SlideShare uma empresa Scribd logo
Fungos nas Plantas
Bruno Djvan
Henrique Bernardino
Maria das Graças
Rodrigo Moura
Fungos
• É um grupo de organismos eucariotas, que inclui
micro-organismo tais como as leveduras, bolores,
bem como o mais familiar, o cogumelo.
• São classificados num reino separado das plantas,
animais e bactérias.
• Produzem grande quantidade de enzimas
digestivas, papel de decompositores.
Fungos nas Plantas
• Estima-se que 70% das principais doenças das
plantas são causadas por fungos.
• Organismos minúsculos que produzem enormes
quantidades de esporos. Que são rapidamente
propagados graças ao vento, á água, aos insetos ou
aos animais.
Fungos nas Plantas
• Os fungos ainda são difíceis de eliminar porque
podem manter-se dormentes no solo, em resto de
plantas que se encontram em decomposição ou
numa planta saudável, á espera das condições
climáticas perfeitas para voltarem a contaminar.
Sintomas
• Uma planta doente apresenta várias alterações ao
nível do seu metabolismo, da cor, dos diferentes
órgãos e anatomia, podendo passar a produzir
substâncias anormais.
• Bolores cinzentos ou pretos, pó branco, bolhas cor
de ferrugem, uma massa ou crescimento preto,
leveduras, cogumelos, entre outros.
Alguns Fungos...
• Alternaria: Provoca manchas e a degradação
da maria-sem-vergonha.
Bipolaris
• Causa mancha pardas e leva á necrose das
folhas, como nas maranta.
Diplocarpon Rosae
• Causa manchas nas folhas e se dissemina com
a alta umidade, nas roseiras.
Cercosporiose
• Manchas arredondadas, pequenas, bem
delimitadas e com pequenas pontuações.
Botrytis Cinerea
• Surge quando há excesso de umidade e
temperaturas elevadas.
Míldio
Oídio
Míldio
• É uma doença causada por fungos da família das
peronoparáceas que ataca os órgãos das plantas,
formando uma camada pulverulenta semelhante a
farinha.
Míldio
Míldio
• Os fungos propagam-se muito rapidamente,
especialmente com o tempo úmido, e causando
grandes prejuízos.
• Na videira o fungo que ataca é o “ Plasmopara
vitícola”, ataca as uvas e as folhas.
Míldio
Oídio
• É uma doença que ocorre nas plantas,
principalmente na videira.
• É causada por um fungo ectoparasita, cujo se
desenvolve sobre todos os tecidos verdes. ( Ex:
Folhas, cachos, entre outros)
Oídio
Oídio
• Nas folhas, na parte superior surge pequenas
manchas descoloradas e uma cor branco
acinzentado.
• A doença ganha maior importância quando
ocorrem períodos sem chuva, mas em que o
ar mantém elevada humidade.
Oídio
Medidas de controle
• Uma vez detectada uma doença provocada
por fungo, o tratamento pode começar.
• O primeiro passo é a remoção de partes e até
de plantas inteiras com sintomas de
infestação, evitando assim a propagação da
patologia.
Medidas de controle
• Para o controle da degradação dos vegetais, o
mercado e o conhecimento popular dispõem
de alternativas menos agressivas e mais
ecológicas que os fungicidas sintéticos.
• O ideal é recorrer a um técnico especializado
para obter o diagnóstico correto do problema,
especialmente se for necessário recorrer a
fungicidas, que precisam ser utilizados com
muito critério e rigor.
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Irrigação
IrrigaçãoIrrigação
Irrigação
Dil J. Messias
 
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas  plantasControle alternativo de pragas e doenças nas  plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
João Siqueira da Mata
 
Hortaliças
HortaliçasHortaliças
Hortaliças
Tainá Alves
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
CETEP, FTC, FASA..
 
Aula 2 introdução floricultura
Aula 2   introdução floriculturaAula 2   introdução floricultura
Aula 2 introdução floricultura
siterra
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Geagra UFG
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
Jadson Belem de Moura
 
Fitopatologia
FitopatologiaFitopatologia
Fitopatologia
Jadson Belem de Moura
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
unesp
 
Irrigação
IrrigaçãoIrrigação
Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa
Leandro A. Machado de Moura
 
Fenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do GirassolFenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do Girassol
Geagra UFG
 
UFMT 2017 - Fitonematoides
UFMT 2017 - FitonematoidesUFMT 2017 - Fitonematoides
UFMT 2017 - Fitonematoides
Giovani de Oliveira Arieira
 
Enxertia
EnxertiaEnxertia
Enxertia
Janeiro Ousa
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
Geagra UFG
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
UERGS
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
André Fontana Weber
 
Adubação Verde
Adubação VerdeAdubação Verde
Adubação Verde
Marynara Barros
 
Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
Geagra UFG
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle Biológico
João Felix
 

Mais procurados (20)

Irrigação
IrrigaçãoIrrigação
Irrigação
 
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas  plantasControle alternativo de pragas e doenças nas  plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
 
Hortaliças
HortaliçasHortaliças
Hortaliças
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Aula 2 introdução floricultura
Aula 2   introdução floriculturaAula 2   introdução floricultura
Aula 2 introdução floricultura
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
Fitopatologia
FitopatologiaFitopatologia
Fitopatologia
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
 
Irrigação
IrrigaçãoIrrigação
Irrigação
 
Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa
 
Fenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do GirassolFenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do Girassol
 
UFMT 2017 - Fitonematoides
UFMT 2017 - FitonematoidesUFMT 2017 - Fitonematoides
UFMT 2017 - Fitonematoides
 
Enxertia
EnxertiaEnxertia
Enxertia
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
 
Adubação Verde
Adubação VerdeAdubação Verde
Adubação Verde
 
Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle Biológico
 

Destaque

Protozoário algas e fungos capitulo 3
Protozoário algas e fungos capitulo 3Protozoário algas e fungos capitulo 3
Protozoário algas e fungos capitulo 3
Professora Raquel
 
Fungos
FungosFungos
Fungos e algas
Fungos e algasFungos e algas
Fungos e algas
aulasdotubao
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Altair Hoepers
 
Grupo - 3
Grupo - 3 Grupo - 3
Grupo - 3
Diego Souza
 
II.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiII.4 Reino Fungi
II.4 Reino Fungi
Rebeca Vale
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Marina Soares
 
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - ApresentaçãoOs 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
Rodrigo Ikegaya
 
Fungos noturno 3 D
Fungos  noturno 3 D Fungos  noturno 3 D
Fungos noturno 3 D
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Apres Algas
Apres AlgasApres Algas
Apres Algas
elainesouza
 
Importância econômica das algas
Importância econômica das algasImportância econômica das algas
Importância econômica das algas
Paulo Oliveira
 
Os fungos 2011
Os fungos 2011Os fungos 2011
Os fungos 2011
ISJ
 
Reino protista algas
Reino protista algasReino protista algas
Reino protista algas
Iuri Fretta Wiggers
 
A ecologia grupo 3
A ecologia grupo 3A ecologia grupo 3
A ecologia grupo 3
Zaara Miranda
 
Algas uni e pluricelulares
Algas uni e pluricelularesAlgas uni e pluricelulares
Algas uni e pluricelulares
ProfDelminda
 
Micoses subcutâneas
Micoses subcutâneasMicoses subcutâneas
Micoses subcutâneas
Déa Pereira
 
Grandes civilizações grupo 3
Grandes civilizações grupo 3Grandes civilizações grupo 3
Grandes civilizações grupo 3
Lucas Stifler
 
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
Julio Cesar Ferreira dos Passos
 
PLANO DE AULA - GRUPO 3
PLANO DE AULA - GRUPO 3PLANO DE AULA - GRUPO 3
PLANO DE AULA - GRUPO 3
Camile Mattos
 
Algas
AlgasAlgas

Destaque (20)

Protozoário algas e fungos capitulo 3
Protozoário algas e fungos capitulo 3Protozoário algas e fungos capitulo 3
Protozoário algas e fungos capitulo 3
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Fungos e algas
Fungos e algasFungos e algas
Fungos e algas
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Grupo - 3
Grupo - 3 Grupo - 3
Grupo - 3
 
II.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiII.4 Reino Fungi
II.4 Reino Fungi
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - ApresentaçãoOs 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
 
Fungos noturno 3 D
Fungos  noturno 3 D Fungos  noturno 3 D
Fungos noturno 3 D
 
Apres Algas
Apres AlgasApres Algas
Apres Algas
 
Importância econômica das algas
Importância econômica das algasImportância econômica das algas
Importância econômica das algas
 
Os fungos 2011
Os fungos 2011Os fungos 2011
Os fungos 2011
 
Reino protista algas
Reino protista algasReino protista algas
Reino protista algas
 
A ecologia grupo 3
A ecologia grupo 3A ecologia grupo 3
A ecologia grupo 3
 
Algas uni e pluricelulares
Algas uni e pluricelularesAlgas uni e pluricelulares
Algas uni e pluricelulares
 
Micoses subcutâneas
Micoses subcutâneasMicoses subcutâneas
Micoses subcutâneas
 
Grandes civilizações grupo 3
Grandes civilizações grupo 3Grandes civilizações grupo 3
Grandes civilizações grupo 3
 
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
 
PLANO DE AULA - GRUPO 3
PLANO DE AULA - GRUPO 3PLANO DE AULA - GRUPO 3
PLANO DE AULA - GRUPO 3
 
Algas
AlgasAlgas
Algas
 

Semelhante a Fungos nas Plantas - Oídio e Míldio

Controle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na JardinagemControle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na Jardinagem
Leandro A. Machado de Moura
 
Podridão de órgãos de reserva
Podridão de órgãos de reservaPodridão de órgãos de reserva
Podridão de órgãos de reserva
Warlley Silva
 
Trabalho de agroecologia ppx.pptx
Trabalho de agroecologia ppx.pptxTrabalho de agroecologia ppx.pptx
Trabalho de agroecologia ppx.pptx
deniseterceiroano
 
Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia
Hemilly Rayanne
 
Os Fungos
Os FungosOs Fungos
manejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrialmanejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrial
GETA - UFG
 
Tudo sobre os reinos animais e fungos omo vivem
Tudo sobre os reinos animais e fungos omo vivemTudo sobre os reinos animais e fungos omo vivem
Tudo sobre os reinos animais e fungos omo vivem
pedrohenriquefreire11
 
Fungos
FungosFungos
Manejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiroManejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiro
Geagra UFG
 
Pragas e doenças nas hortícolas
Pragas e doenças nas hortícolasPragas e doenças nas hortícolas
Pragas e doenças nas hortícolas
Epfr De Estaquinha
 
Doenças tomateiro
Doenças tomateiroDoenças tomateiro
Doenças tomateiro
Dayenne Herrera
 
Manejo de-pragas-finalizado (2)
Manejo de-pragas-finalizado (2)Manejo de-pragas-finalizado (2)
Manejo de-pragas-finalizado (2)
Emidio Barros
 
Doençãs fungicas do milho pdf
Doençãs fungicas do milho pdfDoençãs fungicas do milho pdf
Doençãs fungicas do milho pdf
Evangela Gielow
 
INFECÇÕES FUNGICAS DE PELE E UNHA.pptx
INFECÇÕES FUNGICAS DE PELE E UNHA.pptxINFECÇÕES FUNGICAS DE PELE E UNHA.pptx
INFECÇÕES FUNGICAS DE PELE E UNHA.pptx
MagaliCristina1
 
Micologia
MicologiaMicologia
Micologia
Thomas Rodrigues
 
Trabalho de grupo microorganismos
Trabalho de grupo microorganismosTrabalho de grupo microorganismos
Trabalho de grupo microorganismos
Carla Gomes
 
Classificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNewClassificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNew
Giovani de Oliveira Arieira
 
Míldio
MíldioMíldio
Míldio da videira (Plasmopara viticola)
Míldio da videira (Plasmopara viticola)Míldio da videira (Plasmopara viticola)
Míldio da videira (Plasmopara viticola)
Tales Gonçalves Rodrigues
 
Aula Micologia.pptx
Aula Micologia.pptxAula Micologia.pptx
Aula Micologia.pptx
lvaroCosta22
 

Semelhante a Fungos nas Plantas - Oídio e Míldio (20)

Controle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na JardinagemControle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na Jardinagem
 
Podridão de órgãos de reserva
Podridão de órgãos de reservaPodridão de órgãos de reserva
Podridão de órgãos de reserva
 
Trabalho de agroecologia ppx.pptx
Trabalho de agroecologia ppx.pptxTrabalho de agroecologia ppx.pptx
Trabalho de agroecologia ppx.pptx
 
Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia
 
Os Fungos
Os FungosOs Fungos
Os Fungos
 
manejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrialmanejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrial
 
Tudo sobre os reinos animais e fungos omo vivem
Tudo sobre os reinos animais e fungos omo vivemTudo sobre os reinos animais e fungos omo vivem
Tudo sobre os reinos animais e fungos omo vivem
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Manejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiroManejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiro
 
Pragas e doenças nas hortícolas
Pragas e doenças nas hortícolasPragas e doenças nas hortícolas
Pragas e doenças nas hortícolas
 
Doenças tomateiro
Doenças tomateiroDoenças tomateiro
Doenças tomateiro
 
Manejo de-pragas-finalizado (2)
Manejo de-pragas-finalizado (2)Manejo de-pragas-finalizado (2)
Manejo de-pragas-finalizado (2)
 
Doençãs fungicas do milho pdf
Doençãs fungicas do milho pdfDoençãs fungicas do milho pdf
Doençãs fungicas do milho pdf
 
INFECÇÕES FUNGICAS DE PELE E UNHA.pptx
INFECÇÕES FUNGICAS DE PELE E UNHA.pptxINFECÇÕES FUNGICAS DE PELE E UNHA.pptx
INFECÇÕES FUNGICAS DE PELE E UNHA.pptx
 
Micologia
MicologiaMicologia
Micologia
 
Trabalho de grupo microorganismos
Trabalho de grupo microorganismosTrabalho de grupo microorganismos
Trabalho de grupo microorganismos
 
Classificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNewClassificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNew
 
Míldio
MíldioMíldio
Míldio
 
Míldio da videira (Plasmopara viticola)
Míldio da videira (Plasmopara viticola)Míldio da videira (Plasmopara viticola)
Míldio da videira (Plasmopara viticola)
 
Aula Micologia.pptx
Aula Micologia.pptxAula Micologia.pptx
Aula Micologia.pptx
 

Mais de Bruno Djvan Ramos Barbosa

TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMATRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia ComparadaSistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Umbuzeiro - Caatinga
Umbuzeiro - Caatinga Umbuzeiro - Caatinga
Umbuzeiro - Caatinga
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Síndrome de Down
Síndrome de Down Síndrome de Down
Síndrome de Down
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IVEducação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
cactáceas da caatinga
cactáceas da caatinga cactáceas da caatinga
cactáceas da caatinga
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Água nas Plantas
Água nas PlantasÁgua nas Plantas
Água nas Plantas
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Aplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
Aplicação da Geoestatística em Ciências AgrariasAplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
Aplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas parte 7
Relações hídricas parte 7Relações hídricas parte 7
Relações hídricas parte 7
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas
Relações hídricasRelações hídricas
Relações hídricas
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas parte 13
Relações hídricas parte 13Relações hídricas parte 13
Relações hídricas parte 13
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas parte 12
Relações hídricas parte 12Relações hídricas parte 12
Relações hídricas parte 12
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas parte 11
Relações hídricas parte 11Relações hídricas parte 11
Relações hídricas parte 11
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas parte 10
Relações hídricas parte 10Relações hídricas parte 10
Relações hídricas parte 10
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas parte 9
Relações hídricas parte 9Relações hídricas parte 9
Relações hídricas parte 9
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas parte 8
Relações hídricas parte 8Relações hídricas parte 8
Relações hídricas parte 8
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas parte 6
Relações hídricas parte 6Relações hídricas parte 6
Relações hídricas parte 6
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Relações hídricas parte 5
Relações hídricas parte 5Relações hídricas parte 5
Relações hídricas parte 5
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 

Mais de Bruno Djvan Ramos Barbosa (20)

TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMATRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
 
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia ComparadaSistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
 
Umbuzeiro - Caatinga
Umbuzeiro - Caatinga Umbuzeiro - Caatinga
Umbuzeiro - Caatinga
 
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
 
Síndrome de Down
Síndrome de Down Síndrome de Down
Síndrome de Down
 
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IVEducação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
 
cactáceas da caatinga
cactáceas da caatinga cactáceas da caatinga
cactáceas da caatinga
 
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
 
Água nas Plantas
Água nas PlantasÁgua nas Plantas
Água nas Plantas
 
Aplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
Aplicação da Geoestatística em Ciências AgrariasAplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
Aplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
 
Relações hídricas parte 7
Relações hídricas parte 7Relações hídricas parte 7
Relações hídricas parte 7
 
Relações hídricas
Relações hídricasRelações hídricas
Relações hídricas
 
Relações hídricas parte 13
Relações hídricas parte 13Relações hídricas parte 13
Relações hídricas parte 13
 
Relações hídricas parte 12
Relações hídricas parte 12Relações hídricas parte 12
Relações hídricas parte 12
 
Relações hídricas parte 11
Relações hídricas parte 11Relações hídricas parte 11
Relações hídricas parte 11
 
Relações hídricas parte 10
Relações hídricas parte 10Relações hídricas parte 10
Relações hídricas parte 10
 
Relações hídricas parte 9
Relações hídricas parte 9Relações hídricas parte 9
Relações hídricas parte 9
 
Relações hídricas parte 8
Relações hídricas parte 8Relações hídricas parte 8
Relações hídricas parte 8
 
Relações hídricas parte 6
Relações hídricas parte 6Relações hídricas parte 6
Relações hídricas parte 6
 
Relações hídricas parte 5
Relações hídricas parte 5Relações hídricas parte 5
Relações hídricas parte 5
 

Último

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
IslanderAndrade
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 

Fungos nas Plantas - Oídio e Míldio

  • 1. Fungos nas Plantas Bruno Djvan Henrique Bernardino Maria das Graças Rodrigo Moura
  • 2. Fungos • É um grupo de organismos eucariotas, que inclui micro-organismo tais como as leveduras, bolores, bem como o mais familiar, o cogumelo. • São classificados num reino separado das plantas, animais e bactérias. • Produzem grande quantidade de enzimas digestivas, papel de decompositores.
  • 3. Fungos nas Plantas • Estima-se que 70% das principais doenças das plantas são causadas por fungos. • Organismos minúsculos que produzem enormes quantidades de esporos. Que são rapidamente propagados graças ao vento, á água, aos insetos ou aos animais.
  • 4. Fungos nas Plantas • Os fungos ainda são difíceis de eliminar porque podem manter-se dormentes no solo, em resto de plantas que se encontram em decomposição ou numa planta saudável, á espera das condições climáticas perfeitas para voltarem a contaminar.
  • 5. Sintomas • Uma planta doente apresenta várias alterações ao nível do seu metabolismo, da cor, dos diferentes órgãos e anatomia, podendo passar a produzir substâncias anormais. • Bolores cinzentos ou pretos, pó branco, bolhas cor de ferrugem, uma massa ou crescimento preto, leveduras, cogumelos, entre outros.
  • 6. Alguns Fungos... • Alternaria: Provoca manchas e a degradação da maria-sem-vergonha.
  • 7. Bipolaris • Causa mancha pardas e leva á necrose das folhas, como nas maranta.
  • 8. Diplocarpon Rosae • Causa manchas nas folhas e se dissemina com a alta umidade, nas roseiras.
  • 9. Cercosporiose • Manchas arredondadas, pequenas, bem delimitadas e com pequenas pontuações.
  • 10. Botrytis Cinerea • Surge quando há excesso de umidade e temperaturas elevadas.
  • 12. Míldio • É uma doença causada por fungos da família das peronoparáceas que ataca os órgãos das plantas, formando uma camada pulverulenta semelhante a farinha.
  • 14. Míldio • Os fungos propagam-se muito rapidamente, especialmente com o tempo úmido, e causando grandes prejuízos. • Na videira o fungo que ataca é o “ Plasmopara vitícola”, ataca as uvas e as folhas.
  • 16. Oídio • É uma doença que ocorre nas plantas, principalmente na videira. • É causada por um fungo ectoparasita, cujo se desenvolve sobre todos os tecidos verdes. ( Ex: Folhas, cachos, entre outros)
  • 18. Oídio • Nas folhas, na parte superior surge pequenas manchas descoloradas e uma cor branco acinzentado. • A doença ganha maior importância quando ocorrem períodos sem chuva, mas em que o ar mantém elevada humidade.
  • 20. Medidas de controle • Uma vez detectada uma doença provocada por fungo, o tratamento pode começar. • O primeiro passo é a remoção de partes e até de plantas inteiras com sintomas de infestação, evitando assim a propagação da patologia.
  • 21. Medidas de controle • Para o controle da degradação dos vegetais, o mercado e o conhecimento popular dispõem de alternativas menos agressivas e mais ecológicas que os fungicidas sintéticos. • O ideal é recorrer a um técnico especializado para obter o diagnóstico correto do problema, especialmente se for necessário recorrer a fungicidas, que precisam ser utilizados com muito critério e rigor.