SlideShare uma empresa Scribd logo
Professor Rômulo Viana
Compreensão e
Interpretação de Textos
Compreensão (Está no texto)
• Segundo o texto...
• Segundo o autor...
• O texto informa que...
• Explícito
Interpretação (Está além do texto)
• Depreende-se/inferese-se/conclui-se do texto
que...
• O texto permite deduzir que...
• É possível afirmar a partir do texto que...
• Implícito
As palavras podem assumir dois
sentidos
conotativo
• Sentido
figurado
• Metafórico
• Texto
literário
denotativo
• Significado
real
• Sentido de
dicionário
• Texto
científico
 a) Pré-compreensão: toda leitura supõe que o
leitor entre no texto já com conhecimentos prévios
sobre o assunto ou área específica.
 b) Compreensão: já com a pré-compreensão ao
entrar no texto, o leitor vai se deparar com
informações novas ou reconhecer as que já sabia. Por
meio da pré-compreensão o leitor “prende” a
informação nova com a dele e “agarra” (compreende)
a intencionalidade do texto. É costume dizer: “Eu
entendi, mas não compreendi”. Isso significa dizer
que quem leu entendeu o significado das palavras, a
explicação, mas não as justificativas ou o alcance
social do texto.
Como interpretar um texto?
 c) Interpretação: agora sim. A
interpretação é a resposta que você dará
ao texto, depois de compreendê-lo (sim, é
preciso “conversar” com o texto para
haver a interpretação de fato). É formada
então o que se chama “fusão de
horizontes”: o do texto e o do leitor. A
interpretação supõe um novo texto.
Significa abertura, o crescimento e a
ampliação para novos sentidos.
As várias possibilidades de leitura de um texto
• A recorrência de traços semânticos estabelece a leitura que deve
ser feita do texto. Essa leitura não provém de delírios
interpretativos do leitor, mas está inscrita como possibilidade no
texto.
• Há várias possibilidades de interpretar um texto, mas há limites.
• A coerência é garantida, entre outros fatores, pela reiteração, a
redundância, a repetição, a recorrência de traços semânticos ao
longo do discurso.
• Mas que deve fazer o leitor para perceber essa reiteração? Deve
tentar agrupar os elementos significativos que se somam ou se
confirmam num mesmo plano do significado. Deve percorrer o
texto inteiro, tentando localizar todas as recorrências, isto é,
todas as figuras e temas que conduzem a um mesmo bloco de
significação. Essa recorrência determina o plano de leitura do
texto
Linguagem Não-verbal
Linguagem Verbal
•Toda comunicação escrita
Linguagem Mista
O Eu-lírico
•O eu-poético
•A voz que fala
•O eu-lírico é diferente do
autor do texto poético
 Foi assim!
 Quando a flôr ao luar se deu
 Quando o mundo era quase meu
 Tu te foste de mim...
 Volta meu bem
 Murmurei!
 Volta meu bem
 Repeti!
 Não há canção
 Nos teus olhos
 Nem há manhã
 Nesse adeus...
 Horas, dias, meses
 Se passando
 E nesse passar
 Uma ilusão guardei
 Ver-te novamente
 Na varanda
 A voz sumida
 Em quase em pranto
 A me dizer, meu bem
 Voltei!...
 Hoje esta ilusão se fez em nada
 E a te beijar outra mulher eu vi
 Vi no seu olhar envenenado
 O mesmo olhar do meu passado
 E soube então que te perdi...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
ISJ
 
Apresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosApresentação Adverbios
Apresentação Adverbios
Leisiane Jesus
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
Sinara Lustosa
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
Abrahão Costa de Freitas
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Verônica Carvalho
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
silnog
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Cláudia Heloísa
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
ClaudiaAdrianaSouzaS
 
Conto
ContoConto
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
Jaicinha
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
Andreia Jaqueline Bach
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
Marcelo Cordeiro Souza
 
Linguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e InformalLinguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e Informal
Kelvin Illitch Santos
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
Cláudia Heloísa
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
Valeria Nunes
 
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.
Keu Oliveira
 
A redação aula 1
A redação   aula 1A redação   aula 1
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
Fábio Guimarães
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominal
Rebeca Kaus
 

Mais procurados (20)

Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Apresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosApresentação Adverbios
Apresentação Adverbios
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
Linguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e InformalLinguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e Informal
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Resenha crítica
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.
 
A redação aula 1
A redação   aula 1A redação   aula 1
A redação aula 1
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominal
 

Semelhante a Compreensão e Interpretação de Textos

Apostila completa português
Apostila completa portuguêsApostila completa português
Apostila completa português
Gesiel Oliveira
 
Leitura e-mundo
Leitura e-mundoLeitura e-mundo
Leitura e-mundo
Elayne Silva
 
Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2
Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2
Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2
Thomas Willams
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
Antonio Guimaraes
 
Oficina de leitura lêpravê
Oficina de leitura lêpravêOficina de leitura lêpravê
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
ELIVELSON MAIA
 
O texto modalidades e funções da LP .pdf
O texto modalidades e funções da LP .pdfO texto modalidades e funções da LP .pdf
O texto modalidades e funções da LP .pdf
paulorps1
 
O texto e suas tessituras
O texto e suas tessiturasO texto e suas tessituras
O texto e suas tessituras
Sérgio Assis
 
Lectoescrita
LectoescritaLectoescrita
Lectoescrita
Adriana Melo
 
Interpretação de Textos - slides final.pptx
Interpretação de Textos - slides final.pptxInterpretação de Textos - slides final.pptx
Interpretação de Textos - slides final.pptx
ElkeTicianeVieiraSak
 
1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa
Flavio Jose Fereira José
 
Análise textual
Análise textualAnálise textual
Análise textual
littlevic4
 
Dicas
DicasDicas
Apostila basico concurso parauapebas
Apostila basico concurso parauapebasApostila basico concurso parauapebas
Apostila basico concurso parauapebas
Wilton Moreira
 
APOSTILA+LINGUA+PORTUGUESA+PROF+ARNALDO+FILHO.pdf
APOSTILA+LINGUA+PORTUGUESA+PROF+ARNALDO+FILHO.pdfAPOSTILA+LINGUA+PORTUGUESA+PROF+ARNALDO+FILHO.pdf
APOSTILA+LINGUA+PORTUGUESA+PROF+ARNALDO+FILHO.pdf
SuzaneNascimento6
 
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
Angélica Manenti
 
Fatores da textualidade pibid 2017.2
Fatores da textualidade   pibid 2017.2Fatores da textualidade   pibid 2017.2
Fatores da textualidade pibid 2017.2
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
funções DE LINGUAGEM.pdf
funções DE LINGUAGEM.pdffunções DE LINGUAGEM.pdf
funções DE LINGUAGEM.pdf
aldyvip
 
Funções da Linguagem
Funções da LinguagemFunções da Linguagem
Funções da Linguagem
borges15
 
Interpretacao de textos(1)97
Interpretacao de textos(1)97Interpretacao de textos(1)97
Interpretacao de textos(1)97
Federal University of Amazonas
 

Semelhante a Compreensão e Interpretação de Textos (20)

Apostila completa português
Apostila completa portuguêsApostila completa português
Apostila completa português
 
Leitura e-mundo
Leitura e-mundoLeitura e-mundo
Leitura e-mundo
 
Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2
Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2
Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
 
Oficina de leitura lêpravê
Oficina de leitura lêpravêOficina de leitura lêpravê
Oficina de leitura lêpravê
 
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
 
O texto modalidades e funções da LP .pdf
O texto modalidades e funções da LP .pdfO texto modalidades e funções da LP .pdf
O texto modalidades e funções da LP .pdf
 
O texto e suas tessituras
O texto e suas tessiturasO texto e suas tessituras
O texto e suas tessituras
 
Lectoescrita
LectoescritaLectoescrita
Lectoescrita
 
Interpretação de Textos - slides final.pptx
Interpretação de Textos - slides final.pptxInterpretação de Textos - slides final.pptx
Interpretação de Textos - slides final.pptx
 
1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa
 
Análise textual
Análise textualAnálise textual
Análise textual
 
Dicas
DicasDicas
Dicas
 
Apostila basico concurso parauapebas
Apostila basico concurso parauapebasApostila basico concurso parauapebas
Apostila basico concurso parauapebas
 
APOSTILA+LINGUA+PORTUGUESA+PROF+ARNALDO+FILHO.pdf
APOSTILA+LINGUA+PORTUGUESA+PROF+ARNALDO+FILHO.pdfAPOSTILA+LINGUA+PORTUGUESA+PROF+ARNALDO+FILHO.pdf
APOSTILA+LINGUA+PORTUGUESA+PROF+ARNALDO+FILHO.pdf
 
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
 
Fatores da textualidade pibid 2017.2
Fatores da textualidade   pibid 2017.2Fatores da textualidade   pibid 2017.2
Fatores da textualidade pibid 2017.2
 
funções DE LINGUAGEM.pdf
funções DE LINGUAGEM.pdffunções DE LINGUAGEM.pdf
funções DE LINGUAGEM.pdf
 
Funções da Linguagem
Funções da LinguagemFunções da Linguagem
Funções da Linguagem
 
Interpretacao de textos(1)97
Interpretacao de textos(1)97Interpretacao de textos(1)97
Interpretacao de textos(1)97
 

Mais de Professor Rômulo Viana

Formando pedagogos leitores: a leitura literária na formação inicial do pedag...
Formando pedagogos leitores: a leitura literária na formação inicial do pedag...Formando pedagogos leitores: a leitura literária na formação inicial do pedag...
Formando pedagogos leitores: a leitura literária na formação inicial do pedag...
Professor Rômulo Viana
 
Fotografia e representação da realidade do sujeito
Fotografia e representação da realidade do sujeitoFotografia e representação da realidade do sujeito
Fotografia e representação da realidade do sujeito
Professor Rômulo Viana
 
I SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL, CIENTÍFICO E SOCIAL DA UFOPA/CAMPUS ÓB...
I SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL, CIENTÍFICO E SOCIAL DA UFOPA/CAMPUS ÓB...I SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL, CIENTÍFICO E SOCIAL DA UFOPA/CAMPUS ÓB...
I SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL, CIENTÍFICO E SOCIAL DA UFOPA/CAMPUS ÓB...
Professor Rômulo Viana
 
Artigo fael Especialização
Artigo fael EspecializaçãoArtigo fael Especialização
Artigo fael Especialização
Professor Rômulo Viana
 
MEU TCC
MEU TCCMEU TCC
A fotografia enquanto representação artística da realidade
A fotografia enquanto representação artística da realidadeA fotografia enquanto representação artística da realidade
A fotografia enquanto representação artística da realidade
Professor Rômulo Viana
 
Análise do livro A Viagem do Elefante de José Saramago
Análise do livro A Viagem do Elefante de José SaramagoAnálise do livro A Viagem do Elefante de José Saramago
Análise do livro A Viagem do Elefante de José Saramago
Professor Rômulo Viana
 
Mitos indígenas em macunaíma, de mário de
Mitos indígenas em macunaíma, de mário deMitos indígenas em macunaíma, de mário de
Mitos indígenas em macunaíma, de mário de
Professor Rômulo Viana
 
Programacao do VI Salão do Livro do Baixo Amazonas
Programacao do VI Salão do Livro do Baixo AmazonasProgramacao do VI Salão do Livro do Baixo Amazonas
Programacao do VI Salão do Livro do Baixo AmazonasProfessor Rômulo Viana
 
Cultura: Laurimar Leal
Cultura: Laurimar LealCultura: Laurimar Leal
Cultura: Laurimar Leal
Professor Rômulo Viana
 

Mais de Professor Rômulo Viana (10)

Formando pedagogos leitores: a leitura literária na formação inicial do pedag...
Formando pedagogos leitores: a leitura literária na formação inicial do pedag...Formando pedagogos leitores: a leitura literária na formação inicial do pedag...
Formando pedagogos leitores: a leitura literária na formação inicial do pedag...
 
Fotografia e representação da realidade do sujeito
Fotografia e representação da realidade do sujeitoFotografia e representação da realidade do sujeito
Fotografia e representação da realidade do sujeito
 
I SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL, CIENTÍFICO E SOCIAL DA UFOPA/CAMPUS ÓB...
I SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL, CIENTÍFICO E SOCIAL DA UFOPA/CAMPUS ÓB...I SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL, CIENTÍFICO E SOCIAL DA UFOPA/CAMPUS ÓB...
I SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL, CIENTÍFICO E SOCIAL DA UFOPA/CAMPUS ÓB...
 
Artigo fael Especialização
Artigo fael EspecializaçãoArtigo fael Especialização
Artigo fael Especialização
 
MEU TCC
MEU TCCMEU TCC
MEU TCC
 
A fotografia enquanto representação artística da realidade
A fotografia enquanto representação artística da realidadeA fotografia enquanto representação artística da realidade
A fotografia enquanto representação artística da realidade
 
Análise do livro A Viagem do Elefante de José Saramago
Análise do livro A Viagem do Elefante de José SaramagoAnálise do livro A Viagem do Elefante de José Saramago
Análise do livro A Viagem do Elefante de José Saramago
 
Mitos indígenas em macunaíma, de mário de
Mitos indígenas em macunaíma, de mário deMitos indígenas em macunaíma, de mário de
Mitos indígenas em macunaíma, de mário de
 
Programacao do VI Salão do Livro do Baixo Amazonas
Programacao do VI Salão do Livro do Baixo AmazonasProgramacao do VI Salão do Livro do Baixo Amazonas
Programacao do VI Salão do Livro do Baixo Amazonas
 
Cultura: Laurimar Leal
Cultura: Laurimar LealCultura: Laurimar Leal
Cultura: Laurimar Leal
 

Último

UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 

Último (20)

UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 

Compreensão e Interpretação de Textos

  • 1. Professor Rômulo Viana Compreensão e Interpretação de Textos
  • 2. Compreensão (Está no texto) • Segundo o texto... • Segundo o autor... • O texto informa que... • Explícito Interpretação (Está além do texto) • Depreende-se/inferese-se/conclui-se do texto que... • O texto permite deduzir que... • É possível afirmar a partir do texto que... • Implícito
  • 3. As palavras podem assumir dois sentidos conotativo • Sentido figurado • Metafórico • Texto literário denotativo • Significado real • Sentido de dicionário • Texto científico
  • 4.
  • 5.  a) Pré-compreensão: toda leitura supõe que o leitor entre no texto já com conhecimentos prévios sobre o assunto ou área específica.  b) Compreensão: já com a pré-compreensão ao entrar no texto, o leitor vai se deparar com informações novas ou reconhecer as que já sabia. Por meio da pré-compreensão o leitor “prende” a informação nova com a dele e “agarra” (compreende) a intencionalidade do texto. É costume dizer: “Eu entendi, mas não compreendi”. Isso significa dizer que quem leu entendeu o significado das palavras, a explicação, mas não as justificativas ou o alcance social do texto. Como interpretar um texto?
  • 6.  c) Interpretação: agora sim. A interpretação é a resposta que você dará ao texto, depois de compreendê-lo (sim, é preciso “conversar” com o texto para haver a interpretação de fato). É formada então o que se chama “fusão de horizontes”: o do texto e o do leitor. A interpretação supõe um novo texto. Significa abertura, o crescimento e a ampliação para novos sentidos.
  • 7. As várias possibilidades de leitura de um texto • A recorrência de traços semânticos estabelece a leitura que deve ser feita do texto. Essa leitura não provém de delírios interpretativos do leitor, mas está inscrita como possibilidade no texto. • Há várias possibilidades de interpretar um texto, mas há limites. • A coerência é garantida, entre outros fatores, pela reiteração, a redundância, a repetição, a recorrência de traços semânticos ao longo do discurso. • Mas que deve fazer o leitor para perceber essa reiteração? Deve tentar agrupar os elementos significativos que se somam ou se confirmam num mesmo plano do significado. Deve percorrer o texto inteiro, tentando localizar todas as recorrências, isto é, todas as figuras e temas que conduzem a um mesmo bloco de significação. Essa recorrência determina o plano de leitura do texto
  • 11. O Eu-lírico •O eu-poético •A voz que fala •O eu-lírico é diferente do autor do texto poético
  • 12.  Foi assim!  Quando a flôr ao luar se deu  Quando o mundo era quase meu  Tu te foste de mim...  Volta meu bem  Murmurei!  Volta meu bem  Repeti!  Não há canção  Nos teus olhos  Nem há manhã  Nesse adeus...  Horas, dias, meses  Se passando  E nesse passar  Uma ilusão guardei  Ver-te novamente  Na varanda  A voz sumida  Em quase em pranto  A me dizer, meu bem  Voltei!...  Hoje esta ilusão se fez em nada  E a te beijar outra mulher eu vi  Vi no seu olhar envenenado  O mesmo olhar do meu passado  E soube então que te perdi...