SlideShare uma empresa Scribd logo
Gametogênese
Gametogênese
Gametogênese é o processo pelo qual os gametas são
produzidos nos organismos dotados de reprodução
sexuada. Nos animais, a gametogênese acontece nas
gônadas, órgãos que também produzem os hormônios
sexuais, que determinam as características que diferenciam
os machos das fêmeas.
O evento fundamental da gametogênese é a meiose, que
reduz à metade a quantidade de cromossomos das células,
originando células haploides. Na fecundação, a fusão de
dois gametas haploides reconstitui o número diploide
característico de cada espécie.
Em alguns raros casos, não acontece meiose durante a
formação dos gametas. Um exemplo bastante
conhecido é o das abelhas: se um óvulo não for
fecundado por nenhum espermatozoide, irá se
desenvolver por mitoses consecutivas, originando um
embrião em que todas as células são haploides. Esse
embrião haploide formará um indivíduo do sexo
masculino. O desenvolvimento de um gameta sem
que haja fecundação chama-se partenogênese. Se o
óvulo for fecundado, o embrião 2n irá originar uma
fêmea.
A Espermatogênese
Processo que ocorre nos testículos, as gônadas
masculinas. Secretam a testosterona, hormônio sexual
responsável pelo aparecimento das características
sexuais masculinas: aparecimento da barba e dos pelos
corporais em maior quantidade, massa muscular mais
desenvolvida, timbre grave da voz, etc.
As células dos testículos estão organizadas ao redor dos
túbulos seminíferos, nos quais os espermatozoides são
produzidos. A testosterona é secretada pelas células
intersticiais. Ao redor dos túbulos seminíferos, estão as
células de Sertoli, responsáveis pela nutrição e pela
sustentação das células da linhagem germinativa, ou seja,
as que irão gerar os espermatozoides.
A espermatogênese divide-se em quatro fases:
Fase de proliferação ou de multiplicação: Tem início durante a
vida intrauterina, antes mesmo do nascimento do menino, e se
prolonga praticamente por toda a vida. As células primordiais dos
testículos, diploides, aumentam em quantidade por mitoses
consecutivas e formam as espermatogônias.

Fase de crescimento: Um pequeno aumento no volume do
citoplasma das espermatogônias as converte em espermatócitos de
primeira ordem, também chamados espermatócitos primários ou
espermatócitos I, também diploides.
Fase de maturação: Também é rápida, nos machos, e corresponde ao
período de ocorrência da meiose. Depois da primeira divisão meiótica,
cada espermatócito de primeira ordem origina dois espermatócitos de
segunda ordem (espermatócitos secundários ou espermatócitos II).
Como resultam da primeira divisão da meiose, já são haploides, embora
possuam cromossomos duplicados. Com a ocorrência da segunda
divisão meiótica, os dois espermatócitos de segunda ordem originam
quatro espermátides haploides.
Espermiogênese: É o processo que converte as espermátides em
espermatozoides, perdendo quase todo o citoplasma. As vesículas do
complexo de Golgi fundem-se, formando o acrossomo, localizado na
extremidade anterior dos espermatozoides. O acrossomo contém
enzimas que perfuram as membranas do óvulo, na fecundação.
Gametogênese
Os centríolos migram para a região
imediatamente posterior ao núcleo
da espermátide e participam da formação
do flagelo, estrutura responsável pela
movimentação dos espermatozoides,
grande quantidade de mitocôndrias,
responsáveis pela respiração celular e pela
produção de ATP, concentram-se na região
entre a cabeça e o flagelo, conhecida como
peça intermediária.
A Ovogênese
Nos ovários, encontram-se agrupamentos celulares
chamados folículos ovarianos de Graff, onde estão as células
germinativas, que originam os gametas, e as células foliculares,
responsáveis pela manutenção das células germinativas e pela
produção dos hormônios sexuais femininos.
Nas mulheres, apenas um folículo ovariano entra em maturação a
cada ciclo menstrual, período compreendido entre duas
menstruações consecutivas e que dura, em média, 28 dias. Isso
significa que, a cada ciclo, apenas um gameta torna-se maduro e é
liberado no sistema reprodutor da mulher.
Os ovários alternam-se na maturação dos seus folículos, ou seja, a
cada ciclo menstrual, a liberação de um óvulo, ou ovulação, acontece
em um dos dois ovários.
Fase de multiplicação ou de proliferação: É uma fase de
mitoses consecutivas, quando as células germinativas aumentam
em quantidade e originam ovogônias. Nos fetos femininos
humanos, a fase proliferativa termina por volta do final do
primeiro trimestre da gestação. Portanto, quando uma menina
nasce, já possui em seus ovários cerca de 400 000 folículos de
Graff. É uma quantidade limitada, ao contrário dos homens, que
produzem espermatogônias durante quase toda a vida.
Fase de crescimento: Logo que são formadas, as ovogônias
iniciam a primeira divisão da meiose, interrompida na prófase I.
Passam, então, por um notável crescimento, com aumento do
citoplasma e grande acumulação de substâncias nutritivas. Esse
depósito citoplasmático de nutrientes chama-se vitelo, e é
responsável pela nutrição do embrião durante seu
desenvolvimento.
Terminada a fase de crescimento, as ovogônias transformam-se em
ovócitos primários (ovócitos de primeira ordem ou ovócitos I). Nas
mulheres, essa fase perdura até a puberdade, quando a menina inicia a
sua maturidade sexual.

Fase de maturação: Dos 400 000 ovócitos primários, apenas 350 ou
400 completarão sua transformação em gametas maduros, um a
cada ciclo menstrual. A fase de maturação inicia-se quando a
menina alcança a maturidade sexual, por volta de 11 a 15 anos de
idade.
Quando o ovócito primário completa a
primeira divisão da meiose,
interrompida na prófase I, origina duas
células. Uma delas não recebe
citoplasma e desintegra-se a seguir, na
maioria das vezes sem iniciar a
segunda divisão da meiose. É o
primeiro corpúsculo (ou glóbulo)
polar.
A outra célula, grande e rica em vitelo,
é o ovócito secundário (ovócito de
segunda ordem ou ovócito II). Ao
sofrer, a segunda divisão da meiose,
origina o segundo corpúsculo polar,
que também morre em pouco tempo, e
o óvulo, gameta feminino, célula
volumosa e cheia de vitelo.
Na gametogênese feminina, a divisão meiótica é
desigual porque não reparte igualmente o citoplasma entre as
células-filhas. Isso permite que o óvulo formado seja bastante
rico em substâncias nutritivas.
Na maioria das fêmeas de mamíferos, a segunda divisão da
meiose só acontece caso o gameta seja fecundado.
Curiosamente, o verdadeiro gameta dessas fêmeas é o ovócito II,
pois é ele que se funde com o espermatozoide.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptaçãoSeleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptação
Kamila Joyce
 
Especiação
EspeciaçãoEspeciação
Especiação
giovannimusetti
 
Genética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de HereditariedadeGenética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de Hereditariedade
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
Introdução à evolução
Introdução à evoluçãoIntrodução à evolução
Introdução à evolução
Lara Lídia
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Werner Mendoza Blanco
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Produção de gâmetas
Produção de gâmetasProdução de gâmetas
Produção de gâmetas
Tânia Reis
 
Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!
Rosalia Azambuja
 
Aula gametogênese
Aula gametogêneseAula gametogênese
Aula gametogênese
César Milani
 
Especiação
EspeciaçãoEspeciação
Especiação
URCA
 
Meiose
MeioseMeiose
Divisão celular mitose e meiose
Divisão celular  mitose e meioseDivisão celular  mitose e meiose
Divisão celular mitose e meiose
César Milani
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
Sérgio Luiz
 
Mitose
MitoseMitose
Mitose
Isabel Lopes
 
Segunda Lei de Mendel
Segunda Lei de MendelSegunda Lei de Mendel
Segunda Lei de Mendel
Carlos Priante
 
TIPOS DE REPRODUÇÃO
TIPOS DE REPRODUÇÃOTIPOS DE REPRODUÇÃO
TIPOS DE REPRODUÇÃO
Flávio Luiz João João
 
Embriogenese
EmbriogeneseEmbriogenese
Embriogenese
César Milani
 
Conceitos básicos de Genética
Conceitos básicos de GenéticaConceitos básicos de Genética
Conceitos básicos de Genética
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
Ciclo celular
Ciclo celularCiclo celular
Ciclo celular
margaridabt
 
2ª lei de mendel
2ª lei de mendel2ª lei de mendel
2ª lei de mendel
Iuri Fretta Wiggers
 

Mais procurados (20)

Seleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptaçãoSeleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptação
 
Especiação
EspeciaçãoEspeciação
Especiação
 
Genética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de HereditariedadeGenética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de Hereditariedade
 
Introdução à evolução
Introdução à evoluçãoIntrodução à evolução
Introdução à evolução
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Produção de gâmetas
Produção de gâmetasProdução de gâmetas
Produção de gâmetas
 
Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!
 
Aula gametogênese
Aula gametogêneseAula gametogênese
Aula gametogênese
 
Especiação
EspeciaçãoEspeciação
Especiação
 
Meiose
MeioseMeiose
Meiose
 
Divisão celular mitose e meiose
Divisão celular  mitose e meioseDivisão celular  mitose e meiose
Divisão celular mitose e meiose
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
 
Mitose
MitoseMitose
Mitose
 
Segunda Lei de Mendel
Segunda Lei de MendelSegunda Lei de Mendel
Segunda Lei de Mendel
 
TIPOS DE REPRODUÇÃO
TIPOS DE REPRODUÇÃOTIPOS DE REPRODUÇÃO
TIPOS DE REPRODUÇÃO
 
Embriogenese
EmbriogeneseEmbriogenese
Embriogenese
 
Conceitos básicos de Genética
Conceitos básicos de GenéticaConceitos básicos de Genética
Conceitos básicos de Genética
 
Ciclo celular
Ciclo celularCiclo celular
Ciclo celular
 
2ª lei de mendel
2ª lei de mendel2ª lei de mendel
2ª lei de mendel
 

Destaque

Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia HumanaGametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
Anatomia sexual
Anatomia sexualAnatomia sexual
Anatomia sexual
Victor Ygor
 
FecundaçãO
FecundaçãOFecundaçãO
FecundaçãO
Nuno Correia
 
Gametogenese
GametogeneseGametogenese
Gametogenese
Altair Hoepers
 
Gametogênese
GametogêneseGametogênese
Gametogênese
naiellyrodrigues
 
Gametogenese
GametogeneseGametogenese
Gametogenese
Marcia Moreira
 
7ª aula gametogênese
7ª aula   gametogênese7ª aula   gametogênese
7ª aula gametogênese
preuniversitarioitab
 
GametogêNese
GametogêNeseGametogêNese
Aula 01 Embriologia
Aula 01   EmbriologiaAula 01   Embriologia
Aula 01 Embriologia
Escola Arlinda Pessoa Morbeck
 
Fecundação
 Fecundação Fecundação
Fecundação
Rafaela Peruci
 
Gametogenese.ppt
Gametogenese.pptGametogenese.ppt
Gametogenese.ppt
Juarez Silva
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
Pedro Tavares
 
Aula de gametogenese
Aula de gametogeneseAula de gametogenese
Aula de gametogenese
Fatima Comiotto
 
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
Thiago Benevides
 
O sistema reprodutor Masculino e Feminino
O sistema reprodutor Masculino e FemininoO sistema reprodutor Masculino e Feminino
O sistema reprodutor Masculino e Feminino
Andreane Motta
 
Sistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculinoSistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculino
Fabiano Reis
 

Destaque (16)

Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia HumanaGametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
 
Anatomia sexual
Anatomia sexualAnatomia sexual
Anatomia sexual
 
FecundaçãO
FecundaçãOFecundaçãO
FecundaçãO
 
Gametogenese
GametogeneseGametogenese
Gametogenese
 
Gametogênese
GametogêneseGametogênese
Gametogênese
 
Gametogenese
GametogeneseGametogenese
Gametogenese
 
7ª aula gametogênese
7ª aula   gametogênese7ª aula   gametogênese
7ª aula gametogênese
 
GametogêNese
GametogêNeseGametogêNese
GametogêNese
 
Aula 01 Embriologia
Aula 01   EmbriologiaAula 01   Embriologia
Aula 01 Embriologia
 
Fecundação
 Fecundação Fecundação
Fecundação
 
Gametogenese.ppt
Gametogenese.pptGametogenese.ppt
Gametogenese.ppt
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Aula de gametogenese
Aula de gametogeneseAula de gametogenese
Aula de gametogenese
 
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
 
O sistema reprodutor Masculino e Feminino
O sistema reprodutor Masculino e FemininoO sistema reprodutor Masculino e Feminino
O sistema reprodutor Masculino e Feminino
 
Sistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculinoSistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculino
 

Semelhante a Gametogênese

Gametogênese
GametogêneseGametogênese
Gametogênese
Carla Costa
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Reprodução Reprodução
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Daniela Silveira
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Daniela Silveira
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Daniela Silveira
 
Aula teórica 3 e 4 Gametogênese
Aula teórica 3 e 4 GametogêneseAula teórica 3 e 4 Gametogênese
Aula teórica 3 e 4 Gametogênese
orildo santos
 
Gametogênese e fecundação
Gametogênese e fecundaçãoGametogênese e fecundação
Gametogênese e fecundação
Nicki Rosberg Ferreira maia
 
Gametogênese e fecundação
Gametogênese e fecundaçãoGametogênese e fecundação
Gametogênese e fecundação
Vanuza Lima
 
Gametogênese, fecundação e nidação.pptx.pdf
Gametogênese, fecundação e nidação.pptx.pdfGametogênese, fecundação e nidação.pptx.pdf
Gametogênese, fecundação e nidação.pptx.pdf
Helena Flávia
 
3°S _Aula 2_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2014
3°S _Aula 2_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 20143°S _Aula 2_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2014
3°S _Aula 2_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2014
Ionara Urrutia Moura
 
REPRODUÇÃO HUMANA.ppt
REPRODUÇÃO HUMANA.pptREPRODUÇÃO HUMANA.ppt
REPRODUÇÃO HUMANA.ppt
LussandraMarquez
 
Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013
Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013
Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013
CotucaAmbiental
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
Claudia Leite
 
A gametogênese
A gametogêneseA gametogênese
A gametogênese
Valéria Duarte
 
Ovogênese
OvogêneseOvogênese
Ovogênese
paulober
 
Aparelho Reprodutor Feminino
Aparelho Reprodutor FemininoAparelho Reprodutor Feminino
Aparelho Reprodutor Feminino
Amanda Thomé
 
Ovogenese2
Ovogenese2Ovogenese2
Ovogenese2
letyap
 
Ovogenese2[1]
Ovogenese2[1]Ovogenese2[1]
Ovogenese2[1]
Gaspar Neto
 
Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013
Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013
Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013
Ionara Urrutia Moura
 

Semelhante a Gametogênese (20)

Gametogênese
GametogêneseGametogênese
Gametogênese
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Reprodução
Reprodução Reprodução
Reprodução
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Aula teórica 3 e 4 Gametogênese
Aula teórica 3 e 4 GametogêneseAula teórica 3 e 4 Gametogênese
Aula teórica 3 e 4 Gametogênese
 
Gametogênese e fecundação
Gametogênese e fecundaçãoGametogênese e fecundação
Gametogênese e fecundação
 
Gametogênese e fecundação
Gametogênese e fecundaçãoGametogênese e fecundação
Gametogênese e fecundação
 
Gametogênese, fecundação e nidação.pptx.pdf
Gametogênese, fecundação e nidação.pptx.pdfGametogênese, fecundação e nidação.pptx.pdf
Gametogênese, fecundação e nidação.pptx.pdf
 
3°S _Aula 2_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2014
3°S _Aula 2_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 20143°S _Aula 2_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2014
3°S _Aula 2_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2014
 
REPRODUÇÃO HUMANA.ppt
REPRODUÇÃO HUMANA.pptREPRODUÇÃO HUMANA.ppt
REPRODUÇÃO HUMANA.ppt
 
Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013
Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013
Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
 
A gametogênese
A gametogêneseA gametogênese
A gametogênese
 
Ovogênese
OvogêneseOvogênese
Ovogênese
 
Aparelho Reprodutor Feminino
Aparelho Reprodutor FemininoAparelho Reprodutor Feminino
Aparelho Reprodutor Feminino
 
Ovogenese2
Ovogenese2Ovogenese2
Ovogenese2
 
Ovogenese2[1]
Ovogenese2[1]Ovogenese2[1]
Ovogenese2[1]
 
Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013
Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013
Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013
 

Mais de Rodolfo Ferreira de Oliveira

Preconceito Linguístico
Preconceito LinguísticoPreconceito Linguístico
Preconceito Linguístico
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
O olhar imperial e a invenção da África
O olhar imperial e a invenção da ÁfricaO olhar imperial e a invenção da África
O olhar imperial e a invenção da África
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Marie Curie
Marie CurieMarie Curie
Estrelas
EstrelasEstrelas
Fungos
FungosFungos
Café
CaféCafé
Origem e evolução do ser humano
Origem e evolução do ser humanoOrigem e evolução do ser humano
Origem e evolução do ser humano
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Cabo Verde
Cabo VerdeCabo Verde
Conhecimento Empírico
Conhecimento EmpíricoConhecimento Empírico
Conhecimento Empírico
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Globalização Política
Globalização PolíticaGlobalização Política
Globalização Política
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Feitorias
FeitoriasFeitorias
O trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasilO trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasil
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
As Leis de Newton
As Leis de NewtonAs Leis de Newton
As Leis de Newton
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
A linguagem visual
A linguagem visualA linguagem visual
A linguagem visual
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Células tronco embrionárias
Células tronco embrionáriasCélulas tronco embrionárias
Células tronco embrionárias
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Raça e etnia
Raça e etniaRaça e etnia
Tecido Conjuntivo
Tecido ConjuntivoTecido Conjuntivo
Tecido Conjuntivo
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Unidade
UnidadeUnidade
Movimento uniforme
Movimento uniformeMovimento uniforme
Movimento uniforme
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 

Mais de Rodolfo Ferreira de Oliveira (20)

Preconceito Linguístico
Preconceito LinguísticoPreconceito Linguístico
Preconceito Linguístico
 
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
Um Tubarão Gigantesco do Cretáceo Inferior na Formação do Duck Creek do Texas.
 
O olhar imperial e a invenção da África
O olhar imperial e a invenção da ÁfricaO olhar imperial e a invenção da África
O olhar imperial e a invenção da África
 
Marie Curie
Marie CurieMarie Curie
Marie Curie
 
Estrelas
EstrelasEstrelas
Estrelas
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Café
CaféCafé
Café
 
Origem e evolução do ser humano
Origem e evolução do ser humanoOrigem e evolução do ser humano
Origem e evolução do ser humano
 
Cabo Verde
Cabo VerdeCabo Verde
Cabo Verde
 
Conhecimento Empírico
Conhecimento EmpíricoConhecimento Empírico
Conhecimento Empírico
 
Globalização Política
Globalização PolíticaGlobalização Política
Globalização Política
 
Feitorias
FeitoriasFeitorias
Feitorias
 
O trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasilO trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasil
 
As Leis de Newton
As Leis de NewtonAs Leis de Newton
As Leis de Newton
 
A linguagem visual
A linguagem visualA linguagem visual
A linguagem visual
 
Células tronco embrionárias
Células tronco embrionáriasCélulas tronco embrionárias
Células tronco embrionárias
 
Raça e etnia
Raça e etniaRaça e etnia
Raça e etnia
 
Tecido Conjuntivo
Tecido ConjuntivoTecido Conjuntivo
Tecido Conjuntivo
 
Unidade
UnidadeUnidade
Unidade
 
Movimento uniforme
Movimento uniformeMovimento uniforme
Movimento uniforme
 

Último

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 

Gametogênese

  • 2. Gametogênese Gametogênese é o processo pelo qual os gametas são produzidos nos organismos dotados de reprodução sexuada. Nos animais, a gametogênese acontece nas gônadas, órgãos que também produzem os hormônios sexuais, que determinam as características que diferenciam os machos das fêmeas. O evento fundamental da gametogênese é a meiose, que reduz à metade a quantidade de cromossomos das células, originando células haploides. Na fecundação, a fusão de dois gametas haploides reconstitui o número diploide característico de cada espécie.
  • 3. Em alguns raros casos, não acontece meiose durante a formação dos gametas. Um exemplo bastante conhecido é o das abelhas: se um óvulo não for fecundado por nenhum espermatozoide, irá se desenvolver por mitoses consecutivas, originando um embrião em que todas as células são haploides. Esse embrião haploide formará um indivíduo do sexo masculino. O desenvolvimento de um gameta sem que haja fecundação chama-se partenogênese. Se o óvulo for fecundado, o embrião 2n irá originar uma fêmea.
  • 4. A Espermatogênese Processo que ocorre nos testículos, as gônadas masculinas. Secretam a testosterona, hormônio sexual responsável pelo aparecimento das características sexuais masculinas: aparecimento da barba e dos pelos corporais em maior quantidade, massa muscular mais desenvolvida, timbre grave da voz, etc. As células dos testículos estão organizadas ao redor dos túbulos seminíferos, nos quais os espermatozoides são produzidos. A testosterona é secretada pelas células intersticiais. Ao redor dos túbulos seminíferos, estão as células de Sertoli, responsáveis pela nutrição e pela sustentação das células da linhagem germinativa, ou seja, as que irão gerar os espermatozoides.
  • 5. A espermatogênese divide-se em quatro fases: Fase de proliferação ou de multiplicação: Tem início durante a vida intrauterina, antes mesmo do nascimento do menino, e se prolonga praticamente por toda a vida. As células primordiais dos testículos, diploides, aumentam em quantidade por mitoses consecutivas e formam as espermatogônias. Fase de crescimento: Um pequeno aumento no volume do citoplasma das espermatogônias as converte em espermatócitos de primeira ordem, também chamados espermatócitos primários ou espermatócitos I, também diploides.
  • 6. Fase de maturação: Também é rápida, nos machos, e corresponde ao período de ocorrência da meiose. Depois da primeira divisão meiótica, cada espermatócito de primeira ordem origina dois espermatócitos de segunda ordem (espermatócitos secundários ou espermatócitos II). Como resultam da primeira divisão da meiose, já são haploides, embora possuam cromossomos duplicados. Com a ocorrência da segunda divisão meiótica, os dois espermatócitos de segunda ordem originam quatro espermátides haploides. Espermiogênese: É o processo que converte as espermátides em espermatozoides, perdendo quase todo o citoplasma. As vesículas do complexo de Golgi fundem-se, formando o acrossomo, localizado na extremidade anterior dos espermatozoides. O acrossomo contém enzimas que perfuram as membranas do óvulo, na fecundação.
  • 8. Os centríolos migram para a região imediatamente posterior ao núcleo da espermátide e participam da formação do flagelo, estrutura responsável pela movimentação dos espermatozoides, grande quantidade de mitocôndrias, responsáveis pela respiração celular e pela produção de ATP, concentram-se na região entre a cabeça e o flagelo, conhecida como peça intermediária.
  • 9. A Ovogênese Nos ovários, encontram-se agrupamentos celulares chamados folículos ovarianos de Graff, onde estão as células germinativas, que originam os gametas, e as células foliculares, responsáveis pela manutenção das células germinativas e pela produção dos hormônios sexuais femininos. Nas mulheres, apenas um folículo ovariano entra em maturação a cada ciclo menstrual, período compreendido entre duas menstruações consecutivas e que dura, em média, 28 dias. Isso significa que, a cada ciclo, apenas um gameta torna-se maduro e é liberado no sistema reprodutor da mulher.
  • 10. Os ovários alternam-se na maturação dos seus folículos, ou seja, a cada ciclo menstrual, a liberação de um óvulo, ou ovulação, acontece em um dos dois ovários.
  • 11. Fase de multiplicação ou de proliferação: É uma fase de mitoses consecutivas, quando as células germinativas aumentam em quantidade e originam ovogônias. Nos fetos femininos humanos, a fase proliferativa termina por volta do final do primeiro trimestre da gestação. Portanto, quando uma menina nasce, já possui em seus ovários cerca de 400 000 folículos de Graff. É uma quantidade limitada, ao contrário dos homens, que produzem espermatogônias durante quase toda a vida. Fase de crescimento: Logo que são formadas, as ovogônias iniciam a primeira divisão da meiose, interrompida na prófase I. Passam, então, por um notável crescimento, com aumento do citoplasma e grande acumulação de substâncias nutritivas. Esse depósito citoplasmático de nutrientes chama-se vitelo, e é responsável pela nutrição do embrião durante seu desenvolvimento.
  • 12. Terminada a fase de crescimento, as ovogônias transformam-se em ovócitos primários (ovócitos de primeira ordem ou ovócitos I). Nas mulheres, essa fase perdura até a puberdade, quando a menina inicia a sua maturidade sexual. Fase de maturação: Dos 400 000 ovócitos primários, apenas 350 ou 400 completarão sua transformação em gametas maduros, um a cada ciclo menstrual. A fase de maturação inicia-se quando a menina alcança a maturidade sexual, por volta de 11 a 15 anos de idade.
  • 13. Quando o ovócito primário completa a primeira divisão da meiose, interrompida na prófase I, origina duas células. Uma delas não recebe citoplasma e desintegra-se a seguir, na maioria das vezes sem iniciar a segunda divisão da meiose. É o primeiro corpúsculo (ou glóbulo) polar. A outra célula, grande e rica em vitelo, é o ovócito secundário (ovócito de segunda ordem ou ovócito II). Ao sofrer, a segunda divisão da meiose, origina o segundo corpúsculo polar, que também morre em pouco tempo, e o óvulo, gameta feminino, célula volumosa e cheia de vitelo.
  • 14. Na gametogênese feminina, a divisão meiótica é desigual porque não reparte igualmente o citoplasma entre as células-filhas. Isso permite que o óvulo formado seja bastante rico em substâncias nutritivas. Na maioria das fêmeas de mamíferos, a segunda divisão da meiose só acontece caso o gameta seja fecundado. Curiosamente, o verdadeiro gameta dessas fêmeas é o ovócito II, pois é ele que se funde com o espermatozoide.