SlideShare uma empresa Scribd logo
Do outro lado, o pondo de vista
realista estava baseado na ideia
de poder. O ideal utópico, que
ignorava a política de balanço
do poder entre Estados, não
corresponderia a uma percepção
correta da realidade
internacional. A partir de uma
visão pessimista da natureza
humana, o realismo analisa a
política como confronto de interesses em função do poder. O
conceito-chave é o de Estado-nação, que representa o
elemento básico das relações internacionais e, na luta pelo
poder, a moralidade deve estar subordinada aos interesses
políticos.
Os céticos olham com desconfiança para a globalização enfatizando o
predomínio do Estado nacional e do poder: “frequentemente associado a essa
postura cética está um sólido apego a uma ontologia essencialmente marxista
ou realista”. (Held e McGrew, 2002, p. 16). A ordem internacional - sob a
égide cética -, ao estar associada à atuação das nações econômica e
militarmente mais poderosa, dependeria das políticas e preferências das
grandes potências.
Os globalistas, por sua vez, salientam que, no novo cenário internacional, o
conceito de soberania, autonomia e legitimidade do Estado está perdendo
força. O Estado-nação está declinando em áreas do multilateralismo entre
países: “três aspectos tendem a ser identificados na literatura globalista: a
transformação dos padrões dominantes da organização socioeconômica, a do
principio territorial e a do poder. Ao fazer desaparecer as limitações do espaço
e do tempo nos padrões de interação social, a globalização cria a possibilidade
de novas formas de organização social transnacional” (Held e McGrew, 2002,
p. 21).
O debate deverá continuar nas
próximas décadas. A realidade
mundial, entretanto, seguirá o
seu curso, obrigando a repensar
os conceitos teóricos e a
reformular as teorias das
relações internacionais, como de
fato está ocorrendo desde o
tristemente famoso 11 de
setembro de 2001.
O cenário atual, independentemente do que venha a ocorrer em um futuro mais ou
menos próximo, é de um mundo construído com base em Estados-nações. Tal como
comentava Fernando Henrique Cardoso, por ocasião da sua visita à Rússia em
janeiro de 2002, “a economia está globalizada, mas a política não” (O Estado de
S.Paulo, 16/1/2002, p.A3).
A mesma opinião manifestou George Kennan, experiente diplomata americano ao ser
indagado pela revista Veja (10/12/97) sobre o que significava globalização: “Para mim
nada. No sentido comercial e financeiro hoje há comunicações mais eficientes entre
países do que em outros tempos. No campo político, ainda estamos longe disso. Graças
a Deus! É uma boa política temer qualquer tipo de arranjo que se pretenda global. Sou
a favor dos arranjos regionais, porque são os que realmente funcionam. Portanto, não
vejo nada de novo que justifique o uso e abuso de palavras pomposas para descrever a
presente situação internacional”.
Um último comentário de Joseph Nye, diretor da Kennedy School of Government, de
Harvard, escrevendo a respeito do poderio americano no novo século, confirma os
pontos de vista citados anteriormente: “A revolução na informação, a mudança
tecnológica e a globalização não deverão substituir o Estado-nação, porém deverão
contribuir para complicar os atores e questões no mundo político” (The Economist,
23/3/2002, p. 25).
Globalização Política

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Globalização Aspetos Económicos, Financeiros, Culturais
Globalização Aspetos Económicos, Financeiros, CulturaisGlobalização Aspetos Económicos, Financeiros, Culturais
Globalização Aspetos Económicos, Financeiros, Culturais
Bruno Pinto
 
O mundo pós guerra
O mundo pós guerraO mundo pós guerra
O mundo pós guerra
Carla Teixeira
 
3° ano - Guerra Fria
3° ano - Guerra Fria3° ano - Guerra Fria
3° ano - Guerra Fria
Daniel Alves Bronstrup
 
A guerra fria
A guerra friaA guerra fria
A guerra fria
Joana Melo
 
Globalização t2
Globalização t2Globalização t2
Globalização t2
Anabelafernandes
 
Apos a guerra fria
Apos a guerra friaApos a guerra fria
Apos a guerra fria
cattonia
 
Comércio mundial.
Comércio mundial.Comércio mundial.
Comércio mundial.
Camila Brito
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Elaine Bogo Pavani
 
Mundo Bipolar
Mundo BipolarMundo Bipolar
Mundo Bipolar
Carlos Vieira
 
Muro De Berlim
Muro De BerlimMuro De Berlim
Muro De Berlim
Ana Paula Casanova
 
Onu
OnuOnu
AFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
AFEGANISTÃO: Guerras e ConflitosAFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
AFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
Kéliton Ferreira
 
Guerra fria e o mundo bipolar
Guerra fria e o mundo bipolarGuerra fria e o mundo bipolar
Guerra fria e o mundo bipolar
Thamires Bragança
 
Material sobre globalização
Material sobre globalizaçãoMaterial sobre globalização
Material sobre globalização
flaviocosac
 
O comércio multilateral
O comércio multilateralO comércio multilateral
O comércio multilateral
João José Ferreira Tojal
 
O mundo bipolar
O mundo bipolarO mundo bipolar
O mundo bipolar
fabiofatudatrabalhos
 
História 9º ano slide Guerra Fria
História   9º ano slide Guerra FriaHistória   9º ano slide Guerra Fria
História 9º ano slide Guerra Fria
Janaína Bindá
 
ATENTADOS TERRORISTAS DE 11 DE SETEMBRO
ATENTADOS TERRORISTAS DE 11 DE SETEMBROATENTADOS TERRORISTAS DE 11 DE SETEMBRO
ATENTADOS TERRORISTAS DE 11 DE SETEMBRO
Cristina Soares
 
Onu
OnuOnu
A Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUAA Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUA
João Lima
 

Mais procurados (20)

Globalização Aspetos Económicos, Financeiros, Culturais
Globalização Aspetos Económicos, Financeiros, CulturaisGlobalização Aspetos Económicos, Financeiros, Culturais
Globalização Aspetos Económicos, Financeiros, Culturais
 
O mundo pós guerra
O mundo pós guerraO mundo pós guerra
O mundo pós guerra
 
3° ano - Guerra Fria
3° ano - Guerra Fria3° ano - Guerra Fria
3° ano - Guerra Fria
 
A guerra fria
A guerra friaA guerra fria
A guerra fria
 
Globalização t2
Globalização t2Globalização t2
Globalização t2
 
Apos a guerra fria
Apos a guerra friaApos a guerra fria
Apos a guerra fria
 
Comércio mundial.
Comércio mundial.Comércio mundial.
Comércio mundial.
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Mundo Bipolar
Mundo BipolarMundo Bipolar
Mundo Bipolar
 
Muro De Berlim
Muro De BerlimMuro De Berlim
Muro De Berlim
 
Onu
OnuOnu
Onu
 
AFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
AFEGANISTÃO: Guerras e ConflitosAFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
AFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
 
Guerra fria e o mundo bipolar
Guerra fria e o mundo bipolarGuerra fria e o mundo bipolar
Guerra fria e o mundo bipolar
 
Material sobre globalização
Material sobre globalizaçãoMaterial sobre globalização
Material sobre globalização
 
O comércio multilateral
O comércio multilateralO comércio multilateral
O comércio multilateral
 
O mundo bipolar
O mundo bipolarO mundo bipolar
O mundo bipolar
 
História 9º ano slide Guerra Fria
História   9º ano slide Guerra FriaHistória   9º ano slide Guerra Fria
História 9º ano slide Guerra Fria
 
ATENTADOS TERRORISTAS DE 11 DE SETEMBRO
ATENTADOS TERRORISTAS DE 11 DE SETEMBROATENTADOS TERRORISTAS DE 11 DE SETEMBRO
ATENTADOS TERRORISTAS DE 11 DE SETEMBRO
 
Onu
OnuOnu
Onu
 
A Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUAA Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUA
 

Destaque

Globalização cultural
Globalização culturalGlobalização cultural
Globalização cultural
Jessie1r98
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Luciano Pessanha
 
GLOBALIZAÇÃO CULTURAL
GLOBALIZAÇÃO CULTURALGLOBALIZAÇÃO CULTURAL
GLOBALIZAÇÃO CULTURAL
Murtinheira1964
 
Sociologia - Globalização
Sociologia   - Globalização Sociologia   - Globalização
Sociologia - Globalização
Carmem Rocha
 
Vantagens e desvantagens da globalização
Vantagens e desvantagens da globalizaçãoVantagens e desvantagens da globalização
Vantagens e desvantagens da globalização
Zé Stinson
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
João Couto
 
Globalização modulo4
Globalização modulo4Globalização modulo4
Globalização modulo4
PTAI
 
Cultura Global ou Globalização das Culturas
Cultura Global ou Globalização das CulturasCultura Global ou Globalização das Culturas
Cultura Global ou Globalização das Culturas
Jorge Barbosa
 
GLOBALIZAÇÃO
GLOBALIZAÇÃOGLOBALIZAÇÃO
GLOBALIZAÇÃO
guest87c201
 
Globalização - Ricardo
Globalização - RicardoGlobalização - Ricardo
Globalização - Ricardo
TurmaD
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Vinicius Coelho
 
Globalização sociologia
Globalização   sociologiaGlobalização   sociologia
Globalização sociologia
vozativaasd
 
Globalização econômica
Globalização  econômicaGlobalização  econômica
Globalização econômica
Washington sucupira
 
Globalização historia
Globalização   historiaGlobalização   historia
Globalização historia
Rute Teles
 
Brasil, Globalização e a Nova Ordem Mundial
Brasil, Globalização e a Nova Ordem MundialBrasil, Globalização e a Nova Ordem Mundial
Brasil, Globalização e a Nova Ordem Mundial
Cristiane Freitas
 
O Papel das Organizações Internacionais
O Papel das Organizações InternacionaisO Papel das Organizações Internacionais
O Papel das Organizações Internacionais
Jorge Barbosa
 
Organizações Internacionais
Organizações InternacionaisOrganizações Internacionais
Organizações Internacionais
fabiofatudatrabalhos
 
Slide GlobalizaçãO
Slide GlobalizaçãOSlide GlobalizaçãO
Slide GlobalizaçãO
rsaloes
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Lucas Nunes de Souza
 
Política de remuneração das forças armadas
Política de remuneração das forças armadasPolítica de remuneração das forças armadas
Política de remuneração das forças armadas
Ricardo Montedo
 

Destaque (20)

Globalização cultural
Globalização culturalGlobalização cultural
Globalização cultural
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
GLOBALIZAÇÃO CULTURAL
GLOBALIZAÇÃO CULTURALGLOBALIZAÇÃO CULTURAL
GLOBALIZAÇÃO CULTURAL
 
Sociologia - Globalização
Sociologia   - Globalização Sociologia   - Globalização
Sociologia - Globalização
 
Vantagens e desvantagens da globalização
Vantagens e desvantagens da globalizaçãoVantagens e desvantagens da globalização
Vantagens e desvantagens da globalização
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Globalização modulo4
Globalização modulo4Globalização modulo4
Globalização modulo4
 
Cultura Global ou Globalização das Culturas
Cultura Global ou Globalização das CulturasCultura Global ou Globalização das Culturas
Cultura Global ou Globalização das Culturas
 
GLOBALIZAÇÃO
GLOBALIZAÇÃOGLOBALIZAÇÃO
GLOBALIZAÇÃO
 
Globalização - Ricardo
Globalização - RicardoGlobalização - Ricardo
Globalização - Ricardo
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Globalização sociologia
Globalização   sociologiaGlobalização   sociologia
Globalização sociologia
 
Globalização econômica
Globalização  econômicaGlobalização  econômica
Globalização econômica
 
Globalização historia
Globalização   historiaGlobalização   historia
Globalização historia
 
Brasil, Globalização e a Nova Ordem Mundial
Brasil, Globalização e a Nova Ordem MundialBrasil, Globalização e a Nova Ordem Mundial
Brasil, Globalização e a Nova Ordem Mundial
 
O Papel das Organizações Internacionais
O Papel das Organizações InternacionaisO Papel das Organizações Internacionais
O Papel das Organizações Internacionais
 
Organizações Internacionais
Organizações InternacionaisOrganizações Internacionais
Organizações Internacionais
 
Slide GlobalizaçãO
Slide GlobalizaçãOSlide GlobalizaçãO
Slide GlobalizaçãO
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Política de remuneração das forças armadas
Política de remuneração das forças armadasPolítica de remuneração das forças armadas
Política de remuneração das forças armadas
 

Semelhante a Globalização Política

Crise Mundial e Interdependência nas Relações Internacionais, por Robson Coel...
Crise Mundial e Interdependência nas Relações Internacionais, por Robson Coel...Crise Mundial e Interdependência nas Relações Internacionais, por Robson Coel...
Crise Mundial e Interdependência nas Relações Internacionais, por Robson Coel...
Robson Valdez
 
1963 3442-1-pb
1963 3442-1-pb1963 3442-1-pb
1963 3442-1-pb
Carlos Oliveira
 
O EXERCÍCIO DO PODER E DA LIDERANÇA INTERNACIONAL NO SÉCULO XXI
O EXERCÍCIO DO PODER E DA LIDERANÇA INTERNACIONAL NO SÉCULO XXI O EXERCÍCIO DO PODER E DA LIDERANÇA INTERNACIONAL NO SÉCULO XXI
O EXERCÍCIO DO PODER E DA LIDERANÇA INTERNACIONAL NO SÉCULO XXI
Johnny Kallay
 
Cadernos Opção Socialista - Edição 2
Cadernos Opção Socialista - Edição 2Cadernos Opção Socialista - Edição 2
Cadernos Opção Socialista - Edição 2
Sofia Cavedon
 
Duas perspectivas de mundo: relações exteriores do Brasil entre1995 e 2006
Duas perspectivas de mundo: relações exteriores do Brasil entre1995 e 2006Duas perspectivas de mundo: relações exteriores do Brasil entre1995 e 2006
Duas perspectivas de mundo: relações exteriores do Brasil entre1995 e 2006
Nina Santos
 
Geopolítica e o poder(3)
Geopolítica e o poder(3)Geopolítica e o poder(3)
Geopolítica e o poder(3)
CIRINEU COSTA
 
10 hans morgenthau
10  hans morgenthau10  hans morgenthau
10 hans morgenthau
Rafael Pons
 
Artigo Pucminas Gustavo Servilha
Artigo Pucminas Gustavo ServilhaArtigo Pucminas Gustavo Servilha
Artigo Pucminas Gustavo Servilha
guest23053a
 
Diplomacia e Rel. Internacionais, por Alex Terra e Wagner Muniz, UERJ.pptx
Diplomacia e Rel. Internacionais, por Alex Terra e Wagner Muniz, UERJ.pptxDiplomacia e Rel. Internacionais, por Alex Terra e Wagner Muniz, UERJ.pptx
Diplomacia e Rel. Internacionais, por Alex Terra e Wagner Muniz, UERJ.pptx
Wagner Muniz
 
Realismo nas Relações Internacionais e sua cronologia
Realismo nas Relações Internacionais e sua cronologia Realismo nas Relações Internacionais e sua cronologia
Realismo nas Relações Internacionais e sua cronologia
Sarah Silva
 
Instituições e desenvolvimento econômico na abordagem do excedente
Instituições e desenvolvimento econômico na abordagem do excedenteInstituições e desenvolvimento econômico na abordagem do excedente
Instituições e desenvolvimento econômico na abordagem do excedente
Grupo de Economia Política IE-UFRJ
 
Caos nas relações internacionais contemporâneas
Caos nas relações internacionais contemporâneasCaos nas relações internacionais contemporâneas
Caos nas relações internacionais contemporâneas
Fernando Alcoforado
 
omp,+Gerenciar+editora,+Livro_Gepolítica___19_05_2021___versão_1 (1).pdf
omp,+Gerenciar+editora,+Livro_Gepolítica___19_05_2021___versão_1 (1).pdfomp,+Gerenciar+editora,+Livro_Gepolítica___19_05_2021___versão_1 (1).pdf
omp,+Gerenciar+editora,+Livro_Gepolítica___19_05_2021___versão_1 (1).pdf
Pablo Mereles
 

Semelhante a Globalização Política (13)

Crise Mundial e Interdependência nas Relações Internacionais, por Robson Coel...
Crise Mundial e Interdependência nas Relações Internacionais, por Robson Coel...Crise Mundial e Interdependência nas Relações Internacionais, por Robson Coel...
Crise Mundial e Interdependência nas Relações Internacionais, por Robson Coel...
 
1963 3442-1-pb
1963 3442-1-pb1963 3442-1-pb
1963 3442-1-pb
 
O EXERCÍCIO DO PODER E DA LIDERANÇA INTERNACIONAL NO SÉCULO XXI
O EXERCÍCIO DO PODER E DA LIDERANÇA INTERNACIONAL NO SÉCULO XXI O EXERCÍCIO DO PODER E DA LIDERANÇA INTERNACIONAL NO SÉCULO XXI
O EXERCÍCIO DO PODER E DA LIDERANÇA INTERNACIONAL NO SÉCULO XXI
 
Cadernos Opção Socialista - Edição 2
Cadernos Opção Socialista - Edição 2Cadernos Opção Socialista - Edição 2
Cadernos Opção Socialista - Edição 2
 
Duas perspectivas de mundo: relações exteriores do Brasil entre1995 e 2006
Duas perspectivas de mundo: relações exteriores do Brasil entre1995 e 2006Duas perspectivas de mundo: relações exteriores do Brasil entre1995 e 2006
Duas perspectivas de mundo: relações exteriores do Brasil entre1995 e 2006
 
Geopolítica e o poder(3)
Geopolítica e o poder(3)Geopolítica e o poder(3)
Geopolítica e o poder(3)
 
10 hans morgenthau
10  hans morgenthau10  hans morgenthau
10 hans morgenthau
 
Artigo Pucminas Gustavo Servilha
Artigo Pucminas Gustavo ServilhaArtigo Pucminas Gustavo Servilha
Artigo Pucminas Gustavo Servilha
 
Diplomacia e Rel. Internacionais, por Alex Terra e Wagner Muniz, UERJ.pptx
Diplomacia e Rel. Internacionais, por Alex Terra e Wagner Muniz, UERJ.pptxDiplomacia e Rel. Internacionais, por Alex Terra e Wagner Muniz, UERJ.pptx
Diplomacia e Rel. Internacionais, por Alex Terra e Wagner Muniz, UERJ.pptx
 
Realismo nas Relações Internacionais e sua cronologia
Realismo nas Relações Internacionais e sua cronologia Realismo nas Relações Internacionais e sua cronologia
Realismo nas Relações Internacionais e sua cronologia
 
Instituições e desenvolvimento econômico na abordagem do excedente
Instituições e desenvolvimento econômico na abordagem do excedenteInstituições e desenvolvimento econômico na abordagem do excedente
Instituições e desenvolvimento econômico na abordagem do excedente
 
Caos nas relações internacionais contemporâneas
Caos nas relações internacionais contemporâneasCaos nas relações internacionais contemporâneas
Caos nas relações internacionais contemporâneas
 
omp,+Gerenciar+editora,+Livro_Gepolítica___19_05_2021___versão_1 (1).pdf
omp,+Gerenciar+editora,+Livro_Gepolítica___19_05_2021___versão_1 (1).pdfomp,+Gerenciar+editora,+Livro_Gepolítica___19_05_2021___versão_1 (1).pdf
omp,+Gerenciar+editora,+Livro_Gepolítica___19_05_2021___versão_1 (1).pdf
 

Mais de Rodolfo Ferreira de Oliveira

Preconceito Linguístico
Preconceito LinguísticoPreconceito Linguístico
Preconceito Linguístico
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
O olhar imperial e a invenção da África
O olhar imperial e a invenção da ÁfricaO olhar imperial e a invenção da África
O olhar imperial e a invenção da África
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Marie Curie
Marie CurieMarie Curie
Estrelas
EstrelasEstrelas
Fungos
FungosFungos
Café
CaféCafé
Origem e evolução do ser humano
Origem e evolução do ser humanoOrigem e evolução do ser humano
Origem e evolução do ser humano
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Cabo Verde
Cabo VerdeCabo Verde
Conhecimento Empírico
Conhecimento EmpíricoConhecimento Empírico
Conhecimento Empírico
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Feitorias
FeitoriasFeitorias
O trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasilO trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasil
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
As Leis de Newton
As Leis de NewtonAs Leis de Newton
As Leis de Newton
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
A linguagem visual
A linguagem visualA linguagem visual
A linguagem visual
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Gametogênese
GametogêneseGametogênese
Células tronco embrionárias
Células tronco embrionáriasCélulas tronco embrionárias
Células tronco embrionárias
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Raça e etnia
Raça e etniaRaça e etnia
Tecido Conjuntivo
Tecido ConjuntivoTecido Conjuntivo
Tecido Conjuntivo
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Unidade
UnidadeUnidade
Movimento uniforme
Movimento uniformeMovimento uniforme
Movimento uniforme
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 

Mais de Rodolfo Ferreira de Oliveira (20)

Preconceito Linguístico
Preconceito LinguísticoPreconceito Linguístico
Preconceito Linguístico
 
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
 
O olhar imperial e a invenção da África
O olhar imperial e a invenção da ÁfricaO olhar imperial e a invenção da África
O olhar imperial e a invenção da África
 
Marie Curie
Marie CurieMarie Curie
Marie Curie
 
Estrelas
EstrelasEstrelas
Estrelas
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Café
CaféCafé
Café
 
Origem e evolução do ser humano
Origem e evolução do ser humanoOrigem e evolução do ser humano
Origem e evolução do ser humano
 
Cabo Verde
Cabo VerdeCabo Verde
Cabo Verde
 
Conhecimento Empírico
Conhecimento EmpíricoConhecimento Empírico
Conhecimento Empírico
 
Feitorias
FeitoriasFeitorias
Feitorias
 
O trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasilO trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasil
 
As Leis de Newton
As Leis de NewtonAs Leis de Newton
As Leis de Newton
 
A linguagem visual
A linguagem visualA linguagem visual
A linguagem visual
 
Gametogênese
GametogêneseGametogênese
Gametogênese
 
Células tronco embrionárias
Células tronco embrionáriasCélulas tronco embrionárias
Células tronco embrionárias
 
Raça e etnia
Raça e etniaRaça e etnia
Raça e etnia
 
Tecido Conjuntivo
Tecido ConjuntivoTecido Conjuntivo
Tecido Conjuntivo
 
Unidade
UnidadeUnidade
Unidade
 
Movimento uniforme
Movimento uniformeMovimento uniforme
Movimento uniforme
 

Último

UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 

Globalização Política

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5. Do outro lado, o pondo de vista realista estava baseado na ideia de poder. O ideal utópico, que ignorava a política de balanço do poder entre Estados, não corresponderia a uma percepção correta da realidade internacional. A partir de uma visão pessimista da natureza humana, o realismo analisa a política como confronto de interesses em função do poder. O conceito-chave é o de Estado-nação, que representa o elemento básico das relações internacionais e, na luta pelo poder, a moralidade deve estar subordinada aos interesses políticos.
  • 6.
  • 7. Os céticos olham com desconfiança para a globalização enfatizando o predomínio do Estado nacional e do poder: “frequentemente associado a essa postura cética está um sólido apego a uma ontologia essencialmente marxista ou realista”. (Held e McGrew, 2002, p. 16). A ordem internacional - sob a égide cética -, ao estar associada à atuação das nações econômica e militarmente mais poderosa, dependeria das políticas e preferências das grandes potências. Os globalistas, por sua vez, salientam que, no novo cenário internacional, o conceito de soberania, autonomia e legitimidade do Estado está perdendo força. O Estado-nação está declinando em áreas do multilateralismo entre países: “três aspectos tendem a ser identificados na literatura globalista: a transformação dos padrões dominantes da organização socioeconômica, a do principio territorial e a do poder. Ao fazer desaparecer as limitações do espaço e do tempo nos padrões de interação social, a globalização cria a possibilidade de novas formas de organização social transnacional” (Held e McGrew, 2002, p. 21).
  • 8. O debate deverá continuar nas próximas décadas. A realidade mundial, entretanto, seguirá o seu curso, obrigando a repensar os conceitos teóricos e a reformular as teorias das relações internacionais, como de fato está ocorrendo desde o tristemente famoso 11 de setembro de 2001. O cenário atual, independentemente do que venha a ocorrer em um futuro mais ou menos próximo, é de um mundo construído com base em Estados-nações. Tal como comentava Fernando Henrique Cardoso, por ocasião da sua visita à Rússia em janeiro de 2002, “a economia está globalizada, mas a política não” (O Estado de S.Paulo, 16/1/2002, p.A3).
  • 9. A mesma opinião manifestou George Kennan, experiente diplomata americano ao ser indagado pela revista Veja (10/12/97) sobre o que significava globalização: “Para mim nada. No sentido comercial e financeiro hoje há comunicações mais eficientes entre países do que em outros tempos. No campo político, ainda estamos longe disso. Graças a Deus! É uma boa política temer qualquer tipo de arranjo que se pretenda global. Sou a favor dos arranjos regionais, porque são os que realmente funcionam. Portanto, não vejo nada de novo que justifique o uso e abuso de palavras pomposas para descrever a presente situação internacional”. Um último comentário de Joseph Nye, diretor da Kennedy School of Government, de Harvard, escrevendo a respeito do poderio americano no novo século, confirma os pontos de vista citados anteriormente: “A revolução na informação, a mudança tecnológica e a globalização não deverão substituir o Estado-nação, porém deverão contribuir para complicar os atores e questões no mundo político” (The Economist, 23/3/2002, p. 25).