SlideShare uma empresa Scribd logo
CELM




                    GEOGRAFIA GERAL
          Espaço e Representações Cartográficas
Globo terrestre, mapas, cartas, projeções e novas tecnologias


                  3ª Série – Ensino Médio




                                                   Janiere Mendonça
O que é espaço?

Porção específica da superfície terrestre sendo identificado por
elementos naturais, humanos e econômicos, que se interagindo com a
sociedade.


                        E a cartografia?

Ciência voltada para o estudo e desenvolvimento de técnicas de
elaboração de mapas.


       Por que será que houve a necessidade de
            começar a registrar as coisas?

Para conservar os caminhos percorridos.
Os primeiros registros
                  •Babilônia (Iraque) – Disco de madeira.
•De papel em formato de globo, Eratóstenes (276 a.C.) e Hiparco ( 190 a.C.).
                •Em forma de círculo, Ptolomeu (100 d.C.).

                    Orbis Terrarum (Idade Média)
Foi só na época as Grandes Navegações e conquistas do século XV e
XVI, que as embarcações, instrumentos de navegação (astrolábio,
mapas ...) inspiraram viagens mais longínquas.
As expedições exploratórias eram de fundamental importância para os
cartógrafos (desenhavam tudo que viam).
Qual a importância da Cartografia?

Os mapas representam um dos principais instrumentos para a análise e
interpretação da realidade espacial, e também como artifício para
mudanças espaciais. Utilizado como instrumentos de poder (político,
militar e econômico).

Exemplos:
                 Conhecer as riquezas de um solo.
                    Perceber um curso de um rio.
                        Delimitar fronteiras.
1- O espaço e suas representações




     Globo Terrestre




       É a representação da Terra mais aproximada da realidade.
      Porém não se visualiza detalhes pela redução considerável de
tamanho.
       O que podemos ver, então?
Mapa




        É uma representação da Terra ou parte dela numa superfície
plana que nos fornece informações.
        Depende de vários levantamentos de campo e análises
documentais (fotos aéreas, dados estatísticos e topografias) até a
elaboração da legenda.
1.1- Símbolos ou convenções cartográficas
       Os símbolos são a linguagem visual dos mapas. Esses símbolos
podem ser representados por: cores, linhas, pontos e figuras.
1.2- Escala
        Nos informam quantas vezes o objeto real foi reduzido. É a
relação de comprimento no mapa e a distância real correspondente a
terra.

1.2.1- Numérica

         É uma fração que corresponde ao terreno.


                           1: 200.000

Como se lê:
        Um (cm) para duzentos mil, ou seja, para cada 1 cm no mapa
existem 200.000 cm no real.
1.2.2- Gráfica
          É representado por uma reta graduada.

       0 km         200 km       400 km           600 km



Cada fração mede 1 cm no mapa e no real 200 km.

ATENÇÃO: A riqueza de detalhes em um mapa é diretamente
proporcional à escala.
V   Escala grande
E   tem         o
    denominador
J   pequeno     e
A   apresenta   >
    detalhes.

A

    Escala pequena
F   tem          o
I   denominador
    grande       e
G   apresenta    <
U   detalhes.

R
A
Escala grande: de 1:500 até 1:50.000 (áreas pequenas, cidades,
bairros, plantas urbanas, permite elevado grau de precisão e
detalhamento).

Escala pequena: de 1:500.000 até 1:1.000.000 (características ou
elementos geográficos de uma região, país ou continente).


       COMO TRANSFORMAR A ESCALA DE CM PARA KM?

Deve-se utilizar a escala métrica, deslocando as casas:


             10        10         10       10        10        10
        Km        hm        dam        m        dm        cm        mm
Exemplos:
Numa escala de 1: 150.000, cada centímetro no mapa corresponde a
150.000 centímetros no real. Transformando em quilômetros, quantos
será?


Veja: 1: 150.000, basta descolar as casas para a esquerda. Então, no
real teremos 1,5 km.



Agora temos o contrário: o resultado está em km – 32,5. Como ficará
a escala numérica?


Veja: a escala numérica será: 1: 3.250.000. Ou seja, desloquei a
vírgula e acrescentei 4 zeros.
EXERCITANDO

A cidade A e B estão distante uma da outra 3 cm no mapa. A escala é
de 1: 500.000. Responda:


a) A escala é pequena, média ou grande? Por quê?

Pequena. Apresentará menor detalhe e maior área (denominador
grande).


b) Qual a distância real (km) entre as duas cidades?

1º passo: transformar cm em km: 1:500.000, deslocando as casas,
dará 5 km, ou seja, 1 cm no mapa será 1 km no real.

2º passo: resolver: se 1cm no mapa é igual a 5 km no real, logo, 3 cm
no mapa que é a distância entre as cidades, será de 15 km (regra de
3).
1. Utilizando o conceito de escala cromática, identifique o problema de
comunicação cartográfica que dificulta a leitura do mapa?
2. O mapa apresenta uma escala gráfica de 1 para 2.350 km.
Transforme-a em escala numérica.
1.3- Por que mapa e carta tem significados
                       diferentes?

O mapa representa de forma mais geral áreas maiores. Exemplos: o
mapa do Brasil.


A carta representa as áreas de forma mais detalhada, precisas e
menores. Exemplos: carta urbana das cidades.
2- Projeções cartográficas
        O impulso definitivo da Cartografia se deu a partir de 1569, com
a publicação do mapa-múndi do cartógrafo belga Mercátor, que criou de
forma cilíndrica.

                  O que é projeção cartográfica?

É a representação de uma superfície esférica (Terra) num plano (mapa).

O grande problema consiste em representar uma esfera num plano, já
que é sabido, que os mapas sofreram alterações e deformações.


       O importante é saber qual a necessidade de cada trabalho para
poder escolher melhor cada projeção.


No mundo existe três tipos:
Cilíndrica




•Utilizada para navegação;
•Os paralelos meridianos ficam retos e perpendiculares;
•Quanto mais perto dos pólos, maior a deformação, ficarão grandes ou
esticados.
Cônica




• Utilizada para países ou regiões de latitudes intermediárias;
Plana ou Azimutal




• Utilizada para mapas especiais, principalmente os náuticos e os
aeronáuticos;
• É o resultado de uma projeção de um determinado ponto de vista.
2.1- Projeções cartográficas mais conhecidas

2.1.1- Mercátor
        Tornou-se a preferida dos navegantes desde o século XVI, e
ainda é utilizadas em muitos atlas e livros da atualidade.

        Nessa projeção os paralelos e meridianos são linhas retas que
se cruzam, formando ângulos retos, pertence ao tipo chamado conforme
porque não deforma os ângulos.
Essa projeção sofreu muitas críticas, porque a Europa ficou no
centro do mundo, além disso os países ricos ficaram em dimensões
demasiadamente ampliadas no espaço mundial, enquanto os pobres,
diminuídos (Europocentrismo).

 2.1.2- Peters
       A finalidade foi dar aos países ricos o seu real tamanho
propondo uma equivalência, ou seja, as áreas da Terra conserva o
tamanho correto, porém esticadas, pela deformação dos ângulos das
coordenadas. Valoriza o mundo subdesenvolvido, que possui área maior.
2.1.3- Aitoff e Goode
      Aitoff mostra a América como centro do planisfério.
       Goode   mostra   equivalência   das   massas    continentais   e
oceânicas.
2.1.4- Anamorfoses
       Os países no planisfério vão assumir o tamanho proporcional ao
dado que se queira mostrar. Por exemplo a população mundial.
3- Novas tecnologias cartográficas

      Satélites artificiais e sensoriamento remoto.
       Atualmente o emprego de novas tecnologias tem contribuído
muito para a observação da Terra e o desenvolvimento de diversos
campos do conhecimento.

Veja a figura a seguir:
Esse mapa só foi possível a partir de imagens de satélite
enviadas ao espaço. É possível distinguir áreas frias, as florestas, áreas
desérticas e o continente congelado.


        O sensoriamento remoto constitui na capitação e registro de
imagens da energia refletida por elementos. Utiliza instrumentos
modernos, como sensores, equipamentos para processamento e
transmissão de dados, plataformas e equipamentos.

         O sensoriamento remoto por meio de satélites artificiais teve
início no final da década de 1950, logo após o primeiro satélite artificial,
o Sputnik, ter sido lançado pelos soviéticos em 1957.

        Os programas ou sistemas de sensoriamentos mais conhecidos
são: Tiros, Nimbos, Apolo, Spot e o Landsat (NASA). Permitem
rapidez e precisão nos processos de levantamentos de dados e
mapeamento, servindo para várias áreas do conhecimento.
GPS – Sistema de Posicionamento Global
             (Global Positioning System)
         Sofisticado sistema eletrônico que se apóia a uma rede de
satélite que oferece localização instantânea, em qualquer ponto da
Terra, com uma precisão quase perfeita.
É muito utilizado no transporte aéreo, marítimo e terrestre, para
fornecer a posição e trajeto de veículos ou localiza-los em caso de
desaparecimento. Tem grande utilidade para cartas temáticas, usos
militares e revolucionou a Geodésica (medição da Terra), fornecendo
dados confiáveis e precisos.

                   Geoprocessamento e SIG

        O geoprocessamento abrange um conjunto de procedimentos de
entrada, manipulação, armazenamento e análise de dados
espacialmente referenciados. O SIG é um sistema de informação
geográfica composto de softwares e hardware que tem como finalidade
integrar bancos de dados, e processar e analisar dados geo-
referenciados, criando arquivos digitais de mapas, gráficos, tabelas.
4-
C    G
O    E
O    O
R    G
D    R
E    Á
N    F
A    I
D    C
A    A
S
5- Fuso horário
        A terra realiza uma rotação completa sobre o seu eixo no
período de um dia. Por isso, na sua trajetória aparente o Sol percorre os
360 graus da esfera terrestre em cerca de 24 horas.
        O sistema de fusos horários permite a determinação das horas
de todos os lugares relativamente à hora do meridiano inicial.

        Dividindo os 360 graus da esfera pelas 24 horas do dia
determina-se um fuso horário, que corresponde a uma faixa de 15 graus
de longitude.

        O fuso horário inicial funciona como referência mundial com o
meridiano Greenwich ou Greenwich Mean Time (GMT). Como o
movimento de rotação realiza-se no sentido anti-horário, ou seja, de
oeste para leste, todos os fusos situados a leste do GMT, apresentaram
horas adiantadas, e para oeste horas atrasadas.
Inserir novo mapa
Bibliografia Consultada
COELHO, M de A. TERRA, Lygia. Geografia Geral e do Brasil. São
Paulo: Moderna, 2003.


BOLIGIAN, Levon. ALVES, Andressa. Geografia: espaço e vivência.
São Paulo: Atual, 2004.


ALMEIDA, Lúcia. LIGOLIN, Tércio. Geografia. São Paulo: Ática, 2005.




                      Questionamentos???

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Representações do espaço Geográfico.
Representações do espaço Geográfico.Representações do espaço Geográfico.
Representações do espaço Geográfico.welisgarcia
 
Elementos do mapa - Professor Rafael Gatto
Elementos do mapa - Professor Rafael GattoElementos do mapa - Professor Rafael Gatto
Elementos do mapa - Professor Rafael GattoRafael Gatto
 
Geografia - Exercícios sobre Coordenadas Geográficas
Geografia - Exercícios sobre Coordenadas GeográficasGeografia - Exercícios sobre Coordenadas Geográficas
Geografia - Exercícios sobre Coordenadas GeográficasTânia Regina
 
Cruzadinha Planeta Terra.pdf
Cruzadinha Planeta Terra.pdfCruzadinha Planeta Terra.pdf
Cruzadinha Planeta Terra.pdfMary Alvarenga
 
Atividade sobre espaço geográfico
Atividade sobre espaço geográficoAtividade sobre espaço geográfico
Atividade sobre espaço geográficoEnzo Sousa Viana
 
Imagens de satélite
Imagens de satéliteImagens de satélite
Imagens de satélitepaulotmo
 
Prova de geografia 5ª série/6º ano- PLACAS TECTONICAS,LIMITES,AGENTES EXTERN...
Prova de geografia 5ª série/6º ano-  PLACAS TECTONICAS,LIMITES,AGENTES EXTERN...Prova de geografia 5ª série/6º ano-  PLACAS TECTONICAS,LIMITES,AGENTES EXTERN...
Prova de geografia 5ª série/6º ano- PLACAS TECTONICAS,LIMITES,AGENTES EXTERN...Kilna Moura
 
Apresentação paisagem natural x humanizada
Apresentação paisagem natural x humanizadaApresentação paisagem natural x humanizada
Apresentação paisagem natural x humanizadaRoberta Piozzi
 
Elementos do mapa
Elementos do mapaElementos do mapa
Elementos do mapaPaula Tomaz
 

Mais procurados (20)

Prova de geografia urbanizaçao, metropole
Prova de geografia urbanizaçao, metropoleProva de geografia urbanizaçao, metropole
Prova de geografia urbanizaçao, metropole
 
Representações do espaço Geográfico.
Representações do espaço Geográfico.Representações do espaço Geográfico.
Representações do espaço Geográfico.
 
Avaliação de Geografia - Cartografia
Avaliação de Geografia - CartografiaAvaliação de Geografia - Cartografia
Avaliação de Geografia - Cartografia
 
Elementos do mapa - Professor Rafael Gatto
Elementos do mapa - Professor Rafael GattoElementos do mapa - Professor Rafael Gatto
Elementos do mapa - Professor Rafael Gatto
 
Geografia - Exercícios sobre Coordenadas Geográficas
Geografia - Exercícios sobre Coordenadas GeográficasGeografia - Exercícios sobre Coordenadas Geográficas
Geografia - Exercícios sobre Coordenadas Geográficas
 
Cruzadinha Planeta Terra.pdf
Cruzadinha Planeta Terra.pdfCruzadinha Planeta Terra.pdf
Cruzadinha Planeta Terra.pdf
 
Cartografia powerpoint
Cartografia powerpointCartografia powerpoint
Cartografia powerpoint
 
Atividade sobre espaço geográfico
Atividade sobre espaço geográficoAtividade sobre espaço geográfico
Atividade sobre espaço geográfico
 
Imagens de satélite
Imagens de satéliteImagens de satélite
Imagens de satélite
 
Prova de geografia 5ª série/6º ano- PLACAS TECTONICAS,LIMITES,AGENTES EXTERN...
Prova de geografia 5ª série/6º ano-  PLACAS TECTONICAS,LIMITES,AGENTES EXTERN...Prova de geografia 5ª série/6º ano-  PLACAS TECTONICAS,LIMITES,AGENTES EXTERN...
Prova de geografia 5ª série/6º ano- PLACAS TECTONICAS,LIMITES,AGENTES EXTERN...
 
Unidade 1 6º ano
Unidade 1 6º anoUnidade 1 6º ano
Unidade 1 6º ano
 
Apresentação paisagem natural x humanizada
Apresentação paisagem natural x humanizadaApresentação paisagem natural x humanizada
Apresentação paisagem natural x humanizada
 
Atividades movimentos da terra
Atividades movimentos da terraAtividades movimentos da terra
Atividades movimentos da terra
 
Atividade4ºano2
Atividade4ºano2Atividade4ºano2
Atividade4ºano2
 
Elementos do mapa
Elementos do mapaElementos do mapa
Elementos do mapa
 
O extrativismo
O extrativismoO extrativismo
O extrativismo
 
Orientacao e localizacao no espaco
Orientacao e localizacao no espacoOrientacao e localizacao no espaco
Orientacao e localizacao no espaco
 
Atividade escalas
Atividade escalasAtividade escalas
Atividade escalas
 
Atividades com pontos cardeais
Atividades com pontos cardeaisAtividades com pontos cardeais
Atividades com pontos cardeais
 
Cartografia e poder
Cartografia e poderCartografia e poder
Cartografia e poder
 

Destaque

Elementos da Orientação e da cartografia - Aulas 1, 2 e 3 Geografia 3º Ano
Elementos da Orientação e da cartografia - Aulas 1, 2 e 3 Geografia 3º Ano Elementos da Orientação e da cartografia - Aulas 1, 2 e 3 Geografia 3º Ano
Elementos da Orientação e da cartografia - Aulas 1, 2 e 3 Geografia 3º Ano Fellipe Prado
 
Categorias de análise da geografia
Categorias de análise da geografiaCategorias de análise da geografia
Categorias de análise da geografiaRoberta Sumar
 
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICASREPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICASRenata Rodrigues
 
Noções básicas de Cartografia 1
Noções básicas de Cartografia 1Noções básicas de Cartografia 1
Noções básicas de Cartografia 1Osmar Ansbach
 
Cartografia: A linguagem dos mapas
Cartografia: A linguagem dos mapasCartografia: A linguagem dos mapas
Cartografia: A linguagem dos mapasRoberta Sumar
 
Atividade avaliativa de geografia
Atividade avaliativa de geografiaAtividade avaliativa de geografia
Atividade avaliativa de geografiaKatiuscia Soares
 
Geografia 2013 3ºe 4º bim (4º ano)
Geografia 2013   3ºe 4º bim (4º ano)Geografia 2013   3ºe 4º bim (4º ano)
Geografia 2013 3ºe 4º bim (4º ano)smece4e5
 
Avaliação de geografia 4ºbimestre
Avaliação de geografia 4ºbimestreAvaliação de geografia 4ºbimestre
Avaliação de geografia 4ºbimestreDayenne Sousa Alencar
 
Planejamento 3º ano ( 2ª série )
Planejamento   3º ano ( 2ª série )Planejamento   3º ano ( 2ª série )
Planejamento 3º ano ( 2ª série )silvinha331
 
Iniciação da linguagem cartográfica
Iniciação da linguagem cartográficaIniciação da linguagem cartográfica
Iniciação da linguagem cartográficaMaine Batista
 
Espaço Geográfico - 3º Ano
Espaço Geográfico - 3º AnoEspaço Geográfico - 3º Ano
Espaço Geográfico - 3º AnoPré Master
 
Formas de representação da terra
Formas de representação da terraFormas de representação da terra
Formas de representação da terra7F
 
Atividades de-geo-5c2ba-ano-2010-1-2-3-4
Atividades de-geo-5c2ba-ano-2010-1-2-3-4Atividades de-geo-5c2ba-ano-2010-1-2-3-4
Atividades de-geo-5c2ba-ano-2010-1-2-3-4marcos carlos
 

Destaque (20)

Elementos da Orientação e da cartografia - Aulas 1, 2 e 3 Geografia 3º Ano
Elementos da Orientação e da cartografia - Aulas 1, 2 e 3 Geografia 3º Ano Elementos da Orientação e da cartografia - Aulas 1, 2 e 3 Geografia 3º Ano
Elementos da Orientação e da cartografia - Aulas 1, 2 e 3 Geografia 3º Ano
 
Categorias de análise da geografia
Categorias de análise da geografiaCategorias de análise da geografia
Categorias de análise da geografia
 
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICASREPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
 
Prova geo
Prova geoProva geo
Prova geo
 
Noções básicas de Cartografia 1
Noções básicas de Cartografia 1Noções básicas de Cartografia 1
Noções básicas de Cartografia 1
 
Cartografia 1° Ano
Cartografia 1° AnoCartografia 1° Ano
Cartografia 1° Ano
 
Cartografia: A linguagem dos mapas
Cartografia: A linguagem dos mapasCartografia: A linguagem dos mapas
Cartografia: A linguagem dos mapas
 
Atividade avaliativa de geografia
Atividade avaliativa de geografiaAtividade avaliativa de geografia
Atividade avaliativa de geografia
 
Ft continentes/ oceanos
Ft continentes/ oceanosFt continentes/ oceanos
Ft continentes/ oceanos
 
Geografia 2013 3ºe 4º bim (4º ano)
Geografia 2013   3ºe 4º bim (4º ano)Geografia 2013   3ºe 4º bim (4º ano)
Geografia 2013 3ºe 4º bim (4º ano)
 
Avaliação de geografia 4ºbimestre
Avaliação de geografia 4ºbimestreAvaliação de geografia 4ºbimestre
Avaliação de geografia 4ºbimestre
 
Planejamento 3º ano ( 2ª série )
Planejamento   3º ano ( 2ª série )Planejamento   3º ano ( 2ª série )
Planejamento 3º ano ( 2ª série )
 
Iniciação da linguagem cartográfica
Iniciação da linguagem cartográficaIniciação da linguagem cartográfica
Iniciação da linguagem cartográfica
 
ApresentaçãO Cartografia 2
ApresentaçãO Cartografia 2ApresentaçãO Cartografia 2
ApresentaçãO Cartografia 2
 
O que é espaço geográfico
O que é espaço geográficoO que é espaço geográfico
O que é espaço geográfico
 
Espaço Geográfico - 3º Ano
Espaço Geográfico - 3º AnoEspaço Geográfico - 3º Ano
Espaço Geográfico - 3º Ano
 
Formas de representação da terra
Formas de representação da terraFormas de representação da terra
Formas de representação da terra
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Atividades de-geo-5c2ba-ano-2010-1-2-3-4
Atividades de-geo-5c2ba-ano-2010-1-2-3-4Atividades de-geo-5c2ba-ano-2010-1-2-3-4
Atividades de-geo-5c2ba-ano-2010-1-2-3-4
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 

Semelhante a Espaço E Representações Cartográficas - 3º Ano

Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptxAula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptxMrcioHenrique50
 
006_8°ano_Elementos da Cartografia .pdf
006_8°ano_Elementos da Cartografia .pdf006_8°ano_Elementos da Cartografia .pdf
006_8°ano_Elementos da Cartografia .pdfTATIANIDASILVAJOVINO1
 
Projeções Cartográficas.pptx
Projeções Cartográficas.pptxProjeções Cartográficas.pptx
Projeções Cartográficas.pptxZero386533
 
Formas de representação da superfície terrestre
Formas de representação da superfície terrestreFormas de representação da superfície terrestre
Formas de representação da superfície terrestrePaula Tomaz
 
Slides de cartografia
Slides de cartografiaSlides de cartografia
Slides de cartografiaDora Amarante
 
Ifes aula 4-cartografia https://youtu.be/KsrS8ub_hUY
Ifes aula 4-cartografia https://youtu.be/KsrS8ub_hUYIfes aula 4-cartografia https://youtu.be/KsrS8ub_hUY
Ifes aula 4-cartografia https://youtu.be/KsrS8ub_hUYKéliton Ferreira
 
Cartografia: Elementos básicos de cartografia e projeções cartográficas
Cartografia: Elementos básicos de cartografia e projeções cartográficasCartografia: Elementos básicos de cartografia e projeções cartográficas
Cartografia: Elementos básicos de cartografia e projeções cartográficasSilmara Vedoveli
 
fundamentos-da-cartografia.ppt
fundamentos-da-cartografia.pptfundamentos-da-cartografia.ppt
fundamentos-da-cartografia.pptEvertonFAlves1
 
Cap. 3 - Mapas (6º ano)
Cap. 3  - Mapas (6º ano)Cap. 3  - Mapas (6º ano)
Cap. 3 - Mapas (6º ano)Acácio Netto
 
Cap. 3 - Mapas (6º ano)
Cap. 3 - Mapas (6º ano)Cap. 3 - Mapas (6º ano)
Cap. 3 - Mapas (6º ano)profacacio
 
Representacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdf
Representacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdfRepresentacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdf
Representacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdfAndressaAmorim22
 
exercicio de aplicação de Cartografia.pptx
exercicio de aplicação de Cartografia.pptxexercicio de aplicação de Cartografia.pptx
exercicio de aplicação de Cartografia.pptxnomeinspirado
 

Semelhante a Espaço E Representações Cartográficas - 3º Ano (20)

02 cartografia geral
02 cartografia geral02 cartografia geral
02 cartografia geral
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Cartografia.
Cartografia.Cartografia.
Cartografia.
 
Unidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoanoUnidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoano
 
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptxAula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
 
006_8°ano_Elementos da Cartografia .pdf
006_8°ano_Elementos da Cartografia .pdf006_8°ano_Elementos da Cartografia .pdf
006_8°ano_Elementos da Cartografia .pdf
 
Projeções Cartográficas.pptx
Projeções Cartográficas.pptxProjeções Cartográficas.pptx
Projeções Cartográficas.pptx
 
Formas de representação da superfície terrestre
Formas de representação da superfície terrestreFormas de representação da superfície terrestre
Formas de representação da superfície terrestre
 
Slides de cartografia
Slides de cartografiaSlides de cartografia
Slides de cartografia
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Ifes aula 4-cartografia https://youtu.be/KsrS8ub_hUY
Ifes aula 4-cartografia https://youtu.be/KsrS8ub_hUYIfes aula 4-cartografia https://youtu.be/KsrS8ub_hUY
Ifes aula 4-cartografia https://youtu.be/KsrS8ub_hUY
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Cartografia: Elementos básicos de cartografia e projeções cartográficas
Cartografia: Elementos básicos de cartografia e projeções cartográficasCartografia: Elementos básicos de cartografia e projeções cartográficas
Cartografia: Elementos básicos de cartografia e projeções cartográficas
 
fundamentos-da-cartografia.ppt
fundamentos-da-cartografia.pptfundamentos-da-cartografia.ppt
fundamentos-da-cartografia.ppt
 
Cap. 3 - Mapas (6º ano)
Cap. 3  - Mapas (6º ano)Cap. 3  - Mapas (6º ano)
Cap. 3 - Mapas (6º ano)
 
Cap. 3 - Mapas (6º ano)
Cap. 3 - Mapas (6º ano)Cap. 3 - Mapas (6º ano)
Cap. 3 - Mapas (6º ano)
 
Representacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdf
Representacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdfRepresentacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdf
Representacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdf
 
exercicio de aplicação de Cartografia.pptx
exercicio de aplicação de Cartografia.pptxexercicio de aplicação de Cartografia.pptx
exercicio de aplicação de Cartografia.pptx
 
Mapas escalas e projeções cartográficas
Mapas escalas e projeções cartográficasMapas escalas e projeções cartográficas
Mapas escalas e projeções cartográficas
 

Mais de Pré Master

Capitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismoCapitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismoPré Master
 
A cultura clássica
A cultura clássicaA cultura clássica
A cultura clássicaPré Master
 
Espaço urbano brasileiro
Espaço urbano brasileiroEspaço urbano brasileiro
Espaço urbano brasileiroPré Master
 
Invasão Holandesa
Invasão HolandesaInvasão Holandesa
Invasão HolandesaPré Master
 
Linguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E TextoLinguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E TextoPré Master
 
Formação Dos Estados Teocráticos
Formação Dos Estados TeocráticosFormação Dos Estados Teocráticos
Formação Dos Estados TeocráticosPré Master
 
Regiões Geoeconômicas
Regiões GeoeconômicasRegiões Geoeconômicas
Regiões GeoeconômicasPré Master
 

Mais de Pré Master (11)

Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Capitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismoCapitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismo
 
A cultura clássica
A cultura clássicaA cultura clássica
A cultura clássica
 
Espaço urbano brasileiro
Espaço urbano brasileiroEspaço urbano brasileiro
Espaço urbano brasileiro
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
A Corte
A CorteA Corte
A Corte
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Invasão Holandesa
Invasão HolandesaInvasão Holandesa
Invasão Holandesa
 
Linguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E TextoLinguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E Texto
 
Formação Dos Estados Teocráticos
Formação Dos Estados TeocráticosFormação Dos Estados Teocráticos
Formação Dos Estados Teocráticos
 
Regiões Geoeconômicas
Regiões GeoeconômicasRegiões Geoeconômicas
Regiões Geoeconômicas
 

Último

Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 

Último (20)

Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 

Espaço E Representações Cartográficas - 3º Ano

  • 1. CELM GEOGRAFIA GERAL Espaço e Representações Cartográficas Globo terrestre, mapas, cartas, projeções e novas tecnologias 3ª Série – Ensino Médio Janiere Mendonça
  • 2. O que é espaço? Porção específica da superfície terrestre sendo identificado por elementos naturais, humanos e econômicos, que se interagindo com a sociedade. E a cartografia? Ciência voltada para o estudo e desenvolvimento de técnicas de elaboração de mapas. Por que será que houve a necessidade de começar a registrar as coisas? Para conservar os caminhos percorridos.
  • 3. Os primeiros registros •Babilônia (Iraque) – Disco de madeira. •De papel em formato de globo, Eratóstenes (276 a.C.) e Hiparco ( 190 a.C.). •Em forma de círculo, Ptolomeu (100 d.C.). Orbis Terrarum (Idade Média)
  • 4. Foi só na época as Grandes Navegações e conquistas do século XV e XVI, que as embarcações, instrumentos de navegação (astrolábio, mapas ...) inspiraram viagens mais longínquas. As expedições exploratórias eram de fundamental importância para os cartógrafos (desenhavam tudo que viam).
  • 5. Qual a importância da Cartografia? Os mapas representam um dos principais instrumentos para a análise e interpretação da realidade espacial, e também como artifício para mudanças espaciais. Utilizado como instrumentos de poder (político, militar e econômico). Exemplos: Conhecer as riquezas de um solo. Perceber um curso de um rio. Delimitar fronteiras.
  • 6. 1- O espaço e suas representações Globo Terrestre É a representação da Terra mais aproximada da realidade. Porém não se visualiza detalhes pela redução considerável de tamanho. O que podemos ver, então?
  • 7. Mapa É uma representação da Terra ou parte dela numa superfície plana que nos fornece informações. Depende de vários levantamentos de campo e análises documentais (fotos aéreas, dados estatísticos e topografias) até a elaboração da legenda.
  • 8. 1.1- Símbolos ou convenções cartográficas Os símbolos são a linguagem visual dos mapas. Esses símbolos podem ser representados por: cores, linhas, pontos e figuras.
  • 9. 1.2- Escala Nos informam quantas vezes o objeto real foi reduzido. É a relação de comprimento no mapa e a distância real correspondente a terra. 1.2.1- Numérica É uma fração que corresponde ao terreno. 1: 200.000 Como se lê: Um (cm) para duzentos mil, ou seja, para cada 1 cm no mapa existem 200.000 cm no real.
  • 10. 1.2.2- Gráfica É representado por uma reta graduada. 0 km 200 km 400 km 600 km Cada fração mede 1 cm no mapa e no real 200 km. ATENÇÃO: A riqueza de detalhes em um mapa é diretamente proporcional à escala.
  • 11. V Escala grande E tem o denominador J pequeno e A apresenta > detalhes. A Escala pequena F tem o I denominador grande e G apresenta < U detalhes. R A
  • 12.
  • 13.
  • 14. Escala grande: de 1:500 até 1:50.000 (áreas pequenas, cidades, bairros, plantas urbanas, permite elevado grau de precisão e detalhamento). Escala pequena: de 1:500.000 até 1:1.000.000 (características ou elementos geográficos de uma região, país ou continente). COMO TRANSFORMAR A ESCALA DE CM PARA KM? Deve-se utilizar a escala métrica, deslocando as casas: 10 10 10 10 10 10 Km hm dam m dm cm mm
  • 15. Exemplos: Numa escala de 1: 150.000, cada centímetro no mapa corresponde a 150.000 centímetros no real. Transformando em quilômetros, quantos será? Veja: 1: 150.000, basta descolar as casas para a esquerda. Então, no real teremos 1,5 km. Agora temos o contrário: o resultado está em km – 32,5. Como ficará a escala numérica? Veja: a escala numérica será: 1: 3.250.000. Ou seja, desloquei a vírgula e acrescentei 4 zeros.
  • 16. EXERCITANDO A cidade A e B estão distante uma da outra 3 cm no mapa. A escala é de 1: 500.000. Responda: a) A escala é pequena, média ou grande? Por quê? Pequena. Apresentará menor detalhe e maior área (denominador grande). b) Qual a distância real (km) entre as duas cidades? 1º passo: transformar cm em km: 1:500.000, deslocando as casas, dará 5 km, ou seja, 1 cm no mapa será 1 km no real. 2º passo: resolver: se 1cm no mapa é igual a 5 km no real, logo, 3 cm no mapa que é a distância entre as cidades, será de 15 km (regra de 3).
  • 17. 1. Utilizando o conceito de escala cromática, identifique o problema de comunicação cartográfica que dificulta a leitura do mapa? 2. O mapa apresenta uma escala gráfica de 1 para 2.350 km. Transforme-a em escala numérica.
  • 18. 1.3- Por que mapa e carta tem significados diferentes? O mapa representa de forma mais geral áreas maiores. Exemplos: o mapa do Brasil. A carta representa as áreas de forma mais detalhada, precisas e menores. Exemplos: carta urbana das cidades.
  • 19. 2- Projeções cartográficas O impulso definitivo da Cartografia se deu a partir de 1569, com a publicação do mapa-múndi do cartógrafo belga Mercátor, que criou de forma cilíndrica. O que é projeção cartográfica? É a representação de uma superfície esférica (Terra) num plano (mapa). O grande problema consiste em representar uma esfera num plano, já que é sabido, que os mapas sofreram alterações e deformações. O importante é saber qual a necessidade de cada trabalho para poder escolher melhor cada projeção. No mundo existe três tipos:
  • 20. Cilíndrica •Utilizada para navegação; •Os paralelos meridianos ficam retos e perpendiculares; •Quanto mais perto dos pólos, maior a deformação, ficarão grandes ou esticados.
  • 21. Cônica • Utilizada para países ou regiões de latitudes intermediárias;
  • 22. Plana ou Azimutal • Utilizada para mapas especiais, principalmente os náuticos e os aeronáuticos; • É o resultado de uma projeção de um determinado ponto de vista.
  • 23. 2.1- Projeções cartográficas mais conhecidas 2.1.1- Mercátor Tornou-se a preferida dos navegantes desde o século XVI, e ainda é utilizadas em muitos atlas e livros da atualidade. Nessa projeção os paralelos e meridianos são linhas retas que se cruzam, formando ângulos retos, pertence ao tipo chamado conforme porque não deforma os ângulos.
  • 24. Essa projeção sofreu muitas críticas, porque a Europa ficou no centro do mundo, além disso os países ricos ficaram em dimensões demasiadamente ampliadas no espaço mundial, enquanto os pobres, diminuídos (Europocentrismo). 2.1.2- Peters A finalidade foi dar aos países ricos o seu real tamanho propondo uma equivalência, ou seja, as áreas da Terra conserva o tamanho correto, porém esticadas, pela deformação dos ângulos das coordenadas. Valoriza o mundo subdesenvolvido, que possui área maior.
  • 25. 2.1.3- Aitoff e Goode Aitoff mostra a América como centro do planisfério. Goode mostra equivalência das massas continentais e oceânicas.
  • 26. 2.1.4- Anamorfoses Os países no planisfério vão assumir o tamanho proporcional ao dado que se queira mostrar. Por exemplo a população mundial.
  • 27. 3- Novas tecnologias cartográficas Satélites artificiais e sensoriamento remoto. Atualmente o emprego de novas tecnologias tem contribuído muito para a observação da Terra e o desenvolvimento de diversos campos do conhecimento. Veja a figura a seguir:
  • 28. Esse mapa só foi possível a partir de imagens de satélite enviadas ao espaço. É possível distinguir áreas frias, as florestas, áreas desérticas e o continente congelado. O sensoriamento remoto constitui na capitação e registro de imagens da energia refletida por elementos. Utiliza instrumentos modernos, como sensores, equipamentos para processamento e transmissão de dados, plataformas e equipamentos. O sensoriamento remoto por meio de satélites artificiais teve início no final da década de 1950, logo após o primeiro satélite artificial, o Sputnik, ter sido lançado pelos soviéticos em 1957. Os programas ou sistemas de sensoriamentos mais conhecidos são: Tiros, Nimbos, Apolo, Spot e o Landsat (NASA). Permitem rapidez e precisão nos processos de levantamentos de dados e mapeamento, servindo para várias áreas do conhecimento.
  • 29.
  • 30.
  • 31. GPS – Sistema de Posicionamento Global (Global Positioning System) Sofisticado sistema eletrônico que se apóia a uma rede de satélite que oferece localização instantânea, em qualquer ponto da Terra, com uma precisão quase perfeita.
  • 32. É muito utilizado no transporte aéreo, marítimo e terrestre, para fornecer a posição e trajeto de veículos ou localiza-los em caso de desaparecimento. Tem grande utilidade para cartas temáticas, usos militares e revolucionou a Geodésica (medição da Terra), fornecendo dados confiáveis e precisos. Geoprocessamento e SIG O geoprocessamento abrange um conjunto de procedimentos de entrada, manipulação, armazenamento e análise de dados espacialmente referenciados. O SIG é um sistema de informação geográfica composto de softwares e hardware que tem como finalidade integrar bancos de dados, e processar e analisar dados geo- referenciados, criando arquivos digitais de mapas, gráficos, tabelas.
  • 33. 4- C G O E O O R G D R E Á N F A I D C A A S
  • 34. 5- Fuso horário A terra realiza uma rotação completa sobre o seu eixo no período de um dia. Por isso, na sua trajetória aparente o Sol percorre os 360 graus da esfera terrestre em cerca de 24 horas. O sistema de fusos horários permite a determinação das horas de todos os lugares relativamente à hora do meridiano inicial. Dividindo os 360 graus da esfera pelas 24 horas do dia determina-se um fuso horário, que corresponde a uma faixa de 15 graus de longitude. O fuso horário inicial funciona como referência mundial com o meridiano Greenwich ou Greenwich Mean Time (GMT). Como o movimento de rotação realiza-se no sentido anti-horário, ou seja, de oeste para leste, todos os fusos situados a leste do GMT, apresentaram horas adiantadas, e para oeste horas atrasadas.
  • 36. Bibliografia Consultada COELHO, M de A. TERRA, Lygia. Geografia Geral e do Brasil. São Paulo: Moderna, 2003. BOLIGIAN, Levon. ALVES, Andressa. Geografia: espaço e vivência. São Paulo: Atual, 2004. ALMEIDA, Lúcia. LIGOLIN, Tércio. Geografia. São Paulo: Ática, 2005. Questionamentos???