SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
LEITURA E PRODUÇÃO
TEXTUAL
Prof. José Arnaldo da Silva
Telefones: (98)3664-2231 ou (98) 99157-2274
e-mails: jarnaldosilva@yahoo.com.br
jarnaldosilva@professor.ma.gov.br
LEITURA, COMPREENSÃO E
INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS
Textos Literários;
Textos Técnico-Informativos;
Textos Acadêmicos;
Textos de Apoio.
 Estratégias de Leitura e Compreensão
 são habilidades utilizadas por um indivíduo
para facilitar a compreensão e efetivar a
produção da leitura (Kopke Filho, 2001).
 Comporta-se três diferentes finalidades: “para
nos formar, para nos distrair ou para recolher
informações. (...) Pode-se classificar a leitura
em três tipos: leitura formativa, leitura de
distração e leitura informativa” (Cervo e
Bervian, 1983, p. 85).
 Pré-leitura, leitura de reconhecimento
ou seletiva (antes da leitura
propriamente dita)
Antes da Leitura:
 Examinar ligeiramente todo o texto;
 Avaliar a estrutura do texto, procurando ler cabeçalhos, títulos,
subtítulos etc.;
 Levantar hipóteses, após breve avaliaçãosobre o conteúdo do
material a ser lido;
 Analisar, com base em sua finalidade, a utilidade ou a
necessidade/objetivo de realizar tal leitura.
 Leitura propriamente dita (durante a
leitura)
Durante a Leitura:
 Grifar ideias ou palavras principais;
 Tomar notas;
 Criar imagens mentais de conceitos ou fatos descritos no texto;
 Relacionar as informações do texto com seus conhecimentos
do assunto;
 Refletir sobre as implicações ou consequências do
apresentado no texto;
 Reler o trecho quando não se compreende uma palavra, frase
ou parágrafo;
 Consultar fontes externas (pessoas, outros livros), quando na
releitura do trecho não se resolver o não entendimento.
 Pós-leitura (depois da leitura)
Depois da Leitura:
 Reler o texto na íntegra;
 Reler os pontos mais relevantes;
 Procurar recordar pontos fundamentais do
assunto sem retomar o texto;
 Avaliar o quanto entendeu do texto;
 Realizar uma paráfrase ou resumo do texto
lido.
PRODUÇÃO TEXTUAL
APRESENTAÇÃO VISUAL DA REDAÇÃO
 O aluno deve preencher corretamente todos os itens do cabeçalho com letra
legível.
 Centralizar o título na primeira linha, sem aspas e sem grifo.
 Pular uma linha entre o título e o texto para então iniciar a redação.
 Fazer parágrafos distando mais ou menos três centímetros da margem e mantê-
los alinhados.
 Não ultrapassar as margens (direita e esquerda) e também não deixar de atingi-
las.
 Evitar rasuras e borrões. O erro deverá ser anulado com um traço apenas.
 Apresentar letra legível, cursiva ou de forma.
 Distinguir bem as maiúsculas das minúsculas, especialmente no uso de letra de
forma.
 Evitar exceder o número de linhas pautadas ou pedidas como limites máximos e
mínimos. 1º e 2º ano: mínimo de vinte e máximo de trinta linhas.
 Escrever apenas com caneta preta ou azul. O rascunho ou esboço das ideias
podem ser feitos a lápis e rasurados. O texto não será corrigido em caso de
utilização de lápis ou caneta vermelha, verde, etc. na redação definitiva.
 Antes de começar a escrever, faça um esquema de seu texto, dividindo em parágrafos as ideias que
pretende expor. Isso evita repetição ou esquecimento de alguma ideia.
 Cheque se os pontos de vista que você vai defender não são contraditórios em relação à tese.
 Não tenha preguiça de refazer seu texto várias vezes. É a melhor maneira de se chegar a um bom
resultado.
 Enquanto escreve, tenha sempre á mão um dicionário para checar a grafia das palavras e descobrir
sinônimos para evitar repetições desnecessárias.
 Escreva o que você pensa sobre o tema dado e não o que você acredita que o corretor do texto
gostaria que fosse escrito. Jamais analise os temas propostos movido por emoções exageradas. Nunca
se dirija ao leitor.
 Não escreva sobre o que você não conhece, arriscando-se a incorrer em erros e imprecisões de
conteúdo.
 Não empregue palavras cujo significado seja desconhecido para você. Evite utilizar noções vagas,
como “liberdade”, “democracia”, “injustiça” ─ termos que têm um significado tão amplo que chegam a
não significar nada.
 Evite expressões do tipo “belo”, “bom”, “mau”, “incrível”, “péssimo”, “triste”, “pobre”, “rico” ─ são
juízos de valor sem carga informativa, imprecisos e subjetivos.
 Evite o lugar-comum: frases feitas e expressões cristalizadas, como “a pureza das crianças” e “a
sabedoria dos velhos”. Há crianças e velhos de todos os tipos. Evite também gírias e a palavra “coisa”
(procure o vocabulário adequado a cada ideia). Não use o “etc.”, nem abrevie palavras.
 Procure não embromar, tentando preencher mais algumas linhas. Cada palavra deve ser fundamental
e informativa na redação.
 Não repita ideias tentando explicá-las melhor. Se você escrever com
clareza, uma vez só basta.
 Cuidado com o uso inadequado de conjunções. Elas podem estabelecer
relações que não existem entre as frases e tornar o texto sem nexo.
 Se formular uma pergunta na tese, responda-a ao longo do texto. Evite
interrogações na argumentação e jamais as utilize na conclusão. Para
aprofundar seus argumentos, suas afirmações, use exemplos, fatos
notórios ou históricos, conhecimentos geográficos, cifras aproximadas e
informações adquiridas através de leitura, estudo e aquisições culturais.
 Respeite os limites indicados: evite escrever demais, pois você corre o risco
de entediar o leitor e cometer erros.
 Evite orações demasiadamente longas e parágrafos de uma só frase.
 Dê um título coerente ao assunto abordado em seu texto.
 Releia o texto depois de rascunhá-lo, para observar se você não “fugiu” ao
tema proposto.
 Passe o texto a limpo, procurando aprimorar o vocabulário.
REDAÇÃO
Quadro Resumo
Modalidades Descrição Narração Dissertação
Características
Situa seres no espaço (fotografia)
 
Situa seres e objetos no tempo
(história)
Discute um assunto apresentando
pontos de vista e juízos de valor.
Introdução
 
A perspectiva do observador
focaliza o ser ou objeto, distingue
seus aspectos gerais e os
interpreta.
Apresenta as personagens,
localizando-as no tempo e no
espaço.
 
Apresenta a síntese do ponto de
vista a ser discutido. (tese)
 
Desenvolvimen
to
Capta os elementos numa ordem
coerente com a disposição em que
eles se encontram no espaço,
caracterizando-os objetiva e
subjetivamente, física e
psicologicamente.
Através das ações das
personagens, constroem-se a
trama e o suspense, que
culminam no clímax.
 
Amplia e explica o parágrafo
introdutório. Expõe argumentos
que evidenciam posição crítica.
Analítica, reflexiva, interpretativa,
opinativa sobre o assunto.
Conclusão
Não há um procedimento específico
para conclusão. Considera-se
concluído o texto quando completa
a caracterização.
Existem várias maneiras de
concluir-se uma narração.
Esclarecer a trama é apenas
uma delas.
Retoma sinteticamente as
reflexões críticas ou aponta as
perspectivas de solução para o
que foi discutido.
Recursos
Uso dos cinco sentidos: audição,
gustação, olfato, tato e visão, que,
combinados, produzem a
sinestesia. Adjetivação farta, verbos
de estado, linguagem metafórica,
comparações e prosopopeias.
Verbos de ação, geralmente no
tempo passado; narrador
personagem, observador ou
onisciente; discurso direto,
indireto e indireto livre.
Linguagem referencial, objetiva;
evidências, exemplos,
justificativas e dados.
 
O que se pede
Sensibilidade para combinar e
transmitir sensações físicas (cores,
formas, sons, gostos, odores) e
psicológicas (impressões
subjetivas, comportamentos). Pode
ser redigida num único parágrafo.
Imaginação para compor uma
história que entretenha o leitor,
provocando expectativa e
tensão. Pode ser romântica,
dramática ou humorística.
Capacidade de organizar ideias
(coesão), conteúdo para discussão
(cultura geral), linguagem clara,
objetiva, vocabulário adequado e
diversificado.
A comunicação não é regida por normas fixas e
imutáveis. Ela pode transformar-se, através do tempo,
e, se compararmos textos antigos com atuais,
perceberemos grandes mudanças no estilo e nas
expressões. Por que as pessoas se comunicam de
formas diferentes? Temos que considerar múltiplos
fatores: época, região geográfica, ambiente e status
cultural dos falantes.
 Língua: “Uma unidade, uma estrutura ideal, que
apresenta em si os traços básicos comuns a todas as
suas variedades. É a invariante abstrata e virtual,
sobreposta a um mosaico de variantes concretas e
atuais” (CAMARA JR.,1975,p.9).
 Fala: “ não é uma atividade simples executada por
um ou mais órgãos biologicamente a ela destinados. É
uma trama extremamente complexa e ondeante de
ajustamentos – no cérebro, no sistema nervoso, e nos
órgãos de articulação e audição – em direção ao fim
colimado, que é a comunicação de ideias”
(SAPIR,1971, p. 22).
Informal: situações de descontração com amigos, no
meio familiar, na escola...
Formal: maior formalidade, com melhor elaboração
sintática. Usado em palestras, conversas com
superiores e estranhos, quando não há intimidade
entre os interlocutores.
Língua Falada
Utiliza sons e apelos visuais;
Uso de gírias e onomatopéias;
Omissão de termos;
Modo descontraído e irreverente;
Utilização livre dos pronomes;
Ambiguidades com frases incabadas.
Língua Escrita
Utiliza signos/letras que formam as palavras;
Uso de referências mais precisas e elaboradas;
Todos os termos devem aparecer na construção do período;
Colocação pronominal conforme as regras gramaticais;
Frases bem estruturadas;
Descrição metódica dos detalhes;
Emprego variado da linguagem para evitar repetições;
Evita improvisações e segue os padrões cultos da língua.
Profissional: no exercício de algumas atividades profissionais, o
domínio de certas formas de línguas técnicas é essencial. As
variações profissionais são abundantes em termos específicos e
têm seu uso restrito ao intercâmbio técnico.
Situacional: as diferentes situações comunicativas exigem de um
mesmo indivíduo diferentes modalidades da língua. Empregam-se,
em situações formais, modalidades diferentes das usadas em
situações informais, com o objetivo de adequar o nível vocabular e
sintático ao ambiente linguístico em que se está.
Geográfica: há variações entre as formas que a língua portuguesa
assume nas diferentes regiões em que é falada. Basta prestar
atenção na expressão de um gaúcho em contraste com a de um
amazonense. Essas variações regionais constituem os falares e os
dialetos. Não há motivo linguístico algum para que se considere
qualquer uma dessas formas superior ou inferior às outras.
Social: o português empregado pelas pessoas que
têm acesso à escola e aos meios de instrução difere
do português empregado pelas pessoas privadas de
escolaridade. Algumas classes sociais, assim,
dominam uma forma de língua que goza prestígio,
enquanto outras são vítimas de preconceito por
empregarem estilos menos prestigiados. Cria-se,
dessa maneira, uma modalidade de língua – a norma
culta -, que deve ser adquirida durante a vida escolar
e cujo domínio é solicitado como modo de ascensão
profissional e social.
LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL
Linguagem Verbal
A linguagem verbal tem duas modalidades: a língua
escrita e a língua oral. Linguagem oral é a que se usa
quando o interlocutor está frente a frente conosco e
justamente podemos falar com ele. Já a escrita, em
tese, é usada quando o interlocutor está ausente.
Entre a linguagem oral e a escrita há muitas
diferenças, mas não uma oposição rígida.
Linguagem não verbal
Não se utiliza do vocábulo, das palavras para se
comunicar. O objetivo, neste caso, não é de expor
verbalmente o que se quer dizer ou o que se está
pensando, mas se utilizar de outros meios
comunicativos, como: placas, figuras, gestos,
objetos, cores, ou seja, dos signos visuais.
Exemplo de Linguagem Não-verbal
“uma imagem vale mais que mil palavras”
 Economia de palavras – Objetividade;
 Abreviação das palavras;
 Frases curtas;
 Uso de símbolos;
 Neologísmo.
Características da Linguagem na Internet
 Diálogo a distância;
 Presença de onomatopeias;
 Troca de letras;
 Híbrido de escrita e fala;
 Linguagem não linear.
1. Expressão do pensamento;
2. Instrumento de comunicação;
3. Processo de interação.
Reflexão
Sempre que surge uma nova tecnologia, os meios já existentes
são obrigados a se adaptarem às novas condições, gerando novos
hábitos de vida: trabalho, diversão, costumes etc.
“Não há comunicação sem envolvimento.”
Antoine de Saint-Exupéry
Três Concepções de linguagem
Português é fácil de aprender porque é uma língua que se
escreve exatamente como se fala
“Pois é. U purtuguêis é muito fáciu di aprender, purqui é
uma língua qui a genti iscrevi ixatamenti cumu si fala. Num é
cumu inglêis qui dá até vontadi di ri quandu a genti discobri
cumu é qui si iscrevi algumas palavras. Im portuguêis, é só
prestátenção. U alemão pur exemplu. Qué coisa mais doida?
Num bate nada cum nada. Até nu espanhol qui é parecidu, si
iscrevi muito diferenti. Qui bom qui a minha lingua é u
purtuguêis. Quem soubé falá, sabi iscrevê.”
Jô Soares, Veja, 28 /11/1990.
Fundação IDEPAC para o Desenvolvimento Profissional. Apostila
de Técnicas Administrativas. 2009.
MEDEIROS, João Bosco. Redação Empresarial. 6ª Ed. São Paulo:
Atlas, 2009.
SISTI, Silvana Progetti Paschoal. et al. Administração. Valinhos:
Anhanguera Publicações, 2009.
* Outros assuntos de propriedade dos seus criadores, como
professores e pesquisadores, encontrados na internet e
apresentados em sala de aulas de vários cursos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaJirede Abisai
 
Literatura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenilLiteratura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenilSusanne Messias
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaJosilene Borges
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoFernanda Tulio
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Cláudia Heloísa
 
Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textoswelton santos
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoClaudiaAdrianaSouzaS
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literárioFábio Guimarães
 
2ª formação leitura e escrita
2ª formação   leitura e escrita2ª formação   leitura e escrita
2ª formação leitura e escritaPNAIC UFSCar
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAaulasdejornalismo
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguisticaMarcia Simone
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeKaren Olivan
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Adriana Pereira
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slideJaciara Mota
 

Mais procurados (20)

Produção e revisão de textos
Produção e revisão de textosProdução e revisão de textos
Produção e revisão de textos
 
Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Resenha crítica
 
Literatura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenilLiteratura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenil
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textos
 
Slides leitura
Slides leituraSlides leitura
Slides leitura
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
2ª formação leitura e escrita
2ª formação   leitura e escrita2ª formação   leitura e escrita
2ª formação leitura e escrita
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
 

Destaque

Leitura e Produção Textual
Leitura e Produção TextualLeitura e Produção Textual
Leitura e Produção TextualEwerton Gindri
 
Oficina de produção de texto aula 1
Oficina de produção de texto   aula 1Oficina de produção de texto   aula 1
Oficina de produção de texto aula 1Bruno Santos
 
Oficina de produção de texto
Oficina de produção de textoOficina de produção de texto
Oficina de produção de textoElia Rejany
 
Processos De Produção Textual
Processos De Produção TextualProcessos De Produção Textual
Processos De Produção TextualLuciane Oliveira
 
A escrita como produção de textos
A escrita como produção de textosA escrita como produção de textos
A escrita como produção de textosAna Paula
 
Leitura e produção de textos
Leitura e produção de textosLeitura e produção de textos
Leitura e produção de textosmayracantarella
 
Leitura e producao textual
Leitura e producao textualLeitura e producao textual
Leitura e producao textualMARYBACELA
 
Apostila leitura-e-producao-de-texto
Apostila leitura-e-producao-de-textoApostila leitura-e-producao-de-texto
Apostila leitura-e-producao-de-textoProfessora Cida
 
Power point, leitura é...
Power point, leitura é...Power point, leitura é...
Power point, leitura é...Fan Santos
 
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...orientadoresdeestudopaic
 
Atividades lúdicas interpretação e produção de texto
Atividades lúdicas interpretação e produção de textoAtividades lúdicas interpretação e produção de texto
Atividades lúdicas interpretação e produção de textoSilvana Pinto
 
Aula 3: História da educação no Brasil
Aula 3: História da educação no BrasilAula 3: História da educação no Brasil
Aula 3: História da educação no BrasilIsrael serique
 

Destaque (20)

Leitura e Produção Textual
Leitura e Produção TextualLeitura e Produção Textual
Leitura e Produção Textual
 
Oficina de produção de texto aula 1
Oficina de produção de texto   aula 1Oficina de produção de texto   aula 1
Oficina de produção de texto aula 1
 
Oficina de produção de texto
Oficina de produção de textoOficina de produção de texto
Oficina de produção de texto
 
Processos De Produção Textual
Processos De Produção TextualProcessos De Produção Textual
Processos De Produção Textual
 
ProduçãO Textual
ProduçãO TextualProduçãO Textual
ProduçãO Textual
 
A escrita como produção de textos
A escrita como produção de textosA escrita como produção de textos
A escrita como produção de textos
 
Leitura e produção de textos
Leitura e produção de textosLeitura e produção de textos
Leitura e produção de textos
 
Leitura e producao textual
Leitura e producao textualLeitura e producao textual
Leitura e producao textual
 
Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
 
Apostila leitura-e-producao-de-texto
Apostila leitura-e-producao-de-textoApostila leitura-e-producao-de-texto
Apostila leitura-e-producao-de-texto
 
Produção de textos ano 2
Produção de textos ano 2Produção de textos ano 2
Produção de textos ano 2
 
Power point, leitura é...
Power point, leitura é...Power point, leitura é...
Power point, leitura é...
 
A Importância da Leitura
A Importância da LeituraA Importância da Leitura
A Importância da Leitura
 
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
 
Atividades lúdicas interpretação e produção de texto
Atividades lúdicas interpretação e produção de textoAtividades lúdicas interpretação e produção de texto
Atividades lúdicas interpretação e produção de texto
 
A leitura
A leituraA leitura
A leitura
 
BookCrossing
BookCrossingBookCrossing
BookCrossing
 
Produção textual 2
Produção textual 2Produção textual 2
Produção textual 2
 
Produção textual 1
Produção textual 1Produção textual 1
Produção textual 1
 
Aula 3: História da educação no Brasil
Aula 3: História da educação no BrasilAula 3: História da educação no Brasil
Aula 3: História da educação no Brasil
 

Semelhante a Leitura e produção textual

Semelhante a Leitura e produção textual (20)

Redação e comunicação linguística
Redação e comunicação linguísticaRedação e comunicação linguística
Redação e comunicação linguística
 
Aula 01 redação
Aula 01 redaçãoAula 01 redação
Aula 01 redação
 
Redação discursiva
Redação discursivaRedação discursiva
Redação discursiva
 
Apostila de portugues com nova ortografia
Apostila de portugues com nova ortografiaApostila de portugues com nova ortografia
Apostila de portugues com nova ortografia
 
1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa
 
Redação em língua portuguesa
Redação em língua portuguesaRedação em língua portuguesa
Redação em língua portuguesa
 
Redação ENEM
Redação ENEMRedação ENEM
Redação ENEM
 
Redação.DOCX
Redação.DOCXRedação.DOCX
Redação.DOCX
 
Redação.PDF
Redação.PDFRedação.PDF
Redação.PDF
 
Trabalho c.f.p. ituiutaba
Trabalho c.f.p. ituiutabaTrabalho c.f.p. ituiutaba
Trabalho c.f.p. ituiutaba
 
Dicas para o Enem 2024 ensino médio itinerários
Dicas para o Enem 2024 ensino médio  itineráriosDicas para o Enem 2024 ensino médio  itinerários
Dicas para o Enem 2024 ensino médio itinerários
 
Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritos
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
 
Aula de redacao
Aula de redacaoAula de redacao
Aula de redacao
 
Noção de Texto
Noção de TextoNoção de Texto
Noção de Texto
 
Tipos de textos moderna
Tipos de textos   modernaTipos de textos   moderna
Tipos de textos moderna
 
Dicas para um bom texto jornalístico
Dicas para um bom texto jornalísticoDicas para um bom texto jornalístico
Dicas para um bom texto jornalístico
 
Apostila redação
Apostila redaçãoApostila redação
Apostila redação
 
APOSTILA PORTUGUÊS INSTRUMENTAL SENAR JULHO.docx
APOSTILA PORTUGUÊS INSTRUMENTAL SENAR JULHO.docxAPOSTILA PORTUGUÊS INSTRUMENTAL SENAR JULHO.docx
APOSTILA PORTUGUÊS INSTRUMENTAL SENAR JULHO.docx
 
Aula 02 redação
Aula 02 redaçãoAula 02 redação
Aula 02 redação
 

Mais de Jose Arnaldo Silva

Romantismo em-portugal-e-no-brasil
Romantismo em-portugal-e-no-brasilRomantismo em-portugal-e-no-brasil
Romantismo em-portugal-e-no-brasilJose Arnaldo Silva
 
Projeto de pesquisa de mestrado
Projeto de pesquisa de mestradoProjeto de pesquisa de mestrado
Projeto de pesquisa de mestradoJose Arnaldo Silva
 
Marketing estrategico-e-operacional-de-instituicoes-de-ensino
Marketing estrategico-e-operacional-de-instituicoes-de-ensinoMarketing estrategico-e-operacional-de-instituicoes-de-ensino
Marketing estrategico-e-operacional-de-instituicoes-de-ensinoJose Arnaldo Silva
 
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasilO realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasilJose Arnaldo Silva
 
O valente soldadinho de chumbo
O valente soldadinho de chumboO valente soldadinho de chumbo
O valente soldadinho de chumboJose Arnaldo Silva
 
Atividades - Estudo de caso: Seleção de um executivo
Atividades - Estudo de caso: Seleção de um executivo Atividades - Estudo de caso: Seleção de um executivo
Atividades - Estudo de caso: Seleção de um executivo Jose Arnaldo Silva
 
Atividades - Estudo de caso: Diálogo de atenas
Atividades - Estudo de caso: Diálogo de atenasAtividades - Estudo de caso: Diálogo de atenas
Atividades - Estudo de caso: Diálogo de atenasJose Arnaldo Silva
 
Atividades - Estudo de caso: Afinal, quem manda aqui?
Atividades - Estudo de caso: Afinal, quem manda aqui?Atividades - Estudo de caso: Afinal, quem manda aqui?
Atividades - Estudo de caso: Afinal, quem manda aqui?Jose Arnaldo Silva
 
Venha ver o pôr do sol - Lygia fagundes telles
Venha ver o pôr do sol  - Lygia fagundes tellesVenha ver o pôr do sol  - Lygia fagundes telles
Venha ver o pôr do sol - Lygia fagundes tellesJose Arnaldo Silva
 
Língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Língua portuguesa com ênfase em gramática e literaturaLíngua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Língua portuguesa com ênfase em gramática e literaturaJose Arnaldo Silva
 
Apostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Apostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literaturaApostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Apostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literaturaJose Arnaldo Silva
 

Mais de Jose Arnaldo Silva (20)

Semana de-arte-moderma
Semana de-arte-modermaSemana de-arte-moderma
Semana de-arte-moderma
 
Romantismo em-portugal-e-no-brasil
Romantismo em-portugal-e-no-brasilRomantismo em-portugal-e-no-brasil
Romantismo em-portugal-e-no-brasil
 
Projeto de pesquisa de mestrado
Projeto de pesquisa de mestradoProjeto de pesquisa de mestrado
Projeto de pesquisa de mestrado
 
Pressupostos e-subentendidos
Pressupostos e-subentendidosPressupostos e-subentendidos
Pressupostos e-subentendidos
 
Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
 
Marketing estrategico-e-operacional-de-instituicoes-de-ensino
Marketing estrategico-e-operacional-de-instituicoes-de-ensinoMarketing estrategico-e-operacional-de-instituicoes-de-ensino
Marketing estrategico-e-operacional-de-instituicoes-de-ensino
 
Funcoes da-linguagem
Funcoes da-linguagemFuncoes da-linguagem
Funcoes da-linguagem
 
Figuras de-construcao
Figuras de-construcaoFiguras de-construcao
Figuras de-construcao
 
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasilO realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
 
O valente soldadinho de chumbo
O valente soldadinho de chumboO valente soldadinho de chumbo
O valente soldadinho de chumbo
 
Atividades - Estudo de caso: Seleção de um executivo
Atividades - Estudo de caso: Seleção de um executivo Atividades - Estudo de caso: Seleção de um executivo
Atividades - Estudo de caso: Seleção de um executivo
 
Atividades - Estudo de caso: Diálogo de atenas
Atividades - Estudo de caso: Diálogo de atenasAtividades - Estudo de caso: Diálogo de atenas
Atividades - Estudo de caso: Diálogo de atenas
 
Atividades - Estudo de caso: Afinal, quem manda aqui?
Atividades - Estudo de caso: Afinal, quem manda aqui?Atividades - Estudo de caso: Afinal, quem manda aqui?
Atividades - Estudo de caso: Afinal, quem manda aqui?
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagem Figuras de linguagem
Figuras de linguagem
 
O Humanismo
O Humanismo O Humanismo
O Humanismo
 
O Trovadorismo
O Trovadorismo O Trovadorismo
O Trovadorismo
 
Venha ver o pôr do sol - Lygia fagundes telles
Venha ver o pôr do sol  - Lygia fagundes tellesVenha ver o pôr do sol  - Lygia fagundes telles
Venha ver o pôr do sol - Lygia fagundes telles
 
Língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Língua portuguesa com ênfase em gramática e literaturaLíngua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
 
Apostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Apostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literaturaApostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
Apostila de língua portuguesa com ênfase em gramática e literatura
 
Psicologia da educação
Psicologia da educaçãoPsicologia da educação
Psicologia da educação
 

Último

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxalessandraoliveira324
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 

Leitura e produção textual

  • 1. LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL Prof. José Arnaldo da Silva Telefones: (98)3664-2231 ou (98) 99157-2274 e-mails: jarnaldosilva@yahoo.com.br jarnaldosilva@professor.ma.gov.br
  • 2. LEITURA, COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS Textos Literários; Textos Técnico-Informativos; Textos Acadêmicos; Textos de Apoio.
  • 3.  Estratégias de Leitura e Compreensão  são habilidades utilizadas por um indivíduo para facilitar a compreensão e efetivar a produção da leitura (Kopke Filho, 2001).  Comporta-se três diferentes finalidades: “para nos formar, para nos distrair ou para recolher informações. (...) Pode-se classificar a leitura em três tipos: leitura formativa, leitura de distração e leitura informativa” (Cervo e Bervian, 1983, p. 85).
  • 4.  Pré-leitura, leitura de reconhecimento ou seletiva (antes da leitura propriamente dita) Antes da Leitura:  Examinar ligeiramente todo o texto;  Avaliar a estrutura do texto, procurando ler cabeçalhos, títulos, subtítulos etc.;  Levantar hipóteses, após breve avaliaçãosobre o conteúdo do material a ser lido;  Analisar, com base em sua finalidade, a utilidade ou a necessidade/objetivo de realizar tal leitura.
  • 5.  Leitura propriamente dita (durante a leitura) Durante a Leitura:  Grifar ideias ou palavras principais;  Tomar notas;  Criar imagens mentais de conceitos ou fatos descritos no texto;  Relacionar as informações do texto com seus conhecimentos do assunto;  Refletir sobre as implicações ou consequências do apresentado no texto;  Reler o trecho quando não se compreende uma palavra, frase ou parágrafo;  Consultar fontes externas (pessoas, outros livros), quando na releitura do trecho não se resolver o não entendimento.
  • 6.  Pós-leitura (depois da leitura) Depois da Leitura:  Reler o texto na íntegra;  Reler os pontos mais relevantes;  Procurar recordar pontos fundamentais do assunto sem retomar o texto;  Avaliar o quanto entendeu do texto;  Realizar uma paráfrase ou resumo do texto lido.
  • 7. PRODUÇÃO TEXTUAL APRESENTAÇÃO VISUAL DA REDAÇÃO  O aluno deve preencher corretamente todos os itens do cabeçalho com letra legível.  Centralizar o título na primeira linha, sem aspas e sem grifo.  Pular uma linha entre o título e o texto para então iniciar a redação.  Fazer parágrafos distando mais ou menos três centímetros da margem e mantê- los alinhados.  Não ultrapassar as margens (direita e esquerda) e também não deixar de atingi- las.  Evitar rasuras e borrões. O erro deverá ser anulado com um traço apenas.  Apresentar letra legível, cursiva ou de forma.  Distinguir bem as maiúsculas das minúsculas, especialmente no uso de letra de forma.  Evitar exceder o número de linhas pautadas ou pedidas como limites máximos e mínimos. 1º e 2º ano: mínimo de vinte e máximo de trinta linhas.  Escrever apenas com caneta preta ou azul. O rascunho ou esboço das ideias podem ser feitos a lápis e rasurados. O texto não será corrigido em caso de utilização de lápis ou caneta vermelha, verde, etc. na redação definitiva.
  • 8.  Antes de começar a escrever, faça um esquema de seu texto, dividindo em parágrafos as ideias que pretende expor. Isso evita repetição ou esquecimento de alguma ideia.  Cheque se os pontos de vista que você vai defender não são contraditórios em relação à tese.  Não tenha preguiça de refazer seu texto várias vezes. É a melhor maneira de se chegar a um bom resultado.  Enquanto escreve, tenha sempre á mão um dicionário para checar a grafia das palavras e descobrir sinônimos para evitar repetições desnecessárias.  Escreva o que você pensa sobre o tema dado e não o que você acredita que o corretor do texto gostaria que fosse escrito. Jamais analise os temas propostos movido por emoções exageradas. Nunca se dirija ao leitor.  Não escreva sobre o que você não conhece, arriscando-se a incorrer em erros e imprecisões de conteúdo.  Não empregue palavras cujo significado seja desconhecido para você. Evite utilizar noções vagas, como “liberdade”, “democracia”, “injustiça” ─ termos que têm um significado tão amplo que chegam a não significar nada.  Evite expressões do tipo “belo”, “bom”, “mau”, “incrível”, “péssimo”, “triste”, “pobre”, “rico” ─ são juízos de valor sem carga informativa, imprecisos e subjetivos.  Evite o lugar-comum: frases feitas e expressões cristalizadas, como “a pureza das crianças” e “a sabedoria dos velhos”. Há crianças e velhos de todos os tipos. Evite também gírias e a palavra “coisa” (procure o vocabulário adequado a cada ideia). Não use o “etc.”, nem abrevie palavras.  Procure não embromar, tentando preencher mais algumas linhas. Cada palavra deve ser fundamental e informativa na redação.
  • 9.  Não repita ideias tentando explicá-las melhor. Se você escrever com clareza, uma vez só basta.  Cuidado com o uso inadequado de conjunções. Elas podem estabelecer relações que não existem entre as frases e tornar o texto sem nexo.  Se formular uma pergunta na tese, responda-a ao longo do texto. Evite interrogações na argumentação e jamais as utilize na conclusão. Para aprofundar seus argumentos, suas afirmações, use exemplos, fatos notórios ou históricos, conhecimentos geográficos, cifras aproximadas e informações adquiridas através de leitura, estudo e aquisições culturais.  Respeite os limites indicados: evite escrever demais, pois você corre o risco de entediar o leitor e cometer erros.  Evite orações demasiadamente longas e parágrafos de uma só frase.  Dê um título coerente ao assunto abordado em seu texto.  Releia o texto depois de rascunhá-lo, para observar se você não “fugiu” ao tema proposto.  Passe o texto a limpo, procurando aprimorar o vocabulário.
  • 11. Modalidades Descrição Narração Dissertação Características Situa seres no espaço (fotografia)   Situa seres e objetos no tempo (história) Discute um assunto apresentando pontos de vista e juízos de valor. Introdução   A perspectiva do observador focaliza o ser ou objeto, distingue seus aspectos gerais e os interpreta. Apresenta as personagens, localizando-as no tempo e no espaço.   Apresenta a síntese do ponto de vista a ser discutido. (tese)   Desenvolvimen to Capta os elementos numa ordem coerente com a disposição em que eles se encontram no espaço, caracterizando-os objetiva e subjetivamente, física e psicologicamente. Através das ações das personagens, constroem-se a trama e o suspense, que culminam no clímax.   Amplia e explica o parágrafo introdutório. Expõe argumentos que evidenciam posição crítica. Analítica, reflexiva, interpretativa, opinativa sobre o assunto. Conclusão Não há um procedimento específico para conclusão. Considera-se concluído o texto quando completa a caracterização. Existem várias maneiras de concluir-se uma narração. Esclarecer a trama é apenas uma delas. Retoma sinteticamente as reflexões críticas ou aponta as perspectivas de solução para o que foi discutido. Recursos Uso dos cinco sentidos: audição, gustação, olfato, tato e visão, que, combinados, produzem a sinestesia. Adjetivação farta, verbos de estado, linguagem metafórica, comparações e prosopopeias. Verbos de ação, geralmente no tempo passado; narrador personagem, observador ou onisciente; discurso direto, indireto e indireto livre. Linguagem referencial, objetiva; evidências, exemplos, justificativas e dados.   O que se pede Sensibilidade para combinar e transmitir sensações físicas (cores, formas, sons, gostos, odores) e psicológicas (impressões subjetivas, comportamentos). Pode ser redigida num único parágrafo. Imaginação para compor uma história que entretenha o leitor, provocando expectativa e tensão. Pode ser romântica, dramática ou humorística. Capacidade de organizar ideias (coesão), conteúdo para discussão (cultura geral), linguagem clara, objetiva, vocabulário adequado e diversificado.
  • 12. A comunicação não é regida por normas fixas e imutáveis. Ela pode transformar-se, através do tempo, e, se compararmos textos antigos com atuais, perceberemos grandes mudanças no estilo e nas expressões. Por que as pessoas se comunicam de formas diferentes? Temos que considerar múltiplos fatores: época, região geográfica, ambiente e status cultural dos falantes.
  • 13.  Língua: “Uma unidade, uma estrutura ideal, que apresenta em si os traços básicos comuns a todas as suas variedades. É a invariante abstrata e virtual, sobreposta a um mosaico de variantes concretas e atuais” (CAMARA JR.,1975,p.9).  Fala: “ não é uma atividade simples executada por um ou mais órgãos biologicamente a ela destinados. É uma trama extremamente complexa e ondeante de ajustamentos – no cérebro, no sistema nervoso, e nos órgãos de articulação e audição – em direção ao fim colimado, que é a comunicação de ideias” (SAPIR,1971, p. 22).
  • 14. Informal: situações de descontração com amigos, no meio familiar, na escola... Formal: maior formalidade, com melhor elaboração sintática. Usado em palestras, conversas com superiores e estranhos, quando não há intimidade entre os interlocutores.
  • 15. Língua Falada Utiliza sons e apelos visuais; Uso de gírias e onomatopéias; Omissão de termos; Modo descontraído e irreverente; Utilização livre dos pronomes; Ambiguidades com frases incabadas.
  • 16. Língua Escrita Utiliza signos/letras que formam as palavras; Uso de referências mais precisas e elaboradas; Todos os termos devem aparecer na construção do período; Colocação pronominal conforme as regras gramaticais; Frases bem estruturadas; Descrição metódica dos detalhes; Emprego variado da linguagem para evitar repetições; Evita improvisações e segue os padrões cultos da língua.
  • 17. Profissional: no exercício de algumas atividades profissionais, o domínio de certas formas de línguas técnicas é essencial. As variações profissionais são abundantes em termos específicos e têm seu uso restrito ao intercâmbio técnico. Situacional: as diferentes situações comunicativas exigem de um mesmo indivíduo diferentes modalidades da língua. Empregam-se, em situações formais, modalidades diferentes das usadas em situações informais, com o objetivo de adequar o nível vocabular e sintático ao ambiente linguístico em que se está. Geográfica: há variações entre as formas que a língua portuguesa assume nas diferentes regiões em que é falada. Basta prestar atenção na expressão de um gaúcho em contraste com a de um amazonense. Essas variações regionais constituem os falares e os dialetos. Não há motivo linguístico algum para que se considere qualquer uma dessas formas superior ou inferior às outras.
  • 18. Social: o português empregado pelas pessoas que têm acesso à escola e aos meios de instrução difere do português empregado pelas pessoas privadas de escolaridade. Algumas classes sociais, assim, dominam uma forma de língua que goza prestígio, enquanto outras são vítimas de preconceito por empregarem estilos menos prestigiados. Cria-se, dessa maneira, uma modalidade de língua – a norma culta -, que deve ser adquirida durante a vida escolar e cujo domínio é solicitado como modo de ascensão profissional e social.
  • 19. LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL Linguagem Verbal A linguagem verbal tem duas modalidades: a língua escrita e a língua oral. Linguagem oral é a que se usa quando o interlocutor está frente a frente conosco e justamente podemos falar com ele. Já a escrita, em tese, é usada quando o interlocutor está ausente. Entre a linguagem oral e a escrita há muitas diferenças, mas não uma oposição rígida.
  • 20. Linguagem não verbal Não se utiliza do vocábulo, das palavras para se comunicar. O objetivo, neste caso, não é de expor verbalmente o que se quer dizer ou o que se está pensando, mas se utilizar de outros meios comunicativos, como: placas, figuras, gestos, objetos, cores, ou seja, dos signos visuais.
  • 21. Exemplo de Linguagem Não-verbal “uma imagem vale mais que mil palavras”
  • 22.  Economia de palavras – Objetividade;  Abreviação das palavras;  Frases curtas;  Uso de símbolos;  Neologísmo. Características da Linguagem na Internet  Diálogo a distância;  Presença de onomatopeias;  Troca de letras;  Híbrido de escrita e fala;  Linguagem não linear.
  • 23.
  • 24. 1. Expressão do pensamento; 2. Instrumento de comunicação; 3. Processo de interação. Reflexão Sempre que surge uma nova tecnologia, os meios já existentes são obrigados a se adaptarem às novas condições, gerando novos hábitos de vida: trabalho, diversão, costumes etc. “Não há comunicação sem envolvimento.” Antoine de Saint-Exupéry Três Concepções de linguagem
  • 25. Português é fácil de aprender porque é uma língua que se escreve exatamente como se fala “Pois é. U purtuguêis é muito fáciu di aprender, purqui é uma língua qui a genti iscrevi ixatamenti cumu si fala. Num é cumu inglêis qui dá até vontadi di ri quandu a genti discobri cumu é qui si iscrevi algumas palavras. Im portuguêis, é só prestátenção. U alemão pur exemplu. Qué coisa mais doida? Num bate nada cum nada. Até nu espanhol qui é parecidu, si iscrevi muito diferenti. Qui bom qui a minha lingua é u purtuguêis. Quem soubé falá, sabi iscrevê.” Jô Soares, Veja, 28 /11/1990.
  • 26. Fundação IDEPAC para o Desenvolvimento Profissional. Apostila de Técnicas Administrativas. 2009. MEDEIROS, João Bosco. Redação Empresarial. 6ª Ed. São Paulo: Atlas, 2009. SISTI, Silvana Progetti Paschoal. et al. Administração. Valinhos: Anhanguera Publicações, 2009. * Outros assuntos de propriedade dos seus criadores, como professores e pesquisadores, encontrados na internet e apresentados em sala de aulas de vários cursos.