SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 63
COMO ESCREVER BEM
TEXTO:
O QUE É UM TEXTO
TEXTO
TECIDO
• Unidade linguística concreta, percebida pela audição (na
fala) ou pela visão (na escrita), que tem unidade de
sentido e intencionalidade comunicativa.
• Texto: conjunto de signos linguísticos ou extralinguísticos
que veicula sentido, coerência e completude interna.
• Texto não é um aglomerado de frases;
• O sentido das frases depende do contexto em
que estão inseridas;
• Todo texto contém um pronunciamento dentro de
uma escala mais ampla.
Contexto- unidade linguística
maior onde se encaixa uma
unidade linguística menor.
Frase Parágrafo
Capítulo Obra
• Fatores que formam a situação na qual é produzido
o texto.
• Discurso é a atividade comunicativa – constituída
de texto e contexto discursivo (quem fala, com quem
fala, com que finalidade, etc.) – capaz de gerar
sentido, desenvolvida entre interlocutores.
 Para que a escrita seja considerada um texto, é
necessário haver significação.
 Precisa-se trabalhar as palavras, combiná-las de tal
forma que o produto tenha significação, isto é, seja
um texto.
Falar é muito mais simples, pois não há grande
preocupação com as regras gramaticais.
Quando escrevemos, há um cuidado maior
com a gramática normativa, preocupação
com a clareza e seleção do vocabulário.
Para Pimenta (2009), escrever bem é:
 Obedecer às regras gramaticais, evitando erros
de sintaxe, de pontuação, de ortografia
 Procurar a clareza, evitando palavras e frases
obscuras ou de duplo sentido
 Agradar o leitor, empregando expressões
elegantes e fugindo de um estilo muito seco.
• Interferência física: dificuldade visual, má grafia das palavras,
cansaço, falta de iluminação;
• Interferência cultural: palavras ou frases complicadas ou
ambíguas, diferenças de nível social;
• Interferência psicológica: mensagem que contenha agressividade,
aspereza, antipatia.
É PRECISO TOMAR CUIDADO COM:
O texto é formado de parágrafos com raciocínios
progressivos;
Normalmente, insere-se no início do parágrafo a IDEIA
CENTRAL, também chamada de TÓPICO FRASAL;
TÓPICO FRASAL: uma vez identificado, ajuda-nos a separar
o que é relevante do que não o é;
Ao redor dessa ideia central, girarão as ideias secundárias ou
complementares.
TEXTUALIDADE
• Um dos problemas encontrados com mais frequência nos textos é a falta de
coesão e de coerência.
• É comum encontrarmos textos que iniciam com um tema e terminam com outro,
mostrando falta de unidade, falta de coerência. Além da falta de coerência, há
falta de coesão, o que torna, muitas vezes, os períodos ininteligíveis.
• Textualidade – Conjunto de características que fazem com
que um texto seja um texto e não apenas uma sequência de
frases.
TEXTUALIDADE
• Mas, o que é coerência e o que é coesão?
Comecemos pela organização textual. Todo texto é
composto por uma macroestrutura e uma microestrutura.
• MICROESTRUTURA: COESÃO
• MACROESTRUTURA: COERÊNCIA
• COERÊNCIA
• COESÃO
• Coerência: estruturação lógico-semântica de um texto – a articulação
de ideias que faz com que numa situação discursiva palavras e frases
componham um todo significativo para os interlocutores.
Responsável pela construção de sentido que garante a
interpretabilidade do texto, a harmonia dos fatos ou ideias transmitidos.
Evita ruídos ou contradições que poderiam dificultar a compreensão da
comunicação ou impossibilitar o entendimento.
• A coerência é uma característica textual que depende da
interação do texto, do seu produtor e daquele que procura
compreendê-lo, além :
• Do conhecimento de mundo;
• Da situação de produção do texto;
• Do grau de domínio dos elementos linguísticos constantes do
texto.
Para haver coerência o texto deve conter:
A manutenção da mesma referência temática em toda
extensão, ou seja preservar a ideia central. Para isto é
necessário que haja:
a)harmonia de sentido de modo a não ter nada ilógico, nada
desconexo;
b)relação entre as partes do texto, criando uma unidade de sentido.
c) as partes devem estar inter-relacionadas;
d) expor uma informação nova e expandir o texto;
e) não apresentar contradições entre as ideias;
f) apresentar um ponto de vista, uma nova visão de mundo
• Coerência interna - não contradição do texto
(elementos intratextuais)
Ex.: Maria disse a João que iria na casa de Pedro. Logo depois,
chegando à casa de Marcelo...
• Coerência externa - não contradição do contexto
(elementos extratextuais)
Ex.: Chegando ao Rio de Janeiro ensolarado, o frio deixava nas
planícies da cidade uma camada de neve que refletia as luzes da
noite.
Coerência narrativa - respeito às partes da narrativa e à lógica existente entre essas
partes.
Coerência argumentativa - respeito à estrutura argumentativa e ao raciocínio
argumentativo.
Coerência figurativa - respeito à combinação de figuras para informar um dado
tema. Ex.: dizer que tocavam uma música clássica num baile funk.
Coerência temporal - respeito às leis da sucessividade dos eventos.
Coerência espacial - respeito à compatibilidade entre os enunciados do ponto da
localização no espaço. Ex.: seria incoerente dizer que 450 pessoas estavam na sala
de estar do apartamento.
• Portanto, a coerência deve ser entendida como
um fator que se estabelece no processo de
comunicação.
• A coerência não existe antes do texto, mas
constrói-se, simultaneamente, à construção
textual, estreitamente relacionada com a intenção
e conhecimentos dos interlocutores.
• Narrativa:
Havia um menino muito magro que vendia amendoins numa esquina de
uma das avenidas de São Paulo. Ele era tão fraquinho, que mal podia
carregar a cesta em que estavam os pacotinhos de amendoim. Um
dia, na esquina em que ficava, um motorista , que vinha em alta
velocidade, perdeu a direção. O carro capotou e ficou de rodas para o ar.
O menino não pensou duas vezes. Correu para o carro e tirou de lá o
motorista, que era um homem corpulento. Carregou-o até a calçada,
parou um carro e levou o homem para o hospital. Assim, salvou-lhe a
vida.
• Figurativa:
Suponhamos que se deseje figurativizar o tema
“despreocupação”. Podem-se usar figuras como
“pessoas deitadas à beira da piscina”, “drinques
gelados”, “passeios pelos shoppings”. Não caberia, no
entanto, na figurativização, a utilização de figuras
como “pessoas apressadas para o trabalho”,
“fábrica funcionando a pleno vapor”.
• Argumentativa:
Quando se defende um ponto de vista de que o ser
humano deve buscar o amor e a amizade, não se
pode dizer em seguida que não se deve confiar em
ninguém e que por isso é melhor viver isolado.
Coesão: são as conexões gramaticais existentes entre palavras,
orações, frases, parágrafos e partes maiores de um texto.
Há coesão em um texto quando se empregam de modo adequado
conjunções, pronomes e vocábulos. A coesão ocorre quando não
há ambiguidades e regências incorretas.
Ex.: Achei a obra na biblioteca estragada.
O fazendeiro vinha com um bezerro e a mãe dele.
COESÃO
 Ninguém pode dizer que falta coesão a esse parágrafo. Mas de que ele
trata mesmo? Dos problemas do povo? Do presidente? Do seu
mandato? Fica difícil dizer. Embora ele tenha coesão, não tem
coerência. Retomar a cada frase uma palavra anterior não significa
escrever bem. A coesão não funciona sozinha.
Mas não basta costurar uma frase a outra para dizer que estamos
escrevendo bem. Além da coesão, é preciso pensar na coerência.
Você pode escrever um texto coeso sem ser coerente. Por exemplo:
Ex.:Os problemas de um povo têm de ser resolvidos pelo
presidente. Este deve ter ideais muito elevados. Esses
ideais se concretizarão durante a vigência de seu mandato.
O seu mandato deve ser respeitado por todos.
MICROESTRUTURA: COESÃO
• A coesão - (coeso significa ligado) - propriedade que os
elementos textuais têm de estar interligados. De um fazer
referência ao outro. Do sentido de um depender da relação
com o outro.
• Ligação das frases, traços morfossintáticos que garantem o
encadeamento lógico.
Para que o texto seja coeso, deve seguir pelo menos um dos
mecanismos de coesão.
ÁGUAS DE MARÇO
• É pau, é pedra, é o fim do caminho
• é um resto de toco, é um pouco sozinho
• é um caco de vidro, é a vida, é o sol
• é a noite, é a morte, é um laço, é o anzol
• é peroba do campo, é o nó da madeira
• caingá, candeia, é o Matita Pereira
• É madeira de vento, tombo da ribanceira
• é o mistério profundo
• é o queira ou não queira
• é o vento ventando, é o fim da ladeira
• é a viga, é o vão, festa da cumeeira
• é a chuva chovendo, é conversa ribeira
• das águas de março, é o fim da canseira.
• É o pé, é o chão, é a marcha estradeira
• passarinho na mão, pedra de atiradeira
• Uma ave no céu, uma ave no chão
• é um regato, é uma fonte
• é um pedaço de pão
• é o fundo do poço, é o fim do caminho
• no rosto o desgosto, é um pouco sozinho
• É um estrepe, é um prego
• é uma ponta, é um ponto
• é um pingo pingando
• é uma conta, é um conto
• é um peixe, é um gesto
• é uma prata brilhando
• é a luz da manhã, é o tijolo chegando
• é a lenha, é o dia, é o fim da picada
• é a garrafa de cana, o estilhaço na estrada
• É o projeto da casa, é o corpo na cama
• é o carro enguiçado, é a lama, é a lama
• é um passo, é uma ponte
• é um sapo, é uma rã
• é um resto de mato, na luz da manhã
• são as águas de março fechando o verão
• é a promessa de vida no teu coração
• É pau, é pedra, é o fim do caminho
• é um resto de toco, é um pouco sozinho
• é uma cobra, é um pau, é João, é José
• é um espinho na mão, é um corte no pé
• são as águas de março fechando o verão
• é a promessa de vida no teu coração
•
• É pau, é pedra, é o fim do caminho
• é um resto de toco, é um pouco sozinho
• é um passo, é uma ponte
• é um sapo, é uma rã
• é um belo horizonte, é uma febre terçã
• são as águas de março fechando o verão
• é a promessa de vida no teu coração
• É pau, é pedra, é o fim do caminho
• é um resto de toco, é um pouco sozinho
• É pau, é pedra, é o fim do caminho
• é um resto de toco, é um pouco sozinho
• Pau, pedra, fim do caminho
• resto de toco, pouco sozinho
• Pau, pedra, fim do caminho,
• resto de toco, pouco sozinho.
ÁGUAS DE MARÇO
• REPETIÇÃO: a repetição é um dos principais elementos
de coesão do texto. A repetição pode ser considerada a
mais explícita ferramenta de coesão.
• REPETIÇÃO PARCIAL: na retomada de nomes de
pessoas, a repetição parcial é o mais comum
mecanismo coesivo do texto.
• ELIPSE: é a omissão de um termo que pode ser facilmente
deduzido pelo contexto.
• SUBSTITUIÇÕES: uma das mais ricas maneiras de se
retomar um elemento já citado ou de se referir a outro que
ainda vai ser mencionado é a substituição.
• Esse é o mecanismo pelo qual se usa uma palavra (ou grupo
de palavras) no lugar de outra palavra (ou grupo de palavras).
Tipos de substituição: PRONOMES, EPÍTETOS,
SINÔNIMOS, ADVÉRBIOS, NUMERAIS, etc
Pronomes: a função gramatical do pronome é substituir ou
acompanhar um nome. Ele pode, ainda, retomar toda uma frase ou
toda a ideia contida em um PARÁGRAFO ou no TEXTO TODO.
Exemplos.: Vitaminas fazem bem à saúde. Mas não devemos tomá-las ao acaso.
O colégio é um dos melhores da cidade. Seus dirigentes se preocupam muito
com a educação integral.
Aquele político deve ter um discurso muito convincente. Ele já foi eleito seis
vezes.
Há uma grande diferença entre Paulo e Maurício. Este guarda rancor de todos,
enquanto aquele tende a perdoar.
EPÍTETO (substituição)
• Epítetos: palavras ou grupos de palavras que, ao mesmo
tempo que se referem a um elemento do texto, qualificam-no.
• Essa qualificação pode ser conhecida ou não pelo leitor.
Deve ser inserida no texto de modo que fique fácil a sua
relação com o elemento qualificado.
Ex.: Edson Arantes de Nascimento gostou do desempenho
do Brasil. Para o ex-Ministro dos Esportes, a seleção...
(o epíteto ex-Ministro dos Esportes retoma Edson Arantes do
Nascimento. Poderiamos usar as formas jogador do século,
número um do mundo, etc.)
SINÔNIMOS (substituição)
• Sinônimos ou quase sinônimos: palavras com o mesmo
sentido (ou muito parecido) dos elementos a serem
retomados. Exemplo:
Ex.: O prédio foi demolido às 15h. Muitos curiosos se
aglomeraram ao redor do edifício, para conferir o espetáculo
(edifício retoma prédio. Ambos são sinônimos).
NOMES DEVERBAIS (substituição)
• Nomes deverbais: derivados de verbos e retomam a ação
expressa por eles. Servem, ainda, como um resumo dos
argumentos já utilizados. Exemplo:
Ex.: Uma fila de centenas de veículos paralisou o trânsito da
Avenida Higienópolis, como sinal de protesto contra o aumento
dos impostos. A paralisação foi a maneira encontrada...
(paralisação, que deriva de paralisar, retoma a ação de
centenas de veículos de paralisar o trânsito da Avenida
Higienópolis).
Classificador e categorizador (substituição)
• Elementos classificadores e categorizadores: referem-
se a um elemento (palavra ou grupo de palavras) já
mencionado ou não por meio de uma classe ou categoria a
que esse elemento pertença:
Ex.: Uma fila de centenas de veículos paralisou o trânsito
da Avenida Higienópolis. O protesto foi a maneira
encontrada...
(protesto retoma toda a ideia anterior - da paralisação -,
categorizando-a como um protesto)
Advérbio (substituição)
• Advérbios: palavras que exprimem circunstâncias,
principalmente as de lugar:
Ex.: Em São Paulo, não houve problemas. Lá, os
operários não aderiram...
(o advérbio de lugar lá retoma São Paulo).
Exemplos de advérbios que comumente funcionam como
elementos referenciais, isto é, como elementos que se
referem a outros do texto: aí, aqui, ali, onde, lá, etc.
NUMERAL (substituição)
• Não se pode dizer que toda a turma esteja mal
preparada. Um terço pelo menos parece estar
dominando o assunto.
• Recebemos dois telegramas. O primeiro confirmava
a sua chegada; o segundo dizia justamente o
contrário.
Conexão (conectivos)
• Além da constante referência entre palavras do texto,
observa-se na coesão a propriedade de unir termos e
orações por meio de conectivos, que são representados,
na Gramática, por inúmeras palavras e expressões.
• A escolha errada desses conectivos pode ocasionar a
deturpação do sentido do texto.
Exemplo de Texto Coeso
• Ulysses era impressionante sob vários aspectos, o primeiro e
mais óbvio dos quais era a própria figura. Contemplado de perto,
cara a cara, ele tinha a oferecer o contraste entre as longas
pálpebras, que subiam e desciam pesadas como cortinas de
ferro, e os olhos claríssimos de um azul leve como o ar. As
pálpebras anunciavam profundezas insondáveis. Quando ele as
abria parecia estar chegando de regiões inacessíveis, a região
dentro de si onde guardava sua força.
Roberto Pompeu de Toledo, Veja, 21 out.1992.
CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TEXTO
• Esse trecho de reportagem gira em torno de Ulysses Guimarães,
que é sua palavra-chave. É a retomada direta ou indireta do
nome de Ulysses Guimarães que dá estabilidade ao texto,
encaminhando-o num só direção: fazer uma descrição
precisa desse político brasileiro. Além disso, as frases estão
bem amarradas porque seu redator soube utilizar com precisão
alguns recursos de coesão textual, tanto dentro da frase, quanto
ao passar de uma frase para outra. A coesão interna é tão
importante quanto a externa.
CONECTIVOS UTILIZADOS NO TEXTO
• Na primeira frase, vários aspectos projeta o texto para adiante. A
palavra aspectos é retomada pelo segmento o primeiro mais óbvio
dos quais era a própria figura;
• Na segunda frase, o pronome relativo que retoma as longas
pálpebras que (as quais) subiam e desciam;
• Na última frase:
O relativo onde mantém o elo coesivo com a região dentro de si onde
(na qual) guardava sua força;
• Os pronomes si (dentro de si) e sua ( sua força) reportam-se ao
sujeito ele de quando ele as abria.
CONETORES EXPRESSAM:
• Prioridade, relevância.
• Tempo.
• Semelhança, comparação, conformidade.
• Condição, hipótese.
• Adição, continuação.
• Dúvida.
• Certeza, ênfase.
• Surpresa, imprevisto.
• Ilustração, esclarecimento.
• Propósito, intenção, finalidade.
• Lugar, proximidade, distância.
• Resumo, recapitulação, conclusão.
• Causa e consequência. Explicação.
• Contraste, oposição, restrição, ressalva.
• Ideias alternativas
FATORES DE TEXTUALIDADE
EXTRALINGUÍSTICOS
• ACEITABILIDADE
• INTENCIONALIDADE
• INFORMATIVIDADE
• SITUCIONALIDADE
ACEITABILIDADE
O texto produzido também deverá ser compatível com a
expectativa do receptor em colocar-se diante de um texto
coerente, coeso, útil e relevante.
O contrato de cooperação estabelecido pelo produtor e pelo
receptor permite que a comunicação apresente falhas de
quantidade e de qualidade, sem que haja vazios
comunicativos. Isso se dá porque o receptor esforça-se em
compreender os textos produzidos.
INTENCIONALIDADE
• Esforço do produtor do texto em construir uma comunicação
eficiente capaz de satisfazer os objetivos de ambos os
interlocutores.
• O texto produzido deverá ser compatível com as intenções
comunicativas de quem o produz.
INFORMATIVIDADE
Nível discursivo capaz de informar o leitor, de modo menos
previsível. Sua recepção é mais trabalhosa, porém mais
interessante, envolvente.
O excesso de informatividade pode ser rejeitado pelo
receptor, que não poderá processá-lo.
O ideal é que o texto se mantenha num nível mediano de
informatividade, que fale de informações que tragam
novidades, mas que venham ligadas a dados conhecidos.
SITUCIONALIDADE
É a adequação do texto a uma situação comunicativa, ao contexto. Note-
se que a situação orienta o sentido do discurso, tanto no modo de
produzir o texto como de sua interpretação.
É importante notar que a situação comunicativa interfere na produção do
texto, assim como este tem reflexos sobre toda a situação, já que o texto
não é um simples reflexo do mundo real.
O homem serve de mediador, com suas crenças e ideais, recriando a
situação. O mesmo objeto é descrito por duas pessoas distintamente, pois
elas o encaram de modo diverso. Muitos linguistas têm-se preocupado em
desenvolver cada um dos fatores citados, ressaltando sua importância na
construção dos textos.
Intertextualidade
• Relação entre dois textos textos caracterizada por citar o outro;
• Temática – quando os textos apresentam em comum um
TEMA, uma determinada ideologia ou visão de mundo;
• Estilística – Texto apresenta procedimentos muito conhecidos
em outro texto como o emprego de palavras, expressões
sintáticas similares.
•
Fator textual que torna a interpretação de um texto
dependente da interpretação de outros. Cada texto
constrói-se, não isoladamente, mas em relação a outro já
dito, do qual abstrai alguns aspectos para dar-lhes outra
feição.
Aborsão e transformação de uma multiplicidade de outros
textos;
O contexto de um texto também pode ser de outros textos
com os quais se relaciona.
INTERTEXTUALIDADE
Os Lusíadas
As armas e os barões assinalados
Que da Ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca dantes navegados
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados
Mais do que prometia a força humana
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram.
Canto I – Luís de Camões
Os alas e becões assinalados
Da oriental praia paulistana
Partiram em missão desumana
A bater inimigos colorados.
Depois do empate duro e fero,
Três a três em pleno alçapão,
Queriam ao menos 1 a 0,
e o sonho manter no coração.
(José Roberto Torero)
Meus oito anos Meus oito anos
Oh! que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!
Que amor, que sonhos, que
flores,
Naquelas tardes fagueiras
À sombra das bananeiras,
Debaixo dos laranjais!
Oh que saudades que eu tenho
Da aurora de minha vida
Das horas de minha infância
Que os anos não trazem mais
Naquele quintal de terra
Da Rua de Santo Antônio
Debaixo da bananeira
Sem nenhum laranjais
Relação entre dois discursos caracterizada por citar o outro discurso (texto)
Qualidades de um Texto
• Para um texto ter unidade de sentido, para ser um todo
coerente, é necessário que apresente TEXTUALIDADE, isto é,
apresente conexões gramaticais e articulação de ideias. Em
outras palavras, que apresente qualidades como:
• Concisão;
• Correção;
• Grafia;
• Flexão das palavras;
• Concordância;
• Regência;
• Colocação dos pronomes;
• Clareza;
• Elegância;
• Concisão: em oposição a textos prolixos que subestimam a
compreensão (e a paciência) dos leitores, tornando-se enfadonhos,
repetitivos e até irritantes. Ser conciso é escrever pouco e
transmitir muito, com o cuidado de não prejudicar a clareza.
 Comunica com a medida PRECISA de palavras e ideias;
 Dispensa clichês;
 Preserva a exatidão e nitidez da informação;
 Evita excessos.
AULA 6
• Consiste em conseguir a maior eficiência na
comunicação com o menor número possível de
palavras.
PROBLEMAS COMUNS:
Imprecisão nas ideias;
Uso de palavras desnecessárias;
Períodos muito longos;
Adjetivos em excesso;
Redundância das ideias.
CONCISÃO
AULA 6
A linguagem utilizada na redação deve estar de acordo com a norma culta.
Obedecer aos princípios estabelecidos pela gramática normativa.
Grafia: palavras desconhecidas, em caso de dúvida, consulte um
dicionário. Se não for possível, substitua a palavra por uma cuja grafia
você conheça. Língua rica em sinônimos;
Flexão das palavras: cuidado coma formação do plural de algumas
palavras, ex. Palavras compostas (primeiro-ministro, abaixo-assinado,
luso-brasileiro, etc)
Concordância: verbo sempre concordará com o sujeito e os nomes
concordam entre si;
Regência: atenção aos verbos e nomes que exigem a preposição A,
para o bom uso da crase.
CORREÇÃO GRAMATICAL
AULA 6
• Pontuação é importante.
• Deve-se ter cuidado com cacofonias. Com a
colocação adequada dos pronomes.
HARMONIA
CORREÇÃO GRAMATICAL
Colocação dos pronomes – observe a colocação dos pronomes
oblíquos átonos;
AULA 6
A cacofonia e o casamento
- Mulher, eu quero amá-la!
A mulher, sonolenta, respondeu ao marido sem abrir os olhos:
- Está em cima do armário…
Ele não desistiu. E sussurrou:
- Mulher, hoje, vou amar-te.
Aí a mulher acordou nervosa e gritou:
- Vá para Marte, para Júpiter, Netuno, vá para qualquer lugar,
mas me deixe dormir!
HARMONIA
AULA 6
• Muito da clareza de linguagem diz respeito ao leitor
a que se destina o texto.
• A clareza combina com o vocabulário adequado com
boa estruturação das sentenças (= emprego de
sentenças curtas).
CLAREZA
AULA 6
• Consiste na criação de um estilo próprio e não
na criação de algo inédito.
• Importância da organização das ideias.
• Produção de argumentos próprios.
Elegância
• Consiste em tornar a leitura agradável ao leitor.
Conseguida quando se observam as qualidades apontadas
(correção gramatical, clareza e concisão, originalidade e
criatividade).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
ISJ
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
pnaicdertsis
 
Elementos da comunicação e funções da linguagem
Elementos da comunicação e funções da linguagemElementos da comunicação e funções da linguagem
Elementos da comunicação e funções da linguagem
Quezia Neves
 

Mais procurados (20)

Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Resenha crítica
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Linguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e InformalLinguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e Informal
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
O que é texto
O que é textoO que é texto
O que é texto
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Polissemia e ambiguidade
Polissemia e ambiguidadePolissemia e ambiguidade
Polissemia e ambiguidade
 
Linguagem e comunicação I
Linguagem e comunicação ILinguagem e comunicação I
Linguagem e comunicação I
 
Elementos de coerência
Elementos de coerênciaElementos de coerência
Elementos de coerência
 
Elementos da comunicação e funções da linguagem
Elementos da comunicação e funções da linguagemElementos da comunicação e funções da linguagem
Elementos da comunicação e funções da linguagem
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentos
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
 

Semelhante a AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO

Tipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuaisTipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuais
Marcia Oliveira
 
Técnicas de redação
Técnicas de redaçãoTécnicas de redação
Técnicas de redação
belschlatter
 
Apostila tecnicas de redação
Apostila   tecnicas de redaçãoApostila   tecnicas de redação
Apostila tecnicas de redação
afmrtnez
 

Semelhante a AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO (20)

Formando o leitor e o produtor de texto
Formando o leitor e o produtor de texto Formando o leitor e o produtor de texto
Formando o leitor e o produtor de texto
 
A construção do_texto_coesão_e_coerência_textuais
A construção do_texto_coesão_e_coerência_textuaisA construção do_texto_coesão_e_coerência_textuais
A construção do_texto_coesão_e_coerência_textuais
 
Gêneros de texto
Gêneros de textoGêneros de texto
Gêneros de texto
 
Apostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fccApostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fcc
 
Elementos de Coesão e Coerência textual.pptx
Elementos de Coesão e Coerência textual.pptxElementos de Coesão e Coerência textual.pptx
Elementos de Coesão e Coerência textual.pptx
 
LEITURA: Aspectos Teóricos e Práticos
LEITURA: Aspectos Teóricos e PráticosLEITURA: Aspectos Teóricos e Práticos
LEITURA: Aspectos Teóricos e Práticos
 
Portugues vol3
Portugues vol3Portugues vol3
Portugues vol3
 
1-1-coesao-e-coerencia_slides.ppt
1-1-coesao-e-coerencia_slides.ppt1-1-coesao-e-coerencia_slides.ppt
1-1-coesao-e-coerencia_slides.ppt
 
Tipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuaisTipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuais
 
Tp5
Tp5Tp5
Tp5
 
Compreensão de textos
Compreensão de textosCompreensão de textos
Compreensão de textos
 
Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
 
Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)
 
COERÊNCIA E COESÃO TEXTUAL - POWER POINT AREAL - PORTUGUÊS 11ºANO
COERÊNCIA E COESÃO TEXTUAL - POWER POINT AREAL - PORTUGUÊS 11ºANOCOERÊNCIA E COESÃO TEXTUAL - POWER POINT AREAL - PORTUGUÊS 11ºANO
COERÊNCIA E COESÃO TEXTUAL - POWER POINT AREAL - PORTUGUÊS 11ºANO
 
Lpt2 3 alunos_coesao_coerenciatextual
Lpt2 3 alunos_coesao_coerenciatextualLpt2 3 alunos_coesao_coerenciatextual
Lpt2 3 alunos_coesao_coerenciatextual
 
Resumo Tp5 Unid 19 20
Resumo   Tp5   Unid 19 20Resumo   Tp5   Unid 19 20
Resumo Tp5 Unid 19 20
 
Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritos
 
Técnicas de redação
Técnicas de redaçãoTécnicas de redação
Técnicas de redação
 
Apostila tecnicas de redação
Apostila   tecnicas de redaçãoApostila   tecnicas de redação
Apostila tecnicas de redação
 
Técnicas de redação
Técnicas de redaçãoTécnicas de redação
Técnicas de redação
 

Mais de Marcelo Cordeiro Souza

Mais de Marcelo Cordeiro Souza (19)

Origem, inserção e ação dos músculos
Origem, inserção e ação dos músculosOrigem, inserção e ação dos músculos
Origem, inserção e ação dos músculos
 
Anatomia Músculos Para Peças Anatômicas
Anatomia Músculos Para Peças AnatômicasAnatomia Músculos Para Peças Anatômicas
Anatomia Músculos Para Peças Anatômicas
 
Anatomia na prática - Sistema musculoesquelético
Anatomia na prática  - Sistema musculoesquelético Anatomia na prática  - Sistema musculoesquelético
Anatomia na prática - Sistema musculoesquelético
 
Os Simpsons e a História - Alessandro de Almeida
Os Simpsons e a História - Alessandro de AlmeidaOs Simpsons e a História - Alessandro de Almeida
Os Simpsons e a História - Alessandro de Almeida
 
Resumo do Filme "As filhas de eva"
Resumo do Filme "As filhas de eva"Resumo do Filme "As filhas de eva"
Resumo do Filme "As filhas de eva"
 
O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: construção de uma nova prática de aprendizagem
O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: construção de uma nova  prática  de aprendizagemO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: construção de uma nova  prática  de aprendizagem
O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: construção de uma nova prática de aprendizagem
 
A CIDADE DE CANDIBA: transformações e permanências
A CIDADE  DE CANDIBA: transformações e permanências A CIDADE  DE CANDIBA: transformações e permanências
A CIDADE DE CANDIBA: transformações e permanências
 
O COMPUTADOR COMO TECNOLOGIA EDUCACIONAL
O COMPUTADOR COMO TECNOLOGIA EDUCACIONALO COMPUTADOR COMO TECNOLOGIA EDUCACIONAL
O COMPUTADOR COMO TECNOLOGIA EDUCACIONAL
 
Elementos componentes da organização agrária
Elementos componentes da organização agráriaElementos componentes da organização agrária
Elementos componentes da organização agrária
 
AULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL - OK
AULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL  - OKAULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL  - OK
AULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL - OK
 
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTAAULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
 
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMAAULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
 
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃOAULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
 
AULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFO
AULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFOAULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFO
AULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFO
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Industrialização do Brasil
Industrialização do BrasilIndustrialização do Brasil
Industrialização do Brasil
 
Polarização da luz, matematizando a luz fisica
Polarização da luz, matematizando a luz   fisicaPolarização da luz, matematizando a luz   fisica
Polarização da luz, matematizando a luz fisica
 
Transporte ferroviário brasileiro
Transporte ferroviário brasileiroTransporte ferroviário brasileiro
Transporte ferroviário brasileiro
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 

AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO

  • 3. O QUE É UM TEXTO TEXTO TECIDO
  • 4. • Unidade linguística concreta, percebida pela audição (na fala) ou pela visão (na escrita), que tem unidade de sentido e intencionalidade comunicativa. • Texto: conjunto de signos linguísticos ou extralinguísticos que veicula sentido, coerência e completude interna.
  • 5. • Texto não é um aglomerado de frases; • O sentido das frases depende do contexto em que estão inseridas; • Todo texto contém um pronunciamento dentro de uma escala mais ampla.
  • 6. Contexto- unidade linguística maior onde se encaixa uma unidade linguística menor.
  • 8. • Fatores que formam a situação na qual é produzido o texto. • Discurso é a atividade comunicativa – constituída de texto e contexto discursivo (quem fala, com quem fala, com que finalidade, etc.) – capaz de gerar sentido, desenvolvida entre interlocutores.
  • 9.  Para que a escrita seja considerada um texto, é necessário haver significação.  Precisa-se trabalhar as palavras, combiná-las de tal forma que o produto tenha significação, isto é, seja um texto.
  • 10. Falar é muito mais simples, pois não há grande preocupação com as regras gramaticais. Quando escrevemos, há um cuidado maior com a gramática normativa, preocupação com a clareza e seleção do vocabulário.
  • 11. Para Pimenta (2009), escrever bem é:  Obedecer às regras gramaticais, evitando erros de sintaxe, de pontuação, de ortografia  Procurar a clareza, evitando palavras e frases obscuras ou de duplo sentido  Agradar o leitor, empregando expressões elegantes e fugindo de um estilo muito seco.
  • 12. • Interferência física: dificuldade visual, má grafia das palavras, cansaço, falta de iluminação; • Interferência cultural: palavras ou frases complicadas ou ambíguas, diferenças de nível social; • Interferência psicológica: mensagem que contenha agressividade, aspereza, antipatia. É PRECISO TOMAR CUIDADO COM:
  • 13. O texto é formado de parágrafos com raciocínios progressivos; Normalmente, insere-se no início do parágrafo a IDEIA CENTRAL, também chamada de TÓPICO FRASAL; TÓPICO FRASAL: uma vez identificado, ajuda-nos a separar o que é relevante do que não o é; Ao redor dessa ideia central, girarão as ideias secundárias ou complementares.
  • 14. TEXTUALIDADE • Um dos problemas encontrados com mais frequência nos textos é a falta de coesão e de coerência. • É comum encontrarmos textos que iniciam com um tema e terminam com outro, mostrando falta de unidade, falta de coerência. Além da falta de coerência, há falta de coesão, o que torna, muitas vezes, os períodos ininteligíveis. • Textualidade – Conjunto de características que fazem com que um texto seja um texto e não apenas uma sequência de frases.
  • 15. TEXTUALIDADE • Mas, o que é coerência e o que é coesão? Comecemos pela organização textual. Todo texto é composto por uma macroestrutura e uma microestrutura. • MICROESTRUTURA: COESÃO • MACROESTRUTURA: COERÊNCIA
  • 17. • Coerência: estruturação lógico-semântica de um texto – a articulação de ideias que faz com que numa situação discursiva palavras e frases componham um todo significativo para os interlocutores. Responsável pela construção de sentido que garante a interpretabilidade do texto, a harmonia dos fatos ou ideias transmitidos. Evita ruídos ou contradições que poderiam dificultar a compreensão da comunicação ou impossibilitar o entendimento.
  • 18. • A coerência é uma característica textual que depende da interação do texto, do seu produtor e daquele que procura compreendê-lo, além : • Do conhecimento de mundo; • Da situação de produção do texto; • Do grau de domínio dos elementos linguísticos constantes do texto.
  • 19. Para haver coerência o texto deve conter: A manutenção da mesma referência temática em toda extensão, ou seja preservar a ideia central. Para isto é necessário que haja: a)harmonia de sentido de modo a não ter nada ilógico, nada desconexo; b)relação entre as partes do texto, criando uma unidade de sentido. c) as partes devem estar inter-relacionadas; d) expor uma informação nova e expandir o texto; e) não apresentar contradições entre as ideias; f) apresentar um ponto de vista, uma nova visão de mundo
  • 20. • Coerência interna - não contradição do texto (elementos intratextuais) Ex.: Maria disse a João que iria na casa de Pedro. Logo depois, chegando à casa de Marcelo... • Coerência externa - não contradição do contexto (elementos extratextuais) Ex.: Chegando ao Rio de Janeiro ensolarado, o frio deixava nas planícies da cidade uma camada de neve que refletia as luzes da noite.
  • 21. Coerência narrativa - respeito às partes da narrativa e à lógica existente entre essas partes. Coerência argumentativa - respeito à estrutura argumentativa e ao raciocínio argumentativo. Coerência figurativa - respeito à combinação de figuras para informar um dado tema. Ex.: dizer que tocavam uma música clássica num baile funk. Coerência temporal - respeito às leis da sucessividade dos eventos. Coerência espacial - respeito à compatibilidade entre os enunciados do ponto da localização no espaço. Ex.: seria incoerente dizer que 450 pessoas estavam na sala de estar do apartamento.
  • 22. • Portanto, a coerência deve ser entendida como um fator que se estabelece no processo de comunicação. • A coerência não existe antes do texto, mas constrói-se, simultaneamente, à construção textual, estreitamente relacionada com a intenção e conhecimentos dos interlocutores.
  • 23. • Narrativa: Havia um menino muito magro que vendia amendoins numa esquina de uma das avenidas de São Paulo. Ele era tão fraquinho, que mal podia carregar a cesta em que estavam os pacotinhos de amendoim. Um dia, na esquina em que ficava, um motorista , que vinha em alta velocidade, perdeu a direção. O carro capotou e ficou de rodas para o ar. O menino não pensou duas vezes. Correu para o carro e tirou de lá o motorista, que era um homem corpulento. Carregou-o até a calçada, parou um carro e levou o homem para o hospital. Assim, salvou-lhe a vida.
  • 24. • Figurativa: Suponhamos que se deseje figurativizar o tema “despreocupação”. Podem-se usar figuras como “pessoas deitadas à beira da piscina”, “drinques gelados”, “passeios pelos shoppings”. Não caberia, no entanto, na figurativização, a utilização de figuras como “pessoas apressadas para o trabalho”, “fábrica funcionando a pleno vapor”.
  • 25. • Argumentativa: Quando se defende um ponto de vista de que o ser humano deve buscar o amor e a amizade, não se pode dizer em seguida que não se deve confiar em ninguém e que por isso é melhor viver isolado.
  • 26. Coesão: são as conexões gramaticais existentes entre palavras, orações, frases, parágrafos e partes maiores de um texto. Há coesão em um texto quando se empregam de modo adequado conjunções, pronomes e vocábulos. A coesão ocorre quando não há ambiguidades e regências incorretas. Ex.: Achei a obra na biblioteca estragada. O fazendeiro vinha com um bezerro e a mãe dele.
  • 27. COESÃO  Ninguém pode dizer que falta coesão a esse parágrafo. Mas de que ele trata mesmo? Dos problemas do povo? Do presidente? Do seu mandato? Fica difícil dizer. Embora ele tenha coesão, não tem coerência. Retomar a cada frase uma palavra anterior não significa escrever bem. A coesão não funciona sozinha. Mas não basta costurar uma frase a outra para dizer que estamos escrevendo bem. Além da coesão, é preciso pensar na coerência. Você pode escrever um texto coeso sem ser coerente. Por exemplo: Ex.:Os problemas de um povo têm de ser resolvidos pelo presidente. Este deve ter ideais muito elevados. Esses ideais se concretizarão durante a vigência de seu mandato. O seu mandato deve ser respeitado por todos.
  • 28.
  • 29. MICROESTRUTURA: COESÃO • A coesão - (coeso significa ligado) - propriedade que os elementos textuais têm de estar interligados. De um fazer referência ao outro. Do sentido de um depender da relação com o outro. • Ligação das frases, traços morfossintáticos que garantem o encadeamento lógico. Para que o texto seja coeso, deve seguir pelo menos um dos mecanismos de coesão.
  • 30. ÁGUAS DE MARÇO • É pau, é pedra, é o fim do caminho • é um resto de toco, é um pouco sozinho • é um caco de vidro, é a vida, é o sol • é a noite, é a morte, é um laço, é o anzol • é peroba do campo, é o nó da madeira • caingá, candeia, é o Matita Pereira • É madeira de vento, tombo da ribanceira • é o mistério profundo • é o queira ou não queira • é o vento ventando, é o fim da ladeira • é a viga, é o vão, festa da cumeeira • é a chuva chovendo, é conversa ribeira • das águas de março, é o fim da canseira. • É o pé, é o chão, é a marcha estradeira • passarinho na mão, pedra de atiradeira • Uma ave no céu, uma ave no chão • é um regato, é uma fonte • é um pedaço de pão • é o fundo do poço, é o fim do caminho • no rosto o desgosto, é um pouco sozinho • É um estrepe, é um prego • é uma ponta, é um ponto • é um pingo pingando • é uma conta, é um conto • é um peixe, é um gesto • é uma prata brilhando • é a luz da manhã, é o tijolo chegando • é a lenha, é o dia, é o fim da picada • é a garrafa de cana, o estilhaço na estrada
  • 31. • É o projeto da casa, é o corpo na cama • é o carro enguiçado, é a lama, é a lama • é um passo, é uma ponte • é um sapo, é uma rã • é um resto de mato, na luz da manhã • são as águas de março fechando o verão • é a promessa de vida no teu coração • É pau, é pedra, é o fim do caminho • é um resto de toco, é um pouco sozinho • é uma cobra, é um pau, é João, é José • é um espinho na mão, é um corte no pé • são as águas de março fechando o verão • é a promessa de vida no teu coração • • É pau, é pedra, é o fim do caminho • é um resto de toco, é um pouco sozinho • é um passo, é uma ponte • é um sapo, é uma rã • é um belo horizonte, é uma febre terçã • são as águas de março fechando o verão • é a promessa de vida no teu coração • É pau, é pedra, é o fim do caminho • é um resto de toco, é um pouco sozinho • É pau, é pedra, é o fim do caminho • é um resto de toco, é um pouco sozinho • Pau, pedra, fim do caminho • resto de toco, pouco sozinho • Pau, pedra, fim do caminho, • resto de toco, pouco sozinho. ÁGUAS DE MARÇO
  • 32. • REPETIÇÃO: a repetição é um dos principais elementos de coesão do texto. A repetição pode ser considerada a mais explícita ferramenta de coesão. • REPETIÇÃO PARCIAL: na retomada de nomes de pessoas, a repetição parcial é o mais comum mecanismo coesivo do texto.
  • 33. • ELIPSE: é a omissão de um termo que pode ser facilmente deduzido pelo contexto. • SUBSTITUIÇÕES: uma das mais ricas maneiras de se retomar um elemento já citado ou de se referir a outro que ainda vai ser mencionado é a substituição. • Esse é o mecanismo pelo qual se usa uma palavra (ou grupo de palavras) no lugar de outra palavra (ou grupo de palavras).
  • 34. Tipos de substituição: PRONOMES, EPÍTETOS, SINÔNIMOS, ADVÉRBIOS, NUMERAIS, etc Pronomes: a função gramatical do pronome é substituir ou acompanhar um nome. Ele pode, ainda, retomar toda uma frase ou toda a ideia contida em um PARÁGRAFO ou no TEXTO TODO. Exemplos.: Vitaminas fazem bem à saúde. Mas não devemos tomá-las ao acaso. O colégio é um dos melhores da cidade. Seus dirigentes se preocupam muito com a educação integral. Aquele político deve ter um discurso muito convincente. Ele já foi eleito seis vezes. Há uma grande diferença entre Paulo e Maurício. Este guarda rancor de todos, enquanto aquele tende a perdoar.
  • 35. EPÍTETO (substituição) • Epítetos: palavras ou grupos de palavras que, ao mesmo tempo que se referem a um elemento do texto, qualificam-no. • Essa qualificação pode ser conhecida ou não pelo leitor. Deve ser inserida no texto de modo que fique fácil a sua relação com o elemento qualificado. Ex.: Edson Arantes de Nascimento gostou do desempenho do Brasil. Para o ex-Ministro dos Esportes, a seleção... (o epíteto ex-Ministro dos Esportes retoma Edson Arantes do Nascimento. Poderiamos usar as formas jogador do século, número um do mundo, etc.)
  • 36. SINÔNIMOS (substituição) • Sinônimos ou quase sinônimos: palavras com o mesmo sentido (ou muito parecido) dos elementos a serem retomados. Exemplo: Ex.: O prédio foi demolido às 15h. Muitos curiosos se aglomeraram ao redor do edifício, para conferir o espetáculo (edifício retoma prédio. Ambos são sinônimos).
  • 37. NOMES DEVERBAIS (substituição) • Nomes deverbais: derivados de verbos e retomam a ação expressa por eles. Servem, ainda, como um resumo dos argumentos já utilizados. Exemplo: Ex.: Uma fila de centenas de veículos paralisou o trânsito da Avenida Higienópolis, como sinal de protesto contra o aumento dos impostos. A paralisação foi a maneira encontrada... (paralisação, que deriva de paralisar, retoma a ação de centenas de veículos de paralisar o trânsito da Avenida Higienópolis).
  • 38. Classificador e categorizador (substituição) • Elementos classificadores e categorizadores: referem- se a um elemento (palavra ou grupo de palavras) já mencionado ou não por meio de uma classe ou categoria a que esse elemento pertença: Ex.: Uma fila de centenas de veículos paralisou o trânsito da Avenida Higienópolis. O protesto foi a maneira encontrada... (protesto retoma toda a ideia anterior - da paralisação -, categorizando-a como um protesto)
  • 39. Advérbio (substituição) • Advérbios: palavras que exprimem circunstâncias, principalmente as de lugar: Ex.: Em São Paulo, não houve problemas. Lá, os operários não aderiram... (o advérbio de lugar lá retoma São Paulo). Exemplos de advérbios que comumente funcionam como elementos referenciais, isto é, como elementos que se referem a outros do texto: aí, aqui, ali, onde, lá, etc.
  • 40. NUMERAL (substituição) • Não se pode dizer que toda a turma esteja mal preparada. Um terço pelo menos parece estar dominando o assunto. • Recebemos dois telegramas. O primeiro confirmava a sua chegada; o segundo dizia justamente o contrário.
  • 41. Conexão (conectivos) • Além da constante referência entre palavras do texto, observa-se na coesão a propriedade de unir termos e orações por meio de conectivos, que são representados, na Gramática, por inúmeras palavras e expressões. • A escolha errada desses conectivos pode ocasionar a deturpação do sentido do texto.
  • 42. Exemplo de Texto Coeso • Ulysses era impressionante sob vários aspectos, o primeiro e mais óbvio dos quais era a própria figura. Contemplado de perto, cara a cara, ele tinha a oferecer o contraste entre as longas pálpebras, que subiam e desciam pesadas como cortinas de ferro, e os olhos claríssimos de um azul leve como o ar. As pálpebras anunciavam profundezas insondáveis. Quando ele as abria parecia estar chegando de regiões inacessíveis, a região dentro de si onde guardava sua força. Roberto Pompeu de Toledo, Veja, 21 out.1992.
  • 43. CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TEXTO • Esse trecho de reportagem gira em torno de Ulysses Guimarães, que é sua palavra-chave. É a retomada direta ou indireta do nome de Ulysses Guimarães que dá estabilidade ao texto, encaminhando-o num só direção: fazer uma descrição precisa desse político brasileiro. Além disso, as frases estão bem amarradas porque seu redator soube utilizar com precisão alguns recursos de coesão textual, tanto dentro da frase, quanto ao passar de uma frase para outra. A coesão interna é tão importante quanto a externa.
  • 44. CONECTIVOS UTILIZADOS NO TEXTO • Na primeira frase, vários aspectos projeta o texto para adiante. A palavra aspectos é retomada pelo segmento o primeiro mais óbvio dos quais era a própria figura; • Na segunda frase, o pronome relativo que retoma as longas pálpebras que (as quais) subiam e desciam; • Na última frase: O relativo onde mantém o elo coesivo com a região dentro de si onde (na qual) guardava sua força; • Os pronomes si (dentro de si) e sua ( sua força) reportam-se ao sujeito ele de quando ele as abria.
  • 45. CONETORES EXPRESSAM: • Prioridade, relevância. • Tempo. • Semelhança, comparação, conformidade. • Condição, hipótese. • Adição, continuação. • Dúvida. • Certeza, ênfase. • Surpresa, imprevisto. • Ilustração, esclarecimento. • Propósito, intenção, finalidade. • Lugar, proximidade, distância. • Resumo, recapitulação, conclusão. • Causa e consequência. Explicação. • Contraste, oposição, restrição, ressalva. • Ideias alternativas
  • 46. FATORES DE TEXTUALIDADE EXTRALINGUÍSTICOS • ACEITABILIDADE • INTENCIONALIDADE • INFORMATIVIDADE • SITUCIONALIDADE
  • 47. ACEITABILIDADE O texto produzido também deverá ser compatível com a expectativa do receptor em colocar-se diante de um texto coerente, coeso, útil e relevante. O contrato de cooperação estabelecido pelo produtor e pelo receptor permite que a comunicação apresente falhas de quantidade e de qualidade, sem que haja vazios comunicativos. Isso se dá porque o receptor esforça-se em compreender os textos produzidos.
  • 48. INTENCIONALIDADE • Esforço do produtor do texto em construir uma comunicação eficiente capaz de satisfazer os objetivos de ambos os interlocutores. • O texto produzido deverá ser compatível com as intenções comunicativas de quem o produz.
  • 49. INFORMATIVIDADE Nível discursivo capaz de informar o leitor, de modo menos previsível. Sua recepção é mais trabalhosa, porém mais interessante, envolvente. O excesso de informatividade pode ser rejeitado pelo receptor, que não poderá processá-lo. O ideal é que o texto se mantenha num nível mediano de informatividade, que fale de informações que tragam novidades, mas que venham ligadas a dados conhecidos.
  • 50. SITUCIONALIDADE É a adequação do texto a uma situação comunicativa, ao contexto. Note- se que a situação orienta o sentido do discurso, tanto no modo de produzir o texto como de sua interpretação. É importante notar que a situação comunicativa interfere na produção do texto, assim como este tem reflexos sobre toda a situação, já que o texto não é um simples reflexo do mundo real. O homem serve de mediador, com suas crenças e ideais, recriando a situação. O mesmo objeto é descrito por duas pessoas distintamente, pois elas o encaram de modo diverso. Muitos linguistas têm-se preocupado em desenvolver cada um dos fatores citados, ressaltando sua importância na construção dos textos.
  • 51. Intertextualidade • Relação entre dois textos textos caracterizada por citar o outro; • Temática – quando os textos apresentam em comum um TEMA, uma determinada ideologia ou visão de mundo; • Estilística – Texto apresenta procedimentos muito conhecidos em outro texto como o emprego de palavras, expressões sintáticas similares. •
  • 52. Fator textual que torna a interpretação de um texto dependente da interpretação de outros. Cada texto constrói-se, não isoladamente, mas em relação a outro já dito, do qual abstrai alguns aspectos para dar-lhes outra feição. Aborsão e transformação de uma multiplicidade de outros textos; O contexto de um texto também pode ser de outros textos com os quais se relaciona.
  • 53. INTERTEXTUALIDADE Os Lusíadas As armas e os barões assinalados Que da Ocidental praia Lusitana, Por mares nunca dantes navegados Passaram ainda além da Taprobana, Em perigos e guerras esforçados Mais do que prometia a força humana E entre gente remota edificaram Novo Reino, que tanto sublimaram. Canto I – Luís de Camões Os alas e becões assinalados Da oriental praia paulistana Partiram em missão desumana A bater inimigos colorados. Depois do empate duro e fero, Três a três em pleno alçapão, Queriam ao menos 1 a 0, e o sonho manter no coração. (José Roberto Torero)
  • 54. Meus oito anos Meus oito anos Oh! que saudades que tenho Da aurora da minha vida, Da minha infância querida Que os anos não trazem mais! Que amor, que sonhos, que flores, Naquelas tardes fagueiras À sombra das bananeiras, Debaixo dos laranjais! Oh que saudades que eu tenho Da aurora de minha vida Das horas de minha infância Que os anos não trazem mais Naquele quintal de terra Da Rua de Santo Antônio Debaixo da bananeira Sem nenhum laranjais Relação entre dois discursos caracterizada por citar o outro discurso (texto)
  • 55. Qualidades de um Texto • Para um texto ter unidade de sentido, para ser um todo coerente, é necessário que apresente TEXTUALIDADE, isto é, apresente conexões gramaticais e articulação de ideias. Em outras palavras, que apresente qualidades como: • Concisão; • Correção; • Grafia; • Flexão das palavras; • Concordância; • Regência; • Colocação dos pronomes; • Clareza; • Elegância;
  • 56. • Concisão: em oposição a textos prolixos que subestimam a compreensão (e a paciência) dos leitores, tornando-se enfadonhos, repetitivos e até irritantes. Ser conciso é escrever pouco e transmitir muito, com o cuidado de não prejudicar a clareza.  Comunica com a medida PRECISA de palavras e ideias;  Dispensa clichês;  Preserva a exatidão e nitidez da informação;  Evita excessos.
  • 57. AULA 6 • Consiste em conseguir a maior eficiência na comunicação com o menor número possível de palavras. PROBLEMAS COMUNS: Imprecisão nas ideias; Uso de palavras desnecessárias; Períodos muito longos; Adjetivos em excesso; Redundância das ideias. CONCISÃO
  • 58. AULA 6 A linguagem utilizada na redação deve estar de acordo com a norma culta. Obedecer aos princípios estabelecidos pela gramática normativa. Grafia: palavras desconhecidas, em caso de dúvida, consulte um dicionário. Se não for possível, substitua a palavra por uma cuja grafia você conheça. Língua rica em sinônimos; Flexão das palavras: cuidado coma formação do plural de algumas palavras, ex. Palavras compostas (primeiro-ministro, abaixo-assinado, luso-brasileiro, etc) Concordância: verbo sempre concordará com o sujeito e os nomes concordam entre si; Regência: atenção aos verbos e nomes que exigem a preposição A, para o bom uso da crase. CORREÇÃO GRAMATICAL
  • 59. AULA 6 • Pontuação é importante. • Deve-se ter cuidado com cacofonias. Com a colocação adequada dos pronomes. HARMONIA CORREÇÃO GRAMATICAL Colocação dos pronomes – observe a colocação dos pronomes oblíquos átonos;
  • 60. AULA 6 A cacofonia e o casamento - Mulher, eu quero amá-la! A mulher, sonolenta, respondeu ao marido sem abrir os olhos: - Está em cima do armário… Ele não desistiu. E sussurrou: - Mulher, hoje, vou amar-te. Aí a mulher acordou nervosa e gritou: - Vá para Marte, para Júpiter, Netuno, vá para qualquer lugar, mas me deixe dormir! HARMONIA
  • 61. AULA 6 • Muito da clareza de linguagem diz respeito ao leitor a que se destina o texto. • A clareza combina com o vocabulário adequado com boa estruturação das sentenças (= emprego de sentenças curtas). CLAREZA
  • 62. AULA 6 • Consiste na criação de um estilo próprio e não na criação de algo inédito. • Importância da organização das ideias. • Produção de argumentos próprios.
  • 63. Elegância • Consiste em tornar a leitura agradável ao leitor. Conseguida quando se observam as qualidades apontadas (correção gramatical, clareza e concisão, originalidade e criatividade).