Esclerose sistêmica

1.294 visualizações

Publicada em

trabalho de fisioterapia na reumatologia.
esclerose sistêmica

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.294
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Esclerose sistêmica

  1. 1. 1IntroduçãoA esclerose sistêmica é uma doença crônica, rara, de caráter autoimune, e asobrevida media da esclerose sistêmica é de cinco anos em 70-80% doscasos, e 10 anos em 40-50%. Os fatores de mau prognostico incluem o sexomasculino, superior a 65 anos ,acometimento renal e acometimento cutâneodifuso.DefiniçãoA esclerose sistêmica é uma doença crônica, rara, de caráter autoimune,caracterizada por vasculopatia disseminada, fenômeno de Raynaud e fibrosevascular e tecidual, particularmente de pele, rins, trato digestivo e pulmões.Trata-se de uma afecção intimamente ligada ao gênero feminino, acometendotrês vezes mais que aos homens e sua incidência anual é de 4 a 19 indivíduospor milhão de habitantes.Características clinicasO quadro clínico inicial é variável.1. A esclerose sistêmica de forma limitada costuma apresentarcomprometimento cutâneo somente das extremidades, comacometimento lento e pouca frequência de contraturas articulares,calcinose presente e manifestações viscerais tardias.2. Estes pacientes geralmente cursam vários anos somente com ofenômeno Raynaud, e em estágios mais avançados (acima de 10 anos),passam a apresentar comprometimento de órgãos.3. Apresentam algumas características traduzidas pela síndrome CRESTC – calcinoseR – fenômeno RaynaundE – dismotilidade esofágicaS – Esclerodactilia.T –TelangiectasiasA forma difusa da ES desenvolve-se com envolvimento cutâneo generalizado,que afeta tronco, membros face, tendendo a progredir rapidamente, além decrepitação tendínea, contraturas articulares, acometimento precoce devísceras, como crise renal, fibrose pulmonar e miocardioesclerose.Cutâneas
  2. 2. 2O escleroderma é a característica principal da esclerose sistêmica, ocorrendoem 90 à 95% dos pacientes. Parece estar relacionada com uma produçãoanormal de fibroblastos de colágenos. Há uma obstrução de folículos pilosos eglândulas sebáceas, deixando a pele com aspecto de casa de laranja e hátambém presença de telangiectasiasmais frequentemente chamadas"derrames" que são dilatações capilares alimentadas habitualmente por umapequena veia, mas algumas vezes por uma arteríola.O paciente passa a ter microstomica (boca contraída e sem motilidade), narizpontiagudo e olhos fixos, devido àperda do tecido adiposo da região. Com otempo as expressões faciais podem apresentar estáticas.Pode ocorrer esclerodactilia, onde os corpos adiposos dos dedosdesaparecem, deixando-os endurecidos e afinados, e com isso há semiflexaodos dedos com extensão das metacarpofalangianas e punho em posiçãointermediaria, onde a mão passa ter um aspecto em garra.VascularesA manifestação inicial da ES é o fenômeno Raynaund, que é um fenômenovasomotor que ocorre nas extremidades, especialmente nos dedos das mãos,pés, orelhas, nariz e lábios, com cianose, palidez e eritema. Formigamento ouanestesia podem estar associados, sendo apresentada em 95% dos pacientes.MusculoesqueleticaMialgias e poliartralgias são sintomas presentes nos estágios iniciais dadoença, e ocorrem contraturas devido as alterações escleróticas de pele etendões, associadas a perda de elasticidade da pele e estruturas adjacentesaos músculos. Pode haver sinovite, levando a fraqueza proximal, podendoacarretar atrofia por desuso.GastrointestinalMais de 75% dos pacientes apresentam uma dismotilidade esofágica devido adisfunção neural que pode ser ocasionada pelas alterações arteriolares dosvasos nervoso, e ocorre também atrofia da musculatura lisa e posteriormentesua fibrose.Acarretando má absorção de nutrientes, causando anormalidades eletrolíticas,com uma diminuição da peristalse dos intestinos grosso e delgado, resultandoem dilatação e o paciente se queixa de dor e distensão abdominal.Renal
  3. 3. 3Presente em 15 a 45% dos pacientes com ES, as crises ocorrem com maisfrequência em períodos mais frios do ano, levantando a hipótese de queaconteça o fenômeno vasoespástico renal ligado à temperatura, análogo aofenômeno Raynaund.CardíacaAlterações cardíacas significativas não são comumente encontradas na ES,ocorrem alterações de ritmo, e bloqueios artrioventriculares e extra-sistoles,além de pericardite.Critérios de diagnosticoCritério maior: esclerodermia proximal (as metacarpofalangianas).Critério menor: fibroses nas bases pulmonares, esclerodactilia eulcerações de polpas digitais e reabsorção de falanges distais.O diagnostico é confirmado se o paciente apresentar o critério maior ou pelomenos dois dos critérios menores, onde mostram sensibilidade de 97%.Além da pesquisa de anticorpos antinúcleo e antinucléolo são uteis naavaliação e no diagnostico da doença. Os dois exames encontram-se alteradosem 90% dos pacientes com ES permitindo o seu diagnostico.Tratamento medicamentosoCorticoesteroides são de escolha útil para serosite, artrite e fase cutâneaedematosa, bloqueadores dos canais de cálcio e inibidores da angiotensinaque são recomendados para o tratamento do fenômeno Raynaud.Quanto às alterações gastrointestinais, inibidores da bomba de próton einibidores H2 são recomendados para a esofagite de refluxo, além de medidassimples, como evitar refeições antes de deitar e elevar a cabeceira da cama.Tratamento fisioterapêuticoAtua em oferecer uma melhor qualidade de vida para os pacientes com ES,uma vez que não possui cura. A manutenção das funções necessárias pararealização das atividades simples do dia a dia é o foco do tratamento eamenizar os sintomas.Os objetivos do tratamento são:Manutenção da função respiratória.Manutenção ou aumento de força muscular, ADM das articulações emobilidade cutânea.
  4. 4. 4Manutenção ou aumento do equilíbrio e marcha.Prevenção de contraturas articulares e fenômeno de RaynaudConduta fisioterapêuticaAbordagem fisioterapêutica deve ser voltada à restauração e/ou manutençãoda funcionalidade do paciente e não buscar o ganho das funções máximascomo a amplitude de movimento total da articulação.Pré-Cinético:1. O calor superficial é indicado, pois promovevascularização local,redução do espasmo muscular, alivio da dor e o relaxamento.2. Crioterapia e o turbilhão frio são contraindicados por exacerbarem oquadro do fenômeno de Raynaud.3. Laser de pulso, indicado para tratamento das úlceras, e auxiliar noprocesso cicatricial.CinesioterapiaO Alongamento das estruturas retraídas é de grande valia para manutençãoe/ou ganho de amplitude de movimento.A mobilização articular, promovendo uma maior ADM em toas as direções, umvolume aumentado da capsula articular e uma função aprimorada para aarticulação, por isso são indicadas, especialmente quando realizadas naspequenas articulações.Exercícios aeróbicos são indicados, de baixo impacto como uso de bicicletaestacionaria e exercícios funcionais como treino para escovar os dentesenfatizando o fechamento da boca que são altamente recomendados.Exercícios respiratóriosPara a mobilização do gradil costal e do diafragma, para promover umamelhora da troca gasosa e promovem higiene brônquica e aperfeiçoar ofuncionamento pulmonar no caso de fibrose precoce.HidrocinesioterapiaEla tem diversos benefícios no tratamento, onde os exercícios são realizadoscom baixo impacto articular, auxiliando no condicionamento cardiorrespiratório,para aprimorar a amplitude de movimento e a mobilidade são facilmenteexecutados na agua, e a flutuabilidade é usada como adjuvante para oalongamento e ganho de amplitude.
  5. 5. 5Referencia bibliográfica:Fisioterapia em reumatologia - Lia Mara Wibelinger – Editora RevinterCURRENT Reumatologia – Diagnostico e tratamento - John Imbden / Davidhellmann /John Stone. 2º edição.

×