SlideShare uma empresa Scribd logo
FUNGOS
DISCIPLINA: Diversidade Biológica
DOCENTE: Dra. Vanessa Lúcia Nogueira
DISCENTES: Antônio Isael Paz Pires, José Itamar Lima, Paulo Ricardo Gonçalves
Pereira e Rodolfo Ferreira de Oliveira
INTRODUÇÃO
 Os fungos são organismos eucariotos que podem ser unicelulares
ou multicelulares.
 São essenciais ao bem – estar da maioria dos ecossistemas pois
atuam diretamente na reciclagem da matéria orgânica e no ciclo
do carbono, pois atuam na cadeia alimentar como seres
decompositores
 São os maiores organismos vivos: há fungos que conseguem
ocupar uma área equivalente à 1800 campos de futebol
americano, apenas um individuo
 Vivem muito, há registros de alguns indivíduos que vivem há mais
de 2000 anos
2
O FUNGO MAIS ANTIGO DO MUNDO3
FIGURA 1 – PRESENTE NA FLORESTA NACIONAL
MALHEUR (EUA) ESSE CONJUNTO DE
COGUMELOS NA VERDADE FORMAM UM ÚNICO
FUNGO, COM TAMANHO SUPERIOR AO
TERRITÓRIO BRITÂNICO GIBRALTAR
 Localiza-se na Floresta
Nacional Malheur, no leste
do Oregon (EUA)
 Maior e mais antigo fungo
conhecido do mundo
 Seu tamanho equivale a 965
hectares de floresta
 Possui mais de 2000 anos,
estimativas vão até incríveis
8 mil anos de idade
O MAIOR FUNGO DO MUNDO4
FIGURA 2 – COMPARAÇÃO DO TAMANHO DESSE FUNGO
COM GIBRALTAR. 1 ACRE EQUIVALE A MAIS DE 4000m²
Nutrição e Ecologia
.
Fungos são
heterotróficos uni
ou multicelulares.
Eles não comem os
alimentos, eles os
absorvem ao seu
próprio corpo.
FIGURA 3 – FUNGO CRESCENDO EM RESTO
DE TRONCO DE ÁRVORE
6
ESTRUTURA CORPÓREA
 Filamentos multicelulares.
 Leveduras.
FIGURA 4 – ESTRUTURA BÁSICA DE UM FUNGO
7
HIFAS
 Podem ser do tipo:
 Apenas 1cm³ de solo rico pode conter até 1 km de hifas.
FIGURA 5 –
TIPOS DE
HIFAS. (a)
SEPTADAS E (b)
CENOCÍTICAS
8
(a) (b)
HIFAS ESPECIALIZADAS
 Haustórios  Hifa adaptada para capturar
e matar presas.
Hifa
Verme
25 μm
FIGURA 6 – HAUSTÓRIOS:
HIFAS CAPAZES DE EXTRAIR
NUTRIENTES DE CÉLULAS
VEGETAIS VIVAS
FIGURA 7 – ARTHROBOTRYS
PREDANDO UM VERME
NEMATÓIDE
9
FUNGOS MICORRIZÍCOS
FIGURA 8 – MUTUALISMO ENTRE FUNGOS E PLANTAS
10
Reprodução dos Fungos
.
 Assexuada
 Sexuada
REPRODUÇÃO DOS FUNGOS
FIGURA 9 – CICLO REPRODUTIVO GENERALIZADO DOS
FUNGOS, MUITOS FUNGOS FAZEM OS DOIS TIPOS DE
REPRODUÇÃO
12
 Fragmentação
 Brotamento
 Esporulação
Reprodução Assexuada dos Fungos
FIGURA 10 – PENICILLIUM, MOFO
COMUMENTE ENCONTRADO COMO
DECOMPOSITOR DE ALIMENTOS E
REALIZAM REPRODUÇÃO ASSEXUADA
13
Fragmentação:
 Maneira mais simples de se reproduzir
 Rompimento do micélio para formar um outro micélio
FIGURA 11 – ESQUEMA DA REPRODUÇÃO POR FRAGMENTAÇÃO
14
Brotamento ou Gemulação
 É o tipo de reprodução da levedura.
 Podem ou não se separar do genitor, ocasionando uma cadeia de células
FIGURA 12 – ESQUEMA REPRESENTADO REPRODUÇÃO POR
BROTAMENTO, TÍPICA DA LEVEDURA
15
Esporulação
 O bolor negro do pão é um exemplo (Rhizopus).
 Reprodução no esporângio de células haploides por mitose.
 Fungos aquáticos (Allomyces) possuem esporos com flagelos Zoósporos
FIGURA 13 – REPRODUÇÃO POR
ESPORULAÇÃO É COMUM AOS FUNGOS
CONHECIDOS POPULARMENTAR COMO
MOFOS
FIGURA 14 –
ZÓOSPOROS
SÃO PRESENTES
APENAS NOS
QUITRÍDEOS
16
Reprodução Sexuada
 Geralmente se inicia quando as hifas de dois micélios liberam moléculas sexuais sinalizadoras
chamadas feromônios.
 União de citoplasmas de micélios parentes é chamado de Plasmogamia (Heterocarióticos,
monocarióticas n).
 Formação de hifas dicarióticas (dois núcleos)
 Formação dos corpos de frutificação (cogumelo é um corpo de frutificação).
 Cariogamia-> união dos dois núcleos formando células diploides 2n (formação da hifa fértil).
 A meiose restaura a condição haploide (formação de esporos para dispersão dos fungos).
FIGURA 15 –
ESQUEMA
SIMBOLIZANDO A
REPRODUÇÃO
SEXUADA DOS
FUNGOS
17
FIGURA 16 – ESQUEMA MAIS DETALHADO DA REPRODUÇÃO SEXUADA DOS FUNGOS18
Origem e Evolução
.
A ORIGEM DOS FUNGOS
 Reino Fungi, Reino Animalia e Reino Protista estritamente
relacionados
 Evoluíram de um ancestral protista aquático unicelular flagelado
 Os fósseis mais antigos datam de 460 milhões de anos
 Estimativas de 1 bilhão de anos
 Microsporídios e fungos
 Do ambiente aquático ao terrestre
 Desde sempre tendo relações com plantas
20
EVOLUÇÃO DOS FUNGOS
ANCESTRAL
UNICELULAR
FLAGELADO
ANIMAIS (E SEUS
PARENTES PROTISTAS
PRÓXIMOS)
NUCLEARÍDEOS
QUTRÍDEOS
ZIGOMICETOS
GLOMEROMICETOS
ASCOMICETOS
BASIDIOMICETOS
FUNGOS
21
Ramificações dos Fungos
.
QUITRÍDEOS23
QUTRÍDEOS
ZIGOMICETOS
GLOMEROMICETOS
ASCOMICETOS
BASIDIOMICETOS
FUNGOS
FIGURA 17 – OS QUTRÍDEOS
SÃO OS ÚNICOS FUNGOS
QUE POSSUEM ESPOROS
FLAGELADOS - ZOÓSPOROS
Quitrídeos
 Os quitrídeos são considerados um dos grupos mais ancestrais a divergir dos outros
fungos
 Classificados no Filo dos Chytridiomycota
 Estão presentes na maioria dos lagos e solos
 Aproximadamente 1.000 espécies
 Podem ser parasitas, decompositores ou mutualistas
 Parede celular feita de quitina, compartilham enzimas indispensáveis e vias
metabólicas com outros grupos de fungos.
 Alguns formam colônias com hifas, e outros existem como células isoladas esféricas.
24
ZIGOMICETOS25
QUTRÍDEOS
ZIGOMICETOS
GLOMEROMICETOS
ASCOMICETOS
BASIDIOMICETOS
FUNGOS
FIGURA 18 – AS HIFAS DE
ALGUNS ZIGOMICETOS,
COMO ESSE MOFO,
CHAMADO DE MUCOR,
CRESCEM RAPIDAMENTE EM
ALIMENTOS COMO PÃO E
FRUTAS
Zigomicetos
 Fungos do Filo Zygomycota
 Existem aproximadamente 1.000 espécies
 Reprodução pode ser assexuada ou sexuada:
-Assexuada: Esporângios na forma de bolbos pretos se desenvolvem e
dispersão no ar.
-Sexuada: Os genitores de uma união sexual são micélios de
diferentes tipos sexuais com diferentes marcadores químicos, apesar
de parecerem idênticos.
 A plasmogamia produz uma estrutura robusta chamada de
zigosporângio, na qual a cariogamia e em seguida a meiose
ocorrem.
26
GLOMEROMICETOS27
QUTRÍDEOS
ZIGOMICETOS
GLOMEROMICETOS
ASCOMICETOS
BASIDIOMICETOS
FUNGOS
FIGURA 19 – OS
GLOMEROMICETOS
POSSUEM EXTREMA
IMPORTÂNCIA ECOLÓGICA.
MUITAS PLANTAS FORMAM
ASSOCIAÇÕES
MICORRÍZICAS COM ESSES
FUNGOS
Glomeromicetos
 Fungos do Filo Glomeromycota
 160 espécies de fungos identificadas até hoje
 Antigamente considerados zigomicetos
 Quase todos formam micorrizas arbusculares
 As pontas das hifas que penetram nas células de raízes vegetais se ramificam em
estruturas minúsculas na forma de arvore, conhecidas como arbúsculos.
Cerca de 90% de todas as espécies de plantas apresentam parcerias
mutualísticas com os glomeromicetos .
28
ASCOMICETOS29
QUTRÍDEOS
ZIGOMICETOS
GLOMEROMICETOS
ASCOMICETOS
BASIDIOMICETOS
FUNGOS
FIGURA 20 – TAMBÉM
CONHECIDOS COMO
FUNGOS DE SACO, SÃO
COMUNS EM AMBIENTES
AQUÁTICOS, MARINHOS E
DE ÁGUA DOCE
 Fungos do Filo Ascomycota
 Cerca de 65.000 espécies
 Reprodução por esporos sexuados em estruturas em forma de saco, os ascos
 Geralmente chamados de “fungos de saco ”
 Possui seus estágios sexuados em corpos de frutificação(ascocarpos)
 Os sacos formadores de esporos se encontram nos ascocarpos.
Ascomicetos30
BASIDIOMICETOS31
QUTRÍDEOS
ZIGOMICETOS
GLOMEROMICETOS
ASCOMICETOS
BASIDIOMICETOS
FUNGOS
FIGURA 21 – FUNGOS
DECOMPOSITORES,
CHAMADOS TAMBÉM DE
FUNGOS DE TACO. OS
COGUMELOS SÃO AS
PARTES DE FRUTIFICAÇÃO
DESSE TIPO DE FUNGO
Basidiomicetos
 Classificados no Filo Basidiomycota
 Aproximadamente 30.000 espécies
 Alguns basidiomicetos são os melhores decompositores do polímero complexo
de lignina
 Se reproduz sexuadamente pela produção de elaborados corpos de
frutificação (Basidiocarpos)
 Seu corpo pode frutificar em apenas algumas horas
 O micélio abaixo do anel de fada se expande cerca de 30 cm por ano
decompondo a matéria orgânica do solo onde cresce.
 Os basídios em um basidiocarpo são fontes dos esporos sexuais chamados de
basidiósporos.
 As lamelas de um cogumelo branco comum possui área superficial de 200cm²
32
Nem sempre os fungos eram capazes de decompor a lignina, o que tornou o
estocamento de carvão fóssil possível
Tipos de Fungos
.
FUNGOS DECOMPOSITORES
 Fazem boa parte da
manutenção do ciclo do
Carbono e do Nitrogênio
 Essenciais a toda a vida na
Terra
 Alguns fungos são capazes de
consumir qualquer substrato
que possua Carbono
34
FIGURA 22 – OS BASIDIOMICETOS
CONSTITUEM BOA PARTE DOS FUNGOS
DECOMPOSITORES
FUNGOS MUTUALISTAS
 Os fungos podem formar relações mutualísticas com plantas, algas,
cianobactérias e animais. Podemos classificar essas relações de 3
maneiras:
 Mutualismos Fungo-Planta
 Simbiose Fungo-Animal
 Líquens
35
Mutualismos Fungo-Planta
 Fungos micorrízicos: Essenciais a maioria das
plantas vasculares
 Fornecem proteção, água e sais minerais as
plantas e em, troca recebem das mesmas
compostos orgânicas, como carboidratos
 Endófitos simbiontes: Presentes em quase
todos as plantas
 Grande maioria deles são ascomicetos
 Fornecem proteção às plantas
36
FIGURA 23 – FUNGOS
ENDÓFITOS NOS TECIDOS
INTRACELULARES DE UMA
PLANTA
Simbiose Fungo-Animal
 Alguns fungos estão em relação de trocas de nutrientes com
animais
 Esses tipos de fungos não viveriam sem seus parceiros animais e
vice-versa
37
FIGURA 24 – ESSAS FORMIGAS
CORTADORAS DE FOLHAS
DEPENDEM DOS FUNGOS PARA
CONVERTER MATERIAL VEGETAL EM
NUTRIENTES DE FÁCIL DIGESTÃO
Líquens
 Associações simbióticas entre um micro-organismo fotossintetizante
e um fungo
 Crescem em locais variados: rochas, troncos, árvores, telhados
 A maioria dos fungos que formam os líquens são ascomicetos
 Fazem associações com algas e cianobactérias
 Denominados às vezes como um único organismo
 Um a cada sete fungos fazem esse tipo de associação
 Trocas gasosas e de nutrientes
 Indicadores da qualidade do ar
38
Líquens39
FIGURA 25 – LÍQUEN FORMADO
POR UMA ESPÉCIE DE ALGAS E
UM FUNGO ASCOMITCETO
FIGURA 26 – LÍQUEN FOLIOSO (COM
APARENCIA DE FOLHA)
FUNGOS PATÓGENOS
 Cerca de 30% das 100 mil espécies de fungos são
parasitas ou patógenos
 A maioria ataca plantas
 Apenas 50 espécies são prejudiciais ao ser
humano e demais animais
 Poucos danos aos seres humanos, a maioria dos
problemas causados pelos fungos são chamados
de micoses.
 Micoses Sistêmicas podem ser fatais
40
FIGURA 27 – CARVÃO
DO MILHO. ALGUNS
FUNGOS PODEM
REPRESENTAR DRÁSTICAS
PRAGAS AGRÍCOLAS
FUNGOS PATÓGENOS – UMA
CATASTRÓFE HISTÓRICA
 Em 944, cerca de 40 mil pessoas
morreram na França por uma
doença chamada ergotismo
 Causada pelo fungo Claviceps
purpurea, o mesmo que causa o
esporão do centeio
 Um composto desse esporão é
utilizado na produção do LSD
41
FIGURA 28 – ESPORÃO DO CENTEIO. EM
944 UMA DOENÇA CAUSADA POR ELE
MATOU MAIS DE 40 MIL PESSOAS NA
FRANÇA
Utilidades Práticas dos
Fungos
.
AGRICULTURA
 Apesar de alguns fungos serem verdadeiras pragas agrícolas, há
outros que se fazem fundamentais à mesma
 Se não fosse pelos fungos decompositores em geral, nosso solo
seria muito pobre em matéria orgânica
 As micorrizas se fazem fundamentais no ciclo ecológico dos
ecossistemas, pois sem elas a maioria das plantas não sobreviveria.
43
GASTRONOMIA
 Presente na indústria de bebidas e de alimentos
FIGURA 29 – GASTRONOMIA
DOS FUNGOS: (a)
CHAMPGNON, COGUMELO
COMESTÍVEL E ALTAMENTE
NUTRITIVO; (b) CERVEJAS,
FUNGOS SÃO UTILIZADOS NA
SUA FERMENTAÇÃO; (c)
VINHOS, NECESSITAM
TAMBÉM DOS FUNGOS NO
SEU PREPARO; (d) QUEIJO
GORGONZOLA, O FUNGO
PENICILLIUM É INJETADO
NELE PARA DAR UM SABOR
ESPECIAL
(c)
(b)(a)
(d)
44
MEDICINA
Staphylococcus
Penicillium
Zona de
inibição do
crescimento
 Podem ser usados como
antibióticos
 Controladores da pressão
sanguínea
 Aplicação na biotecnologia
 Tratamento de doenças
crônicas
FIGURA 30 – O MOFO ACIMA PRODUZ
UM ANTIBIÓTICO QUE INIBE O
CRESCIMENTO DESSA BACTÉRIA
45
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 CAMPBELL, Neil A. et al; BIOLOGIA. 8 ed. Porto Alegre: Artmed, 2010
 DAWKINS, Richard. A grande história da Evolução: Na trilha dos
nossos ancestrais. São Paulo: Cia das Letras, 2009.
 SADAVA, David et al; Vida: a ciência da Biologia. Volume II, 8ª ed.
Porto Alegre: Artmed, 2009.
46

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bactérias e Vírus
Bactérias e VírusBactérias e Vírus
Bactérias e Vírus
Isabel Lopes
 
Protozoários e protozooses
Protozoários e protozoosesProtozoários e protozooses
Protozoários e protozooses
Guilherme Orlandi Goulart
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
SMS - Petrópolis
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Tiago da Silva
 
Aula bacterias e_doencas_associadas
Aula bacterias e_doencas_associadasAula bacterias e_doencas_associadas
Aula bacterias e_doencas_associadas
Renato Físico
 
Reino dos fungos
Reino dos fungosReino dos fungos
Reino dos fungos
Leandro De Lima
 
Doenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoáriosDoenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoários
Marcos Santos
 
Fungos 2º ano
Fungos 2º anoFungos 2º ano
Fungos 2º ano
Marcos Santos
 
Aula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia BactériasAula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia Bactérias
Tiago da Silva
 
Fungos
FungosFungos
Aula 11 fungos
Aula   11 fungosAula   11 fungos
Aula 11 fungos
Gildo Crispim
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
Nelson Costa
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Hamilton Nobrega
 
Fungos
FungosFungos
7 ano Fungos
7 ano Fungos7 ano Fungos
7 ano Fungos
Sarah Lemes
 
Microrganismos
MicrorganismosMicrorganismos
Microrganismos
Raphaell Garcia
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Introdução à micologia
Introdução à micologiaIntrodução à micologia
Introdução à micologia
João Monteiro
 
II.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiII.4 Reino Fungi
II.4 Reino Fungi
Rebeca Vale
 

Mais procurados (20)

Bactérias e Vírus
Bactérias e VírusBactérias e Vírus
Bactérias e Vírus
 
Protozoários e protozooses
Protozoários e protozoosesProtozoários e protozooses
Protozoários e protozooses
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
 
Aula bacterias e_doencas_associadas
Aula bacterias e_doencas_associadasAula bacterias e_doencas_associadas
Aula bacterias e_doencas_associadas
 
Reino dos fungos
Reino dos fungosReino dos fungos
Reino dos fungos
 
Doenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoáriosDoenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoários
 
Fungos 2º ano
Fungos 2º anoFungos 2º ano
Fungos 2º ano
 
Aula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia BactériasAula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia Bactérias
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Aula 11 fungos
Aula   11 fungosAula   11 fungos
Aula 11 fungos
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
7 ano Fungos
7 ano Fungos7 ano Fungos
7 ano Fungos
 
Microrganismos
MicrorganismosMicrorganismos
Microrganismos
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Introdução à micologia
Introdução à micologiaIntrodução à micologia
Introdução à micologia
 
II.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiII.4 Reino Fungi
II.4 Reino Fungi
 

Destaque

Fungos e algas
Fungos e algasFungos e algas
Fungos e algas
aulasdotubao
 
Algas
AlgasAlgas
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
Pelo Siro
 
Importância econômica das algas
Importância econômica das algasImportância econômica das algas
Importância econômica das algas
Paulo Oliveira
 
As Algas
As AlgasAs Algas
As Algas
thaysribeiro
 
Fungos nas Plantas - Oídio e Míldio
Fungos nas Plantas - Oídio e MíldioFungos nas Plantas - Oídio e Míldio
Fungos nas Plantas - Oídio e Míldio
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
A ecologia grupo 3
A ecologia grupo 3A ecologia grupo 3
A ecologia grupo 3
Zaara Miranda
 
Apres Algas
Apres AlgasApres Algas
Apres Algas
elainesouza
 
Grupo - 3
Grupo - 3 Grupo - 3
Grupo - 3
Diego Souza
 
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
Julio Cesar Ferreira dos Passos
 
Os fungos 2011
Os fungos 2011Os fungos 2011
Os fungos 2011
ISJ
 
Protozoário algas e fungos capitulo 3
Protozoário algas e fungos capitulo 3Protozoário algas e fungos capitulo 3
Protozoário algas e fungos capitulo 3
Professora Raquel
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Altair Hoepers
 
Grandes civilizações grupo 3
Grandes civilizações grupo 3Grandes civilizações grupo 3
Grandes civilizações grupo 3
Lucas Stifler
 
Fungos noturno 3 D
Fungos  noturno 3 D Fungos  noturno 3 D
Fungos noturno 3 D
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - ApresentaçãoOs 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
Rodrigo Ikegaya
 
Micoses subcutâneas
Micoses subcutâneasMicoses subcutâneas
Micoses subcutâneas
Déa Pereira
 
PLANO DE AULA - GRUPO 3
PLANO DE AULA - GRUPO 3PLANO DE AULA - GRUPO 3
PLANO DE AULA - GRUPO 3
Camile Mattos
 
Algas uni e pluricelulares
Algas uni e pluricelularesAlgas uni e pluricelulares
Algas uni e pluricelulares
ProfDelminda
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Marina Soares
 

Destaque (20)

Fungos e algas
Fungos e algasFungos e algas
Fungos e algas
 
Algas
AlgasAlgas
Algas
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
 
Importância econômica das algas
Importância econômica das algasImportância econômica das algas
Importância econômica das algas
 
As Algas
As AlgasAs Algas
As Algas
 
Fungos nas Plantas - Oídio e Míldio
Fungos nas Plantas - Oídio e MíldioFungos nas Plantas - Oídio e Míldio
Fungos nas Plantas - Oídio e Míldio
 
A ecologia grupo 3
A ecologia grupo 3A ecologia grupo 3
A ecologia grupo 3
 
Apres Algas
Apres AlgasApres Algas
Apres Algas
 
Grupo - 3
Grupo - 3 Grupo - 3
Grupo - 3
 
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
 
Os fungos 2011
Os fungos 2011Os fungos 2011
Os fungos 2011
 
Protozoário algas e fungos capitulo 3
Protozoário algas e fungos capitulo 3Protozoário algas e fungos capitulo 3
Protozoário algas e fungos capitulo 3
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Grandes civilizações grupo 3
Grandes civilizações grupo 3Grandes civilizações grupo 3
Grandes civilizações grupo 3
 
Fungos noturno 3 D
Fungos  noturno 3 D Fungos  noturno 3 D
Fungos noturno 3 D
 
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - ApresentaçãoOs 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
 
Micoses subcutâneas
Micoses subcutâneasMicoses subcutâneas
Micoses subcutâneas
 
PLANO DE AULA - GRUPO 3
PLANO DE AULA - GRUPO 3PLANO DE AULA - GRUPO 3
PLANO DE AULA - GRUPO 3
 
Algas uni e pluricelulares
Algas uni e pluricelularesAlgas uni e pluricelulares
Algas uni e pluricelulares
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 

Semelhante a Fungos

Reino fungi (1)
Reino fungi (1)Reino fungi (1)
Reino fungi (1)
Graciêla Castro
 
Aula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino FungiAula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
Leonardo Kaplan
 
Fungos
FungosFungos
Biologia vol3
Biologia vol3Biologia vol3
Biologia vol3
Blaunier Matheus
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
Pelo Siro
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
REINO FUNGI.ppt
REINO FUNGI.pptREINO FUNGI.ppt
REINO FUNGI.ppt
AdemirSantos70
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Rita Galrito
 
Aula reino fungi
Aula reino fungiAula reino fungi
Aula reino fungi
Plínio Gonçalves
 
REINO FUNGI
REINO FUNGIREINO FUNGI
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Ikaro Slipk
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
URCA
 
Generalidades De MicologìA
Generalidades De MicologìAGeneralidades De MicologìA
Generalidades De MicologìA
Jose Luis Lopez Carrillo
 
Material 7ª semana
Material 7ª semanaMaterial 7ª semana
Material 7ª semana
Gislaine Egidio
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
Markelly Marques
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
kelvin45170
 

Semelhante a Fungos (20)

5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
 
Reino fungi (1)
Reino fungi (1)Reino fungi (1)
Reino fungi (1)
 
Aula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino FungiAula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Biologia vol3
Biologia vol3Biologia vol3
Biologia vol3
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
REINO FUNGI.ppt
REINO FUNGI.pptREINO FUNGI.ppt
REINO FUNGI.ppt
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Aula reino fungi
Aula reino fungiAula reino fungi
Aula reino fungi
 
REINO FUNGI
REINO FUNGIREINO FUNGI
REINO FUNGI
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Generalidades De MicologìA
Generalidades De MicologìAGeneralidades De MicologìA
Generalidades De MicologìA
 
Material 7ª semana
Material 7ª semanaMaterial 7ª semana
Material 7ª semana
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 

Mais de Rodolfo Ferreira de Oliveira

Preconceito Linguístico
Preconceito LinguísticoPreconceito Linguístico
Preconceito Linguístico
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
O olhar imperial e a invenção da África
O olhar imperial e a invenção da ÁfricaO olhar imperial e a invenção da África
O olhar imperial e a invenção da África
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Marie Curie
Marie CurieMarie Curie
Estrelas
EstrelasEstrelas
Café
CaféCafé
Origem e evolução do ser humano
Origem e evolução do ser humanoOrigem e evolução do ser humano
Origem e evolução do ser humano
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Cabo Verde
Cabo VerdeCabo Verde
Conhecimento Empírico
Conhecimento EmpíricoConhecimento Empírico
Conhecimento Empírico
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Globalização Política
Globalização PolíticaGlobalização Política
Globalização Política
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Feitorias
FeitoriasFeitorias
O trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasilO trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasil
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
As Leis de Newton
As Leis de NewtonAs Leis de Newton
As Leis de Newton
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
A linguagem visual
A linguagem visualA linguagem visual
A linguagem visual
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Gametogênese
GametogêneseGametogênese
Células tronco embrionárias
Células tronco embrionáriasCélulas tronco embrionárias
Células tronco embrionárias
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Raça e etnia
Raça e etniaRaça e etnia
Tecido Conjuntivo
Tecido ConjuntivoTecido Conjuntivo
Tecido Conjuntivo
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Unidade
UnidadeUnidade
Movimento uniforme
Movimento uniformeMovimento uniforme
Movimento uniforme
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 

Mais de Rodolfo Ferreira de Oliveira (20)

Preconceito Linguístico
Preconceito LinguísticoPreconceito Linguístico
Preconceito Linguístico
 
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
 
O olhar imperial e a invenção da África
O olhar imperial e a invenção da ÁfricaO olhar imperial e a invenção da África
O olhar imperial e a invenção da África
 
Marie Curie
Marie CurieMarie Curie
Marie Curie
 
Estrelas
EstrelasEstrelas
Estrelas
 
Café
CaféCafé
Café
 
Origem e evolução do ser humano
Origem e evolução do ser humanoOrigem e evolução do ser humano
Origem e evolução do ser humano
 
Cabo Verde
Cabo VerdeCabo Verde
Cabo Verde
 
Conhecimento Empírico
Conhecimento EmpíricoConhecimento Empírico
Conhecimento Empírico
 
Globalização Política
Globalização PolíticaGlobalização Política
Globalização Política
 
Feitorias
FeitoriasFeitorias
Feitorias
 
O trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasilO trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasil
 
As Leis de Newton
As Leis de NewtonAs Leis de Newton
As Leis de Newton
 
A linguagem visual
A linguagem visualA linguagem visual
A linguagem visual
 
Gametogênese
GametogêneseGametogênese
Gametogênese
 
Células tronco embrionárias
Células tronco embrionáriasCélulas tronco embrionárias
Células tronco embrionárias
 
Raça e etnia
Raça e etniaRaça e etnia
Raça e etnia
 
Tecido Conjuntivo
Tecido ConjuntivoTecido Conjuntivo
Tecido Conjuntivo
 
Unidade
UnidadeUnidade
Unidade
 
Movimento uniforme
Movimento uniformeMovimento uniforme
Movimento uniforme
 

Último

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 

Último (20)

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 

Fungos

  • 1. FUNGOS DISCIPLINA: Diversidade Biológica DOCENTE: Dra. Vanessa Lúcia Nogueira DISCENTES: Antônio Isael Paz Pires, José Itamar Lima, Paulo Ricardo Gonçalves Pereira e Rodolfo Ferreira de Oliveira
  • 2. INTRODUÇÃO  Os fungos são organismos eucariotos que podem ser unicelulares ou multicelulares.  São essenciais ao bem – estar da maioria dos ecossistemas pois atuam diretamente na reciclagem da matéria orgânica e no ciclo do carbono, pois atuam na cadeia alimentar como seres decompositores  São os maiores organismos vivos: há fungos que conseguem ocupar uma área equivalente à 1800 campos de futebol americano, apenas um individuo  Vivem muito, há registros de alguns indivíduos que vivem há mais de 2000 anos 2
  • 3. O FUNGO MAIS ANTIGO DO MUNDO3 FIGURA 1 – PRESENTE NA FLORESTA NACIONAL MALHEUR (EUA) ESSE CONJUNTO DE COGUMELOS NA VERDADE FORMAM UM ÚNICO FUNGO, COM TAMANHO SUPERIOR AO TERRITÓRIO BRITÂNICO GIBRALTAR  Localiza-se na Floresta Nacional Malheur, no leste do Oregon (EUA)  Maior e mais antigo fungo conhecido do mundo  Seu tamanho equivale a 965 hectares de floresta  Possui mais de 2000 anos, estimativas vão até incríveis 8 mil anos de idade
  • 4. O MAIOR FUNGO DO MUNDO4 FIGURA 2 – COMPARAÇÃO DO TAMANHO DESSE FUNGO COM GIBRALTAR. 1 ACRE EQUIVALE A MAIS DE 4000m²
  • 6. Fungos são heterotróficos uni ou multicelulares. Eles não comem os alimentos, eles os absorvem ao seu próprio corpo. FIGURA 3 – FUNGO CRESCENDO EM RESTO DE TRONCO DE ÁRVORE 6
  • 7. ESTRUTURA CORPÓREA  Filamentos multicelulares.  Leveduras. FIGURA 4 – ESTRUTURA BÁSICA DE UM FUNGO 7
  • 8. HIFAS  Podem ser do tipo:  Apenas 1cm³ de solo rico pode conter até 1 km de hifas. FIGURA 5 – TIPOS DE HIFAS. (a) SEPTADAS E (b) CENOCÍTICAS 8 (a) (b)
  • 9. HIFAS ESPECIALIZADAS  Haustórios  Hifa adaptada para capturar e matar presas. Hifa Verme 25 μm FIGURA 6 – HAUSTÓRIOS: HIFAS CAPAZES DE EXTRAIR NUTRIENTES DE CÉLULAS VEGETAIS VIVAS FIGURA 7 – ARTHROBOTRYS PREDANDO UM VERME NEMATÓIDE 9
  • 10. FUNGOS MICORRIZÍCOS FIGURA 8 – MUTUALISMO ENTRE FUNGOS E PLANTAS 10
  • 12.  Assexuada  Sexuada REPRODUÇÃO DOS FUNGOS FIGURA 9 – CICLO REPRODUTIVO GENERALIZADO DOS FUNGOS, MUITOS FUNGOS FAZEM OS DOIS TIPOS DE REPRODUÇÃO 12
  • 13.  Fragmentação  Brotamento  Esporulação Reprodução Assexuada dos Fungos FIGURA 10 – PENICILLIUM, MOFO COMUMENTE ENCONTRADO COMO DECOMPOSITOR DE ALIMENTOS E REALIZAM REPRODUÇÃO ASSEXUADA 13
  • 14. Fragmentação:  Maneira mais simples de se reproduzir  Rompimento do micélio para formar um outro micélio FIGURA 11 – ESQUEMA DA REPRODUÇÃO POR FRAGMENTAÇÃO 14
  • 15. Brotamento ou Gemulação  É o tipo de reprodução da levedura.  Podem ou não se separar do genitor, ocasionando uma cadeia de células FIGURA 12 – ESQUEMA REPRESENTADO REPRODUÇÃO POR BROTAMENTO, TÍPICA DA LEVEDURA 15
  • 16. Esporulação  O bolor negro do pão é um exemplo (Rhizopus).  Reprodução no esporângio de células haploides por mitose.  Fungos aquáticos (Allomyces) possuem esporos com flagelos Zoósporos FIGURA 13 – REPRODUÇÃO POR ESPORULAÇÃO É COMUM AOS FUNGOS CONHECIDOS POPULARMENTAR COMO MOFOS FIGURA 14 – ZÓOSPOROS SÃO PRESENTES APENAS NOS QUITRÍDEOS 16
  • 17. Reprodução Sexuada  Geralmente se inicia quando as hifas de dois micélios liberam moléculas sexuais sinalizadoras chamadas feromônios.  União de citoplasmas de micélios parentes é chamado de Plasmogamia (Heterocarióticos, monocarióticas n).  Formação de hifas dicarióticas (dois núcleos)  Formação dos corpos de frutificação (cogumelo é um corpo de frutificação).  Cariogamia-> união dos dois núcleos formando células diploides 2n (formação da hifa fértil).  A meiose restaura a condição haploide (formação de esporos para dispersão dos fungos). FIGURA 15 – ESQUEMA SIMBOLIZANDO A REPRODUÇÃO SEXUADA DOS FUNGOS 17
  • 18. FIGURA 16 – ESQUEMA MAIS DETALHADO DA REPRODUÇÃO SEXUADA DOS FUNGOS18
  • 20. A ORIGEM DOS FUNGOS  Reino Fungi, Reino Animalia e Reino Protista estritamente relacionados  Evoluíram de um ancestral protista aquático unicelular flagelado  Os fósseis mais antigos datam de 460 milhões de anos  Estimativas de 1 bilhão de anos  Microsporídios e fungos  Do ambiente aquático ao terrestre  Desde sempre tendo relações com plantas 20
  • 21. EVOLUÇÃO DOS FUNGOS ANCESTRAL UNICELULAR FLAGELADO ANIMAIS (E SEUS PARENTES PROTISTAS PRÓXIMOS) NUCLEARÍDEOS QUTRÍDEOS ZIGOMICETOS GLOMEROMICETOS ASCOMICETOS BASIDIOMICETOS FUNGOS 21
  • 23. QUITRÍDEOS23 QUTRÍDEOS ZIGOMICETOS GLOMEROMICETOS ASCOMICETOS BASIDIOMICETOS FUNGOS FIGURA 17 – OS QUTRÍDEOS SÃO OS ÚNICOS FUNGOS QUE POSSUEM ESPOROS FLAGELADOS - ZOÓSPOROS
  • 24. Quitrídeos  Os quitrídeos são considerados um dos grupos mais ancestrais a divergir dos outros fungos  Classificados no Filo dos Chytridiomycota  Estão presentes na maioria dos lagos e solos  Aproximadamente 1.000 espécies  Podem ser parasitas, decompositores ou mutualistas  Parede celular feita de quitina, compartilham enzimas indispensáveis e vias metabólicas com outros grupos de fungos.  Alguns formam colônias com hifas, e outros existem como células isoladas esféricas. 24
  • 25. ZIGOMICETOS25 QUTRÍDEOS ZIGOMICETOS GLOMEROMICETOS ASCOMICETOS BASIDIOMICETOS FUNGOS FIGURA 18 – AS HIFAS DE ALGUNS ZIGOMICETOS, COMO ESSE MOFO, CHAMADO DE MUCOR, CRESCEM RAPIDAMENTE EM ALIMENTOS COMO PÃO E FRUTAS
  • 26. Zigomicetos  Fungos do Filo Zygomycota  Existem aproximadamente 1.000 espécies  Reprodução pode ser assexuada ou sexuada: -Assexuada: Esporângios na forma de bolbos pretos se desenvolvem e dispersão no ar. -Sexuada: Os genitores de uma união sexual são micélios de diferentes tipos sexuais com diferentes marcadores químicos, apesar de parecerem idênticos.  A plasmogamia produz uma estrutura robusta chamada de zigosporângio, na qual a cariogamia e em seguida a meiose ocorrem. 26
  • 27. GLOMEROMICETOS27 QUTRÍDEOS ZIGOMICETOS GLOMEROMICETOS ASCOMICETOS BASIDIOMICETOS FUNGOS FIGURA 19 – OS GLOMEROMICETOS POSSUEM EXTREMA IMPORTÂNCIA ECOLÓGICA. MUITAS PLANTAS FORMAM ASSOCIAÇÕES MICORRÍZICAS COM ESSES FUNGOS
  • 28. Glomeromicetos  Fungos do Filo Glomeromycota  160 espécies de fungos identificadas até hoje  Antigamente considerados zigomicetos  Quase todos formam micorrizas arbusculares  As pontas das hifas que penetram nas células de raízes vegetais se ramificam em estruturas minúsculas na forma de arvore, conhecidas como arbúsculos. Cerca de 90% de todas as espécies de plantas apresentam parcerias mutualísticas com os glomeromicetos . 28
  • 29. ASCOMICETOS29 QUTRÍDEOS ZIGOMICETOS GLOMEROMICETOS ASCOMICETOS BASIDIOMICETOS FUNGOS FIGURA 20 – TAMBÉM CONHECIDOS COMO FUNGOS DE SACO, SÃO COMUNS EM AMBIENTES AQUÁTICOS, MARINHOS E DE ÁGUA DOCE
  • 30.  Fungos do Filo Ascomycota  Cerca de 65.000 espécies  Reprodução por esporos sexuados em estruturas em forma de saco, os ascos  Geralmente chamados de “fungos de saco ”  Possui seus estágios sexuados em corpos de frutificação(ascocarpos)  Os sacos formadores de esporos se encontram nos ascocarpos. Ascomicetos30
  • 31. BASIDIOMICETOS31 QUTRÍDEOS ZIGOMICETOS GLOMEROMICETOS ASCOMICETOS BASIDIOMICETOS FUNGOS FIGURA 21 – FUNGOS DECOMPOSITORES, CHAMADOS TAMBÉM DE FUNGOS DE TACO. OS COGUMELOS SÃO AS PARTES DE FRUTIFICAÇÃO DESSE TIPO DE FUNGO
  • 32. Basidiomicetos  Classificados no Filo Basidiomycota  Aproximadamente 30.000 espécies  Alguns basidiomicetos são os melhores decompositores do polímero complexo de lignina  Se reproduz sexuadamente pela produção de elaborados corpos de frutificação (Basidiocarpos)  Seu corpo pode frutificar em apenas algumas horas  O micélio abaixo do anel de fada se expande cerca de 30 cm por ano decompondo a matéria orgânica do solo onde cresce.  Os basídios em um basidiocarpo são fontes dos esporos sexuais chamados de basidiósporos.  As lamelas de um cogumelo branco comum possui área superficial de 200cm² 32 Nem sempre os fungos eram capazes de decompor a lignina, o que tornou o estocamento de carvão fóssil possível
  • 34. FUNGOS DECOMPOSITORES  Fazem boa parte da manutenção do ciclo do Carbono e do Nitrogênio  Essenciais a toda a vida na Terra  Alguns fungos são capazes de consumir qualquer substrato que possua Carbono 34 FIGURA 22 – OS BASIDIOMICETOS CONSTITUEM BOA PARTE DOS FUNGOS DECOMPOSITORES
  • 35. FUNGOS MUTUALISTAS  Os fungos podem formar relações mutualísticas com plantas, algas, cianobactérias e animais. Podemos classificar essas relações de 3 maneiras:  Mutualismos Fungo-Planta  Simbiose Fungo-Animal  Líquens 35
  • 36. Mutualismos Fungo-Planta  Fungos micorrízicos: Essenciais a maioria das plantas vasculares  Fornecem proteção, água e sais minerais as plantas e em, troca recebem das mesmas compostos orgânicas, como carboidratos  Endófitos simbiontes: Presentes em quase todos as plantas  Grande maioria deles são ascomicetos  Fornecem proteção às plantas 36 FIGURA 23 – FUNGOS ENDÓFITOS NOS TECIDOS INTRACELULARES DE UMA PLANTA
  • 37. Simbiose Fungo-Animal  Alguns fungos estão em relação de trocas de nutrientes com animais  Esses tipos de fungos não viveriam sem seus parceiros animais e vice-versa 37 FIGURA 24 – ESSAS FORMIGAS CORTADORAS DE FOLHAS DEPENDEM DOS FUNGOS PARA CONVERTER MATERIAL VEGETAL EM NUTRIENTES DE FÁCIL DIGESTÃO
  • 38. Líquens  Associações simbióticas entre um micro-organismo fotossintetizante e um fungo  Crescem em locais variados: rochas, troncos, árvores, telhados  A maioria dos fungos que formam os líquens são ascomicetos  Fazem associações com algas e cianobactérias  Denominados às vezes como um único organismo  Um a cada sete fungos fazem esse tipo de associação  Trocas gasosas e de nutrientes  Indicadores da qualidade do ar 38
  • 39. Líquens39 FIGURA 25 – LÍQUEN FORMADO POR UMA ESPÉCIE DE ALGAS E UM FUNGO ASCOMITCETO FIGURA 26 – LÍQUEN FOLIOSO (COM APARENCIA DE FOLHA)
  • 40. FUNGOS PATÓGENOS  Cerca de 30% das 100 mil espécies de fungos são parasitas ou patógenos  A maioria ataca plantas  Apenas 50 espécies são prejudiciais ao ser humano e demais animais  Poucos danos aos seres humanos, a maioria dos problemas causados pelos fungos são chamados de micoses.  Micoses Sistêmicas podem ser fatais 40 FIGURA 27 – CARVÃO DO MILHO. ALGUNS FUNGOS PODEM REPRESENTAR DRÁSTICAS PRAGAS AGRÍCOLAS
  • 41. FUNGOS PATÓGENOS – UMA CATASTRÓFE HISTÓRICA  Em 944, cerca de 40 mil pessoas morreram na França por uma doença chamada ergotismo  Causada pelo fungo Claviceps purpurea, o mesmo que causa o esporão do centeio  Um composto desse esporão é utilizado na produção do LSD 41 FIGURA 28 – ESPORÃO DO CENTEIO. EM 944 UMA DOENÇA CAUSADA POR ELE MATOU MAIS DE 40 MIL PESSOAS NA FRANÇA
  • 43. AGRICULTURA  Apesar de alguns fungos serem verdadeiras pragas agrícolas, há outros que se fazem fundamentais à mesma  Se não fosse pelos fungos decompositores em geral, nosso solo seria muito pobre em matéria orgânica  As micorrizas se fazem fundamentais no ciclo ecológico dos ecossistemas, pois sem elas a maioria das plantas não sobreviveria. 43
  • 44. GASTRONOMIA  Presente na indústria de bebidas e de alimentos FIGURA 29 – GASTRONOMIA DOS FUNGOS: (a) CHAMPGNON, COGUMELO COMESTÍVEL E ALTAMENTE NUTRITIVO; (b) CERVEJAS, FUNGOS SÃO UTILIZADOS NA SUA FERMENTAÇÃO; (c) VINHOS, NECESSITAM TAMBÉM DOS FUNGOS NO SEU PREPARO; (d) QUEIJO GORGONZOLA, O FUNGO PENICILLIUM É INJETADO NELE PARA DAR UM SABOR ESPECIAL (c) (b)(a) (d) 44
  • 45. MEDICINA Staphylococcus Penicillium Zona de inibição do crescimento  Podem ser usados como antibióticos  Controladores da pressão sanguínea  Aplicação na biotecnologia  Tratamento de doenças crônicas FIGURA 30 – O MOFO ACIMA PRODUZ UM ANTIBIÓTICO QUE INIBE O CRESCIMENTO DESSA BACTÉRIA 45
  • 46. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  CAMPBELL, Neil A. et al; BIOLOGIA. 8 ed. Porto Alegre: Artmed, 2010  DAWKINS, Richard. A grande história da Evolução: Na trilha dos nossos ancestrais. São Paulo: Cia das Letras, 2009.  SADAVA, David et al; Vida: a ciência da Biologia. Volume II, 8ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. 46