurso se realiza, seu estudo se torna importante dentro das questões em torno da relação discurso-linguagem. Vejamos as diferentes noções desse conceito, conforme as distintas visões sobre a linguagem já apresentadas.
  • 17. Concepções de texto Foco no autor Foco no Texto Foco na interação autor-texto-leitor Produto lógico Produto da da representação codificação de Processo de do pensamento um emissor a ser construção de do autor. decodificado pelo sentido entre leitor/ouvinte. interlocutores.
  • 18. Propriedades do texto • Materializa uma dada produção discursiva. • Legitima-se num contexto enunciativo situado. • Possui uma autoria. • Constitui um “mapa” para a construção e troca de sentido(s). • Compõe uma unidade de sentido coerentemente articulada. • Apresenta um layout formal. • Realiza-se por uma ou mais modalidade de linguagem. • Veicula-se por um suporte midiático. • Demonstra (inter)relação com outro(s) texto(s). • Possui mobilidade espaço-temporal.
  • 19. Observe o texto que segue e levante hipótese(s) quanto 1) ao contexto enunciativo; 2) ao provável autor; 3) ao(s) sentido(s) possível(is); 4) ao suporte midiático de veiculação; 5) à relação com outro(s) texto(s).
  • 20.
  • 22. Concepções de leitura Foco no autor Foco no texto Foco na interação autor-texto-leitor Atividade de captação das ideias Atividade que exige Atividade de do autor, sem levar do leitor o produção de em conta as reconhecimento do sentido(s) experiências e os sentido das palavras possível(eis) pelo conhecimentos do e demais estruturas ouvinte/leitor. leitor. do texto.
  • 23. Concepções de sentido Foco no autor Foco no texto Foco na interação autor-texto-leitor O sentido é de O sentido é de responsabilidade responsabilidade do O(s) sentido(s) do autor, autor, bastando ao é(são) bastando ao leitor reconhecer o construído(s) na leitor captar as sentido das palavras e interação texto e intenções do demais estruturas do leitor. autor. texto.
  • 24. Concepção de sujeito Foco no autor Foco no texto Foco na interação autor-texto-leitor O sujeito é O sujeito é individual, dono determinado, O sujeito é um de suas vontades “assujeitado” pelo agente social, que e de suas ações. sistema. tem conhecimentos e ações, mas também se submete a regras sociais.