SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
HELMINTOS
Prof. Lucas Alexim
HELMINTOS
- Todo helminto parasita
tem que ser sustentável,
ou seja, ele se instala no
hospedeiro porém não
o leva à óbito. Caso leve
o hospedeiro à óbito,
ele perde sua fonte de
nutrição.
- Os helmintos são
divididos em dois filos:
Os platelmintes e os
nematódeos.
CARACTERÍSTICAS GERAIS
- São animais que possuem
corpo alongado e achatado
dorso-ventralmente, com
aspecto de fita.
- Existem espécies de vida livre
(planária). No entanto muitos
são parasitas e habitam outros
seres vivos, causando doenças.
- Sistema digestório incompleto.
- Simetria bilateral.
- Não possuem órgãos para circulação, esse processo é feito de célula a
célula (difusão).
- O sistema nervoso apresenta dois cordões nervosos longitudinais
unidos a um par de gânglios cerebrais.
- Sua organização corporal é bastante simples, porém é mais evoluída,
se comparada a dos cnidários, pois possuem órgãos bem definidos,
formados pela associação de diferentes tecidos.
- São triblásticos.
- Excreção por protonefrídios e por difusão através da superfície
corporal.
- Respiração cutânea.
- O filo é dividido em três classes: Turbelários (planária), Trematódeos
(esquistossomo) e cestódeos (tênias)
- Representante: Planárias.
- Animais de vida livre.
- Presença de ocelos.
- O alimento é ingerido pela boca, situada na superfície ventral do
corpo. Da boca passa para a cavidade digestiva, composta de
faringe e intestino. Não possuem ânus, os restos alimentares são
eliminados pela boca.
- Assexuada:
- Sexuada:
- Representado pelo esquistossomo,
cientificamente conhecido como
Schistosoma mansoni, possui cerca
de 1 cm e causa uma verminose
grave e de difícil cura, chamada
de esquistossomose ou barriga d’água.
- Alojam-se nos vasos sanguíneos do
fígado e se nutrem de sangue. Provocam
um derramamento de líquidos no
abdome do hospedeiro, caracterizando o
inchaço exagerado da região abdominal.
CARACTERÍSTICAS DA ESQUISTOSSOMOSE
- Sintomas: complicações intestinais, hemorragias e disfunção do
fígado.
- Tratamento: existem algumas drogas capazes de matar o verme no
organismo humano, mas o melhor remédio é a prevenção.
- Profilaxia: medidas que previnam a infestação das pessoas pelo
verme, como: construção de instalações sanitárias adequadas, que
impeçam a contaminação de rios, lagos, etc; eliminação dos caramujos
(do tipo Biomphalaria) que são os hospedeiros intermediários; evitar o
contato com água suspeita de contaminação.
- As tênias são conhecidas como solitárias, pois dificilmente mais de um
indivíduo consegue habitar o intestino do mesmo hospedeiro. Existem
duas espécies que parasitam o intestino humano: a Taenia solium
(transmitida pela carne do porco) e a Taenia saginata (transmitida pela
carne do boi).
- As tênias são revestidas por uma cutícula resistente, que as protege das
enzimas digestivas do hospedeiro.
- Causam a teníase (ou a cisticercose).
- Porco e boi são hospedeiros intermediários, enquanto que o ser
humano é o hospedeiro definitivo.
- O corpo das tênias está adaptado para a vida parasitária. Na região
anterior, denominada escólex (a cabeça do verme), existem estruturas
que auxiliam a fixação do parasita no intestino humano. No caso da
Taenia solium, há ganchos e ventosas e, no caso da Taenia saginata,
há somente ventosas.
- A região posterior do corpo é bastante alongada e formada por
estruturas chamadas proglótides. Cada proglótide é formada por uma
estrutura hermafrodita de reprodução.
- A fecundação ocorre dentro das proglótides, fenômeno chamado
autofecundação.
CARACTERÍSTICAS DA TENÍASE / CISTICERCOSE
- Sintomas: A teníase pode causar diarreias, obstruções intestinais e
até hemorragias internas. Já a cisticercose pode causar danos brandos
na musculatura do hospedeiro, mas também pode causar danos à
órgãos vitais, como o cérebro. Neste caso pode levar à demência
periódica, ataques epiléticos e óbito.
- Tratamento: Atualmente existem medicamentos bastante eficazes
para a eliminação de tênias do organismo humano.
- Profilaxia: Instalações sanitárias adequadas, com fossas sépticas ou
sistemas de esgotos, que possam impedir que os ovos de tênias sejam
ingeridos pelos hospedeiros intermediários (boi ou porco); Evitar
comer carne crua ou assada incorretamente.
CARACTERÍSTICAS GERAIS
- Corpo cilíndrico e afilado nas pontas.
- Representante mais popular: lombriga (Ascaris lumbricoides).
- A maioria dos nematódeos é de vida livre e habitam o solo.
- São triblásticos.
- Presença de pseudoceloma.
- Simetria bilateral.
- Sistema digestório completo.
- Não possuem sistema respiratório, por isso realizam respiração
cutânea.
- Não possuem sistema circulatório. As células intestinais absorvem os
nutrientes e distribuem por todo o corpo através do líquido do
pseudoceloma.
- As excretas também são lançadas no pseudoceloma, de onde são
removidas por duas células tubulares gigantes que percorrem
lateralmente o seu corpo, cada uma dessa células é chamada de canal
excretor. Os canais excretores unem-se e desembocam em um poro
excretor.
DOENÇAS CAUSADAS POR NEMATÓDEOS
A partir desse ponto, iremos estudar as doenças causadas por
nematódeos. Entre os nematódeos parasitas da espécie humana,
destacam-se:
- As lombrigas (Ascaris lumbricoides), causadores da ascaridíase.
- Os ancilóstomos (Ancylostoma duodenalis ou Necator americanus),
causadores do amarelão.
- As filárias (Wuchereria bancrofti), causadores da elefantíase.
- Os enteróbios (Enterobius vermicularis), causadores da oxiurose.
- Os ancilóstomos (Ancylostoma brasiliensis), causadores do bicho-
geográfico.
CICLO DE VIDA DA ASCARIDÍASE
CARACTERÍSTICAS DA ASCARIDÍASE
- Sintomas: Bronquite (causada por larvas em migração), diarreia,
cólica, obstrução intestinal. Se as lombrigas se instalarem em órgãos
vitais, pode levar à morte (em casos de grandes infestações)
- Tratamento: Medicamentos que matam os vermes no intestino.
- Profilaxia: Construção de instalações sanitárias adequadas, como
fossas sépticas ou esgotos convenientemente tratados, para impedir a
contaminação da água e de alimentos. Um cuidado importante (não só
no caso da ascaridíase) é verificar a qualidade da água potável, e se
possível fervê-la. Além disso, lavar frutas, verduras e legumes
consumidos crus, usando água sanitária.
CICLO DE VIDA DO AMARELÃO
CARACTERÍSTICAS DO AMARELÃO
- Sintomas: Hemorragias internas (devido às lesões que os “dentes” do
verme causam). Infestações severas tornam a pessoa anêmica, fraca,
desanimada, com uma palidez típica na face. Crianças com muitos
vermes, podem ter problemas no crescimento, devido à anemia.
- Tratamento: Existem drogas terapêuticas eficientes para matar os
vermes no intestino.
- Profilaxia: Construção de instalações sanitárias adequadas, para que
os ovos do parasita não contaminem o solo. O uso de calçados
também é importante, para que as larvas não penetrem nos pés, a
“porta de entrada” mais comum dessa verminose.
CICLO DE VIDA DA FILARIOSE
CARACTERÍSTICAS DA FILARIOSE
- Sintomas: Inchaços (edemas) causados pela obstrução dos vasos
linfáticos pelo verme adulto, com extravasamento de linfa para os
tecidos, podendo chegar à morte pois o sistema imunológico fica
comprometido.
- Tratamento: São usados medicamentos para eliminar o verme, mas
se o sistema linfático estiver muito afetado, pode ser prejudicial. É
importante tratar as infecções secundárias.
- Profilaxia: Combate ao mosquito transmissor (Culex). Proteger as
casas com telas e usar cortinados sobre a cama.
CICLO DE VIDA DA OXIUROSE
CARACTERÍSTICAS DA OXIUROSE
- Sintomas: Desarranjos intestinais e coceira no ânus (causada pelas
fêmeas que se fixam nessa região e colocam seus ovos). Defecação de
sangue, náuseas e vômitos também são comuns.
- Tratamento: Como é uma parasitose branda, remédios simples
eliminam os vermes.
- Profilaxia: Construção de instalações sanitárias adequadas. Evitar
coçar o ânus e pôr a mão na boca (ação muito comum em crianças)
Ciclo de vida do bicho-geográfico
CARACTERÍSTICAS DO BICHO GEOGRÁFICO
- Sintomas: Irritação e coceira na pele, com manchas típicas que
lembram mapas, causadas pelas larvas que migram pela pele, por isso
são chamadas de “larva migrans”.
- Tratamento: O tratamento para o bicho-geográfico é feito com
medicamento via oral ou pomada. Quando o bicho-geográfico morre,
seus vestígios podem provocar muita coceira e passar uma pedrinha
de gelo no local pode aliviar este desconforto, sendo este um ótimo
tratamento caseiro.
- Profilaxia: Impedir que cães e gatos defequem em áreas de uso
humano e uso de calçados.
FIM
Qualquer semelhança é mera coincidência...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teníase
 Teníase Teníase
Teníase
3a2011
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Tiago da Silva
 

Mais procurados (20)

Aula de enterobius vermicularis
Aula de  enterobius vermicularisAula de  enterobius vermicularis
Aula de enterobius vermicularis
 
Seminário métodos e técnicas do ensino
Seminário  métodos e técnicas do ensinoSeminário  métodos e técnicas do ensino
Seminário métodos e técnicas do ensino
 
Giardia
GiardiaGiardia
Giardia
 
Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Aula resumo helmintos
Aula resumo helmintosAula resumo helmintos
Aula resumo helmintos
 
Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
 
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Parasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lambliaParasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lamblia
 
Giardiase
GiardiaseGiardiase
Giardiase
 
slide Filarioses
slide Filariosesslide Filarioses
slide Filarioses
 
Amarelão
AmarelãoAmarelão
Amarelão
 
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
 
Teníase
 Teníase Teníase
Teníase
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
 

Semelhante a Helmintos (1)

Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)
Bio
 
INVERTEBRADOS DE IMPORTÂNCIA MÉDICA PARA O HOMEM: TENÍASE - NEUROCISTICERCOSE
INVERTEBRADOS DE IMPORTÂNCIA MÉDICA PARA O HOMEM: TENÍASE - NEUROCISTICERCOSEINVERTEBRADOS DE IMPORTÂNCIA MÉDICA PARA O HOMEM: TENÍASE - NEUROCISTICERCOSE
INVERTEBRADOS DE IMPORTÂNCIA MÉDICA PARA O HOMEM: TENÍASE - NEUROCISTICERCOSE
Rosa Dall'Agnol
 
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.pptBloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
PatriciaZanoli
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
bioblocmb
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
Bio
 

Semelhante a Helmintos (1) (20)

Reino animalia (metazoa)
Reino animalia (metazoa)Reino animalia (metazoa)
Reino animalia (metazoa)
 
Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)
 
Platelminto se Nematelmintos.ppt
Platelminto se Nematelmintos.pptPlatelminto se Nematelmintos.ppt
Platelminto se Nematelmintos.ppt
 
Platelmintos_e_Nematelmintos (1).ppt
Platelmintos_e_Nematelmintos (1).pptPlatelmintos_e_Nematelmintos (1).ppt
Platelmintos_e_Nematelmintos (1).ppt
 
Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)
 
bioresumo.filo.nematoda.pdf
bioresumo.filo.nematoda.pdfbioresumo.filo.nematoda.pdf
bioresumo.filo.nematoda.pdf
 
INVERTEBRADOS DE IMPORTÂNCIA MÉDICA PARA O HOMEM: TENÍASE - NEUROCISTICERCOSE
INVERTEBRADOS DE IMPORTÂNCIA MÉDICA PARA O HOMEM: TENÍASE - NEUROCISTICERCOSEINVERTEBRADOS DE IMPORTÂNCIA MÉDICA PARA O HOMEM: TENÍASE - NEUROCISTICERCOSE
INVERTEBRADOS DE IMPORTÂNCIA MÉDICA PARA O HOMEM: TENÍASE - NEUROCISTICERCOSE
 
Plano de aula 10
Plano de aula 10Plano de aula 10
Plano de aula 10
 
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - PlatelmintosFilo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
 
Principais verminoses humanas
Principais verminoses humanasPrincipais verminoses humanas
Principais verminoses humanas
 
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.pptBloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
 
INVERTEBRADOS DE IMPORTÂNCIA MÉDICA PARA O HOMEM: TENÍASE - NEUROCISTICERCOSE
INVERTEBRADOS DE IMPORTÂNCIA MÉDICA PARA O HOMEM: TENÍASE - NEUROCISTICERCOSEINVERTEBRADOS DE IMPORTÂNCIA MÉDICA PARA O HOMEM: TENÍASE - NEUROCISTICERCOSE
INVERTEBRADOS DE IMPORTÂNCIA MÉDICA PARA O HOMEM: TENÍASE - NEUROCISTICERCOSE
 
Aula invertebrados
Aula invertebradosAula invertebrados
Aula invertebrados
 
Zoologia invertebrados
Zoologia invertebradosZoologia invertebrados
Zoologia invertebrados
 
Platelmintos.pdf
Platelmintos.pdfPlatelmintos.pdf
Platelmintos.pdf
 
Reino monera, protista
Reino monera, protistaReino monera, protista
Reino monera, protista
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Zoologia dos Invertebrados
Zoologia dos InvertebradosZoologia dos Invertebrados
Zoologia dos Invertebrados
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
 
Filo platelminto
Filo platelmintoFilo platelminto
Filo platelminto
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 

Helmintos (1)

  • 2. HELMINTOS - Todo helminto parasita tem que ser sustentável, ou seja, ele se instala no hospedeiro porém não o leva à óbito. Caso leve o hospedeiro à óbito, ele perde sua fonte de nutrição. - Os helmintos são divididos em dois filos: Os platelmintes e os nematódeos.
  • 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS - São animais que possuem corpo alongado e achatado dorso-ventralmente, com aspecto de fita. - Existem espécies de vida livre (planária). No entanto muitos são parasitas e habitam outros seres vivos, causando doenças. - Sistema digestório incompleto. - Simetria bilateral.
  • 4. - Não possuem órgãos para circulação, esse processo é feito de célula a célula (difusão). - O sistema nervoso apresenta dois cordões nervosos longitudinais unidos a um par de gânglios cerebrais. - Sua organização corporal é bastante simples, porém é mais evoluída, se comparada a dos cnidários, pois possuem órgãos bem definidos, formados pela associação de diferentes tecidos. - São triblásticos. - Excreção por protonefrídios e por difusão através da superfície corporal. - Respiração cutânea. - O filo é dividido em três classes: Turbelários (planária), Trematódeos (esquistossomo) e cestódeos (tênias)
  • 5. - Representante: Planárias. - Animais de vida livre. - Presença de ocelos. - O alimento é ingerido pela boca, situada na superfície ventral do corpo. Da boca passa para a cavidade digestiva, composta de faringe e intestino. Não possuem ânus, os restos alimentares são eliminados pela boca.
  • 7. - Representado pelo esquistossomo, cientificamente conhecido como Schistosoma mansoni, possui cerca de 1 cm e causa uma verminose grave e de difícil cura, chamada de esquistossomose ou barriga d’água. - Alojam-se nos vasos sanguíneos do fígado e se nutrem de sangue. Provocam um derramamento de líquidos no abdome do hospedeiro, caracterizando o inchaço exagerado da região abdominal.
  • 8.
  • 9. CARACTERÍSTICAS DA ESQUISTOSSOMOSE - Sintomas: complicações intestinais, hemorragias e disfunção do fígado. - Tratamento: existem algumas drogas capazes de matar o verme no organismo humano, mas o melhor remédio é a prevenção. - Profilaxia: medidas que previnam a infestação das pessoas pelo verme, como: construção de instalações sanitárias adequadas, que impeçam a contaminação de rios, lagos, etc; eliminação dos caramujos (do tipo Biomphalaria) que são os hospedeiros intermediários; evitar o contato com água suspeita de contaminação.
  • 10. - As tênias são conhecidas como solitárias, pois dificilmente mais de um indivíduo consegue habitar o intestino do mesmo hospedeiro. Existem duas espécies que parasitam o intestino humano: a Taenia solium (transmitida pela carne do porco) e a Taenia saginata (transmitida pela carne do boi). - As tênias são revestidas por uma cutícula resistente, que as protege das enzimas digestivas do hospedeiro.
  • 11. - Causam a teníase (ou a cisticercose). - Porco e boi são hospedeiros intermediários, enquanto que o ser humano é o hospedeiro definitivo. - O corpo das tênias está adaptado para a vida parasitária. Na região anterior, denominada escólex (a cabeça do verme), existem estruturas que auxiliam a fixação do parasita no intestino humano. No caso da Taenia solium, há ganchos e ventosas e, no caso da Taenia saginata, há somente ventosas. - A região posterior do corpo é bastante alongada e formada por estruturas chamadas proglótides. Cada proglótide é formada por uma estrutura hermafrodita de reprodução. - A fecundação ocorre dentro das proglótides, fenômeno chamado autofecundação.
  • 12.
  • 13.
  • 14. CARACTERÍSTICAS DA TENÍASE / CISTICERCOSE - Sintomas: A teníase pode causar diarreias, obstruções intestinais e até hemorragias internas. Já a cisticercose pode causar danos brandos na musculatura do hospedeiro, mas também pode causar danos à órgãos vitais, como o cérebro. Neste caso pode levar à demência periódica, ataques epiléticos e óbito. - Tratamento: Atualmente existem medicamentos bastante eficazes para a eliminação de tênias do organismo humano. - Profilaxia: Instalações sanitárias adequadas, com fossas sépticas ou sistemas de esgotos, que possam impedir que os ovos de tênias sejam ingeridos pelos hospedeiros intermediários (boi ou porco); Evitar comer carne crua ou assada incorretamente.
  • 15.
  • 16. CARACTERÍSTICAS GERAIS - Corpo cilíndrico e afilado nas pontas. - Representante mais popular: lombriga (Ascaris lumbricoides). - A maioria dos nematódeos é de vida livre e habitam o solo. - São triblásticos. - Presença de pseudoceloma. - Simetria bilateral. - Sistema digestório completo. - Não possuem sistema respiratório, por isso realizam respiração cutânea. - Não possuem sistema circulatório. As células intestinais absorvem os nutrientes e distribuem por todo o corpo através do líquido do pseudoceloma.
  • 17. - As excretas também são lançadas no pseudoceloma, de onde são removidas por duas células tubulares gigantes que percorrem lateralmente o seu corpo, cada uma dessa células é chamada de canal excretor. Os canais excretores unem-se e desembocam em um poro excretor.
  • 18. DOENÇAS CAUSADAS POR NEMATÓDEOS A partir desse ponto, iremos estudar as doenças causadas por nematódeos. Entre os nematódeos parasitas da espécie humana, destacam-se: - As lombrigas (Ascaris lumbricoides), causadores da ascaridíase. - Os ancilóstomos (Ancylostoma duodenalis ou Necator americanus), causadores do amarelão. - As filárias (Wuchereria bancrofti), causadores da elefantíase. - Os enteróbios (Enterobius vermicularis), causadores da oxiurose. - Os ancilóstomos (Ancylostoma brasiliensis), causadores do bicho- geográfico.
  • 19. CICLO DE VIDA DA ASCARIDÍASE
  • 20. CARACTERÍSTICAS DA ASCARIDÍASE - Sintomas: Bronquite (causada por larvas em migração), diarreia, cólica, obstrução intestinal. Se as lombrigas se instalarem em órgãos vitais, pode levar à morte (em casos de grandes infestações) - Tratamento: Medicamentos que matam os vermes no intestino. - Profilaxia: Construção de instalações sanitárias adequadas, como fossas sépticas ou esgotos convenientemente tratados, para impedir a contaminação da água e de alimentos. Um cuidado importante (não só no caso da ascaridíase) é verificar a qualidade da água potável, e se possível fervê-la. Além disso, lavar frutas, verduras e legumes consumidos crus, usando água sanitária.
  • 21. CICLO DE VIDA DO AMARELÃO
  • 22. CARACTERÍSTICAS DO AMARELÃO - Sintomas: Hemorragias internas (devido às lesões que os “dentes” do verme causam). Infestações severas tornam a pessoa anêmica, fraca, desanimada, com uma palidez típica na face. Crianças com muitos vermes, podem ter problemas no crescimento, devido à anemia. - Tratamento: Existem drogas terapêuticas eficientes para matar os vermes no intestino. - Profilaxia: Construção de instalações sanitárias adequadas, para que os ovos do parasita não contaminem o solo. O uso de calçados também é importante, para que as larvas não penetrem nos pés, a “porta de entrada” mais comum dessa verminose.
  • 23. CICLO DE VIDA DA FILARIOSE
  • 24. CARACTERÍSTICAS DA FILARIOSE - Sintomas: Inchaços (edemas) causados pela obstrução dos vasos linfáticos pelo verme adulto, com extravasamento de linfa para os tecidos, podendo chegar à morte pois o sistema imunológico fica comprometido. - Tratamento: São usados medicamentos para eliminar o verme, mas se o sistema linfático estiver muito afetado, pode ser prejudicial. É importante tratar as infecções secundárias. - Profilaxia: Combate ao mosquito transmissor (Culex). Proteger as casas com telas e usar cortinados sobre a cama.
  • 25. CICLO DE VIDA DA OXIUROSE
  • 26. CARACTERÍSTICAS DA OXIUROSE - Sintomas: Desarranjos intestinais e coceira no ânus (causada pelas fêmeas que se fixam nessa região e colocam seus ovos). Defecação de sangue, náuseas e vômitos também são comuns. - Tratamento: Como é uma parasitose branda, remédios simples eliminam os vermes. - Profilaxia: Construção de instalações sanitárias adequadas. Evitar coçar o ânus e pôr a mão na boca (ação muito comum em crianças)
  • 27. Ciclo de vida do bicho-geográfico
  • 28. CARACTERÍSTICAS DO BICHO GEOGRÁFICO - Sintomas: Irritação e coceira na pele, com manchas típicas que lembram mapas, causadas pelas larvas que migram pela pele, por isso são chamadas de “larva migrans”. - Tratamento: O tratamento para o bicho-geográfico é feito com medicamento via oral ou pomada. Quando o bicho-geográfico morre, seus vestígios podem provocar muita coceira e passar uma pedrinha de gelo no local pode aliviar este desconforto, sendo este um ótimo tratamento caseiro. - Profilaxia: Impedir que cães e gatos defequem em áreas de uso humano e uso de calçados.
  • 29. FIM Qualquer semelhança é mera coincidência...